As Estruturas Narrativas | Tzvetan Todorov

| sábado, 19 de março de 2011
Por conseguinte, o estudo das formas permite penetrar nas relações funcionais. Ao mesmo tempo, o estudo das obras isoladas, consideradas como sistemas fechados, não é suficiente. As mudanças que o código literário sofre, de uma obra para outra, não significam que todo texto literário tenha seu código próprio. £ preciso evitar duas
posições extremas: acreditar que existe um código comum a toda literatura, afirmar que cada obra engendra um código diferente. A descrição exaustiva de um fenômeno, sem recorrer ao sistema geral que o integra, é impossível. A lingüística contemporânea sabe bem disso: “É tão contraditório descrever sistemas isolados
sem fazer sua taxinomia quanto construir uma taxinomia na ausência de descrições de fenômenos particulares: as duas tarefas implicam-se mutuamente” (Jakobson, 1963, p. 70).
As Estruturas Narrativas
http://groups.google.com/group/digitalsource
Coleção Debates
Dirigida por J. Guinsburg
Equipe de realização Tradução: Leila Perrone-Moisés: Produção:
Ricardo W. Neves e Raquel Fernandes Abranches.
tzvetan todorov
AS ESTRUTURAS
NARRATIVAS
Titulo original em Francês:
Pour une Theorie du Recit
Copyright
Dados internacionais de Catalogação na Publicação (CIP)
(Câmara Brasileira do Livro, SP, Brasil)
Todorov, Tzvetan a, 1 939-.
Ás estruturas narrativas / Tzvetan Todorov [tradução
Leyla Perrone-Moisés]. — São Paulo: Perspectiva, 2006. —
(Debates; 14 / dirigida por J. Guinsburg)
Título original: Pour une Theorie du Recit
3ª reimpr. da 4. cd. de 2003.
Bibliografia.
ISBN 85-273-0386-8
1. Análise do discurso narrativo 2. Estruturalismo (Análise
literária) 3. Narrativa (Retórica) 4. Semiótica e literatura
5. Teoria literária I. Guinsburg, J. II. Título. III. Série.
04-3142 CDD-801.95
Índices para catálogo sistemático:
1. Narrativa : Análise estrutural : Teoria literária 801.95
2. Narrativa : Crítica estrutural : Teoria literária 801.95
4ª edição 3ª reimpressão
Direitos em língua portuguesa reservados á
EDITORA PERSPECTIVA S.A.
Av. Brigadeiro Luís Antônio. 3025
01401-000 — São Paulo SP Brasil 53
Telefax: (0--11) 3885-8388
www.editoraperspectiva.com.br
2006
ÍNDICE
Apresentação .......................................... 9
Prefácio ................................................ 17
I. PRELIMINARES
1. A Herança Metodológica do Formalismo ....... 27
2. Linguagem e Literatura ........................ 53
3. Poética e Critica .............................. 65
4. Análise Estrutural da Narrativa .................. 79
[Página 7]
II. ANÁLISES
1. Tipologia do Romance Policial .................. 93
2. A Narrativa Primordial ........................ 105
3. Os Homens-Narrativas ........................ 119
4. A Gramática da Narrativa ........................ 135
5. A Narrativa Fantástica ........................ 147
6. A Demanda da Narrativa ........................ 167
7. Os Fantasmas de Henry James .................. 191
[Página 8]
APRESENTAÇÃO
A utilização da análise estrutural vem-se difundindo cada
vez mais nas ciências humanas. Nos estudos literários, esse
método tem conhecido alguns percalços. Tendo despontado nos
trabalhos dos formalistas russos, por volta de 1920, não conheceu
porém a mesma evolução do estruturalismo lingüístico. Enquanto
os lingüistas continuaram a desenvolver e a precisar o método
estrutural promovendo a lingüística a ciência-piloto entre as
demais ciências humanas, os trabalhos pioneiros dos formalistas
caíram, por certo tempo, em relativo esquecimento. [Página 9]
Somente uns trinta anos mais tarde esses trabalhos tiveram
eco e continuação no Ocidente. O encontro de dois grandes
pensadores, Roman Jakobson e Lévi-Strauss teve como resultado
a eclosão do estruturalismo francês. A análise por ambos
empreendida, em 1962, do poema Les Chats de Baudelaire,
deslocou para a França o centro das pesquisas estruturais em
literatura. A partir de então, um grupo cada vez mais numeroso de
críticos franceses vem trabalhando nesse sentido. Entre eles,
destaca-se o nome de Roland Barthes, cujo livro Critique et
Vérité marcou o ponto culminante da polêmica entre a crítica
tradicional e a “nouvelle critique”. O que caracteriza o trabalho do
grupo estruturalista francês é a abertura e a receptividade para o
que se tem feito no mesmo sentido em outros países, a
assimilação e reelaboração de idéias vindas do Leste (formalismo
russo, Círculo Lingüístico do Praga) como do Oeste (pesquisas
semióticas norte-americanas, “new criticism”, lingüística
transformacional).
O método estruturalista tem sofrido inúmeras contestações.
A primeira objeção que a ele se fez, e a mais comum ainda agora,
é a que diz respeito ao “formalismo”. Ora, embora o grupo russo
ficasse conhecido como “formalista” e suas análises procedessem
do exterior para o interior da obra — em termos saussurianos, do
significante para o significado — seus componentes jamais
admitiram a separação de forma e conteúdo. Forma e conteúdo
são inseparáveis. Onde está o conteúdo senão na forma? Será
possível uma forma verbal sem conteúdo? A única separação que
se pode fazer é operacional. E não se trata então de uma separação
entre forma e conteúdo, mas de uma distinção metodológica entre
“material” e “procedimento”.
Outra acusação freqüentemente feita contra o estruturalismo
é a de “imobilismo”. À semelhança do que se faz nas outras áreas,
o estruturalista literário procura extrair da obra particular as
estruturas gerais de um gênero, de um movimento ou de uma
literatura nacional; visa, portanto, ao estabelecimento de modelos.
Ora, o conceito de modelo, fundamental para o estruturalismo,
tem sido atacado como um conceito a-histórico, imobilista.
Entretanto, devemos precisar que não é ao modelo em si que visa
a análise estrutural. O modelo, assim como as distinções acima
citadas, [Página 10] é uma abstração com fins aplicativos.
Procura-se, por exemplo, estabelecer o protótipo de determinado
tipo de narrativa não para alcançar este protótipo ele mesmo, mas
para aplicá-lo a obras particulares. Cria-se pois um movimento
circular: das obras particulares extrai-se o modelo, que será em
seguida aplicado a obras particulares. Realizando esse circuito,
elucidam-se a natureza e as características do fenômeno literário.
Aquilo que fica para fora do molde é o específico, o
original, o elemento gerador de transformações ulteriores. Cada
grande obra literária supera o modelo anterior de seu gênero e
estabelece outro, à luz do qual serão examinadas as obras
seguintes; e assim por diante. O modelo, portanto, nunca é
definitivo. Os “modelos” da ciência também têm variado através
dos tempos, sem que isso tenha impedido seu avanço (muito pelo
contrário). O modelo ideal é aquele que tenha algumas traves
mestras, mas ofereça ao mesmo tempo certa flexibilidade, para
poder variar no momento da aplicação e ser capaz de revelar tanto
o repetido quanto o novo.
Outra crítica dirigida ao estruturalismo literário diz respeito
à sua pretensão de lançar as bases de uma ciência da literatura.
Poderá a análise literária atingir a objetividade e o rigor de uma
verdadeira ciência? O que não pode ser negado é que a análise
estrutural possibilita uma objetividade e um rigor muito maiores
do que os que se podiam atingir com os métodos empíricos da
crítica tradicional. Partindo da forma e do arranjo dos signos, para
avançar pouco a pouco em direção de sua significação,
começando da descrição dos fenômenos para empreender em
seguida sua interpretação (assim como, na lingüística moderna,
avança-se da fonética em direção à semântica), os resultados a
que chega a análise estrutural, embora de início menos
espetaculares, oferecem uma segurança e uma precisão raramente
alcançadas em crítica literária. Ao atingir o plano da significação,
o crítico já terá desvendado uma série de estruturas formais em
que se apoiarão suas interpretações, evitando que elas se diluam
no impressionismo e no subjetivismo.
Estes são alguns dos problemas que tem atraído a atenção de
Tzvetan Todorov. Todorov representa um elo vivo entre o
formalismo russo e o estruturalismo [Página 11] francês. Nascido
na Bulgária em 1939, teve uma formação lingüística e literária
aberta para as idéias eslavas. Radicando-se na França em 1964, a
primeira tarefa que empreendeu foi a tradução dos textos
fundamentais dos formalistas russos para o francês: Théorie de la
littérature. Textes des formalistes russes (Seuil, 1965). Sendo
esses textos até então raros ou inacessíveis, por permanecerem
numa língua pouco conhecida no Ocidente, a tradução de
Todorov preenchia uma lacuna e abria caminhos novos para os
estudos literários franceses.
Mas Todorov não se contentou com a divulgação das idéias
formalistas. O grupo russo se dissolvera em 1930, sem ter
chegado a elaborar uma teoria coerente e comum. Muitos de seus
estudos permaneceram em estágio embrionário ou não chegaram
a desfazer suas contradições. Além disso, nas últimas décadas, a
lingüística conheceu enorme desenvolvimento e chegou a
resultados que os estudos literários não podem ignorar,
principalmente se se levar em conta que os dois tipos de estudo
tem por objeto os signos verbais. O que pretende Todorov é levar
adiante certas reflexões formalistas e atualizá-las à luz da
lingüística contemporânea.
O interesse desse trabalho é duplo. Por um lado, o estudo
dos signos literários pode constituir uma contribuição aos estudos
lingüísticos, pelas diferenças que pode estabelecer entre o
“discurso” e a “língua”, o “discurso particular” e o “discurso
corrente”. Por outro lado, essa pesquisa constitui um passo
importante em direção à semiologia, a ciência geral dos signos.
A atenção de Todorov, ao contrário da do mestre Jakobson,
volta-se para a narrativa mais do que para a poesia. Todorov
pretende colaborar para o fundamento de uma gramática da
narrativa, gramática não no sentido normativo, mas no sentido do
conhecimento e classificação das estruturas narrativas. Descobrir
as estruturas que existem subjacentes a toda narrativa, estabelecer
um repertório de intrigas, de funções, de visões, eis alguns de seus
objetivos, na esteira de Propp, Chklóvski, Eichenbaum.
Em busca dessas estruturas gerais, Todorov dedicou-se à
análise de obras particulares. Seu livro Litté- [Página 12] rature et
signification (Larousse, 1967) é o resultado da análise estrutural
de Les liaisons dangereuses de Laclos, apresentada como tese
universitária sob a direção de Barthes. Um objetivo mais vasto foi
por ele perseguido no estudo Poétique, incluído no volume
Qu’est-ce que le structuralisme? (Seuil, 1968): “Enquanto a
lingüística é a ciência da língua, a poética pretende tornar-se a
ciência do discurso”; “o objeto da poética é a literaridade; seu
método, as leis que governam o próprio discurso”.
O desígnio de Todorov é portanto ambicioso, mas ele o
persegue com extrema modéstia. No prefácio a esta coletânea,
ver-se-á que ele qualifica sua tarefa corno um trabalho de
“esclarecimento”, mais próximo da técnica do que da ciência.
Enquanto outros se lançam à mesma empresa inebriando-se com
uma terminologia desnecessariamente rebuscada, cultivando os
paradoxos e os mots d’esprit, Todorov parece imune ao micróbio
do esnobismo; prossegue passo a passo, mas de modo coerente,
em direção a objetivos precisos. Por isso mesmo, dentre os que
procuram elaborar um método para a análise estrutural da
narrativa, seus estudos são dos mais úteis, pela lógica interna de
seu raciocínio e pela clareza didática da exposição.
A obra que ora vem a público é uma coletânea de trabalhos
nunca antes apresentados em forma de livro, mas publicados em
diferentes revistas européias, algumas de difícil acesso para nós.
A primeira parte trata de questões epistemológicas e
metodológicas; a segunda reúne alguns exemplos de aplicação do
método estrutural à análise da narrativa. Embora escritos em
períodos diferentes, no decorrer dos últimos cinco anos, os artigos
estão ligados por grande coerência interna. Como ele próprio
explica, no prefácio que se lerá a seguir, seu trabalho gira em
torno de algumas constantes, relacionadas com alguns problemas
essenciais da literatura: linguagem e literatura, poética e crítica,
semelhança e diferença, literatura e real.
Não me cabe discutir aqui esses problemas, que constituem
o cerne do presente volume. Mas posso, talvez, avançar algumas
considerações.
A distinção realizada por Todorov entre poética e crítica tem
a importância de definir dois enfoques da obra literária, que
embora afins e complementares não [Página 13] são idênticos.
Enquanto a poética visa à literaridade e se encaminha para a
teoria da literatura, a crítica visa ao conhecimento da obra
particular. Sendo o estruturalismo uma procura do geral no
particular, a expressão “crítico estruturalista” já é em si uma
contradição. Poder-se-á usar um método que se quer rigoroso e
científico e, ao mesmo tempo, buscar o particular, o único?
Esse problema se liga intimamente ao da dupla semelhançadiferença.
Talvez esteja aí o ponto crucial das reflexões de
Todorov como de todo o estruturalismo. Do ponto de vista
filosófico, é todo o problema do sujeito e do individualismo que
aí se coloca. Do ângulo metodológico, a questão que se põe é a
dos modelos, e da possibilidade de, através deles, apreender a dar
conta da originalidade de cada obra. Ao longo da maioria das
paginas que se seguem, veremos Todorov a braços com essa
questão. As obras que mais se aproximam do modelo são as
menores (assim a literatura policial, objeto de um capítulo)
enquanto as maiores, por exemplo, as novelas de Henry James
aqui estudadas, escapam sempre à classificação absoluta.
A utilidade do modelo não pode ser negada. O que é preciso
é evitar que ele se torne obsessivo para quem o usa, e que se
procure encaixar a obra no modelo de qualquer maneira, ou que
se acabe tendo o modelo como critério de julgamento estético,
como acontecia no classicismo. Todorov está bem atento a esses
perigos, e embora o problema não esteja resolvido, para ele como
para todo o estruturalismo, suas reflexões constituem importante
contribuição para a sua solvência.
A questão das relações da literatura com o real leva Todorov
a estudar a narrativa fantástica. Se o mundo da narrativa é o da
ficção, que tem suas regras próprias, diferentes das do mundo
real, é de certa forma estranho que se considerem algumas
narrativas como “fantásticas”. Fantástica, toda ficção o é em certa
medida. É exatamente o estabelecimento dessa medida que atrai a
atenção de Todorov.
Já é tempo de passar a palavra ao Autor. Esta obra será
certamente de grande utilidade para os nossos estudiosos de
literatura, pois constitui em a divulgação, em português, das
idéias formalistas e estruturalistas, atra- [Página 14] vés de um
herdeiro das primeiras e participante das segundas. Não se trata de
uma teoria da narrativa, mas de um passo importante nessa
direção. A análise estrutural, em literatura, está em seus
primórdios. Se por um lado isso acarreta certas contradições
metodológicas e terminológicas entre os autores (e por vezes entre
“fases” do mesmo autor), oferece, em compensação, o grande
atrativo da descoberta e do debate vivo.
LEYLA PERRONE-MOISÉS
[Página 15]
[Página 16 (em branco)]
PREFÁCIO
Prefaciar minha própria coletânea de artigos é uma tarefa
que me obriga a adotar uma atitude toda particular: os textos que
a compõem foram escritos durante cinco anos (1964-1969) e, com
exceção dos últimos, não “vivem” mais para mim: já que todo
novo texto mata o precedente, este prefácio mesmo torna caduco
o escrito que o precede no tempo. Não quero pois escrever este
prólogo na contigüidade dos textos que compõem a coletânea,
posso apenas tomá-los como objeto de um novo estudo; e para
tanto, é preciso que eu me torne meu próprio leitor, como se fosse
algum outro que tivesse escrito em meu lugar. [Página 17]
Os textos aqui reunidos dão uma imagem fiel de minha
atividade durante esses cinco anos (ou daquilo que julgo ser sua
melhor parte): não só porque eles são seu resultado tangível, mas
também porque vários dentre eles “representam” (à maneira dos
embaixadores) os trabalhos que realizei em outras partes. Assim,
o primeiro artigo, “A herança metodológica do formalismo”, data
do período em que eu traduzia os formalistas russos: atividade
cujo resultado foi a coletânea Théorie de la littérature, Textes des
formalistes russes (Seuil, 1965). Agrada-me ver esse texto
encabeçando a lista, não por suas qualidades intrínsecas, mas
porque ele simboliza minha dívida para com o formalismo. Os
formalistas continuam sendo minha fonte de inspiração mais
direta e ainda os considero como a corrente mais notável de
crítica literária que tenhamos conhecido.
“Linguagem e literatura” é igualmente um “embaixador”:
representa — no plano metodológico — meu livro Littérature et
signification (Larousse, 1967), que era consagrado à análise de
uma única obra, Les liaisons dangereuses de Laclos. Da mesma
forma, “A análise estrutural da narrativa” retoma, em resumo, os
temas de minha contribuição ao volume coletivo Qu’est-ce que le
structuralisme? (Seuil, 1968), tratando da “poética” estrutural.
Enfim, dois outros textos, “A gramática da narrativa” e “A
narrativa fantástica” ligam-se a livros que vêm à luz ao mesmo
tempo que a presente coletânea: Grammaire du “Decameron”
(Mouton) e Introduction à la littérature fantastique (Seuil).
Devo entretanto dissipar, desde o início, a idéia de uma
“diversidade” dos textos aqui reunidos, da “variedade” das
questões tratadas: não é nada disso. Ao me ler, tenho ao contrário
a impressão (que outro leitor pode não partilhar) de que se trata
constantemente da mesma coisa — até a monotonia. Irei mais
longe: é impensável, para mim, corrigir esses artigos, salvo no
plano do estilo, para os reunir numa coletânea, pois tal correção
implica a supressão da própria coletânea: cada um deles, a meu
ver, é uma nova versão do (ou dos) precedente(s). Contrariamente
ao que se poderia pensar, levantar uma questão não significa que
se poderá responder a ela. Ao invés de passar a outro pro- [Página
18] blema, volta-se, como o assassino ao lugar do crime, sempre
ao ponto de partida.
Não me é entretanto fácil nomear essas constantes e
sobretudo fazê-las aceitar pelo leitor: é aqui que sinto de maneira
particularmente aguda que meu estatuto, neste momento, não é
diferente do de outro leitor qualquer. Só posso portanto avançar
hipóteses.
Uma primeira constante seria a atração que exerce sobre
mim a teoria literária, em oposição à crítica, no sentido clássico.
Mesmo se meus textos são, cada vez com maior freqüência,
análise de obras particulares, e não pura teoria, meu objetivo
continua sendo sempre não o conhecimento de tal romance ou de
tal novela, mas o esclarecimento de um problema geral da
literatura ou mesmo dos estudos literários. O estatuto dessa
“teoria literária” não me é, entretanto, perfeitamente claro. Falei
de uma oposição entre crítica e poética (ligando meus estudos ao
segundo tipo de atividade), análoga à que existe entre a
interpretação e a ciência; mas inscrever a poética no quadro das
ciências humanas não explica grande coisa, no estado atual de
nossos conhecimentos epistemológicos sobre as ciências
humanas. Por outro lado, não reivindico para meus estudos
nenhum valor literário; sendo o francês, para mim, uma língua
estrangeira, os problemas da escritura (da minha) ficam fora de
meu campo de visão. Enfim, não considero meus textos como
ligados ao discurso filosófico; não só porque não têm valor
filosófico particular, mas também porque sua intenção é outra.
Tocado, influenciado, modificado por esses três tipos de
discurso — científico, literário, filosófico — meu texto não me
parece pertencer a nenhum deles. Não poderia trazer, como
elemento positivo para a solução do problema, senão uma
comparação: essa atividade me parece ter algo a ver com a
técnica, procura preencher uma função, digamos de
esclarecimento. Mais do que de fazer obra de ciência, de
literatura, de filosofia, tenho a impressão de dirigir um raio de luz,
fraco e fugidio é verdade, sobre esse objeto, a literatura. Em meio
a um desinteresse, para mim incompreensível, pela exata natureza
do fato literário, tento mostrar como funciona tal ou tal parte do
meca- [Página 19] nismo. Essas exposições são sempre parciais:
mas é preciso que se comece um dia...
Ligar meus textos à teoria mais do que à crítica ou à
descrição levanta também outro problema: o do lugar e do papel
da obra literária particular. Recusar a crítica biográfica,
sociológica ou filosófica tem sido freqüentemente feito em nome
de uma “proteção” da obra: essas críticas externas violam a
autonomia da obra individual. Ao mesmo tempo que endosso a
recusa da crítica externa, não me proponho “proteger” ou “salvar”
a unicidade do texto literário (o texto intitulado “Poética e crítica”
ajudou-me a precisar este ponto). A crítica que me foi dirigida
com maior freqüência (por parte dos críticos benevolentes) é
precisamente: não se deve ignorar a especificidade da obra
individual. Por minha natureza, tenho tendência a dar razão ao
adversário, mas isto me é muito difícil no que concerne a este
ponto particular. A “especificidade” da obra (a obra como pura
diferença) parece-me ser um mito: mito cuja falta de fundamento
aparece tanto no texto literário quanto no texto crítico.
Pois, por um lado, a obra literária não é jamais “original”,
ela participa de uma rede de relações entre ela mesma e as outras
obras do mesmo autor, da mesma época, do mesmo gênero. Se se
dá à palavra gênero um sentido generalizado, poder-se-ia dizer
que a obra não existe nunca fora do gênero: quer seja um gênero
“pessoal” (constituído por todas as obras do escritor) ou
“temporal” (pelas obras de um período) ou “tradicional” (como a
comédia, a tragédia etc.). Em cada um desses casos, pode-se
provar a realidade formal do gênero.
Por outro lado, mesmo se a especificidade existisse, o texto
crítico não saberia dizê-la. O último estudo dessa coletânea, “Os
fantasmas de Henry James”, é em parte consagrado a esse
problema, e tento aí demonstrar que a natureza abstrata,
essencialista, “genérica” da linguagem nos obriga a tratar dos
gêneros, não de obras particulares. A única maneira de preservar a
especificidade seria guardar silêncio: mas viu-se que mesmo esta
especificidade já é falseada.
A linguagem exerce sobre mim uma verdadeira fascinação,
e sua problemática intervém em vários níveis (sem levar em conta
alguns estudos mais própria- [Página 20] mente lingüísticos —
ou, se se quiser, “retóricos — que lhe consagrei e que não estão
incluídos aqui). Primeiramente, a lingüística representou para
mim o papel de um intermediário útil com relação à
epistemologia. Por outro lado, a obra literária não existe fora de
sua literalidade verbal, e esta pode ter um papel predominante,
mesmo no nível das estruturas narrativas, como tentei mostrar
com Aurélia, em “A narrativa fantástica”. Em terceiro lugar, a
obra literária propõe sempre — de modo mais ou menos explícito
— urna concepção da linguagem e da palavra; a linguagem é uma
das constantes temáticas da obra literária, como assinalo com
relação à Odisséia, As Mil e Uma Noites ou A Demanda do Graal
(analisei nesse sentido textos de Laclos e de Constant,
igualmente; esses estudos não estão incluídos aqui).
Enfim, a linguagem intervém também a título de modelo.
Mais precisamente, a teoria literária deve inscrever-se no quadro
da semiótica, a ciência geral dos signos. Sendo a literatura ela
mesma um sistema de signos, descobriremos no discurso literário
numerosos traços comuns a todas as linguagens. Explorei essa
aproximação em “Linguagem e literatura” e “A gramática da
narrativa”.
Uma dupla de categorias que, em mim, vem da lingüística
mas a extravasa por sua generalidade, parece tornar-se o horizonte
para o qual se orienta o conjunto desses estudos. Chegamos assim
à narrativa — que permanecia curiosamente ausente deste
prefácio embora figure no título do livro. Essa dupla será
chamada, por enquanto, de diferença e repetição (ou semelhança),
sem nada presumir da sorte ulterior desses termos. Será talvez
buscar longe demais o ponto de partida, querer instaurar essas
duas noções na base de todas as outras. Não me faço, no
momento, nenhuma pergunta relativa a seu estatuto antropológico
ou epistemológico. Mas não cesso de as encontrar em domínios
aparentemente isolados da análise literária.
Primeiramente, no domínio da temporalidade, e mesmo de
modo mais geral, no da organização sintagmática da narrativa. A
narrativa se constitui na tensão de duas forças. Uma é a mudança,
o inexorável curso dos acontecimentos, a interminável narrativa
da “vida” (a história), onde cada instante se apresenta pela pri-
[Página 21] meira e última vez. É o caos que a segunda força
tenta organizar; ela procura dar-lhe um sentido, introduzir uma
ordem. Essa ordem se traduz pela repetição (ou pela semelhança)
dos acontecimentos: o momento presente não é original, mas
repete ou anuncia instantes passados e futuros. A narrativa nunca
obedece a uma ou a outra força, mas se constitui na tensão das
duas, como tentei mostrar em “Tipologia do romance policial”,
“A narrativa primordial” e “A demanda da narrativa”.
Uma oposição análoga pode ser observada no plano
temático (grande parte de meu livro Introduction à la littérature
fantastique é consagrada a essa questão; ela é simplesmente
evocada em “Os fantasmas de Henry James”). Os temas da
literatura podem ser organizados em duas grandes redes, cujos
elementos são, em princípio, incompatíveis. Poder-se-ia definir a
primeira como aquela em que predomina a problemática do
homem colocado diante do mundo ou, em termos freudianos, o do
sistema percepção-consciência. Pertence à segunda o tema das
relações inter-humanas, o que nos remete ao sistema dos impulsos
inconscientes. Que me perdoem essa esquematização extrema, da
qual necessito para o presente raciocínio.
A oposição das redes temáticas e a dos tipos de
temporalidade são redutíveis uma à outra (ou à dupla diferençarepetição).
Empiricamente, são os mesmos textos que nos
permitem observar a temporalidade do tipo “eterna volta” e os
temas de “percepção-consciência”. Assim, A Demanda do Graal
onde 1) todas as peripécias da narrativa são anunciadas de
antemão, a noção de acontecimento original é profundamente
contestada, e 2) o tema fundamental é o lugar do homem no
mundo, sua busca de Deus. O mesmo acontece — mas de maneira
bem diferente — nas novelas de Henry James, onde o texto se
organiza em torno de acontecimentos sucessivos, provenientes de
uma ou de várias pessoas, de um mesmo acontecimento (portanto
temporalidade tipo “eterna volta”) e onde o tema principal é o da
percepção, da busca humana do mundo (tratei desse assunto numa
introdução às novelas de James, não incluída aqui). A temática do
desejo, em compensação, é proibida num como noutro texto, em-
[Página 22] quanto ela predomina nas narrativas onde a
temporalidade é do tipo “presente perpétuo”.
Essa é uma hipótese por enquanto bastante grosseira e
contra a qual não será difícil encontrar exemplos; basta citar, entre
os textos de que trato no presente livro, a Odisséia. Creio,
entretanto, que uma elaboração futura da teoria permitirá superar
as contradições, que se tornarão então um ponto de partida para a
descoberta de novos aspectos, de novas leis do discurso literário.
Essa tensão entre a diferença e a semelhança poderá talvez dar
conta das intuições que estavam na base da antiga oposição entre
prosa e poesia — oposição superada, mas cuja existência merece
explicação.
...Volto ao ponto de partida: a atitude de leitor, que resolvi
adotar, não me é, percebo agora, de modo algum desconhecida.
Minhas “constantes”, o que ainda conserva um valor para mim
neste livro, ainda mais: O que constitui “minha” imagem tal qual
a vejo eu mesmo — são precisamente as passagens que escrevi
como se eu já fosse um leitor, um outro. Onde eu escrevia não
para mim mas para outrem, não para me exprimir, mas para fazer
(falar) o texto. Só se escreve lendo...: paradoxo cuja digna
contrapartida reside no próprio ato da escritura, que parece ter
sido inventado para dar um exemplo perfeito da noção de
impossibilidade. Pois a escritura não conhece um “antes”, ela não
é a expressão de um pensamento prévio; mas então, que é que se
escreve?
O “mistério nas letras” tem isto de atraente: torna-se mais
espesso à medida que se tenta dissipá-lo.
TZVETAN TODOROV
[Página 23]
[Página 24 (em branco)]
I
PRELIMINARES
[Página 25]
[Página 26 (em branco)]
1. A HERANÇA METODOLÓGICA DO
FORMALISMO
O método estrutural, desenvolvido primeiramente em
Lingüística, encontra partidários cada vez mais numerosos em
todas as ciências humanas, inclusive no estudo da literatura. Essa
evolução parece tanto mais justificada quanto, entre as relações da
língua com as diferentes formas de expressão, as que a unem à
literatura são profundas e numerosas. Não é aliás a primeira vez
que se opera essa aproximação. A origem do Círculo Lingüístico
de Praga, uma das primeiras escolas de lingüística estrutural, não
é outra senão uma corrente de estudos literários que se
desenvolveu na Rússia du- [Página 27] rante os anos 1915-1930,
e que é conhecida sob o nome de “formalismo russo”. A relação
entre um e outro é incontestável: estabeleceu-se tanto por
intermédio daqueles que participaram dos dois grupos, simultânea
ou sucessivamente (R. Jakobson, B. Tomachévski, P. Bogatirióv),
quanto pelas publicações dos formalistas, que o Círculo de Praga
não ignorou. Seria exagerado afirmar que o estruturalismo
lingüístico tomou suas idéias emprestadas ao formalismo, pois os
campos de estudo e os objetivos das duas escolas não são os
mesmos; encontram-se, entretanto, nos estruturalistas, marcas de
uma influência “formalista”, tanto nos princípios gerais quanto
em certas técnicas de análise. Eis por que é natural e necessário
lembrar hoje, quando o interesse pelo estudo estrutural da
literatura renasce, as principais aquisições metodológicas devidas
aos formalistas, e compará-las com as da lingüística
contemporânea.
As idéias dos formalistas, modificadas e enriquecidas pelo
trabalho dos lingüistas de Praga, são muito mais conhecidas hoje
que seus nomes e seus escritos; há dez anos, quase tinham caído
no esquecimento. O leitor ignorou esses textos escritos em russo,
cujas edições originais são aliás difíceis de encontrar hoje. A
situação modificou-se sensivelmente com a publicação do livro de
V. Erlich, Russian Formalism (1955), a única monografia nãorussa
consagrada ao assunto. Essa obra continua indispensável
como fonte de informação; tem o mérito de levantar e analisar um
grande número de textos, publicados frequentemente em revistas
ou coletâneas esquecidas e dificilmente encontráveis na hora
atual. Entretanto, não explica com clareza suficiente suas
implicações metodológicas, e isto por uma razão do próprio
formalismo: essa escola nunca elaborou uma teoria que pudesse
ser admitida de modo geral. O grande mérito dos estudos
formalistas é a profundidade e a finura de suas análises concretas,
mas suas conclusões teóricas são muitas vezes mal fundadas e
contraditórias. Os próprios formalistas sempre tiveram
consciência dessa lacuna: não cessam de repetir que sua doutrina
está em constante elaboração. Assim, para levar adiante uma
discussão teórica, Erlich é frequentemente obrigado a recorrer às
declarações paradoxais de Chklóvski, que refletem a primeira fase
[Página 28] do formalismo, ao invés de realçar certas tendências
então secundárias, mas mais próximas dos métodos seguidos,
desde então, pelos lingüistas e antropólogos. As idéias que não
são mais discutíveis são levadas em conta, ao passo que as
sugestões concernentes aos pontos mais complexos da teoria
passam muitas vezes despercebidas. Enfim, mesmo a melhor
apresentação é necessariamente uma simplificação e um
empobrecimento, e não poderia substituir os próprios textos. Eis
por que a tradução inglesa de um livro da época, A morfologia do
conto popular de Propp (1928a), suscitou grande interesse.
Entretanto, essa obra representa uma das tendências extremistas
do formalismo, e não a corrente geral; precisamente por essa
razão, a justa crítica que lhe fez Lévi-Strauss não é tanto a crítica
do formalismo em geral, quanto a que um formalista mesmo
poderia dirigir ao livro de Propp. Tendo ficado essa tradução
como única no gênero, é com alegria que recebemos a reedição de
certos textos russos, empreendida por Mouton na série Slavistic
Printings and Reprintings (nº. XXVI, B. Eichenbaum, Skvoz
literatúru; XXXIV, V. Jirmúnski, Vopróssi teórii literatúri;
XLVII, J. Tinianov, Problema stikhotvórnovo iaziká; XLVIII,
Rússkaia proza). A escolha dos editores é entretanto difícil de
explicar: tirante o de Tinianov, os outros livros estão longe de
constituir os melhores estudos formalistas¹.
Erlich atribui importância exagerada às razões políticas na
dissolução do grupo formalista. A crise do movimento começa de
fato antes de sua condenação oficial e se deve a fatores internos.
Os escritos dos formalistas, tanto os do último período do grupo
(1927-1930) quanto alguns livros recentes onde eles retomaram
suas melhores idéias, sem trazer nada de novo à teoria literária
(cf. o livro de Chklóvski, 1959), provam-no suficientemente. A
falta de rigor científico conduziu o movimento a um impasse. O
defeito é sobretudo sensível nos trechos em que os formalistas
recorrem a noções lingüísticas ou semiológicas. É verdade que
elas não possuíam ainda a precisão e a generalidade que hoje têm.
Mas, para nós, esta é uma razão suple-
____________________
Nota de rodapé (1) Indiquemos igualmente a coleção Michigan Slavic Materials,
sobretudo os nº.s. 2 (Readings in Russian Poetics), 3 (N. S. Trubetzkoy, Three
Philological Studies), 5 (O. M. Brik, Two Essays on Poetic Language). (N. do A.)
[Página 29]
mentar pala confrontar a doutrina formalista com os métodos e
noções lingüísticas atuais. Poderemos assim distinguir o que resta
de útil para a análise estrutural da literatura. Tentaremos aqui
fazê-lo, sem pretender exaurir o assunto.
Antes de encetar esse confronto, é importante precisar
alguns princípios de base da doutrina formalista. Fala-se mais
freqüentemente de “método formal”, mas a expressão é imprecisa
e pode-se contestar a escolha tanto do substantivo quanto do
adjetivo, O método, longe de ser único, engloba um conjunto de
processos e técnicas que servem à descrição da obra literária, mas
também a investigações científicas muito diversas. No essencial,
diremos simplesmente que é preciso considerar antes de tudo a
obra mesma, o texto literário, como um sistema imanente; está
claro que este é apenas um ponto de partida e não a exposição
detalhada de um método. Quanto ao termo “formal”, trata-se mais
de uma etiqueta que se tornou cômoda do que de uma
denominação precisa, e os próprios formalistas o evitam. A
forma, para eles, recobre todos os aspectos, todas as partes da
obra, mas ela existe somente como relação dos elementos entre si,
dos elementos com a obra inteira, da obra com a literatura
nacional etc., isto é, como um conjunto de funções. O estudo
propriamente literário, que chamamos hoje de estrutural,
caracteriza-se pelo ponto de vista escolhido pelo observador e não
pelo seu objeto que, de outro ponto de vista, poderia prestar-se a
uma análise psicológica, psicanalítica, lingüística etc. A fórmula
de Jakobson (1921): “o objeto da ciência literária não é a
literatura mas a literatúrnost, isto é, o que faz de determinada
obra uma obra literária”, deve ser interpretada ao nível da
investigação e não do objeto.
Todo estudo, desde que se queira científico, tropeça em
problemas de terminologia. Entretanto, a maior parte dos
pesquisadores recusam aos estudos literários o direito a uma
terminologia bem definida e precisa, sob pretexto de que a visada
dos fenômenos literários muda segundo as épocas e os países. O
fato de que forma e função, essas duas faces do signo, possam
variar independentemente uma da outra, impede toda
classificação absoluta. Toda classificação estática deve manter
uma dessas faces idêntica, sejam quais [Página 30] forem as
variações da outra. Segue-se que: a) cada termo deve ser definido
com relação aos outros e não com relação aos fenômenos (obras
literárias) que ele designa; b) todo sistema de termos vale por um
corte sincrônico determinado, cujos limites, postulados, são
arbitrários. J. Tinianov coloca o problema em seu prefácio à
coletânea A prosa russa (1926) e o ilustra pela classificação dos
gêneros em seus artigos “O fato literário” e “Da evolução
literária” (Tinianov, 1929). Segundo seus próprios termos, “o
estudo dos gêneros isolados é impossível fora do sistema no qual
e com o qual eles estão em correlação” (p. 38). As definições
estáticas dos gêneros, que empregamos correntemente, só levam
em conta o significante. Um romance contemporâneo, por
exemplo, deveria ser aproximado, do ponto de vista de sua
função, da antiga poesia épica; mas nós o associamos ao romance
grego em razão de sua forma prosaica comum. “O que foi o traço
distintivo do poema no século XVIII deixou de o ser no XIX. Do
mesmo modo, sendo a função da literatura correlata das outras
séries culturais da mesma época, o mesmo fenômeno pode ser
fato literário ou extraliterário” (Rússkaia proza, p. 10).
O objetivo da pesquisa é a descrição do funcionamento do
sistema literário, a análise de seus elementos constitutivos e a
evidenciação de suas leis, ou, num sentido mais estreito, a
descrição científica de um texto literário e, a partir daí, o
estabelecimento de relações entre seus elementos. A principal
dificuldade vem do caráter heterogêneo e estratificado da obra
literária. Para descrever exaustivamente um poema, devemos
colocar-nos sucessivamente em diferentes níveis — fônico,
fonológico, métrico, entonacional, morfológico, sintático, léxico,
simbólico... — e levar em conta suas relações de
interdependência. Por outro lado, o código literário, ao inverso do
código lingüístico, não tem caráter estritamente constrangedor e
somos obrigados a deduzi-lo de cada texto particular, ou pelo
menos a corrigir cada vez a formulação anterior. É pois necessário
operar um certo número de transformações para obter o modelo, e
somente este se prestará a uma análise estrutural. Entretanto, em
oposição ao estudo mitológico ou onírico, nossa atenção deve
voltar-se para o caráter dessas operações, tanto, senão mais,
quanto [Página 31] para seus resultados, já que nossas regras de
decodificação são análogas às regras de codificação de que se
serviu o autor. Se assim não fosse, correríamos o risco de reduzir
ao mesmo modelo obras inteiramente diferentes e de fazê-las
perder todo caráter específico.
O exame crítico dos métodos empregados exige a
explicitação de algumas proposições fundamentais, subentendidas
nos trabalhos formalistas. Estas são admitidas a priori, e sua
discussão não é do domínio dos estudos literários.
A literatura é um sistema de signos, um código, análogo aos
outros sistemas significativos, tais como a língua articulada, as
artes, as mitologias, as representações oníricas etc. Por outro lado,
e nisso ela se distingue das outras artes, constrói-se com a ajuda
de uma estrutura, isto é, a língua; é pois um sistema significativo
em segundo grau, por outras palavras, um sistema conotativo. Ao
mesmo tempo a língua, que serve de matéria à formação das
unidades do sistema literário, e que pertence, pois, segundo a
terminologia hjelmsleviana, ao plano da expressão, não perde sua
significação própria, seu conteúdo. É preciso, além disso, levar
em conta as diferentes funções possíveis de uma mensagem, e não
reduzir seu sentido a suas funções referencial e emotiva. A noção
de função poética, ou estética, que diz respeito à própria
mensagem, introduzida por Iakubínski, desenvolvida por
Jakobson (1921, 1923) e Mukarovsky, e integrada no sistema
nocional da lingüística por Jakobson (1963), intervém tanto no
sistema da literatura quanto no da língua, e cria um equilíbrio
complexo de funções. Notemos que os dois sistemas,
freqüentemente análogos, não são entretanto idênticos; além
disso, a literatura utiliza códigos sociais cuja análise não compete
a um estudo literário.
Todo elemento presente numa obra traz uma significação
que pode ser interpretada segundo o código literário. Para
Chklóvski, “a obra é inteiramente construída. Toda a sua matéria
é organizada” (1926, p. 99). A organização é intrínseca ao sistema
literário e não diz respeito ao referente. Assim, Eichenbaum
escreve: “Nenhuma frase da obra literária pode ser, em si, uma
expressão direta dos sentimentos pessoais do autor, ela é sempre
construção e jogo...“ (p. 161). Portanto é preciso igualmente levar
em conta as dife- [Página 32] rentes funções da mensagem, pois a
“organização” pode manifestar-se em vários planos diferentes.
Essa observação permite distinguir nitidamente literatura de
folclore; o folclore admite uma independência muito maior dos
elementos.
O caráter sistemático das relações entre os elementos
decorre da própria essência da linguagem. Essas relações
constituem o objeto da investigação literária propriamente dita.
Tinianov (1929) assim formulou essas idéias, fundamentais em
lingüística estrutural: “A obra representa um sistema de fatores
correlativos. A correlação de cada fator com os outros e sua
função com respeito ao sistema” (p. 49). “A existência do sistema
não resulta de uma cooperação igualitária de todos os elementos,
supõe a predominância de um grupo de elementos e a deformação
dos outros” (p. 41). Uma observação de Eichenbaum fornece um
exemplo disso: quando as descrições são substituídas pelas
intervenções do autor, “é principalmente o diálogo que torna
manifestos o argumento e o estilo” (p. 192). Isolar um elemento
no decorrer da análise não é mais que um processo de trabalho:
sua significação se encontra em suas relações com os outros.
A desigualdade dos elementos constitutivos impõe uma
outra regra: um elemento não se liga diretamente com qualquer
outro, a relação se estabelece em função de uma hierarquia de
planos (ou estratos) e de níveis (ou fileiras), segundo o eixo das
substituições e o eixo dos encadeamentos. Como notou Tinianov
(1929), “o elemento entra simultâneamente em relação: com a
série de elementos semelhantes de outras obras-sistemas e mesmo
de outras séries, e com os outros elementos do mesmo sistema
(função autônoma e função sintática)” (p. 33). Os diferentes
níveis são definidos pelas dimensões de suas partes. O problema
da menor unidade significativa será discutido mais além; quanto à
maior, é, no quadro dos estudos literários, toda a literatura. O
número desses níveis é teoricamente ilimitado, mas na prática
consideram-se três: o dos elementos constitutivos, o da obra, o de
uma literatura nacional. Isso não impede que, em certos casos, se
ponha no primeiro plano um nível intermediário, por exemplo,
um ciclo de poemas, ou as obras de um gê- [Página 33] nero ou
de um período determinado. A distinção de diferentes planos
exige maior rigor lógico e essa é nossa primeira tarefa. O trabalho
dos formalistas visou essencialmente à análise de poemas, onde
eles distinguiram os planos fônico e fonológico, métrico,
entonacional e prosódico, morfológico e sintático etc. Para sua
classificação, a distinção hjelmsleviana entre forma e substância
pode ser muito útil. Chklóvski mostrou, a propósito de textos em
prosa, que essa distinção é válida igualmente no plano da
narrativa, onde os processos de composição podem ser separados
do conteúdo episódico, evidente que a ordem de sucessão dos
níveis e dos planos, no texto, não deve obrigatoriamente coincidir
com a da análise; eis por que esta ataca freqüentemente a obra por
inteiro: é ali que as relações estruturais se manifestam de forma
mais nítida.
Examinemos primeiramente alguns métodos, já sugeridos
pelos trabalhos dos formalistas, mas desde então largamente
aperfeiçoados pelos lingüistas. Por exemplo, a análise em traços
distintivos, que aparece de modo bem claro na fonética, nos
primeiros escritos dos formalistas, os de Iakubínski e Brik. Mais
tarde, alguns formalistas participam dos esforços dos
estruturalistas de Praga, tendo em vista definir a noção de fonema,
de traço distintivo, de traço redundante etc. (ver, entre outros, os
estudos de Bernstein). A importância dessas noções para a análise
literária foi indicada por Brik, a propósito da descrição de um
poema, onde a distribuição dos fonemas e dos traços distintivos
serviria a formar ou a reforçar sua estrutura. Brik define a dupla
de repetição mais simples como “aquela na qual não se distingue
o caráter palatalizado ou não-palatalizado das consoantes, mas
onde as surdas e as sonoras são representadas como sons
diferentes” (p. 60).
A validade desse tipo de análise é confirmada tanto por seu
êxito na fonologia atual quanto por seu fundamento teórico, que
reside nos princípios acima mencionados: a definição relacional é
a única válida, pois as noções não se definem com relação a uma
matéria que lhes é estranha. Como notou Tinianov, “a função de
cada obra está na sua correlação com as outras... Ela é um signo
diferencial” (Rússkaia proza, p. 9). Mas a aplicação desse método
pode ser con- [Página 34] siderávelmente alargada, se nos
fundamentarmos na hipótese da analogia profunda entre as faces
do signo. É assim que o mesmo Tinianov (1924) tenta analisar a
significação de uma “palavra”, do mesmo modo que se analisa
sua face significante (“A noção de traço fundamental em
semântica é análoga à noção de fonema em fonética”, p. 134),
decompondo-a em elementos constitutivos: “Não se deve partir da
palavra como de um elemento indivisível da arte literária, tratá-la
como o tijolo com o qual se constrói o edifício. Ela é indivisível
em ‘elementos verbais’ muito menores” (p. 35). Essa analogia não
foi, na época, desenvolvida e matizada, em razão da definição
psicológica do fonema então predominante. Mas hoje esse
princípio é cada vez mais aplicado nos estudos de semântica
estrutural.
Enfim, pode-se tentar aplicar esse método à análise das
unidades significativas do sistema literário, isto é, ao conteúdo do
sistema conotativo, O primeiro passo nesse caminho consistiria
em estudar as personagens de uma narrativa e suas relações. As
numerosas indicações dos autores, ou mesmo um olhar superficial
sobre qualquer narrativa, mostram que tal personagem se opõe a
tal outra. Entretanto, uma oposição imediata das personagens
simplificaria essas relações, sem nos aproximar de nosso objetivo.
Seria melhor decompor cada imagem em traços distintivos e
colocá-los em reação de oposição ou de identidade com os traços
distintivos das outras personagens da mesma narrativa. Obter-seia
assim um número reduzido de eixos de oposição, cujas diversas
combinações reagrupariam esses traços em feixes representativos
das personagens. O mesmo procedimento definiria o campo
semântico característico da obra em questão. No princípio, a
denominação desses eixos dependeria essencialmente da intuição
pessoal do investigador, mas o confronto de várias análises
análogas permitiria estabelecer quadros mais ou menos
“objetivos” para um autor, ou mesmo para um período
determinado de uma literatura nacional,
Esse mesmo princípio engendra um outro processo, de larga
aplicação em lingüística descritiva: a definição de um elemento
pelas possibilidades de sua distribuição. Tomachévski (1929)
utilizou esse processo para carac- [Página 35] terizar os diferentes
tipos de esquema métrico, e vê nele uma definição por
substituição: “é preciso chamar de iambo de quadro medidas toda
combinação que pode substituir, num poema, qualquer verso
iâmbico de quatro medidas” (p. 46). O mesmo processo foi
utilizado por Propp (1928a) numa análise semântica do
enunciado.
O método de análise em constituintes imediatos se encontra
igualmente em lingüística descritiva. Foi aplicado muitas vezes
pelos formalistas. Tomachévski (1925) o discute a propósito da
noção de “tema”. “A obra inteira pode ter seu tema e ao mesmo
tempo cada parte da obra possui o seu... Com a ajuda dessa
decomposição da obra em unidades temáticas, chegamos às partes
indecomponíveis, às menores partículas do material temático... O
tema de cada unidade indecomponível da obra se chama motivo.
No fundo, cada oração possui seu próprio motivo” (p. 137). Se a
utilidade de tal princípio parece evidente, sua aplicação concreta
coloca problemas. Primeiramente, é preciso abster-se de
identificar motivo e oração, pois as duas categorias pertencem a
séries nocionais diferentes. A semântica contemporânea evita a
dificuldade introduzindo duas noções distintas: lexema (ou
morfema) e sema. Como notou justamente Propp (1928a), uma
frase pode conter mais de um motivo (seu exemplo contém
quatro); é igualmente fácil encontrar exemplos do caso inverso.
Propp mesmo manifesta uma atitude mais prudente e mais
nuançada. Cada motivo comporta várias funções. Estas existem
ao nível constitutivo e sua significação não é imediata na obra;
seu sentido depende mais de sua possibilidade de ser integrado no
nível superior: “A função representa o ato de uma personagem,
definido do ponto de vista de sua importância para o desenrolar da
ação” (pp. 30-31). A exigência de significação funcional é
importante aqui também, pois os mesmos atos têm, muitas vezes,
um papel diferente em narrativas diferentes. Para Propp, essas
funções são constantes, em número limitado (trinta e duas para os
contos fantásticos russos) e podem ser definidas a priori. Sem
discutir aqui a validade para sua análise do material folclórico,
podemos dizer que uma definição a priori não se revela útil à
análise literária. Parece que para esta, como para [Página 36] a
lingüística, o êxito dessa decomposição depende da ordem
admitida no procedimento. Mas sua formalização coloca, para a
análise literária, problemas ainda mais complexos, porque a
correspondência entre significante e significado é mais difícil de
seguir do que em lingüística. As dimensões verbais de um
“motivo” não definem o nível no qual ele se liga a outros motivos
É assim que um capítulo pode ser constituído tanto por várias
páginas como por uma só frase. Por conseguinte, a delimitação de
níveis semânticos, onde aparecem as significações dos motivos,
constitui a premissa indispensável a essa análise. Está claro, por
outro lado, que essa unidade mínima pode ser analisada em seus
constituintes², mas estes não pertencem mais ao código
conotativo: a dupla articulação se manifesta, aqui, como em
lingüística.
