Os Amores do Diabo | Jacques CAZOTTE

| domingo, 13 de fevereiro de 2011
Todo este chancear alegre era intervalado de carícias tão meigas que eu me
não podia esquivar, bem que me deixando acariciar, reservava o meu orgulho,
enfreando a violência dos desejos. Bem me lia ela nos olhos tudo o que ia lá
dentro; e o mais é o que procurava exacerbar os ímpetos da paixão. Jacques Cazotte
Os Amores do
Diabo
2
APRESENTAÇÃO
O autor dos "Amores do Diabo" pertence à classe de escritores que, à
imitação de alemães e ingleses, são denominados "humorísticos" e que entraram
em nossas formas literárias envernizados de imitação estrangeira. O espírito são e
sensato do leitor francês a custo se presta aos caprichos das fantasias desatadas,
salvo quando elas atuam entre os limites tradicionais, e já aceitos, de contos de
fadas e pantomimas teatrais. Apraz-nos, então, a alegoria, diverte-nos a fábula.
Estão repletas as nossas livrarias desses brinquedos de espírito, primeiro
engenhados para crianças, depois para damas, e também para homens com sérias
ocupações.
Os homens do século XVIII vagavam muito traz semelhantes leituras.
Nunca, ficção e fábula andaram tanto em voga como então. Escritores seríssimos:
Montesquieu, Diderot, Voltaire acalentavam e adormeciam com lindos contos
àquela sociedade que ia ser destruída pelo doutrinamento deles mesmos. O autor
do "Espírito das leis" escreveu o "Templo de Guido"; fundador da Enciclopédia
deliciava o gentio das alfurjas com o Pássaro branco, e As Jóias Indiscretas; o
autor do Dicionário Filosófico lardeava a Princesa de Babilônia e Zadig das
maravilhosas imaginativas do Oriente. Era tudo isso invenção, e espirito, e nada
menos que do mais seleto e gracioso.
Entretanto, poeta e crente de sua fábula, narrador capacitado de sua lenda,
fantasista que desse tons sérios ao delírio de sua idéia, disso é que não havia
topar no século dezoito, época em que os padres poetas se inspiravam na
mitologia, e os poetas leigos fabulavam com os mistérios cristãos.
O público daquele tempo espantar-se-ia se soubesse que havia em França
um narrador - sincero e espirituoso a um tempo - que continuava as Mil e uma
Noites - a grande obra incompleta que Mr. Galland fadigosamente traduziria - e
isso de modo como se os fabulistas árabes lha ditassem, não como quem
atamanca obra de imitação grosseira, mas com a gravidade de quem escreve
cousa original e importante engenhada por espírito bem identificado às crenças
3
do Oriente. Verdade é que grande parte destes contos ideou-a Cazotte ao pé das
palmeiras, ao longo das grandes cordilheiras de S. Pedro, longe da Ásia, é certo,
mas debaixo do seu sol refulgente.
Entretanto, o mais das obras deste escritor singular vingou desaproveitado
para a sua glória, e tão-somente dos Amores do Diabo e de alguns poemas e
cançonetas pende a nomeada que lhe ilustrou as desenvolturas da velhice. Ao
fechar-se-lhe a vida, desvendou-se o arcano das idéias misteriosas que influíram
em quase todos os seus escritos, e lhes acrescem singular valia que tentarem
aquilatar.
Vagamente nos entreluzem notícias da primeira idade de Jacques Cazotte.
Nascido em Dijon por volta de 1720, cursou as aulas dos jesuítas, como todos os
engenhos eminentes desse tempo. Um de seus irmãos, vigário geral de M. de
Choiseul, bispo de Chalons, chamou-o a Paris, e empregou-o na secretaria da
Marinha, onde, em 1767, obteve a graduação de Comissário. Então começou a
entender com letras, e nomeadamente com poesia. Nas salas de seu patrício
Rancourt, onde se reuniam letrados e artistas, deu-se ele a conhecer, recitando
fábulas e canções, primeiros esboços de um engenho que adiante devia ilustrar-se
mais com a prosa que por versos.
Dai em diante, parte da sua vida seria passada na Martinica, onde foi
exercer ofício de verificador de "He-sous-le-vent". Ai viveu obscuramente por
espaço de anos, mas respeitado e querido; e lá casou-se com Elisabeth Roignan,
filha do Supremo Juiz de Martinica. Voltando com licença para Paris, publicou
algumas poesias. São deste tempo duas canções que lhe deram rápida
celebridade, como procedentes do gosto, então, na voga, de remoçar o antigo
romance ou balada francesa, à feição de "Sieur de la Monnoye". Estes foram os
intróitos daquele colorido romântico ou romanesco de que a nossa literatura veio
a usar e abusar; notável cousa é ver ai, por entre vastas incorreções o gênio
aventuroso de Cazotte1.
Cazotte era apenas ainda o autor modesto de algumas cançonetas e fábulas;
4
mas já o sufrágio do acadêmico Monerif lhe empenhou a fantasia a tratar o
assunto de "Olivier" na forma de poema em prosa, intrometendo, ao sabor
italiano, narrativas cavaleirosas de situações cômicas e aventuras mágicas. Este
poema não prima em valor, mas é leitura recreativa de estilo terso.
É do mesmo tempo a composição Lord improvisado, novela inglesa escrita
no gênero íntimo, e interessantemente urdida.
Não se cuide, porém, que o autor destas fantasias descurasse os seus
encargos administrativos. Temos sob mão um trabalho manuscrito que ele dirigiu
ao ministro M. de Choiseul, acerca das obrigações do comissário de Marinha,
alvitrando reformas no serviço com solicitude que decerto lhe foi apreciada.
Cumpre ajuntar que Cazotte, quando os ingleses invadiram a colônia em 1749,
portou-se energicamente e revelou ciência militar no guarnecimento da fortaleza
de São Pedro. O ataque foi repelido, apesar do desembarque dos ingleses.
Neste em meio, como o irmão lhe falecesse, Cazotte foi à França recolher a
herança, e logo requereu reforma, que lhe foi concedida em honoríssimos termos,
com título de Comissário Geral da Marinha.
II
Levou consigo para França a esposa, e foi residir em Pierry, perto
d’Épernay, na casa de seu irmão. Resolvidos a não voltarem à Martinica,
venderam as que lá tinham ao Padre Lavallette, reitor do colégio de Jesuítas,
homem douto com quem ele, enquanto demorou nas colônias, manteve boas
relações. O Padre pagou-lhe com letras a sacar sobre a Companhia de Jesus em
Paris, perfazendo cinqüenta mil escudos. Teve de protestar as letras. A
Companhia alegou que o Padre Lavallette se arriscara em indústrias perigosas
que ela não confirmava. Cazotte, que envolvera nesse contrato o mais dos seus
haveres, foi obrigado a demandar os seus antigos mestres. Desse litígio, ingrato
1 Suprimem-se algumas canções por nos parecerem pouquíssimo momentosas na
biografia, e de mérito muito duvidoso.
5
ao seu coração piedoso e monárquico, engendraram-se outros que dispararam
depois sobre a Companhia de Jesus, e deram com ela em terra.
Destarte principiaram os reveses daquela vida singular. Não há dúvidas que,
então, sofressem algum abalo as suas convicções religiosas.
Animado pelo êxito do poema de "Olivier" deu-se à escrita, e saiu com os
Amores do Diabo.
Diferentes méritos dão celebridade a esta obra. Realça entre as outras de
Cazotte pela graça e perfeição das particularidades; mas a todas se avantaja pela
originalidade da concepção. Em França, e mormente lá fora, este livro foi modelo
inspirativo de muitas produções análogas.
O fenômeno de tal obra literária não destoa do meio social onde foi
produzido. O Burro de Ouro de Apuleio, livro igualmente entranhado de
misticismo e poesia, dá-nos o molde de tais inventos nas antigas eras. Apuleio,
iniciado no culto de Ísis, pagão iluminado, meio cético, meio crente,
esquadrinhando, nos entulhos das teologias desabadas, vestígios das superstições
anteriores ou persistentes - já explicando as fábulas com o símbolo, e o prodígio
com uma definição vaga das forças ocultas da Natureza, já motejando de sua
mesma credulidade, ou desfechando, a espaços, flechas de ironia que desatremam
o leitor propenso a dar-lhe crédito - é o corifeu desta fileira de escritores que em
França inclui gloriosamente o autor de Smarra, visão antiga e poética realização
dos mais surpreendentes fenômenos do pesadelo.
Houve muito quem tivesse os Amores do Diabo em conta de historinha
mágica, parecida com outras do mesmo tempo, e digna de ser encadernada com o
Gabinete das Fadas.
Quando muito, pô-la-iam de par com os contos alegóricos de Voltaire.
Tanto montaria comparar a obra mística de Apuleio às facécias mitológicas de
Luciano. Serviu largo tempo o Burro de Ouro às teorias simbólicas dos filósofos
de Alexandria; propriamente os cristãos acataram aquele livro; e Santo Agostinho
cita-o respeitosamente como expressão poetizada de um símbolo religioso. Os
Amores do Diabo livro digno até certo ponto dos mesmos elogios, marca singular
melhoria no engenho e índole do autor.
6
Portanto, este homem, primeiramente poeta jocoso da escola de Marot e de
La Fontaine, depois narrador ingênuo, ora afeiçoado ao colorido dos velhos
fabulários franceses, ora enamorado das cintilações da fantasia oriental,
vulgarizada pela voga das Mil e uma Noites - mirando mais ao gosto
contemporâneo do que ao pendor de sua própria condição - ei-lo que resvala ao
máximo perigo da vida literária, que é compenetrar se um homem da seriedade
das suas imaginações desconcertantes. É certo que nesse dislate assenta a
desgraça e glória de insígnes escritores daquela época, os quais escreviam com
sangue e lágrimas, atraiçoavam impiedosamente, em prol do vulgo, os mistérios
de seu coração e espírito; representavam gravemente o seu papel, como os
cósmicos antigos que pintalgavam o tablado de sangue verdadeiro para regozijo
do povo rei. Porém, como esperar, naquele século sem fé e sem clero a pugnar
por suas crenças, que houvesse poeta amante de maravilhas puro alegóricas a
ponto de se deixar ir depois elas, a pouco e pouco, até esbarrar no mais sincero e
ardente misticismo?
Livros respectivos à cabala e ciências ocultas desbordavam, então, das
bibliotecas. As mais estupendas especulações da meia idade ressurgiam
avantajadas no espírito e ligeiras na forma, de jeito a conciliar as idéias
remoçadas aos sufrágios do público, meio ímpio, meio crente, como tinha sido o
outro dos derradeiros tempos de Grécia e Roma. O Padre de Villars, Dom
Pernety, o Marquês d’Argeans, vulgarizavam os mistérios de Oedipus
Aegyptiacus e as doutas devaneações dos neo-platônicos de Florença: Pico de la
Mirandola e Marcílio Ficino reviviam repassados do espírito almiscarado do
século XVIII, no Conde de Gabalis, nas Cartas Cabalísticas e outros produtos de
filosofia transcedente ao alcance dos salões. Pelo que, tudo era bacharelar em
espíritos elementares, simpatias latentes, encantos, possessões, migração de
almas, alquimia, e, sobretudo, magnetismo. A heroína dos Amores do Diabo não
é mais nem menos que um daqueles duendes estrambóticos, pintados nos artigos
íncubo e súcubo do Mundo encantado de Bekker.
A figura sinistra que o autor atribuiu à galante Biondetta bastantemente
argue que ele ainda estava por iniciar, àquele tempo, nos mistérios dos cabalistas
7
ou iluminados, os quais sempre acordadamente distinguiram espíritos
elementares, silfos, gnomos, ondinas ou salamandras, dos agentes negros de
Belzebuth. Sem embargo, conta-se que em seguimento à publicação dos Amores
do Diabo, recebeu Cazotte a visita de certo personagem misterioso, de aparência
circunspecta, escavacado por olheiras profundas, e envolto em uma capa escura
que lhe emproava a estatura respeitável.
Solicitou falar-lhe particularmente. E, logo que ficaram a sós, o visitante
chegou-se a Cazotte, trejeitando-lhe umas caretas estranhas, dessas com que os
iniciados reciprocamente se dão a conhecer. O pasmado Cazotte perguntou-lhe se
era mudo, ou, então, houvesse por bem de se explicar mais ao humano. O outro,
porém, o que fez foi mudar a mímica, executando outros sinais mais enigmáticos
ainda.
Cazotte fez um gesto de impaciência:
- Desculpe - acudiu o visitante - eu julgava-o dos nossos, e no mais alto
grau.
- Não o percebo - disse Cazotte.
- E, a não ser assim, onde achou as idéias que dominam os seus Amores do
Diabo?
- No meu espírito, se me dá licença!
- Qual! essas evocações em ruínas, os mistérios da cabala, o poder oculto do
homem sobre os espíritos aéreos, as miríficas teorias do poder dos números sobre
a vontade, sobre as fatalidades da existência, essas cousas imaginou-as o senhor?
- Li muito, mas sem doutrina, sem método particular.
- E não é franco-maçom?
- Nem isso!
- Pois bem, senhor meu! Quer fosse penetração, quer seja casualidade, o
senhor devassou segredos só aceitáveis aos iniciados de primeira ordem, e talvez,
daqui avante, o abster-se de semelhantes revelações... seja-lhe útil!...
- Pois que revelei eu? - exclamou Cazotte assustado - Eu que só me
empenho em divertir o público e somente avisar que é preciso acautelar-se do
diabo!
8
- E quem lhe diz que a nossa ciência não está relacionada com o espírito das
trevas? Pois olhe que a conclusão da sua obra é isso. Eu imaginei-o irmão desleal
que traia nossos segredos por qualquer motivo que eu desejava saber. E pois que
é profano, ignorante do nosso escopo sublime, eu o instruirei e farei entrar mais a
dentro nos mistérios do mundo dos espíritos que nos comprime de todos os lados,
e que já intuitivamente se lhe revelou.
Prolongou-se amplamente o diálogo. Discordam os biógrafos quanto ao que
disseram; mas concordam todos em assinalar a súbita revelação operada nas
idéias de Cazotte, adepto inconsciente de doutrinas, cujos representantes ele
pensava já não existirem. Confessou que no seu Amores do Diabo tentara
severamente os cabalistas, de quem ele formava idéia muito vaga, e não os
supunha tão condenáveis em sua práticas. Acusou-se até de ter algum tanto
caluniado os inocentes espíritos que povoam e animam a região média do ar,
associando-lhes à personalidade duvidosa de um duende fêmea, que dá pelo
nome de Belzebuth.
- Note - tornou-lhe o iniciado - que o padre Kircher, o padre Villars e
muitos mais casuístas, muito há demonstraram sua perfeita inocência em matéria
de cristianismo. Os capitulares de Carlos Magno, mencionando os espíritos como
seres contigentes da hierarquia celeste; Platão, Sócrates e os mais sábios gregos,
Orígenes, Porfírio e Santo Agostinho, luminares da Igreja, convieram em
estremar o poder dos espíritos elementares do poder dos filhos do abismo...
Não era preciso tanto para convencer Cazotte que devia mais adiante aplicar
tais idéias não aos livros, mas à sua vida, mostrando-se convicto delas até os
derradeiros momentos.
Prestou-se Cazotte a reparar a culpa malsinada tão depressa quanto era
perigoso acarear o ódio dos iluminados, muitos, poderosos e repartidos em seitas,
sociedades e lojas maçônicas, em correspondência de uma à outra fronteira do
reino. Acusado de haver descoberto aos profanos o segredo da iniciação, Cazotte
expunha-se à sorte do Padre Villars que, no Conde de Gabalis, atirara à
curiosidade pública, em estilo meio jocoso, a doutrina dos Rosa+ Cruz sobre o
mundo dos espíritos. Este eclesiástico foi achado morto, um dia, na estrada de
9
Lyon, e deste assassínio só os silfos e gnomos poderiam se acusados.
Não se recusou Cazotte aos conselhos do iniciado, por que essas idéias lhe
estavam no seu natural. A inanição dos estudos feitos, sem método, fatigava-lhe
o espírito; era-lhe mister, estranhar-se doutrina completa. A dos Martinistas,
entre os quais foi recebido, havia sido implantada por Martinez de Pasquallys,
renovando simplesmente a instituição dos ritos cabalísticos do século XI, último
eco do formulário dos gnósticos, onde o que quer que seja da metafísica judaica
se mescla às teorias obscuras dos filósofos alexandrinos.
A escola de Lyon, na qual Cazotte professara, seguia, consoante Martinez,
que inteligência e vontade são as únicas forças ativas da natureza, donde se
depreende que, para lhe modificar os fenômenos, basta querer e ordenar
energicamente. E ensinava mais, que o homem mediante a contemplação de suas
próprias idéias, e a abstração de tudo que é mundo exterior e corpo, podia alçarse
ao conhecimento perfeito de essência universal, e à dominação dos espíritos,
cujo segredo se contém na Tripla sujeição do Inferno, conjuração onipotente
usada pelos cabalistas da Idade Média.
Martinez que semeara a França de Lojas Maçônicas, fora acabar em São
Domingos. A doutrina abastardou-se abraçando idéias de Swenderborg e Jacob
Boehme, dificilmente consubstanciada no mesmo símbolo. O famigerado Saint
Martin, um dos mais moços e ferventes neófitos, aderiu particularmente à
doutrina do segundo. Já nesse tempo a escola lionesa se fundira na sociedade dos
filaletes, onde Saint Martin recusou entrar, dizendo que eles se ocupavam mais
da ciência das almas à laia de Swenderborg que da dos espíritos, conforme
Martinez.
Depois, mais tarde, este ilustre teósofo, falando da sua convivência com os
iluminados de Lyon, dizia: "Na escola onde professei, há vinte e cinco anos, era
freqüente toda a espécie de comunicações: eu participei delas com outros muitos.
As manifestações do sinal do Reparador eram lá visíveis: mediante as iniciações
preparei-me para elas, mas o perigo de tais iniciações é entregar-se um homem
aos espíritos violentos; e não assevero que não fossem de empréstimo as formas
10
que comunicavam."2
O perigo que Saint Martin receava foi rigorosamente o em que se abateu
Cazotte, e daí talvez lhe advieram as maiores desgraças de sua vida. Por largo
tempo ainda nutriu crenças brandas e tolerantes, visões límpidas e risonhas;
assim devia ser nos anos em que compôs os novos contos árabes que,
confundidos com as Mil e uma noites, não granjearam ao autor toda a glória que
devia disso auferir.
São os principais: A Dama incógnita, O Cavaleiro, O Ingrato punido, O
Poder do destino, Simoustophá, O Califa ladrão, que deu a idéia do Califa de
Bagdad, O Amante das estrelas, e O Mágico, ou Maugraby, obra cheia de belezas
descritivas e interessantes.
Graciosidade e espirituosos pormenores é o que sobreleva nestas
composições; pelo que toca à riqueza de invenção não cedem aos contos orientais
da mesma forma: isto em parte explica-se com o fato de lhe haver um monge
árabe, de nome Dom Chavis, comunicado muitos entrechos originais.
A teoria dos espíritos elementares, tão cara às imaginações místicas, aplicase
igualmente, como é notório, às crenças do oriente; os lívidos fantasmas vistos
nos nevoeiros do norte, à custa de alucinações e vertigens, parecem, nos livros
dele, rajar-se dos fogos e cores de uma atmosfera esplêndida e natureza
encantada. No seu conto do Cavaleiro, verdadeiro poema, Cazotte realiza
sobretudo o misto da fantasia romanesca e a separação dos espíritos bons e maus,
habilmente renovada dos cabalistas do oriente. Os gênios luminosos sujeitos a
Salomão travam rijas pelejas com os da seqüela de Ellis; talismãs, conjurações,
anéis constelados, espelhos mágicos, todo este laboratório dos fatalistas árabes
ata-se e desata-se ai, ordenada e claramente. O herói dá a lembrar o iniciado
egiptano do romance de Sethos, que, então, andava na berra. O lanço, em que ele
2 Gérard de Nerval, autor destra excelente biografia, á força de martelar no
Espiritismo, de que revela funda e vaníssima ciência neste escrito, perdeu afinal a
razão, como se infere nos seus últimos trabalhos, e suicidou-se. As desventuras de
Cazotte, lastimadas pelo seu biógrafo, explicam a parte menos lúcida do trágico fim
de Nerval. Téofilo Gautier, prefaciando a versão do Fausto admiravelmente
interpretado pelo seu chorado amigo, responsabiliza os livros cabalísticos da morte
daquele grande espírito, que jazia em trevas, quando escrevia aos iluminados.
11
atravessa, por entre mil perigos, a montanha de Caf, palácio perpétuo de
Salomão, Rei dos gênios, é a versão asiática do noviciado de Ísis; assim pois, a
preocupação das mesmas idéias ressurte, ainda, nas mais diversas formas.
Isto não é dizer que bom número de obras de Cazotte não pertença à
literatura comum. Gozou-se da nomeada de fabulista. Na dedicatória que fez do
volume de fábulas à Academia de Dijon, recordou-se de um seu antepassado que,
em tempos de Marot e Ronsard, colaborara no progresso da poesia francesa.
Quando Voltaire publicou o poema Guerra de Genebra, teve Cazotte a chistosa
lembrança de ajuntar aos cantos do poema incompleto um sétimo canto escrito
em tão semelhante linguagem, que o tomaram como de Voltaire3.
Dissemos que a ópera-cômica devia a Cazotte o assunto do Califa de
Bagdad. Os Amores do Diabo foram, também, representados com o título: O
Infante de Zamora. Sem dúvida foi ao propósito disto que um seu cunhado,
hóspede na quinta de Pierry, reprovou-lhe que não ensaiasse o teatro, e lhe
encareceu as óperas-bufas como obras de grande dificuldade.
- Dá-me uma palavra - disse Cazotte - que eu amanhã cedo terei escrito uma
peça desse gênero, a que não faltará nada!
O cunhado, vendo entrar um camponês de tamancos, disse:
- Belo! Seja tamancos! faça uma ópera com isto.
Cazotte pediu que o deixassem só; mas um singular sujeito, que estava no
rancho, ofereceu-se a fazer a música à medida que Cazotte escrevesse a ópera.
Era Rameau, sobrinho do eminente músico, de quem Diderot contou a vida
fantasiosa num diálogo, obra prima, e única sátira moderna capaz de emparelhar
com a de Petrônio.
A ópera concluída na mesma noite, foi mandada a Paris, e representada na
"Comédia italiana" depois de retocada por Marsoliez e Duni, que não
desdenharam associar-lhe seus nomes. Ora Cazotte auferiu daí meramente o
interesse de a ver de graça, e o sobrinho de Rameau, gênio desconhecido,
continuou como sempre obscuro. Todavia, era este o músico adequado a Cazotte,
12
que, em certo, deveu àquele singularíssimo sujeito extravagantes pensamentos...4
As cartas de Cazotte acerca da música, muitas a responder a J.J. Rousseau,
referem-se àquela breve divagação no mundo lírico. É anônima grande parte dos
seus escritos, depois recolhidos como peças diplomáticas da contenda sobre a
ópera. Umas são autênticas, outras duvidosas. Maravilhar-nos-íamos se no
catálogo delas entrasse o "Pequeno profeta de Boehmischbroda", fantasia de
particular espírito que assinaria a conformidade analógica entre Cazotte e
Hoffmann.
Bela era, então, a vida de Cazotte. Eis aqui o retrato que nos deu Charles
Nodier daquele homem célebre que ainda conheceu:
"Cazotte reunia à extremada benevolência, escrita na gentil e doce
fisionomia, à ternura de seus olhos azuis expressivamente sedutores, o precioso
talento de contar histórias como ninguém, a um tempo ingênuas e fantásticas,
reais pela exatidão das circunstâncias, e maravilhosas pela intrusão do magismo.
Dera-lhe a natureza dom especial de ver as coisas pela face ilusória, e é sabido se
eu era organizado de feitio a deliciar-me nesse gênero de quimeras. Pelo que,
logo que um pisar compassado se ouvia no pavimento do quarto vizinho, e a
porta dele se abria metodicamente vagarosa, e deixava lampejar o clarão da
lanterna, em mão de um criado velho, menos ágil que o amo, chamado
jocosamente por Cazotte o seu patrício; quando o velho surgia com o seu chapéu
tricorne e o amplo casacão de lila verde, acairelado de galão, sapato de biqueira
quadrada apresilhados no peito do pé por uma grande fivela de prata, bengala
encastoada de ouro, eu corria sempre para ele, doido de alegria, que os seus
afagos aumentavam".
Nodier dá-no-lo depois a referir um dos contos misteriosos que folgava de
contar na sociedade, avidamente atenta. Tratava-se da velhice de Marlon
Delorme, que ele tinha visto nos últimos dias da vida, tendo perto de cento e
cinqüenta anos de idade, como depois se verificou nas certidões de batismo e
3 Volta Gérard de Nerval à transcrição de cantatas, que não transladamos pela
razão já apontada no n. 1.
4 Ilide-se o extenso episódio concernente à vida de Rameau.
13
óbito conservadas em Besançon. Nesta controvertida questão da idade de Marlon
Delorme, Cazotte depunha como tendo vinte e um anos quando a vira. E assim,
dizia ele, que podia transmitir pormenores ignorados a respeito da morte de
Henrique IV, da qual Marlon Delorme era contemporânea.
Mas era, então, abundante a safra de narradores maravilhosos. O Conde de
Saint Germain e Cagliostro enlouqueciam todas as cabeças, e Cazotte não tinha
talvez mais do que eles senão as qualidades literárias e a reserva de sincera
honestidade. Se, portanto, cumpre-nos crer na célebre referida das Memórias de
La Harp, Cazotte exercitou ai o papel fatal de Cassandra, e não deve ser argüido,
como lhe imputaram de estar sempre sobre a trípode.
