A ciência do concreto [capítulo I de “O Pensamento Selvagem”] | CLAUDE LÉVI-STRAUSS

| segunda-feira, 1 de março de 2010
Um observador mais recente parece igualmente acreditar que o índio
denomina e conceitua somente em função de suas necessidades.
"Lembro-me ainda da hilaridade provocada, entre meus amigos das
ilhas Marquesas (...) pelo interesse (a seus olhos, pura tolice)
demonstrado pelo botânico de nossa expedição de 1921, em relação
às "ervas daninhas" sem nome ("sem utilidade"), que ele colhia e
queria saber como se chamavam." (Handy e Pukui, p. 119, n.° 21.)











A ciência do concreto
[capítulo I de “O Pensamento Selvagem”]
CLAUDE LÉVI-STRAUSS
Aprouve-nos, durante muito tempo, mencionar línguas a que faltam termos
para exprimir conceitos, tais como os de árvore ou animal, se bem que elas
possuam todas as palavras necessárias a um inventário minucioso de espécies
e de variedades. Mas, invocando esses casos em favor de uma suposta
inaptidão dos "primitivos" ao pensamento abstrato, omitíamos, então, outros
exemplos, que atestam que a riqueza em palavras abstratas não é só apanágio
das línguas civilizadas. Assim o chinuque, língua do noroeste da América do
Norte, faz uso de palavras abstratas para designar muitas propriedades ou
qualidades dos seres e das coisas. "Este procedimento", diz Boas, "é nela mais
freqüente do que em qualquer outra língua que eu conheça". A sentença: o
homem mau matou a pobre criança, traduz-se assim em chinuque: a maldade
do homem matou a pobreza da criança; e para dizer que uma mulher usa um
cesto demasiadamente pequeno: ela coloca raízes de potentilha na pequenez
de um cesto para conchas. (Boas 2, pp. 657-658.)
Em todas as línguas, aliás, o discurso e a sintaxe fornecem os recursos
indispensáveis para suprir as lacunas do vocabulário. E o caráter tendencioso
do argumento, evocado no parágrafo anterior, é bem posto em evidência
quando se nota que a situação inversa, isto é, aquela em que os termos muito
gerais prevalecem sobre as denominações específicas, foi também explorada
para afirmar a indigência intelectual dos selvagens:
"Dentre as plantas e os animais, o índio só dá nome às espécies úteis
ou nocivas; as outras são classificadas, indistintamente, como ave,
erva daninha, etc." (Krause, p. 104.).
Um observador mais recente parece igualmente acreditar que o índio
denomina e conceitua somente em função de suas necessidades.
"Lembro-me ainda da hilaridade provocada, entre meus amigos das
ilhas Marquesas (...) pelo interesse (a seus olhos, pura tolice)
demonstrado pelo botânico de nossa expedição de 1921, em relação
às "ervas daninhas" sem nome ("sem utilidade"), que ele colhia e
queria saber como se chamavam." (Handy e Pukui, p. 119, n.° 21.)
Entretanto, Handy compara essa indiferença à que, em nossa civilização,
manifesta o especialista em relação aos fenômenos que não dizem respeito,
imediatamente, a seu campo de ação. E quando sua colaboradora indígena
acentua que no Havaí "cada forma botânica, zoológica ou inorgânica que se
sabia ter sido denominada (e personalizada) era... uma coisa utilizada", ela tem
o cuidado de acrescentar: "de uma forma ou de outra" e precisa que se "uma
variedade ilimitada de seres viventes do mar e da floresta, de fenômenos
meteorológicos ou marinhos não tivessem nome" a razão seria não serem
julgados "úteis, ou... dignos de interesse", termos não equivalentes, visto como
um se situa no plano prático e o outro no plano teórico. A continuação do texto
o confirma, reforçando o segundo aspecto em detrimento do primeiro: "A vida
era a experiência investida de exata e precisa significação"(id., p. 119).
Na verdade, a triagem conceptual varia conforme a língua, e, como
observava muito bem, no século XVIII, o redator da palavra "nome" na
Enciclopédia, o uso de termos mais ou menos abstratos não é função de
capacidades intelectuais, mas de interesses desigualmente marcados e
detalhados de cada sociedade particular, dentro da sociedade nacional: "Subi
ao observatório; cada estrela não é mais, ali, apenas uma estrela; é a estrela b
do Capricórnio, é a estrela g do Centauro, é a estrela z da Grande Ursa, etc.;
entrai num picadeiro, ali cada cavalo tem seu nome próprio, o "Brilhante", o
"Duende”, o "Fogoso", etc." Aliás, mesmo se a observação sobre as línguas
ditas primitivas, evocada no principio deste capítulo, devesse ser tomada ao pé
da letra, não se lhes poderia imputar ausência de idéias gerais: as palavras
carvalho, faia, bétula, etc, não são menos abstratas que a palavra árvore e, de
duas línguas, das quais uma possuísse somente este último termo, enquanto
que a outra, ignorando-o, dispusesse de várias dezenas ou centenas
destinadas às espécies e às variedades, seria a segunda e não a primeira, sob
este ponto de vista, a mais rica em conceitos.
Como na linguagem profissional, a proliferação conceptual corresponde a
uma atenção mais firme, em relação às propriedades do real, a um interesse
mais desperto para as distinções que aí podem ser introduzidas. Este apetite
de conhecimento objetivo constitui um dos aspectos mais negligenciados do
pensamento daqueles que nós chamamos "primitivos". Se é raramente dirigido
para realidades do mesmo nível que aquelas às quais se liga a ciência
moderna, implica diligências intelectuais e métodos de observação
semelhantes. Nos dois casos, o universo é objeto de pensamento, ao menos
tanto quanto meio de satisfazer necessidades.
Cada civilização tende a superestimar a orientação objetiva de seu
pensamento; é, por isso, então, que ela nunca está ausente. Quando
cometemos o erro de crer que o selvagem é exclusivamente governado por
suas necessidades orgânicas ou econômicas, não reparamos que ele nos
dirige a mesma censura, e que, a seus olhos, seu próprio desejo de saber
parece melhor equilibrado que o nosso.
"A utilização dos recursos naturais de que dispunham os indígenas
havaianos, era pouco mais ou menos completa; bem mais que a praticada
na era comercial de hoje, em que se explora, sem piedade, os raros
produtos que, no momento, trazem vantagem financeira, desdenhando-se
e destruindo-se muitas vezes todo o resto." (Handy e Pukui, p. 213.)
Sem dúvida, a agricultura para mercado não se confunde com o saber do
botânico. Mas, ignorando o segundo e considerando exclusivamente a
primeira, a velha aristocrata havaiana repete, por conta de uma cultura
indígena, invertendo-o embora a seu favor, o erro simétrico cometido por
Malinowski, quando pretendia que o interesse em relação às plantas e aos
animais totêmicos só era inspirado aos primitivos pelas queixas de seus
estômagos.
À observação de Tessmann, a respeito dos Fang, do Gabão, notando (p.
71) "a precisão com a qual eles reconhecem a menor diferença entre as
espécies de um mesmo gênero” corresponde, quanto à Oceania,a dos dois
autores já citados:
"As faculdades aguçadas dos indígenas lhes permitiam notar
exatamente os caracteres genéricos de todas as espécies vivas,
terrestres e marinhas, assim como mudanças as mais sutis de
fenômenos naturais, tais como os ventos, a luz e as cores do tempo, as
ondulações ligeiras das vagas, as variações da ressaca, as correntes
aquáticas e aéreas. (Handy e Pukui, p. 119.)
Um uso tão primário como a mastigação de bétel pressupõe nos
hanunoo das Filipinas, o conhecimento de quatro variedades de nozes de
areca e de oito produtos que as substituem, de cinco variedades de bétel e de
cinco produtos de substituição ( Conklin 3 ):
"Todas, ou quase todas, as atividades dos hanunoo exigem uma
íntima familiaridade com a flora local e um conhecimento preciso
das classificações botânicas. Contrariamente à opinião segundo a
qual as sociedades que vivem em economia de subsistência só
utilizariam uma pequena fração da flora local, esta última é utilizada
numa proporção de 93%." (Conklin I, p. 249.)
Isto não é menos verdadeiro no que concerne à fauna.
"Os hanunoo classificam as formas locais da fauna de aves em 75
categorias (...) distinguem cerca de 12 espécies de cobras (...) 60
tipos de peixes (...) mais de uma dúzia de crustáceos do mar e da
água doce e outros tantos tipos de aranhas e miriápodes (...) Os
milhares de formas de insetos estão agrupados em 108
categorias designadas por nomes, das quais 13 para as formigas e
as térmites. Identificam mais de 60 classes de moluscos marinhos e
mais de 25 moluscos terrestres e de água doce (...) 4 tipos de
sanguessugas sugadoras de sangue (...)”: total, 461 tipos zoológicos
recenseados ( id., pp.67-70)
A respeito de uma população das Filipinas, um biólogo assim se exprime:
"Um traço característico dos negritos, que os distingue de seus
vizinhos cristãos das planícies, consiste em seu conhecimento inesgotável dos
reinos vegetal e animal. Este saber não requer somente a identificação
específica de um número fenomenal de plantas, de aves, de mamíferos e de
insetos, mas, também, o conhecimento dos hábitos e dos costumes de cada
espécie (...).
"O negrito está completamente integrado em seu meio e, coisa
ainda mais importante, estuda sem cessar tudo que o cerca. Muitas vezes, vi
um deles, incerto sobre a identidade de uma planta, provar o fruto, cheirar as
folhas, quebrar e examinar uma haste, observar o habitat. E é somente depois
de verificar todos esses dados, que declarará conhecer ou não a planta em
questão."
Depois de haver demonstrado que os indígenas se interessam também
pelas plantas que não lhes são diretamente úteis, por causa das relações de
significação que os ligam aos animais e aos insetos, o mesmo autor prossegue;
"O sentido agudo de observação dos pigmeus, sua consciência plena
das relações entre a vida vegetal e a vida animal (...) são ilustrados de
forma surpreendente por suas discussões sobre os costumes dos
morcegos. O tididin vive sobre as folhagens secas das palmeiras, o dikidik,
sob as folhas da bananeira selvagem, o litlit, nos bambuzais, o kolumboy,
nas cavidades dos troncos de árvores, o konanabá, nos bosques
espessos, e assim por diante.
"Desta forma os negritos pinatubo conhecem e distinguem os
costumes de 15 espécies de morcegos. E não é menos verdadeiro que a sua
classificação de morcegos, como a dos insetos, aves, mamíferos, peixes e
plantas, baseia-se, principalmente, nas semelhanças e nas diferenças físicas.
"Quase todos os homens enumeram, com a maior facilidade, os
nomes específicos e descritivos de, pelo menos, 450 plantas, 75 aves, de
quase todas as cobras, peixes, insetos e mamíferos e, mesmo, de 20
espécies de formigas (...)1e a ciência botânica dos mananambal,
feiticeiros-curandeiros de um e outro sexos, que utilizam constantemente
plantas em sua arte, é simplesmente assombrosa." (R. B. Fox, pp. 187-
188.)
De uma população atrasada das ilhas Ryukyu, alguém escreveu:
"Mesmo uma criança pode, freqüentemente, identificar a espécie de
uma árvore, por um pequeno fragmento
de madeira e, o que é mais, o sexo dessa árvore, segundo as idéias que
alimentam os indígenas sobre o sexo dos vegetais; fazem-no, observando
a aparência da" madeira e da casca, o cheiro, a dureza e outros caracteres
do mesmo tipo. Dúzias e dúzias de peixes e de conchas são conhecidas
por termos distintos, bem como suas características próprias, seus
costumes e as diferenças sexuais dentro de cada tipo (...)." (Smith, p. 150.)