A diversidade do material pode ser consideravelmente
reduzida, graças a uma operação de transformação. Propp
introduz essa noção de transformação, procedendo à comparação
das classes paradigmáticas. Uma vez decompostos os contos, em
partes e funções, torna-se claro que as partes que têm o mesmo
papel sintático podem ser consideradas como derivadas de um
mesmo protótipo, por intermédio de uma regra de transformação
aplicada à forma primária. Essa comparação paradigmática (ou
por “rubricas verticais”) mostra que sua função comum permite
aproximar formas em aparência muito diferentes. “Essas
formações são consideradas freqüentemente como um novo
assunto, se bem que deduzidas das antigas, por uma certa
transformação... Agrupando o material de cada rubrica, podemos
definir todas as maneiras, ou melhor, todos os tipos de
transformação... Os elementos atributivos, assim como as
funções, são submetidos às leis de transformação” (1928a, p. 28).
Assim, Propp supõe que se pode remontar ao conto primário, do
qual saíram os outros.
Duas observações preliminares se impõem. Aplicando à
literatura as técnicas de Propp, é preciso levar em conta as
diferenças entre criação folclórica e cria-
____________________
(nota de rodapé) (2) É o que propõe, por exemplo, Ch. Hockett: “É preciso
admitir que um romance inteiro possui uma espécie de estrutura determinada de
constituintes imediatos; esses constituintes imediatos consistem, por sua vez, em
constituintes menores e assim por diante, até chegarmos aos morfemas individuais” (p.
557). (N. do A.) [Página 37]
ção individual (cf. a esse respeito o artigo de Bogatirióv e R.
Jakobson). A especificidade do material literário exige que a
atenção se volte para as regras de transformação e para a ordem
de sua aplicação, mais do que para o resultado obtido. Por outro
lado, em análise literária, a procura de um esquema genético
primário não se justifica. A forma mais simples, tanto no eixo dos
encadeamentos como no das substituições, fornece à comparação
a medida que permite descrever o caráter da transformação.
Propp explicitou essa idéia e propôs uma classificação das
transformações num artigo intitulado “As transformações dos
contos fantásticos” (1928b). “As transformações dividem-se em
três grandes grupos: mudanças, substituições e assimilações,
sendo estas definidas como uma substituição completa de uma
forma por outra, de tal sorte que se produz uma fusão das duas
formas em uma única” (p. 84). Para agrupar essas transformações
no interior de cada um dos grandes tipos, Propp procede de duas
maneiras diferentes:
No primeiro grupo segue certas figuras retóricas e enumera
as seguintes mudanças:
1) Redução
2) Amplificação
3) Corrupção
4) Inversão (substituição pelo inverso)
5) Intensificação
6) Enfraquecimento.
Os dois últimos modos de mudança concernem sobretudo às
ações.
Nos dois outros, a origem do elemento novo fornece o
critério de classificação. Assim, as assimilações podem ser:
15) Internas (ao conto)
16) Derivadas da vida (conto + realidade)
17) Confessionais (seguem as modificações da religião)
18) Devidas a superstições
19) Literárias
20) Arcaicas.
[Página 38]
O número total das transformações é limitado por Propp em
vinte. Elas são aplicáveis a todos os níveis da narrativa. “O que
concerne aos elementos particulares do conto concerne aos contos
em geral. Um elemento acrescentado produz uma amplificação,
no caso inverso uma redução” etc. (p. 85).
Assim, o problema da transformação, crucial tanto para a
lingüística contemporânea quanto para os outros ramos da
antropologia social, coloca-se igualmente na análise literária; a
analogia permanece evidentemente incompleta. Como a tentativa
de Propp não foi seguida de outros ensaios do mesmo gênero,
discutir sobre as regras de transformação, sua definição, seu
número, sua utilidade não é possível; parece, entretanto, que um
agrupamento em figuras retóricas, cuja definição deveria ser
retomada de um ponto de vista lógico, daria os melhores
resultados.
O problema da classificação tipológica das obras literárias
suscita, por sua vez, dificuldades que reencontramos aliás em
lingüística. Uma análise elementar de várias obras literárias revela
imediatamente um grande número de semelhanças e de traços
comuns. Foi uma verificação análoga que deu nascimento ao
estudo científico das línguas; é ela também que se encontra na
origem do estudo formal da literatura, como testemunham os
trabalhos de A. N. Vesselóvski, eminente predecessor dos
formalistas. Do mesmo modo, na Alemanha, a tipologia de
Wölflin em história da arte deu a idéia de uma tipologia das
formas literárias (cf., por exemplo, os trabalhos de O. Walzel, F.
Strich, Th. Spoerri). Mas o valor e o alcance da descoberta não
foram percebidos. Os formalistas abordam esse problema a partir
de dois princípios diferentes, que não é fácil coordenar. Por um
lado, eles reencontram os mesmos elementos, os mesmos
processos ao longo da história literária universal, e vêem nessa
recorrência uma confirmação de sua tese, segundo a qual a
literatura é uma “pura forma”, não tem nenhuma (ou quase
nenhuma) relação com a realidade extraliterária, e pode pois ser
considerada como uma “série” que tira suas formas de si mesma.
Por outro lado, os formalistas sabem que a significação de cada
forma é funcional, que uma mesma forma pode ter diversas
funções, as únicas que importam para a compreensão [Página 39]
da obra, e que, por conseguinte, discernir a semelhança entre as
formas, longe de fazer progredir o conhecimento da obra literária,
seria mesmo inútil. A inexistência desses dois princípios nos
formalistas se deve, por um lado, à ausência de uma terminologia
única e precisa, por outro, ao fato de eles não serem utilizados
simultâneamente pelos mesmos autores: o primeiro princípio é
desenvolvido e defendido sobretudo por Chklóvski, enquanto o
segundo é fundado nos trabalhos de Tinianov e de Vinogradov.
Esses se preocupam muito mais com descobrir a motivação, a
justificação interna de tal elemento numa obra, do que com notar
sua recorrência em outra parte. Assim, Tinianov escreve: “Recuso
categoricamente o método de comparação por citações, que nos
faz acreditar em uma tradição passando de um escritor a outro.
Segundo esse método, os termos constitutivos são abstratos de
suas funções, e finalmente confrontam-se unidades
incomensuráveis. A coincidência, as convergências existem sem
dúvida em literatura, mas elas concernem às funções dos
elementos, às relações funcionais de um elemento determinado”
(Rússkaia proza, pp. 10-11). Ê evidente, com efeito, que as
semelhanças estruturais devem ser procuradas no nível das
funções; entretanto, em literatura, a ligação entre forma e função
não é ocasional, nem arbitrária, já que a forma é igualmente
significativa — num outro sistema, o da língua. Por conseguinte,
o estudo das formas permite penetrar nas relações funcionais.
Ao mesmo tempo, o estudo das obras isoladas, consideradas
como sistemas fechados, não é suficiente. As mudanças que o
código literário sofre, de uma obra para outra, não significam que
todo texto literário tenha seu código próprio. £ preciso evitar duas
posições extremas: acreditar que existe um código comum a toda
literatura, afirmar que cada obra engendra um código diferente. A
descrição exaustiva de um fenômeno, sem recorrer ao sistema
geral que o integra, é impossível. A lingüística contemporânea
sabe bem disso: “É tão contraditório descrever sistemas isolados
sem fazer sua taxinomia quanto construir uma taxinomia na
ausência de descrições de fenômenos particulares: as duas tarefas
implicam-se mutuamente” (Jakobson, 1963, p. 70). Somente a
inclusão do sis- [Página 40] tema das relações internas que
caracterizam uma obra no sistema mais geral, do gênero ou da
época, no quadro de uma literatura nacional, permite estabelecer
os diferentes níveis de abstração desse código (os diferentes
níveis de “forma” e “substância” segundo a terminologia
hjelmsleviana). Muitas vezes, seu deciframento depende
diretamente de fatores externos: assim, as novelas “sem
conclusão” de Maupassant só tomam sentido no quadro da
literatura da época (cf. Chklóvski, 1929, p. 72). Tal confronto
permite igualmente descrever melhor o funcionamento do código
em suas diferentes manifestações. Mesmo assim, a descrição
precisa de uma obra particular é uma premissa indispensável.
Como notou Vinogradov: “Conhecer o estilo individual do
escritor, independentemente de toda tradição, isoladamente, e na
sua totalidade, enquanto sistema de meios lingüísticos, cuja
organização estética é preciso definir — deve preceder toda
procura histórica (e comparativa)” (1923, p. 286).
A experiência das classificações tentadas em lingüística e
em história literária leva a colocar alguns princípios de base.
Primeiramente, a classificação deve ser tipológica e não genética,
as semelhanças estruturais não devem ser procuradas na
influência direta de uma obra sobre outra. Esse princípio, diga-se
de passagem, foi discutido por Vinogradov em seu artigo “Sobre
os ciclos literários” (1929). É preciso, em seguida, levar em conta
o caráter estratificado da obra literária. O principal defeito das
tipologias propostas em história literária, sob a influência da
história da arte, é que, apesar de construídas a partir de um único
e mesmo plano, são aplicadas a obras e até mesmo a períodos
inteiros. Ao contrário, a tipologia lingüística confronta os
sistemas fonológico, morfológico ou sintático, sem que as
diferentes abordagens coincidam necessariamente. A classificação
deve pois seguir a estratificação do sistema em planos e não em
níveis (obras)³. Enfim, a estrutura pode estar manifesta tanto nas
relações entre as personagens, quanto nos diferentes estilos de
narrativa, ou no ritmo... É assim que em O Capote de Gógol, a
oposição é realizada pe-
____________________
Nota de rodapé (3) As exceções aparentes, como a de Petersen, que propõe dez
oposições binárias sobre sete estratos sobrepostos, perdem seu valor por causa do
caráter “mentalista” dessas oposições — por exemplo, objetivo-subjetivo, claronebuloso,
plástico-musical etc. (N. do A.) [Página 41]
lo jogo de dois pontos de vista diferentes, adotados
sucessivamente pelo autor, e que se refletem nas diferenças
léxicas, sintáticas etc. (Eichenbaum, pp. 149-165). O estado atual
dos estudos lingüísticos sobre a classificação (cf. o artigo de
Benveniste, “A classificação das línguas”) traz um grande número
de sugestões acerca desse procedimento de comparação e de
generalização.
Consideremos agora a tipologia das formas narrativas
simples, tal como foi esboçada por Chklóvski (1929) e, em parte,
por Eichenbaum. Essas formas estão representadas sobretudo na
novela4; o romance apenas se distingue por sua maior
complexidade. Entretanto, as dimensões do romance (seu aspecto
sintagmático) estão em relação com os processos que ele utiliza
(seu aspecto paradigmático). Eichenbaum observa que o
desenrolar do romance e o da novela seguem leis diferentes. “O
fim do romance é um ponto de enfraquecimento e não de reforço;
o ponto culminante do movimento fundamental deve estar em
algum lugar antes do fim... Eis por que é natural que os fins
inesperados sejam fenômeno muito raro no romance... enquanto a
novela tende precisamente para um inesperado máximo, que
concentra em torno de si tudo o que o precede. O romance exige
certa queda depois do ponto culminante, enquanto, na novela, é
mais natural que se pare, uma vez atingido o ponto culminante”
(pp. 171-172). Essas considerações só concernem, evidentemente,
à “trama”5, a seqüência episódica tal qual ela é apresentada na
obra. Chklóvski supõe que toda trama corresponde a certas
condições gerais, fora das quais uma narrativa não tem trama
propriamente dita. “Uma ima-
____________________
Nota de rodapé (4) Existe certa flutuação no emprego da palavra “novela”, em
português. No presente texto se separa de um lado o romance, de outro a novela. A
novela, em termos quantitativos, seria uma narrativa curta (que pode ter, como se verá
em seguida, uma forma aberta ou fechada). Por outro lado a palavra “conto”, quando
utilizada pelos formalistas (Propp) ou Todorov, designa em geral o conto popular,
folclórico. (N. da T.)
Nota de rodapé (5) Os formalistas distinguiam a “fábula” (em francês jable) da
“trama” (em francês sujet). “A fábula designa a matéria básica da estória, a soma de
eventos narrados numa obra de ficção, ou seja, o material para a construção da
narrativa. Coversamente, trama (em inglês plot) designa a estória tal como é contada ou
o modo como os eventos estão ligados uns aos outros. A fim de se transformar em parte
da estrutura estética, a matéria bruta da fábula tem de ser elaborada em trama” (V.
Erlich, p. 209). A palavra sujet poderia ser também traduzida por “enredo” ou “intriga”.
Preferi a palavra “trama”, que conota a idéia de elaboração. (N. da T.) [Página 42]
gem um paralelo, até mesmo uma simples descrição do
acontecimento não dão ainda a impressão de uma novela” (p. 68).
“Se não há desenlace, não temos a sensação de uma trama” (p.
71). Para construir uma trama, é preciso que o final apresente os
mesmos termos do começo, se bem que numa relação modificada.
Todas essas análises, que visam descobrir a relação estrutural,
dizem respeito unicamente, não o esqueçamos, ao modelo
construído e não à narrativa como tal.
As observações de Chklóvski sobre as diferentes maneiras
de construir a trama de uma novela levam a distinguir duas
formas que, de fato, coexistem na maior parte das narrativas: a
construção em patamares e a construção em círculo. A construção
em patamares é uma forma aberta (A1 + A2 + A3 + ... An) onde os
termos enumerados apresentam sempre um traço comum; assim,
as empresas análogas de três irmãos nos contos, ou a sucessão de
aventuras de uma mesma personagem. A construção em círculo é
uma forma fechada (A1R1A2) ... (A1R2A2)6, que repousa sobre uma
oposição. Por exemplo: a narrativa começa por uma predição, que
no fim se realiza, apesar dos esforços das personagens. Ou então:
o pai aspira ao amor de sua filha, mas só o percebe no final da
narrativa. Essas duas formas se encaixam uma na outra segundo
várias combinações: geralmente, a novela inteira apresenta uma
forma fechada, de onde a sensação de acabamento que ela suscita
nos leitores. A forma aberta se realiza segundo dois tipos
principais, um dos quais se encontra em estado puro nas novelas e
romances de mistério (Dickens), nos romances policiais. O outro
consiste no desenvolvimento de um paralelismo como, por
exemplo, em Tolstói. A narrativa de mistério e a narrativa de
desenvolvimentos paralelos são, em certo sentido, opostas,
embora possam coexistir na mesma obra. A primeira desmascara
as semelhanças ilusórias, mostra a diferença entre dois fenômenos
aparentemente semelhantes. A segunda, ao contrário, descobre a
semelhança entre dois fenômenos diferentes e, à primeira vista,
independentes. Essa esquematização empobrece, sem dúvida, as
finas observações de Chklóvski, que nunca teve a preocupação
nem de sistemati-
____________________
Nota de rodapé (6) A1, A2 ... designam as unidades paradigmáticas, R1 R1 ... as
relações entre elas. (N. do A.) [Página 43]
zar, nem de evitar as contradições. O material que ele reúne para
apoiar suas teses é considerável, colhido tanto na literatura
clássica quanto na literatura moderna: entretanto, o nível de
abstração é tal que é difícil ficar convencido. Tal trabalho deveria
ser empreendido, pelo menos no começo, nos limites de uma
única literatura nacional e de determinado período. Ainda aqui o
campo de investigação permanece virgem.
Um problema que sempre preocupou os teóricos da
literatura é o das relações entre a realidade literária e a realidade à
qual se refere a literatura. Os formalistas fizeram um esforço
considerável para o elucidar. Esse problema, que se coloca em
todos os domínios do conhecimento, é fundamental para o estudo
semiológico, porque põe em primeiro plano as questões de
sentido. Lembremos sua formulação em lingüística, onde
constitui o próprio objeto da semântica. Segundo a definição de
Peirce, o sentido de um símbolo é sua tradução em outros
símbolos. Essa tradução pode operar-se em três níveis diferentes.
Pode permanecer intralingual, quando o sentido de um termo é
formulado com a ajuda de outros termos da mesma língua; nesse
caso, é preciso estudar o eixo das substituições de uma língua (cf.
a esse respeito as reflexões de Jakobson, 1963, pp. 41-42, 78-79).
Ela pode ser interlingual; Hjelmslev dá exemplos disso quando
compara os termos que designam os sistemas de parentesco ou de
cores nas diferentes línguas. Enfim, ela pode ser inter-semiótica,
quando a operação lingüística é comparada à operação realizada
por um dos outros sistemas de signos (no sentido largo do termo).
“A descrição semântica deve pois consistir, antes de tudo, em
aproximar a língua das outras instituições sociais, e garantir o
contato entre a lingüística e os outros ramos da antropologia
social” (Hjelmslev, p. 109). Nenhum desses três níveis faz
intervirem as “coisas” designadas. Para tomar um exemplo, a
significação lingüística da palavra “amarelo” não é estabelecida
com referência aos objetos amarelos, mas por oposição às
palavras “vermelho”, “verde”, “branco” etc., no sistema
lingüístico português; ou então com referência às palavras
“jaune”, “yellow”, “gelb” etc., ou então com referência à escala
dos comprimentos de ondas da luz, [Página 44] estabelecida pela
física e que representa, também, um sistema de signos
convencionais.
A sintaxe, segundo a definição dos lógicos, deveria tratar
das relações entre os signos. Na realidade, ela limitou seu
domínio ao eixo sintagmático (eixo dos encadeamentos) da
língua. A semântica estuda as relações entre a língua e os sistemas
de signos não-lingüísticos. O estudo da paradigmática, ou do eixo
das substituições, foi negligenciado. Por outro lado, a existência
de signos cuja principal função é sintática vem obscurecer o
problema. Na língua articulada, eles servem unicamente para
estabelecer relações entre outros signos, por exemplo, certas
preposições, os pronomes possessivos, relativos, a cópula7.
Evidentemente, eles existem também em literatura; asseguram o
acordo, a ligação, entre os diferentes episódios ou fragmentos.
Essa distinção de ordem lógica não deve ser confundida com a
distinção lingüística entre significação gramatical e significação
léxica, entre forma e substância do conteúdo, embora coincidam
freqüentemente. Na língua, por exemplo, a flexão de número
depende muitas vezes da “significação gramatical”, mas sua
função é semântica. Assim, em literatura, os signos de função
sintática não dependem necessariamente das regras de
composição, que correspondem à gramática (à forma do
conteúdo) de uma língua articulada. A exposição de uma narrativa
não se encontra forçosamente no começo, nem o desenlace no
fim.
As diferenças entre relações e funções são bastante
complexas. Os formalistas observam-nas sobretudo nas
transições, onde seu papel aparece mais claramente. Para eles, um
dos fatores principais da evolução literária reside no fato de certos
processos ou certas situações aparecerem automaticamente e
perderem então seu papel “semântico” para representar apenas um
papel de ligação. Numa substituição — fenômeno freqüente no
folclore — o novo signo pode representar o mesmo papel
sintático, sem ter mais a menor relação com a “verossimilhança”
da narrativa; assim se explica a presença, nas canções populares,
por exemplo, de certos elementos cujo “sentido” é inexplicável.
Inversamente, os elementos de função dominante semântica
____________________
Nota de rodapé (7) Seguimos a distinção formulada por E. Benveniste em seu
curso no Collège de France, 1963-1964. (N. do A.) [Página 45]
podem ser modificados sem que mudem os signos sintáticos da
narrativa. Skaftimov, que se preocupou com esse problema em
seu estudo sobre as bilinas (canções épicas russas), dá exemplos
convincentes: “Mesmo nos pontos onde, em razão das mudanças
sobrevindas nas outras partes da canção épica, o disfarce não é
absolutamente necessário e até contradiz a situação criada, ele é
conservado apesar de todos os inconvenientes e absurdos que
engendra” (p. 77).
O problema que reteve, acima de tudo, a atenção dos
formalistas concerne à relação entre os constrangimentos
impostos à narrativa por suas necessidades internas
(paradigmáticas) e os que decorrem do acordo exigido com aquilo
que os outros sistemas de signos nos revelam sobre o mesmo
assunto. A presença de tal ou tal elemento na obra se justifica pelo
que eles chamam sua “motivação”. Tomachévski (1925) distingue
três tipos de motivação: composicional, que corresponde aos
signos essencialmente sintáticos; realista, que diz respeito às
relações com as outras linguagens; estética, enfim, que torna
manifesto o fato de pertencerem todos os elementos ao mesmo
sistema paradigmático. As duas primeiras motivações são
geralmente incompatíveis, enquanto a terceira concerne a todos os
signos da obra. A relação entre as duas últimas é ainda mais
interessante, porque suas exigências não estão no mesmo nível e
não se contradizem. Skaftimov propõe que se caracterize esse
fenômeno da seguinte maneira: “Mesmo no caso de uma
orientação direta em direção à realidade, o domínio da realidade
encarada, mesmo quando se limita a um só fato, possui uma
moldura e um núcleo do qual ele recebe sua organização... A
realidade efetiva é dada em suas grandes linhas, o acontecimento
se inscreve unicamente na trama do esboço principal e somente na
medida em que ele é necessário à reprodução da situação
psicológica fundamental. Embora a realidade efetiva seja
retransmitida com uma aproximação sumária, é ela que representa
o objeto imediato e direto do interesse estético, isto é, da
expressão, da reprodução e da interpretação; e a consciência do
cantor lhe é subordinada. As substituições concretas, no campo da
narrativa, não lhe são indiferentes, pois elas são regidas não
somente pela expressividade emotiva geral, mas também pelas
[Página 46] urgências do objeto da canção, isto é, por critérios de
reprodução e semelhança” (p. 101). Tomachévski vê as relações
entre as duas motivações numa perspectiva estatística, e nisso ele
está próximo da teoria da informação. “Nós exigimos de cada
obra uma ilusão elementar... Nesse sentido, cada motivo deve ser
introduzido como um motivo provável para aquela situação. Mas
já que as leis de composição do enredo nada tem a ver com a
probabilidade, cada introdução de motivos é um compromisso
entre essa probabilidade objetiva e a tradição literária” (1925, p.
149).
Os formalistas procuraram essencialmente analisar a
motivação estética, sem ignorar entretanto a motivação “realista”.
O estudo da primeira é mais justificado por não termos
geralmente nenhum meio de estabelecer a segunda. Nosso
procedimento habitual, que restabelece a realidade a partir da obra
e tenta uma explicação da obra pela realidade restituída, constitui,
com efeito, um círculo vicioso. A visão literária pode, é verdade,
comparar-se às vezes a outras visões fornecidas quer pelo próprio
autor, quer por outros documentos concernentes à mesma época e
às mesmas personagens, quando se trata de personagens
históricas. É o caso das canções épicas russas, que refletem uma
realidade histórica conhecida alhures; as personagens são
freqüentemente príncipes ou senhores russos. Estudando essas
relações, Skaftimov escreve: “O fim trágico da canção épica é
sem dúvida sugerido por sua fonte histórica ou legendária, mas a
motivação da desgraça de Sukhomanti... não se justifica por
nenhuma realidade histórica. E também nenhuma tendência moral
está em jogo. Resta unicamente a orientação estética, só ela dá
sentido à origem desse quadro e o justifica” (p. 108). Comparando
as diferentes personagens das canções e as personagens reais,
Skaftimov chega à seguinte conclusão: “O grau de realismo dos
diferentes elementos da canção épica varia segundo sua
importância na organização geral do conjunto... A relação entre as
personagens da canção épica e seus protótipos históricos é
determinada por sua função na concepção geral da narrativa” (p.
127).
Enquanto os lingüistas utilizam cada vez mais os processos
matemáticos, é preciso lembrar que os formalistas foram os
primeiros a tentar fazê-lo: Toma- [Página 47] chévski aplicou a
teoria das cadeias de Markov ao estudo da prosódia. Esse esforço
merece nossa atenção agora que as matemáticas “qualitativas”
conhecem larga extensão em lingüística. Tomachévski deixou não
só um estudo precioso sobre o ritmo de Púchkin, como soube ver
também que o ponto de vista quantitativo não devia ser
abandonado, quando a natureza dos fatos o justifica,
principalmente quando ela depende de leis estatísticas.
Respondendo às múltiplas objeções suscitadas por seu estudo,
Tomachévski escreve (1929): “Não se deve proibir à ciência a
utilização de um método, qualquer que seja... O número, a forma,
a curva são símbolos do pensamento tanto quanto as palavras e
são compreensíveis unicamente por aqueles que dominam esse
sistema de símbolos... O número não decide nada, não interpreta,
é apenas uma maneira de estabelecer e de descrever os fatos. Se
se tem abusado dos números e gráficos, o método não se tornou
por isso vicioso: o culpado é aquele que abusa, não o objeto do
abuso” (pp. 275-276). Os abusos são bem mais freqüentes que as
tentativas bem sucedidas, e Tomachévski não cessa de nos
prevenir contra o perigo das simplificações prematuras: “Os
cálculos têm freqüentemente por objetivo estabelecer um
coeficiente suscetível de autorizar imediatamente um julgamento
sobre a qualidade do fato submetido à prova... Todos esses
coeficientes são dos mais nefastos por causa de uma “estatística”
filológica... Não se deve esquecer que, mesmo no caso de um
cálculo correto, o número obtido caracteriza unicamente a
freqüência de aparecimento de um fenômeno, mas não nos
esclarece de modo algum sobre sua qualidade” (pp. 35-36).
Tomachévski aplica os processos estatísticos ao estudo do
verso de Púchkin. Como ele próprio disse, “toda estatística deve
ser precedida de um estudo, que procura a diferenciação real dos
fenômenos” (p. 36). Essa pesquisa o leva a distinguir, para
abordar o estudo do metro, três diferentes níveis; por um lado, um
esquema de caráter obrigatório, mas que não determina as
qualidades do verso, por exemplo, o verso iâmbico de cinco
medidas; por outro lado o “uso”, isto é, o verso particular. Entre
os dois se situa o impulso rítmico, ou norma (o “modelo de
execução”, na terminologia de Jakobson, 1963, p. 232). Essa
norma pode [Página 48] ser estabelecida por uma obra ou por um
autor, sendo o método estatístico aplicado ao conjunto escolhido.
Assim, o último tempo forte em Púchkin leva acento em 100%
dos casos, o primeiro em 85%, o penúltimo em 40% etc.
Vemos, ainda uma vez, as noções da análise literária
aproximarem-se das da lingüística. Lembremos com efeito que
para Hjelmslev, que estabelece uma distinção entre uso, norma e
esquema na linguagem, “a norma é apenas uma abstração tirada
do uso por um artifício de método. No máximo pode Constituir
um corolário conveniente para se poderem colocar as bases da
descrição do uso” (p. 80). O estudo da norma se reduz, para
Tomachévski, “à observação das variantes típicas nos limites das
obras unidas pela identidade de forma rítmica (por exemplo: o
troqueu de Púchkin em seus contos dos anos 30); ao
estabelecimento do grau de freqüência à observação dos desvios
do tipo; à observação do sistema de organização dos diferentes
aspectos sonoros do fenômeno estudado (os pretensos traços
secundários do verso)8; à definição das funções construtivas
desses desvios (as figuras rítmicas) e à interpretação das
observações” (p. 58). Esse vasto programa é ilustrado por análises
exaustivas do iambo de quatro e cinco medidas em Púchkin,
confrontado ao mesmo tempo com as normas de outros poetas e
de outras obras do mesmo autor.
Esse método aplica-se melhor ainda nos domínios onde o
quadro obrigatório não é definido com precisão. É o caso do verso
livre, e sobretudo da prosa, onde nenhum esquema existe. Assim,
para o verso livre, “que é construído como uma violação da
tradição, é inútil procurar uma lei rigorosa que não admita
exceções. Só se deve procurar a norma média, e estudar a
amplitude dos desvios com relação a ela” (p. 61). Da mesma
forma, para a prosa, “a forma média e a amplitude das oscilações
são os únicos objetos de investigação... O ritmo da prosa deve,
por princípio, ser estudado com a ajuda de um método estatístico”
(p. 275).
A conclusão é que não se deve aplicar esses métodos nem ao
estudo de um exemplo particular, isto é, à interpretação de uma
obra, nem ao estudo das
____________________
Nota de rodapé (8) Tais como a sonoridade, o léxico, a sintaxe etc. (N. do A.)
[Página 49]
leis e das regularidades que regem as grandes unidades do sistema
literário. Podemos deduzir daí que a distribuição das unidades
literárias (do sistema conotativo) não segue nenhuma lei
estatística, mas que a distribuição dos elementos lingüísticos (do
sistema denotativo) no interior dessas unidades, obedece a uma
norma de probabilidade. Assim se justificariam os numerosos e
brilhantes estudos estilísticos dos formalistas (por exemplo,
Skaftimov, Vinogradov, 1929) que observam o acúmulo de certas
formas sintáticas ou de diferentes estratos do léxico em torno de
unidades paradigmáticas (por exemplo, as personagens) OU
sintagmáticas (os episódios) do sistema literário. evidente que se
trata aqui de norma e não de regra obrigatória. As relações dessas
grandes unidades permanecem puramente “qualitativas”, e são
geradora de uma estrutura cujo estudo é inacessível por métodos
estatísticos, o que explica o relativo êxito desses métodos, quando
aplicados ao estudo do estilo, isto é, à distribuição de formas
lingüísticas numa obra. O defeito fundamental desses estudos é
ignorar a existência de dois sistemas diferentes de significação
(denotativo e conotativo) e tentar a interpretação da obra
diretamente a partir do sistema lingüístico.
Essa conclusão poderia, sem dúvida, ser estendida a
sistemas literários de maiores dimensões. A evolução formal de
uma literatura nacional, por exemplo, obedece a leis nãomecânicas.
Ela passa, segundo Tinianov (1929), pelas seguintes
etapas: “1º) o princípio de construção automatizada evoca
dialeticamente o princípio de construção oposto; 2°) este encontra
sua aplicação na forma mais fácil; 3°) ele se estende à maior parte
dos fenômenos; 4°) ele se automatiza e evoca por sua vez
princípios de construção opostos” (p. 17). Essas etapas nunca
poderão ser delimitadas e definidas senão em termos de acúmulo
estatístico, o que corresponde às exigências gerais da
epistemologia, a qual nos ensina que só os estados temporários
dos fenômenos obedecem às leis probabilistas. Dessa maneira
será fundada, melhor do que foi até agora, a aplicação de certos
processos matemáticos aos estudos literários. [Página 50]
(Obras citadas)9
BENVENISTE (E.), 1954: “La classification des langues”,
Conferences de l’Institut de Linguistique de l‘Université de
Paris, XI (1952-1953), Paris.
BERNSTEIN (S.), 1927: “Stikh i deklamátzia” (Verso e declamação),
Rússkaia retch, Nóvaia siéria, I, Leningrado.
BOGATIRIÓV (P.) e JAKOBSON (R.), 1929: “Die Folklore als
cine besondere Form des Schaffens”, Donum Natalicium
Schrijnen, Chartres.
BRIK (O.), 1919: “Zukovíe povtóri” (As repetições sonoras),
Poétika, Sbórniki po teórii poetítcheskovo iaziká, Petrogrado.
CHKLÓVSKI (V.), 1926: Trétia fábrika (A terceira fábrica),
Moscou.
— 1929: O teórii prózi (Sobre a teoria da prosa),
Moscou, 1ª edição 1925).
— 1959: Khudójestvennaia proza (A prosa literária),
Moscou.
EICHENBAUM (B.), 1927: Literatura. Teória, krítika,
polémika (Literatura. Teoria, crítica, polêmica), Leningrado.
ERLICH (V.), 1955: Russian Formalism, History-Doctrine, ‘s’
Gravenhage
HJELMSLEV (L.), 1959: Essais linguistiques, Copenhague.
HOCKET (Ch.), 1958: A Course in Modern Linguistics, New
York.
IAKUBÍNSKI (L.), 1916: “O zvukakh stikhotvórnovo iaziká”
(Sobre os sons da língua poética), Sbórniki po teórii
poetítcheskovo iaziká, I, Petrogrado.
JAKOBSON (R.), 1921: Novéichaia rússkaia poézia (A poesia
russa moderna), Praga.
— 1923: O Tchechskom stikhé (Sobre O verso tcheco),
Berlim.
— 1963: Essais de linguistique générale, Paris.
LEVI-STRUASS (Cl.), 1960: “La structure et la forme”,
Cahiers de l’I.S.E.A, 99.
MUKAROVSKY (J.), 1938: “La dénomination poétique et la
fonction sthétique de la langue”, Actes du quatrième congrès
international des linguistes, copenhague
PETERSEN (J.), 1939: Die Wissenschaft von der Dichtung,
Bd. I, Berlim.
PROPP (V.), 1928a: Morfo1óguia skázki (A morfologia do conto),
Leningrado (= Morphology of the Folktale, Bloomington,
1958).
— 1929b: “Transformátzii volchébnikh skazok” (Transformações
do conto fantástico), poétika. Vrémennik otdela
slovésnikh iskusstv, IV, Leningrado.
Rússkaia proza, 1926 (A prosa russa), Leningrado.
____________________
Nota de rodapé (9) O leitor poderá encontrar a maior paste dos textos citados na
coletânea Théorie de la littérature. Textes des formalist russes (Seuil. 1965) (N. do A.)
[Página 51]
SKAFTIMOV (A.), 1924: Poétika i guénezis bilin (Poética
e gênese das canções épicas russas), Moscou-Saratov.
TINIANOV (I.), 1924: Problema stikhotvórnovo iaziká (O
problema da língua poética), Leningrado.
— 1929: Arkhaísti i novátori (Arcaizantes e inovadores),
Leningrado.
TOMACHÉVSKI (B.), 1925: Teória literatúri (Teoria da
literatura),
Leningrado.
VINOGRADOV (V.), 1923: “O zadátchakh stilîstiki” (Sobre
os problemas estilísticos), Rússkaia retch, I, Petrogrado.
— 1929: Evoliútzia rússkovo naturalisma (Evolução do
naturalismo russo), Leningrado.
[Página 52]
2. LINGUAGEM E LITERATURA
Meu propósito pode ser resumido por esta frase de Valéry,
frase que tentarei ao mesmo tempo explicitar e ilustrar: “A
Literatura é, e não pode ser outra coisa, senão uma espécie de
extensão e de aplicação de certas propriedades da Linguagem”.
O que é que nos permite afirmar a existência dessa ligação?
O próprio fato de ser a obra literária uma “obra de arte verbal”
levou, desde há muito, os pesquisadores, a falar do “grande papel”
da linguagem numa obra literária; uma disciplina inteira, a
estilística, criou-se nos confins dos estudos literários e da
lingüística; múltiplas teses foram escritas sobre a “lín- [Página
53] gua” de tal ou tal escritor. A linguagem é aí definida como a
matéria do poeta ou da obra.
Essa aproximação, por demais evidente, está longe de
esgotar a multiplicidade das relações entre a linguagem e a
literatura. Não se trata da linguagem enquanto matéria, na frase de
Valéry, mas enquanto modelo. A linguagem preenche essa função
em muitos casos exteriores à literatura. O homem se constituiu a
partir da linguagem — os filósofos de nosso século no-lo têm
repetido com freqüência — e seu modelo pode ser reencontrado
em toda atividade social. Ou, para retomar as palavras de
Benveniste, “a configuração da linguagem determina todos os
sistemas semióticos”. Sendo a arte um desses sistemas semióticos,
podemos estar certos de nela descobrir a marca das formas
abstratas da linguagem.
A literatura goza, como se vê, de um estatuto
particularmente privilegiado no seio das atividades semióticas.
Ela tem a linguagem ao mesmo tempo como ponto de partida e
como ponto de chegada; ela lhe fornece tanto sua configuração
abstrata quanto sua matéria perceptível, é ao mesmo tempo
mediadora e mediatizada. A literatura se revela portanto não só
como o primeiro campo que se pode estudar a partir da
linguagem, mas também como o primeiro cujo conhecimento
possa lançar uma nova luz sobre as propriedades da própria
linguagem.
Essa posição particular da literatura determina nossa relação
com a lingüística. E evidente que, tratando da linguagem, não
temos o direito de ignorar o saber acumulado por essa ciência,
assim como também por qualquer outra investigação sobre a
linguagem. Entretanto, como toda ciência, a lingüística procede
freqüentemente por redução e por simplificação de seu objeto, a
fim de o manejar mais facilmente. Ela afasta ou ignora
provisoriamente certos traços da linguagem, a fim de estabelecer
a homogeneidade dos outros e deixar transparecer sua lógica.
Procedimento sem dúvida justificado na evolução interna dessa
ciência, mas do qual devem desconfiar aqueles que extrapolam
seus resultados e seus métodos: os traços menosprezados são
talvez precisamente aqueles que têm a maior importância num
outro “sistema semiótico”. A unidade das ciências humanas reside
menos nos métodos [Página 54] elaborados na lingüística e
utilizados alhures, que nesse objeto comum a todas elas: a
linguagem. A imagem que dela temos hoje, e que é derivada de
certos estudos dos lingüistas, enriquecer-se-á com os
ensinamentos tirados das outras ciências.
Se se adotar essa perspectiva, torna-se evidente que todo
conhecimento da literatura seguirá uma via paralela à do
conhecimento da linguagem; mais ainda, essas duas vias tenderão
a confundir-se. Um campo imenso se abre à investigação;
somente uma parte relativamente reduzida foi explorada até
agora, nos trabalhos cujo brilhante pioneiro é Roman Jakobson.
Esses estudos se realizaram na poesia e se esforçaram por
demonstrar a existência de uma estrutura formada pela
distribuição dos elementos lingüísticos no interior do poema.
Proponho-me indicar aqui, ao tratar agora da prosa literária,
alguns pontos em que a aproximação entre linguagem e literatura
parece particularmente fácil. Não é preciso dizer que, em razão do
estado atual de nossos conhecimentos nesse domínio, limitar-meei
a considerações de ordem geral, sem ter a menor pretensão de
esgotar o assunto.
A bem dizer, os estudos sobre a prosa já tentaram certa vez
operar essa aproximação e dela tirar proveito. Os formalistas
russos, que foram pioneiros em mais de um campo, já tinham
procurado explorar essa analogia. Situavam-na, mais
precisamente, entre os processos de estilo e os processos de
organização da narrativa; um dos primeiros artigos de Chklóvski
chamava-se mesmo: “A relação entre os processos de composição
e os processos estilísticos gerais”. Esse autor aí notava que “a
construção em patamares pertence à mesma série que as
repetições de sons, a tautologia, o paralelismo tautológico, as
repetições” (Théorie de la literáture, Paris, Ed. du Seuil, 1965, p.
48). Os três golpes desferidos por Rolando sobre a pedra eram
para ele da mesma natureza que as repetições ternárias lexicais na
poesia folclórica.
Não quero fazer aqui um estudo histórico e contentar-me-ei
com lembrar brevemente alguns outros resultados dos estudos dos
formalistas, dando-lhes a forma que nos pode ser útil aqui. Em
seus estudos sobre a tipologia da narrativa, Chklóvski chegara a
distinguir dois grandes tipos de combinação entre as his- [Página
55] tórias: havia, de um lado, uma forma aberta, onde se podia
sempre acrescentar novas peripécias, no fim, por exemplo, as
aventuras de um herói qualquer, como Rocambole; de outro lado,
uma forma fechada, que começava e terminava pelo mesmo
motivo, enquanto no interior nos eram contadas outras histórias,
por exemplo, a história de Édipo: no começo uma predição, no
fim sua realização, entre as duas, as tentativas de evitá-lo.
Chklóvski não percebera porém que essas duas formas
representam a projeção rigorosa de duas figuras sintáticas
fundamentais, servindo à combinação de duas orações entre si, a
coordenação e a subordinação. Notemos que, em lingüística,
chama-se hoje essa segunda operação por um nome tomado à
antiga poética: encaixe.
Na passagem acima citada, falava-se de paralelismo; esse
processo é apenas um dos que Chklóvski revelou. Analisando
Guerra e Paz, ele revela, por exemplo, a antítese formada por
duplas de personagens: “1. Napoleão — Kutuzov; 2. Pierre
Bezukhov — André Bolkonski e ao mesmo tempo Nicolau
Rostóv, que serve de eixo de referência a um e a outro” (ibid., p.
187) Encontra-se igualmente a gradação: vários membros de uma
família apresentam os mesmos traços de caráter, mas em graus
diferentes. Assim, em Ana Karenina, “Stiva se situa num patamar
inferior ao de sua irmã” (ibid., p. 188).
Mas o paralelismo, a antítese, a gradação, a repetição são
figuras retóricas. Podemos assim formular a tese subjacente às
observações de Chklóvski: existem figuras da narrativa que são
projeções das figuras retóricas. A partir dessa suposição,
poderíamos verificar quais são as formas tomadas por outras
figuras de retórica, menos comuns, no nível da narrativa.
Tomemos, por exemplo, a associação, figura que se
relaciona com o emprego de uma pessoa inadequada ao verbo. Eis
um exemplo lingüístico: esta frase que um professor poderia
dirigir a seus alunos: “Que temos para hoje?”. Todos se lembram,
por certo, da demonstração sobre os empregos dessa figura em
literatura, dada por Michel Butor a propósito de Descartes. Todos
se lembram também do emprego que ele mesmo faz desse
processo em seu livro La Modification. [Página 56]
Eis outra figura que poderíamos considerar como uma
definição do romance policial, se não a tomássemos de
empréstimo à retórica de Fontanier, escrita no começo do século
dezenove. É a sustentação, que “consiste em manter o leitor ou o
ouvinte em suspense, e a surpreendê-lo em seguida por algo que
ele estava longe de esperar”. A figura pode, pois, transformar-se
em gênero literário.
M. Bakhtin, grande crítico literário soviético, demonstrou a
utilização particular feita por Dostoiévski de outra figura, a
ocupação, assim definida por Fontanier: “ela consiste em prevenir
ou rejeitar de antemão uma objeção que se poderia receber”. Toda
palavra das personagens de Dostoiévski engloba, implicitamente,
a de seu interlocutor, imaginário ou real. O monólogo é sempre
um diálogo dissimulado, o que determina, precisamente, a
profunda ambigüidade das personagens dostoievskianas.
Lembrarei, por último, algumas figuras fundadas sobre uma
das propriedades essenciais da língua: a ausência de relação
biunívoca entre os sons e os sentidos, que ocasiona dois
fenômenos lingüísticos bem conhecidos, a sinonímia e a
polissemia. A sinonímia, base dos trocadilhos no uso lingüístico,
toma a forma de um processo literário que chamamos de
“reconhecimento”. O fato de que a mesma personagem possa ter
duas aparências, isto é, a existência de duas formas para o mesmo
conteúdo, assemelha-se ao fenômeno que resulta da aproximação
de dois sinônimos.
A polissemia ocasiona várias figuras retóricas, das quais só
reterei uma: a silepse. Um exemplo notório de silepse está contido
neste verso de Racine: “Je souffre... brûlé de plus de feux que je
n’en allumai”1. De onde vem a figura? Do fato de que a palavra
feux, que faz parte de cada oração, está tomada, aqui e ali, em dois
sentidos diferentes. Os fogos da primeira oração são imaginários,
queimam a alma da personagem, enquanto os fogos da segunda
correspondem a incêndios bem reais.
Essa figura conheceu larga extensão na narrativa; podemos
observá-la, por exemplo, numa novela de Boccacio. Um monge
tinha ido à casa de sua amante,
____________________
Nota de rodapé (1) ‘Sofro ... queimado por mais fogos do que os que acendi”.
(N. da T.) [Página 57]
mulher de um burguês da cidade. Subitamente, o marido volta à
casa: que fazer? O monge e a mulher, que se tinham fechado no
quarto do bebê, fingem estar cuidando dele que, segundo dizem,
está doente. O marido, reconfortado, agradece-lhes
calorosamente, O movimento da narrativa segue, como se vê,
exatamente a mesma forma da silepse. Um mesmo fato, o monge
e a mulher no quarto de dormir, recebe uma interpretação na parte
da narrativa que o precede e outra na que o segue; segundo a parte
precedente, é um encontro amoroso; segundo a outra, tratavam de
uma criança doente. Essa figura é bastante freqüente em
Boccacio: pensemos nas histórias do rouxinol, do tonel etc.
Até aqui nossa comparação, seguindo o procedimento dos
formalistas, de onde partimos, justapunha manifestações da
linguagem a manifestações literárias; por outras palavras, apenas
observávamos formas. Eu gostaria de esboçar aqui outra
perspectiva, que interrogaria as categorias subjacentes a esses dois
universos, o universo da palavra e o universo da literatura. Para
tanto, é preciso deixar o nível das formas e remontar ao das
estruturas. Por isso mesmo, afastar-nos-emos da literatura para
aproximar-nos daquele discurso sobre a literatura que é a crítica.
Os problemas de significação puderam ser abordados de
medo senão feliz pelo menos prometedor, a partir do momento
em que se caracterizou mais precisamente a noção de sentido. A
lingüística negligenciou durante muito tempo esses problemas,
portanto não é nela que vamos encontrar nossas categorias, mas
junto aos lógicos. Podemos tomar como ponto de partida a
divisão tripartida de Frege: um signo teria uma referência, um
sentido e uma representação (Bedeutung, Sinn, Vorstellung).
Somente o sentido se deixa apreender com a ajuda dos métodos
lingüísticos rigorosos, pois é o único a depender exclusivamente
da linguagem e a ser controlado pela força do uso, dos hábitos
lingüísticos. Que é o sentido? Diz-nos Benveniste que é a
capacidade que tem uma unidade lingüística de integrar uma
unidade de nível superior. O sentido de uma palavra é delimitado
pelas combinações nas quais ela pode cumprir sua função
lingüística. O sentido de uma palavra é o conjunto de suas
relações possíveis com outras palavras. [Página 58]
Isolar o sentido no conjunto das significações é um
procedimento que poderia ajudar enormemente no trabalho da
descrição, em estudos literários. No discurso literário, como no
discurso cotidiano, o sentido pode ser isolado de um conjunto de
outros sentidos aos quais se poderia dar o nome de interpretações.
Entretanto, o problema do sentido é aqui mais complexo:
enquanto, na palavra, a integração das unidades não ultrapassa o
nível da frase, em literatura, as frases se integram de novo em
enunciados, e os enunciados, por sua vez, em unidades de
dimensões maiores, até a obra inteira. O sentido de um monólogo
ou de uma descrição deixa-se apreender e verificar por suas
relações com outros elementos da obra: ele pode ser a
caracterização de uma personagem, a preparação de uma
transformação na intriga, um atraso. Em compensação, as
interpretações de cada unidade são inúmeras, pois dependem do
sistema no qual ela será incluída para ser compreendida. Segundo
o tipo de discurso no qual se projeta o elemento da obra, teremos
uma crítica sociológica, psicanalítica ou filosófica. Mas será
sempre uma interpretação da literatura num outro tipo de
discurso, enquanto a busca do sentido não nos conduz ao exterior
do próprio discurso literário. Neste ponto talvez seja preciso
estabelecer o limite entre essas duas atividades aparentadas e
entretanto distintas que são a poética e a crítica.
Passemos agora a outra dupla de categorias fundamentais.
Elas foram formuladas por Emilio Benveniste em duas pesquisas
sobre os tempos do verbo. Benveniste mostrou a existência, na
linguagem, de dois planos distintos de enunciação: o do discurso
e o da história. Esses planos de enunciação se referem à
integração do sujeito de enunciação no enunciado. No caso da
história, diz-nos ele, “trata-se da apresentação dos fatos advindos
a certo momento do tempo, sem qualquer intervenção do locutor
na narrativa”. O discurso, por contraste, é definido como “toda
enunciação supondo um locutor e um ouvinte, tendo o primeiro a
intenção de influenciar o outro de algum modo”. Cada língua
possui determinado número de elementos destinados a nos
informar unicamente sobre o ato e o sujeito da enunciação e que
realizam a conversão da lin- [Página 59] guagem em discurso, os
outros são destinados unicamente “à apresentação dos fatos
advindos”.
Será preciso portanto fazer uma primeira reparação na
matéria literária segundo o plano de enunciação que nela se
manifesta. Tomemos estas frases de Proust: “Ele me prodigou
uma amabilidade que era tão superior à de Saint-Loup quanto esta
à afabilidade de um pequeno-burguês. Ao lado da de um grande
artista, a amabilidade de um grande senhor, por mais encantadora
que seja, parece uma representação teatral, uma simulação”.
Nesse texto, somente a primeira oração (até “amabilidade”)
pertence ao plano da história. A comparação que segue, assim
como a reflexão geral contida na segunda frase, pertencem ao
plano do discurso, o que está marcado por indícios lingüísticos
precisos (p. ex., a mudança de tempo) . Mas a primeira oração
também está ligada ao discurso, pois o sujeito da enunciação aí
está indicado pelo pronome pessoal. Há pois uma verificação de
meios para indicar se tal trecho pertence ou não ao discurso:
podem ser ou externos (estilo direto ou indireto), ou internos, isto
é, o caso em que a palavra não remete a uma realidade exterior. A
dosagem dos dois planos de enunciação determina o grau de
opacidade da linguagem literária: todo enunciado que pertence ao
discurso tem uma autonomia superior, pois toma toda sua
significação a partir de si mesmo, sem o intermediário de uma
referência imaginária. O fato de Elstir ter prodigalizado sua
amabilidade remete a uma representação exterior, a das duas
personagens e de um ato; mas a comparação e a reflexão que
seguem são representações em si mesmas, só remetem ao sujeito
da enunciação e afirmam por isso a presença da própria
linguagem.
A interpretação dessas duas categorias é, como se pode ver,
vasta, e já põe, em si mesma, múltiplos problemas que ainda não
foram tocados. A situação se complica ainda mais se verificamos
que esta não é a única maneira sob a qual as categorias tomam
corpo em literatura. A possibilidade de considerar cada pavra
como, antes de tudo, um depoimento sobre a realidade ou como
enunciação subjetiva nos conduz a outra constatação importante.