III
Diz La Harpe:
"-Parece-me que foi ontem, e isto passou no princípio de 1788. Estávamos a
jantar em casa de um confrade da Academia, grande senhor e homem de altos
dotes de espírito. Era numerosa a companhia, e de todas as condições:
magistrados, palacianos, letrados, acadêmicos etc. Havíamos comido à tripa
forra, como era costume. À sobremesa, os vinhos de Malvásia e Constança,
davam ao júbilo dos bons convivas àquela demasia de franqueza que nem sempre
se mantinha delicada. Era razão de rir sempre, aquele tempo, e tudo era permitido
à galhofa.
Champfort lera-nos os seus contos ímpios e libertinos, ouvidos pelas
ilustres damas que não recorreram aos leques. Depois, um chuveiro de remoques
à religião, com geral aplauso. Ergue-se um comensal de copo em punho, e brada:
"- Senhores, tão certo estou que não há Deus, como estou certo que Homero é um
parvo". De feito, tão certo estava ele de uma coisa como da outra. E ao tratar-se
ali de Deus e de Homero, houve pessoas que disseram bem dos dois.
Prosseguiu a palestra já mais circunspecta. Exaltam a revolução feita por
Voltaire, e concordam ser esse o máximo padrão da sua glória: "Deu o impulso
ao seu século, e fez-se ler tanto nas salas como nos pátios" - exclamou um.
14
E, então, alguém contou entre frouxos de risos que o seu cabeleireiro lhe
havia dito quando o empoava: "- Saiba, meu senhor, que eu, apesar de ser um
miserável sangrador, não sou mais religioso que qualquer outro."
Disto concluíram que a revolução consumar-se-ia, e que se a superstição e
fanatismo iam ceder o passo à filosofia. E logo entraram a calcular a época, e a
recensear quais dos circunstantes alcançariam o reinado da razão. Os mais idosos
deploravam-se por não se poderem gabar dessa; os mais novos rejubilavam na
verossímil esperança de lá chegar; e todos a um felicitavam a Academia por
haver preparado a grande obra, o centro, o quartel-general, o motor da liberdade
de pensamento.
Um só dos convivas era estranho às alegrias da conversação, e até dirigia
alguns inofensivos gracejos ao nosso radioso entusiasmo: era Cazotte, homem
amável e singular, mas desgraçadamente enfatuado em dislates dos iluminados.
Este homem ilustrou-se grandemente depois com a sua heroicidade.
Falou ele em tom grave:
- Meus senhores, alegrem-se, que hão de todos ver a grande e sublimada
revolução que desejam ardentemente. Sabem que sou um pouquinho profeta.
Repito: hão de vê-la!
Responderam-lhe com o estribilho da muda: "- Quem tal diz é grande
bruxo!"5
- Pois seja assim - tornou ele - mas é talvez preciso ser mais que bruxo para
o que tenho de dizer-lhes. Sabem o que virá com a tal revolução para todos os
que estão presentes, e qual seja a conseqüência imediata, o bem provado efeito,
as resultas bem palpáveis?
- Ora, saiba-se isso! - disse Condorcet com seu ar sombrio - Um filósofo
não desgosta de topar um profeta.
- O senhor Condorcet morrerá prostrado no lajedo de uma masmorra;
morrerá do veneno que bebeu para se furtar ao carrasco, do veneno que a bemaventurança
desses dias o forçará a trazer sempre consigo.
5 Faut pas être grand sorcier pour ça.
15
Grande espanto! Mas ocorre a idéia de ser Cazotte um sonhador acordado, e
todos riem.
- Senhor Cazotte, esse conto é menos aprazível que os seus Amores do
Diabo, mas que demônio lhe encasquetou nos miolos a masmorra, o veneno e o
carrasco? Que há de comum entre isso a filosofia, o reinado e a razão?
- É isto que lhes digo: em nome da filosofia, da humanidade, da liberdade, e
no reinado da razão, isto sucederá, e muito quando a razão reinar e tiver templos;
- e só ela os terá, então, na França.
- A fé! - bradou Champfort a rir sarcasticamente - fio que o senhor Cazotte
não seja um dos sacerdotes desses templos!
- Espero que não, mas o Sr. de Champfort, que há de ser um e digníssimo
de o ser, cortará as próprias veia com vinte e dois golpes de navalha de barbear, e
ainda assim só há de morrer alguns meses depois.
Entreolharam-se e riram.
- O Sr. Vieq-d’Azir não abriria as próprias veias; mas, depois de as mandar
abrir seis vezes em um dia, em seguida a um ataque de gota para melhor êxito
morrerá por noite. O Sr. de Nicolai morrerá no cadafalso; o Sr. Bailly no
cadafalso...
- Bendito seja deus! - disse Roucher - parece que este senhor só entende
com acadêmicos. Que execuções ele vai fazendo! mas eu, graças ao céu...
- O senhor morrerá também no cadafalso.
- Jurou de dar cabo de tudo! - gritaram todos.
- Mas quem é que nos vencerá? Turcos ou tártaros, ou quem?
- A filosofia, a razão. Quem assim os há de tratar senão os filósofos, em
cujas bocas estarão continuadamente as mesmas frases que os senhores ai
vociferam há uma hora, as suas máximas, os versos do Sr. Diderot e da Donzela
de Órleans6.
E segredavam-se uns aos outros: "Bem sabem que ele é doido", enquanto
Cazotte se mantinha na maior gravidade. "- Não vêem que o homem graceja? E
6 Alude à Pucelle, poema despejado de Voltaire.
16
que há sempre o fantástico nos seus gracejos?"
- Convenho - disse Champfort - mas é uma brincadeira nada risonha; acho-a
patibular demais. E quando há de acontecer tudo isso?
- Antes de seis anos completos se cumprirá tudo que eu disser.
- O que ai vai de maravilhas! - disse eu - Também entro na conta?
- O Senhor não será da conta por um milagre não menos extraordinário:
será, então, cristão.
Grande alarido.
- Ah! - disse Champfort - estou sossegado! Se havemos de morrer quando
La Harpe for cristão, somos imortais!
- Pelo que nos toca - disse a duquesa de Grammont - somos felicíssimas,
por nada valermos em revoluções; quando digo nada não quero dizer que lhe
sejamos de todo estranhas; mas está sabido que o nosso sexo não tem
responsabilidade...
- O seu sexo, minhas senhoras, desta vez não as defenderá; e quando
mesmo se não se entremetessem, seriam tratadas como homens, tal qual.
- Mas que nos prediz visto isso, Sr. Cazotte? Prega-nos o fim do mundo?
- Do fim do mundo nada sei; mas, o que sei é que a Sra. duquesa será
levada ao cadafalso com outras muitas damas, na carroça do algoz, e as mãos
amarradas para as costas.
- Ai! Ao menos, em tal aperto, espero que me levem em carro de crepes!
- Não, minha senhora; mas altas damas hão de ir também na carroça, e com
as mãos também amarradas!
- Mais altas damas! Quem? As princesas?
- Mais grandes ainda .
Aqui se ergueu um grande rumo na companhia, e o aspecto risonho do dono
da casa mudou para sombrio. Era gracejar demais!
A senhora de Grammont, para varrer a nuvem, não insistiu na última
resposta; mas disse em tom de mofa:
- Já vêem que nem sequer me deixa um confessor!
- Não, minha senhora, não terá confessor, e ninguém o terá. O último
17
supliciado que terá confessor por obséquio, será...
Fez uma breve pausa.
- Que é o ditoso mortal a quem há de ser concedida essa prerrogativa?
- E não terá outra: será o rei da França.
O dono da casa ergueu-se precipitadamente, e todos nós com ele. Dirigiu-se
a Cazotte e disse-lhe com rudeza: "- Meu caro Sr Cazotte, já enfada essa facécia
lúgubre; vai longe demais, e expõe a sociedade em que é recebido."
Cazotte não respondeu, e ia já se retirar, quando a duquesa, sempre
gracejando, foi ter com ele.
- Senhor profeta! - disse a dama - leu-nos a buena-dicha, e nada nos diz da
sua?
Quedou-se ele em silêncio com os olhos no chão; e, passado algum espaço
de tempo, respondeu:
- Minha senhora, leu em Josefo o cerco de Jerusalém?
- Li, quem não o leu? Mas imagine que não li!...
- Pois bem, minha senhora... durante o cerco, um homem rodeou sete dias e
sete noites a muralha, à vista dos sitiados e dos sitiantes, exclamando sempre
com voz sinistra e atordoadora: Ai de Jerusalém, ai de mim! E, de repente, uma
grande pedra, arrojada pelas máquinas inimigas, deu nele e despedaçou-o.
Dito isto, Cazotte cumprimentou a duquesa e saiu.
Bem que este documento nos mereça confiança tão somente relativa, - e
atida a Charles Nodier que diz não ser difícil naquele tempo antever a revolução
que recensearia suas vítimas na mais distinta sociedade, devorando quem a criara
- vamos referir uma passagem singular que se nos depara no poema de "Olivier",
publicado trinta anos antes de 93, na qual se nota certa preocupação de cabeças
cortadas que pode ser, posto que vagamente, uma alucinação profética:
"Cerca de quatro anos fomos ambos arrastados por encantamentos aos
paços da fada Begasse. Esta perigosa feiticeira, vendo com os olhos malévolos o
progredir das armas cristãs na Ásia, quis tolhê-las, armando insídias aos
cavaleiros paladinos da fé. Edificou daqui perto um palácio soberbo.
Desgraçadamente, pusemos o pé nas avenidas do palácio; e para logo, enleados
18
por magia, quando nos cuidávamos fascinados apenas pela beleza do sítio,
chegamos ao peristilo do edifício; mas, apenas aqui entramos, o mármore que
pisávamos, sólido ao que parecia, greta e abre-se debaixo de nós. Uma inopinada
queda nos despenha sobre o girar duma roda armada de lâminas cortantes, que
retalham dum traço todas as partes do nosso corpo; e o mais para espanto era que
a morte não nos chegava depois de tão estranha dissolução.’
"Levadas de seu próprio pendor, as porções dos nossos corpos caíram em
profunda caverna, e ai se amontoaram com um acervo de membros amputados. À
imitação de bolas, as nossas cabeças rolavam por ali. Atordoado de todo este
movimento estupendo, abri os olhos, passado tempo, e vi minha cabeça
enfileirada ao lado de oitocentos de ambos os sexos, de todas as idades e cores,
conservando o movimento dos olhos e da língua, e particularmente um mover de
queixos que as fazia continuadamente abri-las como quem se espreguiça. E
nenhuma palavra ouvi senão estas mal articuladas:7 "Ai! que aborrecimento! que
desesperação! E eu, sem poder resistir à impressão que me fazia a condição geral,
pus-me a bocejar com eles."
IV
São já antecipados os sucessos
Chegados a dois terços da vida do nosso escritor, entremostramos uma cena
dos seus últimos dias. À maneira do próprio iluminado, cruzamos traços do
passado com os do futuro.
Era do nosso plano apreciar Cazotte já como literato, já como filósofo
místico; mas, se na maior parte dos seus livros, ressoai o sinete de suas
preocupações relativas à ciência cabala, cumpre dizer que não vislumbra neles a
mínima intenção dogmática; antes parece que não teve parte nos lavores
7 Nerval, extraindo mais amplos pormenores do relanço poético, presume que vai
nisto o pressentimento que produziu Cazotte o seu trágico fim no cadafalso.
Abreviamos o extrato para que a leitora não boceje, também, com as cabeças
degoladas pela fada Begasse.
19
coletivos dos iluminados martinistas, e tão-somente lhes aceitou a regra de
proceder particular e pessoal. Seria mal comparada esta seita com os institutos
maçônicos da época, bem que se assemelhassem nas fórmulas externas. Os
martinistas admitiam a queda dos anjos, o pecado original, e o Verbo Reparador;
em dogmas essenciais não se dispersando da Igreja.
Saint-Martin, o mais insigne, é espiritualista cristão pelo molde de
Mallebranche.
Acima dissemos que ele deplorara a intervenção de espíritos violentos no
grêmio da seita lionesa. Como quer que esta expressão deva entender-se, é certo
que a sociedade adotou intuitos políticos que afastavam muitos membros. Talvez
seja exagerada a influência dos iluminados em Alemanha e França; mas não há
de se negar que preponderaram notavelmente na revolução francesa e no impulso
do seu movimento. As simpatias monárquicas de Cazotte desviaram-no de tal
direção, e lhe impediram de sustentar com o seu talento doutrinas que
destamparam em resultados inversos do que se lhe antolhara.
Triste coisa é ver aquele homem, tão prendado como escritor e filósofo,
passar os derradeiros anos da vida no dissabor das letras e a pressagiar borrascas
políticas que não podia conjurar! Feneceram-lhes as grinaldas da imaginação;
aquele espírito de tão claro e francês torneio, formulando peregrinamente as mais
esquisitas fantasias, fulge raras vezes na correspondência política que lhe foi
causa do processo e da morte. Se é certo que algumas almas têm condão de
prever sinistros casos, força-nos ter isso mais em conta da faculdade desgraçada
que em dom celestial, pois que, semelhantes à Cassandra antiga, essas almas nem
persuadem os outros nem se preservam a si.
Os anos finais de Cazotte na sua quinta de Pierry, em Champagne,
oferecem, não obstante, alguns lances de ventura e sossego na vida íntima.
Afastado do mundo dos sábios, que apenas freqüentava nas suas idas à Paris,
furtando-se ao torvelinho mais vertiginoso nunca das seitas filosóficas e místicas,
pai de uma filha encantadora, e de dois filhos cheios de coração entusiasta como
seu pai, o virtuoso Cazotte parecia ter agrupado em volta de si todas as condições
do porvir tranqüilo; mas as tradições de pessoas que, então, trataram-no, pintam20
no assombrado das nuvens que pressentia além do horizonte bonançoso.
Um gentil-homem, chamado Plas, pediu-lhe a mão de sua filha Elisabeth.
Eram namorados que se amavam desde meninos; mas Cazotte delongava a
resposta definitiva, consentindo-lhes que esperassem.
Ana-Marie, autor agradável e atrativo, refere particularidades duma visita a
Pierry por Mad. D’Argèle, amiga desta família. Descreve o belo salão ao rés do
jardim, flagrante de perfumes de um arbusto da Colônia transplantado por Mad.
Cazotte, e que, na vivenda desta excelente senhora, recebia um aspecto de
especial elegância e raridade. Uma negra costurava ao pé dela. Aves americanas,
curiosidades dispostas sobre os móveis, e bem assim o traje e penteado tudo
falava saudades daquela dama a levarem-lhe a alma à sua primeira pátria. Era
perfeitamente bela com sempre fora, bem que já tivesse filhos grandes. Respirava
aquela graça descuidosa e a modo de espreguiçada das crioulas, com um ligeiro
sotaque de onde vinham ares infantis e mimosos, com que muito cativava. Num
tapete ali ao pé estava um cãozinho fraldeiro, que se chamava Biondetta, como a
cadelinha espanhola dos Amores do Diabo.
Uma senhora de anos avançados alta e majestosa, marquesa de Santa Cruz,
viúva de um grande fidalgo de Espanha, pertencia à família onde tinha muita
influência, por motivo de fraternizar em convicções com Cazotte. Havia muitos
anos que a marquesa fora iniciada por Saint-Martin; afora isto o iluminismo
também a ligava a Cazotte com vínculos intelectuais que a doutrina considerava
um modo de antecipação da vida futura.
Este segundo casamento místico, ressalvado de suspeitas pela idade dos
contraentes, era para Mad. Cazotte objeto de menos tristeza do que sobressalto no
ponto de vista de uma razão toda humana que não compartilha da febre daqueles
nobres espíritos. Ao invés, os três filhos aquinhoavam sinceramente das idéias do
pais e da velha amiga.
Pelo que é desta matéria, já nos explicamos, todavia, será bom aceitar
sempre as lições do bom siso vulgar que indo pela vida afora sem inquietar-se
com os sombrios mistérios do futuro e da morte? O mais próspero destino
dependerá da imprevidência que se espanta e desfalece quando estala o
21
acontecimento funesto, e só tem prantos e gritos a contrapor ao gládio formidável
da desgraça?
Era Mad. Cazotte quem ai devia padecer mais; quanto aos outros, a vida era
um mero combate de resultados incertos, mas de infalível recompensa.
Não é inútil, para inteirar a análise das teorias que daremos logo nos
fragmentos epistolares, base do processo de Cazotte, extrair algumas opiniões do
iluminado, referidas por Ana-Marie.
Dizia ele: "- Todos vivemos entre os espíritos de nossos pais; atua-nos de
todos os lados o mundo invisível... Há ai constantemente amigos do nosso
pensamento que se aproximam de nós. Minha filha tem seus anjos tutelares; cada
um tem os seus. Cada qual de nossas idéias, boa ou má, dá movimento a algum
espírito que lhe corresponda, assim como cada movimento do nosso corpo faz
deslocar a coluna de ar que suportamos. Tudo está cheio, tudo é vidente no
mundo, onde, depois do pecado, os véus obscurecem a natureza... E eu, iniciado
sem procurar sê-lo, e por isso mesmo me lastimo, hei levantado esses véus como
o vento desfaz as névoas. Vejo o bem e o mal, os bons e os maus. Algumas vezes
a confusão dos seres é tamanha aos meus olhos, que já mal posso, ao primeiro
aspecto, distinguir os que vivem em sua carne daqueles que a despiram das
aparências grosseiras.’
"- Sim! - acrescentava ele - há almas, que tão materializadas ficaram, tão
cara lhes é a forma que até para o outro mundo se voaram opacas. Essas são
semelhantes aos que vivem.’
"Enfim, que mais vos direi? Quer seja enfermidade de minha vista, quer
semelhança real, há ai momentos em que totalmente me iludo. Esta manhã,
durante a oração, quando estávamos reunidos sob os olhos do Onipotente, a casa
estava tão repleta de vivos e mortos de todas as idades e países, que eu já não
podia discernir entre vida e morte. Era uma estranha desordem, e todavia um
magnífico espetáculo."
Mad. D’Argèle assistiu à partida do jovem Scévola Cazotte a servir na
guarda real. Sobranceavam já os tempos calamitosos, e o pai bem sabia que o
imolava aos perigos.
22
A Marquesa de Santa Cruz ajuntou-se a Cazotte para lhe dar o que eles
denominavam seus poderes místicos, e depois se dirá como ele lhes deu conta de
tal missão. Aquela mulher entusiasta fez na fronte, nos lábios e no coração do
moço três sinais misteriosos acompanhados de uma invocação secreta, e desta
arte consagrou o futuro do que ele chamava Filho de sua inteligência.
Tão extasiado em convicções monárquicas como em misticismo, Scévola
Cazotte foi um dos que na volta de Varennes vingaram proteger a vida da família
real contra o furor dos republicanos. Por momentos, em meio das turbas, o
Delfim foi arrebatado a seus pais e Scévola chegou a tomá-lo e levá-lo à rainha,
que lhe agradeceu chorando. A seguinte carta, que ele enviou ao seu pai é
posterior ao seu sucesso:
"Meu querido papá. Passou o 14 de julho. O rei entrou no palácio são e
salvo. Desempenhei-me o melhor que pude da missão de que o papá me
encarregou. Lá saberá talvez se ela produziu o desejado efeito. Sexta-feira
ajoelhei-me à sagrada mesa; e, ao sair da Igreja, fui ao altar da pátria onde, às
quatro horas, fiz sobre os quatro lados os sinais necessários para submeter todo o
campo de Marte à proteção dos anjos do Senhor.’
"Alcancei a carruagem onde estava encostado quando o rei subiu. Madame
Elisabeth lançou-me um olhar que transpôs ao céu todos os meus pensamentos.
Protegido por um de meus camaradas, acompanhei a carruagem até dentro da
linha; e o rei, então chamou-me e disse-me:
‘-Cazotte, sois vós um que encontrei em Epernay e a quem falei?’ E
respondi: ‘-Sim, senhor; ao apear da carruagem estava eu lá.’ E retirei-me quando
os vi nos seus aposentos.’
"O campo de Marte estava coberto de homens. Se eu fosse digno que seus
mandados e orações se executassem, muitos perversos seriam furiosamente
desatados dali. Na volta, gritavam todos quando ele passava: ‘- Viva o rei!’ As
guardas nacionais entravam nisto de todo o coração; e a marcha era um triunfo.
Foi belo o dia; e o comendador disse que por ser o último dia em que Deus
deixava o diabo, dera-lhe cor de rosa. Adeus. Ajuntem-se às suas orações para
que as minhas sejam eficazes. Não descansemos. Abraço à mamã Zabeth
23
(Elisabeth). Meus respeitos à Sra. Marquesa."
A qualquer opinião que se pertença, comove a dedicação desta família,
embora se motejem os fracos meios sobre que assentavam tão fervorosas
convicções. São respeitáveis as ilusões das almas cândidas, sob qualquer forma
que se mostrem; mas quem ousará taxar de pura ilusão o pensar que o mundo é
governado por influências superiores e misteriosas, sobre as quais a fé do homem
pode atuar?8 A filosofia pode zombar da hipótese; mas toda a religião corre o
dever de admiti-la, e todas as seitas políticas se tem armado com ela. Isto explica
o separar-se Cazotte de seus antigos irmãos iluminados. É sabido quanto o
espírito republicano exercitará o misticismo na revolução da Inglaterra; era
idêntica a tendência dos martinistas; porém, arrastados no movimento operado
pelos filósofos, dissimulariam, castamente o lado religioso de sua doutrina, que,
àquele tempo, não podia contar com popularidade.
Sabem todos que os iluminados foram grande parte nas comoções
revolucionárias. Seitas organizadas secretamente correspondiam-se entre França,
Alemanha e Itália, e influíam mormente sobre grandes personagens mais ou
menos instruídos no fim delas. Joseph II e Frederico Guilherme operaram várias
vezes sob a sua inspiração. É notório que o segundo, posto à frente da liga dos
soberanos, havia penetrado em França e já demorava a trinta léguas de Paris,
quando os iluminados, em uma de suas sessões secretas, evocaram o espírito do
grande Frederico, seu tio, que lhe vedou passar adiante. Em seqüência desta
aparição (depois explicada de diferentes modos) aquele monarca desocupou
subitamente o território francês, e concluiu mais tarde um tratado de paz com a
república, que, seja como for, deve o salvar-se ao acordo dos iluminados
franceses e alemães9.
8 Cá está o fermento que levou Gérard de Nerval à loucura. Ainda assim, a quimera
andou dez anos a decompor-lhe o cérebro. Escrevia isto em 1845 e suicidou-se em
1855.
9 Uma história universal escrita por Gérard de Nerval, e os grandes problemas
assim luminosamente explicados, devia ser uma leitura, senão profícua,
sobremaneira curiosa. Pena é que os espiritistas modernos de França não
evocassem o grande Frederico a iluminar o Frederico tenebroso de 1874.
24
V
A correspondência de Cazotte mostra-nos a reveses a sua mágoa pela
marcha seguida por seus antigos confrades, e o quadro de tentativas a sós consigo
contra uma Era política em que ele cuidava entrever o reinado fatal do Anti-
Cristo, do mesmo passo que os iluminados saudavam a chegada do Reparador
invisível. Os demônios de uns eram para outros, divinos e vingadores espíritos.
Notado isto, melhor se entendem certos trechos das cartas de Cazotte, e a
singular circunstância que ao depor fez que a sentença lhe fosse lida pela própria
boca de um iluminado martinista.
A correspondência de que vamos transladar breves fragmentos era dirigida,
em 1791, ao seu amigo Ponteau, secretário da lista civil:
"- Se Deus não sugere homem que faça acabar tudo isto maravilhosamente,
somos expostos às últimas misérias. Conhece o meu sistema: Bem e mal sobre a
terra foram sempre obra de homens, a quem este globo foi abandonado por leis
eternas. Pelo que, a nós imputemos o mal que fizermos. O sol dardeja incessante
seus raio mais ou menos oblíquos sobre a terra: eis a imagem da Providência a
nosso respeito. Às temporadas, acusamos este astro de nos faltar com o calor,
quando a nossa posição, os vapores condensados ou o efeito das ventanias nos
privam de gozar a contínua influência de seus raios. Ora, pois, se algum
taumaturgo não nos acode, eis ai o que nos é lícito esperar.
"Desejo que lá possa perceber o meu comentário sobre a magia de
Cagliostro. Pode pedir-me esclarecimentos; enviá-los-ei o menos obscuramente
que se possa."
A doutrina dos teósofos aparece na passagem sublinhada. Eis aqui outra
alusiva a velhas relações com os iluminados.
"Recebo suas cartas de conhecimentos íntimos, que tive entre os meus
confrades martinistas: são demagogos como Bret; pessoas de nome, bravos até
não mais, dominados pelo diabo. Respeito a Bret e seu ardor no magnetismo, fiz
que ele adoecesse. Os jansenistas filiados nos convulsionários estão no mesmo
caso. Cabe a todos bem a frase: Fora da igreja não há salvação alguma, nem
25
sequer a do senso comum.’
"Preveni-o já que éramos ao todo oito em França, absolutamente
desconhecidos uns dos outros, a elevar, sem tréguas, como Moisés , olhos, voz e
braços ao céu, pela decisão de um combate no qual os próprios elementos entram
em campo. Cremos estar chegando a um sucesso figurado no Apocalipse a
marcar uma grande época. Sossegue, que não é o fim do mundo: este caso vem
mais adiante mil anos. É cedo ainda para dizer às montanhas: Baqueai sobre nós!;
mas aguardando o melhor que pode vir, é o grito dos jacobinos; porque há ai
culpados de dupla toga."
