REJEIÇÕES RELIGIOSAS DO MUNDO E SUAS DIREÇÕES | E OUTROS TEXTOS

| quinta-feira, 29 de outubro de 2009
ÍNDICE
WEBER — Apresentação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 5
Cronologia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 17
Bibliografia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 19
PARLAMENTARISMO E GOVERNO NUMA ALEMANHA
RECONSTRUÍDA . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 21

CAPITALISMO E SOCIEDADE RURAL NA ALEMANHA . . . . 119
O CARÁTER NACIONAL E OS “JUNKERS” . . . . . . . . . . . . . . . . 143
REJEIÇÕES RELIGIOSAS DO MUNDO E SUAS
DIREÇÕES . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 155






OS ECONOMISTAS

MAX WEBER
TEXTOS SELECIONADOS
Traduções de Maurício Tragtenberg, Waltensir Dutra,
Calógeras A. Pajuaba, M. Irene de Q. F. Szmrecsányi,
Tamás J. M. K. Szmrecsányi
Revisão de Cássio Gomes (Parlamentarismo e Governo)
Fundador
VICTOR CIVITA
(1907 - 1990)
Editora Nova Cultural Ltda.
Copyright © desta edição 1997, Círculo do Livro Ltda.
Rua Paes Leme, 524 - 10º andar
CEP 05424-010 - São Paulo - SP
Título original:
Parlament und regierung in Neuordneten Deutschland
(Cap. IV de Parlament und Deutschland); The “Relations of the
Rural community to Other Branches of Social Science” (Congress of
Arts and Science, Universal Exposition, St. Louis, 1904);
“Wahrecht und Demokratie in Deutschland.
Textos publicados sob licença de:
Dunker & Humblot, Berlim
Direitos exclusivos sobre as traduções deste volume:
Círculo do Livro Ltda.
Impressão e acabamento:
DONNELLEY COCHRANE GRÁFICA E EDITORA BRASIL LTDA.
DIVISÃO CÍRCULO - FONE (55 11) 4191-4633
ISBN 85-351-0916-1
APRESENTAÇÃO
Maurício Tragtenberg
Pondo-se de lado alguns trabalhos precursores, como os de Maquiavel
(1469-1527) e Montesquieu (1689-1755), o estudo científico dos
fatos humanos somente começou a se constituir em meados do século
XIX. Nessa época, assistia-se ao triunfo dos métodos das ciências naturais,
concretizadas nas radicais transformações da vida material do
homem, operadas pela Revolução Industrial. Diante dessa comprovação
inequívoca da fecundidade do caminho metodológico apontado por Galileu
(1564-1642) e outros, alguns pensadores que procuravam conhecer
cientificamente os fatos humanos passaram a abordá-los segundo as
coordenadas das ciências naturais. Outros, ao contrário, afirmando a
peculiaridade do fato humano e a conseqüente necessidade de uma
metodologia própria. Essa metodologia deveria levar em consideração
o fato de que o conhecimento dos fenômenos naturais é um conhecimento
de algo externo ao próprio homem, enquanto nas ciências sociais
o que se procura conhecer é a própria experiência humana. De acordo
com a distinção entre experiência externa e experiência interna, poder-
se-ia distinguir uma série de contrastes metodológicos entre os
dois grupos de ciências. As ciências exatas partiriam da observação
sensível e seriam experimentais, procurando obter dados mensuráveis
e regularidades estatísticas que conduzissem à formulação de leis de
caráter matemático.
As ciências humanas, ao contrário, dizendo respeito à própria
experiência humana, seriam introspectivas, utilizando a intuição direta
dos fatos, e procurariam atingir não generalidades de caráter matemático,
mas descrições qualitativas de tipos e formas fundamentais
da vida do espírito.
Os positivistas (como eram chamados os teóricos da identidade
fundamental entre as ciências exatas e as ciências humanas) tinham
suas origens sobretudo na tradição empirista inglesa que remonta a
Francis Bacon (1561-1626) e encontrou expressão em David Hume
5
(1711-1776), nos utilitaristas do século XIX e outros. Nessa linha metodológica
de abordagem dos fatos humanos se colocariam Augusto
Comte (1798-1857) e Émile Durkheim (1858-1917), este considerado
por muitos o fundador da sociologia como disciplina científica. Os antipositivistas,
adeptos da distinção entre ciências humanas e ciências
naturais, foram sobretudo os alemães, vinculados ao idealismo dos filósofos
da época do Romantismo, principalmente Hegel (1770-1831) e
Schleiermacher (1768-1834). Os principais representantes dessa orientação
foram os neokantianos Wilhelm Dilthey (1833-1911), Wilhelm
Windelband (1848-1915) e Heinrich Rickert (1863-1936). Dilthey estabeleceu
uma distinção que fez fortuna: entre explicação (erklären) e
compreensão (verstehen). O modo explicativo seria característico das
ciências naturais, que procuram o relacionamento causal entre os fenômenos.
A compreensão seria o modo típico de proceder das ciências
humanas, que não estudam fatos que possam ser explicados propriamente,
mas visam aos processos permanentemente vivos da experiência
humana e procuram extrair deles seu sentido (Sinn). Os sentidos (ou
significados) são dados, segundo Dilthey, na própria experiência do
investigador, e poderiam ser empaticamente apreendidos na experiência
dos outros.
Dilthey (como Windelband e Rickert), contudo, foi sobretudo filósofo
e historiador e não, propriamente, cientista social, no sentido
que a expressão ganharia no século XX. Outros levaram o método da
compreensão ao estudo de fatos humanos particulares, constituindo
diversas disciplinas compreensivas. Na sociologia, a tarefa ficaria reservada
a Max Weber.
Uma educação humanista apurada
Max Weber nasceu e teve sua formação intelectual no período
em que as primeiras disputas sobre a metodologia das ciências sociais
começavam a surgir na Europa, sobretudo em seu país, a Alemanha.
Filho de uma família da alta classe média, Weber encontrou em sua
casa uma atmosfera intelectualmente estimulante. Seu pai era um
conhecido advogado e desde cedo orientou-o no sentido das humanidades.
Weber recebeu excelente educação secundária em línguas, história
e literatura clássica. Em 1882, começou os estudos superiores
em Heidelberg, continuando-os em Göttingen e Berlim, em cujas universidades
dedicou-se simultaneamente à economia, à história, à filosofia
e ao direito. Concluído o curso, trabalhou na Universidade de
Berlim, na qualidade de livre-docente, ao mesmo tempo que servia
como assessor do governo. Em 1893, casou-se e, no ano seguinte, tornou-
se professor de economia na Universidade de Freiburg, da qual
se transferiu para a de Heidelberg, em 1896. Dois anos depois, sofreu
sérias perturbações nervosas, que o levaram a deixar os trabalhos docentes,
só voltando à atividade em 1903, na qualidade de co-editor do
OS ECONOMISTAS
6
Arquivo de Ciências Sociais (Archiv für Sozialwissenschaft), publicação
extremamente importante no desenvolvimento dos estudos sociológicos
na Alemanha. A partir dessa época, Weber somente deu aulas particulares,
salvo em algumas ocasiões, em que proferiu conferências nas
universidades de Viena e Munique, nos anos que precederam sua morte,
em 1920.
Compreensão e explicação
Dentro das coordenadas metodológicas que se opunham à assimilação
das ciências sociais aos quadros teóricos das ciências naturais,
Weber concebe o objeto da sociologia como, fundamentalmente, “a captação
da relação de sentido” da ação humana. Em outras palavras,
conhecer um fenômeno social seria extrair o conteúdo simbólico da
ação ou ações que o configuram. Por ação, Weber entende “aquela cujo
sentido pensado pelo sujeito ou sujeitos é referido ao comportamento
dos outros, orientando-se por ele o seu comportamento”. Tal colocação
do problema de como se abordar o fato significa que não é possível
propriamente explicá-lo como resultado de um relacionamento de causas
e efeitos (procedimento das ciências naturais), mas compreendê-lo
como fato carregado de sentido, isto é, como algo que aponta para
outros fatos e somente em função dos quais poderia ser conhecido em
toda a sua amplitude.
O método compreensivo, defendido por Weber, consiste em entender
o sentido que as ações de um indivíduo contêm e não apenas
o aspecto exterior dessas mesmas ações. Se, por exemplo, uma pessoa
dá a outra um pedaço de papel, esse fato, em si mesmo, é irrelevante
para o cientista social. Somente quando se sabe que a primeira pessoa
deu o papel para a outra como forma de saldar uma dívida (o pedaço
de papel é um cheque) é que se está diante de um fato propriamente
humano, ou seja, de uma ação carregada de sentido. O fato em questão
não se esgota em si mesmo e aponta para todo um complexo de significações
sociais, na medida em que as duas pessoas envolvidas atribuem
ao pedaço de papel a função de servir como meio de troca ou
pagamento; além disso, essa função é reconhecida por uma comunidade
maior de pessoas.
Segundo Weber, a captação desses sentidos contidos nas ações
humanas não poderia ser realizada por meio, exclusivamente, dos procedimentos
metodológicos das ciências naturais, embora a rigorosa observação
dos fatos (como nas ciências naturais) seja essencial para o
cientista social. Contudo, Weber não pretende cavar um abismo entre
os dois grupos de ciências. Segundo ele, a consideração de que os fenômenos
obedecem a uma regularidade causal envolve referência a
um mesmo esquema lógico de prova, tanto nas ciências naturais quanto
nas humanas. Entretanto, se a lógica da explicação causal é idêntica,
o mesmo não se poderia dizer dos tipos de leis gerais a serem formulados
WEBER
7
para cada um dos dois grupos de disciplinas. As leis sociais, para Weber,
estabelecem relações causais em termos de regras de probabilidades,
segundo as quais a determinados processos devem seguir-se, ou ocorrer
simultaneamente, outros. Essas leis referem-se a construções de “comportamento
com sentido” e servem para explicar processos particulares.
Para que isso seja possível, Weber defende a utilização dos chamados
“tipos ideais”, que representam o primeiro nível de generalização de
conceitos abstratos e, correspondendo às exigências lógicas da prova,
estão intimamente ligados à realidade concreta particular.
O legal e o típico
O conceito de tipo ideal corresponde, no pensamento weberiano,
a um processo de conceituação que abstrai de fenômenos concretos o
que existe de particular, constituindo assim um conceito individualizante
ou, nas palavras do próprio Weber, um “conceito histórico-concreto”.
A ênfase na caracterização sistemática dos padrões individuais
concretos (característica das ciências humanas) opõe a conceituação
típico-ideal à conceituação generalizadora, tal como esta é conhecida
nas ciências naturais.
A conceituação generalizadora, como revela a própria expressão,
retira do fenômeno concreto aquilo que ele tem de geral, isto é, as
uniformidades e regularidades observadas em diferentes fenômenos
constitutivos de uma mesma classe. A relação entre o conceito genérico
e o fenômeno concreto é de natureza tal que permite classificar cada
fenômeno particular de acordo com os traços gerais apresentados pelo
mesmo, considerando acidental tudo o que não se enquadre dentro da
generalidade. Além disso, a conceituação generalizadora considera o
fenômeno particular um caso cujas características gerais podem ser
deduzidas de uma lei.
A conceituação típico-ideal chega a resultados diferentes da conceituação
generalizadora. O tipo ideal, segundo Weber, expõe como se
desenvolveria uma forma particular de ação social se o fizesse racionalmente
em direção a um fim e se fosse orientada de forma a atingir
um e somente um fim. Assim, o tipo ideal não descreveria um curso
concreto de ação, mas um desenvolvimento normativamente ideal, isto
é, um curso de ação “objetivamente possível”. O tipo ideal é um conceito
vazio de conteúdo real: ele depura as propriedades dos fenômenos reais
desencarnando-os pela análise, para depois reconstruí-los. Quando se
trata de tipos complexos (formados por várias propriedades), essa reconstrução
assume a forma de síntese, que não recupera os fenômenos
em sua real concreção, mas que os idealiza em uma articulação significativa
de abstrações. Desse modo, se constitui uma “pauta de contrastação”,
que permite situar os fenômenos reais em sua relatividade.
Por conseguinte, o tipo ideal não constitui nem uma hipótese nem uma
proposição e, assim, não pode ser falso nem verdadeiro, mas válido ou
OS ECONOMISTAS
8
não-válido, de acordo com sua utilidade para a compreensão significativa
dos acontecimentos estudados pelo investigador.
No que se refere à aplicação do tipo ideal no tratamento da realidade,
ela se dá de dois modos. O primeiro é um processo de contrastação
conceitual que permite simplesmente apreender os fatos segundo
sua maior ou menor aproximação ao tipo ideal. O segundo consiste na
formulação de hipóteses explicativas. Por exemplo: para a explicação
de um pânico na bolsa de valores, seria possível, em primeiro lugar,
supor como se desenvolveria o fenômeno na ausência de quaisquer
sentimentos irracionais; somente depois se poderia introduzir tais sentimentos
como fatores de perturbação. Da mesma forma se poderia
proceder para a explicação de uma ação militar ou política. Primeiro
se fixaria, hipoteticamente, como se teria desenvolvido a ação se todas
as intenções dos participantes fossem conhecidas e se a escolha dos
meios por parte dos mesmos tivesse sido orientada de maneira rigorosamente
racional em relação a certo fim. Somente assim se poderia
atribuir os desvios aos fatores irracionais.
Nos exemplos acima é patente a dicotomia estabelecida por Weber
entre o racional e o irracional, ambos conceitos fundamentais de sua
metodologia. Para Weber, uma ação é racional quando cumpre duas
condições. Em primeiro lugar, uma ação é racional na medida em que
é orientada para um objetivo claramente formulado, ou para um conjunto
de valores, também claramente formulados e logicamente consistentes.
Em segundo lugar, uma ação é racional quando os meios
escolhidos para se atingir o objetivo são os mais adequados.
Uma vez de posse desses instrumentos analíticos, formulados
para a explicação da realidade social concreta ou, mais exatamente,
de uma porção dessa realidade, Weber elabora um sistema compreensivo
de conceitos, estabelecendo uma terminologia precisa como tarefa
preliminar para a análise das inter-relações entre os fenômenos sociais.
De acordo com o vocabulário weberiano, são quatro os tipos de ação
que cumpre distinguir claramente: ação racional em relação a fins,
ação racional em relação a valores, ação afetiva e ação tradicional.
Esta última, baseada no hábito, está na fronteira do que pode ser
considerado ação e faz Weber chamar a atenção para o problema de
fluidez dos limites, isto é, para a virtual impossibilidade de se encontrarem
“ações puras”. Em outros termos, segundo Weber, muito raramente
a ação social orienta-se exclusivamente conforme um ou outro
dos quatro tipos. Do mesmo modo, essas formas de orientação não
podem ser consideradas exaustivas. Seriam tipos puramente conceituais,
construídos para fins de análise sociológica, jamais encontrando-
se na realidade em toda a sua pureza; na maior parte dos casos,
os quatro tipos de ação encontram-se misturados. Somente os resultados
que com eles se obtenham na análise da realidade social podem dar
a medida de sua conveniência. Para qualquer um desses tipos tanto
WEBER
9
seria possível encontrar fenômenos sociais que poderiam ser incluídos
neles, quanto se poderia também deparar com fatos limítrofes entre
um e outro tipo. Entretanto, observa Weber, essa fluidez só pode ser
claramente percebida quando os próprios conceitos tipológicos não são
fluidos e estabelecem fronteiras rígidas entre um e outro. Um conceito
bem definido estabelece nitidamente propriedades cuja presença nos
fenômenos sociais permite diferenciar um fenômeno de outro; estes,
contudo, raramente podem ser classificados de forma rígida.
O sistema de tipos ideais
Na primeira parte de Economia e Sociedade, Max Weber expõe
seu sistema de tipos ideais, entre os quais os de lei, democracia, capitalismo,
feudalismo, sociedade, burocracia, patrimonialismo, sultanismo.
Todos esses tipos ideais são apresentados pelo autor como conceitos
definidos conforme critérios pessoais, isto é, trata-se de conceituações
do que ele entende pelo termo empregado, de forma a que o
leitor perceba claramente do que ele está falando. O importante nessa
tipologia reside no meticuloso cuidado com que Weber articula suas
definições e na maneira sistemática com que esses conceitos são relacionados
uns aos outros. A partir dos conceitos mais gerais do comportamento
social e das relações sociais, Weber formula novos conceitos mais específicos,
pormenorizando cada vez mais as características concretas.
Sua abordagem em termos de tipos ideais coloca-se em oposição,
por um lado, à explicação estrutural dos fenômenos, e, por outro, à
perspectiva que vê os fenômenos como entidades qualitativamente diferentes.
Para Weber, as singularidades históricas resultam de combinações
específicas de fatores gerais que, se isolados, são quantificáveis,
de tal modo que os mesmos elementos podem ser vistos numa
série de outras combinações singulares. Tudo aquilo que se afirma de
uma ação concreta, seus graus de adequação de sentido, sua explicação
compreensiva e causal, seriam hipóteses suscetíveis de verificação. Para
Weber, a interpretação causal correta de uma ação concreta significa
que “o desenvolvimento externo e o motivo da ação foram conhecidos
de modo certo e, ao mesmo tempo, compreendidos com sentido em sua
relação”. Por outro lado, a interpretação causal correta de uma ação
típica significa que o acontecimento considerado típico se oferece com
adequação de sentido e pode ser comprovado como causalmente adequado,
pelo menos em algum grau.
O capitalismo é protestante?
As soluções encontradas por Weber para os intrincados problemas
metodológicos que ocuparam a atenção dos cientistas sociais do começo
do século XX permitiram-lhe lançar novas luzes sobre vários problemas
sociais e históricos, e fazer contribuições extremamente importantes
OS ECONOMISTAS
10
para as ciências sociais. Particularmente relevantes nesse sentido foram
seus estudos sobre a sociologia da religião, mais exatamente suas interpretações
sobre as relações entre as idéias e atitudes religiosas, por um
lado, e as atividades e organização econômica correspondentes, por outro.
Esses estudos de Weber, embora incompletos, foram publicados
nos três volumes de sua Sociologia da Religião. A linha mestra dessa
obra é constituída pelo exame dos aspectos mais importantes da ordem
social e econômica do mundo ocidental, nas várias etapas de seu desenvolvimento
histórico. Esse problema já se tinha colocado para outros
pensadores anteriores a Weber, dentre os quais Karl Marx (1818-1883),
cuja obra, além de seu caráter teórico, constituía elemento fundamental
para a luta econômica e política dos partidos operários, por ele mesmo
criados. Por essas razões, a pergunta que os sociólogos alemães se
faziam era se o materialismo histórico formulado por Marx era ou não
o verdadeiro, ao transformar o fator econômico no elemento determinante
de todas as estruturas sociais e culturais, inclusive a religião.
Inúmeros trabalhos foram escritos para resolver o problema, substituindo-
se o fator econômico como dominante por outros fatores, tais
como raça, clima, topografia, idéias filosóficas, poder político. Alguns
autores, como Whilhelm Dilthey, Ernst Troeltsch (1865-1923) e Werner
Sombart (1863-1941), já se tinham orientado no sentido de ressaltar
a influência das idéias e das convicções éticas como fatores determinantes,
e chegaram à conclusão de que o moderno capitalismo não
poderia ter surgido sem uma mudança espiritual básica, como aquela
que ocorreu nos fins da Idade Média. Contudo, somente com os trabalhos
de Weber foi possível elaborar uma verdadeira teoria geral capaz
de confrontar-se com a de Marx.
A primeira idéia que ocorreu a Weber na elaboração dessa teoria
foi a de que, para conhecer corretamente a causa ou causas do surgimento
do capitalismo, era necessário fazer um estudo comparativo entre
as várias sociedades do mundo ocidental (único lugar em que o capitalismo,
como um tipo ideal, tinha surgido) e as outras civilizações,
principalmente as do Oriente, onde nada de semelhante ao capitalismo
ocidental tinha aparecido. Depois de exaustivas análises nesse sentido,
Weber foi conduzido à tese de que a explicação para o fato deveria ser
encontrada na íntima vinculação do capitalismo com o protestantismo:
“Qualquer observação da estatística ocupacional de um país de composição
religiosa mista traz à luz, com notável freqüência, um fenômeno
que já tem provocado repetidas discussões na imprensa e literatura
católicas e em congressos católicos na Alemanha: o fato de os líderes
do mundo dos negócios e proprietários do capital, assim como os níveis
mais altos de mão-de-obra qualificada, principalmente o pessoal técnico
e comercialmente especializado das modernas empresas, serem preponderantemente
protestantes”.
A partir dessa afirmação, Weber coloca uma série de hipóteses
WEBER
11
referentes a fatores que poderiam explicar o fato. Analisando detidamente
esses fatores, Weber elimina-os, um a um, mediante exemplos
históricos, e chega à conclusão final de que os protestantes, tanto como
classe dirigente, quanto como classe dirigida, seja como maioria, seja
como minoria, sempre teriam demonstrado tendência específica para
o racionalismo econômico. A razão desse fato deveria, portanto, ser
buscada no caráter intrínseco e permanente de suas crenças religiosas
e não apenas em suas temporárias situações externas na história e
na política.
Uma vez indicado o papel que as crenças religiosas teriam exercido
na gênese do espírito capitalista, Weber propõe-se a investigar
quais os elementos dessas crenças que atuaram no sentido indicado e
procura definir o que entende por “espírito do capitalismo”. Este é
entendido por Weber como constituído fundamentalmente por uma ética
peculiar, que pode ser exemplificada muito nitidamente por trechos
de discursos de Benjamin Franklin (1706-1790), um dos líderes da
independência dos Estados Unidos. Benjamin Franklin, representante
típico da mentalidade dos colonos americanos e do espírito pequenoburguês,
afirma em seus discursos que “ganhar dinheiro dentro da
ordem econômica moderna é, enquanto isso for feito legalmente, o resultado
e a expressão da virtude e da eficiência de uma vocação”. Segundo
a interpretação dada por Weber a esse texto, Benjamin Franklin
expressa um utilitarismo, mas um utilitarismo com forte conteúdo ético,
na medida em que o aumento de capital é considerado um fim em si
mesmo e, sobretudo, um dever do indivíduo. O aspecto mais interessante
desse utilitarismo residiria no fato de que a ética de obtenção
de mais e mais dinheiro é combinada com o estrito afastamento de
todo gozo espontâneo da vida.
A questão seguinte colocada por Weber diz respeito aos fatores
que teriam levado a transformar-se em vocação uma atividade que,
anteriormente ao advento do capitalismo, era, na melhor das hipóteses,
apenas tolerada. O conceito de vocação como valorização do cumprimento
do dever dentro das profissões seculares Weber encontra expresso
nos escritos de Martinho Lutero (1483-1546), a partir do qual
esse conceito se tornou o dogma central de todos os ramos do protestantismo.
Em Lutero, contudo, o conceito de vocação teria permanecido
em sua forma tradicional, isto é, algo aceito como ordem divina à qual
cada indivíduo deveria adaptar-se. Nesse caso, o resultado ético, segundo
Weber, é inteiramente negativo, levando à submissão. O luteranismo,
portanto, não poderia ter sido a razão explicativa do espírito
do capitalismo.
Weber volta-se então para outras formas de protestantismo diversas
do luteranismo, em especial para o calvinismo e outras seitas,
cujo elemento básico era o profundo isolamento espiritual do indivíduo
em relação a seu Deus, o que, na prática, significava a racionalização
OS ECONOMISTAS
12
do mundo e a eliminação do pensamento mágico como meio de salvação.
Segundo o calvinismo, somente uma vida guiada pela reflexão contínua
poderia obter vitória sobre o estado natural, e foi essa racionalização
que deu à fé reformada uma tendência ascética.
Com o objetivo de relacionar as idéias religiosas fundamentais
do protestantismo com as máximas da vida econômica capitalista, Weber
analisa alguns pontos fundamentais da ética calvinista, como a
afirmação de que “o trabalho constitui, antes de mais nada, a própria
finalidade da vida”. Outra idéia no mesmo sentido estaria contida na
máxima dos puritanos, segundo a qual “a vida profissional do homem
é que lhe dá uma prova de seu estado de graça para sua consciência,
que se expressa no zelo e no método, fazendo com que ele consiga
cumprir sua vocação”. Por meio desses exemplos, Weber mostra que
o ascetismo secular do protestantismo “libertava psicologicamente a
aquisição de bens da ética tradicional, rompendo os grilhões da ânsia
de lucro, com o que não apenas a legalizou, como também a considerou
diretamente desejada por Deus”. Em síntese, a tese de Weber afirma
que a consideração do trabalho (entendido como vocação constante e
sistemática) como o mais alto instrumento de ascese e o mais seguro
meio de preservação da redenção da fé e do homem deve ter sido a
mais poderosa alavanca da expressão dessa concepção de vida constituída
pelo espírito do capitalismo.
É necessário, contudo, salientar que Weber em nenhum momento
considera o espírito do capitalismo uma pura conseqüência da Reforma
protestante. O sentido que norteia sua análise é antes uma proposta
de investigar em que medida as influências religiosas participaram da
moldagem qualitativa do espírito do capitalismo. Percorrendo o caminho
inverso, Weber propõe-se também a compreender melhor o sentido do
protestantismo, mediante o estudo dos aspectos fundamentais do sistema
econômico capitalista. Tendo em vista a grande confusão existente
no campo das influências entre as bases materiais, as formas de organização
social e política e os conteúdos espirituais da Reforma, Weber
salientou que essas influências só poderiam ser confirmadas por meio
de exaustivas investigações dos pontos em que realmente teriam ocorrido
correlações entre o movimento religioso e a ética vocacional. Com
isso “se poderá avaliar” — diz o próprio Weber — “em que medida os
fenômenos culturais contemporâneos se originam historicamente em
motivos religiosos e em que medida podem ser relacionados com eles”.
Autoridade e legitimidade
A aplicação da metodologia compreensiva à análise dos fenômenos
históricos e sociais, por parte de Weber, não se limitou às relações
entre o protestantismo e o sistema capitalista. Inúmeros foram seus
trabalhos de investigação empírica sobre assuntos econômicos e políticos.
Entre os primeiros, salientam-se A Situação dos Trabalhadores
WEBER
13
Agrícolas no Elba e A Psicofisiologia do Trabalho Industrial. Entre os
segundos, devem ser ressaltadas suas análises críticas da seleção burocrática
dos líderes políticos na Alemanha dos Kaiser Guilherme I e
II e da despolitização levada a cabo com a hegemonia dos burocratas.
Para a teoria política em geral, contudo, foram mais importantes os
conceitos e categorias interpretativas que formulou e que se tornaram
clássicos nas ciências sociais.
Weber distingue no conceito de política duas acepções, uma geral
e outra restrita. No sentido mais amplo, política é entendida por ele
como “qualquer tipo de liderança independente em ação”. No sentido
restrito, política seria liderança de um tipo de associação específica;
em outras palavras, tratar-se-ia da liderança do Estado. Este, por sua
vez, é defendido por Weber como “uma comunidade humana que pretende
o monopólio do uso legítimo da força física dentro de determinado
território”. Definidos esses conceitos básicos, Weber é conduzido a desdobrar
a natureza dos elementos essenciais que constituem o Estado
e assim chega ao conceito de autoridade e de legitimidade. Para que
um Estado exista, diz Weber, é necessário que um conjunto de pessoas
(toda a sua população) obedeça à autoridade alegada pelos detentores
do poder no referido Estado. Por outro lado, para que os dominados
obedeçam é necessário que os detentores do poder possuam uma autoridade
reconhecida como legítima.
A autoridade pode ser distinguida segundo três tipos básicos: a
racional-legal, a tradicional e a carismática. Esses três tipos de autoridade
correspondem a três tipos de legitimidade: a racional, a puramente
afetiva e a utilitarista. O tipo racional-legal tem como fundamento
a dominação em virtude da crença na validade do estatuto legal
e da competência funcional, baseada, por sua vez, em regras racionalmente
criadas. A autoridade desse tipo mantém-se, assim, segundo
uma ordem impessoal e universalista, e os limites de seus poderes são
determinados pelas esferas de competência, defendidas pela própria
ordem. Quando a autoridade racional-legal envolve um corpo administrativo
organizado, toma a forma de estrutura burocrática, amplamente
analisada por Weber.
A autoridade tradicional é imposta por procedimentos considerados
legítimos porque sempre teria existido, e é aceita em nome de
uma tradição reconhecida como válida. O exercício da autoridade nos
Estados desse tipo é definido por um sistema de status, cujos poderes
são determinados, em primeiro lugar, por prescrições concretas da ordem
tradicional e, em segundo lugar, pela autoridade de outras pessoas
que estão acima de um status particular no sistema hierárquico estabelecido.
Os poderes são também determinados pela existência de uma
esfera arbitrária de graça, aberta a critérios variados, como os de razão
de Estado, justiça substantiva, considerações de utilidade e outros.
Ponto importante é a inexistência de separação nítida entre a esfera
OS ECONOMISTAS
14
da autoridade e a competência privada do indivíduo, fora de sua autoridade.
Seu status é total, na medida em que seus vários papéis
estão muito mais integrados do que no caso de um ofício no Estado
racional-legal. Em relação ao tipo de autoridade tradicional, Weber
apresenta uma subclassificação em termos do desenvolvimento e do
papel do corpo administrativo: gerontocracia e patriarcalismo. Ambos
são tipos em que nem um indivíduo, nem um grupo, segundo o caso,
ocupam posição de autoridade independentemente do controle de um
corpo administrativo, cujo status e cujas funções são tradicionalmente
fixados. No tipo patrimonialista de autoridade, as prerrogativas pessoais
do “chefe” são muito mais extensas e parte considerável da estrutura
da autoridade tende a se emancipar do controle da tradição.
A dominação carismática é um tipo de apelo que se opõe às bases
de legitimidade da ordem estabelecida e institucionalizada. O líder
carismático, em certo sentido, é sempre revolucionário, na medida em
que se coloca em oposição consciente a algum aspecto estabelecido da
sociedade em que atua. Para que se estabeleça uma autoridade desse
tipo, é necessário que o apelo do líder seja considerado legítimo por
seus seguidores, os quais estabelecem com ele uma lealdade de tipo
pessoal. Fenômeno excepcional, a dominação carismática não pode estabilizar-
se sem sofrer profundas mudanças estruturais, tornando-se,
de acordo com os padrões de sucessão que adotar e com a evolução do
corpo administrativo ou racional-legal ou tradicional, em algumas de
suas configurações básicas.
WEBER
15

CRONOLOGIA
1864 — Max Weber nasce em Erfurt, Turíngia, em 21 de abril.
1869 — Muda-se para Berlim com a família.
1882 — Conclui seus estudos pré-universitários e matricula-se na Faculdade
de Direito de Heidelberg.
1883—Transfere-se para Estrasburgo, onde presta um ano de serviço militar.
1884 — Reinicia os estudos universitários.
1888 — Conclui seus estudos e começa a trabalhar nos tribunais de
Berlim.
1889 — Escreve sua tese de doutoramento sobre a história das companhias
de comércio durante a Idade Média.
1891 — Escreve uma tese, História das Instituições Agrárias.
1893 — Casa-se com Marianne Schnitger.
1894 — Exerce a cátedra de economia na Universidade de Freiburg.
1896 — Aceita uma cátedra em Heidelberg.
1898 —Consegue uma licença remunerada na universidade, por motivo
de saúde.
1899 — É internado numa casa de saúde para doentes mentais, onde
permanece algumas semanas.
1903 — Participa, junto com Sombart, da direção de uma das mais
destacadas publicações de ciências sociais da Alemanha.
1904 — Publica ensaios sobre os problemas econômicos das propriedades
dos Junker, sobre a objetividade nas ciências sociais e a primeira
parte de A Ética Protestante e o Espírito do Capitalismo.
1905 — Parte para os Estados Unidos, onde pronuncia conferências e
recolhe material para a continuação de A Ética Protestante e o
Espírito do Capitalismo.
1906 — Redige dois ensaios sobre a Rússia: A Situação da Democracia
Burguesa na Rússia e A Transição da Rússia para o Constitucionalismo
de Fachada.
1914 — Início da Primeira Guerra Mundial. Weber, no posto de
capitão, é encarregado de organizar e administrar nove hospitais
em Heidelberg.
17
1918 — Transfere-se para Viena, onde dá um curso sob o título de
Uma Crítica Positiva da Concepção Materialista da História.
1919 — Pronuncia conferências em Munique, que serão publicadas sob
o título de História Econômica Geral.
1920 — Falece em conseqüência de uma pneumonia aguda.
OS ECONOMISTAS
18
BIBLIOGRAFIA
ABEL, T.: The Operation Called Verstehen in Readings in the Philosophy
of Science, editado por Herbert Feigl e May Brodbeck, Appleton,
Nova York.
ARON, R.: In Sociologie Allemande, Paris, 1935.
BENDIX, R.: Max Weber: an Intellectual Portrait, Doubleday, Garden
City, Nova York.
FISCHOFF, E.: The Protestant Ethic and the Spirit of Capitalism, Social
Research, vol. XI, nº 1, fevereiro de 1944.
PARSONS, T.: The Structure of Social Action: A Study in Social Theory
with Special Reference to a Group of Recent European Writers,
The Free Press of Glencoe.
PARSONS, T.: Introdução ao livro de Max Weber Social and Economic
Organization, Nova York, 1964.
TIMASHEFF, N. S.: Teoria Sociológica, Rio de Janeiro, 1960.
TROTSKY, L.: Germany, What Next?, Nova York, 1932.
ZNANIECKI, F.: The Method of Sociology, Farrar & Rinehart, Nova
York, 1934.
19

PARLAMENTARISMO E GOVERNO
NUMA ALEMANHA RECONSTRUÍDA*
(UMA CONTRIBUIÇÃO À CRÍTICA POLÍTICA DO
FUNCIONALISMO E DA POLÍTICA PARTIDÁRIA)
Tradução de Maurício Tragtenberg
Revisão de Cássio Gomes
* Traduzido de: “Parlament und Regierung im neugeordneten Deutschland”, in Max Weber,
Gesammelte politische Schriften, J. C. B. Mohr (Paul Siebeck), Tübingen, 1958, 2ª edição,
preparada por Johannes Winckelmann, págs. 294-394.

PREFÁCIO
Este trabalho político é uma revisão e uma ampliação de artigos
publicados no Frankfurter Zeitung durante o verão de 1917.1 O ensaio
não proporciona novas informações para especialistas em constituições
e também não pretende ter autoridade científica, pois as decisões últimas
da vontade não podem ser tomadas por meios científicos. Os
argumentos aqui representados não podem influenciar aqueles para
quem as tarefas históricas da nação alemã não se colocam acima de
qualquer controvérsia de natureza constitucional, ou aqueles que consideram
essas tarefas de maneira radicalmente diferente. Nossos argumentos
têm certas pressuposições, a partir das quais ditos argumentos
são dirigidos contra aqueles que consideram mesmo os tempos
atuais apropriados para desacreditar o sistema parlamentar em favor
de outros poderes políticos. Infelizmente, esse tipo de crítica tem existido
nos últimos quarenta anos nos grandes círculos de escritores de
dentro e de fora do meio acadêmico, tendo continuado durante a guerra.
Muito freqüentemente tal crítica tem sido empreendida da forma mais
arrogante e extravagante, com desdenhosa virulência e sem nenhuma
boa vontade para compreender as condições para a existência de um
23
1 Estes ensaios foram publicados por Max Weber, Gesammelte politische Schriften, ed. Johannes
Winckelmann (2ª ed.; Tübingen: Mohr, 1958), 294-394. Os ensaios foram pela primeira
vez publicados em conjunto na série Die innere Politik, organizados por Siegmund
Helmann (München e Leipzig: Duncker & Humblot, 1918). Em certas passagens Weber
serviu-se da segunda parte de Wirtschaft und Gesellschaft, que naquela época não tinha
ainda sido publicado. Por isso, o leitor encontrará certas repetições nas exposições que
Weber faz do governo de dignitários e de democratas, mas ao mesmo tempo o leitor observará
a conexão entre as opiniões políticas de Weber e sua percepção erudita das mudanças
seculares. Entretanto, como o próprio Weber frisa no prefácio, ele não reivindica autoridade
científica em suas opiniões políticas. Além disso, o leitor não deve esquecer que o ensaio
teve origem em artigos jornalísticos que repetiam os tópicos principais com persistência
propagandística. “A Política como Vocação” reenceta alguns dos temas de seus escritos do
tempo da guerra. É realmente a soma de sua perspectiva política; porém, em sua concisão,
é um trabalho ainda mais ocasional do que seus escritos políticos anteriores e, conseqüentemente,
necessita de explanações mais desenvolvidas e concretas, como o ensaio presente.
Nos últimos anos a política de Weber tem recebido grande atenção. A seleção que se segue
é útil como leitura de fundo para a compreensão de seus escritos políticos; também contém
muitas referências a outros assuntos pertinentes.
parlamento eficiente. É verdade que as realizações políticas dos parlamentos
alemães são passíveis de crítica. Mas o que há de verdade
com referência ao Reichstag também é válido para outras instituições
políticas, às quais esses escritores sempre trataram com grande consideração
e freqüente adulação. Se tais diletantes assim se comprazem
em atacar o parlamentarismo, parece bastante apropriado examinar
sua visão política sem muita consideração por seus sentimentos.
Seria agradável travar combate com adversários imparciais —
que sem dúvida existem —, mas seria contrário à integridade alemã
mostrar respeito por certos círculos pelos quais este autor e muitos
outros têm sido freqüentemente rotulados “demagogos”, “anti-alemães”
ou “agentes estrangeiros”. Sem dúvida, a maioria dos “escritores”
em questão foram ingênuos, mas é este talvez o aspecto mais
vergonhoso de tais excessos.
Já foi dito que agora não é a ocasião para se debaterem questões
de política interna, porque nós estamos ocupados com coisas mais importantes.
“Nós?” — Quem? Isso deve referir-se aos que ficaram em
casa. E o que é que deveria mantê-los tão ocupados? A ação de invectivar
contra os inimigos? As guerras não são ganhas dessa maneira. Os
soldados no front não fazem discursos contra o inimigo, e tais insultos,
que se avolumam na razão direta da distância das trincheiras, são
indignos de uma nação orgulhosa. Ou deveríamos fazer discursos e
tomar resoluções a respeito do que “nós” devemos anexar antes que
“nós” possamos concluir a paz? A esse respeito é necessário que se
diga, em princípio, o seguinte: Se o exército, que trava as batalhas
alemãs, assumisse o ponto de vista de que “o que quer que nós tenhamos
conquistado com nosso sangue deve permanecer sob controle alemão”,
nós, que não nos ausentamos de casa, teríamos o direito de dizer:
“Considerei que, politicamente, essa atitude poderia não ser prudente”.
Contudo, se o exército insistisse, nós teríamos que nos calar. Mas se
“nós” não temos escrúpulos em envenenar o orgulho dos soldados em
suas realizações bradando-lhes, como já aconteceu antes repetidas vezes:
“Se tal e tal objetivo de guerra que idealizamos não forem atingidos,
tereis morrido em vão” — então isso me parece simplesmente intolerável
de um ponto de vista puramente humano, e nada mais do que
prejudicial à vontade de resistir. Em vez disso, seria melhor ficar repetindo
apenas uma coisa: que a Alemanha luta pela vida contra um
exército no qual africanos gurcas e todos os tipos de outros bárbaros
dos mais remotos cantos do mundo estão nas fronteiras prontos para
devastar nosso país. Isso é um fato que todos podem compreender. É
um fato que teria de merecer unanimidade. Em vez disso, os escritores
ocupam-se na elucubração de várias “idéias”, pelas quais os soldados
devem derramar seu sangue e morrer. Não acredito que esses atos
vãos tenham facilitado ao mínimo o cumprimento do difícil dever por
OS ECONOMISTAS
24
nossos soldados; esses atos vãos sem dúvida prejudicavam grandemente
as possibilidades de uma discussão política objetiva.
Parece-me que nossa tarefa primordial em casa consiste em tornar
possível para os soldados que regressam a reconstrução da Alemanha
que eles salvaram — com o voto em suas mãos e através de seus
representantes eleitos. Assim precisamos eliminar os obstáculos levantados
pelas condições atuais, a fim de que os soldados possam dar
início à reconstrução logo após o término da guerra, em vez de ter de
se envolver em controvérsias estéreis. Nenhum sofisma pode esconder
o fato de que o sufrágio imparcial e o governo parlamentar são o único
meio para esse objetivo. Insincera e sem-vergonha é a queixa de se
estar considerando uma reforma — “sem que os soldados fossem consultados”
— quando, de fato, só a reforma lhes daria a oportunidade
de participarem decisivamente de assuntos políticos.
Diz-se, além disso, que toda crítica à nossa forma de governo
proporcionaria munição a nossos inimigos. Durante vinte anos esse
argumento foi usado para nos fazer calar. Agora é muito tarde. Que
podemos agora perder fora do país com essa crítica? Os inimigos podem
se parabenizar se os antigos danos persistirem. Especialmente agora,
que a grande guerra atingiu o estágio em que a diplomacia começa a
entrar em ação novamente, é chegada a hora de fazer tudo para impedir
a repetição dos velhos erros. Por enquanto as perspectivas são infelizmente
muito limitadas. Mas os inimigos sabem, ou virão a saber, que
a democracia alemã não pode concluir uma paz desfavorável se pretende
ter algum futuro.
O indivíduo cujas crenças supremas colocam toda forma de governo
autoritário acima de todos os interesses políticos da nação pode
defender essas suas idéias. Não é possível discutir com ele. Contudo,
não nos venha com conversa vã sobre o contraste entre as concepções
de Estado da “Europa Ocidental” e “da Alemanha”. Estamos lidando
aqui com simples questões de técnicas (constitucionais) para a formulação
de políticas nacionais. Para um Estado de massas existe apenas
um número limitado de alternativas. Para um político racional a forma
de governo adequada, em qualquer época, é uma questão objetiva que
depende das tarefas políticas da nação. É meramente uma falta de fé
nas potencialidades da Alemanha quando afirmam que a germanicidade
estaria sendo posta em risco se compartilhássemos técnicas e instituições
úteis de governo com outros povos. Mais ainda, o parlamentarismo
nunca foi estranho à história alemã, e nenhum dos sistemas contrastantes,
característico da Alemanha somente. Circunstâncias plenamente
obrigatórias e objetivas farão com que um Estado alemão com governo
parlamentarista seja diferente de qualquer outro. Não seria uma política
equilibrada, mas sim ao estilo dos literatos se essa questão fosse
transformada num objeto de vaidade nacional. Não sabemos hoje se
uma reconstrução parlamentar positiva ocorrerá na Alemanha. Tal re-
WEBER
25
construção poderá ser frustrada pela direita ou ser impedida pela esquerda.
Essa última hipótese também é possível. Os interesses vitais
da nação colocam-se, é claro, acima da democracia e do parlamentarismo.
Mas se o parlamento fracassasse e o velho sistema voltasse,
isso teria sem dúvida conseqüências de longo alcance. Mesmo então
poder-se-ia dar graças ao destino por sermos alemães. Mas ter-se-ia
que abandonar para sempre quaisquer grandes esperanças pelo futuro
da Alemanha, independente do tipo de paz que teríamos.
O autor, que votou pelo partido conservador há quase três décadas
e mais tarde votou pelo partido democrático, e foi então convidado a
escrever para o Kreuzzeitung e escreve agora para jornais liberais, não
é político ativo e nem pretende sê-lo. A título de precaução, deve-se
aduzir que ele não tem ligações de natureza alguma com nenhum
importante político alemão. Tem boas razões para crer que nenhum
partido, nem mesmo a esquerda, se identificará com o que ele tem a
dizer. Isso se aplica particularmente ao que lhe é mais importante
pessoalmente (seç. IV, abaixo), e esse é um assunto sobre o qual os
partidos não têm opiniões divergentes. O autor optou por suas opiniões
políticas porque os acontecimentos das últimas décadas há muito o
convenceram de que toda política alemã, independente de seus objetivos,
está condenada ao fracasso, em vista da estrutura constitucional
e da natureza de nossa máquina política, e de que essa situação perdurará
se as condições não mudarem. Mais ainda, ele considera muito
improvável que sempre existirão líderes militares, ao preço de enormes
sacrifícios de vidas.
Mudanças técnicas na forma de governo por si mesmas não
fazem uma nação vigorosa, ou feliz, ou valiosa. Elas podem somente
eliminar obstáculos técnicos e são, assim, meramente um meio para
determinado fim. É lamentável talvez que tais assuntos burgueses
e prosaicos, que aqui discutiremos com deliberada autolimitação e
com exclusão de todas as grandes questões culturais essenciais que
se nos defrontem, possam ser de fato importantes. Mas assim são
as coisas. Tem sido provado pelos acontecimentos importantes e triviais:
pela evolução política das décadas recentes, mas também muito
recentemente pelo malogro total da liderança política na pessoa de
um burocrata excepcionalmente capaz e decente (Georg Michaelis)
— foi uma espécie de teste para a análise apresentada pouco antes
do acontecimento nos artigos aqui republicados.1
OS ECONOMISTAS
26
1 As seções I a III tinham sido originalmente publicadas no Frankfurter Zeitung de 27 de
maio, 5 e 6 de junho e 24 de junho de 1917, sob o título “Parlamentarismo Alemão no
Passado e no Futuro”. Conforme a bibliografia em Max Weber — Werk und Person organizada
por Edward Baumgarten (Tübingen: Mohr, 1964), 711: também a introdução de Winckelmann
a GPS, 2ª ed., XXXV. Sobre a queda do Chanceler Bethmann-Hollweg a 14 de julho
de 1917 e o breve mandato do Chanceler Michaelis (até 30 de outubro de 1917), ver notas
27 e 29, abaixo.
Quem quer que não esteja convencido por esses acontecimentos
não se satisfará com nenhuma prova. Em questões de técnica de Estado,
o político conta com as gerações vindouras. Mas este presente trabalho,
ocasional, pretende simplesmente contribuir para o debate de questões
contemporâneas. A longa demora até chegar a esta publicação, aliás
sugerida por amigos que pensam como o autor, deve-se a outras preocupações,
e também, desde novembro, às costumeiras dificuldades técnicas
do impressor.
WEBER
27

