Primeiras Estórias | João Guimarães Rosa

| sexta-feira, 30 de outubro de 2009
Ele me escutou. Ficou em pé. Manejou remo n'água, proava para cá, concordado. E eu tremi, profundo, de repente: porque, antes, ele tinha levantado o braço e feito
um saudar de gesto - o primeiro, depois de tamanhos anos decorridos! E eu não a... Por pavor, arrepiados os cabelos, corri, fugi, me tirei de lá, num procedimento
desatinado. Porquanto que ele me pareceu vir: da parte de além. E estou pedindo, pedindo, pedindo um perdão.









PRIMEIRAS ESTÓRIAS
Texto integral
Vida e obra de João Guimarâes Rosa
N
a noite de 19 de novembro de 1967, domingo, morria subitamente em sua residência em Copacabana, vítima de enfarte, o romancista João Guimarães Rosa. Pela sua enorme
proteção como escritor, pelo inesperado do fato, o abalo provocado por essa morte foi bem além da área literária, com ressonância no exterior. Eram apenas decorridos
três dias de sua posse na Academia, repercutiam ainda bem quentes os ecos da solenidade; e não haviam transcorrido ainda seis meses da publicação de Tutaméia, seu
último livro, um dos best-sellers do ano. A consternação atingiu todo o país.
Tinha 59 anos, 20 apenas de literatura. Mas nesse período tão breve numa carreira de escritor, realizara uma obra e atingira uma glória como bem raros iá terão conseguido.
Como se tivesse o pressentimento de que se iria cedo e tivesse, por isso, de viver em intensjdade.
Foi um fenômeno na literatura brasileira. Aparecera aos 38 anos, com um volume de contos que se tornaria um marco. Publicaria apenas mais quatro livros. - Mas, com
seus experimentos lingUísticos, sua técnica, seu mundo ficcional, renovou o nosso romance, abrindo-lhe inéditos caminhos.
Obra discutida, obra filmada. E que começava a se impor ínternacionalmente. Ensaístas estrangeiros vinham ao Brasil, para estudá-la. Livros seus iá se encontravam
traduzidos para os mais importantes idiomas - o francês, o inglês, o italiano, o espanhol, o alemão. A complexidade de sua linguagem não constituía barreira intransponível:
mesmo sem a insólita beleza da forma original, traduzida a obra, o conteúdo se mantinha, em todo o poder. E seu nome acabara de ser apontado, pela França, para o
Prêmio Nobel.
Tão poderoso como espírito criador, em matéria de temperamento era um sensível, um emotivo. E foi justamente a emoção que o matou. Há quatro anos protelava a posse
na Academia, receando a emoção da noite. Sorria-se desse pressentimento. E três dias depois dessa posse, quando se encontrava sozinho em casa, na mesa de trabalho,
às oito e meia da noite do Dia da Bandeira, paralisa-se-lhe o coração.
Suas últimas (raras) palavras em público -o discurso de posse, em que fez o elogio do antece&vóy - tinham algo de vaticínio. Falando sobre o amigo morto, viu-se
depois, parecia que era de si mesmo que falava. E a primeira e última palavra pronunciada foi Cordisburgo. Como se prestasse a última homenagem à sua pequena terra,
que simbolizaria, para si, aquele mundo que, com tanta ternura e tanta grandeza, transportara, idealizado, para sua literatura.
Primeiro dos seis filhos de Florduardo Pinto Rosa, abastado negociante, e de d. Francisca (Chiquitinha) Guimarães Rosa, nasceu João Guímarães Rosa a 27 de junho
de 1908 em Cordisburgo (Estado de Minas), cidade situada entre Curvelo e Sete Lagoas - zona de fazendas e engorda de gado.
A propósito de sua meninice, dirá mais tarde o escritor, em entrevista:
"Não gosto de falar em infância. um tempo de coisas boas, mas sempre com pessoas grandes incomodando a gente, intervindo, estragando os prazeres. Recordando o
tempo de criança, vejo por lá um excesso de adultos, todos eles, mesmo os mais queridos, ao modo de soldados e policiais do invasor, em pátria ocupada. Fui rancoroso
e revolucionário permanente, então. Já era míope, e nem mesmo eu, ninguém sabia disso. Gostava de estudar sozinho e de brincar de geografia. Mas, tempo bom de verdade,
só começou com a conquista de algum isolamento, com a segurança de poder fechar-me num quarto e trancar a porta. Deitar no chão e imaginar estórias, poemas, romances,
botando todo mundo conhecido como personagem, misturando as melhores coisas vistas e ouvidas".
E relembra, em seguida, algumas de suas distrações infantis: "armar alçapões para apanhar sanhaçQs - e depois tornar a soltá-los. Que marà7vilha! Puxar sabugos de
espigas de milho, feito boizinhos de carro, brinquedo saudoso: atrelar um sabugo branco com outro vermelho, e mais uma junta de bois pretos - sabugos enegrecidos
ao fogo. Prender formiguinhas em ilhas, que eram pedras postas num tanque raso, e unidas por pauzínhos, pontes para formiguinha passar. Aproveitar um fiozinho d'água,
que vinha do posto das lavadeiras, e mudar-lhe duas vezes por dia o curso, fazendo-o de Danúbio ou de São Francisco, ou de Sapakral-lal (velho nome inventado), com
todas as curvas dos ditos, com as cidades marginais marcadas por grupos de pedrinhas, tudo isso sob o vôo matinal das maitacas de Nhô Augusto Matraca, no quintal".
E Ïinclui a revivescência, com uma promessa: "Um dia ainda hei de escrever um pequeno tratado de brinquedos para meninos quietos".
Sagarana e Corpo de Baile estão cheios dessas recordações. O Burrinho Pedrês, por exemplo, épersonagem de infância. Campo Geral, a esplêndida novela de abertura
de Corpo de Baile, também nos traz muito do ambiente de meninice do escritor. O episódio final, da miopia revelada, e
o esplendor de um mundo surgido de repente através dos óculos, se entrosa, perfeitamente, com as confissões do escritor na mesma entrevista.
• Guímarães Rosa aprendeu as primeiras ktras com mestre Candinho, em Cordisburgo, o francês com frei Esteves, franciscano. Foi sempre aluno excelente, surpreendendo
os professores pela inteligência e aplicação. Desde cedo mostrou inclinação para línguas, e, aos seis anos, lia o primeiro livro em francês - Les Femmes qui Aiment.
Em 1918 o avô e padrinho Luís Guimarães leva-o para Belo Horizonte, matriculando-o no primeiro ano gínasíal do Colégio Arnaldo, onde estudaram também Drummond e
Gustavo Capanema. E ele entrega-se aos livros, com entusiasmo; em breve, vamos encontrá-lo a pedir licença para freqüentar a biblioteca da cidade. Embora o seu grande
amor ao estudo, não desprezava os es-portes, principalmente futebol. Mas foram as línguas a sua principal paixão: estudava-as com afinco, sem se descuidar das respectivas
gramáticas.
Outra matéria de sua predileção foi a história natural. Dos dez aos 714 anos colecionou insetos, borboletas; amava os animais, aprendeu a conhecê-los intimamente
- e a sua obra mostra bem os profundos conhecimentos que tem da matéria. Quando ia a Cordisburgo, pelas férias, explorava os matos, à procura de cobras.
Lia bastante, tendo conhecido Euclides da Cunha ainda nos bancos escolares. Entretanto, a estilo árido, difícil para a sua idade, fazia-o pular páginas, amortecia-lhe
o interesse. Só muito mais tarde (quando Sagarana já se encontrava em provas) é que o releu devidamente.
Terminados os preparatórios, Guimarães Rosa matriculou-se na Faculdade de Medicina de Minas Gerais. Durante o curso médico conheceu no hospital da Santa Casa de
Belo Horizonte o dr. Juscelíno Kubitschek de Oliveira de quem se tornou bom amigo. A propósito dek, dizia Guimarães Rosa ao seu amigo o romancista e professor Geraldo
França de Lima: "Jamais uma pessoa me tratou tão bem".
Nessa época, premido por necessidade financeira, escreveu contos, publicados na revista O Cruzeiro. Concorreu quatro vezes, e em todas foi premiado com cem mil-réis.
Mas escrevia fria-mente, sem paixão, preso a moldes alheios, como confessou. Na verdade, o importante eram os cem mil-réis do prêmio...
Depois de formado, foi Guimarães Rosa exercer a profissão em ltaguara, município de ltaúna, onde permaneceu por dois anos. A razão da escolha é que lhe haviam dito
não existir médico por aquelas bandas. E na verdade, era excelente iniciar a profissão sem concorrência...
Aproveitava todos os momentos disponíveis para estudar (mesmo durante as viagens a cavalo), e de tal modo se familiarizou com a profissão que era capaz de dar o
diagnóstico apenas pela fisionomia do doente. Cobrava as visitas que fazia, como médico, pelas distâncias que, a cavalo, tinha de percorrer. Nem podia ser de outra
forma, porque, quando chegava ao local, o dono da casa, a fim de baratear a consulta, aproveitava-lhe a presença para uma revisão geral na saúde da família.
Médico dedicado, acabou por se tornar respeitadíssimo naquelas regiões. Perder um doente era, para ele, particularmente, algo de trágico. E uma vez em que isso aconteceu
ficou aflltissimo, sem saber que resolução tomar. O padre já esperava ao lado do morto, para encomendar-lhe o corpo, e Rosa ainda lhe aplicavQ injeções sobre injeções,
como se pretendesse ressuscitá-lo.
Foi uma noite de agonia. Em casa, mais tarde, o futuro escritor fechou-se no quarto, sem querer jantar, imaginando represálias por parte dos parentes e amigos do
morto, quem sabe um linchamento... Soube depois que a preocupação era inteiramente infundada, e que todos haviam reconhecido que ele fizera o impossível.
** *
Dois anos mais tarde retornou Guimarães
• Rosà a Belo Horizonte. Por ocasião da Revolução Constitucionalista de 1932, atua como médico voluntário da Força Pública, indo servir no setor do Túnel. Encontrou-se
de novo com o amigo doutor Juscelino, e na pequena localidade estreitaram as relações de amizade. (Trinta e cinco anos depois, ao tomar posse na Academia, quando
recebia o abraço do- ex-presidente da República - que fizera parte da mesa -, Rosa assim lhe responde ao cumprimento: - "Com a mão na pala, meu coronel".)
Posteriormente Guimarães Rosa entra noquadro da Força Pública, por concurso. Em 1934, vamos encontrá-lo em Barbacena, como oficial médico do 9•O Batalhão de Infantaria.
Aí, a vida calma dá-lhe oportunidade para se entregar melhor aos seus livros. Mesmo sem se descuidar da medicina, retorna ao estudo das línguas. "Estudava línguas
para não me afogar completamente na vida do interior" - confessará depois. E através de um russo branco que se encontrava meio perdido por aquelas bandas, como soldado
da polícia militar de Minas, pôde confrontar pela primeira vez a sua pronúncia. Depois, por intermédio de cadetes e de antigos oficiais do exército czarista, aparecidos
em Barbacena como componentes do Coro dos Cossacos do' Juban e do Don, pôde aperfeiçoar seus estudos. Foi a essa altura que um amigo, impressionado com os conhecimentos
que tinha Guimarães Rosa das línguas estrangeiras, deu-lhe a sugestão:
- Se você gosta tanto de estudar línguas, por que não faz concurso para o Itamarati?
Rosa pensou no caso, e acabou por aceitar o conselho. adquiriu livros, estudou muito, e em 1934 veio para o Rio, enfrentar o concurso para o Ministério do Exterior,
onde obtém o segundo lugar.
Durante todo esse tempo, manteve suas ligações com a literatura. Além' de contos, escrevia versos, chegando a organizar uma seleção deles num volume Magma com
o qual concorreu em 1936 ao prêmio de poesia da Academia Brasileira. O livro sai vitorioso, sendo o parecer do relator - o poeta Guilherme de Almeida - altamente
lisonjeiro. Apesar disso, tal obra não foi publicada até hoje.
Em 1937, a saudade da terra levou Guimarães Rosa a escrever os contos de Sagarana, onde, com estilo vigoroso, apresenta a paisagem mineira em toda a sua beleza selvagem,
a vida das fazendas, dos vaqueiros e dos criadores de gado - estórias de gente simples vividas ou imaginadas -, o mundo em que passara a infância e a mocidade. Transpunha
também, para o livro, a linguagem rica e pitoresca daquela gente, registrando regionalismos, muitos deles ainda não utilizados em literatura.
Levou sete meses para escrever o livro -"sete meses de exaltação, de deslumbramento" -declarará. Em dezembro de 1937, resolve concorrer com o volume ao Prêmio Humberto
de Campos, instituído então pela Livraria José Olympio Editora. Queria ganhar o concurso, naturalmente; mas desejava, sobretudo, saber do valor do trabalho. Não
conhecia ninguém na área literária, e a opinião da comissão julgadora (constituída por Gracíliano Ramos, Marques Rebelo, Prudente de Morais Neto, Dias da Costa e
Peregrino Júnior) era um excelente meio de tomar o próprio pulso. Remeteu à comissão os originais - que• então se intitulavam apenas Contos - para disputar o prêmio
com outros 57 concorrentes: apresenta-se modestamente como Viator. Saiu vencido por três votos a dois. No mundo literário ninguém sabia quem era o autor que chegara
à final do concurso:
era o desconhecido Viator. Por esse tempo (1938-1939) o editor José Olympio procura com insistência, através da imprensa e de amigos, descobrir quem era Viator para
editar-lhe o livro: mas inutilmente. Viator sumira. Um dos juízes, o grande e saudoso Graciliano Ramos, a propósito do assunto escreveu artigo divulgado na imprensa
do país em 1946 - "Conversa de Bastidores -onde narra episódios do concurso.
(O livro Sagarana não foi o que se submeteu aooncurso sob o simples título de Contos. Sagarana é a depuração deste, escoimado, reduzido (de quínhentas e tantas
páginas às três centenas de hoje), refeito, portanto, segundo o critério rigoroso do autor. No depoimento de Gracilíano Ramos encontram-se fatos da vida de Rosa
e a história do Prêmio Humberto de Campos de 1938.
Em 1938, nomeado cônsul-adjunto em Hamburgo, o escritor segue para a Europa, onde recebe a notícia de que a obra premiada fora Maria Perigosa, coletânea de contos
de Luís Jardim (de quem, aliás, o escritor se tornaria, mais tarde, amigo e admirador).
Em 1942, quando o Brasil rompe com a Alemanha, Gwmarães Rosa é internado, com Cícero Dias, Cyro de Freítas Vale e outros, em Baden-Baden. Aproxima-se de Cícero Dias,
com quem faz amizade, e acaba por mostrar-lhe os originais de Sagarana. O pintor gosta do livro, e anima-o a publicá-lo.
Libertado mais tarde com os outros, em troca de diplomatas alemães, o escritor retorna ao Brasil. Depois de rápida passagem pelo Rio, segue para Bogotá, como secretário
de embaixada, de onde volta em 1944. Um ano depois, retoma os originais de Sagarana, e, em cinco meses de trabalho árduo e contínuo, refaz inteiramente o livro,
suprimindo duas estórias. O volume é publicado em 1946 pela Editora Universal, com sucesso ruidoso, esgotando-se, no mesmo ano, duas edições. Recebe o prêmio da
Sociedade Felipe d'Oliveira e é aclamado como uma das mais importantes obras de ficção aparecidas no Brasil contemporâneo.
Ainda em 1946, nomeado chefe-de-gabinete do ministro João Neves da Fontoura, Guimarães Rosa vai a Paris, como membro da delegação àConferência da Paz. Em 1948, está
em' Bogotá, como secretário-geral da delegação brasileira áJX Conferência Interamericana. De 1948 a 1950, encontra-se novamente em Paris, respectivamente como primeiro-secretário
e conselheiro de embaixada. Em 1951, de volta ao Brasil, é de novo nomeado chefe-de-gabinete do ministro João Neves. Em 1953 torna-se chefe da Divisão de Orçamento,
sendo em 1958 promovido a ministro de 1 •a classe (cargo que corresponde a embaixador); em 1962 (janeiro) assume a chefia do Serviço de Demarcação de Front.iras,
cargo este que exerceu com especial empenho, tendo tomado parte ativa em momentosos casos como os do Pico da Neblina (1965) e das Sete Quedas (1965).
Apesar das constantes andanças pelo estrangeiro, o escritor não perde o contato com a terra natal. Em 1945, vai ao interior de Minas rever as paisagens de infância;
e, em 1952, faz uma excursão a Mato Grosso, de onde traz uma reportagem poética. Com o Vaqueiro Mariano - publicada na imprensa carioca e paulista e depois em piaquete
de edição limitada a cem exemplares.
Finalmente, em janeiro de 1956, reaparece nas livrarias com as novelas de Corpo de Baile, onde continua a experiência iniciada em Sagarana, cuja 4/ edição, revista,
é também lançada com ilustrações de Poty. A nova obra, em dois volumes (822 páginas), compõe-se de sete longos trabalhos, todos tendo por cenário o mesmo sertão
mineiro. Mas agora, na amplitude da novela, Guimarães Rosa exibe ainda melhor a sua força. A linguagem, de uma riqueza insólita, adquire intensa plasticidade; e
a temática, o estudo dos personagens, a descrição minuciosa dos ambientes - tudo acompanha essa espantosa evolução.
Ainda em 1956 (maio), apresenta o romance Grande Sertão: Veredas. Neste terceiro livro -narrativa épica a desenvolver-se em seiscentas páginas maciças, a focar,
numa nova dimensão, o ambiente e a gente rude do sertão mineiro - vaqueiros, jagunços -, exibe Guimarães Rosa extraordinária capacidade de transmissão de seu mundo.
O romance tem, como fulcro, a estória do proibido amor de Riobaído por Diadorim. E a par da técnica e da linguagem, surpreendentes, éde destacar-se na obra, mais
do que na precedente, o adirável poder criador do romancista, o agudo analisit dos conflitos psicológicos.
O livro causa impacto, e mais tarde correria mundo. Devido, sobretudo, às suas inovações formais, crítica e leitores se dividem em louvações apaixonadas e ataques
ferozes. Mas isso não impede que o romance se torne um sucesso de livraria, e que receba nada menos de três prêmios: o Machado de Assis, do Instituto Nacional do
Livro;
o Carmem Dolores Barbosa, de São Paulo; e o Paula Brito, da municipalidade do Rio de Janeiro. De um modo ou de outro, o autor éconsiderado figura singular no panorama
de nossa literatura moderna, torna-se verdadeiro "caso" nacional.Passa Guimarães Rosa largo período sem publicar novo livro. Mas o respeito e o interesse pela sua
obra continuam a aumentar, tanto no que diz respeito à crítica quanto ao público. Em 1961, conferem-lhe a consagração oficial, com a atribuição do Prêmio Machado
de Assis, da Academia Brasileira de Letras, para conjunto de obra. E essa obra começa, inclusive, a ser conhecida no estrangeiro. Ainda em 1961, ao mesmo tempo em
que Sagarana é editada em Portugal, aparece na França a tradução da primeira parte de Corpo de Baile, lançada pelas edições Du Seuil (a segunda parte surgirá no
ano seguinte).
Em 1962, o escritor reaparece com novo livro, desta vez um 'volume magro - Primeiras Estórias, em que reúne 21 pequenos contos. E embora sem a largueza, o caráter
sinfônico das obras anteriores, estão presentes, talvez até em grau mais acentuado, aquelas surpreendentes pesquisas formais. Caracterizam-se ainda essas miniaturas
por sua grande delicadeza, e uma atordoante poesia.
Em maio de 1963, Guimarães Rosa candidata-se, pela segunda vez, à Academia (a primeira fora em 1957), na vaga de João Neves da Fontoura. A eleição dá-se a 8 de agosto,
e desta vez o escritor é eleito por unanimidade. Mas não émarcado o dia da posse.
Em 1965, seu conceito no exterior é invejável. Além da França, livros seus já aparecem traduzidos na Itália, Estados Unidos, Canadá e Alemanha (onde Grande Sertão:
Veredas alcança, em 1964, três edições sucessivas, tendo comparecido, na festa de lançamento, o presidente da Alemanha, Luebke). Passa a interessar, igualmente,
aos nossos cineastas. Levado à tela, Grande Sertão: Veredas constitui uma experiência não muito feliz. Mas o conto A Hora e Vez de Augusto Matraga possibilita a
Roberto Santos a realização, em 1966, de um filme admirável, que se projeta em vários festivais internacionais. 1967 anuncia-se como 1956 um grande ano para Guimarães
Rosa. Em abril, vai ao México, a fim de representar o Brasil no 1 Congresso Latino-Americano de Escritores, no qual atua como vice-presidente. No regresso, é convidado
para fazer parte, ao lado de Jorge Amado e Antônio Olinto, do júri do II Concurso Nacional de Romance "Walmap" - que, pelo valor material do prêmio, é o mais importante
do país (arrebatado pelo livro Jorge, um Brasileiro, de Oswakio França Júnior). Em meados do ano, publica Tutaméia - nova coletânea de contos.
Pequeno como o anterior, traz o novo livro o subtítulo de "terceiras estórias", embora não tenha havido segundas. E com a singularidade de ter quatro prefácios.
Aliás, dír-se-ia estar o escritor a exorbitar da originalidade, sua literatura caminha numa direção que a alguns inquieta. Tutaméia apresenta-se como obra aparentemente
hermética, tais as singularidades de sua parte formal. Novamente, a crítica se divide. Mas um crítico como Assis Brasil considera que Guimarães Rosa apresenta, neste
livro, "a chave estilística de sua obra, um resumo didático de sua criação". Leo Gilson Ribeiro escreve em São Paulo que Tutaméia "é a bomba atômica da literatura
brasileira". De qualquer modo, o nome do autor canaliza para o volume uma grande acolhida: repete-se o êxito editorial do livro anterior.
Em outubro, participa Guimarães Rosa, na qualidade de relator, do debate promovido pelo Conselho Nacional de Cultura, em torno do problema levantado pelos filólogos
brasileiros e portugueses, em favor de um novo acordo lingUístico luso-brasileiro. Manifesta-se contra o acordo, sendo o seu parecer apoiado, por unanimidade, pela
comissão, constituída ainda por Rachei de Quei roz, Adonias Filho, Moisés Vellinho e Cassiano Ricardo.
Finalmente, decide-se a tomar posse na Academia; e marca a solenidade para o dia 16 de novembro data do aniversário de nascimento de seu antecessor: João Neves
faria então 80 anos.
A cerimônia da posse, na qual foi saudado pelo acadêmico Afonso Arinos, é um acontecimento. E seu discurso, onde faz a apologia de João Neves da Fontoura, uma página
magnífica página tipicamente rosiana.
Vem a falecer três dias depois, na noite de domingo, 19. Na manhã de segunda-feira foi o corpo transportado para a Academia, onde ficou exposto à visitação. Desfilaram
diante do esquife centenas e centenas de pessoas, desde anônimos às mais ilustres figuras da política, da diplomacia, da literatura. Ao sair o corpo da Academia,
fala em nome dos companheiros o presidente Austregésilo de Athayde.
O sepultamento, com grande acompanhamento, teve lugar no cemitério de São João Batísta, no mausoléu da Academia. E a repercussão dessa morte, na imprensa do Brasil
e do exterior, constituiu fato raro nos anais de nossa literatura.
Da 'primeira esposa João Guimarães Rosa teve duas filhas Agnes e Vilma, que há pouco estreou com o livro Acontecências, lançado uma semana antes do falecimento
de Rosa, e a propósito do qual escreveu ele talvez o derradeiro escrito não tendo filhos, porém, da segunda, dona Aracy Moebius de Carvalho.
(Perfil escrito por Renard Perez para o livro Em
Memória je João Guimarães Rosa, Editora José
Olympio, 1968.)
1
As margens da alegria
1
E
sta é a estôría. Ia um.meníno, com os tios, passar. dias. no lugar onde se construía a grande cidade. Era uma.. viagem inventada no feliz; para ele, produzia-se
em caso de sonho. Saíam ainda com o. escuro, o ar fino de cheiros desconhecidos. A mãe e o pai vinham trazê-lo ao aeroporto. A tia e o tio tomavam conta dele, justínhamente.
Sorria-se, saudava-se, todos se ouviam e falavam. Q avião era da companhia, especial, de quatro lugares. Respondlam-lhe a todas as perguntas, até o piloto 'conversou
com ele. O vôo ia ser pouco mais de duas horas. O menino fremla no acorçôo, alegre de se rir para si, confortavelzlnho, com um jei1o de folha a cair. A vida podia
às vezes ralar numa ver a e xtraordinãría. Mesmo o afivelarem-lhe o cinto de segurança virava forte afago, de proteção, e logo novo senso de esperança: ao não-sabido,
ao mais. Assim um crescer e desconter-se - certo como o ato de respirar - o de fugir para o espaço em branco. O menino.
E as coisas vinham docemente de repente, seguindo harmonia prévia, benfazeja, em movimentos concordantes: as satisfações antes da consciência das necessidades. Davam-lhe
balas, chicles, à escolha. Solicito de bem-humorado, o tio ensinava-lhe como eta recllnável o assento bastando a gente premer manivela. Seu lugar era O da janellnha,
para o mável mundo. Entregavam-lhe revistas, de folhear, quantas quisesse, até um mapa, nele mostravam os pontos em que ora e ora se estava, por cima de onde. O
menino deixava-as, fartamente, sobre os joelhos, e espiava: as nuvens de amontoada amabilidade, o azul de só ar, aquela claridade à larga, o chão plano em visão
cartográfica, repartido de roças e campos, o verde que se ia a amarelos e vermelhos e a pardo e a verde; e, além, baixa, a montanha. Se homens, meninos, cavalos
e bois - assim insetos? Voavam supremamente. O menino, agora, vivia; sua alegria despedindo todos os raios. Sentava-se, inteiro, dentro do macio rumor do avião:
o bom brinquedo trabalhoso. Ainda nem notara que, de fato, teria vontade de comer, quando a tia já lhe oferecia sanduíches. E prometia-lhe o tio as muitas coisas
que ia brincar e ver, e fazer e passear, tanto que chegassem. O menino tinha tudo de uma vez, e nada, ante a mente. A luz e a longa-longa-longa nuvem. Chegavam.
II
Enquanto mal vacilava a manhã. A grande cidade apenas começava a fazer-se, num semi-ermo, no chapa-dão: a mágica monotonia, os diluídos ares. O campo de pouso ficava
a curta distância da casa - de madeira, sobre estacões, quase penetrando na mata. O menino via, vislumbrava. Respirava muito. Ele queria poder ver ainda mais vívido
- as novas tantas coisas - o que para os' seus olhos se pronunciava. A morada era pequena, passava-se logo à cozinha, e ao que não era bem quintal, antes breve clareira,
das árvores que não podem entrar dentro de casa. Altas, cipós e orquideazinhas amarelas delas se suspendiam. Dali, podiam sair índios, a onça, leão, lobos, caçadores?
Só sons. Um - e outros pássaros
- com cantos compridos. Isso foi o que abriu seu coração. Aqueles passarinhos bebiam cachaça?
Senhor! Quando avistou o peru, no centro do terreiro, entre a casa e as árvores da mata. O peru, imperial, dava-lhe as costas, para receber sua admiração. Estalara
a cauda, e se entufou, fazendo roda: o rapar das asas no chão brusco, rijo se proclamara. Grugulejou, sacudindo
o abotoado grosso de bagas rubras; e a cabeça possuía laivos de um azul-claro, raro, de céu e sanhaços; e ele, completo, torneado, redondoso, todo em esferas
e planos, com reflexos de verdes metais em azul-e-preto - o peru para sempre. Belo, belo! Tinha qualquer coisa de calor, poder e flor, um transbordamento. Sua ríspida
grandeza tonltriante. Sua colorida empáfia. Satisfazia os olhos, era de se tanger trombeta. Colérico, encachiado, andando, gruzlou outro gluglo. O menino riu, com
todo o coração. Mas só bis-viu. Já o chamavam, para o passeio.
III
Iam de jipe, iam aonde ia ser um sítio do Ipê. O menino repetia-se em íntimo o nome de cada coisa. A poeira, alvissareira. A malva-do-campo, os lentiscos. O velame-branco,
de pelúcia. A cobra-verde, atravessando a estrada. A arnica: em candelabros pálidos. A aparição angélica dos papagaios. As pitangas e seu pingar. O veado campeiro:
o rabo branco. As flores em pompa arroxeadas da canela-de-ema. O que o tio falava: que ali havia "imundície de perdizes". A tropa de seriemas, além, fugindo, em
fila, índio-a-índio. O par de garças. Essa paisagem de muita largura, que o grande sol alagava. O
;' buritl, à beira do corguínho, onde, por um momento, 'atolaram. Todas as coisas, surgidas do opaco. Sustentava-se delas sua incessante alegria, sob espécie
sonhosa, bebida, em novos aumentos de amor. E em sua memória ficavam, no perfeito puro, castelos já armados. Tudo, para a seu tempo ser dadamente descoberto, fizera-se
primeiro estranho e desconhecido. Ele estava nos ares.
Pensava no peru, quando voltavam. Só um pouco, para não gastar fora de hora o quente daquela lembrança, do mais importante, que estava guardado para ele, no terreirínho
das árvores bravas. Só pudera tê-lo um instante, ligeiro, grande, demoroso. Haveria um, assim, em cada casa, e de pessoa?
Tinham fome, servido o almoço, tomava-se cerveja. O tio, a tia, os engenheiros. Da sala, não se escutava o galhardo ralhar dele, seu grugulejo? Esta grande cidade
la ser a mais levantada no mundo. Ele abria leque,. impante, explodido, se eunava... Mal comeu dos doces,. a marmelada, da terra, que se cortava bonita, o perfume
em açúcar e carne de' flor. Saiu, sôfrego 'de o rever.
Não viu: imediatamente. A mata é que era tão feia de altura. E - onde? Só umas penas, restos, no chão. - "Uê se matou. Amanhã não é o dia-de-anos do doutor?"
TudÓ perdia a eternidade e a certeza; num luf o, num átimo, da gente as mais belas coisas se roubavam. Como podiam? Por que tão de repente? Soubesse que ia acontecer
assim, ao menos teria olhado mais o peru aquele. O peru-seu desaparecer no espaço. Só no grão nulo de um minuto, o menino recebia. em si um. miligrama de morte.
Já o buscavam: - "Vamos aonde a grande cidade vai ser, o lago..
IV
Cerrava-se, grave, num cansaço e numa renúncia àcuriosidade, para não passear com o pensamento. Ia. Teria vergonha de falar do peru. Talvez não devesse, não fosse
direito ter por causa dele aquele doer, que põe e punge, de dó, desgosto e desengano. Mas, matarem-no, também, parecia-lhe obscuramente algum erro. Sentia-se sempre
mais cansado. Mal podia com o que agora lhe mostravam, na circuntristeza: o um horizonte, homens no trabalho de terraplenagem, os caminhões de cascalho, as vagas
árvores, um ribeirão de águas cinzentas, o velame-do-campo apenas uma planta desbotada, o encantamento morto e sem pássaros, o ar cheio de poeira. Sua fadiga, de
impedida emoção, formava um medo secreto:
descobria o possível de outras adversidades, no mundo maquinal, no hostil espaço; e que entre o contentamento e a desilusão, na balança infidelíssima, quase nada
medela. Abaixava a cabecinha.
s Ali fabricava-se o grande chão do aeroporto - transitavam no extenso as compressoras, caçambas, cilindros, o:carneiro socando com seus dentes de pilões, as betumadoras.
E como haviam cortado lá o mato? - a tia perguntou. Mostraram-lhe a derrubadora, que havia também: com à frente uma lâmina espessa,, f1t limpa-trilhos, à espécie
de machado. Queria ver? Indicou-se uma árvore: simples, sem nem notável aspecto, à orla da área matagal. O homenzinho tratorista tinha um toco de cigarro na boca.
A coisa pôs-se em movimento. Reta, até que devagar. A árvore, de poucos galhos no alto, fresca, de casca clara.., e foi só o chofre: uh... sobre o instante ela
para lá se caiu, toda, toda. Trapreara tão bela. Sem nem se poder apanhar com os olhos o acertamento - o inaudito choque - o pulso da pancada. O menino fez ascas.
Olhou o céu - atônito de azul. Ele tremia. A árvore, que morrera tanto. A limpa esguiez do tronco e o marulho imediato e final de seus ramos - da parte de nada.
Guardou dentro da pedra.
V
De volta, não queria sair mais ao terreirinho, lá era uma saudade abandonada, um incerto remorso. Nem ele sabia bem. Seu pensamentozinho estava ainda na fase hieroglífica.
Mas foi, depois do jantar. E - a nem espetaculosa surpresa - viu-o, suave inesperado: o peru, ali estava! Oh, não. Não era o mesmo. Menor, menos muito. 'linha o
coral, a arrecauda, a escova, o grugulhar grufo, mas faltava em sua penosa elegância o recacho, o englobo, a beleza esticada do primeiro. Sua chegada e presença,
em todo o caso, um pouco consolavam.
Tudo se amaciava na tristeza. Até o dia; isto era: já o vir da noite. Porém, o subir da noitinha é sempre e sofrido assim, em toda a parte. O silêncio saía de seus
gúardados. O menino, tlmorato, aquietava-se com o próprio quebranto: alguma força, nele, trabalhava por arraigar raízes, aumentar-lhe alma.
Mas o peru se adiantava até a beira da mata. Ali adivinhara o quê? Mal dava para se ver, no escurecendo. E era a cabeça degolada do outro, atirada ao monturo. O
menino se doía e se entusiasmava.
Mas: não. Não por simpatia companheira e sentida o peru até ali viera, certo, atraído. Movia-o um ódio. Pegava de bicar, feroz, aquela outra cabeça. O menino não
entendia. A mata, as mais negras árvores, eram um montão demais; o mundo.
Trevava.
Voava, porém, a luzinha verde, vindo mesmo da mata, o primeiro vagalume. Sim, o vagalume, sim, era lindo! - tão pequenino, no ar,' um instante só, alto, distante,
indo-se. Era, outra vez em quando, a alegria.
2
Famigerado
Foi de incerta feita - o evento. Quem pode esperar coisa tão sem pés nem cabeça? Eu estava em casa,
o - arraial sendo de todo tranqüilo. Parou-me à porta o tropel. Cheguei à janela.
Um grupo de cavaleiros. Isto é, vendo melhor: um cavaleiro rente, frente à minha porta, equiparado, exato; e,emboiados, de banda, três homens a cavalo. Tudo, num
relance, lnsolitissimo. Tomei-me nos nervos. O cavaleiro esse - o oh-homem-oh - com cara de nenhum amigo. Sei o que é Influência de ísionomla. Saíra e viera, aquele
homem, para morrer em juerra. Saudou-me seco, curto pesadamente. Seu cavalo era alto, um alazão; bem arreado, ferrado, suado. E concebi grande dúvida.
Nenhum se apeava. Os outros, tristes três, mal me haviam olhado, nem olhassem para nada. Semelhavam a gente receosa, tropa desbaratada,
sopltados, constrangidos - coagidos, sim. Isso por Isso, que o cavaleiro solerte tinha o ar de regê-los: a meio-gesto, desprezivo, intlmaraos de pegarem o lugar
onde agora se encostavam. Dado que a frente da minha casa reentrava, metros, da linha da rua, e dos dois lados avançava a cerca, formaYa-se ali um encantoável, espécie
de resguardo. Valendo-se do que, o homem obrigara os outros ao ponto donde seriam menos vistos, enquanto barrava-lhes qualquer fuga; sem contar que, unidos assim,
os cavalos se apertando, nEo dispunham de rápida mobilidade. Tudo enxergara, tomando ganho da topografia. Os três seriam seus pri27
sioneiros, não seus sequazes. Aquele homem, para proceder da forma, só podia ser um brabo sertanejo, jagunço até na escuma do bofe. Senti que não me ficava útil
dar cara amena, mostras de temeroso. Eu não tinha arma ao alcance. Tivesse, também, não adiantava. Com um pingo no í, ele me dissolvia. O medo é a extrema ignorância
em momento muito agudo. O medo O. O medo me miava. Convidei-o a desmontar, a entrar.'
Disse de não, conquanto os costumes. Conservava-se de chapéu. Via-se que passara a descansar na sela -decerto relaxava o corpo pára dar-se mais à ingente tarefa
de pensar. Perguntei: respondeu-me que não estava doente, nem vindo à receita ou consulta. Sua voz se espaçava, querendo-se calma; a fala de gente de mais longe,
talvez são-franciscano. Sei desse tipo de valentão que nada alardela, sem farrona. Mas avessado, estranhão, perverso brusco, podendo desfechar com algo, de repente,
por um és-não-és. MUItO de macio, mentalmente, comecei a me organizar. Ele falou:
- "Eu vim preguntar a vosmecê uma opinião sua explicada..."
Carregara a celha. Causava outra Inquietude, sua farrusca, a catadura de canibal. Desfranzíu-se, porém, quase que sorriu. Daí, desceu do cavalo; maneiro, Imprevisto.
Se por se cumprir do maior valor de melhores modos; por esperteza? Reteve no pulso a ponta do cabresto, o alazão era para paz. O chapéu sempre na cabeça. Um alarve.
Mais os ínvíos olhos. E ele era para multo. Seria de ver-se: estava em armas - e de armas alimpadas. Dava para se sentir o peso da de fogo, no cinturão, que usado
baixo, para ela estar-se já ao nível justo, ademão, tanto que ele se persistia de braço direito pendido, pronto meneável. Sendo a sela, de notar-se, uma jereba papuda
urucuíana, pouco de se achar, na região, pelo menos de tão boa feitura. Tudo de gente brava. Aquele propunha sangue, em suas tenções. Pequeno, mas duro, grossudo,
todo em tronco de árvore. Sua máxima violência podia
ser para cada momento. Tivesse aceitado de entrar e um ct6, calmava-me. Assim, porém, banda de fora, sem a-graças de hóspede nem surdez de paredes, tinha para
- se Inquietar, sem medida e sem certeza.
- "Vosmecê é que não me conhece. Damázio, dos Biqueiras ... Estou vindo da Serra..
- Sobressalto. Damázio, quem dele não ouvira? O feroz de estôrias de léguas, com dezenas de carregadas mortes, homem perigosíssimo. Constando também, se verdade,
que de para uns anos ele se serenara - evitava o de evitar. Fie-se, porém, quem, em tais tréguas de pantera? Ali, antenasai, de mim a palmo! Continuava:
- "Saiba vosmecê que, na' Serra, por o ultimamente,se compareceu que um moço do governo, rapaz meio estrondoso... Saiba que estou com ele à revelia... Cá
eu não quero questão com o governo, não estou em saúde nem Idade... O rapaz, muitos acham que ele é de seu tanto esmilolado..
Com arranco, calou-se. Como arrependido de ter começado assim, de evidente. Contra que aí estava com o fígado em más margens; pensava, pensava. Cabismeditado. Do
que, se resolveu. Levantou as feições. Se é que se riu: aquela crueldade de dentes. Encarar, não me encarava, só se fito à meia esguelha. Latejava-lhe um orgulho
indeciso. Redigiu seu monologar.
O que frouxo falava: de outras, diversas pessoas e coisas, da Serra, do São Ao, travados assuntos, inseqüentes, como dificultação. A conversa era para teias
de aranha. Eu tinha de entender-lhe as mínimas entonações, seguir seus propósitos e silêncios. Assim no fechar-se com o Jogo, sonso, no me iludir, ele enigmava.
E pá:
- "Vosmecê agora me faça a boa obra de querer me ensinar o que é mesmo que é: fasmigerado... faz-me-gerado... famisgeraldo... familhas-gerado..
Disse, de golpe, trazia entre dentes aquela frase. Soata com riso seco. Mas, o gesto, que se seguiu, Imperavase de toda a rudez primitiva, de sua presença dilatada.