Habitantes de uma região deserta do sul da Califórnia onde somente algumas
raras famílias de brancos conseguem viver hoje, os índios coahuilla, cujo
número subia a vários milhares, não conseguiam esgotar os recursos naturais;
viviam: na abundância, pois, nesse país, na aparência deserdado, eles
conheciam nada menos que 60 plantas alimentícias e outras 28, de
propriedades narcóticas, estimulantes ou medicinais (Barrows). Um único
informante seminole identifica 250 espécies e variedades vegetais (Sturtevant).
Foram arroladas 350 plantas conhecidas pêlos índios hopi, mais de 500, pêlos
navaho. O léxico botânico dos subanum, que vivem no sul das Filipinas
ultrapassa largamente 1.000 termos (Frake) e o dos hanunoo se aproxima dos
2.0002 . Trabalhando com um único informante gabonês, o sr. Silians publicou,
recentemente, um repertório etnobotânico de cerca de 8.000 termos, divididos
entre línguas ou dialetos de 12 ou 13 tribos adjacentes (Walker e Silians). Os
resultados, na maior parte inéditos, obtidos por Marcel Graule e seus
colaboradores, no Sudão, prometem ser também impressionantes.
A extrema familiaridade com o meio biológico, a atenção apaixonada que
lhe dão, os conhecimentos exatos a ele relacionados, têm, freqüentemente,
impressionado os pesquisadores, pois demonstram atitudes e preocupações
que distinguem os indígenas de seus visitantes brancos.
Entre os índios tewa, do Novo-México:
"Pequenas diferenças são notadas (...) eles têm nome para todas as
espécies de coníferas da região; ora, neste caso, as diferenças são pouco
visíveis e, entre os brancos, um indivíduo sem treinamento seria incapaz
de as distinguir (...). Realmente, nada impediria a tradução em tewa de
um tratado de botânica." (Robbins, Harrington e Freire-Marreco, pp. 9,
12.)
Numa narração pouco romanceada, E. Smith Bowen chistosamente contou sua
contusão quando, ao chegar a uma tribo africana, quis começar por aprender a
língua: seus informantes acharam muito natural, no estágio elementar de seu
ensino, juntar grande número de espécimes botânicos, nomeados no momento
da apresentação, mas aos quais a pesquisadora era incapaz de identificar, não
tanto pela sua natureza exótica, como porque ela nunca se havia interessado
pelas riquezas e diversidades do mundo vegetal, ao passo que os indígenas
consideravam tal curiosidade como que adquirida.
"Este povo é cultivador: para ele as plantas são tão importantes, tão
familiares quanto os seres humanos. De minha parte, nunca vivi em
fazenda e não estou mesmo muito certa de distinguir as begônias das
dálias ou das petúnias. As plantas, como as equações, têm o hábito
traiçoeiro de parecerem semelhantes e serem diferentes ou de
parecerem diferentes e serem semelhantes. Em conseqüência, eu me
atrapalho em botânica como em matemática. Pela primeira vez na minha
vida, encontro-me numa comunidade onde as crianças de dez anos não
me são superiores em matemática, mas estou também num lugar onde
cada planta, selvagem ou cultivada, tem nome e uso bem definidos,
onde cada homem, cada mulher e cada criança conhece centenas de
espécies. Nenhum deles quererá jamais acreditar que eu seja incapaz,
mesmo que o queira, de saber tanto quanto eles." (Smith Bowen, p.22.)
Nitidamente diferente é a reação de um especialista, autor de uma
monografia, em que descreve perto de 300 espécies ou variedades de plantas
medicinais ou tóxicas, utilizadas por certas populações da Rodésia do Norte:
"Fiquei sempre surpreendido com a solicitude com a qual o povo de
Balovale e das regiões vizinhas aceitava falar sobre seus remédios e
seus venenos. Estariam lisonjeados pelo interesse que eu demonstrava
por seus métodos ? Considerariam nossas conversas como uma troca
de informações entre colegas? Ou quereriam exibir seu saber ?
Qualquer que pudesse ser a razão de sua atitude nunca se faziam rogar.
Lembro-me do danado de um velho Luchazi, que trazia braçadas de
folhas secas raízes e hastes, para ensinar-me todos os seus usos. Seria
de herborista ou feiticeiro ? Nunca pude penetrar esse mistério, mas
verifico, com tristeza, que não lhe possuirei nunca a ciência da
psicologia africana nem a habilidade para cuidar de seus semelhantes:
associados, meus conhecimentos médicos e seus talentos teriam
formado uma combinação bem útil." (Gilges, p. 20.)
Citando um extrato de suas notas de viagem, Conklin quis ilustrar esse
contacto íntimo entre o homem e o meio, que o indígena impõe,
perpetuamente, ao etnólogo:
"A 0600 e sob uma chuva fina, Langba e eu deixamos Parina na direção
de Binli (...). Em Arasaas, Langba me pediu para cortar várias tiras de
casca de 10x 50cm, da árvore anapla Kilala ( Albizia procera ( Roxb. )
Benth.) para preservar-nos das sanguessugas Esfregando com a face
interna da casca, os tornozelos e pernas, já molhados pela vegetação,
gotejante de chuva formava-se uma espuma rósea, que era excelente
repulsivo. No caminho perto de Aypud, Langba parou, de repente; enfiou,
com presteza, seu bastão na beira do caminho e arrancou uma raiz, uma
erva, tawag kugun buladlad (Buchnera urticifolia R. Br.) que, me disse
ele, lhe serviria de isca (...) em uma armadilha para javalis. Alguns
instantes mais tarde, e nós andávamos depressa, ele fez uma parada
igual, para arrancar uma orquídeazinha terrestre (difícil de ver sob a
vegetação que a cobria) chamada lyamliyam (Epipogum roseum (D.
Don ) Lindl. ) planta empregada para combater, magicamente/os insetos
parasitas das culturas. Em Binli, Langba, teve o cuidado de não estragar
sua apanha, remexendo uma sacola de palmas trançadas, para encontrar
apug, cal extinta e tabaku (Nicotiana tabacum L.), que queria oferecer à
gente de Binli, em troca de outros ingredientes para mascar. Depois de
uma discussão sobre os respectivos méritos das variedades locais de
bétel-pimenta (Piper betle L.), Langba obteve permissão para cortar
mergulhias de batata-doce (Ipomoea batatas (L.) Poir.), pertencentes a
duas formas vegetais diferentes e classificadas como kamuti inaswang e
kamuti lupaw (...). E no canteiro de camote, cortamos 25 mergulhias (com
cerca de 75cm de comprimento) de cada variedade, retiradas da
extremidade da haste, e as enrolamos, cuidadosamente, em grandes
folhas frescas de saging saba cultivado (Musa sapientum compressa
(Bico.) Teodoro) para que conservassem a umidade até chegarmos de
volta à casa de Langba. Pelo caminho, mastigamos hastes de tubu
minama, espécie de cana-de-açúcar (Saccharum officinarum L.);
paramos uma vez, para colher algumas bunga, nozes-de-areca caídas
(Areca catechu L.) e, uma outra vez, para colher e comer os frutos,
semelhantes a cerejas selvagens, de algumas moitas de bungnay
(Antidesma brunius (L.) Spreng.). Atingimos Mararim no meio da tarde e,
ao longo de nosso caminho, a maior parte do tempo foi passada com
discussões sobre as mudanças da vegetação, no curso das últimas
dezenas de anos." (Conklin I, pp. 15-17.)
Este saber e os meios lingüísticos de que dispõe, estendem-se também à
morfologia. A língua tewa usa termos distintos para cada parte, ou quase, do
corpo das aves e dos mamíferos (Henderson e Harrington, p. 9). A descrição
morfológica das folhas das árvores ou de plantas comporta 40 termos, e há 15
termos distintos que correspondem às diferentes partes de um pé de milho.
Para descrever as partes constitutivas e as propriedades dos vegetais, os
hanunoo têm mais de 150 termos, que conotam as categorias, em função das
quais identificam as plantas "e discutem, entre si, sobre centenas de
caracteres que as distinguem e freqüentemente correspondem a
propriedades significativas, tanto medicinais quanto alimentícias" (Conklin I,
p. 97). Os pinatubo, entre os quais foram arrolados mais de 600 nomes de
plantas, "não somente têm um conhecimento fabuloso dessas plantas e do
modo de sua utilização; empregam perto de 100 termos para descrever suas
partes ou aspectos característicos". (R. B. Fox, p. 179.)
É claro que um saber tão sistematicamente desenvolvido não pode estar
em função da simples utilidade prática. Depois de haver salientado a riqueza e
a precisão dos conhecimentos zoológicos e botânicos dos índios do nordeste
dos Estados Unidos da América e do Canadá: montanhês, naskapi, micmac,
malecite, penobscot, o etnólogo, que melhor os estudou, prossegue:
"Isto se poderia esperar, no referente aos hábitos da caça grossa, de
onde provêm a alimentação e as matérias-primas da indústria indígena.
Não é surpreendente que o caçador penobscot, do Maine, possua
melhor conhecimento prático dos hábitos e do caráter do alce do
Canadá que o mais experimentado zoólogo. Mas, quando apreciamos,
no seu justo valor, .o cuidado que os índios tiveram em observar e
sistematizar os fatos científicos relacionados com as formas inferiores da
vida animal, ser-nos-á permitido demonstrar alguma surpresa.
"Toda a classe de répteis (...) não oferece nenhum interesse
econômico para estes índios; eles não comem a carne das cobras nem a
dos batráquios, nem utilizam parte alguma de seu despojo, exceto, cm
casos muito raros, para a confecção de amuletos contra a doença ou a
bruxaria." (Speck I, p. 273.)
E, entretanto, como demonstrou Speck, os índios do nordeste elaboraram
uma verdadeira herpetologia, com lermos distintos para cada gênero de
répteis, e outros reservados às espécies ou variedades.
Os produtos naturais, utilizados pêlos povos siberianos para fins
medicinais, ilustram, por sua definição precisa e pelo valor específico que lhes
é dado, o cuidado, a inventiva, a atenção à minúcia, a preocupação das
distinções que devem ter empregado os observadores e os teóricos, nas
sociedades desse tipo; aranhas e vermes brancos engolidos (itelmene e iakute,
para a esterilidade); gordura de escaravelho preto(ossete, contra hidrofobia);
barata esmigalhada, fel de galinha (russos de Surgut, contra abscesso e
hérnia); vermes vermelhos macerados (iakute, contra o reumatismo); fel de
solha (buriate, contra doenças dos olhos); cadoz, caranguejo de água doce,
engolidos vivos (russos da Sibéria, contra epilepsia e outras doenças); toque
de bico de picanço, sangue de picanço, insuflação nasal de pó de picanço
mumificado, ovo tragado de pássaro kukcha (iakute, contra dores de dentes,
escrófulas, doenças dos cavalos e tuberculose, respectivamente); sangue de
perdiz, suor de cavalo (oirote, contra hérnias e verrugas); caldo de pombo
(buriate, contra tosse); pó de patas moídas da ave tilegus (kazak, contra
dentadas de cão hidrófobo); morcego seco, pendurado ao pescoço (russos de
Altai, contra febre); instilação da água proveniente de um pedaço de gelo
suspenso no ninho da ave remiz (oirote, contra doenças dos olhos). Somente
entre os buriate, e limitando-se ao urso, a carne deste possui 7 virtudes
terapêuticas distintas, o sangue 5, a gordura 9, o cérebro 12, a bile 17 e o pêlo
2. Do urso também, os kalar recolhem os excrementos empedrados, no fim da
hibernação, para debelar prisão de ventre (Zelenine, pp. 47-59). Achar-se-á,
num estudo de Loeb, um repertório assim tão rico com referência a uma tribo
africana.