O sistema de Cazotte acerca da necessidade da ação humana para
estabelecer comunicação entre o céu e a terra é claramente dilucidado aqui.
Portanto, em sua correspondência amiúde apela para a coragem de Luís XVI que
lhe parece confiar demasiadamente na Providência. As suas recomendações neste
propósito têm mais vislumbres do sectário protestantismo que do católico puro:
"Faz-se mister que o rei socorra a guarda municipal; que se mostre digna
com firmeza: ‘- Quero e mando!’ Seguramente será obedecido, e não será tido
em conta de poltrão qual os democratas o injuriam, e com isto me fazem sofrer
em todas as fibras do corpo.’
"Que cavalgue e vá rapidamente com vinte e cinco guardas montadas, ao
centro da fermentação; tudo se lhe há de prostrar. O mais rude da empresa, está
feito, meu amigo; o rei resignou-se e deu-se às mãos do seu criador; imagine o
grau de poder que lhe deu este ato, pois que Achab, podre de vícios, por se
humilhar perante Deus em um só lance momentâneo, obteve vitória dos inimigos.
Achab tinha coração falso e alma depravada; e o meu rei tem a mais franca alma
que sai das mãos de Deus. E a augusta, a celestial Elisabeth tem na fronte a égide
que pende do braço da verdadeira sabedoria... Não tema nada de Lafayatte: está
ligado com seus cúmplices. Está, como os seus conluiados, entregue aos espíritos
do terror e da confusão; não lhe ocorrerá expediente de servir, e para ele o melhor
é estar em mãos de seus inimigos lá posto por uns em quem ele crê poder confiar.
Não cessemos, entretanto, de erguer as mãos aos céus: Lembre-nos a postura do
profeta enquanto Israel pelejava.’
26
"É urgente que homem assim proceda, pois é o ponto de ação que lhe
compete. Bem e mal só se podem ai fazer, mediante ele. Pois que estão fechadas
quase todas as igrejas, interditas ou profanadas, tornem-se oratórios as nossas
casas. O momento é assaz decisivo para nós: ou Satã continuará a reinar sobre a
terra como até aqui, até que se lhe anteponham homens como David a Goliath;
ou o reinado de Jesus Cristo, vantajosíssimo para nós, e tão predito pelos
profetas, estabelecer-se-á. Nesta crise flutuamos, e dela já devo ter-lhe falado
confusamente. Podemos, minguados de fé, amor e zelo, deixar resvalar a ocasião;
mas temo-la segura. Quanto ao mais, Deus nada faz sem nós, que somos os reis
da terra; a nós incumbe apontar o instante proscrito por seus decretos. Não
soframos que o inimigo, inválido sem nós continue a tudo conseguir, e por nós".
Pelo ordinário, Cazotte não se deixa iludir muito quanto ao vencimento de
sua causa. Superabundam nas cartas dele alvitres que bom seria terem sido
aceites; mas afinal o descorçoamento aniquilou-o à vista de covardias tamanhas,
e a tal extremo, que entrou a duvidar de si e da sua ciência.
"Apraz-me - escrevia ele - que a minha carta última lhe desse algum
contentamento. Não está iniciado! Dê-se os emboras por isso. Recorde as
palavras: Et scientia perdet eos. Se eu estou nalgum risco, eu - a quem a divina
graça resguarda de ciladas - imagine o perigo dos outros. O conhecimento das
cousas ocultas é mar borrascoso donde não se avistam praias."
Quereria dizer que abandonara as práticas com que esperava submeter os
espíritos funestos? É certo que ele tinha concebido vencê-los unicamente com as
suas armas. Em um ponto da correspondência menciona certa profetiza Broussole
que, a imitação da famosa Catarina Theot, alcançara comunicações das
potestades rebeldes em prol dos jacobinos, e presume reagir contra ela
proficuamente. Na conta das sacerdotisas da propaganda, também cita a
marquesa de Urfé, "a década da Médias francesas, cujo salão extravasava de
empíricos e gentios que trotavam devagar atrás das ciências ocultas..." Reprovalhe
particularmente que predispusesse para o mal o ministro Duchátelet.
É de presumir que semelhantes cartas apanhadas nas Tulheries no sangrento
dia 10 de agosto, bastassem a condenar o ancião dado a inocentes quimeras
27
místicas, bem que algumas passagens não abrissem suspeitas a conjurações
menos espirituais. Fouquier-Tinville, no libelo, marca certas palavras das cartas
como indicativas da inteligência na conjuração chamada dos Cavaleiros do
Punhal, malograda nos dias 10 e 12 de agosto; outra carta ainda mais explícita
indica o modo de dar evasiva ao rei, preso na volta de Varennes, e traçava o
itinerário da fuga. Cazotte oferecia como asilo de passagem a sua própria casa:
"O rei avançara até a explanada de Ay Daqui a Givet medeiam vinte léguas,
e quarenta a Metz. Pode alojar-se em Ay, onde há trinta casas para as suas
guardas e trens. Eu antes quisera que ele preferisse Pierry, onde acharia, também,
vinte a trinta casas, em uma das quais há vinte camas, e espaço, em minha casa,
para aquartelar duzentos homens, estrebarias para trinta a quarenta cavalos, e
espaço para armar um pequeno arraial adentro dos muros. Mas é preciso que
alguém mais hábil e desinteressado calcule as vantagens das duas posições.’
"É urgente que o espírito partidário impeça a apreciação da honrada
solicitude de um homem octogenário que se julga pouco desinteressado
oferecendo ao rei proscrito o sangue de sua família, e o seu jardim para campo de
batalha! Tais conspirações não deviam ser atribuídas a espírito extenuado pelos
anos?" A carta que ele enviou a seu sogro, M. Roignan, secretário do conselho da
Martinica, convidando-o a organizar resistência contra seis mil republicanos
enviados a apossar-se da Colônia, é como a reminiscência do gentil entusiasmo
com que, em rapaz, defendera a ilha atacada por ingleses. Indica os expedientes,
ou linhas de fortificações, os recursos que lhe aconselhava a sua velha
experiência náutica. É bem de perceber que tal documento fosse considerado
altamente criminoso pelo governo revolucionário; mas é para lastimar que não
dessem peso a um escrito, datado da mesma época, e bom para mostrar que -
tanto montavam as quimeras como os sonhos do infeliz ancião."10
O dia 10 de agosto apagou as ilusões dos monárquicos. O povo entrou as
10 O biógrafo reproduz um sonho de Cazotte, abstruso tecido de dislates em que
Gérard de Nerval descobre, a lâmpada de iluminado, vaticínios relativos à
Revolução Francesa. O leitor e eu, privados da graça de Saint Martin não
entenderíamos disto nada, senão que o autor dos Amores do Diabo, aos oitenta
anos, retrocedera às crendices da infância.
28
Tuilleries, assassinando os suíços e grande número de nobres, dedicados ao rei.
Entre estes, pelejava um filho de Cazotte, o outro militava no exército emigrado.
Faiscavam-se a todos os cantos provas da conjuração realista, chamada dos
Cavaleiros do Punhal. Nos papéis apreendidos Laporte, encontrou-se a
correspondência de Cazotte com o seu amigo Pointeau. Sem sentença, foi
acusado e preso na sua casa de Pierry.
Interrogou-o o comissário da Assembléia Legislativa:
- Reconhece estas cartas?
- São minhas.
- Escrevi-as eu, ditadas por meu pai - disse Elisabeth, ansiosa por ter parte
nos perigos e no cárcere.
Foi presa com o pai; e logo conduzidos a Paris, na carruagem de Cazotte,
foram encerrados na Abbadye, ai por fim de agosto. Mad. Cazotte implorou
debalde que a deixassem acompanhar o marido e a filha.
Os infelizes, aterrorizados nessa prisão, gozavam alguma liberdade interior.
Era-lhes concedido reunir-se a certas horas, e por vezes a velha capela, onde os
presos se ajuntavam, oferecia o espetáculo das brilhantes reuniões da sociedade.
E, porventura, iludiram-se também os presos, disparou na imprudência de
discursarem, cantarem, andarem por janelas, de teor que já os rumores da
gentalha acusavam os presos de se alegrarem com as vitórias do exército do
duque de Brunswick, e esperarem dele o resgate. E, lastimando as delongas do
tribunal extraordinário, criado à força pela Assembléia Legislativa, a impulsos
minazes da comuna, já o povo acreditava em conspirações forjadas nos cárceres
para arrombar as portas, quando os estrangeiros se avizinhassem e, dispersos na
cidade, fizessem a Saint-Barthélemy dos republicanos.
A notícia da tomada de Longwy, e a prematura atoarda do assalto de
Verdun acabaram de exasperar a multidão. Proclamado o perigo da pátria,
reuniram-se as sessões de campo de Marte. E, entretanto, bandos furiosos
acercavam-se dos cárceres, e estabeleciam nas portadas exteriores tribunais de
sangue, destinados a suprirem o outro.
Na Abbadye, os presos estavam conglobados na capela, entregues às suas
29
práticas ordinárias, quando os gritos dos chaveiros: "- Subam as mulheres."
esturgiram inesperadamente. Três tiros de peça e o rufar de caixa aumentaram o
pavor. Dois padres de entre os presos que ficaram, subiram ao púlpito da capela e
anunciaram a sorte que os aguardava.
Fez-se silêncio fúnebre naquela assembléia espavorida.
Dez populares, precedidos dos guardas, entraram à capela, mandaram
enfileirar os presos ao longo da parede, e contaram cinqüenta e três.
Depois, de quarto em quarto de hora, era chamado um. Não gastava mais
tempo nos seus juízos o tribunal arvorado no pátio da cadeia.
Alguns foram absolvidos, e entre estes o venerando Abade Sicard. O maior
número, porém, era acutilado à saída da porta pelos facínoras fanáticos,
revestidos desta horrenda missão.
À meia-noite, foi chamado Jaques Cazotte.
Apresentou-se serenamente o ancião perante o sanguinário tribunal
constituído em uma saleta contígua à prisão. Presidia o terrível Maillard. Neste
instante alguns demagogos exigiram que se apresentassem também as mulheres,
e com efeito vieram, uma por uma, à capela; porém, os membros do tribunal
rejeitaram aquele hediondo voto, por maneira que Maillard, ordenando ao
carcereiro Lavaquerie que as tirasse de lá, folheou o assento das entradas do
cárcere e chamou Cazotte a grandes brados. A este nome a filha do preso, que já
ia saindo com as outras precipitou-se ao fundo da escada, e atravessou a multidão
no momento em que Maillard proferia a palavra tremenda: A la Force, que queria
dizer: Morte.
Abriu-se a porta exterior; o pátio cercado de longos claustros, onde os
carniceiros iam matando, estava a transbordar de povo cuja vozearia se misturava
aos gritos dos agonizantes. A intrépida Elisabeth lançou-se entre os dois
matadores que já lhe tinham o pai nas garras, e se chamavam Michel e Sauvage,
e pediu-lhes, e também pediu às turbas, o perdão de seu pai.
Este inopinado aparecimento, as penetrantes vozes, a idade do condenado,
cujo crime não se definia nem facilmente provara, o quadro sublime daquelas
duas majestosas figuras, o impressivo quadro de heroísmo filial, moveram os
30
instintos generosos da multidão. Conclamavam brados de perdão de todos os
lados. Maillard hesitava. Michel encheu um copo de vinho e deu-o a Elisabeth: "-
Escuta, cidadã! para provares ao cidadão Maillard que não és aristocrata, bebe à
saúde da nação e à vitória da república!"
E a corajosa menina bebeu sem vacilar. Os marselheses abriram ala e a
turba aplaudindo afastou-se para deixar passar pai e filha. E levaram-nos à casa.
No dia seguinte àquele em que fora conduzido em triunfo pelo povo, muitos
amigos o felicitaram. Um desses, M. de Saint-Charles, disse-lhe: "-Hei-te salvo!"
. "- Por pouco tempo - respondeu Cazotte, sorrindo amargamente - Momentos
antes da tua chegada tive uma visão, e vi um "gendarme" que me procurava da
parte de Pétion. Fui obrigado a seguí-lo. Apareci na presença do "maire" de Paris
que me mandou para a Conciergerie, e daqui para o tribunal revolucionário. É
chegada a minha hora."
Saint-Charles deixou-o, supondo que a razão de Cazotte se perturbara com
os terríveis transes que sofrera. Um advogado, chamado Julien, ofereceu a
Cazotte o asilo de sua casa e meios com que escapar-se às pesquisas; mas o
ancião resolvera não lutar contra o destino. Aos onze de setembro, viu entrar-lhe
na residência o homem da visão, com ordem assinada por Pétion, Paris e Sergent.
Levaram-no à "maire" e de lá à Concierge, onde os seus amigos não conseguiram
entrar. Elisabeth, à força de instâncias, obteve licença de servir seu pai, e lá ficou
na prisão até o derradeiro dia. Porém, seus esforços para comover os juizes, não
puderam tanto como a plebe. Cazotte, sobre requisição de Fouquier-Tinville, foi,
depois de vinte e sete horas de interrogatório, condenado à morte. Antes de
proferida a sentença, foi transferida para o segredo a filha, cujos esforços e
influência no auditório receavam. A defesa do cidadão Julien em vão se fez sentir
quanto era sagrada aquela vítima ilesa da justiça do povo: o tribunal parecia
obedecer a convicções inflexíveis.
A mais estranha circunstância deste processo foi o discurso do Presidente
Lavau, antigo membro, como Cazotte, da Sociedade dos Iluminados. "Frágil
ludíbrio da velhice! - exclamou ele - tu, cujo coração era estreito para abranger o
gozo de uma liberdade santa; mas que provaste, com a tua firmeza no
31
interrogatório, que sabias sacrificar a própria vida ao esteio da tua opinião, escuta
as derradeiras palavras dos teus juizes! Possam elas verter em tua alma o bálsamo
precioso da consolação! Possam eles, movendo-te a prantear a sorte do que te
condenam inspirar-te o estoicismo que deve assistir-te nos instantes supremos e
compenetrar-te do respeito a que a lei nos força! Os teus ouviram-te, esses te
condenaram; mas o seu juízo foi muito puro como sua consciência; nenhum
interesse pessoal lhes conturbou a decisão. Vai! Reanima-te! Encara sem pavor a
morte! Reúne tuas forças; convence-te que não tens direito a estremecer; um
homem como tu não deve aterrar-se com a dor de um momento. Mas, antes de te
desatares da vida, encara na atitude majestosa da França, ao seio da qual não
receavas chamar a gritos o inimigo vê a tua velha pátria opor aos ataques de seus
vis detratores tanta coragem quanta covardia tu lhe assacas. Se a lei previsse que
tinha de legislar contra um criminoso de tua natureza, em respeito à tua proveta
idade, nenhuma pena te imporia; mas sossega ; se ela é severa quando investiga,
logo que condena, cai-lhe das mãos o gládio e geme sobre a perdição daqueles
mesmos que quiseram dilacerá-la. Olha como ela chora sobre esses cabelos
brancos que respeitou até o momento de te condenar; que esse espetáculo te
insinue arrependimento; que te mova, desgraçado velho, a aproveitar o momento
que te separa da morte, para delir os últimos vestígios de tuas conspirações, com
um pesar bem íntimo. Mais uma palavra: Foste homem, cristão, filósofo,
iniciado, sabe morrer como homem e como cristão. É tudo quanto teu país ainda
pode esperar de ti!"
Este discurso, cuja substância insólita e misteriosa espantou a assembléia,
não impressionou levemente Cazotte, que, no lance em que o presidente recorria
à persuasão, ergueu os olhos ao céu, e fez um gesto de inabalável fé em suas
convicções. Disse depois aos que o rodeavam que merecia a morte; que a lei era
severa; mas justa.11
11 Contra as expressões sublinhadas, saiu Scévole Cazotte, o filho do condenado,
em uma carta, escrita em 25 de julho de 1845, logo depois que apareceu a
biografia escrita por Gérard de Nerval; diz a carta: "...Eu também fui condenado
então; mas não executado, e M. de Nerval não pode recusar-me a consciência dos
sentimentos que do coração de meu pai haviam penetrado no meu. Pois bem!
32
Quando lhe tosquiaram a cabeça, recomendou que não se demorassem
muito e encarregou o confessor de entregar os cabelos à filha, ainda presa em um
dos segredos do cárcere. Antes de ir ao suplício, escreveu algumas palavras à
esposa e filhos; depois, subindo ao patíbulo, exclamou em voz alta: - "Morro
como vivi: fiel a Deus e ao meu rei." Foi executado em 21 de setembro, às 7
horas da noite, na praça do Carroussel.
Elisabeth Cazotte, esposa prometida ao cavalheiro de Plas, Oficial do
regimento de Poitou, esposou, oito anos depois, esse mancebo, que seguiu a sorte
dos emigrados. O destino desta heroína foi depois desgraçado como tinha sido.
Morreu de parto, dando a luz um menino, e gritando que a cortassem em
pedaços, se isso era preciso para salvar o filho. A criança sobreviveu momentos.
Existem ainda muitas pessoas da família Cazotte. Seu filho Scévole, salvo
milagrosamente do morticínio de 10 de agosto, está em Paris e conserva
piedosamente a tradição das crenças e virtudes do pai.
Recordo-lhe as palavras do escocês Mountross a seus juizes, quando lhe deram a
sentença que o condenava à morte, e que seu corpo, retalhado em quatro, fosse
exposto nas quatro principais cidades da Escócia. Pesa-me - disse ele - que o meu
corpo não possa fornecer bastantes pedaços que sejam expostos em todas as
cidades do mundo, como padrões de minha fidelidade ao meu rei e às leis seculares
de meu país. ‘Afirmo a M. de Nerval que os sentimentos de meu pai e os meus
eram mais chegados a estas palavras que às outras citadas por M. Bastien...’.
Scévole Cazotte (Scévole Cazotte morreu em junho de 1853, na idade de 89 anos).
33
AMORES DO DIABO
I
Eu era Capitão das Guardas do Rei de Nápoles, aos vinte e cinco anos. O
nosso viver de rapazes era mulherio e jogatina, enquanto havia dinheiro; e,
quando ele se acabava, filosofávamos no quartel, à mingua de melhor ocupação.
Uma noite, exauridos os raciocínios de variadas castas a volta de uma
garrafa de vinho de Chipre e castanhas piladas, a palestra descaiu para a cabala e
cabalistas.
Havia um que tinha como ciência verdadeira a cabala, com as suas
operações exatas; enquanto quatro dos mais novos argumentavam que tal cousa
era um acervo de absurdidades, um manancial de embustices, próprias a lograr
pessoas crédulas e entreter crianças.
O mais idoso de todos, flamengo de nação, fumava o seu cachimbo
distraidamente, e não dizia nada. Aquele ar frio e indiferente impressionaram-me
em meio da estrondosa altercação que me atordoava e impedia de ser parte em
disputa desordenada demais para que me interessasse.
Estávamos então no quarto do camarada que fumava. Alta noite, apartamonos,
ficando sozinhos, naquele quarto, o fumista silencioso e eu.
E ele continuou a cachimbar fleumaticamente; e eu em frente dele, com os
cotovelos sobre a banca, sem dizer nada. Por fim, disse ele:
- Por que não entraste nessa ruidosa disputa que ai se fez?
- É porque eu prefiro calar-me a falar no que não percebo. Eu nem sequer
sei o que vem a ser a palavra cabala!
- Tem muitas significações - respondeu ele - mas não é delas que se trata, é
da coisa em si. Crês que possa haver ciência que ensine a transformar metais e a
submeter os espíritos à nossa vontade?
34
- Eu de espíritos, sei que os há, começando pelo meu. Quanto a metais, sei
quanto vale um carlin no jogo, na estalagem e no mais, mas não posso afirmar,
nem negar a essência dos metais, nem as modificações e impressões que lhes são
próprias.
- Meu rapaz, apraz-me a tua ignorância, que vale tanto, como a sapiência
dos outros. Tu, ao menos, não erras; e, se és ignorante, tens capacidade para ser
instruído. Agradam-me o teu natural, a sinceridade do teu caráter e retidão de
espírito. Sei alguma coisa mais que o vulgar dos homens. Jura-me tu o mais
inviolável segredo sobre a tua palavra de honra; promete-me ser prudente, e serás
meu discípulo.
- O exórdio que fazes é me agradabilíssimo. A minha mais forte paixão é a
curiosidade. Confesso-te que sou pouco amartelado do saber o que por ai se sabe
ordinariamente; tudo isso se me figura limitadíssimo. Mas agora como que estou
adivinhando as altas regiões a que tu me queres exalçar. Qual é porém, a primeira
chave da ciência de que me falas? Segundo ouvi aos nossos camaradas, são
propriamente aos espíritos que nos ensinam? Há meios de nos identificarmos
com eles?
- É isso mesmo, Álvaro; por si mesmo é que não há ai aprender coisa
nenhuma; quanto à possibilidade de identificação vou dar-te uma prova
irrecusável.
Ao dizer estas palavras acabou de fumar, despejou a cinza batendo três
pancadas com o cachimbo emborcado sobre a mesa, perto de mim, e exclamou:
"Caldeirão, vem buscar o meu cachimbo, acende-o, e traz-mo".
Proferida a ordem, o cachimbo sumiu-se; e, ainda antes de refletir no modo
como, nem perguntar que era aquele Caldeirão encarregado de tais ordens o
cachimbo voltou aceso, e o meu interlocutor estava de novo fumando.
E continuou, não tanto para deliciar-se nas aspirações da nicotina, como
para saborear o espanto em que me via. Por fim, ergueu-se e disse: "Assim que
for dia, hei de estar de guarda: preciso repousar. Vai tu dormir; sê discreto, e
falaremos depois".
Retirei-me inquieto e faminto das idéias novas com que eu esperava saciar a
35
minha curiosidade favorecida por Soberano - que assim se chamava o meu
camarada. Vi-o no dia seguinte, e nos outros todos; segui-o com a sua sombra;
nenhuma outra paixão me avassalava. Fiz-lhe centenas de perguntas; umas
deslizava-as arteiramente; a outras respondia com ares sibilinos. Afinal, apertei
com ele sobre o artigo da religião seguida pelos seu sectários. "É a religião
natural." Respondeu.
Entramos em particularidades. Os seus dogmas quadravam melhor às
minhas propensões que aos meus princípios; mas para chegar ao meu intento, era
prudente não o contradizer.
- Tu exerces império sobre os espíritos - lhe disse eu - também eu quero
estar em inteligência com eles. Desejo-o ardentissimamente.
- És ardente demais, camarada! Ainda não cumpriste o tempo de prova; não
satisfizesse alguma das condições que permitem sem receio atingir esta sublime
categoria...
- É preciso muito tempo?
- Dois anos talvez.
- Então, desisto. Daqui até lá morrerei eu de impaciência! És cruel,
Soberano! Não imaginas a vivacidade de desejo que alvoroçaste em mim... é uma
labareda...
- Cuidei que eras mais circunspecto, homem! Tremo por ti e por mim... Pois
que? Queres expor-te a evocar espíritos sem alguma das iniciações...
- Que pode acontecer-me?
- Não digo que absolutamente te aconteça mal; se eles tem sobre nós poder,
é a nossa covardia que lhe dá; que o dominá-los é prerrogativa nossa...
- Ah!... eu os dominarei!
- Sim... que tens um ânimo rijo; mas se desvairas, se eles vingam aterrarte...
- Se a condição é não os temer, eu os provocarei a amedrontar-me....
- Olé!... e se visses o Diabo?
- Eu cortaria as orelhas ao próprio diabo maioral do inferno!
- Bravo! Se contas assim contigo, podes arriscar-te, e te prometo a minha
36
assistência na próxima sexta-feira. Jantarás com dois dos nossos, e levaremos a
aventura a cabo.
II
Estávamos na terça-feira. Nunca entrevistas de galã foi almejada com
tamanha impaciência. Chegou enfim a hora. Achei em casa de meu camarada
dois sujeitos de catadura sombria. Jantamos. A conversação versou sobre coisas
vulgares.
Depois de jantar, deliberou-se um passeio a pé às ruínas de Portici.
Metemo-nos ao caminho, e chegamos. Aquelas relíquias monumentais derruídas,
truncadas, esparsas, cobertas de silvedos, influíram no meu ânimo sensações
extraordinárias. "Eis aqui - dizia eu - a ação do tempo sobre a obra da soberba e
indústria dos homens". Embrenhamo-nos nas ruínas, e chegamos enfim, quase às
apalpadelas, através desses destroços, a um recesso tão enoitecido, que nenhuma
luz exterior lá penetrava.
O meu camarada conduziu-me pelo braço. Depois, paramos. Um dos três
feriu lume e acendeu uma vela. A estância alumiou-se frouxamente, e descobri
que estávamos debaixo de uma abóbada bem conservada, de vinte e cinco pés
quadrados pouco mais ou menos, com quatro saídas.
Estávamos profundamente silenciosos.
O meu camarada, com uma bengala a que se encostara no caminho, traçou
um círculo à volta de si sobre a areia movediça que cobria o terreno, e depois de
escrever alguns caracteres, disse-me:
"- Meu valente, entra neste pentáculo e não saias sem bons indícios".
- Explica-te melhor. Quais indícios me hão de guiar?
- Quando tudo te obedecer; mas, antes disso se o terror te desatremar, corres
imensos perigos.
Deu-me, em seguimento, uma fórmula de evocação curta, com algumas
palavras que eu não esquecerei jamais.
E ajuntou:
37
- Recita este esconjuro com firmeza e invoca três vezes claramente
Belzebuth, e sobretudo não esqueças o que prometeste.
Recordei-me, então, que prometera cortar-lhe as orelhas.
- Não faltarei ao prometido - insisti, não querendo se desmentido.
- Desejamo-te o melhor êxito - voltou ele, e acrescento: - Quando tiveres
concluído, avisa-nos. Estás em frente da porta por onde hás de ir ter conosco.