Detinha minha resposta, não queria que eu a desse de imediato. E já aí outro susto vertiginoso suspendia-me: alguém podia ter feito intriga, invencionice de atribuir-me
a palavra de ofensa àquele homem; que muito, pois, que aqui ele se famanasse, vindo para exigir-me, rosto a rosto, o fatal, a vexatória satisfação?
- "Saiba vosmecê que sai 'Ind-hoje da Serra, que vim, sem- parar, essas seis léguas, expresso direto pra mor de lhe preguntar a pregunta, pelo claro..
Se sério, se era. Transiu-se-me.
"Lá, e por estes meios de caminho, tem nenhum ninguém ciente, nem têm o legitimo - o livro que aprende as palavras... É gente pra informação torta, por se fingirem
de menos Ignorâncias... Só se o padre, no São Ao, capaz, mas com padres não me dou: eles logo engambelam... A bem. Agora, se me faz mercê,, vosmecê me fale, no pau
da peroba, no aperfeiçoado: o que é que é, o que já lhe perguntei?"
Se simples. Se digo. Transfoi-se-me. Esses trízes:
- Famigerado?
- "Sim senhor.. ." - e, alto, repetiu, vezes, o termo, enfim nos vermelhôes da raiva, sua voz fora de foco. E já me olhava, interpelador, intimativo - apertava-me.
Tinha eu que descobrir a cara. - Famigerado? Habitei preâmbulos. Bem que eu me carecia noutro ínterim, em indúcias. Como por socorro,. espiei os três outros, em.
seus cavalos, intugidos até entãó, mumumudos. Mas, Damázio:
- "Vosmecê declare. Estes aí são de nada não. São da Serra. 56 vieram comigo, pra testemunho..
So tinha de desentalar-me. O homem queria estrito o caroço: o verivérbio.
— Famigerado é ínôxio, é "célebre", "notário", "notável.
- "Vosmecê mal não veja em minha grossarla no não entender. Mais me diga: É desaforado? É caçoável?
É de arrenegar? Farsêncla? Nome de ofensa?"
-Vilta nenhuma, nenhum doesto. São expressões neutras, de outros us...
-"Pois.., e o que é que é, em fala de pobre, linguagem de em dia-de-semana?"
-Famigerado? Bem. É: "importante", que merece louvor, respeito ...
-"Vosmecê a garante, pra a paz das mães, mão na Escritura?"
Se certo! Era para se empenhar a barba. Do que o diabo, então eu sincero disse:
-Olhe: eu, como o senhor me vê, com vantagens, hum, o que eu queria uma hora destas era ser famigerado - bem famigerado, o mais que pudesse! ...
-"Ah, bem! .. ." - soltou, exultante.
Saltando na sela, ele se levantou de molas. Subiu em si, desagravava-se, num deafogaréu. Sorriu-se, outro. Satisfez aqueles três: - "Vocês podem ir, compadres.
Vocês escutaram bem a boa descrição.. ." - e eles prestes se partiram. Só aí se chegou, beirandome a janela, aceitava um copo d'água. Disse: - "Não há como que as
grandezas machas duma pessoa instruída!" Seja que de novo, por um mero, se torvava? Disse: - "Sei lá, às vezes o melhor mesmo, pra esse moço do governo, era ir-se
embora, sei não.. ." Mas mais sorriu, apagara-se-lhe a inquietação. Disse: - "A gente tem cada cisma de dúvida boba, dessas desconfianças... Só pra azedar a mandioca..
." Agradeceu, quis me apertar a mão. Outra vez, aceitaria de entrar em minha casa. Oh, pois. Esporou, foi-se, o alazão, não pensava no que o trouxera, tese para
alto rir, e mais, o famoso assunto.
3
Soroco, sua mae, sua filha
A quele carro parara na linha de resguardo, desde a .tI. véspera, tinha vindo com o expresso do Rio, e estava lá, no desvio de dentro na esplanada da estação. Não
era um vagão comum de passageiros, de primeira, só que mais vistoso, todo novo. A gente reparando, notava as diferenças. Assim repartido em dois, num dos cômodos
as janelas sendo de grades, feito as de cadeia, para os presos. A gente sabia que, com pouco, ele ia rodar de volta, atrelado ao expresso dai de baixo, fazendo parte
da composição. Ia servir para levar duas mulheres, para longe, para sempre. O trem do sertão passava às 12h45m.
As multas pessoas já estavam de ajuntamento, em beira do carro, para esperar. As pessoas não queriam poder ficar se entristecendo, conversavam, cada um porfiando
no falar com sensatez, como sabendo mais do que os outros a prática do acontecer das coisas. Sempre chegava mais povo - o movimento. Aquilo quase no fim da esplanada,
do lado do curral de embarque de bois, antes da guarita do guarda-chaves, perto dos empilhados de lenha. Soroco ia trazer as duas, conforme. A mãe de Soroco era
de idade, com para mais de uns 70. A filha, ele só tinha aquela. Soroco era viúvo. Afora essas, não se conhecia dele o parente nenhum.
A hora era de muito sol - o povo caçava jeito de ficarem debaixo dà sombra das árvores de cedro. O carro lembrava um canoão no seco, navio. A gente olhava: nas reluzências
do ar, parecia que ele estava torto, que nas pontas se empinava. O borco bojudo do telhadilho dele alumiava em preto. Parecia coisa de invento de muita distância,
sem piedade nenhuma, e que a gente não pudesse imaginar direito nem se acostumar de ver, e não sendo de ninguém. Para onde ia, no levar as mulheres, era para um
lugar chamado Barbacena, longe. Para o pobré, os lugares são mais longe.
O agente da estação apareceu, fardado de amarelo, com o livro de capa preta e as bandeirinhas verde e vermelha debaixo do braço. - "Vai ver se botaram água
fresca no carro.. ." - ele mandou. Depois, o guarda-freios andou mexendo nas mangueiras de engate. Alguém deu aviso: - "Eles vêm! .. ." Apontavam, da rua de Baixo,
onde morava Soroco. Ele era um homenzão, brutalhudo de corpo, com a cara grande, uma barba, fíosa, encardida em amarelo, e uns pés, com alpercatas:
as crianças tomavam medo dele; mais, da voz, que era quase pouca, grossa, que em seguida se afinava. Vinham vindo, com o trazer de comitiva.
Ai, paravam. A filha - a moça - tinha pegado a cantar, levantando os braços, a cantiga não vigôrava certa, nem no tom nem no se-dizer das palavras - o nenhum. A
moça punha os olhos no alto, que nem os santos e os espantados, vinha enfeitada de disparates, num aspecto de admiração. Assim com panos e papéis, de diversas cores,
uma carapuça em cima dos espalhados cabelos, e enfunada em tantas roupas ainda de mais misturas, tiras e faixas, dependuradas virundangas: matéria de maluco. A velha
só estava de preto, com um fichu preto, ela batia com a cabeça, nos docementes. Sem tanto que diferentes, elas se assemelhavam.
Soroco estava dando o braço a elas, uma de cada lado. Em mentira, parecia entrada em igreja, num casório. Era uma tristeza. Parecia enterro. Todos ficavam de parte,
a chusma de gente não querendo afirmar as vistas, por causa daqueles trasmodos e despropósitos, de fazer rlsos, e por conta de Soroco - para não parecer pouco
caso. Ele hoje estava calçado de botinas, e de paletó, com chapéu grande, botara sua roupa melhor, os maltrapos. E estava reportado e atalhado, humildoso. Todos
diziam a ele seus respeitos, de dó. Ele respondia: - "Deus vos pague essa despesa...
O que os outros se diziam: que Soroco tinha tido multa paciência, Sendo que não ia sentir falta dessas transtornadas pobrezinhas, era até um alivio. Isso
não tinha cura, elas não iam voltar, nunca mais. De antes, Soroco agüentara de repassar tantas desgraças, de morar com as duas, pelejava. Daí, com os anos, elas
pioraram, ele não dava mais conta, teve de chamar ajuda, que foi preciso. Tiveram que olha/rem socorro dele, determinar de dar as providências, de mercê. Quem pagava
tudo era o governo, que tinha mandado o carro. Por forma que, por força disso, agora iam remir com as duas, em hospícios. O se seguir.
De repente, a velha se desapareceu do braço de Soroco, foi se sentar no degrau da escadinha do carro. -"Ela não faz nada, seo Agente.. ." - a voz de Soroco estava
muito branda: - "Ela não acode, quando a gente chama.. ." A moça, aí, tornou a cantar, virada para, o povo, o ao ar, a cara. dela era um repouso estatelado, não
queria dar-se em espetáculo, mas representava de outroras grandezas, impossíveis. Mas a gente viu a velha olhar para ela, com um encanto de pressentimento muito
antigo - um amor extremoso. E, principiando baixinho, mas depois puxando pela voz, ela pegou a cantar, também, tomando o exemplo, a cantiga mesma da outra, que ninguém
não entendia. Agora elas cantavam junto, não paravam de cantar.
AI que já estava chegando a horínha do trem, tinham de dar fim aos aprestes, fazer as duas entrar para o carro de janelas enxequetadas de grades. Assim, num consumiço,
sem despedida nenhuma; que elas nem haviam de poder entender. Nessa diligência, os que iam com elas, por bem-fazer, na viagem comprida, eram o Nenego, despachado
e animoso, e o José Abençõado, pessoa de muita cautela, estes serviam para ter mão nelas, em toda juntura. E subiam também no carro uns rapazinhos, carregando as
trouxas e malas, e as coisas de comer, muitas, que não iam fazer mingua, os embrulhos de pão. Por derradeiro, o Nenego ainda se apareceu na plataforma, para os gestos
de que tudo ia em ordem. Elas nao haviam de dar trabalhos.
Agora, mesmo, a gente só escutava era o acorçôo do canto, das duas, aquela chirimia, que avocava: que era um constado de enormes diversidades desta vida, que podiam
doer na gente, sem jurisprudência de motivo nem lugar, nenhum, mas pelo antes, pelo depois.
Soroco.
Tomara aquilo se àcabasse. O trem chëgando, a máquina manobrando sozinha para vir pegar o carro. O trem apitou, e passou, se foi, o de sempre.
Soroco não esperou tudo se sumir. Nem olhou. Só ficou de chapéu na mão, mais de barba quadrada, surdo - o que nele mais espantava. O triste do homem, lá, decretado,
embargando-se de poder falar 'algumas suas palavras. Ao sofrer o assim das coisas, ele, no oco sem beiras, debaixo do peso, sem queixa, exemploso. E lhe falaram:
- "O mundo está dessa forma.. ." Todos, no arregalado respeito, tinham as vistas neblinadas. De repente, todos gostavam demais de Soroco.
Ele se sacudiu, de um jeito arrebentado, desacontecído, e virou, pra ir-s'embora. Estava voltando para casa, como se estivesse indo para longe, fora de conta.
Mas, parou. Em tanto que se esquisitou, parecia que ia perder o de si, parar de ser. Assim num excesso de espírito, fora de sentido. E foi o que não se podia prevenir:
quem ia fazer siso naquilo? Num rompido - ele começou a cantar, alteado, forte, mas sozinho para si - e era a cantiga, mesma, de desatino, que as duas tanto tinham
cantado. Cantava continuando.
A gente se esfriou, se afundou - um instantâneo.
A gente... E foi sem combinação em ninguém entendia o que se fizesse: todos, de uma vez, de dó do Soroco,. principiaram também a acompanhar aquele canto sem razão.
E com as vozes tão altas! Todos caminhando, com ele, Soroco, e canta que cantando, atrás dele, os mais de detrás quase que corriam, ninguém deixasse de cantar. Foi
o de não sair mais da memória. Foi um caso sem comparação.
A gente estava levando agora o Soroco para a casa dele, de verdade. A ,gente, com ele, iaaté aonde que ia aquela cantiga.
.4
A menina de lá
Sua casa ficava para trás da serra do Mim, quase no 13 meio de um brejo de águia> limpa, lugar chamado o Temor-de-Deus. O pai, pequeno sitiante, lidava com vacas
e arroz; a mãe, urucuiana, nunca tirava o terço da mão, mesmo quando matando galinhas ou passando descompostura em alguém. E ela, menininha, por nome Maria, Nhlnhlnha
dita, nascera já muito para miúda, cabeçudota e com olhos enormes.
Não que parecesse olhar ou enxergar de propósito. Parava quieta, não queria bruxas de pano, brinquedo nenhum, sempre sentadinha onde se achasse, pouco se mexia.
- "Ninguém entende muita coisa que ela fala.. ." dizia o pai, com certo espanto. Menos pela estranhez das palairas, pois só em raro ela perguntava, por exemplo:
- "Ele xurugou?" - e, vai ver, quem e o quê, jamais se saberia. Mas, pelo esquisito do juízo ou enfeitado dosentído. Com riso imprevisto: - "Tatu não vê a lua..
." - ela falasse. Ou referia estórias, absurdas, vagas, tudo muito curto: da abelha que. se voou para uma nuvem; de uma porção de meninas e meninos sentados a uma
mesa de doces, comprida, comprida, por tempo que nem se acabava; ou da precisão de se fazer lista das coisas todas que no dia por dia a gente vem perdendo. Só a
pura vida.
Em geral, porém Nhinhinha, com seus nem quatro anos, não incomodava ninguém, e não se fazia notada, a não ser pela perfeita calma, imobilidade e silêncios.
Nem parecia gostar ou desgostar especialmente de coisa ou pessoa nenhuma. Botavam para ela a comida, ela continuava sentada, o prato de folha no colo, comia logo
a carne ou o ovo, os torresmos, o do que fosse mais gostoso e atraente, e ia consumindo depois o resto, feijão, angu, o arroz, abóbora, com artística lentidão. De
vê-la tão perpétua e imperturbada, a gente se assustava de repente. - "Nhinhinha, que é que você está fazendo?" -perguntava-se E ela respondia, alongada, sorrida,
moduladamente: - "Eu... tu... fa-a-zendo". Fazia vácuos. Seria mesmo seu tanto tolinha?
Nada a intimidava. Ouvia o pai querendo que a mãe coasse um café forte, e comentava, se sorrindo: - "Menino pidão... Menino pidão.. ." Costumaira também dirigir-se
à mãe desse jeito: - "Menina grande... Menina grande.. ." Com isso pai e mãe davam de zangar-se. Em vão. Nhinhinha murmurava só: - "Deixa... Deixa.. ." - suasibilíssinia,
inábil como uma flor. O mesmo dizia quando vinham chamá-la para qualquer novidade, dessas de entusiasmar aduitos e crianças. Não se importava com os acontecimentos.
Tranqüila, mas viçosa em saúde. Ninguém tinha real poder sobre ela, não se sabiam suas preferências. Como puni-la? E, bater-lhe, não ousassem; nem havia motivo.
Mas, o respeito que tinha por mãe e pai parecia. mais uma engraçada . espécie de tolerância. E Nhinhinha gostava de mim.
Conversávamos, agora. Ela apreciava o casacão da noite - "Cheiinhas!" - olhava as estrelas, deléveis, sobre-humanas. Chamava-as de "estrelinhas pia-pia". Repetia:
- "Tudo nascendo!" - essa sua exclamação dileta, em muitas ocasiões, com o deferir de um sorriso. E o ar. Dizia que o ar estava com cheiro de lembrança - "A gente
não vê quando o vento se acaba.. ." Estava no quintal, vestídinha de amarelo. O que falava, às vezes era comum, a gente é que ouvia exagerado: - "Alturas de urubuir..
.' Não, dissera só: - ..... altura de urubu não ir". O dedinho chegava quase no céu. Lembrou-se de: - "Jabuticaba de vem-me-ver.. ." Suspirava depois:
- "Eu quero ir para lá". Aonde? - "Não sei." Ai observou - "O passarinho desapareceu de cantar... De fato, o passarinho tinha estado cantando, e, no escorregar do
tempo, eu pensava que não estivesse ouvindo; ãgora, ele se interrompera. Eu disse: - "A avezinha". De por diante, Nhinhinha passou a chamar o sabiá de "Senhora Vizinha..."
E tinha respostas mais longas: -"Eeu? Tou fazendo saudade". 9utra hora, falava-se de parentes já mortos, ela riu: - 'Vou visitar eles.. ." Ralhei, dei conselhos,
disse que ela estava com a lua. Olhou-me, zombas, seus olhos muito perspectivos: - "Ele te xurugou?" Nunca mais vi Nhinhinha.
Sei, porém, que foi por aí que ela começou a fazer milagres.
Nem mãe nem pai acharam logo a maravilha, repentina. Mas Tiantônia. Parece que foi de manhã. Nhinhínha, só, sentada olhando o nada diante das pessoas:
- "Eu queria o sapo vir aqui". Se bem a ouviram, pensaram fosse um patranhar, o de seus disparates, de sempre. Tiantônia, por vezo, acenou-lhe com o dedo. Mas,
aí, reto, aos pulinhos, o ser entrava na sala, para aos pés de Nhínhinha - e não o sapo de papo, mas bela rã brejeira, vinda do verduroso, a rã verdíssima. Visita
dessas jamais acontecera. E ela riu: - "Está trabalhando um feitiço.. ." Os outros se pasmaram; silenciaram demais.
Dias depois, com o mesmo sossego: - "Eu queria uma pamonhínha de goíabada.. ." - sussurrou; e, nem bem meia hora, chegou uma dona, de longe, que trazia os pãezinhos
da goiabada enrolada na palha. Aquilo, quem entendia? Nem os outros prodígios, que vieram se seguindo. O que ela queria, que falava, súbito aconteda. Só que queria
muito pouco, e sempre as coisas levian.as e descuidosas, o que não põe nem quita. Assim, quando a mãe adoeceu de dores, que eram de nenhum remédio, não houve fazer
com que Nhinhinha lhe falasse a cura. Sorria apenas, segredando seu - "Deixa... Deixa.. - não a podiam despersuadir. Mas veio, vagarosa, abraçou a mãe e a beijou,
quentinha. A mãe, que a olhava com estarrecida fé, sarou-se então, num minuto. Souberam que ela tinha também outros modos.
Decidiram de guardar segredo. Não viessem ali os curiosos, gente maldosa e interesseira, com escândalos. Ou os padres, o bispo, quisessem tomar conta da menina,
levá-la para sério convento. Ninguém, nem os parentes de mais perto, devia saber. Também, o pai, Tiantônia e a mãe, nem queriam versar conversas, sentiam um medo
extraordinário da coisa. Achavam ilusão.
O que ao pai, aos poucos, pegava a aborrecer, era que de tudo não se tirasse o sensato proveito. Veio a seca, maior, até o brejo ameaçava de se estorricar. Experimentaram
pedir a Nhinhinha: que quisesse a chuva.
- "Mas, não pode, ué.. ." - ela sacudiu a cabecinha. Instaram-se: que, senão, se acabava tudo, o leite, o arroz, a carne, os doces, frutas, o melado. - "Deixa...
Deixa.. ." - se sorria, repousada, chegou a fechar os olhos, ao insistirem, no súbito adormecer das andorinhas.
Daí a duas manhãs, quis: queria o arco-íris. Choveu. E logo aparecia o arco-da-velha, sobressaído em verde e o vermelho - que era mais um vivo cor-de-rosa. Nhinhinha
se alegrou, fora do sério, à tarde do dia, com a refrescação. Fez o que nunca se lhe vira, pular e correr por casa e quintal. - "Adivinhou passarinho verde?"
- pai e mãe se perguntavam. Esses, os passarínhos, cantavam, deputados de um reino. Mas houve que, a certo momento, Tiantônia repreendesse a menina, muito brava,
muito forte, sem usos, até a mãe e o pai não entenderam aquilo, não gostaram. E Nhinhinha, branda, tornou a ficar sentadinha, inalterada que nem se sonhasse, ainda
mais imóvel, com seu passarinho-verde pensamento. Pai e mãe cochichavam, contentes: que, quando ela crescesse e tomasse juízo, ia poder ajudar muito a eles, conforme
à Providência decerto prazia que fosse.
E, vai, Nhinhinha adoeceu e morreu. Diz-se que da má água desses ares. Todos os vivos atos se passam longe demais.
Desabado aquele feito, houve muitas diversas dores, de todos, dos de casa: u de-repente enorme. A mãe, o pai, e Tiantônia davam /conta de que era a mesma coisa que
se cada um deles tivesse morrido por metade. E mais para repassar o coração de se ver quando a mãe desfiava o terço, mas em vez das ave-marias podendo só gemer aquilo
de - "Menina grande... Menina grande.. ." - com toda ferocidade. E o pai alisava com as mãos o tamboretinho em que Nhinhínha se sentava tanto, e em que ele mesmo
se sentar não podia, que com o peso de seu corpo de homem o tamboretinho se quebrava.
Agora, precisavam de mandar recado, ao arraial, para fazerem o caixão e aprontarem o enterro, com acompanhamento de virgens e anjos. Aí, Tiantônia tomou coragem,
carecia de contar: que, naquele dia, do arco-íris da chuva, do passarinho, Nhinhinha tinha falado despropositado desatino, por isso com ela ralhara. O que fora:
que queria um caixãozinho cor-de-rosa, com enfeites verdes brilhantes... A agouraria! Agora, era para se encomendar o caixãozinho assim, sua vontade?
O pai, em bruscas lágrimas, esbravejou: que não! Ah, que, se consentisse nisso, era como tomar culpa, estar ajudando ainda a Nhinhinha a morrer...
A mãe queria, ela começou a discutir com o pai. Mas, no mais choro, se serenou - o sorriso tão bom, tão grande - suspensão num pensamento: que não era preciso encomendar,
nem explicar, pois havia de sair bem assim, do jeito, cor-de-rosa com verdes funebrilhos, porque era, tinha de ser! - pelo milagre, o de sua filhinha em glória,
Santa Nhinhinha.
5
Os irmãos Dagobe
Enorne desgraça. Estava-se no velório de Damastor .Dagobé, o mais velho dos quatro irmãos, absolutamente facínoras. A casa não era pequena; mas nela mal cabiam os
que vinham fazer quarto. Todos preferiam ficar perto do defunto, todos temiam mais ou menos os três vivos.
Demos, os Dagobés, gente que não prestava. Viviam em estreita desunião, sem mulher em lar, sem mais parentes, sob a chefia despótica do recém-finado. Este fora o
grande pior, o cabeça, ferrabrás e mestre, que botara na obrigação da ruim fama os mais moços
- "os meninos", segundo seu rude dizer.
Agora, porém, durante que morto, em não-tais condições, deixava de oferecer perigo, possuindo - no ace80 das velas, no entre algumas flores - só aquela careta sem-querer,
o queixo de piranha, o nariz todo torto e seu inventário de maldades. Debaixo das vistas dos três em luto, devia-se-lhe contudo guardar ainda acatamento, convinha.
Serviam-se, vez em quando, café, cachaça-queimada, pipocas, assim aos-usos. Soava um vozeio simples, baixo, dos grupos de pessoas, pelos escuros ou no foco das lamparinas
e lampiões. Lá fora, a noite fechada; tinha chovido um pouco. Raro, um falava mais forte, e súbito se moderava, e compungia-se, acordando de seu descuido. Enfim,
igual ao igual, a cerimônia, à moda de lá. Mas tudo tinha um ar de espantoso.
Eis que eis: um lagalhé pacifico e honesto, chamado Liojorge, estimado de todos, fora quem enviara Damastor Dagobé para o sem-fim dos mortos. O Dagobé, sem sabida
razão, ameaçara de cortar-lhe as orelhas. Daí, quando o viu, avançara nele, com punhal e ponta; mas o quieto do rapaz, que arranjara uma garrucha, despejou-lhe o
tiro no centro dos peitos, por cima do coração. Até aí, viveu o Telles.
Depois do que muito sucedeu, porém, espantavam-se de que os irmãos não tivessem obrado a vingança. Em vez, apressaram-se de armar velório e enterro. E era mesmo
estranho.
Tanto mais que aquele pobre Liojorge permanecia ainda no arraial, solitário em casa, resignado já ao péssimo, sem ânimo de nenhum movimento.
Aquilo podia-se entender? Eles, os Dagobés sobre-vivos, faziam as devidas honras, serenos, e, até, sem folia mas com a alguma alegria. Derval, o caçula, principalmente,
se mexia, social, tão diligente, para os que chegavam ou estavam: - "Desculpe os maus tratos..
Doricão, agora o mais velho, mostrava-se já solene sucessor de Damastor, como ele corpulento, entre leonino e muar, o mesmo maxilar avançado e os olhinhos nos venenos;
olhava para o alto, com especial compostura, pronunciava: - "Deus há-de o ter!" E o do meio, Dismundo, formoso homem, punha uma devoção sentimental, sustída, no
ver o corpo na mesa: - "Meu bom irmão..
Com efeito, o finado, tão sordídamente avaro, ou mais, quanto mandão e cruel, sabia-se que havia deixado boa quantia de dinheiro, em notas, em caixa.
Se assim, qual nada: a ninguém enganavam. Sabiam o até-que-ponto, o que ainda não estavam fazendo. Aquilo era quando as onças. Mais logo. Só queriam Ir por partes,
nada de açodados, tal sua não rapidez. Sangue por sangue; mas, por uma noite, umas horas, enquanto honravam o falecido, podiam suspender as armas, no falso fiar.
Depois do cemitério, sim, pegavam o Liojorge, com ele terminavam.
Sendo O que se comentava, aos cantos, sem ócio de língua e lábios, num sussurruído, nas tantas perturbaões. Pelo que, aqueles DagobéS brutos só de assomoS, as treitefltos,
também, de guardar brasas em pote, e s chefes de tudo, não iam deixar uma paga em paz: se via que estavam de tenção feita. Por isso mesmo,' era que não conseguiam
disfarçar o certo solerte contentamento, perto de rir. Saboreavam já o sangrar. Sempre, a cada podido momento, em sutil tornavam a juntar-se, num vão de janela,
no miúdo confabulejO. Bebiam. Nunca um dos três se distanciava dos outros: o que era, que se acautelavam? E a eles se chegava, vez pós vez, algum comparecente, mais
compadre, mais confioso -trazia notícias, segredava.
O assombr&vel! Iam-se e vinham-se, no estiar da noite, e: o que tratavam no propor, era só a respeito do rapaz Llojorge, criminal de legítima defesa, por mao de
quem o Dagobé DamastOr fizera passagem daqui. Sabia-se já do quê, entre os velantes; sempre alguém, a pouco e pouco, passava palavra. O Liojorge, sozinho em sua
morada, sem companheiros, se doidava? Decerto, não tinha a experiência de se aproveitar para escapar, o que não adiantava - fosse aonde fosse, cedo os tres o agarravam.
Inútil resistir, inútil fugir, inútil tudo. Devia de estar em o se agachar, ver-se em amarelas:
por lá, borrufado de medo, sem meios, sem valor, sem armas. Já era alma para sufrágios! E, não é que, no ento...
Só uma primeira idéia. Com que, alguém, que de lá vindo voltando, aos donos do morto ia dar informação, a, substância deste recado. Que o rapaz Liojorge, ousado
lavrador, afiançava que não tinha querido matar irmão de cidadão cristão nenhum, puxara só o gatilho no derradelro do instante, por dever de se livrar, por destinos
de desastre! Que matara com respeito. E que, por coragem de prova, estava disposto a se apresentar, desarmado, ali peraúte, dar a fé de vir, pessoalmente, para declarar
sua forte falta de culpa, 'caso tivessem lealdade.
O pálido pasmo. Se caso que já se viu? De medo, esse Liojorge doidara, já estava sentenciado. Tivesse a meia coragem? Viesse: pular da frigideira para as
brasas. E em fato até de arrepios - o quanto tanto se sabia
- que, presente o matador, torna a botar sangue o matado! Tempos, estes. E era que, no Lugar, ali nem havia autoridade.
A gente espiava os Dagobés, aqueles três pestanejares. Só: - "Dei'stá.. ." - o Dismundo dizia. O Derval:
- "Se esteja a gosto!" - hospedoso, a casa honrava. Severo, em si, enorme o Doricão. Só fez não dizer. Subiu na seriedade. De receio, os circunstantes tomavam mais
cachaça-queimada. Tinha caído outra chuva, O prazo de um velório, às vezes, parece muito dilatado.
Mal acabaram de ouvir. Suspendeu-se o índaguejar. Outros embaixadores chegavam. Queriam conciliar as pazes, ou pôr urgência na maldade? A estúrdia proposição! A
qual era: que o Liojorge se oferecia, para ajudar a carregar o caao... Ouviu-se bem? Um doido - e as três feras loucas; o que já havia, não bastava?
O que ninguém acreditava: tomou. a ordem de palavra o Doricão, com um gesto destemperado. Falou indiferentemente, dilatavam-se-lhe os frios olhos. Então,
que sim, viesse - disse depois do caixão fechado. A tramada situação. A gente vê o inesperado.
Se e se? A gente ia ver, à espera. Com os soturnos pesos nos corações; um certo espalhado susto, pelo menos. Eram horas precárias. E despontou devagar o dia. Já
manhã. O defunto fedia um pouco. Arre.
Sem cena, fechou-se o caixão, sem graças. O caixão, de longa tampa. Olhavam com ódio os Dagobés - fosse ódio do Liojorge. Suposto isto, cochichava-se. Rumor geral,
o lugubrulho: - "Já que já, ele vem.. ." - e outras concisas' palavras.
De fato, chegava. Tinha-se de arregalar em par os olhos. Alto, o moço Liojorge, varrido de todo o atinar. Não era animosamente, nem sendo por afrontar. Seria assim
de alma entregue, uma humildade mortal. Dirigiu-se aos três: - "Com Jesus!" - ele, com firmeza. E? - aí. Derval, Dismundo e Doricão - o qual o demônio em modo humano.
Só falou o quase: - "Hum... Ah!" Que coisa.
Houve o pegar para carregar: três homens de cada lado. O Liojorge pegasse na alça, à frente, da banda esquerda - indicaram. E o enquadravam os Dagobés, de ódio em
torno. Então, foi saindo o cortejo, terminado o interminável. Sortido assim, ramo de gente, uma pequena multidão. Toda a rua enlameada. Os abelhudos mais adiante,
os prudentes na retaguarda. Catava-se o chão com o olhar. A frente de tudo, o caixão, com as vacilações naturais. E os perversos Dagobés. E o Liojorge, ladeado.
O importante enterro. Caminhava-se.
No pé-tintim, mui de passo. Naquele entremeamento, todos, em cochicho ou silêncio, se entendiam, com fome de perguntidade. O Liojorge, esse, sem escape. Tinha de
fazer bem a sua parte: ter as orelhas baixadas. O valente, sem retorno. Feito um criado. O caixão parecia pesado. Os três Dagobés, armados. Capazes de qualquer supetão,
já estavam de mira firmada. Sem se ver, se adivinhava. E, nisso, caía uma chuvínha. Caras e roupas se ensopavam. O Liojorge - que estarrecia! - sua tenência no ir,
sua tranqüilidade de escravo. Rezava? Não soubesse parte de si, só a presença fatal.
E, agora, já se sabia: baixado o caixão na cova, àqueima-bucha o matavam; no expirar de um credo. A chuvinha já abrandava. Não se ia passar na igreja? Não, no lugar
não havia padre.
Prosseguia-se.
E entravam no cemitério. "Aqui, todos vêm dormir"
- era, no portão, o letreiro. Fez-se o airado ajuntamento, no barro, em beira do buraco; muitos, porém, mais para trás, preparando o foge-foge. A forte circunspectância.
O nenhum despedimento: ao uma-vez Dagobé, Damastor. Depositado fundo, em forma, por meio de rijas cordas. Terra em cima: pá e pá; assustava a gente, aquele som.
E agora?
O rapaz Liojorge esperava, ele se escorregou em si. Via só sete palmos de terra, dele diante do nariz? Teve um olhar árduo. A pandilha dos irmãos. O silêncio
se torcia. Os dois, Dismundo e Derval, esperavam o Doricão. Súbito, sim: o homem desenvolveu os ombros; só agora via o outro, em meio àquilo?
Olhou-o curtamente. Levou a mão ao cinturão? Não. A gente, era que assim previa, a falsa noção do gesto.' Só 'disse, subítamente ouviu-se: - "Moço, o senhor vá,
se recolha. Sucede que o meu saudoso irmão é que era um diabo de danado..
Disse isso, baixo e mau-som. Mas se virou para os presentes. Seus dois outros manos, também. A todos, agradeciam. Se não é fue não sorriam, apressurados. Sacudiam
dos pés a lama, limpavam as caras do respingado. Doricão, já fugaz, disse, completou: - "A gente, vamos'embora, morar em cidade grande..." O enterro estava acabado.
E outra chuva começava.
6
A terceira margem do rio
Nosso pai era homem cumpridor, ordeiro, positivo; e sido assim desde mocinho e menino, pelo que testemunharam as diversas sensatas pessoas, quando Indaguei a informação.
Do que eu mesmo me alembro, ele não figurava mais estúrdio nem mais triste do que os outros, conhecidos nossos. Só quieto. Nossa mãe era quem regia, e que ralhava
no diário com a gente - minha irmã, meu irmão e eu. Mas se deu que, certo dia, nosso pai mandou fazer para si uma canoa.
Era a sério. Encomendou a canoa especial, de pau de vinhático, pequena, mal com a tabuinha da popa, como para caber justo o remador. Mas teve de ser toda fabricada,
escolhida forte e arqueada em rijo, própria para dever durar na água por uns 20 ou 30 anos. Nossa mãe jurou muito contra a idéia. Seria que, ele, que nessas artes
não vadiava, se ia propor agora para pescarias e caçadas? Nosso pai nada não dizia. Nossa casa, no tempo, ainda era mais próxima do rio, obra de nem quarto de légua:
o rio por aí se estendendo grande, fundo, calado que sempre. Largo, de não se poder ver a forma da outra beira. E esquecer não posso, do dia em que a canoa ficou
pronta.
Sem alegria nem cuidado, nosso pai encalcou o chapéu e decidiu. um adeus para a gente. Nem falou outras palavras, não pegou matula e trouxa, não fez a alguma recomendação.
Nossa mãe, a gente achou que ela ia esbravejar, mas persistiu somente alva de pálida, mascou o beiço e bramou: - "Cê vai, ocê fique, você nunca volte!" Nosso pai
suspendeu a resposta. Espiou manso para mim, me acenando de vir também, por uns passos. Temi a ira de nossa mãe, mas obedeci, de vez de jeito. O rumo daquilo me
animava, chega que um propósito perguntei: - "Pai, o senhor me leva junto, nessa sua canoa?" Ele só retomou a olhar em mim, e me botou a bênção, com gesto me mandando
para trás. Fiz que vim, mas ainda virei, na grota do mato, para saber. Nosso pai entrou na canoa e desamarrou, pelo remar. E a canoa saiu se indo - a sombra dela
por igual, feito um jacaré, comprida longa.
Nosso pai não voltou. Ele não tinha ido a nenhuma parte. Só executava a invenção de se permanecer naqueles espaços do rio, de meio a meio, sempre dentro da canoa,
para dela não saltar, nunca mais. A estranheza dessa verdade deu para estarrecer de todo a gente. Aquilo que não havia, acontecia. Os parentes, vizinhos e conhecidos
nossas se reuniram, tomaram juntamente conselho.
Nossa mãe, vergonhosa, se portou com muita cor-dura; por isso, todos pensaram de nosso pai a razão em que não queriam falar: doideira. Só uns achavam o entanto de
poder também ser pagamento de promessa; ou que, nosso pai, quem sabe, por escrúpulo de estar com alguma feia doença, que seja, a lepra, se desertava para outra sina
de existir, perto e longe de sua família dele. As vozes das notícias se dando pelas certas pessoas -passadores, moradores das beiras, até do afastado da outra banda
- descrevendo que nosso pai nunca se surgia a tomar terra, em ponto nem canto, de dia nem de noite, da forma como cursava no rio, solto solitariamente. Então, pois,
nossa mãe e os aparentados nossos assentaram: que o mantimento que tivesse, ocultado na canoa, se gastava; e, ele, ou desembarcava e viaja s'embora, para jamais,
o que ao menos se condizia mais correto, ou se arrependia, por uma vez, para casa.
No que num engano. Eu mesmo cumpria de trazer para ele, cada dia, um tanto de comida furtada: a idéia que senti, logo na primeira noite, quando o pessoal nosso experimentou
de acender fogueiras em beirada do rio, enquanto que, no alumiado delas, se rezava e se chamava. Depois, no seguinte, apareci, com rapadura, broa de pão, cacho de
bananas. Enxerguei nosso pai, no enfim de uma hora, tão custosa para sobrevir: só assim, ele no ao-longe, sentado n fundo da canoa, suspendida no liso do rio. Me-viu,
não remou para cá, não fez sinal. Mostrei o de comer, depositei num oco de pedra"do bar. ranco, a salvo de bicho mexer e a seco de chuva e orvalho. Isso, que fiz,
e refiz, sempre, tempos afora. Surpresa que mais tarde tive: que nossa mãe sabia desse meu encargo, só se encobrindo de não saber; ela; mesma deixava, facilitado,
sobra de coisas, para o meu conseguir. Nossa mãe muito não se demonstrava.
Mandou vir o tio nosso, irmão dela, -para auxiliar na fazenda e nos negócios. Mandou vir o mestre, para nós, os meninos. Incumbiu ao padre que um dia se revestisse,
em praia de margem, para- esconjurar e clamar a nosso pai o dever de desistir da tristonha teima. De outra, por arranjo dela, para medo, vieram os dois soldados.
Tudo o que não valeu de nada. Nosso pai passava ao largo, avistado ou diluso, cruzando na canoa, sem deixar ninguém se chegar à pega ou à fala. Mesmo quando foi,
não faz muito, dos homens do jornal, que trouxeram a lancha e tencionavam tirar retrato dele, nao venceram: nosso pai se desaparecia para a outra banda, aproava
a canoa no brejão, de léguas, que há, por entre juncos e mato, e só ele conhecesse, a palmos, a escuridão daquele.
A gente teve de se acostumar com aquilo. As penas, que, com aquilQ, a gente mësmo nunca se acostumou, em si, na verdade. Tiro por mim, que, no que queria, e no que
não queria, só com nosso pai me achava: assunto que jogava para trás meus pensamentos. O severo que era, de não se entender, .de maneira nenhuma, como ele agüentava.
De dia e de noite, com sol ou aguaceiros, calor, sereno, e nas friagens terríveis de meio-do-ano, sem arrumo, só com o chapéu velho na cabeça, por todas as semanas,
e meses, e os anos - sem fazer conta do se-ir do viver. Não pojava em nenhuma das duas beiras, nem nas iuia e croas do rio, não pisou mais em chão nem capim. Por
certo, ao menos, que, para dormir seu tanto, ele fiese amarração da canoa, em alguma ponta-de-Ilha, no esconso. Mas não armava um foguinho em praia, nem dispunha
de sua luz feita, nunca mais riscou um fósforo. O que consumia de comer, era só um quase; mesmo do que a gente depositava, no entre as raízes da gameleira, ou na
lapinha de pedra do barranco, ele recolhia pouco, nem o bastável. Nüo adoecia? E a constante força dos braços, para ter tento na canoa, resistido, mesmo na demasia
das enchentes, no subimento, aí quando no lanço da correnteza enorme do rio tudo rola o perigoso, aqueles corpos de bichos mortos e pausde-árvore descendo - de espanto
de esbarro. E nunca falou mais palavra, com pessoa alguma. Nós, também, não falávamos mais nele. Só se pensava. Não, de nosso pai não e podia ter esquecimento;
e, se, por um pouco, a gente fazia que esquecia, era só para se despertar de novo, de repente, com a memória, no passo de outros sobressaltos.