De tais exemplos, que se poderiam tirar de todas as regiões do mundo,
concluir-se-ia, de bom grado, que as espécies animais e vegetais não são
conhecidas na medida em que sejam úteis; elas são classificadas úteis ou
interessantes porque são primeiro conhecidas.
Objetar-se-á que tal ciência não pode ser muito eficaz num plano prático.
Mas, precisamente, seu primeiro objetivo não é de ordem prática. Ela responde
a exigências intelectuais antes, ou em vez, de satisfazer necessidades.
A verdadeira questão, não é saber se o contacto de um bico de picanço
cura dores de dentes, mas, se é possível, de certo ponto de vista, fazer juntos
"irem" o bico do picanço e o dente do homem (congruência, cuja fórmula
terapêutica não constitui mais que uma aplicação hipotética, entre outras) e,
por intermédio desses agrupamentos de coisas e de seres, introduzir um
princípio de ordem no universo; porquanto a classificação, qualquer que seja,
possui uma virtude própria em relação à falta de classificação. Como escreve
um técnico moderno da taxionomia:
"Os cientistas suportam a dúvida e a derrota, porque não podem agir
de forma diferente. Mas a desordem é a única coisa que não podem
nem devem tolerar. Todo o objetivo da ciência pura é levar, a seu
ponto mais alto e mais consciente, a redução dessa forma caótica de
perceber, que teve início num plano inferior e possivelmente
inconsciente, com a origem mesma da vida. Em certos casos, poderse-
á perguntar se o tipo de ordem que foi elaborado é caráter objetivo
dos fenômenos, ou artifício construído pelo cientista. Esta pergunta
sempre se apresenta em matéria de taxionomia animal (...).
Entretanto, o postulado fundamental da ciência é que a natureza
mesma é organizada (...). Na parte teórica, a ciência se limita a uma
ordenação e (...) se é verdade que a sistemática consiste em tal
ordenação, os termos sistemática e ciência teórica poderão ser
considerados como sinônimos." (Simpson, p. 5.)
Ora, esta exigência de ordem está na base do pensamento que nós
chamamos primitivo, mas somente na medida em que está na base de
qualquer pensamento: pois é sob o ângulo das propriedades comuns que
chegamos mais facilmente às formas de pensamento que nos parecem muito
estranhas.
"Cada coisa sagrada deve estar em seu lugar", notava, com profundeza,
um pensador indígena (Fletcher 27p. 34). Poder-se-ia mesmo dizer que é isso
que a torna sagrada, pois, suprimindo-a, ainda que por pensamento, toda a
ordem do uni verso se encontraria destruída; ela contribui, pois, para mante-la
ao ocupar o lugar que lhe cabe. Os requintes do ritual, que podem parecer
ociosos quando examinados superficialmente e de fora, explicam-se pela
preocupação, que se poderia chamar "micro-perequação": não deixar escapar
nenhum ser, objeto ou aspecto, para assegurar-lhe um lugar dentro de uma
classe. Sob este ponto de vista, a cerimônia do hako, dos índios pawnee, só é
particularmente reveladora porque foi bem analisada. A invocação que
acompanha a travessia de um curso de água se divide em várias partes,
correspondendo, respectivamente, aos momentos em que os viajantes põem
os pés na água, em que os mudam de lugar e em que a água lhes cobre
completamente os pés; a invocação ao vento separa os momentos em que o
frescor é percebido apenas pelas partes molhadas do corpo, depois aqui e ali,
e, enfim, por toda a epiderme: "somente então podemos prosseguir com
segurança" (id., pp. 77-78). Como deixa bem claro o informante, "devemos
dirigir um encantamento especial a cada coisa que encontramos, pois Tirawa, o
espírito supremo, reside em todas as coisas e, tudo o que encontrmoa em
nosso caminho pode socorrer-nos (...). Fomos instruídos para prestar atenção
a tudo o que vemos" ( id., pp. 73,81 ).
Esta preocupação da observação exaustiva e do inventário sistemático das
relações e das ligações pode levar, às vezes, a resultados de boa ordem
científica: é o caso dos índios blackfoot, que diagnosticavam a aproximação da
primavera pelo desenvolvimento dos fetos do bisão, extraídos do ventre das
fêmeas mortas durante a caça. Entretanto, não se podem isolar esses
resultados de tantas outras aproximações do mesmo gênero declaradas
ilusórias pela ciência. Mas não será que o pensamento mágico, essa
"gigantesca variação sobre o tema do princípio da causalidade", diziam Hubert
e Mauss (2, p. 61), se distingue menos da ciência pela ignorância ou pelo
desprezo do determinismo, do que por uma exigência de determinismo mais
imperiosa e mais intransigente e que a ciência pode, quando muito, julgar
insensata e precipitada ?
"Considerada como sistema de filosofia natural, ela (witchcraft) implica
uma teoria das causas: a infelicidade resulta da feitiçaria, que trabalha em
combinação com as forças naturais. Caso um homem receba uma
chifrada de um búfalo, caso lhe caia na cabeça um celeiro cujos suportes
tenham sido minados pelas térmites, ou contraia uma meningite cérebroespinhal,
os azande afirmarão que o búfalo, o celeiro ou a doença são
causas que se conjugam com a feitiçaria para matar o homem. Pelo
búfalo, pelo celeiro, pela doença, a feitiçaria não é responsável, pois
existem por si mesmos; mas o é pela circunstância particular que os põe
em relação destruidora com um certo indivíduo. O celeiro teria caído de
qualquer maneira, mas foi pela feitiçaria que caiu em dado momento e
quando certo indivíduo repousava embaixo. Entre todas essas causas, só
a feitiçaria admite uma intervenção corretiva, porque somente ela emana
de uma pessoa. Contra o búfalo e o celeiro, não se pode intervir. Ainda que
sejam também reconhecidos como causas, não são significativas, no plano
das relações sociais." (Evans-Pritchard I, pp. 418-419.)
Entre magia e ciência, a diferença primordial seria, pois, deste ponto de
vista, que uma postula um determinismo global e integral, enquanto que a outra
opera distinguindo níveis, dos quais apenas alguns admitem formas de
determinismo tidas como inaplicáveis a outros níveis. Mas não se poderia mais
longe e considerar o rigor e a precisão, que testemunham o pensamento
mágico e as práticas rituais, como traduzindo uma apreensão inconsciente da
verdade do determinismo como modo de existência dos fenômenos científicos
de sorte que o determinismo fosse globalmente suspeitado e arriscado antes
de ser conhecido e respeitado ? Os ritos e as crenças mágicas apareceriam,
então, como outras tantas expressões de um ato de fé numa ciência ainda por
nascer.
Há mais. Não somente por sua natureza, estas antecipações podem ser,
as vezes, coroadas de sucesso, mas podem também antecipar duplamente;
sobre a própria ciência e sobre métodos ou resultados que a ciência só
assimilará num estágio avançado de seu desenvolvimento, se é verdade que o
homem enfrentou primeiro o mais difícil: automatização ao nível dos dados
sensíveis, aos quais a ciência, durante muito tempo, voltou as costas e que
começa apenas a reintegrar na sua perspectiva. Na história do pensamento
científico, este efeito de antecipação produziu-se, aliás, repetidas vezes; como
Simpsom (pp 84-85) demonstrou, com o auxílio de um exemplo tirado da
biologia do século XIX, este efeito resulta de que - visto a explicação científica
sempre corresponder à descoberta de uma ordenação - toda tentativa deste
tipo, mesmo inspirada em princípios não-científicos, pode encontrar
ordenações verdadeiras. Isto é mesmo previsível, se se admite que, por
definição, o numero de estruturas é finito: "o pôr em estrutura , possuiria, então,
uma eficácia intrínseca, quaisquer que fossem os princípios e os métodos em
que se inspire.
A química moderna reduz a variedade de sabores e de perfumes a cinco
elementos, diversamente combinados: carbono hidrogênio, oxigênio, enxofre e
azoto. Formando quadros de presença e de ausência, calculando dosagens e
limites chega a notar diferenças e semelhanças entre qualidades que: outrora,
teria banido de seu domínio, por serem de "segunda ordem . Mas essas
aproximações e essas distinções não surpreendem o sentimento estético:
antes o enriquecem e esclarecem, criando associações de que já suspeitava,
e, portanto, compreende-se e melhor por que e em que condições, um
exercício assíduo, somente da intuição, poderia ter já permitido descobri-las;
assim, que a fumaça do tabaco possa ser, por uma lógica da sensação, a
interseção de dois grupos: um compreendendo também a carne grelhada e a
côdea do pão (que são também compostos de azoto); outro, de que fazem
parte o queijo, a cerveja e o mel, em virtude da presença do diacetil. A cereja
selvagem, a canela, a baunilha e o vinho de Xerez formam um grupo, não
somente sensível como inteligível, porque todos contêm aldeídos, enquanto
que os perfumes gêmeos do chá do Canadá (wintergreen), da lavanda e da
banana se explicam pela presença de ésteres. Somente a intuição incitaria a
agrupar a cebola, o alho, a couve, o nabo, o rabanete e a mostarda, quando a
botânica separa as liliáceas das crucíferas. Confirmando o testemunho da
sensibilidade, a química demonstra que essas famílias estranhas se juntam em
outro plano: elas contêm enxofre. (K., Tu.)
Estes reagrupamentos, um filósofo primitivo, ou um poeta, poderia ter
feito, inspirando-se em considerações alheias à química ou a qualquer
outra forma de ciência: a literatura etnográfica revela quantidades delas,
cujo valor empírico e estético não é menor. Ora, isto não é apenas o efeito
de um frenesi associativo, fadado, às vezes, ao sucesso, por uma simples
questão de oportunidade. Melhor inspirado do que na passagem citada
anteriormente, onde adianta esta interpretação, Simpson demonstrou que
a exigência de organização é uma necessidade comum à arte e à ciência
e que, em conseqüência, "a taxionomia, que é a organização por
excelência, possui um eminente valor estético" (I. c., p. 4 ). Por
conseguinte, causará menor surpresa que o senso estético, reduzido a
seus próprios recursos, possa abrir caminho à taxinomia e, mesmo,
antecipar alguns de seus resultados.
Não voltamos, contudo, à tese vulgar (aliás admissível, na perspectiva
estreita em que se coloca), segundo a qual a magia seria uma modalidade
tímida e balbuciante da ciência: pois nos privaríamos de todos os meios de
compreender o pensamento mágico se pretendêssemos reduzi-lo a um
momento ou a uma etapa da evolução técnica e científica. Mais como uma
sombra que antecipa a seu corpo, ela é, num sentido, completa como ele, tão
acabada e coerente em sua imaterialidade, quanto o ser sólido por ela
simplesmente precedido. O pensamento mágico não é uma estréia, um
começo, um esboço, parte de um todo ainda não realizado; forma um sistema
bem articulado; independente, neste ponto, desse outro sistema que constituirá
a ciência, exceto quanto à analogia formal que os aproxima; e que faz do
primeiro uma espécie de expressão metafórica do segundo. Em lugar, pois, de
opor magia e ciência, melhor seria colocá-las em paralelo, como duas formas
de conhecimento, desiguais quanto aos resultados teóricos e práticos (pois sob
este ponto de vista, é verdade que a ciência se sai melhor que a magia, se
bem que a magia preforme a ciência no sentido de que triunfa também
algumas vezes ), mas não pelo gênero de operações mentais, que ambas
supõe, e que diferem menos em natureza que em função dos tipos de
fenômenos a que se aplicam.
Estas relações decorrem, com efeito, das condições objetivas em que
surgiram o conhecimento mágico e o conhecimento científico. A história deste
último é bastante curta para que estejamos bem informados a seu respeito;
mas o fato de a origem da ciência moderna montar apenas há alguns séculos
cria um problema, sobre o qual os etnólogos ainda não refletiram
suficientemente; o nome paradoxo neolítico caber-lhe-ia perfeitamente.