Não são apenas as características dos dois tipos de palavras, são
também os dois aspectos complementares de toda pa- [Página 60]
lavra literária ou não. Em todo enunciado, podemos isolar
provisoriamente esses dois aspectos: trata-se, por um lado, de um
ato da parte do locutor, de um arranjo lingüístico; por outro, da
evocação de certa realidade; e esta não tem, no caso da literatura,
nenhuma outra existência além da conferida pelo próprio
enunciado.
Os formalistas russos tinham, ainda aqui, notado a oposição,
sem entretanto poder mostrar suas bases lingüísticas. Em toda
narrativa, eles distinguiam a fábu1a, isto é, a série de
acontecimentos representados, tais quais eles se teriam
desenrolado na vida, da trama, arranjo particular dado a esses
acontecimentos pelo autor. As inversões temporais eram seu
exemplo favorito: está evidente que a relação de um
acontecimento posterior com um anterior trai a intervenção do
autor, isto é, do sujeito da enunciação. Verificamos agora que essa
oposição não corresponde a uma dicotomia entre o livro e a vida
representada, mas a dois aspectos, sempre presentes, de um
enunciado, a sua dupla natureza de enunciado e enunciação. Esses
dois aspectos dão vida a duas realidades, tão lingüística uma
quanto outra: a das personagens e a da dupla narrador-leitor.
A distinção entre discurso e história permite assentar melhor
outro problema da teoria literária, o das “visões” ou “pontos de
vista”. De fato, trata-se aí das transformações que a noção de
pessoa sofre na narrativa literária. Esse problema outrora
levantado por Henry James foi tratado muitas vezes desde então;
em França, principalmente, por Jean Pouillon, Claude-Edmond
Magny, Roger Blin. Esses estudos, que não levavam em conta a
natureza lingüística do fenômeno, não conseguiram explicitar
inteiramente sua natureza, embora tenham descrito seus aspectos
mais importantes.
A narrativa literária, que é uma palavra mediatizada e não
imediata e que sofre além disso os constrangimentos da ficção, só
conhece uma categoria “pessoal” que é a terceira pessoa, isto é, a
impessoalidade. O que diz eu no romance não é o eu do discurso,
por outras palavras, o sujeito da enunciação; é apenas uma
personagem e o estatuto de suas palavras (o estilo direto) lhe dá o
máximo de objetividade, ao invés de aproximá-la do verdadeiro
sujeito da enunciação. Mas existe um outro eu, um eu invisível a
maior parte do [Página 61] tempo que se refere ao narrador, essa
“personalidade poética que apreendemos através do discurso.
Existe pois uma dialética da pessoalidade e da impessoalidade
entre o eu do narrador (implícito) e o ele da personagem (que
pode ser um eu explícito), entre o discurso e a história. Todo o
problema das “visões” está aqui: no grau de transparência dos eles
impessoais da história com relação ao eu do discurso.
É fácil ver, nessa perspectiva, qual a classificação das visões
que podemos adotar: ela corresponde, mais ou menos, à que Jean
Pouillon tinha proposto em seu livro Temps et roman: ou o eu do
narrador aparece constantemente através do ele do herói, como no
caso da narrativa clássica, com um narrador onisciente; é o
discurso que suplanta a história;
ou o eu do narrador fica inteiramente apagado atrás do ele
do herói; estamos então diante da famosa “narração objetiva”,
tipo de narrativa praticada sobretudo pelos autores americanos de
entre as duas guerras: nesse caso, o narrador ignora tudo de sua
personagem e vê simplesmente seus movimentos, seus gestos,
ouve suas palavras; é pois a história que suplanta o discurso;
ou enfim o eu do narrador está em igualdade com o ele do
herói, ambos são informados do mesmo modo sôbre o
desenvolvimento da ação; é o tipo de narrativa que, aparecida no
século XVIII, domina atualmente a produção literária; o narrador
se apega a uma das personagens e observa tudo através de seus
olhos; chega-se aí, precisamente nesse tipo de narrativa, à fusão
do eu e do ele em um eu que conta, o que torna a presença do
verdadeiro eu, o do narrador, ainda mais difícil de apreender.
Essa é apenas uma primeira repartição sumária; toda
narrativa combina várias visões ao mesmo tempo; existem, por
outro lado, múltiplas formas intermediárias. A personagem pode
trapacear consigo mesma ao contar, como pode confessar tudo o
que sabe sobre a história; pode analisá-la até os mínimos detalhes
ou satisfazer-se com a aparência das coisas; pode apresentar-nos
uma dissecção de sua consciência (o “monólogo interior”) ou uma
palavra articulada; todas essas variedades fazem parte da visão
que põe em condição de igualdade narrador e personagem.
Análises fun- [Página 62] damentadas em categorias lingüísticas
poderão captar melhor essas nuanças.
Tentei delimitar as manifestações mais evidentes de uma
categoria lingüística da narrativa literária. Outras categorias
esperam sua vez: será preciso, um dia, descobrir o que se
tornaram o tempo, a pessoa, o aspecto, a voz em literatura, pois
essas categorias aí estarão bem presentes, se a literatura for, como
acreditava Valéry, apenas a “extensão e aplicação de certas
propriedades da Linguagem”. [Página 63]
[Página 64 (em branco)]
3. POÉTICA E CRITICA1
Eis aqui dois livros cujo confronto promete ser instrutivo.
Possuem suficientes traços comuns para que a oposição perfeita
formada por seus outros caracteres não seja arbitrária, mas
carregada de um sentido que é preciso revelar.
Essa oposição concerne a diferentes aspectos dos dois livros.
Primeiramente o tema: Structure du langage poétique é um
estudo das propriedades comuns a todas as obras literárias;
Figures é consagrado à descrição dos sistemas poéticos
particulares: o de Étienne
____________________
Nota de rodapé (1) A propósito de dois livros: G. Genette, Figures. Paris, Seuil.
1966; 3. Cohen, Structure du langage poétique, Paris, Flammarion, 1966. [Página
65]
Bonnot, o de Proust, o da Astrée. O objetivo do primeiro é colocar
os fundamentos da poética; o do segundo, reconstituir algumas
poéticas. Um visa à poesia, o outro, a obra poética.
A oposição chega até as propriedades formais. A escritura
de Cohen é sintética e seu livro quer ser transparente. Os textos de
Genette são, pelo contrário, analíticos, descritivos e perfeitamente
opacos: não remetem a um sentido independente deles, a forma
escolhida é a única possível. Não é por acaso se, à exposição
coerente de Cohen, se opõe uma coletânea de artigos cuja unidade
é difícil apreender. E mesmo o singular de Structure opõe-se
significativamente ao plural de Figures.
Não teríamos entretanto motivo de nos comprazer em
realçar essas oposições, se os dois livros não testemunhassem, ao
mesmo tempo, uma unidade igualmente significativa. Digamos
que essa unidade reside na abordagem imanente da literatura,
praticada tanto por um quanto por outro. A explicação imanente
dos fatos é um slogan tornado hoje banal; mas, no que concerne à
reflexão sobre a literatura, acreditamos estar aqui diante das duas
primeiras tentativas sérias de tratar a literatura a partir dela
mesma e por ela mesma. Esse princípio seria suficiente para que
se operasse uma aproximação entre o método nelas utilizado e
uma corrente de idéias atual; mas outra particularidade se
acrescenta e reforça a primeira impressão: o objetivo preciso de
um e de outro livro é descrever estruturas literárias. A análise
estrutural da literatura teria finalmente nascido? Se isto é verdade,
como pode ela encarnar-se ao mesmo tempo em dois livros tão
diferentes?
Para responder a essas perguntas, podemos partir de um dos
artigos de Genette, intitulado precisamente “Structuralisme et
critique littéraire”. Ao problema colocado por esse título, Genette
dá quatro respostas sucessivas: todo crítico é, independentemente
de suas intenções, “estruturalista” porque, como um bricoleur2,
usa elementos de estruturas existentes (as obras literárias) para
com elas forjar novas estruturas (a obra crítica ela mesma); os
aspectos da obra que exigem ao mesmo tempo a análise literária e
a análise lingüística
____________________
Nota de rodapé (2) Bricoleur é o que exerce um ofício como amador, com
material e ferramentas improvisados. (N. da T.) [Página 66]
devem ser estudados com a ajuda de métodos elaborados pela
lingüística estrutural; o estruturalismo é impotente diante da obra
particular, sobretudo se o crítico lhe atribui um sentido, o que
sempre ocorre quando esta obra está suficientemente próxima de
nós; a história literária, em compensação, pode e deve tornar-se
estrutural, estudando os gêneros e sua evolução. Para resumir,
pode-se dizer que, na concepção de Genette, o campo da literatura
deveria estar separado em dois, cada uma das partes prestando-se
a um tipo de análise diferente: o estudo da obra particular não
pode ser feito com a ajuda de métodos estruturais, mas estes
continuam pertinentes no que concerne a outra parte do campo.
Perguntamo-nos se o vocabulário da separação territorial é o
mais apropriado para caracterizar essa diferença essencial.
Estaríamos antes inclinados a falar de um grau de generalidade. A
análise estrutural, não devemos esquecer, foi criada no interior de
uma ciência; era destinada a descrever o sistema fonológico de
urna língua, não um som, o sistema de parentesco numa
sociedade, não um parente. E um método científico e ao aplicá-lo
fazemos ciência. Ora, que pode fazer a ciência diante do objeto
particular que é um livro? No máximo, pode tentar descrevê-lo;
mas a descrição em si mesma não é ciência e só se torna tal a
partir do momento em que essa descrição tende a se inscrever
numa teoria geral. Assim, a descrição da obra pode estar ligada à
ciência (e portanto permitir a aplicação dos métodos estruturais)
unicamente com a condição de nos fazer descobrir as
propriedades de todo o sistema de expressão literária ou de suas
variedades sincrônicas e diacrônicas.
Reconhecemos aqui as direções prescritas por Genette à
“crítica estrutural”: a descrição das propriedades do discurso
literário e a história literária. A obra particular fica fora do objeto
dos estruturalistas, menos por causa do investimento de sentido
que se produz por ocasião da leitura, do que pela força de seu
próprio estatuto de objeto particular. Se a “crítica estruturalista”
não existe, desde há muito, senão no optativo, é que essa etiqueta
encerra uma contradição nos termos: é a ciência que pode ser
estrutural, não a crítica. [Página 67]
A história literária estrutural também não existe, até o
momento. Em compensação, o livro de Jean Cohen nos dá uma
imagem do que pode ser essa investigação sobre as propriedades
do discurso literário, à qual convém melhor, parece-nos, o nome
de poética. Cohen toma, desde sua “Introdução”, um partido
deliberado: por um lado, quer emitir hipóteses científicas,
verificáveis e refutáveis, sem temer o sacrilégio de falar numa
“ciência da poesia”; por outro lado, considera a poesia antes de
tudo como uma forma particular da linguagem; eis por que limita
seu trabalho ao estudo das “formas poéticas da linguagem e
somente da linguagem” (p. 8). O objetivo que ele se propõe é o
seguinte: descobrir e descrever as formas da linguagem próprias à
poesia, em oposição à prosa; pois “a diferença entre prosa e
poesia é de natureza lingüística, isto é, formal” (p. 199). Eis que
finalmente a poética toma o lugar que lhe convém, ao lado da
lingüística. Estamos evidentemente longe do crítico cujo objetivo
seria caracterizar especificamente uma obra: o que interessa a
Cohen é uma “invariável que permanece através das variações
individuais” e que existe “na linguagem de todos os poetas” (p.
14).
Mas se a “crítica estruturalista” é uma contradição nos
termos, onde fica o “estruturalismo” de Genette? Uma leitura
atenta nos revelará que as estruturas literárias são realmente o
objeto de seu estudo; mas não no mesmo sentido em que Cohen
estuda a “estrutura da linguagem poética”. A estrutura de Cohen é
uma relação abstrata que se manifesta na obra particular, sob
formas muito variadas. Ela se aparenta à lei, à regra, e se encontra
num nível de generalidade diferente daquele das formas pelas
quais ela se realiza. Não é o caso das estruturas de Genette. Essa
palavra deve ser tomada aqui num sentido puramente espacial,
como se pode falar, por exemplo, das estruturas gráficas de um
quadro. A estrutura é a disposição particular de duas formas, uma
com relação à outra. Num de seus textos, “L’or tombe sous le
fer”, Genette chegou mesmo a desenhar, no sentido próprio da
palavra, a estrutura formada pelos “elementos”, os metais, as
pedras, no universo da poesia barroca. Não se trata aqui de um
princípio logicamente anterior às for- [Página 68] mas do espaço
particular que separa e reúne duas ou várias formas.
Somos assim levados ao próprio centro da visão crítica de
Genette. Poder-se-ia dizer que o objeto único de suas pesquisas é
preencher, compartimento por compartimento, todos os cantos de
um largo espaço abstrato; ele se coloca fascinado diante desse
quadro imenso onde simetrias dissimuladas esperam, na
imobilidade, que uma mão atenta as venha recolher. Evidenciar as
estruturas é apenas um meio de aceder a esta imagem que se
torna, a cada instante, mais rica, mas cujo desenho de conjunto
continua tão hesitante quanto no início.
Vê-se bem que nenhum ponto de doutrina postula a
existência obrigatória dessas estruturas na obra literária. Sem o
declarar explicitamente, Genette deixa entender que o escritor
goza de certa liberdade, que lhe permite submeter ou não o
universo de seu livro às leis estruturais. Se bem que as
preferências de Genette recaiam precisamente sobre os autores
que organizam esse universo segundo um desenho
preestabelecido, nada nos diz que outros não tenham escrito
ignorando esse modo de pensar. Os autores escolhidos por
Genette são “técnicos” — os poetas barrocos, Robbe-Grille e
outros; ao contrário, como se vê, da crítica psicológica, cuja
alegria eram os autores “espontâneos” e “inspirados”.
Não nos espantaremos mais de ver a metade do livro de
Genette consagrada a obras de críticos: ele próprio o explicou, a
crítica é um mostruário de estruturas particularmente rico. E este
lado da crítica que o atrai, a crítica-objeto, e não a crítica
enquanto método. Procuraríamos em vão, nesse livro de crítica,
consagrado em grande parte à crítica, dez linhas ao menos sobre o
método próprio do autor. Mesmo a respeito dos críticos, Genette
se contenta com uma explicação, e não acrescenta a ela a
construção de um sistema crítico transcendente: não é Genette
sobre Valéry, Genette sobre Borges, que lemos, Valéry e Borges
vieram aqui eles próprios para nos apresentar, cada um, um texto-
-síntese de todos os seus textos. Genette consegue então realizar
uma verdadeira proeza: lemos páginas que ao mesmo tempo lhe
pertencem e fazem parte da obra de um outro. [Página 69]
Qual é pois esse método fugidio de Genette? Pode se dizer,
em todo caso, que ele não adota aquele princípio do
estruturalismo segundo o qual o método deve ser à imagem de seu
objeto (se não fôr o objeto que se torna à imagem do método). O
procedimento de Genette aparentar-se-ia mais àquele comentário
que desposa as formas do objeto para fazê-las suas, que não
abandona a obra senão para a reproduzir alhures.
Voltemos à antítese que nos serviu de ponto de partida. O
espaço visado por esses dois procedimentos, contrários e
vizinhos, é aquele que separa a poética da crítica: pois a análise de
Genette merece mais plenamente o nome de crítica literária. Os
dois livros encarnam, de modo exemplar, as duas atitudes
essenciais que provoca a leitura: crítica e ciência, crítica e poética.
Tentemos agora precisar as possibilidades e os limites de cada
uma.
Primeiramente a poética: o que ela estuda não é a poesia ou
a literatura mas a “poeticidade” e a “literaridade”. A obra
particular não é para ela um fim último; se ela se detém nesta obra
e não em outra, é porque esta deixa transparecer mais nitidamente
as propriedades do discurso literário. A poética estudará não as
formas literárias já existentes mas, partindo delas, um conjunto de
formas virtuais: o que a literatura pode ser mais do que o que ela
é. A poética é ao mesmo tempo menos e mais exigente que a
crítica: não pretende determinar o sentido de uma obra; mas
pretende ser ela própria muito mais rigorosa que a meditação
crítica.
Os que sustentam a idéia de “analisar a obra pelo que ela é,
não pelo que ela exprime” não encontrarão pois o que desejam
através da poética. Lamentam-se freqüentemente, com efeito, as
interpretações de uma crítica psicológica ou sociológica: ela
analisa a obra não como fim em si, mas como um meio de aceder
a outra coisa, como o efeito de uma causa. Mas é que a
psicanálise e a sociologia querem ser ciências; por isso mesmo, a
crítica que nelas se inspira condena-se a não poder ficar na obra
mesma. Logo que os estudos literários se constituem em ciência,
como faz hoje a poética, ultrapassa-se, novamente, a obra: esta é
considerada, ainda uma vez, como um efeito, mas agora como
efeito de sua própria forma. A única diferença, [Página 70] pois
— mas ela é importante — é que ao invés de transpor a obra para
um outro tipo de discurso, estudam-se as propriedades
subjacentes do próprio discurso literário.
Essa impossibilidade de ficar no particular escapa à atenção
de Cohen em suas declarações explícitas. Assim, ele censura os
críticos por se interessarem mais pelo poeta do que pelo poema
(p. 40) e diz, a propósito de seu trabalho, que “a análise literária
do poema enquanto tal nada mais pode ser senão o comprovante
desses mecanismos de transfiguração da linguagem pelo jogo das
figuras” (p. 198). Evidentemente, aplicando-se em descrever esses
“mecanismos de transfiguração” ele não mais analisa “o poema
enquanto tal”, pois isto é impossível; estuda precisamente um
mecanismo geral; e não se trata de nenhum poema em todo o
livro, salvo a título de exemplo.
Essa confusão não é grave, pois se limita a algumas
declarações isoladas, situando-se o conjunto do livro na
perspectiva da poética, que não estuda o poema enquanto tal, mas
enquanto manifestação da poeticidade. Outra redução, porém,
ameaça prejudicar os resultados alcançados, e mostra bem qual o
gênero de perigo que a poética tem a temer, onde passa o limite
que ela não deve ultrapassar. Trata-se da excessiva generalidade
que atinge Cohen, tomando ao pé da letra um dos princípios do
estruturalismo: estudar não os fenômenos mas sua diferença. A
única tarefa da poética, nos diz ele, é estudar aquilo em que a
poesia se diferencia da prosa. O único traço da figura que
reteremos é aquilo em que a expressão poética se diferencia da
expressão “natural”. Mas para definir a poesia, não basta dizer em
que ela é diferente da prosa, pois as duas têm uma parte comum
que é a literatura. Da “linguagem poética”, Cohen retém apenas o
adjetivo, esquecendo que existe também um substantivo. A figura
é não somente uma expressão diferente de outra, mas também
uma expressão tout court. Esquecê-lo, isolar as duas partes, seria
considerar a figura — ou a poesia — do ponto de vista de outra
coisa e não dela mesma. Eis novamente infringido o princípio de
imanência que Cohen proclama em outra parte, mas agora com
conseqüências mais graves, pois o autor tem de fato tendên-
[Página 71] cia a tomar a poesia por aquilo que nela difere da
prosa e não por um fenômeno integral.
O extremo que a poética deve evitar é a excessiva
generalidade, a excessiva redução do objeto poético: o modelo
que ela utiliza corre o risco de deixar passar o fenômeno poético.
Pode-se adivinhar, pela descrição que demos do método de
Genette, onde se acha o limite que ele deve, por sua vez, cuidar de
não ultrapassar. Sua crítica se funde a tal ponto com a obraobjeto,
que corre o risco de nela desaparecer. A longa e freqüente
citação não é um acaso nos textos de Genette, é um dos traços
mais característicos de seu método: o poeta pode exprimir seu
pensamento tanto quanto ele próprio, da mesma forma que ele
fala como o poeta. Um passo mais e essa crítica cessará de ser
uma explicitação para se tornar apenas uma retomada, uma
repetição. A melhor descrição — e é de descrição que se trata nos
textos de Genette — é a que não o é totalmente, a que, ao
reproduzir, explicita.
As duas atitudes teriam pois interesse em tender mais uma
para a outra. Um dos mais belos textos do livro de Genette,
“Silences de Flaubert”, permite-nos entrever, embora de longe, as
possibilidades assim oferecidas. Nesse texto, Genette procura
compreender “a escritura de Flaubert naquilo que ela tem de mais
específico” (p. 242); simplificando muito, poderíamos dizer que
se trata da função particular concedida por Flaubert à descrição,
do papel tão importante que ela representa em seus romances.
Reencontramo-nos pois diante das noções da poética que parecem
esclarecer muitas coisas; mas é apenas uma amostra que nos faz
desejar algo mais. Pois fala-se da descrição como se ela se
explicasse por si mesma; mas, de fato, de que se trata? Por que ela
se opõe à narração, enquanto ambas parecem pertencer ao
discurso do narrador com relação às personagens (passagem da
visão “com” à visão “por detrás”) nesta frase deslumbrante de
Bovary que aparece em meio a um “furor de locomoção”: “velhos
de paletó negro passeavam ao longo de um terraço enverdecido de
hera...“ (p. 239)? Eis aí muitas perguntas às quais a poética
poderia dar, senão uma resposta, pelo menos os meios de a
encontrar.
Não existe, pois, um muro entre a poética e a crítica; e a
prova disso está presente não só no desejo [Página 72] que
acabamos de formular, mas também no fato de que esse crítico
puro e esse teórico puro tenham encontrado um terreno comum, e
tenham tratado, ambos, do mesmo problema: as figuras de
retórica. A escolha desse ponto de encontro já é significativa
(entre outras, por influência real de Valéry sobre o pensamento
crítico de hoje): trata-se realmente de uma reabilitação da retórica.
Eles não subscrevem, é verdade, todas as afirmações dos retóricos
clássicos; mas está doravante claro que não se pode liquidar em
duas palavras o problema das figuras, problema real, importante e
complexo.
Nossos dois autores desenvolvem duas teorias diferentes da
figura retórica, que examinaremos brevemente aqui. Detenhamonos,
para tanto, no único ponto essencial, que é a definição da
figura. Segundo Genette, para que haja figura, é preciso que haja
também dois meios de dizer a mesma coisa; a figura só é tal por
oposição a uma expressão literal. “A existência e o caráter da
figura são absolutamente determinados pela existência e o caráter
dos signos virtuais aos quais comparo os signos reais, colocando
sua equivalência semântica” (p. 210). A figura é o espaço que
existe entre duas expressões.
Segundo Cohen, a figura se define também pela relação com
outra coisa que está fora dela. Mas não é uma outra expressão, é a
regra que pertence ao código da linguagem. Ao mesmo tempo ele
restringe as verdades de relação entre a figura e a regra: a relação
em pauta é uma transgressão, a figura repousa sobre um nãoobedecimento
à regra (“cada uma das figuras especificando-se
como infração a uma das regras que compõem o código”, p. 51).
O corpo do livro de Cohen representa o desenvolvimento e a
verificação dessa hipótese, com o exemplo de algumas figuras
representativas. É preciso dizer desde já que esse
desenvolvimento e essa verificação, salvo algumas insignificantes
exceções, são irrepreensíveis e provam efetivamente que as
figuras consideradas representam infrações a alguma regra
lingüística.
Mas por isso mesmo o problema da figura ainda não está
resolvido. O denominador comum das quatro ou cinco figuras
examinadas por Cohen deve reencontrar-se em todas as outras,
para que seja uma condição necessária ao fenômeno “figura”.
Senão, duas pos- [Página 73] sibilidades se oferecem (assim
corno para a definição de Genette): podemos declarar que o que
não tem esse denominador comum não é uma figura. Mas essa
definição é então puramente tautológica: induz-se a definição a
partir de fenômenos escolhidos com a ajuda de um critério
fornecido pela própria definição. Ou então declaramos a definição
insatisfatória e procuramos outro denominador comum para as
figuras escolhidas segundo um critério independente.
Tomemos uma figura tão comum quanto a antítese. “O céu
está em seus olhos, o inferno em seu coração”; qual é a expressão
literal que desenha o espaço da linguagem? Qual é a regra
lingüística infringida?
A confusão tem causas diferentes em cada uma dessas duas
concepções. Genette quase formula a sua, quando trata da
descrição. E realmente uma figura, mas por quê? Porque, nos diz
ele no rastro de Fontanier, “Terâmeno... diz em quatro versos o
que poderia ter dito em duas palavras, portanto a descrição
substitui (isto é, poderia ser substituída por) uma simples
designação: eis a figura” (p. 214). Mas se a descrição estava
ausente, não haveria mais o mesmo sentido; a única coisa que
permaneceria idêntica é o objeto evocado, o referente. Genette
desliza aqui da oposição entre duas formas de um sentido à
oposição entre dois sentidos que dizem respeito a um referente;
mas não é mais um espaço lingüístico que eles encerram, mas um
espaço psicológico: descrever ou não descrever. A descrição,
tanto quanto a antítese, a gradação e muitas outras figuras, não se
refere a uma expressão literal. O espaço da linguagem não está aí
presente.
O raciocínio de Cohen não é errôneo mas incompleto. É
verdade que as figuras que ele examina são infrações; mas muitas
outras não o são. A aliteração, diz-nos Cohen, é uma figura
porque ela se opõe ao paralelismo fofo-semântico que reina na
linguagem: nesse caso, os sons semelhantes não correspondem a
sentidos semelhantes. Isto é verdade; mas que figura é então a
derivação ou a simples repetição, na qual a aproximação de sons
semelhantes corresponde a uma aproximação de sentidos
semelhantes? Se o provamos, é que dispomos de um método
dialético que, como se [Página 74] sabe, ganha sempre. Nem toda
figura é anomalia e é preciso procurar outro critério que não a
transgressão.
Entretanto, a definição correta já estava presente na retórica
de Dumarsais (cujo malogro Genette declara um pouco
apressadamente): “As maneiras de falar, escrevia ele, que
exprimem não somente pensamentos mas ainda pensamentos
enunciados de um modo particular que lhes dá um caráter próprio,
essas maneiras, digo, são chamadas figuras”. É figura o que da ao
discurso “um caráter próprio”, o que o torna perceptível; o
discurso figurado é um discurso opaco, o discurso sem figuras é
um discurso transparente. Chamar o navio “navio” é utilizar a
linguagem apenas como um mediador de significação, é matar ao
mesmo tempo o objeto e a palavra. Chamá-lo “vela”, é deter
nosso olhar sobre a palavra, dar à linguagem um valor próprio e
uma possibilidade de sobreviver ao mundo.
Mas não é necessário, para tanto, que exista outra expressão
para dizer a mesma coisa, nem uma regra lingüística infringida.
Basta que haja uma forma, uma disposição particular da
linguagem (Dumarsais o disse: “uma maneira particular”) para
que possamos perceber a própria linguagem. É figura o que se
deixa descrever, o que é institucionalizado como tal. A gradação é
uma figura porque notamos a sucessão de três palavras da mesma
espécie: o olhar dá vida à figura como mata Eurídice. Se não
houvesse figuras, talvez ainda ignorássemos a existência da
linguagem: não esqueçamos que os sofistas, que foram os
primeiros a falar dela, foram também os criadores da retórica.
As figuras são o assunto de um único artigo em Genette;
mas elas se encontram no centro da atenção de Cohen e sua
interpretação abusiva ameaça mais a construção do conjunto. As
figuras como infrações são a própria base da teoria de Cohen: elas
freiam o funcionamento normal da linguagem para deixar passar
apenas a mensagem poética. Mas as figuras são apenas a presença
da própria linguagem, não há destruição necessária da linguagem
comum. Então, como essa “outra” mensagem chega a passar?
Acreditamos que a “outra” mensagem não passa porque
nunca existiu, pelo menos não sob a forma que lhe atribui Cohen.
E como não é em sua argumentação que queremos procurar uma
falha, será preciso, para [Página 75] descobrir as causas de uma
nova confusão, descer às premissas lógico-lingüísticas das quais
partiu seu raciocínio.
A face significada do signo lingüístico se separa, para
Cohen, em duas partes: forma e substância. Essa dupla de termos,
tomada de empréstimo a Hjelmslev, conhece certa incerteza no
uso, e seria bom fixarmos seu sentido desde o início. “A forma é
o estilo” (p. 35), é o que se perde numa tradução, são as
particularidades expressivas e estilísticas no sentido mais restrito
da palavra. A substância é a “coisa existente em si e
independentemente de toda expressão verbal ou não-verbal” (p.
33). A partir dessas bases, a teoria poética de Cohen se
desenvolve do seguinte modo: a substância (os objetos) não pode
ser unicamente poética em si; pois a poesia vem unicamente da
forma. Para que ela se imponha, é necessário impedir o
funcionamento normal da linguagem, que transmite
habitualmente as substâncias, não as formas: é este o papel das
figuras. Uma vez embaralhada a mensagem denotativa, poder-se-á
perceber a forma que se resolve numa pura afetividade. Nesse
momento, “não se trata mais da mensagem ela mesma, enquanto
sistema de signos, mas do efeito subjetivo produzido no receptor”
(p. 203); o efeito da poesia está nas emoções e seu estudo cabe à
psicologia, não à semântica. E Cohen cita essa frase significativa
de Carnap que “exprime muito bem a concepção que é a nossa”:
“O objetivo de um poema... é... exprimir certas emoções do poeta
e excitar em nós emoções análogas” (p. 205).
Comecemos pelas premissas. O que impressiona nessa
teoria da significação — e é paradoxal — é o fato de as palavras
não terem sentido: têm somente um referente (a substância) e um
valor estilístico e emocional (a forma). Ora, a lógica e a
lingüística afirmam desde há muito que, fora desses dois
elementos, existe um terceiro, o mais importante, que se chama
sentido ou compreensão. “O satélite da terra” e “essa foice de
ouro”3, nos diz Cohen, opõem-se unicamente por sua forma: a
primeira expressão não contém figura e é afetivamente neutra, a
segunda é figurada e emo-
____________________
Nota de rodapé (3) Imagem famosa de Victor Hugo, no poema Booz endormi:
“Quel dieu, quel rnoissonneur de l’éternel été
Avait, en s’en aliant, négligemment jeté
Cette faucille d’or dans le champ des étoiles”. (N. da T.) [Página 76]
cional. A lua é poética como “rainha das noites” ou como “essa
foice de ouro...“; fica prosaica como “o satélite da terra” (p. 39).
Ora, não é apenas o valor estilístico que difere nessas duas
expressões, é também o sentido; o que elas têm em comum é um
referente, não uma significação; mas esta é interior à linguagem.
A diferença essencial não está na reação emocional que elas
provocam no receptor (e provocam?), mas no sentido que têm.
“Le Lac de Lamartine, Tristesse d’Olympio de Hugo, Le
Souvenir de Musset dizem a mesma coisa, mas cada um a diz de
um modo novo”, afirma Cohen (p. 42); ou ainda: o valor estético
do poema não reside no que ele diz, mas na maneira como diz (p.
40). Ora, não há duas maneiras de dizer a mesma coisa; só o
referente pode permanecer idêntico; as duas “maneiras” criam
duas significações diferentes.
Não há pois nenhuma prova de que a poesia resida naquilo
que Cohen chama de “forma”: se ele consegue provar que ela não
está no referente, nada nos diz no que concerne ao sentido. Há,
em compensação, muitos argumentos contra a redução do poema
a um complexo de emoções. Jakobson nos alertava, há mais de
quarenta anos: “A poesia pode utilizar os meios da linguagem
emocional, mas sempre com desígnios que lhe são próprios. Essa
semelhança entre os dois sistemas lingüísticos, assim como a
utilização feita pela linguagem poética de meios próprios à
linguagem emocional, provoca frequentemente a identificação das
duas. Essa identificação é errônea, já que não leva em conta a
diferença funcional fundamental entre os dois sistemas
lingüísticos”. Reduzir a poesia a um “sentimento” análogo no
poeta e em seu leitor, como quer Carnap, é voltar às concepções
psicológicas há muito superadas. A poesia não é uma questão de
sentimentos, mas de significações.
O abismo cavado por Cohen entre dois tipos diferentes de
significação, dos quais um só é esteticamente válido, vem
restabelecer, em toda sua antiga grandeza, a dupla “forma” e
“conteúdo”. O perigo dessa concepção (que o próprio Valéry não
conseguiu evitar completamente) não está no primado concedido
ao conteúdo às expensas da forma (dizer o inverso seria
igualmente falso) mas na própria existência dessa di- [Página 77]
cotomia. Se o estruturalismo deu um passo à frente desde o
formalismo, é precisamente por ter cessado de isolar uma forma,
única válida, e de se desinteressar dos conteúdos. A obra literária
não tem uma forma e um conteúdo, mas uma estrutura de
significações cujas relações é preciso conhecer.
A concepção reducionista de Cohen se choca, ainda aqui,
com os fatos: muitas poéticas não podem ser explicadas como
uma infração aos princípios da linguagem. Mas “a estética
clássica é uma estética anti-poética”, assegura-nos Cohen (p. 20).
Não; o que acontece é que a poética constitui uma categoria mais
ampla do que a que ele nos apresenta; e a estética dos clássicos aí
encontra perfeitamente seu lugar.
As ressalvas críticas que acabamos de formular não devem
levar a um engano sobre a importância do trabalho de Cohen. A
maior parte de suas análises continua sendo uma incontestável
aquisição, e se suas premissas e suas conclusões se prestam à
discussão, aí talvez esteja um mérito suplementar: pois já era bem
tempo de começar a discutir os problemas da poética. [Página 78]
4. A ANÁLISE ESTRUTURAL DA NARRATIVA
O tema que me proponho a tratar é tão vasto que as poucas
páginas que se seguem tomarão, inevitavelmente, a forma de um
resumo. Meu título contém, além disso, a palavra “estrutural”,
palavra que, hoje em dia, confunde mais do que esclarece. Para
evitar ao máximo os mal-entendidos, procederei da seguinte
maneira. Darei, primeiramente, uma descrição abstrata do que
acredito ser a abordagem estrutural da literatura. Essa abordagem
será em seguida ilustrada por um problema concreto, o da
narrativa, e mesmo mais estreitamente, da intriga. Os exemplos
serão todos colhidos no Decameron de Boccacio. Finalmente,
tenta- [Página 79] rei tirar algumas conclusões gerais sobre a
natureza da narrativa e sobre os princípios de sua análise.
Podemos, primeiramente, opor duas atitudes possíveis
diante da literatura: uma atitude teórica e uma atitude descritiva.
A análise estrutural terá sempre um caráter essencialmente teórico
e não descritivo; por outras palavras, o objetivo de tal estudo
nunca será a descrição de uma obra concreta. A obra será sempre
considerada como a manifestação de uma estrutura abstrata, da
qual ela é apenas uma das realizações possíveis; o conhecimento
dessa estrutura será o verdadeiro objetivo da análise estrutural, O
termo “estrutura” tem pois aqui um sentido lógico, não espacial.
Uma outra oposição nos permitirá delimitar melhor a
posição crítica que nos preocupa. Se opusermos uma abordagem
interna da obra literária a uma abordagem externa, a análise
estrutural estará do lado da interna. Essa oposição é bem
conhecida dos críticos literários, e Wellek e Warren a colocaram
na base de sua Theory of literature. É portanto necessário lembrála
aqui, pois ao qualificar a análise estrutural de teórica,
aproximava-me aparentemente daquilo que se chama
habitualmente de “externo” (num uso impreciso, “teórico” e
“externo”, de um lado, “descritivo” e “interno”, de outro, são
sinônimos). Por exemplo, quando os marxistas e os psicanalistas
tratam de uma obra literária, não estão interessados no
conhecimento dessa obra ela mesma, mas no conhecimento de
uma estrutura abstrata, social ou psíquica, que se manifesta
através dessa obra. Essa atitude é pois, ao mesmo tempo, teórica e
externa. Por outro lado, um New Critic (imaginário), cuja
abordagem é visivelmente interna, não terá outro objetivo senão o
conhecimento da obra ela mesma; o resultado de seu trabalho será
uma paráfrase da obra, que pretende revelar seu sentido melhor do
que a obra ela mesma.
A análise estrutural é diferente de cada uma dessas duas
atitudes. Não se satisfaz com uma pura descrição da obra, nem
com sua interpretação em termos psicológicos ou sociológicos, ou
mesmo filosóficos. Em outros termos, a análise estrutural da
literatura coincide (em grandes linhas) com a teoria da literatura,
com a poética. Seu objeto é o discurso literário mais do que as
obras literárias, a literatura virtual mais do [Página 80] que a
literatura real. O objetivo desse estudo não é mais articular uma
paráfrase, um resumo argumentado da obra concreta, mas propor
uma teoria da estrutura e do funcionamento do discurso literário,
apresentar um quadro dos possíveis literários, do qual as obras
literárias existentes aparecem como casos particulares rea1izados.
É preciso acrescentar imediatamente que, na prática, a
análise estrutural visará também a obras reais: o melhor caminho
para a teoria passa pelo conhecimento empírico preciso. Mas essa
análise descobrirá em cada obra o que esta tem de comum com
outras (estudo dos gêneros, dos períodos etc.), ou mesmo com
todas as outras (teoria da literatura); ela não saberia dizer a
especificidade individual de cada uma. Na prática, trata-se sempre
de um movimento contínuo de ida e volta, das propriedades
literárias abstratas às obras individuais e inversamente. A poética
e a descrição são, de fato, duas atividades complementares.
Por outro lado, afirmar o caráter interno dessa abordagem
não quer dizer que se negue a relação da literatura com outras
séries homogêneas, como a filosofia, ou a vida social etc. Trata-se
aqui principalmente de estabelecer uma ordem hierárquica: a
literatura deve ser compreendida na sua especificidade, enquanto
literatura, antes de se procurar estabelecer sua relação com algo
diferente dela mesma.
Não é difícil ver que tal concepção dos estudos literários
deve muito à idéia moderna de ciência. Pode-se dizer que a
análise estrutural da literatura é uma espécie de propedêutica a
uma futura ciência da literatura. Esse termo ciência, empregado a
propósito de literatura, suscita habitualmente uma onda de
protestos. Será talvez oportuno levantar alguns deles e tentar
responder-lhes desde já.
Releiamos, primeiramente, esta página tirada do artigo
célebre sobre “The Art of Fiction” de Henry James, que contém
vários desses prostestos: “Há muita probabilidade de que ele [o
romancista] tenha uma disposição de espírito tal que essa
distinção bizarra e literal entre descrição e diálogo, descrição e
ação, pareça-lhe desprovida de sentido e pouco esclarecedora. As
pessoas falam freqüentemente dessas coisas como se existisse
uma distinção nítida entre elas, como se elas [Página 81] não a
confundissem a todo instante, como se elas não se encontrassem
intimamente ligadas num esforço geral de expressão. Não posso
imaginar a composição de um livro encarnada numa série de
blocos isolados; nem conceber, num romance digno de ser
mencionado, uma passagem de descrição que seja desprovida de
intenção narrativa, uma passagem de diálogo que seja sem
intenção descritiva; uma reflexão qualquer que não participe da
ação, ou uma ação cujo interesse tenha outra razão além daquela,
geral e única, que explica o êxito de toda obra de arte: a de poder
servir de ilustração. O romance é um ser vivo, uno e contínuo,
como qualquer outro organismo, e notar-se-á, creio eu, que ele
vive precisamente à medida que em cada uma de suas partes
aparece qualquer coisa de todas as outras, O crítico que, a partir
da textura fechada de uma obra terminada, pretender traçar a
geografia de suas unidades, será levado a colocar fronteiras tão
artificiais, temo eu, quanto todas aquelas que a história
conheceu”.
Nesse trecho, Henry James acusa o crítico que utiliza termos
como “descrição”, “narração”, “diálogo”, de cometer dois
pecados. Primeiramente, nunca se encontrará, num texto real, um
diálogo puro, ou uma descrição pura etc. Em segundo lugar, o
próprio emprego desses termos é inútil, senão prejudicial, pois o
romance é “um ser vivo, uno e contínuo”.
A primeira objeção perde todo seu valor quando nos
colocamos na perspectiva da análise estrutural. Com efeito, ela
visa ao conhecimento de conceitos como “descrição” ou “ação”,
mas nem por isso precisará encontrá-las em algum lugar em
estado puro. É mesmo natural que os conceitos abstratos não se
deixem observar diretamente, no nível da realidade empírica.
Falar-se-á em física, por exemplo, de uma propriedade como a
temperatura, embora não a possamos encontrar como tal, mas que
se observa em corpos que têm muitas outras propriedades ainda,
por exemplo, resistência, volume etc. A temperatura é um
conceito teórico, não precisa existir em estado puro; o mesmo
acontece com a descrição.
A segunda objeção é ainda mais curiosa. Tomemos essa
comparação, já duvidosa, da obra com o ser vivo. Sabemos todos
que uma parte qualquer de nosso corpo contém sangue, nervos,
músculos etc. — todos [Página 82] ao mesmo tempo; mas não
pedimos por isso ao biólogo que abandone essas abstrações
aberrantes, designadas pelas palavras: sangue, nervos, músculos.
O fato de esses se encontrarem sempre juntos não nos impede de
os distinguir. Se o primeiro argumento de James tinha um aspecto
positivo — indicava que nosso objeto deveria ser constituído por
categorias abstratas e não por obras concretas, o segundo
representa a pura recusa a reconhecer a existência das categorias
abstratas, daquilo que não se vê.
Existe outro argumento muito divulgado contra a introdução
de princípios científicos nos estudos literários. Dizem-nos, nesse
caso, que a ciência deve ser objetiva enquanto a interpretação da
literatura é sempre subjetiva. Em minha opinião, essa oposição
brutal é insustentável. O trabalho do crítico pode ter diferentes
graus de subjetividade, tudo depende da perspectiva que ele
escolheu. Esse grau será muito menos elevado se ele tentar
identificar as propriedades da obra do que se ele procurar a
significação de determinada época ou determinado meio. Aliás, os
diferentes estratos da obra deixam-se identificar com grau
desigual de subjetividade. Haverá poucas discussões sobre o
esquema métrico ou fônico de um poema; um pouco mais, sobre a
natureza de suas imagens; ainda mais, sobre as unidades
semânticas superiores.
Por outro lado, não existe ciência social (nem mesmo
ciência) que seja livre de toda subjetividade. A simples escolha de
um conjunto de conceitos teóricos ao invés de outro já pressupõe
uma decisão subjetiva; mas, se não se faz essa escolha, fica-se a
marcar passo, O economista, o antropólogo, o lingüista devem
igualmente ser subjetivos; a única diferença é que eles são
conscientes disso e tentam circunscrever essa subjetividade e
levá-la em conta no interior da teoria. Não tentaremos pois
repudiar a subjetividade das ciências sociais numa época em que
ela penetra até mesmo nas ciências naturais.
É tempo, agora, de interromper essas especulações teóricas
para dar um exemplo do que pode ser a abordagem estrutural da
literatura. Este exemplo serve de ilustração, mais do que de prova;
as tomadas de posição teóricas que acabo de expor não serão con-
[Página 83] testadas se se encontrarem falhas na análise concreta
que nelas se fundamenta.
O conceito literário (abstrato) que eu gostaria de discutir é o
da intriga. Isso não quer dizer, evidentemente, que para mim a
literatura se reduza unicamente à intriga. Penso antes que a intriga
é uma noção que os críticos não apreciam e, por essa mesma
razão, ignoram. O leitor comum, pelo contrário, lê um livro antes
de tudo como a narrativa de uma intriga; mas esse leitor ingênuo
não se interessa pelos problemas teóricos. Meu objetivo será
propor um certo número de categorias que podem servir àquele
que identifica e descreve intrigas. Essas categorias juntar-se-ão
pois àquele pobre vocabulário de que dispomos na análise da
narrativa e que consiste dos termos: ação; personagens;
reconhecimento etc.
Os exemplos literários que utilizarei são tirados do
Decameron de Boccacio. Não é entretanto minha intenção fazer
aqui uma análise do Decameron: esses contos servem apenas a
manifestar uma estrutura literária abstrata que é a da intriga.
Começarei por contar a intriga de algumas dessas novelas.
Um monge leva uma jovem a sua cela e faz amor com ela, O
abade fica sabendo e se prepara para puni-lo severamente. Mas o
monge percebe que o abade descobriu e prepara-lhe uma
armadilha, deixando sua cela. O abade entra e sucumbe aos
encantos da moça, enquanto o monge o observa, por sua vez.
Quando finalmente o abade pretende punir o monge, este lhe faz
notar que ele acaba de cometer o mesmo pecado. Resultado: o
monge não é punido (I, 4).
Isabetta, jovem monja, está com seu amante na cela. As
outras freiras percebem, ficam com ciúmes dela e vão acordar a
abadessa para que esta puna Isabetta. Mas a abadessa estava na
cama com um abade; por isso tem de sair às pressas e põe os
calções do abade na cabeça ao invés da coifa. Trazem Isabetta à
igreja e a abadessa começa a fazer-lhe um sermão, quando
Isabetta nota os calções em sua cabeça. Ela os aponta a todos;
assim a punição é evitada (IX, 2).
Peronella recebe seu amante na ausência do marido, pobre
pedreiro. Mas um dia este último volta mais cedo. Peronella
esconde o amante num tonel; quando o marido entra, ela lhe diz
que alguém queria com- [Página 84] prar o tonel e que esse
alguém o esta agora examinando. O marido acredita e se alegra
com a venda. O amante paga e vai embora com o tonel (VII, 2).
Uma mulher casada recebe todas as tardes seu amante numa
casa de campo da família, onde ela está habitualmente só. Mas
uma tarde o marido volta da cidade; o amante ainda não está lá,
ele chega um pouco mais tarde e bate à porta. A mulher afirma
que é um fantasma que vem importuná-la todas as tardes e que é
preciso exorcizá-lo. O marido pronuncia fórmulas improvisadas
pela mulher; o amante adivinha qual é a situação e vai embora,
contente com a esperteza de sua cúmplice (VII, 1).
Não é difícil reconhecer que essas quatro intrigas (e há
muitas outras semelhantes no Decameron) têm algo em comum.
Para exprimi-lo, usarei uma formulação esquemática que retém
apenas os elementos comuns dessas intrigas. O sinal
significará a relação de implicação existente entre duas ações.
X viola uma lei Y deve punir X X tenta evitá-lo
Essa representação esquemática pede várias explicações.
1. Percebe-se primeiramente que a unidade mínima de
intriga se deixa naturalmente representar por uma oração. Existe
uma analogia profunda entre as categorias da língua e as
categorias da narrativa, que deve ser explorada.
2. A análise dessa oração narrativa nos faz descobrir a
existência de duas unidades inferiores que correspondem às
“partes do discurso”, a) Os agentes, aqui chamados de X e Y,
correspondentes aos nomes próprios. Eles servem de sujeito ou de
objeto da oração; por outro lado, eles permitirão identificar sua
referência sem a descrever. b) O predicado que é sempre aqui um
verbo: violar, punir, evitar. Os verbos possuem uma característica
semântica comum: designam uma ação que modifica a situação
precedente. c) Uma análise de outros contos nos teria feito
[Y viola uma lei]
Y acredita que X não viola a lei
Y não pune X
descobrir uma terceira parte do discurso narrativo, que cor-
[Página 85] responde a qualidade e que não transforma a situação
em que aparece: e o adjetivo. Assim, em I,8: no começo da ação
Ermino é avarento enquanto Guglielmo é generoso. Guglielmo
encontra um meio de ridicularizar a avareza de Ermino e desde
então este é “o mais liberal e o mais amável dos gentis-homens”.
As qualidades das duas personagens são exemplos de adjetivos.
3. As ações (violar, punir) podem ter uma forma positiva ou
negativa; teremos pois igualmente necessidade da categoria de
estatuto.
4. A categoria de modalidade é aqui pertinente. Quando
dizemos “Y deve punir X”, designamos assim uma ação que
ainda não aconteceu (no universo imaginário do conto) mas que
não está menos presente em virtualidade. André Jolles sugeria que
se caracterizassem gêneros inteiros por seu modo: a fábula1 seria
o gênero do imperativo, na medida em que ela nos descreve um
exemplo a seguir: o conto de fadas é, como se tem dito
freqüentemente, o gênero do optativo, do desejo realizado.
5. Quando escrevemos “Y acredita que X não viola a lei”,
temos aí o exemplo de um verbo, “acreditar”, que é diferente dos
outros. Não se trata de uma ação diferente, mas da percepção
diferente da mesma ação. Poder-se-ia falar assim de “ponto de
vista”, fazendo com que essa noção diga respeito não só à dupla
narrador-leitor mas também às personagens.
6. Existem relações entre as orações; em nosso exemplo,
essa relação é sempre causal; mas uma análise mais avançada
distinguiria implicações de pressuposições (p. ex., a relação que
introduz a punição modal). O estudo de outros contos mostra que
existem igualmente relações puramente temporais (de sucessão)
ou espaciais (de paralelismo).
7. Uma sucessão organizada de orações forma uma nova
unidade sintagmática, a seqüência. A seqüência é percebida pelo
leitor como uma história acabada, é a narrativa mínima completa.
Essa impressão de acabamento é produzida por uma repetição
mo-
____________________
Nota de rodapé (1) No texto: légende. (N. da T.) [Página 86]
dificada da oração inicial: a primeira e a última orações terão
diferentes modos, ou estatutos, ou serão encaradas de diferentes
pontos de vista etc. Em nosso exemplo, é a punição que deve
repetir-se: primeiro modalizada, em seguida negada. Em uma
seqüência de relações temporais, a repetição pode ser completa.