I
O LEGADO DE BISMARCK
A atual condição de nossa vida parlamentar é um legado da
longa dominação do príncipe Bismarck e da atitude da nação para com
ele desde a última década de seu cargo de chanceler. Essa atitude não
tem paralelo no posicionamento de nenhum outro grande povo com
respeito a um estadista de tal envergadura. Em nenhuma outra parte
do mundo, mesmo a mais desenfreada admiração pela personalidade
de um político conseguiu fazer uma nação orgulhosa sacrificar suas
convicções essenciais tão completamente. Por outro lado, uma oposição
objetiva mui raramente provocou ódio tão grande contra um estadista
de tão gigantescas dimensões como a que na ocasião irrompeu contra
Bismarck no seio da extrema esquerda e no partido (católico) de centro.
Quais as razões?
Acontecimentos memoráveis tais como os de 1866 e de 1870,
como ocorre freqüentemente, tiveram seu maior impacto na geração
para a qual as guerras vitoriosas constituíram indelével experiência
de sua juventude, mas essa geração não tinha uma nítida compreensão
das graves tensões internas do país que acompanhavam essas guerras.
Bismarck só se transformou numa lenda quando essa geração se tornou
adulta. A geração de escritores políticos que ingressaram na vida pública
a partir de 1878 dividiu-se em dois segmentos desiguais. O grupo
maior admirava não a grandeza do intelecto sofisticado e imponente
de Bismarck, mas exclusivamente a mescla de violência e astúcia, a
brutalidade aparente ou real de sua atividade política. O outro grupo
reagiu a isso com débil ressentimento e desapareceu rapidamente após
a morte do chanceler. Assim, o primeiro tem sido cultivado mais e
mais. Há já bastante tempo que essa atitude dominante vem moldando
não apenas a lenda histórica de políticos conservadores, mas também
a dos escritores genuinamente entusiásticos e, é claro, a daqueles plebeus
intelectuais que, imitando os gestos de Bismarck, buscam legiti-
29
mar-se como se partilhassem de seu espírito. Sabemos que Bismarck
tinha o maior dos desprezos por esse grupo muito influente, ainda que
não fosse contrário a tirar proveitos políticos desses cortesãos, como o
fez com o Sr. Busch e sua laia. !1 À margem de um memorando que hoje
chamaríamos de Pangermânico (alldeutsch), ele certa vez anotou: “Bombástico
no conteúdo e pueril na forma”. Referiam-se essas observações
a um manuscrito que ele havia solicitado como amostra de um
homem que diferia dos representantes de hoje deste tipo por ter
servido à nação corajosamente, não apenas declamando palavras.
O que Bismarck pensava de seus pares conservadores ele anotava
em suas memórias.
Bismarck tinha razões de sobra para ter seus pares em tão baixa
estima.
Pois que foi que lhe aconteceu quando foi forçado a afastar-se
do poder em 1890? Honestamente, não podia esperar simpatia do Partido
do Centro, ao qual tinha tentado ligar o assassino Kullmann; d!2os
sociais-democratas, a quem ele tinha perseguido com o parágrafo de
banimento (local) da legislação anti-socialista; dos progressistas (Freisinnige),
a quem ele estigmatizara como “inimigos do Reich”. Mas os
outros, que tinham aplaudido esses atos estrondosamente, que fizeram?
Lacaios conservadores ocupavam as cadeiras dos ministros prussianos
e eram membros dos ministérios federais. Que fizeram? Aguardaram
os acontecimentos. “Simplesmente um novo superior” — foi esse o fim
da questão. Políticos conservadores sentavam-se nas cadeiras presidenciais
dos parlamentos do Império e da Prússia. Que palavras de
simpatia ofereceram ao criador do Reich demissionário? Não pronunciaram
uma palavra.
Qual dos grandes partidos de seus seguidores exigiu alguma explicação
das razões de sua exoneração? Nem sequer se moveram, simplesmente
voltaram-se para o novo sol. Esse acontecimento não tem
paralelo nos anais de nenhum outro povo orgulhoso. Mas o desprezo
que esse acontecimento merece só pode ser realçado por aquele entu-
OS ECONOMISTAS
30
1 Moritz Busch (1821-1899) foi o principal agente de publicidade e panegirista oficial de
Bismarck. Suas memórias, Bismarck: Algumas Páginas Secretas de Sua História (Londres:
Macmillan, 1898), foram primeiramente publicadas na Inglaterra, devido a restrições legais
vigentes na Alemanha.
2 Após as medidas iniciais do esforço de Bismarck para controlar a Igreja Católica (o chamado
Kulturkampf, 1872-1887, solidamente apoiado pelos partidos liberais), ocorreu um atentado
contra sua vida perpetrado por certo Kullmann, tanoeiro desempregado, católico, em Bad
Kissingen, em julho de 1874. Como ocorreu novamente em 1878, quando os social-democratas
foram responsabilizados pelos atentados de Hodel e de Nobiling contra a vida do velho
imperador, Bismarck imediatamente tentou tirar vantagem política deste incidente em seu
conflito com o Partido do Centro. “Podeis repudiar este assassino quanto o quiserdes”,
exclamou ele (estando bem vivo) durante o debate do orçamento seguinte, “mas ele se
agarra firmemente à aba de vossos casacos; sois vós quem ele considera seu partido.” Ver
Karl Bachen, Vorgeschichte und Politik der deutschen Zentrumspartei, III (Köln: Bachen,
1927); 219s.
siasmo por Bismarck, do qual os mesmos partidos mais tarde fizeram
um arrendamento hereditário. Há meio século, os conservadores prussianos
não têm conseguido mostrar nenhum “caráter” em seu comprometimento
com grandes objetivos políticos ou com quaisquer outros
ideais, como os possuíam, à sua maneira, homens como Stahl e Gerlach
e os membros do velho movimento cristão-social. !1
Somente quando seus interesses financeiros, o monopólio dos benefícios
de seu cargo, seu patronato de cargos públicos ou — e o que
é a mesma coisa — seus privilégios eleitorais estavam em jogo, só
então é que sua máquina de votação governamental entrava em funcionamento,
mesmo contra o rei.
Então todo o triste mecanismo de palavrório “cristão”, “monárquico”
e “nacional” era posto em movimento — o mesmo tipo de frases
feitas que aqueles cavalheiros agora condenam como jargão profissional
nos políticos anglo-saxões. Quando, vários anos após a exoneração de
Bismarck, os interesses materiais desses políticos foram afetados, especialmente
por questões tarifárias, só então lembraram-se de Bismarck
como o seu homem, e só desde aquela época têm eles representado
com muita seriedade serem os guardiões da tradição do chanceler.
Há boas razões para supor que Bismarck não tinha senão menosprezo
por tais movimentos. Isso é provado por afirmações confidenciais. Quem
pode culpá-lo por isso? Mas a vergonha sobre a caricatura da maturidade
política proporcionada pela nação em 1890 não deve turvar nosso
reconhecimento do fato de que, mediante esse comportamento indecoroso
de seus partidários, Bismarck tragicamente colheu o que semeou;
pois ele tinha desejado — e deliberadamente consumou — a impotência
política do parlamento e dos líderes partidários. Nenhum estadista
que assumiu o poder sem responsabilidade parlamentar já teve um
aliado parlamentar tão cooperativo com tantos talentos políticos como
o teve Bismarck (nos liberais-nacionais) entre 1867 e 1878. É perfeitamente
possível discordar das opiniões políticas dos líderes liberaisnacionais
daquela época. É claro que não se pode compará-los a Bismarck
no que se refere a habilidade diplomática e energia intelectual;
ao lado de Bismarck emergem, no máximo, políticos do tipo médio,
mas isso é verdadeiro também com relação a todos os outros políticos
alemães e muitos estrangeiros. Um gênio aparece no máximo uma vez
em vários séculos. Mas poderíamos agradecer ao destino se nosso go-
WEBER
31
1 Friederich Julius Stahl (1802-1861) e Ludwig von Gerlack (1795-1877), ambos conselheiros
do romântico rei prussiano Frederico Guilherme IV, eram líderes do conservadorismo agrário
protestante na Prússia da metade do século. Stahl, um dos mais eficientes porta-vozes do
Direito Divino dos Reis após a revolução de 1848, foi de grande influência na formulação
em diretrizes conservadoras da Constituição prussiana de 1850. Gerlack, co-fundador do
Kreuzzeitung, opôs-se a Bismarck até o fim, chegando mesmo a ser membro dos delegados
do Partido do Centro do Reichstag depois de 1870. Sobre o mais antigo movimento cristão-
social em geral, ver W. O. Shanahan, German Protestants Face the Social Question:
The Conservative Phase, 1815-1871 (Notre Dame: University of Notre-Dame Press, 1954).
verno estivesse agora, e se estiver no futuro, nas mãos de políticos de
tal gabarito. É, na realidade, uma das mais deslavadas distorções da
verdade os escritores políticos fazerem a nação acreditar que, até o
momento, o parlamento alemão não conseguiu produzir grandes talentos
políticos. É ultrajante que a atual onda de críticos medíocres negue
a categoria de representantes do “Geist alemão” a líderes parlamentares
tais como Bennigsen, Stauffenberg e Völk, ou a democratas como o
patriota prussiano Waldeck;1 afinal de contas, o “espírito alemão” esteve
no mínimo tão vigoroso na igreja de São Paulo (em Frankfurt, em
1848) como tem estado na burocracia, e, sem dúvida, mais do que nos
tinteiros desses cavalheiros.
Esses homens do período inicial do Reichstag tinham uma grande
vantagem: conheciam suas próprias limitações e reconheciam seus erros
passados e a tremenda superioridade intelectual de Bismarck. Em nenhum
outro lugar, mesmo entre os que posteriormente se tornaram
separatistas (liberais da ala esquerda), tinha Bismarck admiradores
pessoais mais ardentes do que nesses círculos. Um fato em particular
é prova de sua envergadura pessoal. Eram totalmente destituídos de
ressentimentos contra a superioridade de Bismarck. Quem os tenha
conhecido absolverá todas as maiores figuras dentre eles dessa acusação.
A todos os indivíduos bem informados da época, a suspeita de
Bismarck de que esses homens pudessem pensar em derrubá-lo devia
parecer tocar as raias da paranóia. Várias vezes ouvi de seus líderes2
que estes considerariam o cesarismo — governo exercido por um gênio
— a melhor organização política para a Alemanha, se sempre surgisse
um novo Bismarck. Esta era sua convicção sincera. É claro que tinham
duelado vigorosamente com ele no passado. Por essa mesma razão
conheciam também as limitações do chanceler e não estavam dispostos
a fazer nenhum sacrifício intelectual degradante. É verdade que se
OS ECONOMISTAS
32
1 Rudolf von Bennigsen (1824-1902), Joseph Völk (1819-1882) e Franz August Freikerr Schenk
von Stauffenberg (1834-1901) eram líderes do Partido Nacional Liberal. Bennigsen chefiou
o partido de 1866 a 1898; recusou uma cadeira no governo de 1877 e afastou-se do reichstag
durante 1883-1887, pois sentia não mais poder cooperar com Bismarck. O direitista Völk
deixou o partido na primeira discussão sobre legislação tarifária em 1878; Stauffenberg,
do sul da Alemanha, foi um dos líderes do Sezession esquerdista de 1881. Benedikt Franz
Leo Waldeck (1802-1870) era o líder da esquerda democrática na Assembléia Nacional
Prussiana de 1848 e novamente na Dieta prussiana durante o conflito constitucional de
1861-1869.
2 O pai de Weber desempenhou papel significativo no Partido Nacional Liberal de Berlim
da era bismarckina. Foi magistrado municipal delegado na Dieta prussiana e delegado no
Reichstag. Bennigsen, Miquel e outros líderes do partido eram hóspedes freqüentes em
sua casa, e “já se permitiam aos filhos mais crescidos... ouvir as discussões políticas e
absorver aquilo que pudessem compreender”. (Marianne Weber, Max Weber: Ein Lebensbild,
Tübingen, Mohr, 1926, 42.) Ainda que Weber só tivesse catorze anos em 1878, os interesses
do menino precoce penetravam profundamente em assuntos políticos (cf. as cartas do menino
de catorze e quinze anos reeditadas na obra de Baumgarten, Max Weber, op. cit., 6-13);
conseqüentemente, esta afirmação e as seguintes podem realmente ser baseadas em suas
próprias memórias daquele período.
inclinavam a comprometer-se com ele até a abnegação, a fim de evitar
um rompimento; realmente, iam muito mais longe do que considerações
táticas para com os eleitores (que os ameaçavam repudiar por essa
razão) teriam permitido. Os líderes nacionais-liberais esquivavam-se
de uma luta em prol de maiores direitos parlamentares, não apenas
porque anteviam o partido do centro como beneficiário dessa luta, mas
também porque compreendiam que tal conflito paralisaria durante muito
tempo a política de Bismarck, assim como o trabalho do parlamento.
“Nada mais logra êxito” — era esta a queixa habitual da década de
1880. O propósito supremo desses líderes, freqüentemente expresso
em seus círculos íntimos, era, durante o governo dessa imponente figura,
conservar intactas aquelas instituições das quais dependia a
continuidade da política do Reich após uma adaptação a políticos
de qualificações mais comuns. Entre estas instituições incluíam eles
o parlamento — um parlamento capaz de participar ativamente no
governo e de atrair grandes talentos políticos; eles também desejavam
partidos fortes.
Esses líderes nacionais-liberais sabiam que a consecução desse
objetivo não dependia só deles. Freqüentemente os ouvi declararem
em seu meio, durante a grande viravolta de Bismarck em 1878: “Não
são necessárias grandes habilidades políticas para destruir ou mutilar
um partido que se encontre em uma posição precária como a nossa.
Mas, se isso acontecer, outro grande partido interessado em cooperação
racional não poderá ser criado em seu lugar; seria necessário o governo
apelar para grupos de interesse e recorrer ao sistema de patronato
político de suborno, e mesmo assim ocorreriam as mais graves rupturas
políticas. Como dissemos acima, pode-se discordar de alguns itens da
política desse partido, mas foi por sua iniciativa que o posto de chanceler
do Reich foi criado na Constituição (moção de Bennigsen), que o código
civil foi unificado em escala nacional (moção de Lasker), que o Reichsbank
foi fundado (moção de Bamberger); com efeito, devemos a esse
partido a maior parte das grandes instituições do Reich, que ainda
estão provando seu valor. Depois do fato, é fácil criticar sua tática, a
qual sempre tinha que contar com sua difícil posição em face de Bismarck.
Pode-se explicar o declínio desse partido mostrando, entre outros
fatores, as naturais dificuldades de um partido de orientação puramente
política e, além disso, sobrecarregado pela adesão e dogmas econômicos
obsoletos referentes a questões econômicas e sociais da época; contudo,
sob todos estes aspectos, os partidos conservadores não fazem maior
progresso. As idéias sobre reforma constitucional do Partido Nacional-
Liberal chocaram-se contra os objetivos de Bismarck depois de 1866,
não por falta de visão, como tem sido afirmado com freqüência, mas
por causa de ideais “unitários” — bem no sentido de Treitschke —,
ideais que abandonamos nesse ínterim, em parte por razões não-polí-
WEBER
33
ticas.1 De qualquer maneira, os acontecimentos posteriores justificaram
completamente as premissas políticas básicas dos nacionais-liberais.
Os nacionais-liberais, não podendo cumprir as tarefas políticas
que tinham escolhido, desintegraram-se, em última instância, não por
causa de quaisquer razões essenciais, mas porque Bismarck não tolerava
nenhum poder autônomo, isto é, que agisse por própria responsabilidade
— nem dentro dos ministérios, nem dentro do parlamento.
É verdade que ele ofereceu ministérios a vários líderes parlamentares,
mas todos eles descobriram que de antemão Bismarck fizera preparativos
astutos que lhe permitiriam derrubar o novo colega a qualquer
momento, desacreditando-o perante a opinião pública por motivos pessoais.
Em última análise, isso foi tudo que levou Bennigsen a recusar
tal oferta (em 1877). A política nacional de Bismarck pretendia exclusivamente
impedir a consolidação de qualquer partido forte e
independente. Seus meios imediatos foram o orçamento militar e a
legislação anti-socialista (de 1878-1890); além disso, manipulou com
total deliberação e destreza o choque de interesses econômicos sobre
a política tarifária.
Em assuntos militares, a posição básica dos políticos nacionaisliberais
era, no que me consta, a seguinte: estes estavam dispostos a
manter o efetivo do exército ao máximo do que parecia ser necessário,
e por essa razão apenas consideravam o assunto uma questão meramente
técnica. Dessa maneira, as velhas controvérsias do conflito constitucional
prussiano (de 1862-1866) seriam enterradas e pelo menos
essa fonte de agitação demagógica seria eliminada para benefício do
Reich.2 A simples determinação de efetivo de acordo com os projetos
de dotação anuais era tudo que se fazia necessário. Nenhum desses
líderes jamais duvidou de que, dessa forma, a necessária ampliação
do exército ocorreria sem distúrbios e repercussões nacionais e internacionais;
particularmente os militares poderiam solicitar dotações bem
maiores, de maneira muito menos dramática do que se esse problema
técnico fosse confundido com os interesses do poder nacional (doméstico)
da burocracia com o resultado de que, ao término de cada sete anos,
as questões militares explodiriam numa sensação política com conseqüências
catastróficas para a estabilidade nacional, e explodiriam ainda
OS ECONOMISTAS
34
1 Bismarck fundou o Reich como uma Federação das dinastias reinantes, as quais eram
representadas no Bundesrat (Conselho Federal); controlavam formalmente toda a legislação
e “governavam” através de seu presidente, o chanceler, que era indicado pelo imperador
e que normalmente era também o primeiro-ministro da Prússia. O Reichstag era a única
instituição “unitária”, isto é, representante do povo alemão como um todo, mas tinha apenas
poderes deliberativos e orçamentários e nenhum controle sobre o governo federal. Muitas
funções estatais — as igrejas, a educação, as ferrovias, os correios, e no caso da Bavária
até o exército — permaneciam sob a jurisdição dos Estados individuais. As instituições
centrais que existiam de fato eram dominadas pela Prússia.
2 Sobre os bastidores do Conflito Constitucional Prussiano, que levou Bismarck ao poder,
ver The Social and Political Conflict in Prussia: 1848-1864, de Eugene N. Anderson (Lincoln:
The University of Nebraska Press, 1954).
numa tumultuosa campanha eleitoral sob o lema: “Exército do Kaiser
ou exército do parlamento”. Era este um lema altamente enganador,
pois o exército com uma dotação de um ano teria sido uma instituição
mais parlamentar do que o seria com uma dotação de sete anos. Tanto
mais porque, de resto, a dotação de sete anos permanecia em grande
parte fictícia. Em 1887 o Reichstag foi dissolvido tão-somente por causa
da questão do efetivo militar autorizado, na qual todos os partidos
bürgerlichen (civis) concordavam. Deveria o efetivo ser determinado
cada três ou cada quatro anos? A dotação para três anos foi declarada
“uma agressão” aos privilégios da Coroa. Mas três anos mais tarde,
em 1890, um novo projeto sobre efetivo militar foi apresentado ao parlamento.
Windthorst (líder do Partido do Centro) !1 não deixou de repreender
seus adversários por essa inconsistência. Fê-lo com desdém,
mas com total justeza. Dessa maneira, as velhas e sepultadas controvérsias
militares do conflito constitucional prussiano passaram para
a área da política do Reich, e o papel do exército tornou-se sujeito à
política dos partidos. Não se deve deixar de reconhecer que era esta
precisamente a intenção de Bismarck: naquele lema demagógico, ele
divisou um meio de fazer com que o imperador, que tinha atravessado
o conflito constitucional, suspeitasse que o Reichstag e os partidos liberais
eram hostis ao exército. Ao mesmo tempo que antevia também
uma forma de desacreditar os nacionais-liberais junto a seus eleitores,
como traidores de direitos orçamentários parlamentares, desde que
tinham aceito a dotação de sete anos (Septennat). Pode-se dizer exatamente
o mesmo com referência à legislação anti-socialista. Os nacionais-
liberais estavam dispostos a fazer amplíssimas concessões a
Bismarck, e mesmo os progressistas concordavam que se tomassem
medidas no sentido de que se constituísse em delito comum o que eles
denominavam de “incitação ao ódio de classes”. !2 M asB ismarckd esejava
legislação de emergência. Durante o furor popular provocado pelo segundo
atentado contra a vida do imperador (em 1878), Bismarck dissolveu
o Reichstag sem fazer nenhuma tentativa no sentido de ajustar
suas diferenças com ele, simplesmente porque percebia uma oportunidade
demagógica de destruir o único partido poderoso da época.
Bismarck triunfou. E as conseqüências? Em vez de chegar a um
acordo com o partido parlamentar que lhe era íntimo a despeito de
toda a oposição, e que tinha cooperado com ele desde a fundação do
Reich, Bismarck tornou-se permanentemente dependente do Partido
WEBER
35
1 Ludwig Windthorst (1812-1891), antigo ministro hanoveriano da Justiça, era o líder do
Partido Católico do Centro, e como tal era o maior adversário parlamentar de Bismarck,
ainda que às vezes cooperasse durante toda a gestão deste.
2 Sobre Bismarck e a legislação anti-socialista, ver Guenther Roth, The Social Democrats
in Imperial Germany (Totowa, N.Y.: The Bedminster Press, 1963) ch. III; Vernon L.
Lidtke, The Owtlawed Party: Social Democracy in Germany, 1878-1890 (Princeton University
Press, 1966).
(católico) do Centro, o qual não obstante o odiou até o dia de sua
morte. Esse partido tinha uma sede de poder fora do parlamento, inexpugnável
ao ataque de Bismarck. Quando este mais tarde pronunciou
seu famoso discurso sobre o término da primavera dos povos (Völkerfrühling),
Windthorst replicou sarcasticamente, mas outra vez com exatidão,
que ele próprio tinha destruído o grande partido que o apoiara
no passado. Quando os nacionais-liberais fizeram propostas específicas
para salvaguardar o direito do Reichstag de elevar as receitas, Bismarck
as rejeitara com a alegação de que conduziriam a “domínio parlamentar”,
mas foi eventualmente forçado a conceder a mesma coisa ao Partido
do Centro na pior forma possível — no parágrafo das gorjetas a
chamada cláusula Franckenstein, à qual, na Prússia se aditou algo
ainda pior, a lei de Huene. (Esta mais tarde foi eliminada novamente,
mas com grandes dificuldades.)1 Mas, ainda, Bismarck teve que tolerar
(como parte do preço por essas receitas) a grave derrota da autoridade
do Estado na luta contra a Igreja Católica, o Kulturkampf, a qual ele
tinha combatido com armas totalmente inadequadas e por cujo acontecimento
negava responsabilidade, em vão e com pouca honestidade.
Por outro lado, em suas leis anti-socialistas, ele oferecia a mais esplêndida
bandeira eleitoral aos sociais-democratas pela própria causa.
Ser convertida em demagogia (e péssima demagogia, diga-se) foi também
o destino da legislação da previdência social do Reich nas mãos
de Bismarck, por mais valiosa que se possa considerar essa legislação
em si mesma. Bismarck rejeitava a legislação trabalhista de proteção,
a qual, afinal de contas, era indispensável à preservação da força da
nação. Rejeitava-a acusando-a, em parte com argumentos incrivelmente
superficiais, de interferir nos direitos do patrão. Pela mesma razão,
Bismarck utilizou-se das disposições da legislação antisocialista para
fazer a polícia destruir os sindicatos, os únicos possíveis portadores
de uma representação objetiva de interesses da classe operária. Assim,
compeliu os membros dos sindicatos ao mais extremo radicalismo de
pura política partidária. Por outro lado, imitando certas práticas americanas,
Bismarck acreditava poder criar uma atitude positiva para
OS ECONOMISTAS
36
1 Quando Bismarck, em 1879, quis elevar as tarifas alfandegárias a fim de tornar o Reich
menos dependente das contribuições financeiras dos Estados-membros, o Partido do Centro
particularista (mas protecionista), de cujos votos ele precisava, insistiu que qualquer excesso
acima de cento e trinta milhões de marcos nas novas rendas fosse transferido aos Estados;
se o Reich quisesse qualquer parcela de tais somas, a questão seria novamente remitida
ao parlamento, o qual votava as contribuições de inscrição anuais. Georg von Und zu
Franckenstein (1825-1890), preeminente membro bávaro do partido, foi o autor desta cláusula.
Na Prússia ela foi complementada pelo projeto Huene (1885-1893), obra do delegado
do Centro e latifundiário silesiano Karl Huene Baron von Hoiningen (1837-1900); esse
projeto exigia que o Estado prussiano passasse quase quinze milhões de marcos do legado
Franckenstein aos condados e municipalidades, “a fim de eliminar um estímulo para gastos
insalubres do orçamento do Estado Prussiano”. Cf. Ernst Rodolp Huber, Deutsche Verfassungsgeschichte
seit 1789, III (Stuttgart: Kohl-hammer, 1963), 951; Bachen, Zentrumspartei,
op. cit., III, 394 ff.
com o Estado, uma gratidão política, através da concessão de benefícios
sociais a partir de fundos públicos ou de fundos privados compulsórios.
Grave erro político: toda política, que já tenha contado com gratidão
política, fracassou. Também para a prática política das boas obras,
vale o ditado: “Perderam seu salário”. Obtivemos benefícios para os
enfermos, para os inválidos, para os veteranos e para os velhos. Almejávamos
isso, sem dúvida. Mas não conseguimos as garantias necessárias
para preservar a saúde física e mental, e para propiciar,
para a saúde física e psíquica, a defesa de seus interesses com sobriedade
e dignidade; em outras palavras, precisamente a parte politicamente
relevante da população operária foi deixada de lado. Como no
Kulturkampf, Bismarck aqui passou por cima de todas as considerações
psicológicas importantes. Acima de tudo, na questão dos sindicatos,
um detalhe passou despercebido, detalhe esse que mesmo hoje alguns
políticos ainda não entendem. Um Estado que deseja basear o espírito
das massas de seu povo na honra e na solidariedade não pode esquecer
que, na vida diária e nas lutas econômicas dos operários, os sentimentos
de honra e solidariedade são as únicas forças morais decisivas para a
educação das massas, e que por essa razão deve-se deixar que esses
sentimentos se desenvolvam livremente. Isso, sim, significa, sob o aspecto
puramente político, praticar “democracia social” numa época que
inevitavelmente ainda permanecerá capitalista durante muito tempo.
Estamos ainda hoje sofrendo as conseqüências dessa política. Bismarck
havia criado em torno de si uma atmosfera política que, em 1890,
deixava-lhe apenas a alternativa de rendição incondicional a Windthorst
ou de um coup d’état, se ele quisesse permanecer no poder. Assim,
não foi acidental que a nação tivesse reagido com total indiferença à
sua renúncia.
Em vista da habitual glorificação não crítica, não diferençada, e
principalmente degradante da política de Bismarck, parecia já não sem
tempo, para variar, chamar a atenção para esse lado da questão. Pois
a parte mais influente da literatura popular sobre Bismarck tem sido
escrita para a mesa de Natal do filisteu (isto é, burguês de espírito
vulgar e estreito), que prefere a forma totalmente apolítica de adoração
de herói tornada tão comum entre nós. A literatura sobre Bismarck
nesse estilo satisfaz a tal sentimentalismo e toma a liberdade de servir
seu herói ocultando suas limitações e difamando seus adversários. Mas
não se pode educar dessa maneira a nação no sentido de que ela desenvolva
hábitos de pensamento político independente.
Não diminui a estatura gigante de Bismarck o ser justo para
com seus adversários, salientar sem disfarces as conseqüências de sua
misantropia e assinalar o fato de que, desde 1878, a nação está desacostumada
a participar, mediante seus representantes eleitos, da resolução
de seus assuntos políticos. Tal participação, afinal de contas,
é a precondição para desenvolver o discernimento político.
WEBER
37
Qual foi, então, o legado de Bismarck no que aqui nos interessa?
Ele deixou atrás de si uma nação sem nenhuma educação política,
bem abaixo do nível que, a esse respeito, tinha alcançado vinte anos
antes (isto é, em 1870). Principalmente, Bismarck deixou atrás de si
uma nação sem nenhuma vontade política própria, acostumada que
estava à idéia de que o grande estadista ao leme tomaria as decisões
políticas necessárias. Mais, ainda, deixou atrás de si uma nação acostumada
à tolerância fatalista diante de todas as decisões tomadas em
nome do “governo monárquico”, porque ele tinha se servido dos sentimentos
monárquicos como de um pretexto para seus interesses de poder
na luta dos partidos, uma nação despreparada para julgar criticamente
as qualificações daqueles que se assentaram na poltrona que Bismarck
deixara desocupada e com surpreendente falta de constrangimento tomaram
as rédeas do poder em suas mãos. Nesse particular, decididamente,
consumou-se o mais grave prejuízo. O grande estadista não
deixou nenhuma tradição política. Ele não atraía e nem mesmo tolerava
cabeças independentemente políticas, para não mencionar personalidades
fortes politicamente. Além disso tudo, constituiu infortúnio para
a nação o fato de que ele nutria intensa desconfiança para com todos
os seus vagamente possíveis sucessores, e, ainda, de que tinha um
filho cujos talentos políticos excessivamente medíocres Bismarck superestimava.
1 Um parlamento completamente impotente foi o resultado
puramente negativo de seu tremendo prestígio. É sabido que, após ter
deixado o cargo e experimentado pessoalmente a conseqüência dessa
condição, Bismarck acusou-se de ter cometido um erro. Contudo, essa
impotência do parlamento significava também que o nível intelectual
de seus componentes estava reduzido grandemente. A ingênua lenda
moralizadora de nossos críticos apolíticos inverte a relação de causa
e assegura que o parlamento permaneceu merecidamente impotente
devido ao baixo nível da vida parlamentar. Mas fatos e considerações
simples revelam o estado real das coisas, que aliás é evidente a toda
pessoa que raciocina. O nível do parlamento depende da condição de
que este não simplesmente debata grandes questões, mas de que as
solucione decisivamente; em outras palavras, sua qualidade depende
da seguinte alternativa: o que ocorre no parlamento tem realmente
importância ou o parlamento não passa de um mal tolerado boi de
presépio de uma burocracia dominante.
OS ECONOMISTAS
38
1 Herbert von Bismarck (1849-1904) foi secretário de Estado para Assuntos Estrangeiros no
governo de seu pai de 1886 até a queda deste, em 1890.
II
BUROCRACIA E LIDERANÇA
POLÍTICA
1. Burocracia e Política
Em um Estado moderno, o verdadeiro poder está necessária e
inevitavelmente nas mãos da burocracia, e não se exerce por meio de
discursos parlamentares nem por falas de monarcas, mas sim, mediante
a condução da administração, na rotina do dia-a-dia. Isso é exato tanto
com referência ao funcionalismo militar quanto ao civil. Pois é a partir
de seu gabinete que oficiais superiores comandam até batalhas. Tal
como o assim chamado avanço em direção ao capitalismo tem sido o
inequívoco critério para a modernização da economia, desde épocas
medievais, assim também o progresso em relação ao funcionalismo
burocrático caracterizado pelo formalismo de emprego, salário, pensão,
promoção, treinamento especializado e divisão funcional do trabalho,
áreas bem definidas de jurisdição, processos documentários, sub e superordenação
hierárquicas tem sido o igualmente inconfundível padrão
para a modernização do Estado, quer monárquico, quer democrático,
pelo menos no que se refere a um Estado composto de grandes massas
de povo, e não a um pequeno cantão com administração rotativa. O
Estado democrático, assim como o Estado absoluto, elimina a administração
feudal, patrimonial, patrícia, ou de outros dignitários que
exercem o poder de forma honorária ou hereditária, e a substitui por
funcionários civis. São estes que tomam as decisões sobre todos os
nossos problemas e necessidades diários. A esse respeito, o oficial militar
investido de poder não difere do funcionário civil. O moderno
exército de massa também é um exército burocrático, e o oficial é um
tipo especial de funcionário, distinto do cavaleiro, do condottiere (caudilho),
do chefe tribal, ou do herói homérico. A eficiência militar ba-
39
seia-se na disciplina burocrática. O avanço do burocratismo na administração
municipal difere pouco do desenvolvimento geral; esse avanço
é tanto mais rápido quanto maior for a comunidade, ou quanto mais
essa comunidade perca autonomia local em favor de associações técnicas
e econômicas. Na Igreja, o mais importante resultado (do Concílio Vaticano)
de 1870 não foi o mui debatido dogma da infantibilidade, mas
o episcopado universal (do papa) que criou a burocracia eclesiástica
(Kaplanokratie) e transformou o bispo e o pároco, em contraste com a
Idade Média, em meros funcionários do poder central, a Cúria romana.
A mesma tendência burocrática predomina nas grandes empresas privadas
de nossa época, na razão direta de seu tamanho, isto é, quanto
maior for a empresa, maior será a burocracia que a envolve. Funcionários
assalariados segundo as estatísticas aumentam mais depressa
que os operários.
É simplesmente ridículo que os novos críticos acreditem que o
trabalho feito nos escritórios seja diferente do trabalho realizado em
uma repartição pública, ainda que a diferença imaginada seja mínima.
Ambos são basicamente idênticos. Sociologicamente falando, o Estado
moderno é uma “empresa” (Betrieb) idêntica a uma fábrica: esta, exatamente,
é sua peculiaridade histórica. Aqui como lá, as relações de
autoridade têm as mesmas raízes. A relativa independência do artesão,
do dono da indústria caseira, do camponês senhorial, do comendatário,
do cavaleiro e do vassalo baseava-se em sua propriedade das ferramentas,
suprimentos, finanças e armas, com os quais exerciam suas
funções econômicas, políticas e militares, e se mantinham. Em contraste,
a dependência hierárquica do trabalhador assalariado, do funcionário
administrativo e técnico, do assistente no instituto acadêmico,
assim como do servidor público e do soldado, deve-se ao fato de que,
em seu caso, os meios indispensáveis para a consecução da empresa
e para o ganho da subsistência estão nas mãos do empresário, ou
mandatário político. A maioria dos soldados russos, por exemplo, não
queria continuar a guerra (em 1917). Mas eles não tinham escolha,
pois tanto os meios de destruição quanto os de manutenção eram controlados
por indivíduos que usavam esses meios para compelir os soldados
a irem para as trincheiras, da mesma maneira que o capitalista
que possui os meios de produção força os operários a irem para as
fábricas e minas. Esse fato econômico de extrema importância: a “separação”
entre o trabalhador e o meio material de produção, de destruição,
de administração, de pesquisa acadêmica, e de finanças, em
geral, é a base comum do Estado moderno, em suas esferas políticas,
cultural, militar, e da economia privada capitalista. Em ambos os casos,
a autoridade sobre esses meios acha-se nas mãos daquele poder a quem
o aparelho burocrático (de juízes, funcionários, oficiais, supervisores,
escrivães e sub-oficiais) obedece diretamente ou a quem está sempre
disponível, em caso de necessidade. Esse aparelho é hoje em dia igual-
OS ECONOMISTAS
40
mente típico de todas essas organizações; sua existência e sua função
são inseparavelmente causa e efeito dessa concentração dos meios de
produção — de fato, o aparelho é sua própria forma. A crescente “socialização”
na esfera econômica, hoje, significa um inevitável aumento
na burocratização.
O “progresso” em direção ao Estado burocrático que julga e administra
segundo o direito e preceitos racionalmente estabelecidos tem
hoje em dia estreitas relações com o desenvolvimento capitalista moderno.
A moderna empresa capitalista baseia-se fundamentalmente no
cálculo e pressupõe um sistema administrativo e legal cujo funcionamento
pode ser racionalmente calculado, em princípio pelo menos, em
virtude de suas normas gerais fixas, exatamente como o desempenho
previsível de uma máquina. A moderna empresa capitalista não pode
aceitar o que é popularmente denominado “justiça de cádi”: julgar,
segundo o senso de eqüidade do juiz, determinada causa ou segundo
outros meios e princípios irracionais de aplicação jurídica que existiram
em toda parte no passado e ainda existem no Oriente.
A empresa moderna também acha incompatíveis os governos teocráticos
ou patrimoniais da Ásia e de nosso próprio passado, cujas
administrações funcionavam de maneira patriarcal segundo seu próprio
critério individual e, de resto, segundo a tradição inviolavelmente sagrada,
mas irracional. O fato de que a “justiça de cádi” e a correspondente
administração são freqüentemente venais, precisamente em função
de seu caráter irracional, permitiu o desenvolvimento, e amiúde
a exuberante prosperidade, do capitalismo de negociantes e fornecedores
do governo, e de todos os tipos pré-racionais de capitalismo conhecidos
durante quatro mil anos, especialmente o capitalismo do aventureiro
e do buscador de pilhagem, que viviam da política, da guerra
e da administração. Contudo, as características específicas do capitalismo
moderno, isto é, a organização do trabalho rigorosamente racional,
implantada na tecnologia racional, em contraste com as formas antigas
de aquisição capitalista, não se desenvolveram em nenhum desses Estados
irracionalmente e nunca poderiam ter neles aparecido, porque
essas organizações modernas, com seu capital fixo e cálculos precisos,
são por demais vulneráveis a irracionalidades legais e administrativas.
Somente poderiam ter se manifestado em circunstâncias tais como: 1)
na Inglaterra, onde o desenvolvimento da jurisprudência estava praticamente
nas mãos dos advogados, que, a serviço de seus clientes
capitalistas, inventaram formas apropriadas para a transação de negócios,
e de cujo meio eram recrutados os juízes, rigorosamente ligados
a casos precedentes, isto é, a esquemas previsíveis; 2) onde o juiz,
como no Estado burocrático com suas leis racionais, é mais ou menos
um autômato cumpridor de parágrafos: os documentos legais, juntamente
com as custas e emolumentos, são colocados na entrada na
esperança de que a decisão emerja na saída juntamente com argumen-
WEBER
41
tos mais ou menos válidos, ou seja, trata-se de uma máquina, cujo
funcionamento, de modo geral, é calculável ou prognosticado.1
2. As Realidades da Política Partidária e a
Falácia do Estado Corporativo
Dentro dos partidos políticos, a burocratização se desenvolve da
mesma forma que na economia e na administração pública.
A existência dos partidos não é reconhecida por nenhuma Constituição,
ou, pelo menos na Alemanha, por nenhuma lei, ainda que os
partidos sejam hoje os mais importantes veículos políticos para aqueles
que são governados pela burocracia — os cidadãos. Os partidos são
essencialmente organizações voluntárias baseadas no recrutamento
sempre renovado, não importando quantos meios se empreguem para
prender sua clientela permanentemente. Isso os distingue de todas as
organizações que possuem um quadro de associados definido e instituído
por lei ou por contrato. Hoje, o objetivo dos partidos é sempre a obtenção
de votos numa eleição para cargos políticos ou um colégio eleitoral.
Um núcleo permanente de membros interessados é dirigido por um
líder ou por um grupo de pessoas eminentes; esse núcleo difere grandemente
no grau de sua organização hierárquica, contudo é hoje em
dia freqüentemente burocratizado; ele cuida das finanças do partido
com o apoio de patrocinadores ricos, de interesses econômicos, de indivíduos
que buscam cargos públicos ou de associados contribuintes.
Na maior parte dos casos, utilizam-se várias dessas fontes. Esse núcleo
também define programas e táticas e seleciona os candidatos. Mesmo
em partidos de massa com constituições muito democráticas, os votantes
e a maioria dos membros comuns não participam (ou só o fazem formalmente)
da esquematização do programa e da seleção dos candidatos,
pois por sua própria natureza tais partidos desenvolvem um funcionalismo
assalariado. Os votantes exercem influência somente no que
diz respeito a adaptação e seleção de programas e candidatos, de acordo
com as possibilidades destes receberem apoio eleitoral.
OS ECONOMISTAS
42
1 A idéia de que o Direito Romano fomentou o capitalismo é parte do anedotário dos críticos
amadores: todo estudante deve saber que todos os princípios elementares legais característicos
do capitalismo moderno (desde a ação, o debênture, a hipoteca moderna, a letra
de câmbio e todos os tipos de transação, até as formas capitalistas de associação na indústria,
na mineração e no comércio) eram completamente desconhecidos no Direito Romano e são
de origem medieval, e em parte germânicos. Além disso, o Direito Romano nunca conseguiu
se firmar na Inglaterra, onde o capitalismo moderno se originou. A aceitação do Direito
Romano na Alemanha tornou-se possível devido à ausência das grandes associações nacionais
de advogados que na Inglaterra se opuseram a esta evolução, e devido à burocratização
do direito e da administração. O capitalismo moderno, em seus inícios, não se originou
nos burocráticos Estados-modelo, onde a burocracia era um produto do racionalismo do
Estado. O capitalismo avançado, também, a princípio não se limitou a esses países; de
fato, nem se localizou neles em primeiro lugar; apareceu onde os juízes eram recrutados
das fileiras de advogados. Hoje, contudo, o capitalismo e a burocracia se encontraram e
formaram íntima união. (Nota de rodapé de Weber.)
Nenhum protesto moralizador referente à natureza de campanhas
políticas e ao inevitável controle das minorias sobre programas e candidatos
consegue eliminar os partidos como tais, ou mudar sua estrutura
e seus métodos mais do que superficialmente. As condições para
que se estabeleça um núcleo ativo do partido (como para o estabelecimento
dos sindicatos, por exemplo) e as “regras de guerra” no campo
de batalha eleitoral podem ser regulamentadas por lei, como ocorreu
diversas vezes nos Estados Unidos. Mas é impossível eliminar de antemão
a luta dos partidos, se uma representação parlamentar ativa é
o objetivo a atingir. Contudo, alguns críticos com freqüência concebem
a confusa idéia de que isso é possível ou deveria ser feito. Essa idéia,
consciente ou inconscientemente, inspira as muitas propostas para desalojar
os parlamentos baseados no (igual ou graduado) sufrágio universal
substituindo-os por colégios eleitorais de natureza profissional,
ou colocando-os lado a lado com os grupos profissionais corporativos
servindo ao mesmo tempo como assembléias eleitorais para o parlamento.
Em primeiro lugar, esta é uma proposição insustentável numa
época em que a identificação profissional formal — que numa lei eleitoral
teria que se fiar em critérios externos — não revela quase nada
a respeito da função econômica e social, quando cada descoberta tecnológica,
cada mudança econômica e cada novo setor mudam essas
funções e conseqüentemente o significado de trabalhos formalmente
idênticos, assim como as relações numéricas. É claro que essa idéia é
também inadequada para seu intencionado propósito. Ainda que fosse
possível representar todos os votantes por meio de órgãos profissionais,
como as atuais câmaras de comércio e câmaras de agricultura, as conseqüências
obviamente seriam as seguintes:
1) ao lado dessas organizações unidas por vínculos legais, continuariam
a existir os grupos de interesse voluntários, como a Bund der
Landwirte (Liga dos Agricultores) e as diversas associações de empregadores
paralelas às câmaras de comércio e de agricultura. Além disso,
os partidos políticos, também baseados no livre recrutamento, não pensariam
em desaparecer, mas simplesmente ajustariam suas táticas à
nova condição. Essa mudança não seria para melhor. A influência das
eleições nessas organizações profissionais corporativas através de financiadores
e através da exploração de dependências capitalistas continuaria
pelo menos tão sem controle como antes;
2) a solução das tarefas importantes dessas organizações profissionais
seriam arrastadas para o redemoinho do poder político e querelas
partidárias agora que a composição dessas organizações influenciariam
as eleições parlamentares e a concessão de cargos; assim, essas
organizações se encheriam de representantes partidários, em vez de
técnicos competentes;
3) o parlamento se transformaria em mero mercado para acordos
entre interesses puramente econômicos, sem nenhuma orientação po-
WEBER
43
lítica para interesses gerais. Para a burocracia, isso aumentaria a oportunidade
e a tentação de aproveitar-se dos interesses econômicos divergentes
e de expandir o sistema de ajuda política mútua pela concessão
de cargos e contratos, a fim de preservar seu próprio poder.
Qualquer controle público exercido sobre a administração seria ilusório,
pois as medidas e os acordos decisivos dos grupos interessados seriam
realizados atrás das portas fechadas das associações não públicas e
seriam ainda menos controláveis do que antes. No parlamento, seria
o homem de negócios astuto e não o líder político quem colheria as
vantagens dessa situação: um órgão “representativo” dessa natureza
seria o menos adequado imaginável para a solução de problemas políticos
de acordo com critérios verdadeiramente políticos. Tudo isso é
evidente para quem compreende esses assuntos. Também é óbvio que
tais medidas não conseguiriam diminuir a influência capitalista nos
partidos e no parlamento, ou mesmo eliminar, ou pelo menos sanar a
agitação dos partidos. Sucederia o oposto. O fato de que os partidos
operam no princípio de livre recrutamento impede sua regulamentação
pelo Estado; isso escapa ao discernimento daqueles críticos que gostariam
de reconhecer somente organizações estabelecidas por direito público,
não as que se estabelecem no campo de batalha da ordem social
de hoje.
Nos Estados modernos, os partidos políticos podem basear-se fundamentalmente
em dois princípios intrínsecos distintos. Podem os partidos
ser essencialmente organizações para concessão de cargos, como
o têm sido nos Estados Unidos desde o fim das grandes controvérsias
sobre a interpretação da Constituição. Nesse caso estão os partidos
meramente interessados em colocar seu líder na posição máxima, a
fim de que este possa transferir cargos estatais a seus seguidores, ou
seja, aos membros dos staffs ativos e de campanha do partido.
Desde que os partidos não têm princípios explícitos, eles competem
um contra o outro, incluindo em seus programas as exigências
das quais esperam o maior impacto. Essa característica partidária é
muito pronunciada nos Estados Unidos devido à ausência de um sistema
parlamentar; o presidente da federação, eleito pelo povo, controla
— juntamente com os senadores eleitos pelos Estados — a concessão
do vasto número de cargos federais. Apesar da corrupção resultante,
esse sistema era popular, pois impedia o aparecimento de uma casta
burocrática. Tecnicamente era exeqüível, porquanto mesmo a pior administração,
conduzida por diletantes, podia ser tolerada em vista da
ilimitada abundância de oportunidades econômicas. A crescente necessidade
de substituir o inexperiente protegido pelo partido e funcionários
oportunistas pelo funcionário especializado, tecnicamente treinado, reduz
progressivamente os benefícios do partido e resulta inevitavelmente
numa burocracia de tipo europeu.
Ou, então, os partidos se baseiam sobretudo em uma ideologia
OS ECONOMISTAS
44
partidária e querem dedicar-se à concretização de ideais políticos que
lhe são inerentes. De forma relativamente pura, esse tipo era representado
na Alemanha pelo Partido Católico do Centro da década de
1870 e pelos sociais-democratas antes de se burocratizarem. De maneira
geral, os partidos combinam ambos os tipos. Têm objetivos explícitos
que são determinados pela tradição, e por isso esses objetivos só podem
ser modificados pouco a pouco. Além disso, querem controlar também
a concessão de cargos. Em primeiro lugar, objetivam colocar seus líderes
nos principais postos políticos. Se obtêm êxito na luta eleitoral, os
líderes e funcionários podem proporcionar a seus adeptos cargos estatais
seguros durante o período de preponderância do partido. Esta é
a regra em Estados parlamentaristas; portanto, os partidos ideológicos
também seguiram esse caminho. Em Estados não-parlamentaristas
(como a Alemanha Imperial), os partidos não controlam a concessão
dos cargos máximos, mas os partidos mais influentes podem geralmente
pressionar a burocracia dominante no sentido de conceder cargos apolíticos
a seus protegidos, ao lado dos candidatos recomendados por
ligações com funcionários efetivos; logo, esses partidos podem exercer
concessão “subalterna”.
Durante a racionalização de técnicas de campanha política nas
décadas passadas, todos os partidos tomaram providências no sentido
de se organizarem burocraticamente. Cada partido atingiu um estágio
diferente nesse desenvolvimento, mas pelo menos nos Estados de grandes
massas a tendência geral é óbvia. A “panelinha” de Joseph Chamberlain
na Inglaterra, o aparecimento da “máquina”, como é significativamente
chamada nos Estados Unidos, e a crescente importância do
funcionalismo partidário em toda parte, inclusive na Alemanha, são
todos estágios desse processo. Na Alemanha ele progride mais rapidamente
no Partido Social-Democrático — o que é muito natural, pois é
o partido mais democrático. Para o Partido do Centro funciona o aparelho
eclesiástico, a burocracia eclesiástica (Kaplanokratie), e para o
Partido Conservador na Prússia, desde o ministério Puttkamer (1881-
88), o mecanismo governamental local e do condado do Landrat e do
Amtsvorstehar, independendo de quão aberta ou dissimuladamente tenha
sido conduzido. O poder dos partidos repousa fundamentalmente
na eficiência organizacional dessas burocracias. As hostilidades mútuas
das máquinas eleitorais partidárias, muito mais do que as diferenças
programáticas, são responsáveis pelas dificuldades da fusão de partidos.
O fato de que os dois delegados do Reichstag, Eugen Richter e Heinrich
Rickert, conservaram cada qual sua organização local do Partido Progressista
prenunciou a eventual cisão do partido.1
WEBER
45
1 Sobre o Sezession e sua fusão com o Partido Progressista, ver acima, parte II, cap. XIV,
nº 9. Sobre a organização em geral dos partidos alemães durante o Império, ver Thomas
Nipperdey, Die Organization der deutschen Parteien vor 1918 (Düsseldorf: Droste, 1961).
3. Burocratização e a Ingenuidade dos Críticos
Naturalmente há muitas diferenças entre as várias espécies de
burocracia: entre a administração militar e civil, entre Estado e partido,
entre comunidade, igreja, banco, cartel, cooperativa de produtores, fábrica
e grupo de interesse (como associações de empregadores ou a
Liga dos Agricultores). O grau de participação de dignitários não-remunerados
e de grupos de interesse também varia muito. Nem o chefe
de partido nem os membros do conselho de uma sociedade anônima
por ações são burocratas. Sob as várias formas do denominado “autogoverno”,
dignitários ou representantes eleitos dos governados ou contribuintes
podem, como grupo corporativo ou como órgãos individuais,
se associar à burocracia de forma subordinada ou de domínio, e ter
funções co-determinantes, supervisoras, consultivas, e, às vezes, executivas.
A última dessas modalidades ocorre particularmente nas administrações
municipais. Contudo, não nos interessam aqui essas instituições,
ainda que não sejam sem significado prático. (Assim, não
discutimos aqui numerosas instituições das quais podemos nos orgulhar
na Alemanha e algumas das quais são realmente exemplares. Mas é
erro crasso dos críticos imaginarem que o governo de um grande país
é basicamente idêntico ao autogoverno de qualquer cidade de tamanho
médio. Política significa conflito). Em nossas circunstâncias, é decisivo
que na administração de associações de massas os funcionários especializados
sempre componham o núcleo do mecanismo, pois sua disciplina
é a precondição absoluta do êxito. Isso é tanto mais verdadeiro
quanto maior for a associação, quanto mais complicadas forem suas
tarefas e, acima de tudo, quanto mais sua existência depender do poder
— quer se trate de uma luta pelo poder no mercado, na arena eleitoral
ou no campo de batalha. Isso é especialmente verídico com relação aos
partidos políticos. Está condenado o sistema de administração partidária
local por dignitários, sistema que ainda existe na França, cuja
misère parlamentar deve-se à ausência de partidos burocratizados. Isso
se dá também parcialmente na Alemanha. Na Idade Média, a administração
exercida por dignitários locais dominava todas as formas de
associações; ainda predomina em comunidades pequenas e de tamanho
médio, mas hoje em dia “os cidadãos respeitáveis”, “preeminentes homens
de ciência”, ou qualquer que seja seu rótulo, são usados meramente
como propaganda, não como executores das rotinas decisivas.
Pela mesma razão, vários dignitários decorativos figuram nos conselhos
das sociedades anônimas por ações; príncipes da Igreja são ostentados
nos congressos do laicato católico; autênticos e pseudo-aristocratas comparecem
às reuniões da Liga dos Agricultores, e dignos historiadores,
biólogos e especialistas do gênero, geralmente inexperientes em assuntos
políticos, são atraídos para a agitação dos paladinos pangermânicos,
ansiosos de proveitos de guerra e privilégios eleitorais. O trabalho pro-
OS ECONOMISTAS
46
priamente, em todas as organizações, é realizado cada vez mais por
empregados assalariados e por funcionários de todos os tipos. O resto
é aparência e ostentação.
Assim como os italianos e, depois deles, os ingleses magistralmente
desenvolveram as modernas formas capitalistas de organização
econômica, assim os bizantinos, depois os italianos, depois os Estados
territoriais da época absolutista, a centralização revolucionária francesa
e, finalmente, superando a todos eles, os alemães consumaram a organização
burocrática racional, funcional e especializada de todas as
formas de dominação, da fábrica ao exército e à administração pública.
Por enquanto, os alemães só foram superados no que se refere à técnica
de organização partidária por algumas nações, especialmente pelos
americanos. A atual guerra mundial significa o triunfo universal dessa
forma de vida, que aliás já estava em andamento. Já antes da guerra,
as universidades, escolas politécnicas e comerciais, escolas profissionais,
academias militares e escolas especializadas de todas as espécies
imagináveis (até de jornalismo) agitaram-se com exigências urgentes
movidas pelos interesses de aliciamento de estudantes para as escolas
e pela obsessão dos diplomados por sinecuras: o exame profissional
deveria ser a precondição para todos os cargos bem remunerados e
principalmente seguros nas burocracias pública e privada; o diploma
deveria ser a base de todas as pretensões de prestígio social (de connubium
e commercium social com os círculos que se consideram a si
mesmos como “sociedade”); o “salário”, socialmente adequado e garantido,
sucedido por uma aposentadoria deveria ser a forma de remuneração;
finalmente, os aumentos salariais e as promoções deveriam depender
do tempo de serviço. Os efeitos podem ser observados dentro
e fora das instituições governamentais, mas aqui só estamos interessados
nas conseqüências para a vida política. É esse fato sóbrio de
burocratização universal que se encontra por trás das chamadas “idéias
alemãs de 1914", ou seja, por trás do que os críticos eufemisticamente
denominam ”socialismo do futuro", por trás dos lemas de “sociedade
organizada”, “economia cooperativa”, e todas as frases semelhantes da
atualidade. Mesmo que busquem o oposto, sempre promovem o aparecimento
da burocracia. É verdade que a burocracia não é decididamente
a única forma moderna de organização, assim como a fábrica
também decididamente não é a única forma de empresa comercial,
mas ambas marcam o caráter da época atual e do futuro previsível.
O futuro pertence à burocratização, e é evidente que, nesse particular,
os críticos obedecem a vocação de proporcionar sua salva de palmas
às potências promissoras, da mesma maneira como o fizeram na época
do laissez-faire, em ambas as vezes com a mesma ingenuidade.
A burocracia distingue-se das outras influências históricas do moderno
sistema racional de vida por ser muito mais persistente e porque
dela não se pode fugir. A História nos mostra que onde quer que a
WEBER
47
burocracia tenha triunfado, como na China, no Egito, e, em menor
grau, no Império Romano posterior e em Bizâncio, ela não desapareceu
mais, a não ser por ocasião do colapso total da respectiva cultura.
Contudo, essas eram ainda, relativamente falando, formas de burocracia
altamente irracionais: “burocracias patrimoniais”. Em contraste com
essas formas mais antigas, a burocracia moderna tem uma característica
que torna sua natureza muito mais explícita: especialização e treinamento
racionais.
O mandarim chinês não era um especialista, mas sim um gentleman
dotado de educação literária e humanística. O funcionário egípcio,
o funcionário romano do império dos últimos tempos e o funcionário
bizantino eram muito mais burocratas, em nosso sentido da palavra.
Mas, comparadas às tarefas modernas, as deles eram infinitamente
simples e limitadas; suas atitudes eram em parte presas à tradição,
em parte orientadas patriarcalmente, isto é, irracionalmente. Como o
homem de negócios do passado, ele era um empírico genuíno. O funcionário
moderno recebe treinamento profissional que inevitavelmente
aumenta em proporção com a tecnologia racional da vida moderna.
Todas as burocracias do mundo seguem esse mesmo caminho. Nossa
superioridade nesse particular deve-se ao fato de que, antes da guerra,
a burocracia em outros países não tinha progredido tanto. O velho
funcionário americano patrocinador de empregos para os partidários,
por exemplo, era um “especialista” em campanhas políticas, com a
práxis apropriada, mas, de modo algum, era ele um funcionário proficientemente
treinado. Não a democracia como tal, conforme afirmam
nossos críticos, mas a falta de treinamento profissional, constituiu a
fonte da corrupção, que tanto é estranha ao funcionalismo público com
instrução universitária ora emergente como é estranha à moderna burocracia
inglesa, a qual cada vez mais substitui o autogoverno de dignitários
(gentleman). Onde quer que o funcionário especializado moderno
venha a predominar, sua força se revela praticamente indestrutível,
pois toda organização, mesmo das providências pelas coisas mais
elementares da vida, foi adaptada a seu modo de operação. Uma eliminação
progressiva do capitalismo privado é teoricamente concebível,
ainda que certamente não seja tão fácil como o fazem supor os sonhos
de alguns críticos que desconhecem o assunto. Essa eliminação, com
toda a certeza, não será uma das conseqüências desta guerra. Mas
suponhamos que, no futuro, o capitalismo privado seja eliminado. Qual
seria o resultado prático? A destruição da estrutura de aço do trabalho
industrial moderno? Não! A abolição do capitalismo privado significaria
simplesmente que também a alta administração das empresas nacionalizadas
ou socializadas tornar-se-ia burocrática. As condições de trabalho
diário dos empregados assalariados e dos operários nas minas
e estradas de ferro estatais, na Prússia, serão acaso perceptivelmente
diferentes, na realidade, das condições nas grandes empresas de capital
OS ECONOMISTAS
48
privado? É verdade que há ainda menos liberdade, desde que toda
luta pelo poder contra uma burocracia estatal é sem esperança e desde
que não há apelação a um órgão que, por questão de princípio, estivesse
interessado em limitar o poder empregador, como ocorre no caso de
uma empresa privada. Essa seria toda a diferença.
A burocracia estatal reinaria absoluta se o capitalismo privado
fosse eliminado. As burocracias privada e pública, que agora funcionam
lado a lado, e potencialmente uma contra a outra, restringindo-se assim
mutuamente até certo ponto, fundir-se-iam numa única hierarquia.
Esse Estado seria então semelhante à situação observada no Egito
Antigo, mas ocorreria de uma forma muito mais racional e por isso
indestrutível.
Uma máquina inanimada é a inteligência concretizada. Somente
esse fato proporciona à máquina o poder de forçar os homens a operá-la,
e o poder de dominar suas vidas de trabalho diário tão completamente
como ocorre em realidade na fábrica. A inteligência concretizada é
também uma máquina animada, a da organização burocrática, com
sua especialização no treinamento de aptidões profissionais, sua divisão
de competência, seus regulamentos e relações hierárquicas de autoridade.
Juntamente com a máquina inanimada, a inteligência concretizada
ocupa-se em construir o casulo da servidão que os homens serão
talvez forçados a habitar algum dia, tão impotentes quanto os felás
do Egito Antigo. Isso poderia ocorrer, se uma administração tecnicamente
superior chegasse a ser o valor supremo e único na organização
dos afazeres dos homens, o que significa: uma administração burocrática
racional com a correspondente beneficência social, pois essa burocracia
pode operar muito melhor do que qualquer outra estrutura
de dominação. Esse casulo de servidão, que nossos incautos críticos
tanto louvam, poderia talvez ser reforçado prendendo-se cada indivíduo
a seu trabalho (atente-se para os começos disso já aparecerem nas
“disposições do bem-estar social”), à sua classe (mediante a crescente
rigidez da estrutura da propriedade), e talvez à sua profissão (por meio
de métodos rituais de satisfazer as exigências do Estado, o que significa:
sobrecarregar associações profissionais com funções estatais). Tal Estado
seria ainda mais indestrutível se na esfera social se anexasse à
burocracia (na verdade, se subordinasse a ela) uma organização de
categoria civil de governados. Surgiria, então, como nos Estados de
trabalhos forçados do passado, uma estratificação social “orgânica” semelhante
à egípcio-oriental mas, em contraste com esta, seria tão austeramente
racional como uma máquina. Quem iria querer negar que
tal potencialidade está nas entranhas do futuro? Na realidade, isso já
foi expressado freqüentemente, e a própria antevisão confusa do fato
já projeta sua sombra nas produções de nossos críticos. Suponhamos,
por ora, que a concretização dessa possibilidade fosse “inevitável”: Quem
não riria, então, do temor de nossos críticos de que o desenvolvimento
WEBER
49
político e social poder-nos-ia trazer “individualismo” ou “democracia”
em demasia ou outras coisas semelhantes, e quem não riria também
de sua antevisão de que a “verdadeira liberdade” só se manifestará
quando a atual “anarquia” da produção econômica e as “maquinações
partidárias” de nossos parlamentos forem abolidas em favor de “ordem”
social e “estratificação orgânica” — isto é, em favor do pacifismo da
impotência social sob a tutela do único poder a que realmente não se
pode escapar: a burocracia instalada no Estado e na economia.
4. As Limitações Políticas da Burocracia1
Devido ao fato básico do avanço irresistível da burocratização, a
pergunta sobre as formas futuras de organização política só pode ser
formulada do seguinte modo:
1. Como se poderá preservar qualquer resquício de liberdade “individualista”,
em qualquer sentido? Afinal de contas, é uma ilusão
flagrante acreditar que, sem as conquistas da época dos Direitos do
Homem, qualquer um de nós, até mesmo dos mais conservadores, poderá
viver hoje sua vida. Mas não nos deteremos aqui nesta pergunta,
pois há outra:
2. Em vista da crescente indispensabilidade da burocracia estatal
e de seu correspondente aumento de poder, como poderá haver qualquer
garantia de que permanecerão em existência forças que possam conter
e controlar eficazmente a tremenda influência desse segmento? Mesmo
nesse sentido, como será a democracia de todo possível? Contudo, esta
também não é a única pergunta que nos diz respeito aqui.
3. Uma terceira pergunta, e a mais importante de todas, levanta-
se em face de considerações sobre as limitações inerentes à burocracia
propriamente dita. Pode-se notar facilmente que a eficiência da
burocracia tem limitações definidas em nível público e governamental,
assim como na economia privada. “A mente dirigente” e “o espírito em
movimento” — do empresário e do político respectivamente — diferem
substancialmente da mentalidade do funcionário da administração pública.
É fato que o empresário trabalha num escritório, da mesma
maneira que o comandante do exército, que formalmente não é diferente
de outros oficiais. Se o presidente de uma grande empresa é um empregado
assalariado de uma sociedade anônima por ações, é legalmente
um funcionário como outros. Na vida pública o mesmo é verídico com
relação ao chefe de um órgão político. O ministro em exercício é formalmente
um funcionário assalariado com direito a aposentadoria. O
fato de que, segundo todas as Constituições, ele pode ser exonerado
OS ECONOMISTAS
50
1 Veja também o comentário de Weber na convenção de “Verein für Sozialpolitik” em Viena,
em 1909, no qual ele comparou a geração mais velha de membros que tinham levado a
efeito a superioridade da burocracia em relação ao “manchesterismo”, reimpresso em Grazss,
412 ss.
ou renunciar a qualquer momento torna sua posição diferente da de
muitos, mas não da de todos os funcionários. Muito mais surpreendente
é o fato de que ele e só ele não tem necessidade de provar possuir
formação profissional. Isso indica que o significado de sua posição o
distingue, afinal de contas, de outros funcionários, como distingue o
empresário e o presidente da companhia na economia privada. Realmente,
é mais exato dizer-se que ele deve ser algo diferente. E assim
é de fato. Se um homem numa posição de comando mostra ser um
“funcionário” no espírito de seu desempenho, isto é, seja um homem
que, não importa quão qualificado seja, tem o hábito de trabalhar diligente
e honradamente obedecendo a regulamentos e instruções, então
ele é tão ineficaz no leme de uma empresa privada como no de um
governo. Infelizmente, nosso próprio governo demonstrou a validade
desse argumento. A diferença está apenas em parte na espécie de desempenho
esperado. Tomadas de decisão independentes e aptidão organizacional
imaginativa em pormenores são geralmente também exigidas
do burocrata e muito freqüentemente esperadas mesmo em assuntos
de maior envergadura. Que o burocrata é absorvido pela rotina
subalterna e que somente o “diretor” executa as tarefas interessantes
e intelectualmente estimulantes é uma idéia preconcebida dos críticos
e só é possível num país que não tem compreensão da maneira pela
qual seus assuntos e o trabalho de seu funcionalismo são geridos. A
diferença acha-se, antes, no tipo de responsabilidade, e é isso que realmente
determina os diferentes pré-requisitos para ambas as espécies
de cargos. Um funcionário que recebe uma diretriz a qual ele considera
errônea pode e deve objetar a ela. Se seu superior insistir na execução
de tal diretriz, é dever do funcionário e até motivo de orgulho executá-la
como se isso correspondesse à sua convicção mais íntima, demonstrando
assim que sua consciência do dever coloca-se acima de suas preferências
pessoais. Não importa se a ordem emana de uma “autoridade”, de uma
“companhia” ou de uma “assembléia”. Esta é a ética profissional. Um
líder político que agisse dessa maneira mereceria desprezo. Ele freqüentemente
será forçado a fazer concessões, isto é, sacrificar o menos
importante ao mais importante. Se ele não tiver êxito em exigir de
seu patrão, seja este um monarca ou o povo: “Ou obtenho de vós a
autorização que agora necessito, ou renuncio”, ele será um miserável
pegajoso — como denominou Bismarck este tipo — e não líder. “Estar
acima dos partidos” — de fato, permanecer fora da luta pelo poder —
é o papel do funcionário, enquanto luta pelo poder pessoal e a resultante
responsabilidade pessoal pela própria causa são os princípios essenciais
do político assim como do empresário.
Desde a renúncia do príncipe Bismarck, a Alemanha tem sido
governada por “burocratas” (no melhor sentido da palavra) porque ele
eliminou todo talento político. A Alemanha continuou a manter uma
burocracia militar e civil superior a todas as outras no mundo em
WEBER
51
termos de integridade, educação, escrupulosidade e inteligência. O desempenho
alemão na guerra, tanto no exterior quanto dentro das fronteiras,
demonstrou o que estes meios podem atingir. Mas que dizer
sobre a direção da política alemã (nacional e exterior) durante as décadas
recentes? O que de mais benévolo se dizia a esse respeito era
que “as vitórias dos exércitos alemães compensavam as derrotas de
tal política”. Faremos silêncio a respeito dos sacrifícios envolvidos e
indagaremos, em vez disso, sobre as razões desses fracassos.
No exterior imagina-se que a “autocracia” alemã seja o erro.
Enquanto na Alemanha, graças às infantis fantasias históricas de
nossos críticos, supõe-se freqüentemente o contrário: uma conspiração
da “democracia” internacional provocou a artificial coligação
mundial contra nós. Usa-se no exterior a hipócrita expressão “libertar
os alemães da autocracia”. Na Alemanha, os interessados no
sistema vigente até o momento (ainda chegaremos a conhecê-los)
empregam o palavrório igualmente hipócrita da necessidade de proteger
o “espírito alemão” da contaminação pela “democracia”, ou
procuram outros bodes expiatórios.
Tornou-se costumeiro, por exemplo, criticar a diplomacia alemã,
o que é possivelmente injustificável. Provavelmente ela era, em média,
tão boa quanto a de outros países. Há uma confusão aí. O que faltava
era que o Estado fosse dirigido por um político — não por um gênio
político, o que se espera ocorra uma vez a cada século, nem mesmo
por um grande talento político, mas simplesmente por um político.
5. O Papel Limitado do Monarca
Isso nos leva diretamente à discussão dos dois únicos poderes
que podem ser forças controladoras e dirigentes no Estado constitucional
moderno, ao lado do onipotente funcionalismo: o monarca e o
parlamento.
A posição das dinastias alemãs sairá incólume da guerra, a menos
que haja muita imprudência e nada tenha sido aprendido dos erros
do passado. Quem quer que tenha tido a oportunidade de conversar
com os sociais-democratas alemães poderá tê-los levado a admitir quase
sempre, depois de intensa discussão, que “em si mesma” a monarquia
constitucional era a forma apropriada de governo para a Alemanha,
em vista de sua singular situação internacional. As coisas assim se
apresentavam muito antes de 4 de agosto de 1914, e não me refiro
aqui a “revisionistas”, delegados parlamentares ou membros de sindicatos,
mas a funcionários comuns do partido, em parte muito radicais.
Basta apenas atentar, um momento, para a Rússia a fim de compreender
que a transição para a monarquia parlamentar, como o desejavam
os políticos liberais, teria conservado a dinastia, teria destruído o domínio
descarado da burocracia, e no final teria fortalecido o país tanto
quanto ele agora se acha enfraquecido pela presente república de in-
OS ECONOMISTAS
52
telectuais, abstraindo do idealismo dos líderes desta. !1 N aIn glaterra
subentende-se que a força do parlamentarismo britânico reside no fato
de que o mais elevado cargo do país é ocupado de uma vez por todas.
Não podemos discutir aqui nem as razões da importância da mera
existência de um monarca, nem a questão de se somente um monarca
pode desempenhar esse papel. No que concerne à Alemanha, pelo menos,
devemos levar em conta a posição do monarca. Não podemos ansiar
por uma época de guerras entre pretendentes e uma era de contra-revoluções;
nossa posição internacional é por demais frágil para isso.
Contudo, no Estado moderno o monarca não pode em lugar nenhum
constituir-se numa força em oposição ao poder dos burocratas
que tudo pervade. O monarca não pode supervisionar a administração,
porque ela requer formação profissional, e o monarca moderno nunca
é um especialista, a não ser talvez em questões militares. Acima de
tudo, o monarca nunca é um político com treinamento efetuado dentro
da máquina dos partidos ou da diplomacia. Não apenas sua educação
mas principalmente sua posição constitucional não condizem com isso.
Ele não conquista sua coroa pela disputa partidária, e a luta pelo
poder não é seu meio natural, como o é para o político. Ele não sente
pessoalmente as árduas realidades da vida partidária descendo à arena
política, pelo contrário, seus privilégios o apartam delas. Há políticos
natos, mas são raros. O monarca que for um destes torna-se uma
ameaça a seus próprios interesses e aos do Estado se tentar governar
por si mesmo, como o fez o Tzar, ou exercer influência por expedientes
políticos — por meio de “demagogia” no sentido mais lato da palavra
—, em discursos e por escrito, com a finalidade de propagar suas idéias
ou de projetar sua personalidade. Ele então coloca em perigo não apenas
sua coroa — o que seria seu assunto pessoal —, mas a sobrevivência
do Estado. Contudo, essa tentação — ou melhor, necessidade — surge
inevitavelmente para um monarca moderno se ele for confrontado somente
por burocratas, isto é, se o parlamento for impotente, como tem
ocorrido na Alemanha durante décadas. Mesmo de um ponto de vista
WEBER
53
1 Como fontes russas me afirmaram que o Sr. Kerenski se teria utilizado desta passagem
extraída do Frankfurter Zeitung em comícios públicos para mostrar a necessidade de sua
ofensiva como uma prova de “força”, permitiam-me aqui dirigir-me explicitamente a este
coveiro da jovem liberdade da Rússia: uma ofensiva só pode ser lançada por alguém que
disponha dos necessários recursos — por exemplo, artilharia suficiente para reter a infantaria
inimiga em suas trincheiras, e suficientes meios de transporte e de suprimentos para
deixar os próprios soldados em suas trincheiras sentirem sua dependência desse alguém
para a obtenção de alimento. A “fraqueza” do chamado governo “social-revolucionário” do
Sr. Kerenski, contudo, estava em sua falta de crédito, como já vimos, como já foi explicado
alhures (Cf. “Russlands Übergang zur Scheindemokratie”, em Die Hilfe, 26 de abril de
1917, reimpresso em GPS, 192-210), e na necessidade de negar seu próprio idealismo, de
concluir uma aliança com a “Entente” imperialista burguesa, e assim sacrificar centenas
de milhares de seus próprios compatriotas como mercenários para interesses alienígenas
a fim de conseguir crédito para a manutenção de sua própria dominação na pátria. Creio
que infelizmente tinha razão quanto a esta previsão, como quanto a outras que fiz em
outro lugar a respeito da atitude da Rússia. (Não vejo razão para modificar esta passagem,
escrita há muitos meses.) (N. de rodapé de Weber.)
puramente técnico, isso tem graves desvantagens. Se não existir parlamento
eficaz, o monarca torna-se dependente do relatório de funcionários
para a supervisão do trabalho de outros funcionários. Isso é um
círculo vicioso. A contínua guerra recíproca entre vários ministérios,
como era típico na Rússia e também até certo ponto na Alemanha até
o presente, é a conseqüência natural de pretensos governos “monárquicos”
sem um líder político. Esse conflito de “sátrapas” compreende
quase sempre não apenas diferenças sobre assuntos objetivos, mas rivalidades
pessoais; os choques entre os ministérios servem a seus titulares
como meios na competição para os postos ministeriais, quando
forem considerados simplesmente benefícios burocráticos. Serão as intrigas
da corte e não razões importantes ou qualidades de liderança
política que irão determinar a posse de um cargo. É do conhecimento
geral que lutas pessoais pelo poder são comuns em Estados parlamentaristas.
O erro está em supor-se que as monarquias são diferentes
nesse particular. Na realidade estas têm um problema adicional. O
monarca acredita que ele sozinho governa, quando na verdade, por
trás desse biombo, a burocracia goza do privilégio de agir sem peias
e sem ser responsável perante nenhuma autoridade. Aduladores envolvem
o monarca com o halo romântico do poder porque ele pode
substituir o ministro em exercício à sua discrição. Contudo, monarcas
como Eduardo VII da Inglaterra e Leopoldo II da Bélgica, que não
eram certamente personalidades preeminentes, exerciam um poder real
muito maior, ainda que e porque reinavam em estilo rigorosamente
parlamentar e nunca desempenharam um papel público saliente, ou
pelo menos nunca apareceram em público sob outro manto que não o
parlamentar. Constitui pura ignorância chamar tais monarcas de “simulacros
de reis” na fraseologia dos intelectuais e é estupidez destes
transformar os boatos moralizantes de burgueses retrógrados sobre os
monarcas num critério para julgamento político. A História julgará de
maneira diferente, ainda que os programas políticos desses monarcas
venham a fracassar eventualmente — assim como tantos grandes projetos
fracassam. Um desses dois monarcas viu-se mesmo forçado a
substituir seus funcionários da corte, segundo a constelação do poder
parlamentar, mas conseguiu realizar uma aliança mundial; o outro
tinha por reino um pequeno Estado, mas formou um imenso império
colonial (se comparado com nossos fragmentos coloniais). Quem quer
que queira liderar em política, seja ele monarca ou ministro, deve
saber como usar os modernos instrumentos do poder. O sistema parlamentar
elimina apenas o monarca politicamente incompetente —
para o bem do país. Será este um “Estado vigia noturno”1 (Nachtwächterstaat)
que conseguiu incorporar a si mesmo, a despeito de sua di-
OS ECONOMISTAS
54
1 Nachtwächterstaat era o epíteto comumente aplicado ao Estado liberal com sua redução
de funções, pelos críticos da doutrina do laissez-faire. A referência, é claro, se endereça à
Inglaterra manchesteriana.
minuta população, as melhores partes de todos os continentes? Que
vulgar é aquela expressão que tem tão forte sabor de ressentimento