É na era neolítica que se confirma o domínio do homem sobre as grandes
artes da civilização: cerâmica, tecelagem, agricultura e domesticação de
animais. Ninguém, hoje, pensaria mais em explicar essas imensas conquistas
pela acumulação fortuita de uma série de achados feitos por acaso ou
revelados pelo espetáculo, passivamente registrado, de certos fenômenos
naturais3
Cada uma dessas técnicas supõe séculos de observação ativa e metódica,
hipóteses ousadas e controladas, para serem rejeitadas ou comprovadas por
meio de experiências incansavelmente repetidas. Notando a rapidez com que
as plantas originárias do Novo Mundo foram aclimatadas nas Filipinas,
adotadas e denominadas pelos indígenas que, em muitos casos, parecem
mesmo haver redescoberto seus usos medicinais, rigorosamente paralelos aos
que eram tradicionais no México, um biólogo interpreta o fenômeno da seguinte
maneira:
"As plantas cujas folhas ou talos têm sabor amargo são
correntemente empregadas, nas Filipinas, contra dores do estômago.
Toda planta introduzida que apresente o mesmo caráter, será
imediatamente experimentada. É porque a maioria das populações das
Filipinas faz, constantemente, experiências com plantas, que aprende
depressa a conhecer, em função das categorias de sua própria cultura,
os empregos possíveis das plantas importadas." (R. B. Fox, pp. 212-
213.)
Para transformar uma erva silvestre em planta cultivada, um animal
selvagem em doméstico, para fazer aparecer, num ou noutro, propriedades
alimentícias ou tecnológicas que, na origem, estavam completamente
ausentes, ou mal podiam ser suspeitadas; para fazer de uma argila instável,
pronta a esboroar-se, a pulverizar-se ou a rachar-se, uma louça sólida e
estanque (mas somente com a condição de haver determinado, entre uma
multidão de matérias orgânicas e inorgânicas, a mais própria para servir de
detergente, assim como o combustível conveniente, a temperatura e o tempo
de cozimento, o grau de oxidação eficaz); para elaborar as técnicas, muitas
vezes longas e complexas, que permitissem cultivar sem terra, ou então sem
água, transformar grãos ou raízes tóxicas em alimentos, ou então, ainda,
utilizar essa toxidade para a caça, a guerra, o ritual, foi preciso, não duvidamos,
uma atitude de espírito verdadeiramente científica, uma curiosidade assídua e
sempre desperta, uma vontade de conhecer pelo prazer de conhecer, porque
uma pequena fração apenas das observações e das experiências (às quais é
preciso supor que tenham sido inspiradas, então, e sobretudo, pelo gosto de
saber) poderiam dar resultados práticos e imediatamente utilizáveis. Ainda
deixamos de lado a metalurgia do bronze e do ferro, a dos metais preciosos, e,
mesmo, o simples trabalho do cobre nativo, por martelagem, que precedeu a
metalurgia de alguns milhares de anos, e que já exigem todos uma
competência técnica muito avançada.
O homem da era neolítica ou da proto-hisiória é, portanto, o herdeiro de uma
longa tradição científica; entretanto, se o espírito que o inspirou, assim como a
seus antepassados, tivesse sido o mesmo que o dos modernos, como
poderíamos compreender que ele tenha parado e que vários milhares de anos
de estagnação se intercalem, como um patamar, entre a revolução neolítica e a
ciência contemporânea ? O paradoxo só admite uma solução: é que há duas
formas distintas de pensamento científico, ambas função, não certamente de
estádios desiguais do desenvolvimento do espírito humano, mas de dois níveis
estratégicos, onde a natureza se deixa atacar pelo conhecimento científico: um
aproximadamente ajustado ao da percepção e da imaginação, e outro sem
apoio; como se as relações necessárias, objetivo de toda ciência - seja ela
neolítica ou moderna - pudessem ser atingidos por dois caminhos diferentes:
um muito perto da intuição sensível e o outro mais afastado.
Toda classificação é superior ao caos; e, mesmo uma classificação no
nível das propriedades sensíveis, é uma etapa para uma ordem racional. Se se
pedir para classificar uma coleção de frutos variados em corpos relativamente
mais pesados e relativamente mais leves, será legítimo começar por separar as
pêras das maçãs, se bem que a forma, a cor e o sabor não tenham relação
com o peso e o volume; mas, porque as maiores entre maçãs são mais fáceis
de distinguir das menores, do que se as maçãs continuassem misturadas com
frutos de aspecto diferente. Já se vê por este exemplo que, mesmo no nível da
percepção estética, a classificação tem sua eficácia.
Por outro lado, e se bem que não haja conexão necessária entre as
qualidades sensíveis e as propriedades, existe, ao menos, uma relação de fato
num grande número de casos e a generalização dessa relação, mesmo não
baseada na razão, pode ser, teórica e praticamente, durante muito tempo, uma
operação satisfatória. Todos os sucos tóxicos não são ardentes ou amargos e a
recíproca não é mais verdadeira; entretanto, a natureza é de tal modo
organizada que é mais vantajoso, para o pensamento e para a ação, proceder
como se uma equivalência, que satisfaz o sentimento estético, correspondesse
também a uma realidade objetiva. Sem que nos caiba aqui.procurar por que, é
provável que espécies dotadas de algum caráter digno de nota - forma, cor ou
cheiro - dêem ao observador o que se poderia chamar "direito de seguir” : o de
postular que esses caracteres visíveis são o signo de propriedades igualmente
singulares, mas ocultas. Admitir que a própria relação entre ambos seja
sensível (que um grão em forma de dente proteja das picadas, de cobra, que
um suco amarelo se]a específico para distúrbios biliares, etc.), vale, a título
provisório, mais que a indiferença a qualquer conexão; pois, a classificação,
embora heteróclita e arbitrária, salvaguarda a riqueza e a diversidade do
inventário; decidindo-se que é preciso levar tudo em conta, facilita-se a
formação de uma "memória".
Ora, é um fato que métodos dessa ordem podiam conduzir a certos
resultados que eram indispensáveis para que o homem pudesse abordar de
outro viés a natureza. Longe de ser, como se tem afirmado muitas vezes, a
obra de uma "função fabuladora" que dê as costas à realidade, os mitos.e os
ritos oferecem, como valor principal, ter preservado até a nossa época, de uma
forma residual, modos de observação e de reflexão que foram (e continuam
sem dúvida) exatamente adaptados a descobertas de um certo tipo: as que "a
natureza autorizava, a partir da organização e da exploração especulativas do
mundo sensível em termos de sensível. Esta ciência do concreto devia ser,
.essencialmente, limitada a outros resultados que os prometidos às ciências
exatas e naturais, mas não foi menos científica e seus resultados não foram
menos reais. Afirmados dez mil anos antes dos outros, eles são sempre o
substrato de nossa civilização.
Aliás, subsiste entre nós uma forma de atividade que, no plano técnico,
permite muito bem conceber o que, no plano da especulação, pôde ter sido
uma ciência, que preferimos chamar "primeira" ao invés de primitiva; é a
comumente designada pelo termo bricolage*.
No seu sentido antigo, o verbo bricoler se aplica ao jogo de péla e de
bilhar, à caça e à equitação, mas sempre para evocar um movimento incidental:
o da péla que salta, o do cão que erra ao acaso, o do cavalo que se afasta da
linha reta para evitar um obstáculo E em nossos dias, o bricoleur é o que
trabalha com as mãos, usando meios indiretos se comparados com os do
artista. Ora, o próprio do pensamento mítico é exprimir-se com o auxilio de um
repertório cuja composição é heteróclita e que, apesar de extenso, permanece
não obstante limitado; é preciso, todavia que dele se sirva, qualquer que seja a
tarefa que se proponha, porque não tem mais nada a seu alcance. Aparece,
assim, como uma espécie de bricolage intelectual, o que explica as relações
que se observam entre ambos.
Como o bricolage, no plano técnico, a reflexão mítica pode atingir, no
plano intelectual, resultados brilhantes e imprevistos. Reciprocamente, foi
muitas vezes notado o caráter mito-poético do bricolage; seja no plano da arte
dita "bruta" ou ingênua; na arquitetura fantástica da vila do carteiro Cheval, nos
cenários de Georges Méliès; ou, ainda, naquela, imortalizada por As grandes
esperanças, de Dickens, mas, sem dúvida alguma, inspirada primeiro na
observação, do "castelo" suburbano de Mr. Wemmick, com sua ponte-levadiça
em miniatura, seu canhão salvando às nove horas e seu canteiro de alfaces e
pepinos, graças ao qual seus ocupantes poderiam sustentar um cerco, se
preciso (...).
A comparação merece ser aprofundada, pois dá melhor acesso às
verdadeiras relações entre os dois tipos de conhecimento científico que
distinguimos. O bricoleur está apto a executar grande número de tarefas
diferentes; mas, diferentemente do engenheiro, ele não subordina cada uma
delas à obtenção de matérias-primas e de ferramentas, concebidas e
procuradas na medida do seu projeto: seu universo instrumental é fechado e a
regra de seu jogo é a de arranjar-se sempre com os meios-limites, isto é, um
conjunto, continuamente restrito de utensílios e de materiais, heteróclitos, além
do mais porque a composição do conjunto não esta em relação com o projeto
do momento, nem, aliás, com qualquer projeto particular, mas é o resultado
contingente de todas as ocasiões que se apresentaram para renovar e
enriquecer o estoque, ou para conservá-lo, com resíduos de construções e de
destruições anteriores. O conjunto dos meios do bricoleur não se pode definir
por um projeto (o que suporia, aliás, como com o engenheiro, a existência de
tantos conjuntos instrumentais quantos os gêneros de projetos, pelo menos em
teoria); define-se somente por sua instrumentalidade, para dizer de maneira
diferente e para empregar a própria linguagem do bricoleur, porque os
elementos são recolhidos ou conservados, em virtude do princípio de que "isto
sempre pode servir". Tais elementos são, pois, em parte particularizados: o
bastante para que o bricoleur não tenha necessidade do equipamento e do
conhecimento de todos os corpos de administração; mas não o suficiente para
que cada elemento seja sujeito a um emprego preciso e determinado. Cada
elemento representa um conjunto de relações, ao mesmo tempo concretas e
virtuais; são operadores, porém utilizáveis em função de qualquer operação
dentro de um tipo. . .
É da mesma maneira que os elementos da reflexão mítica se situam
sempre a meio caminho entre perceptos e conceitos. Seria impossível extrair
os primeiros da situação concreta em que apareceram, enquanto que o recurso
aos segundos exigiria que o pensamento pudesse, provisoriamente ao menos;
colocar seus projetos entre parênteses. Ora, um intermediário existe entre a
imagem e o conceito : é o signo, já que se pode sempre definí-lo, da maneira
inaugurada por Saussurre a respeito dessa categoria particular formada pêlos
signos lingüísticos, como um laço entre uma imagem e um conceito, os quais,
na união assim-realizada, representam, respectivamente, os papéis de
significante e de significado.
Como a imagem, o signo é um ser concreto, mas assemelha-se ao
conceito por seu poder de referência: um e outro não se referem,
exclusivamente, a si próprios, podem substituir outra coisa que a si. Entretanto,
o conceito possui, sob este aspecto, uma capacidade ilimitada, enquanto que a
do signo é limitada. A diferença e a semelhança sobressaem bem no exemplo
do bricoleur.
Vejamo-lo no trabalho: animado por seu projeto, seu primeiro passo
prático é, todavia, retrospectivo: deve voltar-se para um conjunto já constituído,
formado de ferramentas e materiais; fazer-lhe ou refazer-lhe o inventário; enfim
e, sobretudo, entabolar com ele uma espécie de diálogo, para enumerar, antes
de escolher entre elas, as respostas possíveis que o conjunto pode oferecer ao
problema que ele lhe apresenta.