Minha Irmã se casou; nossa mãe não quis festa. A gente imaginava nele, quando se comia urna comida mais gostosa; assim como, no gasalhado da noite, no desamparo
dessas noites de muita chuva, fria, forte, nosso pai só com a mão e uma cabaça para Ir esvaziando a canoa da água do temporal. As vezes, algum conhecido nossO achava
que eu ia ficando mais parecido com nosso pai. Mas eu sabia que ele agora virara cabeludo, barbudo de unhas grandes, mal e magro, ficado preto de sol e dos pelos,
com o aspecto de bicho, conforme quase nu, mesmo dispondo das peças de roupas que a gente de tempos em tempos fornecia.
Nem queria saber de nós; não tinha afeto? Mas, por afeto mesmo, de respeito, sempre que às vezes me louvavam, por causa de algum meu bom procedimento, eu falava:
- "Foi pai que um dia me ensinou a fazer assim.. ."; o que não era o certo, exato; mas, que era mentira por verdade. Sendo que, se ele não se lembrava \mals nem
queria saber da gente, por que, então, não iubia ou descia o rio, para outras paragens, longe, no iia,o-encontrável? Só ele soubesse. Mas minha irmã tevé menino,
ela mesma entestou que queria mostrar para o neto. Viemos, todos, no barranco, foi num dia bonito, minha irmã de vestido branco, que tinha sido o do casamento, ela
erguia nos braços a criancinha, o marido dela segurou, para defender os dois, o guarda-sol. A gente chamou, esperou. Nosso pai não apareceu. Minha Irmã chorou, nós
todos aí choramos, abraçados.
Minha irmã se mudou, com o marido, para longe daqui. Meu irmão resolveu e se foi, para uma cidade. Os tempos mudavam, no devagar depressa dos tempos. Nossa mãe terminou
indo também, de uma vez, residir com minha irmã, ela estava envelhecída Eu fiquei aqui, de resto. Eu nunca podia querer me casar. Eu permaneci, com as bagagens
da vida. Nosso pai carecia de mim, eu sei - na vagação, no rio no ermo - sem dar razão de seu feito. Seja aye, quando eu quis mesmo sa
• ber, e firme indaguei, me diz-que-disseram: que constava que nosso pai, alguma vez, tivesse revelado a explicação ao homem que para ele aprontara a canoa.- Mas,
agora, esse homem já tinha morrido, ninguém soubesse, fizesse recordação, de nada, mais. Só as falsas conversas, sem senso, como por ocasião, no começo, na vinda
das primeiras cheias do rio, com chuvas que não estiavam, todos temeram o fim-do-mundo, diziam: que nosso pai fosse o avisado que nem Noé, que, por tanto, a canoa
ele tinha antecipado; pois agora me entrelembro. Meu pai, eu não podia malsínar. E apontavam já em mim uns primeiros cabelos brancos.
Sou homem de tristes palavras. De que era que eu tinha tanta, tanta culpa? Se o meu pai, sempre fazendo ausência: e o rio-rio-rio, o rio - pondo perpétuo. Eu sofria
já o começo de velhice - esta vida era só o demoramento. Eu mesmo tinha achaques, ânsias, cá de baixo, cansaços, perrenguice de reumatismo. E ele? Por quê? Devia
de padecer demais. De tão Idoso, não ia, mais dia menos dia, fraquejar do vigor, deixar que a canoa / emborcasse, ou que bubuiasse sem pulso, na levada do! rio,
para se despenhar horas abaixo, em tororoma e no tombo da cachoeira, brava, com o fervimento e morte. Apertava o coração. Ele estava- lá, sem a minha tranqüilldad
Sou o culpado do que nem sei, de dor em aberto, ro meu foro. Soubesse - se as coisas fossem outras. E fui tomando idéia.
Sem fazer véspera. Sou doid&? Não. Na nossa casa, a palavra doido não se falava, nunca mais se falou, os anos todos, não se condenava ninguém de doido. Ninguém é
doido. Ou, então, todos. Só fiz, que fui lá. Com um lenço, para o aceno ser mais. Eu estava muito no meu sentido. Esperei. Ao por fim, ele apareceu, aí e lá, o vulto.
Estava ali, sentado à popa. Estava ali, de grito. Chamei, umas quantas vezes. E falei, o que me urgm, jurado e declarado, tive que reforçar a voz: - "Pai, o senhor
está velho, já fez o seu to... Agora, o senhor vem, não carece. mais... O senhor vem, e eu, agora mesmo, quando que seja, a ambas vontades, eu tomo o seu lugar,
do senhor, na canoa! .. ." E, assim dizendo, meu coração bateu no compasso do mais certo.
Ele me escutou. Ficou em pé. Manejou remo n'água, proava para cá, concordado. E eu tremi, profundo, de repente: porque, antes, ele tinha levantado o braço e feito
um saudar de gesto - o primeiro, depois de tamanhos anos decorridos! E eu não a... Por pavor, arrepiados os cabelos, corri, fugi, me tirei de lá, num procedimento
desatinado. Porquanto que ele me pareceu vir: da parte de além. E estou pedindo, pedindo, pedindo um perdão.
Sofri o grave frio dos medos, adoeci. Sei que ninguém soube mais dele. Sou homem, depois desse falimento? Sou o que não foi, o que vai ficar calado. Sei que agora
é tarde, e temo abreviar com a vida, nos rasos do mundo. Mas, então, ao menos, que, no artigo da morte, peguem em mim, e me depositem também numa canoinha de nada,
nessa água, que não pára, de longas beiras: e, eu, rio abaixo, rio afora, rio adentro - o rio.
7
pirlimpsiquice
A quilo na noite do nosso teatrinho foi de oh. O estilo espavorido. Ao que sei, que se saiba, ninguém soube sozinho direito o que houve. Ainda, hoje adiante, anos,
a gente se lembra: mas, mais do repente que da desordem, e menos da desordem do que do rumor. Depois, os padres falaram em pôr fim a festas dessas, no colégio. Quem
nada podia mesmo explicar, o ensaiador, dr. Perdlgão, lente de corografia e história-pátria, voltou para seu lugar, sua terra; se vive, estará lá já após de velho.
E o em-diabo pretinho Alfeu, corcunda? Astramiro, agora aeroviário, e o Joaquincas - bookmaker e adjazídas atividades - com ambos raro em raro me encontro, os fatos
recordam-se. A peça ia ser o drama Os Filhos cio Doutor Famoso, só em cinco atos. Tivemos culpa de seu índesfecho, os escolhidos para o representar? As vezes penso.
As vezes, não. Desde a hora em que, logo num recreio de depois do almoço, o regente seu Siqueira, o Surubim, sisudo de mistérios, veio chamar-nos para a grande novidade,
o pacto de puro entusiasmo nosso avançara, sem sustar-se. Éramos 11, digo, 12.
Atordoados, pois. O padre Prefeito, solene modo, fez-nos a comunicação. Donde, com o dr. Perdígão ali ao lado, rezou-se o padre-nosso e três ave-marias, às luzes
do espírito. AI, o dr. Perdigão, que empunhava o livro, discursou um resumo, para os corações da gente, à toda. Então, cada um teve de ler do texto alguma passagem,
extraindo de si a melhor bonita voz, que pudesse; leu-se desabaladamente. Só o Zé Boné não se acanhou de o pior, e promoveu risos, de preenchido beócio, que era.
Quando o dr. Perdigão nos despachou, lembramo-nos de que na turma estavam de mal os dois mais decididos e respeitados - Ataualpa, que ia ser o Doutor Famoso, e o
Darcy, o Filho Capitão. Mas os mesmos conviram logo em precisar pazes, sem o caso de a gente bem-oficiar se oferecendo de permeio. Tocaram de bem, dando ainda o
Ataualpa ao Darcy um selo do Transvaal, e o Darcy a Ataualpa um da Tasmânia ou da China. Em seguida, eles, de chefes, nos sobreolharam, e pegaram com ordens: - "Ninguém
conta nada aos outros, do drama!" Concordados, combinou-se, juramos. Careciam-se uns momentos, para a grandiosa alegria se ajustar nos cantos das nossas cabeças.
A não ser o Zé Boné, decerto.
Zé Boné, com efeito, regulava de papalvo. Sem fazer conta de companhia ou conversas, varava os recreios reproduzindo fitas de cinema: corria e pulava, à acelerada,
cá e lá, fingia galopes, tiros disparava, assaltava a mala-posta, intimando e pondo mãos ao alto, e beijava afinal - figurado a um tempo de mocinho, moça, bandidos
e xerife. Dele, bem, se ria. O basbaque. Mesmo assim, acharam que para o teatro ele me passava; decidindo o padre Prefeito e o dr. Perdigão que, por retraído e mal-à-vontade,
em qualquer cena eu não servisse. Não fosse o padre Diretor, de bom acaso vindo entrando, declarar que, aluno aplicado, e com voz variada, certa, de recitador, eu
podia no vantajoso ser o "ponto". Sorri de os outros comigo, amigós, mexerem. Joaquincas, o que era para personificar o Filho Padre, me deu duas marcas novas de
cigarros, e eu a ele uma prata de quinhentos-réis e o meio pão que estava guardando na algibeira. Aí, o Darcy e Ataualpa, arranjada coragem, alegaram não caber Zé
Boné com as prestes obrigações. Mas o padre Prefeito repreendeu-nos a soberba, tanto quanto que o papel que a Zé Boné tocava, de um policial, se versava dos mais
simples, com escasso falar. Adiantou nada o Araujinho, servindo de o outro policial, fazer a cara amargosa: acabou-se a opinião da questão. Não que Zé Boné à gente
não enchesse - de inquietas cautelas. O eegre4lo ia ele poder guardar?
AI, mais, teve-se dúvida. Se os outros alunos se em-bolassem, para a força quererem fazer a gente contar a estÔria do drama? Dois deles preocupavam-nos, fortes,
dos maiores dos internos, não pegados para o teatrinho por malcomportados incorrigíveis! Tãozão e o Mão-na-Lata, centerfor do nosso time. E um, cá, teve a idéia.
Preéisávamos de imaginar, depressa, alguma outra estória, mais Inventada, que íamos falsamente contar, embaíndo os demais no engano. E, de Zé Boné, ficasse sempre
perto um, tomando conta.
Sem razão, se vendo, essas cismas. Zé Boné nada de nada contava. Nem na estória do drama botava sentido, a não ser a alguma facécia ou peripécia, logo e mal encartadas
em suas fitas de cinema; pois, enquanto recreios houvesse, continuava ele descrevivendo-as, com aquela valentia e o ágil não-se-cansar, espantantes. E o Tãozão e
Mão-na-Lata no assunto do teatro nem tocavam, fingindo decerto não dar a tanta importância. Mas, a outra estória, por nós tramada, prosseguia, aumenta-vá, nunca
terminava, com singulares-em-extraordinários episódios, que um ou outro vinha e propunha: o "fuzilado", o "trem de duelo", a máscara: "fuça de cachorro", e, principalmente,
o "estouro da bomba". Ouviam, gostavam, exigiam mais. Até o pretinho Alfeu, filho da cozinheira, e aleijado, voltava se arrastando com rapidez para a escutar, enquanto
o Surubim não o via e mandava embora. Já, entre nós, era a "nossa estória", que, às vezes, chegávamos a preferir à outra, a "estória de verdade", do drama. O qual,
porém, por meu orgulho de "ponto", pusera eu afinco em logo reter, tintim de cor por tintlm e salteado. Descontentava-me, só, na noite do dia, dever ficar encoberto
do público, debaixo daquela caixa ou cumbuca, que por ora ainda não se tinha, nos ensaios.
- "Representar é aprender a viver além dos levianos sentimentos, na verdadeira dignidade" - exortava-nos o dr. Perdigão, sobre suas sérias barbas. Ataualpa - o "Peitudo"
- e Darcy - o "Pintado" - determinavam se acabasse, em hora, com essa tolice de apelidos. Umas donas estariam costurando as roupas que íamos revestir, os fraques
do Doutor Famoso e do Amigo, a batina do Filho Padre, a farda do Filho Capitão, só trajes. Alvitrou-se senha de nos tratarmos só pelos nomes em drama: Mesquita o
"Filho Poeta", Rutz o "Amigo", Gil o "Homem que sabia o segredo", Nuno o "Delegado". O dr. Perdígão dirimia os embaraços: em vez de o "Criado",
o Niboca chamar-se-ia melhor o "Fâmulo", Astramiro o "Redimido", e não o "Filho Criminoso"; eu, o "Mestre do Ponto". - "Lembrem-se: circunspeção e majestade"...
- proferia o doutor avante.., e: - "longa éa arte e breve a da... - um preconícío dos gregos!" Inquietávamo-nos, não fossem destituir-nos daquele sonho. Íamos proceder
muito bem, até o dia da festa, não fumar escondido, não conversar nas filas, esquivar o mínimo pito, dar atenção nas aulas. Os que não éramos "Filhos de Maria",
impetrávamos fazer parte. Joaquincas comungava a diário, via-se mesmo só ideal, já padre e santo. Todas as tardes, a partir do recreio de depois do jantar, subia-se
para o ensaió, demorado, livrando-nos dos estudos da noite sob o duplo olhar do Surubim; essa vantagem, também, os outros nos invejavam. - "Sus! Brio! Obstinemo-nos.
Decoro e firmeza. Ad astra per aspera! Sempre dúcteis ao meu ensinamento..." - o dr. Perdigão observando. Suspirávamos pelo perfeito, o estrito jogo de cena a atormentar-nos.
Menos ao Zé Boné, decerto. Esse, entrava marchando, fazia continências, mas não havendo maneira de emendar palavra e meia palavra. E já o dIn vindo próximo, nem
mais duas semanas. Por que não o trocar, ao estafermo? Não o dr. Perdigão: - "Senhores discípulos meus, para persistir no prepará-los, a perseverança não me desfalece!"
Zé Boné, do tom, tirava algum entender, empinava-se inconfuso e contente. Ah, seu à rija, à vera, seria para ele nos pagar. Não por enquanto. Só se ansiava. Sempre
juntos, no notável, relegados os planos para as férias, e mesmo só por alto lembrado o afã do futebol.
Se não os tempos e contratempos. Troçavam de nós, os outros? Citando, com ares, o que não entendíamos, nem. Diziam já saber a verdadeira estória do drama, e que
não passávamos de impostores. De fato, circulava outra versão, completa, e por sinal bem aprontada, mas de todo mentirosa. Quem a espalhara? O Gamboa, engraçado,
de muita inventiva e lábia, que afirmava, pés juntos, estar dono da verdade. O cume de cachorro!
Nele, passada a festa, jurou-se também umá sova. Por ora, porém, tínhamos de combater essa estória do Gani-boa, que nos deixava humilhados. Repetíamos, então,
sem cessar, a nossa estória, com. forte cunho de sinceridade. Sempre ficavam os partidários de uma e de outra, não raro bandeandO campo, vez por vez, por dia. Tãozão
e Mão-na-Lata chefiavam o grupo dos Gamboas?
- "Entreguemo-nos à suma justiça do Onipotente.. ." - proferia o Joaquincas. - "Uma tana! Sento o braço!" - o Darcy rugia, ou o Ataualpa. Mas: -O réprobo, o ímprobo,
que me malsina os dias..
já, vai vago, desembestado. O Surubim dizia que o nosso teatro roubava ao ensino, e que não era verdade que nas provas iríamos ganhar boas notas de qualquer maneira.
Possível? Mão-na-Lata estava combinando outro time, porque a gente mal treinava; misérias! Para ver se Zé Boné enfiava juízo, valia não o deixar dar mais
• seu cinema? E, pronto, certas cenas do drama, legítimas, estavam sendo divulgadas. Haveria entre nós um traidor? Não. Descobriu-se: o Alfeu. O gebo, pernas tresentortadas
e moles, quase de não andar direito, mas o capaz de deslizar ligeiro por corredores e escadas, feito uma cobra; e que vinha escutar os ensaios, detrás das portas!
Só que, no Alfeu, mesmo pós-festa, não se podia meter o braço: ele furtava, para a gente, pão, doces, chocolate, coisas da cozinha dos padres. Tínhamos de alugar-lhe
o silêncio? Tudo, felizmente, por três dias. Já o dr. Perdigão, desistindo de introduzir no Zé Boné sua parte, intimara-o a representar de mudo, apenas, proibido
de abrir a boca em palco. Doía-me um dente, podia Inchar a cara; ou não, não doía? Tudo por dois dias, só. Tãozão e Mão-na-Lata, o que ameaçavam? Tudo por dia e
meio, pela véspera. Pelo que, fremia-se e ardia-se. Sendo nessa véspera, o nosso ensaio geral.
- "Sus e eia! Abroquelemo-nos.. ." O dr. Perdigão se passeava levemente. Saía-nos o ensaio geral em brilho e pompa, todos na ponta da língua seus papéis - para meu
desgosto. Não iam precisarde ponto? Nisso, porém, sobreveio-nos o trom de Júpiter. O padre Diretor assistira ao quinto ato. Ele era abstrato e sério: não via a quem.
Sem realces, disse: que nós estávamos certos, mas acertados demais, sem ataque de vida válida, sem a própria naturalidade pronta... Despejou conosco, tontos de consternados.
E já na noite tão tarde. Do nosso dr. Perdlgão, empalidecendo até a barba: - "Senhores meus alunos... Ad augusta per angusta.. ." - ele se gemeu.
"Durmamos..
E quem disse que, no outro dia, seguinte, domingo
- o dia! - íamos tornar a ensaiar, ensaiar, ensaiar, senhor, mas - com os rebuliços, as horas curtas, poucas: a missa demorada, a gente ganhando pão-de-mel e biscoitos
no café, tendo-se de ajudar a arjumar o teatro, a caixa-do-ponto verde, repintada fresca, as muitas moças e senhoras aparecidas, chegadas as roupas nossas teatrais,
novinhas nos embrulhos, enquanto se dizia que Tãozão e o Mão-na-Lata estavam reunindo uns, que iam amassar a gente, armar baderna de briga, e chegando visitas, pais,
parentes, de fora, para assistir, corriam o colégio, se dizendo agora que o pessoal de Tãozão e Mão-na-Lata, os Gamboas, iam dar na gente a tremenda vaia! - e o
dr. Perdigão de repente doente, de fígado, cólicas, a gente com medo que a festa pudesse não haver, e traziam também os programas prontos do nosso teatro, até o
Alfeu vestido de roupa nova, marinheiro, a mãe dele fazia-o hoje andar com as muletas, e o dr. Per.. dlgão já sarado, levantado, suas sumas pretas barbas, de tarde,
o jantar cedo, garrafa de soda-limonada, e galinha, pasteis, sobremesa de dois doces, nem pude, pois, que era que vinha vindo, direto para dizer, o Surubim, satisfeito,
bem eu tinha temido caiporismos de última hora , passado o dia inteiro assim, de orelha com a pulga atrás?
Silêncio. O Surubim vinha para o Ataualpa. Estava na portaria o tio do Ataualpa - o pai do Atauaipa era deputado, estava à morte, no Rio de Janeiro. Ataualpa tinha
de viajar, de trem, daqui a duas horas. E o teatro, o espetáculo? Ataualpa já ia, com o Surubim, mudar de roupa, arrumar a mala. Mas, o teatro era para impossível
de não haver, era em benefício. E... Só quem podia ser, em vez do Ataualpa, quem sabia decorados todos os papéis, o Doutor Famoso: eu! Ah, e o "ponto"? Dúvida não
dúvida: o ponto seria, ótimo, o dr. Perdigão, sendo. Se disse, se fez.
O contentamento - o medo. O fraque? O povo. O -ali, quem meio escondido, me cutucando - o Alfeu!
- "Quer um gole?"... - do que ele tinha furtado: uma garrafa de genebra, da adega dos padres - falava que era para dar mais alma de coragem. Eu não quis. E os outros?
Zé Boné? O Alfeu não sorria: sibilava. Eu não queria saber dos outros, já estavam me vestindo, o fraque só ficava um pouqulnho largo, de nada. Os outros também não
deviam de gostar das senhoras e moças passando carmins na cara da gente, o que não era de homem! - e repintando-nos os olhos. E a hora enorme. O teatro, imensamente,
a plateia: - "Ninguém mais cabe!" - o povoréu de cabeças, estrondos de gente entrando e se sentando, rumor, rumor, oh as luzes. O dr. Perdigão, de fraque também:
- "Excélsior!" - meio desanimado. Não era o monte de momento, sim, não.Era a hora na hora. Parecia que nos empurravam - para o de todo sem propósito. Me punham para
a frente. Só Ouvi as luzes, risos, avistei demais. O silêncio.
Eu estava ali, parado, em pé, de fraque, a beira-mundo do público, defronte. E, que queriam de mim, que esperavam?. Atrás, os companheiros tocando-me;
isto era hora para piparotes? E oh! - súbito a súbitas, eu reconhecia, na plateia, tão enchida, todos, em cada um seu lugar: Tãozão, o Mão-na-Lata, o Gamboa, o Surubim,
o Alfeu, o padre Diretor.., oh! - e tinha-me lembrado da terrível coisa, meu-deus, então ninguém não tinha pensado nisso, antes? Porque, aquele arranjo de todos
nós no palco, vindos ao proscênio, eu adiante, era conforme o escrito no programa: o Ataualpa, primeiro, devia recitar uns versos, que falavam na Virgem Padroeira
e na Pátria. Mas, esses versos, eu não sabia! Só o Ataualpa sabia-os, e Ataualpa estava longe, agora, viajando com o tio, de trem, o pai dele à morte... Eu, não.
Eu: teso e bambo, no embondo, mal em suor frio e quente, não tendo dá-me-dá, gago de êêê, no sem-jeito, só espanto.
O minuto parou. Riam, diante de mim, aos milhares. De lá, da fila dos padres, faziam-me gestos: de ordens e de perguntatividades, danados sinais, explicavam-me o
que eu já sabia que não sabia, não podia. Sacudi que não, puxei para fora os bolsos, para demonstrar que não tinha os versos. Instavam-me. - "Abaixem o pano!" -
escutei a voz do padre Prefeito. O dr. Perdigão, em seu bobo buraco, rapava goela. Tornei a não olhar; falei alto. Gritei, tremulei, tão então: - "Viva a Virgem
e viva a Pátria!" - gritei.
Ressoaram enormes aplausos. - "Abaixem o pano!"
- era ainda o padre Prefeito, no bastidor. Porqie, agora, era mesmo a hora, para ficarmos no palco só o Doutor Famoso e seus quatro filhos, daí o pano tornava a
subir, para abrir a primeira cena do drama. - ..... o pano!" Mas o pano não desceu, estava decerto enguiçado; nao desceu, nunca. Com confusão. Os que tinham de sair
de cena, não saíam. Tornamos a avançar, todos, sem pau nem pedra, em fila, feito soldados, apalermados. E, aí, veio a vaia. Estrondou...
A vaia, que ninguém imaginava. O que era um mar
- patuléia, todos em mios, zurros, urros, assovios: pateada. A'je, nada. Ali, formados, soldados mesmos, mudando de cor, de amargor. - "Atenção! Submetam-se!"
- mas nem os padres àquilo não podiam pôr cobro? Por um pouco, o dr. Perdigão ia se surgir de lá, da caixa, mas não venceu, e se botou abaixo. A gente, firmes, sem
mover o passo, enquanto a vaia se surriava. A vaia parou. A vaia recomeçou. Agüentávamos. - "Zé Boné! Zé
Boné!" -• aqueles gritavam também, depois de durante, dessa vaia, ou em intervalos. - "Zé Boné .. ." Foi a conta.
Zé Boné pulou para diante, Zé Boné pulou de lado. Mas não era de faroeste, nem em estouvamento de estripuflas. Zé Boné começou a representar!
A vaia parou, total.
Zé Boné representava - de rijo e bem, certo, a tio, atilado - para toda a admiração. Ele desempenhava um importante papel, o qual a gente não sabia qual. Mas, não
se podia romper em riso. Em verdade. Ele re
• citava com muita existência. De repente, se viu: em parte, o que ele representava era da estóría do Gamboa! Ressoaram as muitas palmas.
O pasmatório. Num instante, quente, tomei vergonha; acho que os outros também. Isso não podia, assim! Contracenamos. Começávamos, todos, de uma vez, a representar
a nossa inventada estória. Zé Boné também. A coisa que aconteceu no meio da hora. Foi no ímpeto da glória - foi - sem combinação. Ressoaram outras muitas palmas.
A princípio, um disparate - as desatinadas patanem que jogo de adivinhas. Dr. Perdigão se soprava alto, em bafo, suas réplicas e deixas, destemperadas. Delas, só
a pouca parte se aproveitava. O mais eram ligeírlas - e solertes seriedades. Palavras de outro ar. Eu mesmo não sabia o que ia dizer, dizendo, e dito -tudo tão bem
- sem sair do tom. Sei, de, mais tarde, me dizerem: que tudo tinha e tomava o forte, belo sentido, esse drama do agora, desconhecido, estúrdio, de todos o mais bonito,
que nunca houve, ninguém escreveu, nao se podendo representar outra vez, e nunca mais. Eu via os do público assungados, gostando, só no silêncio completo. Eu via
- 4lié gente era outros - cada um de nós, transformado. O dr. Perdigão devia de estar soterrado, desmaiado em sua correta caixa-do-ponto.
Gritavam bis o Surubim e o Alfeu. Até o padre Diretor se riu, como ri Papai Noel. Ah, a gente: protagoflistas, outros atores, as figurantes figuras, mas personagens
personificantes. Assim perpassando, com a de nunca naturalidade, entrante própria, a valente vida, estrepuxada. Zé Boné, sendo o melhor de todos? Ora, era. Ei. E.
Fulge, forte, Zé Boné! - freme a representação. O sucesso, que vindo não se sabe donde e como; alguém me disse, que estava lá; jurou como foi.
Mas - de repente - eu temi? A meio, a medo, acordava, e daquele estro estrambótico. O que: aquilo nunca parava, não tinha começo nem fim? Não havia tempo decorrido.
E como ajuizado terminar, então? Precisava. E fiz uma força, comigo, para me soltar do encantamento. Não podia, não me conseguia - para fora do corrido, contínuo,
do incessar. Sempre batiam, um ror, novas palmas. Entendi. Cada um de nós se esquecera de seu mesmo, e estávamos transvivendo, sobre-crentes, disto: que era o verdadeiro
viver? E era bom demais, bonito - o milmaravilhoso - a • gente voava, num amor, nas palavras: no que se ouvia dos outros e no nosso próprio falar. E como terminar?
Então, querendo e não querendo, e não podendo, senti: que - só de um jeito. Só uma maneira de interromper, só a maneira de sair - do fio, do rio, da roda, do representar
sem fim. Cheguei para a frente, falando sempre, para a beira da beirada. Ainda olhei, antes. Tremeluzi. Dei a cambalhota. De propósito, me despenquei. E caí.
E, me parece, o mundo se acabou.
Ao menos, o daquela noite. Depois, no outro dia, eu são, e glorioso, no recreio, então o Gamboa veio, falou assim: - "Eh, eh, hem? Viu como era que a minha estória
também era a de verdade?" Pulou-se, ferramos fera briga.
8
Nenhum, nenhuma
D
entro da casa-de-fazenda, achada, ao acaso de outras várias e recomeçadas distâncias, passaram-se e passam-se, na retentiva da gente, írreversos grandes fatos -
reflexos, relâmpagos, lampejos - pesados em obscuridade. A mansão, estranha fugindo, atrás de serras e serras, sempre, e à beira da mata de algum rio, que proíbe
o imaginar. Ou talvez não tenha sido numa fazenda, nem no lndescoberto rumo, nem tão longe? Não é possível saber-se, nunca mais.
Mas um menino penetrara no quarto, no extremo da varanda, onde se achava um homem sem aparência, se bem que, por certo, como curiosamente se diz, já "entrado em
anos"; ele devia de ser o dono de lá. E naquele quarto - que, de acordo com o que se verifica, em geral, na região, nos casarões-de-fazenda com alta e comprida varanda,
seria o "escritório" - há era uma data. O menino não sabia ler, mas é como se a estivesse relendo, numa revista, no colorido de suas figuras; no cheiro delas, igualr
mente. Porque, o mais vivaz, persistente, e que fixa na evocação da gente o restante, é o da mesa, da escrivaninha, vermelha, da gaveta, sua madeira, matéria rica
de qualidade: o cheiro, do qual nunca mais houve. O homem sem aspecto tenta agora parecer-se com outro - um desses velhos tios ou conhecidos nossos, deles o mais
silencioso. Mas, segundo se apurou, não era. Alguém, apenas, chamara-o, na ocasião, de nome com aproximada assonância; e os dois, o ignorado e o sabido, se perturbam.
Alguém mais, pois, ali entrara? A moça, imagem. A moça é então que reaparece, linda e recôndita. A lembrança em torno dessa moça raia uma tão extraordinária, maravilhosa
luz, que, se algum dia eu encontrar, aqui, o que está por trás da palavra "paz', ter-me-á sido dado também através dela. Na verdade, a data não poderia ser aquela.
Se diversa, entretanto, impôs-se, por trocamento, no jogo da memória, por maior causa. Foi a moça quem enunciou, com a voz que assim nascia sem pretexto, que a data
era a de 1914? E para sempre a voz da moça retificava-a.
Tudo não demorou calado, tão fundamente, não existindo, enquanto viviam as pessoas capazes, quem sabe, de esclarecer onde estava e por onde andou o menino, naqueles
remotos, já peremptos anos? Só agora é que assoma, muito lento, o difícil clarão reminiscente, ao termo talvez de longuíssima viagem, vindo ferir-lhe a consciência.
Só não chegam até nós, de outro modo, as estrelas.
Ultramuito, porém, houve o que há, por aquela parte, até onde o luar do meu mais-longe, o que certifico e sei. A casa - rústica ou solarenga - sem história visível,
só por sombras, tintas surdas: a janela parapeitada, o patamar da escadaria, as vazias tarimbas dos escravos, o tumulto do gado? Se eu conseguir recordar, ganharei
calma, se conseguisse religar-me: adivinhar o verdadeiro e real, já havido. Infância é coisa, coisa?
A moça e o moço, quando entre si, passavam-se um embebido olhar, diferente do dos outros; e radiava ém ambos um modo igual, parecido. Eles olhavam um para o outro
como os passarinhos ouvidos de repente a cantar, as árvores pé-ante-pé, as nuvens desconcertadas: como do assoprado das cinzas a esplendição das brasas. Eles se
olhavam para nao-distância, estiadamente, sem saberes, sem caso. Mas a moça estava devagar. Mas o moço estava ansioso. O menino, sempre lá perto, tinha de procurar-lhes
os olhos. Na própria precisão com que outras passa-
gens lembradas se oferecem, de entre impressões confusas, talvez se agite a maligna astúcia da porção escura de nós mesmos, que tenta incompreensivelmeflte enganei-nos,
ou, pelo menos, retardar que perscrutemos qualquer verdade. Mas o menino queria que os dois nunca deixassem de assim se olhar. Nenhuns olhos têm fundo; a vida, também,
não
Aquela casa, como e por que viera ter o menino? Talvez, em desviada viagem, sem pessoas da família. Sua estada esperara-se para mais curta, do que foi? Porque, primeiro,
todos pensavam esconder-lhe o que havia num determinado quarto, e mesmo o passo do corredor para onde dava aquele quarto. A dúvida que isso marcou, no menino, ajuda-o
agora a muito se lembrar. A moça, porém, era a mais formosa criatura que jamais. foi vista, e não há fim de sua beleza. Ela poderia ser a princesa no castelo, na
torre. Em redor da altura da torre do castelo, não deviam de revoar as negras águias? O homem, velho, quieto e sem falar, seria, na realidade, o pai da moça. O homem
concordava com todos, sem tristezas se calava? As nuvens são para não serem vistas. Mesmo um menino sabe, às vezes, desconfiar do estreito caminhozinho por onde
a gente tem de ir - beirando entre a paz e a angústia.
Depois, porém, porque mudassem de idéia, ou porque o menino tivesse de sojornar lá por mais tempo, deixaram-no saber o que dentro daquele dito quarto se guardava.
Deixaram-no ver. E, o que havia ali, era uma mu[her. Era uma velha, uma velhinha - de história, de estórla - velhíssíma, a inacreditável. Tanto, tanto, que ela se
encolhera, encurtara-se, pequenina como uma criança, toda enrugadinha, desbotada: não caminharia, nem ficava em pé, e quase não dava acordo de coisa nenhuma, perdida
a claridade do juízo. Não sabiam mais quem ela era, tresbísavó de quem, nem de que idade, incomputada, Incalculável, vinda através de gerações, sem ninguém, SÓ ainda
da mesma nossa espécie e figura. Caso imemorial,apenas com a incerta noção de que fosse parenta deles. Ela não poderia mais ser comparada. A moça, com amor, tratava
dela.
Tênue, tênue, tem de insistir-se o esforço para algo remembrar, da chuva que caía, da planta que crescia, retrocedidamente, por espaço, os castiçais, os baús, arcas,
canastras, na tenebrosidade, a gris pantalha, o oratório, registros de santos, como se um pedaço de renda antiga, que se desfaz ao se desdobrar, os cheiros nunca
mais respirados, suspensas florestas, o porta-retratos de cristal, floresta e olhos, ilhas que se brancas, as vozes das pessoas, extrair e reter, revolver em mim,
trazer a foco as altas camas de torneado, um catre com cabeceira dourada; talvez as coisas mais ajudando, as coisas, que mais perduram: o comprido espeto de ferro,
na mão da preta, o batedor de chocolate, de jacarandá, na prateleira com alguidares, pichorras, canecos de estanho. O menino, assustando-se, correra a refugiar-se
na cozinha, escura e imensa, onde mulheres de grossos pés e pernas riam e falavam.
A moça e o moço vieram buscá-lo? O moço causava-lhe antipatia e rancor, dele já tinha ciúmes. A moça, de formosura tão extremada, vestida de preto, e ela era alta,
alva, alva; parecia estar de madrinha num casamento, ou num teatro? Ela carregou o menino, cheirava a vem de verde e a rosa, mais meigo que as rosas cheiram, mais
grave. O moço ria, exato. Tranqüilizavam-no, diziam: que a velhinha não era a morte, não. Nem estava morta. Antes, era a vida. Ali, num só ser, a vida vibrava em
silêncio, dentro de si, intrínseca, só o coração, o espírito da vida, que esperava. Aquela mulher ainda existir parecia um desatino de que ela mesma nem tivesse
culpa. Mas o moço não ria mais. Lá estava também o homem calado, de costas, mesmo de pé ele rezava o terço, num rosário de pretas camáldulas.
Diziam ao menino, demonstravam-lhe: que a velhinha não era sombração, mas sim pessoa. Sem que lhe
soubessem o verdadeiro nome, chamavam-na a Nenha. lia ficava tão quieta, no meio da alta cama de torneados, o catre com cabeceira dourada, que ali quase se sumia,
nos panos, algo inviolável em sua exigüídade, e respirava. Era cor de cidra, em todas as rugazinhas - e os olhos abertos, garços. O que ela não tinha era pálpebras?
Todavia, um trêmíto, uma babinha, no murcho, a Ixca, e era o docemente incompreensível. O menino sorriu. Perguntou: - "Ela beladormeceu?" A moça beijou-o. A vida
era o vento querendo apagar uma lamparina. O caminhar das sombras de uma pessoa imóvel.
A moça não queria que coisa alguma acontecesse. A moça tinha um leque? O moço conjurava-a, suspensos olhos. A moça disse ao moço: - "Você ainda não sabe sofrer..
." - e ela tremia como os ares azuis. Tenho de me lembrar. O passado é que veio a mim, como uma nuvem, vem para ser reconhecido: apenas, não estou sabendo decifrá-lo.
Estava-se no grande jardim. Para lá, tinham trazido também a Nenha, velhinha.
Traziam-na, para tomar sol, acomodadinha num cesto, que parecia um berço. Tão galante, tudo, que o menino de repente se esqueceu e precipitouse: queria brincar
com ela! A moça impediu-o apenas com brandura, sem o repreender, ela lá se sentava, entre madressilvas e rosmaninhos, insubstituível. Olhava- para a Nenha, extremosamente,
de delonga, pelo curso dos anos, pelos diferentes tempos, ela também menina ancianíssima. Recobrira-a com um xale antigo, da velhinha não se viam as mãos. Só o engraçadinho,
pueril acondicionamento, o somo lmpalpar-se, amável ridicularia. Davam-lhe à boca comldlnha mole. Tornavam-lhe às vezes uns sorrisinhos, um tanger de tosse, chegava
a falar - e escassamente podia ser entendida - no semi-sussuro mais discreto que o bater da borboletínha branca. A moça adivinhava-a? Pedia água. A moça trazia a
água, vinha com nas duas mios o copo cheio às beiras, sorrindo igual, sem deixar cair fora uma única gota - a gente pensava que ela devia de ter nascido assim, com
aquele copo de água pela borda, e conservá-lo até a hora de desnascer: dele nada se derramasse.
Não, a Nenha não reconhecia ninguém, alheada de fim, só um pensar sem inteligência, imensa omissão, e já condenados segredos - coràção imperceptível. No que vagueia
os olhos, contudo, surpreende-se-lhe o imanecer da bem-aventura, transordinãria benignídade, o bom fantástico. O menino perguntou: - "Ela agora está cheia de juízo?"
A moça firmou o olhar, como o luar desassombra. O rumor da tesoura grande podava as roseiras. Era o homem velho, de pé, de contraluz, homem muito alto. O moço pegou
na mão da moça, ele estava apaixonado. O menino se recolheu, olhando para o chão, numa tristeza de amuo.
O homem velho só queria ver as flores, ficar entre elas, cuidá-las. O homem velho brincava com as flores. Cerra-se a névoa, o escurecido, há uma muralha de
fadiga. Orientar-me! - como um riachinho, às voltas, que tentasse subir a montanha. Havia um fio de barbante, que a gente enrolava num pauzinho. A moça repetia coisas
tantas, muito mansas, ao moço. Tenho de me recuperar, desdeslembrar-me, excogitar - que sei? -das camadas angustiosas do olvido. Como vivi e mudei, o passado mudou
também. Se eu conseguir retomá-lo. Do que falavam o moço e a moça. Do velho homem, pai dela, desenganadamente doente, para qualquer momento, mortal.
- "E ele já sabe?" - o moço perguntou. A moça, com um lenço branco, muito fino, limpava a sumida boca da Nenha, velhinha. - "Ele sabe. Mas não sabe por que!"
- ela falou, tinha fechado os olhos, tesa, parada. O moço se mordeu, um curto. - "E quem é que sabe? E para que saber por que temos de morrer?" -disse, disse. A
moça, agora, era que pegava na mão dele.
Venho a me lembrar. Quando amadomno. De como fora possível que tão de todo se perdesse a tradição do nome e pessoa daquela Nenha, velhlssíma, antepassada, ccmservada
contudo ali, por seu povo de parentes. Alguém, antes de morrer, ainda se lembrava de que não se lembrava: ela seria apenas a mãe de uma outra, de uma outra, de uma
outra, para trás. Antes de vir para a f a-senda, ela ter-se-ia residido em cidade ou vila, numa corta casa, num largo, culdada por umas irmãs solteimonas. Mesmo
essas, mal contavam. Dera-se que, em tempos, quase todas as antecedentes mulheres da família, de roca e fuso, sucessivamente teriam morrido, quase de uma vez, do
mal-de-semana, febre de parto; daí, rompido o conhecimento, os homens se mudando, andara confiada a estranhos a Nenha, velhinha, que durava, visual, além de todas
as raias do viver comum e da velhez, mas na perpetuidade. Então, o fato se dissolve. As lembranças são outras distâncias. Eram coisas que paravam Já à beira de um
grande sono. A gente cresce sempre, sem saber para onde.