de súdito.
Passemos agora ao parlamento.
6. Parlamentos Fracos e Fortes, Política Negativa e Positiva
Os parlamentos modernos são primeiramente órgãos representativos
dos indivíduos governados por meios burocráticos. Afinal de
contas, um mínimo de consentimento da parte dos governados, pelo
menos das camadas socialmente importantes, é a condição prévia da
durabilidade de toda dominação, inclusive da mais bem organizada.
Os parlamentos são hoje o meio de manifestar esse consentimento
mínimo. Para certos atos dos poderes públicos, por lei é obrigatório o
consenso do parlamento, após prévia deliberação; nisso se inclui, especialmente,
o orçamento. O controle sobre a arrecadação da receita
— o direito sobre o orçamento — é o instrumento de poder decisivo
do parlamento, como sempre tem sido desde que os privilégios corporativos
das classes políticas começaram a existir. Entretanto, na medida
em que um parlamento só possa apoiar as queixas dos cidadãos contra
a administração apenas rejeitando dotações e projetos de lei e apresentando
noções descabidas, esse parlamento se exclui de participação
positiva na direção de assuntos políticos. Esse parlamento só poderá
desenvolver uma “política negativa”, isto é, enfrentar os chefes administrativos
como se o parlamento fosse um poder hostil; nessas condições
o parlamento receberá apenas o mínimo indispensável de informações
e será considerado um simples freio, um conglomerado de críticos
impotentes e sabichões. Por sua vez, a burocracia facilmente parecerá
ao parlamento e aos eleitores deste como sendo uma casta de
carreiristas e apaziguados que submetem o povo a suas atividades
inoportunas e, em grande parte, supérfluas.
As coisas são diferentes quando o parlamento impõe que os chefes
da administração sejam tirados de seu meio (sistema parlamentar propriamente
dito) ou, então, que, para se manterem em seus cargos,
precisam do voto expresso e declarado de confiança da maioria, ou, ao
menos, que não sejam objeto do voto de desconfiança (seleção parlamentar
dos líderes) e, por essa razão, devem prestar contas absolutas
de seus atos à revisão do parlamento ou de suas comissões (responsabilidade
parlamentar dos líderes) e deverão, ainda, conduzir a administração
de acordo com as diretrizes estabelecidas pelo parlamento
(controle administrativo do parlamento). Então os líderes dos partidos
dominantes têm uma participação positiva no governo, e o parlamento
converte-se num fator de política positiva, ao lado do monarca que
agora gorverna não mais em virtude de seus direitos formais da coroa
— pelo menos não exclusivamente —, mas em virtude de sua influência
pessoal, influência que permanece grande de qualquer maneira, mas
WEBER
55
varia de acordo com seu grau de prudência e energia política. Isso é
o que significa Volksstaat (Estado do povo), independente de o termo
ser apropriado ou não; em contraposição, um parlamento de governados
que só recorre à política negativa em face de uma burocracia
dominante representa uma versão do Obrigkeitsstaat (Estado de autoridades).
Aqui estamos interessados nas conseqüências concretas
da posição do parlamento.
Quer amando, quer odiando a política parlamentar — não podemos
afastá-la. Quando muito, o parlamento pode ser reduzido à impotência
política, como fez Bismarck com o Reichstag. Além das conseqüências
gerais da “política negativa”, a fraqueza do parlamento tem
outros resultados (que podem ser mais bem compreendidos se primeiramente
nos lembrarmos do papel de um parlamento forte). Todo conflito
no parlamento implica não somente numa luta por questões importantes
mas também numa luta pelo poder pessoal. Onde quer que
o parlamento seja tão forte que, via de regra, o monarca confie o governo
ao porta-voz de uma maioria bem definida, a luta dos partidos pelo
poder será uma disputa pelo mais alto posto executivo. A luta é então
conduzida por homens que têm fortes instintos de poder político e
qualidades altamente desenvolvidas de liderança política, e conseqüentemente
a possibilidade de assumir as posições mais elevadas; pois a
sobrevivência do partido fora do parlamento, e incontáveis interesses
de natureza ideológica e parcialmente bem material, estreitamente ligados
ao partido, exigem que líderes capazes cheguem a posições-chave.
Somente sob semelhantes condições podem homens com temperamento
e talento políticos ser motivados a se sujeitarem a essa espécie de
seleção pela competição.
As coisas são completamente diferentes se, sob o rótulo de “governo
monárquico”, a indicação a posições-chave for conseqüência de
autopromoção de burocratas ou devida a uma acidental amizade influente
(da corte), e se um parlamento impotente precisar se submeter
a tal formação de governo. Também nesse caso as ambições pessoais,
à parte de questões importantes, desempenham naturalmente um papel
e direções de formas subalternas muito diferentes, e direções como as
que têm sido seguidas na Alemanha desde 1890. Além de representar
os interesses econômicos locais de leitores influentes, a concessão de
cargos subalternos torna-se o principal interesse dos partidos. O choque
entre o Chanceler Bülow e o Partido do Centro (em 1906) não foi
motivado por diferenças políticas, mas essencialmente pela tentativa
do chanceler de ab-rogar o direito de concessões de cargos do partido
que ainda hoje caracterizam a composição do corpo de pessoal de alguns
órgãos centrais do Reich. O Partido do Centro não é o único nesse
particular. Os partidos conservadores mantêm seu monopólio de cargo
na Prússia e procuram atemorizar o monarca com o espectro de “revolução”
sempre que esses benefícios se encontrem em perigo. Os par-
OS ECONOMISTAS
56
tidos que se encontram em exclusão permanente esforçam-se por se
compensarem cuidando das administrações municipais e dos fundos
de seguro da saúde pública, e adotar no parlamento, como costumavam
fazer os sociais-democratas, políticas hostis ao governo ou alienadas
do Estado. Isso é muito natural, pois todo partido luta pelo poder, isto
é, por uma participação na administração e, conseqüentemente, no
preenchimento de cargos. No que diz respeito a este último fenômeno,
nossas classes governantes não são superadas por nenhuma outra,
mas não podem ser responsabilizadas por isso, pois a procura e a
concessão de cargos ocorrem nos bastidores e implicam posições subordinadas
que não são responsáveis pela composição do pessoal do
funcionalismo público. Nossa burocracia, por sua vez, beneficia-se desse
estado de coisas, dispondo de sua parte de forma pessoal e sem controle,
que sejam pagas aos partidos dominantes as necessárias “gratificações”
em forma de insignificantes benefícios. Isso é o resultado natural do
fato de que o partido (ou a coalização partidária) que realmente se
constitui em maioria pró ou contra o governo não é chamado oficialmente
para preencher o cargo político máximo.
Por outro lado, esse sistema permite que burocratas qualificados,
que todavia não possuem vestígios de talento político, conservem-se
em importantes postos políticos até que alguma intriga os substitua
em favor de personagens semelhantes. Assim nossa instituição partidária
de distribuição de cargos é idêntica em grau à de outros países,
mas a nossa se apresenta desonestamente disfarçada, e de uma maneira
que sempre favorece certas perspectivas sectárias aceitáveis na corte.
Contudo, essa parcialidade está longe de ser o pior aspecto do assunto.
Seria politicamente tolerável se a instituição partidária de distribuição
de cargos partidários propiciasse pelo menos uma oportunidade para
recrutar, desses partidos da corte, líderes capazes de dirigir a nação. Contudo,
não é o que acontece. Isso só seria possível num sistema parlamentar,
ou pelo menos num sistema que torne os cargos-chave disponíveis à distribuição
parlamentar de cargos. Aqui encontramos um obstáculo puramente
formal que a atual Constituição do Reich lhe opõe.
7. As Fraquezas Constitucionais do Reichstag e o
Problema da Liderança
O artigo 9 da Constituição do Reich (de 1871) declara que “ninguém
pode ser simultaneamente membro do Bundesrat e do Reichstag”.
Conseqüentemente, enquanto em outros sistemas parlamentares considera-
se absolutamente necessário que os líderes do governo sejam
membros do parlamento, isso é legalmente impossível na Alemanha.
O chanceler imperial, um ministro representando seu Estado no Bundesrat,
ou um secretário imperial de Estado, podem ser membros de
um parlamento de um Estado em particular — por exemplo, da Dieta
prussiana — e podem ali influenciar ou mesmo liderar seu partido,
WEBER
57
mas não podem sentar-se no Reichstag. Essa cláusula foi simplesmente
uma imitação mecânica da exclusão dos pares britânicos da Câmara
dos Comuns (e provavelmente trasladada da Constituição prussiana).
Conseqüentemente, foi um ato de irreflexão, e essa cláusula precisa
agora ser eliminada. Por si mesmo, isso não será equivalente à introdução
do sistema parlamentar ou do patronato parlamentar, mas criará
a oportunidade para que um parlamentar politicamente competente
seja ao mesmo tempo membro importante do governo imperial. É difícil
compreender por que um deputado que se mostra adequado para uma
posição-chave deva ser forçado a abandonar sua base política antes
que possa assumir seu posto.
Se Bennigsen tivesse ingressado no governo na época (1877/78)
e tivesse deixado o Reichstag, Bismarck teria transformado um importante
líder político num funcionário administrativo sem apoio parlamentar,
e o partido (nacional-liberal) teria sido dominado por sua
ala esquerda ou teria se desintegrado — e este talvez fosse o objetivo
de Bismarck. Hoje o deputado (nacional-liberal) Schiffer perdeu sua
influência no partido unindo-se ao governo e entregando-o, assim, à
ala do big business.1 Dessa maneira, os partidos são “decapitados”, e,
em vez de políticos eficientes, o governo ganha funcionários sem treinamento
profissional numa carreira burocrática e sem a influência de
um parlamentar. Isso resulta no mais baixo modo concebível de “subornar”
os partidos. O parlamento se transforma num degrau para a
carreira de talentosos aspirantes a secretários de Estado: essa idéia
tipicamente burocrática é defendida por críticos em política e direito,
que assim consideram o problema do parlamentarismo alemão solucionado
de uma maneira especificamente “alemã”! Esses mesmos círculos
zombam da prática da procura de cargos, que a eles se apresenta
como um fenômeno exclusivamente “europeu ocidental” e “democrático”.
Nunca compreenderão que os líderes parlamentares buscam cargos
não motivados por salário ou posição, mas para alcançar o poder e a
responsabilidade que dele dimana, e que esses líderes só podem ter
bom êxito se tiverem um séquito parlamentar; também nunca compreenderão
esses círculos que há uma diferença entre fazer do parlamento
uma seção de recrutamento para líderes ou trampolim para
carreiristas burocráticos. Durante décadas os mesmos grupos ridicularizaram
os parlamentos alemães e seus partidos por verem no governo
algo como um inimigo natural. Mas em nada os perturba o fato de
que, devido a restrições — dirigidas exclusivamente contra o Reichstag
— do artigo 9, o Bundesrat e o Reichstag são tratados por lei como
forças hostis que só podem estabelecer relações entre si através de
declarações da tribuna do segundo e da mesa de conferências do pri-
OS ECONOMISTAS
58
1 Eugen Schiffer (1860-1954), deputado nacional-liberal, foi nomeado subsecretário de Estado
no tesouro Imperial em 1917.
meiro. Deve ser deixada à consideração conscienciosa de um político,
do governo que o empossa, e de seus leitores, a questão da possibilidade
de o mencionado político combinar com seu cargo um mandato parlamentar,
uma liderança partidária ou, de qualquer forma, a participação
num partido e a questão de as instruções segundo as quais ele vota
no Bundesrat serem compatíveis com suas próprias convicções, pelas
quais ele se apresenta no Reichstag. !1 O homem que éresponsável pela
instrução do voto “que preside” (isto é, o prussiano) no Bundesrat —
o chanceler imperial e ministro do Exterior prussiano — deverá ser
livre para exercer sua influência como membro do partido no Reichstag,
além de presidir o Bundesrat sob a supervisão dos representantes de
outros Estados. Atualmente, sem dúvida, é considerado “nobre” um
político conservar-se afastado dos partidos. O conde Posadowsky acreditava
mesmo que tinha uma obrigação para com seu cargo anterior
(secretário do Interior de 1897 a 1907) de permanecer dissociado de
qualquer partido, isto é, de fazer mau uso do Reichstag no papel de
um orador acadêmico ineficaz. Por que ineficaz? Devido ao modo como
o parlamento conduz seus assuntos.
Os discursos dos deputados hoje já não são manifestações de
caráter pessoal, ainda menos tentativas para converter os adversários.
São declarações oficiais do partido dirigidas ao país de forma pública
e manifesta. Depois que os representantes de todos os partidos tenham
falado uma ou duas vezes a seu turno, o debate no Reichstag é encerrado.
Os discursos são submetidos de antemão à reunião dos delegados
do partido ou, então, ali se procura um consenso quanto às partes
principais. Nessa reunião também se determina quem falará pelo partido.
Os partidos têm peritos para todos os assuntos, tal como a burocracia.
É verdade que, além de suas abelhas operárias, eles têm
zangões que são úteis como fogos-de-artifício retóricos, quando usados
com cautela. Em grande parte, entretanto, os que realizam o trabalho
também têm a influência. Seu trabalho é realizado por trás dos bastidores
nas reuniões dos comitês e dos delegados do partido, e especialmente
nos escritórios particulares dos delegados mais diligentes.
Por exemplo, a posição de Eugen Richter era inexpugnável, ainda que
ele fosse muito impopular em seu próprio partido (progressista), devido
WEBER
59
1 É engraçado que, logo no (ultraconservador) Kreuzzeitung, um escritor anônimo deduza a
incompatibilidade das duas posições da consideração jurídica formal de que os deputados
parlamentares devem votar de acordo com suas convicções, mas os membros do Bundesrat
de acordo com instruções. O Kreuzzeitung não se incomoda com o fato de que numerosos
Landräte, que desde os tempos de Puttkamer têm sido responsáveis pela “representação
da linha política do governo”, tenham assento na Dieta prussiana; nem é o Kreuzzeitung
perturbado por secretários imperiais de Estado que, como delegados na Dieta prussiana,
como seria de se esperar, criticassem as instruções recebidas, como membros do Bundesrat,
do governo responsável perante esta Dieta. Se um líder partidário, que é também um
membro do Bundesrat, não pode conseguir instruções que correspondam às suas convicções,
deve renunciar. De fato, isso deveria ser feito por todo político. Voltaremos a isso mais
abaixo. (N. de rodapé de Weber.)
a sua grande capacidade de trabalho e a seu insuperável conhecimento
sobre o orçamento. Ele foi certamente o último delegado a ser capaz
de verificar o destino que o Ministério da Guerra dava a cada centavo
gasto até na mais remota cantina. Apesar de aborrecidos, funcionários
do Ministério da Guerra em diversas ocasiões expressaram a mim sua
admiração com referência à capacidade de entendimento que Richter
demonstrava ter desses assuntos. Presentemente, a eminente posição
de Matthias Erzberger, do Partido do Centro, reside em sua atividade
frenética, sem a qual a influência desse político, cujo talento político
é bastante limitado, mal seria compreensível.1
Contudo, a atividade não qualifica um homem para a liderança
no governo nem em um partido — duas coisas que de modo algum
são tão diferentes quanto o supõem nossos românticos críticos. Que eu
saiba, todos os partidos alemães tiveram no passado homens com talento
de liderança política: Von Bennigsen; Von Miquel, Von Stauffenberg,
Völk e outros, entre os nacionais-liberais; Von Mallinckrodt e
Windhorst, do Partido do Centro; Von Bethusy-Huc, Von Minnigerode,
Von Manteuffel, entre os conservadores; Von Saucken-Tarputschen,
entre os progressistas; e Von Vollmar, entre os sociais-democratas.
Todos eles faleceram ou se retiraram do parlamento, como Bennigsen
na década de 1880, porque não podiam ingressar no governo como
líderes partidários. Se delegados tornam-se de fato ministros, como
Von Miquel e Möller, têm que abandonar seus compromissos políticos
anteriores a fim de se ajustarem aos ministérios puramente burocráticos.
(Na ocasião, Möller disse encontrar-se na desagradável situação
de ter tornado públicas suas opiniões particulares em seus antigos
discursos quando ainda era deputado!) Contudo, restam muito líderes
natos na Alemanha. Mas onde se encontram? A resposta agora é fácil.
Para citar um exemplo, refiro-me a um homem cujas opiniões e atitudes
políticas em relação a reformas sociais são radicalmente opostas às
minhas. Por acaso acredita alguém que o atual diretor da Krupp, anteriormente
um funcionário público, elemento ativo na política relativa
às fronteiras orientais, estava destinado a administrar a maior empresa
industrial da Alemanha, em vez de dirigir um ministério-chave ou um
poderoso partido parlamentar?2 Por que então preenche ele a primeira
função e, presumivelmente, sob as atuais condições, recusaria a segunda?
Para ganhar mais dinheiro? Suponho, em vez disso, uma razão
OS ECONOMISTAS
60
1 Matthias Erzberger (1875-1921) foi o mais preeminente membro do Partido do Centro
durante o período da guerra. Líder da ala esquerda democrática, desempenhou papel-chave
no processo de parlamentarização e nos primeiros tempos do governo de pós-guerra; foi
assassinado por fanáticos nacionalistas em 1921. Cf. Klaus Epstein, Matthias Erzberger
and the Dilemma of German Democracy (Princeton: Princeton University Press, 1959).
2 Após 1918, Alfred Hugenberg realmente tornou-se ambas as coisas: de sua base propagandística
no jornalismo e na indústria cinematográfica ele prosseguiu para chefiar o Deutsch-
Nationale Partei direitista em 1928 e ingressou no primeiro gabinete de Hitler como ministro
da Economia em 1933, na esperança completamente errônea de poder manipular Hitler.
mais simples: ou seja, em vista da impotência do parlamento e do
resultante caráter burocrático dos postos ministeriais, um homem possuidor
de forte impulso para o poder e das qualidades que acompanham
esse impulso teria que ser tolo para se aventurar nessa teia miserável
de mútuo ressentimento e caminhar no terreno escorregadio das intrigas
políticas, enquanto seus talentos e energias podem ser canalizados
para atividades como a das indústrias gigantes, a dos cartéis,
a dos bancos e a do comércio atacadista. Pessoas desse porte preferem
financiar jornais pangermanistas e franqueá-los ao palavreado dos críticos.
Nosso assim dito governo monárquico nada mais é do que esse
processo de seleção negativa, ou, em termos mais simples, desvia todos
os grandes talentos para o serviço dos interesses capitalistas. Pois apenas
no terreno do capitalismo privado existe hoje algo que se aproxima
de uma seleção de homens com talentos de liderança. Por quê? Porque
a Gemütlichkeit (comodidade, conforto) — neste caso, a retórica dos
críticos — chega ao fim, logo que interesses econômicos envolvendo
milhões e bilhões de marcos e dezenas e centenas de milhares de trabalhadores
são afetados.1 E por que não existe tal seleção no governo?
Porque um dos piores legados de Bismarck foi o fato de que ele considerava
necessário a seu regime cesarista buscar abrigo atrás da legitimidade
do monarca. Seus sucessores, que não eram césares mas
austeros burocratas, imitaram-no fielmente. A nação politicamente sem
instrução aceitou a retórica de Bismarck em seu valor aparente, e os
críticos forneceram o aplauso costumeiro. Isso é lógico, pois eles examinam
os futuros funcionários e consideram-se funcionários e pais de
funcionários. Seu ressentimento dirige-se contra todos que buscam e
ganham o poder sem se legitimarem por um diploma. Desde que Bismarck
tinha desabituado a nação de se preocupar a respeito de assuntos
públicos e especialmente de política exterior, ela se deu ao luxo de se
deixar convencer a aceitar como sendo “governo monárquico” o que na
realidade era o domínio irrestrito da burocracia. Sob tal sistema, qualidades
de liderança política nunca apareceram e frutificaram em nenhum
lugar do mundo. Nossa administração pública realmente possui
homens com qualidades de liderança; certamente não seria nosso desejo
negá-lo aqui. Contudo, as convenções e as peculiaridades internas da
hierarquia burocrática impedem rigorosamente as oportunidades de
carreira precisamente desses talentos, e a natureza total do funcionalismo
moderno é excessivamente desfavorável ao desenvolvimento da
autonomia política (que precisa ser distinguida da liberdade interior
do indivíduo). A essência da política — como teremos que salientar
freqüentemente — é luta, aliciamento de adeptos e aliados voluntários;
WEBER
61
1 Isso é uma referência a um provérbio muito usado: “Em assuntos monetários Gemütlichkeit
encontra seus limites”; diz-se que foi formulado pela primeira vez pelo industrial e líder
liberal David Nansemann na Dieta prussiana em 8 de junho de 1847.
sob o sistema de carreira do Obrigkeitsstaat, é impossível o treinamento
nessa difícil arte. É bem conhecido que a escola de Bismarck era a
Dieta Federal de Frankfurt.1 No exército, o treinamento é dirigido com
vistas ao combate, e isso pode produzir líderes militares. Entretanto,
para o político moderno a escola de lutas apropriada é o parlamento
e as disputas dos partidos perante o público geral; nem a concorrência
pela promoção burocrática nem qualquer outra coisa se constituirá
num substituto adequado. Evidentemente, isso só é verdadeiro com
relação a um parlamento cujo líder pode assumir o governo.
Por que razão homens com qualidades de liderança deveriam ser
atraídos por um partido que na melhor das hipóteses pode alterar
alguns itens do orçamento de acordo com os interesses dos eleitores e
proporcionar alguns benefícios secundários ou protegidos dos figurões
desse partido? Que oportunidades pode o partido oferecer a líderes em
potencial? A tendência em relação à política simplesmente negativa
de nosso parlamento reflete-se hoje nos menores detalhes da agenda
e das convenções do Reichstag e dos partidos. Conheço muitos casos
nos quais jovens talentos políticos foram simplesmente supressos pela
velha guarda de dignitários locais e figurões partidários cobertos de
méritos. Isso acontece em todas as associações e é muito natural num
parlamento impotente restrito à política negativa, pois numa instituição
dessa espécie predominam exclusivamente os instintos de associação.
Um partido orientado no sentido de participar do poder e da responsabilidade
governamentais jamais poderia se dar a esse luxo; todos os
membros saberiam que a sobrevivência do partido e de todos os interesses
que os prendem ao partido dependem da subordinação do partido
a líderes capazes. Em nenhum lugar do mundo, nem mesmo na Inglaterra,
pode o corpo parlamentar constituído de muitas cabeças como
tal governar e determinar políticas. A grande massa de deputados
funciona somente como um séquito do líder ou dos poucos líderes que
formam o governo, e essa massa segue seus líderes cegamente enquanto
eles tiverem êxito. É assim que deve ser. A ação política é sempre
determinada pelo “princípio de números pequenos”, isto é, a manobrabilidade
política superior de pequenos grupos líderes. Em Estados de
massas, esse elemento cesarista é inextirpável.
Contudo, esse elemento sozinho garante que a responsabilidade
para com o público, que se dissiparia dentro de uma assembléia constituída
de muitas cabeças a governar, está a cargo de pessoas claramente
identificáveis. Isso é especialmente verídico de uma democracia
propriamente dita. Funcionários eleitos diretamente pelo povo revelaram-
se em duas situações: primeiramente, nos cantões locais, onde os
OS ECONOMISTAS
62
1 Bismarck foi ministro prussiano da mal organizada Dieta Federal em Frankfurt, na qual a
Áustria ainda desempenhava papel dominante, de 1851 a 1859. Cf. Oskar Meyer, Bismarcks
Kampft mit Österreich am Bundestag zu Frankfurt (1851-1859) (Berlin: Koebler, 1927).
membros de uma população estável conhecem-se uns aos outros pessoalmente,
e as eleições podem ser determinadas pela reputação de
uma pessoa na comunidade. O segundo caso, que é válido somente
com várias reservas, é a eleição ao mais alto cargo político num Estado
de massas. Raramente é o homem mais proeminente, mas geralmente
um líder político apropriado, que atinge o poder supremo dessa maneira.
Contudo, para a massa de funcionários de escalão intermediário, especialmente
os que necessitam de um treinamento especializado, a
eleição popular, via de regra, fracassa completamente, e por razões
compreensíveis. Nos Estados Unidos, os juízes indicados pelo presidente
elevam-se acima daqueles eleitos pelo povo, em termos de capacidade
e integridade. O homem que os indicava era, afinal de contas, responsável
pela qualificação do funcionário e o partido governante era o que
sofria, se grandes abusos ocorressem mais tarde. Nos Estados Unidos
o sufrágio imparcial tem resultado freqüentemente na eleição de um
homem de confiança para o cargo de prefeito, com ampla liberdade
para criar sua própria administração municipal. O sistema parlamentar
inglês igualmente tende para o desenvolvimento de tais configurações
cesaristas. O primeiro-ministro ganha uma crescente posição dominante
em relação ao parlamento, do qual ele saiu.
Exatamente como qualquer outra organização humana, a seleção
de líderes políticos através dos partidos tem suas falhas, mas com
respeito a estas os críticos alemães discorreram ad nauseam durante
as últimas décadas. Claro está que o sistema parlamentar também
espera do indivíduo que este se subordine a líderes que freqüentemente
só podem ser aceitos como um “mal menor”. Mas o Obrigkeitsstaat não
lhe dá nenhuma escolha e lhe impõe burocratas em vez de líderes, o
que com certeza faz uma pequena diferença. Ainda mais, a plutocracia
floresce na Alemanha tanto quanto em outros países, ainda que de
forma um pouco diferente. Os críticos pintam os grandes poderes capitalistas
nas cores mais sombrias, e note-se, não obstante, sem nenhum
conhecimento. Há algumas sólidas razões por trás do fato de que estes
mesmos poderes, que conhecem seus próprios interesses bem melhor
do que aqueles teóricos de gabinete, colocam-se com unanimidade do
lado do burocrático Obrigkeitsstaat e contra a democracia e o parlamentarismo;
isso é especialmente verídico com relação à indústria pesada,
o mais impiedoso desses poderes capitalistas, mas essas razões
permanecem fora do conhecimento dos filisteus literários. À sua maneira
moralizante, estes assinalam o fato de que os líderes partidários
são motivados pela vontade de poder e seus seguidores por interesse
egoísta na busca de cargos — como se os aspirantes burocráticos não
tivessem igualmente seu pensamento polarizado pelo binômio carreira/
salário, mas fossem inspirados pelos motivos mais desinteressados.
O papel da demagogia na luta pelo poder é demonstrado a todos pela
atual (janeiro 1918) campanha jornalística a respeito de quem de-
WEBER
63
veria ser o ministro do Exterior alemão, campanha essa estimulada
por certos círculos oficiais.1 Isso prova que um governo alegadamente
monárquico facilita o mais pernicioso abuso da imprensa na busca
de cargos e de rivalidades interdepartamentais. Esse estado de coisas
não poderia ter sido pior, em qualquer sistema parlamentar que
tivesse partidos poderosos.
Os motivos do procedimento pessoal no seio do partido não são
meramente mais idealistas do que o são os costumeiros interesses filisteus
dos competidores burocráticos em promoções e benefícios. Aqui
como lá, interesses pessoais estão geralmente em jogo (mesmo que se
trate da muito elogiada “solidariedade corporativa” do Estado do futuro
propalado pelos críticos). É de suma importância, contudo, que essas
fragilidades humanas universais pelo menos não impeçam a seleção
de líderes capazes. Mas num partido isso só é possível se os líderes
souberem que, em caso de vitória, eles terão os poderes e as responsabilidades
do governo. Só então se torna possível essa seleção, mas
mesmo assim ela não pode ser assegurada. Pois só um parlamento
ativo, e não um parlamento onde apenas se pronunciam arengas, pode
proporcionar o terreno para o crescimento e a ascensão seletiva de
líderes genuínos, e não meros talentos demagógicos. Um parlamento
ativo, entretanto, é um parlamento que supervisiona a administração
participando continuamente do trabalho desta. Isso não era possível
na Alemanha antes da guerra, mas deverá sê-lo depois, ou teremos a
velha misère. Este é o nosso próximo tópico.
OS ECONOMISTAS
64
1 Richard von Kuhlmann (1873-1948), diplomata de carreira, nomeado secretário de Estado
em agosto de 1917, tinha irritado o exército (Ludendorff) através de uma posição relativamente
conciliatória em algumas questões processuais nas negociações de paz de Best-
Litovsk em fins de dezembro; isso resultou numa campanha da imprensa e em outras
pressões dirigidas pelo Grande Quartel-General visando à exoneração desse homem — um
objetivo que Ludendorff só conseguiu atingir em julho de 1918, quando Kuhlmann foi
obrigado a renunciar, tendo sido substituído por um almirante, Paul von Hintze. Cf. Erich
Matthias e Rudolf Morsey (eds.) Der Interfraktionelle Ausschuss 1917/18 (2 vols.) Quellen
zur Geschichte des Parlamentarismus und der politischen Parteien, primeira série, vols.
I-II; Düsseldorf: Droste, 1959, I, 77 ss.
III
O DIREITO A INQUÉRITO
PARLAMENTAR E O
RECRUTAMENTO DE LÍDERES
POLÍTICOS
Toda a estrutura do parlamento alemão se orienta para a política
negativa: crítica e queixa, a deliberação, a modificação e a aprovação
de projetos de lei. Todos os usos e costumes parlamentares ajustam-se
a essa condição. Devido ao desinteresse público, infelizmente não temos,
a par dos bons tratados jurídicos sobre a regulamentação do modus
procedendi dos negócios, nenhuma análise política das verdadeiras operações
do Reichstag, como existem para parlamentos estrangeiros. Entretanto,
se se tentar discutir com um parlamentar qualquer forma
desejável de organização interna do parlamento e da rotina de trabalho,
imediatamente se é confrontado por numerosos usos e costumes que
existem apenas para o conforto, as vaidades, as exigências e os preconceitos
de fatigados dignitários parlamentares e impedem qualquer
eficácia política do parlamento. Desse modo, até a simples tarefa de
supervisão administrativa contínua sobre a burocracia é prejudicada.
Será supérflua essa supervisão?
Nosso funcionalismo tem sido brilhante onde quer que tenha tido
de provar seu senso de dever, sua imparcialidade e domínio de problemas
de organização à vista de tarefas oficiais e claramente formuladas,
de natureza especializada. Este escritor, que provém de uma
família do funcionalismo público, seria o último a permitir que essa
tradição fosse maculada. Mas o que aqui nos interessa são realizações
políticas não-burocráticas, e os próprios fatos proclamam ao mundo o
veredito que não pode ser negado por quem quer seja amante da verdade:
que a burocracia fracassou completamente sempre que devia
65
lidar com problemas políticos. Isso não é acidental; antes seria espantoso
se capacidades intrinsecamente tão estranhas umas às outras
emergissem dentro da mesma estrutura política. Como já assinalamos,
não é do dever do funcionário público entrar na arena política combatendo
por suas convicções próprias, e nesse sentido engajar-se na luta
política. Ao contrário, seu orgulho está em conservar a imparcialidade
política, e, conseqüentemente, em passar por cima de suas próprias
inclinações e opiniões, a fim de aderir consciente e judiciosamente a
um regulamento geral assim como a uma diretriz especial, mesmo e
particularmente se estas não correspondem a suas próprias atitudes
políticas. Mas os chefes da burocracia precisam continuamente solucionar
problemas políticos — problemas de Machtpolitik assim como
de Kulturpolitik. A primeira tarefa do parlamento é supervisionar esses
chefes da burocracia. Entretanto, não apenas as tarefas designadas
aos altos escalões da burocracia mas também cada detalhe técnico dos
níveis administrativos inferiores podem tornar-se politicamente importantes
e sua solução pode depender de critérios políticos. Os políticos
devem ser a força de equilíbrio contra a dominação burocrática. A isso,
entretanto, resistem os interesses de poder dos setores dirigentes de
uma mera burocracia, que querem ter máxima isenção de supervisão
e estabelecer um monopólio em cargos de gabinete.
1. Supervisão Eficaz e a Base de Poder da Burocracia
A supervisão eficaz sobre o funcionalismo depende de certas précondições.
Independentemente de ter suas raízes na divisão administrativa
de trabalho, o poder de todos os burocratas reside em dois tipos
de conhecimento: primeiro, conhecimento técnico no sentido mais amplo
do termo, adquirido mediante treinamento especializado. Quer esse
tipo de conhecimento seja também representado no parlamento, quer
os deputados possam, em caráter particular, consultar especialistas
em determinado caso, é incidental e é um assunto pessoal. Para supervisionar
a administração não há o que substitua a acareação (juramentada)
de peritos perante uma comissão parlamentar, na presença
de funcionários convocados dos respectivos departamentos. Essa acareação
garante, por si mesma, o controle e a imparcialidade do interrogatório.
Hoje o Reichstag simplesmente carece do direito de
proceder dessa forma: a Constituição o condena a uma ignorância
própria de amador.
Entretanto, o conhecimento especializado por si só não explica o
poder da burocracia. Além disso, o burocrata tem informações oficiais
que só são conseguidas mediante canais administrativos e que lhe fornecem
os dados nos quais ele pode fundamentar suas ações. Só quem
consegue ter acesso a esses dados, independentemente da boa vontade
dos funcionários, pode supervisionar eficazmente a administração. De
acordo com as circunstâncias, os meios apropriados são a inspeção de
OS ECONOMISTAS
66
documentos, inquérito no local e, em casos extremos, a acareação do
funcionário sob juramento perante uma comissão parlamentar. Também
esse direito é negado ao Reichstag, ao qual se negou deliberadamente
a possibilidade da obtenção das informações necessárias. Conseqüentemente,
além do diletantismo, o Reichstag foi sentenciado à
ignorância — está claro que não por razões técnicas, mas exclusivamente
porque o supremo instrumento do poder da burocracia é a transformação
das informações oficiais em material sigiloso através do conceito
notório do “serviço secreto”. Em última análise, isso nada mais
é do que um meio de proteger a administração contra a supervisão.
Enquanto os níveis inferiores da hierarquia burocrática são supervisionados
e criticados pelos escalões mais altos, todos os controles, quer
técnicos, quer políticos, sobre esses escalões que se ocupam com a política
fracassaram completamente. A maneira pela qual os chefes administrativos
respondem a perguntas e críticas do Reichstag é freqüentemente
vergonhosa para um povo consciente de si mesmo; isso só se
tornou possível porque o parlamento não pode aproveitar, pelo “direito
de inquérito” (Enqueterecht), os dados e pontos de vista técnicos, cujo
conhecimento por si só permitiria firme cooperação com a administração
e influência sobre a mesma. Primeiramente, isso deve ser mudado. É
evidente que não se espera que os comitês do Reichstag mergulhem
em amplos estudos e publiquem grossos volumes — isso de qualquer
maneira não acontecerá, pois o Reichstag está muito ocupado com outros
assuntos. O direito parlamentar de inquérito deveria ser um meio
auxiliar e, de resto, um chicote, cuja mera existência coagiria os chefes
administrativos a responsabilizarem-se por seus atos de tal forma que
o uso do dito chicote não se fizesse necessário. As melhores realizações
do parlamento britânico devem-se ao uso judicioso desse direito. A
integridade do funcionalismo britânico e o alto nível de sofisticação
política do público são grandemente baseados nele; tem sido freqüentemente
salientado que o melhor indicador da maturidade política está
na maneira pela qual os trâmites das comissões são acompanhados
pela imprensa britânica e seus leitores. Essa maturidade reflete-se
não em votos de não-confiança, nem em acusações de ministros e semelhantes
espetáculos do desorganizado parlamentarismo franco-italiano,
mas no fato de que a nação se mantém informada da conduta
de seus negócios pela burocracia, e a supervisiona continuamente. Só
as comissões de um parlamento poderoso podem ser o veículo para o
exercício dessa salutar influência pedagógica. Em última análise, a
burocracia só pode lucrar com esse desenvolvimento. O relacionamento
do público com a burocracia raramente mostrou tanta falta de compreensão
como na Alemanha, pelo menos em comparação com países
que possuem tradições parlamentares. Isso não espanta. Em nosso
país, os funcionários têm que lidar com problemas que em parte alguma
se tornam visíveis para nós. As realizações desses funcionários nunca
WEBER
67
podem ser entendidas e apreciadas. As estéreis queixas sobre “São
Burocrácio” — em vez da crítica positiva — não podem ser retiradas
enquanto persistir a atual condição da dominação burocrática descontrolada.
Mais ainda, o poder do funcionalismo não enfraquece onde
ocupa o lugar que lhe é próprio. Em assuntos ministeriais, o subsecretário
permanente (Geheimrat) que se especializou em determinado
campo leva a vantagem sobre seu ministro, ainda que esse ministro
seja funcionário de carreira; isso é verdade tanto com referência à
Inglaterra como à Alemanha. Isso deve ser assim mesmo, pois hoje
em dia o treinamento especializado é condição prévia indispensável
para o conhecimento dos meios técnicos necessários à conquista de
objetivos políticos. Mas o estabelecimento de objetivos políticos não é
um assunto técnico, e, conseqüentemente, a política não é da alçada
do funcionário público profissional.
2. O Parlamento como Campo de Provas para Líderes Políticos
A alteração aparentemente bastante modesta que se teria introduzido,
entre nós, por meio de um controle contínuo e mediante a
colaboração da comissão parlamentar auxiliada pela administração e
em confronto com ela, e, além disso, garantida pelo direito de inquérito,
é a condição prévia básica para todas as reformas posteriores que objetivam
uma ampliação da ação positiva do parlamento como órgão de
governo. Essa mudança é também a premissa indispensável para fazer
do parlamento um centro de recrutamento de líderes políticos. A falação
de moda de nossos críticos gosta de desacreditar parlamentos taxando-
os de arenas para “meros pronunciamentos de discursos”. Da mesma
maneira, se bem que com muito mais espírito, Carlyle havia trovejado
contra o parlamento britânico três gerações antes, e contudo o parlamento
tornou-se o fator decisivo do poder britânico mundial. Hoje os
líderes políticos (e militares) não mais brandem a espada, mas recorrem
a ondas sonoras e rabiscos de tinta bastante prosaicos: palavras escritas
e faladas. O que importa é que a inteligência e o conhecimento, a
vontade férrea e a experiência sensata determinem essas palavras,
quer sejam elas ordens ou discursos de campanha política, notas diplomáticas
ou pronunciamentos oficiais no parlamento. Entretanto, a
demagogia ignorante ou a impotência tornada rotina — ou ambas —,
triunfam num parlamento que só faz criticar, sem conseguir acesso
aos fatos, e cujos líderes nunca são colocados numa situação em que
sejam forçados a provar seu brio. É parte daquela lamentável história
de imaturidade política, que uma época totalmente apolítica produziu
em nosso país, ou seja, que o filisteu alemão contempla instituições
políticas tais como o parlamento inglês com os olhos cegos por seu
próprio ambiente; crê ele assim que pode pretensiosamente olhar com
desprezo para tais instituições do alto de sua própria impotência política,
deixando de reconhecer que o parlamento britânico tornou-se,
OS ECONOMISTAS
68
afinal de contas, o campo de provas para aqueles líderes políticos que
conseguiram colocar um quarto da humanidade sob o domínio de uma
diminuta mas politicamente prudente minoria. Atente-se a um importante
pormenor: uma parte, de certa forma digna de consideração, se
rendeu voluntariamente a esse domínio. Onde estão os resultados comparáveis
do extremamente elogiado Obrigkeitsstaat alemão? A preparação
política para tais realizações não se consegue, evidentemente,
mediante discursos ostentosos e decorativos perante o parlamento, mas
somente pelo trabalho constante e ativo numa carreira parlamentar.
Nenhum dos importantes líderes ingleses alcançou uma alta posição
sem ter adquirido experiência nas comissões, e freqüentemente em
vários órgãos governamentais. Somente um treinamento intensivo, pelo
qual é necessário que o político passe nas comissões de um parlamento
enérgico e ativo, transforma tal assembléia num campo de recrutamento
não para meros demagogos, mas para políticos de participação positiva.
Até hoje o parlamento britânico tem sido inigualável a este respeito
(ninguém pode honestamente negá-lo). Somente tal cooperação entre
funcionários públicos e políticos pode garantir a supervisão contínua
da administração, e com ela a educação política de líderes e liderados.
Publicidade da administração, imposta pela vigilância parlamentar eficaz,
deve ser exigida como pré-condição para qualquer trabalho parlamentar
e educação política fecundos. Nós também começamos a trilhar
por essa estrada.
3. A Importância das Comissões Parlamentares na Guerra e na Paz
As exigências do período de guerra, que deram fim a muitos
slogans conservadores, originaram a Comissão Principal (Hauptausschuss)
do Reichstag;1 suas operações ainda deixam muito a desejar,
mas pelo menos é um passo na direção de um parlamento eficaz. Sua
insuficiência, de um ponto de vista político, deve-se à forma perniciosa
e desorganizada pela qual se deu publicidade a problemas muito delicados;
as discussões ocorreram entre um círculo muito grande de
deputados, e por isso eles não podem deixar de ser tratados de forma
emocional. O fato de centenas de pessoas terem tido conhecimento de
assuntos militares e diplomáticos secretos (veja-se, por exemplo, o caso
da guerra submarina) foi simplesmente uma perigosa tolice; como resultado,
essa informação foi passada adiante secretamente ou acabou
chegando à imprensa, incorretamente ou em forma sensacionalista. As
deliberações atuais de política exterior e militar devem estar restritas
WEBER
69
1 A Hauptausschuss foi formada em outubro de 1916. Era realmente a Comissão Orçamentária,
com o poder de se reunir mesmo quando o Reichstag não estava em sessão, com o
propósito específico de debater questões estrangeiras e assuntos de guerra; compreendia
representantes de todos os partidos numa base proporcional. Cf. Matthias e Morsey (eds.),
op. cit., I, XIV ss.
a um pequeno círculo de representantes acreditados dos partidos. Visto
que a política é sempre conduzida por um pequeno número de pessoas,
os partidos também devem ser organizados para as questões políticas
vitais não à maneira de associações, mas à maneira de grupos de
sequazes. Seus porta-vozes devem ser “líderes”, isto é, devem ter ilimitada
autoridade para tomar decisões importantes (ou deverão poder
conseguir essa autoridade, no espaço de algumas horas, de comissões
que possam ser reunidas a qualquer momento). Nomeada para um
objetivo único, a Comissão dos Sete do Reichstag foi um aparente passo
nessa direção.1 Levou-se em consideração a vaidade dos chefes da administração,
qualificando-se de “provisório” esse órgão e procurando-se
não tratar os parlamentares como representantes de seu partidos, numa
tentativa que teria destruído a significação política da comissão, mas
que felizmente não vingou. Havia boas razões técnicas para reunir
esses sete representantes partidários com representantes do governo,
mas, em vez dos sete plenipotenciários do Bundesrat, teria sido melhor
recorrer a apenas três ou quatro delegados dos maiores Estados nãoprussianos
e, de resto, convocar os quatro ou cinco mais altos militares
ou seus delegados. De qualquer maneira, só um pequeno grupo de
homens que são obrigados a ser discretos podem preparar decisões
políticas em situações políticas muito tensas. Em condições de período
de guerra talvez fosse apropriado estabelecer uma comissão mista,
unindo os representantes do governo com os de todos os grandes partidos.
Em tempos de paz, um acordo que reunisse representantes partidários
numa base semelhante poderia revelar-se igualmente útil para
a deliberação de questões políticas delicadas, particularmente de política
externa. De resto, contudo, esse sistema tem utilidade limitada,
não é nem um substituto para a genuína reforma parlamentar, nem
um meio para a criação de políticas governamentais coerentes. Se essas
políticas devem ser apoiadas por diversos partidos, o acordo poderia
ser estabelecido em reuniões interpartidárias dos líderes do governo e
dos representantes da maioria parlamentar. Uma comissão na qual se
reúnam socialistas independentes e conservadores não poderá absolutamente
cumprir essa função de formular uma decisão política. Isso
seria um absurdo político. As estruturas partidárias acima mencionadas
nada podem produzir para uma orientação coerente da política.
Em contraposição, para a supervisão da burocracia durante a
OS ECONOMISTAS
70
1 Após a queda do chanceler Bethmann-Hollweg (ver abaixo, n. 29), uma comissão consultiva
de sete parlamentares foi imposta pelo apreensivo Reichstag ao novo chanceler, Georg
Michaelis, para com ele deliberar a respeito da resposta alemã à nota papal de paz de
agosto de 1917. Era esta a primeira vez que o parlamento participava explicitamente da
formulação da política externa, constituindo-se assim a ocasião num importante passo em
direção à parlamentarização. Cf. Epstein, Erzberger, op. cit., 216 ss.; também Matthias e
Morsey (eds.), op. cit. I, 119-213, onde a pré-história e o curso das negociações são amplamente
documentados em protocolos de sessões de comissão.
época de paz, comissões mistas especializadas, seguindo as pegadas
da Hauptausschuss, poderiam revelar-se apropriadas, desde que o público
seja mantido informado e desde que se criem medidas eficazes,
as quais possam preservar a coerência diante do assunto especializado
tratado nas várias subcomissões; estas se comporiam de representantes
do Bundesrat e dos ministérios. A possível eficácia política de tal disposição
dependerá, é claro, completamente do futuro papel do Reichstag
e da estrutura de seus partidos. Se as coisas permanecerem no estado
atual, se o obstáculo mecânico do Artigo 9 da Constituição for mantido,
e se o parlamento continuar a se limitar à “política negativa” — e a
burocracia tem por objetivo claro essa perpetuação —, aí então os partidos
provavelmente concederão mandatos insignificantes a seus representantes
nas comissões; e, de qualquer forma, não lhes concederão
mandato plenipotenciário de líder; mais ainda, cada partido seguirá
seu caminho buscando vantagens especiais para seus protegidos. Todo
esse dispositivo se tornaria então um estorvo inútil e um desperdício
de tempo para administração, e não um meio de treinamento político
e de cooperação profícua. O resultado positivo seria nesse caso, na
melhor das hipóteses, algo semelhante ao patronato proporcional praticado
em certos cantões suíços: os partidos individuais dividem pacificamente
sua influência sobre a administração, e isso abranda o conflito
entre eles. (Contudo, é extremamente duvidoso que mesmo esse resultado
relativamente negativo possa ser obtido num Estado de massa
que se veja empenhado em grandes tarefas políticas. Que eu saiba, os
suíços têm opiniões divergentes com respeito aos efeitos positivos dessa
prática, e estas precisam certamente ser avaliadas de maneira muito
diferente num grande Estado.) Incertas como sejam essas perspectivas
idílicas, elas satisfarão àqueles que mais prezam a eliminação do conflito
partidário; e a burocracia esperaria dessa prática a perpetuação
de seu poder pela continuidade do sistema de pequenas gratificações.
Se, além disso, os cargos burocráticos fossem divididos proporcionalmente
entre os vários partidos aceitos na corte, seria até mais
fácil motivar o aparecimento de “caras felizes por toda parte”. Contudo,
tal redistribuição pacífica de benefícios na administração interna da
Prússia é muito improvável, devido ao monopólio do Partido Conservador
nos postos de conselheiros do Land e de presidente do governo
e de presidente supremo. Além disso, em termos puramente políticos,
pouco mais adviria daí do que benefícios para burocratas dos partidos,
em lugar de poder político e responsabilidade para líderes partidários.
Este não seria certamente um meio apropriado para elevar o nível
político do parlamento. Ficaria pendente a questão de se saber se dessa
maneira a supervisão pública da administração e a necessária maturidade
pública aumentariam ou não.
De qualquer maneira, mesmo os mais simples assuntos administrativos
não podem ser discutidos adequadamente numa comissão as-
WEBER
71
sim burocratizada, a menos que se garanta o direito dessa comissão
de conseguir, a qualquer tempo, as informações administrativas e técnicas
necessárias. Os interesses de status da burocracia, ou, mais declaradamente,
suas vaidades e seu desejo de perpetuar a ausência de
controles, são os únicos obstáculos no caminho dessa exigência — a
qual, além do mais, nem mesmo supõe a introdução de governo parlamentar,
mas simplesmente uma das pré-condições técnicas de seu
funcionamento.
A única objeção essencialmente relevante que os especialistas
em direito constitucional geralmente opõem ao direito de inquérito é
que o Reichstag é completamente autônomo com referência a seu regimento
interno, e conseqüentemente a respectiva maioria poderia unilateralmente
repelir uma investigação ou influenciá-la de molde a impossibilitar
a descoberta de fatos desagradáveis. Sem dúvida, a autonomia
do regimento interno (Art. 27 da Constituição do Reich), transposta
(indiretamente) sem reparos da teoria inglesa, não é adequada
àquele direito. O direito de inquérito deve ser garantido por dispositivos
legais; particularmente, deve ser estabelecido incondicionalmente como
um direito da minoria — digamos, de forma que cem delegados sejam
suficientes para exigir um inquérito, e que tal minoria deva também,
é claro, ter o direito de ser representada em comissões, para fazer
perguntas e pôr por escrito opiniões discordantes. Em primeiro lugar,
isso é necessário a fim de proporcionar um poder compensador de publicidade
contra qualquer maioria parlamentar abusiva e seus notórios
perigos, um contrapeso que não existe em outros Estados e até agora
tem sido eficiente na Inglaterra apenas em virtude da cortesia mútua
dos partidos. Contudo, exigem-se ainda outras garantias. Enquanto
houver competição entre as indústrias, especialmente entre as de países
diferentes, será imperativo proteger adequadamente seus segredos tecnológicos
contra publicidade tendenciosa. A mesma proteção deve ser
estendida à tecnologia militar e também a questões pendentes de política
exterior, as quais, antes de chegarem a uma decisão definitiva,
devem ser discutidas apenas perante um pequeno grupo. É um erro
de alguns críticos, particularmente russos, afirmar que assuntos de
política exterior — como a conclusão de uma paz entre nações em
guerra — podem ser conduzidos com êxito, quando uma nação excede
a outra em manifestações públicas de “princípios” gerais; dever-se-ia
em vez disso recorrer a deliberações sensatas em busca do melhor
acordo possível entre os interesses nacionais inevitavelmente antagônicos
que se ocultam por trás desses alegados “princípios”.1 Os fatos
atuais puseram a mencionada opinião na berlinda. Certamente, os
OS ECONOMISTAS
72
1 Entre dezembro de 1917 e março de 1918, Trotsky negociou com representantes alemães
diplomáticos e militares em Brest-Litovsk. Os Catorze Pontos de Wilson datam de janeiro
de 1918.
meios pelos quais as faltas de nosso passado devem ser reparadas são
bem diferentes dessas idéias amadorísticas dos críticos de política. A
opinião largamente aceita em círculos democráticos de que a publicidade
seja uma panacéia para a diplomacia — e sempre trabalha para
a paz — é, nessa forma generalizada, uma noção falsa. Ela tem certa
conveniência para decisões finais que antes já foram deliberadas, mas
enquanto existirem Estados rivais, não tem valor para o processo de
deliberação; o mesmo é válido, naturalmente, para indústrias rivais.
Em contraposição às questões de administração interna, a publicidade
pode prejudicar gravemente, nesse estágio, a objetividade e a ausência
de preconceitos com relação às deliberações em curso e pode pôr em
franco perigo ou impedir a paz. As experiências tidas na atual guerra
demonstraram-no clarissimamente. Contudo, discutiremos política externa
numa seção à parte. (Cf. seç. IV, abaixo.)
4. Crises Internas e Falta de Liderança Parlamentar
Neste ponto gostaríamos de acrescentar meramente algumas observações
quanto à maneira pela qual hoje em dia a falta de liderança
parlamentar se revela em crises internas. Os acontecimentos do movimento
(de paz) de Erzberger em julho (1917) e das duas crises subseqüentes
foram instrutivos no tocante a isso.1 Todas as três ocasiões
mostraram claramente as conseqüências de uma situação na qual: 1)
governo e parlamento defrontam-se como órgãos divididos, sendo o último
uma “mera” representação dos governados e, portanto, orientado
para “a política negativa”; 2) os partidos são órgãos do tipo de associações,
visto que os líderes políticos não podem encontrar sua vocação
no parlamento e, conseqüentemente, não podem encontrar lugar nos
WEBER
73
1 A 6 de julho de 1917, Erzberger, em sensacional discurso, revelou na Hauptausschuss o
fracasso da campanha submarina sem limites e, com o apoio de uma nova coalização
parlamentar (Weber geralmente se referia a ela como os “partidos de maioria”), exigiu
uma resolução de paz do Reichstag e rápida reforma parlamentar. Com a ajuda das autoridades
militares, que faziam seu próprio jogo, esses lances resultaram na queda do
chanceler Bethmann-Hollweg alguns dias mais tarde. Contudo, o parlamento não teve
influências na seleção do novo chanceler, o administrador da Alimentação prussiano Dr.
Georg Michaelis; mesmo com relação à própria fórmula ambígua do parlamento de “paz
sem aquisições territoriais violentas”, este só obteve sua adesão relutante com a ressalva
“como eu a interpreto”. Conseqüentemente, o Reichstag não tinha confiança no novo chanceler
e uma segunda crise irrompeu em agosto, por ocasião da nota papal de paz, que
resultou na criação da Comissão dos Sete para supervisionar a redação da resposta alemã.
Finalmente, em outubro, após o governo ter anunciado sua intenção de suprimir o Partido
Socialista Independente, de esquerda, por causa de sua suposta (mas mal documentada)
instigação de um motim naval, a comissão conjunta dos partidos da maioria (a Interfraktionelle
Ausschuss) exigiu e conseguiu a exoneração de Michaelis. Nas negociações que se
seguiram, o Reichstag insistiu, com êxito, que o idoso e irresoluto sucessor, o primeiro-
ministro bávaro, conde Hertling, um membro conservador do Partido do Centro e
ele próprio antigo delegado do Reichstag, chegasse a um acordo com este a respeito de
diretrizes políticas e assuntos de pessoal antes de assumir o cargo em novembro. Para
um oportuno sumário dessas evoluções “parlamentarizantes” em 1917, ver Epstein, Matthias
Erzberger, op. cit., caps. VIII-IX.
partidos; 3) o Executivo está nas mãos de burocratas que não são
líderes partidários, não estão em contato permanente com os partidos,
prejudicam as questões pendentes, mas, em vez disso, estão à margem
dos partidos, ou, para usar de um modismo convencional, colocam-se
“acima deles” — e, conseqüentemente, não podem liderá-los. Quando
uma poderosa maioria parlamentar insistiu numa decisão positiva da
parte do governo, o sistema fracassou imediatamente. O governo, perplexo,
teve que largar as rédeas, pois não tinha apoio nas organizações
partidárias. O Reichstag apresentava um estado de total anarquia porque
os (denominados) líderes partidários nunca tinham tido posições
executivas e também na época não eram considerados para se tornarem
futuros chefes de governo. Os partidos se defrontavam com uma tarefa
completamente nova para a qual nem sua organização nem seu pessoal
estavam à altura — a formação de um governo a partir de suas fileiras.
Evidentemente, revelaram-se totalmente incapazes de cumprir essa
tarefa, e realmente nem o tentaram, pois nenhum deles, da extrema
direita à extrema esquerda, possuía um homem que fosse um líder
reconhecido; o mesmo se dava com a burocracia.
Durante quarenta anos todos os partidos operavam na suposição
de que o Reichstag tinha mera função de “política negativa”. A “inclinação
à impotência” à qual Bismarck os condenou apareceu de forma
chocante e manifesta (em julho de 1917). Nem mesmo participaram
da escolha de novos líderes da nação, a vaidade da burocracia não
quis sequer tolerar isso nesse momento crítico, ainda que a mais simples
prudência o recomendasse. Ao invés de propor aos partidos a questão
capciosa de quem gostariam estes de apresentar como candidatos, ou,
mais praticamente, como avaliavam eles os vários possíveis candidatos,
a burocracia não se afastou de sua opinião, ditada pelo prestígio, de
que a formação do governo não era da alçada do Reichstag. Forças
estranhas ao parlamento (em particular, o General Ludendorff) intervieram
e instituíram o novo governo, o qual por sua vez não apresentou
ao Reichstag uma proposta definida com uma exigência categórica por
uma resposta clara, de “sim” ou “não” a essa situação. Como todos
recordam, o novo chanceler (Dr. Georg Michaelis) foi obrigado a fazer
diversas declarações contraditórias sobre o pormenor mais importante
(A Resolução de Paz dos partidos da maioria), e teve de aceitar a
supervisão da Comissão dos Sete numa negociação de assuntos de política
exterior (a resposta alemã à nota papal sobre a paz, de agosto
de 1917) simplesmente porque ele não tinha a confiança do parlamento.
Não é preciso dizer que esse espetáculo desagradável, que era inevitável,
empanou o prestígio da Alemanha e reforçou a confortante convicção
dos críticos de que o parlamentarismo era “impossível” na Alemanha;
não paravam de falar do “fracasso” do parlamento. Na verdade,
o que falhou foi algo bem diferente: a tentativa de a burocracia manipular
o parlamento, o próprio sistema que durante décadas tinha
OS ECONOMISTAS
74
estado a funcionar, com o aplauso dos críticos para impedir o parlamento
de fazer quaisquer contribuições políticas positivas, tudo no interesse
da independência da burocracia. A situação teria sido completamente
diferente em qualquer outra forma do governo na qual a responsabilidade
repousasse solidamente, ou, pelo menos, significativamente,
nos ombros dos líderes partidários; isso teria oferecido uma
oportunidade de os talentos políticos ajudarem a dar forma aos destinos
do país a partir do parlamento. Então, os partidos não poderiam ter-se
permitido uma organização pequeno-burguesa na forma de associação,
como a que ora predomina no Reichstag. Eles teriam sido compelidos
a se subordinarem a líderes em vez de a diligentes funcionários públicos,
que predominavam especialmente no Partido do Centro, que costumavam
perder a coragem no momento em que deviam mostrar capacidade
de liderança. Em tais crises os líderes teriam sido obrigados a formar
uma coalizão, a qual teria proposto ao monarca um programa construtivo
e os homens capazes de executá-lo. Contudo, sob as referidas
circunstâncias, nada foi possível exceto uma política negativa.
O novo chanceler (Michaelis) escolhido de fora do parlamento
(em julho de 1917) viu-se a braços com uma situação caótica que logo
resultou da situação anterior. De fato, um grupo de parlamentares
muito capazes ascendeu a altos cargos governamentais, mas, devido
ao artigo 9 da Constituição, eles perderam influência em seus próprios
partidos, que assim se viram acéfalos e se desorientaram.1 O mesmo
ocorreu nas crises de agosto e outubro (1917). Novamente o governo
fracassou por completo porque os homens investidos da liderança apegaram-
se com persistência à opinião de que não deveriam manter contato
contínuo com os líderes dos partidos e nem entabular conversações
preliminares com representantes desses partidos cujo apoio desejavam
ou esperavam conseguir. Só o fato de o novo chanceler indicado em
novembro (1917, Conde Hertling) ter entrado em contato com os partidos
da maioria antes de assumir o cargo e o fato ainda de que todos
os ministérios puramente políticos estavam agora nas mãos de parlamentares
experimentados tornaram possível, afinal, fazer funcionar a
máquina da política doméstica com razoável desenvoltura, ainda que
o artigo 9, alínea 2, continuasse a mostrar seus efeitos perniciosos.2
A crise de janeiro (1918) provou, até mesmo para a mais obscura das
mentes, que o parlamento não é a origem de nossas dificuldades in-
WEBER
75
1 Em agosto de 1917, dois importantes parlamentares ingressaram no ministério de Michaelis.
Paul von Krause, delegado nacional na Dieta prussiana, foi nomeado secretário imperial
da Justiça, e Peter Spahn, líder do Partido do Centro do Reichstag, tornou-se ministro
prussiano da Justiça. Em outubro, o delegado nacional-liberal, Eugen Schiffer, foi nomeado
subsecretário de Estado do Tesouro Imperial.
2 No governo Hertling, os parlamentares obtiveram pela primeira vez posições de criação de
diretrizes políticas. O líder do Partido Progressista do Reichstag, Friedrich von Dayer,
recebeu a vice-chancelaria imperial, e o nacional-liberal de esquerda Robert Friedberg foi
empossado vice-primeiro ministro na Prússia.
ternas; antes, essas dificuldades originam-se de duas fontes: 1) o abandono
do princípio rígido de Bismarck de que os generais devem conduzir
a guerra de acordo com a lógica militar, mas o chefe do governo deve
concluir a paz de acordo com considerações políticas (das quais as
considerações estratégicas constituem apenas um fator); 2) ainda mais
importante, o fato de que alguns cortesãos subalternos julgaram útil
e compatível com um governo alegadamente “monárquico” fornecer à
imprensa deliberações de alta política, a fim de favorecer certos partidos
políticos.1
Nossas condições podem esclarecer a qualquer um que o governo
exercido por funcionários de carreira não é equivalente à ausência de
governo de partidos. Um Landrat tem que ser um conservador na
Prússia, e desde 1878, quando terminaram os onze anos mais profícuos
de trabalho parlamentar na Alemanha, nosso pseudo-parlamentarismo
repousou no axioma cultivado por membros interessados de partidos
de que todo governo e seus representantes precisam ser “conservadores”,
com apenas algumas concessões ao patronato da burguesia prussiana
e do Partido do Centro. Isso e nada mais é que significa o “suprapartidarismo”
da burocracia. Esse estado de coisas não foi modificado
pela lição que a guerra ensinou em todos os outros países: que
todos os partidos participantes do governo tornam-se “da nação”. Os
interesses sectários da burocracia conservadora e de seus grupos de
interesse aliados dominam o governo. Defrontamo-nos agora com as
conseqüências inevitáveis dessa hipocrisia, e continuaremos a enfrentá-
las na época de paz. Não o parlamento sozinho mas todo o sistema
governamental terá de pagar por isso.
5. Profissionalismo Parlamentar e Direitos Adquiridos
A pergunta decisiva sobre o futuro da ordem política da Alemanha
precisa ser: como tornar o parlamento apto para governar? Qualquer
outra forma de se colocar a pergunta é simplesmente errada, e tudo
o mais é secundário.
Deve-se entender claramente que a reforma parlamentar não depende
meramente dessas extensões da jurisdição parlamentar, aparentemente
banais, todavia praticamente importantes; também não
depende da remoção do obstáculo mecânico apresentado pelo Artigo 9,
assim como não depende de certas mudanças significativas nos processos
e atuais usos e costumes do Reichstag; a reforma parlamentar
depende principalmente do desenvolvimento de um corpo apropriado
de parlamentares profissionais.
OS ECONOMISTAS
76
1 A crise de janeiro de 1918 teve sua origem em disputas entre as lideranças civil e militar
a respeito da conduta das negociações de paz de Brest-Litovsk com a Rússia. Cf. também
a nota 24 acima.
O parlamentar profissional é um homem para quem o mandato
do Reichstag não é uma ocupação de meio período, mas sim sua grande
vocação; por essa razão, necessita de um escritório eficiente com o
pessoal necessário e de acesso a informações. Podemos amar ou odiar
essa figura — ela é tecnicamente indispensável, e portanto já existe.
Contudo, mesmo os mais prestigiosos profissionais são (na Alemanha),
de certo modo, uma espécie subalterna, operando por trás dos bastidores,
por causa da posição subordinada do parlamento e das limitadas
oportunidades de carreira. O político profissional pode viver meramente
de política e sua azáfama característica, ou pode viver para a política.
Só no segundo caso é que pode se tornar um político de grande envergadura.
Claro está que tanto mais facilmente terá êxito, quanto
mais independente for financeiramente, e, conseqüentemente, “disponível”
e sem vínculo empregatício, mas que viva de alguma renda. Das
classes sujeitas a vínculo empregatício, só os advogados são “disponíveis”
e adequados a seguir a carreira política. Uma exclusiva dominação
de advogados seria certamente indesejável, mas é uma tola tendência
de nossos críticos denegrir a utilidade do treinamento forense para a
liderança política. Numa época governada por juristas, o grande advogado
é o único que, em contraste com o funcionário público treinado
juridicamente, foi ensinado a lutar por determinada causa e a representá-
la eficientemente; gostaríamos que os pronunciamentos públicos
de nosso governo mostrassem em maior grau a habilidade do advogado
no melhor sentido da palavra. Entretanto, somente se o parlamento
puder oferecer oportunidades para a liderança política, qualquer pessoa
independente poderá desejar viver para a política, e não apenas advogados
talentosos e capazes. De outra maneira, somente funcionários
assalariados do partido e representantes de grupos de interesse quererão
esses cargos.
O ressentimento do funcionário típico de partido contra líderes
políticos genuínos afeta poderosamente a atitude de alguns partidos
com relação à introdução do governo parlamentar e, conseqüentemente,
o recrutamento de líderes no parlamento. Essa tendência é, sem dúvida,
muito compatível com os interesses da burocracia, que alimenta os
mesmos sentimentos, pois o delegado profissional é um espinho no
flanco dos chefes da burocracia, por ser um supervisor incômodo e por
aspirar a um quinhão no exercício do poder. Isso certamente se agrava
quando ele surge como um possível rival visando posições superiores
no governo (uma ameaça não apresentada por meros representantes
de interesses específicos). Dessa maneira, podemos também explicar
a luta da burocracia para conservar o parlamento na ignorância, pois
somente parlamentares profissionais habilidosos, que passaram pela
escola de intenso trabalho de comissões, podem tornar-se líderes res-
WEBER
77
ponsáveis, e não meros demagogos e diletantes. O parlamento tem que
ser completamente reorganizado a fim de produzir tais líderes e garantir
sua eficiência; à sua própria maneira, o parlamento britânico e
seus partidos, há muito, têm tido êxito neste particular. É verdade
que os usos e costumes britânicos não podem ser simplesmente assimilados,
mas a estrutura básica pode muito bem ser adaptada. Não
nos interessam aqui os detalhes das mudanças necessárias nos procedimentos
e usos e costumes do Reichstag; eles se darão logo que os
partidos forem forçados a buscar uma política responsável e não apenas
uma política negativa. Contudo, devemos considerar aqui mais um sério
impedimento ao governo parlamentar, que tem suas raízes no sistema
partidário alemão, uma dificuldade que tem sido freqüentemente discutida,
mas geralmente de forma errônea.
Não há dúvida de que o governo parlamentar funciona mais desembaraçadamente
num sistema de dois partidos, tal como o que existia
até há bem pouco na Inglaterra (embora já tenha havido sensíveis
exceções). Entretanto, tal sistema não é indispensável, e em todos os
países, inclusive na Inglaterra, formam-se pressões para a formação
de coalizões partidárias. Mais importante é outra dificuldade: o governo
parlamentar é exeqüível somente quando os maiores partidos estão,
em princípio, dispostos a assumir as responsabilidades do governo. Na
Alemanha não era esse o caso de maneira alguma. O maior partido,
a social-democracia, não tinha a menor intenção de participar de nenhuma
coalizão, sob nenhuma condição, visto que acreditava em certas
teorias evolucionistas e se atinha a usos e costumes pseudo-revolucionários
herdados do período da legislação anti-socialista (1878-90) —
por exemplo, recusava-se a enviar membros a cerimônias na corte.
Mesmo quando poderia ter assumido o governo num dos menores principados,
em virtude de uma maioria temporária, esse partido se recusou
a fazê-lo. Contudo, muito mais importante do que essas ansiedades
teóricas tem sido a preocupação genuína de que o partido pudesse ser
repudiado por seus próprios membros com consciência de classe se o
partido se unisse inevitavelmente a um governo limitado pelas condições
de uma sociedade e de uma economia que permaneceriam capitalistas
por certo tempo. Essa situação motivou os líderes a manterem
o partido, durante décadas, numa espécie de gueto político, a fim de
evitar qualquer contato contagioso com as atividades de um Estado
burguês. Apesar de tudo, eles ainda agem assim. O sindicalismo — a
apolítica e antipolítica ética heróica da fraternidade — está crescendo,
e os líderes temem um rompimento da solidariedade de classe, que
mais tarde prejudicaria a eficácia da classe operária em suas lutas
econômicas. Considere-se que os líderes não podem ter a certeza de
que as atitudes tradicionais da burocracia não tornarão a surgir no-
OS ECONOMISTAS
78
vamente após a guerra. Nosso futuro dependerá grandemente da atitude
do partido nos anos vindouros: se sua determinação para alcançar
o poder governamental prevalecerá, ou se a ética apolítica da fraternidade
proletária e do sindicalismo, os quais certamente proliferarão
depois da guerra, sairá triunfante.
Por razões um tanto diferentes, o segundo maior partido alemão,
o de centro (católico), tem sido até agora cético quanto ao parlamentarismo.
Certa afinidade eletiva entre sua própria mentalidade autoritária
e o Obrigkeitsstaat tem trabalhado a favor dos interesses da
burocracia. Mas há outro fator de maior relevância. Visto que o Partido
de Centro é por natureza um partido de minoria, ele teme que, sob
um regime parlamentar, também seja uma minoria parlamentar e que
sua posição de poder e habilidade de representar sua clientela sejam
colocados em perigo. Seu poder reside principalmente em meios extraparlamentares:
o controle do clero sobre as atitudes políticas dos fiéis.
Dentro do Reichstag, o sistema de política negativa proporcionou ao
partido uma oportunidade para servir aos interesses materiais de seus
membros. Depois que o partido tinha atingido aqueles objetivos clericais
que pelo menos podem ser permanentemente mantidos na Alemanha,
ele se transformou, de um partido ideológico que era, mais e mais
num veículo de patronato para candidatos católicos a cargos eletivos
e outros interesses de católicos que têm se sentido vítimas de parcialidade
desde a época do Kulturkampf (1871-188...) — se essa impressão
é ainda justificada, é aqui irrelevante. Hoje a força do partido repousa
amplamente nessa função. Seu controle sobre a balança de poder nos
parlamentos permitiu ao partido promover os interesses privados de
seus protegidos. A burocracia podia aquiescer e ainda assim salvar as
aparências, pois este patronato era “oficioso”. Contudo, os interessados
do partido, interessados no patronato, não estão somente preocupados
com que a parlamentarização e a democratização reduzam suas oportunidades
em períodos nos quais o Centro seria parte da minoria; eles
temem algo mais. Sob o atual sistema, o Centro tem conseguido evitar
aquela responsabilidade que sobre ele teria recaído se seu líder fizesse
parte do governo, e essa responsabilidade nem sempre teria sido conveniente.
Ainda que hoje o Partido do Centro disponha de certo número
de talentos políticos, há indivíduos tão incompetentes entre os funcionários
promovidos por ele que um partido que estivesse no governo e
fosse responsável dificilmente lhes confiaria algum cargo. Tais homens
podem fazer progressos somente se seus patrocinadores os promovem
irresponsavelmente. Se o partido fosse parte do governo, teria que
recrutar candidatos mais capazes.
O patronato oficioso é, pois, a pior forma de patronato parlamentar
— a que favorece a mediocridade, visto que ninguém pode ser
WEBER
79
responsabilizado. É uma conseqüência de nosso governo exercido por
uma burocracia conservadora, um governo cuja perpetuação se funda
nesse sistema de gratificações (Trinkgeldersystem). Não é de admirar
que o Partido Conservador e a ala do big business do Partido Nacional-
Liberal sintam-se à vontade sob essas condições. Pois, afinal de
contas, o patronato sob esse sistema não se encontra nas mãos de
políticos e partidos, que poderiam ser responsabilizados pelo público;
ele funciona, sim, através de canais particulares que vão desde as
importantíssimas ligações de grêmios estudantis às formas mais
grosseiras ou mais requintadas de “recomendações” capitalistas. O
big business, que a tola ignorância de nossos ideólogos suspeita que
mantenha conluio com o reprovável parlamentarismo, sabe muito
bem por que apóia, sem restrições, a conservação de uma burocracia
não-supervisionada.
Este é o estado de coisas que é calorosa e ferrenhamente defendido
com slogans de críticos da política contra o caráter corrupto e antialemão
da responsabilidade dos partidos pelo patronato de empregos.
Na verdade, não é o “espírito alemão”, mas poderosos interesses materiais
por benefícios, unidos às explorações capitalistas das “ligações”,
que são lançados contra a cessão do patronato ao parlamento. Não
pode haver dúvida de que somente circunstâncias políticas absolutamente
coercivas poderão mudar alguma coisa de fato a esse respeito.
O governo parlamentar jamais chegará por si mesmo a isso. Os mais
poderosos grupos trabalham contra isso, com certeza. De fato, todos
os partidos mencionados têm ideólogos e políticos sensatos, além daqueles
solicitadores subalternos de cargos e parlamentares de rotina,
mas os últimos têm o predomínio. Se o sistema de petit patronage
(pequeno patronato) fosse estendido a outros partidos, a tendência geral
seria simplesmente reforçada.
Finalmente os beneficiados pelo status quo, e aqueles ingênuos
críticos que confiantemente declamam seus slogans, gostam de assinalar
triunfantemente o caráter federal da Alemanha, a fim de demonstrar
conclusivamente a impossibilidade da implantação de um
governo parlamentar em bases puramente formais. Vejamos primeiramente
o aspecto legal desse problema, dentro do âmbito de nossa Constituição:
donde poderemos compreender como essa afirmação é realmente
incrível. De acordo com o artigo 18 da Constituição, o imperador
nomeia e exonera o chanceler e todos os funcionários imperiais por
sua conta, sem interferência do Bundesrat (o Conselho Federal, uma
representação dos governos dos Estados individuais); somente a ele
devem obediência, dentro dos limites das leis federais. Enquanto este
for o caso, qualquer objeção constitucional por motivos “federais” é
destituída de fundamento. Segundo a Constituição, ninguém pode impedir
o imperador de entregar o governo do Reich ao líder ou aos
líderes da maioria parlamentar e de enviá-los ao Bundesrat; ou de
OS ECONOMISTAS
80
exonerá-los, se uma nítida maioria do Bundesrat votar contra eles; ou
simplesmente de consultar os partidos sobre a formação do governo.
Nenhuma maioria no Bundesrat tem o direito de derrubar o chanceler
ou de simplesmente insistir com ele para que forneça uma explicação
de suas diretrizes políticas, como a inconteste interpretação do artigo
17, parágrafo 2, exige-lhe que faça perante o Reichstag. Recentemente
foi proposto que o chanceler seja responsável não apenas perante o
Reichstag, mas também perante o Bundesrat; essa proposta merece
ser examinada quanto à sua exeqüibilidade política (e ser discutida
mais tarde), mas seria uma inovação constitucional não menos que a
eliminação do artigo 9, parágrafo 2, o que propusemos acima. Precisamos
mais tarde tratar do fato de que os verdadeiros problemas da
parlamentarização do governo e da Constituição do império em geral
têm suas raízes menos nos direitos constitucionais dos outros membros
da Federação do que na relação daqueles Estados com o hegemônico
Estado prussiano. Contudo, antes que procedamos a isso, deveremos
examinar a maneira pela qual o atual sistema tem funcionado no campo
da política externa. É aqui que o governo conduzido por meros burocratas
revela os limites inerentes de sua eficácia, assim como o preço
terrível que tivemos de pagar para tolerá-lo.
WEBER
81