Todos esses objetos heteróclitos, que constituem seu tesouro4, interroga-os
para compreender o que cada um deles poderia "significar", contribuindo,
assim, para definir um conjunto a realizar, mas que não diferirá, finalmente, do
conjunto instrumental senão pela disposição interna das partes. Este cubo de
carvalho pode ser um calço para remediar a insuficiência de uma tábua de
abeto, ou, ainda, um soco, o que permitiria por em evidência o áspero e o
polido da velha madeira. Num caso, ele será extensão e, no outro, matéria.
Mas estas probabilidades permanecem sempre limitadas pela história particular
de cada peça e pelo que nela subsiste de predeterminado, devido ao uso
original, para o qual ela foi concebida, ou pelas adaptações que sofreu, em
vista de outros empregos. Como as unidades constitutivas do mito, cujas
combinações possíveis são limitadas pelo fato de serem obtidas por
empréstimo da língua em que já possuem um sentido restringindo a liberdade
de
manobra, os elementos colecionados e utilizados pelo bricoleur estão "préconstrangidos”
(Lévi-Stràuss 5, p. 35). Por outro lado, a decisão depende da
possibilidade de permutar um outro elemento na função vacante, de tal forma
que cada escolha acarretará uma reorganização total da estrutura, que não
será nunca igual à vagamente sonhada, nem a uma outra, que lhe poderia ter
sido preferida.
Sem dúvida, o engenheiro também interroga, já que a existência de um
"interlocutor" lhe advém de que seus meios, seu poder e seus conhecimentos
não são nunca ilimitados e que, sob esta forma negativa, ele esbarra numa
resistência, com a qual lhe é indispensável transigir. Poder-se-ia ser tentado a
dizer que ele interroga o universo, enquanto que o bricoleur se dirige a uma
coleção de resíduos de obras humanas, isto é a um subconjunto da cultura. A
teoria da informação mostra, aliás, como é possível, e muitas vezes útil, reduzir
as diligências do físico a uma espécie de diálogo com a natureza, o que
atenuaria a distinção que nós tentamos traçar. Todavia, uma diferença
subsistirá sempre, mesmo levando em conta o fato de o cientista não dialogar
nunca com a natureza pura, mas com certo estado da relação entre a natureza
e a cultura, definível pelo período da história em que ele vive, pela civilização
que é a sua, pêlos meios materiais de que dispõe. Tanto quanto o bricoleur,
posto em presença de dada tarefa, ele não pode fazer seja lá o que for; deverá
também começar por inventariar um conjunto predeterminado de
conhecimentos teóricos e práticos, de meios técnicos, que restringem as
soluções possíveis. A diferença não é, pois, tão absoluta quanto seria dado
imaginar; permanece real, entretanto, na medida em que, em relação a essas
limitações que resumem um estado de civilização, o engenheiro procura
sempre abrir uma passagem e colocar-se além, enquanto que o bricoleur, de
bom ou de mau grado, permanece aquém, o que equivale a dizer que o
primeiro opera por meio de conceitos e o segundo, por meio de signos. Sobre o
eixo da oposição entre natureza e cultura, os conjuntos de que se servem são
perceptivelmente sem apoio. De fato, uma das maneiras, ao menos, de o signo
opor-se ao conceito prende-se a que o segundo pretende ser integralmente
transparente à realidade, enquanto que o primeiro aceita, e exige mesmo, que
uma certa densidade de humanidade seja incorporada a essa realidade.
Segundo a expressão vigorosa e dificilmente traduzível de Peirce: "It addresses
somebody."
Poder-se-ia, pois, dizer que o cientista e o bricoleur estão, um e outro, à
espera de mensagens, mas que, para o bricoleur se trata de mensagens de
qualquer forma pré-transmitidas e que ele coleciona: como esses códigos
comerciais que, condensando a experiência passada da profissão, permitem
fazer face, economicamente, a todas as situações novas (com a condição,
contudo, de que pertençam à mesma classe que as antigas); enquanto que o
homem de ciência, quer seja engenheiro quer físico, logra antecipadamente e
sempre a outra mensagem, que poderia ter sido arrancada a um interlocutor,
malgrado sua reticência em pronunciar-se sobre questões cujas respostas não
tenham sido dadas anteriormente. O conceito aparece, assim, como operador
da abertura do conjunto com o qual se trabalha, a significação como o operador
de sua reorganização: ela não o desenvolve nem renova e se limita a obter o
grupo de suas transformações.
A imagem não pode ser idéia, mas é-lhe possível representar o papel de
signo, ou, mais exatamente, coabitar com a idéia num signo; e, se a idéia não
está lá ainda, pode respeitar-lhe o futuro lugar e fazer aparecer, em negativo,
seus contornos. A imagem está fixada, ligada de maneira unívoca ao ato de
consciência que a acompanha; mas ,o signo, e a imagem tornada significante,
se ainda não possuem compreensão, isto é, se lhes faltam ligações, simultânea
e teoricamente ilimitadas, com outros seres do mesmo tipo — privilégio do
conceito — são já permutáveis, isto é, suscetíveis de manter relaçõessucessivas
com outros seres, se bem que em número limitado, e, como vimos,
com a condição de formar sempre um sistema no qual uma modificação que
afete um elemento interessará, automaticamente, a todos os outros: nesse
plano, a extensão e a compreensão dos lógicos existem, não como dois
aspectos distintos e complementares, mas como realidade solidária.
Compreende-se, assim, que o pensamento mítico, se bem que preso nas
imagens, já possa ser generalizador, portanto, científico: ele trabalha também
com lances de analogias e de aproximações, mesmo se, como no caso do
bricolage, suas criações se reduzam sempre a um arranjo novo de elementos,
cuja natureza não se modifica conforme figurem no conjunto instrumental ou na
disposição final (que, exceto pela disposição interna, formam sempre o mesmo
objeto): "dir-se-ia que apenas formados, os universos mitológicos se destinam
a ser desmantelados para que novos universos nasçam de seus fragmentos".
(Boas I, p. 18.) Esta observação profunda esquece, entretanto, que, nessa
incessante reconstrução, com o auxílio dos mesmos materiais, são sempre os
antigos fins que são chamados a representar o papel de meios: os significados
tornam-se significantes e inversamente.
Esta fórmula, que poderia servir de definição ao bricolage, explica que,
para a reflexão mítica, o total dos meios disponíveis deve também ser
implicitamente inventariado ou concebido, para que se possa definir um
resultado, que será sempre um compromisso entre a estrutura do conjunto
instrumental e a do projeto. Uma vez realizado, este perderá, inevitavelmente,
o apoio no que diz respeito à intenção inicial (aliás, simples esquema), efeito
que os surrealistas denominaram, com felicidade, "acaso objetivo". Mas há
mais: a poesia do bricolage lhe vem, também, e sobretudo, de que não se
limita a cumprir ou executar; "fala", não somente com as coisas, como já o
demonstramos, como, também, por meio das coisas: contando, pelas escolhas
que faz entre possibilidades limitadas o caráter e a vida de seu autor. Sem
Jamais completar seu projeto, o bricoleur põe-lhe sempre algo de si mesmo.
Sob este ponto de vista ainda, a reflexão mítica aparece como uma
forma intelectual de bricolage. Toda a ciência foi construída sobre a distinção
do contingente e do necessário, que é, também, a do acontecimento e a da
estrutura. As qualidades que, quando do seu nascimento, reivindicava como
suas, eram precisamente aquelas que, não fazendo parte, absolutamente, da
experiência vivida, permaneciam exteriores e como que estranhas aos
acontecimentos; eis o sentido da noção de qualidades primeiras. Ora, a
característica do pensamento mítico, como a do bricolage, no plano prático, é
elaborar conjuntos estruturados, não diretamente com outros conjuntos
estruturados,5 mas utilizando resíduos e fragmentos de acontecimentos. odds
and ends, como diria o inglês, ou, em francês, des bribes et des morceaux,
testemunhas fósseis da história de um indivíduo ou de uma sociedade. Em um
sentido, a relação entre diacronia e sincronia está, portanto, invertida: o
pensamento mítico, este bricoleur, elabora estruturas ordenando os
acontecimentos, ou antes, os resíduos de acontecimentos,6 enquanto que a
ciência, "posta em marcha" pelo simples fato de sua instauração, cria, sob a
forma de eventos, seus meios e seus resultados, graças às estruturas que
fabrica sem cessar - suas hipóteses e teorias. Mas não nos enganemos: não se
trata de dois estágios, ou de duas fases, da evolução do saber, pois os dois
passos são igualmente válidos. Já a física e a química aspiram a tornar-se
qualitativas, isto é, a dar conta também das qualidades segundas, as quais,
quando forem explicadas, se tornarão meios de explicação; e talvez a biologia
marque passo, esperando que isso aconteça, para poder, ela própria, explicar a
vida. Por sua parte, o pensamento mítico não é somente o prisioneiro de
acontecimentos e de experiências, que ordena e reordena, incansavelmente,
para lhes descobrir um sentido, é também libertador, pelo protesto feito contra
a falta de sentido, com que a ciência estava, a principio, resignada a transigir.
*
As considerações anteriores várias vezes tocaram ao de leve no problema da
arte, e talvez se pudesse indicar brevemente como, nessa perspectiva, ela se
introduz a meio caminho entre o conhecimento científico e o pensamento
mítico ou mágico- pois todos sabem que o artista tem, por sua vez, algo do
cientista e do bricoleur: com meios artesanais, ele confecciona um objeto
material que é, ao mesmo tempo, um objeto de conhecimento. Distinguimos o
homem de ciência e o bricoleur pelas funções inversas que, na ordem
instrumental e final, conferem ao acontecimento e à estrutura, um criando
acontecimentos (mudar o mundo) por meio de estruturas, e outro, estruturas
por meio de acontecimentos (fórmula inexata, por ser categórica, mas que
nossa análise deve permitir matizar).
Vejamos agora este retrato de mulher, por Clouet, e perguntemo-nos quais
as razões da emoção estética, muito profunda, que suscita, inexplicavelmente
parece, um cabeção de renda reproduzido fio por fio e num escrupuloso
trompe-1'oeil (Prancha l).
O exemplo de Clouet não vem por acaso; pois sabe-se que ele gostava de
pintar em proporções menores que as naturais: seus quadros são, portanto,
como os jardins japoneses, os carros em miniatura e os navios dentro de
garrafas, o que, em linguagem de bricoleur, se denominam "modelos
reduzidos". Ora, surge a questão de saber se o modelo reduzido, que é
também a "obra-prima" do companheiro, não oferece, sempre e em toda parte,
o tipo mesmo da obra de arte. Pois, parece antes que todo modelo reduzido
tenha vocação estética - e donde tiraria esta virtude constante senão das
próprias dimensões ? — inversamente, a imensa maioria das obras de arte são
também modelos reduzidos. Poder-se-ia crer que este caráter se prenda, de
início, a uma preocupação de economia, levada aos materiais e aos meios, e
invocar, como apoio desta interpretação, obras incontestavelmente artísticas,
se bem que monumentais. É preciso, ainda, entender-se sobre as definições:
as pinturas da Capela Sistina são um modelo reduzido, apesar de suas
dimensões imponentes, porque o tema que elas ilustram é o do fim do mundo.
O mesmo acontece com o simbolismo cósmico dos monumentos religiosos.
Por outro lado, pode-se perguntar se o efeito estético, digamos, de uma estátua
eqüestre de tamanho maior que o natural, provém do fato de ela aumentar o
homem até as dimensões de um rochedo e não do de reduzir o que, primeiro,
de longe, parecia um rochedo, às proporções de um homem. Enfim, mesmo o
"tamanho natural" supõe o modelo reduzido, pois que a transposição gráfica ou
plástica implica sempre a renúncia a certas dimensões do objeto; em pintura, o
volume; as cores, os perfumes, as impressões tácteis, até na escultura; e, nos
dois casos, a dimensão temporal, já que o todo da obra representada é
apreendido num instante.