Trasvlsto, sem se sofrear, fechando os dentes, o moço argtila com a moça, ela firme e doçura. Ela tinha dito:
..... esperar, até a hora da morte..." Soturno, nervoso, o moço não podia entender, considerar no impeditivo. Porque a moça explicava: que não a morte do pai, nem
da velhinha Nenha, de quem era a tratadeira. Falou: -"Mas a nossa morte.. ." Sobre este ponto, ela sorria - multo - flor, limite de transformação. Obrigara-se por
um voto? Não. Mais disse: - "Se eu, se você gostar de mim... E como saber se é o amor certo, o único? Tanto é o poder errar, nos enganos da vida... Será que você
seria capaz de se esquecer de mim, e, assim mesmo, depois e depois, sem saber, sem querer, continuar gostando? Como é que a gente sabe?" Ouvida a resposta da moça,
o menino estremeceu, queria que ela não tivesse falado. Reperdlda a remembrança, a representação de tudo se desordena: é uma ponte, ponte - mas que, a certa hora,
se acabou, parece'que. Luta-se com a memória. Atordoado, o menino, tornado quase incônscio, como se não fosse ninguém, ou se todos uma pessoa só, uma só vida fossem:
ele, a moça, o moço, o homem velho e a Nenha, velhinha - em quem trouxe os olhos.
Vê-se - fechando um pouco os olhos, como a memória pede: o reconhecimento, a lembrança do quadro, se esclarece, se desembaça. Desesperado, o moço, lívido, ríspido,
falava com a moça, agarrava-se aos varões da grade do jardim. Dissesse: que era um simples homem, são em juízo, para não tentar a Deus, mas para seguir o viver comum,
por seus meios, pelos planos caminhos! Que será, agora, se a moça não o quiser reter, se ela não concordar? A moça, lágrimas em olhos, mas mediante o sorriso, linda
já de outra espécie. Ela não concordou. Ela só olhava com enorme amor para o moço. Então, ele deu-lhe as costas. E a moça se ajoelhou, curvada para o berço da Nenha,
velhinha, e chorava, abraçando-a -ela se abraçava com o incomutável, o imutável. Tanto, de uma vez, ela se separava da' gente, que mesmo o menino não podia querer
ficar com ela, consolá-la. O menino, contra tudo o que sentisse, acompanhou o moço. O moço o aceitou, pegou-lhe da mão, juntos caminharam.
O moço viera com tropeço, apalpando as paredes, como os cegos. E entraram no quarto, ao extremo da varanda, no escritório. Aquela mesa-escrivaninha cheirava tão
bom, a madeira vermelha, a gaveta, o menino gostaria de guardar para si a revista, com as figuras coloridas; mas não teve ânimo de pedir. O moço escreveu o bilhete,
era para a moça, ali o depositou. O que estava nele, não se sabe, nunca mais. Não se viu mais a moça. O moço partia, para sempre, torna-viajor, com ele ia também
o menino, de volta a casa. O moço, com a capa de baeta azul, trazia-o, à frente da sela. Voltaram os olhos, já a distância: do limiar, à porta, só o homem alto,
sem se poder ver-lhe o rosto, desconhecidamente, fazia-lhes ainda sinais de adeus.
A viagem devia de ser longa, com aquele moço, que falava com o menino, com ele tratava mão por mão, carecia de selar palavras. Ele, o moço, disse: - "Será que posso
viver sem dela me esquecer, até a grande hora? Será que em meu coração ela tenha razão? .. ." O menino não respondeu, só pensou, forte: - "Eu, também!" Ah, ele tinha
ira desse moço, ira de rivalidades. Do moço,
que outras coisas repetia, que ele não queria perceber. Pediu: se podia vir à garupa, em vez de no arção? Ele
queria não ficar perto da voz e do coração desse moço, que ele detestava. Tem horas em que, de repente, o mundo vira pequenininho, mas noutro de-repente ele já torna
a ser demais de grande, outra vez. A gente deve de esperar o terceiro pensamento. O moço não falava, agora. Falido, Ido, noutro confusamento, ele rompeu a chorar.
Pouco a pouco, o menino, devagarinho, chorava, também, o cavalo soprava. O menino sentia: que, se, de um jeito, fosse ele poder gostar, por querer, desse moço, então,
de algum modo, era como se ele ficasse mais perto da moça, tão linda, tão longe, para sempre, na soledade. Daí, viu-se em casa. Chegara.
Nunca mais soube nada do moço, nem quem era, vindo junto comigo. Reparei em meu pai, que tinha bigodes. Meu pai, estava dando ordens a dois homens, que era para
levantarem o muro novo, no quintal. Minha mãe me beijou, queria saber notícias de muita gente, olhava se eu não rasgara minha roupa, se tinha ainda no pescoço, sem
perder nenhum, os santos de todas as medalhinhas.
E eu precisei de fazer alguma coisa, de mim, chorei e gritei, a eles dois: - "Vocês não sabem de nada, de nada, ouviram?! Vocês já se esqueceram de tudo o que, algum
dia, sabiam! ..."
E eles abaixaram as cabeças, figuro que estremeceram.
Porque eu desconheci meus país - eram-me tão estranhos; jamais poderia verdadeiramente conhecê-los, eu; eu?
9
Fatalidade
Foi o caso que um homenzinho, recém-aparecido na cidade, veio à casa do meu amigo, por questão de vida e morte, pedir providências. Meu amigo sendo de vasto saber
e pensar, poeta, professor, ex-sargento de cavalaria e delegado de polícia. Por tudo, talvez, costumava afirmar: - "A vida de um ser humano, entre outros seres humanos,
é impossível. O que vemos, é apenas milagre; salvo melhor raciocínio". Meu amigo sendo fatalista.
Na data e hora, estava-se em seu fundo de quintal, exercitando ao alvo, com carabinas e revólveres, revezadamente. Meu amigo, a bom seguro que, no mundo, ninguém,
jamais, atirou quanto ele tão bem - no agudo da pontaria e rapidez em sacar arma; gastava nisso, por dia, caixas de balas. Estava justamente especulando: -"Só quem
entendia de tudo eram os gregos. A vida tem poucas possibilidades". Fatalista como uma louça, o meu amigo. Sucedeu nesse comenos que o vieram chamar, que o homenzinho
o procurava.
O qual, vendo-se que caipira, ar e traje. Dava-se de entre vinte-e-muitos e trinta anos; devia de ter bem menos, portanto. Miúdo, moido. Mas concreto como
uma anta, e carregado o rosto, gravado, tão sumetido, o coitado; as mãos calosas, de enxadachím. Meu amigo, mandando-lhe sentar e esperar, continuou, baixo, a conversa;
fio que, apenas, para poder melhor observar o outro, vez a vez, com o rabo-do-olho, aprontando-lhe a avaliação. Do que disse: - "Se o destino são componentes consecutivas
- além das circunstâncias gerais de pessoa, tempo e lugar.., e o karma.. ." Ponto é que o meu amigo existia, muito; não se fornecia somente figura fabulável, entenda-se.
O homenzinho se sentara na ponta da cadeira, os pés e joelhos juntos, segurando com as duas mãos o chapéu; tudo limpinho pobre.
Convidado a dizer-se, declinou que de nome José de Tal, mas, com perdão, por apelido Zé Centeralfe. Sentia-se que ele era um sujeito já arrumado em si; nem estava
muito nervoso. Embrulhava-se a falar, por gravidade: -"Sou homem de muita lei... Tenho um primo oficial-de-jtiça... Mas não me abrange socorro... Sou muito amante
da ordem.. ." Meu amigo murmurou mais ou menos: - "Não estamos debaixo da lei, mas da graça.. ." - cuido que citasse epístola de São Paulo; e receei que ele não
simpatizasse com Zé Centeralfe. Mas, o homenzinho, posto em cruz comprida, e porque se achasse rebaixado, quase desonrado - e ameaçado - viera dar parte. Apanhou
o chapéu, que caíra ao chão, com a mão o espanava.
Representou: que era casado, em face do civil e da Igreja, sem filhos, morador no arraial do Pai-do-Padre. Vivia tão bem, com a mulher, que tirava divertimento
do comum e no trabalho não compunha desgosto. Mas, de mandado do mal, se deu que foi infernar lá um desordeiro, víndiço, se engraçou desbrioso com a mulher, olhou
para ela com olho quente... - "Qual é o nome?"
- Meu amigo o interrompeu; ele seguia biograficamente os valentôes do Sul do Estado. - "É um Hercullnão, cujo sobrenome Socó.. ." - explicou o homenzinho. Meu amigo
voltou-se, rosnou: - "Horripilante badameco.. ." Por certo esse Herculinão Socó desmerecesse a mínima simpatia humana, ao contrário, por exemplo, do jovem Joãozinho
do Cabo-Verde, que se famígerara das duas bandas da divisa, mas, ao conhecer pessoalmente meu amigo - "... um homem de lealdade tão ilus
e... "-resolveu passar-se definitivo para o lado paulista, a fim de com ele jamais ter de ver-se em confusão. Sem saber o que, o homenzinho Zé Centeralfe aprovava
com a cabeça. Relatava.
Só para atalhar discórdias, prudenciara; sempre seria melhor levar à paciência. E se humilhara, a menos não poder. Mas, o outro, rufião biltre, não tinha emende,
se desbragava, não cedia desse atrevimento. - "Ele neo tem estatutos. Quem vai arrazoar com homen de má cabeça? Para isso não tenho cara.. ." Só se para o vir-às-mãos,
para alguma injusta desgraça. Nem podia dar querela: a marca de autoridade, no Pai-do-Padre, se estava em falta. A mulher não tinha mais como botar os pés fora da
porta, que o homem surgia para desusar os alhos nela, para a desaforar, com essas propostas. -"Somente a situação empiorava, por culpa de hirsúcia daquele homem
alheio.. ." Curvara-se, sempre de meia-esguelha, a ponto que parecia cair da cadeira. Meu. amigo animou-o: - "Quanta crista!" - e aí ele depositou no colo o chapéu,
e direito se sentou.
Sucedendo-se os sustos e vexames, não acharam ouro meio. Ele e a mulher decidiram se mudar. - "Sendo para a pobreza da gente um cortado e penoso. Afora as saudades
de se sair do Pai-do-Padre; a gente era de muite estimação lá." Mas, para considerar Deus, e não traspassar a lei, o jeito era. - "Larguei para o arraial. do Amparo..
." Arranjaram no Amparo uma casinha, uma roça, uma horta. Mas, o homem,.. o nominoso, não tardou em aparecer, sempre no malfazer, naquela sécia. Se arranchou. Sua
embirração trans.tazia um danado de poder, todos dele tomavam medo. E foi a custo ainda maior, e quase à escondida, que José Centeralfe e a esposa conseguiram fugir
de lá também, tendo pesar.
Por conta daquele. - "Cuj alma!" - proferiu meu amigo, meticuloso indo ajeitar uma carabina, que se exibia, oblíqua, na parede. Pois a sala - de tão repleta de:
rlfles, pistolas, espingardas - semelhava o que nunca se vê. - "Esta leva longe . . '" - disse, e riu, um tanto malignamente. Tornou a sentar-se, porém, sorrindo
agradado para o José Centeralfe.
Mas mais o homenzinho se ensombrara.
Fosse chorar?
Falou: - "Viajamos para cá, e ele, nos rastros, lastimando a gente. É peta. Não me perdeu de vistas. Adonde vou, o homem me atravessa... Tenho de tomar sentido,
para não entestar com ele". Durou numa pausa. Daí, pela primeira vez, alçou a voz: - "Terá o jus disso, o que passa das marcas? É réu? É para se citar? É um homem
de trapaças, eu sei. Aqui é cidade, diz-se que um pode puxar pelos seus direitos. Sou pobre, no particular. Mas eu quero é a lei.. ." - Tanto dito, calou-se, em
silêncio médio; pedia, com olhos de cachorro.
Meu amigo fez uma coisa. Virou, por metade, o rosto, para encarar aquela carabina. Sério, carregando o minuto. Só. Sem voz. Mais nela afirmando a vista, enquanto
umas quantas vezes rabeava com os olhos, na direção do homenzinho; em ato, chamando-o a que também a olhasse, como que a o puxar à lição. Mas o outro ainda não entendia
que ele acenasse em alguma coisa. Sem tanto, que deu: - "E eu o que faço?" - na direta perguntação.
Surdeava o meu amigo, pato-mudo. Soprou nos dedos. Sempre em fito, na arma, na parede, e remirando o outro - ao tempo que - tanto quanto tanto. De feito. O homenzinho
se arregalou - de desperto. Desde que desde, ele entendesse, a ver o que para valer: a chave do jogo. Entendeu. Disse: - "Ah..." E se riu:
às razões e conseqüências. Donde bem, se levantou; podia portar por fé.
Sem mais perplexidades, se ia. Agradecia, reespiritado, com sua força de seu santo. Ia a sair. Meu amigo só ainda perguntou: - "Quer café.., ou uma cachacinha?"
E o outro, de sisório: - "Seja, que aceito... depois". Outras palavras não trocaram. Meu amigo aper
y
Le a. mão. Sim, se foi, o José Centeralfe. Meu amigo, valedor, causavelmente, de vá-à-garra o deixava? Coitou: - "Coronha ou cano.. ." O homenzinho, tão
perecível um fagamicho, o mofino - era para esforço tutãnlco? Meu amigo sendo o nome do caos. Porém, revistando sua arma, se o tambor se achava cheio. Disse:
- "Sigamos o nosso carecido Aquiles. . ." Pois se pois. Seguímo-lo.
Ele ia, e muito.
Tinha-se de dobrar o passo.
E - de repente e súbito - precipitou-se a ocasião:
lá vinha, fatalmente, o outro, o Herculinão, descompassante. Meu amigo soprou um semi-espirro, canino, conforme seu vezo e uso, em essas, em cheirando a pólvoras.
E... foi: fogo, com rapidez angélica: e o falecido Herculinão, trapuz, já arriado lá; já com algo entre os próprios e infra-humanos olhos, lá nele - tapando o olho-da-rua.
Não há como o curso de uma bala; e - corno és bela e fugaz, vida!
Três, porém, haviam tirado arma, e dois tiros tinham-se ouvido? Só o Herculinão não teve tempo. Com outra bala, no coração. Homem lento.
O Centeralfe se explicou: - "Este iscariotes..
Meu amigo, não. Disse um "Oh" polissilábico, sem despesas de emoção. Disse: - "Tudo não é escrito e previsto? Hoje, o deste homem. Os gregos.. ." Disse: -"Mas...
a necessidade tem mãos de bronze... 'Disse: -"Resistência à prisão, constatada.. ." Dissera um "nao, metaflsicado.
Sem repiques nem rebates, providenciava a remoção do Herculinão, com presteza, para sua competente cova.
E convidava-nos a almoçar, ao Zé Centeralfe, prin
• cipalmente.
Meditava, o meu amigo. Disse: - "Esta nossa terra 6 Inabitada. Prova-se, isto..." - pontuante.
10
Seqüencia
Na estrada das Tabocas, uma vaca viajava. Vinha 14 pelo meio do caminho, como uma criatura cristã. A vaquinha vermelha, a cor grossa e afundada - o tom Intenso
de azamar. Ela solevava as ancas, no trote balançado e manso, seus cascos no chão batiam poeira. Nem hesitava nas encruzilhadas. Sacudia os chifres, recurvos em
coroa, e baixava testa, ao rumo, que reto a trazia, para o rio, e - para lá do rio - a terras de um major Quítérío, nos confins do dia, à fazenda do Pãodolhão.
No Arcanjo, onde a estrada borda o povoado, foi notada, e, vendo que era uma rês fujã, tentaram rebatê-la; se esvencilhou, feroz, e foi-se, porém. De beira
dos pastos, os anus, que voavam cruzando-a, desvinham de pousar-lhe às costas. No ríachinho do Gonçalves, quase findo à míngua d'água, se deteve para beber. Deram
tiros, no campo, caçando às codornas. Latidos, noutra parte, faziam-na entrar oculta no cerrado. Ora corriam dela umas mulheres, que andavam buscando lenha. Se encontrava
cavaleiros, sabia deles se alonj ar, colada ao tapume, com disfarces: sonsa curvada a pastar, no sofrido símulamento. Légua adiante, entanto, nos Antônios, desabalava
em galope, espandongada, ao passar por currais, donde ouvia gente e não era ainda o seu termo. Tio Terêncio, o velho, à porta de casa, conversou com o outro: - "Meo
fi'o, q'vaca qu'é essa?" - "Nhô pai,
e 'a n'é nossa, não." Seguia, certa; por amor, não por acaso.
Só, assim, a vaquinha se fugira, da Pedra, madrugadamente - entre o primeiro canto dos melros e o terceiro dos galos - o sol saindo à sua frente, num céu quase da
sua cor. Fazia parte de um gado, transportado, de boiadeiros, gado de coração ativo. Viera do Pãodo -lhão - sua querência. Apressava-se nela o empolgo de saudade
que adoece o boi sertanejo em terra estranha, cada outubro, no prever os trovões. Apanhara a boca-da-estrada - para os onde caminhos - fronteando o nascente.
Soada a noticia, seo Rigério, o dono da Pedra, disse:
- "Diaba". Ele era alto, o homem, para tão pequenina coisa. Seus sabedores informavam: que a marca sendo a de grànde fazendeiro, da outra banda, distante. Seus vaqueiros,
postos, prontos. Esse seo Rigério tinha os filhos diversos, que por em volta se achavam. Nem deles, para o que, havia a necessidade. E vede de que maneira tudo então
se passou.
Só um dos filhos, rapa, senhor-moço, quis-se, de repente, para aquilo: levar em brio e tomar em conta. Atou o laço na garupa. Disse: - "É uma vaquinha pitanga?"
Pôs-se a cavalo. Soubesse o que por lá o botava, se capaz. Saiu à estrada-geral. Ia indo, à espora leve. Ia desconhecidamente. Indo de oeste para leste.
Já a vaca. O avanço, que levava, não se lhe dava de o bastante. Ante o morro, a passo, breve, nem parava para os capins dos barrancos: arrancava-os, mesmo em marcha,
no mesmo surdo insossego. Se subia - cabeceava, num desconjuntado trabalho de si. Se descia -era beira-abismos, patas abertas, se borneando. Após, no plano, trotava.
Agora, lá num campal, outras vacas se avistavam. Olhava-as: alteou-se e berrou - o berro encheu a região tristonha. O dia era grande, azul e branco, por cima de
matos e poeiras. O sol inteiro.
Já o rapaz se anorteava. Só via o horizonte e sim.
Øabla o de uma vaquinha fugida: que, de alma, marca rumo e faz atalhos - querençosa. Entrequanto, ele
perguntava. Davam-lhe novas da arribada. Seu caval murça se aplicava, indo noutra forma, ligeiro. Sabia que coisa era o tempo, a involuntária aventura. E esquipava.
Ia o longo, longo, longo. Deu patas à fantasia. Ali, escampava. Tempo sem chuvas, terrentas campinas, os tabuleiros tão sujos, campos sem fisionomia. O rapaz ora
se cansava. Desde aí, o muito descansou. Do que, após, se atormentava. Apertou.
Com horas de diferença, a vaquinha providenciava. Aqui alta cerca a parou, foi seguindo-a, beira, beira Dava num córrego. No córrego .a vaquinha entrou, veio vindo,
dentro d'água. Três vezes esperta. Até que outra cerca travou-a, ia deixando-a desairada. Volveu - irrompida ida: de um ímpeto então a saltou: num salto que queria
ser vôo. Vencia. E além se sumia a vaca vermelha, suspensa em bailado, a cauda oscilando. O inimigo já vinha perto.
O rapaz, no vão do mundo, assim vocado e ordenado. Ele agora se irritava. Pensou de arrepender caminho, suspender aquilo para mais tarde. Pensou palavra.
O estúpido em que se julgava. Desanímadamente, ele, malandante, podia tirar atrás. Aonde um animal o levava? O incomeçado, o empatoso, o desnorte, o necessário.
Voltasse sem ela, passava vergonha. Por que tinha assim tentado? Triste em torno. Só as encostas guardando o florir de árvores esfolhadas: seu roxo-escuro de julho
as carobínhas, ipês seu amarelo de agosto. Só via os longes de um quadro. O absurdo ar. Chatos mapas. O céu de se abismar. E indagava o chão, rastreava.
• Agora, manchava o campo a sombra grande de uma nuvem. O rapaz lançou longe um olhar. De repente,
ajustou a mão à testa, e exclamou. Do ponto, descortinou que: aquela. A vaquínha, respoeirando. Aí e lá, tomou-a em vista. O vulto, pé de pessoa, que a cumeada do
morro escalava. Ver o que diabo. Reduzida, ocupou, um Instante, a lomba lInha do espigão. AI, se afundou para o de lá, e se escondeu de seus olhos. Transcendia
ao que se destinava.
O rapaz, durante e tanto, montado no bom cavalo, à espora avante, galgando. Sempre e agudamente olhava.. Podia seguir com os olhos como o rastro se formava.
56 perseguia a paisagem. Preparava-se uma vastidão:
de manchas cinzas e amarelas. O céu também em amarelo. Pitavam extensões de campo, no virar do sol, das queimadas; altas, mais altas, azuis, as fumaças desmanchavam-se.
O rapaz - desdobrada vida - se pensou: - "Seja o que seja".
AI, subia também ao morro, de onde muito se enxergava: antes das portas do longe, as colinas convalares - e um rio, em suas baixadas, em sua várzea empalmeirada.
O rio, liso e brilhante, de movimentos invisíveis. Como cortando o mundo em dois, no caminho se atravessava - sem som. Seriam buracos negros, as sombras perto das
margens.
Depois dos destornamentos, a vaquinha chegava à beira, às derradeiras canas-bravas. Com roubada rapidez, la a levantar o degterro. Foi uma mexidinha figura - quase
que mal os dois chifres nadando - a vaca vérmelha o transpondo, a esse rio, de tardinha; que em setembro. Sob o céu que recebia a noite, e que as fumaças chamava.
Outrarte o ouro esboço do crepúsculo. O rapaz, o cavalo bom, como vinham, contornando. Antes do rio não viam: as aves, que já ninhavam. A beira, na tardação, não
queria desastrar-se, de nada; pensava. As pausas, parte por parte. Não ouviu sino de vésperas. Tinha de perder de ganhar? Já que sim e já que não, pensou assim:
jamais, jamenos... - o filho de seo Rigério. A fatal perseguição, podia quebrar e quitar-se. Hesitou, se. Por certo não passaria, sem o que ele mesmo não sabia -
a oculta, súbita saudade. Passo extremo! Pegou a descalçar as botas. E entrou - de peito feito.
qüilas águas trans - às braças. Era um rio e u além. Estava, já, do outro lado.
- "A vaca?" - e apertava o encalço - à boa espora, à rédea larga. Mas a vaca era uma malícia, precipita va-se o logro. Nisso, anoiteceu. E não é que, seu cavalo,
murça, se sentia - da viagem de pêlo a pêlo: os joelhos bambeava, descaía, quase caia para a frente o cavaleiro.
Iam-se, na ceguez da noite - à casa da mãe do breu: a vaca, o homem, a vaca - transeuntes, galo-pondo. - "Onde então o Pãodolhão? Cujo dono? Vinha-se a qual destinatário?"
Pelas vertentes, distante, e até ao cimo do monte, um campo se incendiava: faiscas -as primeiras estrelas. O andamento. O rapaz: obcego. Sofria como podia, nem podia
mais desespero. O arrepio negro das árvores. O mundo entre as estrelas e os grilos. Semlluz: sós estrelas. Onde e aonde? A vaca, essa, sabia:
por amor desses lugares.
Chegava, chegavam. Os pastos da vasta fazenda. A vaca surgía-se na treva. Mugiu, arrancadamente. Remuglu em fim. A um bago de luz, lá, lá. As luzes qué pontllhavam,
acolá, as janelas da, casa, grande. Só era i.ima luz de entrequanto? A casa de um major Quitério.
O rapaz e a vaca se entrávam pela porteira-mestra dos currais. O rapaz desapeava. Sob o estúrdio atontamento, começou a subir a escada. Tanto tinha de explicar.
Tanto ele era o bem-chegado!
A uma roda de pessoas. As quatro moças da casa.
A uma delas, a segunda. Era alta, alva, amável. Ela se desescondia dele. Inesperavam-se? O moço compreendeu-se. Aquilo mudava o acontecido. Da vaca, ele a ela diria:
- "É sua". Suas duas almas se transformavam? R tudo à sazão do ser. No mundo nem há parvofces: o mel do maravilhoso, vindo a tais horas de estórias, o anel dos maravilhados.
Amavam-se.
E a vaca - vitória, em seus ondes, por seus passos.
11
O espelho
S e quer seguir-me, narro-lhe; não uma aventura, mas experiência, a que me induziram, alternadamente, séries de raciocínios e intuições. Tomou-me tempo, desânimos,
esforços. Dela me prezo, sem vangloriar-me. Surpreendo-me, porém, um tanto à-parte de todos, penetrando conhecimento que os outros ainda Ignoram. O senhor, por exemplo,
que sabe e estuda, suponho nem tenha kléia do que seja na verdade - um espelho? Demais, decerto, das noções de física, com que se familiarizou, as leis da óptica.
Reporto-me ao transcendente. Tudo, aliás, é a ponta de um mistério. Inclusive, os fatos. Ou a tusência deles. Duvida? Quando nada acontece, há um milagre que ão
estamos vendo.
Fixemo-nos no concreto. O espelho, são muitos, captando-lhe as feições; todos refletem-lhe o rosto, e o senhor crê-se com aspecto próprio e praticamente ímudado,
do qual lhe dão imagem fiel. Mas - que espelho?
Há-os "bons" e "maus", os que favorecem e os que de-traem; e os que são apenas honestos, pois não. E onde situar o nível e ponto dessa honestidade ou fidedignidade?
Como é que o senhor, eu, os restantes próximos, Somos, no visível? O senhor dirá: as fotografias o comprovam. Respondo: que, além de prevalecerem para as lentes
ds máquinas objeções análogas, seus resultados apólam antes que desmentem a minha tese, tanto revelam superporem-se aos dados íconográficos os índices do misterioso.
Ainda que tirados de imediato um após outro, os retratos sempre serão entre si muito diferentes. Se nunca atentou nisso, é porque vivemos, de modo Incorrigível,
distraídos das coisas mais importantes. E as máscaras, moldadas nos rostos? Valem, grosso modo, para o falquejo das formas, não para o explodir da expressao, o dinamismo
fisionômico. Não se esqueça, é de fenômenos sutis que estamos tratando.
Resta-lhe argumento: qualquer pessoa pode, a um tempo, ver o rosto de outra e sua reflexão no espelho. Sem sofisma, refuto-o. O experimento, por sinal ainda não
realizado com rigor, careceria de valor científico, em vista das irredutíveis deformações, de ordem psicológica. Tente, aliás, fazê-lo, e terá notáveis surpresas.
Além de que a simultaneidade torna-se impossível, no fluir de valores instantâneos. Ah, o tempo é o mágico de todas as traições... E os próprios olhos, de cada um
de nós, padecem viciação de origem, defeitos com que cresceram e a que se afizeram, mais e mais. Por começo, a criancinha vê os objetos invertidos, daí seu desajeitado
tatear; só a pouco e pouco é que consegue retificar, sobre a postura dos volumes externos, uma precária visão. Subsistem, porém, outras pechas, e mais graves. Os
olhos, por enquanto, são a porta do engano; duvide deles, dos seus, não de mim. Ah, meu amigo, a espécie humana peleja para impor ao latejante mundo um pouco de
rotina e lógica, mas algo ou alguém de tudo faz frincha para rir-se da gente... E então?
Note que meus reparos limitam-se ao capítulo dos espelhos planos, de uso comum. E os demais - côncavos, convexos, parabólicos - além da possibilidade de outros,
não descobertos, apenas, ainda? Um espelho, por exemplo, tetra ou quadridimensional? Parece-me não absurda, a hipótese. Matemáticos especializados, depois de mental
adestramento, vieram a construir objetos a quatro dimensões, para isso utilizando pequenos cubos, de várias cores, como esses com que os meninos brincam. Duvida?
Vejo que começa a descontar um pouco de sua micial desconfiança, quanto ao meu são juízo. Fiquemos, porém, no terra-a-terra. Rimo-nos, nas barracas de diversões,
daqueles caricatos espelhos, que nos reduzem a monstrengos, esticados ou globosos. Mas, se só usamos os planos - e nas curvas de um bule tem-se sofrível espelho
convexo, e numa colher brunida um côncavo razoável - deve-se a que pnmeiro a humanidade mirou-se nas superfícies de água quieta, lagoas, lameiros, fontes, delas
aprendendo a fazer tais utensílios de metal ou cristal. Tirésias, contudo, já havia predito ao bélo Narciso que ele viveria apenas enquanto a si mesmo não se visse...
Sim, são para se ter medo, os espelhos.
Temi-os, desde menino, por instintiva suspeita. Também os animais negam-se a encará-los, salvo as críveis excepções. Sou do interior, o senhor também; na nossa terra,
diz-se que nunca se deve olhar em espelho às horas mortas da noite, estando-se sozinho. Porque, neles, às vezes, em lugar de nossa imagem, assombra-nos alguma outra
e medonha visão. Sou, porém, positivo, um racional, piso o chão a pés e patas. Satisfazer-me com fantásticas não-explicações? - jamais. Que amedrontadora visão seria
então aquela? Quem o monstro?
Sendo talvez meu medo a revivescência de impressões atávicas? O espelho inspirava receio supersticioso aos primitivos, aqueles povos com a idéia de que o reflexo
de uma pessoa fosse a alma. Via de regra, sabe-o o senhor, é a superstição fecundo ponto de partida para a pesquisa. A alma do espelho - anote-a -, esplêndida metáfora.
Outros, aliás, identificavam a alma com a sombra do corpo; e não lhe terá escapado a polarização: luz - treva. Não se costumava tapar os espelhos, ou voltá-los contra
a parede, quando morria alguém da casa? Se, além de os utilizarem nos manejos da magia, imitativa ou simpática, videntes serviam-se deles, como da bola de cristal,
vislumbrando em seu campo esboçoe de futuros fatos, não será porque, através dos espelhos, parece que o tempo muda de direção e de velocidade? Alongo-me, porém.
Contava-lhe...
Foi num lavatório de edifício público, por acaso. Eu era moço, comigo contente, vaidoso. Descuidado, avistei... Explico-lhe: dois espelhos - um de parede, o outro
de porta lateral, aberta em ângulo propício - faziam jogo. E o que enxerguei, por Instante, foi uma figura, perfil humano, desagradável ao derradeiro grau, repulsivo
senão hediondo. Deu-me náusea, aquele homem, causava-me ódio e susto, eriçamento, espavor. E era
- logo descobri.., era eu, mesmo! O senhor acha que eu algum dia ia esquecer essa revelação?
Desde aí, comecei a procurar-me - ao eu por detrás de mim - à tona dos espelhos, em sua lisa, funda lâmina, em seu lume frio. Isso, que se saiba, antes ninguém tentara.
Quem se olha em espelho, o faz partindo de preconceito afetivo, de um mais ou menos falaz pressuposto: ninguém se acha na verdade feio: quando muito, em certos momentos,
desgostamo-nos por provisoriamente discrepantes de um ideal estético já aceito. Sou claro? O que se se busca, então, é verificar, acertar, trabalhar um modelo subjetivo,
preexlstente; enfim, ampliar o ilusório, mediante sucessivas novas capas de ilusão. Eu, porém, era um perquiridor Imparcial, neutro absolutamente. O caçador de meu
próprio aspecto formal, movido por curiosidade, quando não impessoal, desinteressada; para não dizer o urgir científico. Levei meses.
Sim, instrutivos. Operava com toda a sorte de astúcias: o rapidlssimo relance, os golpes de esguelha, a longa obliqüidade apurada, as contra-surpresas, a finta de
pálpebras, a tocaia com a luz de-repente acesa, os ângulos variados incessantemente. Sobretudo, uma Inembotável paciência. Mirava-me, também, em marcados momentos
- de ira, medo, orgulho abatido ou dilatado, extrema alegria ou tristeza. Sobreabriam-se-me enigmas. Se, por exemplo, em estado de ódio, o senhor enfrenta objetivamente
a sua imagem, o ódio reflui e recrudesce, em tremendas multiplicações: e o senhor vê, então, que, de fato, só se odeia é a si mesmo. Olhos contra os olhos. Soube-o:
os olhos da gente não têm fim. Só eles paravam imutáveis, no centro do segredo. Se é que de mim não zombassem, para lá de uma máscara. Porque, o resto, o rosto,
mudava permanentemente. O senhor, como os demais, não vê que seu rosto é apenas um movimento deceptivo, constante. Não vê, porque mal advertido, avezado; diria eu:
ainda adormecido, sem desenólver sequer as mais necessárias novas percepções. Não vê, como também não se vêem, no comum, os movimentos translatívo e rotatório deste
planeta Terra, sobre que os seus e os meus pés assentam. Se quiser, não me desculpe; mas o senhor me compreende.
Sendo assfm, necessitava eu de transverberar o em-buço, a travisagem daquela máscara, a fito de devassar o núcleo dessa nebulosa - a minha vera forma. Tinha de haver
um jeito. Meditei-o. Assistiram-me seguras inspirações.
Concluí que, interpenetrando-se no disfarce do rosto externo diversas componentes, meu problema seria o de submetê-las a um bloqueio "visual" ou anulamento perceptivo,
a suspensão de uma por uma, desde as mais rudimentares, grosseiras, ou de inferior significado. Tomei o elemento animal, para começo.
Parecer-se cada um de nós com determinado bicho, relembrar seu facies, é fato. Constato-o, apenas; longe de mim puxar à bimbalha temas de metempsicose ou teorias
biogenétícas. De um mestre, aliás, na ciência de Lavater, eu me inteirara no assunto. Que acha? Com caras e cabeças ovinas ou eqülnas, por exemplo, bastalhe relancear
a multidão ou atentar nos conhecidos, para reconhecer que os há, muitos. Meu sósia inferior na escala era, porém - a onça. Confirmei-me disso. E, então, eu teria
que, após dissociá-los meticulosamente, aprender a não ver, no espelho, os traços que em mim recordavam o grande felino. Atirei-me a tanto.
Releve-me não detalhar o método ou métodos de que me vali, e que revezavam a mais buscante análise e o estrênuo vigor de abstração. Mesmo as etapas preparatórias
dariam para aterrar a quem menos pronto ao árduo. Como todo homem culto, o senhor não desconhece a ioga, e já a terá praticado, quando não seja, em suas mais elementares
técnicas. E, os "exercícios espirituais" dos jesuítas, sei de filósofos e pensadores incréus que os cultivam, para aprofundarem-se na capacidade de concentração,
de par com a imaginação criadora... Enfim, não lhe oculto haver recorrido a meios um tanto emplrícos: gradações de luzes, lâmpadas coloridas, pomadas fosforescentes
na obscuridade. Só a uma expediêncía me recusei, por medíocre senão falseadora, a de empregar outras substâncias no aço e estanhagem dos espelhos. Mas, era principalmente
no modus de focar, na visão parcialmente alheada, que eu tinha de agilitar-me: olhar não-vendo. Sem ver o que, em "meu" rosto, não passava de reliquat bestial. Ia-oconseg1Jndo?
Saiba que eu perseguia uma realidade experimental, não uma hipótese imaginária. E digo-lhe que nessa operação fazia reais progressos. Pouco a pouco, no campo-de-vista
do espelho, minha figura reproduzia-se-me lacunar, com atenuadas, quase apagadas de todo, aquelas partes excrescentes. Prossegui. Já aí, porém, decidindo-me a tratar
simultaneamente as outras componentes, contingentes e ilusivas. Assim, o elemento hereditário
- as parecenças com os pais e avós - que são também, nos nossos rostos, um lastro evolutivo residual. Ah, méu amigo, nem no ovo o pinto está intato. E, em
seguida, o que se deveria ao contágio das paixões, manlfestadas ou latentes, o que ressaltava das desordenadas pressões psicológicas transitórias. E, ainda, o que,
em nossas caras, materializa idéias e sugestões de outrem; e os efêmeros interesses, sem seqüência nem antecedência, sem conexões nem fundura. Careceríamos de dias,
para explicar-lhe. Prefiro que tome minhas afirmações por seu valor nominal.
A medida que trabalhava com maior mestria, no excluir, abstrair e abstrar, meu esquema perspeticvo clivava-se em forma meândrica, a modos de couve-flor ou bucho
de boi, e em mosaicos, e francamente cavernoso, como uma esponja. E escurecia-se. Por aí, não obstante os cuidados com a saúde, comecei a sofrer dores de cabeça.
Será que me acovardei, sem menos? Perdoe-me, o senhor, o constrangimento, ao ter de mudar de tom para confidência tão humana, em nota de fraqueza inesperada e indigna.
Lembre-se, porém, de Terêncío. Sim, os antigos; acudiu-me que representavam justamente com um espelho, rodeado de uma serpente, a Prudência, como divindade alegórica.
De golpe, abandonei a investigação. Deixei, mesmo, por meses, de me olhar em qualquer espelho.
Mas, com o comum correr cotidiano, a gente se aquieta, esquece-se de muito. O tempo, em longo trecho, é sempre tranqüilo. E pode ser, não menos, que encoberta curiosidade
me picasse. Um dia... Desculpe-me, não viso a efeitos de ficcionista, infletindo de propósito, em agudo, as situações. Símplesménte lhe digo que me olhei num espelho
e não me vi. Não vi nada. Só o campo, liso, às vácuas, aberto como o sol, água- límpíssima, à dispersão da luz, tapadamente tudo. Eu não tinha formas, rosto? Apalpei-me,
em muito. Mas, o invisto. O ficto. O sem evidência fisica. Eu era - o transparente contem-plor?... Tirei-me. Aturdi-me, a ponto de me deixar cair numa poltrona.
Com que, então, durante aqueles meses de repouso, a faculdade, antes buscada, por si em mim se exercitara! Para sempre? Voltei a querer encarar-me. Nada. E, o que
tomadamente me estarreceu: eu não via os meus olhos. No brilhante e polido nada, não se me espelhavam nem eles!
Tanto dito que, partindo para uma figura gradualmente simplificada, despojara-me, ao termo, até a total desfigura. E a terrível conclusão: não haveria em mim uma
existência central, pessoal, autônoma? Seria eu um... des-almado? Então, o que se me fingia de um suposto eu, não era mais que, sobre a persistência do animal, um
pouco de herança, de soltos instintos, energia passional estranha, um entrecruzar-se de influências, e tudo o mais que na impermanência se indefine? Diziam-me isso
os raios luminosos e a face vazia do espelho - com rigorosa infidelidade. E, seria assim, com todos? Seríamos não muito mais que as crianças - o espírito do viver
não passando de ímpetos espasmódicos, relampejados entre miragens: a esperança e a memória.
Mas, o senhor estará achando que desvario e desoriento-me, confundindo o físico, o híperflsico e o trans-físico, fora do menor equilíbrio de raciocínio ou alinhamento
lógico - na conta agora caio. Estará pensando que, do que eu disse, nada se acerta, nada prova nada. Mesmo que tudo fosse verdade, não seria mais que reles obsessão
auto-sugestiva, e o despropósito de pretender que psiquismo ou alma se retratassem em espelho...
Dou-lhe razão. Há, porém, que sou um mau contador, precipitando-me às ilações antes dos fatos, e, pois:
pondo os bois atrás do carro e os chifres depois dos bois. Releve-me. E deixe que o final de meu capítulo traga luzes ao até agora aventado, canhestra e antecipadamente.
São sucessos muito de ordem íntima, de caráter assaz esquisito. Narro-os, sob palavra, sob segredo. Pejo-me. Tenho de demais resumi-los.
Pois foi que, mais tarde, anos, ao fim de uma ocasião de sofrimentos grandes, de novo me defrontei -não rosto a rosto. O espelho mostrou-me. Ouça. Por um certo tempo,
nada enxerguei. Só então, só depois: o tênue começo de um quanto como uma luz, que se nublava, aos poucos tentando-se em débil cintilação, radiância. Seu mínimo
ondear comovia-me, ou já estaria contido em minha emoção? Que luzinha, aquela, que de mim se emitia, para deter-se acolá, refletida, surpresa? Se quiser, infira
o senhor mesmo.