E retiraram-se.
Ainda não houve valentão que se topasse em crise mais apertada! Estive a
ponto de os chamar; mas seria enorme vergonha, além de ir nisso a renunciação
de todas as esperanças. Retive-me sobre o posto, e meditei alguns minutos.
- Quiseram aterrar-me... - dizia eu entre mim - querem ver se eu sou
covarde. Estes homens, que me experimentam, estão perto; e logo que eu faça a
invocação, é de se esperar que eles façam o que quer que seja para me assustar.
Coragem. Volte-se a zombaria contra os chacoteadores de mau gosto!
Esta deliberação foi rápida, posto que algum tanto perturbado pelo ramalhar
dos mochos e corujas que habitavam os arredores e até o interior da caverna.
Algum tempo sossegado por aquelas reflexões, aprumei-me, impetiquei-me,
firmei o pé, e proferi o esconjuro com voz alta, clara e rija, engrossando-a
cavamente quando com três brados, a intervalos curtos, chamei Belzebuth.
Corria-me às veias um calafrio, ao passo que os cabelos se me eriçavam.
Mal acabei a evocação, abre-se de par em par uma janela em frente de mim,
no alto da abóbada. Um golfo de lumeeira mais esplendente que do sol jorra por
aquela abertura; uma cabeça de camelo, horrenda no tamanho e no feitio, surge
na janela; as orelhas principalmente eram descompassadas! O fantasma hediondo
escancara as fauces, e com um ronco próprio de tal monstro, responde-me!
- Che vuoi?12
As abóbadas e subterrâneos em volta ecoaram a porfia o horribilíssimo che
vuoi.
Não sei descrever o meu estado; nem sei como a minha coragem se teve,
12 Que queres?
38
que eu não caísse fulminado pelo espetáculo e ainda mais pelo estridor que me
ribombava nos ouvidos.
Senti precisão de me valer de todo o meu brio e forças, quebrantadas por
um suor glacial. Esforcei-me, quanto era possível.
Faz-se mister que nossa alma seja dotada de enorme vigor e urgentes
recursos! Que multidão de sentimentos, idéias e reflexões me sobressaltam
espírito e coração, impressionando-as todas simultaneamente!
Vem a reação; consigo sopesar o meu terror, e fito rosto a rosto o espectro.
- Que queres tu de mim, disfarçado com esse medonho aspecto?
O fantasma titubeou por uns momentos.
- Chamaste-me... - respondeu ele com a voz mais alquebrada.
- O escravo pretende aterrar o senhor? Se vens receber minhas ordens,
apresenta-se convenientemente e em tom de servo.
- Senhor! - volveu o espectro - em que forma quer que eu me apresente para
lhe dar gosto?
Como a primeira idéia que me ocorreu foi um cão, respondi-lhe:
- Vem na forma de cão espanhol.
Proferida esta ordem o espantoso camelo alongou os dezesseis palmos de
pescoço, abaixou a cabeça até o meio do pavimento, e vomitou um cão branco de
felpa sedoso e brilhante, e orelhas que rojavam pelo solo.
Fechou-se a janela, evolou-se a visão, e só eu e o cãozinho ficamos debaixo
da abóbada bastante alumiada.
O cão andava à volta do círculo, sacudindo a cauda e dando pichos.
- Senhor - disse ele - eu queria lamber-te as pontas dos pés; mas o terrível
círculo, que nos separa, impede-me.
Como a minha confiança orçasse já pelo atrevimento, sai do círculo, estendi
o pé e o cão lambeu-o; fiz um gesto de quem lhe queria arrancar as orelhas, e o
cão voltou-se de pernas ao ar com modos suplicantes. Descobri, então, que era
uma femeazinha.
- Levanta-te! - bradei-lhe - perdôo-te. Bem sabes que vim acompanhado.
Algumas pessoas nos esperam perto daqui. O passeio fatigou-as: quero dar-lhes
39
um repasto. Querem-se frutas, conservas, gelados, vinhos gregos. Entende-me
bem. A sala iluminada e decorada sem pompas, mas com asseio. Findo o repasto,
entrarás com artista de primeira plana, com a tua harpa. Dar-te-ei um sinal
quando houveres de entrar. Olha lá como te desempenhas. Dá-me expressão ao
canto, e ao mesmo tempo decência e comedimento nas tuas atitudes.
- Obedecerei, senhor, mas com qual condição?
- Com a condição de obedecer como escravo. Obedecer sem réplica, aliás...
- Tu não me conheces senhor; se não de outro modo te haverias comigo...
Condição te poria eu uma que te desarmasse e comprazesse.
Mal o cão concluíra o seu dito, que, a meia volta que fiz, vi minhas ordens
executarem-se mais de pronto do que se transforma um cenário na ópera. Os
muros da abóbada, dantes negros, úmidos, musgosos, vestiram-se de cores
suavíssimas e agradáveis decorações: era um salão de mármore jaspeado. A
arquitetura mostrava um cimbre assentado sobre colunas. Oito serpentinas de
cristal contendo cada uma três velas, iluminavam por todo o âmbito com igual
clarão a improvisada sala.
III
Instantes depois, mesa e aparador ressaltam cheios de todas as espécies de
víveres dos mais cobiçados: frutos e confeitos de mais rara qualidade, do melhor
paladar e mais regalada aparência. A porcelana do serviço e do aparador era
legítimo Japão. A cadelinha saracoteava-se na sala, gaifonando em redor de mim,
como a dar valor ao serviço e a perguntar-me se eu estava contente.
- Muito bem, Biondetta! - disse-lhe eu - veste uma libré, e vai dizer aos
senhores que ai estão fora que eu os espero, e que está posta a mesa.
Mal desviei os olhos um momento que para logo entrou em pagem com a
minha libré, guapamente vestido, com um castiçal aceso; logo depois voltou
conduzindo o meu camarada flamengo e os seus dois amigos.
Predispostos para o que quer que fosse extraordinário à vista da chegada e
cumprimento do pagem, certo não previam a mudança feita no local onde me
40
deixaram. Se o meu ânimo não estivesse tão preocupado, muito me divertiria
com o espanto deles, que prorromperam num brado, com as fisionomias e
posturas conturbadas.
- Meus senhores - lhes disse eu, então - por minha causa fizestes grande
caminhada; e para voltarmos à Nápoles temos que palmilhar muito. Entendi pois
que este ligeiro repasto vos não desprazeria, e me desculparíeis da pouca escolha
e deficiência, atendendo à prontidão.
A minha placidez assombrou-os mais ainda que a mutação da cena e o
espetáculo da elegante merenda para a qual eram convidados. Dei tanto disso, e
resolvi acabar depressa uma aventura de que eu interiormente nutria ruins
suspeitas. Forcejando, pois, em trazer à baila toda a alegria congenial do meu
gênio, aproveitei todo o cômico possível à situação.
Instei-os a sentarem-se, enquanto o pagem chegava as cadeiras com
maravilhosa presteza. Estávamos abancados, enchi os copos, servi os frutos,
comi e falei, enquanto os outros só tinham boca para se abrir de espanto. Não
obstante, muito rogados por mim, resolveram comer. Fiz um brinde à mais
formosa loureira da Nápoles: bebeu-se. Falei da ópera nova, da improvisada
romana chegada recentemente, e cujo talento andava muito soado na corte. Voltei
a discutir as artes belas, música, escultura, e por vir a talho dei-lhes como
modelos alguns mármores que adornavam a sala. Garrafa vazia era logo
substituída por outra mais generosa. O pagem multiplicava-se, e o serviço não
esmorecia um instante. Relanceei-lhe a vista a furto. Imaginem o Amor trajado
de pagem. Os meus companheiros lobrigavam-no com uns ares indicativos de
surpresa, prazer e sobressalto. Molestava-me já a monotonia de tal situação:
achei que era tempo de quebrá-la.
- Biondetto - disse eu ao pagem - a signora Florentina prometeu-me
conceder-me alguns momentos: vê lá se ela já viria.
Biondetto saiu.
Era ainda escasso o tempo para os meus hóspedes se maravilharem da
extravagância da mensagem, quando a porta do salão se abriu e Fiorentina entrou
com a sua harpa. Vinha trajada com um certo desatavio modesto, chapéu de
41
viagem, e um filó transparente no rosto. Pousou a harpa junto de si, cortejou
graciosamente, e disse:
- Sr D. Álvaro, eu não fui prevenida de estar acompanhado; aliás viria
vestida com menos desalinho: estes cavalheiros queiram desculpar uma
viajante...
Sentou-se. Oferecemo-lhe à competência os restos do nosso banquetezinho,
que ela aceitou por condescendência.
- Como é possível, senhora, que passando em Nápoles a não retivessem lá?
Perguntei.
- Sou obrigada por escritura a ir a Veneza, onde fui muito cordialmente
acolhida no carnaval passado. Forçaram-me a prometer que voltaria, e já aceitei
dinheiro por conta; sem isso não me esquivaria às vantagens que me propôs a
corte, e à esperança de granjear os sufrágios da fidalguia napolitana, que em
gosto se avantaja a toda a Itália.
Os dois napolitanos inclinaram-se respondendo ao elogio, tão convictos da
realidade da cena que esfregavam os olhos. Pedi à cantora que nos deixasse
entrever um relanço de seu gênio. Estava ela um tanto constipada e fatigada;
receou, com razão desmerecer em nosso conceito. Por fim, determinou executar
um recital obrigado e uma ariazinha sentimental que fechava o 3o ato da ópera
em que ela havia de estrear-se.
Pegou da harpa, preludiou com a mão pequena, comprida, branca e ao
mesmo tempo purpurina da carne lisa que a vestia, com uns dedos que
insensivelmente iam afinando nas extremidades, de onde saiam umas unhas de
inconcebível graça. Estávamos todos arroubados, e crentes de que assistíamos ao
concerto mais aprazível.
Cantou. Tanta voz, tamanha alma e tanta expressão não tem ninguém.
Ninguém dizia tanto com tão mínimo esforço. Todo e era uma vibração até o
íntimo do seio, e já me nem lembrava que era eu o criador dos amavios que me
arrebatavam.
A cantarina endereçava-me expressões maviosas do seu recitativo e canto.
As flechas dos seus olhos coavam-se pelo véu. Eram de uma doçura e penetração
42
incompreensíveis: aqueles olhos não me eram desconhecidos. Afinal,
combinando os traços que entreluziam através do véu, reconheci em Florentina o
velhaca de Biondetto; porém, a elegância e donaire da formas sobressaíam mais
louçãs e gentis ao trajar mulheril que na libré de pagem.
Concluído o cântico, elogiamos devidamente a artista. Empenhei-me para
que nos cantasse uma ária alegre que nos ocasionasse admirar-lhe a variedade do
talento.
- Não - recusou ela - conforme a disposição em que estou, sair-me-ia mal;
demais disso, os cavalheiros decerto notaram o esforço que fiz para lhes
obedecer. A minha voz ressente-se da viagem; falta-lhe timbre. Já sabem que
parto esta noite. Vou num carro alugado, e estou às ordens do boleeiro; peço-lhes
pois que me desculpem, e concedam que me retire.
Dito isto, ergueu-se, e quis transportar a harpa. Tirei-lha das mãos; e, depois
de ir acompanhá-la até a porta por onde entrara, tornei para os companheiros.
Parece que eu deveria ter motivado alegria; pelo contrário, notei tristeza em
todos os semblantes. Apelei par o vinho de Chipre, que o havia delicioso, e me
dera forças e afoiteza de coração. Redobrei a dose. E, como a noite fosse alta,
disse ao meu pagem, já reposto no seu lugar atrás de minha cadeira, que
chamasse minha carruagem. Biondetto saiu logo a cumprir as minhas ordens.
- Tens aqui trem ?! - perguntou Soberano.
- Tenho: ordenei que me seguisse, prevendo que, depois de longa demora,
lhes seria mais cômodo não ir a pé. Bebamos mais um copo, visto que não há
perigo de escorregarmos na estrada.
Apenas eu disse isto, entrou o pagem com dois cocheiros vestidos com a
minha libré.
- Sr D. Álvaro - disse Biondetto - não pude fazer chegar a sua sege: ela está
ali fora dos entulhos que atravancam o acesso a este lugar.
Erguemo-nos. Seguiram-nos o pagem e os criados. A caminho!
Como não podíamos ir todos ao par por entre os fustes das colunas
desabadas, Soberano que ia ao meu lado, apertou-me a mão, dizendo:
- Amigo, deste-me esse ótimo regalo, mas há de sair-te caro.
43
E eu repliquei:
- Meu amigo, se isto te deu prazer, sou muito feliz; dei-to pelo preço que o
tenho.
- Chegando à carruagem; encontramos mais dois sotas, um trintanário, um
postilhão, uma sege de viagem, tudo às minhas ordens, com quantos confortos
cabiam no desejo. Fiz a honras de confidente, e fomos velozmente a caminho de
Nápoles
IV
Nada se disse por algum tempo, até que um dos amigos de Soberano, falou
assim:
- Não lhe peço o seu segredo, Sr D. Álvaro; mas é forçoso que as suas
convenções praticadas sejam singulares! Ainda ninguém assim foi obedecido. E
eu, de mim, trabalhando há quarenta anos, ainda não pude lograr a quarta parte
das complacências que se deram com o senhor em uma só noite! Já não falo da
mais celestial visão que se pode imaginar: disso provém aflição para os olhos que
se iludem com esperadas delícias. Enfim, o senhor lá sabe... É rapaz... Na sua
idade, são tão acelerados os desejos que não dão passagem à razão... o que se
quer é levar de assalto os deleites.
Bernardillo, assim se chamava o sujeito, escutava-se quando falava, e por
isso me deu tempo de pensar a resposta.
- Não sei - redargüi - com que direitos pude obter favores distintos. Agouro
que serão curtos, e todo o prazer que me restará é havê-los aquinhoado com bons
amigos.
Notaram que eu era pouco expansivo, e daí o esfriamento da palestra. No
entanto o silêncio deu azo a refletir. Recordei-me do que fizera e vira; comparei
os dizeres de Soberano e de Bernardillo; conclui que acabava de sair do pior
passo a que a vã e temerária curiosidade podia expor um homem como eu. Eu
não era escasso de luzes. Até aos treze anos estive sob a inspeção de D. Bernardo
Maravillas, meu pai, gentil-homem sem nódoa, e de D. Mêuncia, minha mãe, a
44
mais respeitável e religiosa dama que houve na Estremadura. "Ó minha mãe! -
dizia eu - que julgaríeis de vosso filho se o houvesse visto e o vísseis agora? Mas
isto há de durar pouco... Palavra!"
Neste ínterim, a carruagem chegou a Nápoles. Fui levar à casa os amigos de
Soberano. Este e eu voltamos ao quartel. O brilhantismo da minha equipagem
ofuscou os sentinelas diante das quais passamos; porém, a formosura de
Biondetta, que ia na almofada do carro, deu maior rebate ao espanto dos
espectadores.
O pagem despediu a sege e cocheiros, pegou da lanterna que um trintanário
levava, e atravessou as casernas para me conduzir aos meus aposentos. O meu
escudeiro, mais pasmado que os outros, queria pedir-me novas da nova
equipagem que eu ostentara.
- Basta de perguntas, Carlos - disse-lhe eu recolhendo-me ao meu quarto -
podes ir, que não és cá preciso. Vai deitar-te, amanhã falaremos.
Estamos sós na mesma câmara. Biondetta fechou a porta. A minha situação
era menos embaraçosa entre os sujeitos que deixara, e nos lances tumultuosos
que percorrera.
Querendo por termo à aventura, recolhi-me um instante. Relanço a vista ao
pagem, e vejo-lhe os olhos cravados no assoalho. Purpureia-se-lhe o rosto;
denuncia nas posturas grande acanhamento e comoção. Afinal, delibero falar-lhe.
- Biondetta, serviste-me primorosamente; realçaste os serviços que me
fizeste com muitíssima galanteria; mas, como entendo que já de antemão havias
sido pago, creio que estão saldas as nossas contas.
- D. Álvaro é muito nobre para se julgar quite com tão pouco.
- Pois se fizeste mais do que devias, e eu te devo, dá-me a tua conta; mas
não prometo pagar-te de pronto. O soldo deste mês está devorado. Devo na
tavolagem, no hotel, no alfaiate...
- Isso é gracejar fora de tempo.
- Se é forçoso abster-se de gracejos, pedir-te-ei que te retires, porque é
tarde, e quero dormir.
- E manda-me a tal hora e tão descortesmente embora? Eu não esperava tal
45
indelicadeza de um fidalgo espanhol! Os seus amigos sabem que eu vim para
aqui; os seus soldados e criados viram e adivinharam o meu sexo. Se eu fosse
uma vil rameira, pode ser que D. Álvaro me tivesse em alguma consideração;
mas esse proceder é infamante, ignominioso! Não há ai mulher que se não
considerasse humilhada com tal feito!
- Então, pelos modos, apraz-te ser agora mulher para conciliar respeitos!
Pois vá lá! Para te resguardar ao escândalo da saída, toma a teu cargo escapulir-te
pelo buraco da fechadura da porta.
- Pois deveras? Sem saber que sou...
- Pois não sei?
- Não sabe, digo-lhe eu D. Álvaro só escuta os seus preconceitos... Mas
quem sou eu, eis-me a seus pés com as lágrimas nos olhos. Suplico-lhe como
quem invoca um defensor. Uma imprudência maior do que a sua, talvez
perdoável, porque D. Álvaro a causou, fez-me hoje arrojar a tudo para obedecerlhe,
ser sua e seguí-lo. Conjurei contra mim as mais cruas e implacáveis paixões.
Proteção não tenho alguma senão a sua; asilo tenho só o da sua alcova. Fechame,
Álvaro? Dir-se-há que um cavaleiro espanhol tratou com tal rigor e
severidade alguém que lhe sacrificou uma alma sensível, um ente frágil,
desvalido de todo amparo que não seja o seu? Em uma palavra, eu... uma
mulher!? - Recuei tanto quanto pude para me esquivar; ela porém, abraçava-me
os joelhos, e seguia-me quase a rojo. Enfim, recostei-me à parede:
- Ergue-te! - bradei - Sem o pensares, forças-me por um juramento que fiz.
Quando minha mãe me deu a primeira espada, fez-me jurar sobre o punho que
toda a vida seria desopressor de mulheres, e a nenhuma recusaria meu braço.
Quando mesmo seja o que penso que hoje é...
- Pois então, cruel, seja o que for, permita-me que eu fique no seu quarto.
- Concedo pela raridade de sucesso, e por coroar a extravagância da minha
aventura. Trata de te agasalhares de modo que eu te não veja nem ouça. À
primeira voz, ou movimento que me inquiete, eu engrossarei o som da minha voz
para a meu turno te perguntar: Che vuoi?
Voltei-lhe as costas, e acerquei-me do leito para me despir.
46
- Quer que eu o ajude? - perguntou.
- Não, sou militar, e cá me sirvo.
Deitei-me.
V
Através do cortinado do meu leito, vi o suposto pagem arranjar ao canto do
meu quarto uma alcatifa velha que encontrou no guarda-roupa. Amezendou-se
em cima, despiu-se completamente, envolveu-se em um capote meu que achou
no espaldar de uma cadeira, apagou a luz, e a cena por então findou desta sorte;
mas daí a pouco, recomeçou no meu leito onde eu não podia adormecer.
Dir-se-ia que o retrato do pagem estava suspendido no baldaquino do catre
e nas quatro colunas: eu não via outra coisa. Debalde forcejei por associar àquela
imagem encantadora a idéia do pavoroso fantasma que eu tinha visto: a primeira
visão realçava as belezas da segunda.
Aquele melodioso cantar que eu ouvira na caverna, a toada daquela voz
deleitosa, aquelas vozes que sovam como vibrações apaixonadas do coração,
ressoavam ainda em minh’alma com excitações de singular estremecimento.
- Ah! Biondetta! Dizia eu comigo mesmo - Se tu não fosses um ser
fantástico, se tu não fosses aquele horrendo dromedário...
Mas que ratos se apossaram de mim? Se venci o terror, atrevo-me a entrar
no âmago dum mais perigoso sentimento. Que delícias me podem advir daí? Não
serão elas sempre empeçonhadas de sua origem?
O fogo daquele tão penetrante olhar, tão doce, é veneno atroz. Aquela tão
formosa boca, tão nacarina e fresca, e de tão inocente aparência, é uma fonte de
imposturas. Aquele coração, se é que ali há coração, só traições poderiam
inflamá-lo.
Enquanto eu me desvairava em pensamentos sugeridos pelos vários
movimentos que me agitavam, a lua, apontando no alto do hemisfério em céu
puro, dardejava seus raios no meu quarto através de três grandes janelas.
Eu me remexia freneticamente em minha cama. Eis que, em razão do leito
47
ser usado, a madeira dá de si, e as três pranchas, que amparavam o enxergão,
caem com grande estalido.
Ergue-se Biondetta, e corre para mim com ares de assustada, exclamando:
- Que desgraça lhe sucedeu, D. Álvaro?
Apesar deste incidente, eu não tirava os olhos dela. Vi-a levantar-se e
correr. Vestia uma camisa de pagem; e a luz da lua tocando-lhe nas pernas
parecia ter-se alindado no reflexo.
Incomodado pelo mau arranjo da minha cama, que ficara de modo a me
deixar pior do que estava, pior me achei ainda apertado nos braços de Biondetta.
- Não me sucedeu mal nenhum - disse-lhe eu - retira-te. Andas em
palmilhas pelo assoalho... vê lá se te constipas... Vai-te embora...
- Mas o senhor assim não está bem...
- Mal me sinto eu contigo aqui... Retira-te.... E, se queres estar deitada
comigo ou à minha beira, mando-te que vás dormir naquela teia de aranha que
está naquele canto.
Não quis ouvir o fim da ameaça: foi deitar-se na esteira, soluçando
baixinho.
Vinha apontando a aurora, quando eu, vencido pelo cansaço, dormi algum
tempo. Acordei já dia alto. É fácil supor que direção dei aos meus olhos. Procurei
os do pagem. Estava já vestido, mas sem o gibão, sentado em um tamborete,
desenastrando as madeixas que ondeavam até o pavimento, cobrindo-lhe com
flutuantes espirais o dorso dos ombros e o rosto inteiramente.
À falta de melhor estojo de toucador, desenriçava os cabelos com os dedos.
Nunca pente de mais belo marfim perpassou em mais espessa cabeleira de louro
cinzenta. Aqueles fios de ouro diziam com as outras perfeições. Como eu,
acordando, mexi-me brandamente no leito, ela afastou com os dedos as tranças
que lhe cobriam a face. Imaginem uma aurora de primavera alvorecendo dentre
as neblinas da manhã com os seus orvalhos, fresquidão e fragrâncias!
- Biondetta - disse-lhe eu - pega do pente, que está ai na gaveta dessa
papeleira.
Obedeceu.
48
E logo, atados com uma fita, levantou os cabelos sobre a fronte com tanta
elegância como destreza. Vestiu o gibão, ataviou-se completamente e sentou-se
na sua cadeira com timidez , estranheza e uma certa inquietação que solicitava
vivamente a piedade. Se eu tinha - dizia eu comigo - de ver hoje mil quadros,
qual deles mais provocador, não esperarei por isso. Vamos ao desenlace, se é
possível.
E falei-lhe assim:
- É dia há muito, Biondetta. A decência está salva; podes sair no meu
quarto, sem recear a irrisão.
- Presentemente - disse ela - isso já não me assusta; o que mais me intimida
são os seus interesses e os meus que não nos permitem nos separar.
- Explica-te.
- Vou explicar-me, Álvaro. A sua juventude e imprudência não o deixam
ver os perigos que amontoamos à nossa volta. Quando o vi na abóbada fiquei sua
cativa, escravizada pelo heróico denodo com que afrontou aquela hórrida visão.
E eu disse, então, a mim mesma: "Se para chegar à felicidade, hei de unir-me a
um mortal, é tempo de me fazer corpo: eis aqui um herói digno de mim. Embora
se revolvam os desprezíveis rivais que eu lhe sacrifico: corra eu o perigo do ódio
vingativo deles, que importa? Amada de Álvaro, unida a Álvaro, eles e a natureza
nos obedecerão". O restante sabe-o D. Álvaro. As conseqüências são estas.
Inveja, ciúme, despeito e raiva tecem-me os mais crus flagícios a que pode se
submetido um ente da minha espécie, degradado por seu livre alvedrio, se Álvaro
não me proteger. Desde que rompeu a manhã os delatores vão a caminho dos
tribunais a acusá-lo de nigromante. Daqui a uma hora...
- Basta! - bradei eu cerrando os punhos contra os olhos - tu é o mais ladino
e insigne dos velhacos! Falas-me de amor, afivelas a máscara do amor, filtras
peçonha nessa idéia sublime... proíbo-te de me dizeres a tal respeito uma única
palavra. Deixa-me ver se consigo tranqüilizar-me , para deliberar o que devo
fazer. Se é forçoso que eu resvale às mãos da justiça, não hesito, neste momento,
entre ti e ela; suposto, porém, que tu me salvas deste lance, com que partido o
fazes? Poderei apartar-me de ti quando me aprouver? Ordeno-te que me
49
respondas em termos claros e precisos.
- Para separar-me de mim, Álvaro, bastar-lhe há de querê-lo. Eu mesma
deploro que a minha submissão seja forçada. Se lá adiante, Álvaro souber o que
eu lhe sou, será indiscreto e ingrato, se...
- Não quero saber de nada senão que devo partir já. Vou chamar o meu
escudeiro... É preciso que ele me arranje dinheiro e transporte... Vou à Veneza
falar com Bertinelli, banqueiro de minha mãe.