IV
BUROCRACIA E POLÍTICA
EXTERNA
1. O Fracasso do Governo em não Refrear Declarações
Prejudiciais do Monarca
Na Alemanha, a administração interna é dominada por um conceito
especialmente burocrático de discrição administrativa, o “serviço
secreto” (Dienstgeheimnis). É espantoso observar a diferença no domínio
da política externa: ali, uma série dos mais variados atos foi empreendida
com dramática publicidade — e, ainda mais, uma publicidade de
caráter singular.
Durante mais de uma década, do telegrama de Krüger à crise
de Marrocos,1 tivemos que conviver com o fato de que declarações privadíssimas
do monarca sobre assuntos de política externa foram tornadas
públicas por diligentes funcionários da corte ou por serviços de
notícias, com a tolerância ou mesmo com a participação do governo.
Trata-se de acontecimentos que foram da mais capital importância na
formulação de nossa política mundial e especialmente no surgimento
da coalizão mundial contra nós. Esclareçamos que o que aqui nos in-
83
1 No começo de janeiro de 1896, Guilherme II enviou um telegrama ao presidente do Transvaal,
Paul Krüger, congratulando-se com ele por ter rechaçado o ataque de Jameson, o
qual tinha sido apoiado por Cecil Rhodes. O imperador agia sob a recomendação do secretário
de Estado, barão Marchall von Bieberstein, que esperava assim impedi-lo de praticar uma
intervenção imprudente. A manobra era parte de uma tentativa alemã de isolar a Inglaterra
diplomaticamente, mas na verdade aumentou o isolamento da Alemanha. — Durante a
primeira crise do Marrocos de 1905/6, o governo alemão tentou se opor aos planos coloniais
franceses no Marrocos. Guilherme II visitou Tangier, mas a subseqüente conferência internacional
em Algeciras terminou em grave derrota diplomática para a Alemanha. Durante
a segunda crise do Marrocos, em 1911, a canhoneira alemã Panther foi enviada para
Agadir, mas ao final a Alemanha perdera outro round diplomático.
teressa não é saber se as declarações do monarca eram corretas e
justificadas, mas sim, apenas, o comportamento dos funcionários. Este
escritor, que está convencido com toda certeza da utilidade das instituições
monárquicas em grandes Estados, abster-se-ia de qualquer polêmica
furtiva contra o monarca tanto quanto da adulação pseudo-monárquica
ou da sentimental fraseologia subalterna de interessados e
de filisteus. Contudo, um monarca que faz declarações pessoais, mas
públicas, de natureza às vezes extremamente agressiva, deve estar
preparado para suportar uma crítica igualmente agressiva. Pois confrontamo-
nos com o fato de que esse método de conduzir nossa política,
mediante a publicação de declarações monárquicas, foi tolerado freqüentemente.
Se esse método foi um grave erro político (como acreditamos
que foi), então a tolerância das diversas repetições desse procedimento
prova, no que se refere à responsabilidade pessoal do monarca,
a necessidade de aceitar pareceres somente da liderança política,
e de excluir todos os outros grupos — cortesãos, militares ou sejam
quais forem — de se imiscuírem em assuntos politicamente importantes.
Entretanto, se não se dessem garantias concretas para tal procedimento
uma crítica totalmente franca feita ao próprio monarca se
tornaria um dever político. É claro que tal crítica pública ao monarca
seria politicamente indesejável. É sabedoria política secular, e não um
costume antiquado, evitar que o monarca seja arrastado demagogicamente
perante o público, como já aconteceu várias vezes na Alemanha.
Exigem-se formalidades rituais e condições para suas aparições públicas
e possibilitando assim que ele seja mantido pessoalmente fora das
disputas públicas da política partidária. Precisamente por causa disso,
pode ele intervir com muito maior eficiência, em períodos de crise nacional.
Esclareçamos, então, que não discutimos aqui possíveis erros
do monarca, mas, antes, o fato bem diferente de que o governo utilizou-
se de suas aparições em público ou da publicação de suas opiniões
como um meio diplomático — pelo menos em um caso, apesar das
dúvidas pessoais do monarca,1 e de que os líderes do governo suportaram,
sem renunciar imediatamente, a publicação das opiniões do
monarca por fontes irresponsáveis que passaram por cima da autoridade
desses líderes.
É claro que o monarca tem liberdade para assumir a posição
política que desejar. Mas deve caber aos líderes politicamente responsáveis
decidir se, ou de que maneira essencial ou formal, as opiniões
dele devem ser tornadas públicas, e também os líderes devem avaliar
o impacto presumível dessas opiniões. Conseqüentemente, o chanceler
deve ser solicitado a dar seu parecer antes de o monarca se manifestar
OS ECONOMISTAS
84
1 Com relação às dúvidas de Guilherme II sobre a conveniência de uma viagem a Tangier
em 1905, a qual ele então empreendeu contre coeur (contra a vontade), ver Ereignisse und
Gestalten 1878-1918, de sua autoria (Leipzig: Koehler, 1922), p. 90 s.
publicamente e sobre qualquer assunto de grande importância política,
e o parecer do primeiro deve ser aceito enquanto ele estiver exercendo
seu cargo. Este e seus colegas faltam a seus deveres se permanecem
no cargo depois de essa regra ter sido violada mesmo uma só vez. Por
trás de toda a arenga de que “a nação não quer uma sombra como
rei”, e frases semelhantes, esses homens não escondem senão seu desejo
de permanecer em seus cargos deixando de renunciar a eles. Isso nada
tem a ver diretamente com o caso do governo parlamentar; é simplesmente
uma questão de integridade política. A esse respeito, nosso governo
tem falhado vezes sem conta da mais miserável das maneiras.
Esses fracassos devem-se à nossa estrutura política defeituosa, que
coloca homens de mentalidade burocrática em postos de liderança política.
A questão do governo parlamentar torna-se altamente significativa,
já porque sob determinadas condições não há outro meio para
realizar e garantir as mudanças necessárias. A fim de evitarmos qualquer
mal-entendido sobre nossa posição, devemos acrescentar que, em
quase todos os casos, as declarações do monarca foram não somente
subjetivamente compreensíveis, mas às vezes também politicamente
justificadas — na medida em que foi possível discerni-lo nessa ocasião.
Mais ainda, em alguns casos foi provavelmente útil transmitir as intensas
reações pessoais do monarca através de canais diplomáticos aos
governos em questão. Mas a publicação de tais declarações se constituiu
num ato politicamente irresponsável, e nesse caso a responsabilidade
recaiu sobre a liderança política, por tê-la tolerado ou instigado.
Na Alemanha parece ter sido esquecido que existe uma tremenda
diferença entre um político (o primeiro-ministro ou mesmo presidente
de uma república) fazer uma declaração no parlamento, por exemplo,
não importa quão desagradável seja ela, e esse mesmo político tornar
pública uma declaração pessoal do monarca e depois “assumir a responsabilidade”
por essa declaração por meio de um gesto dramático
mas vulgar. Uma declaração pública do monarca não pode de fato ser
livremente criticada no país; conseqüentemente, ela protege o estadista,
que se serve dela para esse objetivo, contra uma crítica direta das
próprias ações desse estadista. No estrangeiro, entretanto, essas restrições
não existem e a crítica centra-se no monarca. Um político pode
e deve renunciar se as condições mudam e novas diretrizes políticas
se tornam necessárias contra as quais ele já tenha se pronunciado,
mas o monarca deve permanecer, e com ele suas palavras. Uma vez
que este tenha se comprometido publicamente, não pode retirar suas
palavras, ainda que tente fazê-lo dentro de uma situação nova. Suscitam-
se paixões e sentimentos de honra, pois apoiar o monarca é uma
questão de honra nacional — e os críticos ignorantes tais como os
pangermânicos (e seus editores) prosperam grandemente. Na pátria e
no estrangeiro, as palavras do monarca são levadas a sério e a situação
se radicaliza. Este foi realmente o padrão em todos esses casos. Exa-
WEBER
85
minemos alguns deles à fria luz da lógica, a fim de sabermos como o
erro político foi cometido.
Primeiramente, o telegrama de Krüger. A indignação contra o
ataque de Jameson foi justificada e compartilhada em todo o mundo,
até mesmo na Inglaterra. É bem possível que enérgicas representações
diplomáticas em Londres (que poderiam ter-se referido à intensa reação
do monarca) poderiam ter provocado declarações formais do gabinete
britânico, as quais talvez não pudessem ser desconsideradas com tanta
facilidade mais tarde. Além disso, um acordo geral referente aos interesses
de ambos os lados na África ter-se-ia tornado mais provável;
Cecil Rhodes, por exemplo, era bastante acessível a esse respeito,1 e
isso era necessário se quiséssemos ter carta branca no Oriente e manter
a Itália na aliança. Mas a publicação do telegrama teve naturalmente
o efeito de uma bofetada no rosto, impossibilitando qualquer conversação
racional.2 A questão tornou-se, então, assunto de honra nacional,
e interesses políticos racionais foram postos de lado. Em conseqüência,
quando posteriormente — antes, durante e após a Guerra dos Bôeres
— fizeram-se tentativas no sentido de se chegar a um entendimento
sobre a África ou sobre as relações globais entre a Inglaterra e a Alemanha,
o público desses dois países, cujo sentimento de honra nacional
tinha agora sido provocado, não deu boa acolhida a essas tentativas,
ainda que ambos os lados pudessem ter atingido seus objetivos materiais
por meio de entendimentos diplomáticos. O resultado dessas tentativas
de aproximação foi fazer da Alemanha a vítima defraudada
depois da Guerra dos Bôeres. Afinal de contas, em 1895 nós simplesmente
não tínhamos recursos militares suficientes para apoiar qualquer
protesto com eficácia. Passemos em silêncio o vergonhoso final, a recusa
em receber o presidente exilado: pois o ponto capital foi que os bôeres
não puderam ser auxiliados, apesar das palavras do monarca. Em conseqüência,
o General Botha pôde declarar no parlamento da África do
Sul, em 1914, que foi o comportamento da Alemanha que conduziu à
perda da independência dos bôeres.
Grande foi o espanto na Alemanha quando o Japão lhe declarou
guerra em agosto de 1914, fazendo a China a mesma coisa em agosto
de 1917. A primeira atitude é sempre explicada pela bem conhecida
intervenção de 1895 em conexão com Port Arthur,3 a segunda pelas
pressões americanas, e ambos os casos se atribuem também ao opor-
OS ECONOMISTAS
86
1 Sobre um diálogo algo conciliador entre Rhodes e Guilherme II, ver op. cit., p. 72 s.
2 Sobre a versão do imperador acerca de sua oposição ao telegrama e sua antevisão do
protesto público inglês, ver op. cit., p. 69 s.
3 Na época, a Rússia, a França e a Alemanha — que se confessavam alarmadas em face do
Perigo Amarelo — impediram o Japão de anexar a península Liaotung no rastro de seu
triunfo militar sobre a China (Tratado de Shimonoseki, abril de 1895). Com relação aos
aspectos alemães dessas negociações, cf. a autobiografia do Imperador Guilherme II, op.
cit., p. 68, e Johannes Ziekursch, Das Zeitalter Wilhelms II, vol. III de Politische Geschichte
des neuen deutschen Kaiserreiches (Frankfurt: Sozeitatsverlag 1930), p. 92 ss.
tunismo. Não importa quanta verdade haja nisto, há outro fator importante
que deve ser acrescentado. Fora, afinal de contas, o monarca
alemão quem, verbal e metaforicamente, advertiu de público sobre o
“Perigo Amarelo” e conclamou à “preservação dos mais sagrados bens”
(das nações européias): há alguém entre nós que realmente creia que
chineses e japoneses cultos tenham esquecido isso?1 Em política internacional,
os problemas raciais pertencem à espécie mais difícil, pois
são complicados pelos choques de interesses entre as nações de raça
branca. Só se pode aprovar o esforço de o monarca formar uma opinião
a esse respeito. Mas que interesse alemão poderia ser favorecido quando
o monarca tornou públicas suas opiniões daquela maneira? Isso era
conciliável com qualquer interesse alemão no Extremo Oriente? Que
recursos de poder havia por trás de tais declarações? Aos interesses
de quem iriam essas declarações servir no final? Mais ainda, que objetos
políticos foram servidos publicando-se os discursos do imperador à época
da missão do Conde Waldersee, ou suas alocuções navais, as quais
talvez pudessem ter sido bastante apropriadas num círculo de oficiais?2
O resultado das diretrizes políticas alemãs só relativas à China contrastavam
de forma embaraçosa e, devemos acrescentar, de maneira
alguma acidental, com tal retórica, e isso revelou-se altamente prejudicial
a nosso prestígio. Ainda uma vez, omitiremos um episódio vergonhoso,
o tratamento dispensado à “missão expiatória” (do Príncipe
Chun em 1901, para desculpar-se pelo assassinato do Ministro Von
Ketteler durante a Rebelião Boxer) e as discussões, novamente em
público, que a acompanharam. É simplesmente impossível imaginar
WEBER
87
1 O presente de Natal do imperador para o Tzar Nicholas em 1895 foi um desenho alegórico
executado conforme seu esboço pelo pintor Knackfus, mas apresentado como trabalho do
próprio imperador. Retratava o Arcanjo Miguel reunindo uma corte de damas blindadas,
identificadas por seus brasões como Germânia, Britânia, Rússia e outras, para uma cruzada
contra o Perigo Amarelo, representado como um Moloch sanguinário pairando numa nuvem
sobre as pacíficas cidades da Europa. O presente e seu título, “Nações da Europa, protejam
seus bens mais sagrados”, cedo se tornaram conhecidos e alvo de ridicularização, mas o
imperador acreditou ter alcançado uma vitória diplomática quando seu embaixador informou
que o infeliz receptor tinha emoldurado e pendurado a obra de arte: “Realmente funciona!
Como é satisfatório”, escreveu ele à margem do relatório. Cf. Erich Eych, Das persönlichem
Regiment Wilhelms II. (Zürich: Reutsch, 1948), 119; Emil Ludwig, Kaiser Wilhelm II, traduzido
por Ethel C. Mayne (Londres: Putnam, 1926), p. 223 s.
2 Em 27 de julho de 1900, Guilherme II proferiu seu abominável discurso “Huno”, do qual
derivou o epíteto comumente aplicado aos soldados alemães nos países anglo-saxões durante
a Primeira Guerra Mundial. Ao despachar as tropas que iriam participar da sufocação da
rebelião Boxer, com o conde Waldersee como comandante-em-chefe nominal da força expedicionária
internacional de tropas russas, japonesas e inglesas, Guilherme disse entre
outras coisas: “Não se dará perdão, não se farão prisioneiros. Quem quer que caia em
vossas mãos estará à vossa mercê. Assim como os hunos sob Átila tornaram famoso o
nome de sua raça há mil anos, que ainda nos assombra em tradições e lendas, vós imprimireis
o nome dos alemães sobre a China por mil anos vindouros, de forma que nenhum chinês
jamais ousará levantar novamente o mesmo olhar vesgo a um alemão” — um péssimo
trocadilho, significando um mau olhar em um olhar de olhos rasgados. Em seus discursos
navais, Guilherme empregava termos como o do “punho de ferro” que a Alemanha queria
aplicar ao mundo. Cf. Eyck, op. cit., p. 200, 272.
os fins políticos concretos que o Chanceler Bülow poderia ter desejado
promover quando tolerou tal romantismo político, que desnecessariamente
ofendeu o senso de honra dos chineses. Se teve o discernimento
necessário para perceber a inutilidade política e o malefício de todos
esses acontecimentos e contudo sentiu que tinha de considerar as condições
que exigiam que se tolerassem os mesmos, ele devia ter renunciado
no interesse do monarca bem como da nação.
Há sérias dúvidas sobre se a publicação do discurso do imperador
em Damasco (perante o túmulo de Saladino, em 8 de novembro, 1898)
foi útil em nossas relações com a Rússia. Nossas simpatias pela cultura
islâmica e nossos interesses políticos na integridade territorial da Turquia
eram bem conhecidos no exterior e não necessitavam de tamanha
ostentação espalhafatosa. Contudo, independentemente da constelação
política predominante na época, teria sido melhor evitar as impressões
criadas por esse gesto público. Aqui, também, é fácil perceber quem
sairia beneficiado em seus planos.
Se ainda pudéssemos ter dúvidas sobre o exemplo acima, as coisas
são porém perfeitamente claras no que diz respeito à alocução pública
que o imperador pronunciou em Tânger no início da crise de Marrocos.
Mesmo elementos neutros aprovaram a posição da Alemanha, mas
ainda uma vez foi um sério equívoco utilizar o monarca para um gesto
público. Ainda não sabemos que ofertas fez a França, após a queda
de Delcassé (seu ministro do Exterior), mas muitas coisas estavam
claras então: ou a Alemanha se decidia a entrar em guerra pela independência
marroquina, ou o assunto teria que ser decidido prontamente
de uma forma que levasse em consideração os interesses e o
senso de honra de ambos os lados, oferecendo a França algumas compensações.
Isso poderia ter tido conseqüências de longo alcance em
nossas relações com a França. Por que não foi feito? A palavra do
monarca, como se sabe, tinha empenhado a honra da nação em favor
do sultão do Marrocos, e portanto não podíamos abandoná-lo. Contudo,
o governo não tinha realmente a intenção de entrar em guerra. O
resultado de tudo foi o colapso de Algeciras, seguido do episódio “Panther”
e finalmente o abandono do Marrocos; ao mesmo tempo, a tensão
interminável provocou a disposição para a guerra na França, facilitando
assim a política inglesa de envolvimento. Desenvolveu-se paralelamente
a impressão de que a Alemanha sempre cederia, apesar das palavras
do imperador. Isso tudo aconteceu sem que nenhuma compensação
política fosse proporcionada à Alemanha.
Os objetivos da política exterior alemã, especialmente de alémmar,
eram extremamente limitados, se comparados aos de outras nações,
e os resultados dessa política foram insignificantes. Contudo, ela
produziu tensões e viva agitação como as de nenhum outro país, e
freqüentemente essas sensações, totalmente inúteis e prejudiciais, foram
criadas pela publicação de declarações do imperador. Esse método
OS ECONOMISTAS
88
revelou-se nocivo a nós não apenas em países hostis ou neutros. Após
a conferência de Algeciras, o imperador sentiu a necessidade de expressar
seus agradecimentos ao Conde Goluchowski, e, em vez de utilizar
os canais competentes, publicou-se o célebre telegrama. A queda
do destinatário foi pronta e embaraçosa para nós: demonstrou tardiamente
que nenhum governo permite a seus estadistas dirigentes receberem
publicamente “uma boa nota” de outro governo — nem mesmo
do governo de um aliado íntimo. !1
No panorama doméstico cometeram-se os mesmos erros. Os denominados
“Discursos de Penitenciária”, que o imperador proferiu num
momento de cólera (em 1898), tinham acaso que ser dados à publicidade
quando apareceram como um programa político? Que deve pensar do
fato de que a burocracia se sentia agora na obrigação de inventar um
parágrafo correspondente para inclusão no projeto de lei antigreve,
simplesmente porque o imperador tinha mencionado punição em penitenciária
para grevistas? Somente os assombrosos acontecimentos
de 1914 e a atual (Páscoa, 1917) promessa de igual direito de voto
conseguiram neutralizar o impacto dessa despropositada publicação
nos operários dotados de amor-próprio. Estava a dinastia interessada
na publicação? Ou que outros objetivos politicamente aceitáveis poderia
a publicação ter tido?
Contudo, queremos nos limitar aqui à política externa, e conseqüentemente
gostaríamos de fazer a pergunta pertinente: em todas
essas ocasiões, onde estavam aqueles partidos do Reichstag que poderiam
ter sido a defesa decisiva da política do governo, mas que mais
tarde preferiram censurar o Chanceler Von Bethmann Hollweg pelos
fracassos de uma política que transformou “o mundo inteiro em nossos
inimigos”, a acusar o dito chanceler de se ocultar por trás do monarca?
Que fizeram os tais partidos em todos esses casos? Eles tiraram proveito
dos ataques da extrema esquerda a fim de denunciar a atitude “antimonárquica”
desta! Devemos declarar com ênfase que só levantaram
objeções públicas quando já era muito tarde. Mesmo então só agiram
assim até o ponto em que seus interesses egoístas não fossem envolvidos.
Não vamos entrar em detalhes acerca dos acontecimentos ultradivulgados
de 1908 (o caso Daily Telegraph). Contudo, devemos nos
lembrar de que o Partido Conservador, em contraste com o protesto
indubitavelmente impressionante de seus líderes perante o monarca,
WEBER
89
1 Em 13 de abril de 1906, Guilherme II enviou um telegrama ao ministro do Exterior da
Áustria, conde A. Goluchowski, no qual dizia: “Vós demonstrastes ser um perfeito padrinho
no duelo e podeis ter a certeza de que retribuirei em caso de necessidade”. Isso contribuiu
para a queda de Goluchowski alguns meses mais tarde. O embaixador alemão em Paris,
príncipe Radolin, queixava-se numa carta a Friedrich von Holstein (8 de maio de 1906):
“Estamos, afinal de contas, completamente isolados no mundo, e todos nos odeiam, inclusive
a Áustria, que está absolutamente furiosa por causa do telegrama a Goluchowski”. Ver
Norman Rich e M. H. Fischer (eds.), The Holstein Papers, IV (Cambridge: At the University
Press, 1913), p. 421, s.
posteriormente abandonou abertamente o Príncipe Bülow e, como de
costume, lembrou seu pseudomasoquismo, quando seus próprios interesses
materiais foram afetados. A propósito, o próprio monarca deve
ter sido tomado de grande surpresa ao descobrir que esse chanceler,
que pelo menos uma vez o aconselhara numa espetacular intervenção
pessoal contra suas próprias objeções,1 voltava-se subitamente contra
ele sob a pressão de uma opinião pública excitada.
E que, finalmente, fizeram nossos críticos em todos esses incidentes?
Aplaudiram publicamente ou continuaram tagarelando sobre como os alemães
não gostam de uma monarquia do tipo inglês — da mesma forma
que a imprensa da ala direita ainda continua fazendo. Adulando os mais
lúgubres instintos filisteus, atribuíram os fracassos aos diplomatas e não
se deram ao trabalho de perguntar sequer uma vez como podiam estes
trabalhar em tais condições. Cá, entre nós, isso seria uma longa história
e pouco honrosa para esses agitadores que tão bravamente vociferam
contra a maioria por exigir uma “paz de fome”.2
Em todos esses casos, o comportamento de nosso governo foi irresponsável,
sem paralelo em nenhum outro grande Estado. Uma confrontação
pública só era permissível se o governo estivesse disposto a
fazer um acordo completo e sem demora. Mas não era nossa intenção,
realmente, pegar em armas a favor dos bôeres ou contra os “mongóis”,
ou ainda a favor do sultão de Marrocos; além do mais, nos dois primeiros
casos nada nos dizia respeito, e também não tínhamos poderio suficiente
para empreender uma intervenção armada. Não obstante, os líderes
do governo permitiram que se desenvolvesse uma situação na qual o
monarca se comprometeu publicamente, e isso impossibilitou qualquer
acordo racional com a Inglaterra sobre nossos interesses sul-africanos,
e com a França sobre interesses no norte da África. Nossa posição
parecia primeiramente ser uma questão de honra, mas foi depois abandonada,
não obstante. O resultado inescapável foi uma série de derrotas
diplomáticas profundamente embaraçosas a todos os alemães e que
trouxeram danos permanentes a nossos interesses. Aqui se achava a
raiz da perigosíssima impressão de que a Alemanha sempre bateria
OS ECONOMISTAS
90
1 Ver acima, nota 32. Sobre o caso Daily Telegraph, ver Wilhelm Schussler, Die Daily-Telegraph-
Affaire. Furst Bullow, Kaiser Wilhelm und die Krise des Zweiter Reiches 1908 (Göttingen:
Musterschmidt, 1912).
2 Aparentemente um termo pejorativo para a maioria dos progressistas, maioria social-democrata
e membros do Partido de Centro que no verão de 1917 adotaram uma resolução
de paz sem ampliação territorial e exploração política, econômica ou financeira. — Numa
carta escrita em 1917, o delegado nacional-liberal Gustav Stresemann, que iria ser o preeminente
ministro do exterior da República de Weimar, mas que foi um enérgico anexionista
durante quase toda a guerra, proporciona um exemplo da espécie de duplicidade da qual
Weber zomba aqui: “Se hoje até secretários de Estado conservadores nos dizem atrás de
portas fechadas que desejam a parlamentarização porque temem que a administração pessoal
da política pelo imperador possa causar danos imensuráveis à Alemanha, então pode-se
falar sobre isso em círculos confidenciais, mas, como um homem de monarquia, não nos é
possível levar perante o público essa seríssima justificação para a parlamentarização”. Cf.
Matthias e Morsey (eds.), Der Interfraktionelle Ausschuss, op. cit., I, 157, nº 10.
em retirada depois de muito esbravejar, e parece que essa crença foi
um dos fatores que determinaram as diretrizes políticas inglesas em
fins de julho de 1914. A desnatural coalizão mundial contra nós foi
em grande parte devida a esses incríveis erros crassos que ainda nos
afetam. A atual mistificação no estrangeiro sobre a “autocracia” alemã
é simplesmente isso: impostura — mas politicamente não é impossível
que isso possa ocorrer. Quem tornou possível aos nossos inimigos, que
acreditam tanto nisso como em outros contos de fadas sobre a Alemanha,
promover com êxito essa impostura? Quem direcionou o tremendo,
e politicamente tão eficaz, ódio do mundo inteiro sobre a cabeça desse
monarca precisamente, cuja atitude foi por diversas vezes notoriamente
decisiva na manutenção da paz, mesmo em momentos nos quais a
guerra teria sido mais oportuna para nós, do ponto de vista da Realpolitik?
Quem possibilitou às massas no estrangeiro acreditar seriamente
que a Alemanha deseja ser “libertada” e que esse desejo achará
eventualmente uma saída se a guerra puder ser suficientemente prolongada?
Quem tornou possível o absurdo inaudito da atual situação?
Enquanto tais acontecimentos forem passíveis de repetição, a nação
não pode esquecer que foi a burocracia conservadora a responsável por
esse estado de coisas: em momentos decisivos ela colocou burocratas
nos pontos-chaves do governo, os quais deviam, contrariamente, ser
ocupados por políticos — homens experimentados em pesar os efeitos
de declarações públicas, homens com o senso de responsabilidade do
político e não com o sentido de dever e de subordinação do burocrata,
que é adequado em seu lugar, mas pernicioso em política.
Aqui nota-se claramente o abismo que separa o burocrata do
político. O funcionário público deve sacrificar suas convicções às exigências
da obediência; o político deve rejeitar publicamente a responsabilidade
por ações políticas que se chocam com suas convicções e
deve sacrificar seu cargo a essas convicções. Mas isso nunca aconteceu
na Alemanha. O pior aspecto do assunto não foi ainda revelado. É
sabido com certeza que quase todos os homens que estavam encarregados
de nossa política naquela década desastrosa, em caráter confidencial,
e não apenas ocasionalmente, mas repetidas vezes, declinaram
de dar uma resposta material às publicações de caráter decisivo pelos
quais aceitaram responsabilidade formal. Se alguém perguntasse com
espanto por que um estadista permanecia em seu cargo se era incapaz
de evitar a publicação de uma declaração questionável, a resposta habitual
era que “alguém outro seria encontrado” para autorizar essa
publicação. Isso pode bem ser verdade, mas também indica a falha
decisiva do sistema. Alguém outro seria encontrado também se o chefe
do governo tivesse de tomar a responsabilidade como o depositário de
um departamento eficaz?
2. Restrições Parlamentares e Legais
Neste ponto decisivo, podemos observar a importância de um
WEBER
91
parlamento perante o qual a burocracia seja verdadeiramente responsável.
Simplesmente não há substituto para isso. Ou haverá? Essa
pergunta deve ser respondida por todos quantos ainda estejam convictos
de que têm o direito de injuriar o parlamentarismo. Torna-se perfeitamente
óbvio, justamente no mesmo ponto, que o senso de responsabilidade
do funcionário público e do político são apropriados cada qual
em sua esfera — e em nenhum outro lugar. Pois não se trata aqui de
funcionários públicos e diplomatas incompetentes e inexperientes, mas
em parte de indivíduos proeminentes, que contudo não tiveram coragem
política, algo que é bem diferente de integridade pessoal. Entretanto,
não é que não a tivessem por uma questão acidental, mas, antes, porque
não tinham utilidade para a estrutura política do Estado. Que dizer
de um estado de coisas — estranho em qualquer outra grande potência
— no qual o gabinete pessoal do monarca, os cortesãos ou agências
de notícias dão publicidade a acontecimentos que são de importância
capital para a política internacional, com o resultado de paralisar e
atravancar nossa política externa durante décadas, um estado de coisas
em que, além do mais, o chefe do governo dá de ombros a esses incidentes
e os tolera depois de encenar alguns gestos fingidamente nobres?
Tudo isso num país, para cuja administração interna o “serviço secreto”
é (no interesse de poder de seus chefes) a jóia dos serviços do funcionalismo
público! É óbvio que essa aparente contradição somente pode
ser explicada pelo interesse dos burocratas em manter seus cargos
afastados de qualquer supervisão. Que dizer de um sistema que permite
a políticos permanecerem no poder quando fecham os olhos a graves
erros que se chocam com suas melhores convicções? E, finalmente,
como aceitar o fato de que, a despeito da evidência dos acontecimentos,
ainda existam críticos que não hesitam em afirmar que um Estado
que funciona assim nos mais importantes aspectos políticos não deve
temer apresentar-se como “aprovado brilhantemente”? Sem dúvida, o
desempenho dos funcionários e servidores públicos foi brilhante, em
sua própria esfera. Contudo, no domínio do político, a burocracia não
somente falha há várias décadas, mas também projetou no monarca
a odiosidade de seu próprio comportamento desorientado, a fim de se
esconder atrás desse mesmo monarca. Dessa maneira, a burocracia
ajudou a ocasionar numa coligação mundial contra nós, por cuja ação
o monarca poderia ter perdido sua coroa e a Alemanha todo o seu
futuro político, não fosse pelo magnífico desempenho de nosso exército.
No interesse da nação e da monarquia, toda alternativa constitucional
que evita tais ocorrências é melhor que este estado de coisas. Conseqüentemente,
o estado atual deve ter fim, custe o que custar. Não há
dúvida (e prova-se facilmente) de que não há diferenças de opinião
partidária sobre esses acontecimentos seriamente prejudiciais. Contudo,
os políticos da ala direita ou não possuíam suficiente caráter político
ou tinham demasiados interesses pessoais de forma a não externar
OS ECONOMISTAS
92
publicamente opiniões, aliás expressas em particular com extrema rudez.
Pelas mesmas razões mostraram-se relutantes em tirar quaisquer
conclusões concretas. Mas, sem garantias reais, não pode ocorrer nenhuma
mudança decisiva. Isso foi demonstrado pelo fato de que os
círculos da corte, responsáveis por essas publicações, se tenham revelado
absolutamente incorrigíveis. A introdução de tais salvaguardas é
politicamente muito mais importante do que todas as outras questões
políticas, inclusive a reforma parlamentar e eleitoral. Para nós, a parlamentarização
é primeiramente meio indispensável para estabelecer
essas salvaguardas concretas. Pois não se pode duvidar de que somente
um parlamento eficaz e a verdadeira responsabilidade parlamentar do
governo podem constituir-se numa garantia contra a repetição de tais
acontecimentos.
Entretanto, tendo as coisas seguido seu curso, sem impedimento,
durante décadas, decorrerão vários anos até que se possa criar uma
liderança parlamentar realmente eficiente. Que pode ser feito nesse
meio tempo, enquanto essa reforma não tiver sido completada ou ainda
não estiver dando resultados?
Uma coisa é evidente: em toda parte, e particularmente numa
democracia, as grandes decisões na política externa são tomadas por
um pequeno grupo de pessoas. No momento, os Estados Unidos e a
Rússia são os melhores exemplos disso e nenhuma deblateração dos
críticos pode alterar os fatos. Toda tentativa nesse sentido reduziria
a gravidade da responsabilidade, quando a questão é precisamente
aumentá-la. Conseqüentemente, as prerrogativas imperiais do artigo
11 da Constituição, que realmente devem ser exercidas sob a responsabilidade
efetiva do chanceler do Reich, permanecerão inalteradas.
Contudo, devem-se exigir obstáculos legais e imediatos contra os perigosos
males que cortesãos e jornalistas irresponsáveis e desconhecidos
conseguiram perpetrar, mediante a publicação de declarações pessoais
do monarca, na área da política externa. Uma lei especial deve ameaçar,
com penalidades severas, inclusive penalidades criminais em casos de
insulto deliberado, qualquer indivíduo que colocar opiniões monárquicas
perante o público da nação ou do estrangeiro sem previamente
submetê-las às autoridades competentes para que se procurem todas
as garantias adequadas ao caso. Em concordância com suas obrigações
constitucionais, o chanceler deve assumir prévia responsabilidade por
tais publicações. Isso é importantíssimo. É apenas retórica vazia quando
mais tarde, no parlamento, o chanceler reage a protestos afirmando
que se responsabiliza pela publicação. Ainda que isso seja feito, uma
declaração do monarca não pode ser criticada com franqueza sem colocar
seu prestígio político em perigo. Acima de tudo, entretanto, tal
afirmação do chanceler não é somente sem propósito, mas politicamente
é uma mentira se o chanceler não foi consultado antecipadamente e
simplesmente se deixou levar. Se ele não foi realmente consultado com
WEBER
93
antecipação, sua declaração simplesmente indica que, a despeito dessa
publicação, ele não se sente disposto a ser destituído e prefere, em vez
disso, permanecer em seu cargo. Além da punição dos responsáveis
pelas divulgações das declarações do monarca deverá ser constitucionalmente
possível “denunciar” o chanceler por aprovar ou tolerar tais
divulgações; tal “denúncia”, que preferivelmente ocorreria perante uma
comissão parlamentar, teria o propósito de exonerá-lo ou de declará-lo
permanentemente incompetente para cargo político. Uma estipulação
legal dessa ordem exerceria a necessária pressão sobre o chanceler a
fim de que procedesse com a maior cautela.
Toda manifestação do monarca deveria ser aprovada pelo chanceler
só depois de uma ampla deliberação com homens experientes.
Portanto, seria oportuno que um órgão consultivo pudesse fazer comentários
sobre a conveniência da publicação (pois essa é a única questão).
Se não puder ser constituída uma comissão parlamentar, outro
órgão poderia exercer a mesma função.
Até o presente, a Comissão para Assuntos Estrangeiros do Bundesrat,
que é composta de representantes dos reinos não prussianos
(Saxônia, Württemberg e Bavária), foi uma espécie de gracejo constitucional
de mau gosto, meramente decorativo, sem poderes formais e
influência real. Pois o chanceler não é obrigado a apresentar a essa
comissão um relatório de sua política; na verdade, é explicitamente
dispensado desse dever pelo artigo 11. Não há necessidade de que ele
vá além de aceitar passivamente uma expressão de opinião. Será cortesia
de sua parte se ele apresentar (a esse órgão) um relatório formal,
tal como é de prática comum no parlamento, para esclarecimento do
público. Este parece ter sido o costume comum ainda que, no círculo
mais íntimo, se pudessem muito bem discutir os méritos das diretrizes
políticas. Durante a guerra, a importância da comissão parece ter aumentado
ligeiramente e isso também não foi de maneira acidental.
Ela poderia perfeitamente ter as atribuições de uma função consultiva
antes da publicação de uma declaração do monarca que tivesse importantes
implicações na política externa. Seria ainda melhor se a comissão
pudesse ser transformada num Conselho da Coroa Imperial, o qual,
juntamente com os chefes departamentais responsáveis e alguns estadistas
mais antigos, poderia discutir importantes alternativas da política
externa antes da decisão e, se possível, na presença do monarca.
Na ausência de um órgão desse tipo no nível do Reich, o Conselho
Prussiano da Coroa agora exerce com freqüência essa função, não apenas
em assuntos prussianos mas também em assuntos politicamente
importantes com referência ao Reich como um todo (e conseqüentemente
também aos Estados-membros não-prussianos). Formalmente,
essa atividade só pode ser consultiva, visto que a responsabilidade
constitucional do chanceler não pode ser reduzida e tampouco o papel
constitucional do imperador em representar o Reich no exterior. Logi-
OS ECONOMISTAS
94
camente, qualquer proposta dessa natureza é desacreditada de início
se — como é infelizmente hábito da burocracia — se fazem tentativas
para usá-la com a finalidade de excluir ou enfraquecer a influência do
parlamento. Contudo, poder-se-ia estatuir expressamente uma “responsabilidade”
do chanceler do Reich em face do Bundesrat com relação
ao dever de prestar contas. Da relação entre esse órgão consultivo e
as comissões parlamentares especiais poderia advir um problema, principalmente
se parlamentares também fizessem parte da comissão. Voltaremos
a essa questão mais tarde.
Independente da concretização dessa proposta, nunca mais deverão
ser toleradas situações como as que foram descritas anteriormente.
Portanto, precisamos estabelecer com toda clareza que a legenda
pseudomonárquica altamente insincera com a qual esses acontecimentos
foram defendidos foi uma invenção do Partido Conservador baseada
na demagogia de Bismarck. Interesses partidários puramente domésticos
ocultavam-se em tempos anteriores por trás dessa legenda, como
agora, por trás da frente de combate. Essa legenda dominada por interesse
servia a muitas finalidades: preservar postos oficiais — desde
o Landrat até o ministro — como benefícios conservadores, usar a
burocracia estatal como a máquina eleitoral do Partido Conservador,
perpetuando assim os privilégios sufragistas prussianos (isto é, sufrágio
das três classes) e desacreditar e enfraquecer o Reichstag, o qual, apesar
de tudo, é ainda o melhor dos parlamentos alemães. Hoje, depois que
as conseqüências políticas se tornaram claras, quando se fazem exigências
para fortalecer o parlamento como órgão de supervisão administrativa
e de recrutamento de líderes capazes, conhecemos de antemão
o slogan que os beneficiários da burocracia sem controle ostentam
prontamente: “A monarquia está em perigo”. Mas o futuro da monarquia
será duvidoso se esses bajuladores egoístas continuarem a privar
da atenção do monarca. Enfrentar o espantalho da democracia cabe
às próprias dinastias — não a nós.
WEBER
95