São coisas que se não devem entrever; pelo menos, além de um tanto. São outras coisas, conforme pude distinguir, muito mais tarde - por último - num espelho. Por
aí, perdoe-me o detalhe, eu já amava - já aprendendo, isto seja, a conformidade e a alegria. E... Sim, vi, a mim mesmo, de novo, meu rosto, um rosto; não este, que
o senhor razoavelmente me atribui. Mas o ainda-nem-rosto - quase delineado, apenas - mal
• emergindo, qual uma flor pelágica, de nascimento
• abissal ... E era não mais que: rostinho de menino, de menos-que-menino, só. Só. Será que o senhor nunca compreenderá?
Devia ou não devia contar-lhe, por motivos de talvez. Do que digo, descubro, deduzo. Será, se? Apalpo o evidente? Tresbusco. Será este nosso desengonço e mundo o
plano - interseção de planos - onde se completam de fazer as almas?
Se sim, a "vida" consiste em experiência extrema e séria; sua técnica - ou pelo menos parte - exigindo
- o consciente alijamento, o despojamento, de tudo o que obstrui o crescer da alma, o que a atulha e soterra? Depois, o "salto mortale" ... - digo-o, do jeito, não
porque os acrobatas italianos o aviventaram, mas por precisarem de toque e timbre novos as comuns expressões, amortecidas... E o julgamento-problema, podendo sobrevir
com a simples pergunta: - "Você chegou a existir?"
Sim? Mas, então, está irremediavelmente destruída a concepção de vivermos em agradável acaso, sem razão nenhuma, num vale de bobagens? Disse. Se me permite, espero,
agora, sua opinião, mesma, do senhor, sobre tanto assunto. Solicito os reparos que se digne dar-me,a mim, servo do senhor, recente amigo, mas companheiro Nada
e a nossa condição no amor da ciência, de seus transviados acertos e de seus esbarros titubeados. Sim?
12
Nada e a nossa condição
N
a minha família, em minha terra,. ninguém conheceu uma vez um homem, de mais excelência que presença, que podia ter sido o velho rei ou o príncipe mais moço, nas
futuras estórias de fadas. Era fazendeiro e chamava-se Tio Man'Antônio.
Sua fazenda, cuja sede dístava de qualquer outra talvez mesmo dez léguas, dobrava-se na montanha, em muito erguido ponto e de onde o ar num máximo raio se afinava
translúcido: ali as manhãs dando de plano e, de tarde, os tintos roxo e rosa no poente não dizendo de bom nem mau tempo. Essa fazenda, Tio Man'Antônio tivera-a menos
por herança que por compra; e tão apartado em si se conduzia ele, individido e esquivo na conversa, que jamais quase a referisse pelo nome, mas, raro e apenas, sobmaneira:
- .... . Lá em casa... Vou para casa "
A que - assobradada, alicerçada fundo, de tetos altos, longa, e com quantos sem uso corredores e quartos, cheirando a fruta, flor, couro, madeiras, fubá fresco e
excremento de vaca - fazia face para o norte, entre o quintal de limoeiros e os currais, que eram um ornato; e, à frente, escada de pau de 40 degraus em dois lanços
levaya ao espaço da varanda, onde, de um caibro, a um canto, pendia ainda a corda do sino de outrora comandar os escravos assenzalados.
Tio Man'Antômo, esperava-o lá a mulher, Tia Liduma, de árdda e imemorial cordura, certa para o nunca e sempre. E rodeavam-no as filhas, singelas, sérias, cuidosas,
como supridamente sentiam que o amavam. Salvavam-no, com invariável sus'Jesus, desde bem antes da primeira cancela, diversidade de servos, gente indígena, que por
alhures e além estanciavam. Mas, ele, de cada vez, se curvara, de um jeito, para entrar, como se a elevada porta fosse acanhada e alheia, convidadamente, aos bons
abrigos. Vivia, feito tenção. Assim, a respeito dele, muita real coisa ninguém sabia.
Só se de longe. Senão quando vinha, constante, serra acima, a retornar viagem, galgando caminhos fragosos, à beira de despenhadeiros e crevassas - grotas em tremenda
altura. Da varanda, dado o dia diáfano, já ainda a distância de tanto e légua avistavam-no, pontuando o claro do ar, em certas voltas de estrada, a aproximar-se
e desaproximar-se, sequer seqüente. Insistindo, à cavalga no burro forçoso e manso, aos poucos avançava, Tio Man'Antônio, em rigoroso traje, ainda que a ordinária
roupa de brim cor de barro, pois que sempre em grau de reles libré; e sem polainas nem botas, quiçá nem esporas. A tento, amiúde, distinguir-se-iam mesmo seus omissos
gestos principais: o de, vez em vez, fazer que afastava, devagar, de si, quaisquer coisas; o de alisar com os dedos a testa, enquanto pensava o que não pensava,
propenso a tudo, afetando um cochilo. Nem olhasse mais a paisagem?
Sim, se os cimos - onde a montanha abre asas -e as infernas grotas, abismátícas, profundíssimas. Tanto contemplava-as, feito se, a elas, algo, algum modo, de si,
votivo, o melhor, ofertasse: esperança e expiação, sacrifícios, esforços - à flor. Seria, por isso, um dia topasse, ao favorável, pelo tributo gratos, o rei-dos-Montes
ou o rei-das-Grotas - que de tudo há e tudo a gente encontra? De si para si, quem sabe, só o que inútil, novo e necessário, segredasse; ele consigo mesmo muito se
calava. Pois era assim que era, se; só estamos vivendo os futuros antanhos. Demais não se ressentisse, também,
• de sequidão, solidão, calor ou frio, nem do cotidiano desconforto tirava queixa. Mas debruçado, leve a cabecear, e com cerrada boca, expirando ligeiro ofego. Debilitada
a vista, nos tempos agora. Por essa época, porém, sim; por uso. Olhava, com a seu nem ciente amor, distantemente, fundos e cumes. Seduzível conheceu-se, ele, de
encarar sempre o tudo? Chegava, após íngremes horas e encostas.
Sua mulher, Tia Liduína, então morreu, quase de repente, no entrecorte de um suspiro sem ai e uma ave-maria interrupta. Tio Man'Antônio, com nenhum titubeio, mandou
abrir, par em par, portas e janelas, a longa, longa casa. Entre que as filhas, orfanadas, se abraçavam, e revestia-se a amada morta, incôngruo visitou ele, além
ali, um pós um, quarto e quarto, cômodo e cômodo.
Pelas janelas, olhou; urgia a divagação. Passou a paisagem pela vista, só a segmentos,. serial, como dantes e ainda antes. De roda, na víslumbrança, o que dos vales
e serros vem é o que o horizonte é - tudo em tudo. Pois, noutro lanço de vista, ele pegava a paisagem pelas costas: as sombras das grotas e a montanha prodigiosa,
a vanecer-se, sobre asas. Ajudavam-no, de volta, agora que delas precisava? Definia-se, ele, ali, sem contradição nem resistência, a inquebrantar-se, desde quando
de futuro e passado mais não carecia. Talvez, murmurasse, de tão dentro em si, coisas graves, grandes, sem som nem sentido.
Enfim, tornou para junto delas, de sua Liduina -lmovelmente - ao século, como a quisessem: num amontôo de flores. Suspensas, as filhas, de todo a o não entender,
mas adivinhar, dele a crédito vago esperassem, para o comum da dor, qualquer socorro. Ele, por detrás de si mesmo, pondo-se de parte, em ambíguos ãmbítos e momentos,
como se a vida fosse ocultável não o conheceriam através de figuras. Sendo que refez sua maciez; e era uma outra espécie, decorosa, de pessoa, de olhos empalidecidamente
azuis. Mas fino, inenganador, o rosto, cinzento moreno.
Transluz-se que, fitando-o, agora, era como se súbito as filhas ganhassem ainda, do secesso de seus olhos, o insabível.curatívo de uma graça, por quais longínquos,
indizíveis reflexos ou vestígios. Felícia, apenas, a mais jovem, clamou, falando ao pai: - "Pai, a vida é feita só de traiçoeiros altos-e-baixos? Não haverá, para
a gente, algum tempo de felicidade, de verdadeira segurança?" E ele, com muito caso, no devagar da resposta, suave a voz: - "Faz de conta, minha filha... Faz de
conta..." Entreentendidos, mais não esperaram. Cabisbaíxara-se, Tio Man'Antônio, no dizer essas palavras, que daí seriam as suas dele, sempre. Sobre o que, leve,
beijou a mulher. Então, as filhas e ele choraram; mas com o poder de uma liberdade, que fosse qual mais forte e destemida esperança.
Tia Lidulna, que durante anos de amor tinham-na visto todavia sorrir sobre sofrer - só de ser, vexar-se e viver, como, ora, dá-se - formava dolorida falta ao uso
de afeto de todos. Tia Liduína, que já fina música e imagem.
Com ver, porém, que Tio Man'Antônio a andar de dó se recusasse, sensato sem cuidados, intrágico, sem acentos viuvosos. Inaugurava-se grisalho, sim, um tànto mais
encolhidos os ombros. Ele - o transitório - só se diga, por esse enquanto. Nada dizia, quando falava, às vezes a gente mal pensava que ele não se achasse lá, de
novo assim, sem som, sem pessoa. Ao revés, porém, Tio Man'Antônío concebia. - "Faça-se de conta!" - ordenou, em hora, mansozlnho. Um projeto, de se crer e obrar,
ele levantava. Um, que começaram.
Seus pés-no-chão muitos camaradas, luzindo a sol-sim foices, enxadas, facões, obedeciam-lhe, sequacissimos, no que com talento de braços executavam, leigos, ledos,
lépidos. Mas ele guiava-os, multo cometido, pelos sabidos melhores meios e fins, engenheiro e fazedor, va102
rão de tantas partes; associava com eles, dava coragem.
- "Faz de conta, minha gente... Faz de conta.. ." -em seu bom sussurro, lábios de entre-sorriso, mas severo, de si Inflexível, que certo. Matinava, dia por dia,
impelindo-os, arrastando-os, de índustriação, à dobrada dobadoura, a derrubarem mato e cortar árvores, no que era uma reformação - a boa data de trabalhos. Seja
que esses homens, esforçados e avindos, lerdos e mandriões, nem percebessem ali sujeição e senhoria, senão que, de siso, estimavam-no, decerto, queriam-lhe como
quem. E em afã atacavam o inteiro rededor, que nem que medido em seqüentes metros, acima e abaixo, com, fórmulas e curvas.
À leréia, aquilo, que não se entendendo por carecido ou útil, antes talvez achassem em tudo ação de desconcernência, ar na cachimônia, tolice quase, a impura perfunctura.
Mas, Tio Man'Antônio, no se é o que éque é, as abas de palha do chapelão abaixava, semicerrava olhos ao sol, suava, tem vez que tossia, a que quando. Ele era um
que sabia abanar a cabeça, que não,
que sim. Isto, porém, que o encoberto dele a todos se impunha, separativo. Acordado, querente, via-se. Senão
que, homem, e, como todo homem, de fracos ossos? Outra, contudo, parecendo ser a razão por que não se cansava nunca, naquela manência, indiferentes horas. Porque
fazia ou sofria as coisas, sem parar, mas não estava, dentro em sua mente, em tudo e nada ocupado.
De arte que inventava outro sorrir, refeito ingênuo; esquecera-se de todos os bens passados. E seu surdo plano, enfim, no dia, se fechou. De sorte que as filhas
viram que já tudo estava pronto; e se contristaram.
Com que - e por que idéia ingrata e estranhável -pretendera ele de desmanchar o aspecto do lugar, que de desde a antiguidade, a fisionomia daquelas rampas de serras,
que a mãe vira e quisera? No desbaste, rente em redor, com efeito, nada se poupara - nem o mato lajelro, tufos tícos de moitas, e arbustos - onde ali tudo se escampava.
A ponto isto foi, de interpelá-lo a filha dileta, Francisquin.ha, aflita meigamente. Se não seria aquilo arrefecido sentimento, pecar contra a saudade?
Assim ele muito a ouviu, e, com quieto estar mirando-a, respondeu-lhe, se bem que outro tanto alheio, alhures. - "Nem tanto, filha... Nem tanto.. ." Donde que, ao
passo que o dizia, quem sabe, em segundo soslaio, sorria, seru passar de palavra a outra palavra. Mostrou-lhes: lá os campos em desdobra - o que limpo, livre, se
estendia, em quadro largo, sem sombrios, aberta a paisagem - o descampado airoso e verde, ao mais verde grau, os capins naquela vivacidade.
Ah! - ora, que e quem, pois - e era uma enorme, feita fantasia. Porque, aquém e além, como árvores deixadas para darem sombra aos bois no ruminar do calor, só e
muito se divisavam, consagradas, a vistosa sapucaia formidável, a sambaíba sertaneja à borda da sorocaba, e, para fevereiro-março e junho-julho, sem folhas, sendo-se
só de flores, a barriguda rósea e a paineira purpúrea-quase-rubra, magnificentes, respectivas. Oütras, outras. Mas, não mais, no qual lugar, que aquelas que Tia
Lidulna em vida preferia amar - seus bens de alegria!
Surpreenderam-se, as filhas, ampliaram assaz os olhos. Falava-se muito em pouco; só se lágrimas. Realmente, reto Tio Man'Antônio se semelhasse, agora, de ter sido
e vir a ser. E de existir - principalmente - vestido de funesto e intimado de venturoso.
Que, não é que, em seu dito cuidar e encapricharse, sem querer também profetizara, nos negócios, e fora adivinho. Porque subiu, na ocasião, considerável, de repente,
o preço' do gado, os fazendeiros todos querendo adquirir mais bois e arrumar e aumentar seus pastos. Tio Man'Antônio, então, daquele solerte jeito, acartara tão
em pleno, passando-lhes à frente e sem nenhum alarde. Do que, manso tanto, ele se desdenhava? Passara a atentar também nas verdes próximas vertentes em cam
pina, de olhos postos; que não apenas na montanha:
alta - como conseqüências de nenhum ato.
Nada leva a não crer, por aí, que ele não se movesse, prático, como os mais; mas, conforme a si mesmo: de transparência em transparência. Avançava, aaslm, com honesta
astúcia, se viu, no que quis e fez? No outro ano e depois, quando, à arte de contristes celebrarem, como se fosse ela viva e presente, o dia de Tia Lidulna, propôs
uma festa, e para enganar os fados.
Que deu, as filhas concordando. Elas estavam crescidas e esclarecidas. Vieram moços, primos, esses tinham belas imaginações. Tio Man'Antônio recebendo-os e vendo-os,
a beneplácito. E as filhas, formosas, três, cada uma incomparável, noívaram e se casaram, em breve os desposórlos. Vai, foram-se, de lá, para longes diversos, com
os genros de Tio Man'Antônio. Ele, permaneceu, de outrora a hoje-em-diante, ficou, que. Ali, em sua velha e erma casa, sob azuis, picos píncaros e desmedidas escarpas,
sobre precipícios de paredões, grotões e alcantis abismosos - feita uma mansão suspensa - no pérvio.
Três, as filhas, que por amor de anos ele tinha visto renovarem a descoberta de alegria e alma - só de ser, viver e crescer, como, ora, se dá - formavam sentida
falta ao seu querer que ternura experiente? Suas filhas, que já indivisas partes de uma canção.
Sozinho, sim, não triste. Tio Man'Antônio respeitava, no tangimento, a movida e muda matéria; mesmo em seu mais costumeiro gesto - que era o de como se largasse
tudo de suas mãos, qualquer objeto. Distraído, porém, acarinhando-as, redimia-as, de outro modo, às coisas comezinhas? Vez, vez, entanto, e quando mais em forças
de contente bem-estar se sentindo, então, dispostamente, ele se levantava, submetia-se, sem sabida preclsío, a algum rude, duro trabalho - chuva, sol, ação. Parecia-lhe
como se o mundo-no-mundo lhe estivesse ordenando ou implorando, necessitado, um pouco dele mesmo, a seminar-se? Ou - a si - iã buscar-se, no futuro, nas asas da
montanha. Fazia de conta; e confiava, nas calmas e 'nos ventos.
Tanto tempo que isto, mostrava-se ele ainda não achacoso, em seu infatigado viver e inquebrantável moleza; nem ainda encanecido, como o florir do ingazeiro, conforme
viria a ficar, pelo depois.
Tão próspero em seus dias, podia larguear, tinha o campo coberto de bois. Tudo se inestimava, porém, para Tio Man'Antônio, ali, onde, tudo o que não era demais,
eram humanas fragilidades. Aprendesse o poder de conversar, em surdo e agudo, as relações dos acontecimentos, dos fatos; e dissuadia-se de tudo - das coisas, em
multidão, misérias. Ele - o transitoriante. Realmente, seu pensamento não voltava atrás? Mas, mais causas, no mundo e em si, ele, à esperança, em sua circunvisão,
condenado, descobria.
Em termos muito gerais, haveria uma mor justiça; mister seria. Se o paiol limpo se deve de, para as grandes colheitas: como a metade pede o todo e o vazio chama
o cheio. E foi o que Tio Man'Antônio algum dia resolveú, conseguintemente assim, se se crê. Deveras, 'aquilo se deu. O que foi uma muito remexida história. E eis.
E pois.
Aos poucos, a diverso tempo, às partes, entre seus muitos, descalços servos, pretos, brancos, mulatos, par-dos, legúelhés prequetés, enxadeiros, vaqueiros e camaradas
- os próximos - nunca sediciosos, então Tio Man'Antônio doou e distribuiu suas terras. Sim, tudo procedido à quieta, sob espécie, com o industrio de silêncios, a
fim de logo não se espevitar todo-o-mundo em cobiça, ao espalhar-se o saber do que agora se liberalizava ali, em tanta e tão espantosa maneira.
E ele mesmo, de seu dinheiro ganho, fingia estar vendendo as terras, cabidamente; dinheiro, que mandava, pontual, às filhas e genros, sendo-lhes levado recado, para
fazer crer. Ainda bem que genros e filhas nada querendo mais ter com aquela a-pique difícil fazenda,
do Torto-Alto, senão que mesmo pronto retalhada e vendida, de uma ou vezes. A que, contudo, era a terra das terras, dele - e fria e clara.
AI, Tio Man'Antônio não pensava o que pensava. Amerceamento justo - ou era a loucura e tanta? O grande movimento é a volta. Agorá, pelos anos adiante, ele não seria
dono mais de nada, com que estender cuidados. A quem e de quem os fundos perigosos do mundo e os às-nuvens pináculos dos montes? - "Faz de conta, gente minha...
Faz de conta.. ." - era o que dava, e quando, embora, no que em dizer essas palavras; não sorria, sengo.
Seus tantos servos, os benevolenclados, irreconheciam-no. Vai, ao ver, porém, que valia, a dádiva, rejubilavam-se de rir, mesmo assustados, lentos puladores, se
abençoando.
Seus muitos, sequazes homens, que, durante o ignorar de anos, não os tinha de verdade visto consistir -só de ser, servir e viver, como ora e sempre se dá -faziam
agora falta à sua necessidade de desígnio? Seus homens, já exigidas partes de um texto, sem decifração.
E tudo Tio Man'Antônio deixando por escrito, da própria e ainda firme mão exarado, feito se em termos de ajuste, conforme quis e pôs; e, quanto a razões e congruências,
tendo em vista o parecer do vulgo e as contradições gerais, pára matar a dúvida. Em engenhada vigilância, parecia adivinhar o de que seus ex-servidores e ora companheiros
pudessem ver-se acusados, pelo que, mais tarde, em rubro serão, viria grandemente a suceder, que se verá. Cuidou disso resguardá-los, mediante declaração.a tinta
por trás da data, tempos antes do depois.
De seu, nada conservara, a não ser a antiga, forme e enorme casa, naquela eminência arejada, edifício de prospecto decoroso e espaçoso: e de onde o tamanho do mundo
se fazia maior, transclaro, sempre com um fundo de engano, em seus ocultos fundamentos. Nada. Talvez não. Fazia de conta nada ter; fazia-se, a si mesmo, de conta.
Aos outros - amasse-os - não os compreendesse.
Faziam de conta que eram donos, esses outros, se acostumavam. Não o compreendiam. Não o amavam, seguramente, já que sempre teriam de temer sua oculta pessoa a respeitar
seu valimento, ele em paço acastelado, sempre majestade. Por que, então não se ia embora então, de toda vez, o caduco maluco estafermo, espantalho? Sábio, sedentariado,
queria que progredissem e não se perdessem, vigiava-os, de graça ainda administrava-os, deles gestor, capataz, rendeiro. Serviam-no, ainda e mesmo assim. Mas, decerto,
milenar e animalmente, o odiavam.
Tio Man'Antônío, rumo a tudo, à senha do secreto, se afastava - dele a ele e nele. Nada interrogava mais
- horizonte e enfim - de cume a cume. Pelo que vivia, tempo agüentado, ele fazia, alta e serena, fortemente, o não-fazer-nada, acertando-se ao vazio, à redesimportânda;
e pensava o que pensava. Se de nunca, se de quando.
Em meio ao que, àquilo, deu-se. Deu -,. o indeciso passo, o que não se pode seguir em idéia. Morreu, como se por um furo de agulha um fio. Morreu; fez de conta.
Neste ponto, acharam-no, na rede, no quarto menor, sozinho de amigo ou amor - transitoriador - príncipe e só, criatura do mundo.
Ai-de, ao horror de tanto, atontavam-se e calaram-se, todos, no amedronto de que um homem desses, serafim, no leíxamento pudesse finar-se; e temessem, com sagrado
espanto e quase de não de seu ciente ódio, que, por via de tal falecer, enormidade de males e absurdos castigos vingassem a se desencadear, recairiam desabados sobre
eles e seus filhos.
Desde, porém, porque morreu, deviam reverenciá-lo, honrando-o no usual - corpo, humano e hereditário, menos que trôpego. Acenderam-se em quadro as grandes velas,
ele num duro terno de sarja cor de ameixa e em pretas botas achadas, colocado longo na mesa, na maior
sala da casa, já requiescante. E tinham ainda de expedir positivos e recados, para que mais gente viesse, toda, parentes e ausentes, os possíveis, avizinhados e
distantes. Chorou-se, também, na varanda. Tocou-se o sino.
A obrigação cumprida à justa, à noitinha incendiouse de repente a casa, que desaparecia. Outros, também, à hora, por certo que lá dentro deveriam de ter estado;
mas porém ninguém.
Assim, a vermelha fogueira, tresenorme, que dias iria durar, mor subia e rodava, no que estalava, septo a septo, coisa a coisa, alentada, de plena evidência. Suas
labaredas a cada usto agitando um vento, alto sacudindo no ar as poeiras de estrume dos currais, que também se quëimavam, e assim a quadraginta escada, o quente
jardim dos limoeiros. Derramados, em raio de légua, pelo ar, fogo, faúlhas e restos, por pirambeiras, gargantas e cavernas, como se, esplendidíssimamente, tão vã
e va.galhã, sobre asas, a montanha inteira ardesse. O que era luzência, a clara, incôngrua claridade, seu tétrico radiar, o qual transpassava a noite.
Ante e perante, a distância, em roda, mulheres se ajoelhavam, e homens que pulando gritavam, sebestos, diabruros, aos miasmas, indivíduos. De cara no chão se prostravam,
pedindo algo e nada, precisados de paz.
Até que, ele, defunto, consumiu-se a cinzas - e, por elas, após, ainda encaminhou-se, senhor, para a terra, gleba tumular, só; como as conseqüências de mil atos,
continuadamente.
Ele - que como que no Destinado se convertera -Man'Antônio, meu tio.
13
O cavalo que bebia cerveja
E
ssa chácara do homem ficava meio ocultada, escurecida pelas árvores, que nunca se viu plantar tamanhas tantas em roda de uma casa. Era homem estrangeiro. De minha
mãe ouvi como, no ano da espanhola, ele chegou, acautelado e espantado, para adquirir aquele lugar de todo defendimento, e a morada, donde de qualquer janela alcançasse
de vigiar a distância, mãos na espingarda; nesse tempo, não sendo ainda tão gordo, ele: caramujo, até rã, com as braçadas de alfaces, em-de fazer nojo. Falavam que
comia a quanta ímundíbebidas num balde de água. Ver, que almoçava e jantava, da parte de fora, sentado na soleira da porta, o balde entre suas grossas pernas, no
chão, mais as alfaces; tirante que, a carne, essa, legítima de vaca, cozinhada. Demais gastasse era com cerveja, que não bebia à vista da- gente. Eu passava por
lá, ele me pedia: - "Irivallni, bisonha outra garrafa, é para o cavalo.. ." Não gosto de perguntar, não achava graça. As vezes eu não trazia, às vezes trazia, e
ele me indenizava o dinheiro, me gratífíoandq. Tudo nele me dava raiva. Não aprendia a referir
-meu nome direito. Desfeita ou ofensa, não sou o de perdoar - a nenhum de nenhuma.
Minha mãe e eu sendo das poucas pessoas que atravessãvamos por diante da porteira, para pegar a pinguela
-do riacho - "Dei'stá, coitado, penou na guerra.. ." -minha mãe explicando. Ele se rodeava de diversos cachorros, graúdos, para vigiarem a chácara. De um, mesmo
não gostasse, a gente via, o bicho em sustos, antipático - o menos bem tratado; e que fazia, ainda assim, por não se arredar de ao pé dele, que estava, a toda a
hora, de desprezo, chamando o endiabrado do cão: por nome "Mussulino". Eu remoía o rancor: de que, um homem desses, cogotudo, panturro, rouco de catarros, estrangeiro
às náuseas - se era justo que possuísse o dinheiro e estado, vindo comprar terra cristã, sem honrar a pobreza dos outros, e encomendando dúzias de cerveja, para
pronunciar a feia fala. Cerveja? Pelo fato, tivesse seus cavalos, os quatro ou três, sempre descansados, neles não amontava, nem agüentasse montar. Nem caminhar,
quase, não conseguia. Cabrão! Parava pitando, uns charutos pequenos, catinguentos, muito mascados e babados. Merecia um bom corrigimento. Sujeito sistemático, com
sua casa fechada, pensasse que todo o mundo era ladrão.
Isto é, minha mãe ele estimava, tratava com as benevolências. Comigo, não adiantava - não dispunha de minha ira. Nem quando minha mãe grave adoeceu, e ele ofertou
dinheiro, para os remédios. Aceitei; quem éque vive de não? Mas não agradeci. Decerto ele tinha remorso, de ser estrangeiro e rico. E, mesmo, não adiantou, a santa
de minha mãe se foi para as escuridões, o danado do homem se dando de pagar o enterro. Depois, indagou se eu queria vir trabalhar para ele. Sofismei, o quê. Sabia
que sou sem temor, em meus altos, e que enfrento uns e outros, no lugar a gente pouco me encarava. Só se fosse para ter a minha proteção, dia e noite, contra os
íssos e vindiços. Tanto, que não me deu nem meio serviço por cumprir, senão que eu era para burliquear por lá, contanto que com as armas. Mas, as compras para ele,
eu fazia. - "Cerveja, Irivalíni. É para o cavalo.. ." - o que dizia, a sério, naquela língua de bater ovos. Tomara ele me xingasse! Aquele homem ainda havia de me
ver.
Do que mais estranhei, foram esses encobrimentos.
Na casa, grande, antiga, trancada de noite e de dia, não se entrava; nem para comer, nem para cozinhar. Tudo se passava da banda de cá das portas. Ele mesmo, figuro
que raras vezes por lá se introduzia, a não ser para dormir, ou para guardar a cerveja - ah, ah, ah - a que era para ø cavalo. E eu, comigo: "Tu espera, porco, para
se, mais dia menos dia, eu não estou bem aí, no haja o que há!" Seja que, por essa altura, eu devia ter procurado as corretas pessoas, narrar os absurdos, pedindo
providências, soprar minhas dúvidas. O que fácil não fiz. Sou de nem palavras. Mas, por aí, também, apareceram aqueles - os de fora.
Sonsos os dois homens, vindos da capital. Quem para eles me chamou. Foi o seu Priscílio, subdelegado. Me disse: - "Reivalino Belarmino, estes aqui são de autoridade,
por ponto de confiança". E os de fora, me pegando à parte, puxaram por mim, às muitas perguntas. Tudo, para tirar tradição do homem, queriam saber, em pautas ninharias.
Tolerei que sim; mas nada não fornecendo. Quem sou eu, quati, para cachorro me latir? 86 cismei escrúpulos, pelas más caras desses, sujeitos embuçados, salafrados
também. Mas, me pagaram, o bom quanto. O principal deles dois, o de mão no queixo, me encarregou: que, meu patrão, sendo homem muito perigoso, se ele vivia mesmo
sozinho? E que eu reparasse, na primeira ocasião, se ele não tinha numa perna, embaixo, sinal velho de coleira, argolão de ferro, de criminoso fugido de prisão.
Pois sim, piei prometi.
Perigoso, para mim? - ah, ah. Pelo que, vá, em sua mocidade, podendo ter sido homem. Mas, agora, em pança, regalão, remanchão, somente quisesse a cerveja para o
cavalo. Desgraçado, dele. Não que eu me queíxasse, por mim, que nunca apreciei cerveja; gostasse, comprava, bebia, ou pedia, ele mesmo me dava. Ele falava que também
não gostava, não. De verdade. ConSumia só a quantidade de alfaces, com carne, boquicheio, enjooso, mediante muito azeite, lambia que espumava. Por derradeiro, estava
meio estramontado, soubesse da vinda dos de fora? Marca de escravo em perna dele, não observei, nem fiz por isso. Sou lá serviçal de meirinho-mor, desses, escogitados,
de tantos visares? Mas eu queria jeito de entender, nem que por uma fresta, aquela casa, debaixo de chaves, espreitada. Os cachorros já estando mansos amigáveis.
Mas, parece que seu Giovânio desconfiou. Pois, por minha hora de surpresa, me chamou, abriu a porta. Lá dentro, até fedia a coisa sempre em tampa, não dava bom ar.
A sala, grande, vazia de qualquer amobíliado, só para espaços. Ele, nem que de propósito, me deixou olhar à minha conta, andou comigo, por diversos cômodos, me satisfiz.
Ah, mas, depois, cá comigo, ganhei conselho, ao fim da idéia: e os quartos? Havia muitos desses, eu não tinha entrado em todos, resguardados. Por detrás de alguma
daquelas portas, pressenti bafo de presença - só mais tarde? Ah, o carcamano queria se birbar de esperto; e eu não era mais?
Demais, que, uns dias depois, se soube de ouvidos, tarde da noite, diferentes vezes, galopes no ermo da várzea, de cavaleiro saldo da porteira da chácara. Pudesse
ser? Então, o homem tanto me enganava, de formar uma fantasmagoria, de lobisomem. Só aquela divagação, que eu não acabava de entender, para dar razão de alguma coisa:
se ele tivesse, mesmo, um estranho cavalo, sempre escondido ali dentro, no escuro da casa?
Seu Príscílío me chamou, justo, outra vez, naquela semana. Os de fora estavam lá, de colondria, só entrei a meio na conversa; um deles dois, escutei que trabalhava
para o "Consulado". Mas contei tudo, ou tanto, por vingança, com muito caso. Os de fora, então, instaram com seu Priscllio. Eles queriam permanecer no oculto, seu
Priscílio devia de ir sozinho. Mais me pagaram.
Eu estava por ali, fingindo não ser nem saber, de mão-posta. Seu Priscílio apareceu, falou com seu Giovânío: se que estórias seriam aquelas, de um cavalo beber cerveja?
Apurava com ele, apertava. Seu Giovânio permanecia muito cansado, sacudia devagar a cabeça, fungando o escorrido do nariz, até o toco do charuto; mas não fez mau
rosto ao outro. Passou muito a mão na testa: - "Lei, quer ver?" Saiu, para surgir com um cesto com as garrafas cheias, e uma gamela, nela despejou tudo, às espumas.
Me mandou buscar o cavalo: o alazão canela-clara, bela face. O qual - era de se dar a fé? -já avançou, avispado, de atreitas orelhas, arredondando as ventas, se
lambendo: e grosso bebeu o rumor daquilo, gostado, até o fundo; a gente vendo que ele já era manhudo, cevado naquilo! Quando era que tinha sido ensinado, possível?
Pois, o cavalo ainda queria mais e mais cerveja. Seu Priscílio se vexava, no que agradeceu e se foi. Meu patrão assoviou de esguicho, olhou para mim:
- "Irívalíni, que estes tempos vão cambiando mal. Não laxa as armas!" Aprovei. Sorri de que ele tivesse as todas manhas e patranhas. Mesmo assim, meio me desgostava.
Sobre o tanto, quando os. de fora tornaram a vir, eu falei, o que eu especulava: que alguma outra razão devia de haver, nos quartos da casa. Seu Priscílio, dessa
vez, veio com um soldado. Só pronunciou: que queria revistar os cômodos, pela justiça! Seu Giovânio, em pé de paz, acendeu outro charuto, ele estava sempre cordo.
Abriu a casa, para seu Priscílio entrar, o soldado; eu, também. Os quartos? Foi direto a um, que estava duro de trancado. O do pasmoso: que, ali dentro, enorme,
só tinha o singular - isto é, a coisa a não existir! - um cavalão branco, empalhado. Tão perfeito, a cara quadrada, que nem um de brinquedo, de menino; reclaro,
branquinho, limpo, crinado e ancudo, alto feito um de igreja - cavalo de São Jorge. Como podiam ter trazido aquilo, ou mandado vir, e entrado ali acondicionado?
Seu Priscílio se desenxaviu, sobre toda a admiração. Apalpou ainda o cavalo, muito, não achando nele oco nem contento. Seu Giovânio, no que ficou sozinho comigo,
mascou o charuto: - "Irivalíni, pecado que nós dois não gostemos de cerveja, hem?" Eu aprovei. Tive a vontade de contar a ele o que por detrás estava se passando.
Seu Priscílio, e os de fora, estivessem agora purgados de curiosidades. Mas eu não tirava o sentido disto: e os outros quartos, da casa, o atrás de portas? Deviam
ter dado a busca por inteiro, nela, de uma vez. Seja que eu não ia lembrar esse rumo a eles, não sou mestre de quinaus. Seu Giovânio conversava mais comigo, banzativo:
"Irivalíni, eco, a vida é bruta, os homens são cativos.. ." Eu não queria perguntar a respeito do cavalo branco, frioleiras, devia de ter sido o dele, na guerra,
de suma estimação. - "Mas, Irivalíni, nós gostamos demais da vida.. ." Queria que eu comesse com ele, mas o nariz dele pingava, o ranho daquele monco, fungando,
em mal assôo, e ele fedia a charuto, por todo lado. Coisa terrível, assistir aquele homem, no não dizer suas lástimas. Saí, então, fui no seu Priscílio, falei: que
eu não queria saber de nada, daqueles, os de fora, de coscuvilho, nem jogar com o pau de dois bicos! Se tornassem a vir, eu corria com eles, despauterava, escaramuçava
- alto aí! - isto aqui é Brasil, eles também eram estrangeiros. Sou para sacar faca e arma. Seu Príscílio sabia. Só não soubesse das surpresas.
Sendo que foi de repente. Seu Giovânio abriu de em par a casa. Me chamou: na sala, no meio do chão, jazia um corpo de homem, debaixo de lençol. - "Josepe, meu irmão"...
ele me disse, embargado. Quis o padre, quis o sino da igreja para badalar as vezes dos três dobres, para o tristemente. Ninguém tinha sabido nunca o qual irmão,
o que se fechava escondido, em fuga da comunicação das pessoas. Aquele enterro foi muito conceituado. Seu Giovânio pudesse se gabar, ante todos. Só que, antes, seu
Priscílio chegou, figuro que os de fora a ele tinham prometido dinheiro; exigiu que se levantasse o lençol, para examinar. Mas, aí, se viu só o horror, de nós todos,
com caridade de olhos: o morto não tinha cara, a bem dizer - só um buracão, enorme, cicatrizado antigo,
medonho, sem nariz, sem faces - a gente devassava alvos osos, o começo da goela, gargomilhos, golas. - "Que esta é a guerra..." - seu Giovânío explicou - boca de
bobo, que se esqueceu de fechar, toda doçuras.
Agora, eu queria tomar rumo, ir puxando, ali não me servia mais, na chácara estúrdia e desditosa, com o escuro das árvores, tão em volta. Seu Giovânío estava da
banda de fora, conforme seu costume de tantos anos. Mais achacoso, envelhecido, subitamente, no trespassamento da manifesta dor. Mas comia, sua carne, as cabeças
de alfaces, no balde, fungava - "Irivalíni... que esta vida.., bisonha. Caspité?" - perguntava, em todo tom de canto. Ele avermelhadamente me olhava. - "Cá eu pisco..
." - respondi. Não por nojo, não dei um abraço nele, por vergonha, para não ter também as vistas lagrimadas. E, então, ele fez a mais extravagada coisa: abriu erveja,
a que quanta se espumejasse. - "Andamos, Iricontadíno, bambino?" - propôs. Eu quis. Aos copos, aos vintes e trintas, eu ia por aquela cerveja, toda.Sereno, ele me
pediu para Levar comigo, no ir-m'embora, cavalo - alazão bebedor - e aquele tristoso cachorro magro, Mussulino.
Não avistei mais o meu Patrão. Soube que ele mor reu, quando em testamento deixou a chácara para mim.
Mandei erguer sepulturas, dizer as missas, por ele, pelo Irmão, por minha mãe. Mandei vender o lugar, mas, primeiro, cortarem abaixo as árvores, e enterrar
no campo o trem, que se achava, naquele referido quarto. Lá nunca voltei. Não, que não me esqueço daquele dado dia - o que foi uma compaixão. Nós dois, e
as muitas garrafas,na hora cismei que um outro ainda vinha sobrevir, por detrás da gente, também, púr sua parte: o alazão façalvo; ou o branco enorme,
de São Jorge; ou o irmão, infeliz medonhamente. Ilusão, que foi, nenhum ali não estava. Eu, Relvalino Belarmino, capisquei. Vim bebendo as garrafas todas, que restavam,
faço que fui eu que tomei consumída a cerveja toda daquela casa, para fecho de engano.
14
Um moço muito branco
Na a noite de 11 de novembro de 1872, na comarca do Serro Frio, em Minas Gerais, deram-se fatos de pavoroso suceder, referidos nas folhas da época e exarados nas
Efemérides. Dito que um fenômeno luminoso se projetou no espaço, seguido de estrondos, e a terra se abalou, num terremoto que sacudiu os altos, quebrou e entulhou
casas, remexeu vales, matou gente sem conta; caiu outrossim medonho temporal, com assombrosa e jamais vista inundação, subindo as águas de rio e córregos a 60 palmos
da plana. Após os cataclismos, confirmou-se que o terreno, em raio de légua, mudara de feições: só escombros de morros, grotas escancaradas, riachos longe transportados,
matos revirados pelas raízes, solevados novos montes e rochedos, fazendas sovertidas sem resto
rolamentos de pedra e.lama tapando o estado do chão. Mesmo a distância do astroso arredor, a muita criatura e criação pereceu, soterradas ou afogadas. Outros vagavam
ao deus-dar, nem sabendo mais, no avesso, os caminhos de outrora.
Donde, no termo de semana, dia de São Félíx, confessor, o caso de vir ao pátio da Fazenda do Casco, de Hllárlo Cordeiro, com. sede quase dentro da rua do Arraial
do Oratório, um coitado fugitivo desses, decerto persuadido da fome: o moço, pasmo. O que foi quando subitamente, e era moço de distintas formas, mas em lãs-tinia
de condições, sem o restante de trapos com que se compor, pelo que enrolado em pano, espécie de manta de cobrir cavalos, achada não se supõe onde; e, assim em acanho,
foi ele avistado, de muito manhã, aparecendo e se escondendo por detrás do cercado das vacas. Tão branco; mas não branquicelo, senão que de um branco leve, semídourado
de luz: figurando ter por dentro da pele uma segunda claridade. Sobremodo se assemelhava a esses estrangeiros que a gente não depara nem nunca viu; fazia para si
outra raça. Seja que da maneira ainda hoje se conta, mas transtornado incerto, pelo decorrer do tempo, porquanto narrado por filhos ou netos dos que eram rapazes,
quer ver que meninos, quando em boa hora o conheceram.