- Precisa dinheiro? Felizmente que eu me preveni. Aqui o tenho às sua
disposição...
- Guarda-o. Se tu és mulher, eu não praticarei o vilíssimo feito de te aceitar.
- Não é dádiva, é empréstimo que lhe faço. Dê-me uma ordem sobre seu
banqueiro. Faça um lista do que deve em Nápoles. Deixe na sua papeleira ordem
a Carlos para pagar. Escreva ao seu comandante a desculpar-se, alegando que um
negócio indispensável o obriga a ausentar-se sem licença. Eu vou buscar
carruagem; mas, antes disto, Álvaro, eu, forçada a separar-me, sinto-me
alanceada de terrores. Diga estas palavras: Espírito, que só por ser meu e só meu
tomaste forma corpórea, aceito sua vassalagem e te concedo a minha proteção.
Prescrevendo-me esta fórmula, abraçou-me pelos joelhos, molhando-me as
mãos de lágrimas.
Eu sentia-me desnorteado, sem saber o que fazer. Deixei-a beijar as mãos e
balbuciei as palavras que tão importantes lhe pareciam. Depois do que, levantouse
e exclamou com transporte:
- Sou tua! Agora sim! Possa atingir a suprema felicidade humana!
Instantaneamente, envolveu-se num amplo manto, carregou sobre a fronte a
aba de um grande chapéu e saiu.
Fiquei estupefato.
Procurei o rol dos meus credores. Escrevi à margem a ordem de pagar e
contei o dinheiro preciso. Escrevi ao comandante e a um dos meus mais íntimos
amigos, cartas que eles haviam de achar disparatadas. E já o chicote do boleeiro e
o rodar da sege se ouviam a chegar à porta.
Biondetta, sempre rebuçada no manto, chegou e levou-me. Carlos,
50
despertado pelo ruído, apareceu em camisa.
- Vai - disse-lhe eu - à minha escrivaninha que lá deixei as minhas ordens
para ti. Vou para fora.
VI
Biondetta entrou na carruagem comigo, sentando-se à frente. Ao sairmos da
cidade, tirou o chapéu que escondia. Os cabelos levava-os cingidos com um
listão carmesim; não se lhe via senão a agulheta, feita de pérolas e coral. Se outro
ornato, àquele rosto bastavam-lhe as próprias perfeições. Aquela tez parecia
envolta em o que quer que fosse transparente. Mal poderia conciliar-se a
esperteza que lhe coruscava nos olhos com tanta doçura, candidez e inocência! A
meu pesar, estas observações iam-me dominando; e, se as tinha como nocivas ao
meu repouso, fechava os olhos para não as contemplar.
Quis dormir, e consegui-o. Sonhos deliciosos vieram serenar minha alma
exaltada pelas desvairadas idéias que a tinham alquebrado. Foi longo aquele
dormir; e minha mãe, mais tarde, disse-me que aquele torpor era desnatural. Ao
despertar, achei-me à orla do canal onde é o embarque para Veneza. A noite ia
adiantada; senti que me tiravam pelo braço, eram um carrejão que queria levarme
a bagagem. E eu nem sequer levava um barrete de dormir!
Biondetta apareceu-me à outra portinhola, dizendo-me que estava pronto o
barco em que devíamos partir. Desci automaticamente, entrei na falua e recai no
letargo.
Na manhã seguinte achei-me na Praça de São Marcos, no mais luxuoso
aposento da melhor hospedaria de Veneza. Eu já o conhecia, e reconheci logo.
Boa roupa branca, e um rico "robe de chambre" à beira do meu leito. Imaginei
que isto seria deferência de albergueiro que me via desprovido de tudo.
Ergui-me e observei se eu era o único ente vivo a morar naquele quarto.
Procurei Biondetta.
Corrido desta fraqueza, dei graças à minha propícia fortuna. "Aquele
espírito e eu não eram, portanto, coisas inseparáveis; eis-me liberto dela; e,
51
depois do meu desatino, se eu não perder, senão, o meu posto nas guardas do rei,
devo considerar-me muito venturoso".
"Ânimo, Álvaro! - prosseguiu eu - há muitas cortes, há mais reis além do de
Nápoles; isto te sirva de correção, se não és incorrigível, e, depois, andarás
melhor. Se recusarem teus serviços, a mãe carinhosa, e um patrimônio modesto
na Estremadura te abrem os braços’.
"Mas que me queria aquele trasgo que vinte e quatro horas me perseguiu?
Que sedutora cara ele arranjou! Emprestou-me dinheiro, que eu devo pagar-lhe."
Nisto aparece-me o credor, conduzindo-me dois criados dois gondoleiros.
- É preciso - disse ele - que se sirva com estes enquanto Carlos não vêm.
Afiançaram-me a fidelidade e a inteligência destes homens, e aqui tem os mais
valentes arrais da República.
- Estou satisfeito com a tua escolha, Biondetta. Pernoitaste aqui?
E o pagem com os olhos em terra respondeu:
- Eu dormi neste mesmo hotel, mas no quarto mais apartado do de vossa
excelência, para lhe ser o menos incômodo que possível fosse.
Pareceu-me bem e delicadíssima a distância que ele interpusera. Quis-lhe
bem por isso.
"Quando mal - disse eu comigo - deixar de andar o espírito no vago do ar,
se lhe apraz exercer o seu malefício invisivelmente. Eu calcularia as distâncias,
quando ele estiver em sítio onde o veja". Contente com estas razões, aprovei
tudo.
Quis sair à procura do correspondente de minha mãe. Biondetta
providenciou ao meu guarda-fato; e, assim que me aparamentei, fui onde
tencionava.
O negociante acolheu-me de modo que me fez espanto. Estava à
escrivaninha, e já de longe me sorria, e veio ao meu encontro.
- Dom Álvaro - disse-me - não o julgava cá. Chegou muito a ponto para
evitar que eu praticasse uma inconveniência. Eu ia mandar-lhe duas cartas e
dinheiro.
- A mesada?
52
- Sim, e mais alguma coisa. Aqui estão duzentos cequins chegada esta
manhã. Um velho fidalgo a quem passei recibo nos entregou da parte de D.
Mência. Como não tenho recebido notícias suas, sua mãe julgou-o enfermo, e
encarregou um espanhol seu conhecido de me dar o dinheiro para lho eu
transmitir.
- Disse-lhe o nome?
- Escrevi-o no recibo: é D. Miguel Pimientos, que diz ter sido escudeiro em
sua casa. Como ignorava a sua estada em Veneza, não lhe perguntei onde residia.
Embolsei o dinheiro. Abri as cartas. Minha mãe lastimava-se da sua doença,
do meu descuido e não me falava do dinheiro remetido. Fiquei sensibilizado com
tanta bondade.
Com a bolsa tão a propósito recheada, vim alegremente para o hotel, e
custou-me encontrar Biondetta no remoto quarto onde se hospedara. A entrada
para este quarto era uma escadinha particular distante da minha porta. Topei-a
casualmente. Espreitei-me e via-a, ao pé de uma janela, curvada a ajuntar e a
grudar os destroços de um piano.
- Já tenho dinheiro! - exclamei - Aqui te trago o que me emprestasse.
Ela corou, o que sempre lhe sucedia antes de falar. Procurou o meu título de
dívida, entregou-me, recebeu o dinheiro e disse-me que eu era pontualíssimo, e
que ela desejaria sentir por mais tempo prazer de ter-me em obrigação.
- Mas eu ainda te devo a importância dos transportes.
Ela tinha a conta sobre a mesa; paguei-lhe.
Sai com aparente serenidade. Pediu-me que lhe desse as minhas ordens; eu
não tinha ordens a dar-lhe e deixei a resposta a compor o cravo, voltando-me as
costas. Observei por algum tempo. Pareceu-me muito entretida, empregando na
sua tarefa tanta atividade com ciência.
Fui cismar no meu quarto.
"Eis ali a parceira do tal Caldeirão que acendia o cachimbo de Soberano, e,
posto que tenha uns modos assaz distintos, não procede de melhor família. Se ela
não tornar exigente e incômoda, se não tiver mais outras pretensões, que importa
que eu a conserve? Além de que, ela afirma que eu posso desfazer-me da sua
53
companhia quando quiser. Porque hei de querer já o que posso querer logo?"
Interromperam-se estas reflexões, anunciando que estava o jantar na mesa.
Sentei-me. Biondetta servia-me em grande libré. Estava atrás de mim,
solícita a prevenir meus desejos. Eu não precisava voltar a cabeça para a ver.
Três espelhos a um tempo lhe repetiam todos os gestos.
Findo o jantar, levantei-me e ela saiu.
Entrou o albergueiro, que eu já conhecia.
Era tempo de carnaval. A minha chegada pareceu-lhe naturalidade. Deu-me
os emboras da minha equipagem, que denunciava prosperidade e elogiou
grandemente o meu pagem, o mais lindo moço, o mais afeiçoado, inteligente e
meigo de que ele tinha notícia. Perguntou-me se eu tencionava folgar no
carnaval. Disse-lhe que sim. Visto um dominó, e embarquei na minha gôndola.
Percorri a praça, fui ao teatro e ao Ridotto. Joguei, ganhei quarenta cequins,
recolhi-me tarde, extravaganciando por toda a parte onde a libertinagem me
levou.
O meu pagem, com a tocha em punho, recebeu-me no pátio, entregou-me os
desvelos dum escudeiro e retirou-se, pergunto-me a que horas mandava eu que se
entrasse aos meus aposentos.
- Às do costume - respondi sem saber o que respondia, sem pensar que
ninguém sabia os meus hábitos.
Ergui-me tarde e levantei-me lentamente. Acaso relancei a vista às cartas de
minha mãe. "Digna senhora! - exclamei - Que faço aqui? Porque não vou
acolher-me aos seus prudentes conselhos? Hei de ir, hei de ir; que não me resta
melhor refúgio".
Deram tanto de que eu estava acordado, porque falei alto. Alguém entrou:
era ela, o abismo da minha razão. Entrou afetando desinteresse, modéstia,
submissão e por tudo isso me avultou ainda mais perigosa. Anunciou-me o
alfaiate com as fazendas. Feitas as compras, desapareceu até a ceia.
Comi pouco e corri ao redemoinho das folias de Veneza. Envolvi-me com
os camaradas, ouvi e disse sem saborear, fui ao tetro e depois ao jogo, até então
minha paixão predileta. Desta vez ganhei muito mais que a outra.
54
VII
Resvalaram dez dias na mesma situação de coração e espírito, e nos
mesmos desvarios. Depararam-se-me velhos e novos amigos. Fui apresentado
nas assembléias mais do tom, e admitindo ao jogo das casas mais gradas.
Tudo iria às mil maravilhas se a fortuna do jogo não me desandasse. Uma
noite, perdi no Ridotto mil e trezentos cequins que tinha ajuntado. Com tamanha
infelicidade ninguém ainda jogou! Às três da manhã, sai, sem um ceitil, devendo
cem cequins aos meus conhecidos. Todo eu denotava a grande amargura que ia
na alma. Biondetta mostrou-se consternada; mas não proferiu palavra.
Ao outro dia, levantei-me tarde. Entrei a passar no quarto batendo rijo no
chão os enormes passos. Serviram-me o almoço, que não pude comer. Retirado o
serviço, Biondetta, ao invés do seu costume, ficou. Fitou-me alguns momentos e
me disse com as lágrimas no rosto:
- D. Álvaro perdeu, e talvez não possa pagar.
- E, se assim fosse, como hei de remediar isto?
- Isso é ofender-me. Conte com os meus serviços pelo mesmo preço; mas
curtos seriam eles, se tão somente se cifrassem em fazê-lo contrair comigo
obrigações que lhe impõe o dever de resgatar sem delongas. Consinta que eu me
sente. A comoção não me deixa estar de pé. Demais que tenho coisas importantes
que lhe dizer. Quer arruinar-se? Porque joga tão destemperadamente, se não sabe
jogar?
- Jogos de azar quem é que os não sabe? Quem me ensinaria regras em tal
jogo?
- Alguém. Os jogos de sorte, que Dom Álvaro chama de acaso, estudam-se.
No mundo não há acasos; é tudo e tudo será sempre um encadeamento de
combinações necessárias, que só se percebem com a ciência dos números, cujos
princípios são, a um tempo, tão abstratos e profundos, que não há fixá-los sem
iniciação do mestre; mas faz-se mister que o discípulo se lhe dê, e a ele se
identifique. Eu só tenho uma imagem para lhe poder pintar este sublime
conhecimento. A cadeia dos números forma a harmonia do Universo, regula o
55
que ai chamam de casos fortuitos e supostas predestinações, forçando-as a pender
cada uma a seu lado, mediante uns invisíveis fiéis de balança, desde o que passa
mais importante nas altas esferas, até aos miseráveis acasos que hoje o
desbalizaram do seu dinheiro.
Este trecho científico em boca infantil - aquela súbita proposta de me dar
um mestre - ocasionaram-me calafrio, uma transpiração glacial como a que suara
debaixo da abóbada de Portici. Encarei em Biondetta, quando desceu os olhos, e
disse-lhe.
- Não quero mestre! Receio aprender demais; mas vê lá se me convences de
que um fidalgo pode saber mais alguma coisa no jogo, e aproveitar-se dessa
ciência sem desfalque de sua honra.
Ela aceitou a tese e aqui vai o resumo de sua demonstração:
- A banca é combinada sobre a base dum lucro exorbitante que se renova a
cada talho; se ela se não arriscasse, a república roubaria manifesta e seguramente
os particulares. Mas os cálculos que podemos fazer são conjeturais, e a banca faz
sempre bom jogo, lutando contra uma pessoa esperta por cada dez mil parvos que
logra.
A convicção foi-me insinuada com mais algumas demonstrações. Uma só
combinação aprendi, simplíssima ao que parecia; os princípios não lhos percebi;
mas o certo é que naquela noite lhe conheci a infalibilidade no resultado. Em
pouco o direi: ganhei quanto havia perdido, paguei as dívidas e restitui a
Biondetta a quantia que me emprestara para tentar fortuna.
Estava menos mal de meios; mas cada vez mais ilaqueado. Renovam-se-me
as suspeitas dos intentos do ente nocivo, cujos serviços eu aproveitara. Já eu não
sabia ao certo se poderia apartar-me dela. Como quer que fosse minguava-me
coragem para o desejar. Furtava dela os olhos, e em toda a parte a via.
O jogo já não me era dissipação distrativa. A banca tão apaixonadamente
desejada, assim que perdeu o perigo, já não me era bastante estímulo. As
jogralidades carnavalescas anojavam-me: os espetáculos aborreciam-me. Se eu
tivesse coração livre para me aliar a alguma das mulheres da alta plana, sentirme-
ia repelido pelo langor, cerimônias e aborrecimentos das damarias e
56
requebros do uso. Restava-me a tavolagem da alta sociedade, onde eu já não
queria jogar, e a sociedade das loureiras.
Entre as mulheres desta bitola havia algumas mais distintas pela elegância
de seu pompear e galhofa de sua convivência, que por agrados de suas pessoas.
Nessas casas achava eu uma liberdade de mão cheia que me dava prazer,
um rir estrondoso que me aturdia, se não me agradava; enfim um incessante
abuso da razão que, a intervalos, desapertava-me das angústias da minha. Eu
galanteava todas as mulheres daquela estofa onde era levado, sem apontar a
alguma nenhum intento; mas a mais celebrada de todas nutria a meu respeito
planos que logo pôs em ação.
Chamava-se Olímpia. Tinha vinte e seis anos, extremada beleza, talento e
graça. Deixou-me logo entrever que me tinha à sua conta; e eu, que não sentia
nada, deixei-me levar, para mais cedo me livrar dela e de mim.
Principiamos nossas ligações desabridamente; e, como nenhum prazer me
davam, cuidei que seriam outro tanto para ela. Esperava eu que Olímpia,
enfastiada de minhas distrações, buscaria logo amante que melhor a incensasse,
sendo certo que a mais desinteressada paixão fora base daquele enlace. Outros
fados, porém destinara-nos os nossos planetas. Estava sem dúvida escrito que
esta mulher soberba e iracunda fosse castigada amando-me, e que eu por ela me
visse enredado em novas tramas.
Eu já não era senhor de ir à noite para hotel; e, durante o dia, tudo era
bilhetes, recados e espiões.
Lastimava-se da minha frieza. Ciúmes sem objeto atentavam contra as
mulheres que podia merecer-me leves atenções. Quereria até eu as tratasse
grosseiramente, se o meu caráter se prestasse a tanta abjeção. Dissaboreava-me
este continuado tormento; mas era forçoso tolerá-lo. De boa fé me esforçava eu
por amar Olímpia, amar que fosse quem fosse, contanto que me distraísse da
inclinação perigosa que me avexava. No entanto, um lance de maior estrondo se
preparava.
Eu era clandestinamente espiado no hotel por ordem da tal dama.
- Desde quando - perguntou-me ela - tens tu o belo pagem que tanto te
57
interessa, que tantos cuidados te dá e tanto segues com a vista quando te serve no
teu quarto? Porque o forças a tão austero recolhimento? Porque é que ninguém o
viu ainda em Veneza?
E eu respondi:
- O meu pagem é um moço de boa família e de cuja educação eu por dever
me encarreguei. É...
- É - replicou ela iracunda e fulminativa - é, traidor! É uma mulher! Uma
das minhas confidentes viu-a vestir-se, através da fechadura.
- Dou-te minha palavra de honra que não é mulher.
- Não ajuntes a mentira a traição. Esta mulher não é feliz, porque há quem
viu chorar. Tu só sabes atormentar os corações que se te dão. Enganaste-a, como
a mim, e abandonaste-a, como a mim. Manda aos pais essa pobre menina; e, se as
tuas prodigalidades te impedem de ser bom, eu a recompensarei. Deves-lhe um
destino... Eu lho darei; mas é preciso que ela amanhã desapareça.
- Olímpia! - repliquei o mais serenamente que pude - juro e torno a jurar
que não é mulher; e praza ao céu...
- Que querem dizer estas imposturas de "praza ao céu", monstro! Despedea,
torno a dizer-te, senão... Mas tenho outro meio... eu te arrancarei a máscara, e
ela ouvirá a razão, se tu não és capaz de ouvi-la...
Acabrunhado por tamanha torrente de injúrias e ameaças, mas fingindo-me
insensível, fui para minha casa, bem que já muito a desoras.
A minha entrada impressionou os criados, e particularmente Biondetta, que
pareceu receosa do meu estado de má saúde, bem que eu lhe afirmasse que estava
bom.
Depois de me ligar a Olímpia, raras vezes lhe falara, sem que todavia o
proceder dela comigo se alterasse levemente. O rosto, porém, denunciava a
melancolia e prostração da alma.
Ao outro dia, apenas despertei, Biondetta entrou na minha alcova com uma
carta aberta. Entregou-me e eu li:
" Ao suposto Biondetto "
" Não sei quem sois, senhora, nem o que fazeis em casa de D. Álvaro; mas
58
sei que sois nova demais para ser indesculpável, e que estais em poder de sujeito
para que se não tenha pena de vós. É de presumir que esse cavalheiro vos haja
prometido o que promete a todas, o que todos os dias me jura, bem que
determinado a trair-nos ambas. Dizem-me que tendes tanta discrição quanto
formosura; é pois de esperar que vos aproveite um bom conselho. Estais em
idade, senhora, de remediar a culpa que houverdes cometido; e uma alma
sensível vos abre a ocasião. Não se pensa nos sacrifícios necessários à segurança
de vosso repouso. Custe o que custar. É mister que ele seja adequado à vossa
posição, aos intentos cujo abandono vos aconselharam, aos que podeis aspirar no
porvir, e portanto vós mesma pautareis vosso destino. Se persistis em querer ser
iludida e desgraçada, envolvendo outras em vossa miséria, acautelai-vos contra
tudo que a desesperação pode inspirar mais violentamente a uma rival. Espero
resposta."
Lida a carta, restitui-a a Biondetta, e disse-lhe.
- Responde a essa mulher que é tola; e tu sabes melhor que eu quanto ela é
tola.
- D. Álvaro conhece-a... Que julga dela?
- Julgo que ela me enoja há muito, e por isso a deixo; e para mais sobre o
seguro de me livrar dela, vou esta manhã alugar uma linda vivenda que me
ofereceram sobre a Brenta.
Vesti-me e fui logo alugar a casa.
Durante a ida fui refletindo nas ameaças de Olímpia. "Pobre louca! - dizia
eu - querer matar a...". E não pude nunca, sem saber a razão, proferir a palavra.
Concluído o contrato, voltei para casa, jantei, e receando que a força do
costume me levasse para Olímpia, resolvi não sair mais.
Lancei mão de um livro; mas logo o depus, por não me poder aplicar à
leitura. Fui à janela, e tudo me entediou em vez de me divertir. Entrei a passear
rapidamente no meu quarto, buscando tranqüilizar o ânimo com a contínua
agitação do corpo.
59
VIII
Neste caminhar ao acaso, dirigi-me a um guarda-roupa sombrio, onde os
meus criados guardavam coisas precisas ao meu serviço, mas impróprias da
minha atenção. Nunca ali tinha ido. Seduziu-me a escuridão do sítio. Assenteime
sobre um cofre, e quedei-me alguns minutos assim.
No termo desta curta pausa ouvi rumor no quarto próximo; um raio de luz
que me feriu a vista atraiu-me a uma porta pregada. A luz vinha do orifício da
fechadura. Espreitei.
Vi Biondetta assentada em frente de seu cravo, com os braços cruzados, em
postura de pessoa que devaneia profundamente. Rompeu ela o silêncio.
- Biondetta! Biondetta! Chama-me Biondetta. É a primeira e última palavra
"carinhosa" que tem saído dos lábios dele.
Calou-se, e pareceu recair na profundeza de suas cogitações. Depois,
assentou os dedos sobre o teclado do cravo que eu lhe vira concertar. Na estante
fronteira estava um livro fechado. A meia voz, e acompanhando-se, preludiou e
cantou.
Logo atinei que ela cantava uma composição improvisada. Atentei o ouvido
e ouvi o meu nome e o de Olímpia. Improvisava em prosa sobre a sua situação e
a da rival que reputava mais feliz; enfim, sobre o meu rigor e suspeitas que
davam azo à inconfidência que me expulsava da bem-aventurança; porque ela me
seria estrela condutora às grandezas, opulência e sabedoria - coisas necessárias à
sua felicidade. "Ai! - dizia ela - é impossível! Quando ele soubesse quem sou,
meus débeis encantos não lograriam cativá-lo; que a outra..."
No rapto da paixão, as lágrimas sufocavam-na. Ergueu-se, pegou dum
lenço, enxugou os olhos e voltou para o cravo. Ao sentar-se deu tento de que a
pouca altura da cadeira a constrangia. Tirou o livro da estante, pô-lo sobre o
tamborete, abancou e preludiou novamente. Percebi que a segunda cena da
música seria diversa da primeira. Reconheci a música de uma barcarola muito na
moda então em Veneza. Repetiu-a duas vezes. Depois com voz mais distinta e
firme, cantou estas trovas:
60
Ai! Que ilusão foi a minha!
Filha do ar, filha do céu,
Por Álvaro eu perdi tudo,
O amor dele me perdeu!
Já sem força, já sem brilho
Rojo-me escrava no chão.
E qual paga me compensa?
Despreza-me a servidão!
Corcel, a mão que te guia,
As crinas te hão de afagar;
Tu vais cativo, oprimido;
Mas não te querem magoar.
O esforço a que te obrigam
Dá o garbo, honra e valor,
E o bridão, que te reprime,
Não te punge aviltador.
Ó Álvaro, outra te prende
Longe de meu coração!...
Diz os filtros com que pode
Sopesar tua isenção!
Cuidam que ela é sincera;
Dão-lhe fé, porque ela o diz...
Ela agrada... Eu não agrado...
Suspeita-se da infeliz...
A desconfiança acerba
Empeçonha o coração.
Se estou presente, intimido;
Na ausência, ódio me dão.
Ai! Tormento imaginário!
Sem razão, gemendo estou...
Se falo, minto e me imponho;
61
Se me calo, traiçoeira sou.
Amor, és pai da impostura...
Impostora eu sou, Amor?
Ai! Desta injúria nos vinga;
Pune quem culpado for.
Dá que o ingrato me conheça
E deteste essa que é,
E quem quer que seja, enlevo,
Se eu não sou, de sua fé.
Decide da minha sorte
A triunfante rival;
Ameaça-me a desterro,
Ou talvez golpe mortal...!
Ah! Não quebreis vossos ferros,
Ó zelos do coração,
Que não vades causar ódios...
Silêncio, minha aflição.
O som da voz, o canto, o sentido do poema, o ritmo, levantaram em mim
um alvoroço que não sei descrever. "Ente fantástico! Perigosíssima impostora! -
exclamei saindo rapidamente do local onde me detivera longo tempo - Quem
melhor imitaria as feições da verdade e da natureza! Que ditoso eu sou em só
haver hoje conhecido esta fechadura! Quantas vezes eu aqui não viria deliciar-me
e colaborar no meu próprio engano! Fora daqui! Vou para Brenta amanhã e desde
já me escapulo!"
Chamei imediatamente um criado, e fiz conduzir para uma gôndola tudo
que me era urgente ao passadio de uma noite na minha nova residência.
Ser-me-ia penoso esperar que anoitecesse. Saí. Andei à ventura. À esquina
de uma rua, pareceu-me divisar, entrando num "Café", aquele Bernardillo que
fora com Soberano a Portici. "Outro fantasma a perseguir-me!" - disse eu.
Baldeei-me à minha gôndola e corri toda Veneza de canal em canal. Davam as
onze quando me recolhi. Quis partir para Brenta; mas os gondoleiros fatigados se
62
recusaram. Chamei outros que vieram. Os meus criados, sabedores do intento,
entraram adiante carregados com as suas bagagens. Biondetta seguiu-me.