8. Poderíamos perguntar também: existe um caminho de
volta? Que caminho deveremos seguir para ir dessa representação
esquemática e abstrata à novela individual? A resposta, aqui, é
tripla:
a) Podemos estudar o mesmo gênero de organização num
nível mais concreto: toda oração de nossa seqüência poderia ser
reescrita como uma seqüência inteira etc. Não mudaríamos então
a natureza do estudo mas o nível de generalidade.
b) Podemos igualmente estudar as ações concretas através
das quais percebemos nossas unidades abstratas. Por exemplo,
podemos levantar as diferentes leis que se acham violadas nos
contos do Decameron, ou as diferentes punições que aí se
realizam etc. Será este um estudo temático.
c) Finalmente, podemos indagar sobre a matéria verbal que
suporta nossas unidades abstratas. A mesma ação pode ser
apresentada através de um diálogo ou de uma descrição, num
discurso figurado ou não. Por outro lado, cada ação pode ser
encarada de um ponto de vista diferente. Trata-se aqui de um
estudo retórico.
Essas três direções correspondem às três grandes
subdivisões da análise da narrativa: estudo da sintaxe narrativa,
estudo temático e estudo retórico.
Chegados a esse ponto, podemos perguntar-nos: para que
serve tudo isso? Essa análise nos revelou algo sobre as novelas
em questão? Mas essa seria uma má pergunta. Nosso objetivo não
é o conhecimento do Decameron (embora tal análise possa servir
também a esse objetivo) mas o conhecimento da literatura ou, no
caso preciso, da intriga. As categorias da intriga aqui introduzidas
podem permitir uma descrição mais avançada e mais precisa de
outras intrigas. O objeto do estudo deve ser os modos narrativos,
ou os pontos de vista, ou as seqüências, e não tal ou tal conto, em
si mesmo e por ele mesmo. [Página 87]
A partir de categorias semelhantes podemos dar um passo à
frente e interrogar-nos sobre a possibilidade de uma tipologia das
intrigas. É difícil por enquanto avançar uma hipótese razoável;
por isso contentar-me-ei com resumir o resultado de minhas
pesquisas sobre o Decameron.
Pode-se apresentar a intriga mínima completa como a
passagem de um equilíbrio a outro. Esse termo equilíbrio, que
tomo de empréstimo à psicologia genética, significa a existência
de uma relação estável mas dinâmica entre os membros de uma
sociedade: é uma lei social, uma regra do jogo, um sistema
particular de troca. Os dois momentos de equilíbrio, semelhantes
e diferentes, estão separados por um período de desequilíbrio que
será constituído de um processo de degradação e um processo de
melhora.
Todos os contos do Decameron inscrevem-se nesse esquema
muito geral. Mas a partir daí podemos estabelecer uma distinção
entre dois tipos de história. O primeiro pode ser chamado “a
punição evitada”; as quatro histórias que lembrei no início são
desse tipo. Nelas, o ciclo completo é seguido: começa-se por um
estado de equilíbrio, rompido pela violação da lei. A punição teria
restabelecido o equilíbrio inicial, o fato de ela ser evitada
estabelece um novo equilíbrio.
Outro tipo de história é ilustrado pela novela sobre Ermino
(I, 8); podemos chamá-la “a conversão”. Essa história começa no
meio do ciclo completo, por um estado de desequilíbrio. Esse
desequilíbrio consiste na presença de um defeito no caráter da
personagem. A novela se reduz à descrição de um processo de
melhora, até que o defeito não exista mais.
As categorias que nos servem na descrição desses tipos são
reveladoras para o universo de um livro. Em Boccacio, os dois
equilíbrios simbolizam (em grandes linhas) a cultura e a natureza,
o social e o individual; a novela consiste, habitualmente, em
demonstrar a superioridade do segundo termo sobre o primeiro.
Poderíamos também procurar maiores generalizações; é
possível confrontar tal tipologia das intrigas com uma tipologia
dos jogos e aí encontrar duas variantes de uma estrutura comum.
Tão pouco foi feito nes- [Página 88] sa direção que ignoramos até
mesmo a natureza das questões que podem ser colocadas2.
Gostaria de voltar agora aos temas do princípio e retomar a
questão inicial: qual é o objeto da análise estrutural da literatura
(ou, se se preferir, da poética)? A primeira vista, é a Literatura, ou
como diria Jakoson, a literaridade. Mas olhemos mais de perto.
Discutindo os fenômenos literários, fomos obrigados a introduzir
certo número de questões, a criar uma imagem da literatura; essa
imagem constitui a preocupação constante de toda pesquisa sobre
a poética. “A ciência não se ocupa das coisas mas dos sistemas de
signos com que ela substitui as coisas”, escreve Ortega y Gasset.
As virtualidades que constituem o objeto da poética (como de
toda outra ciência), essas qualidades abstratas da literatura, só
existem no discurso da própria poética. Nessa perspectiva, a
literatura é apenas um mediador, uma linguagem, da qual se serve
a poética para falar.
Não se deve concluir que a literatura seja secundária para a
poética e que ela não seja, em certo sentido, seu objeto. O que
caracteriza a ciência é justamente essa ambigüidade do objeto,
ambigüidade que não se pretende resolver mas colocar na própria
base do estudo. A poética, como a literatura, consiste num
movimento ininterrupto de ida e volta entre dois pólos: o primeiro
é a auto-referência, a preocupação consigo mesma; o segundo o
que se chama habitualmente seu objeto.
Há uma conclusão prática a ser tirada dessas especulações.
Em poética, como alhures, as discussões metodológicas não são
uma parte secundária do domínio mais vasto, uma espécie de
subproduto acidental: elas constituem seu próprio centro,
representam sua principal tarefa. Como diz Freud: “O que
constitui o caráter essencial do trabalho científico não é a natureza
dos fatos de que trata, mas o rigor do método que preside à
constatação desses fatos, e a procura de uma síntese tão vasta
quanto possível”.
____________________
Nota de rodapé (2) Algumas indicações bibliográficas: trato mais longamente
dos mesmos problemas no capítulo “Poétique” da obra coletiva Qu’est-ce que le
strucruralisme?, Paris, Edition du Seuil, 1968; e em meu livro Grammaire du
Décaméron, a ser publicado por Mouton, em Haia. Vários estudos situados numa
perspectiva semelhante foram publicados na revista Communications, Paris, Ed. do
Seuil, n° 4, 8, 11 (textos de Roland Barthes, Claude Bremond, Gérard Genette etc.)
[Página 89]
[Página 90 (em branco)
II
ANÁLISES
[Página 91]
[Página 92 (em branco)]
1. TIPOLOGIA DO ROMANCE POLICIAL
“O gênero policial não se subdivide em espécies.
Apenas apresenta formas historicamente diferentes.”
Boileau-Narcejac, Le Roman Policier, Payot, 1964,
p. 185.
Se ponho essas palavras em epígrafe a um artigo que trata,
precisamente, das “espécies” no gênero “romance policial”, não é
para sublinhar minha discordância dos autores em questão, mas
porque essa atitude é muito difundida e a primeira com relação à
qual é preciso tomar posição. O romance policial não é a causa
disso: há mais de dois séculos se faz sentir uma forte reação, nos
estudos literários, a contestar a pró- [Página 93] pria noção de
gênero. Escreve-se ou sobre a literatura em geral ou sobre uma
obra; e existe uma convenção tácita segundo a qual enquadrar
várias obras num gênero é desvalorizá-las. Essa atitude tem uma
boa explicação histórica: a reflexão literária da época clássica,
que tratava mais dos gêneros do que das obras, manifestava
também uma lamentável tendência: a obra era considerada má se
não obedecia suficientemente as regras do gênero. Essa crítica
procurava, pois, não só descrever os gêneros, mas prescrevê-los; o
quadro dos gêneros precedia à criação literária ao invés de seguila.
A reação foi radical: os românticos e seus atuais
descendentes recusaram-se não só a se conformar às regras dos
gêneros (o que era de seu pleno direito) mas também a reconhecer
a própria existência dessa noção. Por isso a teoria dos gêneros
ficou singularmente pouco desenvolvida até nossos dias. Apesar
disso, no momento atual, teríamos tendência a procurar um
intermediário entre a noção demasiadamente geral de literatura e
esses objetos particulares que são as obras. O atraso vem sem
dúvida do fato de que a tipologia implica e é implicada pela
descrição dessas obras particulares; ora, essa última tarefa está
longe de ter recebido soluções satisfatórias: enquanto não se
souber descrever a estrutura das obras, será preciso contentar-se
com comparar elementos que se sabe medir, como o metro.
Apesar de toda a atualidade de uma pesquisa sobre os gêneros
(como tinha notado Thibaudet, é do problema dos universais que
se trata), não podemos começá-la sem fazer avançar
primeiramente a descrição estrutural: só a crítica do classicismo
podia permitir-se deduzir os gêneros a partir de esquemas lógicos
abstratos.
Uma dificuldade suplementar vem juntar-se ao estudo dos
gêneros; ela provém do caráter específico de toda norma estética.
A grande obra cria, de certo modo, um novo gênero, e ao mesmo
tempo transgride as regras até então aceitas. O gênero de A
Cartuxa de Parma, isto é, a norma à qual esse romance se refere,
não é o romance francês do começo do século XIX; é o gênero
“romance stendhaliano” que foi criado precisamente por essa obra
e por algumas outras. Poder-se-ia dizer que todo grande livro
estabelece a exis- [Página 94] tência de dois gêneros, a realidade
de duas normas: a do gênero que ele transgride, que dominava a
literatura precedente; a do gênero que ele cria.
Existe, entretanto, um domínio feliz onde essa contradição
dialética entre a obra e seu gênero não existe: o da literatura de
massa. A obra-prima habitual não entra em nenhum gênero senão
o seu próprio; mas a obra-prima da literatura de massa é
precisamente o livro que melhor se inscreve no seu gênero, O
romance policial tem suas normas; fazer “melhor” do que elas
pedem é ao mesmo tempo fazer “pior”: quem quer “embelezar” o
romance policial faz “literatura”, não romance policial. O
romance policial por excelência não é aquele que transgride as
regras do gênero, mas o que a elas se adapta: No Orchids for Miss
Blandish é uma encarnação do gênero, não um ultrapassamento.
Se os gêneros da literatura popular tivessem sido bem descritos,
não caberia mais falar de suas obras-primas: é a mesma coisa; o
melhor romance será aquele do qual não se tem nada a dizer. Eis
um fato pouco notado e cujas conseqüências afetam a categoria
do belo: estamos hoje em presença de um corte entre suas duas
manifestações essenciais; não há mais uma única norma estética
em nossa sociedade, mas duas; não se pode medir com as mesmas
medidas a “grande” arte e a arte “popular”.
A classificação dos gêneros no interior do romance policial
promete ser, portanto, relativamente fácil. Mas é preciso, para
tanto, começar pela descrição das “espécies”, o que quer dizer
também por sua delimitação. Tomaremos como ponto de partida o
romance policial clássico que conheceu sua hora de glória entre as
duas guerras, e que podemos chamar “romance de enigma”. Já
houve várias tentativas de precisar as regras desse gênero
(voltaremos mais tarde às vinte regras de Van Dine); mas a
melhor característica global nos parece ser a que nos dá Michel
Butor em seu romance L’emploi du temps. George Burton, autor
de numerosos romances policiais, explica ao narrador que “todo
romance policial se constrói sobre dois assassinatos; o primeiro,
cometido pelo assassino, é apenas a ocasião do segundo no qual
ele é vítima do matador puro e impune, do detetive”, e que “a
narrativa... superpõe duas séries temporais: os dias [Página 95] do
inquérito, que começam com o crime, e os dias do drama que
levam a ele”.
Na base do romance de enigma encontramos uma dualidade,
e é ela que nos vai guiar para descrevê-lo. Esse romance não
contém uma, mas duas histórias: a história do crime e a história
do inquérito. Em sua forma mais pura, essas duas histórias não
têm nenhum ponto comum. Eis as primeiras linhas de um desses
romances “puros”:
“Num cartãozinho verde lêem-se estas linhas batidas à
máquina:
Odell Margaret
Rua Setenta e Um, 184, Oeste. Assassinato. Estrangulada
por volta das vinte e três horas. Apartamento saqueado. Jóias
roubadas. Corpo descoberto por Amy Gibson, camareira. (S. S.
Van Dine, The “Canary” Murder Case) “.
A primeira história, a do crime, terminou antes de começai a
segunda. Mas que acontece na segunda? Pouca coisa. As
personagens dessa segunda história, a história do inquérito, não
agem, descobrem. Nada lhes pode acontecer: uma regra do gênero
postula a imunidade do detetive. Não se pode imaginar Hercule
Poirot ou Philo Vance ameaçados por um perigo, atacados,
feridos, e ainda menos, mortos. As cento e cinqüenta páginas que
separam a descoberta do crime da revelação do culpado são
consagradas a um lento aprendizado: examina-se indício após
indício, pista após pista. O romance de enigma tende assim para
uma arquitetura puramente geométrica: Murder on the Orient
Express (Agatha Christie), por exemplo, apresenta doze
personagens suspeitas: o livro consiste em doze, e de novo doze
interrogatórios, prólogo e epílogo (isto é, descoberta do crime e
descoberta do culpado).
Essa segunda história, a história do inquérito, goza pois de
um estatuto todo particular. Não é por acaso que ela é
freqüentemente contada por um amigo do detetive, que reconhece
explicitamente estar escrevendo um livro: ela consiste, de fato, em
explicar como essa própria narrativa pode ser feita, como o
próprio livro é escrito. A primeira história ignora totalmente o
livro, isto é, ela nunca se confessa livresca (nenhum autor de
romances policiais poderia permitir-se indicar ele mesmo o
caráter imaginário da história, como [Página 96] acontece na
literatura). Em compensação, a segunda história deve não só levar
em conta a realidade do livro, mas ela é precisamente a história
desse livro.
Podem-se ainda caracterizar essas duas histórias dizendo
que a primeira, a do crime, conta “o que se passou efetivamente”,
enquanto a segunda, a do inquérito, explica “como o leitor (ou o
narrador) tomou conhecimento dela”. Mas essas definições não
são mais as das duas histórias do romance policial, mas de dois
aspectos de toda obra literária, que os formalistas russos tinham
descoberto há quarenta anos. Eles distinguiam, de fato, a fábula e
a trama de uma narrativa: a fábula é o que se passou na vida, a
trama, a maneira como o autor no-lo apresenta. A primeira noção
corresponde à realidade evocada, a acontecimentos semelhantes
àqueles que se desenrolam em nossas vidas; a segunda, ao próprio
livro, à narrativa, aos processos literários de que se serve o autor.
Na fábula, não há inversão de tempo, as ações seguem sua ordem
natural; na trama, o autor pode apresentar-nos os resultados antes
das causas, o fim antes do começo. Essas duas noções não
caracterizam duas partes da história ou duas histórias diferentes,
mas dois aspectos de uma mesma história, são dois pontos de
vista sobre a mesma coisa. Como acontece então que o romance
policial chegue a explicitar as duas, a pô-las lado a lado?
Para explicar esse paradoxo, é preciso primeiramente
lembrar o estatuto particular das duas histórias. A primeira, a do
crime, é de fato a história de urna ausência: sua característica
mais justa é que ela não pode estar imediatamente presente no
livro. Por outras palavras, o narrador não pode transmitir-nos
diretamente as réplicas das personagens que nela estão
implicadas, nem descrever-nos seus gestos: para fazê-lo, deve
passar necessariamente pelo intermediário de uma outra (ou da
mesma) personagem que contará, na segunda história, as palavras
ouvidas ou os atos observados. O estatuto da segunda é, como
vimos, igualmente excessivo: é uma história que não tem
nenhuma importância em si mesma, que serve somente de
mediadora entre o leitor e a história do crime. Os teóricos do
romance policial sempre concordaram em dizer que o estilo, nesse
tipo de literatura, deve ser perfeitamente transparente, inexistente;
sua única exi- [Página 97] gência é ser simples, claro, direto.
Tentou-se mesmo — o que é significativo — suprimir
inteiramente essa segunda história: um editor publicou
verdadeiros arquivos, compostos de relatórios policiais,
interrogatórios, fotos, impressões digitais, até mesmo mechas de
cabelos; esses documentos “autênticos” deviam levar o leitor à
descoberta do culpado (em caso de malogro, um envelope
fechado, colado na última página, dava a resposta do jogo: por
exemplo, o veredicto do juiz).
Trata-se pois, no romance de enigma, de duas histórias das
quais uma está ausente mas é real, a outra presente mas
insignificante. Essa presença e essa ausência explicam a
existência das duas na continuidade da narrativa. A primeira
comporta tantas convenções e processos literários (que não são
outra coisa senão a “trama” da narrativa) que o autor não p0 de
deixá-los sem explicação. Esses processos são, notemo-lo,
essencialmente de dois tipos: inversões temporais e “visões”
particulares: o teor de cada informação é determinado pela pessoa
daquele que a transmite, não existe observação sem observador; o
autor não pode, por definição, ser onisciente, como era no
romance clássico. A segunda história aparece, pois, como um
lugar onde se justificam e se “naturalizam” todos esses processos:
para dar-lhe um ar “natural”, o autor deve explicar que está
escrevendo um livro! E é temendo que essa segunda história se
torne opaca ela própria que ele joga uma sombra inútil sobre a
primeira, que tanto se recomendou o estilo neutro e simples,
tornado imperceptível.
Examinemos agora outro gênero no interior do romance
policial, o que se criou nos Estados Unidos pouco antes e
sobretudo depois da segunda guerra, e que foi publicado na
França na “série noire”; podemos chamá-lo de romance negro,
embora esse termo tenha também outra significação. O romance
negro é um romance que funde as duas histórias ou, por outras
palavras, suprime a primeira e dá vida à segunda. Não é mais um
crime anterior ao momento da narrativa que se conta, a narrativa
coincide com a ação. Nenhum romance negro é apresentado sob a
forma de memórias: não há ponto de chegada a partir do qual o
narrador abranja os acontecimentos passados, [Página 98] não
sabemos se ele chegará vivo ao fim da história. A prospecção
substitui a retrospecção.
Não há história a adivinhar; não há mistério, no sentido em
que ele estava presente no romance de enigma. Mas o interesse do
leitor não diminui por isso: nota-se aqui que existem duas formas
de interesse completamente diferentes. A primeira pode ser
chamada de curiosidade; sua caminhada vai do efeito à causa; a
partir de certo efeito (um cadáver e certos indícios) é preciso
encontrar a causa (o culpado e o que o levou ao crime). A
segunda forma é o suspense e aqui se vai da causa ao efeito:
mostram-nos primeiramente as causas, os dados iniciais
(gansgters que preparam um golpe) e nosso interesse é sustentado
pela espera do que vai acontecer, isto é, dos efeitos (cadáveres,
crimes, dificuldades). Esse tipo de interesse era inconcebível no
romance de enigma, pois suas personagens principais (o detetive e
seu amigo, o narrador) eram, por definição, imunes: nada podia
acontecer-lhes. A situação se inverte no romance negro: tudo é
possível, e o detetive arrisca sua saúde, senão sua vida.
Apresentei a oposição entre romance de enigma e romance
negro como uma oposição entre duas histórias e uma só; mas esta
é uma classificação lógica e não histórica, O romance negro não
necessita, para aparecer, de operar essa mudança precisa.
Infelizmente para a lógica, os gêneros não se constituem em
conformidade com as descrições estruturais; um gênero novo se
cria em torno de um elemento que não era obrigatório no antigo:
os dois codificam elementos diferentes. É por esta razão que a
poética do classicismo se perdia na procura de uma classificação
lógica dos gêneros. O romance negro moderno constituiu-se não
em torno de um processo de apresentação, mas em torno do meio
representado, em torno de personagens e costumes particulares;
por outras palavras, sua característica constitutiva são seus temas.
É assim que o descrevia, em 1945, Marcel Duhamel, seu
promotor na França: aí encontramos “a violência — sob todas as
formas, e mais particularmente as abominadas — o espancamento
e o massacre”. “A imoralidade está ali à vontade, tanto quanto os
bons sentimentos.” “Está também presente o amor — de
preferência bestial — a paixão desenfreada, o ódio sem piedade...
[Página 99] Com efeito, é em torno dessas constantes que se
constitui o romance negro: a violência, o crime geralmente
sórdido, a amoralidade das personagens. Obrigatoriamente,
também, a “segunda história”, aquela que se desenrola no
presente, ocupa aí um lugar central; mas a supressão da primeira
não é um traço obrigatório: os primeiros autores da série negra, D.
Hammet, R. Chandler, conservam o mistério; o importante é que
ele terá aqui uma função secundária, subordinada e não mais
central, como no romance de enigma.
Essa restrição quanto ao meio descrito distingue também o
romance negro do romance de aventuras, embora esse limite não
seja bem nítido. Podemos verificar que as propriedades até aqui
enumeradas, o perigo, a perseguição, a luta, se acham também
num romance de aventuras; no entanto, o romance negro conserva
sua autonomia. E preciso levar em conta vários fatores: o relativo
desaparecimento do romance de aventuras e sua substituição pelo
romance de espionagem; em seguida, sua inclinação pelo
maravilhoso e pelo exótico, que o aproximam, por um lado, da
narrativa de viagens, e por outro, dos atuais romances de sciencefiction;
enfim, uma tendência para a descrição, que permanece
completamente estranha ao romance policial. A diferença do meio
e dos costumes descritos soma-se a essas outras distinções; e foi
exatamente ela que permitiu ao romance negro constituir-se.
Um autor de romances policiais particularmente dogmático,
S. S. Van Dine, enunciou, em 1828, vinte regras às quais deve
conformar-se todo autor de romances policiais que se respeita.
Essas regras foram freqüentemente reproduzidas, desde então
(veja-se, por exemplo, no livro já citado de Boileau e Narcejac) e
foram, sobretudo, muito contestadas. Como não pretendemos
prescrever um procedimento, mas descrever os gêneros do
romance policial, é de nosso interesse aqui nos determos por um
instante. Em sua forma original, essas regras são assaz
redundantes, e podem facilmente ser resumidas nos oito pontos
seguintes:
1. O romance deve ter no máximo um detetive e um
culpado, e no mínimo uma vítima (um cadáver). [Página 100]
2. O culpado não deve ser um criminoso profissional; não
deve ser o detetive; deve matar por razões pessoais.
3. O amor não tem lugar no romance policial.
4. O culpado deve gozar de certa importância:
a) na vida: não ser um empregado ou uma camareira;
b) no livro: ser uma das personagens principais.
5 . Tudo deve explicar-se de modo racional; o fantástico
não é admitido.
6. Não há lugar para descrições nem para análises
psicológicas.
7. É preciso conformar-se à seguinte homologia, quanto
às informações sobre a história: “autor: leitor = culpado:
detetive”.
8. É preciso evitar as situações e as soluções banais (Van
Dine enumera dez delas).
Se compararmos esse inventário com a descrição do
romance negro, descobriremos um fato interessante. Uma parte
das regras de Van Dine diz respeito, aparentemente, a todo
romance policial e outra ao romance de enigma. Essa divisão
coincide, curiosamente com o campo de aplicação das regras: as
que concernem à referência, à vida representada (a “primeira
história”) limitam-se ao romance de enigma (regras l-4a); as que
se referem ao discurso, ao livro (a “segunda história”), são
igualmente válidas para o romance negro (regras 4b-7; a regra 8 é
de uma generalidade muito maior). Com efeito, no romance negro
há freqüentemente mais de um detetive (The five cornered square
de Chester Hymes) e mais de um criminoso (Du gâteau! de J. H.
Chase). O criminoso é quase obrigatoriamente um profissional e
não mata por razões pessoais (assassino a soldo); além disso, é
freqüentemente um policial. O amor “de preferência bestial” aí
encontra também lugar. Em compensação, as explicações
fantásticas, as descrições e as análises psicológicas continuam
banidas; o criminoso deve sempre ser uma das personagens
principais. Quanto à regra 7, perdeu sua pertinência com o
desaparecimento da história dupla. Isto nos prova que a [Página
101] evolução focou principalmente a parte temática, referencial,
e não a própria estrutura do discurso (Van Dine não notou a
necessidade do mistério e, por conseguinte, da história dupla,
considerando-a sem dúvida como óbvia).
Alguns traços à primeira vista insignificantes podem
encontrar-se codificados num ou noutro tipo de romance policial:
um gênero reúne particularidades situadas em diferentes níveis de
generalidade. Assim o romance negro, avesso a toda e qualquer
ênfase sobre os processos literários, não reserva suas surpresas
para as últimas linhas do capítulo; enquanto o romance de
enigma, que legaliza a convenção literária explicitando-a na sua
“segunda história”, terminará freqüentemente o capítulo por uma
revelação particularmente surpreendente (“É você o assassino”,
diz Poirot ao narrador em Le meurtre de Roger Ackroyd). Por
outro lado, certos traços de estilo no romance negro são
específicos do gênero. As descrições são feitas sem ênfase,
friamente, mesmo se se descrevem fatos aterradores; pode-se
dizer “com cinismo” (“Joe sangrava como um porco. Incrível que
um velho possa sangrar a esse ponto”; Horace Mac Coy, Kiss for
ever good bye...). As comparações conotam certa rudeza
(descrição das mãos: “eu sentia que se alguma vez suas mãos
agarrassem minha garganta, ele me faria esguichar sangue pelas
orelhas”: J. H. Chase, Garces de femmes!). Basta ler tal passagem
para se ter certeza de ter entre as mãos um romance negro.
Não é de espantar que entre essas duas formas tão diferentes
tenha podido surgir uma terceira, que combina suas propriedades:
o romance de suspense. Do romance de enigma, ele conserva o
mistério e as duas histórias, a do passado e a do presente; mas
recusa-se a reduzir a segunda a uma simples detecção da verdade.
Como no romance negro, é essa segunda história que toma aqui o
lugar central. O leitor está interessado não só no que aconteceu,
mas também no que acontecerá mais tarde, interroga-se tanto
sobre o futuro quanto sobre o passado. Os dois tipos de interesse
se acham pois aqui reunidos: existe a curiosidade de saber como
se explicam os acontecimentos já passados; e há também o
suspense: que vai acontecer às personagens principais? Essas
personagens gozavam de imunidade, [Página 102] estamos
lembrados, no romance de enigma; aqui elas arriscam
constantemente a vida. O mistério tem uma função diferente
daquela que tinha no romance de enigma: é antes um ponto de
partida, e o interesse principal vem da segunda história, a que se
desenrola no presente.
Historicamente, essa forma de romance policial apareceu em
dois momentos: serviu de transição entre o romance de enigma e
o romance negro; e existiu ao mesmo tempo que este. A esses
dois períodos correspondem dois subtipos de romance de
suspense. O primeiro, que se poderia chamar a “história do
detetive vulnerável”, é sobretudo atestada pelos romances de
Hammet e de Chandler. Seu traço principal é que o detetive perde
a imunidade, é espancado, ferido, arrisca constantemente a vida,
em resumo, está integrado no universo das demais personagens,
ao invés de ser um observador independente, como é o leitor
(lembremo-nos da analogia detetive-leitor de Van Dine). Esses
romances são habitualmente classificados como romances negros,
por causa do meio que descrevem, mas vemos que sua estrutura
os aproxima mais dos romances de suspense.
O segundo tipo de romance de suspense quis precisamente
desembaraçar-se do meio convencional dos profissionais do
crime, e voltar ao crime pessoal do romance de enigma, ao
mesmo tempo que se conformava à nova estrutura. Resultou disso
um romance que se poderia chamar de “história do suspeitodetetive”.
Nesse caso, um crime é cometido nas primeiras páginas
e as suspeitas da polícia se inclinam para uma certa pessoa (que é
a personagem principal). Para provar sua inocência, essa pessoa
deve encontrar ela própria o verdadeiro culpado, mesmo se para
tanto arriscar a própria vida. Pode-se dizer que, nesse caso, a
personagem é ao mesmo tempo o detetive, o culpado (aos olhos
da polícia) e a vítima (potencial, dos verdadeiros assassinos).
Muitos romances de Irish, Patrik Quentin, Charles Williams são
construídos segundo esse modelo.
É bastante difícil dizer se as formas que acabamos de
descrever correspondem a etapas de uma evolução ou podem
existir simultaneamente. O fato de podermos encontrar diversos
tipos num mesmo autor, [Página 103] precedendo o grande
florescimento do romance policial (como em Conan Doyle ou
Maurice Leblanc), far-nos-ia optar pela segunda solução, tanto
mais que essas três formas coexistem perfeitamente hoje. Mas é
bastante notável que a evolução do romance policial, em suas
grandes linhas, tenha seguido precisamente a sucessão dessas
formas. Poder-se-ia dizer que, a partir de certo momento, o
romance policial sente como um peso injustificado os
constrangimentos de tal ou tal gênero e deles se desembaraça para
constituir um novo código. A regra do gênero é sentida como um
constrangimento a partir do momento em que ela se torna pura
forma e não mais se justifica pela estrutura do conjunto. Assim,
nos romances de Hammet e de Chandler, o mistério global se
havia transformado em puro pretexto, e o romance negro que lhe
sucedeu, dele se desembaraçou, para elaborar, de preferência, essa
nova forma de interesse que é o suspense e se concentrar na
descrição de um meio, O romance de suspense, que nasceu depois
dos grandes anos do romance negro, sentiu esse meio como um
atributo inútil, e só conservou o próprio suspense. Mas foi
preciso, ao mesmo tempo, reforçar a intriga e restabelecer o
antigo mistério, Os romances que tentaram dispensar tanto o
mistério quanto o meio próprio à “série negra” como, por
exemplo, Before the fact de Francis Iles ou Mr. Ripley de Patricia
Highsmith — são muito pouco numerosos para que se possa
considerá-los como constituintes de um gênero à parte.
Chegamos aqui a uma última pergunta: que fazer dos
romances que não entram em nossa classificação? Não é por
acaso, parece-me, que romances como os que acabo de mencionar
são julgados habitualmente pelo leitor como situados à margem
do gênero, como uma forma intermediária entre o romance
policial e o romance tout court. Se entretanto esta forma (ou
outra) se tornar o germe de um novo gênero de livros policiais,
não será este um argumento contra a classificação proposta: como
já disse, o novo gênero não se constitui necessariamente a partir
da negação do traço principal do antigo, mas a partir de um
complexo de caracteres diferentes, sem preocupação de formar
com o primeiro um conjunto logicamente harmonioso. [Página
104]
2. A NARRATIVA PRIMORDIAL
Existe uma imagem de uma narrativa simples, sadia e
natural, uma narrativa primitiva que não conheceria os vícios das
narrativas modernas. Os romancistas atuais se afastam da velha e
boa narrativa, não seguem mais suas regras, por razões sobre as
quais ainda não se chegou a um acordo: seria por perversidade
inata da parte desses romancistas, ou por vã preocupação de
originalidade, por obediência cega à moda?
Perguntamo-nos quais são as narrativas reais que permitiram
tal indução. Ê muito instrutivo, de qualquer maneira, reler nessa
perspectiva a Odisséia, essa primeira narrativa que deveria, a
priori, corresponder [Página 105] melhor à imagem da narrativa
primordial. Raramente se encontrarão, nas obras mais recentes,
tantas “perversidades” acumuladas, tantos processos que fazem
dessa obra tudo, salvo uma narrativa simples.
A imagem da narrativa primordial não é uma imagem
fictícia, pré-fabricada para as necessidades de uma discussão. Ela
está implícita tanto em certos julgamentos sobre a literatura atual
quanto em certas observações eruditas sobre obras do passado.
Fundamentando-se numa estética própria da narrativa primordial,
os comentadores das narrativas antigas declaram estranha ao
corpo da obra tal ou tal de suas partes; e, o que é pior, acreditam
não se referirem a nenhuma estética particular. Precisamente, a
propósito da Odisséia, onde não se dispõe de certeza histórica,
essa estética determina as decisões dos eruditos sôbre as
“inserções” e as “interpolações”.
Seria fastidioso enumerar todas as leis dessa estética.
Lembremos algumas delas:
A lei da verossimilhança: todas as palavras, todas as ações
de uma personagem devem concordar numa verossimilhança
psicológica — como se, em todos os tempos, se tivesse julgado
verossímil a mesma combinação de qualidades. Assim, dizemnos:
“Toda essa passagem era considerada corno uma adição,
desde a antigüidade, porque essas palavras parecem corresponder
mal ao retrato de Nausica feito pelo poeta em outros trechos”.
A lei da unidade dos estilos: o rasteiro e o sublime não
podem misturar-se. Dir-nos-ão assim que tal passagem
“indecorosa” deve ser naturalmente considerada como uma
interpolação.
A lei da prioridade do sério: toda versão cômica de uma
narrativa acompanha, temporalmente, sua versão séria; prioridade
temporal também, do bom sobre o mau: é mais velha a versão que
julgamos hoje melhor. “Essa entrada de Telêmaco em casa de
Menelau e imitada da entrada de Ulisses em casa de Alcino, o que
parece indicar que A Viagem de Telêmaco foi composta depois
das Narrativas da casa de Alcino.”
A lei da não-contradição (pedra angular de toda crítica de
erudição): se uma incompatibilidade referencial resulta da
justaposição de duas passagens, pelo menos uma das duas é
inautêntica. A ama de [Página 106] leite se chama Euricléia, na
primeira parte da Odisséia, Eurinômia, na última; portanto as
duas partes têm autores diferentes. Segundo a mesma lógica, as
partes do Adolescente não poderiam ter sido escritas ambas por
Dostoiévski. — Diz-se que Ulisses é mais novo que Nestor, ora,
ele encontra Ifito que morreu durante a infância de Nestor: como
poderia essa passagem não ser interpolada? Do mesmo modo,
deveriam excluir-se como inautênticas boa parte das páginas de
Em busca do tempo perdido, onde o jovem Marcel parece ter
várias idades no mesmo momento da história. Ou ainda: “Nesses
versos, reconhece-se a costura inábil de uma longa interpolação;
pois como Ulisses pode falar de ir dormir, já que fora combinado
que ele partiria no mesmo dia?” Os diferentes atos de Macbeth
também têm autores diferentes, já que se lê no primeiro que Lady
Macbeth tinha filhos, e no último, que ela nunca os teve.
As passagens que não obedecem ao princípio da nãocontradição
são inautênticas; mas não o é o próprio princípio?
A lei da não-repetição (por mais difícil que seja acreditar
que se possa imaginar tal lei estética): num texto autêntico, não há
repetições. “A passagem que começa aqui vem repetir pela
terceira vez a cena do tamborete e do banquinho que Antinoo e
Eurímaco lançaram precedentemente contra Ulisses... Essa
passagem pode pois, com bons motivos, ser considerada
suspeita.” Seguindo esse princípio, poder-se-ia cortar uma boa
metade da Odisséia como suspeita ou então como “uma repetição
chocante”. É difícil entretanto imaginar uma descrição da epopéia
que não levasse em conta essas repetições, de tal forma elas
parecem ter um papel fundamental.
A lei antidigressiva: toda digressão da ação principal é
acrescentada posteriormente, por um autor diferente. “Do verso
222 o verso 286, insere-se aqui uma longa narrativa sobre a
chegada imprevista de certo Teoclímeno, cuja genealogia nos
seria indicada pormenorizadamente. Essa digressão, assim como
as outras passagens que, mais adiante, dirão respeito a
Teoclímeno, é pouco útil à marcha da ação principal”. Ou ainda
melhor: “Essa longa passagem, dos versos 394-466 que Victor
Bérard (Introduction à l´Odyssée, I, [Página 107] p 457)
considera uma interpolação, parece ao leitor de hoje uma
digressão não só inútil, mas também mal vinda, pois suspende a
narrativa num momento crítico. Pode-se sem dificuldade excisála1
do contexto”. Pensemos no que restaria de um Tristrarn Shandy
se “excisássemos” todas as digressões que “interrompem tão
desagradavelmente a narrativa”!
A inocência da crítica de erudição é, evidentemente, falsa;
esta aplica conscientemente ou não, a toda narrativa, critérios
elaborados a partir de algumas narrativas particulares (ignoro
quais sejam). Mas há também uma conclusão mais geral a ser
tirada: é que a narrativa primitiva não existe. Não há narrativa
natural; toda narrativa é uma escolha e uma construção; é um
discurso e não uma série de acontecimentos. Não existe uma
narrativa “própria” em face das narrativas “figuradas” (como,
aliás, não há sentido próprio); todas as narrativas são figuradas.
Só existe o mito da narrativa própria; e, de fato, é uma narrativa
duplamente figurada: a figura obrigatória é secundada por outra,
que Dumarsais chamava de “corretivo”: urna figura que ali está
para dissimular a presença das outras figuras.
Antes do Canto
Examinemos, agora, algumas das propriedades da narrativa
na Odisséia. E, para começar, tentemos caracterizar os tipos de
discurso de que se utiliza a narrativa e que reencontramos na
sociedade descrita pelo poema.
Existem dois grandes tipos de palavra, com propriedades tão
diferentes que podemos perguntar-nos se pertencem realmente ao
mesmo fenômeno: são a palavra-ação e a palavra-narrativa.
A palavra-ação: trata-se sempre, com efeito, de realizar um
ato que não é simplesmente a enunciação dessas palavras. Esse
ato é geralmente acompanhado, para aquele que fala, de um risco;
e poderíamos definir melhor essa palavra como um risco. Não se
deve ter medo para falar (“o terror os fazia enverdecer, e
____________________
Nota de rodapé (1) “Excisar, tirar com um instrumento cortante: excisar um
tumor” (Petit Larousse). (N. do A.) [Página 108]
somente Eurímaco encontrava o que lhe responder”2). A piedade
corresponde ao silêncio, a palavra se liga revolta (“O homem
deveria sempre evitar ser ímpio, e gozar em silêncio dos dons que
enviam os deuses ”). Existem talvez palavras piedosas que não
comportam risco; mas, em princípio, falar é ser audacioso, ousar.
Assim, as palavras de Ulisses, que não faltam com o respeito ao
interlocutor, têm como resposta: “Miserável! Vou castigá-lo sem
tardar! Vejam essa língua! Tu vens tagarelar aqui diante de todos
esses heróis! Verdadeiramente, não tens medo!” etc. próprio fato
de alguém ousar falar justifica a constatação “não tens medo”.
A passagem de Telêmaco da adolescência à virilidade é
marcada quase unicamente pelo fato de ele começar a falar:
“todos se espantavam de que os dentes plantados nos lábios,
Telêmaco ousasse lhes falar de tão alto”. Falar é assumir uma
responsabilidade, eis por que é também correr um perigo. O chefe
da tribo tem direito de falar, os outros correm o risco de falar às
suas custas.
Se a palavra-ação é considerada antes de tudo como um
risco, a palavra-narrativa é uma arte — da parte do locutor, assim
como um prazer para os dois comunicantes. Os discursos vão a
par, aqui, não com os perigos mortais, mas com as alegrias e as
delícias. “Deixai-vos ir, nessa sala, ao prazer dos discursos como
às alegrias do festim!” “Eis as noites sem fim, que deixam lazer
para o sono e para o prazer das histórias!”
Como o chefe de um povo era a encarnação do primeiro tipo
de palavra, aqui um outro membro da sociedade torna-se seu
campeão incontestado: o aedo. A admiração geral se dirige ao
aedo porque ele sabe dizer bem; ele merece as maiores honras:
“ele é tal que sua voz o iguala aos Imortais”; é uma felicidade
ouvi-lo. Nunca um ouvinte comenta o conteúdo do canto, mas
somente a arte do aedo e sua voz. Em troca, é impensável que
Telêmaco, tendo subido à ágora para falar, seja recebido por
observações sobre a qualidade de seu discurso; esse discurso é
transparente e só se reage à sua referência: “Que orador de cabeça
quen-
___________________
Nora de rodapé (2) Aqui, como nas outras partes, cito a tradução francesa de
Victor Bérard. (N. do A.) [Página 109]
te... Telêmaco, vê lá, deixa teus projetos e tuas falas maldosas!”
etc.
Notemos aqui que essa oposição entre a palavra que se
considera justa e aquela que se qualifica de bela, desapareceu de
nossa sociedade; pede-se hoje ao poeta, em princípio, que diga a
verdade, discute-se a significação de suas palavras, não sua
beleza. São duas reações totalmente diversas.
A palavra-narrativa, a palavra-arte encontra sua sublimação
no canto das Sereias, que passa ao mesmo tempo além dessa
dicotomia de base. As Sereias têm a mais linda voz da terra, e seu
canto é o mais belo, sem ser entretanto diferente do do aedo.
“Viste o público olhar para o aedo, inspirado pelos deuses para
alegria dos mortais? Enquanto ele canta, a gente não quer outra
coisa senão ouvi-lo, e para sempre!” Deixar o aedo enquanto ele
canta já é difícil; e as Sereias são como um aedo que não se
interrompe. O canto das Sereias é pois um grau superior da
poesia, da arte do poeta. É preciso assinalar aqui, de modo
especial, a reprodução desse canto por Ulisses. De que fala esse
canto irresistível, que faz infalivelmente perecer os homens que o
ouvem, tão grande é sua força de atração? É um canto que trata de
si próprio. As Sereias só dizem uma coisa: que estão cantando:
“Vem cá! Vem a nós! Ulisses tão louvado! A honra da Acaia! ...
Pára teu barco: vem escutar nossas vozes! Nunca uma nave negra
dobrou nosso cabo sem ouvir as doces melodias que saem de
nossos lábios ...“ A palavra mais bela é a que fala de si mesma.
Ao mesmo tempo, é a palavra que iguala o ato mais violento
que existe: matar (-se). Aquele que ouve o canto das Sereias não
pode sobreviver: cantar significa viver, se ouvir é igual a morrer.
“Mas uma versão mais tardia da lenda, dizem os comentadores da
Odisséia, pretendia que, de despeito, após a passagem de Ulisses,
elas se tenham precipitado, do alto do rochedo, no mar.” Se ouvir
é igual a viver, cantar significa morrer. Aquele que fala sofre a
morte se aquele que ouve lhe escapa. As Sereias fazem perecer
aquele que as ouve porque, de outra forma, devem perecer elas
próprias.
O canto das Sereias é, ao mesmo tempo, aquela poesia que
deve desaparecer para que haja vida, e aque- [Página 110] la
realidade que deve morrer para que haja literatura. O canto das
Sereias deve cessar para que um canto sobre as Sereias possa
surgir. Se Ulisses não tivesse ouvido as Sereias, se tivesse
perecido ao lado de seu rochedo, não teríamos conhecido seu
canto: todos os que o tinham ouvido tinham morrido e não
puderam retransmiti-lo. Ulisses, privando as Sereias de vida, deu-
-lhes a imortalidade. E Homero, o aedo cujo canto é tão belo que
o confundimos com o das Sereias, pode contar-nos sua história
como se fossem elas a fazê-lo.
A Palavra Fingida
Se procurarmos descobrir quais as propriedades internas que
distinguem os dois tipos de palavra, duas oposições
independentes aparecem. Primeiramente, no caso da palavra-ação,
reage-se ao aspecto referencial do enunciado (como o vimos no
caso de Telêmaco); se se trata de uma narrativa, o único aspecto
que os interlocutores retêm parece ser o aspecto literal. A palavra-
-ação é percebida como uma informação, a palavra-
-narrativa como um discurso. Em segundo lugar, e isso parece
contraditório, a palavra-narrativa pertence ao modo constatativo
do discurso, enquanto a palavra-ação é sempre um performativo.
É no caso da palavra-ação que o processo de enunciação toma
uma importância primordial e se torna a referência primeira do
enunciado; a palavra-narrativa trata de outra coisa e evoca a
presença de um processo diferente do de sua enunciação.
Contrariamente a nossos hábitos, a transparência vai a par com o
performativo e a opacidade, com o constatativo.
O canto das Sereias não é o único que vem embaralhar essa
configuração já complexa. A ela se acrescenta outro registro
verbal, muito difundido na Odisséia e que se pode chamar de “a
palavra fingida”. São as mentiras proferidas pelas personagens.
A mentira faz parte de um caso mais geral que é o de toda
palavra inadequada. Pode-se assim designar o discurso no qual se
opera um desacordo visível entre a referência e o referente, entre
o designatum e o denotatum. Ao lado da mentira, encontramos
aqui os erros, o fantasma, o fantástico. Desde que se toma [Página
11] consciência desse tipo de discurso, percebe-se quão frágil é a
concepção segundo a qual a significação de um discurso é
constituída por seu referente.
As dificuldades começam quando procuramos saber a que
tipo de palavra pertence a palavra fingida na Odisséia. Por um
lado, ela só pode pertencer ao constatativo: somente a palavra
constatativa pode ser verdadeira ou falsa, o performativo escapa a
essa categoria. Por outro lado, falar para mentir não é igual a falar
para constatar, mas para agir: toda mentira é necessariamente
performativa. A palavra fingida é ao mesmo tempo narrativa e
ação.
O constatativo e o performativo interpenetram-se
constantemente. Mas essa interpenetração não anula a oposição
ela mesma. No interior da palavra-narrativa, vemos agora dois
pólos distintos, se bem que haja uma passagem possível entre os
dois: existe, por um lado, o próprio canto do aedo; nunca se falará
de verdade e mentira a respeito dele; o que retém os ouvintes é
unicamente o aspecto literal do enunciado. Por outro lado, vêemse
múltiplas breves narrativas feitas pelas personagens umas para
as outras ao longo da história, sem que por isso elas se tornem
aedos. Essa categoria de discurso marca um grau na aproximação
da palavra-ação: a palavra permanece aqui constatativa, mas toma
também outra dimensão que é a do ato; toda narrativa é proferida
para servir a um objetivo preciso que não é apenas o prazer dos
ouvintes. O constatativo aparece aqui encaixado no performativo.
Daí resulta o profundo parentesco da narrativa com a palavra
fingida. Esbarra-se sempre na mentira, enquanto se está na
narrativa. Dizer verdades é mentir.
Reencontramos essa palavra ao longo de toda a Odisséia.
(Mas numa dimensão somente: as personagens mentem umas às
outras, o narrador não nos mente nunca. As surpresas das
personagens não são surpresas para nós. O diálogo do narrador
com o leitor não e isomorfo ao das personagens.) A aparição da
palavra fingida assinala-se por um traço particular: invoca-se
necessariamente a verdade.
Telêmaco pergunta: “Mas vejamos, responde-me, sem
fingimento, ponto por ponto; qual é teu nome, teu povo, tua
cidade e tua raça?...“ Atená, a deusa dos olhos glaucos, replicou:
“Sim, vou responder-te sem [Página 112] fingimento. Eu me
chamo Mentes: tenho a honra de ser filho do sábio Anquíalos e
comando nossos bons remadores de Tafo” etc.
Telêmaco ele próprio mente ao guardador de porcos e à sua
mãe, para esconder a chegada de Ulisses a Ítaca; e acompanha
suas palavras de fórmulas tais como “gosto de falar
francamente”, “eis, minha mãe, toda a verdade”.
Ulisses diz: “Não peço mais, Eumeu, que dizer
imediatamente à filha de Ícaro, a sábia Penélope, toda a verdade”.
Segue-se um pouco mais tarde a narrativa de Ulisses diante de
Penélope, toda feita de mentiras. Do mesmo modo, Ulisses
encontrando seu pai Laertes: “Sim, vou responder-te sem
fingimento”. Seguem-se novas mentiras.
A invocação da verdade é um sinal de mentira. Essa lei
parece tão forte que Eumeu, o guardador de porcos, dela deduz
um correlato: a verdade traz, para ele, um indício de mentira.
Ulisses lhe conta sua vida; essa narrativa é inteiramente inventada
(e precedida, evidentemente, da fórmula: “vou responder-te sem
fingimento”), exceto num pormenor: é que Ulisses continua vivo.
Eumeu acredita em tudo mas acrescenta: “só há um ponto, sabes,
que me parece inventado. Não! Não! Não acredito nos contos
sobre Ulisses! Em tua condição, por que essas vastas mentiras?
Estou bem informado sobre a volta do chefe! E o ódio de todos os
deuses que o oprime A única parte da narrativa que ele chama de
falsa é a única verdadeira.
As Narrativas de Ulisses
Vê-se que as mentiras aparecem mais freqüentemente nas
narrativas de Ulisses. Essas narrativas são numerosas e cobrem
boa parte da Odisséia. A Odisséia não é pois uma simples
narrativa, mas uma narrativa de narrativas. Ela consiste na
explicitação das narrativas feitas pelas personagens. Ainda uma
vez, nada de uma narrativa primitiva e natural; esta deveria, ao
que parece, dissimular sua natureza de narrativa; enquanto a
Odisséia não faz mais que exibi-la. Mesmo a narrativa proferida
em nome do narrador não escapa a essa regra, pois existe, no
interior da Odisséia, um aedo cego [Página 113] que canta,
precisamente, as aventuras de Ulisses. Estamos diante de um
discurso que não procura dissimular seu processo de enunciação,
mas explicitá-lo. Ao mesmo tempo, essa explicitação revela
rapidamente seus limites. Tratar do processo de enunciação no
interior do enunciado é produzir um enunciado cujo processo de
enunciação fica sempre por descrever. A narrativa que trata de sua
própria criação nunca pode interromper-se, salvo arbitrariamente,
pois resta sempre uma narrativa a fazer, resta sempre contar como
essa narrativa que se está lendo e escrevendo pôde surgir. A
literatura é infinita, no sentido de que trata sempre de sua criação.
O esforço da narrativa, de se dizer por uma auto-reflexão, só pode
redundar num malogro; cada nova explicitação acrescenta uma
nova camada àquela espessura que esconde o processo de
enunciação. Essa vertigem infinita só cessará se o discurso obtiver
uma perfeita opacidade: nesse momento, o discurso se diz sem
que seja necessário falar dele próprio.
Em suas narrativas, Ulisses não experimenta esses remorsos.