V
GOVERNO PARLAMENTAR E
DEMOCRATIZAÇÃO
1. Sufrágio Universal e Parlamentarismo
Não estamos interessados aqui na questão da democratização
na esfera social, mas somente na questão do sufrágio democrático —
isto é, igualitário — em sua relação com o parlamentarismo. Também
não discutiremos se na ocasião (1871) foi aconselhável sob o ponto de
vista de política de Estado ao Reich alemão introduzir o direito ao
voto igualitário sob a extrema pressão de Bismarck. Antes, nós aceitamos
esse direito ao voto naturalmente, como um fato que não pode
ser desfeito sem que ocorram graves repercussões. Queremos simplesmente
investigar o relacionamento entre parlamentarização e esse tipo
de sufrágio democrático.
A parlamentarização e a democratização não são necessariamente
intercambiáveis, mas freqüentemente se opõem uma à outra. Recentemente,
depara-se com a crença de que sejam até necessariamente
conceitos opostos. Afirma-se que o genuíno parlamentarismo só é possível
num sistema de dois partidos (bipartidário) e, mesmo assim, só
no caso de os partidos serem dominados por dignitários aristocratas.
Na Inglaterra, o velho parlamentarismo não era efetivamente, como
condiz com sua origem feudal, realmente “democrático” no sentido continental
europeu, mesmo depois do Reform Bill (Projeto de Lei de Reforma)
e até a (atual) guerra. Uma vista de olhos no sistema de sufrágio
basta para esclarecer isso. A classificação dos cidadãos pelo critério do
tamanho de sua propriedade e os direitos efetivos da maioria tinham
tal alcance que, fossem eles transportados para a Alemanha, provavelmente
reconheceriam apenas a metade dos atuais social-democratas
e também permitiriam consideravelmente menos deputados do Partido
97
Central do Reichstag. (Na Alemanha, entretanto, não há equivalente
ao papel do irlandês no parlamento inglês). Até o advento do sistema
de “panelinha” de Chamberlain, os dois partidos eram claramente dominados
por clubes de aristocratas. Se a exigência “um homem, um
voto”, pela primeira vez exteriorizada pelos levellers (niveladores) no
exército de Cromwell, tivesse sido atendida juntamente com a exigência
(inicialmente limitada) do sufrágio feminino, o caráter do parlamento
inglês sofreria significativa mudança. O sistema bipartidário, já debilitado
pelos irlandeses, prosseguirá em sua desintegração com o avanço
dos socialistas, e a burocratização dos partidos continuará. — O célebre
sistema bipartidário espanhol, baseado no tácito acordo dos dignitários
do partido em usar o voto para uma alteração periódica dos pretendentes
a cargos no poder parece, no momento, estar sucumbindo à
primeira tentativa de realizar eleições sérias. — Mas tais mudanças
eliminarão o parlamentarismo? A existência e o poder formal dos parlamentos
não são ameaçados pelo sufrágio democrático. Isto é demonstrado
pela França e outros países com sufrágio igualitário, onde os
ministérios são comumente recrutados do parlamento e contam com
maiorias parlamentares. Claro que o espírito do parlamento francês é
bem diferente do inglês. Todavia, a França não é um país adequado
para um estudo das conseqüências típicas da democracia sobre o parlamentarismo.
O caráter fortemente pequeno-burguês e principalmente
pequeno-rendeiro de sua população estável cria condições para uma
especial forma de mando exercida por dignitário de partidos, e para
uma influência singular da haute finance, que não têm similares em
Estados predominantemente industriais. A estrutura francesa de partido
é inconcebível em tais países, mas também o é o histórico sistema
bipartidário da Inglaterra.
Sistemas bipartidários não são possíveis em países industrializados,
já por causa da divisão das modernas camadas econômicas em burguesia
e proletariado e por causa do significado do socialismo como um evangelho
das massas. Isso cria, por assim dizer, barreiras “confessionais” na Alemanha.
Além do mais, a organização do catolicismo alemão como um
partido para a proteção de uma minoria, resultado de circunstâncias confessionais,
dificilmente será eliminada, ainda que o Partido do Centro
deva seu atual número de deputados meramente à disposição dos distritos
eleitorais. Pelo menos quatro, e provavelmente cinco, grandes partidos
coexistirão permanentemente, portanto, na Alemanha; governos de coalizão
continuarão a ser necessários e o poder de uma monarquia prudentemente
atuante não deixará de ter sua importância.
2. O Impacto da Democratização da Organização e
Liderança dos Partidos
Entretanto, o mando dos dignitários dentro dos partidos é insustentável
fora de qualquer área agrária isolada com bens de raiz pa-
OS ECONOMISTAS
98
triarcais, porque a moderna propaganda de massa torna o sucesso eleitoral
dependente da racionalização da empresa do partido: o funcionário
do partido, a disciplina do partido, a imprensa do partido e a propaganda
do partido. Os partidos são organizados com rigor sempre crescente.
Esforçam-se por conseguir a adesão até mesmo de adolescentes
a suas fileiras. A máquina clerical faz isso automaticamente para o
Partido do Centro, o ambiente social o faz para os conservadores. Outros
partidos têm suas próprias organizações juvenis, tais como a “Juventude
Nacional-Liberal” e os grupos juvenis dos social-democratas. Da
mesma maneira, os partidos utilizam-se de todos os interesses econômicos.
Eles organizam cooperativas e sindicatos de produtores e consumidores,
e colocam membros de confiança como funcionários nos postos
do partido assim criados. Eles fundam escolas de oratória pública
e de treinamento de agitadores, de redatores e de empregados administrativos,
em parte amparadas por fundos milionários. Surge uma
vasta literatura partidária financiada pelos mesmos capitais provindos
da contribuição por grupos de interesses e utilizados na compra de
jornais, no estabelecimento de escritórios de publicidade e empresas
similares. Os orçamentos do partido crescem rapidamente, pois o custo
das eleições e o número dos agitadores na folha de pagamento aumentam.
Já não é possível conquistar um distrito mais amplo, ferozmente
disputado, sem gastar pelo menos vinte mil marcos. (No momento,
homens de negócios com interesses políticos investem seus lucros de
guerra, em vasta escala, nos chamados jornais patrióticos de todas as
espécies, preparando-se para as primeiras eleições do pós-guerra.) A
máquina do partido cresce em importância e, proporcionalmente, declina
a influência dos dignitários.
As coisas ainda se apresentam instáveis. A organização dos partidos
burgueses, que difere grandemente no grau de coordenação interna,
como já foi assinalado antes, apresenta aproximadamente o quadro
seguinte. As atividades locais são geralmente executadas “extraocupacionalmente”
pelos dignitários, e por funcionários, somente nas
grandes cidades. Diretores de jornais ou advogados chefiam as agências,
em comunidades de tamanho médio. Somente os distritos mais amplos
têm secretários assalariados que viajam para cá e para lá. Associações
locais e regionais cooperam, de diferentes maneiras, na seleção de candidatos
e na escolha de slogans eleitorais. A participação das associações
regionais é determinada particularmente pela necessidade de coalizões
eleitorais e de acordos de desempate. Os líderes das organizações locais
recrutam os membros permanentes de cada local por meio de uma
variedade de maneiras, entre as quais as assembléias públicas desempenham
um papel de grande importância. As atividades dos membros
são muito limitadas; geralmente não fazem mais que pagar suas contribuições,
assinar o jornal do partido, comparecer com certa regularidade
às assembléias em que se apresentam oradores do partido, e
WEBER
99
oferecer voluntariamente uma cota moderada de trabalho à época das
eleições. Em troca, obtêm participação, pelo menos formal, na eleição
do Executivo local do partido e dos conselheiros e, dependendo do tamanho
da localidade, obtêm também o direito de opinar direta ou indiretamente
na seleção dos representantes às convenções do partido.
Por via de regra, entretanto, todos os candidatos são designados pelo
núcleo composto de líderes permanentes e burocratas; as mais das
vezes esses candidatos são também recrutados de entre estes últimos,
suplementados por alguns dignitários que são úteis e meritórios em
virtude de seus nomes bem conhecidos, influência social pessoal ou
sua disposição em fazer contribuições financeiras. Assim, a participação
daquela segunda classe de membros é limitada à colaboração e votação
durante as eleições, que ocorrem a intervalos relativamente longos, e
à discussão de resoluções cujos efeitos são sempre controlados em grande
escala pelos líderes. Uma substituição completa dos líderes e funcionários
distritais locais é rara e quase sempre é o resultado de uma
revolta interna que, as mais das vezes, implica em questões pessoais.
O eleitor comum, que não pertence a nenhuma organização e é cortejado
pelos partidos, é completamente inativo; os partidos o levam em consideração
principalmente durante as eleições, e, de resto, somente pela
propaganda a ele dirigida.
A organização do Partido Social-Democrata, que tem sido decantada
com freqüência, é bem mais rigorosa (do que a dos partidos burgueses)
e também compreende uma porcentagem maior dos eleitores
de voz ativa; dentro de formas democráticas, ela é estritamente disciplinada
e centralizada. Os partidos de direita costumavam ser de organização
menos rigorosa e fiavam-se mais nos dignitários locais, mas,
a seu lado, milita agora uma organização de massas muito bem estruturada,
representada pela Liga dos Fazendeiros (Bund der Lanwirte).
No Partido do Centro, o centralismo e a liderança autoritária são
formalmente mais desenvolvidos, o poder do clero tem seus limites em
todos os assuntos não-eclesiásticos, como o provam repetidamente os
acontecimentos.
O atual estágio do desenvolvimento acabou definitivamente com
o antigo estado de coisas, quando as eleições costumavam ocorrer na
base de idéias e slogans que eram formulados por ideólogos e então
propagados e discutidos na imprensa e em comícios; quando os candidatos
eram apresentados por comissões ad hoc e, se eleitos, uniam-se
para formar partidos que permaneciam flexíveis em sua composição;
quando, finalmente, esses grupos parlamentares constituíam as lideranças
de pessoas de igual opinião em todo o país — principalmente
a liderança que formulava as questões para as eleições seguintes. Agora,
em contraposição, o funcionário do partido está surgindo em toda parte,
ainda que num ritmo desigual, como o elemento dinâmico da tática
partidária. Simultaneamente com ele, a arrecadação organizada de fun-
OS ECONOMISTAS
100
dos torna-se importante. As permanentes dificuldades financeiras exigem
contribuições regulares, que naturalmente desempenham o principal
papel em organizações de massa que têm por base determinada
classe, como, por exemplo, o Partido Social-Democrático; entretanto,
essas contribuições também com freqüência revigoram a posição dos
patrocinadores do partido que continuava a ser predominante em outros
tempos. Mesmo no Partido Social-Democrático nunca estiveram completamente
ausentes. No Partido do Centro, um único patrocinador,
Sr. August Thyssen, mantém agora uma posição social equivalente
pelo menos à de um arcebispo. Entre os partidos burgueses, os financiadores
são moderadamente importantes como fonte de renda na esquerda,
mas muito mais importantes na direita. De acordo com a ordem
natural das coisas, o papel desses financiadores é importantíssimo nos
partidos de porte médio tais como o dos nacionais-liberais e o dos
antigos livre-conservadores, de forma que o atual poder efetivo desses
partidos burgueses quase se constitui numa medida aproximada da
importância do dinheiro como tal, isto é, de fundos proporcionados por
patrocinadores individuais, em eleições baseadas no sufrágio igualitário.
Mas, mesmo no caso desses partidos, não se poderia dizer que o
apoio de financiadores, ainda que seja indispensável para eles, produza
o voto. Os partidos vivem, antes, em virtude de um singular casamento
misto entre os poderes financeiros e aquela vasta camada dos intelectuais,
incluindo em particular os professores acadêmicos e não-acadêmicos,
que se prendem emocionalmente a reminiscências da era de
Bismarck. Comparada ao número de votos desses partidos, uma parte
desproporcionalmente grande da imprensa burguesa é imitada de forma
atenuada pela imprensa comercial completamente oportunista, visto
que isso é conveniente a círculos governamentais e de negócios.
Aqui como em toda parte, a burocratização e o orçamento nacional
são fenômenos concomitantes à democratização, por mais acentuada
que seja a diferença dos partidos alemães em sua estrutura social
interna. Isso torna indispensável uma angariação de votos contínua e
vigorosa, muito mais acentuada do que o fora à época dos velhos partidos
de dignitários. O número de discursos eleitorais que um candidato
precisa proferir hoje em dia, enquanto possível em todas as pequenas
aldeias de seu distrito, aumenta continuamente, assim como aumentam
suas visitas locais e seus relatórios, e também a exigência da imprensa
do partido relativa a serviços de informação e matéria corriqueira para
publicação, e para publicidade de toda espécie. O mesmo pode ser dito
com referência à dureza e à implacabilidade dos métodos de combate
político. Isso tem sido freqüentemente deplorado e imputado aos partidos
como sendo uma de suas peculiaridades. Todavia, não apenas as
organizações partidárias recorrem a essas medidas, mas também a
máquina do governo. A imprensa de Bismarck, financiada pelo assim
chamado “Fundo Guelfo”, superou tudo, especialmente a partir de 1878,
WEBER
101
no que diz respeito a meios inescrupulosos e falta de bom-tom. As
tentativas de criar uma imprensa local que fosse completamente dependente
da máquina governamental dominante nunca cessara. A existência
e qualidade desses métodos de combate nada têm a ver com o
grau de parlamentarização nem com o grau de direito ao voto de sufrágio;
antes, esses métodos resultam puramente das eleições de massa,
sem levar em conta se os organismos eleitorais são o setor de escolha
dos líderes politicamente responsáveis ou se apenas podem exercer
uma política voltada para interesses e benefícios, como é o caso na
Alemanha. !1 Na segunda hipótese a luta partidária assume formas particularmente
secundárias, pois é motivada por interesses puramente
materiais e pessoais. É possível e necessário utilizar os meios proporcionados
pelo direito criminal para lutar contra os ataques políticos
dirigidos contra a honra pessoal e vida particular de um adversário e
contra a inescrupulosa disseminação de inverdades sensacionalistas.
Todavia, a essência da luta política como tal não poderá ser alterada
enquanto existirem organismos eleitorais que tomam decisões a respeito
de interesses materiais. Menos ainda poderá ela ser alterada pela redução
da importância e do nível do parlamento. Tudo isso deve ser
simplesmente aceito. Toda forma de desdém estético ou moralizante
é completamente estéril, com referência à questão da reforma da política
nacional. A interrogação política é simplesmente de se saber quais são
as conseqüências dessa democratização progressiva dos meios e das
formas organizacionais do combate político para a estrutura da empresa
política dentro e fora do parlamento. Os desenvolvimentos que acabamos
de descrever estão intimamente relacionados com a gestão dos
assuntos parlamentares que discutimos anteriormente.
Dentro e fora do parlamento, é necessária uma figura característica,
o político profissional, um homem que, pelo menos idealmente,
mas quase sempre materialmente, considera a política partidária o
cerne de sua vida. Essa figura, quer a amemos ou a odiemos, é, em
sua atual forma, o produto inevitável da racionalização e da especialização
de atividades partidárias baseadas na eleição de massa. Aqui,
novamente, não faz diferença qual o grau de influência política e de
responsabilidade que cabe aos partidos em virtude do avanço do parlamentarismo.
Há duas classes de políticos profissionais (como vimos):
aqueles que vivem materialmente à custa do partido e de atividades
políticas; na América do Norte são estes os grandes e pequenos em-
OS ECONOMISTAS
102
1 Em fins de 1917, jornais adquiridos pelo big business acusaram o Frankfurter Zeitung e
um delegado do Reichstag de terem sido subornados com dinheiro inglês. Meu nome e o
de um colega nacional-liberal foram igualmente ligados a subornos de Lloyd George. E
círculos intelectuais acreditaram nessas afirmações! Esse fato é realmente suficiente para
julgar da maturidade política dessa camada. Os atos desses parasitas provam que, na
Alemanha, demagogia sem parlamentarismo e sem democracia funciona totalmente ao
nível francês. (N. de Weber.)
preiteiros políticos, os chefões, e no panorama alemão são os “operários”
políticos, os funcionários assalariados do partido. Em segundo lugar,
há aqueles que vivem “para” a política, possuem recursos independentes
e são impelidos por suas convicções; a política torna-se o centro de
suas vidas, como, por exemplo, Paul Singer, entre os social-democratas,
que era ao mesmo tempo um financiador do partido no estilo clássico.1
Deve ficar claro aqui que não negamos o idealismo do funcionalismo
do partido. Pelo menos na esquerda, encontra-se grande número de
personalidades políticas irrepreensíveis entre os funcionários, o que
não seria fácil encontrar em outras camadas. Entretanto, ainda que o
idealismo esteja longe de ser uma função de situação financeira de
uma pessoa, viver “para” a política é mais barato para o membro abastado
do partido. É esse elemento precisamente — pessoas economicamente
independentes de todos quantos a rodeiam — o mais desejável
para a vida do partido e, como se espera, não desaparecerá por completo,
em especial dos partidos radicais. Claro que a empresa do partido
propriamente, hoje em dia, não pode ser acionada só por eles — o
grosso do trabalho a ser realizado fora do parlamento será sempre
executado pelos burocratas do partido. Todavia, por causa de sua própria
preocupação com a operação da empresa, esses funcionários de
maneira alguma poderão ser sempre os candidatos mais adequados ao
parlamento. Os social-democratas são a única grande exceção. Na maioria
dos partidos burgueses, contudo, o secretário do partido, restringido
por seu cargo, não se constitui no melhor candidato. Dentro do parlamento,
um predomínio exclusivo do funcionalismo do partido, não importa
quão desejável e útil seja sua representação, não teria um efeito
favorável. Mas tal predomínio não existe nem mesmo dentro do mais
burocratizado partido, o dos social-democratas. De fato, o funcionalismo
do partido constitui relativamente o menor perigo de provocar uma
dominação do “espírito burocrático” em detrimento de líderes verdadeiros.
Esse perigo deriva, em grau bem maior, da necessidade de
levar em consideração modernas organizações de interesses com a finalidade
de se obterem votos; isso leva à entrada forçada de seus
empregados na lista de candidatos do partido, num fenômeno que cresceria
consideravelmente se fosse adotado um sistema proporcional de
eleições, exigindo a votação por listas.2 Um parlamento composto de
tais empregados seria politicamente estéril. É verdade, contudo, que
o espírito dos empregados de organizações, tais como os próprios partidos
e os sindicatos, devido a seu treinamento em lidar com o público,
é essencialmente diferente do espírito do funcionalismo público, que
WEBER
103
1 Paul Singer (1844-1911), industrial de Berlim, era membro importante do Partido Social-
Democrático, cuja delegação ao Reichstag chefiou de 1885 em diante.
2 É isso exatamente que ocorreu mais tarde na República de Weimar, onde a representação
proporcional também levou a uma proliferação de partidos baseados puramente na representação
de interesses de grupos específicos.
trabalha serenamente no meio de arquivos. Especialmente nos partidos
radicais e principalmente no Partido Social-Democrata, o perigo apresentado
pelo espírito burocrático seria relativamente o menor, visto
que a veemência do combate político neutraliza as tendências (consideráveis
mesmo lá) para a cristalização numa camada de possuidores
de benefícios. Não obstante, nesses partidos apenas uma parte dos
líderes propriamente ditos eram burocratas do partido.
Em todos os parlamentos e partidos democráticos, as atuais exigências
feitas à empresa política resultam na elevação de uma profissão
a um papel especialmente importante no recrutamento de parlamentares:
a dos advogados. Além do conhecimento da lei e, o que mais
importa, da preparação para combater um adversário que essa profissão
proporciona, em contraste com o cargo dos juristas empregados, um
elemento puramente material é decisivo: a posse de um escritório particular
— hoje uma necessidade absoluta para o político profissional.
Enquanto todos os outros empresários livres são impedidos, devido ao
acúmulo de serviço em suas próprias empresas, de fazer face às crescentes
exigências da atividade política regular, e teriam que abandonar
suas ocupações a fim de se tornarem políticos profissionais, é relativamente
fácil para o advogado efetuar uma mudança, dadas as bases
técnicas e psicológicas de suas atividades. O predomínio dos advogados
numa democracia parlamentar, tão freqüente e tão erroneamente deplorado,
é ocasionado pelo fato de atualmente os parlamentos alemães
deixarem de oferecer a seus membros escritórios adequados, serviços
de informação e pessoas de escritório.1 Todavia, não queremos discutir
aqui os aspectos técnicos do funcionamento de um parlamento. Em
vez disso, perguntaremos em que direção se desenvolve a liderança do
partido sob a pressão da democratização e da crescente importância
de políticos profissionais, funcionários do partido e empregados de grupos
de interesse, e que repercussões isso tem para a vida parlamentar.
3. Democratização e Demagogia
A opinião popular dos críticos alemães responde levianamente à
questão concernente ao efeito da democratização: o demagogo ascende
a alta posição, e o demagogo bem-sucedido é aquele que mais inescrupuloso
se mostra ao cortejar as massas. Uma idealização das realidades
da vida seria um inútil ato de iludir-se a si mesmo. A afirmação sobre
a crescente importância do demagogo não raramente mostrou-se atinente,
e o é de fato, no bom sentido da palavra. No sentido negativo
OS ECONOMISTAS
104
1 Recentemente, em 1967, dois delegados no Bundestag da República Federal Alemã tiveram
que partilhar uma única saleta; os quadros de pessoal de pesquisa das facções parlamentares
eram pequenos demais e estavam completamente sobrecarregados. Ainda era difícil para
o Parlamento e os partidos individuais recrutar pessoal convencional e especial, da maneira
como são recrutados os quadros de pessoal das comissões congressionais nos Estados Unidos.
é tão verídico na democracia quanto o foi, para a atuação da monarquia,
a observação que há algumas décadas um famoso general fez a um
monarca autocrático: “Vossa Majestade, muito breve, estará rodeado
exclusivamente de patifes”. Uma consideração prática sobre seleção de
liderança democrática sempre incluirá uma comparação com outras
organizações e seus sistemas de seleção. Uma olhada às questões de
pessoal das organizações burocráticas, incluindo as melhores unidades
de oficiais do exército, é suficiente para esclarecer o seguinte: o reconhecimento
convicto da parte dos subordinados de que um superior
“merece” sua posição não é a regra mas a exceção, particularmente
em se tratando de novos superiores que progridam rapidamente. Um
profundo ceticismo domina as atitudes da grande maioria dos indivíduos
sinceros que atuam no interior das organizações — abstraindo-se completamente
de todo boato mesquinho. Refere-se esse ceticismo ao critério
de nomeações, tanto no que diz respeito às razões de quem as
faz, quanto aos meios empregados por aqueles que tiveram a extrema
ventura de se verem empossados em seus cargos. Mas essa crítica,
geralmente silenciosa, não é percebida pelo público, que não tem, assim,
a mais vaga noção de sua existência. Experiências sem conta, que
qualquer indivíduo pode realizar à sua volta, ensinam que o atributo
que melhor garante a promoção é certa medida de flexibilidade em
relação à organização, o grau de “conveniência” que o subordinado
apresenta para seu superior. A seleção, com toda certeza, não é, em
média, uma seleção de líderes natos.
Os indivíduos que atuam no interior da organização mostram o
mesmo ceticismo em muitos casos com respeito a nomeações acadêmicas,
ainda que o controle público se possa exercer aqui de maneira
mais eficiente, em vista do caráter público dos atos realizados, coisa
que geralmente não se dá no caso de funcionários. Todavia, o político,
e principalmente o líder partidário que subiu ao poder público, encontra-
se exposto a um minucioso exame público levado a cabo pela crítica
dos adversários e competidores e pode ter certeza de que, na luta
contra sua pessoa, as razões e os meios de como subiu sofrerão implacável
publicidade. Uma observação objetiva, portanto, deverá mostrar
que, de modo geral, a seleção dentro da demagogia do partido se verifica
segundo um critério de modo algum menos funcional do que para a
seleção realizada a portas fechadas no domínio da burocracia. Exemplos
contrários são proporcionados somente por países novos, tais como os
Estados Unidos, mas uma contestação dessa observação seria simplesmente
insustentável com referência aos Estados alemães, na Europa.
Além disso, se mesmo um chefe de Estado-Maior (Helmuth von Moltke)
completamente incompetente, ao começo da Guerra Mundial, não deva
ser um argumento contra a habilidade da monarquia para recrutar
líderes, então também é inadmissível que se assaquem contra as democracias
esses erros de recrutamento.
WEBER
105
Todavia, não desejamos prosseguir nessas comparações e recriminações
politicamente estéreis. O detalhe decisivo é que, para as tarefas
de liderança nacional, só estão preparados os homens que foram
selecionados no curso da luta política, pois a essência de toda política
é a luta. É simplesmente um fato que tal preparo é, em média, levado
a cabo com mais eficácia pelo mui difamado “ofício de demagogos” do
que por um escritório burocrático, o qual por sua vez provê um treinamento
infinitamente superior para a administração eficiente.
É claro que a demagogia política pode conduzir a abusos impressionantes.
Pode acontecer que um indivíduo dotado de simples retórica,
destituído de intelecto superior e de caráter político, atinja uma alta
posição de poder. Mas essa descrição não se aplicaria a um August
Bebel,1 pois ele tinha caráter, ainda que não possuísse uma mente
superior. O período de perseguição em que viveu (na década de 1870)
e a casualidade de ter sido um dos primeiros líderes (social-democrata),
mas também aquela qualidade, conquistaram-lhe a confiança irrestrita
das massas, que membros do partido superior não conseguiram dissipar-
lhe. Eugen Richter, Ernst Lieber, Matthias Erzberger — todos eles
pertencem a um tipo de compatível qualidade.2 Estes foram “demagogos”
bem-sucedidos, em contraste com intelectuais muito superiores,
que não conseguiram conquistar o poder em seus partidos, a despeito
de seus triunfos de retórica perante as massas. Isso não é acidental
— e contudo não é uma conseqüência da democratização —; resulta,
antes, do fato de se limitarem à “política negativa”.
Democratização e demagogia andam juntas, mas — repetimo-lo
— independentemente da espécie de Constituição, na medida em que
as massas não possam ser tratadas como objetos de administração
puramente passivos, isto é, na medida em que suas atitudes tenham
alguma importância ativa. Afinal de contas, o caminho da demagogia
também foi escolhido, à sua maneira, pelas monarquias modernas. Estas
se servem de discursos, telegramas e recursos propagandísticos de
toda parte para a promoção de seu prestígio; ninguém pode pretender
que esse tipo de propaganda política mostrou-se menos perigoso para
o interesse nacional do que a mais veemente demagogia (dos líderes
partidários) em época de eleições. Muito ao contrário. Em plena guerra,
deparamo-nos agora até com o fenômeno de um almirante envolver-se
em demagogia. As contendas sobre área de influência entre o ex-chanceler
(Bethmann-Hollweg) e o almirante Von Tirpitz foram trazidas a
público numa campanha tumultuosa realizada pelos seguidores do almirante
(e com sua tolerância, conforme foi com razão salientado no
OS ECONOMISTAS
106
1 August Bebel (1840-1913) foi o líder do Partido Social-Democrático desde sua fundação,
em 1869.
2 Com relação a Richter e Erzberger, ver notas anteriores. Ernst Lieber (1838-1902), membro
liberal do Partido do Centro, dirigiu a delegação parlamentar de seu partido após a morte
de Windthors em 1891.
Reichstag); interesses de política externa entraram na refrega do lado
do almirante, de forma que uma questão militar e diplomática, que
somente poderia ser decidida com o mais profundo conhecimento dos
fatos (isto é, a questão da guerra submarina ilimitada), tornou-se objeto
de um demagogismo sem paralelo entre as massas, que nesse caso
eram realmente “não-críticas”, isto é, destituídas de quaisquer meios
de juízo crítico. Conseqüentemente, a ninguém é dado afirmar que a
“demagogia” é uma característica de um Estado constitucionalmente
democrático. As revoltantes batalhas de sátrapas e as intrigas dos
candidatos pela posse de um ministério, em janeiro de 1918, também
foram levadas à imprensa e a comícios. Essas atividades demagógicas
produziram algum impacto. Na Alemanha temos demagogia e pressão
populista sem democracia, ou antes, devido à ausência de uma democracia
disciplinada.
Entretanto, queremos discutir aqui apenas a verdadeira importância
da demagogia para a estrutura da liderança política; assim, queremos
suscitar a questão da relação entre democracia e parlamentarismo.
4. Liderança Plebiscitária e Controle Parlamentar
A democratização ativa de massa significa que o líder político
não é o mais proclamado candidato porque demonstrou seu valor num
círculo de dignitários, tendo-se tornado um líder por causa de suas
proezas parlamentares, mas significa, sim, que ele adquire a confiança
e a fé que as massas depositam nele conquistando o poder pelos meios
da demagogia de massa. Em essência, isso significa uma mudança
cesarista de seleção de líderes. Na verdade, toda democracia propende
nessa direção. Afinal de contas, a técnica especificamente cesarista é
o plebiscito. Não é um voto ou uma eleição comum, mas uma profissão
de fé na vocação a líder daquele que recorre a essas aclamações. O
líder cesarista aparece à moda militar como Napoleão I, ditador que
teve sua posição confirmada por um plebiscito, ou então aparece à
maneira burguesa: mediante confirmação plebiscitária, com aquiescência
do Exército, de uma reivindicação ao poder, da parte de um político
não-militar, como Napoleão III. Ambas as abordagens são tão antagônicas
ao princípio parlamentar como o são (naturalmente) ao legitimismo
da monarquia hereditária. Toda espécie de eleição popular direta
do mandatário supremo e, mais, toda espécie de poder político que se
apóia na confiança das massas e não na do parlamento — inclui-se
aqui também a posição de um herói popular guerreiro como Hindenburg
— está no caminho que conduz a essas formas “puras” de aclamação
cesarista. Isso é particularmente verídico com respeito à posição do
presidente dos Estados Unidos, cuja superioridade sobre o parlamento
deriva de sua escolha e eleição (formalmente) democráticas. As esperanças
que uma figura cesarista como Bismarck atribuía ao sufrágio
universal e a maneira de sua demagogia antiparlamentar também
WEBER
107
apontam na mesma direção, ainda que tivessem sido adaptadas, na
formulação e na fraseologia, às condições legitimistas específicas de
sua posição ministerial. As circunstâncias do afastamento de Bismarck
demonstram a maneira pela qual o legitimismo hereditário das monarquias
reage contra esses poderes cesaristas. Toda democracia parlamentar
busca intencionalmente eliminar os métodos plebiscitários
de seleção de líderes, pois tais métodos são perigosos ao poder parlamentar.
Um exemplo digno de nota encontra-se na atual Constituição
francesa e no direito eleitoral francês que aboliu as “Listas Eleitorais”
(em 1889) devido ao perigo bulangista. Todavia, a democracia parlamentar
francesa pagou por isso com aquela falta de autoridade dos
supremos poderes junto às massas, que é típica na França e tão caracteristicamente
diferente da posição do presidente dos Estados Unidos.
Em contraposição, nas monarquias hereditárias democratizadas,
o elemento cesarista plebiscitário é sempre muito atenuado, se bem
que não seja inexistente. Na realidade, a posição do atual primeiroministro
britânico (Lloyd George) não está baseada absolutamente na
confiança do parlamento e dos partidos, mas na das massas na pátria
e na do exército no campo de batalha. O parlamento concorda (com
bastante relutância interna) com essa situação.
Assim, o contraste entre as seleções plebiscitária e parlamentar
de líderes é bem real. Todavia, nem por isso a existência do parlamento
é inútil, na verdade. Em face do representante cesarista efetivo das
massas, o parlamento da Inglaterra garante: 1) a continuidade; 2) a
supervisão da posição de poder desse representante; 3) a preservação
dos direitos civis; 4) um campo de provas político apropriado para
cortejar a confiança das massas e 5) a eliminação pacífica do ditador
cesarista quando este tenha perdido a confiança das massas. Todavia,
visto que as grandes decisões políticas, mesmo e principalmente numa
democracia, são inevitavelmente tomadas por poucos homens, a democracia
de massas, desde o tempo de Péricles, tem comprado seus êxitos
com concessões importantes ao princípio cesarista de seleção de líderes.
Nas grandes municipalidades americanas, por exemplo, a corrupção
só tem sido debelada por ditadores municipais plebiscitários a quem
a confiança das massas concedeu o direito de estabelecerem suas próprias
agências administrativas. E onde quer que partidos de massa
democráticos se viram a braços com grande tarefas, tiveram que se
submeter mais ou menos incondicionalmente a líderes que detinham
a confiança das massas.
Servimo-nos do exemplo britânico para ilustrar a importância
que, nessa circunstância, o parlamento conserva numa democracia de
massa. Todavia, não existem apenas “socialistas” subjetivamente sinceros,
mas também democratas subjetivamente sinceros que odeiam a
empresa parlamentar a tal ponto que pregam “o socialismo sem parlamento”,
ou “a democracia sem parlamento”. Claro está que ninguém
OS ECONOMISTAS
108
pode “refutar” aversões irresistivelmente intensas. Mas é necessário
esclarecer qual seria a conseqüência prática desses sentimentos num
Estado com nossa Constituição monárquica. Que seria, então, uma
democracia sem nenhum parlamentarismo na ordem política alemã
com sua burocracia autoritária? Tal democratização meramente passiva
seria uma forma totalmente pura de dominação burocrática não-controlada,
tão nossa familiar, que se denominaria “regimento monárquico”.
Ou, se relacionarmos essa democratização com a organização econômica
que é a esperança desses “socialistas”, teríamos uma moderna
réplica racional do antigo Estado litúrgico. Grupos de interesse legitimados
e (segundo se afirma) controlados pela burocracia seriam ativamente
os agentes da auto-administração corporativa, e passivamente
seriam os portadores dos encargos públicos. Os funcionários públicos
seriam então supervisionados por essas associações sindicalizadas de
finalidade lucrativa, e não pelo monarca, que seria totalmente incapaz
de realizá-lo, nem pelo cidadão, que não teria nenhuma representação.
Examinemos, em maiores detalhes, essa visão do futuro. Tal democratização
passiva não conduziria, em futuro previsível, à eliminação
do empresário privado, ainda que houvesse nacionalizações de amplas
conseqüências; antes, isso implicaria numa sindicalização de grandes
e pequenos capitalistas, pequenos produtores e assalariados sem propriedades,
e através dessa sindicalização as oportunidades econômicas
de cada categoria seriam de alguma forma reguladas e — aqui está o
ponto crucial — seriam monopolisticamente garantidas. Isto seria “socialismo”
do mesmo padrão que o do “Novo Reino” do Egito Antigo.
Só seria democracia se fossem tomadas medidas visando dar à vontade
das massas uma influência decisiva na administração dessa economia
sindicalizada. É inconcebível como isso pudesse ser realizado sem uma
representação que protegesse o poder das massas e controlasse continuamente
os sindicatos: isto é, sem um parlamento democratizado capaz
de intervir nas questões essenciais e relativas ao pessoal dessa
administração. Sem uma representação popular do tipo atual, uma
economia sindicalizada poderia levar a um sistema de guildas (associações
de mutualidade) com a finalidade de proteger a subsistência
de todos e assim deslocar-se na direção de uma economia estacionária
e da eliminação de qualquer interesse na racionalização econômica.
Pois, em toda parte, a preocupação com uma garantia corporativa foi
sempre decisiva para grupos econômicos com pouco ou nenhum capital
tão logo se organizaram monopolisticamente. Quem quiser considerar
isso o ideal de um futuro “democrático” ou “socialista”, pode fazê-lo.
Mas o superficial diletantismo dos críticos confunde a cartelização de
interesses de lucro e de salários com o ideal, tão freqüentemente difundido
atualmente, de acordo com o qual a produção de mercadorias
seja adaptada, no futuro, às necessidades, e não a interesses de lucro,
como na atualidade — uma confusão que se verifica repetidamente.
WEBER
109
Pois, para a realização deste último ideal, seria obviamente necessário
partir não de uma cartelização e monopolização de interesses de lucro,
mas exatamente do oposto: a organização dos interesses do consumidor.
A organização econômica do futuro teria que ser estabelecida não à
maneira de cartéis, associações e sindicatos compulsórios de produtores,
controlados pelo Estado, mas à maneira de uma imensa cooperativa
de consumidores, compulsória e controlada pelo Estado; essa cooperativa,
por sua vez, regularia a produção de acordo com a demanda,
como já o fazem algumas cooperativas de consumidores (pela produção
própria). Ainda uma vez, não se pode imaginar como os interesses
“democráticos” — aqueles da massa dos consumidores — possam ser
protegidos de outra maneira que não por meio de um parlamento que
também possa controlar continuamente a produção nacional.
Mas chega de planos futuristas. A abolição total do parlamento
ainda não foi seriamente exigida por nenhum democrata, não importa
quanto ele se oponha à forma atual dessa instituição. Provavelmente
todo democrata gostaria de manter o parlamento como o meio de fazer
cumprir o controle público da administração, para determinar o orçamento
e, finalmente, para deliberar e aprovar leis — funções para as
quais os parlamentos são realmente insubstituíveis em todas as democracias.
A oposição sinceramente democrática, e não, como freqüentemente
acontece, uma máscara enganadora para interesses de poderes
burocráticos, deseja essencialmente duas coisas: 1) que as leis fossem
feitas não por meio de decisão parlamentar, mas por voto popular
obrigatório; 2) que o sistema parlamentar não existisse, isto é, que os
parlamentos não fossem locais de recrutamento para os líderes nacionais
e que o voto parlamentar de confiança não fosse decisivo para
que esses líderes se mantivessem nos cargos. Como se sabe, esta é a
regra estabelecida na democracia americana; ela deriva parcialmente
da eleição popular direta do chefe de Estado e de outros funcionários,
e, em parte, deriva também do chamado princípio da “separação dos
poderes”. Contudo, a democracia americana ensina, com clareza suficiente,
que a eliminação do parlamentarismo, dessa maneira, não se
constitui numa garantia de administração mais imparcial e incorruptível
do que o próprio sistema parlamentar; dá-se exatamente o oposto.
É verdade que, de forma geral, a eleição popular do chefe de Estado
não tem se revelado frustradora. O número de presidentes realmente
inadequados pelo menos não foi maior, nas últimas décadas, do que o
número de monarcas incompetentes nas monarquias hereditárias. Todavia,
com o princípio da eleição popular dos funcionários públicos, os
próprios americanos se acham muito pouco satisfeitos. Esse princípio,
se aplicado de forma geral, elimina não apenas o que tecnicamente
distingue o mecanismo burocrático, isto é, a disciplina burocrática, mas
também não proporciona nenhuma garantia quanto à qualidade dos
funcionários num grande país moderno. Esse mesmo princípio coloca
OS ECONOMISTAS
110
ainda a seleção de candidatos nas mãos de círculos invisíveis que, em
comparação com os partidos parlamentares e seus líderes, são extremamente
irresponsáveis diante do público. Os candidatos são apresentados
a eleitores destituídos de capacidade de crítica técnica. É essa
forma por demais inconveniente de se preencherem posições administrativas
que exigem treinamento técnico especializado. É precisamente
com relação às funções administrativas mais recentes e avançadas,
mas também com relação às magistraturas judiciais, que os funcionários
treinados, nomeados pelo chefe de Estado eleito, nos Estados Unidos,
são técnica e incomparavelmente superiores mormente no que diz respeito
à corrupção. Afinal de contas, a seleção de funcionários públicos
treinados e a seleção de líderes políticos são duas coisas distintas. Em
contraste, a desconfiança contra os parlamentos impotentes e conseqüentemente
corruptos de Estados americanos individuais a uma expansão
da legislação popular direta.
O plebiscito, como uma forma de eleição assim como também de
legislação, tem limitações técnicas inerentes, pois só responde “sim”
ou “não”. Em nenhum Estado de massas ele assume a função mais
importante do parlamento, a da determinação do orçamento. Em tais
casos, o plebiscito também obstruiria gravemente a passagem de todos
os projetos que resultam de um compromisso entre interesses conflitantes,
pois razões as mais diversas podem conduzir a um “não” quando
não há um meio de conciliar interesses opostos, mediante negociações.
O referendum desconhece o compromisso sobre o qual se baseia a maioria
das leis em todo Estado de massas, com pronunciadas divisões
regionais, sociais, religiosas e outras. É difícil imaginar como num
Estado de massas com graves tensões de classe possam ser adotadas,
pelo voto popular, medidas tais como leis tributárias que não sejam
taxação sobre a renda progressiva, confisco de propriedades e “nacionalizações”.
Essas dificuldades talvez não impressionassem um socialista.
Entretanto, não conhecemos nenhum exemplo de mecanismo estatal
que, exposto às pressões de um referendum, tenha efetivamente
instituído tais impostos territoriais, nominalmente excessivos com freqüência,
e parcialmente confiscadores; isso é tão verídico com referência
aos Estados Unidos quanto o é com relação aos Cantões suíços onde
as condições são muito favoráveis, visto que a população, por força da
velha tradição, raciocina em termos objetivos e é muito bem politizada.
Além do mais, os princípios plebiscitários enfraquecem o papel autônomo
do líder do partido e a responsabilidade dos funcionários públicos.
Uma rejeição dos funcionários dirigentes por meio de um plebiscito
que desaprova suas propostas não obriga e nem pode obrigar estes a
renunciarem, como o pode conseguir um voto de não-confiança em Estados
parlamentares; pois o voto negativo não identifica suas razões
de ser e não obriga a massa que vota negativamente, como obriga uma
WEBER
111
maioria parlamentar que vota contra o governo, a substituir os funcionários
rejeitados pelos seus próprios líderes responsáveis.
Finalmente, quanto mais crescesse a administração direta dos
empreendimentos econômicos feita pela burocracia estatal, mais fatal
seria a falta de um órgão de controle independente, com o poder, à
maneira dos parlamentos, de exigir publicamente informações dos funcionários
todo-poderosos e de chamá-los à prestação de contas. Os meios
específicos da democracia puramente plebiscitária, eleições diretas e
referenda e ainda o instrumento de cassação de mandato pelo voto
popular, são totalmente inadequados no Estado de massas para a seleção
de funcionários treinados e para a crítica de sua atuação. Visto
que a importância do capital dos interessados não é desprezível para
as campanhas dos partidos mesmo em eleições parlamentares, o poder
desse capital e o impulso do mecanismo demagógico amparado por ele
aumentaria imensamente se, num Estado de massas, as eleições populares
e os referenda viessem a predominar completamente.
É verdade, sem dúvida, que a votação obrigatória e o referendum
constituem o oposto radical da situação tão freqüentemente deplorada,
ou seja, que o cidadão no Estado parlamentar não cumpre outra função
política que não a de colocar dentro de uma urna uma cédula eleitoral,
fornecida já preparada pelos partidos, a cada determinado número de
anos. A validade disso como meio de educação política tem sido posta
em dúvida. Com toda certeza, este é um meio de educação política
válido, se realizado sob as condições discutidas anteriormente, de investigação
pública e de controle da administração que habitue os cidadãos
a observar continuamente a administração de seus assuntos.
Todavia, o referendum obrigatório pode chamar o cidadão às urnas
dezenas de vezes em poucos meses, a fim de se pronunciar sobre leis;
a eleição obrigatória lhe apresenta para a votação longas listas de
candidatos que lhe são completamente desconhecidos e cujas qualificações
técnicas para o cargo ele não sabe avaliar. É verdade que a
ausência de qualificações técnicas (que o próprio monarca também não
possui) não é, em si mesma, um argumento contra a eleição democrática
dos funcionários. Sem dúvida, não é preciso ser sapateiro para verificar
se um sapato corresponde exatamente a determinado pé. Contudo, não
apenas o perigo de crescente apatia é extremamente grande, mas também
o perigo de identificação errônea dos responsáveis por abusos,
quando funcionários especializados são eleitos pelo voto popular, enquanto,
num sistema parlamentar, o eleitor responsabiliza os líderes
do partido pelo desempenho dos funcionários nomeados. E no que diz
respeito a leis tecnicamente complicadas, o referendum pode muito
facilmente colocar o resultado em mãos de interessados hábeis, mas
acobertados. Em relação a esse pormenor, as condições nos países europeus,
com seu funcionalismo treinado, altamente desenvolvido, são
essencialmente diferentes das condições nos Estados Unidos, onde o
OS ECONOMISTAS
112
referendum é considerado único corretivo contra a corrupção das legislaturas
inevitavelmente subalternas.
Esses argumentos não são dirigidos contra o uso do referendum,
como ultima ratio, em casos apropriados, ainda que as condições em
Estados de massas difiram daquelas da Suíça (onde esse método é
aplicado). Mas o plebiscito não torna os parlamentos poderosos desnecessários
em grandes Estados. Como um órgão de controle público dos
funcionários e de administração realmente “pública”, como um meio
para eliminar funcionários de alta posição, mas incompetentes, como
um local para estipular o orçamento e para concertar acordos entre
partidos, o parlamento permanece indispensável nas democracias eleitorais.
Em monarquias hereditárias é ainda mais indispensável, pois
o monarca não pode simplesmente agir com o funcionário eleito popularmente,
nem, caso esses funcionários sejam por ele nomeados, tomar
partido, para que sua função nacional não seja comprometida: isto é,
possibilitar uma solução sem conflito quando não houver clareza no
resultado de um sufrágio político e em uma situação de poder. Além
de ser um controle aos líderes “cesaristas”, o poder parlamentar é
necessário em monarquias hereditárias, porque podem ocorrer largos
períodos nos quais ninguém parece ter a mínima confiança das massas.
O problema da sucessão tem sido, em toda parte, o calcanhar de Aquiles
da dominação puramente cesarista. O aparecimento, a neutralização
e a eliminação de um líder cesarista ocorrem mais facilmente sem o
perigo de uma catástrofe nacional, quando a co-dominação eficaz de
poderosos órgãos representativos preserva a continuidade política e as
garantias constitucionais da ordem civil.
O detalhe que realmente ofende os democratas hostis ao parlamento
é manifestamente o caráter grandemente voluntarista da atividade
partidária da política e conseqüentemente também dos partidos
parlamentares. Como já vimos, os participantes políticos “ativos” e “passivos”
realmente se colocam em pólos opostos sob esse sistema.
O empreendimento político é um empreendimento de pessoas interessadas.
(Não nos referimos àquelas pessoas interessadas materialmente
que influenciam a política em todas as formas de Estado, mas
àqueles homens politicamente interessados que lutam para conseguir
o poder político e a responsabilidade, a fim de concretizar certas idéias
políticas.) É justamente essa busca de interesses a parte essencial do
assunto. Pois não é a “massa” politicamente passiva que produz o líder
de seu meio, mas é o líder político que recruta seus seguidores e conquista
a massa pela “demagogia”. Isso se verifica mesmo sob as mais
democráticas formas de Estado. Portanto, a pergunta oposta é muito
mais pertinente: numa democracia de massas, plenamente desenvolvida,
permitem os partidos a ascensão de homem com capacidade de
liderança? São eles capazes de absorver novas idéias? Pois sucumbem
à burocratização exatamente como o mecanismo estatal. A fun-
WEBER
113
dação de novos partidos, com os necessários mecanismos organizacional
e jornalístico, exige hoje em dia tamanho investimento de fundos e
mão-de-obra, e é tão difícil em vista do poder adquirido da imprensa
existente, que está praticamente fora de questão. (Somente a plutocracia
dos traficantes de guerra, sob as condições muito especiais da
guerra, obteve êxito a esse respeito, com a fundação do “Partido da
Pátria”.)
Os partidos existentes são estereotipados. Seus postos burocráticos
provêem à “manutenção” de seu titulares. Seu cabedal de idéias
está amplamente expresso na literatura de propaganda e na imprensa
do partido. Os interesses materiais dos editores e autores resistem à
desvalorização dessa massa de literatura mediante a remodelação das
idéias. Afinal o político profissional, que precisa viver “à custa” do
partido, é quem menos deseja ver seu equipamento intelectual de idéias
e slogans fora de moda. Conseqüentemente, o acolhimento de novas
idéias ocorre com relativa rapidez somente onde partidos totalmente
destituídos de princípios e voltados tão-somente à distribuição de cargos
acrescem a suas plataformas quaisquer “tábuas de salvação” que segundo
eles lhes atrairão maior número de votos.
O aparecimento de novos líderes parece ser ainda mais difícil.
Durante muito tempo, os mesmos líderes mantêm seus postos ao leme
dos partidos alemães, e na maioria dos casos esses líderes merecem a
mais alta consideração pessoal, mas também, de maneira geral, não
se distinguem nem intelectualmente, nem em vigor de temperamento
político. Já mencionamos o típico preconceito de grupos fechados contra
os novatos — é natural que assim seja. Também com relação a isso,
as condições são parcialmente diferentes em partidos tais como os que
existem entre os americanos. Lá são os administradores dos partidos,
os chefões, que têm uma posição estabilíssima. Não desejam honra
nem responsabilidade, só poder. A fim de salvaguardar seu próprio
poder, não se expõem aos caprichos de uma candidatura, o que conduziria
a uma discussão pública de suas práticas políticas, podendo
assim comprometer as possibilidades do partido. Por isso, freqüentemente
apresentam, ainda que de maneira relutante, “novos homens”
como candidatos. Não se importam com isso, desde que possam “confiar”
nesses candidatos de acordo com um critério todo seu. Esses homens
são apresentados a contragosto, mas obrigatoriamente quando possuem,
em virtude de seu “ineditismo”, um potencial de obtenção de
votos; conseqüentemente, em virtude de algum feito espetacular, sua
candidatura parece necessária segundo o interesse da vitória eleitoral.
Essas práticas, que passaram a existir sob as condições da eleição
direta, não são de modo algum transferíveis para a Alemanha e dificilmente
são desejáveis aqui. Tampouco transferíveis são as condições
da França e da Itália, em conseqüência da estrutura partidária nesses
países, na qual um número bastante limitado de personalidades polí-
OS ECONOMISTAS
114
ticas consideradas adequadas para um cargo ministerial, ocasionalmente
com a introdução de homens novos, reveza-se nos postos-chave
em combinações sempre diferentes.
As condições inglesas são bem diferentes. Homens com temperamento
político e qualificações de liderança lá apareceram e se projetaram
em grande número dentro da carreira parlamentar (que não
podemos descrever aqui) e também dentro dos partidos, que são estritamente
organizados mediante o sistema de “panelinha”. Por um lado,
a carreira parlamentar oferece ótimas oportunidades a homens com
ambição política e desejo de poder e de responsabilidade; por outro
lado, os partidos são compelidos, pela característica “cesarista” da democracia
de massas, a submeter-se a homens com temperamento e
talento políticos, desde o momento em que estes provem que podem
conquistar a confiança das massas. A probabilidade de um líder em
potencial chegar ao cume é uma função, como ocorre freqüentemente,
das probabilidades de poder dos partidos. Nem o caráter cesarista e
a demagogia de massa dos partidos e nem sua burocratização e imagem
estereotipada são, em si mesmos, uma barreira rígida para a ascensão
de líderes. Principalmente os partidos bem organizados, que realmente
querem exercer poder estatal, devem subordinar-se àqueles que têm
a confiança das massas, se esses homens possuem habilidades de liderança;
em contraste, os partidários desagregados no parlamento francês,
todos o sabem, são o verdadeiro foco das intrigas parlamentares.
Por sua vez, entretanto, a sólida organização do partido, e, principalmente,
a necessidade que o líder tem de escolar-se e demonstrar seu
valor por meio de participação convencionalmente bem regulamentada
em trabalho de comissão parlamentar proporcionam um alto grau de
garantia de que esses depositários cesaristas de massas respeitem os
acordos constitucionalmente estabelecidos e de que não sejam selecionados
de acordo com um critério puramente emocional, isto é,
simplesmente segundo qualidades demagógicas no sentido negativo
da palavra. Particularmente nas condições atuais de seleção, um
parlamento enérgico e partidos parlamentares responsáveis, com a
função de serem órgãos de recrutamento e de comprovação de líderes
de massas como estadistas, são condições básicas para a manutenção
de uma política estável.
5. A Perspectiva da Liderança Eficaz na Alemanha de Pós-Guerra
O perigo político que a democracia de massas representa para o
Estado está primeiramente na possibilidade de elementos emocionais
virem a predominar na política. A “massa” como tal (independentemente
das camadas sociais que a compõem em qualquer caso particular)
só é capaz de pensar a curto prazo. Pois, como a experiência mostra,
ela está sempre exposta a influências diretas puramente emocionais
e irracionais. (A propósito, tem isso em comum com a moderna mo-
WEBER
115
narquia autônoma que produz os mesmos fenômenos.) Uma mente fria
e clara — e é disso, afinal de contas, que depende o sucesso na política,
especialmente na política democrática — predomina de forma tão mais
acentuada numa tomada de decisão responsável 1) quanto menor for
o número dos que tomam essa decisão, e 2) quanto mais claras forem
as responsabilidades para cada qual deles e para aqueles a quem lideram.
A superioridade do senado americano sobre a câmara dos deputados,
por exemplo, é em grande parte devida ao menor número de
senadores; as melhores realizações políticas do parlamento inglês são
produtos de uma responsabilidade inequívoca. Onde quer que tal clareza
de responsabilidade seja negligenciada, o sistema partidário fracassa
como qualquer outro. Do ponto de vista do interesse nacional,
a utilidade política dos grupos de interesses solidamente organizados
assenta-se na mesma base. Completamente irracional é a “massa” desorganizada,
a democracia das ruas. Existe em maior intensidade em
países onde o parlamento é impotente ou é politicamente desacreditado,
isto é, principalmente em países sem partidos organizados racionalmente.
Na Alemanha, independentemente da ausência da “filosofia de
botequim” e da presença de um temperamento mais calmo, organizações
como os sindicatos, mas também como o Partido Social-Democrático,
constituem uma força de equilíbrio muito importante contra o “domínio
da turba”, direto e irracional, típico de nações puramente plebiscitárias.
Desde a epidemia de cólera de Hamburgo (em 1892) até o presente,
tem sido necessário apelar para essas organizações, repetidamente,
em busca de auxílio, sempre que o mecanismo estatal se mostrou
inadequado. Que isso não seja esquecido quando os tempos de provação
tiverem terminado.
Na Alemanha, também, os difíceis primeiros anos do pós-guerra
serão um teste severo para a disciplina das massas. Não pode haver
dúvidas de que os sindicatos, em particular, enfrentarão dificuldades
sem precedentes. Pois a geração de jovens, que ganham agora salários
dez vezes mais elevados que em tempos de paz e gozam de uma passageira
vida à vontade que nunca se repetirá, está sendo desacostumada
de qualquer senso de solidariedade, de utilidade e de qualquer capacidade
de adaptação ao esforço econômico organizado. Um “sindicalismo
de imaturidade” surgirá logo que essa juventude se defrontar com a
normalidade dos tempos de paz. É certo que encontraremos abundante
“radicalismo” puramente emocional dessa espécie. Nos centros populosos
serão bem possíveis tentativas de putsch ("golpe de Estado") sindicalista.
Haverá um vigoroso e rápido desenvolvimento da opinião
política, em vista da grave situação econômica, do estado de espírito
político representado pelo grupo Liebknecht. Devemos indagar se as
massas persistirão no previsto negativismo estéril para com o Estado.
É uma questão de histeria. Isso dependerá primeiramente de o orgulhoso
aforismo “O apelo ao medo não encontra eco nos corações alemães”
OS ECONOMISTAS
116
verificar-se também nos tronos. Além disso, dependerá da possibilidade
de tais explosões provocarem novamente o conhecido temor das classes
abastadas, isto é, da possibilidade de a ação igualmente emocional de
fúria cega das massas ter como conseqüência a covardia igualmente
emocional e cega da burguesia, como o esperam os interessados da
burocracia sem controle.
Contra o putsch, a sabotagem, e semelhantes erupções politicamente
estéreis, que ocorrem em todos os países — ainda que com
menos freqüência aqui do que em outras partes —, todos os governos,
mesmo os mais democráticos e os mais socialistas, teriam que proclamar
a lei marcial para não se exporem às conseqüências atualmente reinantes
na Rússia. Nenhuma palavra mais é necessária a esse respeito.
Mais: as orgulhosas tradições de povos que são praticamente maduros
e imunes à covardia sempre se revelaram em tais situações, nas quais
esses povos souberam conservar o sangue-frio e a calma, esmagaram
a força com a força, e depois tentaram solucionar serenamente as tensões
que tinham levado à erupção, imediatamente restituíram as garantias
das liberdades civis e, de forma geral, não permitiram a interferência
de tais acontecimentos em sua tomada de decisões políticas.
Na Alemanha, contudo, pode-se ter toda a certeza de que os beneficiários
da velha ordem e da burocracia sem controle exploraram toda
erupção de golpismo sindicalista, não importa quão insignificante, a
fim de apavorar nossa burguesia filistéia, a qual, infelizmente, ainda
se assusta com muita facilidade. Entre as mais vergonhosas experiências
durante o período do Chanceler Michaelis, devemos notar a especulação
sobre a covardia da burguesia que constituiu a tentativa de
explorar, de forma sensacionalista e com finalidade puramente sectária,
o comportamento de algumas dezenas de fanáticos pacifistas, sem levar
em consideração o efeito em nossos inimigos — e também em nossos
aliados. Após a guerra, intrigas semelhantes serão repetidas em maior
escala. A nação alemã, então, mediante sua reação, irá demonstrar se
já atingiu a maturidade política. Deveríamos desesperar-nos de nosso
futuro político, se essas maquinações triunfassem; infelizmente, algumas
experiências fazem com que isso pareça possível.
Na Alemanha, a democratização dos partidos da esquerda e da
direita é um fato que não pode ser invalidado — os da direita tomam
a forma de uma demagogia inescrupulosa sem equivalentes nem mesmo
na França. Contudo, a democratização do sufrágio é uma exigência
compulsória do momento, que já não pode ser adiada, principalmente
no Estado hegemônico alemão (Prússia). Abstraindo de todas as outras
considerações, razões de Estado exigem: 1) que a igualdade de direito
ao voto é hoje o único meio de acabar com as contendas sufragistas,
e que sua perpetuação estéril, que conduziu a tão profundo rancor,
precisa ser eliminada da cena política antes que os soldados regressem
do campo de batalha para a tarefa de reconstrução do Estado; 2) que
WEBER
117
seja considerado politicamente inaceitável colocar os soldados, que regressam
da guerra, numa desvantagem eleitoral em relação àquelas
camadas que mantiveram ou ainda melhoraram sua posição social,
propriedade e clientela durante o período em que os soldados no front
davam suas vidas em favor daqueles que ficaram em casa. É claro
que a obstrução dessa necessidade política é possível, mas teria conseqüências
terríveis. Nunca mais estaria a nação tão solidária diante
de uma ameaça externa como o esteve em agosto de 1914. Estaríamos
condenados a permanecer num país pequeno e conservador, talvez com
uma razoável administração pública em assuntos puramente técnicos,
mas, de qualquer maneira, um povo provincial sem a oportunidade de
ser levado em conta na arena da política mundial — e também sem
nenhum direito moral nesse sentido.1
OS ECONOMISTAS
118
1 A seção VI do ensaio, intitulada “A Parlamentarização e o Papel dos Estados” (GPS, 394-431),
não foi incluída nesta tradução por causa de seu caráter mais técnico. (N. do T.)
CAPITALISMO E SOCIEDADE
RURAL NA ALEMANHA*
Tradução da versão inglesa por Waltensir Dutra
* Traduzido da sexta impressão (Galaxy Book, 1963) da edição publicada em 1946 pela Oxford
University Press, Inc.: From Max Weber: Essays in Sociology (translated, edited and with
an Introduction by H. H. Gerth and C. Wright Mills).