Mal eu pusera o pé no tombadilho que alguns brados me fizeram voltar a
face. Um máscara apunhalava Biondetta, gritando: "Queres valer mais do que eu?
Morre, morre, odiosa rival!"
IX
Tão rápido foi o atentado que um dos gondoleiros, que ficara no cais, já não
pode acudir. Ia ele sobre o assassino metendo-lhe o archote à cara, mas outro
mascarado sobreveio minacíssimo, com uma voz trovejante que me pareceu ser a
de Bernardillo. Saltei para terra com a cabeça alucinada. Os sicários fugiram, e, à
luz do facho, vi a lívida Biondetta, banhada em sangue, a expirar.
Não há descrição para o que eu senti! Nenhuma idéia me preocupava já que
não fosse estar ali uma mulher adorada, vítima de prevenções ridículas,
sacrificada a vãs e extravagantes confianças, e até àquele momento aviltada pelos
ultrajantes crudelíssimos que lhe eu fizera.
Curvo-me sobre ela, e ao mesmo tempo brado por socorro e vingança.
Chega um cirurgião atraído pelo tumulto desta aventura. Faço transportar a
mulher apunhalada para o meu quarto, e, receando que não a levassem com
cuidado, sou eu que ajudo a conduzi-la.
Quando a despiram e vi aquele corpo gentil ensangüentado e ferido por dois
grandes golpes, que pareciam romper as principais fontes da vida, disse e fiz mil
desatinos.
Biondetta, ao que parecia, desmaiada, certo me não ouvira; mas o
albergueiro e seus criados, um cirurgião e dois médicos entenderam ser perigoso
para a doente deixarem-me ao pé dela. Arrebataram-me para fora do quarto.
Ficaram comigo os meus criados; e então, dizendo-me um deles
imprudentemente que os médicos julgavam mortais as feridas, eu prorrompi em
altos clamores. Extenuado enfim de meus transportes, cai em prostração à qual se
seguiu adormecer-me.
63
E vi, então, minha mãe em sonhos. Contei-lhe a minha desventura; e, a fim
de a sensibilizar, quis levá-la às ruínas de Portici.
"Não vamos ai, meu filho - disse-me ela - que estás em grande perigo."
Ao passarmos por uns alcantis onde eu me embrenhava com pé firme, de
súbito sou arrojado por mão estranha ao despenhadeiro. Reconheci que a mão era
de Biondetta. Cai. Outra mão me levantou e achei-me nos braços de minha mãe.
Acordo, então, arquejante de pavor. "Ó terna mãe, tu não me desamparas, sequer
nos sonhos! E tu, Biondetta, queres perder-me? Mas este sonho é o efeito das
perturbações do meu espírito. Ah! Repulsemos a idéia que me fariam esquivo à
gratidão e a sentimentos de humanidade!
Chamei um criado e mandei saber dela. Estava com dois facultativos.
Haviam-na sangrado copiosamente, mas receava-se a febre.
Ao outro dia, levantado o aparelho, decidiram que as feridas não eram
perigosas, senão pela profundidade; mas a febre sobreveio, redobrou e foi mister
quebrantá-la sangrando-a outra vez.
E eu tanto pedi que me deixassem entrar no quarto que não me houve
recusarem.
Biondetta delirava repetindo amiúde o meu nome. Contemplei-a. Nunca
pareceu-me tão linda.
"Eis aqui - pensava eu - a mulher que eu cuidava um espectro luzentíssimo,
um complexo de evaporações esplendorosas que me iludiam os olhos! Ela vivia
da mesma vida que me alenta e, perde-a, porque eu não quis nunca ouvi-la e
voluntariamente a expus. Que monstro, que tigre fui! Se morres, ó ente digno de
ser adorado, não te sobreviverei, já que tão vilmente respondi às tuas carícias.
Morrerei, sacrificando-te sobre a campa a infame Olímpia! Se viveres, serei só
teu; reconhecerei teus benefícios; coroarei tuas virtudes e resignação; ligar-nosemos
por indissolúveis laços, e cumprirei um dever volvendo-te feliz com a
oblação cega de meus sentimentos e vontades".
Não descreverei os penosos esforços da arte e da natureza para renovar a
vida num corpo que parecia dever sucumbir aos recursos empregados em seu
alívio.
64
Vinte e um dias derivaram sem poder-se decidir entre o receio e a
esperança; finalmente, remeteu a febre, e a enferma deu ares de recuperar o
alento.
Chamei-lhe querida Biondetta e ela apertou-me a convulsa mão. Desde este
momento em diante, deu tanto de tudo que a rodeava. Eu estava à cabeceira do
leito, vendo-a com os olhos lacrimosos a fitar-me amorosamente.
Quando ela me encarava não sei dizer que expressão graciosa lhe divinizava
o sorriso. "Chora, Biondetta! - murmurava ela - Eu sou a cara Biondetta de
Álvaro!".
Desejava falar-me, mas fui compelido a sair do quarto.
Resolvi ali ficar em sítio obscuro onde ela não me visse. Por fim,
consentiram que eu me aproximasse do leito.
- Biondetta - disse-lhe eu - os teus assassinos são perseguidos.
- Ah! Perdoa-lhes - respondeu ela - devo-lhes esta felicidade. Se eu morrer,
morro por ti. Se viver, viverei para te amar.
Forçam-me razões a abreviar os terníssimos lances que entretivemos até o
dia em que os médicos permitiram que eu transferisse Biondetta para as margens
do Brenta, cujo clima seria bom a vigorizar-lhe a convalescença.
Fomos ali residir.
Dei-lhe duas criadas para seu serviço logo que seu sexo foi reconhecido
pela necessidade de lhe pensar os ferimentos. Cerquei-a de tudo que podia
conspirar à sua comodidade, e todo o pulso envidei em consolá-la, aprazer-lhe e
distraí-la.
X
Restauraram-se as forças a olhos vistos; e, quanto à beleza, era um rebrilhar
de graças a mais não ser. E já quando o conversarmos largamente não poderia
molestá-la, disse-lhe.
- Biondetta, amo-te em extremo, já creio que não és um ser fantástico,
convenci-me de que sou amado, pesa-me o proceder vil das minhas inquietações.
65
Diz-me o mistério da estranha aparição que me aterrou na abóbada de Portici.
Donde veio e para onde foi aquele horrível monstro e aquele cão que precederam
a tua vinda? Quem eram eles? Quem és tu? Tranqüiliza um coração que se te dá,
e toda vida quer ser teu.
- Álvaro - respondeu ela - os nigromantes, espavoridos de tua audácia,
quiseram ludibriar-te por meio do terror, e chegar por esse processo a reduzir-te a
baixo escravo de suas vontades. Predispuseram-te de antemão para o medo,
provocando-te à evocação do mais poderoso e formidável espírito; e, auxiliados
por outros cuja categoria dominam, apresentaram-te um espetáculo que te
mataria de pavor, se o vigor da tua alma não voltasse contra eles sua própria
cilada. Em vista de tua heróica intrepidez, os silfos, as salamandras, os gnomos e
ondinas, encantados por tua coragem, resolveram dar-te a suprema vantagem
sobre teus adversários. Eu sou sílfide de origem, e uma das mais distintas.
Apareci sob a forma de cadelinha, recebi tuas ordens e todas, à competência,
desvelamo-nos em te servir. Quanto mais altivez assumias, e resolução e
inteligência em regular nossos atos, mais em dobro recrescia a nossa admiração e
zelo em te servir. Mandaste-me que te fosse pagem, e te recriasse como cantara.
Submeti-me com júbilo e tantas delícias me deu a submissão que resolvi
consagrá-la para sempre. Decidi o que me cumpria ser para gozar a felicidade.
Abandonada no vago aéreo a incertezas necessárias, sem sensações, sem gozos,
escrava dos esconjuros dos cabalistas, ludibrio de fantasiosos, forçosamente
delimitada em minhas prerrogativas e conhecimentos, hesitaria na escolha dos
meios que podem nobilitar minha essência? É-me lícito ser corpo e unir-me a um
homem? Eras tu. Se me converto em mulher, perdendo nessa voluntária
transformação o natural direito das sílfides e a assistência de minha
companheiras, fruirei a ventura de amar e de ser amada. Servirei o meu vencedor;
ensinar-lhe-ei a sublimidade do meu ser, cujos privilégios ele ignora. Avassalará,
com os elementos do meu império abandonado, os espíritos de todas as esferas.
Álvaro é feito para ser o rei do mundo; e eu serei a rainha, e a rainha que ele
adora. Estas reflexões mais rápidas do que tu podes imaginar em uma substância
desempeçada de órgãos, decidiram-me subitamente. Conservando o meu
66
semblante, adotei um corpo feminino, que já agora deixarei com a vida. Ao vestir
a minha essência deste corpo, Álvaro dei tento de que tinha coração. Admirei-te,
amei-te... Mas que passou em mim, quando repugnância e ódio me transluziam
de tuas palavras e gestos! Eu já não podia transfigurar-me, nem sequer
arrepender-me! Submissa a quantos revezes pesam sobre criaturas de tua espécie,
vítima de ódios dos espíritos e implacável rancor do nigromantes, eu, sem a tua
proteção, tornar-me-ia a mais desgraçada criatura que cobre o sol. Que te direi
mais? Desgraçadíssima seria eu já sem o teu amor.
Ao prestígio desta interessante narrativa ajuntai as mil graças que lhe
abrilhantavam o rosto, a ação e o argentino da voz. Eu pouco ou nada percebera
do que eu ouvira; mas qual era o lado inteligível da minha aventura?
Tudo isto me pareceu um sonho - dizia eu entre mim - mas a vida humana
que outra coisa é que sonho? Estou sonhando mais desatinadamente que qualquer
outro; e eis ai tudo.
Eu, pois, a via quase às portas da sepultura, percorrendo todos os termos da
consumpção e da dor, sob a influência dos recursos da medicina.
O homem é um misto de lodo e água. Porque não há de a mulher ser feita
de rocio, de evaporações terrenas e raios luminosos, de partículas condensadas do
arco-íris? Onde está o possível? Onde está o impossível?
Em resultado de minhas reflexões, deixei-me ir ao sabor da inclinação,
cuidando que o raciocínio me levava. Desvelei-me em carícias inocentes e
esmerados desvelos com Biondetta. E ela deixava-se afagar com encantadora
docilidade, e com um natural pejo que não é resultado da reflexão nem do receio.
XI
Nestas embriagantes doçuras decorreu um mês.
Inteiramente restabelecida, Biondetta seguia-me a todos os passeios.
Mandei-a vestir de Amazona. Assim trajada, com um grande chapéu ondeante de
plumas, atraia todas as atenções; e, sempre que aparecíamos, a minha felicidade
era assunto para os invejosos que povoam, durante o estio, as formosas orlas do
67
Brenta. Propriamente as mulheres pareciam haver renunciado ao ciúme de que as
malsinam, quer subjugadas pela superioridade que confessavam, quer
desarmadas por uma negligência que denotava menosprezo de toda
superioridade.
De todos conhecido como amante querido de tão deslumbrante mulher, o
meu orgulho igualava ao amor, e tanto mais me desvanecia quanto era sublimada
a origem de Biondetta.
Certo estava eu de que ela possuía raros conhecimentos, e com razão
presumia que nos havia de transmitir; todavia o falar de Biondetta versava sobre
assuntos comuns, como quem, embebida no seu amor, tudo mais esquecera.
Como passeássemos, uma noite, sobre o terraço do meu jardim, disse-lhe
eu:
- Biondetta, quando tão lisonjeiro afeto fez-me digno de ti, e tua vida se
ligou à minha, prometeste dar-me a saber coisas não sabidas do homem comum.
Pareço-te agora indigno dessa nobilitação? Tão ardente e tão delicado amor como
o teu recusará engrandecer-me?
- Ó Álvaro - respondeu ela - eu sou mulher há seis meses, e figura-se-me
que a minha paixão ainda não conta um dia. Perdoa-me se tão suave sensação
embriaga uma alma que nenhuma outra comoção experimentou. O que eu queria
era ensinar-te a amar como eu o amo; então, sim, com esse só sentimento,
exalçar-te-ias sobre todos os homens; mas outras são as aspirações do orgulho
humano. A natural inquietação não lhe concede possuir uma felicidade, se outra
maior não lhe avulta em perspectiva. Sim, Álvaro, hei de instruir-te. De bom
grado proponho o meu interesse, pois que a minha grandeza independe da tua;
mas não basta a promessa de viveres comigo; é preciso que te dês a mim para
sempre e sem reserva.
Estávamos sentados em um cômoro de relva, sob uma capa de madressilvas
num recanto do jardim. Lancei-me em joelhos, e disse-lhe:
- Querida Biondetta, juro-te a mais ampla fidelidade.
- Não, que me não conheces, não me conheces... Quero uma absoluta
renunciação; só isso me tranqüiliza e satisfaz.
68
Beijei-lhe a mão com enlevo, e repeti o juramento, ao qual ela saia com
seus receios. No ardor do diálogo, nossas cabeças penderam mutuamente e os
lábios encontraram-se... Eis que eu sinto que me puxam pela aba do casaco e me
sacodem com estranhos empuxões.
Era o meu cão, um cachorro dinamarquês com que me haviam presenteado.
Todos os dias me entretinha a ensiná-lo atirando-lhe o lenço. Como ele me fugira
de casa, na véspera, mandei-o prender para que não se escapasse; mas, quebrando
a gramalheira, e guiado pelo faro, dera comigo, e puxara-me pelo fato para me
mostrar o seu contentamento e desafiar-me à brincadeira. Enxotei-o com palavras
e gestos; mas não houve afastar-se. Corria e voltava, latindo à volta de mim; por
último, vencido da impertinência tomei-o pela coleira, e reconduzi-o a casa.
Quando voltei para Biondetta, um criado que me seguia de perto, disse-me
que estava o jantar na mesa, e, portanto, sentamo-nos, Biondetta pode ser que se
sentisse então confusa, se felizmente um moço nobre não viesse passar conosco o
sarau.
Ao outro dia fui ao quarto de Biondetta disposto a participar-lhe umas
judiciosas reflexões que me tinham preocupado durante a noite. Estava ainda na
cama: sentei-me à sua beira.
- Ontem - disse-lhe eu - estivemos a ponto de praticar uma loucura que me
seria remorso para toda a vida. Minha mãe quer que eu me case. Eu só posso ser
teu, e sem ti não posso contrair enlace grave. Ora eu, já que me afiz a considerarte
minha esposa, querida Biondetta, quero respeitar-te.
- E não devo eu também respeitar-te, Álvaro? E tal sentimento não seria a
morte do amor? O seu veneno?
- Estás iludida - disse-lhe eu - não seria veneno, seria antes um delicioso
condimento.
- Belo condimento! Que ar glacial é esse!?... Parece que em mesma estou
empedrando! Ah! Álvaro! Eu felizmente não tenho idéias de conveniências nem
inconveniências, nem pai, nem mãe, e quero amar com toda alma sem
condimentos dessa natureza. Tu deves respeitar tua mãe; é natural; basta, porém,
que a sua vontade conferisse a união de nossos corações; é desnecessária a
69
procedência dela. Entre vós os preconceitos enxameiam à mingua de luzes, e
quer raciocinem, quer desvariem, os homens procedem tão disparatados quanto
extravagantes. Submissos a verdadeiros deveres, aceitam outros cujo
cumprimento ou é impossível ou inútil: finalmente esforçam-se por sair da
vereda por onde unirmo-nos depende de alheias vontades. Quem sabe se D.
Mência me achará de geração assaz ilustre para entrar na casa solarenga de
Maravillas? E serei por isso rejeitada? Ou, em vez de te haver de ti mesmo, serme-
á preciso obter-te dela? É um homem predestinado ao alto saber que me fala,
ou um rapaz que vem lá das serras das Estremaduras? E devo ter menos
delicadeza quando vejo que se acata mais a dos outros que a minha? Álvaro,
Álvaro, alardeiam por ai o amor dos espanhóis; o que eles têm muito mais forte
que o amor é o orgulho.
Eu tinha presenciado cenas muito esquisitas; mas não estava preparado para
esta. Quis eu desculpar o acatamento a minha mãe: prescrevia-me o dever e a
gratidão, e o afeto, mais forte que o dever. Não a impressionei.
- Eu não me fiz mulher para tão pouco, Álvaro - replicou ela. Tu recebesme
de mim mesma; quero que de ti mesmo sejas meu. D. Mência, se é louca,
depois desaprovará. Não quero que me fales mais de tal. Desde que me respeitas ,
e respeitadas a toda a gente, sinto-me mais infeliz do que no tempo em que era
odiada.
E rompeu em pranto desfeito. Felizmente sou altivo, e a isto devo não cair
pusilanimamente aos pés de Biondetta para modificar aquele irracional despeito,
e estancar lágrimas que me exasperavam.
Passei ao meu gabinete. Se ai me aguilhoassem, ter-me-iam feito bom
serviço. Afinal, receando pelo êxito da luta em que me debatia consigo mesmo.
Corri a embarcar-me na gôndola. Encontrei uma das criadas de Biondetta, e
disse-lhe:
- Vou a Veneza. Sou lá preciso por causa do processo instaurado contra
Olímpia.
E abalei nas presas de devoradores sobressaltos, descontente dela e ainda
mais de mim, vendo que não teria evasiva que não fosse covarde ou desesperada.
70
XII
Cheguei à cidade; aproei à primeira rua. Percorri-as todas, sem dar tino de
que ia estalar sobre mim uma grande trovoada, nem me inquietar em busca de
abrigo.
Era por meado de julho. A súbitas, varejou-me uma saraivada e chuva
torrencial. Vi uma porta aberta: era uma Igreja de convento de franciscanos.
Refugiei-me lá.
Refleti que só este incidente me impulsara a entrar em um templo, desde
que estanciava nos estados venezianos; depois, desculpei-me deste absoluto
olvido dos meus deveres. Por derradeiro, querendo desapossar-me de tais idéias,
entrei a examinar os painéis e os mausoléus da Igreja; era uma espécie de curiosa
viagem que eu fazia ao longo do coro e das naves.
Cheguei a uma capela soturna, alumiada por um lampadário. Luz do Sol
não podia coar-se lá. O que quer que fosse alvejante desde o fundo da Capela me
deslumbrou: era um jazigo.
Dois gênios pousavam sobre um sarcófago de mármore negro uma figura de
mulher. Outros dois choravam à beira do túmulo.
As figuras eram de mármore branco com um alvor natural, relevado pelo
contraste, refrangido vivamente a frouxa luz da lâmpada, por maneira que
pareciam ter luz sua, e alumiarem de per si a lôbrega cripta.
Acerquei-me, e examinei as estátuas; pareceram-me admiravelmente
esculpidas, cheias de expressão e primorosíssimas. Fitei os olhos na fronte da
principal. Pensei ver o retrato de minha mãe. Verguei sob o peso de viva dor e
santo respeito.
- Ó mãe! Este frio simulacro com a vossa imagem adorada vem avisar-me
que a desordem de minha vida te levará à sepultura? Ó digníssima entre as
mulheres! Por mais perdido que eu esteja, o teu Álvaro tem na sua alma intactos
os teus direitos. Antes de se apartar da obediência que te deve, morrerá. Ai! É
enorme a paixão que me dilacera: já não posso refreá-la, não! Pois que falaste a
meus olhos, ó mãe, fala-me ao coração; e, se eu devo esmagá-lo, diz-me como
71
possa fazê-lo sem perder a vida.
Proferida com veemência esta invocação enérgica, prostrei a face na laje, e
aguardei assim abatido a resposta que eu confiadamente esperava, tanto era o
meu entusiasmo! Reflexiono agora - o que então não podia fazer - que todas às
vezes que invocamos socorros sobre humanos para regramento de nossa vida, se
os exoramos com força, embora não sejamos atendidos, o recolhimento em que
nos concentrarmos para os receber, dá-nos modo de exercitar os recursos da
nossa própria prudência. Eu merecia ser abandoando à minha, que me sugeriu
este alvitre: "Entre ti e a tua paixão interpõe um dever que cumprir e uma grande
distância; depois os sucessos te darão luz."
- Vamos! - disse eu erguendo-me de salto - vamos abrir minha alma a
minha mãe, e refugiemo-nos mais uma vez neste sagrado asilo.
Voltei ao hotel, aluguei um sege, e sem me importar com equipagens, abalei
para Turim, para ir daí à Espanha por França; antes disso, porém, meti em uma
carteira uma nota do banco de trezentos cequins e a carta seguinte:
"Minha cara Biondetta:
"Arrancar-me de ti seria arrancar-me à vida, se me não consolasse a
esperança de voltar breve. Vou ver minha mãe. Animado por tua brilhante idéia,
vencê-la-ei, e virei formar por sua própria vontade a união de que pende a minha
ventura. Sacrificarei a teus pés o restante de minha vida, satisfeito por ter
cumprido meus deveres antes de me dar todo ao amor. Então conhecerás o que é
um espanhol, Biondetta; segundo o meu porte, decidirás se eu, obedecendo aos
deveres da honra e do sangue não sei por igual observar os outros. Quando vires
o próspero resultado dos meus desígnios, não acoimarás de orgulho o sentimento
que a eles me prende. Não posso duvidar do teu amor, que me devotará completa
submissão: maiores realces lhe descubro ainda nesta tua fria condescendência em
projetos que todos tendem à nossa felicidade. Envio-te o que pode ser preciso ao
custeio das despesas de nossa casa. De Espanha te mandarei o que menos indigno
me parecer de ti, então quanto a mais viva ternura te não conduz para todo o
sempre o teu escravo."
Ei me caminho da Estremadura. Era a mais formosa quadro do ano. Tudo
72
favorecia a minha impaciência de chegar à Pátria. Já se entreviam as torres de
marfim quando uma caleça de posta ordinária, perpassando pela minha, parou, e
deixou que eu visse através da portinhola uma mulher gesticulando e esforçandose
por sair.
O meu boleeiro parou sem aviso. E apeei-me e recebi Biondetta nos meus
braços. "Álvaro, abandonaste-me!" Não me disse mais nada.
Levei-a à minha sege, único local onde eu podia sentá-la comodamente.
Felizmente que o trem era de dois lugares. Fiz o que pude por lhe facilitar a
respiração arquejante, desapertando-lhe os vestidos abafadores; e depois
sustendo-a nos braços, prossegui jornada na situação que podem imaginar.
XIII
Paramos na primeira estalagem de sofrível aparência. Fiz transportar
Biondetta ao melhor quarto. Deitei-a e sentei-me a seu lado. Obtive espíritos,
elixires próprios a restituir-lhe o alento. Por fim descerrou as pálpebras.
- Mais uma vez quiseram que eu morresse... Serão satisfeitos... - murmurou
ela.
- Que injustiça! - repliquei - um capricho te revolta contra atos desejados e
precisos pelo que me respeita. Exponho-me a transgredir deveres, se não te
resisto e exponho-me a desgostos e remorsos que perturbarão o sossego do nosso
enlace. Deliberei afinal fugir para ir buscar licença de minha mãe...
- E por que não me disseste francamente toda a verdade, cruel! Não sou eu
tua escrava? Iria contigo. Mas deixar-me tão sozinha, sem proteção, nas garras
dos inimigos que por tua causa, granjeei, deixar-me ao alcance das mais
humilhantes afrontas por amor de ti...
- Explica-me, Biondetta, quem se atreveria...
- E que custava a vitimar um ser tão fraco sem auxílio de ninguém? O
infame Bernardillo seguira-nos até Veneza; e apenas tu saíste, cessou de recearte,
sem forças contra mim depois que sou tua, mas podendo conturbar o ânimo
das pessoas que me servem, fez rodear de fantasmas, criaturas dele, a tua casa de
73
Brenta. As minhas criadas, espavoridas, fugiram-me. Segundo um boato geral,
autorizado por muitas cartas, um trasgo arrebatou um capitão das guardas do rei
de Nápoles, e levou-o para Veneza. Afirmam que esse trasgo sou eu, e todos os
indícios o confirmam. Todos se arredam de mim com horror. Imploro companhia
e compaixão. Ninguém! O ouro enfim alcança o que se denega à humanidade.
Vendem-se caríssima uma sege: encontro boleeiro, e sigo-te...
A minha firmeza estremeceu com esta desgraçada narrativa.
- Eu não podia antever sucessos de tal natureza - disse-lhe eu. Eu tinha-te
visto respeitada de todos os moradores da margens de Brenta. Cuidaria eu que na
minha ausência te disputassem o que tão bem adquirido te parecia? Ó Biondetta,
tu tens um claro entendimento... e não prevista que, repugnando a tão razoável
propósito com era o meu, me impelias a desesperados expedientes! Porque...
- Quem é que pode conter-se?... Sou mulher por minha própria escolha,
Álvaro; mas, enfim, sou mulher, exposta a sentir as impressões todas... Não sou
de mármore. Escolhi entre as zonas da matéria elementar de que meu corpo se
formou, matéria sensibilíssima; que, se não o fosse, não seria eu sensível, nada
me comoveria de ti, e fria e insípida coisa eu seria a teus olhos. Perdoa-me ter-me
eu sujeitado a reunir todas as imperfeições do meu sexo, quando procurava reunir
todas as graças, podendo; mas a loucura está feita; e já agora, assim organizada,
as minhas sensações têm vivacidade incomparável, a minha imaginação é um
Vesúvio. Em suma, tinha paixões de violência tal que deveram aterrar-te, se tu
não fosses o objeto da mais tempestuosa de quantas há ai, e se nós não
soubéssemos melhor os princípios e efeitos dessas expansões naturais do que os
doutores de Salamanca. Lá dão-lhes nomes odiosos; pelo menos prelecionam
teorias que as apagam. Apagar uma flama do céu, mola única por onde o corpo e
alma podem reciprocamente atuar-se e concorrer para a necessária conservação
do seu consórcio, não há nada mais parvo, meu Álvaro! É mister que cada um
paute seus movimentos; mas, há casos em que é força ceder. Contrariar paixões,
assanhá-las é dar-lhes trela e brida, que não há razão que depois as refreie.