As histórias que ele conta formam, aparentemente, uma série de
variações, pois à primeira vista ele trata sempre da mesma coisa:
conta sua vida. Mas o teor da história muda segundo o
interlocutor, que é sempre diferente: Alcino (nossa narrativa de
referência), Atená, Eumeu, Telêmaco, Antinoo, Penêlope,
Laertes. A multidão dessas narrativas faz de Ulisses não só uma
encarnação viva da palavra fingida, mas permite também
descobrir algumas constantes. Toda narrativa de Ulisses é
determinada por seu fim, por seu ponto de chegada: serve para
justificar a situação presente. Essas narrativas concernem sempre
a algo já feito, e ligam um passado a um presente: devem terminar
por um “eu — aqui — agora”. Se essas narrativas divergem, é que
as situações nas quais foram proferidas são diferentes. Ulisses
aparece bem vestido diante de Atená e Laertes: a narrativa deve
explicar sua riqueza. Inversamente, nos outros casos, ele está
coberto de farrapos e a história contada deve justificar esse
estado, O conteúdo do enunciado é inteiramente ditado pelo
processo de enunciação: a singularidade desse tipo de discurso
apareceria ainda mais fortemente se pensássemos naquelas
narrativas mais recentes, onde não é o ponto de chegada mas o
ponto de partida que [Página 114] é o único elemento fixo. Nelas,
cada passo adiante é um passo no desconhecido, a direção a
seguir é posta em questão a cada novo movimento. Aqui, é o
ponto de chegada que determina o caminho a percorrer. A
narrativa de Tristram Shandy não liga um presente a um passado,
nem mesmo um passado a um presente, mas um presente a um
futuro.
Há dois Ulisses na Odisséia: um que vive as aventuras,
outro que as narra. E difícil dizer qual dos dois é a personagem
principal. A própria Atená tem suas dúvidas. “Pobre eterno
mentiroso! só tens fome de artimanhas!... Voltas ao país e só
pensas, ainda, nos contos de bandidos, nas mentiras caras ao teu
coração desde a infância...” Se Ulisses leva tanto tempo a voltar
para casa é que este não é seu desejo profundo: seu desejo é o do
narrador (quem conta as mentiras de Ulisses, Ulisses ou
Homero?). Ora, o narrador deseja narrar. Ulisses não quer voltar a
Ítaca para que a história possa continuar. O tema da Odisséia não
é a volta de Ulisses para Ítaca; essa volta é, pelo contrário, a
morte da Odisséia, seu fim. O tema da Odisséia são as narrativas
que formam a Odisséia, é a própria Odisséia. Eis por que,
voltando a seu país, Ulisses não pensa nisso nem se alegra; ele só
pensa nos “contos de bandidos e nas mentiras”: ele pensa a
Odisséia.
As narrativas mentirosas de Ulisses são uma forma de
repetição, discursos diferentes dissimulam um referente idêntico.
Outra forma de repetição é constituída pelo emprego particular do
futuro na Odisséia, e que se pode chamar de profético. Trata-se,
de novo, de uma identidade do referente: mas ao lado dessa
semelhança com as mentiras, há também uma oposição simétrica:
trata-se aqui de enunciados idênticos, cujos processos de
enunciação diferem; no caso das mentiras, o processo de
enunciação era idêntico, estando a diferença situada nos
enunciados.
O futuro profético da Odisséia aproxima-se mais de nossa
imagem habitual da repetição. Esse tempo do verbo se acha
empregado unicamente em diversas espécies de predições, e é
sempre secundado por uma descrição da realização da ação
predita. A maior parte dos acontecimentos da Odisséia se acham
assim contados duas ou várias vezes (a volta de Ulisses é predita
muito mais de duas vezes). Mas essas duas narrativas [Página
115] dos mesmos acontecimentos não se acham no mesmo plano,
opõem-se, no interior desse discurso que é a Odisséia, como um
discurso a uma realidade. O futuro parece, com efeito, entrar
numa oposição importante a todos os outros tempos do verbo,
cujos termos são a ausência e a presença de uma realidade, do
não-discurso. Só o futuro existe apenas no interior do discurso; o
presente e o passado se referem a um ato que não é o próprio
discurso.
Podemos estabelecer várias subdivisões no interior do futuro
profético. Primeiramente, do ponto de vista do estado ou da
atitude do sujeito da enunciação. Às vezes, são os deuses que
falam no futuro; esse futuro não é então uma suposição mas uma
certeza, o que eles projetam se realizará. Assim acontece com
Circe, Calipso ou Atená, que predizem a Ulisses o que lhe vai
acontecer. Ao lado desse futuro divino, existe o futuro divinatório
dos homens: os homens tentando ler os sinais que os deuses lhes
enviam. Assim, uma águia passa: Helena se levanta e diz: “Eis
qual é a profecia que um deus me lança no coração e que se
realizará... Ulisses voltará à sua casa para vingar-se...” Outras
múltiplas interpretações humanas dos sinais divinos acham-se
dispersas na Odisséia. Afinal, são às vezes os homens que
projetam seu futuro; assim Ulisses, no começo do canto 19,
projeta até os mínimos detalhes a cena que se seguirá logo depois.
A esse caso também pertencem algumas palavras imperativas.
As predições dos deuses, as profecias dos adivinhos, os
projetos dos homens: todos se realizam, todo: se revelam justos.
O futuro profético não pode ser falso. Há entretanto um caso em
que se produz essa combinação impossível: Ulisses, encontrando
Telêmaco ou Penélope em Ítaca, prediz que Ulisses voltará ao
país natal e reverá os seus, O futuro só é falso se o que se prediz é
verdadeiro — já verdadeiro.
Uma outra gama de subdivisões nos é oferecida pelas
relações do futuro com a instância do discurso. O futuro que se
realizará no decorrer das páginas seguintes é apenas um desses
tipos; chamemo-lo futuro prospectivo. Ao lado dele, existe o
futuro retrospectivo; é o caso em que nos contam um
acontecimento sem deixar de lembrar que ele fora previsto de
ante- [Página 116] mão. Assim o Cíclope, ao saber que o nome de
seu carrasco é Ulisses: “Ah! Miséria! vejo realizarem-se os
oráculos de nosso velho adivinho!... Ele me havia predito o que
me aconteceria e que pelas mãos de Ulisses eu seria cegado...“
Assim Alcino, vendo seus barcos afundarem diante de sua própria
cidade: “Ah! Miséria! vejo realizarem-se os oráculos dos velhos
tempos de meu pai” — etc. Todo acontecimento não-discursivo é
apenas a realização de um discurso, a realidade é apenas uma
realização.
Essa certeza na realização dos acontecimentos preditos afeta
profundamente a noção de intriga. A Odisséia não comporta
nenhuma surpresa; tudo é dito de antemão; e tudo o que é dito
acontece. Isto a põe novamente em oposição fundamental às
narrativas ulteriores, onde a intriga representa um papel muito
mais importante e onde não sabemos nunca o que vai acontecer.
Na Odisséia, não só o sabemos, mas no-lo dizem com
indiferença. Assim, a propósito de Antinoo: “Será ele o primeiro a
experimentar as flechas enviadas pela mão do eminente Ulisses”
etc. Essa frase, que aparece no discurso do narrador, seria
impensável num romance mais recente. Se continuamos a chamar
intriga o fio seguido de acontecimentos no interior da história, é
apenas por facilidade: que têm em comum a intriga de
causalidade que nos é habitual com a intriga de predestinação
própria da Odisséia? [Página 117]
3. OS HOMENS-NARRATIVAS
“Que é uma personagem senão um determinante da ação?
Que é a ação senão a ilustração da personagem? Que é um quadro
ou um romance que não seja uma descrição de caracteres? Que
outra coisa neles procuramos, neles encontramos?”
Essas exclamações vêm de Henry James e se encontram em
seu célebre artigo The Art of Fiction (1884). Duas idéias gerais
vêm à luz através delas. A primeira concerne à ligação
indefectível dos diferentes constituintes da narrativa: as
personagens e a ação. Não há personagens fora da ação, nem ação
independentemente de personagens. Mas, sub-repticiamente,
[Página 119] uma segunda idéia aparece nas últimas linhas: se as
duas estão indissoluvelmente ligadas, uma é entretanto mais
importante que a outra: as personagens. Isto é, os caracteres, isto
é, a psicologia. Toda narrativa é “uma descrição de caracteres”.
É raro observar um caso tão puro de egocentrismo que se
toma por universalismo. Se o ideal teórico de James era uma
narrativa onde tudo está submetido à psicologia das personagens,
é difícil ignorar a existência de toda uma tendência da literatura
na qual as ações não existem para servir de “ilustração” à
personagem mas onde, pelo contrário, as personagens estão
submetidas à ação; e onde, por outro lado, a palavra
“personagem” significa coisa bem diversa de uma coerência
psicológica ou de uma descrição de caráter. Essa tendência da
qual a Odisséia e o Decameron, As Mil e Uma Noites e o
Manuscrito Encontrado em Saragossa são algumas das
manifestações mais célebres, pode ser considerada como um casolimite
de a-psicologismo literário. Tentemos observá-la de mais
perto, tomando como exemplo as duas últimas obras1.
Contentamo-nos, habitualmente, ao falar de livros como As
Mil e Urna Noites, com dizer que a análise interna dos caracteres
aí está ausente, que não há descrição dos estados psicológicos;
mas essa maneira de descrever o a-psicologismo não sai da
tautologia. Seria preciso, para melhor caracterizar esse fenômeno,
partir de uma certa imagem do andamento da narrativa, quando
esta obedece a uma estrutura causal. Poder-se-ia então representar
qualquer momento da narrativa sob a forma de uma oração
simples, que entra em relação de consecução (notada por um +)
ou de conseqüência (notada por ) com as orações precedentes e
seguintes.
A primeira oposição entre a narrativa preconizada por James
e a das Mil e Urna Noites pode ser assim ilustrada: se existe uma
oração “X vê Y”, o importante, para James, é X, para Sherazade,
Y. A
____________________
Nota de rodapé (1) O acesso aos textos desses livros coloca ainda sérios
problemas. Conhece-se a história movimentada das traduções das Mil e Uma Noites;
referir-nos-emos aqui à nova tradução de René Khawam (t. I: Damas insignes e
servidores galantes; t. II: Os corações desumanos, Flammarion, 1965 e 1966); para os
Contos ainda não publicados nessa tradução, à de Galland (Garnier-Flammarion, t. I-III,
1965); para o texto de Potocki, que continua incompleto em francês, refiro-me ao
Manuscrito Encontrado em Saragossa (Gallimard, 1958, 1967) e a Avadoro, história
espanhola (t. I-IV Paris, 1813). (N. do A.) [Página 120]
narrativa psicológica considera cada ação como uma via que abre
acesso à personalidade daquele que age, como uma expressão
senão como um sintoma. A ação não é considerada por si mesma,
ela é transitiva com relação a seu sujeito. A narrativa apsicológica,
pelo contrário, caracteriza-se por suas ações
intransitivas: a ação importa por ela mesma e não como indício de
tal traço de caráter. As Mil e Uma Noites pertencem, pode-se
dizer, a uma literatura predicativa: a ênfase recairá sempre sobre
o predicado e não sobre o sujeito da oração. O exemplo mais
conhecido desse obscurecimento do sujeito gramatical é a história
de Sindbad, o marujo. Até mesmo Ulisses sai de suas aventuras
mais determinado do que ele: sabe-se que ele é esperto, prudente
etc. Nada disso pode ser dito de Sindbad: sua narrativa, embora
conduzida na primeira pessoa, é impessoal; deveríamos anotá-la
não como “X vê Y” mas como “Vê-se Y”. Somente a mais fria
das narrativas de viagem pode rivalizar, em impessoalidade, com
as histórias de Sindbad; mas não qualquer narrativa de viagem:
pensemos na Viagem Sentimental, de Sterne!
A supressão da psicologia se faz aqui no interior da oração
narrativa; continua com mais êxito ainda no campo das relações
entre orações. Certo traço de caráter provoca uma ação; mas há
duas maneiras diferentes de fazê-lo. Poder-se-ia falar de uma
causalidade imediata oposta a uma causalidade mediatizada. A
primeira seria do tipo “X é corajoso X desafia o monstro”. Na
segunda, a aparição da primeira oração não seria acompanhada de
nenhuma conseqüência; mas, no decorrer da narrativa, X
apareceria como alguém que age com coragem. É uma
causalidade difusa, descontínua, que não se traduz por uma só
ação, mas por aspectos secundários de uma série de ações,
freqüentemente afastadas uma das outras.
Ora, As Mil e Uma Noites não conhecem essa segunda
causalidade. Só de passagem nos dizem que as irmãs da sultana
são ciumentas, que põem um cachorro, um gato e um pedaço de
pau no lugar dos filhos dela. Cassim é ávido: portanto, vai
procurar dinheiro. Todos os traços de caráter são imediatamente
causais; assim que aparecem, provocam uma ação. A distância
entre o traço psicológico e a ação que ele provoca é aliás mínima;
e mais que de uma oposição qualidade/ação, [Página 121] trata-se
de uma oposição entre dois aspectos da ação: durativo/pontual ou
iterativo/não-iterativo. Sindbad gosta de viajar (traço de caráter)
Sindbad parte em viagem (ação): a distância entre os dois tende
a uma redução total.
Outra maneira de observar a redução dessa distância é
procurar saber se uma mesma oração atributiva pode ter, no
decurso da narrativa, várias conseqüências diferentes. Num
romance do século XIX, a oração “X tem ciúmes de Y” pode
ocasionar “X foge do mundo”, se suicida”, “X faz a corte a Y”,
“X prejudica Y”. Nas Mil e Uma Noites, só há uma possibilidade:
“X tem ciúmes de Y X prejudica Y”. A estabilidade da relação
entre as duas orações priva o antecedente de toda autonomia, de
todo sentido intransitivo. A implicação tende a se tornar uma
identidade. Se os conseqüentes são mais numerosos, o
antecedente terá maior valor próprio.
Toca-se aqui uma propriedade curiosa da causalidade
psicológica. Um traço de caráter não é simplesmente a causa de
uma ação nem simplesmente seu efeito: é as duas coisas ao
mesmo tempo, assim como a ação. X mata sua mulher porque é
cruel; mas é cruel porque mata sua mulher. A análise causal da
narrativa não remete a uma origem, primeira e imutável, que seria
o sentido e a lei das imagens ulteriores; por outras palavras, em
estado puro, é preciso poder perceber essa causalidade fora da
imagem do tempo linear. A causa não é um antes primordial, ela é
apenas um dos elementos da dupla “causa-efeito” sem que um
seja por isso mesmo superior ao outro.
Seria pois mais justo dizer que a causalidade psicológica
reforça a causalidade das ações, do que dizer que ela não interfere
nesta última. As ações se provocam umas às outras; e, por
acréscimo, uma dupla causa-efeito psicológicos aparece, mas num
plano diferente. Aqui podemos colocar a questão da coerência
psicológica: esses suplementos caracteriais podem formar ou não
um sistema. As Mil e Uma Noites oferecem novamente um
exemplo extremo. Tomemos o famoso conto de Ali Babá. A
mulher de Cassim, irmão de Ali Babá, está inquieta com o
desaparecimento de seu marido. “Passou a noite em prantos.” No
dia seguinte, Ali Babá traz o corpo de seu irmão em pe- [Página
122] daços e diz, à guisa de consolo: “Cunhada, eis aqui para vós
um motivo de aflição, tanto mais que não o esperáveis. Embora o
mal seja sem remédio, se alguma coisa entretanto for capaz de vos
consolar, ofereço-vos de juntar os poucos bens que Deus me
enviou aos vossos, desposando-vos...” Reação da cunhada: “Ela
não recusou o partido, encarou-o pelo contrário como um motivo
razoável de consolo. Enxugando as lágrimas que começara a
verter com abundância, e suprimindo os gritos agudos comuns às
mulheres que perderam os maridos, testemunhou suficientemente
a Ali Babá que aceitava sua oferta...“ (Galland, III). Assim passa
do desespero à alegria a mulher de Cassim. Os exemplos
semelhantes são inúmeros.
Evidentemente, contestando a existência de urna coerência
psicológica, entra-se no domínio do bom senso. Existe, sem
dúvida, uma outra psicologia onde esses dois atos consecutivos
formam uma unidade psicológica. Mas As Mil e Uma Noites
pertencem ao domínio do bom senso (do folclore); e a abundância
dos exemplos basta para nos convencer de que não se trata aqui
de outra psicologia, nem mesmo de uma anti-psicologia mas de
uma a-psicologia.
A personagem não é sempre, como pretende James, o
determinante da ação; e nem toda narrativa consiste numa
“descrição de caracteres”. Mas o que é então uma personagem?
As Mil e Uma Noites nos dão unia resposta muito clara, que
retoma e confirma o Manuscrito Encontrado em Saragossa: a
personagem é urna história virtual que é a história de sua vida.
Toda nova personagem significa uma nova intriga. Estamos no
reino dos homens-narrativas.
Esse fato afeta profundamente a estrutura da narrativa.
Digressões e Encaixes
A aparição de uma nova personagem ocasiona
infalivelmente a interrupção da história precedente, para que unia
nova história, a que explica o “eu estou aqui agora” da nova
personagem, nos seja contada. Uma história segunda é englobada
na primeira; esse processo se chama encaixe. [Página 123]
Essa não e, evidentemente, a única justificativa do encaixe.
As Mil e Uma Noites já nos oferecem outras: assim, em “O
pescador e o djinn” (Khawam, II) as histórias encaixadas servem
como argumentos. O pescador justifica sua falta de piedade para
com o djinn pela história de Dubane; no interior desta, o rei
defende sua posição pela do homem ciumento e o periquito; o
vizir defende a sua pela do príncipe e do vampiro. Se as
personagens permanecem as mesmas na história encaixada e na
história encaixante, essa motivação mesmo é inútil: na “História
das duas irmãs ciumentas da caçula” (Galland, III), a narrativa do
afastamento dos filhos do sultão do palácio e de seu
reconhecimento pelo sultão, engloba o da aquisição de objetos
mágicos; a sucessão temporal é a única motivação. Mas a
presença dos homens-narrativas é certamente a forma mais
espetacular do encaixe.
A estrutura formal do encaixe coincide (e não se trata, como
se vê, de uma coincidência gratuita) com a de uma forma
sintática, caso particular da subordinação, à qual a lingüística
moderna dá precisamente o nome de encaixe (embedding); para
desnudar essa estrutura, tomemos esse exemplo alemão (já que a
sintaxe alemã permite encaixes muito mais eloqüentes)2:
Derjenige, der den Mann, der den Pfahl, der auf der Brücke,
der auf dem Weg, der nach Worms führt, liegt, steht, umgeworfen
hai, anzeigt, bekommt eine Belohnung. (Aquele que indicar a
pessoa que derrubou o poste que se ergue sobre a ponte que se
encontra no caminho que leva a Worms receberá uma
recompensa.)
Na frase, a aparição de um nome provoca imediatamente
uma oração subordinada que, por assim dizer, conta sua história;
mas como essa segunda oração contém também um nome, pede
por sua vez uma oração subordinada, e assim por diante, até uma
interrupção arbitrária, a partir da qual se retorna, uma por vez,
cada uma das orações interrompidas. A narrativa de encaixe tem
exatamente a mesma estrutura, sendo o papel do nome
representado pela personagem: cada nova personagem ocasiona
uma nova, história.
___________________
Nota de rodapé (2) Tomo-o emprestado a Kl. Baumgartner, “Formale Erklarung
poetischer Texte”, in Matematik und Dichtung, Nymphenburger, 1965, p. 77. (N. do A.)
[Página 124]
As Mil e Uma Noites contém exemplos de encaixe não
menos vertiginosos. O record parece pertencer ao que nos oferece
a história da mala sangrenta (Khawam, I) Com efeito, nela
Sherazade conta que
Dja’far conta que
o alfaiate conta que
o barbeiro conta que
seu irmão (ele tem seis) conta que.
A última história é uma história em quinto grau; mas é
verdade que os dois primeiros graus são completamente
esquecidos e não representam mais nenhum papel. O que não é o
caso de uma das histórias do Manuscrito Encontrado em
Saragossa (Avadoro, III) onde
Alphonse conta que
Avadoro conta que
Dom Lope conta que
Busqueros conta que
Frasqueta conta que...
e onde todos os graus, a partir do primeiro, estão estreitamente
ligados e incompreensíveis se os isolamos uns dos outros3.
Mesmo se a história encaixada não se liga diretamente à
historia encaixante (pela identidade das personagens), é possível
que as personagens passem de uma história a outra. Assim, o
barbeiro intervém na história do alfaiate (salva a vida do
corcunda). Quanto a Frasqueta, ela atravessa todos os graus
intermediários para chegar à história de Avadoro (é ela a amante
do cavaleiro de Toledo); o mesmo acontece com Busqueros.
Essas passagens de um grau a outro têm um efeito cômico no
Manuscrito.
O processo de encaixe chega a seu apogeu com o autoencaixe,
isto é, quando a história encaixante se
___________________
Nota de rodapé (3) Não me proponho estabelecer aqui tudo o que, no
Manuscrito Encontrado em Saragossa, vem das Mil e Uma Noites, mas é certamente
uma grande parte. Contento-me com assinalar algumas das coincidências mais
evidentes: os nomes de Zibedé e Ermina, as duas irmãs maléficas, lembram os de
Zobeida e Amina (“Historia dos três calénderes...” Galland, I); o tagarela Busqueros que
impede o encontro de Dom Lope está ligado ao barbeiro tagarela que realiza a mesma
ação (Khawam, I); a mulher encantadora que se transforma em vampiro está presente
em “O príncipe e o vampiro” (Khawam. II): as duas mulheres de um homem que se
refugiam, na sua ausência, no mesmo leito, aparecem na “História dos amores de
Camaralzaman” (Galland, II) etc. Mas essa não é evidentemente a única fonte do
Manuscrito. (N do A.) [Página 125]
encontra, num um quinto ou sexto grau, encaixada por ela mesma.
Esse “desnudamento do processo” se apresenta tanto nas Mil e
Uma Noites quanto no Manuscrito; e conhece-se o comentário
que faz Borges a respeito do primeiro texto: “Nenhuma
[interpolação] é mais perturbadora que a da seiscentésima
segunda noite, noite mágica entre as noites. Essa noite, o rei ouve
da boca da rainha sua própria história. Ouve a história inicial, que
abrange todas as outras, que — monstruosamente — abrange a si
mesma... Se a rainha continuar, o rei imóvel ouvirá para sempre a
história truncada das Mil e Uma Noites, daí por diante infinita e
circular...” Da mesma forma, no fim do Manuscrito, Alphonse, a
personagem principal, descobre um manuscrito que contém a
história que ele acaba de nos contar. A vertigem das narrativas se
torna angustiante; e nada escapa mais ao mundo narrativo,
recobrindo o conjunto da experiência.
A importância do encaixe se encontra indicada pelas
dimensões das histórias encaixadas. Pode-se falar de digressões
quando essas são mais longas que a história da qual se afastam?
Pode-se considerar como uma digressão, como um encaixe
gratuito todos os contos das Mil e Uma Noites, porque estão todos
encaixados na história de Sherazade? O mesmo acontece no
Manuscrito: enquanto a história de base parecia ser a de
Alphonse, é o loquaz Avadoro que finalmente recobre com suas
narrativas mais de três quartos do livro.
Mas qual é a significação interna do encaixe, por que todos
esses meios se encontram reunidos para lhe dar importância? A
estrutura da narrativa nos fornece a resposta: o encaixe é uma
explicitação da propriedade mais profunda de toda narrativa. Pois
a narrativa encaixante é a narrativa de uma narrativa. Contando a
história de uma outra narrativa, a primeira atinge seu tema
essencial e, ao mesmo tempo, se reflete nessa imagem de si
mesma; a narrativa encaixada é ao mesmo tempo a imagem dessa
grande narrativa abstrata da qual todas as outras são apenas partes
ínfimas, e também da narrativa encaixante, que a precede
diretamente. Ser a narrativa de uma narrativa é o destino de toda
narrativa que se realiza através do encaixe.
As Mil e Uma Noites revelam e simbolizam essa propriedade
da narrativa com uma nitidez particular. [Página 126] Diz-se
freqüentemente que o folclore se caracteriza pela repetição de
uma mesma história; com efeito, não é raro, num dos contos
árabes, que a mesma aventura seja contada duas vezes, senão
mais. Mas essa repetição tem uma função precisa, que se ignora:
ela serve não somente a reiterar a mesma aventura mas também a
introduzir a narrativa que dela faz uma personagem; ora, na maior
parte das vezes, é a narrativa que importa para o desenvolvimento
ulterior da intriga. Não é a aventura vivida pela rainha Badur que
a faz merecer as graças do rei Armanos mas a narrativa que ela
lhe faz (“História dos amores de Camaralzaman”, Galland, II). Se
Tormenta não pode fazer avançar sua própria intriga, é que não
lhe permitem contar sua história ao califa (“História de Ganem”,
Galland, II). O príncipe Firuz ganha o coração da princesa de
Bengala, não por viver sua aventura, mas por contá-la (“História
do cavalo encantado”, Galland, III). O ato de contar nunca é, nAs
Mil e Uma Noites, um ato transparente; pelo contrário, é ele que
faz avançar a ação.
Loquacidade e curiosidade. Vida e morte
A opacidade do processo de enunciação recebe, no conto
árabe, uma interpretação que não deixa dúvidas quanto à sua
importância. Se todas as personagens não cessam de contar
histórias, é que esse ato recebeu uma suprema consagração:
contar é igual a viver. O exemplo mais evidente é o de Sherazade
ela própria, que vive unicamente na medida em que pode
continuar a contar; mas essa situação é repetida constantemente
no interior do conto. O dervixe mereceu a cólera de um ifrit; mas
contando-lhe a história do invejoso, obtém sua graça (“O
carregador e as damas”, Khawam, I). O escravo cometeu um
crime; para salvar sua vida, seu mestre só tem um caminho: “Se
me contares uma história mais espantosa que esta, perdoarei a teu
escravo. Senão, ordenarei que seja morto”, diz o califa (“A mala
sangrenta”, Khawam, I). Quatro pessoas são acusadas do
assassínio de um corcunda; uma delas, inspetor, diz ao rei: “O Rei
afortunado, tu nos farás o dom da vida se eu te contar a aventura
que me aconteceu ontem, antes que eu encontrasse o corcunda,
introduzido por artimanha em minha própria casa? Ela [Página
127] é certamente mais espantosa que a história desse homem. —
Se ela é como tu dizes, concederei a vida aos quatro, respondeu o
Rei”. (“Um cadáver itinerante” Khawam, I).
A narrativa é igual à vida; a ausência de narrativa, à morte.
Se Sherazade não encontrar mais contos a narrar, será executada. l
o que acontece ao médico Dubane quando ele é ameaçado de
morte. Ele pede ao rei a permissão de contar a história do
crocodilo; a permissão lhe é recusada e ele morre. Mas Dubane se
vinga pelo mesmo meio e a imagem dessa vingança é uma das
mais belas das Mil e Uma Noites: oferece ao rei impiedoso um
livro que este deve ler enquanto cortam a cabeça de Dubane. O
carrasco faz seu trabalho; a cabeça de Dubane diz:
“— Ó rei, podes compulsar o livro”.
O rei abriu o livro. Encontrou as páginas coladas umas às
outras. Pôs o dedo na boca, umedeceu-o de saliva e virou a
primeira página. Depois virou a segunda e as seguintes.
Continuou a agir do mesmo modo, abrindo as páginas com
dificuldade, até que chegou à sétima folha. Olhou a página e não
viu nada escuto:
— Ó médico, disse ele, não vejo nada escrito nesta folha.
— Vira ainda as páginas, respondeu a cabeça
Abriu outras páginas e ainda não encontrou nada. Um curto
momento mal se tinha passado quando a droga penetrou nele: o
livro estava impregnado de veneno. Deu então um passo, vacilou
sobre as pernas e inclinou-se para o solo...“ (“O pescador e o
djinn”, Khawam, II).
A página branca é envenenada. O livro que não conta
nenhuma narrativa mata. A ausência de narrativa significa a
morte.
Ao lado dessa ilustração trágica do poder da não-narrativa,
eis uma outra, mais agradável: um dervixe contava a todos os
passantes qual era o meio de se apoderar do pássaro que fala; mas
estes tinham todos malogrado, e se haviam transformado em
pedras negras. A princesa Parizade é a primeira a se apoderar do
pássaro, e ela liberta os outros infelizes candidatos. “A multidão
quis ver o dervixe na passagem, agradecer-lhe a boa acolhida e os
conselhos salutares que tinham achado sinceros; mas ele tinha
morrido e não [Página 128] e pode saber se fora de velhice ou
porque ele não era mais necessário para ensinar o caminho que
conduzia à conquista das três coisas das quais a princesa Parizade
acabava de triunfar” (“História das duas irmãs”, Galland. III). O
homem é apenas uma narrativa; desde que a narrativa não seja
mais necessária, ele pode morrer. É o narrador que o mata, pois
ele não tem mais função.
Enfim, a narrativa imperfeita também é igual, nessas
circunstâncias, à morte. Assim, o inspetor que pretendia contar
uma história melhor que a do corcunda termina-a dirigindo-se ao
rei: “Tal é a história espantosa que eu queria te contar, tal é a
narrativa que ouvi ontem e que te conto hoje com todos os
detalhes. Não é ela mais prodigiosa que a aventura do corcunda?
— Não, não é, e tua afirmação não corresponde à realidade,
respondeu o rei da China. Vou mandar enforcar os quatro”
(Khawam, I). Três jovens damas de Bagdá recebem em sua casa
homens desconhecidos: elas lhes põem uma única condição,
como recompensa dos prazeres que os esperam: “sobre tudo o que
virdes, não peçais nenhuma explicação”. Mas o que os homens
vêem é tão estranho que eles pedem às três damas que contem sua
história. Mal formulam esse desejo e as damas chamam seus
escravo.”Cada um deles escolheu seu homem, precipitou-se sobre
ele e o derrubou por terra batendo-lhe com a parte chata do
sabre.” Os homens devem ser mortos pois o pedido de urna
narrativa, a curiosidade, é passível de morte. Corno sairão eles
dessa? Graças à curiosidade de seus carrascos. Com efeito, urna
das damas diz: “Eu lhes permito sair para seguir o caminho de
seus destinos sob condição de cada um contar sua história, narrar
a série de aventuras que os trouxeram a nos visitar em nossa casa.
Se eles recusarem, vós lhes cortareis a cabeça”. A curiosidade do
receptor, quando não é igual à sua própria morte, devolve a vida
aos condenados; estes, em compensação, não podem escapar,
salvo se contarem uma história. Enfim, terceira reviravolta: o
califa que, disfarçado, estava entre os convidados das damas,
convoca-as no dia seguinte em seu palácio; perdoa-lhes tudo; mas
com uma condição: contar... As personagens desse livro são
obcecadas pelos contos; o [Página 129] grito das Mil e Uma
Noites não é “A bolsa ou a vida!” mas “Uma narrativa ou a vida!”
Essa curiosidade é fonte ao mesmo tempo das inúmeras
narrativas e dos incessantes perigos. O dervixe pode viver feliz
em companhia dos dez rapazes, todos vesgos do olho direito, com
uma única condição: “não faças nenhuma pergunta indiscreta nem
sobre nossa enfermidade nem sobre nosso estado”. Mas a
pergunta é feita e a calma desaparece. Para procurar a resposta, o
dervixe vai a um palácio magnífico; vive aí como um rei, cercado
de quarenta belas damas. Um dia elas se vão, pedindo-lhe que, se
ele quiser continuar naquela ventura, não entre em certo cômodo;
elas o previnem: “Temos muito medo de que não possas te
defender da curiosidade indiscreta que será a causa de tua
infelicidade”. Está claro que, entre a felicidade e a curiosidade, o
dervixe escolhe a curiosidade. Da mesma forma Sindbad, apesar
de todas as suas infelicidades, parte novamente depois de cada
viagem: ele quer que a vida lhe conte novas e novas narrativas.
O resultado palpável dessa curiosidade são As Mil e Uma
Noites. Se as personagens tivessem preferido a felicidade, o livro
não teria existido.
A Narrativa: Suplente e Suprido4
Para que as personagens possam viver, devem contar. E
assim que a primeira narrativa se subdivide e se multiplica em mil
e um noites de narrativas. Tentemos agora colocar-nos no ponto
de vista oposto, não mais o da narrativa encaixante, mas o da
narrativa encaixada, e perguntar-nos: por que essa última precisa
ser retomada em outra narrativa? Como explicar que ela não baste
a si própria, mas que tenha necessidade de um prolongamento, de
uma moldura na qual ela se torna a simples parte de outra
narrativa?
Se assim se considera a narrativa, não como englobando
outras narrativas, mas como se englobando a si própria, uma
curiosa propriedade vem à luz. Cada narrativa parece ter alguma
coisa demais, um excedente, um suplemento, que fica fora da
forma fechada produzida por seu desenrolar. Ao mesmo tempo, e
____________________
Nota de rodapé (4) Devo agradecer aqui a Jacques Derrida. (N. do A.) [Página
130]
por isso mesmo, êsse algo mais próprio da narrativa é também
algo menos; o suplemento é também uma falta; para suprir a falta
criada pelo suplemento, uma outra narrativa se faz necessária.
Assim a narrativa do rei ingrato, que faz perecer Dubane depois
de êste lhe ter salvado a vida, tem qualquer coisa a mais que a
própria narrativa; é aliás por essa razão, em vista dêsse
suplemento, que o pescador a conta; suplemento que pode ser
resumido numa fórmula: não se deve ter piedade do ingrato. O
suplemento pede para ser integrado noutra história; assim, êle se
torna o simples argumento utilizado pelo pescador quando êste
vive aventura semelhante à de Dubane, com relação ao djinn. Mas
a história do pescador e do djinn tem também um suplemento, que
exige uma nova narrativa; e não há nenhuma razão para que isso
pare em algum ponto. A tentativa de suprir é portanto vã: sempre
haverá um suplemento que espera uma narrativa futura.
Esse suplemento toma várias formas nAs Mil e Uma Noites.
Uma das mais conhecidas é a do argumento, como no exemplo
precedente: a narrativa se torna um meio de convencer o
interlocutor. Por outro lado, nos níveis mais elevados de encaixe,
o suplemento se transforma numa simples fórmula verbal, numa
sentença, destinada tanto ao uso das personagens quanto ao dos
leitores. Enfim, uma integração maior do leitor é igualmente
possível (mas ela não é característica das Mil e Uma Noites): um
comportamento provocado pela leitura é também um suplemento;
e uma lei se instaura: quanto mais êsse suplemento é consumido
no interior da narrativa, menos essa narrativa provoca reação da
parte do leitor. Chora-se à leitura de Manon Lescaut mas não à
das Mil e Uma Noites.
Eis um exemplo de sentença moral. Dois amigos discutem
acêrca da origem da riqueza: basta ter dinheiro como ponto de
partida? Segue-se a história que ilustra uma das teses defendidas;
e no fim, conclui-se: “O dinheiro não é sempre um meio seguro
de se juntar mais e ficar rico”. (“História de Cogia Hassan
Alhabbal”, Galland, III.)
Da mesma forma que para a causa e o efeito psicológicos,
impõe-se pensar aqui essa relação lógica fora do tempo linear. A
narrativa precede ou acompanha a máxima, ou as duas coisas ao
mesmo tempo. Assim, [Página 131] no Decameron, certas
novelas foram criadas para ilustrar uma metáfora (p. ex., “raspar o
tonel”) e ao mesmo tempo elas a criam. E vão perguntar hoje se
foi a metáfora que engendrou a narrativa ou a narrativa que
engendrou a metáfora. Borges propôs mesmo uma explicação
inversa da existência do livro todo: “Essa invenção [as narrativas
de Sherazade] ... é, segundo parece, posterior ao título e foi
imaginada para o justificar”. A questão da origem não se coloca:
estamos fora da origem e incapazes de a pensar. A narrativa
suprida não é mais original que a narrativa suplente; nem o
inverso; cada uma delas remete à outra, numa série de reflexos
que não pode chegar ao fim, salvo se se tornar eterna: assim por
auto-encaixe.
Tal é o jorrar incessante de narrativas nessa maravilhosa
máquina de contar que são As Mil e Uma Noites. Toda narrativa
deve tornar explícito seu processo de enunciação; mas para tanto
é necessário que uma nova narrativa apareça, na qual esse
processo de enunciação é apenas uma parte do enunciado. Assim
a história contante torna-se sempre também uma história contada,
na qual a nova história se reflete e encontra sua própria imagem.
Por outro lado, toda narrativa deve criar outras; no interior dela
mesma, para que suas personagens possam viver; e no exterior
dela mesma, para que seja consumado o suplemento que ela
comporta inevitavelmente. Os múltiplos tradutores das Mil e Uma
Noites parecem todos ter sofrido o poder dessa máquina narrativa:
nenhum pôde contentar-se com uma tradução simples e fiel do
original; cada tradutor acrescentou e suprimiu histórias (o que é
também uma maneira de criar novas narrativas, sendo a narrativa
sempre uma seleção); o processo de enunciação reiterado, a
tradução representa ela mesma um novo conto que não espera
mais seu narrador: Borges contou uma parte deles em “Os
tradutores das Mil e Uma Noites”.
Há portanto tantas razões para que as narrativas não parem
nunca que nos perguntamos involuntariamente: que acontece
antes da primeira narrativa? que acontece depois da última? As
Mil e Uma Noites não deixaram de dar uma resposta, resposta
irônica para aqueles que querem conhecer o antes e o depois. A
primeira história, a de Sherazade, começa por estas [Página 132]
palavras, válidas em todos os sentidos (mas não se deveria abrir o
livro para procurá-las, deveríamos adivinhá-las, tão bem estão em
seu lugar): “Conta-se...” Inútil procurar a origem das narrativas no
tempo, é o tempo que se origina nas narrativas. E se antes da
primeira narrativa há “contou-se”, depois da última haverá
“contar-se-á”: para que a história pare, devem dizer-nos que o
califa maravilhado ordena que a inscrevam em letras de ouro nos
anais do reino; ou ainda que “essa história... se espalhou e foi
contada em toda parte em seus mínimos detalhes”. [Página 133]
[Página 134 (em branco)]
4. A GRAMÁTICA DA NARRATIVA
O emprego metafórico de que usufruem termos como
“linguagem”, “gramática”, “sintaxe” etc. faz-nos esquecer
habitualmente que estas palavras poderiam ter um sentido preciso,
mesmo quando não dizem respeito a uma língua natural. Já que
nos propusemos a tratar de “gramática da narrativa”, devemos
precisar inicialmente que sentido toma aqui a palavra
“gramática”.
Desde os primeiros passos da reflexão sobre a linguagem,
uma hipótese apareceu, segundo a qual, para além das diferenças
evidentes das línguas, poder-se-ia descobrir uma estrutura
comum. As pesquisas sobre essa gramática universal se
prosseguiram, com êxito de- [Página 135] sigual durante mais de
vinte séculos. Antes da época atual, seu auge se situa sem dúvida
nos modistas do século XIII e XIV; eis como um deles, Robert
Kylwardby, formulava seu credo: “A gramática só pode ser uma
ciência se for única para todos os homens. É por acidente que a
gramática enuncia regras próprias a uma língua particular, como o
latim ou o grego; da mesma forma que a geometria não cuida de
linhas ou de superfícies concretas, assim a gramática estabelece a
correção do discurso enquanto esse faz abstração da linguagem
real [o uso atual nos faria inverter aqui os termos discurso e
linguagem] O objeto da gramática é o mesmo para todo o
mundo”1.
Mas, se admitimos a existência de uma gramática universal,
não devemos mais limitá-la exclusivamente às línguas. Ela teria,
visivelmente, uma realidade psicológica; pode-se citar aqui Boas,
cujo testemunho toma maior valor pelo fato de seu autor ter
inspirado precisamente a lingüística anti-universalista: “A
aparição dos conceitos gramaticais fundamentais em todas as
línguas deve ser considerada como a prova da unidade dos
processos psicológicos fundamentais” (Handbook, I, p. 71). Essa
realidade psicológica torna plausível a existência da mesma
estrutura fora da própria língua.
Tais são as premissas que nos autorizam a procurar essa
mesma gramática universal no estudo de atividades simbólicas do
homem, diferentes da língua natural. Como essa gramática
continua sendo uma hipótese, é evidente que os resultados de um
estudo sobre tal atividade serão pelo menos tão pertinentes para
seu conhecimento quanto os de uma pesquisa sobre o francês, por
exemplo. Infelizmente, existem poucas explorações avançadas da
gramática das atividades simbólicas; um dos raros exemplos que
se podem citar é o de Freud e seu estudo da linguagem onírica.
Aliás, os lingüistas nunca tentaram levar em conta essa gramática
quando se interrogam sobre a natureza da gramática universal.
Uma teoria da narrativa contribuiria pois, igualmente, para o
conhecimento dessa gramática, na medida em que a narrativa é
uma daquelas atividades simbólicas. Instaura-se aqui uma relação
de duplo sentido:
____________________
Nota de rodapé (1) Citado por O. Wallerand, Les OEuvres de Siger de Courtray
(Les philosophes belges, VIII), Louvain, Institut Supérieur de Philosophie de
l’Université, 1913; cf. sobretudo pp. 42-56. (N. do A.) [Página 136]
podem-se tomar categorias ao rico aparato conceitual dos estudos
sobre as línguas; mas, ao mesmo tempo, é preciso evitar seguir
docilmente as teorias correntes sobre a linguagem: pode ser que o
estudo da narração nos faça corrigir a imagem da língua tal qual
ela se encontra nas gramáticas.
Gostaria de ilustrar aqui, com alguns exemplos, os
problemas que se põem no trabalho de descrição das narrativas,
quando esse trabalho se situa em tal perspectiva2.
1. Tomemos inicialmente o problema das partes do discurso.
Toda teoria semântica das partes do discurso deve fundar-se sobre
a distinção entre descrição e denominação. A linguagem preenche
igualmente as duas funções, e sua interpretação no léxico nos faz
freqüentemente esquecer sua diferença. Se digo “o menino”, essa
palavra serve para descrever um objeto, enumerar-lhe as
características (idade, tamanho etc.); mas ao mesmo tempo
permite-me identificar uma unidade espaço-temporal, dar-lhe um
nome (em particular, aqui, pelo artigo). Essas duas funções estão
distribuídas irregularmente na língua: os nomes próprios, os
pronomes (pessoais, demonstrativos etc.), o artigo, servem antes
de tudo à denominação, enquanto o substantivo comum, o verbo,
o adjetivo e o advérbio são principalmente descritivos. Mas tratase
apenas de uma predominância, eis por que é útil conceber a
descrição e a denominação como derivadas, digamos, do nome
próprio e do substantivo comum; essas partes do discurso são
apenas uma forma quase acidental daqueles. Assim se explica o
fato de que os nomes comuns possam facilmente se tornar
próprios (Campinas) e inversamente (um Pelé): cada uma das
duas formas serve aos dois processos, mas em graus diferentes.
Para estudar a estrutura da intriga de uma narrativa,
devemos primeiramente apresentar essa intriga sob a forma de um
resumo, em que cada ação distinta da história corresponda a uma
oração. Ver-se-á nesse caso que a oposição entre denominação e
descrição é muito mais nítida aqui do que na língua. Os agentes
(sujeitos
___________________
Nota de rodapé (2) As narrativas particulares às quais me refiro são todas tiradas
do Decameron de Boccacio. O algarismo romano indicará a jornada, o algarismo
arábico, a novela. Para um estudo mais detalhado dessas narrativas, consultar-se-á nossa
Grammaire du Décaméron, a ser publicada proximamente por Mouton, de Haia. (N. do
A.) [Página 137]
e objetos) das orações serão sempre nomes próprios (convém
lembrar que o sentido primeiro de “nome próprio” não é “nome
que pertence a alguém” mas “nome rio sentido próprio”, “nome
por excelência”). Se o agente de uma oração é um substantivo
comum, devemos submetê-lo a uma análise que distinguirá, no
interior de uma mesma palavra, seu aspecto denominativo e
descritivo. Dizer, como faz freqüentemente Boccacio, “o rei da
França” ou “a viúva” ou “o criado”, é ao mesmo tempo identificar
uma única pessoa e descrever algumas de suas propriedades. Tal
expressão iguala uma oração inteira: seus aspectos descritivos
formam o predicado da oração, seus aspectos denominativos
constituem seu sujeito. “O rei da França parte em viagem”
contém, de fato, duas orações: “X é rei da França” e “X parte em
viagem”, onde X representa o papel de nome próprio, mesmo se
esse nome está ausente da novela. O agente não pode ser provido
de nenhuma propriedade; é antes uma forma vazia que diferentes
predicados vêm preencher. Ele não tem mais sentido do que um
pronome como “aquele” em “aquele que corre” ou “aquele que é
corajoso”. O sujeito gramatical é sempre vazio de propriedades
internas; essas não podem vir senão de uma junção provisória
com um predicado.
Conservaremos pois a descrição unicamente no interior do
predicado. Para distinguir agora várias classes de predicados,
devemos olhar de mais perto a construção das narrativas. A
intriga mínima completa consiste na passagem de um equilíbrio a
outro. Uma narrativa ideal começa por uma situação estável que
uma força qualquer vem perturbar. Disso resulta um estado de
desequilíbrio; pela ação de uma força dirigida em sentido inverso,
o equilíbrio é restabelecido; o segundo equilíbrio é semelhante ao
primeiro, mas os dois nunca são idênticos.
Existem, por conseguinte, dois tipos de episódios numa
narrativa: os que descrevem um estado (de equilíbrio ou de
desequilíbrio) e os que descrevem a passagem de um estado a
outro. O primeiro tipo será relativamente estático e, pode-se dizer,
iterativo: o mesmo tipo de ações poderia ser repetido
indefinidamente. O segundo, em compensação, será dinâmico e só
se produz, em princípio, uma única vez. [Página 138]
Essa definição dos dois tipos de episódios (e portanto de
orações que os designam) nos permite aproximá-los de duas
partes do discurso, o adjetivo e o verbo. Como se tem notado
freqüentemente, a oposição entre verbo e adjetivo não é a de uma
ação sem medida comum com uma qualidade, mas a de dois
aspectos, provavelmente iterativo e não-iterativo. Os “adjetivos”
narrativos serão pois aqueles predicados que descrevem estados
de equilíbrio ou de desequilíbrio, os “verbos”, aqueles que
descrevem a passagem de um a outro.
Poderia surpreender o fato de que nossa gramática da
narrativa não comporte substantivos. Mas o substantivo pode
sempre ser reduzido a um ou vários adjetivos, como já o notaram
certos lingüistas. Assim, H. Paul escreve: “O adjetivo designa
uma propriedade simples ou que é representada como simples; o
substantivo contém um complexo de propriedades” (Prinzipien
der Sprachgeschichte, § 251). Os substantivos no Decameron se
reduzem quase sempre a um adjetivo; assim “gentil-homem” (II,
6; II, 8; III, 9), “rei” (X, 6; X, 7), “anjo” (IV, 2) refletem todos
uma só propriedade que é “ser de boa linhagem”. É preciso notar
aqui que as palavras pelas quais designamos tal ou tal propriedade
ou ação não são pertinentes para determinar a parte do discurso
narrativo. Uma propriedade pode ser designada tanto por um
adjetivo quanto por um substantivo ou mesmo por uma locução
inteira. Trata-se aqui dos adjetivos e dos verbos da gramática da
narrativa e não da de uma língua particular.
Tomemos um exemplo que nos permitirá ilustrar essas
“partes do discurso” narrativo. Peronella recebe seu amante na
ausência do marido, pobre pedreiro. Mas um dia este volta cedo.
Peronella esconde o amante num tonel; tendo entrado o marido,
ela lhe diz que alguém queria comprar o tonel e que este alguém o
está agora examinando. O marido acredita nela e se alegra com a
venda. Vai raspar o tonel para limpá-lo; durante esse tempo, o
amante faz amor com Peronella que enfiou a cabeça e os braços
na abertura do tonel e assim o tapou (VII, 2).
Peronella, o amante e o marido são os agentes dessa história.
Os três são nomes próprios narrativos, embora os dois últimos
não sejam nomeados. Podemos designá-los por X, Y e Z. As
palavras amante e marido [Página 139] nos indicam ainda certo
estado (é a legalidade da relação com Peronella que está aqui em
causa); eles funcionam pois como adjetivos. Esses adjetivos
descrevem o equilíbrio inicial: Peronella é a esposa do pedreiro,
não tem pois o direito de fazer amor com outros homens.
Vem em seguida a transgressão dessa lei: Peronella recebe
seu amante. Trata-se aí evidentemente de um verbo que se poderia
designar como: violar, transgredir (uma lei). Ele traz um estado de
desequilíbrio pois a lei familiar não é mais respeitada.
A partir desse momento, duas possibilidades existem para
restabelecer o equilíbrio. A primeira seria punir a esposa infiel;
mas essa ação serviria a restabelecer o equilíbrio inicial. Ora, a
novela (ou pelo menos as novelas de Boccacio) não descreve
nunca tal repetição da ordem inicial. O verbo “punir” está pois
presente no interior da novela (é o perigo que espreita Peronella)
mas ele não se realiza, permanece em estado virtual. A segunda
possibilidade consiste em encontrar um meio de evitar a punição;
é o que fará Peronella; ela o consegue disfarçando a situação de
desequilíbrio (a transgressão da lei) em situação de equilíbrio (a
compra de um tonel não viola a lei familiar). Há pois aqui um
terceiro verbo, “disfarçar”. O resultado final é novamente um
estado, portanto um adjetivo: uma nova lei foi instaurada, embora
ela não esteja explícita, segundo a qual a mulher pode seguir suas
inclinações naturais.
Assim a análise da narrativa nos permite isolar unidades
formais que apresentam analogias flagrantes com as partes do
discurso: nome próprio, verbo, adjetivo. Como não se leva em
conta aqui a matéria verbal que suporta essas unidades, torna-se
possível dar definições mais claras do que se pode dar estudando
uma língua.