CAPITALISMO E SOCIEDADE
RURAL NA ALEMANHA1
De todas as comunidades, a constituição social dos distritos rurais
é a mais individual e a que mantém relação mais íntima com
determinados fatos históricos. Não seria razoável falarmos coletivamente
das condições rurais da Rússia, Irlanda, Sicília, Hungria e a
Faixa Negra.2 Mesmo que eu me limite aos distritos com culturas capitalistas
desenvolvidas, não será possível tratar o assunto de um ponto
de vista comum, pois não existe uma sociedade rural separada da comunidade
urbana social, no presente, em grande parte do mundo civilizado.
Já não existe na Inglaterra, exceto, talvez, na imaginação dos
sonhadores. O proprietário constante do solo, o dono da terra, não é
um agricultor, mas um arrendador; e o dono temporário de uma propriedade,
o arrendatário ou ocupante, é um empresário, um capitalista
como qualquer outro. Os trabalhadores são parcialmente temporários
e migrantes; o resto são trabalhadores exatamente da mesma classe
dos outros proletários; reúnem-se durante algum tempo e em seguida
se dispersam novamente. Se há um problema social rural específico,
ele é apenas o seguinte: se, e como, a comunidade rural ou sociedade,
que já existe, pode surgir novamente de modo a ser forte e duradoura.
Nos Estados Unidos, pelo menos nas enormes áreas produtoras
de cereais, o que poderia ser chamado de “sociedade rural” não existe
hoje. A velha cidade da Nova Inglaterra, a aldeia mexicana e a antiga
plantação escravista não mais determinam a fisionomia do interior.
As condições peculiares dos primeiros aldeamentos nas florestas primevas,
nos prados, desapareceram. O fazendeiro americano é um empresário
como qualquer outro. Sem dúvida, são numerosos os seus
121
1 Adaptado de uma tradução (para o inglês) de C. W. Seidenadel. “The Relations of the
Rural Community to other Branches of Social Science”, Congress of Arts and Science,
Universal Exposition, St. Louis (Boston e Nova York, Houghton-Mifflin, 1906), vol. VII,
pp. 725-46.
2 O sul dos Estados Unidos. (N. do T.)
problemas, principalmente os de caráter técnico ou relacionados com
o transporte, que tiveram seu papel na política e foram examinados,
de forma excelente, pelos estudiosos americanos. Mas não existem ainda
na América problemas sociais rurais específicos, e na verdade não existiu
tal problema desde a abolição da escravidão e a solução da questão
de aproveitar e dispor de uma área imensa que estava nas mãos da
União. Os presentes e difíceis problemas sociais do sul, também nos
distritos rurais, são essencialmente étnicos, e não econômicos. Não
podemos estabelecer uma teoria da comunidade rural como uma formação
social característica à base de questões relacionadas com a irrigação,
tarifas ferroviárias, leis sobre terras etc., por mais importantes
que tais assuntos sejam. A situação pode modificar-se no futuro. Mas,
se há alguma característica das condições rurais dos grandes Estados
produtores de trigo da América, ela é — falando em termos gerais —
o individualismo econômico absoluto do agricultor, a sua qualidade
como simples homem de negócios.
Talvez seja proveitoso explicar, rapidamente, sob que aspectos e
por que razões tudo isso é diferente no continente europeu. A diferença
é provocada pelos efeitos específicos do capitalismo nos velhos países
civilizados, com populações densas.
Se uma nação como a Alemanha mantém seus habitantes, cujo
número é apenas um pouco menor do que a população branca dos
Estados Unidos, num espaço territorial menor que o Estado do Texas;
se ela fundou e está disposta a manter sua posição política e a importância
de sua cultura para o mundo nessa base estreita, limitada —
então a forma pela qual a terra é distribuída torna-se de importância
decisiva para a diferenciação da sociedade e para todas as condições
econômicas e políticas do país. Devido à maior aglomeração dos habitantes
e menor valorização da força de trabalho bruta, a possibilidade
de adquirir rapidamente propriedades que não foram herdadas é limitada.
Assim, a diferenciação social torna-se necessariamente fixa —
e desse destino os Estados Unidos estão começando a se aproximar.
Tal destino aumenta o poder da tradição histórica, que é naturalmente
grande na produção agrícola.
A importância das revoluções técnicas na produção agrícola é
reduzida pela chamada “lei da produtividade decrescente da terra”,
pelos limites e condições naturais de produção, que são mais fortes, e
pela limitação mais constante da qualidade e quantidade dos meios
de produção. Apesar do progresso técnico, a produção rural pode ser
revolucionada pela divisão e combinação puramente racionais do trabalho,
pela aceleração da movimentação do capital e pela colocação de
matérias-primas inorgânicas e meios mecânicos de produção em lugar
das matérias-primas orgânicas e da força de trabalho. O poder da tradição
predomina, inevitavelmente, na agricultura; cria e mantém tipos
de população rural no continente europeu que já não existem num
OS ECONOMISTAS
122
país novo, como os Estados Unidos; a esses tipos pertence, em primeiro
lugar, o camponês europeu.
Ele é totalmente diferente do agricultor da Inglaterra ou da América.
O primeiro é hoje, por vezes, um empresário e produtor notável
para o mercado; quase sempre alugou a sua propriedade. O fazendeiro
americano é um agricultor que habitualmente adquiriu, pela compra
ou por ser o primeiro colonizador, a terra como sua propriedade pessoal;
mas por vezes a aluga. Na América, o agricultor produz para o mercado.
O mercado é mais antigo do que ele na América. O camponês europeu
do tipo antigo era um homem que, na maioria dos casos, herdou a
terra e produzia principalmente para atender às suas próprias necessidades.
Na Europa, o mercado é mais novo do que o produtor. É claro
que durante muitos anos o camponês vendeu seus produtos excedentes
e, embora tecesse e fiasse, não podia satisfazer suas necessidades com
o seu próprio trabalho. Os últimos dois mil anos não treinaram o camponês
para produzir visando ao lucro.
Até a época da Revolução Francesa, o camponês europeu era
considerado apenas o meio de manutenção de certas classes dominantes.
Seu primeiro dever era proporcionar, o mais barato possível, alimento
à cidade vizinha. Na medida do possível, a cidade proibia o
comércio rural e a exportação de cereais enquanto seus próprios cidadãos
não estivessem abastecidos. A situação perdurou até fins do século
XVIII. A manutenção artificial das cidades, a expensas do interior, foi
também um princípio seguido pelos príncipes, que desejavam ter dinheiro
em seus respectivos países e grandes receitas de tributos. Além
disso, pelos seus serviços e pelo pagamento dos impostos, o camponês
estava condenado a manter o dono da terra, que possuía a propriedade
superior da terra e com freqüência também o direito de explorar o
corpo do camponês. Essa situação existiu até as revoluções de 1789 e
1848. Os deveres dos camponeses incluíam o pagamento de tributos
sobre a propriedade ao senhor político. O cavaleiro estava isento disso.
O camponês também tinha de abastecer os exércitos com recrutas, dos
quais as cidades estavam isentas. Essas condições vigoraram até que
os privilégios tributários foram extintos e o serviço militar tornou-se
compulsório para todos, no século XIX. Finalmente, o camponês dependia
da comunidade produtiva em que a colonização semicomunista
o havia colocado, dois mil anos antes. Não podia fazer o que queria,
mas o que a primitiva rotação das colheitas determinava, condições
que continuaram a existir até que esses laços semicomunistas se dissolveram.
Mesmo depois da abolição de toda essa dependência legal,
o camponês não se pôde tornar um pequeno agricultor que produzia
racionalmente, como ocorreu, por exemplo, com o seu colega americano.
Numerosas relíquias das antigas condições comunistas de florestas,
água, pastos e até mesmo terra cultivável, que uniram os camponeses
e os prenderam às formas de administração que lhes foram trans-
WEBER
123
mitidas, sobreviveram à sua libertação. A aldeia, com os contrastes
característicos com a colonização individual dos fazendeiros americanos,
também sobreviveu. A essas relíquias do passado, que a América jamais
conheceu, certos fatores foram acrescentados hoje. Os Estados Unidos
experimentarão também, algum dia, os efeitos de tais fatores — os
efeitos do capitalismo moderno sob as condições dos velhos países civilizados,
completamente colonizados. Na Europa, o território limitado
provoca uma valorização social específica da propriedade da terra, e
a tendência a conservá-la, por legado, na família. A superabundância
da força de trabalho diminui o desejo de poupar a mão-de-obra com o
uso de máquinas. Em virtude da migração para as cidades e países
estrangeiros, a força de trabalho na Europa tornou-se limitada e cara.
Por outro lado, o alto preço da terra, provocado pelas compras contínuas
e pelas divisões hereditárias, diminui o capital do comprador. Não é
possível ganhar, hoje, uma fortuna na agricultura, na Europa. E o
período em que isso vem sendo possível nos Estados Unidos está agora
se aproximando do seu término. Não devemos esquecer que a fermentação
da cultura capitalista moderna está ligada ao consumo incessante
dos recursos naturais, para os quais não há substitutos. É difícil determinar
por quanto tempo durará o atual suprimento de carvão e
minério. A utilização de novas terras agrárias terá atingido, sem demora,
um fim na América; na Europa, já não existe. O agricultor não
pode esperar ganhar mais do que um equivalente modesto de seu trabalho
como administrador. Ele está, na Europa e também em grande
parte neste país, excluído da participação nas grandes oportunidades
abertas ao talento comercial especulativo.
O ímpeto da moderna competição capitalista choca-se com uma
corrente conservadora adversa na agricultura, sendo exatamente o capitalismo
ascendente que aumenta essa contracorrente nos velhos países
civilizados. O uso da terra como investimento de capital, e a taxa
decrescente de juro, juntamente com a valorização social tradicional
das terras rurais, elevam o seu preço a tal altura que ele é pago sempre
au fonds perdu, ou seja, como entrée, como um pagamento pelo ingresso
nessa camada social. Assim, aumentando o capital necessário às operações
agrícolas, o capitalismo provoca um aumento no número de
arrendadores de terra que são ociosos. Dessa forma, produzem-se efeitos
contrastantes peculiares ao capitalismo, que dão ao interior da Europa
a aparência de uma “sociedade rural” à parte. Nas condições dos velhos
países civilizados, as diferenças provocadas pelo capitalismo adquirem
o caráter de uma luta cultural. Duas tendências sociais fundamentadas
em bases totalmente heterogêneas lutam uma com a outra.
A velha ordem econômica indagava: como posso proporcionar,
nesse pedaço de terra, trabalho e manutenção para o maior número
possível de homens? O capitalismo pergunta: desse pedaço de terra,
como posso produzir o maior número possível de colheitas, com o menor
OS ECONOMISTAS
124
número de trabalhadores? Do ponto de vista técnico-econômico, os velhos
aldeamentos rurais da região são, portanto, considerados superpovoados.
O capitalismo arranca o produto de sua terra, das minas,
fundições e indústrias de máquinas. Os milhares de anos do passado
lutam contra a invasão do espírito capitalista.
Essa luta assume, pelo menos em parte, a forma de um período
de transformação pacífico. Em certos pontos de produção agrícola, o
pequeno camponês, se souber como libertar-se das cadeias de tradição,
pode adaptar-se às novas condições de administração. O aumento constante
do arrendamento, nas vizinhanças das cidades, a elevação dos
preços da carne, laticínios, verduras, bem como o cuidado intensivo do
gado novo, possível ao pequeno agricultor que trabalha por conta própria,
e as despesas maiores com a contratação de homens — esses
fatores habitualmente constituem oportunidades muito favoráveis para
o pequeno agricultor que trabalha sem auxiliares contratados próximo
dos centros industriais abastados. Isso ocorreu sempre que o processo
de produção se desenvolveu na direção de uma crescente intensidade
do trabalho, e não do capital.
O antigo camponês é, assim, transformado num trabalhador que
é dono de seus próprios meios de produção, como podemos ver na
França e no sudoeste da Alemanha. Mantém sua independência devido
à intensidade e alta qualidade de seu trabalho, que é aumentado pelo
seu interesse privado nele e sua adaptabilidade às exigências do mercado
local. Esses fatores lhe dão uma superioridade econômica, que
continua, mesmo quando a agricultura em grande escala poderia predominar
tecnicamente.
O grande êxito da formação de cooperativas entre os pequenos
agricultores da Europa continental deve ser atribuído a essas vantagens
peculiares que, em certos ramos de produção, o pequeno agricultor
responsável possui em relação ao trabalhador contratado do grande
fazendeiro. Essas cooperativas revelaram-se como o meio mais influente
para educar o camponês na agricultura. Através delas, criaram-se novas
comunidades agrícolas, que unem os camponeses e dirigem seu raciocínio
e seu sentimento econômico numa direção contrária à forma individualista
que a luta econômica pela existência toma na indústria,
sob a pressão da concorrência. E isso só é possível devido à grande
importância das condições naturais de produção na agricultura — o
fato de estar presa ao lugar, ao tempo e aos meios orgânicos de trabalho
— e à visibilidade social de todas as operações agrícolas que enfraquecem
a eficiência da concorrência entre os agricultores.
Quando não existem as condições de superioridade econômica
específica da pequena agricultura, por ser a importância qualitativa
do trabalho feito pelo próprio dono substituída pela importância do
capital, o velho camponês luta pela sua existência como um assalariado
do capital. É a alta valorização social do dono da terra que faz dele
WEBER
125
um súdito do capital e o prende psicologicamente à gleba. Devido à
diferenciação econômica e social mais forte de um país antigo e civilizado,
a perda da propriedade significa degradação para o camponês.
A sua luta pela existência torna-se, com freqüência, uma seleção econômica
em favor do mais frugal, o que significa a escolha dos elementos
mais carentes em cultura. A pressão da concorrência agrícola não é
sentida pelos que usam seus produtos, no consumo pessoal, e não como
objetos de comércio; vendem apenas alguns de seus produtos e portanto
só podem comprar uns poucos produtos feitos por terceiros. Por vezes
ocorre um retrocesso parcial para uma agricultura de subsistência.
Somente com o “sistema de dois filhos” francês pode o camponês manter-
se durante gerações como pequeno proprietário de terra herdada.
Os obstáculos que enfrenta o camponês que deseja tornar-se um agricultor
moderno levam à separação entre a propriedade e a administração.
O dono da terra pode manter seu capital em operação, ou retirá-
lo. Em algumas áreas, o governo procura criar um equilíbrio entre
a propriedade e o arrendamento. Mas, devido à valorização da terra,
o camponês não pode permanecer como camponês nem tornar-se um
dono de terras capitalista.
Não é possível falar de uma “luta” verdadeira entre o capitalismo
e o poder da influência histórica, neste caso de conflito crescente entre
o capital e a propriedade da terra. Trata-se, em parte, de um processo
de seleção e em parte de um processo de corrupção. Predominam condições
muito diferentes não só onde uma multidão não-organizada de
camponeses se vê impotente nas cadeias das entidades financeiras das
cidades, mas também quando há uma camada aristocrática acima dos
camponeses, que não luta apenas pela sua existência econômica, mas
também pela posição social que, durante séculos, lhe foi concedida.
Isso acontece especialmente onde essa aristocracia não está presa ao
país por interesses exclusivamente financeiros, como o dono de terras
inglês, ou apenas pelos interesses recreativos e esportivos, mas quando
os seus representantes estão envolvidos, como agricultores, no conflito
econômico e têm ligação íntima com o país. Os efeitos dissolventes do
capitalismo são, com isso, aumentados. Como a propriedade da terra
dá posição social, os preços das grandes propriedades superam o valor
de sua produtividade. Byron perguntava do senhor de terras: “Por que
Deus na sua ira o criou?”. A resposta é: “Rendas! Rendas! Rendas!”.
E na verdade as rendas são a base econômica de todas as aristocracias
que necessitam de uma renda não-proveniente do trabalho para a sua
existência. Mas precisamente porque o Junker prussiano despreza a
posse urbana do dinheiro, o capitalismo o transforma num devedor.
Uma tensão cada vez maior entre a cidade e o campo resulta dessa
situação. O conflito entre o capitalismo e a tradição tem agora conotações
políticas, pois se o poder econômico e político passa definitivamente
para as mãos do capitalista urbano surge a questão de se os
OS ECONOMISTAS
126
pequenos centros rurais de informação política, com sua cultura social
peculiar, entrarão em decadência, e as cidades, como as únicas depositárias
da cultura política, social e estética, ocuparão todo o campo
de batalha. Essa questão é idêntica à questão de se as pessoas que
foram capazes de viver para a política e o Estado, como por exemplo
a velha aristocracia agrária econômica independente, serão substituídas
pelo domínio exclusivo dos políticos profissionais que devem viver da
política e do Estado.
Nos Estados Unidos esse problema foi resolvido, pelo menos no
presente, por uma das mais sangrentas guerras dos tempos modernos,
que terminou com a destruição dos centros aristocráticos, sociais e
políticos dos distritos rurais. Mesmo na América, com as suas tradições
democráticas vindas desde o puritanismo como um legado perene, a
vitória sobre a aristocracia dos plantadores foi difícil e conquistada
com os maiores sacrifícios sociais e políticos. Mas, em países de civilizações
antigas, a questão se complica muito mais, pois ali a luta
entre o poder das noções históricas e a pressão dos interesses capitalistas
convoca certas forças sociais à batalha, como adversárias do capitalismo
burguês. Nos Estados Unidos, essas forças eram parcialmente
desconhecidas, ou se colocavam em parte ao lado do norte. Devemos
fazer aqui algumas observações.
Nos países de civilização antiga e possibilidades limitadas de
expansão econômica, o interesse financeiro e seus representantes têm
um papel social consideravelmente menor do que num país novo. A
importância da camada dos funcionários estatais é, e deve ser, muito
maior na Europa do que nos Estados Unidos. A organização social
muito mais complicada torna indispensável na Europa um grande número
de funcionários especializados, de cargo vitalício. Nos Estados
Unidos, haverá um número muito menor deles, mesmo depois que os
movimentos de reforma do serviço público tenham alcançado seus objetivos.
O jurista e o funcionário administrativo na Alemanha, apesar
de sua educação mais rápida e mais intensiva, no preparo para a universidade,
tem cerca de trinta e cinco anos quando seu período de
preparo e sua atividade não-remunerada é concluída e ele consegue
um cargo lucrativo. Portanto, só pode sair dos círculos abastados; é
preparado para um serviço não-remunerado, ou mal remunerado, e só
pode encontrar recompensa pelo seu trabalho na alta posição social
de sua vocação. Adquire, com isso, um caráter que está longe dos
interesses financeiros e que o coloca ao lado dos adversários do
domínio desses interesses. Se em velhos países civilizados, como a
Alemanha, surgir a necessidade de um exército forte para manter
a independência, isto significará, para as instituições políticas, o
apoio a uma dinastia hereditária.
O adepto resoluto das instituições democráticas — como eu —
não pode desejar afastar a dinastia, quando ela foi preservada. Nos
WEBER
127
Estados militares, se ela não é a única forma historicamente endossada
pela qual o domínio cesarista dos arrivistas militares pode ser evitado,
ela ainda é a melhor forma. A França está continuamente ameaçada
por esse domínio; as dinastias têm interesse pessoal na preservação
dos direitos e de um governo legal. A monarquia hereditária — podemos
julgá-la teoricamente, se desejarmos — assegura ao Estado, que é forçado
a ser um Estado militar, a maior liberdade para os cidadãos —
tão grande quanto seja possível numa monarquia — e, enquanto a
dinastia não se degenera, terá o apoio da maioria política do país. O
parlamento inglês sabia muito bem por que oferecia a Cromwell a
coroa, e o exército deste sabia igualmente bem por que o impediu de
aceitá-la. Essa dinastia hereditária, privilegiada, tem uma afinidade
com os detentores dos outros privilégios sociais.
A Igreja pertence às forças conservadoras nos países europeus;
primeiro, a Igreja Católica Romana, que, na Europa, devido mesmo
ao seu grande número de adeptos, é um poder de importância e caráter
muito diferentes do que possui nos países anglo-saxões; mas também
a Igreja Luterana. Ambas apóiam o camponês, com seu modo de vida
conservador, contra o domínio da cultura urbana racionalista. O movimento
cooperativo rural tem, em acentuadas proporções, a direção
de clérigos, que são os únicos capazes de liderança nos distritos rurais.
Os pontos de vista eclesiástico, político e econômico estão, no caso,
combinados entre si. Na Bélgica, as cooperativas rurais são um meio
que o partido clerical tem na luta contra os socialistas, apoiados pelas
uniões dos consumidores e pelos sindicatos. Na Itália, quase ninguém
tem crédito em certas cooperativas se não apresentar uma certidão de
religião. Da mesma forma, uma aristocracia agrária encontra grande
apoio da Igreja embora a Igreja Católica seja, nos aspectos sociais,
mais democrática hoje do que antigamente. A Igreja vê com satisfação
as relações de trabalho patriarcais porque, ao contrário das relações
puramente comerciais criadas pelo capitalismo, elas têm um caráter
pessoal humano. A Igreja acredita que as relações entre um senhor e
um servo, e não as simples condições comerciais criadas pelo mercado
de trabalho, podem ser desenvolvidas e dotadas de um elemento ético.
Os contrastes profundos e condicionados historicamente, que sempre
separaram o catolicismo e o luteranismo do calvinismo, fortalecem essa
atitude anticapitalista das igrejas européias.
Finalmente, num velho país civilizado, a “aristocracia da educação”,
como gosta de ser chamada, constitui uma camada definida da
população, sem interesses pessoais na economia. Vê, por isso, a procissão
triunfal do capitalismo com mais ceticismo e a crítica com mais
violência do que acontece, natural e justamente, em países como os
Estados Unidos.
Quando a educação intelectual e estética se torna uma profissão,
seus representantes ligam-se, através de uma afinidade íntima, com
OS ECONOMISTAS
128
todos os portadores da velha cultura social, porque para eles, como
para seus protótipos, sua profissão não pode e não deve ser uma fonte
de lucro imerecido. Vêem com desconfiança a abolição das condições
tradicionais da comunidade e a aniquilação de todos os numerosos
valores éticos e estéticos que se apegam a essas tradições. Duvidam
que o domínio do capital possa dar garantias melhores e mais duradouras
do que a aristocracia do passado à liberdade pessoal e ao desenvolvimento
da cultura intelectual, estética e social que eles representam.
Só desejam ser governados pelas pessoas cuja cultura social
consideram equivalente à sua; preferem, portanto, o domínio da aristocracia
economicamente independente ao governo do político profissional.
Assim, ocorre hoje nos países civilizados — fato sério, sob mais
de um aspecto, e peculiar — que os representantes dos mais altos
interesses da cultura voltam para trás o seu olhar e com profunda
antipatia se opõem à evolução inevitável do capitalismo, recusam-se
a cooperar na criação da estrutura do futuro. Além disso, as massas
disciplinadas de trabalhadores, criadas pelo capitalismo, inclinam-se
naturalmente a unir-se num partido de classe, se já não houver novos
distritos para colonização e se o trabalhador tiver consciência de ser
forçado a continuar inevitavelmente proletário, enquanto viver, o que
ocorrerá mais cedo ou mais tarde também neste país, ou já aconteceu.
O progresso do capitalismo não é retardado por isso; as possibilidades
que o trabalhador tem de conseguir poder político são insignificantes.
Não obstante, elas enfraquecem o poder do burguês e fortalecem o
poder dos adversários aristocráticos dos burgueses. A queda do liberalismo
burguês alemão baseia-se na eficiência desses motivos conjuntos.
Assim, nos países antigos, onde existe uma comunidade rural
aristocraticamente diferenciada, surge um complexo de problemas sociais
e políticos. O americano tem dificuldade em compreender a importância
das questões agrárias no continente europeu, especialmente
na Alemanha, e mesmo na política alemã. Chegará a conclusões totalmente
erradas se não tiver presentes esses grandes complexos. Uma
combinação peculiar de motivos se faz sentir nesses países antigos e
explica o desvio entre as condições européias e americanas. Além da
necessidade de forte preparo militar, há essencialmente dois fatores:
primeiro, algo que não existiu jamais na maior parte da América e
que pode ser designado como “atraso”, ou seja, a influência de uma
forma mais antiga de sociedade rural, que está desaparecendo gradualmente.
O segundo grupo de circunstâncias que ainda não se tornaram
efetivas na América, mas às quais esse país — tão entusiasmado
com cada milhão de aumento em sua população e com a ascensão do
valor da terra — estará inevitavelmente exposto, exatamente como
ocorreu com a Europa, é a densidade da população, o alto valor da
terra, a mais acentuada diferenciação de ocupações e as condições peculiares
que disso resultam. Em todas essas condições, a comunidade
WEBER
129
rural dos velhos países civilizados enfrenta o capitalismo, juntamente
com a influência de grandes forças políticas e sociais só conhecidas
nos países antigos. Ainda hoje, sob essas circunstâncias, o capitalismo
produz na Europa efeitos que só serão provocados na América no futuro.
Em conseqüência de todas essas influências, o capitalismo europeu,
pelo menos no continente, teve um caráter autoritário peculiar,
que contrasta com a igualdade de direitos do cidadão e que é, habitualmente,
considerada de forma diferente pelos americanos. Essas
tendências autoritárias e os sentimentos anticapitalistas de todos os
elementos da sociedade continental, que mencionei, encontram apoio
social no conflito entre a aristocracia agrária e a burguesia urbana.
Sob a influência do capitalismo, a primeira sofre uma série de transformações
internas, que lhe modificam totalmente o caráter herdado
do passado. Gostaria de mostrar como isso ocorreu no passado e como
continua a ocorrer no presente, usando o exemplo da Alemanha.
Há contrastes acentuados na estrutura social rural da Alemanha
que nenhum viajante deixa de observar: no oeste e no sul, o aldeamento
rural torna-se mais denso, predominam os pequenos agricultores, e a
cultura torna-se mais dispersa e variada. Quanto mais para o leste
avançamos, especialmente para o nordeste, tanto mais extensos são
os campos de cereais, beterrabas e batatas, tanto mais predomina o
cultivo intensivo e tanto mais uma grande classe rural de trabalhadores
rurais sem propriedades se opõe à aristocracia agrária. Essa diferença
é de grande importância.
A classe dos proprietários de terra na Alemanha, constituída principalmente
de nobres que residem na região leste do Elba, é a controladora
política do principal Estado alemão. A Câmara dos Lordes prussiana
representa esta classe, e o direito de eleição por classes também
lhe dá uma posição decisiva na Câmara dos Deputados prussiana. Esses
Junkers transmitem seu caráter ao corpo de oficiais, bem como aos
funcionários prussianos e à diplomacia alemã, que está quase exclusivamente
nas mãos dos nobres. O estudante alemão adota o estilo de
vida dessas classes, nas associações estudantis das universidades. O
“oficial da reserva” civil — uma parte cada vez maior dos alemães
mais bem-educados pertence a essa categoria — também sofre a sua
influência. Suas simpatias e antipatias políticas explicam muitas das
pressuposições mais importantes da política externa alemã. Seu obstrucionismo
impede o progresso da classe trabalhadora; as indústrias,
sozinhas, jamais serão bastante fortes para se opor aos trabalhadores,
sob os direitos democráticos de eleger representantes para o Reichstag
alemão. Os Junkers são os esteios de um protecionismo que a indústria,
isolada, não poderia realizar. Apóiam a ortodoxia na Igreja oficial. O
estrangeiro vê apenas o lado exterior da Alemanha e não tem tempo
nem oportunidade de penetrar na essência da cultura alemã. Os remanescentes
das condições autoritárias que lhes causam surpresa e
OS ECONOMISTAS
130
provocam opiniões errôneas, no estrangeiro, sobre a Alemanha, resultam
direta ou indiretamente da influência dessas classes superiores.
Muitos dos mais importantes contrastes de nossa política interna baseiam-
se nessa diferença entre as estruturas sociais rurais do leste e
do oeste. Como essa diferença nem sempre existiu, surge a pergunta:
como pode ser ela explicada historicamente?
Há cinco séculos, os senhores de terras dominavam a estrutura
social dos distritos rurais. Por mais variadas que tivessem sido as
condições de dependência do camponês, provocadas por essa situação,
e por mais complicada que fosse a estrutura da sociedade rural,
num aspecto predominou a harmonia nos séculos XIII e XIV: as
possessões, habitualmente enormes, do senhor feudal não estiveram
associadas, nem mesmo no leste, a um amplo cultivo da terra. Embora
o senhor de terras cultivasse parte de sua propriedade, essa
parte era apenas um pouco maior do que os campos cultivados dos
camponeses. A maior parte da renda do senhor dependia dos tributos
sobre os camponeses. Uma das questões mais importantes da história
social alemã é como o acentuado contraste de hoje surgiu, partindo
dessa relativa uniformidade.
A propriedade exclusiva da terra foi revogada em princípios do
século XIX, em parte devido à Revolução Francesa ou às idéias por
ela disseminadas, e em parte devido à Revolução de 1848. A divisão
dos direitos de propriedade da terra entre nobres e camponeses foi
abolida, os tributos e taxas sobre os camponeses foram revogados. As
brilhantes investigações do professor G. F. Knapp e sua escola mostraram
como foi decisiva, para o tipo de constituição agrária que se
originou então e ainda existe, a pergunta: como foi dividida a propriedade,
entre os antigos senhores e os camponeses, depois de desaparecida
a comunidade senhorial? No oeste e sul, em sua maior parte a terra
passou às mãos dos camponeses (ou continuou em suas mãos). Mas,
no leste, uma parte muito grande caiu nas mãos dos antigos senhores
dos camponeses, os senhores feudais, que estabeleceram o cultivo intensivo
com trabalhadores livres. Mas isto foi apenas a conseqüência
do fato de que a uniformidade da sociedade agrária havia desaparecido
antes da emancipação dos camponeses. A diferença entre o oeste e o
leste foi confirmada, mas não criou tal processo. Em seus pontos principais,
a diferença existiu desde o século XVI, tendo crescido constantemente
a partir de então. A propriedade senhorial da terra sofrera
modificações internas antes da dissolução da propriedade senhorial.
Em toda parte, no leste e oeste, o esforço dos senhores de terras
para aumentar suas rendas foi o fator motivante. Esse desejo surgira
da invasão do capitalismo, da crescente riqueza dos moradores da cidade
e da crescente oportunidade de vender produtos agrícolas. Algumas
das transformações realizadas no oeste e no sul datam do século
XIII e, no leste, do século XV. Os senhores de terras buscaram alcançar
WEBER
131
seus objetivos de modo característico. No sul e oeste, continuaram como
senhores de terra (Grundherren), isto é, aumentaram as taxas de arrendamento,
juro e os tributos dos camponeses, mas não se dedicaram
ao cultivo. No leste tornaram-se senhores (Gutsherren) que cultivavam
suas terras; apropriaram-se de partes da terra dos camponeses (os
enclaves) e, buscando assim maiores propriedades para si mesmos,
tornaram-se agricultores, usando os camponeses como servos para trabalhar
no seu próprio solo. O cultivo intensivo existiu no leste — mas
em pequenas proporções e com o trabalho dos servos — antes mesmo
da emancipação dos camponeses; mas não no oeste. Ora, o que provocou
essa diferença?
Quando essa questão foi discutida, deu-se muita importância à
conduta do poder político; na verdade, esse poder foi muito aumentado
na formação da sociedade agrária. Como o cavaleiro estava isento dos
tributos o camponês era o único, no interior, que os pagava. Quando
se criaram os exércitos permanentes, os camponeses forneceram os
recrutas. Isso, juntamente com alguns pontos de vista do comercialismo,
induziu o Estado territorial a proibir os enclaves, por edito, ou seja,
a apropriação da terra dos camponeses pelos senhores, e, daí, a proteger
as propriedades camponesas existentes. Quanto mais forte era o governante
do país, tanto maior o seu êxito; quanto mais poderoso era
o nobre, tanto menor o êxito do governante. Assim sendo, as diferenças
da estrutura agrária no leste baseavam-se, em grande parte, nessas
condições do poder. Mas no oeste e sul vemos que, apesar da maior
fraqueza de muitos Estados e da indubitável possibilidade de apropriar-
se da terra dos camponeses, o senhor nem mesmo tentou fazê-lo.
Não revelou nenhuma tendência de privar o camponês de seus bens,
de cultivar a terra em grandes proporções e tornar-se agricultor também
ele. Também não constituiu razão decisiva a evolução dos direitos do
camponês ao solo. No leste, grande número de camponeses que, originalmente,
tinham bons títulos de propriedade da terra, desapareceu;
no oeste, os que dispunham de títulos menos favoráveis foram preservados,
porque os senhores de terras não desejavam afastá-los.
A questão decisiva é, portanto: como foi que o dono de terras do
sul e oeste da Alemanha, embora tivesse ampla oportunidade de apropriar-
se das terras dos camponeses, não o fez, enquanto os do leste
tomaram as terras dos camponeses, apesar da resistência do poder
estatal? Essa pergunta pode ser formulada de modo diverso. Quando
o senhor agrário do oeste renunciou à tomada das terras dos camponeses,
não renunciou à sua utilização como fonte de renda. A diferença
entre o leste e o oeste, quanto a isso, é simplesmente a de que o senhor
do oeste usou os camponeses como contribuintes, enquanto o do leste,
tornando-se agricultor, começou a usá-los como força de trabalho. Portanto,
devemos indagar: por que aconteceu uma coisa no leste e outra
no oeste?
OS ECONOMISTAS
132
Tal como ocorreu com a maioria dos fatos históricos é pouco provável
que possamos atribuir a uma única razão a causa exclusiva dessa
conduta diferente dos senhores de terras, pois nesse caso a teríamos
encontrado em fontes documentadas. Entretanto, uma longa série de
fatores causais foi acrescentada como explicação, principalmente pelo
professor Von Below, numa investigação clássica, em seu trabalho Territorium
und Stadt. A tarefa só pode ser a de ampliação dos pontos
de vista, especialmente pelas considerações econômicas. Vejamos em
que pontos as condições do senhor de terras do leste e do oeste diferiram
quando tentaram arrancar de seus camponeses mais do que os tributos
tradicionais.
O início de operações amplas foi facilitado, para os senhores do
leste, pelo fato de que sua condição de senhoria agrária, bem como a
patrimonialização das autoridades públicas, cresceram no solo da velha
liberdade do povo. O leste, por outro lado, era um território de colonização.
A estrutura social patriarcal eslavônica fora invadida pelo
clero alemão, em conseqüência da sua educação superior, pelos comerciantes
e artesãos alemães em conseqüência de sua habilidade técnica
e comercial superior, pelos cavaleiros alemães em conseqüência de seu
melhor conhecimento da agricultura. Além disso, à época da conquista
do leste, a estrutura social da Alemanha, com suas forças políticas,
havia sido completamente feudalizada. A estrutura social do leste foi,
desde o início, adaptada à preeminência social do cavaleiro, e a invasão
alemã pouco modificou essa situação. O camponês, mesmo nas mais
favoráveis condições de atividade, perdera o apoio que lhe fora dado
no período feudal pelas tradições firmes, a velha proteção mútua, a
jurisdição da comunidade no Weistümer1 no oeste. O campesinato eslavônico,
habitualmente mais numeroso, não conhecia tais tradições.
Além disso, no oeste os campos que constituíam as propriedades dos
senhores eram, habitualmente, intercalados, pois haviam surgido em
terra originalmente livre. Esses campos cruzavam os direitos patrimoniais
dos pequenos senhores territoriais em toda parte, e assim, pela
sua variedade e conflitos mútuos, asseguravam ao camponês a sua
trabalhosa existência. Muito freqüentemente, o camponês estava política,
pessoal e economicamente sujeito a diferentes senhores. No leste,
a combinação da senhoria e direitos patrimoniais em toda uma aldeia
estava nas mãos de um senhor; a formação de uma “propriedade senhorial”,
no sentido inglês, era facilitada regularmente porque, com
muito mais freqüência do que no oeste, e desde o início, somente uma
corte se fundava na aldeia, ou já havia sido criada pela estrutura
social eslavônica. E finalmente há um fator importante, que o professor
Von Below ressalta: as propriedades dos camponeses no leste, embora
WEBER
133
1 Sentenças judiciais que serviam como precedentes no velho Direito alemão.
a princípio de pequenas proporções na totalidade do território de uma
aldeia, não obstante eram muito maiores do que era costume no oeste.
Portanto, a ampliação da área cultivada de sua propriedade foi, para
o senhor, muito mais fácil do que no oeste e também constituiu uma
idéia muito menos remota. Assim, desde o início existiu, no método
de distribuição da terra, o primeiro elemento de diferenciação entre
leste e oeste. Mas a causa dessa diferença nas proporções da propriedade
original do senhor agrário relacionava-se com diferenças entre
as condições econômicas do leste e as do oeste. Até mesmo na Idade
Média, condições de vida consideravelmente diferentes foram criadas
para as classes sociais dominantes.
O oeste era mais densamente povoado e, o que é decisivo em
nossa opinião, a comunicação local, a troca de bens dentro e entre as
menores comunidades locais foi indubitavelmente mais desenvolvida
do que no leste. Isso se evidenciou pelo fato de que o oeste contava
com número muito maior de cidades. Baseava-se, em parte, no simples
fato histórico de que a cultura do oeste era, sob todos os aspectos,
mais velha e, em parte, numa diferença geográfica, menos evidente,
mas importante: a maior variedade da divisão agrícola do oeste em
comparação com o leste. De um ponto de vista puramente técnico, a
comunicação nas planícies amplas do leste alemão deve ter encontrado
menores dificuldades do que no território muito mais acidentado do
oeste. Não obstante, essas possibilidades técnicas de comunicação não
determinam o volume do comércio. Pelo contrário, no oeste e no sul,
os motivos econômicos do comércio e do desenvolvimento de uma comunicação
relativamente intensiva foram muito mais fortes do que
nas planícies do leste. Isso ocorreu devido ao fato de que no oeste e
no sul as terras baixas, os vales de rios, os planaltos, se intercalam
— as condições climáticas e outras condições naturais de produção de
mercadorias são perceptivelmente diferentes dentro de distritos pequenos.
No leste, porém, as cidades vizinhas freqüentemente nada têm a
trocar entre si (mesmo hoje), porque, estando na mesma situação geográfica,
produzem as mesmas coisas. As condições históricas e naturais
de um comércio local intensivo eram (e ainda são), por essas razões,
mais favoráveis no oeste.
Cabe ao professor Von Below o mérito de ter assinalado o fato
de que na Idade Média a instituição da cavalaria não se baseava exclusivamente,
nem mesmo predominantemente, na posse de terras.
Tributos, taxas sobre rios, rendas e impostos, que dependem de um
certo volume de tráfico local, tiveram seu papel. Isso era, indubitavelmente,
muito menos possível no leste naquela época (bem como hoje).
Quem quisesse levar ali vida de cavaleiro tinha de basear sua existência
numa renda obtida com suas próprias atividades agrícolas. As grandes
organizações para a produção de mercadorias e para o comércio exterior,
como as da “Ordem Alemã”, são apenas uma fase diferente desse mesmo
OS ECONOMISTAS
134
fato. A homogeneidade da produção oriental dirigia o transporte para
as regiões mais distantes, e a economia monetária local continuava
sendo consideravelmente inferior à do oeste, segundo todos os indícios.
Se as únicas estimativas possíveis, ainda bastante incertas, foram pelo
menos aproximadamente corretas, as condições de vida do camponês
no leste e oeste devem ter sido muito diferentes. É muito pouco provável
que o senhor tivesse mergulhado nas operações agrícolas, com o risco,
trabalho e o contato pouco cavalheiresco com o mundo mercantil, que
elas provocam, se pudesse ter vivido tão bem no leste quanto no oeste,
com os tributos, arrendamentos, taxas etc., recolhidos aos camponeses.
Mas podemos perguntar por que não era a mesma coisa possível no
leste e no oeste. Para que isso ocorresse, os camponeses teriam de ser
economicamente capazes de pagar tributos de volume considerável,
suficientes para as necessidades do senhor de terras, e não há indícios
de que eles tivessem condições para tanto. Isso pressupõe que o interesse
pessoal do camponês na produtividade de sua terra havia chegado
a um certo grau, que ele próprio havia alcançado certa margem de
educação econômica. Mas nada podia, nem pode, substituir a influência
educativa que a formação intensiva das comunidades urbanas exerce
sobre o camponês, com as comunicações locais bem desenvolvidas, com
a oportunidade e estímulo de vender produtos rurais nos mercados o
mais próximos possível. Essa grande diferença ainda pode ser vista
pela comparação do camponês da planície da Badênia com o camponês
do leste.
Não são as diferenças naturais nas qualidades físicas e químicas
do solo, ou diferenças no talento econômico das raças, mas o milieu
econômico, estabelecido historicamente, que é o fator determinante na
diferença nos resultados da agricultura camponesa.
Um certo número de cidades, numa determinada área, era necessário
para inspirar a massa de camponeses com, pelo menos, o grau
de interesse na produção necessário para que o senhor pudesse tirar
deles os meios para a sua subsistência, ou usá-los como “fundos de
interesse”. Quando estavam ausentes essas influências da cultura, que
não podem ser substituídas nem mesmo pelo melhor trabalho e a melhor
vontade, o camponês freqüentemente carecia da possibilidade, e sempre
do incentivo, de elevar a produção de sua terra além da medida tradicional
de suas próprias necessidades.
As cidades no leste eram muito menos numerosas, considerando-
se o tamanho das respectivas áreas, do que no oeste e sul. E o
desenvolvimento da agricultura extensiva no leste data caracteristicamente
de uma época na qual não a ascensão mas o declínio das cidades,
e um declínio bastante perceptível, é observado. Devido ao seu excedente
de trigo, o leste teve então a sua evolução dirigida como um
território de exportação agrícola, com todas as qualidades desses territórios.
Essa direção chegou ao auge em nosso século, depois da abolição
WEBER
135
das leis de cereais inglesas. Por outro lado, mesmo no término da
Idade Média, várias partes do oeste alemão necessitaram de grandes
importações de alimentos, principalmente carne. O contraste entre o
leste e o oeste talvez se torne mais evidente na diferença de preços
de quase todos os seus produtos agrícolas em favor do segundo. Essa
diferença só desapareceu recentemente devido aos prêmios ocultos na
exportação de cereal, que há uma década vêm sendo concedidos. Até
mesmo as estradas de ferro reduziram um pouco essa diferença, que
apesar disso continuou, em meados do século passado, a ser muito
grande. A condição incerta da história numismática alemã, entre muitas
outras dificuldades técnicas, nos impede de obter uma quantidade suficiente
de dados fidedignos para a Idade Média, mas parece quase
impossível que tenha sido diferente, em geral, durante aquele período,
apesar das grandes flutuações em casos particulares.
Se, portanto, o dono de terras desejasse fazer um uso mais intensivo
dos camponeses no leste, teria encontrado dificuldades muito
maiores, devido à falta tradicional de desenvolvimento do camponês,
à fraqueza dos mercados locais para os produtos rurais e à comunicação
menos intensa. Eu gostaria de atribuir a essa circunstância uma importância
muito maior — é claro que apenas na forma de uma hipótese
ainda a ser comprovada pelas fontes — do que antes. Pelo que sei, o
dono de terra no leste preferia explorar sua propriedade agrícola não
porque a operação em geral fosse tecnicamente mais racional — pois
isso também ocorria no oeste —, mas porque era, nas condições estabelecidas
historicamente, o único meio econômico possível de obter uma
renda maior. Tornou-se um dono de terra, e o camponês, cada vez
mais preso ao solo, tornou-se um servo com o dever de dar seus filhos
para o senhor, como servidores domésticos, ou fornecer seus cavalos e
carroças para a agricultura, ou até mesmo sua força de trabalho para
todas as formas de atividade, durante todo o ano, enquanto sua própria
terra era considerada, cada vez mais, uma simples recompensa pelo
seu trabalho. Apesar da oposição do Estado, o senhor expandia constantemente
a terra que cultivava. Quando, mais tarde, ocorreu a emancipação
dos camponeses, ela não conseguiu, como o 4 de Agosto na
França, eliminar os senhores da estrutura agrária do leste alemão.
Um Estado sem dinheiro, com uma indústria ainda não desenvolvida,
não podia renunciar facilmente aos seus serviços gratuitos na administração
e no exército. Acima de tudo, o decreto revogando os direitos
feudais, pelos quais o senhor e os camponeses se viram numa comunidade
de produção, não solucionou o ponto mais importante: o destino
da terra, que foi considerada posse do senhor, e não do camponês.
Declará-la simplesmente propriedade camponesa — como se fez mais
tarde na Polônia russa, por motivos políticos, a fim de arruinar a nobreza
polonesa — teria aniquilado cerca de vinte mil grandes propriedades
na Prússia, as únicas que o país então possuía. Não teria eli-
OS ECONOMISTAS
136
minado uma simples classe de arrendadores, como ocorreu na França.
Portanto, apenas uma parte das propriedades dos camponeses, as maiores,
e somente uma parte de suas terras foram poupadas do fechamento
pelos senhores: o restante foi por eles apropriado.
O leste continuou sendo, e daí em diante cada vez mais, o centro
do capitalismo agrário, ao passo que o capitalismo industrial se localizou
principalmente no oeste. Tal processo sustou-se na fronteira russa,
que isolava o interior. Uma grande indústria, que poderia ter surgido
no leste, desenvolveu-se então bem próxima da fronteira russo-polonesa
da Alemanha.
O senhor de terras prussiano do leste, que surgiu sob essas condições,
foi um produto social muito diverso do senhor inglês. Este é,
geralmente, um arrendador da terra, não um agricultor. Seus tributários
não são camponeses, como na Idade Média, mas empresas capitalistas
para cultivo da terra. É um monopolizador da terra. A propriedade
em seu poder é mantida na família graças a recursos jurídicos
artificiosos, que surgiram, como modernos monopólios capitalistas,
numa luta constante com a legislação; ele é mantido distante da comunicação,
obrigação e divisão pela herança. O dono da terra está fora
da comunidade produtora rural. Ocasionalmente, ele ajuda o seu arrendatário
com empréstimos de capital, mas sua existência como arrendador
é intangível. Como produto social, ele é filho legítimo do
capitalismo, crescido sob a pressão dos efeitos contrastantes, mencionados
acima, que o capitalismo produz nos países bem povoados, com
uma estrutura social aristocrática. O aristocrata agrário deseja viver
como um cavalheiro, no lazer. Normalmente, ele busca rendas, e não
lucros. O tamanho tecnicamente suficiente da propriedade e o tamanho
da propriedade necessário à sua manutenção não se harmonizam de
forma alguma. Em algumas áreas da Alemanha, a operação mais intensiva,
por exemplo, exige a diminuição da propriedade; ao passo que
o luxo crescente da classe aristocrática exige sua ampliação especialmente
quando os preços dos produtos caem. Toda compra, toda compensação
de co-herdeiros, onera a propriedade com enormes dívidas,
enquanto sua operação se torna mais sensível às flutuações de preços,
na medida em que é maior e mais intensiva. Somente numa estrutura
social agrária, como a inglesa, tal evolução foi abolida. Isso, com a
crescente densidade de população e os crescentes valores da terra, é
o que põe em risco em toda parte, hoje em dia, a existência de uma
grande agricultura racional, e não o monopólio da terra pelo Estado,
exigido por muitos reformadores. Na verdade, o extremo oposto foi o
que ocorreu: monopólio privado da terra. Mas este produz, em certos
aspectos econômicos, efeitos semelhantes aos do monopólio estatal; retira
a terra do mercado e separa a administração da propriedade que
podem, agora, seguir cada qual seu caminho. Os interesses do fazendeiro
capitalista, lutando pelos lucros empresariais, e os interesses do
WEBER
137
dono da terra em rendas e na preservação de uma posição social, que
recebeu como herança, correm lado a lado, sem estarem ligados entre
si, como ocorre com os proprietários-operadores agrícolas. A significação
prática disso é que a flexibilidade da agricultura em face da crise
agrícola aumenta de forma vigorosa. O choque recai sobre dois ombros
fortes: o monopolizador da terra e o dono de terra capitalista. A crise
resulta na diminuição da renda, provavelmente numa mudança de arrendatário,
numa diminuição gradual do solo cultivado, mas não na
súbita destruição de muitas propriedades ou em qualquer degradação
social súbita de muitas famílias proprietárias de terras.
As condições do Junker prussiano do leste são muito diferentes.
Ele é um empregador rural, um homem totalmente do tipo capitalista,
valorizado segundo as proporções de sua propriedade e renda. Dificilmente
possuirá mais do que uma e meia a duas “seções” dos Estados
Unidos, mas por tradição mantém uma vida faustosa e pretensões
aristocráticas. É habitualmente o dono livre do solo que cultiva, que
é vendido e hipotecado, avaliado para legados e adquirido, pela compensação,
aos co-herdeiros; daí estar sempre onerado pelos interesses
correntes. Assim sendo, somente o proprietário está exposto às flutuações
dos preços de mercado. O Junker está envolvido em todos os conflitos
sociais e econômicos, que ameaçam diretamente a sua existência,
em todas as épocas. Enquanto a exportação de cereais para a Inglaterra
floresceu, ele foi o mais forte defensor do livre-comércio, o mais ferrenho
adversário da jovem indústria alemã do oeste, que necessitava de proteção;
mas, quando a concorrência das terras mais novas e mais baratas
o expulsou do mercado e finalmente o atacou em sua própria pátria,
ele se tornou o mais importante aliado daqueles industriais que, ao
contrário de outros ramos importantes da indústria alemã, exigiam
proteção; uniu-se a eles numa luta comum contra as exigências da
força de trabalho, pois nesse meio-tempo o capitalismo também se colocara
contra o caráter social do Junker e seus trabalhadores. Na primeira
metade do último século, o Junker era um patriarca rural. Seus
trabalhadores agrícolas, o agricultor de cuja terra ele se havia apropriado,
não eram de forma alguma proletários. Em conseqüência da
falta de fundos do Junker, eles não recebiam salários, mas uma cabana,
terra e o direito de pastagem para suas vacas; na época da colheita,
uma certa parte do cereal lhes era paga em trigo etc. Eram assim, em
pequena escala, agricultores com um interesse direto nas atividades
do senhor. Mas foram expropriados pela valorização crescente da terra;
seu senhor retinha pastos e terra, guardava o cereal e, em vez dele,
dava-lhes salários. Assim, a velha comunidade de interesses dissolveuse
e os agricultores se transformaram em proletários. A agricultura
tornou-se uma operação sazonal, limitada a alguns meses. O senhor
contratava trabalhadores migrantes, já que a manutenção de mãos
ociosas durante todo o ano seria um ônus demasiado pesado.
OS ECONOMISTAS
138
Quanto mais a indústria alemã crescia no oeste, até atingir seu
volume presente, tanto mais a população sofria uma enorme modificação;
a emigração alcançou seu auge no leste alemão, onde apenas
senhores e servos existiam em distritos demasiado amplos e dos quais
os trabalhadores agrícolas fugiam, buscando livrar-se do isolamento e
da dependência patriarcal, seja atravessando o oceano para os Estados
Unidos, seja para o ar fumarento e poeirento, mas socialmente mais
livre, das fábricas alemãs. Por outro lado, os donos de terras importam
os trabalhadores que podem para realizar o trabalho: eslavos de alémfronteira,
que, como mão-de-obra barata, acabam afastando os alemães.
Hoje, o dono de terras age como qualquer homem de negócios e tem
de agir como tal, mas suas tradições aristocráticas contrastam com tal
ação. Ele gostaria de ser um senhor feudal, e não obstante tem de se
tornar um empresário comercial e um capitalista. Outras forças, além
do Junker, procuram roubar o papel do senhor de terras.
Os capitalistas industriais e comerciais começam a absorver, cada
vez mais, a terra. Fabricantes e comerciantes, que enriqueceram, compram
as propriedades dos cavaleiros, associam a sua posse à família
pelo usufruto e usam a propriedade como meio de invadir a classe
aristocrática. O fideicomisso do parvenu é um dos produtos característicos
do capitalismo num país antigo, com tradições aristocráticas e
uma monarquia militar. No leste alemão ocorre agora o mesmo que
vem ocorrendo na Inglaterra há séculos, até que se consolidaram ali
as condições hoje existentes.
A América também experimentará esse processo no futuro, embora
somente depois que toda a terra livre se tiver esgotado e a pulsação
econômica do país tiver diminuído. Será exato dizer que, por algum
tempo, o peso da tradição histórica não esmaga os Estados Unidos e
que os problemas originados do poder da tradição não existem aqui;
não obstante, os efeitos do poder do capitalismo são mais fortes e,
mais cedo ou mais tarde, estimularão o desenvolvimento dos monopólios
da terra. Quando o preço da terra se elevar o suficiente para garantir
uma certa renda; quando a acumulação das grandes fortunas alcançar
um ponto ainda mais alto que o de hoje, quando, ao mesmo tempo, a
possibilidade de ganhar lucros proporcionais pelos novos e constantes
investimentos no comércio e indústria tiver baixado a ponto de os “capitães
de indústria”, como ocorreu em toda parte no mundo, começarem
a lutar pela preservação hereditária de seus bens, ao invés de novos
investimentos que trazem tanto lucro como risco — então, na realidade,
o desejo das famílias capitalistas de formar uma “nobreza” surgirá,
provavelmente não na forma embora de fato. Os representantes do
capitalismo não se contentarão mais com um jogo tão inofensivo quanto
os estudos de árvores genealógicas e os numerosos aspectos de exclusividade
social, tão surpreendentes para o estrangeiro. Somente quando
o capital chegar a essa posição e começar a monopolizar a terra em
WEBER
139
grandes proporções surgirá nos Estados Unidos uma grande questão
social rural, que não poderá ser solucionada com a espada, como a
questão dos escravos. Os monopólios e trustes industriais são instituições
de duração limitada; as condições de produção sofrem modificações,
e o mercado não conhece avaliações duradouras. Seu poder também
não dispõe do caráter autoritário e da marca política das aristocracias.
Mas os monopólios da terra criam sempre uma aristocracia política.
No que se relaciona com a Alemanha, no leste já se observa, em
conseqüência de certas tendências, uma aproximação das condições
inglesas; o sudoeste, porém, evidencia semelhanças com a França, em
sua estrutura social rural. Mas em geral a criação intensiva de gado,
que se observa na Inglaterra, é impossível no leste alemão, devido ao
clima. Portanto, o capital absorve apenas a terra mais favorável para
a agricultura. Mas enquanto os distritos inferiores na Inglaterra permanecem
sem cultivo, como pastos para ovelhas, no leste da Alemanha
são colonizados pelos pequenos agricultores. Esse processo tem uma
característica peculiar, enquanto duas nações, germanos e eslavos, lutam
entre si, economicamente. Os camponeses poloneses, que têm menos
necessidades do que os alemães, parecem estar vencendo.
Sob a pressão dos ciclos econômicos o pequeno fazendeiro eslavo,
que é frugal, ganha terra do alemão. O avanço do cultivo na direção
do leste, durante a Idade Média, baseado na superioridade do cultivo
mais antigo e superior, foi modificado sob o princípio capitalista da
“mão-de-obra” mais barata. Se os Estados Unidos também enfrentarão
problemas semelhantes no futuro, ninguém pode dizer. A diminuição
das operações agrícolas nos Estados produtores de trigo resulta, no
momento, da crescente intensidade da operação e da divisão do trabalho.
Também o número de fazendas de negros está aumentando, tal
como a migração do interior para as cidades. Se, com isso, a capacidade
de expansão da colonização anglo-saxão-germânica dos distritos rurais,
bem como o número de filhos da velha população norte-americana nata,
estiveram desaparecendo, e se, ao mesmo tempo, a enorme imigração
de elementos do leste europeu crescer, poderá surgir ali, sem demora,
uma população rural que não será assimilada pela cultura do país,
transmitida historicamente. Essa população poderá modificar, de modo
decisivo, o padrão dos Estados Unidos e formar, gradualmente, uma
comunidade de tipo bastante diferente da grande criação do espírito
anglo-saxão.
Para a Alemanha, todas as questões fatídicas de política econômica
e social, e de interesses nacionais, estão intimamente ligadas a
esse contraste entre a sociedade rural do leste e a sociedade do oeste
com seu maior desenvolvimento. Não me parece correto considerar aqui,
num país estrangeiro, os problemas práticos que essa situação provoca.
O destino, que nos deu uma história de milhares de anos, que nos
colocou num país com uma população densa e uma cultura intensiva,
OS ECONOMISTAS
140
que nos forçou a manter o esplendor de nossa velha cultura num campo
armado, por assim dizer, dentro de um mundo também armado, colocou-
nos diante desses problemas. E temos de resolvê-los.
Os Estados Unidos ainda não os conhecem. Este país provavelmente
jamais terá de enfrentar alguns deles. Não têm aristocracia
antiga, daí não existirem as tensões causadas pelo contraste entre a
tradição autoritária e o caráter puramente comercial das condições
econômicas modernas. Considera com acerto a compra deste imenso
território, em cujo centro estamos aqui,1 como o selo histórico real
impresso sobre as suas instituições democráticas; sem essa aquisição,
com vizinhos poderosos e belicistas, ele seria forçado a usar a cota de
armas como nós, que constantemente mantemos na gaveta de nossas
mesas os nossos aparatos bélicos, para o caso de guerra. Por outro
lado, a maior parte dos problemas para cuja solução estamos trabalhando
agora só surgirá nos Estados Unidos dentro de algumas gerações.
A forma pela qual serão solucionados determinará o caráter da
cultura deste continente. Jamais terá sido tão fácil, talvez, para uma
nação tornar-se uma grande potência civilizada, quanto o é para o
povo americano. Não obstante, de acordo com o cálculo humano, também
é a última vez, por toda a duração da história da humanidade, que tais
condições de desenvolvimento livre e grande serão proporcionadas; as áreas
de solo livre estão desaparecendo em toda parte do mundo.
Um dos meus colegas citou as palavras de Carlyle: “Milhares de
anos passaram antes que pudesses ingressar na vida, e milhares de
anos terão de esperar em silêncio o que queiras fazer desta tua vida”.
Não sei se, como acreditava Carlyle, o homem possa ou queira colocar-
se, em seus atos, dentro da gama desse sentimento. Mas uma nação
deve fazê-lo, para que sua existência na História tenha valor duradouro.
WEBER
141
1 St. Louis.