Desculpa-me, Álvaro. Tenho seis meses de idade mulheril; tudo que me comove
me entusiasma. Imagina que uma tua recusa, uma palavra irrefletida, irritam o
74
amor, esporeiam o orgulho, abrasam o despeito, o zelo, o medo, que sei eu? Eisme
com a minha pobre cabeça doida, e o meu Álvaro tão desgraçado como eu!...
- Biondetta - redargüi - há sempre em ti coisas novas que assombram, mas
eu creio ver a Natureza na confissão que me fazes da tua índole. Nós acharemos
na nossa recíproca ternura recursos contra ela. E demais, que bons conselhos nos
não dará minha mãe que nos vai acolher em seus braços! Ela há de querer-te
muito, tenho a certeza e tudo contribuirá para que os dias se nos dobrem
felicíssimos.
- Força é querer o que tu queres, Álvaro. Eu conheço melhor o meu sexo e
confio menos do que tu; mas por te comprazer, obedeço e entrego-me.
Contente de me ver já a caminho de Castela, em companhia da mulher que
me escravizara razão e sentidos, dei-me pressa de entrar nos Alpes para chegar à
França, mas parecia contrariar-me o céu desde que eu ia acompanhado.
Horrendas tempestades me tolhem a jornada, atravancando as estradas. Os
cavalos cansam. A minha sege que parecia nova e sólida, quebra-se a cada passo,
quer nas rodas, quer no eixo ou nos varais. Por fim, após infinitos trabalhos,
cheguei ao desfiladeiro de Tende.
Entre os motivos de alvoroço e estorvos de viagem tão contrariada, admirei
a personagem de Biondetta. Já não era a mulher terna, melancólica ou exaltada
que eu tinha visto. Posto o intento em me consolar dos meus tédios, gracejava os
mais salgados remoques, querendo insinuar-me que as fadigas não lhe eram nada
molestas.
Todo este chancear alegre era intervalado de carícias tão meigas que eu me
não podia esquivar, bem que me deixando acariciar, reservava o meu orgulho,
enfreando a violência dos desejos. Bem me lia ela nos olhos tudo o que ia lá
dentro; e o mais é o que procurava exacerbar os ímpetos da paixão. Convenho
que estive a pique de me perder. Em uma dessas vezes, se não se quebrasse uma
roda, não sei onde iriam parar os pontos de honra. Isto me serviu de escarmento
para o diante.
75
XIV
Chegamos a Lyon depois de incríveis empeços. Condescendi em ai me
demorar alguns dias. Biondetta fazia-me notar a facilidade e desenvoltura do
viver da nação francesa.
- É em Paris, e na Corte que eu te queria a residir - dizia-me ela. Ai te
sobejariam recursos de toda espécie, figurarias a bel-prazer, e eu sei como tu lá
exercias uma grande posição. Os franceses são galãs. Se eu não fio
demasiadamente da minha beleza, estou que toda a mocidade distinta me
prestaria homenagem, e eu todos sacrificaria ao meu Álvaro. Que bela e
triunfante aspiração para a soberba dum espanhol!
Tomei à conta de galhofa semelhante proposta.
- Não - voltou ela - isto em mim é uma fantasia séria...
- Pois vamos quanto antes para a Estremadura - retorqui eu - e virei depois
apresentar à corte francesa a esposa de D. Álvaro Maravillas, por que a ti decerto
não te quadra ser apresentada como aventureira.
- Estou no caminho de Estremadura - tornou ela - é preciso que eu almeje
essa terra como local onde a felicidade me espera. Poderei eu esquivar-me a
encontrá-la?..
Bem a percebi, sondava-lhe a repugnância, mas ia fito no meu alvo; e em
breves termos achei-me em terra de Espanha. Os imprevistos obstáculos, os
barrancos, as rodeiras descalçadas, os areeiros ébrios, as mulas manhosas,
davam-me ainda menos tréguas que os contratempos de Piemonte e Sabóia.
Barra-se muito contra a estalagem de Espanha, e com razão. Todavia, eu me
dei por ditoso quando os revezes sofridos de dia não me obrigavam a passar as
noites nas estradas, ou em alguma granja arredia.
- A conjeturar disto se vê, a que país vamos? Estamos ainda muito longe? -
perguntava-me ela.
- Estás em Estremadura, dez léguas quando muito afastada do castelo de
Maravillas.
- Decerto lá não chegaremos: o céu veda-nos o aproximarmos
76
Olhei para o céu e nunca o tinha visto tão ameaçador. Observei a Biondetta
que o casalejo, onde estávamos, abrigar-nos-ia da borrasca.
- E do trovão também?
- E que importa o trovão a ti, habituada a pairar nos páramos do alto ar, e
que tantas vezes o viste formar-se, e tão de fundamento lhe deves conhecer a
natureza física!
- Eu não o temeria tanto, se o conhecesse menos. Por amor a ti me submeti
às causas físicas; e se as temo é porque elas são físicas e matam.
Estávamos sobre os dois montes de palha nas duas extremidades da granja.
Entretanto, a trovoada, anunciando-se ao longe, avizinhou-se ribombando
pavorosamente. O céu figurava um incêndio a serpejar batido por contrários
ventos; os trons dos trovões, repercutidos nas cavernas das serranias,
estralejavam horridamente em redor de nós. Não se sucediam, recruzavam-se.
Ventania, saraiva, chuva aporfiavam no terror do medonho quadro que nos
afligia. Relampejou um corisco que parecia abrasear o nosso abrigo; depois um
estampido pavoroso. Biondetta, com os olhos cerrados e os dedos nos ouvidos,
precipitou-se em meus braços exclamando:
- Ai! Álvaro, que eu estou perdida!
Tentei sossegá-la.
- Põe a mão sobre o meu coração... - balbuciou ela.
E levou-me ao pescoço a mão; e, posto que se enganasse dando me a sentir
as palpitações em sítio onde o arfar devia ser pouco sensível, notei que os
arquejos eram extraordinários. Abraçou-me estremecidamente, e convulsionavase
a cada relâmpago. Por último, rebrama um trovão mais estrondoso que todos.
Biondetta cingiu-se em mim por maneira que a faísca não poderia fulminá-la sem
me ferir primeiro.
Pareceu-me singular tamanho medo e comecei a recear também, não direi
os efeitos da tempestade, mas um plano guisado na cabeça dela para vencer a
minha resistência aos seus intentos. Posto que mais arrebatado do que posso
exprimir, ergui-me e disse-lhe!..
- Não sabes o que fazes, Biondetta! Sossega... Os trovões não te ameaçam
77
nem a mim.
Fez-lhe espanto o meu ânimo frio; mas ela podia dissimular as suas idéias
continuando a fingir-se aterrada. Porventura, a tempestade dera o derradeiro
arranco. O céu abonançou-se, e logo a claridade da lua nos anunciou que não
tínhamos que temer da inclemência dos astros.
Biondetta permanecia no local onde se assentara. Sentei-me a seu lado sem
dizer palavra. Enquanto ela parecia dormitar, engolfei-me em tristezas como as
nunca experimentara desde o começo da minha aventura, a cismar nas
conseqüências terríveis da paixão. Darei muito pela rama aquelas meditações. A
minha amante era formosa; mas eu queria fazê-la minha mulher. Sobressaltou-me
o dia nestes pensares. Ergui-me para ver se podia seguir jornada. Era impossível
fazê-lo desde logo. O areeiro que conduzia a caleça disse que as mulas estavam
escalavradas. Neste embaraço me encontrou Biondetta.
Ia-se exaurindo a paciência, quando um homem de carão sinistro, muito
vigorosamente contornado, apareceu diante da porta da granja, tangendo duas
mulas de boa aparência. Propus-lhe levar-me a minha casa, cujo caminho ele
sabia, e logo nos conchavamos no ajuste.
Eu ia embarcar-me na caleça quando me pareceu conhecer uma mulher da
minha aldeia que caminhava seguida de um criado. Avizinhei-me, fitando-a. Era
Berta, lavadeira honrada da minha terra e irmã da minha ama. Chamei-a; parou, e
encarou-me consternadamente.
- É Vossa Excelência, Sr. D. Álvaro? Que vai fazer a um lugar onde a sua
perda é certa por causa das desgraças que lá causou?
- Eu, Berta! Que fiz eu?
- Ah! Sr. D. Álvaro! A consciência não o acusa da situação em que se acha
sua digna mãe, a nossa querida senhora reduzida a...
- Ela está a morrer? Está a morrer? - bradei-lhe eu.
- Está... confirmou Berta - e morre de tristeza que o Sr. D. Álvaro lhe deu.
A esta hora, nem ela já viverá... Recebeu cartas de Nápoles e de Veneza, donde
lhe mandaram dizer coisas que arrepiam os cabelos. O Senhor seu irmão está
furioso, e diz que o há de denunciar e entregar à justiça.
78
- Vá senhora Berta; e, se chegar antes de mim a Maravillas, diga a meu
irmão que eu vou lá ter.
XV
E sem mais detença, convidei Biondetta a entrar na caleça, e simulei quanto
pude pela serenidade de alma, ostentando firmeza; mas ela estava receosa.
- Pois como é isto? - exclamou Biondetta - Vamos entregar-nos a teu
irmão? Vamos agravar coma a nossa presença uma família irritada e um povo
alvorotado?
- Não temo meu irmão. Se ele me assaca erros que não pratiquei é preciso
que eu o desengane. E se os pratiquei devo desculpar-me e movê-lo à indulgência
e compaixão, porque não sou mau voluntariamente. Se levei minha mãe à
sepultura com a desordem de minha vida devo reparar o escândalo e chorar tão
publicamente esta desgraça, que a minha dor presenciada por todos me absolva
duma culpa que seria desonrosa à minha condição.
- Ah! Álvaro! Tu vais perder-me e perder-te! Essas cartas enviadas de toda
parte, esses preconceitos tão velozmente divulgados, são o resultado de nossas
aventuras e perseguições que sofri em Veneza. O pérfido Bernardillo, que tu não
conheces bem, vexa teu irmão, e há de incitá-lo a...
- Que tenho eu que recear de Bernardillo e de quantos covardes ai há no
mundo? O pior inimigo que tenho sou eu mesmo. Ninguém poderá induzir meu
irmão a vingança cega, a iniqüidades e a feitos indignos de um homem de juízo e
honra, dum rico homem finalmente.
O silêncio fechou este diálogo caloroso, donde se poderiam gerar desgostos
recíprocos. Biondetta, porém, instantes depois adormeceu.
Como deixaria eu de me rever nela? Como contemplá-la descomovido?
Sobre aquele rosto radioso de todas as formosuras e florescência de brilhante
mocidade, o dormir realçava as graças naturais do repouso com aquele delicioso
frescor e animação que embelece a harmonia das feições. Novos filtros me
avassalaram, a delir-me as suspeitas. Cessa o meu sobressalto; e, se algum me
79
resta, é porque a face querida, sacudida pelos solavancos da caleça, não sofra
algum incômodo. Todo o meu empenho em ampará-la e defendê-la dos balanços;
mas houve um tão rijo que não pude ampará-la ao tempo que a caleça se tombou
e Biondetta expediu um grito. Quebrara o eixo, e as mulas ainda bem que
pararam. Trato de a socorrer na mais ansiosa consternação. Estava ligeiramente
contusa em um braço. Achamo-nos em uma esplanada com o sol a pique, pleno
meio-dia, cinco léguas aquém de minha casa, sem prontos meios de seguir
jornada, porque não se avistava lugarejo nenhum.
Todavia, tanto procurei ao longe que pude entrever fumo por sobre uma
selva, copada de árvores altas. Entreguei a caleça à vigilância do areeiro e
convenci Biondetta a seguir-me àquele sítio onde me preluzia algum socorro.
Quanto mais andávamos, mais a esperança nos animava. Já a floresta
parecia destacar-se em duas, e daí a pouco distintamente vimos uma avenida com
uma das cabanas lá no fundo; por fim descortinamos espaçosa granja.
Havia grande rebuliço naquele casal, à primeira vista, solitário. Logo que
nos enxergaram de lá, um homem veio ter conosco, avizinhando-se cortesmente.
Tem um bom aspecto. Veste gibão de seda escura, avivado de carmezim com
alamares de prata. Orçaria entre vinte e cinco e trinta anos. A tez é de aldeão,
requeimada mas viçosa, com ares de robustez sadia. Conto-lhe o desastre que nos
ali trouxera.
- Senhor cavaleiro - respondeu ele - bem vindo seja à casa de gente bem
intencionada. Tenho aqui forja e o eixo será concertado; hoje, porém, ainda que o
fidalgo me desse todo o dinheiro de duque de Medina Sidônia, meu amo, nem eu,
nem meu oficial se poriam ao trabalho. Eu e minha mulher viemos agora da
Igreja. Este é o dia mais alegre da minha vida. Entrem. Vejam a desposada, os
meus parentes e amigos e vizinhos que estão em festa, e depois dirão se é
possível por hoje mão em forja. Demais se a dama e o fidalgo se não atrigam de
estar em companhia de gente que vive de seu suor desde o princípio da
monarquia, vamos todos para a mesa, porque hoje tudo aqui é reinação e folia;
não tem os senhores mais que folgar conosco. Amanhã se cuidará noutra vida.
E, ao mesmo tempo, ordenou que fossem buscar a caleça.
80
Aqui estou, pois, hóspede de Marcos, caseiro do senhor duque. Entramos no
salão campestre arranjado para o banquete das bodas; compõe-se de arcarias
afestoadas de flores, tomando o terreno da eira, a embeiçar com dois
bosquezinhos, por entre os quais a vista se espraia agradavelmente na esplanada.
Estava a mesa posta. Luísa, a noiva, está entre Marcos e eu. Biondetta está à
beira de Marcos. Pais, mães e outros parentes estão em frente uns dos outros. A
rapaziada sentou-se aos lados.
A desposada abaixava os seus grandes olhos negros mal ajeitados para
olhares de esconso: tudo que se lhe dizia, até as coisas sem alusão nem chiste,
faziam-na sorrir e corar.
Ao princípio, enorme gravidade: é o tipo nacional; mas à medida que os
picheis se vão esvaziando, as caras vão despindo o tom sério.
Começa a bulha e o falario, quando de repente os provençais
improvisadores da terra aparecem à volta da mesa. São uns cegos que cantam as
seguintes coplas, harpejadas na guitarra:
Disse Marcos a Luisinha:
"Queres tu meu coração?
E ela disse: "Vem à Igreja;
Falaremos lá então."
E lá, por boca e por olhos
Ambos juraram de se amar
Com amor de chama pura.
E, se vós sois curiosos
De ver esposo ditosos,
Vinde ter à Estremadura.
Tem Luisa tino, e é bela;
E Marcos que invejas faz!
Mas todos eles desarma
Porque é marido capaz.
E toda a gente da terra
Aplaude a escolha deles
81
Para uma vida tão pura;
E, se vós sois curiosos
De ver esposos ditosos,
Vinde ter à Estremadura.
Que almas tão bem ligadas
Por simpatia leal!
Seus rebanhos dormem juntos
Dentro do mesmo curral.
Penas, prazeres, cuidados,
Votos, desejos, os mesmos,
Uma só vontade pura!
E, se vós sois curiosos,
De ver esposos ditosos,
Vinde ter à Estremadura.
Enquanto ouvíamos estas canções, singelas como seus autores, os criados
da granja, desnecessários ao serviço, ajuntavam-se alegremente para comer os
sobejos do festim. De mistura com ciganos e ciganas , convidados a aumentar o
prazer da festa, formaram a sombra do arvoredo grupos de variada dança, que
nos aformoseavam a perspectiva.
Biondetta solicitava incessantemente a minha atenção para aquelas coisas
que tão docemente a divertiam, parecendo argüir-me de não compartir com ela da
alegria que lhe davam.
XVI
Mas já vai demorado o banquete para a rapaziada que quer dançar. À gente
já madura em anos cumpre condescender com a juventude. Desarma-se a mesa,
que é de tábuas e bancos: tudo se arruma a um lado, formando-se das pranchas o
coreto da música e anfiteatro. Dançam e fandango, as ciganas as castanhetas e
pandeiros, a noiva dança também, dança todo mundo.
Biondetta devorava o espetáculo com olhos ardentes. Sem sair do seu lugar
82
agita-se imitando todos os gestos que lá fazem.
- Parece-me - disse ela - que eu amaria o bailado furiosamente!
De repente, pega a bailar e leva-me de parceiro. Ao começar, pareceu
acanhada e pouco destra; mas daí a nada, desenvolveu-se por feitio que toda ela
era graça, ligeireza, vertigem e delírio. E não havia parar, senão quando por
instantes alimpava as camarinhas de suor com seu lenço, com o meu, com
quantos encontrava a jeito.
Eu nunca me apaixonei por dançar; e naquele dia, mal me estava eu cá no
íntimo para me comprazer em divertimento tão fútil. Escapuli-me e entrei por um
dos bosques, à cata de esconderijo onde pudesse sentar-me e a cismar.
Uma grande algazarra de palavreado me distraiu a meu pesar. Duas vozes
altercavam perto de mim: "Sim, sim - dizia uma - é um filho do planeta, que
entrará em sua casa. Olha, Zoradilla, que ele nasceu a três de maio, às três horas
da manhã.
- Oh! A falar a verdade, Selagisa - dizia a outra voz - desgraçados filhos de
Saturno! Aquele descendente de Júpiter, Marte e Mercúrio em conjunção trina
com Vênus. O formoso rapaz que vantagens naturais não tem! Que esperanças
não poderia nutrir! Que fortuna lhe sorri! Mas..."
Eu sabia a hora em que tinha nascido, e estava ali escutando aqueles
pormenores tão precisamente amiudados. Voltei o rosto e encarei nas faladoras.
Vi duas Zíngaras velhas de cócoras. A tez esverdeada, os olhos cavos e
fulgurantes, boca reentrante, narizes descompassadamente grandes e mirrados,
tocando com as pontas nas queixadas, uns farrapos listrados de branco e azul à
volta do crânio meio descabelado, um manteu a pender dos ombros até os
encontros, de modo que as deixava meio nuas; em suma, uma coisa tão para nojo
como para zombaria.
Aproximei-me delas.
- Falavam de mim, criaturas? - disse-lhes, vendo que elas me contemplavam
e se entrefaziam trejeitos.
- Estava a escutar-nos, senhor cavaleiro?
- Decerto; e quem lhes disse tão a ponto a hora em que nasci?
83
- Temos outras coisas que lhe dizer, ditoso mancebo; mas é mister
principiar por lhe assinalar a mão.
- Prontamente - e dei-lhe um duro.
- Vês, Zoradilla - disse a mais velha - vês como é fidalgo? Como é hábil a
gozar todos os tesouros que lhe são destinados? Vamos... Afina a guitarra e
acompanha-me.
E cantou:
Deu-te Espanha o nascimento,
Fostes em Nápoles criado:
Tens de terra o regimento;
Se te apraz, do etéreo assento
Tu serás o filho amado.
A prometida ventura
É varia, podes perdê-la:
Se tens tino, hei-la segura;
Pois que ela te procura,
Não hesiteis em prendê-la
Quem é este amável ente
Que teu poder subjuga?
É ele...
As velhas estavam na pojadura da inspiração, e eu era todo ouvidos, quando
Biondetta, deixando o terreiro, correu para mim, tirou-me pelo braço e obrigoume
a sair dali.
- Por que me deixaste, Álvaro? Que fazias aqui?
- Estava ouvindo...
- Como? - tornou ela repuxando-me pois tu dás ouvidos a tais monstros?
- Realmente Biondetta, estas criaturas são singulares, e sabem mais do que
se pensa; diziam-me elas que ...
- Decerto - replicou ironicamente - estavam exercendo seu ofício; liam-te a
buena-dicha. E tu crês nisto?! Tanto espírito e tanta criancice! E é gente dessa
que te distrai de mim?
84
- Pelo contrário, querida filha, elas iam falar-me de ti.
- De mim?! Replicou ela inquieta e temerosa - que sabem elas de mim... que
podem dizer-te de mim? Tu desatinas! Hás de dançar toda a tarde para me
compensar desta sensaboria.
Fui, entrei de novo no bailado mas sem atentar no que via nem no que fazia.
Por fim, pareceu-me ajeitar-se-me ensejo de fugir: aproveitei-o e à meia volta
estava com as minhas bruxas, que descobri sentadas debaixo de uma ramada ao
fim da horta da granja. Pedi-lhes que me dissessem em prosa, sem enigmas, e
laconicamente tudo que soubessem de alguma importância a meu respeito. A
conjuração era de costa acima, porque o ouro saia das minhas mão em
abundância. Ansiávamos todos, elas por falarem, e eu por ouvi-las. Logo me
capacitei de que estavam sabedoras das mais secretas particularidades da minha
família, e confusamente da minha ligação com Biondetta, e de meus receios e
esperanças. Estava eu colhendo importantes avisos, quando o nosso Argus me
espiava.
Biondetta, ao lobrigar-me voava, não corria. Eu quis falar.
- Nada de desculpas! - bradou ela - a reincidência é imperdoável!
- Hás de perdoar-me - disse eu - estou certo que sim... E ainda que me
estorvaste ser instruído quando eu queria, já fiquei sabendo bastante.
- Para fazer alguma loucura. Estou furiosa; mas não é esta a hora de
disputas. Se nos não respeitarmos mutuamente, é preciso respeitar quem nos
hospedou. Vamos outra vez para a mesa, e eu hei-de assentar-me ao teu lado; não
hei de outra vez tolerar que me fujas.
Segundo a nova disposição do banquete, ficamos defronte dos noivos.
Estamos ambos reanimados pelos prazeres daquele dia. Marcos tem brasas nos
olhos; Luísa já os não tem tão pudibundos; mas o pudor para se vingar purpureialhe
as faces com o mais vivo escarlate. O vinho Xerez gira à volta da mesa, e
parece ter até certas alturas degradado dali o recato; até os velhuscos, eletrizados
por lembranças das rapazices, provocam os moços com umas chalaças menos
espirituosas que desonestas. Dava-me na vista este quadro; mas à minha beira
passava outro mais tocante e variado.
85
Biondetta, alternadamente apaixonada e despeitosa, com os lábios
engatilhando gracejos abespinhados de desdém, ou brilhantes de sorrisos,
acarinhava-me, mofava, ou beliscava-me até sangrar, e findava por me pisar
docemente os pés. Para em breve o dizer, no mesmo momento, carícias, favores,
remoques, ameaças; por maneiras que eu, combatido por essas vicissitudes,
sentia a cabeça estonteada.
XVII
Sumiram-se os noivos. A maior parte dos convivas saiu, uns por isto, outros
por aquilo. Também nós saímos da mesa. Uma mulher, tia do granjeiro, pegou
duma vela de cera, foi adiante de nós, e levou-nos a um cubículo que teria doze
pés em um quadrado, com um leito que não tinha quatro de largura, uma
banqueta e duas cadeiras.
- Senhores fidalgos - disse ela - é o único quarto que lhes posso dar.
Pôs o castiçal sobre a banca e deixou-nos.
Biondetta abaixou os olhos. Disse-lhe eu então:
- Disseste que éramos casados?
- Sim; disse a verdade. Deste-me tua palavra e eu dei-te a minha. É o
essencial. As cerimônias são precauções tomadas contra a má fé, e eu a mim não
se me dá disso. Se nos falta alguma coisa, a culpa não é minha. Ora agora, se não
queres deitar-te na mesma cama, terei muito pesar em te ver passar a noite mal.
Eu cá por mim preciso descansar; estou muito cansada, e cansada por todas as
asneiras.
Falando assim animadíssima, deitou-se e voltou-se para a parede.
- Então que é isso? - disse-lhe eu - Estás seriamente zangada Biondetta?
Como hei de expiar as minhas culpas? Pede-me a vida.
- Álvaro - respondeu ela sem se mexer - vai consultar as ciganas, sobre o
melhor modo de restaurar o repouso do meu coração e do teu.
- Pois o motivo da tua cólera é a minha palestra com as tais criaturas?
Então, decerto me vais desculpar, Biondetta. Se soubesses como se harmonizam
86
com os teus intentos os avisos que me elas deram... Se soubesses que elas me
disseram que não fosse a Maravillas!... É o que te digo: amanhã partiremos para
Roma, para Veneza, para Paris, para onde tu quiseres que eu vá habitar contigo.
Lá esperaremos o consentimento de minha família...
Biondetta voltou-se para mim. Havia seriedade e até severidade em seu
semblante, quando me disse:
- Lembras-te de quem sou, Álvaro? E o que eu esperava de ti, e o que eu te
aconselhei que fizesses? Quando eu discretamente me servia das luzes de que sou
dotada nada pude obter de tal contumácia; agora, porém, a nossa regra de
proceder depende de dois entes perigosíssimos para ti e para mim, e ao mesmo
tempo, desprezíveis! Em verdade - exclamou ela dolorosamente - tive sempre
medo dos homens! Estive hesitando alguns séculos na escolha de um; e agora...
escolhi... fez-se... é irremediável! Oh! Desgraçada!...
E debulhou-se em prantos, forcejando que não a visse chorar.
Sacudido por violentas paixões, ajoelhei, soluçando:
- Biondetta, não vês meu coração? Porque mo estás despedaçando?