2. Distinguem-se habitualmente, numa gramática, as
categorias primárias, que permitem definir as partes do discurso,
das categorias secundárias, que são as propriedades dessas partes:
assim a voz, o aspecto, o modo, o tempo etc. Tomemos aqui o
exemplo de uma dessas últimas, o modo, para observar suas
transformações na gramática da narrativa.
O modo de uma oração narrativa explicita a relação com que
ela mantém a personagem em questão; [Página 140] essa
personagem representa pois o papel de sujeito da enunciação.
Distinguiremos, primeiramente, duas classes: o indicativo, de um
lado, todos os outros modos, de outro. Esses dois grupos se
opõem como o real ao irreal. As orações enunciadas no indicativo
são percebidas como ações que aconteceram de fato; se o modo é
diferente, é que a ação não se realizou mas existe em potencial,
virtualmente (a punição virtual de Peronella nos dá um exemplo
disso).
As antigas gramáticas explicavam a existência de orações
modais pelo fato de a linguagem servir não só a descrever, e
portanto a se referir à realidade, mas também a exprimir nossa
vontade. Daí também a estreita relação, cm várias línguas, entre
os modos e o futuro, que não exprime habitualmente mais do que
uma intenção. Não a seguiremos até o fim: poder-se-ia estabelecer
uma primeira dicotomia entre os modos próprios do Decameron,
que são em número de quatro, perguntando-nos se são ligados ou
não a uma vontade. Essa dicotomia nos dá dois grupos: os modos
da vontade e os modos da hipótese.
Os modos da vontade são dois: o obrigativo e o optativo. O
obrigativo é o modo de uma oração que deve acontecer; é uma
vontade codificada, não-individual, que constitui a lei de uma
sociedade. Por essa razão, o obrigativo tem um estatuto particular:
as leis são sempre subentendidas, nunca nomeadas (não é
necessário) e correm o risco de passar despercebidas para o leitor.
No Decameron, a punição deve ser escrita no modo obrigativo:
ela é urna conseqüência direta das leis da sociedade e está
presente mesmo sem acontecer.
O optativo corresponde às ações desejadas pela personagem.
Em certo sentido, toda oração pode ser precedida pela mesma
oração no optativo, na medida em que cada ação no Decameron
se bem que em graus diferente resulta do desejo que alguém tem
de ver essa ação realizada. A renúncia é um caso particular do
optativo: é um optativo primeiro afirmado, em seguida negado.
Assim Gianni renuncia a seu primeiro desejo de transformar sua
mulher em égua quando fica sabendo dos pormenores da
transformação (IX, 10). Da mesma forma, Ansaldo renuncia ao
desejo que tinha de possuir Dianora, quando fica sabendo qual foi
a generosidade de seu marido (X, 5). Uma novela conhece assim
um [Página 141] optativo em segundo grau: em III, 9, Giletta não
só aspira a dormir com seu marido como a que este a ame, a que
ele se torne o sujeito de uma oração optativa: ela deseja o desejo
do outro.
Os dois outros modos, condicional e predictivo, oferecem
não só uma característica semântica comum (a hipótese) mas se
distinguem por uma estrutura sintática particular: dizem respeito a
uma sucessão de duas orações e não a uma oração isolada. Mais
precisamente, concernem à relação entre essas duas orações, que é
sempre de implicação, mas com a qual o sujeito da enunciação
pode manter diferentes relações.
O condicional se define como o modo que põe em relação
de implicação duas orações atributivas, de sorte que o sujeito da
segunda oração e aquele que põe a condição sejam uma só e
mesma personagem (designou-se por vezes o condicional pelo
nome de prova). Assim, em IX, 1, Francesca põe como condição
para conceder seu amor, que Rinuccio e Alessandro realizem cada
um um feito: se a prova de sua coragem for tirada, ela consentirá
em realizar suas pretensões. Do mesmo modo em X, 5 Dianora
exige de Ansaldo “um jardim que, em janeiro, seja florido como
no mês de maio”; se ele conseguir, poderá possuí-la. Uma novela
toma a prova ela mesma como tema central: Pirro pede a Lidia,
como prova do seu amor, que ela realize três atos: matar, sob os
olhos do marido, seu melhor gavião; arrancar um tufo de pêlos da
barba do marido; extrair, enfim, um de seus melhores dentes.
Quando Lidia houver superado a prova, ele consentirá em dormir
com ela (VII, 9).
O predictivo, enfim, tem a mesma estrutura que o
condicional, mas o sujeito que prediz não deve ser o sujeito da
segunda oração (a conseqüência); nisso ele se aproxima do modo
“transrelativo” isolado por Whorf. Nenhuma restrição pesa sobre
o sujeito da primeira oração. Assim, ele pode ser o mesmo que o
sujeito da enunciação (em I, 3: se eu puser Melchisedech em má
situação, pensa Saladino, ele me dará dinheiro; em X, 10: se eu
for cruel com Griselda, pensa Gualtieri, ela tentará me
prejudicar). As duas orações podem ter o mesmo sujeito (IV, 8: se
Girolamo se afastar da cidade, pensa sua mãe, não amará mais
Salvestra; VII, 7: se meu marido for ciumento, supõe Beatrice, ele
se levan- [Página 142] tará e sairá). Essas predições são por vezes
bastante elaboradas: assim, nessa última novela, para dormir com
Ludovico, Beatrice diz a seu marido que Ludovico lhe fazia a
corte; da mesma forma, em III, 3, para provocar o amor de um
cavaleiro, uma dama se queixa ao amigo deste de que ele não pára
de lhe fazer a corte. As predições dessas duas novelas (que se
revelam justas tanto uma como outra) não são coisas que
aconteçam naturalmente: as palavras criam aqui as coisas ao invés
de as refletir.
Esse fato nos leva a ver que o predictivo é uma manifestação
particular da lógica da verossimilhança. Supõe-se que uma ação
arrastará outra, porque essa causalidade corresponde a uma
probabilidade. É preciso evitar, entretanto, confundir essa
verossimilhança das personagens com as leis que o leitor
considera verossímeis: tal confusão nos levaria a procurar a
probabilidade de cada ação particular; enquanto o verossímil das
personagens tem uma realidade formal precisa, o predictivo.
Se procurarmos articular melhor as relações apresentadas
pelos quatro modos, teremos, ao lado da oposição
“presença/ausência de vontade”, uma outra dicotomia que oporá o
optativo e o condicional, de um lado, ao obrigativo e ao
predictivo, de outro. Os dois primeiros se caracterizam por uma
identidade do sujeito da enunciação com o sujeito do enunciado:
põe-se aqui em questão a si mesmo. Os dois últimos, em
compensação, refletem ações exteriores ao sujeito enunciante: são
leis sociais e não mais individuais.
3. Se quisermos ultrapassar o nível das orações, problemas
mais complexos aparecerão. Com efeito, até aqui podíamos
comparar os resultados de nossa análise aos dos estudos sobre as
línguas. Mas não existe uma teoria lingüística do discurso, não
tentaremos pois referir-nos a ela. Eis algumas conclusões gerais
que podemos tirar da análise do Decameron, sobre a estrutura do
discurso narrativo.
As relações que se estabelecem entre orações podem ser de
três tipos. A mais simples é a relação temporal: os elementos se
seguem no texto porque se seguem no mundo imaginário do livro.
A relação lógica é um outro tipo de relação; as narrativas são
habitualmente fundadas em implicações e pressupostos, enquanto
[Página 143] os textos mais afastados da ficção se caracterizam
pela presença da inclusão. Enfim, uma terceira relação é de tipo
“espacial”, na medida em que duas orações são justapostas por
causa de certa semelhança entre elas, desenhando assim um
espaço próprio ao texto. Trata-se, como se vê, do paralelismo,
com suas múltiplas subdivisões; essa relação parece dominante
nos textos de poesia. A narrativa possui sempre relações de
causalidade; mas as outras relações também podem estar
presentes: trata-se antes de uma predominância quantitativa que
de uma presença exclusiva3.
Podemos estabelecer uma unidade sintática superior à
oração; chamemo-la seqüência. A seqüência terá características
diferentes segundo o tipo de relação entre orações; mas, em cada
caso, uma repetição incompleta da oração inicial marcará seu fim.
Por outro lado, a seqüência provoca uma reação intuitiva da parte
do leitor: reconhecer que se trata de uma história completa, de
uma anedota acabada. A novela coincide freqüentemente, mas
não sempre, com uma seqüência: pode conter várias delas ou
apenas uma parte.
Colocando-nos no ponto de vista da seqüência, podemos
distinguir vários tipos de orações. Esses tipos correspondem às
relações lógicas de exclusão (ou-ou), de conjunção (e/ou) e de
disjunção (e/e). Chamaremos o primeiro tipo de orações
alternativas pois uma só entre elas pode aparecer em determinado
ponto da seqüência; essa aparição é, por outro lado, obrigatória. O
segundo tipo será o das orações facultativas, cujo lugar não é
definido e cuja aparição não é obrigatória. Enfim, um terceiro tipo
será formado pelas orações obrigatórias; essas devem sempre
aparecer num lugar definido.
Tomemos uma novela que nos permitirá ilustrar essas
diferentes relações. Uma dama da Gasconha é ultrajada por
“alguns malandros” durante sua estada em Chipre. Ela pretende
queixar-se ao rei da ilha; mas dizem-lhe que será perda de tempo,
pois o rei fica indiferente aos insultos que ele próprio recebe.
Entretanto, ela o encontra e lhe dirige algumas palavras amargas.
O rei fica impressionado e abandona sua frouxidão (I, 9).
_____________________
Nota de rodapé (3) Trato mais longamente desses três tipos de relação no
capítulo “Poétique” da obra coletiva Qu’est-ce que le structuralisme?, Paris, Edition du
Seuil, 1968. (N. do A.) [Página 144]
Uma comparação entre essa novela e os outros textos que
formam o Decameron nos permitirá identificar o estatuto de cada
oração. Existe, primeiramente, uma oração obrigatória: é o desejo
da dama de modificar a situação precedente; encontramos esse
desejo em todas as novelas da obra. Por outro lado, duas orações
contêm as causas desse desejo (o ultraje dos malandros e a
infelicidade da dama) e podemos qualificá-las como facultativas:
trata-se aí de uma motivação psicológica da ação modificadora de
nossa heroína, motivação que está quase sempre ausente do
Decameron (contrariamente ao que se passa na novela do século
XIX). Na história de Peronella (VII, 2), não há motivações
psicológicas; mas ali também encontramos uma oração
facultativa: o fato dos dois amantes fazerem novamente amor por
detrás das costas do marido. Que nos entendam bem: qualificando
essa oração de facultativa, queremos dizer que ela não é
necessária para que se perceba a intriga do conto como um todo
acabado. A novela em si precisa dessa oração, que constitui
mesmo o “sal da história”; mas é preciso separar o conceito de
intriga do conceito de novela.
Existem, finalmente, orações alternativas. Tomemos, por
exemplo, a ação da dama que modifica o caráter do rei. Do ponto
de vista sintático, ela tem a mesma função que a de Peronella
escondendo seu amante no tonel: as duas visam a estabelecer um
novo equilíbrio. No entanto, aqui essa ação é um ataque verbal
direto, enquanto Peronella se servia do disfarce. “Atacar” e
“disfarçar” são portanto dois verbos que aparecem nas orações
alternativas; por outras palavras, formam um paradigma.
Se procurarmos estabelecer uma tipologia das narrativas, só
o podemos fazer baseando-nos em elementos alternativos: nem as
orações obrigatórias, que devem aparecer sempre, nem as
facultativas, que podem sempre aparecer, poderiam ajudar-nos
aqui. Por outro lado, a tipologia poderia fundamentar-se em
critérios puramente sintagmáticos: dissemos, acima, que a
narrativa consistia numa passagem de um equilíbrio a outro; mas
uma narrativa pode também apresentar somente uma parte desse
trajeto. Assim, pode descrever apenas a passagem de um
equilíbrio a um desequilíbrio, ou inversamente. [Página 145]
O estudo das novelas do Decameron nos levou, por
exemplo, a ver nesse livro apenas dois tipos de história. O
primeiro, do qual a novela sobre Peronella é um exemplo, poderia
ser chamado “a punição evitada”. Aqui, o trajeto completo é
seguido (equilíbrio-desequilíbrio-equilíbrio); por outro lado, o
desequilíbrio é causado pela transgressão de uma lei, ato que
merece punição. O segundo tipo de história, ilustrado pela novela
sobre a dama da Gasconha e o rei de Chipre, pode ser designado
como uma “conversão”. Aqui, somente a segunda parte da
narrativa está presente: parte-se de um estado de desequilíbrio
(um rei frouxo) para chegar ao equilíbrio final. Além disso, esse
desequilíbrio não tem por causa uma ação particular (um verbo)
mas as próprias qualidades da personagem (um adjetivo).
Esses poucos exemplos podem bastar para dar uma idéia da
gramática da narrativa. Poder-se-ia objetar que, assim fazendo,
não chegamos a “explicar” a narrativa, a tirar dela conclusões
gerais. Mas o estado atual dos estudos sobre a narrativa implica
que nossa primeira tarefa seja a elaboração de um aparato
descritivo: antes de poder explicar os fatos, é preciso aprender a
identificá-los.
Poder-se-ia (e dever-se-ia) encontrar também imperfeições
nas categorias concretas aqui propostas: meu objetivo era levantar
questões mais que fornecer respostas. Parece-me, entretanto, que
a idéia mesma de uma gramática da narrativa não pode ser
contestada. Essa idéia repousa sobre a unidade profunda da
linguagem e da narrativa, unidade que nos obriga a rever nossas
concepções de uma e de outra. Compreender-se-á melhor a
narrativa se se souber que a personagem é um nome e a ação, um
verbo. Mas compreender-se-á melhor o nome e o verbo pensando
no papel que eles representam na narrativa. Em definitivo, a
linguagem não poderá ser compreendida sem que se aprenda a
pensar sua manifestação essencial, a literatura, O inverso também
é verdadeiro: combinar um nome e um verbo é dar o primeiro
passo para a narrativa. De certa forma, o escritor não faz mais que
ler a linguagem. [Página 146]
5. A NARRATIVA FANTÁSTICA
Alvare, a personagem principal do livro de Cazotte O Diabo
Apaixonado1, vive há meses com um ser, do sexo feminino, que
ele acredita ser um mau espírito: o diabo ou um de seus
subordinados. O modo como apareceu esse ser indica claramente
que se trata de um representante do outro mundo; mas seu
comportamento especificamente humano (e mais ainda feminino),
os ferimentos reais que recebe, parecem provar, ao contrário, que
se trata simplesmente de uma mulher, e de
____________________
Nota de rodapé (1) Jacques Cazotte (1719-1792) — escritor francês chegado à
corte de Luis XVI; ocupou-se de ocultismo; foi executado como conspirador
monarquista. (N. da T.) [Página 147]
uma mulher que ama. Quando Alvare lhe pergunta de onde ele
vem, Biondetta responde: “Sou Sílfide de origem e uma das mais
consideráveis dentre elas...” E no entanto, existem as Sílfides?
“Eu não concebia nada do que ouvia, continua Alvare. Mas que
havia de concebível em minha aventura? Tudo isso me parece um
sonho, dizia a mim mesmo; mas será outra coisa a vida humana?
Eu sonho de modo mais extraordinário do que os outros, eis
tudo... Onde está o possível? Onde está o impossível?
Assim, Alvare hesita, e pergunta a si mesmo (e o leitor com
ele) se o que lhe está acontecendo é verdadeiro, se o que o cerca é
mesmo a realidade (e então as Sílfides existem) ou se se trata
simplesmente de uma ilusão que toma aqui a forma de um sonho.
Mais tarde, vai para a cama com essa mesma mulher que talvez
seja o diabo; e, atemorizado por essa idéia, pergunta de novo a si
mesmo: “Terei dormido? Seria eu tão feliz que tudo não tenha
passado de um sonho?” Sua mãe pensará da mesma forma: “Você
sonhou com essa fazenda e todos os seus habitantes”. A
ambigüidade se manterá até o fim da aventura: realidade ou
sonho? verdade ou ilusão?
Somos assim conduzidos ao âmago do fantástico. Num
mundo que é bem o nosso, tal qual o conhecemos, sem diabos,
sílfides nem vampiros, produz-se um acontecimento que não pode
ser explicado pelas leis deste mundo familiar. Aquele que vive o
acontecimento deve optar por uma das soluções possíveis: ou se
trata de uma ilusão dos sentidos, um produto da imaginação, e
nesse caso as leis do mundo continuam a ser o que são. Ou então
esse acontecimento se verificou realmente, é parte integrante da
realidade; mas nesse caso ela é regida por leis desconhecidas para
nós. Ou o diabo é um ser imaginário, uma ilusão, ou então existe
realmente, como os outros seres vivos, só que o encontramos
raramente, O fantástico ocupa o tempo dessa incerteza; assim que
escolhemos uma ou outra resposta, saímos do fantástico para
entrar num gênero vizinho, o estranho ou o maravilhoso. O
fantástico é a hesitação experimentada por um ser que não
conhece as leis naturais, diante de um acontecimento
aparentemente sobrenatural. [Página 148]
O Diabo Apaixonado oferece matéria muito pobre rara uma
análise mais avançada: a hesitação, a dúvida, só nos preocupam
aqui por um instante. Faremos pois apelo a outro livro, escrito uns
vinte anos mais tarde e que nos permitirá colocar maior número
de perguntas; um livro que inaugura magistralmente a época da
narrativa fantástica: o Manuscrito Encontrado em Saragossa de
Jan Potocki2.
Uma série de acontecimentos nos é primeiramente relatada,
dos quais nenhum, tomado isoladamente, contradiz as leis da
natureza tais como as admitimos; mas seu acúmulo já traz
problema. Alphonse van Worden, herói e narrador do livro,
atravessa as montanhas da Sierra Morena. De repente, seu “zagal”
Moschito desaparece; algumas horas mais tarde desaparece
também seu empregado Lopez. Os habitantes da região afirmam
que ela é assombrada pelos fantasmas de dois bandidos
recentemente enforcados. Alphonse chega a um albergue
abandonado e se dispõe a dormir; mas, ao primeiro toque da
meia-noite, “uma bela negra seminua, segurando uma tocha em
cada mão” entra no quarto e o convida a segui-la. Ela o leva até
uma sala subterrânea onde o recebem duas jovens irmãs, belas e
levemente vestidas. Elas lhe oferecem comida e bebida. Alphonse
experimenta sensações estranhas e uma dúvida nasce em seu
espírito: “Eu não sabia mais se estava com mulheres ou com
insidiosos demônios”. Elas lhe contam em seguida sua vida:
revelam ser suas primas; mas ao primeiro canto do galo, a
narrativa é interrompida; e Alphonse se lembra de que “como se
sabe, os fantasmas não têm poder senão da meia-noite até o
primeiro canto do galo”.
Tudo isso, está claro, não sai das leis da natureza que se
conhecem. No máximo, pode-se dizer que são acontecimentos
estranhos, insólitas coincidências. Mas o passo seguinte é
decisivo: produz-se um acontecimento que a razão não pode
explicar. Alphonse se recolhe ao leito, as duas irmãs o
acompanham (ou talvez ele apenas sonhe), mas uma coisa é certa:
quando ele acorda, não está mais num leito, não está mais numa
sala subterrânea. “Vi o céu. Vi que estava ao ar livre... Estava
deitado sob a forca de Los Hermanos. Os ca-
____________________
Nota de rodapé (2) Jan Potocki (1761-1815) — escritor e arqueólogo polonês.
(N. da T.) [Página 149]
dáveres dos dois irmãos de Zoto não estavam pendurados,
encontravam-se ao meu lado”. Eis pois um primeiro
acontecimento sobrenatural: as duas belas môças transformaramse
em fétidos cadáveres.
Entretanto, Alphonse ainda não está convencido da
existência de fôrças sobrenaturais, o que teria suprimido tôda
hesitação (e teria acabado com o fantástico). Procura um lugar
onde passar a noite e chega à cabana de um eremita; encontra aí
um possesso, Pascheco; êste conta sua história, que se parece
estranhamente com a de Alphonse. Pascheco se abrigara uma
noite no mesmo albergue; descera a uma sala subterrânea e
passara a noite num leito com as duas irmãs; no dia seguinte,
acordara sob a fôrca, entre dois cadáveres. Essa similitude põe
Alphonse de sobreaviso. Por isso, diz êle mais tarde ao eremita
que não acredita em fantasmas, e dá uma explicação natural às
desgraças de Pascheco. Interpretada mesma forma suas próprias
aventuras: “Eu não duvidava de que minhas primas fôssem
mulheres de carne e osso. Disso me advertia não sei que
sentimento, mais forte do que tudo o que me tinham dito sôbre o
poder dos demônios. Quanto à peça que me tinham pregado, de
me pôr sob a fôrca, estava profundamente indignado”.
Os acontecimentos dos dias seguintes não conseguem
dissipar as dúvidas de Alphonse. Êle procura com tôdas as suas
fôrças encontrar uma explicação racional para os fatos estranhos
que o cercam. Mas, mal a encontra, um nôvo incidente vem
embaralhar a imagem que êle tinha do mundo. Isso se repete
tantas vêzes que, por fim, êle confessa: “Quase cheguei a
acreditar que demônios, para me enganar, tinham animado os
corpos dos dois enforcados”.
“Quase cheguei a acreditar”: eis a fórmula que melhor
resume o espírito do fantástico. A fé absoluta, como a
incredulidade total, nos levam para fora do fantástico; é a
hesitação que lhe dá vida.
Quem hesita nessa história? Vê-se imediatamente:
Alphonse, isto é, o herói, a personagem. É êle que, ao longo de
tôda a intriga, terá de escolher entre as duas soluções possíveis.
Mas se o leitor fôsse prevenido de antemão acêrca da verdade, se
êle soubesse em que terreno pisa, a situação seria bem diferente.
O fantástico implica pois uma integração do leitor no mundo das
[Página 150] personagens; define-se pela percepção ambígua que
o leitor tem dos acontecimentos narrados; esse leitor se identifica
com a personagem. É importante precisar desde logo que, assim
falando, temos em vista não tal ou tal leitor particular e real, mas
uma “função” de leitor, implícita no texto (da mesma forma que
está implícita a de seu narrador). A percepção desse leitor
implícito está inscrita no texto com a mesma precisão que os
movimentos das personagens.
Quando o leitor sai do mundo das personagens e volta a seu
lugar natural (o de leitor), um novo perigo ameaça o fantástico.
Ele se situa ao nível da interpretação do texto. Existem narrativas
que contêm elementos sobrenaturais, mas onde o leitor nunca se
interroga acerca de sua natureza, pois sabe que não deve tomá-los
ao pé da letra. Se os animais falam, nenhuma dúvida nos assalta o
espírito: sabemos que as palavras do texto devem ser tomadas
num outro sentido, que se chama alegórico. A situação inversa se
observa em poesia. O texto poético poderia ser freqüentemente
julgado fantástico, se se pedisse à poesia que ela fosse
representativa. Mas a questão não se coloca: se se diz, por
exemplo, que o “eu poético” voa nos ares, isso não passa de uma
frase que se deve tomar como tal, sem tentar ir além das palavras.
Para se manter, o fantástico implica pois não só a existência de
um acontecimento estranho, que provoca uma hesitação no leitor
e no herói, mas também um certo modo de ler, que se pode definir
negativamente: ele não deve ser nem poético nem alegórico. Se
voltarmos ao Manuscrito, veremos que essa exigência também é
ali cumprida: por um lado, não podemos dar imediatamente uma
interpretação alegórica aos acontecimentos sobrenaturais
evocados; por outro, esses acontecimentos estão bem presentes,
devemos imaginá-los, e não considerar as palavras que os
designam como apenas palavras.
Estamos agora em estado de precisar e de complementar
nossa definição do fantástico. Este exige que três condições sejam
preenchidas. Primeiro, é preciso que o texto obrigue o leitor a
considerar o mundo das personagens como um mundo de pessoas
vivas e a hesitar entre uma explicação natural e uma explicação
sobrenatural dos acontecimentos evocados. Em seguida, essa
hesitação deve ser igualmente sentida por uma [Página 151]
personagem; desse modo, o papel do leitor é, por assim dizer,
confiado a uma personagem e ao mesmo tempo a hesitação se
acha representada e se torna um dos temas da obra; no caso de
uma leitura ingênua, o leitor real se identifica com a personagem.
Enfim, é importante que o leitor adote uma certa atitude com
relação ao texto: ele recusará tanto a interpretação alegórica
quanto a interpretação “poética”. O gênero fantástico é pois
definido essencialmente por categorias que dizem respeito às
visões na narrativa; e, em parte, por seus temas.
O Manuscrito Encontrado em Saragossa nos fornece um
exemplo de hesitação entre o real e o ilusório: perguntávamo-nos
se o que víamos não era tapeação, erro de percepção. Por outras
palavras, duvidávamos da interpretação a dar a acontecimentos
perceptíveis. Existe uma outra variedade do fantástico onde a
hesitação se situa entre o real e o imaginário. No primeiro caso,
duvidava-se não de que os acontecimentos tivessem sucedido,
mas que nossa percepção tenha sido exata. No segundo,
perguntávamo-nos se o que acreditávamos ver não era de fato um
fruto da imaginação. “Discirno com dificuldade o que vejo com
os olhos da realidade e o que vejo com minha imaginação”, diz
uma personagem de Achim von Arnim. Esse “erro” pode
acontecer por várias razões: a loucura é uma das mais freqüentes.
Assim, na Princesa Brambilla de Hoffmann. Acontecimentos
estranhos e incompreensíveis sobrevêm na vida do pobre ator
Giglio Fava durante o carnaval de Roma. Ele acredita tornar-se
príncipe, apaixonar-se por uma princesa e viver aventuras
incríveis. Ora, a maior parte dos que o cercam lhe asseguram que
nada disso é verdadeiro, mas que ele, Giglio, ficou louco. E o que
pretende o signor Pasquale: “Signor Giglio, sei o que vos
aconteceu; Roma inteira o sabe, fostes forçado a deixar o teatro
porque vosso cérebro se desarranjou...“ Por vezes, o próprio
Giglio duvida de sua razão: “Ele estava mesmo prestes a pensar
que o signor Pasquale e o mestre Bescapi tinham tido razão em
acreditá-lo um pouco aloprado”. Assim Giglio (e o leitor
implícito) é mantido na dúvida, ignorando se o que o cerca é ou
não efeito de sua imaginação.
A esse processo simples e muito freqüente, podemos opor
um outro que parece ser muito mais raro, e [Página 152] onde a
loucura é novamente utilizada — mas de maneira diferente —
para criar a ambigüidade necessária. Estamos pensando em
Aurélia, de Nerval. Esse livro faz, como se sabe, a narrativa das
visões que teve uma personagem durante um período de loucura.
A narrativa é conduzida na primeira pessoa; mas o eu recobre
aparentemente duas pessoas distintas: a da personagem que
percebe mundos desconhecidos (esta vive no passado) e a do
narrador que transcreve as impressões da primeira (este vive no
presente). À primeira vista, o fantástico não existe aqui: nem para
a personagem, que não considera suas visões como devidas à
loucura, mas como uma imagem mais lúcida do mundo (ele está
pois no maravilhoso); nem pelo narrador, que sabe que elas se
devem à loucura ou ao sonho e não à realidade (de seu ponto de
vista, a narrativa se liga simplesmente ao estranho). Mas o texto
não funciona assim; Nerval recria a ambigüidade num outro nível,
onde não a esperávamos; e Aurélia continua sendo uma história
fantástica.
Primeiramente, a personagem não está completamente
decidida quanto à interpretação que deve dar aos fatos: acredita
por vezes, ela também, em sua loucura mas nunca vai até a
certeza. “Compreendi, ao me ver entre os alienados, que até então
tudo não tinha passado de ilusão. Entretanto, as promessas que eu
atribuía à deusa Isis pareciam realizar-se por uma série de provas
pelas quais eu estava destinado a passar.” Ao mesmo tempo, o
narrador não está certo de que tudo o que a personagem viveu se
deve à ilusão; insiste mesmo sobre a verdade de certos fatos
narrados: “Eu me informava fora, ninguém tinha ouvido nada. E
no entanto estou ainda certo de que o grito era real e que tinha
ressoado no ar dos vivos...
A ambigüidade depende também do emprego de dois
processos verbais que penetram o texto todo. Nerval os utiliza
habitualmente juntos; são eles: o imperfeito e a modalização. Esta
última consiste, lembremo-nos em usar certas locuções
introdutivas que, sem mudar o sentido da frase, modificam a
relação entre o sujeito da enunciação e o enunciado. Por exemplo,
as duas frases “Chove lá fora” e “Talvez chova lá fora” se referem
ao mesmo fato; mas a segunda indica também a incerteza em que
se encontra o sujeito que fala, quanto [Página 153] verdade da
frase que enuncia. O imperfeito tem um sentido semelhante: se eu
digo “Eu amava Aurélia”, não preciso se ainda a amo agora ou
não; a continuidade é possível mas em regra geral pouco
provável.
Ora, todo o texto de Aurélia está impregnado desses dois
processos, o imperfeito e as locuções modalizantes. Poderíamos
citar o texto inteiro em apoio a esta afirmação. Eis alguns
exemplos tomados ao acaso: “Parecia-me que estava entrando
numa moradia conhecida... Uma velha empregada que eu
chamava de Marguerite e que me parecia conhecida desde a
infância. E eu tinha a impressão de que a alma de meu avô estava
nesse pássaro... Acreditei cair num abismo que atravessava o
globo. Sentia-me levado sem sofrimento por uma correnteza de
metal derretido... Tive a sensação de que essas correntezas eram
compostas de almas vivas, em estado molecular... Tornava-se
claro para mim que os avós tomavam a forma de certos animais
para nos visitar na terra...“ etc. (sou eu quem sublinha). Se essas
locuções estivessem ausentes, estaríamos mergulhados no mundo
do maravilhoso, sem nenhuma referência à realidade cotidiana,
habitual; graças a elas, somos mantidos ao mesmo tempo nos dois
mundos. O imperfeito, além disso, introduz uma distância entre a
personagem e o narrador, de modo que não conhecemos a posição
deste último.
Por uma série de incisos, o narrador toma também distância
com relação aos outros homens, com relação ao “homem normal”,
mais exatamente, com relação ao emprego corrente de certas
palavras (em certo sentido, a linguagem é o tema principal de
Aurélia). “Recuperando aquilo que os homens chamam de razão”,
escreve ele em alguma parte. E noutra: “Mas parece que era uma
ilusão de minha vista”. Ou ainda: “Minhas ações, aparentemente
insensatas, estavam submetidas ao que se chama de ilusão,
segundo a razão humana”. Admiremos esta frase: as ações são
“insensatas” (referência ao natural); são submetidas... à ilusão
(referência ao natural), ou melhor, “aquilo que se chama de
ilusão” (referência ao sobrenatural); além disso, o imperfeito
significa que não é o narrador presente que assim pensa, mas a
personagem de outrora. Ou ainda esta frase, resumo de toda a
ambigüidade de Aurélia: “Uma série de visões insensatas, talvez”.
[Página 154]
O narrador vai mais longe: retomará abertamente a tese da
personagem, segundo a qual loucura e sonho são apenas uma
razão superior. Eis o que dizia a personagem: “As narrativas dos
que me tinham visto assim me causavam uma espécie de irritação,
quando eu via que atribuíam à aberração do espírito os atos ou as
palavras coincidentes com as diversas fases daquilo que constituía
para mim uma série de acontecimentos lógicos” (ao que responde
a frase de Edgar Poe: “A ciência ainda não nos disse se a loucura
é ou não é o sublime da inteligência”). E ainda: “Com aquela
idéia que eu tinha de que o sonho abre ao homem uma
comunicação com o mundo dos espíritos, eu esperava...” Ora, eis
como fala o narrador: “Vou tentar... transcrever as impressões de
uma longa doença que se passou inteiramente nos mistérios de
meu espírito; — e não sei por que uso esse termo de doença, pois
nunca, no que me concerne, me senti em melhor saúde. Por vezes,
acreditava ver redobradas minha força e minha atividade; a
imaginação me trazia delícias infinitas”. Ou ainda: “Seja como
for, acredito que a imaginação humana nada inventou que não
seja verdadeiro, nesse mundo e nos outros, e eu não podia duvidar
do que tinha visto tão distintamente”.
Nesses dois trechos, o narrador parece declarar abertamente
que aquilo que viu durante sua pretensa loucura é apenas uma
parte da realidade; que nunca esteve doente. Mas, se cada um
desses trechos começa no presente, a última oração está
novamente no imperfeito; ela reintroduz a ambigüidade na
percepção do leitor. O exemplo inverso se encontra nas últimas
páginas de Aurélia: “Eu podia julgar de modo mais sadio o
mundo das ilusões em que tinha vivido durante algum tempo.
Entretanto, sinto-me feliz com as convicções que adquiri...” A
primeira oração parece remeter tudo o que precede ao mundo da
loucura; mas, se assim fosse, por que essa felicidade das
convicções adquiridas?
Aurélia constitui pois um exemplo original e perfeito da
ambigüidade fantástica. Essa ambigüidade gira certamente em
torno da loucura; mas enquanto, em Hoffmann, perguntávamonos
se a personagem estava ou não louca, aqui se sabe de antemão
que esse comportamento se chama loucura; o que se quer saber (e
é sobre este ponto que existe hesitação) é se a loucura [Página
155] não é, na verdade, uma razão superior. No primeiro caso, a
hesitação concerne à percepção, no segundo, à linguagem; com
Hoffmann, hesitamos acerca do nome a dar a certos
acontecimentos, com Nerval, acerca do sentido das palavras.
Voltemos agora às formas mais comuns do fantástico e às
condições necessárias para sua existência. O fantástico, como
vimos, dura apenas o tempo de uma hesitação: hesitação comum
ao leitor e à personagem, que devem decidir se aquilo que
percebem se deve ou não à “realidade”, tal qual ela existe para a
opinião comum. No fim da história, o leitor, senão a personagem,
toma entretanto uma decisão, opta por uma ou outra solução, e
assim fazendo sai do fantástico (salvo em raros casos como The
Turn of the Screw3 de Henry James). Se ele decide que as leis da
realidade permanecem intatas e permitem explicar o fenômeno
descrito, dizemos que a obra pertence ao gênero do estranho. Se,
ao contrário, ele decide que se deve admitir novas leis da
natureza, pelas quais o fenômeno pode ser explicado, entramos no
gênero do maravilhoso.
Examinemos um pouco mais de perto esses dois vizinhos do
fantástico, o estranho e o maravilhoso. Em cada um desses casos,
um subgênero transitório se coloca entre o fantástico e o estranho,
por um lado, o fantástico e o maravilhoso, por outro. Esses
subgêneros compreendem obras que mantêm por longo tempo a
hesitação fantástica mas terminam quer no maravilhoso, quer no
estranho. Poderíamos figurar essas subdivisões pelo diagrama
seguinte:
O fantástico puro seria representado, nesse desenho, pela
linha mediana, a que separa o fantástico-estranho do fantásticomaravilhoso;
essa linha corresponde bem à natureza do fantástico,
fronteira entre dois domínios vizinhos.
estranho
puro
fantásticoestranho
fantásticomaravilhoso
maravilhoso
puro
Comecemos pelo fantástico-estranho. Os acontecimentos
que parecem sobrenaturais ao longo da história recebem por fim
uma explicação racional. Se esses acontecimentos conduzem a
personagem e o leitor a
____________________
Nota de rodapé (3) A tradução brasileira, editada pela Editora Civilização
Brasileira, tem o título de A Outra Volta do Parafuso. (N. da T.) [Página 156]
acreditar na intervenção do sobrenatural, é que têm um caráter
insólito, estranho. A crítica descreveu (e freqüentemente
condenou) essa variedade sob o nome de “sobrenatural
explicado”.
Podemos tomar como exemplo do fantástico estranho o
mesmo Manuscrito Encontrado em Saragossa. Todos os milagres
são racionalmente explicados no fim da narrativa. Alphonse
encontra, numa gruta, o eremita que o acolhera no começo e que é
o grande xeque dos Gomelez em pessoa. Este lhe revela o
mecanismo de todos os milagres: “Don Emanuel de Sá,
governador de Cádiz, é um dos iniciados. Ele te havia enviado
Lopez e Moschito que te abandonaram na fonte de Alcornoque...
Com a ajuda de uma bebida soporífica, fizeram com que
acordasses no dia seguinte sob a forca dos irmãos Zoto. De lá,
vieste à minha ermida onde encontraste o terrível possesso
Pascheco que é, na realidade, um bailarino basco... No dia
seguinte, submeteram-te a uma prova mais cruel: a falsa
inquisição que te ameaçou de horríveis torturas mas não
conseguiu abalar tua coragem” etc.
A dúvida é mantida aqui entre dois pólos, dos quais um é a
existência do sobrenatural, outro, uma série de explicações
racionais. Enumeremos os tipos de explicação que tentam reduzir
o sobrenatural: há primeiramente o acaso, as coincidências —
pois no mundo sobrenatural não há acaso, reina aí o que podemos
chamar de “pandeterminismo” (esta será a explicação do
sobrenatural em Inès de las Sierras de Nodier); vêm em seguida o
sonho (solução proposta em O Diabo Apaixonado); a influência
das drogas (os sonhos de Alphonse durante a primeira noite); a
ilusão dos sentidos (veremos mais tarde um exemplo disso em A
Morta Apaixonada de Gautier); enfim a loucura, como na
Princesa Brambilla. Há, evidentemente, dois grupos de
“desculpas”, que correspondem às oposições real-imaginário e
real-ilusório. No primeiro caso, nada de sobrenatural aconteceu,
pois nada aconteceu: o que se acreditava ver era apenas o fruto de
uma imaginação desregrada (sonho, loucura, droga). No segundo,
os acontecimentos se produziram realmente, mas explicam-se de
modo racional (acasos, tapeações, ilusões).
Ao lado desses casos, onde nos encontramos no estranho
sem querer, por necessidade de explicar o fan- [Página 157]
tástico, existe também o estranho puro. Nas obras que pertencem
a esse gênero, relatam-se acontecimentos que podem
perfeitamente ser explicados pelas leis da razão, mas que são, de
uma forma ou de outra, incríveis, extraordinários, chocantes,
singulares, inquietantes, insólitos. A definição é, como se vê,
larga e imprecisa, mas tal é também o gênero que descreve: o
estranho não é um gênero bem delimitado como o fantástico; mais
exatamente, só é limitado de um lado, o do fantástico; do outro,
dissolve-se no campo geral da literatura (os romances de
Dostoiévski, por exemplo, podem ser incluí- dos no estranho).
Eis uma novela de Edgar Poe que ilustra o estranho próximo
do fantástico: A Queda da Casa de Usher. O narrador chega uma
noite a essa casa, chamado por seu amigo Roderick Usher; este
lhe pede que fique com ele durante algum tempo. Roderick é um
ser hipersensível, nervoso, que adora sua irmã, gravemente doente
no momento. Esta morre alguns dias mais tarde, e os dois amigos,
ao invés de a enterrar, depositam seu corpo num dos subterrâneos
da casa. Alguns dias se passam; numa noite de tempestade, os
dois homens se encontram num cômodo e o narrador lê em voz
alta uma antiga história de cavalaria. Os sons descritos na crônica
parecem fazer eco aos ruídos que se ouvem na casa. Por fim,
Roderick Usher se levanta e diz, com voz quase imperceptível:
“Nós a sepultamos viva”. Com efeito, a porta se abre, a irmã
aparece na soleira. O irmão e a irmã se lançam nos braços um do
outro e caem mortos. O narrador foge da casa exatamente a tempo
de vê-la desmoronar-se no lago vizinho.
O estranho tem aqui duas fontes. A primeira: o número de
coincidências (tantas quanto numa história de sobrenatural
explicado). Assim poderiam parecer sobrenaturais a ressurreição
da irmã e a queda da casa depois da morte de seus habitantes; mas
Poe não deixou de explicar racionalmente um e outro
acontecimento. Assim, diz ele da casa: “Talvez o olho de um
observador minucioso descobrisse uma rachadura quase
imperceptível, que partindo do teto da fachada, abria caminho em
ziguezague através da parede e ia perder-se nas águas funestas do
lago”. E de Lady Madeline: “Crises freqüentes, embora
passageiras, de caráter quase cataléptico, eram os diagnósticos
muito singulares”. A ex- [Página 158] plicação sobrenatural é
portanto apenas sugerida, e não é necessário aceitá-la.
A outra série de elementos que provocam a impressão de
estranheza não está ligada ao fantástico mas ao que se poderia
chamar de “experiência dos limites”, e que caracteriza o conjunto
da obra de Poe. Baudelaire já escrevia a seu respeito: “Nenhum
homem contou com maior magia as exceções da vida humana e da
natureza”. Em A Queda da Casa de Usher, é o estado
extremamente doentio do irmão e da irmã que perturba o leitor.
Em outras partes, serão cenas de crueldade, o gozo no assassinato,
que provocam o mesmo efeito estranho. Esse sentimento parte
pois dos temas evocados, os quais se ligam a tabus mais ou menos
antigos.
Passemos agora ao outro lado da linha mediana que
chamamos de fantástica. Estamos no fantástico-maravilhoso, por
outras palavras, na classe de narrativas que se apresentam como
fantásticas e que terminam no sobrenatural. São essas as
narrativas mais próximas do fantástico puro, pois este, pelo
próprio fato de não ter sido explicado, racionalizado, nos sugere a
existência do sobrenatural. O limite entre os dois será portanto
incerto; entretanto, a presença ou a ausência de certos pormenores
nos permitirá sempre decidir.
A Morta Apaixonada de Théophile Gautier pode servir-nos
de exemplo. É a história de um monge que, no dia de sua
ordenação, apaixona-se pela cortesã Clarimonde. Depois de
alguns encontros fugidios, Romuald (é o nome do monge) assiste
à morte de Clarimonde. Desde esse dia, ela começa a aparecer em
seus sonhos. Êsses sonhos têm aliás uma estranha propriedade: ao
invés de e formar a partir das impressões do dia, constituem uma
narrativa contínua. Nesses sonhos, Romuald não vive mais a
existência austera de um monge, mas vive em Veneza, no fausto
de contínuas festas. E, ao mesmo tempo, ele percebe que
Clarimonde se mantém viva graças ao sangue que vem sugar
durante a noite...
Até aqui, todos os acontecimentos podem ter uma
explicação racional. O sonho justifica grande parte deles (“Queira
Deus que seja um sonho!”, exclama Romuald, assemelhando-se
nisso a Alvare no Diabo Apaixonado); as ilusões dos sentidos,
outro tanto. Assim: “Uma noite, passeando nas aléias orladas de
buxo de [Página 159] meu jardinzinho, pareceu-me ver através
dos arbustos uma forma de mulher”; “Um instante acreditei
mesmo ter visto mexer-se seu pé...“; “Não sei se isso era uma
ilusão ou um reflexo da lâmpada, mas dir-se-ia que o sangue
recomeçava a circular sob aquela opaca palidez” etc. Afinal, uma
série de acontecimentos podem ser considerados como
simplesmente estranhos, ou devidos ao acaso; mas Romuald está
inclinado a ver neles a intervenção do demônio: “A estranheza da
aventura, a beleza sobrenatural de Clarimonde, o brilho fosfórico
de seus olhos, a impressão escaldante de sua mão, a perturbação
em que ela me lançara, a súbita mudança que em mim se operara,
tudo isso provava claramente a presença do demônio, e essa mão
acetinada talvez não fosse mais que a luva com a qual ele tinha
recoberto sua garra”.
Pode ser o diabo, com efeito, mas pode ser também só o
acaso. Permanecemos pois até aqui no fantástico puro. Produz-se
nesse momento um acontecimento que impõe o fantásticomaravilhoso.
Outro abade, Sérapion, fica sabendo (não se sabe
como) da aventura de Romuald; ele leva este último até o
cemitério onde repousa Clarimonde; desenterra o caixão, abre-o e
Clarimonde aparece tão fresca como no dia de sua morte, com
uma gota de sangue nos lábios... Tomado de piedosa cólera, o
abade Sérapion joga água benta sobre o cadáver. “Mal a pobre
Clarimonde foi tocada pelo santo orvalho e seu belo corpo caiu
em poeira; não era mais que uma mistura horrivelmente informe
de cinzas e ossos meio calcinados”. Toda essa cena, e em
particular a metamorfose do cadáver, não pode ser explicada pelas
leis da natureza tais quais são reconhecidas; estamos pois no
fantástico-maravilhoso.
Existe afinal um maravilhoso puro que, da mesma forma
que o estranho, não tem limites nítidos: obras extremamente
diversas contêm elementos de maravilhoso. No caso do
maravilhoso, os elementos sobrenaturais não provocam qualquer
reação particular nem nas personagens nem no leitor implícito.
Não é uma atitude para com os acontecimentos contados que
caracteriza o maravilhoso, mas a própria natureza desses
acontecimentos. Os contos de fadas, a ficção científica são
algumas das variedades do maravilhoso; mas eles já nos levam
longe do fantástico. [Página 160]
Tentemos agora mudar de perspectiva. No lugar da pergunta
inicial “que é o fantástico?”, façamos uma outra, “por que o
fantástico?” Uma vez identificada a estrutura do gênero,
perguntemo-nos sobre sua função.
Essa pergunta se subdivide aliás, imediatamente, em vários
problemas particulares. Pode primeiramente reportar-se ao
fantástico, isto é, a uma certa reação diante do sobrenatural; ou
ainda ao sobrenatural ele próprio. Nesse último caso, podemos
distinguir uma função literária e uma função social do
sobrenatural. Comecemos por esta última.
Tomemos uma série de temas que provocam freqüentemente
a introdução de elementos sobrenaturais: o incesto, o amor
homossexual, o amor a vários, a necrofilia, a sensualidade
excessiva... Temos a impressão de ler uma lista de temas
proibidos, estabelecida pela censura: cada um desses temas foi, de
fato, freqüentemente proibido, e pode ser ainda em nossos dias.
Além disso, ao lado da censura institucionalizada, existe outra,
mais sutil e também mais generalizada: a que reina na psique dos
autores. A condenação de certos atos pela sociedade provoca uma
condenação que ocorre no próprio indivíduo, proibindo-o de
abordar certos temas tabus. O fantástico é um meio de combate
contra uma e outra censura: os desencadeamentos sexuais serão
mais bem aceitos por qualquer espécie de censura se pudermos
atribuí-los ao diabo.
Outro grupo de temas que provocam freqüentemente a
aparição de elementos sobrenaturais se liga ao mundo da psicose
e ao da droga. Ora, aquele que pensa como um psicótico está
condenado pela sociedade de modo não menos severo que o
criminoso que transgride os tabus: ele é, assim como este último,
encarcerado, sua prisão se chama casa de saúde. Não é por acaso
também que a sociedade reprime o emprego de drogas e
encarcera, ainda uma vez, aqueles que as usam: as drogas
suscitam uma maneira de pensar considerada culpada. Podemos
concluir que, desse ponto de vista, a introdução de elementos
sobrenaturais é um meio de evitar a condenação que a sociedade
lança sobre a loucura. A função do sobrenatural é subtrair o texto
à ação da lei e, por esse meio, transgredi-la.
Passemos à função literária do sobrenatural. Existe uma
coincidência curiosa entre os autores que [Página 161] cultivam o
sobrenatural e os que, na obra, se procupam particularmente com
o desenvolvimento da ação, ou, se se quiser, que contam histórias:
são os mesmos. Os contos de fadas nos dão a forma primeira e
também a mais estável, da narrativa. Ora, é nesses contos que
encontramos primeiramente acontecimentos sobrenaturais. A
Odisséia, o Decameron, Don Quixote possuem todos, em
diferentes graus, elementos maravilhosos; são, ao mesmo tempo,
as maiores narrativas do passado. Na época moderna, não é
diferente: são narradores, Balzac, Mérimée, Hugo, Flaubert,
Maupassant, que escrevem contos fantásticos. Não se pode
afirmar que exista aí uma relação de implicação, existem autores
cujas narrativas não fazem apelo ao fantástico; mas a coincidência
é entretanto por demais freqüente para ser gratuita.
Para tentar explicá-la, é preciso indagar sobre a própria
natureza da narrativa. Devemos começar por construir uma
imagem da narrativa mínima, não aquela que se encontra
habitualmente nos textos contemporâneos, mas a daquele núcleo
sem o qual não se pode dizer que exista narrativa. A imagem será
a seguinte: toda narrativa é movimento entre dois equilíbrios
semelhantes mas não idênticos. No começo da narrativa, haverá
sempre uma situação estável, as personagens formam uma
configuração que pode ser móvel mas que conserva entretanto
intatos certo número de traços fundamentais. Digamos, por
exemplo, que uma criança vive no seio de sua família; ela
participa de uma micro-sociedade que tem suas próprias leis. Em
seguida, sobrevém algo que rompe a calma, que introduz um
desequilíbrio (ou, se se quiser, um equilíbrio negativo); assim, a
criança deixa, por uma razão ou por outra, sua casa. No fim da
história, depois de ter superado muitos obstáculos, a criança,
crescida, reintegrará sua casa paterna. O equilíbrio é então
restabelecido mas não é o mesmo do começo: a criança não é
mais criança, é um adulto entre outros. A narrativa elementar
comporta pois dois tipos de episódio: os que descrevem um
estado de equilíbrio ou de desequilíbrio e os que descrevem a
passagem de um a outro. Os primeiros se opõem aos segundos
como o estático ao dinâmico, como a estabilidade à modificação,
como o adjetivo ao verbo. Toda narrativa comporta esse esquema
funda- [Página 162] mental, se bem que seja freqüentemente
difícil reconhecê-lo: podemos suprimir seu começo ou seu fim,
intercalar digressões, outras narrativas etc.