Hilário Cordeiro, sendo homem cordial para os pobres, temente e bom, e mais ainda nesse pós-tempo de calamidade, em que parentes dele mesmo tinham sofrido morte
e arrasos totais, não duvidou em lhe deferir hospedamento, cuidando de adequar-lhe roupa e botinas, desde lhe dar o de comer. E o que era mister de benemerência,
porquanto o moço, com os sustos e baques, passara por desgraça extraordinária: perdida a completa memória de si, sua pessoa, além do uso da fala. Esse moço, pois,
para ele sendo igual matéria o futuro que o passado? Nada ouvindo, não respondia, nem que não, nem que sim; o que era coisa de compaixão e lamentosa. Nem fizesse
por entender, isto é, entendia, às vezes ao contrário, os gestos. Dado que uma graça já devia de ter, não se lhe podia pôr outro nome, não adivinhado; nem se soubesse
de que geração fosse - o filho de nenhum homem.
De tanto que chegou lá, e nos dias, compareceram os vários moradores, por sua causa, de há-de o que achassem. Tonto, não era. Só aquela intenção sonhosa, o certo
cansaço do ar. Surpreendente, contudo, o que assaz observava, resguardado, até espreitasse por miúdo os vezos de coisas e pessoas; o que, porém, melhor se viu pelo
depois. Gostou-se dele. Quiçá mais o preto José Kakende, escravo meio alforriado de um músico sem juízo, e ele próprio de Idéia conturbada; por último, então, delirado
varrido, pelo fato de padecidos os grandes pavores, no lugar do Condado girava agora por aqui e ali, a pronunciar advertências e desorbitadas sandíces - querendo
pôr em pé de verdade portentosa aparição que teria enxergado, nas margens do rio do Peixe, na véspera das catástrofes. Do moço, pois, só não se engraçou, antes já
de abínícío o malquerendo - e o reputando por vago e malfeitor a. rebuço, digno, noutros tempos, de degredo em África e nos ferros de el-rei - um chamado Duarte
Dias, pai da mais bela moça, por nome Víviana; e do qual se sabia ser homem de gênio forte, além de maligno e injusto, sobre prepotências: naquele coração não caía
nunca uma chuvinha. Não se lhe deu exata atenção.
Mas levaram o moço à missa, e ele portou-se, não fez modos de crer nem increr. Cantoria e músicas do coro, escutasse, no sério sentimental. Triste, dito, não; mas:
como se conseguisse, em si, mais saudade que as demais pessoas, saudade inteirada, a salvo do entendimento, e que por tanto se apurava numa maior alegria - coraçao
de cão com dono. Seu sorriso às vezes parava, referido a outro lugar, outro tempo. Sorrindo mais com o rosto, senão com os olhos; suposto que nunca se lhe viram
os dentes. Padre Bayão, antes de com ele bondosamente conferir, de improviso lhe representou diante o signo-da-cruz: e ele não mostrou o desagrado da matéria. Estava
nas altas atmosferas, aumentava sua presença. "Çomparados com ele, nós todos, comuns, temos os semblantes duros e o aspecto de má fadiga constante." Traços estes
consignados pelo mesmo padre, em carta de punho e firma, para testemunho do esquisito, ao cônego Lessa Cadaval, da ,Sé de Mariana. Na qual igualmente dá menção do
preto José Kakende, que na mesma' ocasião se lhe acercou, com altas e despauteradas falas, por impor sua visão da beira do rio: .. ."o rojo de vento e grandeza de
nuvem, em resplandor, e nela, entre fogo, se movendo uma artimanha amarelo-escura, avoante trem, chato e redondo, com redoma de vidro sobreposta, azulosa, e que,
pousando, de dentro, desceram os arcanjos, mediante rodas, labaredas e rumores". E, com o mesmo risonho José Kakende, veio Hílário Cordeiro trazendo de volta para
casa o moço, num extrato de desvelo, como se o vero pai dele fosse.
Mas à porta da igreja se achava um cego, Nicolau, pedidor, o qual, o moço em o vendo, olhou-o sem medida e entregadamente contam que seus olhos eram cor-de-rosa!
e foi em direitura a ele, dando-lhe rápida partícula, tirada da algibeira. Ora, estando o cego debaixo do sol, e corrido de suor, a almas cristãs devia de causar
meditação o contraste de tanto padecer o calor do astro-rei aquele que nem as belezas da luz podia gozar. O cego, apalpando a dádiva na mão, em guisa de cogitar
em que estúrdia casta de moeda ela consistisse, e se dissertando logo que nenhuma, a levou prestes à boca; ao que, seu menino guia o advertiu: que não seria artigo
de se comer, mas espécie de caroço de árvore. Então o cego guardou, com irados ciúmes e por diversos meses, aquela semente, que só foi plantada após o remate dos
fatos aqui ainda por narrar: e deu um azulado pé de flor, da mais rara e inesperada: com entreaspecto de serem várias flores numa única, entremeadas de maneira impossível,
num primor confuso, e, as cores, ninguém a respeito delas concordou, por desconhecidas no século; definhada, com pouco, e secada, sem produzir outras sementes nem
mudas, e nem os 'insetos a sabiam procurar.
No que, porém, acabada de se passar aquela cena, surgia no adro Duarte Dias, mais uns companheiros e serviçais, para opor a surpresa de uma exigência e fazer problema:
queria carregar consigo o moço, sobre fundamento de que, pela brancura da tez e delicadezas mais, devia de ser um dos Rezendes, seus parentes, desaparecidos no Condado,
no terremoto; e que, pois, até o reconhecimento de alguma notícia, competia-lhe o ter em custódia, pelo costume, Sendo que Hilárío Cordeiro pronto contestou o postulado,
e o argumento por um nada terminava em desavença séria, Duarte Dias porfiando e se excedendo, do que só tornou em si 'ante o parecer de Quincas Mendanha, do Serro,
notável na política e provedor da irmandade.
E, todavia, de seu zelo, mais para diante, Hilário Cordeiro iria ter melhor razão, eis que tudo lhe passou a dar sorte, quer na saúde e paz, em sua casa, seja no
assaz prosperar dos negócios, cabedais e haveres. E não que o moço lhe facultasse ajuda, na sujeição de serviço ou no vagar a algum ofício, em que, de feito, nem
pudesse dar descargo de si - com as mãos não calejadas, alvas e finas, de homem-de-palácio. Ele andava muito na lua, passeava por todo o lugar e alhonde, praticando
aquela liberdade vaporosa e o espírito de solidão; parecesse alquebrado de um feitiço, segundo os dizeres do povo. Não embargando que grandes partes tivesse, para
o que fosse de funções de engenhos, ferramentas e máquinas, ao que se prestava, fazendo muitas invenções e desembaraçando as ocasiões, ladino, cuídoso e acordado.
De estranha memória, só, pois, a de olhar ele sempre para cima, o mesmo para o dia que para a noite - espiador de estrelas. Que vezes, porém, mais lhe prouvesse
o divertimento de acender fogos, sendo de reparo o quanto se influiu, pelo São João, nas tantas e tamanhas fogueiras de festa.
Do que adveio, justo, o caso da moça Viviana, sempre mal contado. O que foi quando ele já apareceu, acompanhado do preto José Kakende, e deu com a moça, mui bonita,
mas que não se divertia ao igual das outras: e ele se chegou muito a ela, gentil e espantoso, lhe pôs a palma da mão no seio, delicadamente. Ora, sendo assim a moça
Vivlana a mais formosa, tinha-se para admirar que a beleza do feitio lhe não servisse para transformar, no interior, a própria e vagarosa tristeza. Mas, Duarte Dias,
o pai, e que a isso assistia, prorrompeu em pleiteantes brados de: - "Tem que casar! Agora, tem de casar!"
- com instância. Afirmava que o moço era homem, e um, e ainda mancebo, e lhe infamara a filha, devendo-lhe de a tomar por consorte e arcar com o estado de casado.
O moço ouvia, de boa concórdia, e nem por isso. Mas a grita de Duarte Dias só teve termo, quando o padre Bayão, e outros dos mais velhos, lhe rejeitaram tão descabidas
fúrias e insensatez. Também a moça Viviana, com radiosos sorrisos, o serenava. Ela, que, a partir dessa hora, despertou em si um enfim de alegria, para todo o restante
de sua vida, donde um dom. Apenas que, Duarte Dias - o que não se entende - ia produzir ainda outros lances de estupefação, eis-aqui.
De tal guisa que, para o alvoroço de todos, no dia da missa da Dedicação de Nossa Senhora das Neves e vigília da Transfiguração, 5 de agosto, ele veio à Fazenda
do Casco, requerendo falar com Hilãrio Cordeiro. Também o moço lá estava. Outrovisto, e nunca desairoso - a gente espiava, e pensava num logo luar. Então, Duarte
Dias declarou: suplicava deixassem-no levar o moço, para sua casa. Que queria assim, e necessitava, muito, não por ambícíoneiro ou impostor, nem por interesse somenos,
mas por a ele ter cobrado, com contrições de escrúpulo, a fortíssima estima de afeição! Dizia, e desgovernava as palavras, alterado, enquanto que dos olhos lhe corriam
bastas lágrimas. Ora, não se compreendendo o descabelo de passo tão contrariado: o de um homem que, para manifestar o amor, ainda não dispunha mais que dos arrebatados
meios e modos da violência. Mas, o moço, claro como o olho do sol, o pegou da mão, e, com o preto José Kakende, o foi conduzindo pelos campos - depois se soube que
a terras dele mesmo, Duarte, aonde à tapera de uma olaria. E lá indicou que mandasse cavar: com o que se achou, ali, uma grupiara de diamantes; ou um panelão de
dinheiro, segundo diversa tradição. Por arte de qual prodíglo, Duarte Dias pensou que ia virar ríquíssímo, e mudado de fato esteve, da data por diante, em homem
sucinto, Virtuoso e bondoso, suspendentemente, consoante o asseverar sobremaravilhado dos coevos.
Mas, por conta, no dia da venerada Santa Brígida, de voz comum de novo dele se soube: o moço, plácido. Disse-se, que safra, na véspera, de paragem, pelos altos,
num de seus desapareceres; era um tempo de trovoadas secas. José Kakende contava somente que o ajudara a acender, de secreto, com formato, nove fogueiras; e, mais,
o Kakende soubesse apenas repetir aquelas suas velhas e divagadas visões - de nuvem, chamas, ruídos, redondos, rodas, geringonça e entes. Com a primeira luz do sol,
o moço se fora, tidas asas.
Todos singularmente se deploraram, para nunca, mal em pensando. Duvidavam dos ares e montes; da solidez da terra. Duarte Dias, de dó, veio a falecer; mas a filha,
a moça Vivíana, conservou sua alegria. José Kakende conversou muito com o cego. Hilário Cordeiro, e outros, diziam experimentar uma saudade e meia-morte, só de imaginarem
nele. Ele cintilava ausente, aconteceu. Pois. E mais nada.
15
Luas-de-mel
No mais, mesmo, da mesmice, sempre vem a novidade. Naquela véspera, eu andava meio relaxo, fraco; eu já declinava para nãoezas? Nos primeiros de novembro. Sou quase
de paz, o quanto posso. Desconto, para trás, o em que me tive, da mocidade: desmandos, desordens e
despraças. Daí, depois, da vida a sério, que, cá, de brava, danava-se. Sou remediado lavrador, isto é - de pobre não me sujo, de rico não me emporcalho. Defesa
e acautelamento é que não falecem, nesta fazenda Santa-Cruz-da-Onça, de hospitalidades; minha. Aqui é um recanto. Por moleza do calor era que eu ficava a observar.
Nesse dia, nada vezes nada. De enfastiado e sem-graça, é que eu comia demais. Do almoço, empós, me remitia, em rede, em quarto. Questão de idade, digestões e saúde:
fígado. Sa-Maria Andreza, minha santa e meio passada mulher, la ferver um chá, já, para o meu empacho. Bom. Seu Fumo, meu filho, banda de fora da porta, noticiou:
que tendo chegado certo sujeito, um positivo, com carta.
Tomei pausa. Prestezas e pressas não me agravavam.
Seu Fifino, filho meu, lorpa nem sonsado não sendo, me explicando ele estava: que esse-um aportara tão em socapa, que só se notou quando já estacado, a cavalo, atrás
do engenho, nem os cachorros tendo latido, nem feito ele ranger porteira; e que com armas, todo provido, repetição a tiracolo. E, aí, meu capataz, José Satisfeito,
Soprado Informava o nome dele, o qual - o "Baldualdo". 8ou mosquitínho em queixo de onça: não fiz celhas, não dei pasmo. Sabia da fama desse Baldualdo - que valendo
um batalhão, com grande e morta freguesia. Por ora, que bem me importava? Donde digo: o meu José Satisfeito, próprio, sido já também um "Zé Sipío", mão no amarelo;
para que se me entenda. Nas eras dos tiroteios contra o major Lidelfonso e seus soldados. Comigo. Eu com ele, e outros. Só a vida é que tem dessas rústicas variedades.
Eu ponho a mesa e pago a despesa. Me mexi da rede, vim ver quem. Aquele homem, que chegado. Me olhou, prestes, medido o respeito, reperguntou meu nome por inteiro.
A carta, que ele trazia, para me em mãos, era de vera e alta mensagem. Reli, as três e três vezes, o nome que essa assinava: seu Seotaziano.
E - quero-me com esta! É o que soletreio: "Estimado meu amigo e compadre.. ." Seu Seotaziano, de sua sede distante, os fatos de marca manobrando, com estopim curto
e o comprido braço. O chefe demais, homem de grande esfera, tigroso leão feito o canguçu, mas justo e pão de bom, em nobrezas e formato. Meu compadre-mor, mandador,
dês que quando. E há que tempos isso fora. Mas, agora, se lembrava deste, aqui, neste ponto, confioso de lealdade. E com caso. Para despautas: o que decerto havia
de haver - cachorro, gato e espalhafato. Mas, tenho de segundar, e quero. Se êle riscou, eu talho. Só os resumos, declarados: "Para um moço e uma moça, lhe peço
forte resguardo. O mais se verá, mais tarde". Essas doidices de amor! - sorri. Saí dos suspensos para os preparos.
No quieto, do que se precisava. Temperar o vir de outras coisas, acomodar os hóspedes, que esperados. Pondo ordens, consoante. Prevenido para valer por quatro. Aquele
dia era de sábado. Sobreentendi, com o José Satisfeito, e com o seu Fifino, meu filho: vai, que, do retiro do Meio, me trouxessem: certos homens; e, dois tantos
desses, do Munho, das roças; sempre ainda restassem outros, no hoje por hoje, para o trabalho. Aqueles, porém, aqui à mão; pois, que: a horas competentes, homens
de
possibilidades. Tendo-se arroz e feijão à-bastança, e cargas de pólvora, chumbo e bala. Sensato, se me se diz. Só em paz, com Deus, sossegado. Sensato, sincero e
honrado.
Sa-Maria Andreza, minha mulher, me mirava.
Aquele Baldualdo, decente: - "Se lhe respraz, meu senhor, por uns dias, aqui, paro.. .' - só me disse, baixo, sabendo de cor seu mister. Ele já meu companheiro
sendo - por artes dos anjos-da-guarda. Na varanda, caminhei, uns passos, exercitados. Os que por vir, moço e moça? Sa-Maria Andreza, minha correta mulher, os um
ou dois quartos arrumasse - toalhas, bem-estar, flores em vasos. Seguro que de noite chegavam, sagazes. -"Ah, minha velha, vamos tocar rabecas.. ." - gracejeí, limpando
a parabélum. Sa-Maria Andreza, boa companheira, só disse, abanando os topes: - "Aroeira de mato virgem não alisa.. ." Peguei na mão dela, meio afetuoso. Repensei
em todas as minhas armas. Ai, ai, a longe mocidade.
Sem ninguém de nós desprevenidos, de fato em meia-noite chegaram. Noivos, amor muito. Ela, era das lindas, suspendendo as atenções; nem eu soube filha de que pai.
Só meio assombradazinha, sorrisos desabafados. O moço - rapaz! - dos bons. Vi, com olho imediato. Tinha um rifle longo. Tinha o garbo guapo. Não, inda não eram casal.
Cearam. Nada falaram. A moça se recolheu em camarlnha, no íntemerato da casa; de donzela, com recato. O moço, esse, valeroso, quis se arranchar na casado-engenho.
Moço esporte de forte. Apreciei. Pude me dar foros de seu pai. Ah, eles tinham viajado vindo sozinhos, como se deve-de, em fugas particulares. Gostei, maIs. Após,
hora menos hora, foi que outro cabra chegou, que, a eles dois, em boa distância, afiançara proteção, sem eles saberem - a mando também de seu Seotaziano.
As coisas bem feitas, medidas, como só um grão-capitão concebe. Esse outro se chamava o Bíbião, era um brabo de cronha e cano: me tomou a benção. Bom. Tudo em tudo,
em ordem, adormeci, consoante, proprietário de meu sono. Como não? Gente minha já galopava, nessa noite e madrugada. Um próprio à Fazenda Congonha, do meu compadre
VeríssimO, por três rifles, três homens, emprestados. Pelo seguro. Povo de lá é de brasas. E um à Lagoa-dos-Cavalos por outros três - para o meu compadre Serejério
não se dar de melindrado. Bom. Eu tiro os outros por mim. Com tino e consideração, é que o respeito é granjeado: com honra, sossego e proveito. De encaminhar, me
adoimeci bem. Só vivo no supracitado.
Amanheci antes do sol, tudo em paz, posses e orvalbos. Admiro essas certezas, do campo, em cheiros, enfeitado; enquanto nada. Sa-María Andreza, mmha mulher, me cuidava.
A ela eu disse: - "Não me conste quem é esta moça, nem o que tenha revelado". Não no por ora. Eu não queria saber, que senão pelo precatar: podendo ser filha de
conhecido, parente meu ou amigo. Nem adiantava. Nessa hora, sendo fiel, eu era seu Seotaziaflo. Nem pelo menos. Herói é no que dói! - bom ditado. Aquele dia, de
domingo. Almoçou-Se, com-fome-mente, apesardes. A moça e o moço, mesmo ante mim, ditqsos se contemplavam. Tanta coisa neste mundo, bem feita. Sa-Maria Andreza, minha
conservada mulher, em cozinhar se esmerava. Se me se diz, nem pensei: os namoros dessas gentes, são minhas outras mocidades.
A gente se mexendo, tranqüilos, o tempo crescendo, parado. Do jeito, passou-Se esse dia, em ouros e copas; enquanto nada. A linda moça, lá dentro, no oratório rezava.
Sa-Maria Andreza, mulher, sinceros carinhos lhe dava. Nós, cá fora. Seu Fífino meu filho desta banda, o Bibião na parte do morro, na ponte do córrego o Baldualdo;
com outros e outros homens; mas, de esconso, tão em sutilmentes, que não se avistavam nem notavam. Comigo, juntos, o José Satisfeito, e o moço noivo, de poucas palavras:
andávamos da cava para o valo. Sa-Maria Andreza, minha, por mim também rezasse? Eu - exagerado. Provia, não meditava. Dia e tanto. Deus louvado. Então, veio o anoitecer,
as estrelas, às esperadas. Ai, uns pós outros, chegavam, de surtos, os da Fazenda Congonha, e os da Lagoa-dos-Cavalos. Esses, não riam, em armas. Ah, as boas amizades.
Assim mais gente, outra vez, acordou-se antes dos galos. Ali, para a incerta segunda-feira - meio redonda. Dia dos fortes chegareS. Primeiro, mais uns dois homens,
que seu SeotaziftnO enviava. Chefe bravo. Daí, conforme dado aviso, ainda outros, um par de cavaleiros: o sacristão atrás do padre. Ave. O padre, moço, espingarda
às costas? Armado de ponto em branco; rifle curto. Se apeou, tudo abençoou, aprestado para o casamentíciO, que se ia ter: bodas em casa. Tive de fazer açao de me
aprontar, botei minha roupa melhor - pelos momentos. Sa.,Maria Andreza, minha mulher, com gosto dispôs o altar. Moço e moça impavafll. Amor é só amor. Airosos. Iam
os dois, braço pelo braço. Vejam como são as paixôes' Tudo bom, bem bom. Minha Sa-María Andreza bem vestida, figuro também que até corada. Sou homem para bandas-de-músicas.
O padre disse belas palavraS. A essa altura eu já soubesse: a noiva, de que família. Filha do major João Dioclécio, duro e rico, forte em fato. Essas coisas são
friezas... Bom. Dei de ombros. Fecho um campo, e nele eu sopro: destorcidas claridades. Terminada a casação, se saiu do altar para a mesa, passou-Se de sala para
sala.
AI, foi o simples banquete, que com tudo e leitão e peru, farof as, pelo costume geral; vinhos. Comeu-Se, nós todos e o padre; eu sem fastio nem empachado. Os doces.
Cantou-se um coreto. O noivo, de armas na cinta. A noiva uma formosura, conforme com véu e grinalda. A velhice da lã é a sujeira... - eu pensei, consoante, me vendo.
Essas delícias de amor! - suspirei, mal em pen sando. Eu descia dos vales para os montes. E, inda havendo a cerimônia, meu irmão João Norberto chegando, de longe,
de sua fazenda As-ArapoflgaS. Sabida lá a noticia, para me ajudar ele chegava. Trazia maior novidade:
- "Se o major atacasse com jagunços, seu Seotaziano vinha descer em cena - à frente de cem de seus homens:
dar a retaguarda!" De glórias, assoviei, sentado. Aquele moço noivo, gentil, era parente de seu Seotaziano. Uns de meus cabras tocavam violas. Se dançava?
Olhei minha sadia Sa-Maria Andreza - contemplada.
E essa noite, das maiores! Vieram meus compadres Serejério e Verlssímo, em pessoas. Troço de gente, para levar ao cabo empresas dificultosas. Até o padre disse que
ficava: para confessar a quem ou quem, na hora. Só que, na mesa, o livro de rezas, mas, a pistola, do lado. Bom padre, multo virtuoso, amigo de seu Seotaziano. Agora,
a gente esperava o major Díoclécio e sua jagunçada. - "Ora, tão certo!" - se dizia. - "Essas coisas, quero ver é de noite!" - outro. Outro: - "E quem. éque apaga
a vela?" Aí, por toda a parte, se me se diz, patrulhas, trlncheiras, sentinelas. Passos calados, suaves, tínídos de carabinas. Ah, esta velha fazenda Santa-Cruz-da-Onça,
com espinhos para qualquer beiço e goela. Ponto é que, eu, era o chefe. Eu já estava meio sanguinolento: meio arvoado. Eu, com nudezas. Eu - em nome meu e de seu
Seotazlano.
A gente tendo de saroar. Na sala. Nestes bancos e cadeiras. Aqueles lampiões e lamparinas. Todos, os de mando. Que eu, meu irmão João Norberto, compadres Verlssimo
e Serejério, e o noivo, mais seu Fiflno. Também a noiva, em seu vestido branco, e Sa-Maria Andreza, mulher minha. Todos e todas. A furupa de homens bons. Que, perto
de mim, meu Zé Sipío. E a ceia - o enterrodos-ossos com alegria. Homem comendo em pé, o prato na mão; alerta o ouvido. A gente, risonhos de guerra, a qualquer conta.
Aqui, o inimigo que viesse! - esses Dioclécios, dianhos. A hora - de fechar os fôlegos. Aqui, a gente esperava - com luz para mil mariposas. E: manda o tri-oli-olá...
- se me se diz - pique-será! Ninguém viesse? Ao ao-que-é-que-é, estávamos.
A gente, a um passo da morte, valentes, juntos, tan
tos, bastantes. Ninguém vinha. A noiva sorria para o noivo, em fofos; essas núpcias. E eu com a mente errada-mente, de quem se acha em estado de armado. Com o que
outro míngua, eu me sobejo. Minha Sa-Maria Andreza, mulher, me sorria. O que os velhos não podem mais ter: segredinhos, segredados. Ninguém vinha. Madrugar, e galos
cantavam. O padre rezou, guerreiro, em destemido prazer das armas. Senti o remerecer, como era de primeiro, nesse venturoso dia. Recebi mais natureza
- fonte seca brota de novo - o rebroto, rebrotado. SaMaria minha Andreza me mirou com um amor, ela estava bela, remoçada. Nessa noite ninguém vinha? Enquanto nada!
Madrugada. O. noivo se retirou, com a noiva; e mais sono, já estando soprando nas palhas. Resolvemos revezar vigias. Eu, feliz, olhei minha Sa-Maria Andreza; fogo
de amor, verbigrácia. Mão na mão, eu lhe dizendo
- na outra o rifle empunhado: - "Vamos dormir abraçados..." As coisas que estão para a aurora, são antes à noite confiadas. Bom. Adormecemos.
Amanheci fora de horas, me nascendo dos conchegos. A postos, todos. Aquele dia, a terça-feira. Era o dia? A gente esperava. Meio cuidosos, meio alegres; sérios,
sem algazarra. Com que então? Nessas calmas esticadas. E, pois.
E, vai, senão, que, surgiu a nova: um recado. O camarada, vindo com ele, era um serviçal dos Díoclécios:
que, hoje, sozinho, nesta data, um patrão vinha me visitar, de passagem. Amistoso. E, vira-me esta?! E - com quê? Me reuni, mais os chefes companheiros, para comparar
as idéias, consoante. A gente chegou à razão: que eles, mais o grosso dos homens e rífles, deviam sair, por um espaço - esperar as coisas no retiro do Meio, daí
a meia-légua e nada. Meu irmão João, meus dois compa- dres, mais o sacristão atrás do padre. Deixar, provisório, sem povo em armas, a minha casa-de-fazenda. Assim,
assim, então. Bom. Para não fazer acintes, do que muito me refreio. Pois o homem não vinha sozinho, embaixador, só para a mim me dizer hem-hem? Ameaçar, se queixar,
assustar, declarar guerras? Vá o que pois for. Minha porta é para o nascente. Não vejo outra banda. Sou um homem muito leal. Sou o que sou - eu - Joaquim Norberto.
Sou o amigo de seu Seotazíano.
Aqui recebi o homem, nesta porta do que é meu. E ele era um irmão da noiva. Conhecido meu, cordial, com o bom aperto-de-mão. Entrou-se. Sentou-se. Severo, sereno,
eu estava; sensato, ele, com desempeno. Não vinha embater escândalos, nem produzir inglesias; parecia portar-se em termos. Se à boa mente se conduzisse o negó.cio?
Meu dever e gosto sendo reconciliar, recatar e recompor, como homem-de-bem e chefe-em-armas. Agora, era a desenrolação, do de cá e de lá, de ambas as partes. Me
clareeí. Convidei o homem para almoçar. E, aí, defini: com meios-modos e trastejos, não se bota e nem se saca. Chamei os noivos, para a mesa!
Gente tesa - um par de toda a coragem. Vieram. O homem sorriu, meu visitante. Deu a mão a ela e a ele, disse: - "Com'passou? Com'passou?" - em leal estima e franquia.
Bom. Comeu-se e conversou-se em diversas matérias. Bom. Aquilo, ao correr do cabelo. Suavemente, com incompletas, ele convidou os dois, para irem com ele: para
a benção dos pais e uma festa, que se dava, de tornaboda. Tudo não estava certo e aprovado? Sabendo ele do casamento. Me convidou também, eu mais Sa-Maria querida
Andreza. Bom, consoante. Eu conveniente-mente, não podendo, pelos fatos. Mas mandei meu filho seu Fifino, representante; e ele quis por amor da festa, decidido.
Porque os noivos aceitaram de ir, satisfatórios, me agradecendo se despediram. E eu, respondendo pelo direito: - "Só emendo: abaixo de Deus, só o seu Seotaziano!"
- disse. O homem, ficado em pé, para sair. E, a ele, direto, pelo seguro, na regra do bem-viver: - "Sou o padrinho deles dois, no casório, e vou ser o padrinho do
primeiro filho deles, se lhes respraz!" - trovejei que
disse, fingindo franco riso. Sempre era bom. E ele não ia me entender? Pouquinha dúvida. Esta vida tem de ser declarada e assinada. O mais, no mais, senão as carabinas!
Da varanda, Sa-María Andreza, e eu, nós, a gente contemplava: os cavaleiros, na congracez, em boa ida. Tudo tão terminado, de repente, se me se diz, tudo quitado.
Nem guerra, nem mais luas-de-mel, regalo não regalado!
Olhei minha Sa-Maria Andreza, que me olhava. Ai-de. Enquanto nada.
Lá se foram o Baldualdo e o Bibião, também, consoantes. Seu Seotazíano estando servido, e meus deveres concordados. Meu capataz, o José Satisfeito, meio mole fechava
a porteira. Aquelas luas-de-mel, tão poucas, as-sim em assopro de gaita. As passageiras consolações: fazer-de-conta-de-amor, o que era o meu cestinho de carregar
água. A gente, agora: sair das desilusões, o entrar em idade. Mas, seu Fiflno, meu filho, um dia devia de roubar uma moça assim - em armas! Sorri, eu, Joaquim Norberto,
respeitante. Abracei minha Sa-Maria Andreza, a gente com os olhos desnublados. Se me se diz? E então. Aqui nesta fazenda Santa-Cruz-da-Onça; aqui é um recato. Ah,
bom; e semelhante fato foi.
16
Partida do audaz navegante
Na manhã de um dia em que brumava e chuviscava, parecia não acontecer coisa nenhuma. Estava-se perto do fogo familiar, na cozinha, aberta, de alpendre, atrás da
pequena casa. No campo, é bom; é assim. Mamãe, ainda de roupão, mandava Maria Eva estrelar ovos com torresmos e descascar os mamões maduros. Mamãe, a mais bela,
a melhor. Seus pés podiam calçar as chinelas de Pele. Seus cabelos davam o louro silencioso. Suas meninas-dos-olhos brincavam com bonecas. Ciganinha, Pele e Brejeirinha
- elas brotavam num galho. Só o Zíto, este, era de fora; só primo. Meia-manhã chuvosa entre verdes: o fúfio fino borrifo, e a gente fica quase presos, alojados,
na cozinha ou na casa, no centro de muitas lamas. Sempre se enxergam o barranco, o galinheiro, o cajueiro grande de variados entortamentos, um pedaço de um morro
- e o longe. Nurka, negra, dormia. Mamãe cuida com orgulhos e olhares as três meninas e o menino. Da Brejeírinha, menor, muito mais. Porque Brejeírinha, às vezes,
formava muitas artes.
Nesta hora, não, Brejeirínha se instituíra, um azougue de quieta, sentada no caixote de batatas. Toda cruzadlnha, traçadas as pernocas, ocupava-se com caixa de fósforos.
A gente via Brejeirinha: primeiro, os cabelos, compridos, lisos, louro-cobre; e, no meio deles, coisicas diminutas: a carinha não-comprida, o perfilzinho agudo,
um narizlnho que-carícia. Aos tantos, não parava, andorinhava, espiava agora - o xíxixl e o empapar-se da paisagem - as pestanas til-til. Porém, disse-se dizia ela,
pouco se vê, pelos entrefios: - "Tanto chove, que me gela!" Aí, esticou-se para cima, dando com os pés em diversos objetos. - "Ui, ui-te!" - rolara nos cachos de
bananas, seu umbigo sempre aparecendo. Pele ajudava-a a se endireitar. - ..... E o cajueiro ainda faz flores...
- acrescentou, observava da árvore não se interromper mesmo assim, com essas aguaceirices, de durante dias, a chuvínha no bruaar e a pálida manhã do céu. Mamãe
dosava açúcares e farinhas, para um bolo. Pele tentava ajudar, diligentil. Ciganinha lia um livro; para ler ela não precisava virar página.
Cíganinha e Zito nem muito um do outro se aproximavam, antes paravam meio brigados, de da véspera, de uma briguinha grande e feia. Pele é que era a morena, com notáveis
olhos. Ciganinha, a menina linda no mundo: retrato miúdo da mamãe. Zito perpensava assuntos de não ousar dizer, coisas de ciumoso, ele abrira-se àespécie de ciúmes
sem motivo de quê ou quem. Brejeirinha pulou, por pirueta. - "Eu sei por que éque o ovo se parece com um espeto!" -; ela vivia em álgebra. Mas não ia contar a ninguém.
Brejeirinha é assim, não de siso débil; seus segredos são sem acabar. Tem porém infimículas inquietações: - "Eu hoje estou com a cabeça muito quente.. ." - isto,
por não querer estudar. Então, ajunta: - "Eu vou saber geografia." Ou: - "Eu queria saber o amor.. ." Pele foi quem deu risada. Ciganínha e Zíto erguem olhos, só
quase assustados. Quase, quase, se entrefitaram, num não encontrar-se. Mas, Ciganinha, que se crê com a razão, muxoxa. Zito, também, não quer durar mais brigado,
viera ao ponto de não agüentar. Se, à socapa, mirava Ciganinha, ela de repente mais linda se envoava.
- "Sem saber o amor, a gente pode ler os romances grandes?" - Brejeirinha especulava. - "É, hem? Você não sabe ler nem o catecismo.. ." Pele lambava-lhe um
tico de desdém; mas Pele não perdia de boazinha e beliscava em doce, sorria sempre na voz. Brejeimnha rebica, plcuíca: - "Engraçada! ... Pois eu li as 35 palavras
no rótulo da caixa de fósforos.. ." Por isso, que avançar afirmações, com superior modo e calor de expressão, deduzidos de babinhas. - "Zito, tubarão é desvairado,
ou é explícito ou demagogo?" Porque gostava, poetista, de importar desses sérios nomes, que lampejam longo clarão no escuro de nossa ignorância. Zito não respondia,
desesperado de repente, controversioso-culposo, sonhava ir-se embora, teatral, debaixo de chuva que chuva, ele estaiava numa raiva. Mas Brejeimnha tinha o dom de
aprender as tenuidades: delas apropriava-se e refletia-as em si -a coisa das coisas e a pessoa das pessoas. - "Zito, você podia ser o pirata inglório marujo, num
navio muito intato, para longe, lo-õ-onge no mar, navegante que o nunca-mais, de todos?" Zito sorri, feito um ar forte. Ciganlnha estremecera, e segurou com mais
dedos o livro, hesltada. Mamãe dera a Pele a terrina, para ela bater os ovos.
Mas Brejeminha punha mão em rosto, agora ela mesma empolgada, não detendo em si o jato de contar:
- "O aldaz navegante, que foi descobrir os outros lugares valetudinário. Ele foi num navio, também, falcatruas. Foi de sozinho. Os lugares eram longe, e o mar. O
aldaz navegante estava com saudade, antes, da mãe dele, dos irmãos, do pai. Ele não chorava. Ele precisava respectivo de ir. Disse: - 'Vocês vão se esquecer muito
de mim?' O navio dele, chegou o dia de ir. O aldaz navegante ficou batendo o lenço branco, extrínseco, dentro do indo-se embora do navio. O navio foi saindo do perto
para o longe, mas o aldaz navegante não dava as costas para a gente, para trás. A gente também inclusive batia as lenços brancos. Por fim, não tinha mais navio para
se ver, só tinha o resto de mar. Então, um pensou e disse: - 'Ele vai descobrir os lugares, que nós não vamos nunca descobrir...' Então e então, outro disse: - 'Ele
vai descobrir os lugares, depois ele nunca vai voltar...' Então, mais, outro pensou, pensou, esférico, e disse: - 'Ele deve de ter, então, a alguma raiva de nós,
dentro dele, sem saber...' Então, todos choraram, muitíssimos, e voltaram tristes para casa, para jantar..
Pelé levantou a colher: - "Você é uma analfabetinha 'aldaz' ". - "Falsa a beatinha é tu!" - Brejeirínha se malcriou. - "Por que você inventa essa história de de
tolice, boba, boba?" - e Ciganinha se feria em zanga.
- "Porque depois pode ficar bonito, uê!" Nurka latira. Mamãe também estava brava? Porque Brejeirinha topara o pé em cafeteiras, e outras. Disse ainda, reflexiva:
-"Antes falar bobagens, que calar besteiras.. ." Agora, fechou os olhos que verdes, solene arrependida de seu desalinho de conduta. Só ouvirá o rumorejo da chuvinha,
que estarão fritando.
A manhã é uma esponja. Decerto, porém, Pele rezara os dez responsos a Santo Antônio, tãoquanto batia os ovos. Porque estourou manso o milagre. O tempo temperou.
Só era março - compondo suas chuvas ordinárias. Ciganinha e Zito se suspiravam. Soltavam-se as galinhas do galinheiro, e o peru. Saía-se, ao largo, Nurka. O céu
tornava a azul?
Mamãe ia visitar a doente, a mulher do colono Zé Pavio. - "Ah, e você vai conosco ou sem-nosco?" -Brejeirinha perguntava. Mamãe, por não rir nem se dar de alheada,
desferia chuf as meigas: - "Que nossa vergonha! .. ." - e a dela era uma voz de vogais doçuras. A manhã se faz de flores. Então, pediu-se licença de ir espiar o
riachinho cheio. Mamãe deixava, elas não eram mais meninas de agarra-a-saia. De impulso, se alegraram. Só que alguém teria de junto ir, para não se esquecerem de
não chegar perto das águas perigosas. O rio, ali, é assaz. Se o Zito não seria, próprio, essa pessoa de acompanhar, um meiozinho-homem, leal de responsabilidades?
Cessou-se a cerração do ar. Mas tinham de vestir outras roupas quentes - "Oh, as grogrolas!" Brejeírinha de alegria ante todas, feliz como se, se, se: menina só
ave. - "Vão com Deus!" - Mamãe disse, profetisa, com aquela voz voável. Ela falava, e choviam era bátegas de bênçãos. A gentezinha separou-se.
A ir lá, o caminho primeiro subia, subvexo, a ladeirinha do combro, colinola. Tão mesmo assim, os dois guarda-chuvas. Num - avante - Brejeimnha e Pele. Debaixo do
outro, Zito e Cigamnha. Só os restos da chuva, chuvinha se segredando. Nurka corria, negramente, e enfim voltava, cachorra destapada ditosa. Se a gente se virava,
via-se a casa, branquiria com a lista verde-azul, a mais pequenina e linda, de todas, todas, Zito dando o braço a Ciganinha, por vezes, muito, as mãos se encontravam.
Pele se crescia, elegante. E ágil ia Brejeirinha, com seu casaquinho coleóptero. Ela andava pés-para-dentro, feito um periquitinho, impávido.
No transcenso da colíneta, Zito e Ciganinha calavam-se, muito às tortas, nos comovidos não-falares. Sim, já se estavam em pé de paz, fazendo sua experiência de felicidade;
para eles, o passeio era um fato sentimental. Descia-se agora a outra ladeira, pegando cuidado, pelo enlameável e escorregoso, poças, mas também para não pisar no
que Brejeirinha chamava de "o bovino" - altas rodelas de esterco cogumeleiro. Ali, com efeito, andavam bois: "o boi, beiçudo"; aí, Brejeirinha levou tombo. Ela disse
que mamãe tinha dito que eles precisavam de ter:
coragem com juízo. Mas, isso, era mentirinhas. E, o que pois: - "Agora, já me sujei, então agora posso não ter cuidado.. ." Correu, com Nurka, pela encosta inferior,
no verdinho pasto. Pele ainda ralhou: - "Você vai buscar um audaz navegante?" Mas, mais. Entanto, à úmida, à luz, o plano capim - e floriu-se: estendem-se, entremunhadas,
as margaridinhas, todas se rodeiam de pálpebras.
O que se queria, aqui, era a pequena angra, onde o riachinho faz foz. Abaixo, aos bons bambus, e às pedreiras de beira-rio, ouvindo o ronco, o bufo d'água.