Que virtude se liga, pois, à redução, quer seja esta de escala, quer afete
as propriedades ? Ela resulta, parece, de uma espécie de inversão do processo
do conhecimento; para conhecer o objeto real em sua totalidade, temos sempre
a tendência de proceder começando por suas partes. A resistência que ele nos
opõe é sobrepujada com a divisão da totalidade. A redução da escala inverte
esta situação: quando menor, a totalidade do objeto parece menos perigosa;
pelo fato de ser quantitativamente diminuída, parece-nos qualitativamente
simplificada. Mais exatamente, essa transposição quantitativa aumenta e varia
o nosso poder sobre um homólogo da coisa; por intermédio dele, ela pode ser
tomada, sopesada na mão, apreendida por um só golpe de vista. A boneca da
criança não é mais um adversário, um rival, ou mesmo um interlocutor; nela, e
por ela, a pessoa se transforma em sujeito. Inversamente do que se passa
quando procuramos conhecer uma coisa ou um ser do tamanho natural, no
modelo reduzido o conhecimento do todo precede o das partes. E, mesmo se
isso é uma ilusão, a razão do procedimento é criar ou manter essa ilusão, que
gratifica a inteligência e a sensibilidade com um prazer que já pode, sobre essa
base unicamente, ser chamado estético.
Temos, até agora, encarado apenas considerações de escala que, como
vimos, implicam uma relação dialética entre grandeza — isto é, quantidade — e
qualidade. Mas o modelo reduzido possui um atributo suplementar: é
construído, man made, e, além do mais, feito a mão. Não é, pois, uma simples
projeção, um homólogo passivo do objeto: constitui uma verdadeira experiência
sobre o objeto. Ora, na medida em que o modelo é artificial, torna-se possível
compreender como ele é feito, e esta apreensão do modo de fabricação
acrescenta uma dimensão suplementar a seu ser; além disso — nós o vimos a
respeito do bricolage, mas o exemplo das "maneiras" dos pintores mostra que
também é verdade na arte — o problema admite sempre várias soluções.
Como a escolhia de uma solução acarreta uma modificação do resultado ao
qual teria levado outra solução, é, pois, o quadro geral dessas permutas que se
acha, virtualmente, dado, ao mesmo tempo que a solução particular oferecida
aos olhos do espectador, que é transformado, por este fato, — sem que ele
mesmo o saiba — em agente. Pela simples contemplação, o espectador é, se
assim se pode dizer, enviado a posse de outras modalidades possíveis da
mesma obra, e da qual ele se sente confusamente criador, a melhor título que o
próprio criador, que as abandonou, excluindo-as de sua criação; e essas
modalidades formam outras tantas perspectivas suplementares, abertas sobre
a obra atualizada. Dito de outra forma, a virtude intrínseca do modelo reduzido
é que compensa a renúncia às dimensões sensíveis com a aquisição de
dimensões inteligíveis.
Voltemos agora ao cabeção de rendas, no quadro de Clouet. Tudo o que
acabamos de dizer ali se aplica, porque, para representá-lo sob a forma de
projeção num espaço de propriedades cujas dimensões sensíveis são menores
e menos numerosas que as do objeto, foi preciso proceder de forma simétrica
e inversa do que faria a ciência, se se tivesse proposto, como é sua função,
produzir - em lugar de reproduzir — não somente um novo ponto de renda, no
lugar de um ponto já conhecido, mas, também, uma renda verdadeira, em lugar
de uma renda figurada. A ciência teria trabalhado, com efeito, na escala real,
mas por meio da invenção de um ofício, enquanto que a arte trabalha em
escala reduzida, tendo por finalidade uma imagem homóloga do objeto. O
primeiro passo é da ordem da metonímia; substitui um ser por outro ser, um
efeito por sua causa, enquanto que o segundo é da ordem da metáfora.
E isto não é tudo. Pois, se é verdade que a relação de prioridade entre
estrutura e acontecimento se manifesta de forma simétrica e inversa na ciência
e no bricolage, está claro que, também desse ponto de vista, a arte ocupa uma
posição intermediária. Mesmo se a representação de um cabeção de renda,
em modelo reduzido, implica, como demonstramos, um conhecimento interno
de sua morfologia e de sua técnica de fabricação (e, se se tratasse de uma
representação humana ou animal, teríamos dito: da anatomia e das atitudes),
ela não se reduz a um diagrama ou a uma tábua tecnológica: realiza a síntese
dessas propriedades intrínsecas e das que dependem de um contexto espacial
e temporal. O resultado final é o cabeção de renda, tal como é absolutamente,
mas, também, tal como aparece, no mesmo instante, modificado pela
perspectiva em que se apresenta, pondo em evidência certas partes e
ocultando outras, cuja existência continua, contudo, a influir sobre o restante:
pelo contraste entre sua brancura e as cores das outras peças do vestuário, o
reflexo do pescoço nacarado, que circunda, e o do céu de um dia e de um
momento; tal também, pelo que significa como enfeite banal ou de aparato,
trazido — novo ou usado, passado a ferro a pouco ou amarrotado — por uma
mulher vulgar ou por uma rainha, cuja fisionomia confirma, anula ou qualifica
sua condição, num meio, numa sociedade, numa região do mundo, num
período da história... Sempre a meio caminho entre o esquema e o particular
curioso, o gênio do pintor consiste em unir conhecimento interno e externo, ser
e devir; em produzir, com seu pincel, um objeto que não existe como objeto e
que ele, pintor, sabe, entretanto, criar em sua tela, síntese exatamente
equilibrada de uma ou de várias estruturas artificiais e naturais e de um ou de
vários acontecimentos naturais e sociais. A emoção estética provém dessa
união instituída dentro de uma coisa criada pelo homem, e por conseguinte,
também, virtualmente pelo espectador, que lhe descobre a possibilidade
através da obra de arte, entre a ordem da estrutura e a ordem do
acontecimento.
Esta análise nos leva a fazer várias observações. Em primeiro lugar,
permite compreender melhor por que os mitos nos aparecem,
simultaneamente, como sistemas de relações abstratas e como objetos de
contemplação estética: com efeito, o ato criador que gera o mito é simétrico e
inverso ao que se encontra na origem da obra de arte. Neste último caso,
parte-se de um conjunto formado por um ou por vários objetos e por um ou por
vários acontecimentos, ao qual a criação estética confere um caráter de
totalidade, com pôr em evidência uma estrutura comum. O mito segue o
mesmo percurso, mas noutro sentido: utiliza uma estrutura para produzir um
objeto absoluto que ofereça o aspecto de um conjunto de acontecimentos (já
que todo mito conta uma estória). A arte procede, por conseguinte, a partir de
um conjunto: (objeto + acontecimento) e vai à descoberta de sua estrutura; o
mito parte de uma estrutura, por meio da qual empreende a construção de um
conjunto: (objeto + acontecimento).
Se esta primeira observação nos leva a generalizar nossa interpretação, a
segunda nos conduziria, antes, a restringi-la. É verdade que toda obra de arte
consiste em uma integração da estrutura e do acontecimento? Não se pode
dizer nada disso, parece, dessa clava tlingit de cedro, para matar peixes, que
vejo pousada numa prateleira da minha biblioteca, enquanto escrevo estas
linhas ( Prancha 2 ). O artista, que a esculpiu em forma de monstro marinho,
desejou que o corpo do utensílio se confundisse com o corpo do animal, o cabo
com a cauda, e que as proporções anatômicas, atribuídas a uma criatura de
fábula, fossem tais que o objeto pudesse ser o animal cruel, matador de vítimas
impotentes, ao mesmo tempo que uma arma de pesca bem equilibrada, que
um homem maneja com facilidade e da qual obtém resultados eficazes. Tudo
parece portanto, estrutural nesse utensílio, que é também uma maravilhosa
obra de arte: tanto seu simbolismo mítico quanto sua função prática. Mais
exatamente, o objeto, sua função e seu símbolo, parecem dobrados, um sobre
o outro, e formar um sistema fechado, no qual o acontecimento não tem
nenhuma oportunidade de introduzir-se. A posição, o aspecto, a expressão do
monstro, nada devem às circunstâncias históricas nas quais o artista pôde
distingui-lo "em carne e osso", sonhá-lo ou conceber-lhe a idéia. Dir-se-ia,
antes, que seu ser, imutável, esta definitivamente fixado numa matéria lenhosa,
cuja granulação muito fina permite traduzir todos os seus aspectos, e num
emprego a que sua forma empírica parece tê-lo predestinado. Ora, tudo o que
acaba de ser dito de um objeto particular, vale também para outros produtos da
arte primitiva: uma estátua africana uma máscara melanésia... Não teríamos,
portanto definido senão uma forma histórica e local da criação estética, crendo
atingir, não apenas suas propriedades fundamentais, mas aquelas pelas quais
sua relação inteligível se estabeleceu com outras formas de criação?
Para superar esta dificuldade, basta, acreditamos, ampliar nossa
interpretação. Isso que, a propósito de um quadro de Clouet, definimos,
provisoriamente, como um acontecimento ou um conjunto de acontecimentos,
aparece-nos, agora sob um ângulo mais geral: o acontecimento não é senão
uma forma da contingência, cuja integração a uma estrutura (percebida como
necessária) gera a emoção estética, e isso, qualquer que seja o tipo de arte
considerado. Segundo o estilo, o lugar e a época, esta contingência se
manifesta sob três aspectos diferentes ou em três momentos distintos da
criação artística (e que podem, aliás, acumular-se): ela se situa no nível da
ocasião, da execução ou da finalidade. No primeiro caso, somente, a
contingência toma a forma de acontecimento, isto é, uma contingência exterior
e anterior ao ato criador. O artista a apreende de fora: uma atitude, uma
expressão, uma iluminação, uma situação, das quais ele capta a relação
sensível e inteligível para com a estrutura do objeto que essas modalidades
afetam e que ele incorpora à sua obra. Mas pode ser também que a
contingência se manifeste a título intrínseco, no decorrer da execução: no
tamanho ou na forma do pedaço de madeira de que o escultor dispõe, na
orientação das fibras, na qualidade da granulação, na imperfeição das
ferramentas de que ele se serve, nas resistências opostas pela matéria ou
pelo projeto ao trabalho em vias de execução, nos incidentes imprevisíveis
que surgirão no decurso da obra. Enfim, a contingência pode ser extrínseca,
como no primeiro caso, mas posterior (e não mais anterior) ao ato de criação:
é o que acontece cada vez que a obra é destinada a um determinado uso,
porque será em função das modalidades e das fases virtuais de seu emprego
futuro (e, portanto, colocando-se, consciente ou inconscientemente, no lugar
do usuário) que o artista elaborará sua obra.
Segundo os casos, por conseguinte, o processo da criação artística
consistirá, no quadro imutável de um confronto entre a estrutura e o acidente,
em procurar o diálogo, seja com o modelo, seja com a matéria, seja com o
usuário, levando em conta este ou aquela cuja mensagem em especial o artista
antecipa no trabalho. A grosso modo, cada eventualidade corresponde a um
tipo de arte, fácil de determinar: a primeira, às artes plásticas do Ocidente; a
segunda, às artes ditas primitivas ou de época remota; a terceira, às artes
aplicadas. Mas, tomando essas atribuições ao pé da letra, simplificar-se-ia
excessivamente. Toda forma de arte comporta os três aspectos e apenas se
distingue dos outros pela sua dosagem relativa. É bem verdade, por exemplo,
que mesmo o mais acadêmico dos pintores se choca com problemas de
execução e que todas as artes ditas primitivas têm duplamente o caráter de
aplicadas: primeiro, porque muitas de suas produções são objetos técnicos; e,
em seguida, porque, mesmo aquelas de suas criações que parecem mais ao
abrigo de preocupações práticas, têm uma finalidade precisa. Sabe-se, enfim,
que, mesmo entre nós, os utensílios se prestam a uma contemplação
desinteressada.