Procuremos agora o lugar dos elementos sobrenaturais nesse
esquema. Tomemos, por exemplo, a “História dos amores de
Camaralzaman” das Mil e Uma Noites. Este Camaralzaman é o
filho do rei da Pérsia e é o mais inteligente e mais belo rapaz do
reino e mesmo para além das fronteiras. Um dia, seu pai decide
casá-lo; mas o jovem príncipe descobre de repente ter uma
aversão insuportável pelas mulheres, e recusa categoricamente a
obedecer-lhe. Para puni-lo, seu pai o fecha numa torre. Eis uma
situação (de desequilíbrio) que poderia bem durar dez anos. Mas é
nesse momento que o elemento sobrenatural intervém. A fada
Maimune descobre um dia, em suas peregrinações, o belo rapaz e
dele se encanta; ela encontra em seguida um gênio, Danhasch,
que conhece a filha do rei da China, que é evidentemente a mais
bela princesa do mundo; além disso, esta se recusa
obstinadamente a casar-se. Para comparar a beleza dos dois
heróis, a fada e o gênio transportam a princesa adormecida ao
leito do príncipe adormecido; depois os despertam e os observam.
Segue-se uma longa série de aventuras, em que o príncipe e a
princesa vão procurar reunir-se, depois desse fugidio e noturno
encontro; por fim, formam uma nova família.
Temos aí um equilíbrio inicial e um equilíbrio final
perfeitamente realistas. Os acontecimentos sobrenaturais intervêm
para romper o desequilíbrio mediano e provocar a longa demanda
do segundo equilíbrio. O sobrenatural aparece na série de
episódios que descrevem a passagem de um estado a outro. Com
efeito, o que poderia melhor transtornar a situação estável do
começo, que os esforços de todos os participantes tendem a
consolidar, senão precisamente um acontecimento exterior, não só
à situação, mas ao próprio mundo natural?
Uma lei fixa, uma regra estabelecida: eis o que imobiliza a
narrativa. Mas, para que a transgressão da lei provoque uma
modificação rápida, é preciso que forças sobrenaturais
intervenham; senão a narrativa corre o risco de se arrastar,
esperando que um justiceiro humano perceba a ruptura do
equilíbrio inicial. O elemento maravilhoso é a matéria que melhor
preenche [Página 163] essa função precisa: trazer uma
modificação da situação precedente, romper o equilíbrio (ou o
desequilíbrio). Ao mesmo tempo, é preciso dizer que essa
modificação pode produzir-se por outros meios, se bem que esses
sejam menos eficazes.
A relação do sobrenatural com a narração torna-se então
clara: todo texto fantástico é uma narrativa, pois o elemento
sobrenatural modifica o equilíbrio anterior, ora, esta é a própria
definição da narrativa; mas nem toda narrativa pertence ao
maravilhoso, se bem que exista entre eles uma afinidade, na
medida em que o maravilhoso realiza essa modificação de
maneira mais rápida. Torna-se claro, afinal, que a função social e
a função literária do sobrenatural são uma única: trata-se da
transgressão de uma lei. Seja no interior da vida social ou da
narrativa, a intervenção do elemento maravilhoso constitui
sempre uma ruptura no sistema de regras preestabelecidas, e acha
nisso sua justificação.
Podemos, finalmente, indagar acerca da função do próprio
fantástico: isto é, não mais sobre a função do acontecimento
sobrenatural, mas sobre a da reação que ele suscita. Essa pergunta
parece do maior interesse, pois, se o sobrenatural e o gênero que
lhe corresponde, o maravilhoso, existem desde sempre e
continuam a proliferar hoje, o fantástico teve uma vida
relativamente breve. Apareceu de maneira sistemática no fim do
século XVIII, com Cazotte; um século mais tarde, encontramos
nas novelas de Maupassant os últimos exemplos esteticamente
satisfatórios do gênero. Podemos encontrar exemplos de hesitação
fantástica em outras épocas, mas só excepcionalmente essa
hesitação será representada. Existe uma razão para esta curta
vida? Ou ainda: por que a literatura fantástica não existe mais?
Para tentar responder a essas perguntas, é preciso examinar
de mais perto as categorias que nos serviram para descrever o
fantástico. O leitor e o herói, como vimos, devem decidir se tal
acontecimento, tal fenômeno pertence à realidade ou ao
imaginário, se é real ou não. É pois a categoria de real que serve
de base à nossa definição do fantástico.
Mal tomamos consciência desse fato e devemos parar,
espantados. Por sua própria definição, a literatura passa além da
distinção do real e do imaginário, do que existe e do que não
existe. Pode-se mesmo dizer [Página 164] que é em parte graças à
literatura, à arte, que essa distinção se torna impossível de
sustentar. O objeto literário é ao mesmo tempo real e irreal; por
isso, contesta o próprio conceito de real.
De maneira mais geral, a literatura contesta toda dicotomia
desse gênero. É da própria natureza da linguagem recortar o
dizível em pedaços descontínuos; o nome, pelo fato de escolher
uma ou várias propriedades do conceito que ele constitui, exclui
todas as outras propriedades e coloca a antítese disto e seu
contrário. A literatura existe pelas palavras; mas sua vocação
dialética é dizer mais do que a linguagem diz, ultrapassar as
divisões verbais. Ela é, no interior da linguagem, o que destrói a
metafísica inerente a toda linguagem. O próprio do discurso
literário é ir além da linguagem (senão ele não teria razão de ser);
a literatura é como uma arma assassina pela qual a linguagem
realiza seu suicídio. Mas, se assim é, essa variedade da literatura
que se funda sobre divisões lingüísticas como a do real e do irreal
não seria literatura.
A situação é, na verdade, mais complexa: pela hesitação que
cria, a literatura fantástica coloca precisamente em questão a
existência dessa irredutível oposição. Mas para negar uma
oposição, é preciso primeiramente conhecer seus termos; para
realizar um sacrifício, é preciso saber o que sacrificar. Assim se
explica a impressão ambígua que deixa a literatura fantástica: por
um lado, ela representa a quintessência da literatura, na medida
em que o questionamento do limite entre real e irreal, próprio de
toda literatura, é seu centro explícito. Por outro lado, entretanto,
ela não é mais que uma propedêutica da literatura: combatendo a
metafísica da linguagem cotidiana, ela lhe dá vida; ela deve partir
da linguagem, mesmo se for para recusá-la. Ora, a literatura, no
sentido próprio, começa para além da oposição entre real e irreal.
Se certos acontecimentos do universo de um livro
pretendem ser explicitamente imaginários, contestam assim a
natureza do imaginário do resto do livro. Se tal aparição é apenas
o fruto de uma imaginação super-excitada, é que tudo o que a
cerca é verdadeiro, real. Longe pois de ser um elogio do
imaginário, a literatura fantástica coloca a maior parte de um texto
como pertencente ao real, ou mais exatamente, como provocada
[Página 165] por ele, como um nome dado a coisa preexistente. A
literatura fantástica nos deixa em mãos duas noções, a de
realidade e a de literatura, tão insatisfatórias uma como a outra.
O século XIX vivia, é verdade, numa metafísica do real e do
imaginário, e a literatura fantástica nada mais é que a má
consciência desse século XIX positivista. Mas hoje já não se pode
acreditar numa realidade imutável, externa, nem numa literatura
que fosse apenas a transcrição dessa realidade. As palavras
ganharam uma autonomia que as coisas perderam. A literatura
que sempre afirmou essa outra visão é sem dúvida um dos móveis
dessa evolução. A própria literatura fantástica, que subverteu, ao
longo de suas páginas, as categorizações lingüísticas, recebeu ao
mesmo tempo um golpe fatal; mas dessa morte, desse suicídio
nasceu uma nova literatura. [Página 166]
6. A DEMANDA DA NARRATIVA
É preciso tratar a literatura como literatura. Esse slogan,
enunciado sob essa mesma forma há mais de cinqüenta anos,
deveria ter-se tornado um lugar-comum, perdendo pois sua força
polêmica. Nada disso aconteceu, entretanto; e o apelo por uma
“volta à literatura”, nos estudos literários, conserva toda a sua
atualidade; ainda mais, parece estar condenado a não ser mais que
uma força, e nunca um estado adquirido.
Isso porque esse imperativo é duplamente paradoxal.
Primeiro, as frases do tipo: “A literatura é a literatura” levam um
nome preciso: são tautologias, frases onde a junção do sujeito e
do predicado não produz [Página 167] nenhum sentido, já que
esse sujeito e esse predicado são idênticos. Por outras palavras,
são frases que constituem um grau zero do sentido. Por outro
lado, escrever sobre um texto é produzir outro texto; desde a
primeira frase articulada pelo comentador, ele falseia a tautologia,
que só podia subsistir com a condição de seu silêncio. Não se
pode permanecer fiel a um texto a partir do instante em que
escrevemos. E mesmo se o novo texto pertence também à
literatura, não se trata mais da mesma literatura. Quer se queira ou
não, escreve-se: a literatura não é a literatura, este texto não é este
texto...
O paradoxo é duplo; mas é precisamente nessa duplicidade
que reside a possibilidade de o ultrapassar. Dizer uma tautologia
como essa não é inútil, na mesma medida em que a tautologia
nunca será perfeita. Poderemos jogar com a imprecisão da regra,
entraremos no jogo do jogo, e a exigência “Tratar a literatura
como literatura” reencontrará sua legitimidade.
Basta, para o constatar, que nos voltemos para um texto
preciso e suas exegeses correntes: percebemos logo que a
exigência de se tratar um texto literário como texto literário não é
nem uma tautologia nem uma contradição. Um exemplo extremo
nos é dado pela literatura da Idade Média: será excepcional
vermos uma obra medieval examinada numa perspectiva
propriamente literária. N. S. Troubetzkoy, fundador da lingüística
estrutural, escrevia em 1926, a respeito da história literária da
Idade Média: “Lancemos um olhar sobre os manuais e os cursos
universitários ligados a essa ciência. Raramente tratam da
literatura com tal. Tratam da instrução (mais exatamente, da
ausência de instrução), dos traços da vida social, refletidos (mais
exatamente, insuficientemente refletidos) em sermões, crônicas e
‘vidas’, da correção dos textos eclesiásticos; em uma só palavra,
tratam de numerosas questões. Mas raramente falam de literatura.
Existem algumas apreciações estereotipadas, que se aplicam às
mais diversas obras literárias da Idade Média: algumas dessas
obras são escritas num estilo ‘florido’, outras, de uma maneira
‘simples’ ou ‘ingênua’. Os autores desses manuais e desses cursos
têm uma atitude precisa com relação a essas obras: ela é sempre
despreziva, desdenhosa; no melhor dos casos, é desdenhosa e
condescendente; mas às vezes é franca- [Página 168] mente
indignada e malevolente. A obra literária da Idade Média é
julgada ‘interessante’ não pelo que ela é, mas na medida em que
reflete os traços da vida social (quer dizer que ela é julgada na
perspectiva da história social não da história literária), ou ainda,
na medida em que ela contém indicações, diretas ou indiretas,
sobre os conhecimentos literários do autor (de preferência sobre
obras estrangeiras)”. Com ligeiras nuanças, esse julgamento
poderia ser aplicado também aos estudos atuais sobre a literatura
medieval (Leo Spitzer o repetiria uns quinze anos mais tarde).
Essas nuanças não são menosprezáveis, está claro. Um Paul
Zumthor traçou novas vias para o conhecimento da literatura
medieval. Comentaram-se e estudaram-se um grande número de
textos, com uma precisão e uma seriedade que não devem ser
subestimados. As palavras de Troubetzkoy continuam entretanto
válidas para o conjunto, por mais significativas que sejam as
exceções.
O texto cuja leitura aqui esboçaremos já foi objeto de um
estudo atento e detalhado. Trata-se da Demanda do Santo Graal,
obra anônima do século XIII, e do livro de Albert Pauphilet
Etudes sur la Queste dei Saint Graal (H. Champion, 1921). A
análise de Pauphilet leva em conta aspectos propriamente
literários do texto; tudo o que nos resta a fazer é tentar levar mais
adiante essa análise.
A Narrativa Significante
“A maior parte dos episódios, uma vez narrados, são
interpretados pelo autor, do modo como os doutores daquele
tempo interpretavam os detalhes da Santa Escritura”, escreve
Albert Pauphilet.
Esse texto contém pois sua própria glosa. Mal termina uma
aventura, seu herói encontra algum eremita que lhe declara não ter
ele vivido uma simples aventura, mas o sinal de outra coisa.
Assim, desde o início, Galaaz1 vê várias maravilhas e não
consegue compreendê-las enquanto não encontra um sábio. “Sire,
diz esse
____________________
Nota de rodapé (1) Adotei para os nomes próprios a forma em que aparecem no
texto medieval português (Augusto Magne, A Demanda do Santo Graal, Rio de Janeiro,
Imprensa Nacional, 1944). [Página 169]
último, vos me perguntastes a significação dessa aventura, ei-la.
Ela apresentava três provas temíveis: a pedra pesada demais para
se levantar, o corpo do cavaleiro que era necessário jogar fora e
aquela voz que se ouvia e que fazia perder o sentido e a memória.
Dessas três coisas, eis o sentido.” E o santo homem concluía:
“Conheceis agora a significação da coisa. — Galaaz declarou que
ela tinha muito mais sentido do que ele pensara”.
Nenhum cavaleiro passa ao largo dessas explicações. Eis
Galvam: “Esse costume de reter as Donzelas, introduzido pelos
sete irmãos, não é desprovido de significação! — Ah! sire, disse
Galvam, explicai-me essa significação para que eu a possa contar
quando voltar à corte”. E Lançalot: “Lançalot contou-lhe as três
palavras que a voz tinha pronunciado na capela, quando ele foi
chamado de pedra, coluna e figueira. Por Deus, concluiu ele,
dizei-me a significação dessas três coisas. Pois nunca ouvi palavra
que tivesse tanto desejo de compreender”. O cavaleiro pode
adivinhar que sua aventura tem um segundo sentido, mas não o
pode encontrar sozinho. Assim, “Boorz ficou muito espantado
com essa aventura e não soube o que ela significava; mas
adivinhava bem que devia ter uma significação maravilhosa”.
Os detentores do sentido formam uma categoria à parte entre
as personagens: são os “santos homens”, eremitas, abades e
reclusas. Assim como os cavaleiros não podiam saber, estes não
podiam agir; nenhum deles participará de uma peripécia: salvo
nos episódios de interpretação. As duas funções estão
rigorosamente distribuídas entre as duas classes de personagens;
essa distribuição é tão bem conhecida, que os próprios heróis a ela
se referem: “Vimos tanta coisa, adormecidos ou acordados,
continuou Galvam, que deveríamos pôr-nos à procura de um
eremita que nos explicasse o sentido de nossos sonhos”. No caso
de não conseguirem descobrir um, o próprio céu intervém e “uma
voz se faz ouvir”, explicando tudo.
Confrontamo-nos pois, desde o início, e de maneira
sistemática, com uma narrativa dupla, com dois tipos de
episódios, de natureza distinta, mas que dizem respeito ao mesmo
acontecimento e que se alternam regularmente. O fato de tomar os
acontecimentos ter- [Página 170] restres como sinais de vontades
celestiais era coisa corrente na literatura da época. Mas enquanto
outros textos separavam totalmente o significante do significado,
omitindo o segundo, contando com sua notoriedade, A Demanda
do Graal põe os dois tipos de episódios uns ao lado dos outros; a
interpretação está incluída na trama da narrativa. Metade do texto
trata das aventuras, a outra, do texto que as descreve. O texto e o
metatexto são postos em continuidade.
Essa forma de equação poderia já nos prevenir contra urna
distinção demasiadamente nítida dos sinais e suas interpretações.
Uns e outros episódios se ligam (sem nunca se identificar entre si)
por isto de comum: os sinais, assim como sua interpretação, não
são outra coisa senão narrativas. A narrativa de uma aventura
significa uma outra narrativa; são as coordenadas espaçotemporais
do episódio que mudam, não sua própria natureza. Isso
era, ainda uma vez, coisa corrente na Idade Média, que estava
habituada a decifrar as narrativas do Velho Testamento como
designando narrativas do Novo Testamento; e encontramos
exemplos dessa transposição, na Demanda do Graal. “A morte de
Abel, naquele tempo em que só havia três homens sobre a terra,
anunciava a morte do verdadeiro Crucificado; Abel significava a
Vitória e Caim representava Judas. Assim como Caim saudou seu
irmão antes de o matar, Judas devia saudar o Senhor antes de o
entregar à morte. Esses dois mortos se harmonizam bem, senão
em altura, pelo menos como significado”. Os comentadores da
Bíblia estão à procura de uma invariante comum às diferentes
narrativas.
Na Demanda do Graal, as interpretações remetem, com
maior ou menor imprecisão, a duas séries de acontecimentos. A
primeira pertence a um passado distante de algumas centenas de
anos: ela diz respeito a José de Arimatéia, a seu filho Josefes, ao
rei Mordrain e ao rei Méhaignié; é esta a série habitualmente
designada pelas aventuras dos cavaleiros ou seus sonhos. Ela
própria, por sua vez, não é mais que uma nova “semelhança” com
respeito à vida de Cristo. A relação das três é claramente
estabelecida durante a narrativa das três mesas, feita a Persival
por sua tia: “Sabeis que desde o advento de Jesus Cristo, houve
três mesas principais no mundo. A primeira foi a mesa de Jesus
Cristo, onde os [Página 171] apóstolos comeram varias vezes. (...)
Depois dessa mesa, houve uma outra à semelhança e memória da
primeira. Foi a Távola do Santo Graal, da qual se viu tão grande
milagre nesse país no tempo de José de Arimatéia, no começo da
Cristandade sobre a terra. (...) Depois dessa mesa, houve ainda a
Távola Redonda, estabelecida segundo o conselho de Merlim, e
para uma alta significação”. Cada acontecimento da última série
significa acontecimentos das séries precedentes. Assim, durante
as primeiras provas de Galaaz, existe a do escudo; uma vez
terminada a aventura, um enviado do céu aparece em cena.
“Escutai-me, Galaaz. — Quarenta e dois anos depois da paixão de
Jesus Cristo aconteceu que José de Arimatéia (...) deixou
Jerusalém com numerosos parentes. Caminharam” etc.; segue-se
outra aventura, mais ou menos semelhante à que aconteceu a
Galaaz e que constitui o sentido desta. O mesmo sucede quanto às
referências à vida de Cristo, essas mais discretas, já que sua
matéria é mais conhecida. “Pela semelhança senão pela grandeza,
deve-se comparar vossa vinda à de Cristo, diz um santo homem a
Galaaz. E da mesma forma ainda que os profetas, bem antes de
Jesus Cristo, tinham anunciado sua vinda, e que ele livraria o
homem do inferno, assim os eremitas e os santos anunciaram
vossa vinda há mais de vinte anos.”
A semelhança entre os sinais-a-interpretar e sua
interpretação não é puramente formal. A melhor prova disso é o
fato de que, às vezes, acontecimentos que pertenciam ao primeiro
grupo aparecem em seguida no segundo. Assim, em particular,
um sonho estranho de Galvam, onde ele vê uma tropa de touros
de pêlo malhado. O primeiro santo homem encontrado lhe explica
que se trata precisamente da procura do Graal, da qual ele,
Galvam, participa. Os touros dizem no sonho: “Vamos procurar
em outra parte melhor pasto”, o que remete aos Cavaleiros da
Távola Redonda, que disseram no dia de Pentecostes: “Vamos à
procura do Santo Graal” etc. Ora, a narrativa do juramento feito
pelos cavaleiros da Távola Redonda se encontra nas primeiras
páginas da Demanda, e não num passado legendário. Não há pois
nenhuma diferença de natureza entre as narrativas-significantes e
as narrativas-significadas, já [Página 172] que podem aparecer
umas no lugar das outras. A narrativa é sempre significante;
significa outra narrativa.
A passagem de uma narrativa a outra é possível graças à
existência de um código. Esse código não é invenção pessoal do
autor da Demanda, ele é comum a todas as obras da época:
consiste em ligar um objeto a outro; podemos facilmente conceber
a constituição de um verdadeiro léxico.
Eis um exemplo desse exercício de tradução. “Quando ela te
conquistou com suas palavras mentirosas, fez alçar seu pavilhão e
te disse: ‘(Persival, vem descansar até que a noite desça e retira-te
desse sol que te queima)’. Essas palavras têm maior significado e
ela queria dizer coisa bem diversa do que a que pudeste ouvir. O
pavilhão, que era redondo como o universo, representa o mundo,
que nunca será sem pecado; e porque o pecado aí habita sempre,
ela não queria que fosses alojado noutra parte. Dizendo-te que te
sentasses e que te repousasses, queria significar que fosses ocioso
e que alimentasses teu corpo com gulodices terrestres. (...) Ela te
chamava, pretextando que o sol ia queimar-te, e não é
surpreendente que ela o temesse. Pois quando o sol, que significa
Jesus Cristo, a verdadeira luz, abrasa o homem com o fogo do
Espírito Santo, o frio e o gelo do Inimigo não podem mais fazerlhe
mal, pois seu coração está fixado no grande sol.”
A tradução vai pois do mais conhecido ao menos conhecido,
por mais surpreendente que isso possa parecer. São as ações
cotidianas; sentar-se, alimentar-se, os objetos mais corriqueiros: o
pavilhão, o sol, que se revelam como sinais incompreensíveis
para as personagens e que precisam ser traduzidos na língua dos
valores religiosos. A relação entre a série-a-traduzir e a tradução
estabelece-se através de uma regra que se poderia chamar de
“identificação pelo predicado”. O pavilhão é redondo: o universo
é redondo; portanto, o pavilhão pode significar o universo. A
existência de um predicado comum permite aos dois sujeitos
tornarem-se o significante um do outro. Ou ainda: o sol é
luminoso; Jesus Cristo é luminoso; portanto, o sol pode significar
Jesus Cristo.
Reconhece-se nessa regra de identificação pelo predicado o
mecanismo da metáfora. Essa figura, ao [Página 173] mesmo
título que as outras figuras da retórica, se encontra na base de todo
sistema simbólico. As figuras repertoriadas pela retórica são casos
particulares de uma regra abstrata, que preside ao nascimento de
significação em toda atividade humana, do sonho à magia. A
existência de um predicado comum torna o sinal motivado; o
arbitrário do sinal, que caracteriza a língua cotidiana, parece ser
um caso excepcional.
Entretanto o número de predicados (ou de propriedades) que
se podem ligar a um sujeito é ilimitado; os significados possíveis
de qualquer objeto, de qualquer ação são portanto infinitos. No
interior de um único sistema de interpretação, já se propõem
vários sentidos: o santo homem que explica a Lançalot a frase “Tu
és mais duro que a pedra”, mal termina a primeira explicação,
enceta uma nova: “Mas, se se quiser, pode-se entender “pedra” de
outra maneira ainda”. A cor negra significa o pecado numa
aventura de Lançalot; a Santa Igreja e portanto a virtude, num
sonho de Boorz. Isso permite ao inimigo, vestido de padre, propor
falsas interpretações aos crédulos cavaleiros. Ei-lo, dirigindo-se a
Boorz: “O pássaro que se parecia com um cisne significa uma
donzela que te ama há muito e que logo virá pedir-te que sejas seu
amigo. (...) O pássaro negro é o grande pecado que te fará recusála...“
E eis, algumas páginas além, a outra interpretação, dada por
um padre não disfarçado: “O pássaro negro que vos apareceu é a
Santa Igreja, que diz: Sou negra mas sou bela, sabei que minha
cor escura vale mais que a brancura de outrem”. Quanto ao
pássaro branco, que se parecia com um cisne, era o Inimigo.
“Com efeito, o cisne é branco por fora e negro por dentro” etc.
Como encontrar o caminho, nesse arbitrário das
significações, arbitrário muito mais perigoso que o da linguagem
comum? O representante do bem, e o representante do mal se
servem da mesma regra geral de “identificação pelo predicado”.
Pois não é graças a ela que teríamos podido descobrir a falsidade
da primeira interpretação; mas porque, e isso é essencial, o
número dos significados é reduzido e sua nature7a é conhecida de
antemão, O pássaro branco não podia significar uma donzela
inocente, pois os sonhos nunca falam delas: só pode significar, em
última análise, duas coisas: Deus e o demônio. Certa interpretação
psicanalítica dos sonhos [Página 174] não é feita de outro modo;
o arbitrário transbordante que dá toda interpretação pelo
predicado comum é circunscrito e regularizado pelo fato de se
saber o que se vai descobrir: “as idéias de si e dos parentes
imediatamente consangüíneos, os fenômenos do nascimento, do
amor e da morte” (Jones). Os significados são dados de antemão,
aqui como lá. A interpretação dos sonhos, que se encontra na
Demanda do Graal, obedece às mesmas leis que as de Jones, e
comporta o mesmo número de a-priori; somente a natureza dos apriori
é diferente. Eis um último exemplo (análise de um sonho
de Boorz): “Uma das flores se inclinava para a outra para lhe tirar
a brancura, como o cavaleiro tentou deflorar a donzela. Mas o
santo homem os separava, o que significa que Nosso Senhor, que
não queria sua perda, vos enviou para separá-los e salvar a
brancura de ambos...”
Não bastará que os significantes e os significados, as
narrativas a interpretar e as interpretações sejam da mesma
natureza. A Demanda do Graal vai mais longe; ela nos diz: o
significado é significante, o inteligível é sensível. Uma aventura é
ao mesmo tempo uma aventura real e o símbolo de outra aventura;
nisso a narrativa medieval se distingue das alegorias às quais
estamos habituados, e nas quais o sentido literal se tornou pura
transparência, sem nenhuma lógica própria. Pensemos nas
aventuras de Boorz. Esse cavaleiro chega uma noite a uma “forte
e alta torre”; aí fica para passar a noite; enquanto está sentado à
mesa com a “dama deste lugar”, um criado entra para anunciar
que a irmã mais velha desta vem contestar-lhe a propriedade de
seus bens; que salvo se ela enviar, no dia seguinte, um cavaleiro,
para encontrar um representante de sua irmã mais velha em
combate singular, ela será privada de suas terras. Boorz propõe
seus serviços para defender a causa de sua anfitriã. No dia
seguinte, vai ao campo do encontro e uma rude peleja se trava.
“Os dois cavaleiros eles próprios se afastam, depois se lançam a
galope, um sobre o outro, e se golpeiam tão duramente que seus
escudos se furam e suas cotas se rasgam. (...) Por cima, por baixo,
dilaceram seus escudos, arrebentam suas cotas nos quadris e nos
braços; ferem-se profundamente, fazendo jorrar o sangue sob as
claras espadas cortantes. Boorz encontra no cavaleiro uma
[Página 175] resistência bem maior do que esperava.” Trata-se
pois de um combate real, onde se pode ser ferido, onde é preciso
empregar todas as suas forças (físicas) para levar a bom termo a
aventura.
Boorz ganha o combate; a causa da irmã mais nova está
salva e nosso cavaleiro vai à cata de outras aventuras. Entretanto,
depara-se com um santo homem que lhe explica que a dama não
era absolutamente uma dama, nem o cavaleiro-adversário um
cavaleiro. “Por essa dama, entendemos a Santa Igreja, que
conserva a cristandade na verdadeira fé, e que é o patrimônio de
Jesus Cristo. A outra dama, que tinha sido deserdada e lhe
declarava guerra, é a Antiga Lei, o inimigo que guerreia sempre
contra a Santa Igreja e os seus.” Portanto, aquele combate não era
um combate terrestre e material, mas simbólico; eram duas idéias
que lutavam, não dois cavaleiros. A oposição entre material e
espiritual é continuamente posta e negada.
Tal concepção do sinal contradiz nossos hábitos. Para nós, o
combate deve desenrolar-se ou no mundo material ou no das
idéias; é terrestre ou celeste, mas não os dois ao mesmo tempo. Se
são duas idéias que lutam, o sangue de Boorz não pode ser
derramado, só seu espírito é concernido. Sustentar o contrário é
infringir uma das leis fundamentais de nossa lógica, que é a lei do
terceiro excluído, isto e o contrário não podem ser verdadeiros ao
mesmo tempo, diz a lógica do discurso cotidiano; A Demanda do
Graal afirma exatamente o oposto. Todo acontecimento tem um
sentido literal e um sentido alegórico.
Essa concepção da significação é fundamental para A
Demanda do Graal e é por causa dela que temos dificuldade em
compreender o que é o Graal, entidade ao mesmo tempo material
e espiritual. A intersecção impossível dos contrários é entretanto
constantemente afirmada: “Eles que até então não eram mais que
espírito, embora tivessem um corpo”, dizem-nos de Adão e Eva, e
de Galaaz: “Pôs-se a tremer porque sua carne mortal percebia as
coisas espirituais”. O dinamismo da narrativa repousa sobre essa
fusão dos dois em um.
Pode-se dar, desde já, a partir dessa imagem da significação,
uma primeira estimativa acerca da natureza da demanda e acerca
do sentido do Graal: a busca do Graal é a busca de um código.
Encontrar o Graal é [Página 176] aprender a decifrar a linguagem
divina, o que quer dizer, como vimos, fazer seus os a-priori do
sistema; aliás, como em psicanálise, não se trata aqui de uma
aprendizagem abstrata (qualquer um conhece os princípios da
religião, como hoje do tratamento psicanalítico), mas de uma
prática muito personalizada. Galaaz, Persival e Boorz conseguem,
de modo mais ou menos fácil, interpretar os sinais de Deus.
Lançalot, o pecador, apesar de toda a sua boa vontade, não o
consegue. No limiar do palácio, onde ele poderia contemplar a
divina aparição, vê dois leões montando guarda. Lançalot traduz:
perigo, e tira sua espada. Mas este é o código profano e não
divino. “Imediatamente viu vir do alto uma mão toda inflamada
que o golpeou rudemente no braço e fez voar sua espada. Uma
voz lhe disse: — Ah! homem de pouca fé e crença medíocre, por
que te fias em teu braço mais do que em teu Criador? Miserável,
acreditas que Aquele que te tomou em seu serviço não seja mais
poderoso que tuas armas?” O acontecimento deveria pois ser
traduzido como: prova de fé. Por essa mesma razão, no interior do
palácio, Lançalot não verá mais que uma parte ínfima do mistério
do Graal. Ignorar o código é ver recusar-se para sempre o Graal.
Estrutura da Narrativa
Pauphilet escreve: “Esse conto é uma reunião de
transposições das quais cada uma, tomada à parte, revela com
exatidão nuanças do pensamento. E preciso traze-las à sua
significação moral para descobrir seu encadeamento, O autor
compõe, por assim dizer, no plano abstrato e traduz em seguida”.
A organização da narrativa se faz pois no nível da
interpretação e não no dos acontecimentos-a-interpretar. As
combinações desses acontecimentos são por vezes singulares,
pouco coerentes, mas isto não quer dizer que a narrativa seja
destituída de organização; simplesmente, essa organização se
situa no nível das idéias, não no dos acontecimentos. Tínhamos
falado, a esse propósito, da oposição entre causalidade episódica e
causalidade filosófica; e Pauphilet aproxima, com justeza, essa
narrativa do conto filosófico do século XVIII. [Página 177]
A substituição de uma lógica por outra não se produz sem
problemas. Nesse movimento, A Demanda do Graal revela uma
dicotomia profunda, a partir da qual se elaboram diferentes
mecanismos. Torna-se então possível explicitar, a partir da análise
desse texto particular, certas categorias gerais da narrativa.
Tomemos as provas, acontecimento dos mais freqüentes na
Demanda do Graal. A prova já está presente nas primeiras
narrativas folclóricas; consiste na reunião de dois acontecimentos,
sob a forma lógica de uma frase condicional: “Se X fizer tal ou tal
coisa, então acontecer-(lhe)-á isto ou aquilo”. Em princípio, o
acontecimento do antecedente oferece certa dificuldade, enquanto
o do conseqüente é favorável ao herói. A Demanda do Graal
conhece, está claro, essas provas com suas variações: provas
positivas, ou proezas (Galaaz retira a espada do padrão), e
negativas, ou tentações (Persival consegue não sucumbir aos
encantos do diabo transformado em bela jovem); provas bem
sucedidas (principalmente as de Galaaz) e provas malogradas (as
de Lançalot), que inauguram respectivamente duas séries
simétricas: prova-êxito-recompensa ou prova-malogro-penitência.
Existe aqui uma outra categoria que permite melhor situar as
diferentes provas. Se se comparam as provas a que são
submetidos Persival ou Boorz, de um lado, com as de Galaaz, de
outro, percebe-se uma diferença essencial. Quando Persival
empreende uma aventura, não sabemos de antemão se ele sairá
vitorioso ou não; às vezes ele malogra, às vezes triunfa. A prova
modifica a situação precedente: antes da prova, Persival (ou
Boorz) não era digno de continuar a procura do Graal; depois
dela, se ele triunfa, o é. O mesmo não acontece no que concerne a
Galaaz. Desde o começo do texto, Galaaz é indicado como o Bom
Cavaleiro, o invencível, o que acabará as aventuras do Graal,
imagem e reencarnação de Jesus Cristo. É impensável que Galaaz
malogre; a forma condicional da partida não é mais respeitada.
Galaaz não é eleito porque ele triunfa nas provas, mas triunfa nas
provas porque é eleito.
Isso modifica profundamente a natureza da prova; impõe-se
mesmo distinguir dois tipos de provas e dizer que as de Persival
ou Boorz são provas narrativas, enquanto as de Galaaz, provas
rituais. Com efeito, as [Página 178] ações de Galaaz assemelhamse
muito mais a ritos do que a aventuras comuns. Sentar-se sobre
o Trono Perigoso sem perecer; retirar a espada do padrão; usar o
escudo sem perigo etc., não são verdadeiras provas. O Trono era
inicialmente destinado a “seu mestre”; mas quando Galaaz dele se
aproxima, a inscrição se transforma em “Este é o trono de
Galaaz”. Será pois uma proeza da parte de Galaaz sentar-se nele?
O mesmo para com a espada: o rei Artur declara que “os mais
famosos cavaleiros de minha casa malograram hoje na tentativa
de tirar esta espada do padrão”; ao que Galaaz responde
judiciosamente: “Sire, não é nada de maravilhar, pois se a
aventura me pertencia não podia ser deles”, O mesmo acontece
ainda com o escudo que traz má sorte a todos salvo a um; o
cavaleiro celeste já tinha explicado: “Toma este escudo e leva-o
(...) ao bom cavaleiro que se chama Galaaz (...) Dize-lhe que o
Grande Mestre ordena que ele o use” etc. Não há, novamente
aqui, nenhuma proeza, Galaaz apenas obedece às ordens vindas
do alto, não faz mais que seguir o rito que lhe é prescrito.
Quando se descobre a oposição entre o narrativo e o ritual,
na Demanda, percebe-se que os dois termos dessa oposição se
projetam sobre a continuidade da narrativa, de modo que esta se
divide esquematicamente em duas partes. A primeira se parece
com a narrativa folclórica, é narrativa no sentido clássico da
palavra; a segunda é ritual, pois a partir de certo momento nada
mais acontece de surpreendente, os heróis se transformam em
servidores de um grande rito, o rito do Graal (Pauphilet fala a esse
respeito de Provas e Recompensas). Esse momento se situa no
encontro de Galaaz com Persival, Boorz e a irmã de Persival; esta
última enuncia o que os cavaleiros devem fazer e a narrativa não é
mais que a realização de suas palavras. Estamos então no oposto
da narrativa folclórica, tal qual ela aparece ainda na primeira
parte, apesar da presença do ritual em torno a Galaaz.
A Demanda do Graal é construída sobre a tensão entre essas
duas lógicas: a narrativa e a ritual, ou, se se quiser, a profana e a
religiosa. Podemos observar ambas desde as primeiras páginas: as
provas, os obstáculos (como a oposição do rei Artur ao começo da
demanda) pertencem à lógica narrativa habitual; em [Página 179]
compensação, a aparição de Galaaz, a decisão da demanda — isto
é, os acontecimentos importantes da narrativa — se ligam à lógica
ritual. As aparições do Santo Graal não se encontram numa
relação necessária com as provas dos cavaleiros que se
prosseguem nesse ínterim.
A articulação dessas duas lógicas se faz a partir de duas
concepções contrárias do tempo (e nenhuma delas coincide com a
que é mais habitual). A lógica narrativa implica, idealmente, uma
temporalidade que se poderia qualificar como sendo a do
“presente perpétuo”. O tempo é aqui constituído pelo
encadeamento de inúmeras instâncias do discurso; ora, estas
definem a própria idéia do presente. Fala-se a todo instante do
acontecimento que se produz durante o próprio ato de falar; existe
um paralelismo perfeito entre a série dos acontecimentos de que
se fala e a série das instâncias do discurso. O discurso nunca está
atrasado, nunca adiantado com relação ao que evoca. A todo
instante também, as personagens vivem no presente, e somente no
presente; a sucessão dos acontecimentos é regida por uma lógica
própria, não é influenciada por nenhum fator externo.
Em compensação, a lógica ritual repousa sobre uma
concepção do tempo que é a da “eterna volta”. Nenhum
acontecimento se produz aqui pela primeira nem pela última vez.
Tudo já foi anunciado: e anuncia-se agora o que virá a seguir. A
origem do rito se perde na origem dos tempos; o que nele
importa, é que ele constitui uma regra já presente, já existente.
Contrariamente ao caso precedente, o presente “puro” o
“autêntico” que sentimos plenamente como tal, não existe. Nos
dois casos, o tempo está de certa forma suspenso, mas de maneira
diversa: a primeira vez, pela hipertrofia do presente, a segunda,
por seu desaparecimento.
A Demanda do Graal conhece, como toda narrativa, uma e
outra lógicas. Quando uma prova se desenrola e não sabemos
como terminará; quando a vivemos com o herói instante após
instante e o discurso permanece colado ao acontecimento; a
narrativa obedece evidentemente à lógica narrativa e habitamos o
presente perpétuo. Quando, ao contrário, a prova é começada e
anuncia-se que seu resultado foi predito há séculos, [Página 180]
que ela não é mais, por conseguinte, do que a ilustração de
predição, estamos na “eterna volta” e a narrativa se desenrola
segundo a lógica ritual. Esta segunda lógica assim como a
temporalidade do tipo “eterna volta” são aqui vencedores do
conflito entre as duas.
Tudo foi predito. No momento em que acontece a aventura,
o herói fica sabendo que está apenas realizando uma predição. Os
acasos do caminho levam Galaaz a um mosteiro; começa a
aventura do escudo; de repente, o cavaleiro celeste anuncia: tudo
foi previsto. “Eis pois o que fareis, diz Josefes. Colocai o escudo
no lugar onde será enterrado Naciam. Ali chegará Galaaz, cinco
dias depois de ter recebido a ordem da cavalaria. — Tudo se
realizou como ele tinha anunciado, já que no quinto dia chegastes
a esta abadia onde jaz o corpo de Naciam.” Não havia acaso nem
mesmo aventura: Galaaz simplesmente representou seu papel num
rito preestabelecido.
Sire Galvam recebe um rude golpe da espada de Galaaz;
lembra-se imediatamente: “Eis confirmada a palavra que ouvi no
dia de Pentecostes, a propósito da espada que tomei na mão. Foime
anunciado que dentro de não muito tempo receberia dela um
golpe terrível, e é a própria espada com que este cavaleiro acaba
de me golpear. O fato se realizou tal qual me foi predito”. O
mínimo gesto, o mais ínfimo incidente, pertencem ao passado e
ao presente ao mesmo tempo: os cavaleiros da Távola Redonda
vivem num mundo feito de repetições.
Esse futuro retrospectivo, restabelecido no momento da
realização de uma predição, é completado pelo futuro
prospectivo, onde se é colocado diante da própria predição. O
desenlace da intriga é contado desde as primeiras páginas, com
todos os detalhes necessários. Eis o que diz a tia de Persival:
“Pois sabemos bem, neste país como em outros lugares, que no
final três cavaleiros terão, mais do que todos os outros, a glória da
Demanda: dois serão virgens e o terceiro casto. Dos dois virgens,
um será o cavaleiro que procurais e vós o outro; o terceiro será
Boorz de Gaunes. Esses três terminarão a Demanda”, O que
poderia ser mais claro e mais definitivo? E para que não se
esqueça a predição, ela nos é constantemente repetida. Ou ainda, a
irmã de Persival, que prevê onde seu irmão morrerá: “Por mi-
[Página 181] nha honra, fazei com que eu seja enterrada no
Palácio Espiritual. Sabeis por que vo-lo peço? Porque Persival aí
repousará e vós ao seu lado”.
O narrador da Odisséia se permitia declarar, vários cantos
antes que um acontecimento se verificasse, como ele ia
desenrolar-se. Assim, a propósito de Antinoo: “Será ele o
primeiro a experimentar as flechas enviadas pela mão do
eminente Ulisses” etc. Mas o narrador da Demanda faz
exatamente a mesma coisa, não há diferença na técnica narrativa
dos dois textos (nesse ponto preciso). “Ele tirou seu elmo; Galaaz
fez o mesmo; e trocaram um beijo, porque se amavam com
grande amor: isso se viu em sua morte, pois um sobreviveu bem
pouco ao outro.”
Afinal, se todo o presente estava já contido no passado, o
passado, este, continua presente no presente. A narrativa volta a
todo instante, se bem que sub-repticiamente sobre si própria.
Quando se lê o começo da Demanda, acredita-se compreender
tudo: eis os nobres cavaleiros que decidem partir à demanda etc.
Mas é preciso que o presente se torne passado, lembrança,
repetição, para que outro presente nos ajude a compreender.
Aquele Lançalot que acreditávamos tão forte e perfeito é um
pecador incorrigível: vive em adultério com a rinha Genievra.
Aquele Sire Galvam, que foi o primeiro a fazer o voto de partir à
Demanda, não a terminará nunca, pois seu coração é duro e ele
não pensa suficientemente em Deus. Aqueles cavaleiros que
admirávamos no começo são pecadores inveterados que serão
punidos: não se confessam há anos, O que observávamos
ingenuamente nas primeiras páginas era apenas aparência, um
simples presente. A narrativa consistirá numa aprendizagem do
passado. Mesmo as aventuras que nos pareciam obedecer à lógica
narrativa revelam-se como sinais de outra coisa, das partes de um
imenso ritual.
O interesse do leitor (e lê-se A Demanda do Graal com certo
interesse) não vem, como se vê, da pergunta que provoca
habitualmente esse interesse: que acontece depois? Sabe-se bem,
e desde o início, o que acontecerá, quem atingirá o Graal, quem
será punido e por quê. O interesse nasce de uma pergunta bem
diferente, que é: o que é o Graal? Trata-se de dois tipos diferentes
de interêsse, e também de dois tipos de narrativa. Um se [Página
182] desenrola numa linha horizontal: queremos saber o que cada
acontecimento provoca, o que ele faz. O outro representa uma
série de variações que se empilham numa vertical; o que se
procura acerca de cada acontecimento é o que ele é. A primeira é
uma narrativa de contigüidade, a segunda, de substituições. No
nosso caso sabemos desde o começo que Galaaz terminará
vitoriosamente a demanda: a narrativa de contigüidade é sem
interesse; mas não se sabe exatamente o que é o Graal, e isso dá
lugar a uma apaixonante narrativa de substituições, na qual se
chega, lentamente, à compreensão do que estava colocado desde o
início.
Essa mesma oposição se encontra, está claro, em outras
obras. Os dois tipos fundamentais de romance policial: o romance
de mistério e o romance de aventuras, ilustram essas mesmas duas
possibilidades. No primeiro caso, a história é dada desde as
primeiras páginas, mas é incompreensível: um crime e cometido
quase sob nossos olhos mas não conhecemos seus verdadeiros
agentes nem seus verdadeiros móveis. O inquérito consiste em
voltar constantemente aos mesmos acontecimentos, em verificar e
corrigir os menores detalhes, até que no fim se revele a verdade
dessa mesma história inicial. No outro caso, não há mistério, nem
volta atrás: cada acontecimento provoca um outro e o interesse
que concedemos à história não vem da espera de uma revelação
sobre os dados iniciais; é a de suas conseqüências que mantém o
suspense. A construção cíclica de substituições se opõe
novamente à construção unidirecional e contígua.
De uma maneira mais geral, pode-se dizer que o primeiro
tipo de organização é mais freqüente na ficção, o segundo, em
poesia (ficando bem entendido que elementos das duas se
encontram sempre juntos numa mesma obra). Sabe-se que a
poesia se funda essencialmente sobre a simetria, sobre a repetição
(sobre uma ordem espacial) enquanto a ficção é construída sobre
relações de causalidade (uma ordem lógica) e de sucessão (uma
ordem temporal). As substituições possíveis representam outras
tantas substituições, e não é por acaso se uma confissão explícita
da obediência a essa ordem aparece precisamente na última parte
da Demanda, aquela onde a causalidade narrativa ou a
contigüidade não representam mais nenhum papel. Ga- [Página
183] laaz gostaria de levar consigo seus companheiros; Cristo lhe
recusa isso, alegando como razão apenas a repetição, não uma
causa utilitária. “Ah! Sire, disse Galaaz, por que não permitis que
todos venham comigo? — Porque não o quero e porque isto deve
fazer-se à semelhança de meus Apóstolos”...
Das duas técnicas principais de combinação de intrigas, o
encadeamento e o encaixe, é a segunda que se deve esperar
descobrir aqui; e é o que acontece. As narrativas encaixadas
abundam em particular na última parte do texto, onde têm uma
dupla função: oferecer uma nova variação sobre o mesmo tema e
explicar os símbolos que continuam a aparecer na história. Com
efeito, as seqüências de interpretação, freqüentes na primeira
parte da narrativa, desaparecem aqui; a distribuição complementar
das interpretações e das narrativas encaixadas indica que as duas
têm função semelhante. A “significância” da narrativa se realiza
agora através das histórias encaixadas. Quando os três
companheiros e a irmã de Persival sobem à nau, todo objeto que
aí se encontra torna-se o pretexto de uma narrativa. Ainda mais:
todo objeto é o resultado de uma narrativa, seu último elo. As
histórias encaixadas fornecem o dinamismo que falta então à
narrativa-moldura: os objetos se tornam heróis da história,
enquanto os heróis se imobilizam como objetos.
A lógica narrativa é violentamente atacada durante toda a
história. Restam entretanto algumas marcas do combate, como
que para nos lembrar sua intensidade. Assim, naquela cena
terrível em que Lionel, desvairado, quer matar seu irmão Boorz
ou naquela outra em que a donzela, irmã de Persival, dá seu
sangue para salvar uma doente. Esses episódios se contam entre
os mais desconcertantes do livro e é ao mesmo tempo difícil
descobrir sua função. Servem, está claro, a caracterizar as
personagens, a reforçar a “atmosfera”; mas temos também a
sensação de que a narrativa retomou aqui seus direitos, que ela
consegue emergir, para além das inúmeras grades funcionais e
significantes, na não-significação que acaba por ser também a
beleza.
Existe um espécie de consolo em encontrar, numa narrativa
em que tudo é organizado, em que tudo é significante, uma
passagem que exibe audaciosamente seu contra-senso narrativo e
que forma assim o melhor [Página 184] elogio possível da
narrativa. Dizem-nos, por exemplo: “Galaaz e seus dois
companheiros cavalgaram tão bem que em menos de quatro dias
se encontraram à beira-mar. Teriam podido chegar mais cedo,
mas não conhecendo muito bem o caminho, não tinham tomado o
mais curto”. Qual a importância? — Ou ainda, de Lançalot: “Ele
olhou em torno, sem descobrir seu cavalo; mas depois de muito o
procurar, encontrou-o, selou-o e montou”. O “detalhe inútil” é
talvez, de todos, o mais útil à narrativa.
A Demanda do Graal
Que é o Graal? Essa pergunta suscitou múltiplos
comentários; citemos a resposta dada pelo mesmo Pauphilet: “O
Graal é a manifestação romanesca de Deus. A Demanda do
Graal, por conseguinte, não é mais do que, sob o véu da alegoria,
a procura de Deus, o esforço dos homens de boa vontade em
direção do conhecimento de Deus”. Pauphilet afirma essa
interpretação em face de outra, mais antiga e mais literal, que,
fundamentando-se em algumas passagens do texto, queria ver no
Graal um simples objeto material (se bem que ligado ao rito
religioso), um recipiente que serve à missa. Mas já sabemos que,
na Demanda do Graal, o inteligível e o sensível, o abstrato e o
concreto, podem ser um só; assim, não ficaremos surpresos ao ler
certas descrições do Graal apresentando-o como um objeto
material e outras, como uma entidade abstrata. Por um lado, o
Graal é igual a Jesus Cristo e tudo o que este simboliza: “Viram
então sair do Santo-Vaso um homem nu, cujos pés, mãos e corpo
sangravam, e que lhes disse: ‘Meus cavaleiros, meus soldados,
meus filhos leais, vós que nesta vida mortal vos tomastes criaturas
espirituais, e que tanto me procurastes que não posso mais me
ocultar a vossos olhos’” etc. Por outras palavras, o que os
cavaleiros procuravam — o Graal — era Jesus Cristo. Por outro
lado, algumas páginas adiante, lemos: “Quando olharam para o
interior da nave, viram sobre o leito a mesa de prata que tinham
deixado na casa do rei Méhaignié. Aí se encontrava o Santo
Graal, coberto com um pano de seda vermelha”. Não é
evidentemente Jesus Cristo que aí repousa coberto de um [Página
185] tecido, mas um recipiente. A contradição não existe, como se
viu, senão para nós que queremos isolar o sensível do inteligível.
Para o conto, “o alimento do Santo Graal sustenta a alma ao
mesmo tempo que alimenta o corpo”. O Graal é as duas coisas ao
mesmo tempo.