Porque, o rio, grossoso, se descomporta, e o ríachinho porém também, seu estuirlo já feio cheio, refuso, represado, encapelado - pororoqueja. - "Bochechudo!" - grita-lhe
Brejeirinha. Sumiu-se a última arelinha dele, sob baile de um atoalhado de espumas, no belo despropositar-se, o bulír de bolhas. Brejeimnha já olhou tudo de cor.
'Cravou varetas de bambu, marcando pontos, para medir a água em se crescer, mudando de lugar. Porém, o fervor daquilo impunha-lhe recordações, Brejeirinha não gostanclo
de mar: - "O mar não tem desenho. O vento não deixa. O tamanho.. ." Lamentava-se de não ter trazido pão para os peixes. - "Peixe, assim, a esta hora?" -Pele duvidava.
Divagava Brejeirlnha: - "A cachoeírinha é uma parede de água.. ." Falou que aquela, ali, no rio, em frente, era a Ilhazinha dos Jacarés. - "Você já viu jacaré lá?"
- caçoava Pele. - "Não. Mas você também nunca viu o jacaré-não-estar-lá. Você vê é a ilha, só. Então, o jacaré pode estar ou não estar.. ." Mas, Brejeirinha, Nurka
ao lado, já vira tudo, em pé em volta, seu par de olhos passarinhos. Demorava-se, aliás, o subir e alargar-se da água, com os mil-e-um movimentos supérfluos.
A gente se sentava, perto, não no chão nem em tronco caldo, por causa do chovido do molhado. Ciganlnha e Zito, numa pedra, que dava só para dois, podiam horas infinitas;
apenas, conversando ainda feito gente trivial. Pele safra a colher um feixe de flores. Mais não chuviscava. Brejeirmnha já pulando de novo. Disse: que o dia estava
muito recitado. Voltava-se para a contramargem, das mais verdes, e jogava pedras, o longe possível, para Nurka correndo ir buscar. Depois, se acocora, de entretcr-&,
parece que já está até calçada com um sapatinho só. Mas, sem se desagachar, logo gira nos pezlnhos, quer Clganínha e Zito para ouvirem. Olha-os.
- "O aldaz navegante não gostava de mar! Ele tinha assim mesmo de partir? Ele amava uma moça, magra. Mas o mar veio, ém vento, e levou o. navio dele, com
ele dentro, escrutínio. O aldaz navegante não podia nada, só o mar, danado de ao redor, preliminar. O aldaz navegante se lembrava muito da moça. O amor é original..
Ciganinha e Zito sorriram. Riram juntos. - "Nossa! O assunto ainda não parou?" - era Pele voltada, numa porção de flores se escudando. Brejeirinha careteou um "ah!"
e quis que continuou: - "... Envém a tripulação... Então, não. Depois, choveu, choveu. O mar se encheu, o esquema, amestrador... O aldaz navegante não tinha caminho
para correr e fugir, perante, e o navio espedaçado. O navio parambolava... Ele, com o medo, intato, quase nem tinha tempo de tornar a pensar demais na moça que amava,
circunspectos. Ele só a prevaricar... O amor é singular..
- "E daí?"
- "A moça estava paralela, lá, longe, sozinha, ficada, inclusive, eles dois estavam nas duas pontinhas da saudade... O amor, isto é... O aldaz navegante, o perigo
era total, titular... nao tinha salvação... O aldaz... O aldaz..
- "Sim. E agora? E daí?" - Pele intimava-a.
- "Aí? Então.., então... Vou fazer explicação! Pronto. Então, ele acendeu a luz do mar. E pronto. Ele estava combinado com o homem do farol... Pronto.
E..."
- "Na-ão. Não vale! Não pode inventar personagem novo, no fim da estória, fu! E - olha o seu 'aldaz navegante', ali. É aquele..."
Olhou-se. Era: aquele•- a coisa vacum, atamanhada, embatumada, semi-ressequida, obra pastoril no chão de límugem, e às pontas dos capins - chato, deixado. Sobre
sua eminência, crescera um cogumelo de haste fina e fiexuosa, muito longa: o chapeuzinho branco, lá em cima, petulante se bamboleava. O embate e orla da água, enchente,
já o atingiam, quase.
Brejeírlnha fez careta. Mas, nisso, o ramilhete de Pele se desmanchou, caindo no chão umas flores. - "Ah! Pois é, é mesmo!' - e Brejeirinha saltava e agia, rápida
no valer-se das ocasiões. Apanhara aquelas florinhas amarelas - josés-moleques, douradinhas e margaridinhas -e veio espetá-las no concrôo do objeto. - "Hoje não
tem nenhuma flor azul?" - ainda indagou. A risada foi de todos, Ciganinha e Zito bateram pal.mas. "Pronto. Éo aldaz navegante.. ." - e Brejeirinha criava-o de mais
coisas - folhas de bambu, raminhos, gravetos. Já aquela matéria, o "bovino", se transformava.
Deu-se, aí, porém, longe rumor: um trovão arrasta seus trastes. Brejeirinha teme demais os trovões. Vem para perto de Zito e Ciganinha. E de Pele. Pele, a meiga.
Que: - "Então? A estória não vai mais? Mixou?"
- "Então, pronto. Vou tornar a• começar. O aldaz navegante, ele amava a moça, recomeçado. Pronto. Ele, de repente, se envergonhou de ter medo, deu um valor,
desassustado. Deu um pulo onipotente... Agarrou, de longe, a moça, em seus abraços... Então, pronto. O mar foi que se aparvolhou-se. Arres! O aldaz navegante, pronto.
Agora, acabou-se mesmo: eu escrevi 'Fim'l"
De fato, a água já se acerca do "aldaz navegante", seu primeiro chofre golpeava-O. - "Ele vai parao mar?"
- perguntava, ansiosa, Brejeirmnha. Ficara muito de pé. Um ventínho faz nela bilo-bio - acarinha-lhe o rosto, os lábios, sim, e os ouvidos, os cabelos. A chuva,
longe, adiada.
Segredando-se, Ciganinha e Zito se consideram, nas pontinhas da realidade. - "Hoje está tão bonito, não é? Tudo, todos, tão bem, a gente alegre... Eu gosto deste
tempo.. ." E: - "Eu também, Zito. Você vai voltar sempre aqui, muitas vezes?" E: - "Se Deus quiser, eu venho.. ." E: - "Zito, você era capaz de fazer como o audaz
navegante? Ir descobrir os outros lugares?" E: - "Ele foi, porque Ós outros lugares ainda são mais bonitos, quem sabe?.. ." Eles se disseram, assim eles dois, coisas
grandes em palavras pequenas, ti a mim, me a ti, e tanto. Contudo, e felizes, alguma outra coisa se agitava neles, confusa - assim rosaamorespínhos-SftUdade.
Mas, o "aldaz navegante" agora à água se apressa, no vir e ir, seu espumitar chega-lhe já re-em-redor, começando a ensopação. Ei-lo circunavegável, conquanto em
firme terrestreidade: o chão ainda o amarrava de romper e partir. Brejeirinha aumenta-lhe os adornos. Até Ciganlnha e Zito pegam a ajudar. E Pele. Ele é outro, colorido,
estrambótico, folhas, flores. - "Ele vai descobrir os outros lugares.. ." - "Não, Brejeirinha. Não brinca com coisas sérias!" - "Uê? O quê?" Então, Ciganinha, cismosa,
propoe: - "Vamos mandar, por ele, um recado?" Enviar, por ora, uma coisa, para o mar. Isso, todos querem. Zito põe uma moeda. Ciganinha, um grampo. Pele, um chicle.
Brejeminha - um cuspinho; é o "seu estilo". E a estôría? Haverá, ainda, tempo para recontar a verdadeira estôría? Pois:
"Agora, eu sei. O aldaz navegante não foi sozinho; pronto! Mas ele embarcou com a moça que ele amavamse, entraram no navio, estrito. E pronto. O mar foi indo com
eles, estético. Eles iam sem sozinhos, no navio, que ficando cada vez mais bonito, mais bonito, o navio... pronto: e virou vaga-lumes..."
Pronto. O trovão, terrível, este em céus e terra, invencível. Carregou. Brejeírinha e o trovão se engasgam. Ela iria cair num abismo "intato" - o vão do trovão?
Nurka latiu, em seu socorro. Ciganinha, e Pele e Zito, também, vêm para a amparar. Antes, porém, outra, fada, inesperada, surgia, ali, de contraflor.
"Mamãe!"
Deitou-se-lhe ao pescoço. Mamãe aparava-lhe a cabecinha, como um esquilo pega uma noz. Brejeírinha ri sem til. E, Pele:
- "Olha! Agora! La se vai o 'aidaz navegante'!"
"Ei!"
"Ali!"
O Aldaz! Ele partia. Oscilado, só se dançandoando, espumas e águas o levavam, ao aidaz navegante, para sempre, víabundo, abaixo, abaixo. Suas folhagens, suas flores
e o airoso cogumelo, comprido, que uma gota orvalha, uma gotinha, que perluz - no pináculo de uma
trampa seca de vaca.
Brejeiinha se comove também. No descomover-se,porém, é que diz: - "Mamãe, agora eu sei, mais: que o ovo só se parece, mesmo, é com um espeto!"
De novo, a chuva dá.
De modo que se abriram, asados, os guarda-chuvas.
17
A benfazeja
Sei que não atentaram na mulher; nem fosse possível. Vive-se perto demais, num lugarejo, às sombras frouxas, a gente se afaz ao devagar das pessoas. A gente não
revê os que não valem a pena. Acham ainda que não valia a pena? Se, pois, se. No que nem pensaram; e não se indagou, a muita coisa. Para quê? A mulher - malandraja,
a malacafar, suja de si, misericordiada, tão em velha e feia, feita tonta, no crime não arrependida - e guia de um cego. Vocês todos nunca suspeitaram que ela pudesse
arcar-se no mais fechado extremo, nos domínios do demasiado?
Soubessem-lhe ao menos o nome. Não, pergunto, e ninguém o intéira. Chamavam-na de a Mula-Marmela, somente, a abominada. A que tinha dores nas cadeiras:
andava meio se agachando; com os joelhos para diante. Vivesse embrenhada, mesmo quando ao claro, na rua. Qualquer ponto em que passasse parecia apertado. Viam-lhe
vocês a mesmez - furibunda de magra, de esticado esqueleto, e o se sumir de sanguexuga, fugidos os olhos, lobunos cabelos, a cara; - as sombras carecem de qualquer
conta ou relevo. Sabe-se se assustava-os seu ser: as fauces .çIe jejuadora, os modos, contidos, de ensalmeíra? As vezes, tinha o queixo trêmulo. Apanhem-lhe o andar
em ponta, em sestro de égua solitária; e a selvagem com-postura. Seja-se exato.
E nem desconfiaram, hem, de que poderiam estar em tudo e por tudo enganados? Não diziam, também, que ela ocultava dinheiro, rapinicado às tantas esmolas que o cego
costumava arrecadar? Rica, outromodo, sim, pelo que do destino, o terrível. Nem fosse reles feiosa, isto vocês poderiam notar, se capazes de desencobrir-lhe as feições,
de sob o sórdido desarrumo, do sarro e crasso; e desfixar-lhe os rugamentos, que não de idade, senão de crispa expressão. Lembrem-se bem, façam um esforço. Compesem-lhe
as palavras parcas, os gestos, uns atos, e tereis que ela se desvendava antes ladina, atilada em exacerbo. Seu antigo crime? Mas sempre escutei que o assassinado
por ela era um hediondo, o cão de homem, calamidade horribiíssima, perigo e castigo para os habitantes deste lugar. Do que ouvi, a vocês mesmos, entendo que, por
aquilo, todos lhe estariam em grande dívida, se bem que de tanto não tomando tento, nem essa gratidão externassem. Tudo se compensa. Por que, então, invocar, contra
as mãos de alguém, as sombras de outroras coisas?
O cego pedia suas esmolas rudemente. Xingava, arrogava, desensofrido, dando com o bordão nas portas das casas, no balcão das vendas. Respeitavam-no, mesmo por isso,
jamais se viu que o desatendessem, ou censurassem ou ralhassem, repondo-o em seu nada. Piedade? Escrúpulo? Mais seria como se percebessem nele, de obscuro, um mando
de alma, qualidade de poder. Chamava-se o Retrupé, sem adiante. Como a Mula-Marmela, os dois, ambos: uns pobres, de apelido. E vocês não vêem que, negando-lhes o
de cristão, comunicavam, à rebelde indigência de um e outra, estranha eficácia de ser, àparte, já causada?
Ao Retrupé com seu encanzinar-se, blasfemífero, e prepotente esmolar, ninguém demorava para dar dinheiro, comida, o que ele quisesse, o pão-por-deus. - "Ele éum
tranca!" - o cínico e canalha, vilão. Mas só, às vezes, algvém, depois e longe, se desabafava. O homem maligno, com cara de matador de gente. Sobre os trapos, trazia
um facão, pendente. Estendia, imperioso, sua mão de tamanho. E gritava, com uma voz de cão, superlativa.
Se alguém falasse, ou risse, ele parava, esperava o silêncio. Escutava muito, ao redor de si. Mas nunca ouvia tudo; não sabia nem podia.
Tinha medo, também; disso, vocês nunca desconfiaram. Temia-a, a ela, à mulher que o guiava. A Mula-Mar-meia chamava-o, com simples sílaba, entre dentes, quase esguichado
um "ei" ou "hã" - e o Retrupé se movia de lá, agora apalpante, pisando com ajuda; balançava o facão, a bainha presa a um barbante, na cintura. Sei que ele, leve,
breve, se sacudira. Desciam a rua, dobraram o beco, acompanharamse por lá, os dois, em sobrossoso séquito. Rezam-se ódio. Lé e cré, pelas ora voltas, que qual, que.
tal, loba e cão. Como era que ficavam nesse acordo de incomunhão, malquerentes, parando entre eles um frio figadal? O cego Retrupé era filho do finado marido dela,
o Mumbungo, que a Mula-Marmela assassinara.
Vocês sabem, o que foi há tantos anos. Esse Mumbungo era célebre-cruel e iníquo, muito criminoso, hõmem de gostar do sabor de sangue, monstro de perversias. Esse
nunca perdoou, emprestava ao diabo a alma dos outros. Matava, afligia, matava. Dizem que esfaqueava rasgado, só pelo ancho de ver a vítima caretear. Será a sua verdade?
Nos tempos, e por causa dele, todos estremeciam, sem pausa de remédio. Diziam-no maltratado do miolo. Era o punir de Deus, o avultado demo - o "cão". E, no entanto,
com a mulher, davam-se bem, amavam-se. Como?. O amor é a vaga, indecisa palavra. Mas, eu, indaguej. Sou de fora. O Mumbungo queria à sua mulher, a Mula-Marmela e,
contudo, incertamente, ela o amedrontava. Do temor que não se sabe. Talvez pressentisse que só ela seria capaz de destruí-lo, de cortar, com um ato de "não", sua
existência doidamente celerada. Talvez adívinhasse que em suas mãos, dela, estivesse já decretado e pronto o seu fim. Queria-lhe, e temia-a - de um temor Igual ao
que agora incessante sente o cego Retrupé. Soubessem, porém, nem de nada. A gente é portador.
O cego Retrupé é grande, forte. Surge, de lá, trazido pela Mula-Marmela agora se conduz firme, não vacila. Dizem que bebe? Vejam vocês mesmos, porém, como essas
petas escondem a coisa singular. Todos sabem que ele não bebia, nunca, porque a Mula-Marmela não deixava. Nem carecia de falar-lhe a paz da proibição: dava-lhe,
apenas, um silêncio, terrível. E ele cumpria, tin*a a marca da coleira. Curtia afogados desejos, indecifrava-o5. Aspirava, à. porta dos botequins, febril, o espírito
das cachaças. Seguia, enfim, perfidiado e remisso, mal-agradecido, raivoso, os dentes do rato rangiam-no. Porque, ele mesmo, não sabendo que não havia de beber,
o que não fosse - ah, se! - o sangue das pessoas. Porque sua sede e embriaguez eram fatais, medonhas outras, para lá do ponto. Seria ele, realmente, uma alma de
Deus, hão certeza? Ah, nem sabem. Podia também ser de outra essência -a mandada, manchada, malfadada. Dizem-se, estórias. Assim mesmo no tredo, estado em que tateia,
privo, malexistente, o que é, cabídamente, é o filho tal-pai-tal; o "cão", também, na prática verdade.
O pai, o Mumbungo, se vivia bem com a mulher, a Mula-Marmela, e se ela precisava dele, como os pobres precisam uns dos outros, por que, então, o matou? Vocês nunca
pensaram nisso, e culparam-na. Por que hão de ser tão Infundados e poltrões, sem espécie de perceber e reconhecer? Mas, quando ela matou o marido, sem que se saiba
a clara e externa razão, todos aqui respiraram, e bendisseram a Deus. Agora, a gente podia viver o sossego, o mal se vazara, tão felizmente de repente. O Mumbungo;
esse, foi o que tivera de se revoltar a um outro lugar, foi como alma que caiu no inferno. Mas não a. recompensaram, a ela, a Mula-Marmela ao contrário: deixaram-na
no escárnio de apontada à amargura, e na muda miséria, pois que eis. Matou o marido, e, depois, própria temeu, forte demais, o pavor que se lhe refluía, caída, dado
ataque, quase fria de assombro de estupefazimento, com o cachorro uivar. E ela, então, não riu. Vocês, os que não a ouviram não rir, nem suportam se lembrar direito
do delírldo daquela risada.
Se eu disser o que sei e pensam, vocês inquietos se desgostarão. Nem consintam, talvez, que eu explique, acabe. A mulher tinha de matar, tinha de cumprir por suas
mãos o necessário bem de todos, só ela mesma poderia ser a executora - da obra altíssima, que todos nem ousavam conceber, mas que, em seus escondidos corações, imploravam.
Só ela mesma, a Marmela, que viera ao mundo com a sina presa de amar aquele homem, e de ser amada dele; e, juntos, enviados. Por quê? Em volta de nós, o que há é
a sombra mais fechada - coisas gerais. A MulaMarmela e o Mumbungo, no fio a fio de sua afeição, suspeitassem antecipadamente da sanção, e sentença? Temia-a, ele,
sim, e o amor que tinha a ela colocava-o àmercê de sua justiça. A Marmela, pobre mulher, que sentia mais que todos, talvez, e, sem o saber, sentia por todos, peos
ameaçados e vexados, pelos que choravam os seus entes parentes, que o Mumbungo, mandatário de não sei que poderes, atroz sacrificara. Se só ela poderia
matar o homem que era o seu, ela teria de matá-lo. Se não cumprisse assim - se se recusasse a satisfazer o que todos, a sós, a todos os instantes, suplicavam enormemente
- ela enlouqueceria? A cor do carvão é um mistério; a gente pensa que ele é preto, ou branco.
E outra vez vejo que vêm, pela indiferente rua, e passam, em esmolambos, os dois, tão fora da vida exemplar de todos, dos que são os moradores deste sereno nosso
lugar. O cego Retrupé avança, fingindo-se de seguro, não dá à Mula-Marmela a ponta do bordão para segurar, ela o gula apenas com sua dianteira presença, ele segue-a
pelo jeito, pelo se deslocar do ar - como em trasvôo se vão os pássaros; ou o que ele percebe à sua frente é a essência vivaz da mulher, sua sombra-da-alma, fareja-lhe
o odor, o lobum? Notem que o cego Retrupé mantém sempre muito levantada a cabeça, por inexplicado orgulho:
que ele provém de um reino de orgulho, sua maligna lndole, o poder de mandar, que estarrece. E ele traz um chapéu chato, nem branco nem preto. Viram como esse chapéu
lhe cai muitas vezes da cabeça, principalmento quando ele mais se exalta, gestiongado abarbarado e maldoso, reclamando com urgência suas esmolas do povo. Mas, notaram
como é que a Mula-Marmela lhe apanha do chão o chapéu, e procura limpá-lo com seus dedos, antes de lho entregar, o chapéu que ele mesmo nunca tira, por não respeitar
a ninguém? Sei •que vocês não se interessam nulo por ela, não reparam como essa mulher anda, e sente, e vive e faz. Repararam como olha para as casas com olhos simples,
livres do amaldiçoamento de pedidor? E não põe, no olhar as crianças, o soturno de cativeiro que destinaria aos adultos. Ela olha para tudo com singeleza de admiração.
Mas vocês não podem gostar dela, nem sequer sua proximidade tolerem, porque não sabem que uma sina forçosa demais apartou-a de todos, soltou-a. Apara, em seu de-cor
de dever, o ódio que deveria ir só para os dois homens. Dizem-na maldita: será; e? Porém, isto, nunca mais repitam, não me digam: do lobo, a pele; e olhe lá! Há
sobrepesos, que se levam, outrÕs, e são a vida.
Mas, com tanto, está que ninguém sabe o que entre os dois verdadeiramente se compassa - do desconchavo e desacerto de assim perambularem, torvos, no monótono, em
farrapos, semoventes: do que vocês apenas se divertem, tiram graças e chocarra. Se o que os há é apenas embruxar e odiar, loba contra cão, ojeriza e osga; convocam
demônios? Ou algum encoberto ultrapassar -posto o que também há: uma irmandade das almas más, alcatéia e matilha? Não, não há ódio; engano. Ela, não. Ela cuida dele,
guia-o, trata-o - como a um mais infeliz, mais feroz, mais fraco. Desde que morreu o homem-marido, o Mumbungo, ela •tomou conta deste. Passou a cuidá-lo, na reobriga,
sem buscar sossego. Ela não tinha filhos. - "Ela nunca pariu.. - vocês culpam-na. Vocês, creio, gostariam de que ela também se fosse, desaparecesse no não, depois
de ter assassinado o marido. Vocês odeiam-na, destarte.
Mas, se ela também se tivesse matado, que seria de vocês, de nós, às muitas mãos do Retrupé, que ainda não estava cegado, nos tempos; e que seria tão pronto para
ser sanguinaz e cruel-perverso quanto o pai - e o que renega de Deus - da pele de Judas de tão desumana e tremenda estirpe, de apavor?
Seus os-olhos, do Retrupé, ainda eram sãos: para espelhar inevitável ódio, para cumprir o dardejar, e para o prazer de escolher as vítimas mais fáceis, mais frescas.
Só aí, se deu que, em algum comum dia, o Retrupé cegou, de ambos aqueles olhos. Souberam vocês como foi? Procuraram achar? Sabem, contudo, que há leites e pós, de
plantas, venenos que ocultamente retiram, retomam a visão, de olhos que não devem ver. Só com isso, sem precisão de mais, e já o Retrupé parava, um ser quase inócuo,
um renunciado. E vocês, bons moradores do lugar, ficavam defendidos, a cobro de suas infrenes celeradezas. Talvez, ele não precisasse de danado morrer como o Mumbungo,
seu pai. Talvez, me pergunto, o próprio Mumbungo descarecesse de ser morto, se acaso, por ponto, alguém pensasse antes nessas ervas cegadoras, ou soubesse já então
de sua aplicação e efeito. Se assim, pois, haver-se-ia agora a Mula-Marmela guiando a dois, pelas ruas, e deles com terrível dever-de-amor cuidando, como se fossem
os filhos que ela queria, os que ela não pariu nem parirá, nunca
- o dócil morto e o impedido cego; A pacto de tolher-lhes as ainda possíveis malícias, e dar-lhes, como em sua antiqüissima linguagem ela diz: gasalhado e emparo.
Vocês, porém, fio que nem nunca lhe escutaram a voz - à surda.
Também o cego Retrupé se intimida dessa voz, rara tanto. Sabem o que é tão estúrdio? - que, mesmo um que não vê, sabe que precisa de apartar a cabeça: ele faz isso,
para não encarar com a mulher odiosa. O cego Retrupé volta-se de frente para o ponto onde estão as sensatas, quietas pessoas, que ele odeia em si, pelo desprezamento
de todos, na pacatez e concórdia. Ele precisava de matar, para a fundo se cumprir, desafogado e bem. Mas, não pode. Porque é cego, apenas. O cégo Retrupé, sedicioso,
'então, insulta, brada espumas, ruge - nas gargantas do cão. Sabe que é de outra raça, que vem do ainda horroroso, informe; que ainda não entendeu a mansidão, pelo
temor? Então, o cego Retrupé esbarra com o impoder da cegueira; agora, ele não pode alcançar ninguém, se a raiva mais o cega; pode? O cego Retrupé cochicha consigo
- ele ofende o invisível. Para ele, graças à cegueira, este nosso mundo já é algum além. E se assim não fosse? Alguém seria capaz de querer ir pôr o açamo no cão
em dana? E vocês ainda podem culpar esta mulher, a Marmela, julgá-la, achá-la vituperável? Deixem-na, se não a entendem, nem a ele. Cada qual com sua baixeza; cada
um com sua altura.
Saibam ver como ela sabe dar descargo de si. Sim, ela é inobservável; vocês não poderiam. Mas, reparando com mais tento, veriam, pelo menos, como ela não écapaz
de pegar estouvadamente em alguma coisa; nem deixa de curvar-se para apanhar um caco de vidro no chão da rua, e pô-lo de lado, por perigoso. Ela abaixa assaz os
olhos. Pelo marido, seu morto; pode, porque o matou sem inúteis sofrimentos. Se não o matasse, ele se teria condenado ainda mais? Ela afasta do botequim o cego Retrupé,
turbador, remisso e bulhento. Só este é o seu, deles, diálogo: um pigarro e um impropério. Ele a segue, canínamente. Vãose; nunca nenhum de vocês os observou, a
gente não consegue nem persegue os fios, feixes dos fatos. Vivem em aterrador, em coisa de silêncio, tão juntos, de morar em esconderijos. A luz é para todos; as
escuridões é que são apartadas e diversas.
Diziam que, em outro tempo, ao menos, entre eles teria havido alguma concubinagem. Cambonda? Nocês sabem que isso é falso; e como a gente gosta de aceitar essas
simples, apaziguadoras suposições. Sabem que o cego Retrupé, canhim e discordioso, ela mesma o conduz,
paciente, às mulheres, e espera-o cá fora, zela para que não o maltratem. Isto, porém, faz tempo. Hoje ele está envelhecido, virou em macilento, grisalho, as cãs
assentam-lhe bem, quando o chapéu cai. Estes tempos, durante que deixamos de conhecê-los e averiguá-los. O cego Retrupé anda meio caído, amorviado, em escanifro
e escanzelo. Parece que, ao mesmo passo, seu modo de medo da MulaMarmela muda e aumenta. Fraqueia-lhe também a fúria alastradora e áspera de viver: não exerce com
o mesmo entono puxar pelo seu direito - o feroz direito de pedir.
Parece que seu temor fazia-o murmurar queixumes, súplicas, à Mula-Marmela. E, no entanto, ela cada dia para com ele mais se abranda, apiedada de seu desvalor. Mas
ele não crê, não pode saber, não confia dela, nem da gente. O entressentir-se, entre as pessoas, vem de regra com exageros, erro, e retardo. Ele sussurra disfarçada
e impessoalmente seus pedidos de perdão; vocês notaram? A Mula-Marmela ouvia-o, sem parecer que. Fugia de olhá-lo. Sei, vocês não notaram, nada. E, mesmo, agora,
vocês se sentem um pouco mais garantidos, tranqüilos estamos. É de crer que, breve, estaremos livres do que não amamos, do que danadamente nos enoja, pasma.
Conta-se-me que ele quis matá-la. Em hora em que seu medo se derramou maior, saber-se-á lá por quê? Tido que já se estava maltreito, quando adoeceu, mal, de febre
acesa. Sentara-se à beira da rua, para arquejar. De repente, levantou-se, sem bordão, estorvinhado, gritou, bramou: exaltado como um cão que é acordado de repente.
Sacou o facão, tacava-o, avançava às doidas, às mesmo cegas, tentando golpeá-la, em seu desatinado furor. E ela, erguida onde estava, permaneceu, não se moveu, não
se Intimidava? Olhava na direção do não. Se ele acertasse, poderia em carnes trucidá-la. Mas, aos poucos, acreditou que o facão não a encontraria nunca, sentiu-se
desamparado demais e sozinho. Temeu, de todo em pé. O facão lhe caiu da mão. Seu medo não tinha olhos para encher.
Parece que gemeu e chorou: - "Mãe... Mamae...
Minha mãe! .. ." - esganiçado implorava, quando retombou sentado no chão, cessada a furibundância; e tremia estremecidamente, feito os capins dos pastos. Estava
já no fino do funil, é de crer que. A Mula-Marmela, ela veio, se chegou, sem dizer nem o sussurrar. Apanhou-lhe o chapéu, limpou-o, tornou-o a pôr na cabeça dele,
e trouxe também o facão, recolocou-o em sua cintura, na velha bainha. Ele, com o se apequenar de sofrer e tremer, semelhava um bicho do fundo da floresta. Diz-se
que ela teria lágrimas nos olhos; que falou, soturna de ternuras terríveis - "Meu filho..." E olhou para uma banda, disse a alguma coisa mais, como se falando ao
outro; soluçava, também, pelo Mumbungo, seu reconduzido marido, por sua parte, de seu ato. Disso, vocês não quererão saber, são em-diabas confusões, disso vocês
não sabem. E, se, para quê? Se ninguém entende ninguém; e ninguém entenderá nada, jamais; esta é a prática verdade.
Sim, os dois, ficaram, até ao anoitecer, e pela noite entrada, naquela solidão próxima, numa beira de cerca. Alguém os acudiu? Diz-se que ele padecia uma dor terrivelmente,
de demasiado castigo, e uma sufocação medonha de ar, conforme nem por uma esperança ainda nem não agoniava. Só estrebuchava. Não viram, na madrugada, quando ele
lançou o último mau suspiro. Sim, mas o que vocês crêem saber, isto, seriamente afirmam: que ela, a Mula-Marmela, no decorrer das trevas, foi quem esga-. nou estranguladamente
o pobre-diabo, que parou de se sofrer, pelos pescoços; no cujo, no corpo defunto, após, se viram marcas de suas unhas e dedos, craváveis. Só não a acusaram e prenderam,
porque maior era o alívio de a ver partir, para nunca, daí que, silenciosa toda, como era sempre, no cemitério, acompanhou o cego Retrupé às consolações. Vocês,
distantemente, ainda a odiavam?
E ela la se indo, amargã, sem ter de se despedir de ninguém, tropeçante e cansada. Sem lhe oferecer ao menos qualquer espontânea esmola, vocês a viram partir:
o que figurava a expedição do bode - seu expiar. Feia, furtiva, lupina, tão magra. Vocês, de seus decretantes corações, a expulsaram. Agora, não vão sair a procurar-lhe
o corpo morto, para, contritos, enterrá-lo, em festa e pranto, em preito? Não será custoso achá-lo, por aí, caído, nem légua adiante. Ela ia para qualquer longe,
ia longamente, ardente, a só e só, tinha finas pernas de andar, andar. É caso, o que agora direi. E, nunca se esqueçam, tomem na lembrança, narrem aos seus filhos,
havidos ou vindouros, o que vocês viram com esses seus olhos terrivorosos, e não souberam impedir, nem compreender, nem agraciar. De como, quando ia a partir, ela
avistou aquele um cachorro morto, abandonado e meio já podre, na ponta-da-rua, e pegou-o às costas, o foi levando: -se para livrar o logradouro e lugar de sua pestilência
perigosa, se para piedade de dar-lhe cova em terra, se para com ele ter com quem ou quê se abraçar, na hora de sua grande morte rsolitária? Pensem, meditem nela,
entanto.
18
Darandina
D
De manhã, todos os gatos nítidos nas pelagens, e eu em serviço formal, mas, contra o devido, cá fora do portão, à espera do menino com os jornais, e eis que, saindo,
passa, por mim e duas ou outras três pessoas que perto e ali mais ou menos ocasionais se achavam, aquele senhor, exato, rápido, podendo-se dizer que provísoríamente
impoluto. E, pronto, refez-se no mundo o mito, dito que desataram a dar-se, para nós, urbanos, os portentosos fatos, enchendo explodidamente o dia: de chinfrim,
afã e lufa-lufa.
- "O, seô! .. ." - foi o grito; senão se, de guerra: -"Ugh, sioux! . . ." - também cabendo ser, por meu testemunho, já que com concentrada ou distraída mente me
encontrava, a repassar os próprios, íntimos qüiproquós, que a matéria da vida são. Mas: - "Oooh.. ." - e o
senhor tão bem passante algum quieto transeunte apunhalara?! Isso em relance e instante visvi - vislumbrou-se-me. Não. Que só o que tinha sido - vice-vi
mais: - pouco certeiro e indiscreto no golpe, um afanador de carteiras. Desde o qual, porém, irremediável, ia-se o vagar interior da gente, roto, de imediato, para
durante contínuos espisódios.
- "Sujeito de trato, tão trajado.. ." - estranhava, surgíndo do carro, dentr'onde até então cochilara, o chofer do dr. Bílolo. - "A caneta-tinteiro foi
que ele abafou, do outro, da lapela.. ." - depunha o menino dos jornais, só no vivo da ocasião aparecendo. Perseguido, entretanto, o homem corria que luzia,
no diante do pé, varava pela praça, dava que dava. - "Pega!" Ora, quase no meio da praça, instalava-se uma das palmeiras-reais, talvez a maior, mesmo majestosa.
Ora, ora, o homem, vestido correto como estava, nela não esbarrou, mas, sem nem se livrar dos sapatos, atirou-se-lhe abraçado,, e grimpava-a, voraz, expedito arriba,
ao incrível, ascensionalíssimo. -Uma palmeira é uma palmeira ou uma palmeira ou uma palmeira? - inquiriria um filósofo. Nosso homem, ignaro, escalara dela já o fim,
e fino. Susteve-se.
- Esta! - me mexi, repiscados os olhos, em tento por me readquirir. Pois o nosso homem se fora, a prumo, a pino, com donaires de pica-pau e nenhum deslize,
e ao topo se encarapitava, safado, sabiá, no páramo empíreo. Paravam os de seus perséquito, não menos que eu surpresos, detidos, aqui em nível térreo-, anta a infinita
palmeira
- muraLhavaz. O céu só safira: No chão, já nem se contando o crescer do ajuntamento, dado que, de toda a circunferência, acudiam pessoas e povo, que na praça se
emagotava. Tanto nunca pënsei que uma multidão se gerasse, de graça, assim e instantânea.
Nosso homem, diga-se que ostentoso, em sua altura inopinada, floria e frutificava: nosso não era o nosso homem. - "Tem arte.. ." - e quem o julgava já não sendo
o jornaleiro, mas o capelão da casa; quase com regozijo. Os outros, acolá, de infra a supra, empinavam insultos, clamando do demo e aqui-da-polícia, até se perguntava
por arma de fogo. Além, porém, muito a seu grado, ele imitatívamente aleluiasse, garrida a voz, tonifluente; porque mírável era que tanto se fizesse ouvir, tudo
apesar-de. Discursava sobre canetas-tinteiro? Um carnelô, portanto, atrevido na propaganda das ditas e estilógrafos. Em local de má escolha, contudo, pensei; se
é que, por descaridosa, não me escandalizasse ainda a idéia de vir alguém produzir acrobacias e dislativas peloticas, dessas, justo em frente de nosso Instituto.
Extremamente de arrojo era o sucesso, em todo o caso, e eu humano; andei ver o reclamista.
Chamavam-me, porém, nesse entremenos, e apenas o Adalgiso, sisudo ele, o de sempre, só que me pegando pelo braço. Puxado e puxando, corre que apressei-me, mesmo
assim, pela praça, para o foco do sumo, central transtornamento. Com estarmos ambos de avental, davam-nos alguma irregular passagem. - "Como foi que fugiu?" - todo
o mundo perguntando, do populacho, que nunca é muito tolo por muito tempo. Tive então enfim de entender, ai-me, mísero. - "Como o recapturar?" Pois éramos, o Adalgiso
e eu, os internos de plantão, no dia infausto 'fantástico.
Vindo o que o Adalgiso, com de-curtas, não urgira em cochichar-me: nosso homem não era nosso hóspede. Instantes antes, espontâneo, só, dera ali o ar de sua desgraça
- "Aspecto e facies nada anormais, mesmo a forma e conteúdo da elocução a princípio denotando fundo mental razoável..." Grave, grave, o caso. Premia-nos a multidão,
e estava-se na área de baixa pressão do ciclone. -"Disse que era são, mas que, vendo a humanidade já enlouquecida, e em véspera de mais tresloucar-se, inventaraa
decisão de se internar, voluntário: assim, quando a coisa se varresse de infernal a pior, estaria já garantido ali, com lugar, tratamento e defesa, que, à maioria,
cá fora, viriam a fazer falta..." - e o Adalgiso, a seguir, iem se culpava de venial descuido, quando no ir querer preencher-lhe a ficha.
- "Você se espanta?" - esquivei-me. De fato, o homem exagerara somente uma teoria antiga: a do professor Dartanhã, que, mesmo a nós, seus alunos, declarava-nos em
quarenta-por-cento casos típicos, larvados; e, ainda, dos restantes, outra boa parte, apenas de mais puxado diagnóstico... Mas o Adalgiso, mas ao meu estarrecido
ouvido: - "Sabe quem é? Deu nome e cargo. Sandoval o reconheceu. É Q secretário das Finanças Públicas.. ." - assim baixinho, e choco, o Adalgiso.
Ao que, quase de propósito, a turba calou-se e enervou-nos, à estupefatura. Desolávamo-nos de mais acima olhar, aonde evidentemente o céu era um desprezo de alto,
o azul antepassado. De qualquer modo, porém, o homem, aquém, em torre de marfim, entre as verdes, hirtas palmas, e ao cabo de sua diligência de veloz como um foguete,
realizava-se, comensurado com o absurdo. Sei-me atreito a vertigens. E quem não, então, sob e perante aquilo, para nós um deus-nos-sacuda, de arrepiar perucas, semelhante
e rigorosa coisa? Mas um super-humano ato pessoal, transe hiperbólico, incidente hercúleo. - "Sandoval vai chamar o dr. diretor, a polícia, o palácio de governo..
." - assegurou o Adalgiso.
Uma palmeira não é uma mangueira, em sua frondosura, sequer uma aroeira, quanto a condições de fixibilidade e conforto, acontece-que. Que modo e como, então, agüentava
de reter-se tanto ali, estadista ou não, são ou doente? Ele lá não estava desequilibrado; ao contrário. O repimpado, no apogeu, e rematado velhaco, além de dar em
doido, sem fazer por quando. A única coisa que fazia era sombra. Pois, no justo momento, gritou, introduziu-se a delirar, ele mais em si, satisfatível: - "Eu nunca
me entendi por gente! .. .' - de nós desdenhava. Pausou e repetiu. Daí e mais: - "Vocês me sabem é de mentira!" Respondendo-me? Riu, ri, riu-se, rimo-nos. O povo
ria.
Adalgiso, não: - "Ia adivinhar? Não entendo de política" - inconcluía. - "Excitação maníaca, estado demencial. .. Mania aguda, delirante... E o contraste não étudo,
para se acertarem os sintomas?" - ele, contra si consigo, opunha. Psiu, porém, quem, assado e assim, a mundos e resmungos, sua total presença anunciava? Vê-se que
o dr. diretor: que, chegando, sobrechegado. Para arredar caminho, por império, os da policia - tiras, beleguins, guardas, delegado, comissário - para prevenir desordem.
Também, cândidos, com o dr. diretor, os enfermeiros, padioleiros, Sandoval, o capelão, o dr. Enéias e o dr. Bilolo. Traziam a camisa-de-força. Fitava-se o nosso
homem empalmeirado. E o dr. diretor, dono: -"Há de ser nada!"