Feitas estas reservas, pode-se facilmente verificar que os três aspectos
estão ligados funcionalmente e que a predominância de um restringe ou
suprime o lugar deixado aos outros. A chamada pintura erudita está, ou julgamna
estar, liberta sob o duplo ponto de vista da execução e da finalidade. Atesta,
nos seus melhores exemplos, um completo domínio das dificuldades técnicas
(que se podem considerar, aliás definitivamente superadas, desde Van der
Weyden, depois de quem os problemas apresentados pêlos pintores não são
mais que física recreativa). Tudo se passa, afinal, como se, com sua tela, suas
cores e seus pincéis, o pintor pudesse fazer exatamente o que lhe agradasse.
Por outro lado, o pintor tende a fazer de sua obra um objeto que seja
independente de qualquer contingência, e que valha em si e para si mesmo; é,
aliás, isto que implica a fórmula do quadro "de cavalete". Livre da contingência,
sob o duplo ponto de vista da execução e da finalidade, a pintura erudita pode,
pois, reportá-la inteiramente à ocasião; e, se nossa interpretação é exata, não
pode mesmo dispensá-lo.
Define-se, portanto, como pintura "de gênero", com a condição de ampliar,
consideravelmente, o sentido dessa locução. Pois, na perspectiva muito geral
em que nos colocamos aqui, o esforço do retratista — seja ele Rembrandt —
para captar, na sua tela, a mais reveladora das expressões e até os
pensamentos secretos de seu modelo, faz parte do mesmo gênero que o de
um Detaille, cujas composições respeitam a hora e a ordem da batalha, o
número e a disposição dos botões, pêlos quais se reconhecem os uniformes de
cada corpo militar. Se nos pregam uma peça desrespeitosa, num e noutro
caso, "a ocasião faz o ladrão". Com as artes aplicadas, as proporções
respectivas dos três aspectos se invertem; estas artes dão a predominância à
finalidade e à execução, cujas contingências são, aproximadamente,
equilibradas, nos espécimes que julgamos os mais "puros", excluindo, ao
mesmo tempo, a ocasião, como o vemos no fato de uma xícara, uma taça, um
objeto de
palha (cesto) ou um tecido nos parecerem perfeitos quando seu valor prático se
afirma intemporal: correspondendo plenamente à função para homens
diferentes, pela época e pela civilização. Se as dificuldades de execução estão
inteiramente dominadas (como é o caso da execução confiada a máquinas), a
finalidade pode tornar-se cada vez mais precisa e particular, e a arte aplicada
transforma-se em arte industrial; chamamo-la camponesa ou rústica, no caso
inverso. Enfim, a arte primitiva situa-se no oposto da arte erudita ou acadêmica:
esta última interioriza a execução (da qual é, ou se crê, senhora) e a finalidade
(pois a "arte pela arte" é para ela seu próprio fim). Em conseqüência, é levada
a exteriorizar a ocasião (e pede ao modelo que lha ofereça): esta se torna,
assim, uma parte do significado. Em compensação a arte primitiva interioriza a
ocasião (já que os seres sobrenaturais, que se apraz em representar, têm uma
realidade independente das circunstâncias e intemporal) e exterioriza a
execução e a finalidade, que se tornam, assim, uma parte do significante.
Encontramos, deste modo, em outro plano, esse diálogo com a matéria e
os meios de execução, pelo qual tínhamos definido o bricolage. Para a filosofia
da arte, o problema essencial é saber se o artista lhe reconhece ou não a
qualidade de interlocutor. Sem dúvida, reconhecemo-la sempre, mas em grau
mínimo na arte demasiado erudita, e, em grau máximo na arte bruta ou
ingênua, que se confina com o bricolage e em detrimento da estrutura, nos dois
casos. Contudo, nenhuma forma de arte mereceria este nome se se deixasse
captar toda inteira pelas contingências extrínsecas, seja a da ocasião ou a da
finalidade; pois a obra cairia, então, ao nível de ícone (suplementar ao modelo)
ou de instrumento (complementar à matéria trabalhada). Mesmo a mais erudita
das artes, se nos emociona, só atinge este resultado com a condição de parar
a tempo essa dissipação da contingência em benefício do pretexto e de a
incorporar à obra, conferindo-lhe a dignidade de um objeto absoluto. Se as
artes arcaicas, as artes primevas e os períodos "primitivos" das artes eruditas
são os únicos que não envelhecem, devem-no a essa consagração do acidente
a serviço da execução, logo, ao emprego, que procuram tornar integral, do
dado bruto como matéria empírica de uma
significação.7
É preciso, enfim, acrescentar que o equilíbrio entre estrutura e
acontecimento, necessidade e contingência, interioridade e exterioridade, é um
equilíbrio precário, constantemente ameaçado pelas trações que se exercem,
num sentido e noutro conforme as flutuações da moda, do estilo e das
condições sociais gerais. Sob este ponto de vista, o impressionismo e o
cubismo aparecem menos como duas etapas sucessivas do desenvolvimento
da pintura do que como dois empreendimentos cúmplices, se bem que não
tenham nascido no mesmo instante, agindo em conivência para prolongar, por
deformações complementares, uma forma de expressão cuja existência
(percebe-se melhor hoje) estava gravemente ameaçada. A voga intermitente da
"colagem", nascida no momento em que morria o artesanato, poderia não ser,
por seu lado, mais do que uma transposição do bricolage para o terreno dos
fins contemplativos. Enfim, o acento sobre o aspecto acontecimental pode,
também, dissociar-se, de acordo com os momentos, destacando melhor, à
custa da estrutura (entenda-se: a estrutura de mesmo nível, pois não está
excluído que o aspecto estrutural se restabeleça alhures e num novo plano),
ora a temporalidade social (como no fim do século XVIII, com Greuze ou com o
realismo socialista), ora a temporalidade natural e, mesmo meteorológica (no
impressionismo).
*
Se, no plano especulativo, o pensamento mítico não deixa de ter analogia
com o bricolage no plano prático, e se a criação artística se coloca a igual
distância entre estas duas formas de atividade e a ciência, o jogo e o rito
oferecem entre si relações do mesmo tipo.
Todo jogo se define pelo conjunto de suas regras, que tornam possível um
número praticamente ilimitado de partidas; mas o rito, que se "joga" também,
parece mais uma partida privilegiada, retida entre todas as possíveis, porque
só ela resulta num certo tipo de equilíbrio entre os dois campos. A transposição
é fácil de verificar no caso dos gahuku-gama, da Nova-Guiné, que aprenderam
o futebol, mas que jogam, vários dias seguidos, tantas partidas quantas se
tornem necessárias para que se equilibrem exatamente as perdidas e as
ganhas por cada equipe (Read, p. 429), o que é tratar o jogo como um rito.
Pode-se dizer o mesmo dos jogos que se desenrolavam entre os índios
fox, quando das cerimônias de adoção cuja finalidade era substituir um parente
morto por um parente vivo e permitir, assim, a partida definitiva da alma do
defunto.8 Os ritos funerários dos fox parecem, com efeito, inspirados na
preocupação maior de se desembaraçar dos mortos e de impedir que se
vinguem dos vivos, por causa da amargura e das saudades que sentem, por
não estarem mais no meio deles. A filosofia indígena adota, pois,
resolutamente, o partido dos vivos: "A morte é difícil de suportar, e mais difícil
ainda é o desgosto".
A origem, da morte remonta a destruição, por potências sobrenaturais, do
mais jovem de dois irmãos míticos que representam o papel de heróis culturais
entre todos os algonquim. Mas a morte não era ainda definitiva: foi o mais
velho que a tornou assim, rejeitando, apesar de sua dor, o pedido do fantasma,
que queria retomar o seu lugar entre os vivos. Conforme este exemplo, os
homens deverão mostrar-se firmes em relação aos mortos: os vivos fá-los-ão
compreender que nada perderam morrendo, pois receberão, regularmente,
oferendas de fumo e de comida; em troca, esperam deles que, como
compensação dessa morte, cuja realidade lembram aos vivos, e da dor que
lhes causou sua morte, lhes garantam uma longa existência, roupas e o que
comer; "Daí em diante, são os mortos que trazem a abundância", comenta o
informante indígena, "eles (os índios) devem bajulá-los (coax Them) para isso .
(Michelson I, pp. 369, 407.)
Ora, os ritos de adoção, indispensáveis para decidir a alma do morto a
partir definitivamente para o outro mundo, onde assumirá seu papel de espírito
protetor, acompanham-se, normalmente, de competições desportivas, jogos de
destreza ou de sorte, entre equipes constituídas, conforme uma divisão ad hoc
em duas metades: tokan de um lado, kicko do outro; e é dito expressamente,
vezes repetidas, que o jogo opõe os vivos aos mortos, como se, antes de se
desembaraçarem definitivamente dele os vivos oferecessem ao defunto a
consolação de uma última partida. Mas, dessa assimetria principal entre as
duas equipes, resulta, automaticamente, que o resultado é determinado, por
antecipação.
"Eis o que se passa quando jogam a péla. Se o homem (o defunto)
por quem se celebra o rito de adoção era um tokana, os tokanagi
ganham a partida, os kickoagi não podem ganhar. E, se a festa se
realiza para a defunta kicko, os kickoagi ganham e são os tokanagi que
não podem ganhar." (Michelson /, p. 385.)
De fato, qual é a realidade? No grande jogo biológico e social, que se
desenrola perpetuamente entre vivos e mortos, está claro que os únicos
ganhadores são os primeiros. Mas — e toda a mitologia norte-americana está
aí para confirmá-lo — de uma forma simbólica (que inumeráveis mitos
descrevem como real), ganhar no jogo é "matar" o adversário. Prescrevendo
sempre o triunfo da equipe dos mortos, dá-se, por conseguinte, a estes a ilusão
de que são os verdadeiros vivos e que seus adversários estão mortos, já que
eles os "matam". Fingindo jogar com os mortos, os vivos os enganam e os
manietam. A estrutura formal disso que, à primeira vista, poderia parecer uma
competição desportiva, é, em todos os pontos, semelhante à de um puro ritual,
tal como o mitawit ou midewiwin, das mesmas populações algonquim, no qual
os neófitos se fazem matar, simbolicamente, pêlos mortos, representados pêlos
iniciados, a fim de obterem um suplemento de vida real mediante uma morte
simulada. Nos dois casos, usurpa-se a morte, mas somente para enganá-la.
O jogo aparece, portanto, como disjuntivo: ele resulta na criação de uma
divisão diferencial entre jogadores individuais ou equipes, que nada designava,
previamente, como desiguais. Todavia, no fim da partida, distinguir-se-ão em
ganhadores e perdedores. De forma simétrica e inversa, o ritual é conjuntivo,
pois institui uma união (pode dizer-se aqui uma comunhão) ou, em todo caso,
uma relação orgânica, entre dois grupos (que se confundem, por fim, um com a
personagem do oficiante; o outro, com a coletividade dos fiéis) e que eram
dissociados no inicio. No caso do jogo, a simetria é pois, pré-ordenada; e ela é
estrutural, já que decorre do princípio de que as regras são as mesmas para as
duas equipes. A assimetria por sua vez é engendrada; decorre inevitavelmente
da contingência dos acontecimentos, dependam eles da intenção, da sorte ou
do talento. No caso do ritual, é o inverso: estabelece-se uma assimetria
preconcebida e postulada entre profano e sagrado, fiéis e oficiantes, mortos e
vivos, iniciados e não-iniciados, etc., e o "jogo" consiste em fazer passar todos
os participantes para o lado do ganhador, por meio de acontecimentos cuja
natureza e disposição possuem caráter verdadeiramente estrutural. Como a
ciência (se bem que aqui, ainda, ora no plano especulativo, ora no plano
prático), o jogo produz acontecimentos a partir de uma estrutura: compreendese,
pois, que os jogos de competição prosperem em nossas sociedades
industriais; enquanto que os ritos e os mitos, à maneira do bricolage (que essas
mesmas sociedades industriais não mais toleram senão como hobby ou
passatempo), decompõem e recompõem conjuntos acontecimentais (no plano
psíquico, sócio-histórico ou técnico) e deles se servem como de outras tantas
peças indestrutíveis, em vista de arranjos estruturais que exercem,
alternativamente, o papel de fins ou de meios.