Entretanto, o simples fato de que essas dúvidas existam
sobre a natureza do Graal é significativo. A narrativa conta a
procura de algo; ora, os que procuram ignoram sua natureza. São
obrigados a procurar não o que a palavra designa mas o que ela
significa; é uma procura de sentido (“a demanda do Santo Graal...
não cessará antes que se saiba a verdade”). É impossível
estabelecer quem menciona o Graal em primeiro lugar; a palavra
parece ter estado sempre lá; mas, mesmo depois da última página,
não estamos certos de compreender bem seu sentido: a procura
daquilo que o Graal quer dizer não está nunca terminada. Por esse
fato, somos continuamente obrigados a relacionar esse conceito
com outros, que aparecem no decorrer do texto. Desse
relacionamento resulta uma nova ambigüidade, menos direta que
a primeira mas também mais reveladora.
A primeira série de equivalências e oposições liga o Graal a
Deus mas também, por intermédio da aventura, à narrativa. As
aventuras são enviadas por Deus; se Deus não se manifesta, não
há mais aventuras. Jesus Cristo diz a Galaaz: “É preciso pois que
aí vás e acompanhes esse Santo Vaso que partirá esta noite do
reino de Logres, onde não o reverão jamais e onde não acontecerá
mais nenhuma aventura”. O bom cavaleiro Galaaz tem tantas
aventuras quantas quer; os pecadores, como Lançalot e sobretudo
como Galvam, procuram em vão aventuras. “Galvam... foi por
muitos dias sem encontrar aventura”; encontra Ivam: “Nada,
respondeu ele, não tinha encontrado aventura”; parte, com Estor:
“Caminharam oito dias sem nada encontrar”. A aventura é ao
mesmo tempo uma recompensa e um milagre divino; basta
perguntá-lo a um santo homem que revelaria imediatamente a
verdade. “Peço-vos que nos digais, disse Sire Galvam, por que
não encontramos mais tantas aventuras como antigamente. — Eis
a razão, disse o santo homem. As aventuras que acontecem agora
são os sinais e as aparições do Santo Graal...” [Página 186]
Deus, o Graal e as aventuras formam pois um paradigma
cujos elementos têm todos um sentido semelhante. Mas sabe-se,
por outro lado, que a narrativa não pode nascer se não se tiver
uma aventura a relatar. É disso que se queixa Galvam: “Sire
Galvam... cavalgou por muito tempo sem encontrar nenhuma
aventura que valha a pena lembrar. (...) Um dia, encontrou Estor
de Mares que cavalgava sozinho e reconheceram-se com alegria.
Mas queixaram-se um ao outro de não ter nenhuma proeza
extraordinária a contar”. A narrativa se coloca, pois, no outro
extremo da série de equivalências, que parte do Graal e passa por
Deus e pela aventura; o Graal não é nada mais que uma narrativa.
Existe, entretanto, outra série da qual a narrativa faz
igualmente parte e cujos termos não se assemelham
absolutamente aos da primeira. Vimos já que a lógica narrativa
estava constantemente em segundo plano com relação a uma outra
lógica ritual e religiosa; a narrativa é a grande vítima desse
conflito. Por quê? Porque a narrativa, tal qual existe na época da
Demanda, se liga ao pecado e não à virtude; ao demônio, não a
Deus. As personagens e os valores tradicionais do romance de
cavalaria são não somente contestados como escarnecidos.
Lançalot e Galvam eram os campeões desses romances; aqui são
humilhados a cada página e não cessam de repetir-lhes que as
proezas de que eles são capazes têm pouco valor (“E não
acrediteis que as aventuras de agora sejam de massacrar homens
ou de matar cavaleiros”, diz o santo homem a Galvam). Eles são
vencidos em seu próprio terreno: Galaaz é melhor cavaleiro que
os dois e derruba um e outro do cavalo. Lançalot chega a ser
insultado pelos criados, vencido nos torneios; olhemo-lo em sua
humilhação: “É preciso que me ouçais, disse o criado, e não
podeis esperar mais outro benefício. Fostes a flor da cavalaria
terrena! Fraco! Estais bem desprezado por aquela que nem vos
ama nem vos estima! (...) Lançalot não respondeu nada, tão aflito
que desejaria morrer, O criado, entretanto, o injuriava e ofendia
com todas as vilanias possíveis. Lançalot o ouvia numa tal
confusão que não ousava levantar os olhos para ele”. Lançalot, o
invencível, não ousa levantar os olhos para aquele que o insulta; o
amor que dedica à rainha Genievra, e que [Página 157] é o
símbolo do mundo cavaleiresco, é arrastado na lama. Não é só
Lançalot que merece compaixão, mas também o romance de
cavalaria. “Cavalgando, começou a pensar que jamais tinha sido
pôsto em tão miserável estado e que nunca lhe acontecera antes de
ir a um torneio sem sair vencedor. A êsse pensamento ficou
aborrecido e disse a si mesmo que tudo lhe mostrava que êle era o
mais pecador dos homens, já que seus erros e sua desventura lhe
haviam tirado a vista e a fôrça.”
A Demanda do Graal é uma narrativa que recusa
precisamente o que constitui a matéria tradicional das narrativas:
as aventuras amorosas ou guerreiras, as proezas terrenas.
Precursor de Don Quixote, êsse livro declara guerra aos romances
de cavalaria e, através dêles, ao romanesco. A narrativa não deixa
de se vingar, aliás: as páginas mais apaixonantes são consagradas
a Ivam, o pecador; quanto a Galaaz, não pode haver,
propriamente, narrativa: a narrativa é a escolha de um caminho ao
invés de outro; ora, com Galaaz a hesitação e a escolha não têm
mais sentido: por mais que o caminho seguido se divida em dois,
Galaaz seguirá sempre o “bom” caminho. O romance é feito para
contar histórias terrestres; ora, o Graal é uma entidade celeste.
Existe pois uma contradição no próprio título do livro: a palavra
“demanda” remete aos processos mais primitivos de narrativa, e
por aí ao terrestre; o Graal é uma superação do terrestre em
direção ao celeste. Assim, quando Pauphilet diz que “o Graal é a
manifestação romanesca de Deus”, põe lado a lado dois têrmos
aparentemente irreconciliáveis: Deus não se manifesta nos
romances; os romances pertencem ao domínio do Inimigo, não ao
de Deus.
Mas se a narrativa remete aos valores terrestres, e mesmo
francamente ao pecado, e ao demônio (por essa razão A Demanda
do Graal procura constantemente combatê-la), chegamos a um
resultado surpreendente: a cadeia de equivalências semânticas que
tinha partido de Deus, chegou, pelo torniquete da narrativa, a seu
contrário, o Demônio. Não procuremos nisso, entretanto, qualquer
perfídia da parte do narrador: não é Deus que é ambíguo e
polivalente nesse mundo, é a narrativa. Quiseram servir-se da
narrativa terrestre com fins celestes e a contradição permaneceu
no interior do texto. Ela aí não estaria se se louvasse Deus por
[Página 188] hinos ou sermões, nem se a narrativa tratasse das
proezas cavaleirescas habituais.
A integração da narrativa nessas cadeias de equivalências e
de oposições tem uma importância particular. O que aparecia
como um significado irredutível e último — a oposição entre
Deus e o demônio, ou a virtude e o pecado, ou mesmo, neste caso,
a virgindade e a luxúria — não é tal coisa, e isto graças à
narrativa. Parecia, à primeira vista, que a Escritura, que o Livro
Santo constituía uma parada, na perpétua passagem de uma
camada de significações a outra; na realidade, essa parada é
ilusória, pois cada um dos dois termos que formam a oposição de
base da última rede designa, por sua vez, a narrativa, o texto, isto
é, a primeiríssima camada. Assim se fecha o círculo e o recuo do
“último sentido” não se deterá nunca.
Por esse fato, a narrativa aparece como o tema fundamental
da Demanda do Graal (como o é de toda narrativa, mas sempre
de forma diferente). Em definitivo, a procura do Graal é não só a
procura de um código e de um sentido, mas também a de uma
narrativa. Significativamente, as últimas palavras do livro contam
sua história: o último elo da intriga é a criação da própria
narrativa que acabamos de ler. “E quando Boorz acabou de narrar
suas aventuras do Santo Graal tal qual as havia visto, elas foram
postas por escrito e conservadas na biblioteca de Salebières, de
onde o Mestre Gautier Mas as retirou; fez com elas seu livro do
Santo Graal, por amor ao rei Henrique, seu senhor, que fêz
translatar a história do latim para o francês...”
Poder-se-ia objetar que se o autor queria dizer tudo isso, têlo-
ia feito de modo mais claro; por outro lado, não se atribui
assim a um autor do século XIII idéias que pertencem ao XX?
Uma resposta já se encontra na Demanda do Graal: o sujeito da
enunciação desse livro não é uma pessoa qualquer, é a própria
narrativa, é o conto. No começo e no fim de cada capítulo, vemos
aparecer esse sujeito, tradicional para a Idade Média: “Mas aqui o
conto cessa de falar de Galaaz e volta ao senhor Galvam. — O
conto diz que, quando Galvam se separou de seus
companheiros...” “Mas aqui o conto cessa de falar de Persival e
volta a Lançalot, que ficara em casa do santo homem...” Por
vezes, essas passagens se tornam demasiadamente lon- [Página
189] gas: sua presença não é por certo uma convenção vazia de
sentido: “Se se pergunta ao livro por que o homem não carregou o
ramo do paraíso ao invés da mulher, o livro responde que
compete a ela, não a ele, levar esse ramo...”
Ora, se o autor podia não compreender muito bem o que
estava escrevendo, o conto, este, o sabia. [Página 190]
7. OS FANTASMAS DE HENRY JAMES
Histórias de fantasmas pontilham toda a longa carreira
literária de Henry James (1843-1916). De Grey: A Romance foi
escrito em 1868, quando seu autor tinha apenas vinte e cinco
anos; The Jolly Corner (1908) é uma das últimas obras de James.
Quarenta anos as separam, durante os quais vêm à luz uma
vintena de romances, mais de cem novelas, peças de teatro,
artigos... Acrescentemos desde já que essas histórias de fantasmas
estão longe de formar uma imagem simples e fácil de captar.
Certo número dentre elas parecem conformar-se à fórmula
geral da narrativa fantástica. Esta se caracte- [Página 191 riza não
pela simples presença de acontecimentos sobrenaturais, mas pela
maneira como os percebem o leitor e as personagens. Um
fenômeno inexplicável acontece; para obedecer a seu espírito
determinista, o leitor se vê obrigado a escolher entre duas
soluções: ou atribuir esse fenômeno a causas conhecidas, à ordem
normal, qualificando de imaginários os fatos insólitos; ou então
admitir a existência do sobrenatural, trazendo pois uma
modificação ao conjunto de representações que formam sua
imagem do mundo. O fantástico dura o tempo dessa incerteza;
assim que o leitor opta por uma ou outra solução, desliza para o
estranho ou para o maravilhoso.
De Grey: A Romance corresponde já a essa descrição. A
morte de Paul de Grey pode ser explicada de duas maneiras:
segundo sua mãe, ele morreu por causa de uma queda de cavalo;
segundo o Doutor Herbert, uma maldição pesa sobre a família de
Grey: se o casamento coroa uma primeira paixão, aquele que a
vive deve morrer. A moça que ama Paul de Grey, Margaret, está
mergulhada na incerteza; terminará na loucura. Além disso,
pequenos acontecimentos estranhos se produzem; podem ser
coincidências, mas podem também testemunhar a existência de
um mundo invisível. Assim, Margaret solta um grito, sentindo-se
repentinamente mal; Paul o ouve, enquanto cavalgava
tranqüilamente a uns cinco quilômetros do local.
The Ghostly Rental (1876) parece ser primeiramente uma
história de sobrenatural explicado. O Capitão Diamond deposita,
de três em três meses, uma determinada soma numa casa
abandonada, para acalmar o espírito de sua filha que ele
amaldiçoou injustamente e expulsou de casa. Quando um dia o
capitão cai gravemente enfermo, pede a um jovem amigo (o
narrador) que leve a soma em seu lugar; este vai, com o coração
na mão; descobre que o fantasma não é tal, mas a própria moça,
ainda viva, que extorque assim dinheiro ao pai. Nesse momento, o
fantástico retoma seus direitos: a moça deixa por um instante o
cômodo, mas volta bruscamente, “os lábios entreabertos e os
olhos dilatados” — acaba de ver o fantasma de seu pai! O
narrador se informa mais tarde e fica sabendo que o velho capitão
expirou exatamente na hora em que a filha viu o fantasma...
[Página 192]
O mesmo fenômeno sobrenatural será evocado numa outra
novela, escrita vinte anos mais tarde, The Friends of the Friends
(1896). Duas personagens vivem aqui experiências simétricas:
cada uma vê seu genitor do sexo oposto no momento em que esse
morre, a centenas de quilômetros de distância. Entretanto, é difícil
qualificar essa última novela de fantástica. Cada texto possui uma
dominante, um elemento que submete os outros, que se torna o
princípio gerador do conjunto. Ora, em The Friends of the
Friends , a dominante é um elemento temático: a morte, a
comunicação impossível. O fato sobrenatural tem um papel
secundário: contribui para a atmosfera geral e permite que as
dúvidas da narradora (quanto a um encontro post mortem dessas
mesmas duas personagens) achem uma justificação. Assim, a
hesitação está ausente do texto (ela não estava representada em
The Ghostly Rental, mas era ali sensível), que escapa por isso
mesmo à norma do fantástico.
Outros aspectos estruturais da novela podem também alterar
seu caráter fantástico. Habitualmente, as histórias de fantasmas
são contadas na primeira pessoa. Isto permite uma identificação
fácil do leitor com a personagem (esta representa o papel
daquele); ao mesmo tempo, a palavra do narrador-personagem
possui características dúbias: ela está para além da prova da
verdade, enquanto palavra do narrador, mas deve submeter-se a
essa prova, enquanto palavra da personagem. Se o autor (isto é,
um narrador não-representado) nos diz que viu um fantasma, a
hesitação não é mais permitida; se uma simples personagem o faz,
pode-se atribuir suas palavras à loucura, a uma droga, à ilusão, e a
incerteza perde novamente sua vez. Em posição privilegiada com
relação aos dois, o narrador-personagem facilita a hesitação:
queremos acreditar nele, mas não somos obrigados a fazê-lo.
Sir Edmund Orme (1891) ilustra bem esse último caso. O
narrador-personagem vê ele mesmo um fantasma, várias vezes
seguidas. Entretanto, nada mais contradiz as leis da natureza, tais
quais as conhecemos comumente. O leitor se acha preso numa
hesitação sem saída: vê a aparição com o narrador e, ao mesmo
tempo, não pode permitir-se acreditar... Visões exatamente
semelhantes produzirão um efeito diferente quando forem
contadas por outras personagens que não o [Página 193] narrador.
Assim em The Real Right Thing (1890), duas personagens, um
homem e uma mulher (assim como em Sir Edmund Orme), vêem
o marido defunto desta última, que não quer que o recém-vindo
escreva sua biografia. . Mas o leitor se sente muito menos
incitado a acreditar, pois vê essas duas personagens de fora e pode
facilmente explicar suas visões pelo estado hipernervoso da
mulher e pela influência que ela exerce sobre o outro homem. O
mesmo acontece em The Third Person (1900), uma história de
fantasmas humorística, onde duas primas, solteironas sufocadas
pela inação e pelo tédio, começam a ver um parentecontrabandista,
falecido vários séculos antes. O leitor sente
demasiadamente a distância entre o narrador e as personagens,
para poder tomar a sério as visões dessas últimas. Afinal, numa
novela como Maud Evelyn (1900) a hesitação está reduzida a
zero: a narrativa é conduzida aqui na primeira pessoa, mas a
narradora não dá o menor crédito às afirmações de outra
personagem (que aliás ela só conhece indiretamente) que pretende
estar vivendo com uma jovem morta há quinze anos. Aqui
deixamos o sobrenatural para entrar na descrição de um caso
patológico.
A interpretação alegórica do acontecimento sobrenatural
representa outra ameaça para o gênero fantástico. Já em Sir
Edmund Orme podíamos ler toda a história como a ilustração de
certa lição moral; o narrador não se dispensa, aliás, de a formular:
“Era um caso de justiça vingadora, os pecados das mães
assombravam os filhos, sendo os pais inocentes. A infortunada
mãe devia pagar com seus sofrimentos os sofrimentos que
infligira, e como a tentação de zombar das justas aspirações de
um homem honesto podia ressurgir na filha, em meu detrimento,
era preciso que se estudasse e que se observasse essa última
jovem, a fim de que ela sofresse no caso de provocar um mal
semelhante”. Evidentemente, se lemos a novela como uma fábula,
como a encenação de uma moral, não podemos mais experimentar
a hesitação “fantástica”. Outro conto de James, The Private Life
(1892), aproxima-se mais ainda da alegoria pura. O escritor Clare
Wawdrey leva uma vida dupla: uma de suas encarnações tagarela
sobre temas mundanos com os amigos, enquanto a outra escreve,
no silêncio, páginas geniais. “O mundo era tolo e vulgar e [Página
194] o verdadeiro Wawdrey seria bem néscio se o freqüentasse,
quando podia, para bater papo e jantar fora, fazer-se substituir.” A
alegoria é tão evidente que a hesitação é novamente reduzida a
zero.
Owen Wingrave (1892) seria um exemplo bastante puro do
fantástico, se o acontecimento sobrenatural aí representasse um
papel mais importante. Numa casa mal-assombrada, uma jovem
põe à prova a coragem de seu pretendente: ela lhe pede que vá ao
lugar reputado como perigoso, em plena noite. O resultado é
trágico: “na soleira de uma porta escancarada, Owen Wingrave,
vestido como ele [uma testemunha] o vira na véspera, jazia morto
no mesmo lugar onde seu antepassado tinha sido descoberto...“
Teria sido o fantasma ou o medo que matou Owen? Não o
saberemos, mas essa questão não tem, a bem dizer, muita
importância: o centro da novela é o drama que vive Owen
Wingrave, que por um lado procura defender seus princípios, mas
por outro quer conservar a confiança dos que o amam (e essas
duas aspirações são contraditórias). De novo, o fantástico tem
uma função subordinada, secundária. Além disso, o
acontecimento sobrenatural não é explicitamente apresentado
como tal contrariamente ao que se passava numa novela de
juventude de James, The Romance of Certain Old Clothes (1868)
onde a mesma cena, exatamente, não permitia ao leitor qualquer
hesitação. Eis a descrição do cadáver: “Seus lábios se abriam num
movimento de súplica, de medo, de desespero, e sobre sua testa e
suas faces pálidas brilhavam as marcas de dez feridas horrendas,
feitas por duas mãos de espectro, duas mãos vingadoras”. Nesse
caso, deixamos o fantástico para entrar no maravilhoso.
Existe pelo menos um exemplo onde a ambigüidade é
mantida ao longo de todo o texto e onde ela representa um papel
dominante: é no famoso The Turn of the Screw1 (1898). James
realizou tão bem a proeza que os críticos formaram desde então
duas correntes distintas: os que acreditam que a propriedade de
Bly era verdadeiramente assombrada por maus espíritos e os que
explicam tudo pela neurose da narradora... Não é evidentemente
necessário escolher entre as duas soluções contrárias; a regra do
gênero implica que a ambigüidade seja mantida. Entretanto, a
hesitação não está repre____________________
Nota de rodapé (1) Ver nota 3, p. 156. [Página 195]
sentada no interior do livro: as personagens crêem ou não crêem,
não hesitam entre as duas possibilidades.
...O leitor atento, aqui chegado, já deve experimentar uma
certa irritação: porque tentam convence-lo de que todas essas
obras pertencem a um gênero, quando cada uma delas nos obriga
a considerá-la, antes de tudo, como unia exceção? O centro em
volta do qual tentamos dispor as novelas individuais (mas tão mal
o conseguimos) talvez simplesmente não exista? Ou em todo
caso, se encontra em Outra parte: a prova é que, para fazer entrar
essas histórias na forma do gênero, devemos mutilá-las, ajustálas,
faze-las acompanhar de notas explicativas...
Se esse leitor conhece bem a obra de James, pode ir mais
longe e dizer: a prova de que, em James, o gênero fantástico não
tem nenhuma homogeneidade e portanto nenhuma pertinência, é
que os contos até aqui mencionados não constituem um grupo
isolado, oposto a todos os outros textos. Ao contrário: existem
múltiplos intermediários que tornam imperceptível a passagem
das obras fantásticas às não-fantásticas. Além das já citadas, que
fazem o elogio da morte ou da vida com os mortos (Maud Evelyn
mas também The Altar of the Dead), existem aquelas que evocam
as superstições. Assim The Last of the Valerii (1874) é a história
de um jovem conde italiano que acredita nos antigos deuses
pagãos e que deixa sua vida organizar-se em função dessa crença.
Será esse um fato sobrenatural? Ou The Author of “Bellraffio”
(1885); a mulher de um célebre escritor acredita que a presença de
seu marido é prejudicial à saúde de seu filho; querendo prová-lo,
acaba por provocar a morte da criança. Simples fato estranho ou
intervenção de forças ocultas?
Não são esses os únicos fenômenos insólitos com que nos
entretém James. As intuições de Mrs. Ryves, em Sir Dominick
Ferrand (1892), são outro exemplo: como é possível que essa
jovem seja “prevenida” cada vez que uma ameaça pesa sobre seu
vizinho, Peter Baron? Que dizer daqueles sonhos proféticos de
Allan Wayworth, que vê a heroína de sua peça no exato momento
em que o protótipo da heroína visita a atriz encarregada desse
papel (Nona Vincent, 1892). Por outro lado, será este sonho tão
diferente do de George Dane, naquela utopia jamesiana que é The
Great Good Place [Página 196] (1900), sonho que entretém com
a vigília estranhas relações? E as perguntas podem ser
multiplicadas, como testemunha aliás a escolha feita pelos
editores, quando reúnem as ghost stories de Henry James: nunca
chegam ao mesmo resultado.
A desordem cessa, entretanto, quando se renuncia a procurar
o fantasma do gênero fantástico e se volta para o “desenho” que
une a obra de James. Esse autor não dá importância ao
acontecimento bruto, e concentra toda a sua atenção na relação
entre a personagem e o acontecimento. Ainda mais: o núcleo de
uma narrativa será freqüentemente uma ausência (o escondido, os
mortos, a obra de arte) e sua procura será a única presença
possível. A ausência é um objetivo ideal e intangível; a prosaica
presença é tudo de que podemos dispor. Os objetos, as “coisas”
não existem (ou, se existem, não interessam a James); o que o
intriga é a experiência que suas personagens podem ter dos
objetos. Não há outra “realidade” além da psíquica; o fato
material e físico está normalmente ausente e nunca saberemos
mais do que a maneira como ele é vivido por diferentes pessoas.
A narrativa fantástica é necessariamente centrada em volta de
uma percepção e sempre teve para ele uma existência fantasmal.
Mas o que interessa a James é a exploração de todos os recônditos
dessa “realidade psíquica”, de toda a variedade de relações
possíveis entre o sujeito e o objeto. De onde sua atenção para os
casos particulares que são as alucinações, a comunicação com os
mortos, a telepatia. Por isso mesmo, James opera uma escolha
temática fundamental: prefere a percepção à ação, a relação com o
objeto ao próprio objeto, a temporalidade circular ao tempo linear,
a repetição à diferença.
Poderíamos ir mais longe e dizer que o desenho de James é
fundamentalmente incompatível com o do conto fantástico. Pela
hesitação que este faz viver, ele põe em relevo a questão: será real
ou imaginário? será um fato físico ou somente psíquico? Para
James, ao contrário, não há real senão o imaginário, não há fatos
senão os psíquicos. A verdade é sempre particular, é a verdade de
alguém; por conseguinte, perguntar se “esse fantasma existe
verdadeiramente?” não tem sentido, desde que ele exista para
alguém. Nunca se atinge a verdade absoluta, o padrão de ouro se
perdeu, estamos condenados [Página 197] a nos limitar a nossas
percepções e a nossa imaginação — o que, de resto, não é tão
diferente.
...É aqui que um leitor — ainda mais atento — pode deternos
novamente. De fato, nos dirá ele, você não fez até aqui senão
substituir o gênero formal (a narrativa fantástica) por um gênero
de autor (a narrativa jamesiana) que tem aliás, ela também, uma
realidade formal. Mas continua a nos escapar a especificidade de
cada texto de James. Querer reduzir a obra a uma variante do
gênero é uma idéia falsa desde o ponto da partida; ela repousa
sobre uma analogia viciosa entre os fatos da natureza e as obras
do espírito. Cada camundongo particular pode ser considerado
como uma variante da espécie “camundongo”; o nascimento de
um novo espécime não modifica em nada a espécie (ou, em todo
caso, essa modificação é negligenciável). Uma obra de arte (ou de
ciência), pelo contrário, não pode ser apresentada com o simples
produto de uma combinatória preexistente; ela é isto também, mas
ao mesmo tempo ela transforma essa combinatória, ela instaura
um novo código do qual ela é a primeira (a única) mensagem.
Uma obra que fosse o produto de uma combinatória preexistente
não existe; ou mais exatamente: não existe para a história da
literatura. A menos, está claro, que se reduza a literatura a um
caso excepcional, que é a literatura de massa: o romance policial
de mistério, a série negra, o romance de espionagem fazem parte
da história literária, não tal ou qual livro particular, que não pode
senão exemplificar, ilustrar um gênero preexistente. Significar, na
história, é proceder da diferença, não só da repetição. Assim a
obra de arte (ou de ciência) comporta sempre um elemento
transformador, uma inovação do sistema. A ausência de diferença
é igual à inexistência.
Tomemos, por exemplo, a última história de fantasmas
escrita por James, e a mais densa: The Jolly Corner (1908). Todos
os nossos conhecimentos sobre a narrativa fantástica e sobre a
narrativa de James não bastam para que a compreendamos, para
que a expliquemos de modo satisfatório. Olhemos um pouco mais
de perto esse texto, para observá-lo no que ele tem de único e de
específico.
A volta de Spencer Brydon à América, depois de trinta e três
anos de ausência, é acompanhada de uma [Página 198] singular
descoberta: ele começa a duvidar de sua própria identidade. Sua
existência, até então, aparecia-lhe como a projeção de sua própria
essência; de volta à América, percebe que poderia ter sido outro.
Ele tem talentos de arquiteto, de construtor, que nunca utilizou;
ora, durante os anos de sua ausência, New York conheceu uma
verdadeira revolução arquitetural. “Se ele tivesse ficado em sua
terra, teria antecipado o inventor do arranha-céu. Se ele tivesse
ficado em sua terra, teria descoberto seu gênio realmente a tempo
de levantar alguma nova variedade de terrível lebre arquitetural e
de levá-la a cavar uma mina de ouro.” Se ele tivesse ficado em
sua terra, teria podido ser milionário... Esse condicional passado
começa a obcecar Brydon: não porque ele lamente não se ter
tornado milionário, mas porque ele descobre que poderia ter tido
outra existência; e então, seria ela a projeção da mesma essência,
ou de outra? “Achou que todas as coisas revertiam para a questão
do que ele pessoalmente poderia ter sido, de como ele poderia ter
levado sua vida e terminado, se não tivesse, desde o início,
desistido?” Qual é sua essência? Existe uma? Brydon acredita na
existência da essência, pelo menos no que concerne aos outros,
por exemplo, sua amiga Alice Staverton: “Oh, você é uma pessoa
que nada pode alterar. Você nasceu para ser o que é, em qualquer
lugar, de qualquer modo...”
Então Brydon decide encontrar-se, conhecer-se, atingir sua
autêntica identidade; parte numa difícil procura. Consegue
localizar seu alter ego graças à existência de duas casas, cada uma
correspondente a uma versão diferente de Spencer Brydon. Volta,
noite após noite, à casa de seus ancestrais, cercando o outro cada
vez de mais perto. Até que uma noite... encontra a porta fechada
onde a deixara aberta; compreende que a aparição está ali; quer
fugir mas não pode mais; ela lhe barra o caminho; torna-se
presente; descobre seu rosto... E uma imensa decepção se apodera
de Brydon: o outro é um estranho. “O desperdício de suas noites
fora apenas grotesco e o êxito de sua aventura uma ironia. Tal
identidade não se lhe ajustava em nenhum ponto...” A procura era
vã, o outro não é mais sua essência do que ele próprio. A sublime
essência-ausência não existe, a vida que Brydon levou fez dele
um homem que nada tem a ver com aquele que teria feito [Página
199] outra vida. O que não impede a aparição de avançar
ameaçadora, e Brydon não tem outra solução senão desaparecer
no nada da inconsciência.
Quando ele acorda, percebe que sua cabeça não repousa
mais sobre as lajes frias de sua casa deserta, mas sobre os joelhos
de Alice Staverton. Ela compreendera o que se passava, viera
buscá-lo na casa, para ajudá-lo. Duas coisas se tornam então
claras para Brydon. Primeiro, que sua busca era vã. Não porque o
resultado fosse decepcionante, mas porque a busca mesma não
tinha sentido: era a busca de uma ausência (sua essência, sua
identidade autêntica). Tal busca é não somente sem resultado (isto
não é grave) mas é também, de uma maneira profunda, um ato
egoísta. Ele próprio o caracteriza como “mero vão egoísmo” e
Alice Staverton o confirma: “você não liga para nada a não ser
para si mesmo”. Essa procura, postulando o ser, exclui o outro.
Aqui vem a segunda descoberta de Brydon, a de uma presença:
Alice Staverton. Abandonando a busca infrutífera de seu ser,
descobre o outro. E não pede mais que uma coisa: “Oh, guardeme
consigo, guarde-me! ele suplicou, enquanto o rosto dela ainda
pendia sobre ele: em resposta, o rosto desceu novamente e ficou
perto, aconchegantemente perto”. Tendo partido à procura de um
eu profundo, Brydon acaba por descobrir o tu.
Esse texto significa, portanto, a mudança da figura que
víamos voltar ao longo de toda a obra jamesiana. A ausência
essencial e a presença insignificante não dominam mais seu
universo: a relação com outrem, a presença, mesmo a mais
insignificante, afirma-se em face da busca egoísta (solitária) da
ausência. O eu não existe fora de sua relação com o outro; o ser é
uma ilusão. Desse modo, James se inclina, no fim de sua obra,
para o outro lado da grande dicotomia temática que evocávamos
mais adiante: a problemática do homem só em face do mundo
deixa lugar a uma outra, a da relação do ser humano com o ser
humano. O ser é desalojado pelo ter, o eu pelo tu.
Essa transformação do projeto jamesiano tinha sido
anunciada por várias obras precedentes. The Altar of the Dead
(1895) é, à primeira vista, um verdadeiro elogio da morte.
Stransom, a personagem principal, passa a vida numa igreja onde
acendeu velas à glória [Página 200] de todos os mortos que
conheceu. Prefere francamente a ausência à presença, os mortos
aos vivos (“Bastava aquele indivíduo ter morrido para que tudo o
que nele havia de feio fosse apagado”) e terminou por desejar a
morte de seus próximos: “Chegava quase a desejar que alguns de
seus amigos morressem, para que ele pudesse restabelecer com
eles, do mesmo modo, relações mais agradáveis do que as que
podia gozar estando eles vivos”. Mas pouco a pouco uma
presença se introduz nessa vida: a de uma mulher que vem à
mesma igreja. Essa presença se torna, imperceptivelmente, tão
importante, que, quando um dia a mulher desaparece, Stransom
descobre que seus mortos não existem mais para ele, morreram
uma segunda vez. O homem conseguirá reconciliar-se com sua
amiga, mas será tarde demais: chegou a hora em que ele próprio
deve dar entrada no reino dos mortos. Tarde demais: essa mesma
conclusão se lê em The Beast of the Jungle (1903), onde a
narrativa apresenta uma personagem, Marcher, que passou sua
vida a procurar a ausência, sem apreciar a presença de May
Bartram a seu lado. Esta vive na presença: “Que se pode pedir de
melhor, pergunta ela a Marcher, do que eu me interessar por
você?” E somente depois da morte de sua amiga que Marcher
compreende a amarga lição que lhe é dada; mas é tarde demais e
ele deve aceitar seu malogro, o malogro que consiste em “não ser
nada”.
The Jolly Corner é pois a versão menos desesperada dessa
nova figura jamesiana: graças ao fantasma, a lição é
compreendida antes da morte. A grande, a difícil lição da vida,
que consiste precisamente em recusar a morte, em aceitar viver
(isto se aprende). A presença da morte nos faz compreender tarde
demais! — o que significava sua ausência; é preciso tentar viver a
morte de antemão, compreender antes de ser apanhado pelo
tempo.
...Decididamente, dirá aqui nosso leitor exigente, você só
saiu do mau caminho para nele cair novamente. Você devia falarnos
de uma novela, do que ela tem de específico e de único, e eilo
de novo em vias de constituir um gênero, mais próximo dessa
novela do que os precedentes, talvez, mas ainda assim um gênero,
do qual ela é apenas uma das ilustrações possíveis. [Página 201]
De quem a culpa? Não seria da própria linguagem,
essencialista e genérica por natureza? Assim que falo, entro no
universo da abstração, da generalidade, do conceito, e não mais
das coisas. Como nomear o individual, quando até mesmo os
nomes próprios, como se sabe, não pertencem propriamente ao
indivíduo? Se a ausência de diferença é igual à inexistência, a
diferença pura é inominável: ela é inexistente para a linguagem. O
específico, o individual é apenas um fantasma, esse fantasma que
produz a palavra, essa ausência que tentamos em vão apreender,
que captamos tão pouco antes quanto depois do discurso, mas que
produz, em seu côncavo, o próprio discurso.
Ou então, para fazer ouvir o individual, o crítico deve calarse.
Eis por que, ao apresentar The Jolly Corner, nada disse das
páginas que formam seu centro e que constituem um dos pontos
mais altos da arte de Henry James. Deixo que elas falem por si.
[Página 202]
LITERATURA NA PERSPECTIVA
A Poética de Maiakovski
Boris Schnaiderman
(D 039)
Etc... Etc... (Um Livro 100%
Brasileiro)
Blaise Cendrars (D110)
A Poética do Silêncio
Modesto Carone (D151)
Uma Literatura nos Trópicos
Silviano Santiago (D155)
Poesia e Música
Antônio Manuel e outros
(D195)
A Voragem do 0lhar
Regina Lúcia Pontieri
(D 214)
Guimarães Rosa: As Paragens
Mágicas
Irene Gilberto Simões
(D216)
Borges & Guimarães
Vera Mascarenhas de
Campos
(D218)
A Linguagem Liberada
Kathrin Holzermayr
Rosenfield (D221)
Tutaméia: Engenho e Arte
Vera Novis (D223)
O Poético: Magia e Iluminação
Álvaro Cardoso Gomes
(D 228)
História da Literatura e do
Teatro Alemães
Anatol Rosenfeld
(D255)
Letras Germânicas
Anatol Rosenfeld
(D257)
Letras e leituras
Anatol Rosenfeld
(D260)
O Grau Zero do Escreviver
José Lino Grünewald
(D285)
Literatura e Música
Solange Ribeiro de
Oliveira
(D286)
América Latina em sua
literatura
Unesco (E052)
Vanguarda e Cosmopolitismo
Jorge Schwartz (E082)
Poética em ação
Roman Jakobson (E092)
Que é Literatura Comparada
Brunel, Pichois, Rousseau
(E115)
Imigrantes Judeus / Escritores
Brasileiros
Regina Igel (E156)
Barroco e Modernidade
Irlemar Chiampi (E158)
Escritas Psicanalíticas sobre
Literatura e Arte
George Groddeck (E166)
Entre Passos e Rastros
Berta Waldman (E191)
Franz Kafka: Um Judaísmo na
Ponte do Impossível
Enrique Mandelbaum
(E193)
A Sombra de Ulisses
Piero Boitani (E203)
Samuel Beckett: Escritor Plural
Célia Berrettini (E204)
Poder. Sexo e Letras na
República Velha
Sérgio Miceli (ELO4)
Relações Literárias e Culturais
entre Rússia e Brasil
Leonid Shur (EL32)
O Romance Experimental e o
Naturalismo no Teatro
Émile Zola (EL35)
Leão Tolstói
Máximo Górki (EL39)
Textos Críticos
Augusto Meyer e João
Alexandre Barbosa (org.)
(T004)
Panorama do Movimento
Simbolista Brasileiro
Andrade Muricy - 2 vols
(T006)
Ensaios
Thomas Mann (T007)
Caminhos do Decadentismo
Francês
Fulvia M. L. Morett (org.)
(T009)
Büchner: Na Pena e na Cena
J. Guinsburg e Ingrid
Dormien Koudela (orgs.)
(T017)
Aventuras de uma Língua
Errante
J. Guinsburg (PERS)
Termos de Comparação
Zulmira Ribeiro Tavares
(LSC)
CRÍTICA NA PERPECTIVA
Texto/Contexto I
Anatol Rosenfeld
(D007)
Kafka: Pró e Contra
Günter Anders (D012)
A Arte no Horizonte do
Provável
Haroldo de Campos
(D016)
O Dorso do Tigre
Benedito Nunes (D017)
Crítica e Verdade
Roland Barthes (D024)
Signos em Rotação
Octavio Paz (D048)
As Formas do Falso
Walnice N. Galvão
(D051)
Figuras
Gerard Genette (D057)
Formalismo e Futurismo
Krystyna Pomorska
(D060)
O Caminho Crítico
Nothrop Frye (D079)
Falência da Crítica
Leyla Perrone Moisés
(D081)
Os Signos e a Crítica
Cesare Segre (D083)
Fórmula e Fábula
Willi Bolle (D086)
As Palavras sob as Palavras
J. Starobinski (D097)
Metáfora e Montagem
Modesto Carone Netto
(D102)
Repertório
Michel Butor (Dl03)
Ensaios críticos e Filosóficos
Ramón Xirau (D107)
Escrito sobre um Corpo
Severo Sarduy (D122)
O Discurso Engenhoso
Antonio José Saraiva
(D124)
Conjunções e Disjunções
Octavio Paz (D130)
A Operação do Texto
Haroldo de Campos
(D134)
Poesia-Experiência
Mario Faustino (Dl36)
Borges: Uma Poética da
Leitura
Emir Rodriguez
Monegal (Dl40)
As Estruturas e o Tempo
Cesare Segre (D150)
Cobra de Vidro
Sergio Buarque de
Holanda (D156)
O Realismo Maravilhoso
Irlemar Chiampi
(D160)
Tentativas de Mitologia
Sergio Buarque de
Holanda (D161)
O Lírico e o Trágico em
Leopardi
Helena Parente Cunha
(Dl71)
Poesia com Coisas
Marta Peixoto (Dl81)
A Narrativa de Hugo de
carvalho Ramos
Albertina Vicentini
(D196)
As ilusões da Modernidade
João Alexandre Barbosa
(D198)
Uma Consciência Feminista:
Rosário Castellanos
Beth Miller (D201)
O Heterotexto Pessoano
José Augusto Seabra
(D204)
O Menino na Literatura
Brasileira
Vânia Maria Resende
(D207)
Analogia do Dissimilar
Irene A. Machado
(D226)
O bom fim do Shietl: Moacir
Scliar
Gilda Salem Szklo
(D231)
O Bildungsroman Feminino:
Quatro Exemplos Brasileiros
Cristina Ferreira Pinto
(D233)
O Super-homem, de Massa
Umberto Eco (D238)
Borges e a Cabala
Saúl Sosnowski (D240)
Metalinguagem & Outras
Metas
Haroldo de Campos
(D247)
Ironia e o Irônico
D. C. Muccke (D250)
Texto/Contexto II
Anatol Rosenfeld
(D254)
Thomas Mann
Anatol Rosenfeld
(D259)
O Golem, Benjamin, Buber e
Outros Justos: Judaica I
Gershom Scholem
(D265)
O Nome de Deus, a Teoria de
Linguagem e Outros Estudos
de Cabala e Mística: Judaica
II
Gershom Scholem
(D266)
O Guardador de Signos
Rinaldo Gama (D269)
O Mito
K. K. Rutheven (0270)
O Grau Zero do Escreviver
José Lino Grünewald
(D285)
Literatura e Música
Solange Ribeiro de
Oliveira (D286)
Mimesis
Erich Auerbach (P002)
Morfologia do Macunaíma
Haroldo de Campos
(E019)
Fernando Pessoa ou o
Poetodrama
José Augusto Seabra
(E024)
Uma Poética para Antonio
Machado
Ricardo Gullón (E049)
Poética em Ação
Roman Jakobson (E092)
Acoplagem no Espaço
Oswaldino Marques
(E110)
Em Espelho Crítico
Robert Alter (E139)
A Política e o Romance
Irving Howe (E143)
Crítica Genética e
Psicanálise
Philippe Willemart
(E214)
O Prazer do Texto
Roland Barthes (EL02)
Ruptura dos Gêneros na
Literatura Latino-americana
Haroldo de Campos
(EL06)
Projeções: Rússia/Brasil/Itália
Boris Schnaiderman
(EL12)
O Texto Estranho
Lucrécia D’Aléssio
Ferrara (EL18)
Duas Leituras Semióticas
Eduardo Peñuela
Cañizal (EL21)
Oswald Canibal
Benedito Nunes (EL26)
Mário de Andrade/Borges
Emir R. Monegal
(EL27)
A Prosa Vanguardista na
Literatura Brasileira: Oswald
de Andrade
Kenneth D. Jackson (EL29)
Estruturalismo: Russos x
Franceses
N. I. Balachov (EL30)
Céu Acima
Leda Tenório da Motta
(org.) (S45)
Sombras de identidade
Gershon Shaked (LSC)
Tempo de Clima
Ruy Coelho (LSC)
http://groups.google.com/group/Viciados_em_Livros
http://groups.google.com/group/digitalsource
Esta obra foi digitalizada pelo grupo Digital Source para
proporcionar, de maneira totalmente gratuita, o benefício de sua
leitura àqueles que não podem comprá-la ou àqueles que
necessitam de meios eletrônicos para ler. Dessa forma, a venda
deste e-book ou até mesmo a sua troca por qualquer
contraprestação é totalmente condenável em qualquer
circunstância. A generosidade e a humildade é a marca da
distribuição, portanto distribua este livro livremente.

Pesquisar este blog

Carregando...
arte (407) pintura (248) filosofia (102) fotografia (89) literatura (84) psicanálise (57) morte (37) HQ (28) freud (28) peanuts (27) skull (27) antropologia (26) comic (24) poesia (23) lacan (22) PSYCHOANALYSIS (20) Desenho (17) Picasso (15) o seminário (15) Bresson (13) cat (12) oriente (12) borges (11) kant (11) psicologia (11) foucault (10) levi-strauss (10) platão (10) SONHOS (9) religião (9) Kirchner (8) biografia (8) kafka (8) love (8) Ernest Max (7) Guimaraes Rosa (7) Ken Rosenthal (7) Mark Eshbaugh (7) NIETZSCHE (6) Salvador Dali (6) aristóteles (6) manet (6) snoopy (6) sociologia (6) Animais (5) Aristotle (5) Escher (5) Geertz (5) Hundertwasser (5) Lauren Simonutti (5) Sommer (5) medicina (5) munch (5) Arthur DOVE (4) CINEMA (4) Carl LARSSON (4) Cézanne (4) DICIONARIO (4) Descartes (4) Doré (4) Ernest Jones (4) Ernst HAAS (4) Guido Crepax (4) H. Bergson (4) Julio Cortázar (4) Kacere (4) Locke (4) Mucha (4) Richter (4) Van Gogh (4) Will Barnet (4) alexandre koyrè (4) caveira (4) drummond (4) gravura (4) hegel (4) história (4) linguística (4) monet (4) música (4) sartre (4) teatro (4) televisão (4) universo (4) verdade (4) Abbas (3) Arthur Rackham (3) Avigdor (3) Blake (3) CORINTH (3) Cambon (3) Connie Imboden (3) David Hockney (3) F. Hodler (3) Frida KAHLO (3) GEORGES BATAILLE (3) James Joyce (3) Kojeve (3) Konrad LORENZ (3) Lori Nix (3) M. J. A. Eguiño (3) Marcel MAUSS (3) Marqués de Sade (3) Marx (3) Memling (3) Pierre Bourdieu (3) Psychiatry (3) SENECA (3) Schopenhauer (3) Tom Chambers (3) Winnicott (3) arroyo (3) autobiografia (3) baby (3) caravaggio (3) cristianismo (3) dickens (3) einstein (3) erwitt (3) etologia (3) fisica (3) magia (3) planetas (3) B. F. Skinner (2) BACHELARD (2) Birman J. (2) CERVANTES (2) Castillo (2) Dix (2) Dulac (2) E. HOPPER (2) E. Nodel (2) ETNOLOGÍA (2) Ernest HAAS (2) Ferenczi (2) G. JOHN (2) GEORGE CANGUILHEM (2) Gustav Caillebotte (2) Hipocrates (2) J. Ensor (2) J. J. Tissot (2) JUNG (2) John Donne (2) KARL JASPERS (2) KIERKEGAARD (2) Kandinsky (2) Klimt (2) L. da VINCI (2) LOUIS ALTHUSSER (2) Lewis Carroll (2) M. Dzama (2) MAUGHAM (2) MERLEAU - PONTY (2) Mann (2) Melanie Klein (2) Neil Welliver (2) Norman Rockwell (2) Pascal (2) Piaget (2) Pollock (2) Quino (2) Roland Barthes (2) Sahlins (2) Serge Leclaire (2) St. Agostinho (2) Stratton (2) Vinicus de Moraes (2) Vuillard (2) WITTGENSTEIN (2) amor (2) beauvoir (2) biology (2) cogito (2) critica (2) cultura (2) diabo (2) erotic (2) estruturalismo (2) gide (2) guerra (2) loucura (2) lua (2) mind (2) mitologia (2) mitos (2) rilke (2) salomão (2) saturno (2) sono (2) sócrates (2) vida (2) ética (2) A. Comte (1) A. Warhol (1) Alix Malka (1) Andreas Gursky (1) Anticristo (1) Arcimboldo (1) Aristófanes (1) Augusto dos Anjos (1) B. Barbey (1) B. Jacklin (1) Bagheria (1) Barbara Morgan (1) Basquiat (1) Berkeley (1) Bhagavad-Gita (1) Bhopal (1) Bocklin (1) Bouguereau (1) Brauner (1) Bruegel (1) Brueghel (1) Brueguel (1) Burt GLINN (1) CALOUSTE GULBENKIAN (1) CAZOTTE (1) CRVANTES (1) Charles S. Peirce (1) Chavannes (1) China (1) Claesz (1) Confucius (1) Confúncio (1) D. (1) DAVIS Stuart (1) DEGAS (1) DELACROIX (1) Dalton Trevisan (1) Deleuze (1) Denis (1) Design (1) Diebenkorn (1) Diógenes (1) E. (1) ERNST CASSIRER (1) Emile Durkheim (1) Empédocles (1) Epimenides (1) F. Vallotton (1) FERDINAND DE SAUSSURE (1) Feuerbach (1) Feyerabend (1) Florbela Espanca (1) Franceco Clemente (1) Franz Marc (1) GROOT (1) GUSTON (1) Galileu (1) Gestalt (1) Graham (1) Grécia (1) Guercino (1) H. Arendt (1) H. MARCUSE (1) Hals (1) Helmut Newton (1) Holbien (1) Hume (1) J. Derrida (1) J.-F. Millet (1) Jan Van KESSEL (1) Jean Laplanche (1) KROYER (1) Kandel E. (1) Keane (1) Kim (1) Kitaoka (1) Klee (1) Knight (1) Korand Von SOEST (1) Kôhler (1) Liev Tolstói (1) M. Mead (1) Malinowski (1) Mantegna (1) Mark Petrick (1) Max Weber (1) Mário Quintana (1) Münter (1) N. Chomsky (1) NEIL GAIMAN (1) Nasio (1) Otto Rank (1) Ovídio (1) Palencia (1) Parmênides (1) Paul DELVAUX (1) Peter HILLE (1) Raduan Nassar (1) Ron Van Dongen (1) S. Franklin (1) Sandman (1) Satrapi (1) Schiele (1) Shakespeare (1) Silvers (1) Siqueiros (1) Spinoza (1) St. T. de Aquino (1) TELEPATIA (1) TODOROV (1) Tarsila do Amaral (1) Taschen (1) Thomas HOPKER (1) Truffaut (1) Tycho (1) Uccello (1) Velvet underground Nico (1) Verne (1) Victor Brochard (1) W. Metcalf (1) Web (1) Weinberg (1) William Bailey (1) Woody Allen (1) Xenofonte (1) Y. Utagawa (1) Yoshitoshi (1) alessandro gottardo (1) arcoiris (1) armour (1) arquitetura (1) asselyn (1) ate (1) bassano (1) biblia (1) breton (1) cartoon (1) ceticismo (1) cocaina (1) conto (1) criança (1) dança (1) direito (1) dor (1) eclesiastes (1) economia (1) edgar allan poe (1) edgar morin (1) ego (1) ensaio (1) epicurus (1) espelho (1) estações (1) eu (1) fala (1) feed (1) foto (1) frr (1) física (1) game (1) gato (1) giger (1) girafa (1) goya (1) hamlet (1) hoffmann (1) humor (1) identificação (1) impressionismo (1) intuição (1) jakobson (1) japan (1) krsna (1) kundera (1) lacn (1) leminski (1) lévi-strauss (1) mafalda (1) magritte (1) miró (1) moda (1) moral (1) mundo (1) mãe (1) narrativa (1) nausea (1) neruda (1) nokides (1) ocultismo (1) perguntas (1) poeso (1) poker (1) política (1) praia (1) sabedoria (1) sapatos (1) saramago (1) semina (1) semiótica (1) shopenhauer (1) soutine (1) suicidio (1) swan (1) sêneca (1) tatoo (1) tatuagem (1) tese (1) titã (1) touro (1) umberto eco (1) valentina (1) venus (1) virtude (1) war (1) weeks (1)
 

sobrefulanos by nokides