O CARÁTER NACIONAL
E OS “JUNKERS” *
Tradução da versão inglesa por Waltensir Dutra
* Traduzido da sexta impressão (Galaxy Book, 1963) da edição publicada em 1946 pela Oxford
University Press, Inc.: From Max Weber: Essays in Sociology (translated, edited and with
an Introduction by H. H. Gerth and C. Wright Mills).

O CARÁTER NACIONAL
E OS “JUNKERS”1
Como veículo da tradição, treinamento e equilíbrio político de
um Estado, não há dúvida de que uma camada de senhores de terras
é insubstituível. Falamos dela tal como existiu na Inglaterra e que,
de forma semelhante, constituiu a essência da nobreza senatorial da
Roma antiga.
Quantos aristocratas há na Alemanha e especialmente na Prússia?
Onde está a sua tradição política? Politicamente, os aristocratas
alemães, particularmente na Prússia, quase nada representam. E parece
evidente que hoje uma estrutura estatal que pretenda alimentar
uma camada de grandes arrendadores, de caráter autenticamente aristocrático,
é impossível.
Mesmo que ainda fosse possível deixar que surgissem algumas
grandes propriedades aristocráticas nas áreas revestidas de bosques
— a única terra que se qualificava, social e politicamente, para a formação
de morgadias —; ainda assim seria impossível obter quaisquer
resultados significativos. Foi essa, precisamente, a desonestidade enorme
do projeto de lei sobre as morgadias, examinado na Prússia no
início de 1917. O projeto visava a estender uma instituição jurídica,
adequada às propriedades aristocráticas, até os proprietários de classe
média, na propriedade média do leste do Elba. Procurava fazer uma
“aristocracia” de um tipo que simplesmente não é uma aristocracia e
jamais poderá ser transformado em tal.
Os Junkers do leste são freqüentemente criticados (e por vezes
injustamente); e são com a mesma freqüência (e também injustamente)
transformados em ídolos. Qualquer pessoa que os conheça pessoalmente
apreciará, sem dúvida, a sua companhia na caça, junto a um bom
145
1 "Wahlrecht und Demokratie in Deutschland", Gesammelte Politische Schriften (Munique,
Dreimaskenverlag, 1921). Compreende um trecho de um folheto que “Die Halfe” — o
departamento editorial de livros da pequena revista que Naumann dirigia — publicou em
dezembro de 1917.
copo, ou no jogo de cartas; e, em suas casas hospitaleiras, tudo é autêntico.
Mas tudo se torna espúrio quando estilizamos essa camada
essencialmente “burguesa” de empresários para fazer dela uma “aristocracia”.
Economicamente, os Junkers dependem totalmente de sua
atividade como empresários agrícolas; estão empenhados na luta dos
interesses econômicos. Sua luta social e econômica é tão impiedosa
quanto a de qualquer industrial. Dez minutos passados entre eles mostram
que são plebeus. Suas virtudes mesmas são as de natureza plebéia.
O ministro Von Miquel declarou certa vez (em particular!) que “hoje
em dia uma propriedade feudal do leste alemão não pode manter uma
família aristocrática”, e tinha toda a razão. Se tentarmos modelar tal
camada numa aristocracia, cheia de gestos e pretensões feudais, camada
essa que hoje depende do trabalho administrativo rotineiro de natureza
capitalista, o único resultado inevitável será a aparência de um arrivista.
Os traços de nossa conduta política e geral no mundo, que encerram
essa marca, são determinados (embora não exclusivamente)
pelo fato de termos alimentado pretensões aristocráticas em camadas
que simplesmente não dispõem de qualificações.
Os Junkers são apenas um exemplo desse ponto. Entre nós, a
ausência de homens de educação cosmopolita é, decerto, devida não
apenas à fisionomia dos Junkers, mas também ao resultado do caráter
“pequeno-burguês”,1 generalizado, de todas as camadas que foram representantes
específicos da estrutura política prussiana durante a época
de sua ascendência empobrecida, mas gloriosa. As velhas famílias
de oficiais cultivam, ao seu modo altamente honorífico, e em condições
econômicas extremamente modestas, a tradição do velho exército prussiano.
As famílias dos servidores públicos seguem o mesmo exemplo.
Não importa se essas famílias são, ou não, de nascimento nobre; econômica,
socialmente e segundo seu horizonte, elas constituem um grupo
de classe média burguesa. Em geral, as formas sociais do corpo de
oficiais alemão são absolutamente adequadas à natureza, e em suas
características decisivas assemelham-se claramente às características
do corpo de oficiais das democracias (da França e também da Itália).
Esses traços, porém, tornam-se imediatamente uma caricatura quando
os círculos não-militares os consideram também modelo de sua conduta.
Isso se aplica, acima de tudo, quando se fundem com as formas sociais
derivadas do “penalismo” das escolas de burocracia. Mas é isso o que
ocorre entre nós.
Sabe-se bem que as associações estudantis constituem a educação
social típica de aspirantes a postos não militares, sinecuras e às profissões
liberais de alta posição social. A “liberdade acadêmica” de duelar,
beber e faltar a aulas vem de um tempo em que as outras liberdades
OS ECONOMISTAS
146
1 Bürgerlichen.
não existiam na Alemanha e quando somente a camada de letrados e
candidatos a cargos públicos tinha o privilégio de desfrutá-las. A influência,
porém, que essas convenções tiveram sobre a aparência geral
da classe dos homens que dispõem de um diploma acadêmico na Alemanha
não pode ser eliminada, nem mesmo hoje. Esse tipo de homem
foi sempre importante entre nós, e torna-se cada vez mais importante.
Mesmo que ele hipotecasse as associações estudantis e que a necessidade
de que os alunos pagassem os juros não contribuísse para a imortalidade
econômica dessas associações, tal tipo dificilmente desapareceria.
Pelo contrário, o sistema de fraternidades estudantis expande-se
cada vez mais, pois as ligações sociais que hoje se criam nessas associações
são uma forma específica de selecionar funcionários. E a patente
de oficial, que tem como requisito preliminar a filiação a uma associação
duelista, garantida de forma visível pelas fitas com as suas cores, dá
acesso à “sociedade”.
Na verdade, a pressão em favor da bebida e as técnicas de duelo
das associações estudantis ajustam-se cada vez mais às necessidades
das constituições mais fracas dos aspirantes àquelas fitas, que, devido
às ligações, se tornam cada vez mais numerosos. Ao que se diz, há
até mesmo abstêmios em alguns desses grupos duelistas. A fusão intelectual
dessas associações, que tem aumentado continuamente nas
décadas recentes, é um fator decisivo. Têm salas de leitura próprias
e publicações especiais, que os alunos enchem exclusivamente de política
“patriótica” bem-intencionada de um caráter indizivelmente pequeno-
burguês. O intercâmbio social com os companheiros de aula de
formação social ou intelectual diferente é evitado ou pelo menos dificultado.
Com tudo isso, as ligações das sociedades estudantis se expandem
constantemente. Um vendedor que pretenda conseguir uma
patente de oficial, como condição para casar-se na “sociedade” (particularmente,
com a filha do patrão), matricular-se-á numa das faculdades
de economia que são freqüentadas principalmente pela sua vida
associativa.
A medida do moralista não é a medida do político. Qualquer que
seja o julgamento que se possa fazer dessas associações per se, elas
certamente não proporcionam educação para uma personalidade cosmopolita.
Pelo contrário, seu sistema cansativo e seu penalismo são,
afinal, inegavelmente banais; e suas formas sociais subalternas constituem
o oposto mesmo dessa educação. O mais estúpido clube anglosaxão
oferece uma educação cosmopolita melhor, por mais vazios que
possamos julgar os esportes que constituem o objetivo do clube. Com
a sua seleção de membros freqüentemente muito rigorosa, ele sempre
se baseia no princípio da rigorosa igualdade dos cavalheiros e não no
princípio do “penalismo”, que a burocracia tanto valoriza como prepa-
WEBER
147
ração da disciplina no cargo. Cultivando esse penalismo, as fraternidades
não deixam de se recomendar aos “do alto”.1 De qualquer modo,
as convenções formalistas e o penalismo dessa chamada “liberdade
acadêmica” são impostos ao aspirante ao cargo na Alemanha. Quanto
mais os candidatos se mostram como arrivistas, jactando-se de sua
carteira recheada — pelos pais —, como é inevitável quando as condições
o permitem, tanto menos efetivas são essas convenções no preparo
dos homens aristocráticos do mundo. A menos que o jovem que
é levado a esse condicionamento seja de um caráter excepcionalmente
independente, um espírito livre, os traços fatais do plebeu de verniz
se desenvolverão nele. Vemos esses plebeus, com muita freqüência,
entre homens que, sob outros aspectos, são excelentes, pois os interesses
cultivados por essas associações são totalmente plebeus e estão longe
de todos os interesses “aristocráticos”, qualquer que seja o sentido dado
à expressão. O ponto saliente é, simplesmente, que uma vida estudantil
de essência plebéia pode ter sido, anteriormente, inofensiva. Era simplesmente
a exuberância ingênua, juvenil. Mas hoje em dia pretende
ser um meio de educação aristocrática, que dá às pessoas habilitações
para a liderança no Estado. A contradição simplesmente incrível que
OS ECONOMISTAS
148
1 No Korpszeitung alemão, nº 428, citado aqui de um artigo do professor A. Messer, no
Weserzeitung de 2 de junho de 1917, encontramos as seguintes observações de crítica às
“modernas” propostas de reforma: “As propostas não levam absolutamente em conta a
modificação material dos calouros e membros ativos das associações estudantis. Mencionando
apenas um item: a obrigação de beber deve ser abolida! Não deve haver obrigação
de esvaziar o copo! Não deve haver bebedeira! Experimentei, com freqüência, entre várias
associações, esse tipo de Kneipen (festas das associações estudantis destinadas às libações
alcoólicas) sem essas reformas, por vezes durante semestres. E mais tarde passei noites
nas mesmas associações quando todos estavam bêbados. Eram simplesmente homens diferentes,
que acreditavam na bebida. Com freqüência, consideravam-na mesmo necessária.
E é necessário dar uma oportunidade para que bebam muito. Se calcularmos tais oportunidades,
qualquer calouro que seja um bom bebedor poderá embebedar os seus colegas
mais velhos na associação, e a autoridade terá desaparecido. Ou se abolirmos a obrigação
de honrar cada brinde, estaremos com isso abolindo a base da Kneipgemuetlichkeit (festas
nas tavernas). Se proibirmos o embebedamento de um membro, estaremos deitando fora
um meio de educação! Peço que essas palavras não sejam citadas fora de seu contexto.
Afinal de contas, nossa vida associativa estudantil deve constituir uma cadeia de medidas
educacionais: e todo membro de uma associação duelista confirmará que, em sua vida
depois da escola, jamais lhe disseram a verdade com tanta sinceridade, de forma tão incrivelmente
franca quanto na associação duelista. E como aceitava isso? Por mais ridículo
que pareça, a aceitação era produto do Kneipe. Para nós, o Kneipe é o que o treinamento
do quartel e o passo de ganso, tão freqüentemente criticados, são para o soldado. Tal como
a ordem ”dobrar os joelhos" repetida centenas de vezes no campo de treinamento faz que
o homem supere a preguiça, indiferença, teimosia, raiva, e cansaço, e tal como essa ordem
faz a disciplina surgir do sentimento de ser totalmente impotente e completamente destituído
de iniciativa diante de um superior — da mesma forma que a ordem ’beba tudo!’ sempre
dá ao estudante mais velho a oportunidade de mostrar ao mais novo a sua superioridade
absoluta. Pode punir, pode manter distância e a atmosfera que é absolutamente necessária
à empresa educacional das associações duelistas — pois, do contrário, elas se transformarão
em clubes! Naturalmente, a ordem ’beba tudo’ nem sempre é aconselhável a todas as
pessoas, mas deve constituir uma ameaça iminente ao Kneipe tal como o ’dobrar os joelhos!’
é no campo de treino. Não obstante, em ambas as situações, os homens podem divertir-se
muito". [M. W.]
isso encerra é como um bumerangue no qual a marca fisionômica do
arrivista é o resultado.
Devemos ter cautela para não acreditar que esses traços arrivistas
da fisionomia alemã sejam politicamente irrelevantes. Vamos considerar
imediatamente um exemplo. Lançar-se às “conquistas morais” entre
inimigos, ou seja, entre grupos de interesses opostos, é empresa vã,
que Bismarck ridicularizou com razão. Mas será isso válido para os
aliados presentes ou futuros? Nós e nossos aliados austríacos dependemos
uns dos outros, politicamente, com muita freqüência. E ambos
sabemos disso. A menos que sejam cometidas grandes loucuras, não
há ameaças de um rompimento. A realização alemã é aceita por eles
sem reservas ou ciúmes — e mais aceita quanto menos nos gabarmos
dela. Nem sempre temos uma avaliação adequada das dificuldades
que os austríacos têm e que foram poupadas à Alemanha. Daí nem
sempre apreciarmos a realização austríaca. Mas podemos dizer aqui,
abertamente, aquilo que todos sabem. O que não poderia ser tolerado
pelos austríacos, ou por qualquer outra nação da qual desejássemos
ser amigos, são as maneiras do parvenu, como voltamos a evidenciar
recentemente e de forma intolerável. Tal aparência será recebida com
uma rejeição silenciosa e polida, mas decidida, por qualquer nação de
boa e antiga formação social, como por exemplo os austríacos. Ninguém
quer ser governado por parvenus mal-educados. Um passo além do
que é absolutamente indispensável nas questões externas, ou seja, qualquer
coisa que pudesse ser da parte da “Europa central” (no sentido
interior da palavra), ou que pudesse ser desejável para a futura solidariedade
de interesses com outras nações (não importa o que possamos
sentir quanto à idéia de uma aproximação econômica) pode falhar politicamente
devido à determinação absoluta de não permitir que lhe
seja imposto aquilo que recentemente, com um gesto jactancioso, foi
proclamado como o “espírito prussiano”. A “democracia”, ao que se
propala, põe em risco o espírito prussiano, segundo as manifestações
verbais dos fazedores de frase políticos. Como se sabe, as mesmas
declamações foram ouvidas, com exceção, em toda fase de reforma interna,
durante os últimos cento e dez anos.
O espírito prussiano autêntico pertence às florações mais belas
da cultura alemã. Tudo o que temos de Scharnhorst, Gneisenau,
Boyen, Moltke, foi inspirado por esse espírito, tal como os feitos e
as palavras dos grandes realizadores da reforma prussiana (muitos
dos quais, porém, são de origem não-prussiana). Não precisamos
mencioná-los aqui. O mesmo se aplica à eminente intelectualidade
de Bismarck, hoje tão mal caricaturada pelos estúpidos e hipócritas
representantes da Realpolitik. Mas, ocasionalmente, parece que esse
velho espírito prussiano é hoje mais forte entre o funcionalismo de
outros Estados federais, que não Berlim. O abuso da expressão “es-
WEBER
149
pírito prussiano” pelos atuais demagogos conservadores é apenas um
abuso em relação a esses grandes homens.
Repetimos: nenhuma aristocracia de peso e tradição políticos suficientes
existe na Alemanha. Essa aristocracia pode, na melhor das
hipóteses, ter tido um lugar no Partido Freikonservative e no Partido
do Centro — embora isso não ocorra no momento —, mas não o teve
no Partido Conservador.
É igualmente importante o fato de não ter havido uma forma
social de nobreza alemã. A despeito das jactâncias ocasionais de nossos
letrados, é completamente falso que exista na Alemanha o individualismo
no sentido de liberdade das convenções, em contraste com as
convenções do cavalheiro anglo-saxão ou do homem de salão latino.
Em nenhum outro lugar há convenções mais rígidas e mais pressionantes
do que as do “homem de associação” alemão. Elas controlam,
direta e indiretamente, uma parte tão grande da descendência de nossas
camadas principais quanto as convenções de qualquer outro país. Sempre
que as formas do corpo de oficiais não prevalecem, essas convenções
associativas constituem a “forma alemã”; os efeitos das associações
duelistas determinam, em grande parte, as formas e convenções das
camadas dominantes da Alemanha: da burocracia e de todos os que
desejam ser aceitos “em sociedade”, onde a burocracia dá o tom. E
essas formas não são, certamente, requintadas.
De um ponto de vista político, é ainda mais importante que, em
contraste com as convenções dos países latinos e anglo-saxões, essas
formas alemãs simplesmente não sejam adequadas como modelos para
toda a nação, até a camada mais baixa. Não são adequadas para modelar
e unificar a nação em seu gesto como uma Herrenvolk, segura
de si mesma, nas formas pelas quais as convenções latinas e anglo-saxãs
se firmaram.
É um grave erro acreditar que a “raça” é o fator decisivo na
surpreendente falta de graça e dignidade no comportamento ostensivo
do alemão. O comportamento do germano-austríaco é formado por uma
aristocracia autêntica. Não lhe faltam essas qualidades, apesar da raça
idêntica, quaisquer que possam ser as suas fraquezas.
As formas que controlam o tipo latino de personalidade, até as
camadas mais baixas, são determinadas pela imitação do cavalheiro,
tal como evoluiu desde o século XVI.
As convenções anglo-saxãs também moldam as personalidades,
até as camadas mais baixas. Nascem dos hábitos sociais da camada
nobre, que deu o tom na Inglaterra, desde o século XVII. A nobreza
surgiu em fins da Idade Média, numa fusão peculiar de notáveis rurais
e urbanos, ou seja, os “cavalheiros”, que se tornaram os portadores do
“governo autônomo”.
Em todos esses casos, foi importante que as características decisivas
das convenções e gestos relevantes pudessem ser imitados de
OS ECONOMISTAS
150
forma fácil e universal e com isso pudessem ser democratizados. Mas
as convenções dos candidatos a cargos na Alemanha, academicamente
examinados, das camadas que eles influenciam e, acima de tudo, os
hábitos para os quais as associações duelistas condicionam seus homens
— foram e são evidentemente inadequados à imitação pelos círculos
fora das camadas examinadas e certificadas. Em particular, não podem
ser imitados pelas amplas massas do povo; não podem ser democratizados,
embora, ou antes precisamente por isso, em essência essas convenções
não sejam de forma alguma cosmopolitas ou aristocráticas sob
outros aspectos. São de natureza totalmente plebéia.
O código de honra neolatino, bem como o código bastante diferente
dos anglo-saxões, foi adequado à democratização de longo alcance. A
concepção especificamente alemã das qualificações exigidas para membro
de uma associação duelista, porém, não se presta à democratização,
como se pode ver facilmente. Esse conceito é de grande influência política,
mas o ponto política e socialmente importante não é — como se
afirma freqüentemente — que um chamado “código de honra”, no sentido
limitado, exista no quadro de oficiais. Ele está, ali, absolutamente
em seu lugar. O fato de que uma Landrat1 prussiana deva qualificar-se
para o duelo, no sentido do corpo de duelistas penalistas, a fim de se
manter em seu posto — é o que tem relevância política. Isto também
ocorre com qualquer outro funcionário administrativo que seja facilmente
afastável. Contrasta, por exemplo, com o Amtsrichter,2 que, em
virtude da lei, é “independente”, e que, devido a essa independência,
é socialmente déclassé, em comparação com o Landrat. Como ocorre
com todas as outras convenções e formas mantidas pela estrutura da
burocracia e modeladas decisivamente pela idéia da honra do estudante
alemão, de um ponto de vista formal o conceito da qualificação duelista
constitui uma convenção de casta devido à sua natureza peculiar. Nenhuma
dessas formas pode ser democratizada. Em substância, porém,
não são de caráter aristocrático, mas absolutamente plebeu, porque
faltam a todas elas a dignidade estética e o cultivo requintado. É essa
contradição interior que convida ao ridículo e tem efeitos políticos tão
desfavoráveis.
A Alemanha é uma nação de plebeus. Ou, se isto parecer mais
agradável, é uma nação de pessoas comuns. Somente tendo isto por
base pode crescer especificamente uma “forma alemã”.
Socialmente, a democratização provocada ou promovida pela nova
ordem política — e isso é o que deve ser discutido aqui — não destrói
o valor das formas aristocráticas, já que elas não existem. Nem poderia
privar tais valores de sua exclusividade e, em seguida, propagá-los por
toda a nação, como se fez com as formas das aristocracias latina e
WEBER
151
1 Autoridade do condado.
2 Juiz de um tribunal inferior.
anglo-saxã. Os valores formais do caçador-de-posição que se qualifica
para os duelos não são suficientemente cosmopolitas para manter uma
aparência pessoal, mesmo em sua própria camada. Como o mostram
todos os indícios, essas formas nem sempre bastam até mesmo para
ocultar a insegurança real perante um estrangeiro que seja um homem
do mundo, educado. O esforço para disfarçar essa insegurança toma,
freqüentemente, a forma de “esperteza” que, em geral, nasce do constrangimento
e parece ser uma má educação.
Não discutiremos se a “democratização” política resultaria realmente
numa democratização social. A “democracia” política ilimitada
na América, por exemplo, não impede o crescimento de uma plutocracia
rude, ou mesmo um grupo de prestígio “aristocrático”, que emerge lentamente.
O crescimento dessa “aristocracia” é cultural e historicamente
tão importante quanto o da plutocracia, embora habitualmente passe
despercebido.
O desenvolvimento de uma “forma alemã” realmente culta, que
seja ao mesmo tempo adequado ao caráter da camada socialmente
dominante dos plebeus, cabe ao futuro. O desenvolvimento incipiente
dessas convenções civis nas cidades hanseáticas não continuou sob o
impacto das modificações políticas e econômicas, desde 1870. E a presente
guerra (Primeira Guerra Mundial) nos proporcionou muitos parvenus
cujos filhos adotarão ardentemente as convenções habituais dos
corpos duelistas nas universidades. Essas convenções não criam exigências
de uma tradição culta; servem como um modo cômodo de domesticar
os homens para que possam merecer a patente de oficial. Daí
não haver, no momento, esperanças de uma modificação. De qualquer
modo, isso é válido: para que a “democratização” resulte na eliminação
do prestígio social dos homens que freqüentaram as academias — o
que não é de forma alguma certo e que não pode ser discutido aqui
—, então nenhuma forma social politicamente valiosa seria abolida na
Alemanha. Como tais formas não existem, não podem ser eliminadas.
A democracia talvez pudesse, então, liberar o caminho para o desenvolvimento
de formas valiosas adequadas à nossa estrutura civil, social
e econômica, que portanto seriam valores “genuínos” e culturais. Não
podemos inventar tais valores, tal como não podemos inventar um
estilo. Somente isto (de um modo essencialmente negativo e formal)
podemos dizer, e isso se aplica a todos os valores de tal natureza: tais
formas jamais podem ser desenvolvidas em qualquer outra base que
não a de uma atitude de distância e reserva pessoais. Na Alemanha,
esse pré-requisito de toda dignidade pessoal faltou freqüentemente entre
as altas e baixas camadas. Os letrados mais recentes com sua
impaciência em falar alto e publicar as suas “experiências” pessoais
— eróticas, religiosas ou quaisquer outras — são os inimigos de toda
dignidade, qualquer que seja. A “distância”, porém, não pode de modo
algum ser conquistada exclusivamente no “coturno” de uma posição
OS ECONOMISTAS
152
esnobativa de alheamento aos “excessivamente demais”, como o pretendem
as várias e errôneas “profecias” que remontam a Nietzsche.
Pelo contrário, quando necessita hoje desse apoio interior, a distância
é sempre espúria. Talvez a necessidade de manter a dignidade própria
em meio de um mundo democrático possa servir de prova da autenticidade
da dignidade.
O que dissemos acima mostra que nisto, como em muitos outros
aspectos, a pátria alemã não é, e não deve ser, a terra de seus pais,
mas a terra de seus filhos, como Alexander Herzen tão bem disse da
Rússia. E isso é particularmente válido para os problemas políticos.
O “espírito alemão” para a solução dos problemas políticos não
pode ser destilado da obra intelectual de nosso passado, por mais valiosa
que possa ser. Prestemos deferência às sombras de nossos ancestrais
espirituais e usemos seu trabalho intelectual para todo treinamento
formal da mente. Nossos letrados, em seu conceito, reivindicam do
passado o título de governar o planejamento de nosso futuro político,
como mestres-escolas com uma vara, simplesmente porque é sua profissão
interpretar o passado para a nação. Se eles tentarem estabelecer
as leis, deveremos então lançar os velhos livros ao desvão mais próximo!
Nada podemos aprender com eles sobre o futuro. Os clássicos alemães,
entre outras coisas, podem ensinar-nos que poderíamos ser uma nação
culta num período de pobreza material e impotência política, e mesmo
de domínio estrangeiro. Mesmo quando se preocupam com política e
economia, suas idéias vêm dessa época não-política. As noções dos clássicos
alemães, inspiradas pela discussão da Revolução Francesa, foram
projeções numa situação política e econômica às quais faltou paixão
popular. Mas, na medida em que qualquer paixão política as inspirou,
além da irada rebelião contra o domínio estrangeiro, foi o entusiasmo
cultural pelos imperativos morais. O que está atrás disso são idéias
filosóficas, que podemos utilizar como um estimulante para definir nossa
posição, segundo nossa realidade política e de acordo com as exigências
de nossa época, mas não como guias. Os modernos problemas
do governo e democracia parlamentares, e a natureza essencial de
nosso Estado moderno em geral, estão completamente além do horizonte
dos clássicos alemães.
Há pessoas que condenam o sufrágio universal como a vitória
de instintos da massa incapaz de razão, em contraste com a convicção
política judiciosa; afirmam que constitui uma vitória da política emocional
sobre a política racional. Quanto a isso, devemos dizer que a
política externa da Alemanha é prova de que uma monarquia que
governa através de um sistema de sufrágios de classe destaca-se pela
emoção exclusivamente pessoal e como uma forma de liderança irracional.
A Prússia tem a hegemonia e é sempre o fator decisivo na
política alemã. Para prová-lo, basta comparar o caminho ziguezaguean-
WEBER
153
te dessa política barulhenta, sem êxito há décadas, com a objetividade
calma, por exemplo, da política externa inglesa.
Quanto aos instintos da massa irracional, eles só governam a
política quando as massas são compactas e exercem pressão: na metrópole
moderna, particularmente nas condições de formas de vida urbana
neolatinas. Ali, a civilização do café, bem como as condições climáticas,
permitem que a política de “rua” — como foi adequadamente
chamada — domine o país partindo de sua capital. Por outro lado, o
papel do “homem da rua” inglês está ligado às características específicas
da estrutura das massas urbanas, totalmente ausentes na Alemanha.
A política de rua da Rússia metropolitana está ligada às organizações
subterrâneas que ali existem. Todas essas condições preliminares estão
ausentes na Alemanha, e a moderação da vida alemã torna improvável
que a Alemanha corra esse perigo ocasional — pois é ocasional em
contraste com aquilo que, na Alemanha imperial, influenciou a política
exterior como um perigo crônico. Não a mão-de-obra presa às oficinas,
mas os ociosos e os intelectuais de café em Roma e Paris fabricaram a
política guerreira das ruas — incidentalmente, apenas a serviço do governo
e somente nas proporções em que o governo a desejou ou permitiu.
Na França e Itália, faltava equilíbrio ao proletariado industrial.
Quando ele age com solidariedade, constitui, sem dúvida, um poder
imenso, dominando a rua. Em comparação, porém, com os elementos
totalmente irresponsáveis, é uma força capaz de, pelo menos, ordem
e liderança ordenada, através de seus funcionários e, portanto, através
de políticos que pensam racionalmente. Do ponto de vista de nossa
política estatal, o importante é aumentar o poder desses líderes, na
Alemanha dos líderes sindicais, sobre as paixões do momento. Além
disso, é necessário aumentar a importância dos líderes responsáveis,
a importância da liderança política em si. Um dos argumentos mais
fortes em favor da criação de uma orientação ordenada e responsável
da política pela liderança parlamentar é que com isso a eficiência dos
motivos puramente emocionais, “do alto” e “de baixo”, é enfraquecida
na medida do possível. O “domínio da rua” nada tem a ver com o
sufrágio igual; Roma e Paris foram dominadas pela rua mesmo quando
na Itália a mais plutocrática influência do mundo, e em Paris Napoleão
III, governavam com um parlamento de fachada. Somente a orientação
ordenada das massas, pelos políticos responsáveis, pode romper com
o domínio irregular da rua e a liderança dos demagogos do momento.
OS ECONOMISTAS
154
REJEIÇÕES RELIGIOSAS DO
MUNDO E SUAS DIREÇÕES*
Tradução da versão inglesa por Waltensir Dutra
* Traduzido da sexta impressão (Galaxy Book, 1963) da edição publicada em 1946 pela Oxford
University Press, Inc.: From Max Weber: Essays in Sociology (translated, edited and with
an Introduction by H. H. Gerth and C. Wright Mills).