- Não me conheces, Álvaro! E antes de me conhecer, far-me-ás cruelmente
penar. É preciso que um último esforço te desvende o que sou, e ganhes assim a
tua confiança e estima, para que eu não me veja mais exposta a confrontos
aviltantes e perigosos. As tuas pitonisas inspiraram-me fundo terror, por isso
mesmo que estão de acordo comigo. Quem nos afirma que Soberano,
Bernardillo, teus inimigos e meus, se não disfarcem naquelas máscaras? Recordate
de Veneza. Contrariemo-lhes as insídias com prodígios que eles decerto não
esperem de mim. Amanhã vou a Maravillas, donde eles procuram afastar-me. Hei
de ser recebida pelas mais esmagadoras e abjetas suspeitas. Não importa. D.
Mência é uma senhora justa; teu irmão tem nobre alma; entrego-me a ambos.
Serei um prodígio de mansidão, de complacência, de docilidade, de resignação,
irei adiante de suas experiências.
Fez uma pausa, e murmurou muito dorida:
- Será aviltamento demais, ó miserável sílfide?
Quis prosseguir; mas embargaram-lhe os soluços a palavra...
87
Que fazer a tantas provas de paixão, indícios de angústia, resoluções
discretas, movimentos de ânimo heróico? Sentei-me de par com ela, acariciei-a,
embora me repelisse. Mas, pouco depois, já me não afastava, sem que por isso
me deva desvanecer: é que a respiração lhe escasseava, fechavam-se-lhe os
olhos, o corpo estremecia convulso, gelou-se-lhe o suor da fronte, faltou-lhe o
bater do pulso e o corpo dir-se-ia cadáver, se as lágrimas não golfassem copiosas
pelos olhos.
Ó magia das lágrimas! Não há ai mais poderoso talismã em mãos do amor!
Desconfianças, resoluções, juramentos, tudo esqueci. Querendo estancar a fonte
daquele precioso orvalho, aproximei os meus dos seus lábios onde a frescura
vaporava olores de rosa; e, se eu tentasse retrair-me, dois braços de indescritível
alvura e contorno seriam laços impossível de desatar.
- Ó meu Álvaro! - exclamou Biondetta - Venci! Sou a mais feliz das
criaturas!
Perturbado extraordinariamente, nem falar pude! Quedei-me vexado,
imóvel! E ela saltou da cama, ajoelhou-se aos meus pés, e descalçou-me.
- Que é isso? - exclamei - vê que te rebaixas, Biondetta!
- Ah! Ingrato! - disse ela - servi-te quando eras meu déspota; deixa que eu
te sirva também agora, meu amante!
Achei-me instantaneamente desenroupado! Com um laço que tirou da
algibeira, atou-me os cabelos aleirados femenilmente.
Força, energia e destreza venceram quantos impedimentos empreguei...
Com a mesma prontidão, fez o seu elegante desalinho, apagou a luz, e correu as
cortinas ao do leito.
E então, com uma voz cuja doçura venceria as delícias da mais divina
melodia disse-me:
- Fiz a felicidade do meu Álvaro como ele fez a minha? Não... A feliz sou
eu só. Mas ele há de o ser também, porque assim o quero. Hei de inebriá-lo de
gozos enchê-lo de ciências, elevá-lo ao fastígio das grandezas. Quererás meu
amor, ser a mais privilegiada criatura, subjugar comigo os homens, os elementos,
a Natureza toda?
88
- Ó querida Biondetta - disse eu quase contrafeito - tu me bastas. Preenches
todas as ambições da minha alma...
- Não! - redargüiu ela com veemência - Biondetta não te é bastante... Esse
não é o meu nome; deste-mo, lisonjeou-me, usei-o com prazer; mas é preciso que
saibas quem sou... Eu sou o DIABO, meu caro Álvaro, eu sou o diabo!
Proferindo estas vozes com fascinante meiguice, fechava o mais exatamente
possível a passagem à resposta que eu poderia dar-lhe. Logo que pude falar,
disse:
- Biondetta, ou quem quer que sejas, não profiras esse nome fatal, nem me
recordes um erro abjurado há muito tempo.
- Não meu amado Álvaro, não era erro: é que tem embaí, criança! Era
preciso enganar-te para enfim te dar juízo. A tua espécie foge à verdade. Só
admitis a felicidade com a cegueira. Feliz, se quiseres ser, há de sê-lo muito.
Quero saciar-te. Já vês que não sou tão feio como me pintam...
Este tom zombeteiro acabou por desorientar.
- Responde-me - disse ela.
- Que queres que eu responda?
- Ingrato, põe a mão sobre este seio que te adora; que o teu coração se
alente, se é possível, com a mesma pequena comoção do meu. Deixa coar às tuas
veias algum deste fogo delicioso que me abrasa as minhas; adoça, se podes, o
som dessa voz tão bom para inspirar amor, e de que te serves para subjugar a
minh’alma tímida; diz-me enfim, mas diz-mo com a ternura que por ti sinto, dizme:
"Meu caro Belzebuth, adoro-te!"
XVIII
Este nome fatal, bem que maviosamente proferido, fez-me horror!
Assombro e medo me confrangeram a alma. Morta a cuidaria eu, se lá no fundo
do coração me não gritasse o remorso.
E, não obstante, a excitação assoberbava-me tão imperiosamente, que a
razão não vingava acalmá-la. Eis-me indefeso nos braços dela, que me ceva
89
vertiginosamente em torpes de deleites. Não me dá tempo a tornar sobre mim, e
ponderar na falta de que ela, ou ele é mais autor que cúmplice.
- Os nossos negócios estão feitos - disse-me, sem alterar o tom de voz a que
eu estava habituado - Vieste procurar-me, segui-te, servi-te, obsequiei-te: fiz o
que de mim quiseste. Desejava possuir-te; e era preciso para o conseguir, que te
desses todo a mim. É certo que devo ao artifício a primeira condescendência;
quanto à segunda, eu já te havia dito meu nome: sabias a quem te entregavas, e
não poderás alegar ignorância. De ora em diante, Álvaro, não se desatam os nós
que nos prendem; mas para bem assentar nossa sociedade, é forçoso que nos
conheçamos melhor. Como já te conheço por dentro e por fora, quero igualar
reciprocamente as nossas posições, mostrando-me qual sou.
Nem tempo deu para refletir neste singular discurso. Ao meu lado silvou
um agudíssimo apito. Esvai-se súbita a escuridão que me cerra. A cornija que
sustenta o sobrecéu do docel enche-se de enormes caracóis, cujas pontas,
movidas à laia de redouça, golfavam lingüetas de luz fosfórica, cujo lampejar
redobrava pelo movimento.
Quase ofuscado por este súbito clarão, lanço os olhos para o meu lado, em
vez de figura esplêndida, que vejo, ó céus! A horrendíssima cabeça do
dromedário! E ela profere, naquela vozeria de tenebroso trovão o Chez vuoi, que
tanto me apavorava na caverna, espirra uma gargalhada de rir humano mais
medonho ainda, e vomita uma língua imensa...
Despenho-me ao chão, meto-me debaixo da cama, fechando os olhos, com
a face colada ao pavimento. Pulsava-me o coração com terrível força, sentia-me
estrangulado, como se fosse morrer de asfixia.
Não posso calcular o tempo que passei nesta angústia inexprimível, quando
me senti puxar por um braço. Aumentou o meu terror, forçado porém a abrir os
olhos, uma luz vivídissima me cega.
Já não era a luz dos caracóis, nem eles já passeavam pela cornija; mas era o
sol que me dava de chapa na cara. Tornam a me puxar pelo braço, teimam. E
então reconheço Marcos.
- Ó senhor fidalgo - disse-me ele - a que horas quer partir? Se quer hoje
90
chegar a Maravillas não há tempo a perder, que é meio-dia.
Não respondi e ele examinava-me.
- Como o senhor ficou assim vestido na cama! Pois esteve assim catorze
horas sem acordar? Vê-se que estava muito falto de dormir. A senhora sua esposa
bem o sabia, por que foi passar a noite com minha tia para não o incomodar;
desde a madrugada que tudo está pronto, e pode entrar na carruagem, se quiser, A
respeito da fidalga, já cá não está; demo-lhe uma boa mula, para ela ir pela
fresquinha da manhã e disse que o esperava na primeira aldeia do caminho.
Marcos saiu. Maquinalmente esfreguei os olhos, e passei as mãos pela testa
parta achar o laço que me enastrava os cabelos.
Nada achei; a trancinha estava como na véspera, com a roseta, mas tudo
desgrenhado.
- Eu dormiria? Perguntava-me eu. - Serei eu tão feliz que tudo isto haja sido
um sonho? Eu vi-a apagar a luz. Foi ela quem a apagou, e ali está.
Voltou Marcos.
- Se quer almoçar, fidalgo, está pronto. A caleça já está pronta.
Desço da cama, e mal me tenho em pé; dobram-se-me os joelhos. Quero
tomar algum alimento; mas não posso engolir. Quero indenizar o hospedeiro da
despesa que fiz; e ele recusa aceitar, dizendo:
- A senhora satisfez-nos liberalmente. O fidalgo e eu temos duas mulheres
de uma vez!
Não respondi ao dito; meti-me na caleça e parti.
Não sei descrever a desordem da minha cabeça; sei eu era tal que nem já a
idéia de perigo de vida de minha mãe me impressionava senão debilmente. Com
os olhos pasmódicos e a boca aberta, eu era menos homem que autômato.
O areeiro perguntou-me se a senhora nos esperava na primeira aldeia.
Não respondi. Atravessamos uma póvoa, onde ele perguntou em cada casa
se tinham visto passar uma dama com tais sinais. Disseram-lhe que não tinha
passado. O areeiro olhou para ver a inquietação que tal nova me dava. E, se ele a
tal respeito não sabia mais do que eu, decerto veria nos meus gestos grande
perturbação.
91
Já fora da aldeia, deu-me alma a idéia de que o objeto dos meus terrores me
deixaria por algum tempo. Ah! Se eu chego a poder ajoelhar aos pés da minha
mãe - pensava eu - se me posso acolher aos sagrado asilo da sua virtude, ó
fantasmas que me perseguis, ousareis violar o meu santo abrigo? Eu acharei lá os
sentimentos naturais e salutares princípios de que me tinha apartado, e com eles
me farei um baluarte contra os monstros! Mas se as amarguras ocasionadas pela
minha libertinagem me terem privado daquele anjo tutelar! Ah! Então, viverei
para a vingar sobre mim mesmo! Sepultar-me hei num claustro... Oh, Quem me
resgatará destas quimeras geradas em meu cérebro! Valha-me a mortalha de
monge! Mulheres, renuncio para sempre aos vossos encantos! Uma larva infernal
se vestiu de quantas graças eu idolatrara... O que eu visse em vós mais sedutor
me faria lembrar aquela que...
XIX
Em meio destas reflexões que me preocupavam recolhidamente, a caleça
entrou na grande avenida do castelo.
E ouvi estas vozes:
- É Álvaro! É meu filho!
Ergo os olhos e vejo minha mãe na janela de seu quarto. Nada excede a
doçura e vivacidade do sentimento que me delicia. Renasce-me a alma; as forças
restauram-se todas a um tempo. Corro aos braços dela que se me abrem. Prostrome
e exclamo, coberto de lágrimas, e convulso de soluços: "Minha mãe, minha
mãe, eu não fui o seu assassino? Reconhece-me como seu filho? Ah! Minha mãe,
abraça-me!...."
A paixão que me transporta, a veemência de minhas atitudes por tanta
maneira me alteraram voz e feições, que minha mãe ficou assustada. Ergueu-me
com bondade, abraçou-me outra vez, e obrigou-me a sentar. Eu quis falar; mas
não podia; beijei-lhe e reguei-lhe as mãos de lágrimas, e beijos extremosos.
E ela encarava-me como assombrada. Supôs que me havia sucedido caso
estranho, suspeitou até da sanidade da minha razão. Do mesmo passo que o
92
desassossego, a curiosidade, bondade e ternura se manifestam nos seus olhares
compassivos, a sua previdência mandou que me trouxessem tudo que podia
utilizar às necessidades dum viajante cansado por caminhos longos e intratáveis.
Os criados serviram-me à competência. Comi levemente por condescender.
Todo o meu cuidado era já não ver meu irmão: perguntei por ele a minha mãe.
- João há de folgar de saber que estás aqui, pois que te escreveu a chamarte;
mas como as cartas idas de Madrid pouco há que partiram, não te
esperávamos tão depressa. Tu és Coronel do regimento dele, que foi vice-rei para
a Índia nomeado pelo rei.
- Céus! Exclamei - será falso tudo que vi em sonho? É impossível.
- Que sonho tiveste, Álvaro?
- O mais longo, espantoso e horrível que pode sonhar-se!
E, vencendo o orgulho e vergonha, contei-lhe por miúdo tudo que me
sucedera desde que entrei na gruta de Portici, até o momento em que lhe
ajoelhara aos pés.
Aquela respeitável senhora escutou-me com atenção, paciência e bondade
extraordinárias. Como eu confessava a grandeza da minha culpa, achou a boa
mãe que era inútil encarecê-la.
- Meu querido filho, correste após a mentira, e mesmo agora ela te arma
cilada ao juízo. Julgá-lo pela notícia da minha doença, e pelo ódio de teu irmão.
Berta, a quem pensas que falaste, há muito tempo está entrevada na cama. Nunca
pensei em te mandar duzentos cequins além de tua mesada. Eu temeria alimentar
os teus desregramentos, ou abismar-me neles com indiscretas liberalidades. O
escudeiro honrado Pimientos morreu há oito meses. E tendo o duque de Medina
Sidónia mil e oitocentos torres em todas as Espanhas não tem um palmo de terra
no local que dizes. Bem sei onde é, e tudo que lá viste nessa granja é um sonho.
- Oh! Senhora! - Redargüi eu - O carroceiro que me conduziu viu tudo com
eu, e até dançou nas bodas.
Minha mãe mandou chamar o areeiro; mas ele desatrelara as mulas, sem
esperar o salário.
Esta fuga precipitada, que não deixava vestígios, incutiu algumas suspeitas
93
em minha mãe.
- Nuñes disse ela a um pagem - vai dizer ao venerável Dom Quebracuernos
que eu e meu filho Álvaro o esperamos.
- É - explicou ela - um doutor de Salamanca, que possui, porque merece, a
minha confiança, e tu podes dar-lhe a tua. No fim do teu sonho há uma
particularidade que me embaraça. Dom Quebracuernos conhece os termos, e
definirá esses casos muito melhor do que eu.
O venerando doutor veio logo. Antes de falar, com a gravidade de sua
presença, já incutia respeito. Minha mãe mandou-me contar desde o princípio a
exposição sincera de minha rapaziada e dos resultados subseqüentes. Escutou-me
o doutor atento, espantado, às vezes, mas sem nunca me interromper. Assim que
terminei, recolheu-se por segundos, e disse estas coisas ponderosamente:
- Em verdade, senhor D. Álvaro, escapou ao maior perigo a que pode
expor-se um homem por sua culpa. O senhor provocou o espírito maligno e
forneceu-lhe, com sucessivas temeridades, todos os disfarces que ele havia mister
para conseguir seduzi-lo e perdê-lo. É muito extraordinária a sua aventura!
Nunca li passo semelhante na Desdemonia de Bodin, nem no Mundo Encantado
de Bekker. E força é convir que depois que estes insignes autores escreveram, o
nosso inimigo refinou, prodigiosamente no sistema de nos atacar, aproveitando
as esparrelas que os homens do século empregam para reciprocamente se
infernarem. O diabo copia exatamente a natureza e sabe escolher; emprega o
expediente dos talentos amáveis, arma banquetes bem condimentados, ensina as
paixões a falarem a sua linguagem insidiosa, e até certo ponto remeda as
virtudes. Este caso me aclara a vista para eu ver muitas coisas que por ai passam.
Bastantes grutas sei eu que há por ai mais perigosas que a de Portici, e lá está
multidão de obsessos que desgraçadamente não cuidam que o são. Quanto ao que
diz respeito ao senhor, D. Álvaro, se precaver sabiamente para já e para o futuro,
julgo-o de todo livre. Que o seu inimigo o deixou, isso não sofre dúvidas.
Seduziu-o, é certo; mas não logrou corrompê-lo; que o intento e o remorso o
preservaram, contando com os extraordinários socorros que lhe acudiram. Pelo
que, tanto o triunfo do diabo, como a derrota de D. Álvaro, não montam mais que
94
uma ilusão que o arrependimento acabará de desvanecer. No tocante a Belzebuth,
é certo que faz uma retirada forçada; mas notem como ele soube disfarçá-la, e
deixar, ao partir, a perturbação no espírito do possesso, e certas entidades
intelectivas no coração para renovar o ataque, assim que dessem uma aberta.
Depois de o iludir quanto D. Álvaro quis ser enganado, o demônio, forçado a
mostrar-se em toda a sua fealdade, obedeceu como escravo que fermenta a
rebelião; e não quis deixar-lhe alguma idéia razoável e distinta; antes quis
mesclar o grotesco ao medonho, o pueril dos caracóis luminosos e cabeça
horrenda, enfim, a mentira e verdade, vigília e sopitamento, de maneira que o
confuso ânimo de D. Álvaro nada estremece, e possas crer que a visão que o
aterrou era menos o efeito diabólico do que sonho causado por vapores do
cérebro; ele, porém, separou astutamente a idéia do fantasma agradável de que se
serviu para perverter a vítima. Se D. Álvaro lhe abrir ocasião, essa imagem
reaparecerá. Entretanto, não aconselho que o senhor lhe contraponha a barreira
do claustro. A sua vocação está indecisa. As pessoas instruídas são também
precisas fora dos mosteiros. Atenda-me o nosso amigo. Contraia legítimos laços
com uma pessoa do sexo amável; que sua respeitável mãe presida tal escolha. E
oxalá que a donzela que lhe for escolhida por tal mãe, tantas graças e
merecimentos tenha, que o senhor, D. Álvaro nunca se veja tentado a pensar que
ela seja o diabo.

Pesquisar este blog

Carregando...
arte (407) pintura (248) filosofia (102) fotografia (89) literatura (84) psicanálise (57) morte (37) HQ (28) freud (28) peanuts (27) skull (27) antropologia (26) comic (24) poesia (23) lacan (22) PSYCHOANALYSIS (20) Desenho (17) Picasso (15) o seminário (15) Bresson (13) cat (12) oriente (12) borges (11) kant (11) psicologia (11) foucault (10) levi-strauss (10) platão (10) SONHOS (9) religião (9) Kirchner (8) biografia (8) kafka (8) love (8) Ernest Max (7) Guimaraes Rosa (7) Ken Rosenthal (7) Mark Eshbaugh (7) NIETZSCHE (6) Salvador Dali (6) aristóteles (6) manet (6) snoopy (6) sociologia (6) Animais (5) Aristotle (5) Escher (5) Geertz (5) Hundertwasser (5) Lauren Simonutti (5) Sommer (5) medicina (5) munch (5) Arthur DOVE (4) CINEMA (4) Carl LARSSON (4) Cézanne (4) DICIONARIO (4) Descartes (4) Doré (4) Ernest Jones (4) Ernst HAAS (4) Guido Crepax (4) H. Bergson (4) Julio Cortázar (4) Kacere (4) Locke (4) Mucha (4) Richter (4) Van Gogh (4) Will Barnet (4) alexandre koyrè (4) caveira (4) drummond (4) gravura (4) hegel (4) história (4) linguística (4) monet (4) música (4) sartre (4) teatro (4) televisão (4) universo (4) verdade (4) Abbas (3) Arthur Rackham (3) Avigdor (3) Blake (3) CORINTH (3) Cambon (3) Connie Imboden (3) David Hockney (3) F. Hodler (3) Frida KAHLO (3) GEORGES BATAILLE (3) James Joyce (3) Kojeve (3) Konrad LORENZ (3) Lori Nix (3) M. J. A. Eguiño (3) Marcel MAUSS (3) Marqués de Sade (3) Marx (3) Memling (3) Pierre Bourdieu (3) Psychiatry (3) SENECA (3) Schopenhauer (3) Tom Chambers (3) Winnicott (3) arroyo (3) autobiografia (3) baby (3) caravaggio (3) cristianismo (3) dickens (3) einstein (3) erwitt (3) etologia (3) fisica (3) magia (3) planetas (3) B. F. Skinner (2) BACHELARD (2) Birman J. (2) CERVANTES (2) Castillo (2) Dix (2) Dulac (2) E. HOPPER (2) E. Nodel (2) ETNOLOGÍA (2) Ernest HAAS (2) Ferenczi (2) G. JOHN (2) GEORGE CANGUILHEM (2) Gustav Caillebotte (2) Hipocrates (2) J. Ensor (2) J. J. Tissot (2) JUNG (2) John Donne (2) KARL JASPERS (2) KIERKEGAARD (2) Kandinsky (2) Klimt (2) L. da VINCI (2) LOUIS ALTHUSSER (2) Lewis Carroll (2) M. Dzama (2) MAUGHAM (2) MERLEAU - PONTY (2) Mann (2) Melanie Klein (2) Neil Welliver (2) Norman Rockwell (2) Pascal (2) Piaget (2) Pollock (2) Quino (2) Roland Barthes (2) Sahlins (2) Serge Leclaire (2) St. Agostinho (2) Stratton (2) Vinicus de Moraes (2) Vuillard (2) WITTGENSTEIN (2) amor (2) beauvoir (2) biology (2) cogito (2) critica (2) cultura (2) diabo (2) erotic (2) estruturalismo (2) gide (2) guerra (2) loucura (2) lua (2) mind (2) mitologia (2) mitos (2) rilke (2) salomão (2) saturno (2) sono (2) sócrates (2) vida (2) ética (2) A. Comte (1) A. Warhol (1) Alix Malka (1) Andreas Gursky (1) Anticristo (1) Arcimboldo (1) Aristófanes (1) Augusto dos Anjos (1) B. Barbey (1) B. Jacklin (1) Bagheria (1) Barbara Morgan (1) Basquiat (1) Berkeley (1) Bhagavad-Gita (1) Bhopal (1) Bocklin (1) Bouguereau (1) Brauner (1) Bruegel (1) Brueghel (1) Brueguel (1) Burt GLINN (1) CALOUSTE GULBENKIAN (1) CAZOTTE (1) CRVANTES (1) Charles S. Peirce (1) Chavannes (1) China (1) Claesz (1) Confucius (1) Confúncio (1) D. (1) DAVIS Stuart (1) DEGAS (1) DELACROIX (1) Dalton Trevisan (1) Deleuze (1) Denis (1) Design (1) Diebenkorn (1) Diógenes (1) E. (1) ERNST CASSIRER (1) Emile Durkheim (1) Empédocles (1) Epimenides (1) F. Vallotton (1) FERDINAND DE SAUSSURE (1) Feuerbach (1) Feyerabend (1) Florbela Espanca (1) Franceco Clemente (1) Franz Marc (1) GROOT (1) GUSTON (1) Galileu (1) Gestalt (1) Graham (1) Grécia (1) Guercino (1) H. Arendt (1) H. MARCUSE (1) Hals (1) Helmut Newton (1) Holbien (1) Hume (1) J. Derrida (1) J.-F. Millet (1) Jan Van KESSEL (1) Jean Laplanche (1) KROYER (1) Kandel E. (1) Keane (1) Kim (1) Kitaoka (1) Klee (1) Knight (1) Korand Von SOEST (1) Kôhler (1) Liev Tolstói (1) M. Mead (1) Malinowski (1) Mantegna (1) Mark Petrick (1) Max Weber (1) Mário Quintana (1) Münter (1) N. Chomsky (1) NEIL GAIMAN (1) Nasio (1) Otto Rank (1) Ovídio (1) Palencia (1) Parmênides (1) Paul DELVAUX (1) Peter HILLE (1) Raduan Nassar (1) Ron Van Dongen (1) S. Franklin (1) Sandman (1) Satrapi (1) Schiele (1) Shakespeare (1) Silvers (1) Siqueiros (1) Spinoza (1) St. T. de Aquino (1) TELEPATIA (1) TODOROV (1) Tarsila do Amaral (1) Taschen (1) Thomas HOPKER (1) Truffaut (1) Tycho (1) Uccello (1) Velvet underground Nico (1) Verne (1) Victor Brochard (1) W. Metcalf (1) Web (1) Weinberg (1) William Bailey (1) Woody Allen (1) Xenofonte (1) Y. Utagawa (1) Yoshitoshi (1) alessandro gottardo (1) arcoiris (1) armour (1) arquitetura (1) asselyn (1) ate (1) bassano (1) biblia (1) breton (1) cartoon (1) ceticismo (1) cocaina (1) conto (1) criança (1) dança (1) direito (1) dor (1) eclesiastes (1) economia (1) edgar allan poe (1) edgar morin (1) ego (1) ensaio (1) epicurus (1) espelho (1) estações (1) eu (1) fala (1) feed (1) foto (1) frr (1) física (1) game (1) gato (1) giger (1) girafa (1) goya (1) hamlet (1) hoffmann (1) humor (1) identificação (1) impressionismo (1) intuição (1) jakobson (1) japan (1) krsna (1) kundera (1) lacn (1) leminski (1) lévi-strauss (1) mafalda (1) magritte (1) miró (1) moda (1) moral (1) mundo (1) mãe (1) narrativa (1) nausea (1) neruda (1) nokides (1) ocultismo (1) perguntas (1) poeso (1) poker (1) política (1) praia (1) sabedoria (1) sapatos (1) saramago (1) semina (1) semiótica (1) shopenhauer (1) soutine (1) suicidio (1) swan (1) sêneca (1) tatoo (1) tatuagem (1) tese (1) titã (1) touro (1) umberto eco (1) valentina (1) venus (1) virtude (1) war (1) weeks (1)
 

sobrefulanos by nokides