1 Também 45 espécies de cogumelos comestíveis (l.c., p. 231)e, no plano
tecnológico, 50 tipos de flechas diferentes ( id., pp. 265-268).
2 Cf.infra, pp.164-165 e 179-181.
3 Procurou-se saber o que se passaria se um minério de cobre fosse
acidentalmente misturado a uma lareira: experiências múltiplas e variadas
estabeleceram que nada se passaria. O procedimento mais simples, pelo qual
se teria conseguido obter metal fundido, consiste em esquentar intensamente a
malaquita finamente pulverizada numa taça de argila coberta por um vazo
virado. Este único resultado já faz prisioneiro o acaso, no recinto do forno de
um oleiro especializado em louça vidrada ( coghlan).
* Para melhor acompanhar o autor em suas considerações sobre o
pensamento mítico, mantivemos nesta tradução os termos bricoler,
bricoleur e bricolage que, no seu sentido atual, exemplificam com grande
felicidade, o modus operandi da reflexão mitopoética. O bricoleur 'é o que
executa um trabalho "usando meios e expedientes que denunciam a
ausência de um plano preconcebido e se afastam dos processos e normas
adotados pela técnica. Caracteriza-o especialmente o fato de operar com
materiais fragmentários, já elaborados, ao contrário, por exemplo, do
engenheiro que, para"dar execução à seu trabalho, necessita da matériaprima.
Evitamos assim o emprego de um brasileirismo como "curioso" o
qual, além de discutivelmente definido, se mostraria insuficiente para dar
conta das várias facetas por que pode ser encarado o bricoleur francês. (N.
dos Trads.)
4 "Tesouro de idéias", dizem admiravelmente da magia HUBERT e MAUSS (2,
p. 186).
5 O pensamento mítico constrói conjuntos estruturados, por meio de um
conjunto estruturado, que é a linguagem; mas não é ao nível da estrutura que
ele se assenhoreia: constrói seus palácios ideológicos com os restos de uma
antiga linguagem social.
6 O bricolage também opera com qualidades de segunda classe; cf. o inglês
second hand, de segunda mão, de ocasião.
7 Prosseguindo esta análise, poder-se-ia definir a pintura não-figurativa por
dois caracteres. Um, que lhe é comum com a pintura de cavalete, consiste
numa rejeição total da contingência de finalidade: o quadro não é feito para
um emprego particular. O outro caráter, que é próprio da pintura não figurativa,
consiste numa exploração metódica da contingência de execução, de que se
pretende fazer o pretexto ou a ocasião externa do quadro. A pintura nãofigurativa
adota "maneiras" à guisa de “motivos”; pretende dar uma
representação concreta das condições formais de toda pintura. Disto resulta
paradoxalmente, que a pintura não-figurativa não cria, como acredita, obras
tão reais – senão mais – quanto os objetos do mundo físico, mas imitações
realistas de modelos "não-existentes. É uma escola de pintura acadêmica, na
qual cada artista se esmera em representar a maneira pela qual executaria
seus quadros se porventura os pintasse.
8 Cf. infra, p. 231 n.








Pesquisar este blog

Carregando...
arte (407) pintura (248) filosofia (102) fotografia (89) literatura (84) psicanálise (57) morte (37) HQ (28) freud (28) peanuts (27) skull (27) antropologia (26) comic (24) poesia (23) lacan (22) PSYCHOANALYSIS (20) Desenho (17) Picasso (15) o seminário (15) Bresson (13) cat (12) oriente (12) borges (11) kant (11) psicologia (11) foucault (10) levi-strauss (10) platão (10) SONHOS (9) religião (9) Kirchner (8) biografia (8) kafka (8) love (8) Ernest Max (7) Guimaraes Rosa (7) Ken Rosenthal (7) Mark Eshbaugh (7) NIETZSCHE (6) Salvador Dali (6) aristóteles (6) manet (6) snoopy (6) sociologia (6) Animais (5) Aristotle (5) Escher (5) Geertz (5) Hundertwasser (5) Lauren Simonutti (5) Sommer (5) medicina (5) munch (5) Arthur DOVE (4) CINEMA (4) Carl LARSSON (4) Cézanne (4) DICIONARIO (4) Descartes (4) Doré (4) Ernest Jones (4) Ernst HAAS (4) Guido Crepax (4) H. Bergson (4) Julio Cortázar (4) Kacere (4) Locke (4) Mucha (4) Richter (4) Van Gogh (4) Will Barnet (4) alexandre koyrè (4) caveira (4) drummond (4) gravura (4) hegel (4) história (4) linguística (4) monet (4) música (4) sartre (4) teatro (4) televisão (4) universo (4) verdade (4) Abbas (3) Arthur Rackham (3) Avigdor (3) Blake (3) CORINTH (3) Cambon (3) Connie Imboden (3) David Hockney (3) F. Hodler (3) Frida KAHLO (3) GEORGES BATAILLE (3) James Joyce (3) Kojeve (3) Konrad LORENZ (3) Lori Nix (3) M. J. A. Eguiño (3) Marcel MAUSS (3) Marqués de Sade (3) Marx (3) Memling (3) Pierre Bourdieu (3) Psychiatry (3) SENECA (3) Schopenhauer (3) Tom Chambers (3) Winnicott (3) arroyo (3) autobiografia (3) baby (3) caravaggio (3) cristianismo (3) dickens (3) einstein (3) erwitt (3) etologia (3) fisica (3) magia (3) planetas (3) B. F. Skinner (2) BACHELARD (2) Birman J. (2) CERVANTES (2) Castillo (2) Dix (2) Dulac (2) E. HOPPER (2) E. Nodel (2) ETNOLOGÍA (2) Ernest HAAS (2) Ferenczi (2) G. JOHN (2) GEORGE CANGUILHEM (2) Gustav Caillebotte (2) Hipocrates (2) J. Ensor (2) J. J. Tissot (2) JUNG (2) John Donne (2) KARL JASPERS (2) KIERKEGAARD (2) Kandinsky (2) Klimt (2) L. da VINCI (2) LOUIS ALTHUSSER (2) Lewis Carroll (2) M. Dzama (2) MAUGHAM (2) MERLEAU - PONTY (2) Mann (2) Melanie Klein (2) Neil Welliver (2) Norman Rockwell (2) Pascal (2) Piaget (2) Pollock (2) Quino (2) Roland Barthes (2) Sahlins (2) Serge Leclaire (2) St. Agostinho (2) Stratton (2) Vinicus de Moraes (2) Vuillard (2) WITTGENSTEIN (2) amor (2) beauvoir (2) biology (2) cogito (2) critica (2) cultura (2) diabo (2) erotic (2) estruturalismo (2) gide (2) guerra (2) loucura (2) lua (2) mind (2) mitologia (2) mitos (2) rilke (2) salomão (2) saturno (2) sono (2) sócrates (2) vida (2) ética (2) A. Comte (1) A. Warhol (1) Alix Malka (1) Andreas Gursky (1) Anticristo (1) Arcimboldo (1) Aristófanes (1) Augusto dos Anjos (1) B. Barbey (1) B. Jacklin (1) Bagheria (1) Barbara Morgan (1) Basquiat (1) Berkeley (1) Bhagavad-Gita (1) Bhopal (1) Bocklin (1) Bouguereau (1) Brauner (1) Bruegel (1) Brueghel (1) Brueguel (1) Burt GLINN (1) CALOUSTE GULBENKIAN (1) CAZOTTE (1) CRVANTES (1) Charles S. Peirce (1) Chavannes (1) China (1) Claesz (1) Confucius (1) Confúncio (1) D. (1) DAVIS Stuart (1) DEGAS (1) DELACROIX (1) Dalton Trevisan (1) Deleuze (1) Denis (1) Design (1) Diebenkorn (1) Diógenes (1) E. (1) ERNST CASSIRER (1) Emile Durkheim (1) Empédocles (1) Epimenides (1) F. Vallotton (1) FERDINAND DE SAUSSURE (1) Feuerbach (1) Feyerabend (1) Florbela Espanca (1) Franceco Clemente (1) Franz Marc (1) GROOT (1) GUSTON (1) Galileu (1) Gestalt (1) Graham (1) Grécia (1) Guercino (1) H. Arendt (1) H. MARCUSE (1) Hals (1) Helmut Newton (1) Holbien (1) Hume (1) J. Derrida (1) J.-F. Millet (1) Jan Van KESSEL (1) Jean Laplanche (1) KROYER (1) Kandel E. (1) Keane (1) Kim (1) Kitaoka (1) Klee (1) Knight (1) Korand Von SOEST (1) Kôhler (1) Liev Tolstói (1) M. Mead (1) Malinowski (1) Mantegna (1) Mark Petrick (1) Max Weber (1) Mário Quintana (1) Münter (1) N. Chomsky (1) NEIL GAIMAN (1) Nasio (1) Otto Rank (1) Ovídio (1) Palencia (1) Parmênides (1) Paul DELVAUX (1) Peter HILLE (1) Raduan Nassar (1) Ron Van Dongen (1) S. Franklin (1) Sandman (1) Satrapi (1) Schiele (1) Shakespeare (1) Silvers (1) Siqueiros (1) Spinoza (1) St. T. de Aquino (1) TELEPATIA (1) TODOROV (1) Tarsila do Amaral (1) Taschen (1) Thomas HOPKER (1) Truffaut (1) Tycho (1) Uccello (1) Velvet underground Nico (1) Verne (1) Victor Brochard (1) W. Metcalf (1) Web (1) Weinberg (1) William Bailey (1) Woody Allen (1) Xenofonte (1) Y. Utagawa (1) Yoshitoshi (1) alessandro gottardo (1) arcoiris (1) armour (1) arquitetura (1) asselyn (1) ate (1) bassano (1) biblia (1) breton (1) cartoon (1) ceticismo (1) cocaina (1) conto (1) criança (1) dança (1) direito (1) dor (1) eclesiastes (1) economia (1) edgar allan poe (1) edgar morin (1) ego (1) ensaio (1) epicurus (1) espelho (1) estações (1) eu (1) fala (1) feed (1) foto (1) frr (1) física (1) game (1) gato (1) giger (1) girafa (1) goya (1) hamlet (1) hoffmann (1) humor (1) identificação (1) impressionismo (1) intuição (1) jakobson (1) japan (1) krsna (1) kundera (1) lacn (1) leminski (1) lévi-strauss (1) mafalda (1) magritte (1) miró (1) moda (1) moral (1) mundo (1) mãe (1) narrativa (1) nausea (1) neruda (1) nokides (1) ocultismo (1) perguntas (1) poeso (1) poker (1) política (1) praia (1) sabedoria (1) sapatos (1) saramago (1) semina (1) semiótica (1) shopenhauer (1) soutine (1) suicidio (1) swan (1) sêneca (1) tatoo (1) tatuagem (1) tese (1) titã (1) touro (1) umberto eco (1) valentina (1) venus (1) virtude (1) war (1) weeks (1)
 

sobrefulanos by nokides