REJEIÇÕES RELIGIOSAS DO
MUNDO E SUAS DIREÇÕES1
Em forte contraste com o caso da China, a religiosidade indiana,
que vamos analisar, é o berço das éticas religiosas que negam o mundo,
teórica e praticamente, e com a maior intensidade. É também na Índia
que a “técnica” que corresponde a essa negação melhor se desenvolveu.
O monasticismo, bem como as manipulações ascéticas e contemplativas
típicas, não só se desenvolveram primeiro na Índia como ali se manifestaram
de forma mais coerente. E foi talvez da Índia que essa racionalização
iniciou seu caminho histórico pelo mundo em geral.
1. Motivos para a Rejeição do Mundo:
o Significado de sua Construção Racional
Antes de nos ocuparmos dessa religiosidade, talvez seja conveniente
esclarecermos rapidamente, de modo esquemático e teórico, os
motivos dos quais se originou a ética religiosa da negação do mundo
e as direções que tomou. Dessa forma, talvez possamos esclarecer seu
“significado” provável.
O esquema construído serve apenas, é claro, ao objetivo de oferecer
um meio ideal típico de orientação. Não nos transmite uma filosofia
própria. Os tipos teoricamente construídos de “ordens de vida”
conflitantes servem, apenas, para mostrar que em certos pontos determinados
conflitos internos são possíveis e “adequados”. Não pretendem
mostrar que não há ponto de vista do qual os conflitos não possam
ser resolvidos numa síntese mais elevada. Como iremos ver facilmente,
as esferas individuais de valor estão preparadas com uma coerência
racional que raramente se encontra na realidade. Mas podem ter essa
aparência na realidade e sob formas historicamente importantes, e
realmente a têm. Tais construções possibilitam determinar o local ti-
157
1 De “Zwischenbetrachtung”. Gesammelte Aufsaetze zur Religionssoziologie, vol. I, pp. 436-73.
Este ensaio foi publicado em novembro de 1915, no Archiv.
pológico de um fenômeno histórico. Permitem-nos ver se, em traços
particulares ou em seu caráter total, os fenômenos se aproximam de
uma de nossas construções: determinar o grau de aproximação do fenômeno
histórico e o tipo construído teoricamente. Sob esse aspecto,
a construção é simplesmente um recurso técnico que facilita uma disposição
e terminologia mais lúcidas. Não obstante, sob certas condições,
uma construção pode significar mais, pois a racionalidade, no sentido
de uma “coerência” lógica ou teleológica, de uma atitude intelectualteórica
ou prático-ética, tem, e sempre teve, poder sobre o homem, por
mais limitado e instável que esse poder seja e tenha sido sempre em
face de outras forças da vida histórica.
As interpretações religiosas do mundo e a ética das religiões criadas
pelos intelectuais e que pretendem ser racionais estiveram muito
sujeitas ao imperativo da coerência. O efeito da razão, especialmente
de uma dedução teleológica de postulados práticos, é perceptível sob
certos aspectos, e com freqüência muito claramente, entre todas as
éticas religiosas. Isso ocorre por menos que as interpretações religiosas
do mundo, no caso individual, tenham concordado com a exigência de
coerência, e por mais que tenham integrado pontos de vista em seus
postulados éticos que não podiam ser deduzidos racionalmente. Assim,
pelas razões substantivas, podemos ter esperança de facilitar a apresentação
de um assunto que, de outro modo, seria multifário, através
de tipos racionais construídos de forma adequada. Para tanto, devemos
preparar e ressaltar as formas interiormente mais “coerentes” de conduta
prática, que podem ser deduzidas de pressupostos fixos e dados.
Acima de tudo, um ensaio assim sobre a sociologia da religião
visa, necessariamente, a contribuir para a tipologia e sociologia do
racionalismo. Este ensaio, portanto, parte das formas mais racionais
que a realidade pode assumir; procura ele descobrir até que ponto
certas conclusões racionais, que podem ser estabelecidas teoricamente,
foram realmente formuladas. E talvez descubramos por que não.
2. Tipologia do Ascetismo e do Misticismo
A grande importância da concepção do Deus e Criador supramundano
para a ética religiosa já foi comentada.1 Tal concepção foi
especialmente importante para a direção ativa e ascética da busca de
salvação. Não teve a mesma importância para a busca contemplativa
e mística, que tem afinidade interna com a despersonalização e imanência
do poder divino. Essa ligação íntima, que E. Troeltsch repetidamente
acentuou, com razão, entre a concepção de um Deus supramundano
e o ascetismo ativo, não é absoluta. O Deus supramundano
não determinou, como Deus, a direção do ascetismo ocidental, como
OS ECONOMISTAS
158
1 Cf. Capítulo XI: “A Psicologia Social das Religiões Mundiais”.
iremos ver pelas observações que se seguem. A Trindade cristã, com
seu Salvador encarnado e os santos, representava uma concepção de
Deus que era fundamentalmente menos supramundano do que o Deus
dos judeus, especialmente do judaísmo recente, ou o Alá do islamismo.
Os judeus desenvolveram o misticismo, mas quase nenhum ascetismo
do tipo ocidental. E o islamismo antigo repudiava diretamente o
ascetismo. A peculiaridade da religiosidade do dervixe vinha de fontes
bem diferentes que a relação com um Deus e Criador supramundano.
Nascia das fontes místicas, extáticas, e em sua essência íntima estava
distante do ascetismo ocidental. Embora importante, a concepção de um
Deus supramundano, apesar de sua afinidade com a profecia emissária
e o ascetismo ativo, evidentemente não agia sozinha, mas sempre em
conjunto com outras circunstâncias. A natureza das promessas religiosas
e os caminhos da salvação que determinaram destacam-se entre essas
circunstâncias. A questão terá de ser analisada nos casos particulares.
Tivemos de usar repetidamente as palavras “ascetismo” e “misticismo”
como conceitos polares. Para elucidar a terminologia, vamos
distinguir melhor essas expressões.
Em nossos comentários introdutórios1 contrastamos, como renúncias
do mundo, o ascetismo ativo, que é uma ação, desejada por Deus,
do devoto que é instrumento de Deus e, por outro lado, a possessão
contemplativa do sagrado, como existe no misticismo, que visa a um
estado de “possessão”, não ação, no qual o indivíduo não é um instrumento,
mas um “recipiente” do divino. A ação no mundo é vista, assim,
como um perigo para o estado irracional e outros estados religiosos
voltados para o outro mundo. O ascetismo ativo opera dentro do mundo;
o ascetismo racionalmente ativo, ao dominar o mundo, busca domesticar
o que é da criatura e maligno através do trabalho numa vocação “mundana”
(ascetismo do mundo). Tal ascetismo contrasta radicalmente com
o misticismo, se este se inclina para a fuga do mundo (fuga contemplativa
do mundo).
O contraste diminui, porém, se o ascetismo ativo limitar-se a
controlar e superar a malignidade da criatura na própria natureza do
agente. Nesse caso, ele fortalecerá a concentração sobre as realizações
ativas e redentoras, firmemente estabelecidas e desejadas por Deus,
a ponto de evitar qualquer ação nas ordens do mundo (fuga ascética
do mundo). Com isso, o ascetismo ativo, em sua aparência externa,
aproxima-se da fuga contemplativa do mundo.
O contraste entre o ascetismo e o misticismo também é reduzido
se o místico contemplativo não chega à conclusão de que deve fugir
ao mundo, mas como o ascético voltado para o mundo, permanece nas
ordens do mundo (misticismo voltado para o mundo).
WEBER
159
1 Cf. nota 59, pág. anterior.
Em ambos os casos, o contraste pode desaparecer realmente na
prática, e pode ocorrer uma certa combinação de ambas as formas de
busca de salvação. O contraste pode, porém, continuar até sob o disfarce
de uma aparente semelhança externa. Para o verdadeiro místico, continua
sendo válido o princípio: a criatura deve estar calada, de modo
que Deus possa falar. Ela “está” no mundo e se “acomoda” externamente
às suas ordens, mas apenas para adquirir a certeza do seu estado de
graça em oposição ao mundo, resistindo à tentação de levar a sério os
seus processos. Como podemos ver com Lao-tsé, a atitude típica do
místico é de humildade específica, uma minimização da ação, uma
espécie de existência religiosa incógnita no mundo. Ele se coloca à
prova contra o mundo, contra sua ação no mundo. O ascetismo deste
mundo, pelo contrário, prova-se através da ação. Para o asceta deste
mundo, a conduta do místico é um gozo indolente do eu; para o místico,
a conduta do asceta (voltado para o mundo) é uma participação nos
processos do mundo, combinada com uma hipocrisia complacente. Com
esse “fanatismo abençoado”, habitualmente atribuído ao puritano típico,
o ascetismo deste mundo executa as resoluções positivas e divinas cujo
sentido final continua oculto. O ascetismo executa tais resoluções como
dadas nas ordens racionais da criatura, ordenadas por Deus. Para o
místico, pelo contrário, o que importa para a sua salvação é apenas a
compreensão do significado último e completamente irracional, através
da experiência mística. As formas pelas quais ambos os modos de conduta
fogem do mundo podem ser distinguidas através de confrontos
semelhantes. Mas reservamos a sua discussão para uma apresentação
monográfica.
3. Direções da Renúncia ao Mundo
Vamos, agora, examinar em detalhe as tensões existentes entre
a religião e o mundo. Partiremos das reflexões da introdução, dando-lhe,
porém, um enfoque um pouco diferente.
Dissemos que esses modos de comportamento, uma vez evoluídos
para um modo de vida metódico, formavam o núcleo do ascetismo, bem
como do misticismo, e que surgiram originalmente de pressupostos
mágicos. As práticas mágicas foram feitas para despertar qualidades
carismáticas ou para impedir sortilégios malignos. O primeiro caso foi,
é claro, mais importante para os fatos históricos. Mesmo no umbral
de seu aparecimento, o ascetismo já revelava a sua face de Jano: de
um lado, a renúncia ao mundo, e, do outro, o domínio do mundo em
virtude de poderes mágicos obtidos pela renúncia.
O mágico foi o precursor histórico do profeta, do profeta e salvador
tanto exemplares como emissários. Em geral, o profeta e salvador legitimaram-
se através da posse de um carisma mágico. Para eles, porém,
OS ECONOMISTAS
160
isto foi apenas um meio de garantir o reconhecimento e conseguir adeptos
para a significação exemplar, a missão, da qualidade de salvador
de suas personalidades. A substância da profecia do mandamento do
salvador é dirigir o modo de vida para a busca de um valor sagrado.
Assim compreendida, a profecia ou mandamento significa, pelo menos
relativamente, a sistematização e racionalização do modo de vida, seja
em pontos particulares ou no todo. Esta última significação tem ocorrido
geralmente com todas as verdadeiras “religiões da salvação”, ou seja,
com todas as religiões que prometem aos seus fiéis a libertação do
sofrimento. Isso é ainda mais provável quanto mais sublimada, mais
interior e mais baseada em princípio é a essência do sofrimento, pois
então é importante colocar o seguidor num estado permanente que o
proteja intimamente contra o sofrimento. Formulado abstratamente,
o objetivo racional da religião redentora tem sido assegurar ao que é
salvo um estado sagrado, e com isso o hábito que garante a salvação.
Isto toma o lugar de um estado agudo e extraordinário, e com isso
sagrado, alcançado transitoriamente por meio de orgias, ascetismo ou
contemplação.
Ora, se uma comunidade religiosa surge na onda de uma profecia
ou da propaganda de um salvador, o controle da conduta regular cabe,
primeiro, aos sucessores qualificados carismaticamente, aos alunos, discípulos
do profeta ou do salvador. Mais tarde, sob certas condições que
se repetem regularmente, que não focalizaremos aqui, essa tarefa caberá
a uma hierocracia sacerdotal, hereditária ou oficial. Não obstante,
como regra, o profeta ou salvador colocou-se, pessoalmente, em oposição
aos poderes hierocráticos tradicionais dos mágicos ou dos sacerdotes.
Colocou seu carisma pessoal contra a dignidade deles, consagrada pela
tradição a fim de romper seu poder ou colocá-los a seu serviço.
Na discussão acima mencionada, tomamos como certo e pressuposto
que uma grande fração, especialmente importante para o desenvolvimento
histórico, de todos os casos de religiões proféticas e redentoras
viveu não só num estado agudo como permanente de tensão em
relação com o mundo e suas ordens. Desnecessário mencionar este
aspecto, de acordo com a terminologia usada aqui. Quanto mais as
religiões tiverem sido verdadeiras religiões da salvação, tanto maior
foi a sua tensão. Isso se segue do significado da salvação e da substância
dos ensinamentos proféticos, tão logo eles evoluem para uma ética. A
tensão também foi maior quanto mais racional foi em princípio a ética
e quanto mais ela se tenha orientado para valores sagrados interiores
como meios de salvação. Em linguagem comum, isto significa que a
tensão tem sido maior quanto mais a religião se tenha sublimado do
ritualismo, no sentido do “absolutismo religioso”. Na verdade, quanto
mais avançou a racionalização e sublimação da posse exterior e interior
das “coisas mundanas” — no sentido mais amplo —, tanto mais forte
WEBER
161
tornou-se a tensão, por parte da religião, pois a racionalização e sublimação
consciente das relações do homem com as várias esferas de
valores, exteriores e interiores, bem como religiosas e seculares, pressionaram
no sentido de tornar consciente a autonomia interior e lícita
das esferas individuais, permitindo, com isso, que elas se inclinem
para as tensões que permanecem ocultas na relação, originalmente
ingênua, com o mundo exterior. Isso resulta, de modo geral, da evolução
dos valores do mundo interior e do mundo exterior no sentido do esforço
consciente, e da sublimação pelo conhecimento. Esta conseqüência é
muito importante para a história da religião. A fim de elucidar os
fenômenos típicos que se repetem em relação às éticas religiosas, muito
variadas, examinaremos uma série desses valores.
Sempre que as profecias de salvação criaram comunidades religiosas,
a primeira força com a qual entraram em conflito foi o clã
natural, que temeu a sua desvalorização pela profecia. Os que não
podem ser hostis aos membros da casa, ao pai e à mãe, não podem
ser discípulos de Jesus. “Não vim trazer a paz, mas a espada” (Mt 10,
34), foi dito quanto a isto, e, devemos observar, exclusivamente em
relação a isto. A maioria preponderante de todas as religiões regulamentou,
é claro, os laços de piedade do mundo interior. Não obstante,
quanto mais amplas e interiorizadas foram as metas da salvação, tanto
mais ela aceitou sem críticas a suposição de que o fiel deve, em última
análise, aproximar-se mais do salvador, do profeta, do sacerdote, do
padre confessor, do irmão em fé, do que dos parentes naturais e da
comunidade matrimonial.
A profecia criou uma nova comunidade social, particularmente
quando ela se tornou uma religião soteriológica de congregações. Com
isso, as relações do clã e do matrimônio foram, pelo menos relativamente,
desvalorizadas. Os laços mágicos e a exclusividade do clã foram
atingidos, e dentro da nova comunidade a religião profética desenvolveu
uma ética religiosa de caritas, o amor ao sofredor per se, pelo próximo,
pelo homem; são os princípios originais da conduta social e ética, que
a “associação dos vizinhos” havia criado, fosse a comunidade de aldeães,
membros do clã, da guilda, ou de associados nas empresas marítimas,
caça e expedições de guerra. Essas comunidades conheceram dois princípios
elementais: primeiro, o dualismo, da moral do nosso-grupo e do
grupo exterior; segundo, para a moral do nosso-grupo, simples reciprocidade:
“O que me fizeres, eu te farei”. Desses princípios resultou
o seguinte para a vida econômica: para a moral do nosso-grupo, a
obrigação, fundamentada em princípios, é prestar ajuda fraternal em
caso de dificuldade. Os ricos e nobres eram obrigados a emprestar,
sem nada cobrar, bens para o uso dos não-proprietários, conceder crédito
sem juro e proporcionar hospitalidade e ajuda liberal. Os homens eram
obrigados a prestar serviços a pedido de seus vizinhos e, igualmente,
OS ECONOMISTAS
162
na propriedade do senhor, sem outra remuneração que não o mero
sustento. Tudo isso seguia o princípio: tua necessidade de hoje pode
ser a minha necessidade de amanhã. Esse princípio não foi, decerto,
pesado racionalmente, mas desempenhou seu papel no sentimento. Assim,
regatear nas situações de comércio e empréstimo, bem como a
escravização permanente resultante, por exemplo, de dívidas, eram
coisas limitadas à moral do grupo exterior e aplicadas exclusivamente
aos estranhos.
A religiosidade da congregação transferiu essa antiga ética econômica
da vizinhança para as relações entre os irmãos de fé. O que
fora anteriormente a obrigação do nobre e do rico se tornou o imperativo
fundamental de todas as religiões eticamente racionalizadas do mundo:
ajudar as viúvas e órfãos em dificuldades, cuidar dos doentes e irmãos
de fé empobrecidos, e dar esmolas. Estas eram exigidas especialmente
dos ricos, pois os menestréis sagrados e os mágicos, bem como os ascetas,
eram economicamente dependentes dos ricos.
O princípio que constituía as relações comunais entre as profecias
de salvação era o sofrimento comum a todos os crentes. E isso ocorria
quer o sofrimento existisse realmente, quer fosse uma ameaça constante;
quer fosse exterior, quer interior. Quanto mais imperativos surgiam
da ética de reciprocidade entre os vizinhos, mais racional se tornava
a concepção da salvação, e mais era sublimada numa ética de
finalidades absolutas. Externamente, tais mandamentos chegaram ao
comunismo de uma fraternidade afetuosa; internamente, chegaram à
atitude de caritas, o amor ao sofredor per se, pelo próximo, pelo homem
e finalmente pelo inimigo. A barreira ao laço da fé e a existência de
ódio ante um mundo considerado o centro do sofrimento imerecido
parecem ter resultado das mesmas imperfeições da realidade empírica
que causaram originalmente o sofrimento. Acima de tudo, a euforia
peculiar de todos os tipos de êxtase religioso sublimado operou psicologicamente
na mesma direção geral. Os êxtases, destinados a “comover”
e edificar o sentimento de comunhão direta com Deus, inclinaram
sempre o homem no sentido de fluir para um acosmismo do amor sem
objeto. Nas religiões de salvação, a bênção profunda e tranqüila de
todos os heróis da benevolência acósmica sempre se fundiu com a compreensão
caridosa das imperfeições naturais de todos os atos humanos,
inclusive os nossos. O tom psicológico bem como a interpretação ética
dessa atitude interior podem variar muito. Mas sua exigência ética
tendeu sempre na direção de uma fraternidade universalista que ultrapassa
todas as barreiras das associações comunais, incluindo freqüentemente
as de nossa própria fé.
A religião da fraternidade sempre se chocou com as ordens e
valores deste mundo, e quanto mais coerentemente suas exigências
foram levadas à prática, tanto mais agudo foi o choque. A divisão
tornou-se habitualmente mais ampla na medida em que os valores do
WEBER
163
mundo foram racionalizados e sublimados em termos de suas próprias
leis. E é isso que importa, aqui.
4. A Esfera Econômica
A tensão entre a religião fraternal e o mundo foi mais evidente
na esfera econômica.
Todas as formas mágicas ou mistagógicas primevas de influenciar
os espíritos e divindades tiveram interesses especiais. Lutaram pela
riqueza, bem como pela vida, saúde, honra, descendência e, possivelmente,
melhoria do destino no outro mundo. Os mistérios eleusinos
prometiam tudo isso, tal como as religiões fenícias e védicas, a religião
popular chinesa, o judaísmo antigo e o islamismo antigo; e tal promessa
foi ofertada ao leigo hindu e budista. As religiões sublimadas da salvação,
porém, tiveram relações cada vez mais tensas com as economias
racionalizadas.
Uma economia racional é uma organização funcional orientada
para os preços monetários que se originam nas lutas de interesses dos
homens no mercado. O cálculo não é possível sem a estimativa em
preços em dinheiro e, daí, sem lutas no mercado. O dinheiro é o elemento
mais abstrato e “impessoal” que existe na vida humana. Quanto mais
o mundo da economia capitalista moderna segue suas próprias leis
imanentes, tanto menos acessível é a qualquer relação imaginável com
uma ética religiosa de fraternidade. Quanto mais racional, e portanto
impessoal, se torna o capitalismo, tanto mais ocorre isso. No passado,
foi possível regulamentar eticamente as relações pessoais entre senhor
e escravo precisamente porque elas eram relações pessoais. Mas não
é possível regulamentar — pelo menos, não no mesmo sentido, ou com
o mesmo êxito — as relações entre os variáveis detentores de hipotecas
e os variáveis devedores dos bancos que concedem tais hipotecas: pois
neste caso não há relações pessoais de qualquer tipo. Se, não obstante,
tentássemos isso, os resultados seriam os mesmos que conhecemos na
China, ou seja, o sufocamento da racionalidade formal. Pois, na China,
a racionalidade formal e a substantiva estavam em conflito.
Como já vimos, as religiões da salvação tiveram uma tendência
a despersonalizar e objetivar o amor, no sentido singular do acosmismo.
Não obstante, essas mesmas religiões observaram, com profunda desconfiança,
o desdobramento das forças econômicas que, num sentido
diferente, também foram impessoais, e por isso se opuseram especificamente
à fraternidade.
O Deo placere non potest católico sempre foi a atitude característica
das religiões de salvação para com a economia de lucro; com
todos os métodos racionais de salvação as advertências contra o apego
ao dinheiro e aos bens levaram-nos ao auge do tabu. A dependência
em que as próprias comunidades religiosas, e sua propaganda e manutenção,
estavam dos meios econômicos, e sua acomodação às neces-
OS ECONOMISTAS
164
sidades culturais e aos interesses cotidianos das massas, forçaram-nas
a concessões das quais a história da interdição de interesses é apenas
um exemplo. Não obstante, em última análise nenhuma religião de
salvação autêntica superou a tensão entre sua religiosidade e uma
economia racional.
Exteriormente a ética dos virtuosos religiosos afetou essa relação
tensa de modo mais radical: rejeitou a posse dos bens econômicos. O
monge asceta renunciou ao mundo negando-se a propriedade individual;
sua existência baseou-se totalmente em seu próprio trabalho. Acima
de tudo, suas necessidades foram correspondentemente limitadas ao
que era absolutamente indispensável. O paradoxo de todo o ascetismo
racional, que de forma idêntica fez tropeçar os monges de todas as
épocas, está em que o próprio ascetismo racional criou a riqueza mesma
que rejeitava. Templos e mosteiros, em toda parte, tornaram-se os
próprios centros de economias racionais.
A reclusão contemplativa, como princípio, pôde apenas estabelecer
a norma de que os monges sem propriedades deveriam gozar apenas
o que a natureza e os homens lhes oferecessem voluntariamente: frutas,
raízes e esmolas espontâneas. O trabalho era algo que distraía o monge
da concentração sobre os valores da salvação que ele desejava. Não
obstante, até mesmo a reclusão contemplativa fez suas concessões, estabelecendo
distritos para a mendicância, como na Índia.
Houve apenas dois caminhos coerentes para fugir às tensões entre
a religião e o mundo econômico de um modo interior, baseado num
princípio: primeiro, o paradoxo da ética puritana da “vocação”. Como
uma religião de virtuosos, o puritanismo renunciou ao universalismo
do amor, e rotinizou racionalmente todo o trabalho neste mundo, como
sendo um serviço à vontade de Deus e uma comprovação do estado de
graça. A vontade de Deus, em seu sentido último, era incompreensível,
e não obstante era a única vontade positiva que podia ser conhecida.
Sob este aspecto, o puritanismo aceitou a rotinização do cosmo econômico,
que, como a totalidade do mundo, desvalorizou como coisa da
criatura e imperfeita. Esse estado de coisas parecia ordenado por Deus,
e como material e dado para o cumprimento do dever de cada qual.
Em última análise, isto significava em princípio a renúncia à salvação
como meta alcançável pelo homem, ou seja, por todos. Significava a
renúncia à salvação em favor da graça sem base e apenas particularizada
sempre. Na verdade, esse ponto de vista da não-fraternidade
já não era uma autêntica “religião da salvação”, a qual pode exagerar
a fraternidade até o auge do acosmismo do amor do místico.
O misticismo é outro caminho coerente pelo qual a tensão entre
a economia e a religião pôde escapar. Essa forma é representada de
modo bastante puro na “benevolência” do místico, que não indaga do
homem para quem, e a quem, ele sacrifica. Em última análise, o misticismo
não se interessa pela sua pessoa. De uma vez por todas, o
WEBER
165
místico benevolente dá a sua camisa quando qualquer pessoa que lhe
cruza acidentalmente o caminho lhe pede o paletó — e simplesmente
porque lhe cruza o caminho. O misticismo é uma fuga singular deste
mundo, na forma de uma dedicação sem objeto a todos, não pelo homem,
mas pela devoção simplesmente, ou, nas palavras de Baudelaire, pela
“prostituição sagrada da alma”.
5. A Esfera Política
As religiões que sustentaram uma ética da salvação fraternalmente
coerente sofreram uma tensão igualmente aguda em relação às
ordens políticas do mundo. Este problema não existiu para a religiosidade
mágica ou para a religião das divindades funcionais. O antigo
deus da guerra bem como o deus que garantia a ordem legal eram
divindades funcionais que protegiam os valores indubitáveis da rotina
cotidiana. Os deuses da localidade, tribo e Estado interessavam-se apenas
pelas suas respectivas associações. Tinham de lutar contra outros
deuses como eles mesmos, tal como suas comunidades lutavam, e tinham
de provar seus poderes divinos nessa luta mesma.
O problema só surgiu quando essas barreiras de localidade, tribo
e Estado foram esmagadas pelas religiões universalistas, por uma religião
com um Deus unificado de todo o mundo. E o problema só surgiu
com todo o vigor quando esse Deus era um Deus de “amor”. O problema
das tensões com a ordem política surgiu para as religiões redentoras
com a exigência básica da fraternidade. E na política, como na economia,
quanto mais racional se tornava a ordem política, tanto mais agudos
os problemas dessas tensões se tornava.
O aparato burocrático estatal e o homo politicus racional integrado
no Estado administram as questões, inclusive a punição do mal,
quando realizam transações no sentido mais ideal, segundo as regras
racionais da ordem estatal. Nisso, o homem político age exatamente
como o homem econômico, de uma forma objetiva, “sem preocupação
da pessoa”, sine ira et studio, sem ódio, e portanto sem amor. Em
virtude de sua despersonalização, o Estado burocrático, sob aspectos
importantes, é menos acessível à moralização substantiva do que as
ordens patriarcais do passado, por mais que as aparências possam
indicar o contrário. As ordens patriarcais do passado baseavam-se nas
obrigações pessoais da piedade, e os governantes patriarcais consideravam
o mérito do caso concreto à parte, precisamente em “relação à
pessoa”. Em última análise, apesar de todas as “políticas de bem-estar
social”, todo o curso das funções políticas internas do Estado, da Justiça
e administração é regulado repetida e inevitavelmente pelo pragmatismo
das “razões de Estado”. O fim absoluto do Estado é salvaguardar
(ou modificar) a distribuição externa e interna de poder; em última
análise, essa finalidade deve parecer insensata a qualquer religião universalista
de salvação. Tal fato foi, e continua sendo, válido, e, ainda
OS ECONOMISTAS
166
mais, para a política externa. É absolutamente essencial para qualquer
associação política recorrer à violência bruta dos meios coercitivos em
face de inimigos externos, bem como aos inimigos internos. Somente esse
recurso mesmo à violência é que constitui uma associação política em
nossa terminologia. O Estado é uma associação que pretende o monopólio
do uso legítimo da violência, e não pode ser definido de outra forma.
O Sermão da Montanha diz: “Não resistas ao mal”. Em oposição,
o Estado declara: “Deves ajudar o direito a triunfar pelo uso da força,
pois se assim não for também serás responsável pela injustiça”. Quando
tal fator está ausente, o “Estado” também está ausente; o “anarquismo”
do pacifista terá nascido então. Segundo esse pragmatismo inevitável
de toda a ação, porém, a força e a ameaça de força alimentam necessariamente
mais força. As “razões de Estado” seguem, assim, suas
próprias leis externas e internas. O êxito mesmo da força, ou da ameaça
de força, depende em última análise das relações de poder e não do
“direito” ético, mesmo que julgássemos possível descobrir critérios objetivos
para esse “direito”.
Em contraste com o heroísmo primitivo, ingênuo, é típico dos
sistemas estatais racionais que o grupo ou governantes se preparem
para o conflito violento acreditando, todos, estarem sinceramente “certos”.
Para qualquer racionalização religiosa coerente, isto parecerá apenas
um arremedo da ética. Além disso, colocar o nome do Senhor nesse
violento conflito político deve ser considerado um uso vão de Seu nome.
Diante de tudo isso, o caminho mais limpo, e o único honesto, parece
ser a eliminação completa da ética no raciocínio político. Quanto mais
objetiva e calculista é a política, e quanto mais livre de emoções apaixonadas,
de ira e de amor, tanto mais parecerá a uma ética de fraternidade
estar ela distante da fraternidade.
A indiferença mútua entre religião e política, quando são ambas
completamente racionalizadas, é ainda mais intensa porque, em contraste
com a economia, a política pode entrar em concorrência direta
com a ética religiosa, em pontos decisivos. Como ameaça de violência
consumada entre os Estados modernos, a guerra cria um pathos e um
sentimento de comunidade. A guerra promove, portanto, uma comunhão
incondicionalmente dedicada e pronta ao sacrifício, entre os combatentes,
e libera uma compaixão de massa ativa e um amor pelos que estão
sofrendo necessidades. E, como fenômeno de massa, esses sentimentos
derrubam todas as barreiras naturais à associação. Em geral, a religião
só pode mostrar realizações comparáveis nas comunidades heróicas
que professam uma ética da fraternidade.
Além disso, a guerra traz ao guerreiro algo que, em seu significado
concreto, é excepcional: faz que ele experimente um significado consagrado
da morte, característico apenas da morte na guerra. A comunidade
do exército no campo de batalha sente-se hoje — como nas épocas
dos “seguidores” dos senhores da guerra — como uma comunidade até
WEBER
167
a morte e a maior do gênero. A morte no campo de batalha difere da
morte comum a todos. Como se trata de um destino a que todos estão
sujeitos, ninguém pode jamais dizer por que ela chega precisamente
a ele, e por que chega precisamente naquele momento. À medida que
se desdobram os valores da cultura e são sublimados a alturas imensuráveis,
essa morte ordinária marca um fim, quando apenas um início
poderia fazer sentido. A morte no campo de batalha difere dessa morte
simplesmente inevitável pelo fato de que na guerra, e somente na guerra,
o indivíduo pode acreditar que sabe estar morrendo “por” alguma
coisa. O porquê e o para quê enfrenta ele a morte podem, em geral,
ser-lhe tão indubitáveis que o problema do “significado” da morte nem
mesmo lhe ocorre. Pelo menos, pode não haver pressupostos de aparecimento
do problema em sua significação universal, que é a forma
pela qual as religiões da salvação são levadas a se preocupar com o
sentido da morte. Somente os que perecem “na sua vocação” estão na
mesma situação do soldado que enfrenta a morte no campo de batalha.
Essa localização da morte dentro de uma série de acontecimentos
significativos e consagrados está em última análise, na base de todos
os esforços para apoiar a dignidade autônoma da estrutura política
que se baseia na força. Não obstante, a forma pela qual a morte pode
ser concebida como significativa nesses esforços aponta em direções
que diferem radicalmente das direções em que a teodicéia da morte,
numa religião de fraternidade, pode apontar. A fraternidade de um
grupo de homens unidos na guerra deve parecer pouco valiosa para
essas religiões fraternais, sendo vista apenas como um reflexo da brutalidade
tecnicamente requintada da luta. E a consagração interior da
morte na guerra deve parecer uma glorificação do fratricídio. A própria
qualidade extraordinária da fraternidade da guerra, e da morte na
guerra, partilha do carisma sagrado e da experiência da comunhão
com Deus, e esse fato leva a competição entre a fraternidade da religião
e a da comunidade guerreira ao auge. Como na economia, as duas
únicas soluções coerentes para essa tensão são as do puritanismo e
do misticismo.
O puritanismo, com seu particularismo da graça e seu ascetismo
vocacional, acredita nos mandamentos fixos e revelados de um Deus
que, sob outros aspectos, é incompreensível. Interpreta a vontade de
Deus como significando que esses mandamentos devem ser impostos
ao mundo das criaturas pelos meios deste mundo, ou seja, a violência
— pois o mundo está sujeito à violência e ao barbarismo ético. E isto
significa, pelo menos, barreiras que resistem à obrigação de fraternidade
no interesse da “causa” de Deus.
Por outro lado, há a solução da atitude antipolítica radical do
místico, sua busca de redenção com sua benevolência e fraternidade
acósmica. Com seu “não resistir ao mal” e com sua máxima “voltar a
outra face”, o misticismo é necessariamente carente de dignidade aos
OS ECONOMISTAS
168
olhos da ética mundana do heroísmo. Alheia-se do estigma da violência
de que nenhuma ação política pode fugir.
Todas as outras soluções às tensões da política e religião estão
cheias de concessões ou de pressupostos que devem parecer necessariamente
desonestos ou inaceitáveis à ética da fraternidade autêntica.
Algumas dessas soluções são, não obstante, interessantes em princípio
e como tipos.
Toda organização da salvação por uma instituição compulsória
e universalista da graça sente-se responsável, perante Deus, pelas almas
de todos, ou pelo menos de todos os homens a ela confiados. Essa
instituição se sentirá, portanto, com direito a opor-se, e com o dever
de opor-se, com a força impiedosa a qualquer perigo oriundo de uma
má orientação da fé. Sente-se obrigada a promover a difusão de seus
meios de graça salvadores.
Quando as aristocracias salvadoras estão incumbidas, por ordem
de seu Deus, de domar o mundo do pecado, para a Sua glória, dão
origem ao “cruzado”. Foi o que ocorreu no calvinismo e, em forma
diferente, no islamismo. Ao mesmo tempo, porém, as aristocracias salvadoras
distinguem as guerras “santas” ou “justas” de outras, puramente
seculares, e portanto profundamente indignas. A guerra justa
é travada para a execução dos mandamentos de Deus, ou pela defesa
da fé, o que de certa forma significa sempre uma guerra religiosa.
Portanto, as aristocracias salvadoras rejeitam a compulsão de participarem
das guerras das autoridades políticas que não se classificam
claramente como guerras santas, correspondentes à vontade de Deus,
ou seja, guerras não-afirmadas pela própria consciência do crente. O
exército vitorioso dos Santos de Cromwell agiu dessa forma quando
tomou posição contra o serviço militar obrigatório. As aristocracias da
salvação preferem exércitos mercenários ao serviço militar compulsório.
Caso os homens violem a vontade de Deus, especialmente em nome
da fé, os fiéis chegam a conclusões favoráveis a uma revolução religiosa
ativa, em virtude da sentença de que se deve obedecer antes a Deus
do que ao homem.
O luteranismo religioso, por exemplo, tomou a posição contrária.
Rejeitou a cruzada e o direito à resistência ativa contra qualquer coação
secular em assuntos de fé; considerou essa coação uma arbitrariedade,
que emaranha a salvação no pragmatismo da violência. Nesse campo,
o luteranismo só conhece a resistência passiva. Aceitou, porém, a obediência
à autoridade secular como irrecusável, mesmo quando essa
autoridade tenha dado ordem de guerra, porque a responsabilidade da
guerra cabe a ela, e não ao indivíduo, e porque sua autonomia ética,
em contraste com a instituição universalista (católica) da graça, era
reconhecida. A inserção da religiosidade mística peculiar ao cristianismo
pessoal de Lutero parou pouco antes de tirar as conclusões totais
do assunto.
WEBER
169
A busca carismática e verdadeiramente mística da salvação, por
parte dos virtuosos religiosos, foi, naturalmente, em toda parte apolítica
ou antipolítica, pela sua própria essência. As buscas de salvação reconheceram
facilmente a autonomia da ordem temporal, mas o fizeram
apenas para deduzir, coerentemente, o seu caráter diabólico, ou pelo
menos para tomar o ponto de vista da indiferença absoluta em face
do mundo que foi expresso na frase: “Dai a César o que é de César”
(pois que relevância têm essas coisas para a salvação?).
As variadas posições empíricas que as religiões históricas têm
tomado diante da ação política foram determinadas pela mistura das
organizações religiosas com os interesses do poder e as lutas pelo poder,
pelo colapso sempre inevitável até mesmo dos mais altos estados de
tensão com o mundo, em favor de concessões e relatividades, pela utilidade
e uso das organizações religiosas para a domesticação política
das massas e, especialmente, pela necessidade que as pretensas potências
têm da consagração religiosa de sua legitimidade. Como podemos
ver pela história, quase todas as plataformas de organizações religiosas
foram religiosamente relativas, no que se refere aos valores
sagrados, à racionalidade ética e à autonomia lícita. Na prática, o tipo
mais importante dessas formas relativas foram as éticas sociais “orgânicas”.
Esse tipo difundiu-se em muitas formas e sua concepção da
obra vocacional foi, em princípio, o contraste mais importante com a
idéia de “vocação”, como se encontra no ascetismo interior.
A ética social orgânica, quando subestruturada religiosamente,
enquadra-se na “fraternidade”, mas, em contraste com o amor místico
e acósmico, é dominada por uma exigência racional de fraternidade.
Seu ponto de partida é a experiência da desigualdade do carisma religioso.
O simples fato de que o sagrado só deve ser acessível a alguns,
e não a todos, é intolerável à ética orgânica social. Procura, portanto,
sintetizar essa desigualdade pelas qualificações carismáticas com a estratificação
secular por estamento, num cosmo de serviços por ordenação
de Deus, de função especializada. Certas tarefas são atribuídas
a todo indivíduo e grupo segundo seu carisma pessoal e posição social
e econômica, determinadas pelo destino. Em geral, essas tarefas estão
a serviço da realização de uma condição que, apesar de sua natureza
de concessão, é agradável a Deus. Essa condição é interpretada como
sendo, ao mesmo tempo, utilitária, social e providencial. Ante a malignidade
do mundo, ela facilita pelo menos uma sujeição relativa do
pecado e do sofrimento: a preservação e salvação do maior número
possível de almas para o reino de Deus é, com isso, facilitada. Veremos,
mais adiante, uma teodicéia de um pathos muito maior, que a doutrina
indiana do Carma transmitiu à doutrina orgânica da sociedade, do
ponto de vista do pragmatismo redentor orientado exclusivamente para
os interesses do indivíduo. Sem esse elo muito especial toda ética social
orgânica representa, inevitavelmente, uma acomodação aos interesses
OS ECONOMISTAS
170
da camada privilegiada deste mundo. Pelo menos, é essa a opinião da
ética radical e mística da fraternidade religiosa. Do ponto de vista do
ascetismo interior, à ética orgânica falta um impulso interior para
uma racionalização ética e completa da vida individual. Nessas questões,
não há prêmios para a padronização racional e metódica da vida
pessoal no interesse da própria salvação individual.
O pragmatismo orgânico da salvação deve considerar a aristocracia
redentora do ascetismo interior-mundano, com sua despersonalização
racional das ordens da vida, como a forma mais difícil de amor
e falta de fraternidade. Deve considerar o pragmatismo redentor do
misticismo como uma indulgência sublimada e, na verdade, não-fraternal,
do próprio carisma do místico. O acosmismo não-metódico e
não-planificado do amor é visto como um simples meio egoísta na busca
da própria salvação do místico. Tanto o ascetismo como o misticismo
interior-mundano condenam, em última análise, o mundo social à absoluta
falta de sentido, ou pelo menos sustentam que os objetivos de
Deus, em relação ao mundo social, são totalmente incompreensíveis.
O racionalismo das doutrinas religiosas e orgânicas da sociedade não
pode resistir a tal idéia, pois busca compreender o mundo como um
cosmo relativamente racional, apesar de toda a sua malignidade; o
mundo é considerado o portador de, pelo menos, traços do plano divino
de salvação. Para o carisma absoluto da religiosidade virtuosa, esta
relativização é, na realidade, discutível e estranha ao sagrado.
Como as ações políticas, econômicas e racionais seguem leis próprias,
também qualquer outra ação racional dentro do mundo continua
inevitavelmente ligada às condições mundanas, distantes da fraternidade
e que devem servir como meios ou fins para a ação racional. Daí
toda ação racional colocar-se, de alguma forma, em tensão profunda,
pois parece não haver meio de decidir nem mesmo a primeira questão:
onde, no caso individual, pode o valor ético de um ato ser determinado?
Em termos de êxito ou em termos de algum valor intrínseco do ato
per se? A questão é se, e até que ponto, a responsabilidade do agente
pelos resultados santifica os meios, ou se o valor da sua intenção justifica
a sua rejeição da responsabilidade do resultado, seja para transferi-
lo para Deus, ou para a maldade e idiotice do mundo permitidas
por Deus. A sublimação absolutista da ética religiosa fará que os homens
se inclinem pela segunda alternativa: “O cristão age bem e deixa
o êxito para Deus”. Nisso, porém, a conduta do próprio agente, quando
realmente coerente, e não a autonomia lícita do mundo, é condenada
como irracional em seus efeitos.1 Em face disso, uma busca da salvação,
sublimada e completa, pode levar a um crescente acosmismo, a ponto
de rejeitar a ação racional-objetiva per se, e, daí, toda ação em termos
WEBER
171
1 Teoricamente, isso é realizado com maior coerência no Bhagavad-Gita, como iremos ver.
de relações de meios-fins, pois considera-as ligadas às coisas mundanas
e, por isso, estranhas a Deus. Iremos ver como isso ocorreu
com uma coerência variada, desde a parábola bíblica dos lírios do
campo até a formulação do budismo, por exemplo, que se baseia
mais em princípios.
A ética orgânica da sociedade é, em toda parte, um poder eminentemente
conservador e hostil à revolução. Dentro de certas condições,
porém, conseqüências revolucionárias podem seguir-se de uma
religiosidade virtuosa autêntica. Naturalmente, isto só ocorre quando
o pragmatismo da força, exigindo mais força e levando simplesmente
a modificações no pessoal, ou na melhor das hipóteses a modificações
nos métodos de governo pela força, não é aceito como uma qualidade
permanente do mundo das criaturas. Segundo a coloração da religião
do virtuoso, sua situação revolucionária pode em princípio assumir
duas formas. Uma delas nasce do ascetismo interior-mundano, sempre
que seja ele capaz de opor um “direito natural” absoluto e divino às
ordens criaturais, malignas e empíricas do mundo. Torna-se, então,
um dever religioso compreender esse direito natural, segundo a sentença
de que se deve obedecer a Deus, e não aos homens, que de certa
forma se aplica a todas as religiões racionais. As revoluções puritanas
autênticas, cujas contrapartidas podem ser encontradas em outras partes,
são típicas. Essa atitude corresponde de modo absoluto à obrigação
de empreender cruzadas.
A questão é diferente com o místico. A passagem psicológica da
posse de Deus para a posse por Deus é sempre possível e com o místico
é consumada. Isso é significativo e possível quando as expectativas
escatológicas de um início imediato e do milênio de fraternidade flamejam,
e, daí, quando desaparece a crença de que existe uma tensão
duradoura entre o mundo e o reino metafísico irracional da salvação.
O místico transforma-se então num salvador e profeta. Os mandamentos,
porém, que ele enuncia não têm caráter racional. Como produtos
do seu carisma, são revelações concretas e a rejeição radical do mundo
transforma-se, facilmente, num anomismo radical. Os mandamentos
do mundo não são válidos para o homem que tem certeza na sua
obsessão com Deus: pánta moi héxestin. Todo o quiliasma, até a revolução
dos anabatistas, baseou-se um pouco nessa subestrutura. Para
quem “possui Deus” e é portanto salvo, a forma de ação não tem significação
para a salvação. Veremos que estados semelhantes ocorrem
no caso do djivanmukhti indiano.
6. A Esfera Estética
A ética religiosa da fraternidade situa-se em tensão dinâmica
com qualquer comportamento consciente-racional que siga as suas próprias
leis. Em proporções não menores, essa tensão também ocorre
entre a ética religiosa e as forças de vida “deste mundo”, cujo caráter
OS ECONOMISTAS
172
é essencialmente não-racional, ou basicamente anti-racional. Acima de
tudo, há tensão entre a ética da fraternidade religiosa e as esferas da
vida estética e erótica.
A religiosidade mágica está numa relação muito íntima com a
esfera estética. Desde seu início, a religião tem sido uma fonte inesgotável
de oportunidades de criação artística, de um lado, e de estilização
pela tradicionalização, do outro. Isso se evidencia em vários objetos
e processos: ídolos, ícones e outros artefatos religiosos; na padronização
das formas comprovadas magicamente, o que constitui um primeiro
passo na superação do naturalismo por uma fixação de “estilo”;
na música, como meio de êxtase, exorcismo ou mágica apotropaica; em
feiticeiros que eram cantores e dançarinos mágicos; em relações de
tom comprovadas magicamente e portanto magicamente padronizadas
— as primeiras fases preparatórias na evolução dos sistemas tonais;
nos passos de dança magicamente provados como uma das fontes de
ritmo e como uma técnica de êxtase; nos templos e igrejas, como as
maiores de todas as edificações, com sua tarefa arquitetônica estereotipada
(e, com isso, formando um estilo) como conseqüência de finalidades
estabelecidas de uma vez por todas, e com formas estruturais
que se tornam estereotipadas através da eficiência mágica; em paramentos
e implementos de igreja de todos os tipos, que serviram como
objetos da arte aplicada. Todos esses processos e objetos foram classificados
de acordo com a riqueza das igrejas e templos oriunda do zelo
religioso.
Para a ética religiosa da fraternidade, tal como para um rigorismo
ético a priori,1 a arte como veículo de efeitos mágicos não só tem pouco
valor como é até mesmo suspeita. A sublimação da ética religiosa e a
busca da salvação, por um lado, e a evolução da lógica inerente da
arte, por outro, tenderam a formar uma relação cada vez mais tensa.
Todas as religiões sublimadas da salvação focalizaram apenas o significado,
e não a forma, das coisas e atos relevantes para a salvação.
As religiões salvadoras desvalorizaram a forma como contingente, como
algo da criatura e que a afastava do significado. Por parte da arte,
porém, a ingênua relação com a ética religiosa da fraternidade pode
permanecer ininterrupta ou pode ser repetidamente restabelecida, enquanto
e com a freqüência que o interesse consciente do objeto da arte
esteja ingenuamente ligado ao conteúdo, e não à forma em si. A relação
entre uma ética religiosa e a arte continuará harmoniosa no que diz
respeito à arte, e enquanto o artista criador considera seu trabalho
resultado seja do carisma ou da “habilidade” (originalmente mágica),
seja do jogo espontâneo.
WEBER
173
1 "Rigorismo ético a priori“, como aqui usamos, refere-se a uma fé nos princípios morais
baseados na ”lei natural", ou em imperativos categóricos deduzidos da razão. A ética dos
estóicos, ou o culto da razão durante a Revolução Francesa, ou o Kantismo, são exemplos.
O desenvolvimento do intelectualismo e da racionalização da vida
modifica essa situação. Nessas condições, a arte torna-se um cosmo de
valores independentes, percebidos de forma cada vez mais consciente,
que existem por si mesmos. A arte assume a função de uma salvação
neste mundo, não importa como isto possa ser interpretado. Proporciona
uma salvação das rotinas da vida cotidiana, e especialmente das crescentes
pressões do racionalismo teórico e prático.
Com essa pretensão a uma função redentora, a arte começa a
competir diretamente com a religião salvadora. Toda ética religiosa
racional deve voltar-se contra essa salvação interior-mundana, irracional.
Aos olhos da religião, essa salvação é um reino de indulgência
irresponsável e um amor secreto. Na realidade, a recusa dos homens
modernos em assumir a responsabilidade dos julgamentos morais tende
a transformar os julgamentos de intenção moral em julgamentos de
gosto ("de mau gosto", em vez de “repreensível”). A inacessibilidade
do recurso aos julgamentos estéticos exclui dissensão. Essa passagem
da avaliação moral para a ética, na conduta, é uma característica comum
das épocas intelectualistas; resulta, em parte, das necessidades
subjetivistas e em parte do medo de parecer de mentalidade limitada
de um modo tradicionalista e filisteu.
A norma ética e sua “validade universal” criam uma comunidade,
pelo menos na medida em que o indivíduo poderia rejeitar o ato de
outro por alegações morais e, ainda assim, enfrentá-lo e participar da
vida comum. Conhecendo a sua própria fraqueza como criatura, o indivíduo
coloca-se sob a norma comum. Em contraste com essa atitude
ética, a fuga à necessidade de tomar uma posição fundamentada em
razões racionais e éticas recorrendo às avaliações estéticas bem pode
ser considerada pela religião salvadora uma forma muito mesquinha
de falta de fraternidade. Para o artista criador, porém, bem como para
a mente esteticamente excitada e receptiva, a norma ética, como tal,
pode parecer facilmente uma coação à sua criatividade autêntica e ao
mais íntimo de seu eu.
A forma mais irracional do comportamento religioso, a experiência
mística, é em sua mais íntima essência não só estranha mas também
hostil a toda forma. A forma é infortunada e inexpressível ao místico,
porque ele acredita precisamente na experiência de fazer explodir todas
as formas, e espera, com isso, ser absorvido pelo Uno, que está além
de qualquer tipo de determinação e forma. Para ele, a afinidade psicológica
indubitável das experiências profundamente comoventes na
arte e religião só pode ser um sintoma da natureza diabólica da arte.
Especialmente a música, a mais “interior” de todas as artes, pode surgir
em sua mais pura forma de música instrumental como um Ersatz da
experiência religiosa direta. A lógica interna da música instrumental
como um reino que não vive “de dentro” parece à experiência religiosa
como uma pretensão enganosa. A posição, bem conhecida, do Concílio
OS ECONOMISTAS
174
de Trento pode, em parte, ter vindo desse sentimento. A arte torna-se
uma “idolatria”, uma força concorrente, e um embelezamento enganoso;
e as imagens e a alegoria dos assuntos religiosos surgem como blasfêmia.
Na realidade empírica, histórica, essa afinidade psicológica entre
a arte e religião levou a alianças sempre renovadas, bastante significativas
para a evolução da arte. A grande maioria das religiões participou,
de alguma forma, dessas alianças. Quanto mais desejavam ser
religiões universalistas de massa, e assim se voltavam para a propaganda
emocional e os apelos de massa, tanto mais sistemáticas eram
as suas alianças com a arte. Mas todas as religiões virtuosas autênticas
continuaram muito tímidas em face da arte, em conseqüência da estrutura
interior da contradição entre a religião e a arte. Isso ocorre
na religiosidade virtuosa em sua manifestação ascética ativa, bem como
em sua manifestação mística. Quanto mais a religião ressaltou a supramundanidade
de seu Deus, ou a ultramundanidade da salvação,
tanto mais duramente rejeitada foi a arte.
7. A Esfera Erótica
A ética fraternal da religião de salvação está em tensão profunda
com a maior força irracional da vida: o amor sexual. Quanto mais
sublimada é a sexualidade, quanto mais baseada em princípio, e coerente,
é a ética de salvação da fraternidade, tanto mais aguda a tensão
entre o sexo e a religião.
Originalmente, a relação entre o sexo e religião foi muito íntima.
As relações sexuais faziam, freqüentemente, parte do orgiasticismo mágico
ou eram o resultado não-intencional da excitação orgiástica. A
base da seita dos skoptsy (Castradores) na Rússia evoluiu de uma
tentativa de eliminar o resultado sexual da dança orgiástica (radjeny)
do Chlyst, considerada pecaminosa. A prostituição sagrada nada tinha
que ver com uma suposta “promiscuidade primitiva”; foi, habitualmente,
a sobrevivência do orgiasticismo mágico no qual todo êxtase era
considerado “sagrado”. E a prostituição profana heterossexual, bem
como homossexual, é muito antiga e, com freqüência, bastante sofisticada.
(O treinamento das tríbades ocorre entre os chamados aborígines.)
A transição dessa prostituição para o matrimônio legalmente
constituído está cheia de todos os tipos de formas intermediárias. Concepções
do matrimônio como uma disposição econômica para garantir
a segurança da esposa e a herança legal para o filho; como uma instituição
importante (devido aos sacrifícios mortais dos descendentes)
na vida no além; e tão importantes para a procriação — essas concepções
do casamento são pré-proféticas e universais. Nada têm, portanto com
o ascetismo em si. E a vida sexual, per se, teve seus fantasmas e seus
deuses como qualquer outra função.
Uma certa tensão entre a religião e o sexo só se destacou com
o culto temporário da castidade dos sacerdotes. Essa castidade bastante
WEBER
175
antiga nem pode ter sido determinada pelo fato de que, do ponto de
vista do ritual vigorosamente padronizado do culto da comunidade, a
sexualidade era facilmente considerada como especificamente dominada
pelos demônios. Além disso, não era por acaso que subseqüentemente
as religiões proféticas, bem como as ordens de vida controladas pelos
sacerdotes, regulamentavam, quase sem exceção importante, as relações
sexuais em favor do matrimônio. O contraste de toda regulamentação
racional da vida com o orgiasticismo mágico e todos os tipos de
frenesis irracionais se expressa nesse fato.
A tensão entre religião e sexo foi aumentada pelos fatores evolucionários,
de ambos os lados. No lado da sexualidade, a tensão levou
da sublimação ao “erotismo”, e com isso a uma esfera cultivada conscientemente,
e portanto não-rotinizada. O sexo foi não-rotinizado não
só, ou necessariamente, no sentido de ser estranho às convenções, pois
o erotismo contrasta com o naturalismo sóbrio do camponês. E foi precisamente
o erotismo que as convenções da Cavalaria habitualmente
tomavam como objeto de sua regulamentação. Essas convenções, porém,
regulamentaram caracteristicamente o erotismo, disfarçando as bases
naturais e orgânicas da sexualidade.
A qualidade extraordinária do erotismo consistiu precisamente
num afastamento gradual do naturalismo ingênuo do sexo. A razão e
significação dessa evolução, porém, envolvem a racionalização universal
e a intelectualização da cultura. Desejamos delinear, brevemente, as
fases dessa evolução. Partiremos de exemplos do Ocidente.
O ser total do homem está, agora, alienado do ciclo orgânico da
vida camponesa; a vida se tem enriquecido cada vez mais em seu
conteúdo cultural, seja esse conteúdo avaliado intelectualmente, ou de
forma supra-individual. Tudo isso se operou, através do estrangulamento
do valor da vida, em relação ao que é simplesmente dado, no
sentido de um maior fortalecimento da posição especial do erotismo.
Este foi elevado à esfera do gozo consciente (no sentido mais sublime
da expressão). Não obstante, e na verdade devido a essa elevação, ele
parecia uma abertura para a essência mais irracional, e portanto mais
real, da vida em comparação com os mecanismos da racionalização. O
grau e a forma pela qual uma ênfase de valor é colocada no erotismo,
como tal, variaram enormemente por toda a história.
Para os sentimentos incontidos dos guerreiros, a posse das mulheres
e a luta por elas tiveram o mesmo valor que a luta pelos tesouros
e conquista do poder. Na época do helenismo pré-clássico, no período
do romance cavalheiresco, uma decepção erótica podia ser considerada
por Arquíloco uma experiência significativa, de relevância duradoura,
e a captura de uma mulher podia ser considerada um incidente incomparável
numa guerra heróica.
Os tragediógrafos conheciam o amor sexual como um poder autêntico
do destino, e seu repertório incluía ecos duradouros dos mitos.
OS ECONOMISTAS
176
Uma mulher, porém — Safo —, não foi igualada pelo homem na capacidade
de sentimento erótico. O período helênico clássico, o período
do exército dos hoplitas, concebia as questões eróticas de uma forma
relativa e excepcionalmente sóbria. Como o provam todas as suas confissões,
esses homens foram ainda mais sóbrios do que a camada educada
dos chineses. Não obstante, não é exato que esse período não
conhecesse a ansiedade mortal do amor sexual. O amor helênico caracterizou-
se exatamente pelo oposto. Devemos lembrar-nos — apesar
de Aspásia — do discurso de Péricles e finalmente da conhecida oração
de Demóstenes.
Para o caráter exclusivamente masculino dessa época de “democracia”,
o tratamento da experiência erótica com mulheres como “destino
da vida” — para usar nosso vocabulário — teria parecido quase
que ingênuo e sentimental. O “camarada”, o rapaz, era o objeto exigido
com toda a cerimônia do amor, e este fato ocupava precisamente o
centro da cultura helênica. Assim, com toda a sua magnificência, o
eros de Platão é, não obstante, um sentimento muito controlado. A
beleza da paixão báquica não era um componente oficial dessa relação.
A possibilidade de problemas e de tragédia tendo por base um
princípio surgiu na esfera erótica, a princípio, através de algumas exigências
de responsabilidade que, no Ocidente, nascem do cristianismo.
A conotação de valor da sensação erótica, como tal, evoluiu porém
primordialmente e antes de tudo o mais sob o condicionamento cultural
das noções feudais de honra. Isto aconteceu pela transferência dos
símbolos da vassalagem cavalheiresca na relação sexual eroticamente
sublimada. O erotismo recebeu uma conotação de valor mais freqüentemente
quando, durante a fusão da vassalagem e das relações eróticas,
ocorreu uma combinação com a religiosidade cripto-erótica, ou diretamente
com o ascetismo como durante a Idade Média. O amor dos trovadores
da Idade Média cristã foi um serviço erótico dos vassalos. Não
se dirigia às moças, mas exclusivamente às mulheres dos outros homens;
envolvia (teoricamente!) noites de amor abstêmias e um código
de deveres casuísta. Com isso começou a “provação” do homem, não
perante seus pares, mas diante do interesse erótico da “dama”.
A concepção da “dama” foi constituída exclusiva e precisamente
em virtude da sua função de julgar. A masculinidade do helenismo
contrasta claramente com essa relação entre o vassalo e a “dama”.
O caráter especificamente sensacional do erotismo desenvolveu-se
ainda mais com a transição das convenções da Renascença para o intelectualismo
crescentemente não-militar da cultura dos salões. Apesar
das grandes diferenças entre as convenções da Antiguidade e da Renascença,
estas últimas eram essencialmente masculinas e de luta;
sob esse aspecto, aproximavam-se muito da Antiguidade. Isso se deve
ao fato de que, à época de Cortegiano e de Shakespeare, as convenções
renascentistas haviam acabado com a castidade dos cavaleiros cristãos.
WEBER
177
A cultura dos salões baseia-se na convicção de que a conversação
intersexual é importante como força criadora. A sensação erótica, clara
ou latente, e a comprovação do cavalheiro perante os olhos da dama
tornaram-se meio indispensável de estimular essa conversação. Desde
as Lettres Portugaises, os problemas amorosos reais das mulheres tornaram-
se um valor de mercado intelectual e específico, e a correspondência
amorosa feminina tornou-se “literatura”.
A última intensificação da esfera erótica ocorreu, em termos das
culturas intelectualistas, quando essa esfera colidiu com o traço inevitavelmente
ascético do homem especialista vocacional. Sob essa tensão
entre a esfera erótica e a vida cotidiana racional, a vida sexual
especificamente extraconjugal, que havia sido afastada das coisas cotidianas,
pôde surgir como o único laço que ainda ligava o homem à
fonte natural de toda vida. O homem emancipara-se totalmente do
ciclo da velha existência simples e orgânica do camponês.
Uma tremenda ênfase de valor sobre a sensação específica de
uma salvação interior em relação à racionalização foi o resultado disso.
Uma alegre vitória sobre a racionalidade correspondeu, em seu radicalismo,
à rejeição inevitável, e igualmente radical, de uma ética de
qualquer tipo de salvação no outro mundo, ou supramundana. Para
essa ética, a vitória do espírito sobre o corpo deveria encontrar seu
clímax precisamente aqui, e a vida sexual poderia até mesmo adquirir
o caráter de ligação única e necessária com a animalidade. Mas essa
tensão entre uma salvação da racionalidade que se voltava para o
mundo interior e a que se voltava para o mundo exterior será mais
aguda e mais inevitável precisamente onde a esfera sexual é sistematicamente
preparada para uma sensação erótica muito valorizada. Essa
sensação reinterpreta e glorifica toda a animalidade pura da relação,
ao passo que a religião salvadora adquire o caráter de uma religião
de amor, fraternidade e amor pelo próximo.
Nessas condições, a relação erótica parece oferecer o auge insuperável
da realização do desejo de amor na fusão direta das almas
entre si. Nessa entrega sem limite é tão radical quanto possível em
sua oposição a toda funcionalidade, racionalidade e generalidade. É
citada aqui como o significado singular que uma criatura, sem sua
irracionalidade, tem para outra, e somente para essa outra específica.
Do ponto de vista do erotismo, porém, esse significado, e com ele o
conteúdo de valor da própria relação, baseia-se na possibilidade de
uma comunhão experimentada como uma unificação completa, como
um desaparecimento do “tu”. É tão esmagadora que pode ser interpretada
“simbolicamente”: como um sacramento. O amante considera-se
preso à essência da verdadeira vida, que é eternamente inacessível a
qualquer empresa racional. Sabe-se livre das frias mãos ósseas das
ordens racionais, tão completamente quanto da banalidade da rotina
cotidiana. Essa consciência do amante baseia-se na indelebilidade e
OS ECONOMISTAS
178
inexauribilidade de sua própria experiência, que não é comunicável e,
sob esse aspecto, equivale à “posse” do místico. Isso ocorre não apenas
devido à intensidade da experiência do amante, mas à dedicação da
realidade possuída. Sabendo que a “própria vida” está nele, o amante
coloca-se em oposição ao que, para ele, é a experiência sem objetivo
do místico, como se enfrentasse a luz mortiça de uma esfera irreal.
Assim como o amor consciente do homem maduro está para o
entusiasmo apaixonado do jovem, assim a ansiedade mortal desse erotismo
do intelectualismo está para o amor cavaleiresco. Em contraste
com esse último o amor maduro do intelectualismo reafirma a qualidade
natural da esfera sexual, mas o faz de modo consciente, como uma
força criadora materializada.
A ética da fraternidade religiosa opõe-se, radical e antagonicamente,
a tudo isso. Do ponto de vista de tal ética, essa sensação interior
e terrena da salvação pelo amor maduro compete, da forma mais aguda
possível, com a devoção a um deus supramundano, com a devoção a
uma ordem de Deus eticamente racional, ou com a dedicação de um
anseio místico de individuação, que só parece “genuíno” à ética da
fraternidade.
Certas inter-relações psicológicas das duas esferas aumentam a
tensão entre religião e sexo. O erotismo mais elevado coloca-se psicológica
e fisiologicamente numa relação mutuamente substitutiva com
determinadas formas sublimadas da piedade heróica. Em oposição ao
ascetismo racional, ativo, que rejeita o sexo como irracional, e que é
considerado pelo erotismo um inimigo poderoso e mortal, essa relação
sucedânea é orientada especialmente para a união mística com Deus.
Dela segue-se a constante ameaça de uma revanche mortalmente requintada
da animalidade, ou de um deslizar inexorável do reino místico
de Deus para o reino do Demasiado-Humano. Essa afinidade psicológica
aumenta naturalmente o antagonismo dos significados interiores entre
o erotismo e a religião.
Do ponto de vista de qualquer ética religiosa da fraternidade,
a relação erótica deve manter-se ligada, de forma mais ou menos
requintada, à brutalidade. Quanto mais sublimada for, tanto mais
brutal. Inevitavelmente, esta relação é considerada de conflito. Tal
conflito não é exclusivamente, nem mesmo predominantemente, o
ciúme e a vontade de possessão, excluindo terceiros. É muito mais
do que a coação mais íntima da alma do companheiro menos brutal.
Essa coação existe porque jamais é percebida pelos próprios participantes.
Pretendendo ser uma dedicação extremamente humana,
ela constitui o gozo sofisticado de si mesmo no outro. Nenhuma
comunhão erótica consumida sabe-se baseada em qualquer outra
coisa que não uma destinação misteriosa de um para o outro: o
destino, neste sentido mais elevado da palavra. Com isso, ela se
sabe “legitimada” (num sentido inteiramente amoral).
WEBER
179
Mas, para a religião da salvação, esse “destino” é apenas o incêndio
puramente fortuito da paixão. A obsessão patológica, assim criada,
a idiossincrasia e as variações de perspectivas e de toda justiça
objetiva podem parecer, à religião da salvação, como a mais completa
negativa de todo o amor fraternal e toda servidão de Deus. A euforia
do amante feliz é considerada “boa”; tem a necessidade cordial de poetizar
todo o mundo com características felizes, ou encantar todo o mundo
num entusiasmo ingênuo para a difusão da felicidade. E encontra sempre
a zombaria fria da ética radical, e de base verdadeiramente religiosa,
da fraternidade. Os trechos psicologicamente mais completos
das obras de Tolstói podem ser citados, quanto a isso.1 Aos olhos dessa
ética, o mais sublime erotismo é o pólo oposto de toda fraternidade,
orientada religiosamente nestes aspectos: deve, necessariamente, ser
exclusiva em sua essência interior; deve ser subjetiva no mais alto
sentido imaginável; e deve ser absolutamente incomunicável.
Tudo isso está, decerto, longe do fato de que o caráter apaixonado
do erotismo, como tal, parece à religião da fraternidade uma perda
indigna do autocontrole e da orientação no sentido da racionalidade e
sabedoria das normas desejadas por Deus ou da “posse mística” da
santidade. Para o erotismo, porém, a “paixão” autêntica, per se, constitui
o tipo de beleza, e sua rejeição é blasfêmia.
Por motivos psicológicos e de acordo com seu sentido, o delírio
erótico só está em uníssono com a forma orgiástica e carismática de
religiosidade, que, porém, num sentido especial, é interiorizada. A aceitação
do ato do matrimônio, da copula carnalis, como “sacramento” da
Igreja Católica, é uma concessão a esse sentimento. O erotismo entra
facilmente numa relação inconsciente e instável de substituição ou
fusão com o misticismo exterior e extraordinário. Isso ocorre com a
tensão interior muito forte entre erotismo e misticismo. Ocorre porque
são psicologicamente substitutivos. Fora dessa fusão, o colapso no orgiasticismo
ocorre muito rapidamente.
O ascetismo voltado para o mundo interior e racional (ascetismo
vocacional) só pode aceitar o matrimônio racionalmente regulamentado.
Esse tipo de matrimônio é aceito como uma das ordenações divinas
dadas ao homem, como uma criatura inevitavelmente amaldiçoada em
virtude de sua “concupiscência”. Dentro dessa ordem divina, é dado
ao homem viver de acordo com as finalidades racionais que ela impõe
e somente de acordo com elas: procriar e educar os filhos, e estimular-se
mutuamente ao estado de graça. Esse ascetismo racional interior deve
rejeitar a sofisticação do sexo transformado em erotismo, como uma
OS ECONOMISTAS
180
1 Especialmente de Guerra e Paz. A posição da religião de salvação é fixada com bastante
clareza em Ascvagosha. Incidentalmente, a conhecida análise de Nietzsche, em A Vontade
de Poder, está, em substância, perfeitamente de acordo com isso, apesar — e precisamente
devido a eles — dos valores de transvalorização claramente admitidos.
idolatria do pior gênero. Por sua vez, esse ascetismo reúne a sexualidade
primária, naturalista e não-sublimada do camponês, transformando-a
numa ordem racional do homem como criatura. Todos os elementos
da “paixão”, porém, são então considerados resíduos da Queda. Segundo
Lutero, Deus, para impedir o pior, é tolerante para com esses elementos
de paixão. O ascetismo racional voltado para o mundo exterior (ascetismo
ativo do monge) também rejeita os elementos apaixonados, e
com eles toda a sexualidade, como um poder diabólico que põe em
risco a salvação. A ética dos quacres (tal como se evidencia nas cartas
de William Penn à sua mulher) bem pode ter conseguido uma interpretação
autenticamente humana dos valores interiores e religiosos do
casamento. Sob tal aspecto, a ética quacre foi além da interpretação
luterana, um tanto grosseira, do significado do matrimônio.
De um ponto de vista exclusivamente interior, somente a ligação
do matrimônio com o pensamento da responsabilidade ética de um
pelo outro — daí uma categoria heterogênea à esfera exclusivamente
erótica — pode encerrar o sentimento de que alguma coisa única e
suprema poderia estar encerrada no matrimônio; que ele poderia ser
a transformação do sentimento de um amor consciente da responsabilidade,
através de todas as nuanças do processo vital orgânico, “até
o pianíssimo da velhice”, e uma garantia mútua e uma dúvida mútua
(no sentido de Goethe). Raramente a vida oferece um valor em forma
pura. Aquele a quem é dado, pode falar da graça e fortuna do destino
— e não do seu próprio “mérito”.
8. A Esfera Intelectual
A rejeição de toda a rendição ingênua aos modos mais intensivos
de experimentar a existência, artística e erótica, é como tal apenas
uma atitude negativa. Mas é evidente que essa rejeição poderia aumentar
a força com que as energias fluem para a realização racional,
tanto ética quanto exclusivamente intelectual. Devemos notar, porém,
que a tensão, autoconsciente, da religião é a maior e mais fundamentada
em princípios, quando a religião enfrenta a esfera do conhecimento
intelectual.
Há uma unidade no reino da mágica e na imagem puramente
mágica do mundo, como observamos no caso do pensamento chinês.
Um reconhecimento profundo e mútuo entre a religião e a especulação
puramente metafísica também é possível, embora em geral essa especulação
leve facilmente ao ceticismo. A religião, portanto, considera a
pesquisa exclusivamente empírica, inclusive a da ciência natural, como
mais conciliável com os interesses religiosos do que a filosofia. Isso
ocorre, acima de tudo, com o protestantismo ascético.
A tensão entre a religião e o conhecimento intelectual destaca-se
com clareza sempre que o conhecimento racional, empírico, funcionou
coerentemente através do desencantamento do mundo e sua transfor-
WEBER
181
mação num mecanismo causal. A ciência encontra, então, as pretensões
do postulado ético de que o mundo é um cosmo ordenado por Deus e,
portanto, significativo e eticamente orientado. Em princípio, a visão
do mundo, tanto empírica quanto matematicamente orientada, apresenta
refutações a qualquer abordagem intelectual que, de alguma forma,
exija um “significado” para as ocorrências do mundo interior. Todo
aumento do racionalismo na ciência empírica leva a religião, cada vez
mais, do reino racional para o irracional; mas somente hoje a religião
se torna o poder supra-humano irracional ou anti-racional. As proporções
da consciência ou da coerência na experiência deste contraste,
porém, variam muito. Atanásio venceu com a sua fórmula — totalmente
absurda quando vista racionalmente — em sua luta contra a maioria
dos filósofos helênicos da época; não parece inconcebível, como dissemos,
que entre outras razões ele realmente desejasse forçá-los, expressamente,
ao sacrifício intelectual e a fixar um limite para a discussão
racional. Pouco depois, porém, a própria Trindade foi racionalmente
posta em dúvida e discutida.
Devido a essa tensão aparentemente inconciliável, as religiões
proféticas, bem como as sacerdotais, mantiveram, repetidamente, uma
relação íntima com o intelectualismo racional. Quanto menos misticismo
mágico ou meramente contemplativo, e quanto mais “doutrina”
uma religião encerra, tanto maior é a sua necessidade de apologética
racional. Os feiticeiros, em toda parte, foram os depositários típicos
dos mitos e sagas heróicos, porque participaram da educação e treinamento
dos jovens guerreiros a fim de despertá-los para o êxtase
heróico e a regeneração heróica. Para eles o sacrifício, como o único
agente capaz de conservar a tradição, substituiu o treinamento da juventude
nas leis e, com freqüência, também nas tecnologias puramente
administrativas e, acima de tudo, na escrita e no cálculo. Quanto mais
a religião se tornou livresca e doutrinária, tanto mais literária tornou-se
e mais eficiente foi no estímulo ao pensamento leigo racional, livre do
controle sacerdotal. Dos pensadores leigos, porém, saíram os profetas
que eram hostis aos sacerdotes; bem como os místicos, que buscavam
a salvação independentemente deles e dos sectários; e, finalmente, os
céticos e filósofos, que eram hostis à fé.
Uma racionalização da apologética sacerdotal reagiu contra essa
evolução. O ceticismo anti-religioso, per se, esteve presente na China,
Egito e nos Vedas, na literatura pós-exílica dos judeus. Em princípio,
foi exatamente como é hoje; não lhe foi acrescido quase nenhum argumento
novo. Portanto, a questão central do poder para o clero passou
a ser a monopolização da educação dos jovens.
Com a crescente racionalização da administração política, o poder
do clero pôde aumentar. Nos tempos antigos do Egito e Babilônia,
somente o clero recrutava os escribas para o Estado. O mesmo aconteceu
com o príncipe medieval, quando a administração baseada em docu-
OS ECONOMISTAS
182
mentos teve início. Dos grandes sistemas de pedagogia, somente o confucionismo
e o da Antiguidade do Mediterrâneo souberam como fugir
ao poder dos sacerdotes. O primeiro o conseguiu em virtude de sua
poderosa burocracia estatal, e o segundo pela falta absoluta de administração
burocrática. Com a eliminação dos padres no setor educativo,
a própria religião sacerdotal foi eliminada nesses casos. Com essas
exceções, porém, os cleros forneceram e controlaram, regularmente, o
pessoal das escolas.
Não foram apenas os interesses genuinamente sacerdotais que
provocaram as sempre renovadas ligações entre a religião e o intelectualismo.
Foram, também, a compulsão interiorizante do caráter racional
da ética religiosa e a busca especificamente intelectualista da
salvação. Na verdade, toda religião em sua subestrutura psicológica e
intelectual, e nas suas conclusões práticas, tomou uma posição diferente
em relação ao intelectualismo, sem permitir, porém, que desaparecesse
a tensão interiorizante última, pois ela se baseia na disparidade inevitável
entre as formas últimas das imagens do mundo.
Não há, absolutamente, nenhuma religião “coerente”, funcionando
como uma força vital que não é compelida, em algum ponto, a exigir
o credo non quod, sed quia absurdum — o “sacrifício do intelecto”.
Não é necessário, e seria impossível, tratar detalhadamente dos
estágios da tensão entre a religião e o conhecimento intelectual. A
religião redentora defende-se do ataque do intelecto auto-suficiente. E
assim o faz, decerto, rigorosamente baseada em princípios, formulando
a pretensão de que o conhecimento religioso se move numa esfera
diferente e que a natureza e significado do conhecimento religioso são
totalmente diferentes das realizações do intelecto. A religião pretende
oferecer uma posição última em relação ao mundo através de uma
percepção direta do “significado” do mundo. Não quer oferecer o conhecimento
intelectual relativo ao que é ou que deveria ser. Pretende
revelar o sentido do mundo não por meio do intelecto, mas em virtude
de um carisma da iluminação. Esse carisma, ao que se diz, só é transmitido
aos que fazem uso da respectiva técnica e se libertam das substituições
enganosas e errôneas, apresentadas como conhecimento pelas
impressões confusas dos sentidos e as abstrações vazias do intelecto.
A religião acredita que elas são, na verdade, irrelevantes para a salvação.
Libertando-se delas, o homem religioso prepara-se para a recepção
da percepção importantíssima do significado do mundo e de
sua própria existência. Em todas as tentativas da filosofia de tornar
demonstrável esse significado último, e a posição (prática) que se segue
da compreensão, a religião redentora vê apenas o desejo do intelecto
de escapar à sua própria autonomia legítima. A mesma opinião se
mantém em relação às tentativas filosóficas de conseguir o conhecimento
intuitivo que, embora interessado no “ser” das coisas, tem uma
dignidade que difere principalmente da dignidade do conhecimento re-
WEBER
183
ligioso. Acima de tudo, a religião vê tudo isso como um produto específico
do racionalismo mesmo, do qual o intelectualismo, por essas tentativas,
desejaria muito escapar.
A religião da salvação, porém, vista de sua própria posição, deve
ser responsabilizada por transgressões igualmente incoerentes, tão logo
ela abre mão da incomunicabilidade inexpugnável das experiências
místicas. Quando coerente, essa religião só pode ter os meios de provocar
experiências místicas como acontecimentos: não tem meios de
comunicá-las e demonstrá-las de forma adequada. Qualquer tentativa
de influenciar o mundo levará a religião mística a correr esse perigo,
tão logo a tentativa assuma o caráter de propaganda. O mesmo é válido
para qualquer tentativa de interpretar o sentido do universo racionalmente,
embora a tentativa tivesse sido repetidamente feita.
Os postulados religiosos podem entrar em conflito com o “mundo”
de diferentes pontos de vista, e o ponto de vista em questão é sempre
de grande importância para a direção e a forma pelas quais a “salvação”
será buscada. Em todos os tempos e todos os lugares, a necessidade
de salvação — cultivada conscientemente como a substância da religiosidade
— resultou da tentativa de uma racionalização sistemática
e prática das realidades da vida. Na verdade, essa conexão tem sido
mantida com graus variados de evidência: nesse nível, todas as religiões
exigiram, como pressuposto específico, que o curso do mundo seja, de
alguma forma, significativo, pelo menos na medida em que se relacione
com os interesses dos homens. Como já vimos, essa pretensão surgiu
naturalmente como o problema habitual do sofrimento injusto, e, daí,
como o postulado de uma compensação justa para a distribuição desigual
da felicidade individual no mundo. Daí, a pretensão tendeu a
progredir, passo a passo, no sentido de uma crescente desvalorização
do mundo. Quanto mais intensamente o pensamento racional ocupou-se
do problema da compensação justa e retributiva, tanto menos pareceu
possível uma solução totalmente interior e tanto menos provável, ou
mesmo significativa, uma solução exterior.
Pelo que mostram as aparências, o curso atual do mundo não
teve muita relação com esse postulado da compensação. A desigualdade
eticamente não-motivada na distribuição da felicidade e miséria, para
a qual parecia concebível uma compensação, continuou irracional; o
mesmo ocorreu com a simples realidade da existência do sofrimento,
pois a difusão universal do sofrimento só podia ser substituída por
outro problema, ainda mais irracional, a questão da origem do pecado
que, segundo o ensinamento dos profetas e sacerdotes, deve explicar
o sofrimento como um castigo ou um meio de disciplina. Um mundo
criado para o exercício do pecado deve parecer ainda menos eticamente
perfeito do que um mundo condenado ao sofrimento. De qualquer modo,
a imperfeição absoluta deste mundo estabeleceu-se firmemente como
um postulado ético. E a futilidade das coisas mundanas só pareceu
OS ECONOMISTAS
184
significativa e justificada em termos dessa imperfeição. Essa justificação,
porém, parecia adequada a uma desvalorização maior do mundo,
pois não era apenas, e nem mesmo primordialmente, o indigno que se
mostrava transitório. O fato de que a morte e a ruína, com seus efeitos
niveladores, superavam os bons homens e as boas obras, bem como as
más, parecia uma depreciação precisamente dos valores supremos deste
mundo — uma vez concebida a idéia de uma duração perpétua do
tempo, de um Deus eterno e de uma ordem eterna. Em face disso, os
valores — e precisamente os mais apreciados — foram consagrados
como sendo “intemporalmente” válidos. Daí a significação de sua realização
na “cultura” ter sido considerada independente da duração temporal
de sua concreção. Com isso, a rejeição ética do mundo empírico
pôde ser intensificada, pois a essa altura poderia surgir no horizonte
religioso uma seqüência de pensamentos de muito maior significação
do que a imperfeição e futilidade das coisas mundanas, porque essas
coisas deviam denunciar precisamente os “valores culturais” que habitualmente
se colocam mais alto.
Esses valores encerravam o estigma do pecado mortal, de uma
culpa inevitável e específica. Mostraram-se condicionados ao carisma
da mente ou do gosto. Seu cultivo pareceu pressupor, inevitavelmente,
modos da existência que vão contra a exigência de fraternidade e que
só poderiam ser adaptados a esta exigência pelo auto-engano. As barreiras
da educação e do cultivo estético são as mais íntimas e mais
insuperáveis de todas as diferenças de estamento. A culpa religiosa
podia surgir, agora, não só como uma concomitante ocasional, mas
como uma parte integral de toda a cultura, de toda conduta num mundo
civilizado e, finalmente, de toda a vida estruturada em geral. E com
isso os valores últimos que este mundo oferecia pareceram onerar-se
da maior culpa.
Sempre que a ordem externa da comunidade social se transformou
na cultura da comunidade do Estado, evidentemente ela só podia ser
mantida pela força bruta, que só se interessava pela justiça nominal
e ocasionalmente, e, de qualquer modo, apenas na medida em que as
razões de Estado permitiram. Essa força alimentou, inevitavelmente,
novos atos de violência contra os inimigos externos e internos; além
disso, fomentou pretextos desonestos para tais atos. Daí ter significado
uma ausência de amor clara ou, o que é pior, farisaicamente disfarçada.
O cosmo econômico rotinizado, e assim a forma racionalmente mais
elevada de provisão dos bens materiais, indispensáveis para toda a
cultura mundana, foi uma estrutura a que a ausência de amor está
ligada desde a raiz mesma. Todas as formas de atividade no mundo
estruturado pareceram envolver-se na mesma culpa.
A brutalidade velada e sublimada, a idiossincrasia hostil à fraternidade,
bem como as modificações ilusionistas de um senso de proporção
justo, acompanharam inevitavelmente o amor sexual. Quanto
WEBER
185
mais poderosamente se desdobram as forças do amor sexual, menos
elas são percebidas pelos participantes e mais veladas são de um modo
farisaico. A religiosidade ética recorreu ao conhecimento racional, que
seguiu suas normas autônomas e interiores. Deu forma a um cosmo
de verdade que já nada tinha a ver com os postulados sistemáticos de
uma ética religiosa racional; resultou disso que o mundo como um
cosmo deve satisfazer às exigências de uma ética religiosa ou demonstrar
algum “sentido”. Pelo contrário, o conhecimento racional teve de
rejeitar essa pretensão, em princípio. O cosmo da causalidade natural
e o cosmo postulado da causalidade ética, compensatória, mantiveramse
em oposição inconciliável.
A ciência criou esse cosmo da causalidade natural e pareceu
incapaz de responder, com certeza, à questão de suas pressuposições
últimas. Não obstante, ela, em nome da “integridade intelectual”,
arrogou-se a representação da única forma possível de uma visão
racional do mundo. O intelecto, como todos os valores culturais,
criou uma aristocracia baseada na posse da cultura racional e independente
de todas as qualidades éticas pessoais do homem. A
aristocracia do intelecto é, portanto, uma aristocracia não-fraternal.
O homem do mundo considera a posse da cultura o maior bem.
Além do peso da culpa ética, porém, alguma coisa mais acresceu-se
a esse valor cultural, que estava destinada a depreciá-lo de forma
ainda mais conclusiva, ou seja, a falta de senso — se julgarmos
esse valor cultural em termos de seus próprios padrões.
A perfeição puramente interior do eu de um homem de cultura,
e daí o valor último a que a “cultura” parece ser redutível, não tem
sentido para o pensamento religioso. Isso se segue, para o pensamento
religioso, da evidente falta de sentido da morte, precisamente quando
encarada do ponto de vista do mundo interior. E, nas condições mesmas
de “cultura”, a morte absurda parece apenas deixar a marca decisiva
sobre o absurdo da própria vida.
O camponês, como Abraão, podia morrer “saciado da vida”. O
senhor de terras e o herói guerreiro feudais podiam fazer o mesmo,
pois ambos cumpriam um ciclo de sua existência, além do qual não
alcançavam. Cada qual, a seu modo, podia alcançar a perfeição do
mundo interior em conseqüência da clareza ingênua da substância de
sua vida. Mas o homem “culto”, que luta para se aperfeiçoar, no sentido
de adquirir ou criar “valores culturais”, não pode fazer isso. Pode “cansar-
se da vida”, mas não pode “saciar-se da vida”, no sentido de completar
um ciclo. A possibilidade de aperfeiçoamento do homem de cultura
progride indefinidamente, tal como ocorre com os valores culturais.
E o segmento que o recipiente individual e passivo, ou o co-construtor
ativo, pode abarcar no curso de uma vida finita, se torna mais insignificante
na medida em que mais variados e múltiplos se tornam os
valores culturais e as metas do auto-aperfeiçoamento. Daí o condicio-
OS ECONOMISTAS
186
namento do homem a este cosmo externo e interno de cultura tornar
menos provável que o indivíduo possa absorver a cultura como um
todo ou aquilo que, em qualquer sentido, é “essencial” na cultura. Além
disso, não há critério para julgar este último, tornando-se assim cada
vez menos provável que a “cultura” e a luta pela cultura possam ter
um significado do mundo interior para o indivíduo.
A “cultura” do indivíduo certamente não consiste na quantidade
dos valores culturais que ele reúne, mas numa seleção desses valores.
Mas não há garantia de que ela tenha chegado ao fim que seria significativo
para o indivíduo precisamente no momento “acidental” de
sua morte. Poderia mesmo voltar as costas à vida, com um ar de distinção:
“Tenho o bastante — a vida ofereceu-me (ou negou-me) tudo o
que tornava a existência valiosa para mim”. Essa atitude orgulhosa
parece, à religião de salvação, uma blasfêmia desdenhosa dos modos
de vida e destinos ordenados por Deus. Nenhuma religião redentora
aprova positivamente a “morte pelas próprias mãos”, ou seja, a morte
que só foi consagrada pelas filosofias.
Vista dessa forma, a “cultura” surge como a emancipação do homem
em relação ao ciclo da vida natural, organicamente prescrito. Por
essa razão mesma, cada passo à frente da cultura parece condenado
a levar a um absurdo ainda mais devastador. O progresso dos valores
culturais, porém, parece tornar-se uma agitação insensata a serviço
de finalidades indignas e, ainda mais, autocontraditórias e mutuamente
antagônicas. O progresso dos valores culturais parece ainda mais insensato
quanto mais ele é tomado como uma tarefa sagrada, uma “vocação”.
A cultura torna-se cada vez mais um centro absurdo de imperfeição,
de injustiça, de sofrimento, pecado, futilidade, pois é necessariamente
sobrecarregada de culpa, e seu desdobramento e diferenciação
tornam-se assim, necessariamente, ainda mais insensatos. De um ponto
de vista puramente ético, o mundo deve parecer fragmentário e sem
valor sempre que julgado à luz do postulado religioso de um “significado”
divino da existência. Essa desvalorização resulta do conflito entre a
pretensão racional e a realidade, entre a ética racional e os valores
em parte racionais e em parte irracionais. A toda construção da natureza
específica de cada esfera especial existente no mundo, esse conflito
parece destacar-se cada vez mais e de forma mais insolúvel. A
necessidade de “salvação” corresponde a essa desvalorização voltandose
cada vez mais para o outro mundo, mais alienada de todas as formas
estruturadas de vida, e, num paralelo exato, confinando-se à essência
religiosa específica. Essa reação será tanto mais forte quanto mais
sistemático o pensamento sobre o “significado” do universo se torna,
e quanto mais racionalizada é a organização externa do mundo, tanto
mais é sublimada a experiência consciente do conteúdo irracional do
mundo. E não só o pensamento teórico, desencantando o mundo, levava
WEBER
187
a essa situação, mas também a própria tentativa da ética religiosa de
racionalizar prática e eticamente o mundo.
As tentativas místicas e intelectuais específicas de salvação em
face dessas tensões sucumbiram por fim ao domínio mundial da nãofraternidade.
Por outro lado, seu carisma não é acessível a todos. Daí,
em intenção, a salvação mística significa, definidamente, aristocracia;
é uma religiosidade aristocrática da redenção. E em meio de uma cultura
que é racionalmente organizada para uma vida vocacional de trabalho
cotidiano, dificilmente haverá lugar para o cultivo da fraternidade
acósmica, a menos que seja entre as camadas economicamente despreocupadas.
Sob as condições técnicas e sociais da cultura racional,
uma imitação da vida de Buda, Jesus ou São Francisco parece condenada
por motivos exclusivamente externos.
9. As Três Formas da Teodicéia
As éticas de redenção individual do passado que rejeitaram o
mundo aplicaram essa rejeição a pontos muito diferentes dessa escala
construída de forma puramente racional. Isso dependeu de numerosas
circunstâncias concretas que não podem ser verificadas por uma tipologia
teórica. Além dessas circunstâncias, um elemento racional desempenhou
seu papel, ou seja, a estrutura de uma teodicéia especial.
A necessidade metafísica respondeu à consciência de tensões existentes
e insuperáveis, e, através da teodicéia, ela tentou encontrar um sentido
comum apesar de tudo.
Entre os três tipos de teodicéia que já1 designamos como as únicas
coerentes, o dualismo bem poderia servir a tal necessidade. Afirma
ele que os poderes da luz e verdade, pureza e bondade coexistem e
entram em conflito, sempre, com os poderes das trevas e da falsidade,
impureza e mal. Em última análise, este dualismo é apenas uma sistematização
direta do pluralismo mágico dos espíritos, com sua divisão
em espíritos bons (úteis) e maus (daninhos), que representam estágios
preliminares do antagonismo entre divindades e demônios.
O zoroastrismo foi a religiosidade profética que mais coerentemente
realizou essa concepção, e daí ter o dualismo principiado com
o contraste mágico entre o “puro” e o “impuro”. Todas as virtudes e
vícios estavam integrados neste contraste, que envolvia a renúncia à
onipresença de um deus cujo poder estava, na verdade, limitado pela
existência de um grande antagonista. Os seguidores contemporâneos
(os parses) na realidade abandonaram essa crença porque não podiam
tolerar sua limitação do poder divino. Na escatologia mais coerente, o
mundo da pureza e o mundo da impureza, de cuja mistura emanou o
mundo empírico fragmentário, separam-se repetidamente em dois rei-
OS ECONOMISTAS
188
1 Cf. nota 59 acima.
nos à parte. A esperança escatológica mais moderna, porém, faz que
o deus da pureza e da benevolência vença, tal como o cristianismo faz
que o Salvador triunfe sobre o mal. A forma mais coerente de dualismo
é a concepção popular mundial do céu e inferno, que restabelece a
soberania de Deus sobre o espírito do mal, que é Sua criatura e com
isso acredita que a onipotência divina está salva. Mas, com relutância,
deve então, abertamente ou não, sacrificar parte de seu amor divino.
Se mantida a onisciência, a criação de um poder de mal radical e a
admissão do pecado, especialmente em comunhão com a eternidade
dos castigos do inferno para uma das próprias criaturas finitas de
Deus, e para pecados finitos, simplesmente não corresponde ao amor divino.
Nesse caso, somente uma renúncia da benevolência tem coerência.
A crença na predestinação realiza essa renúncia, de fato e com
plena coerência. A reconhecida incapacidade do homem em escrutinizar
os caminhos de Deus significa que ele renuncia numa clareza sem
amor à acessibilidade do homem a qualquer significado do mundo.
Esta renúncia encerrou todos os problemas desse tipo. Fora do círculo
de virtuosos eminentes, a fé nesta coerência não teve duração permanente.
Isso ocorreu porque a fé na predestinação — em contraste com
a fé no poder irracional do “destino” — exige a suposição de uma
destinação providencial, e portanto um pouco racional, do condenado,
não só à desgraça, mas ao mal, embora exigindo a “punição” do condenado
e, com isso, a aplicação de uma categoria ética.
Tratamos da significação da fé na predestinação [em outro local].1
Mais tarde examinaremos o dualismo zoroastriano, e rapidamente apenas
— porque o número de crentes é pequeno. Poderia ser totalmente omitido,
se não fosse a influência das idéias persas de juízo final, bem como a
doutrina dos demônios e anjos, até o judaísmo recente. Devido a essas
influências, o zoroastrismo é de considerável significação histórica.
A terceira forma de teodicéia que vamos discutir foi peculiar à
religiosidade dos intelectuais indianos. Destaca-se em virtude de sua
coerência, bem como pela sua extraordinária realização metafísica: une
a auto-redenção do homem, semelhante à do virtuoso, com a acessibilidade
universal à salvação, a mais rigorosa rejeição do mundo com a
sua ética orgânica social, e a contemplação como o caminho mais destacado
para a salvação com uma ética vocacional do mundo interior.
WEBER
189
1 A Ética Protestante e o Espírito do Capitalismo.

ÍNDICE
WEBER — Apresentação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 5
Cronologia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 17
Bibliografia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 19
PARLAMENTARISMO E GOVERNO NUMA ALEMANHA
RECONSTRUÍDA . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 21
Prefácio . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 23
I — O legado de Bismarck . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 29
II — Burocracia e liderança política . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 39
1. Burocracia e política . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 39
2. As realidades da política partidária e a falácia do Estado
Corporativo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 42
3. Burocratização e a ingenuidade dos críticos . . . . . . . . . . . . . 46
4. As limitações políticas da burocracia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 50
5. O papel limitado do monarca . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 52
6. Parlamentos fracos e fortes, política negativa e positiva . . . 55
7. As fraquezas constitucionais do Reichstag e o problema
da liderança . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 57
III — O direito a inquérito parlamentar e o recrutamento de
líderes políticos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 65
1. Supervisão eficaz e a base de poder de burocracia . . . . . . . 66
2. O parlamento como campo de provas para líderes
políticos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 68
3. A importância das comissões parlamentares na guerra
e na paz . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 69
4. Crises internas e a falta de liderança parlamentar . . . . . . . 73
5. Profissionalismo parlamentar e direitos adquiridos . . . . . . . 76
IV — Burocracia e política externa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 83
1. O fracasso do governo em não refrear declarações
prejudiciais do monarca . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 83
2. Restrições parlamentares e legais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 91
V — Governo parlamentar e democratização . . . . . . . . . . . . . . . . 97
191
1. Sufrágio universal e parlamentarismo . . . . . . . . . . . . . . . . . . 97
2. O impacto da democratização da organização e liderança
dos partidários . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 98
3. Democratização e demagogia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 104
4. Liderança plebiscitária e controle parlamentar . . . . . . . . . . 107
5. A perspectiva da liderança eficaz na Alemanha de
pós-guerra . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 115
CAPITALISMO E SOCIEDADE RURAL NA ALEMANHA . . . . 119
O CARÁTER NACIONAL E OS “JUNKERS” . . . . . . . . . . . . . . . . 143
REJEIÇÕES RELIGIOSAS DO MUNDO E SUAS
DIREÇÕES . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 155
1. Motivos para a rejeição do mundo: o significado de sua
construção racional . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 157
2. Tipologia do ascetismo e do misticismo . . . . . . . . . . . . . . . . . 158
3. Direções da renúncia ao mundo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 160
4. A esfera econômica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 164
5. A esfera política . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 166
6. A esfera estética . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 172
7. A esfera erótica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 175
8. A esfera intelectual . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 181
9. As três formas da teodicéia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 188
OS ECONOMISTAS
192






Pesquisar este blog

Carregando...
arte (407) pintura (248) filosofia (102) fotografia (89) literatura (84) psicanálise (57) morte (37) HQ (28) freud (28) peanuts (27) skull (27) antropologia (26) comic (24) poesia (23) lacan (22) PSYCHOANALYSIS (20) Desenho (17) Picasso (15) o seminário (15) Bresson (13) cat (12) oriente (12) borges (11) kant (11) psicologia (11) foucault (10) levi-strauss (10) platão (10) SONHOS (9) religião (9) Kirchner (8) biografia (8) kafka (8) love (8) Ernest Max (7) Guimaraes Rosa (7) Ken Rosenthal (7) Mark Eshbaugh (7) NIETZSCHE (6) Salvador Dali (6) aristóteles (6) manet (6) snoopy (6) sociologia (6) Animais (5) Aristotle (5) Escher (5) Geertz (5) Hundertwasser (5) Lauren Simonutti (5) Sommer (5) medicina (5) munch (5) Arthur DOVE (4) CINEMA (4) Carl LARSSON (4) Cézanne (4) DICIONARIO (4) Descartes (4) Doré (4) Ernest Jones (4) Ernst HAAS (4) Guido Crepax (4) H. Bergson (4) Julio Cortázar (4) Kacere (4) Locke (4) Mucha (4) Richter (4) Van Gogh (4) Will Barnet (4) alexandre koyrè (4) caveira (4) drummond (4) gravura (4) hegel (4) história (4) linguística (4) monet (4) música (4) sartre (4) teatro (4) televisão (4) universo (4) verdade (4) Abbas (3) Arthur Rackham (3) Avigdor (3) Blake (3) CORINTH (3) Cambon (3) Connie Imboden (3) David Hockney (3) F. Hodler (3) Frida KAHLO (3) GEORGES BATAILLE (3) James Joyce (3) Kojeve (3) Konrad LORENZ (3) Lori Nix (3) M. J. A. Eguiño (3) Marcel MAUSS (3) Marqués de Sade (3) Marx (3) Memling (3) Pierre Bourdieu (3) Psychiatry (3) SENECA (3) Schopenhauer (3) Tom Chambers (3) Winnicott (3) arroyo (3) autobiografia (3) baby (3) caravaggio (3) cristianismo (3) dickens (3) einstein (3) erwitt (3) etologia (3) fisica (3) magia (3) planetas (3) B. F. Skinner (2) BACHELARD (2) Birman J. (2) CERVANTES (2) Castillo (2) Dix (2) Dulac (2) E. HOPPER (2) E. Nodel (2) ETNOLOGÍA (2) Ernest HAAS (2) Ferenczi (2) G. JOHN (2) GEORGE CANGUILHEM (2) Gustav Caillebotte (2) Hipocrates (2) J. Ensor (2) J. J. Tissot (2) JUNG (2) John Donne (2) KARL JASPERS (2) KIERKEGAARD (2) Kandinsky (2) Klimt (2) L. da VINCI (2) LOUIS ALTHUSSER (2) Lewis Carroll (2) M. Dzama (2) MAUGHAM (2) MERLEAU - PONTY (2) Mann (2) Melanie Klein (2) Neil Welliver (2) Norman Rockwell (2) Pascal (2) Piaget (2) Pollock (2) Quino (2) Roland Barthes (2) Sahlins (2) Serge Leclaire (2) St. Agostinho (2) Stratton (2) Vinicus de Moraes (2) Vuillard (2) WITTGENSTEIN (2) amor (2) beauvoir (2) biology (2) cogito (2) critica (2) cultura (2) diabo (2) erotic (2) estruturalismo (2) gide (2) guerra (2) loucura (2) lua (2) mind (2) mitologia (2) mitos (2) rilke (2) salomão (2) saturno (2) sono (2) sócrates (2) vida (2) ética (2) A. Comte (1) A. Warhol (1) Alix Malka (1) Andreas Gursky (1) Anticristo (1) Arcimboldo (1) Aristófanes (1) Augusto dos Anjos (1) B. Barbey (1) B. Jacklin (1) Bagheria (1) Barbara Morgan (1) Basquiat (1) Berkeley (1) Bhagavad-Gita (1) Bhopal (1) Bocklin (1) Bouguereau (1) Brauner (1) Bruegel (1) Brueghel (1) Brueguel (1) Burt GLINN (1) CALOUSTE GULBENKIAN (1) CAZOTTE (1) CRVANTES (1) Charles S. Peirce (1) Chavannes (1) China (1) Claesz (1) Confucius (1) Confúncio (1) D. (1) DAVIS Stuart (1) DEGAS (1) DELACROIX (1) Dalton Trevisan (1) Deleuze (1) Denis (1) Design (1) Diebenkorn (1) Diógenes (1) E. (1) ERNST CASSIRER (1) Emile Durkheim (1) Empédocles (1) Epimenides (1) F. Vallotton (1) FERDINAND DE SAUSSURE (1) Feuerbach (1) Feyerabend (1) Florbela Espanca (1) Franceco Clemente (1) Franz Marc (1) GROOT (1) GUSTON (1) Galileu (1) Gestalt (1) Graham (1) Grécia (1) Guercino (1) H. Arendt (1) H. MARCUSE (1) Hals (1) Helmut Newton (1) Holbien (1) Hume (1) J. Derrida (1) J.-F. Millet (1) Jan Van KESSEL (1) Jean Laplanche (1) KROYER (1) Kandel E. (1) Keane (1) Kim (1) Kitaoka (1) Klee (1) Knight (1) Korand Von SOEST (1) Kôhler (1) Liev Tolstói (1) M. Mead (1) Malinowski (1) Mantegna (1) Mark Petrick (1) Max Weber (1) Mário Quintana (1) Münter (1) N. Chomsky (1) NEIL GAIMAN (1) Nasio (1) Otto Rank (1) Ovídio (1) Palencia (1) Parmênides (1) Paul DELVAUX (1) Peter HILLE (1) Raduan Nassar (1) Ron Van Dongen (1) S. Franklin (1) Sandman (1) Satrapi (1) Schiele (1) Shakespeare (1) Silvers (1) Siqueiros (1) Spinoza (1) St. T. de Aquino (1) TELEPATIA (1) TODOROV (1) Tarsila do Amaral (1) Taschen (1) Thomas HOPKER (1) Truffaut (1) Tycho (1) Uccello (1) Velvet underground Nico (1) Verne (1) Victor Brochard (1) W. Metcalf (1) Web (1) Weinberg (1) William Bailey (1) Woody Allen (1) Xenofonte (1) Y. Utagawa (1) Yoshitoshi (1) alessandro gottardo (1) arcoiris (1) armour (1) arquitetura (1) asselyn (1) ate (1) bassano (1) biblia (1) breton (1) cartoon (1) ceticismo (1) cocaina (1) conto (1) criança (1) dança (1) direito (1) dor (1) eclesiastes (1) economia (1) edgar allan poe (1) edgar morin (1) ego (1) ensaio (1) epicurus (1) espelho (1) estações (1) eu (1) fala (1) feed (1) foto (1) frr (1) física (1) game (1) gato (1) giger (1) girafa (1) goya (1) hamlet (1) hoffmann (1) humor (1) identificação (1) impressionismo (1) intuição (1) jakobson (1) japan (1) krsna (1) kundera (1) lacn (1) leminski (1) lévi-strauss (1) mafalda (1) magritte (1) miró (1) moda (1) moral (1) mundo (1) mãe (1) narrativa (1) nausea (1) neruda (1) nokides (1) ocultismo (1) perguntas (1) poeso (1) poker (1) política (1) praia (1) sabedoria (1) sapatos (1) saramago (1) semina (1) semiótica (1) shopenhauer (1) soutine (1) suicidio (1) swan (1) sêneca (1) tatoo (1) tatuagem (1) tese (1) titã (1) touro (1) umberto eco (1) valentina (1) venus (1) virtude (1) war (1) weeks (1)
 

sobrefulanos by nokides