Contestando-O, diametral, o professor Dartanhã, de contrária banda aportado: - "Psicose paranóide hebefrênica, dementia praecox, se vejo claro!" - e não só especulativo-teorético,
mas por picuinha, tanto o outro e ele se ojerizavam; além de que rivais, coincidentemente, se bem que calvo e não calvo. Toante que o dr. diretor ripostou, incientífico,
em atitude de autoridade: - "Sabe quem aquele cavalheiro é?" - e o título declinou, voz vedada; ouvindo-o, do povo, mesmo assim, alguns, os adjacentes sagazes. Emendou
o mote o professor Dartanhã:
mas transitória perturbação, a qual, a capacidade civil, em nada lhe deixará afetada.. ." versando o de intoxicação-ou-infecção, a ponto falara. Mesmo um sábio se
engana quanto ao em que crê; - cremos, nós outros, que nossos límpidos óculos limpávamos. Assim cada qual um asno prepalatino, ou, melhor, apud o vulgo:
pessoa bestificada. E, pois que há razões e rasões, os padioleiros não depunham no chão a padiola.
Porque, o nosso, o excelso homem, regritou: - "Viver é impossível! . .." - um slogan; e, sempre que ele se p?ometía para falar, conseguia-se, cá, o multitudinal
silêncio - das pessoas de milhares. Nem esquecera-lhe o elémento mímico: fez gesto - de que empunhasse um guarda-chuva. Ameaçava o que a quem, com seu estrocatastrófico?
- "Viver é impossível!" - o dito declarado assim, tão empírico e anermenêuticO, só através do egoísmo da lógica. Mas, menos como um galhofeiro estapafúrdio, ou alucinado
burlão, pendo a ouvir, antes em leal tom e generoso. E era um revelar em favor de todos, instruía-nos de verdadeira verdade. A nós - substantes seres subaéreos -
de cujo meio ele a si mesmo se raptara. Fato, fato, a vida se dizia, em si, impossível. Já assim me pareceu. Então, ingente, universalmente, era preciso, sem cessar,
um milagre; que é o que sempre há, a fundo, de fato. De mim, não pude negar-lhe, incerta, a simpatia intelectual, a ele, abstrato - vitorioso ao anular-se chegado
ao pincaro de um axioma.
Sete perítos, oficiais pares de olhos, do espaço inferior o estudavam. - "Que ver: que fazer?" - agora. Pois o dr. diretor comandava-nos em conselho, aqui, onde,
prestimosa para nós, dilatava a polícia, a proêmíos de casse-têtes e blasfemos rogos, uma clareira precária. Para embaraços nossos, entretanto, portava-se árduo
o ilustre homem, que ora encarnava a alma de tudo: inacessível. E - portanto - imedicável. Havia e haja que reduzi-lo a baixar, valha que por condigno meio desguindá-lo.
Apenas, não estando à mão de colher, nem sendo de se atrair com afagos e morangos. - "Fazer o quê?" -unânimes, ora tardávamos em atinar. Com o que o dr. diretor,
como quem saca e desfecha, prometeu: - "Vêm ai os bombeiros!" Ponto. Depunham os padioleiros no chão a padiola.
O que vinha, era a vaia. Que não em nós, bem felizmente, mas no nosso guardião do erário. le estava na ponta. Conforme quanto, rápida, no chacoalhar da massa, difundira-se
a identificação do herói. Donde, de início, de bufos avulsos gritos, daqui, aqui, um que outro, comicamente, a atoarda pronta borbotava. E bradou aos céus, formidável,
una, a versão voxpopular: - "Demagogo! Demagogo! .. ." - avessa ressonância. - "Demag000-go! .. ." - a belo e bom, safa, santos meus, que corri-maça. O ultravociferado
halali, a extrair-se de imensidão:
apinhada, em pé, impiedosa - aferventada ao calor do dia de março. Tenho que mesmo uns de nós, e eu, no conjunto conclamávamos. Sandoval, certo, sim; ele, na vida,
pela primeira vez, ainda que em esboço, a revoltarse. Reprovando-nos o professor Dartanhã: - "Não tem um político direito às suas moléstias mentais?" - magistralmente
enfadado. Tão certo que até o dr. diretor em seus créditos e respeitos vacilasse - psíquiatrista. Vendo-se, via-se que o nosso pobre homem perdia a partida, agora,
desde que não conseguindo juntar o prestígio ao fastígio. Demagogo...
Conseguiu-o - de truz, tredo. Em suave e súbito, deu-se que deu que se mexera; a marombar, e por causas. Daí, deixando cair... um sapato! Perfeito, um pé de sapato
- não mais - e tão condescendentemente. Mas o que era o teatral golpe, menos amedrontador que de efeito burlesco vasto. Claro que no vivo popular houve refluxos
e fluxos, quando a mera peça demitiu-se de lá, vindo ao chão, e gravitacioflal se exibiu no ar. Aquele homem: -"É um gênio!" - positivou o dr. Bilolo. Porque o povo
o sentia e aplaudia, danado de redobrado: - "Viva! Viva! .. ." - vibraram, reviraram. - "Um gênio!" - notando-se, elegiam-no, ofertavam-lhe oceânicas palmas. Por
São Simeão! E sem dúvida o era, personagente, em sua sícofância, conforme confere e confirmava: com extraordinária acuidade de percepção e alto senso de oportunidade.
Porque houve também o outro pé, que nao menos se desabou, após pausa. Só que, para variar, este, reto, presto, se riscou - não parabolava. Eram uns sapatos amarelados.
O nosso homem, em festival - autor, alcandorado, alvo: desta e elétrica aclamação, adequada.
Estragou-a a sirena dos bombeiros: que eis que vencendo a custo o acesso e despontafldo, com esses tmtinabulos sons e estardalho. E ancoravam, isto é - rubro de
lagosta ou arrebol - cujo carro. Para eles se ampliava lugar, estricto espaço de manobra; com sua forte nota belígera, colheram sobeja sobra dos aplausos. Aí já
seu comandante se entendendo com a policia e pois conosco, ora. Tinham seu segundo, comprido caminhão, que se f azia base da escada: andante apetrecho, para o empreendimento,
desdobrável altaneiramente, essencial, muito
máquina. Ia-se já agir. Manejando-Se marciais tempos e movimentos, à cometa e apito dados. Começou-se. Ante tanto, que diria o nosso paciente - exposto cínico insígne?
Disse. - "O feio está ficando coisa.. ." - entendendo de nossos planos, vivaldamente constatava; e nisso indocilizava-se, com mímica defensiva, arguto além de alienado.
A solução parecendo inconvir-lhe. - "Nada de cavalo-de-pau!" - vendo-se que de fresco humor e troiano, suspeitoso de Palas Atenéia. E: - "Querem comer-me ainda verde?!"
- o que, por mero mimético e sintomático, apenas, não destoava nem jubilava. A arte que, mesmo escada à parte, os bons bombeiros, muito homens seriam para de assalto
tomar a palmeira-real e superá-la: o uso avulso de um deles, tão bem em técnicas, sabe-se lá, quanto um antllhano ou canaca. A poder de cordas, ganchos, espeques,
pedais postiços e poiais fincáveis. Houve nem mais, das grandes expectações, a conversa entrecortada. O silêncio timbrava-se.
Isto é, o homem, o prócer, protestou. - "Pára! ..
Gesticulou que ia protestar mais. - "Só morto me arriam. me apeiam!" - e não à toa, augural, tinha ele o verbo bem adestrado. Hesitou-se, de cá para cá, hesitávamos.
- "Se vierem, me vou, eu... Eu me vomito daqui! ..
- pronunciou. Declamara em demorado, quase quite eufórico, enquanto que nas viçosas palmas se retouçando, desvárias vezes a menear-se, oscilante por um fio. A coaxa
acrescentou: - "Cão que ladra, não é mudo.. ." - e já que só faltava mesmo o triz, para passar-se do aviso àlástima. Parecia prender-se apenas pelos joelhos, a qualquer
simples e insuportável finura: sua palma, sua alma. Ah... e quase, quasinho... quasezínho, quase... Era de horrir-me o pêlo. Nanja. - "É de circo.. ." - alguém sus
sussumrou-me, o dr. Enéia ou Sandoval. O homem tudo podia, a gente sem certeza disso. Seja se com simulagens e fictâncias? Seja se capaz de elidir-se, largar-se
e se levar do diabo. No finório, descabelado propósito, pempendurou-se um pouco mais, resoluto rematado. A morte tocando, paralela conosco - seu tênue tambor taquigráfico.
Deu-nos a tensão pânica: gelou-se-me. Já aí, ferozes, em favor do homem: - "Não! Não" - a gritamulta -"Não! Não! Não!" - tumultroada. A praça reclamava, clamava.
Tinha-se de protelar. Ou produzir um suicídio reflexivo - e o desmoronamento do problema? O dr. diretor citava Empédocles. Foi o em que os chefes terrestres concordaram:
apertava a urgência de não se fazer nada. Das operações de salvamento, interrompeu-se o primeiro ensaio. O homem parara de balançar-se - irrealmente na ponta da
situação. Ele dependia dele, ele, dele, ele, sujeito. Ou de outro qualquer evento, o qual, imediatamente, e muito aliás, seguiu-se.
De um - dois. Despontando, com o chefe de polícia, o chefe de gabinete do secretário. Passou-se-lhe um binóculo e ele enfiava olho, palmeira-real avante-acima, detendo-se,
no titular. Para com respeito humano renegá-lo: - "Não o estou bem reconhecendo.. ." Entre, porém, o que com mais decoro lhe conviesse, optava pela solicitude, pálido.
Tomava o ar um ar de antecâmara, tudo ali aumentava de grave. A família já fora avisada? Não, e melhor, nada: familia vexa e vencilha. Querendo-se conquanto as verticais
providências, o que ficava por nossa má-arte. Tinha-se de parlamentar com o demente, em não havendo outro meio nem termo. Falar para fazer momento; era o caso. E,
em menos desniveladas relações, como entrosar-se, físico, o diálogo?
Se era preciso um palanque? - disse-se. Com que, então sem mais, já aparecia - o cônico cartucho ou cumbuca - um alto-falante dos bombeiros. O dr. diretor ia razoar
a causa: penetrar em o labirinto de um espírito, e - a marretadas do intelecto - baqueá-lo, com doutorldade. Toques, crebros, curtos, de sirena, o incerto silêncio
geraram. O dr. diretor, mestre do urso e da dança, empunhava o preto comnetão, embocava-o. Visava-o para o alto, clrcense, e nele trombeteimo soprava. - "Excelência!
.. ." - começou, sutil, persuasivo; mal. - "Excelência.. ." - e tenha-se, mesmo, que com tresincondigna mesura. Sua calva foi que se luziu, de metalóide ou metal;
o dr. diretor gordo e baixo. Infundado, o povo o apupou:
- "Vergonha, velho!" - e - "Larga, larga! .. ." Deste modo, só estorva, a leiga opinião, quaisquer clérigas ardilidades.
Todo abdicativo, o dr. diretor, perdido o comando do tom, cuspiu e se enxaguava de suor, soltado da boca o instrumento. Mas não passou o megafone ao professor Dartanhã,
o que claro. Nem a Sandoval, prestante, nem ao Adalgiso, a cujos lábios. Nem ao dr. Bilolo, que o querendo, nem ao dr. Enéias1 sem voz usual. A quem, então pois?
A mim, mi, me, se vos parece; mas só enfim. Temi quando obedeci, e muito siso havia mister. Já o dr. diretor me ditava:
- "Amigo, vamos fazer-lhe um favor, queremos cordialmente ajudá-lo.. ." - produzi, pelo conduto; e houve eco. - "Favor? De baixo para cima? . . ." - veio a resposta,
assaz sónora. Estava ele em fase de aguda agulha. Havia que o questionar. E, a novo mando do dr. diretor, chamei-o, minha boca, com intimativa: - "Psiu! Ei! Escute!
Olhe! .. ." - altiloqüei. - "Vou falir de bens?" - ele altitonava. Deixava que eu prosseguisse; a sua devendo de ser uma compreensão entediada. Se lhe de deveres
e afetos falei! - "O amor é uma estupefação.. ." - respondeu-me. (Aplausos.) Para tanto tinha poder: de f azer, vezes, um oah-oa-oah! - mão na boca - cavernoso.
Intimou ainda: - "Tenha-se paciência! .. ." E: - "Hem? Quem? Hem?" - fez, pessoalmente, o dr. diretor, que o aparelho, sôfrego, me arrebatara. - "Você, eu, e os
neutros.. ." - retrucou o homem; naquele elevado incongruir, sua imaginação não se entorpecia. De nada, esse ineficaz paralàparacàparlar, razões de quiquiriqui,
a boa nossa verbosia; a não ser a atiçar-lhe mais a mioleira, para uma verve endiabrada. Desistiu-se, vem que bem ou mal, do que era querer-se amimar a murros um
porco-espinho. Do qual, de tão de cima, ainda se ouviu, a final, pérfida pergunta: - "Foram às últimas hipóteses?"
Não. Restava o que 'se ínesperava, dando-se como sucesso de ipso-facto. Chegava... O quê? O que crer? O próprio! O vero e são, existente, secretário das Finanças

blicas - ipso. Posto que bem de terra surgía, e desembarafustadamente. Opresso. Opaco. Abraçava-nos, a cada um de nós se dava, e aliás o adulávamos, reconhecentemente,
como ao pródigo o pai ou o cão a Ulisses. Quis falar, voz inarmônica; apontou causas; temia um sósia? Subiam-no ao carro dos bombeiros, e, aprumado, primeiro perfez
um giro sobre si, em tablado, completo, adequando-se à expositura. O público lhe devia. - "Concidadãos!"
- ponta dos pés. - "Eu estou aqui, vós me vedes. Eu não sou aquele! Suspeito exploração, calunia, embuste, de inimigos e adversários.. ." De rouco, à força, calou-se,
não se sabe se mais com bens ou que males. O outro, já agora ex-pseudo, destituído, escutou-o com ociosidade. De seu conquistado poleiro, não parava de dizer que
sim acenado.
Era meio-dia em mármore. Em que curiosamente não se tinha fome nem sede, de mais coisas qual que me lembrava. Súbita voz: - "Vi a Quimera!" - bradou o homem, importuno,
impolido; irara-se. E quem e que era? Por ora, agora, ninguém, nulo, joão, nada, sacripante, qüídam. Desconsiderando a moral elementar, como a conceito relativo:
o que provou, por sinais muito claros. Desadorava. Todavia, ao jeito jocoso, fazia-se de castelo-noar. Ou era pelo épico epidérmico? Mostrou - o que havia entre
a pele e a camisa.
Pois, de repente, sem espera, enquanto o outro perorava, ele se despia. Deu-se à luz, o fato sendo, pingo por pingo. Sobre nós, sucessivos, esvoaçantes - paletó,
cueca, calças - tudo a bandeiras despregadas. Retombandolhe a camisa, por fim, panda, aérea, aeriforme, alva. E feito o forró! - foi - balbúrdias. Na multidão havia
mulheres, velhas, moças, gritos, mouxe-trouxe, e trouxe-mouxe, desmaios. Era, no levantar os olhos, e o desrespeitável público assistia - a ele in puris naturallbus.
De quase alvura enxuta de aipim, na verde coma e fronde da palmeira, um lídimo desenroupado. Sabia que estava a transparecer, apalpava seus membros corporais. -
"O síndrome.. ." - o Adalgiso observou; de novo nos confusion4vamos. - "Sindrome exofrênico de Bleuler.. ." - pausado, exarou o Adalgisó. Simplificava-sê o' homem
em escândalo e emblema, e franciscano magnifícío, à força de sumo contraste. Mas se repousava,, já de humor benigno, em condições de primitividade.
Com o que - e tanta folia - em meio ao acrisolado calor, suavam e zangavam-se as autoridades. Não se podendo com o desordeiro, tão subversor e anônimo? Que havia
que iterar, decidiram, confabulados: arcar com os cornos do caso. Tudo se pôs em movimento, troada a ordem outra vez, breve e bélica, à fanfarra - para o cometimento
dos bombeiros. Nosso rancho e adro, agora de uma largura, rodeada de cordas e polícias; já ali se mexendo os jornalistas, repórteres e fotógrafos, um punhado; e
filmavam.
O homem, porém, atento, além de persistir em seus altos inténtos, guisava-se também em trabalho muito ativo. Contara, decerto, com isso, de maquinar-se-lhe outra
esparrela. Tomou cautela. Contra-atacava. Atirou-se acima, mal e mais arriba, desde que tendd início o salvatério: contra a vontade, não o salvavam! Até; se até.
A erguer-se das palmas movediças, até o sumo vértice; ia já atingir o espique, ver e ver que com grande risco de precipitar-se. O exato era ter de falhar - com uma
evidência de cachoeira. - "É hora!" - foi nossa interjeição golpeada; que, agora, o que se sentia é que era o contrário do sono. Irrespirava-se. Naquela porção de
silêncios, avançavam os bombeiros, bravos? Solerte, o homem, ão último ponto, sacudiu-se, se balançava, eis: misantropóide gracioso, em artificioso equilíbrio, mas
em seu eixo extraordinário. Disparatou mais: - "Minha natureza não pode dar saltos?..." - e, à pompa, ele primava.
Tanto é certo que também divertia-nos. Como se ainda carecendo de patentear otimismo, mostrava-nos insuspeitado estilo. Dandinava. Recomplicou-se, piorou, a pausa.
Sua queda e morte, incertas, sobre nós pairando, altanadas. Mas, nem caindo e morrendo, dele ninguém nada entenderia. Estacavam, os bombeiros. Os bombeiros recuavam.
E a alta escada desandou, desarquitetou-se, encaixava-se. Derrotadas as autoridades, de novo, diligentes, a repartir-se entre cuidados. Descobri, o que nos faltava.
Ali, uma forte banda-de-música, briosa, à dobrada. Do alto daquela palmeira, um ser, só, nos contemplava.
Dizendo sorrindo o capelão: - "Endemoninhado..
Endemoninhados, sim, os estudantes, legião, que do sul da praça arrancavam? - de onde se haviam concentrado. Dado que roda-viveu um rebuliço, de estrépito, de assaltada.
Em torrente, agora, empurravam passagem. Ideavam ser o homem um dos seus, errado ou certo, pelo que juravam resgatá-lo. Era um custo, a duro, contê-los, à estudantada.
Traziam invisa bandeira, além de fervor hereditário. Embestavam. Entrariam em ato os cavalarianos, esquadrões rompentes, para a luta com o nobre e jovem povo. Carregavam?
Pois, depois. Maior a atrapalhação. Tudo tentava evoluir, em tempo mais vertiginoso e revelado. Virou a ser que se pediam reforços, com vistas a pôr-se a praça esvaziada;
o que vinha a ponto: Porém, também entoavam-se inacionais hinos, contagiando a multaturba. E paz?
De ás e roque e rei, atendeu a isso, trepado no carro dos bombeiros, o secretário da Segurança e Justiça. Canoro, grosso, não gracejou: - "Rapazes! Sei que gostam
de me ouvir. Prometo, tudo.. ." - e verdade. Do que, aplaudiram-no, em sarabando, de seus antecedentes se fiavam. Deu-se logo uma remissão, e alguma calma. Na confusão,
pelo sim pelo não, escapou-se, aí, o das-Finanças-Públicas secretário. Em fato, meio quebrado de emoções, ia-se para a vida privada.
Outra coisa nenhuma aconteceu. O homem, entre o que, entreaparecendo, se ajeitara, em berço, em seus palmares. Dormindo ou afrouxando de se segurar, se ele de& se
de torpefazer-se, e enfim, à espatifação, malhar abaixo? De como podendo manter-se rijo incontável tempo assim, aos círcunstantes o professor Dartanhã explicava.
Abusava de nossa paciência - um catatónico-hebefrênico - em estereotipia de atitude. - "A frechadas logo o depunham, entre os parecis e nhambiquaras.. ." - inteirou
o dr. Biolo; contente de que a civilização prospere a solidariedade humana. Porque, sinceros, sensatos, por essa altura, também o dr. diretor e o professor Dartanhã
congraçavam-se.
Sugeriu-se nova expediência, da velha necessidade. Se, por treslouco, não condescendesse, a apelo de algum argumento próximo e discreto? Ele não ia ressabiar; conforme
concordou, consultado. E a ação armou-se e abu-se:
a escada exploradora - que nem que canguru, um, ou louva-a-deus enorme vermelho - se desdobrou, em engenhingonça, até a mais de meio caminho no vácuo. Subia-a o
dr. diretor, impertérrito ousadamente, ele que naturalizava-se heróico. Após, subia eu descendo, feito Dante atrás de Virgilio. Ajudavam-nos os bombeiros. Ao outro,
lá, no galarim, dirigiamo-nos, sem a própria orientação no espaço. A de nós ainda muitos metros, atendia-nos, e ao nosso latim perdido. Por que, brusco, então, bradou
por: - "Socorro! .. ." -Tão então outro tresbulício - e o mundo inferior estalava. Em fúria, arruaça e frenesis, ali a população, que, a insanar-se e insanir-se,
comandandoa seus mil motivos, numa alucinação de manicomiáveis. Depreque-se! - não fossem derrubar caminhão e escada. E tudo por causa do sobredito-cujo: como se
tivesse ele instilado veneno nos reservatórios da cidade.
Reaparecendo o humano e estranho. O homem. Vejo que ele se vê, tive de notá-lo. E algo de terrível de repente se passava. Ele queria falar, mas a voz esmorecida;
e embrulhou-se-lhe a fala. Estava em equilíbrio de razão: isto é, lúcido, nu, pendurado. Pior que lúcido, relucidado; com a cabeça comportada. Acordava! Seu acesso,
pois, tivera termo, e, da idéia delirante, via-se dessonambulizado. Desintuído, desinfluído - se não se quando - soprado. Em doente consciência, apenas, detumescera-se,
recuando ao real e autônomo, a seu mau pedaço de espaço e tempo, ao sem-fim do comedido. Aquele pobre homem descoroçoava. E tinha medo e tinha horror - de tão novamente
humano. Teria o susto remíniscente - do que, recém, até ali, pudera fazer, com perigo e preço, 'em descompasso, sua inteligência em calmaria. Sendo agora para despenharse,
de um momento para nenhum outro. Tremi, eu, comiserável. Vertia-se, cala? Tiritávamos. E era o impasse da mágica. É que ele estava em si; e pensava. Penava - de
vexame e acrofobia. Lá, ínfima, louca, em mar,. a multidão: infernal, ululava.
Daí, como sair-se, do lance, desmanchado o firme burgo? Entendi-o. Não tinha rosto com que aparecer, nem roupas - buf ão, truão, tranca - para enfrentar as razões
finais. Ele hesitava, electrochocado. Preferiria, então, não salvar-se? Ao drama no catafalco, emborcava-se a taça da altura. Um homem é, antes de tudo, irreversível.
Todo pontilhado na esfera de dúvida, propunha-se em outra e imensurável distância, de milhões' e trilhões de paimeiras. Desprojetava-se, coitado, e tentava agarrar-se,
inapto, à razão absoluta? Adivinhava isso o desvairar da multidão espaventosa - enlouquecida. Contra ele, que, de algum modo, de alguma maravilhosa continuação,
de repente nos frustrava. Portanto, embaixo, alto bramiam. Feros, ferozes. Ele estava são. Vesânicos, queriam linchá-lo.
Aquele homem apiedava diferentemente - de fora da província humana. A precisão de viver vencia-o. Agora, de gambá 'num atordoamento, requeria nossa ajuda. Em fãcilpressa
atuavam os bombeiros, atirandose a reaparecê-bo e retrazê-bo - prestidigitavam-no. Rebaixavam-no, com tábuas, cordas e peças, e, com seus outros meios apocatastãticos.
Mas estava salvo. Já, pois. Isto e assim. Iria o povo destrui-lo?
Ainda não concluíndo. Antes, ainda na escada, no descendimento, ele mirou, melhor, a multidão, deogenésica, diogenista. Vindo o que, de qual cabeça, o caso que já
não se esperava. Deu-nos outra cor. Pois, tornavam a endoidá-bo? Apenas proclamou: - "Viva a luta! Viva a liberdade!" - nu, adão, nado, psiquiartista. Frenéticos,
o ovacionaram, às dezenas de milhares se abalavam. Acenou, e chegou embaixo, incólume. Apanhou então a alma' de entre os pés, botou-se outro. Aprumou o corpo, desnudo,
definitivo.
Fez-se o monumental desfecho. Pegaram-no, a ombros, em esplêndido, levaram-no carregado. Sorria, e, decerto, alguma coisa ou nenhuma proferia. Ninguém poderia deter
ninguém, naquela desordem do povo pelo povo. Tudo se desmanchou em andamento, espraiandose para trivialídades. Vivera-se o dia. Só restava imudada, irreal, a palmeira.
Concluíndo. Dando-se que, em pós, desafogueados, trocavam-se pelos paletós os aventais. Modulavam drásticas futuras providências, com o professor Dartanhã, ex-professo,
o dr. diretor e o dr. Enéias - alienistas. -"Vejo que ainda não vi bem o que vi..." referia Sandoval, cheio de cepticismo histórico. - "A vida é constante, progressivo
desconhecimento.. ." - definiu o dr. Bibobo, sério, entendo que, pela primeira vez. Pondo o chapéu, elegantemente, já que de nada se sentia seguro. A vida era à
hora.
Apenas nada disse ó Adalgiso, que, sem aparente algum motivo, agora e sempre súbito assustava-nos. Ajuizado, correto, circunspecto demais: e terrível, ele, não em
si, insatisfatório. Visto que, no sonho geral, permanecera insolúvel. Dava-me um frio animal, retrospectado. Disse nada. Ou talvez disse, na pauta, e eis tudo. E
foi para a cidade, comer camarões.
19
substancia
S
im, na roça o polvilho se faz a coisa alva: mais que o algodão, a garça, a roupa na corda. Do ralo às gaelas, da masseira às bacias, uma polpa se repassa, para assentar,
no fundo da água e leite, azubosa - o amido -puro, limpo, feito surpresa. Chamava-se Maria Exita. Datava de maio, ou de quando? Pensava ele em maio, talvez, porque
o mês mor - de orvalho, da Virgem, de claridades no campo. Pares se casavam, arrumavam-se festas; numa, ali, a notara: ela, flor. Não lembrava a menina, feiosinha,
magra, historiada de desgraças, trazida, havia muito, para servir na fazenda. Sem se dar 4déia, a surpresa se via formada. Se, às vezes, por assombro, uma moça assim
se embelezava, também podia ter sido no tanto-e-tanto. Só que a ele, Sionésio, faltavam folga e espírito para primeiro reparar em transformações.
Saíra da festa em começo, dada mal sua presença; pois a vida não Lhe deixava cortar pelo sono: era um espreguiçar-se ao adormecer, para poupar tempo no despertar.
Para a azáfama - de farinha e polvilho. Célebres, de data, na região e longe, os da Samburá; herdando-a, de repente, seu Nésio, até então rapaz de madraças visagens,
avançara-se com decisão de açoite e desmedir-lhes o fabrico. Plantava à vasta os alqueires de mandioca, que, ali, aliás, outro cultivo não vingava; chamava e pagava
braços; espantava, no dia-a-dia, o povo. Nem por nada teria ad1an±do atenção a uma criaturlnha, a qual.
Maria Exita. Trouxera-a, por piedade, pela ponta da mão, receosa de que' o patrão nem os outros a aceitassem, a velha Nhatíaga, peneireira. Porque, contra a menos
feliz, a sorte sarapintara de preto portais e portas: a mãe, leviana, desaparecida de casa; um irmão, perverso, na cadeia, por atos de morte; o outro, igual feroz,
foragido, ao acaso de nenhuma parte; o pai, razoável bom-homem, delatado com a lepra, e prosseguido, decerto para sempre, para um lazareto. Restassem-lhe nem afastados
parentes; seja, recebera madrinha, de luxo e rica, mas que pelo lugar apenas passara, agora ninguém sabendo se e onde vivia. Acolheram-na, em todo o caso. Menos
por direta pena; antes, da compaixão da Nhatiaga. Deram-lhe, porém, ingrato serviço, de todos o pior: o de quebrar, à mão, o polvilho, nas lajes.
Sionésio, de tarde, de volta, cavalgava, através das plantações. Se a meio-galope, se a passo, mas sôfrego descabido, olhando quase todos os lados. Ainda num domingo,
não parava, pois. Apenas, por prazo, em incertas casas, onde lhe dessem, ao corpo, consolo: atendimento de repouso. Lá mesmo, por último, demorava um menos. Prazer
era ver, aberto, sob o fim do sol, o mandiocal de verdes mãos. Amava o que era seu - o que seus fortes olhos aprisionavam. Agora, porém, uma fadiga. O ensimesmo.
Sua sela se coçava de uso, aqui a borraina aparecendo; tantas coisas a renovar, e ele sem sequer o tempo. Nem para ir de visita, no Morro-do-Boi, à quase noiva,
comum no sossego e paciêncías, da terra, em que tudo se relevava pela medida das distâncias. Chegava à fazenda. Todavia, esporeava.
O quieto completo, na Samburá, no domingo, o eirado e o engenho desertos, sem eixo de murmúrio. Perguntara à Nhatiaga, pela sua protegida. - "Ela parte o polvilho
nas lajes.. ." - a velha resumira. Mas, e até hoje, num serviço desses? Ao menos, agora, a mudassem! -"Ela é que quer, diz que gosta. E é mesmo, com efeito..
- a Nhatiaga sussurrava. Sionéslo, saber que ela, de qualquer modo, pertencia e lidava ali, influía-lhe um contentamento; ele era a pessoa manlpulante. Não podia
queixar-se. Se o avio da farinha se pelejava ainda rústico, em breve o poderia melhorar, meante muito, pôr máquinas, dobrar quantidades.
Demorara para Ir vê-la. Só no pino do meio-dia -de um sol do qual o passarinho fugiu. Ela estava em frente da mesa de pedra; àquela hora, sentada no banquinho rasteiro,
esperava que trouxessem outros pesados, duros blocos de polvilho. Alvíssimo, era horrível, aquilo. Atormentava, torturava: os olhos da pessoa tendo de ficar miudinho
fechados, feito os de um tatu, ante a implacável alvura, o sol em cima. O dia inteiro, o ar parava levantado, aos tremeluzes, a gente se perdendo por um negrume
do horizonte, para temperar a intensidade brilhante, branca; e tudo cerradamente igual. Teve dó dela
- pobrlnha flor. Indagou: - "Que serviço você dá?" -e era a tola questão. Ela não se vexou. Só o mal-e-mal, o boquinãoabrir, o sorriso devagar. Não se perturbava.
Também, para um pasmar-nos, com ela acontecesse diferente:
nem enrugava o rosto, nem espremIa ou negava os olhos, mas oferecidos bem abertos - olhos desses, de outra luminosidade. Não parecia padecer, antes tirar segurança
e folguedo, do triste, sinistro polvilho, portentoso, mais a maldade do sol. E a beleza. Tão linda, clara, certa - de avivada carnação e airosa - uma iazinha, moça
feita em cachoeira. Viu que, sem querer, lhe fazia cortesia. Falou-Lhe, o assunto fora de propósito: que o polvilho, ali, na Samburá, era muito caprichado, justo,
um dom de branco, por isso para a fábrica valia mais caro, que os outros, por aí, feiosos, meio tostados...
Depois, foi que lhe contaram. Tornava ainda, a cavalo, seu coração não enganado, como sendo sempre desiguais os domingos; de tarde, aí que as rolinhas e os canários
cantavam. Se bem - ele ali o dono - sem abusar da vantagem. "De suas maneiras, menina, me senti muito agradado.. ." - repetia um futuro talvez dizer. A Maria Exíta.
Sabia, hoje: a alma do jeito e ser, dela, diversa dos outros. Assim, que chegara lá, com os vários sem-remédios de amargura, do oposto mundo e maldições, sozinha
de se sufocar. Aí, então, por si sem conversas, sem distraídas beiras, nenhumas, aportara àquele serviço - de toda a despreferência, o trabalho pedregoso, no quente
feito boca-de-forno, em que a gente sente engrossar os dedos, os olhos inflamados de ver, no deslumbrãvel. Assoporava-se sob refúgio, ausenciada? Destemia o grado,
cruel polvilho, de abater a vista, intato branco. Antes, como a um alcanforar o fitava, de tanto gosto. Feito a uma espécie de alívio, capaz de a desafllgir; de
muito lhe dar: uma esperança mais espaçosa. Todo esse tempo. Sua beleza, donde vinha? Sua própria, tão firme pessoa? A imensidão do olhar - doçuras. Se um sorriso;
artes como de um descer de anjos. Sionésio nem entendia. Somente era bom, a saber feliz, apesar dos ásperos. Ela
- que dependendo só de um aceno. Se é que ele não se portava alorpado, nos rodeios de um caramujo; estava amando mais ou menos.
"Se outros a quisessem, se ela já gostasse de alguém?"
- as asas dessa cisma o saltearam. Tantos, na faina, na Samburá, namoristas; e às festas - a idéia lhe doía. Mesmo de a figurar proseando com os próximos, no facilitar.
Porém, o que ouviu, aquietava-o. Ainda que em graça para amores, tão formosa, ela parava a cobro de qualquer deles, de más ou melhores tenções. Resguardavam a seus
graves de sangue. Temiam a herança da lepra, do pai, ou da falta de juízo da mãe, de levados fogos. Temiam a algum dos assassinos, os irmãos, que inesperado de a
toda hora sobrevir, vigiando por sua virtude. Acautelavam. Assim, ela estava salva. Mas a gente nunca se provê segundo garantias perpétuas. Sionésio passara a freqüentar
nas festas, princípios a fins. Não que dançasse; desgostava-o aquilo, a folgazarra. Ficava de lá, de olhos postos em, feito o urubu tomador de conta. Não a teria
acreditado tão exata em todas essas instâncias - o quieto pisar, um muxoxozinho úmido prolongado, o jeito
de pôr sua cinturinha nas mãos, feliz pelas pétalas, juriti nunca aflita. A mesma que no amanhã estaria defronte da mesa de laje, partindo o sol nas pedras do terrível
polvilho, os càlhaus, bitelões. Se dançava, era bem; mas as muito poucas vezes. Tinham-lhe medo, à doença incerta, sob a formosura. Ah, era bom, uma providência,
esse pejo de escrúpulo. Porque ela se via conduzida para não se casar nunca, nem podendo ser doidivã. Mas precisada de restar na pureza. Sim, do receio não se carecia.
Maria Exita era a para se separar limpa e sem jaças, por cima da vida; e de ninguém. Nela homem nenhum tocava.
Sem embargo de que, ele, a queria, para si, sempre por sempre.
E, ela, haviá de gostar dele, também, tão certamente. Mas, no embaraço de inconstantes horas - às esperanças velhas e desanimações novas - de entre-momentos. Passava
por lá, sem paz de vê-la, tinha um modo mordido de a admirar, mais ou menos de longe. Ela, no seu assento raso, quando não de pé, trabalhando a mãos ambas. Servia
o polvilho - a ardente espécie singular, secura límpida, material arenoso - a massa daquele objeto. Ou, o que vinha ainda molhado, friável, macio, grudando-se em
seus belos braços, branqueando-os até para cima dos cotovelos. Mas que, toda-a-vida, de solsim brilhava: os raios reflexos, que os olhos de Sionésio não podiam suportar,
machucados, tanto valesse olhar para o céu e encarar o próprio sol.
As muitas semanas castigavam-no, amiúde nem conseguia dormir, o que era ele mesmo contra ele mesmo, consumição de paixão, romance feito. De repente, na madrugada,
animava-se a vigiar os ameaços de chuva, erguia-se aos brados, acordando a todos: - "Apanhar polvilho! Apanhar polvilho! .. ." Corriam, em confusão de alarma, reunindo
sacos, gamelas, bacias, para receber o polvilho posto ao ar, nas lajes, onde, no escuro da noite, era a única coisa a afirmar-se, como um claro de lagoa d'agua,
rodeado de criaturas estremunhadas e aflitas. Mal podia divisá-la, no polvoroso, mas contentava-o sua proximidade viva, quente presença, aliviando-o. Escutou que
dela falassem: - "Se não é que, no que não espera, a mãe ainda amanhece por ela... Ou a senhora madrinha.. ." Salteou-se. Sem ela, de que valia a atirada trabalheira,
o sofreesforço, crescer os produtos, aumentar as terras? Vê-la, quando em quando. A ela - a única Maria no mundo. Nenhumas outras mulheres, mais, no repousado; nenhuma
outra noiva, na distância. Devia, então, pegar a prova ou o desengano, fazer a ação de a ter, na sísuda coragem, botar beiras em seu sonho. Se conversasse primeiro
com a Nhatiaga? - achava, estapeou aquele pensamento contra a testa. Não receava a recusação. Consigo forcejava. Queria e não podia, dar volta a uma coisa. Os dias
iam. Passavam as coisas, pretextadas. Que temia, pois, que não sabia que temesse? Por vez, pensou: era, ele mesmo, são? Tinha por onde a merecer? Olhava seus próprios
dedos, seus pulsos, passava muito as mãos no rosto. A diverso tempo, dava o bravo: tinha raiva a ela. Tomara a ele que tudo ficasse falso, fim. Poder se desentregar
da ilusão, mudar de parecer, pagar sossego, cuidar só dos estritos de sua obrigação, desatinada. Mas, no disputar do dia, criava as agonias da noite. Achou-se em
lágrimas, fiel. Por que, então, não dizia hás nem eis, andava de mente tropeçada, pubo, assuntando o conselho, em deliberação tão grave - assim de cão para luar?
Mas não podia. Mas veio.
A hora era de nada e tanto; e ela era sempre a espera. Afoito, ele lhe perguntou: - "Você tem vontade de confirmar o rumo de sua vida?" - falando-lhe de muito coração.
- "Só se for já..." - e, com a resposta, ela riu clara e quentemente, decerto que sem a propositada malícia, sem menospreço. Devia de ter outros significados o rir,
em seus olhos sacis.
Mas, de repente, ele se estremeceu daquelas ouvidas palavras. De um susto vindo de fundo: e a dúvida. Seria ela igual à mãe? - surpreendeu-se mais. Se a beleza dela
- a frutice, da pele, tão fresca, viçosa - só fosse por um tempo, mas depois condenada a engrossar e se escamar, aos tortos e roxos, da estragada doença? - o horror
daquilo o sacudia. Nem agüentou de mirar, no momento, sua preciosa formosura, traiçoeira. Mesmo, sem querer, entregou os olhos ao polvilho, que ofuscava, na laje,
na vez do sol. Ainda que por instante, achava ali um poder, contemplado, de grandeza, dilatado repouso, que desmanchava em branco os rebuliços do pensamento da gente,
atormentantes.
A alumiada surpresa.
Alvava.
Assim; mas era também o exato, grande, o repentino amor - o acima. Sionésio olhou mais, sem fechar o rosto, aplicou o coração, abriu bem os olhos. Sorriu para trás.
Maria Exita. Socorria-a a linda claridade. Ela -ela! Ele veio para junto. Estendeu também as mãos para o polvilho - solar e estranho: o ato de quebrá-lo era gostoso,
parecia um brinquedo de menino. Todos o vissem, nisso, ninguém na dúvida. E seu coração se levantou.
- "Você, Maria, quererá, a gente, nós dois, nunca precisar de se separar? Você, comigo, vem e vai?" Disse, e viu. O polvilho, coisa sem fim. Ela tinha respondido:
- "Vou, demais". Desatou um sorriso. Ele nem viu. Estavam lado a lado, olhavam para a frente. Nem viam a sombra da Nhatiaga, que quieta e calada, lá, no espaço do
dia.
Sionésio e Maria Exita - a meios-olhos, perante o refulgir, o todo branco. Acontecia o não-fato, o não-tempo, silêncio em sua imaginação. Só o um-e-outra, um emsi-juntos,
o viver em ponto sem parar, coraçãomente: pensamento, pensamor. Alvor. Avançavam, parados, dentro da luz, como se fosse no dia de Todos os Pássaros.
20
-'Iàrantão, meu patrao...
Suspa! - que me não dão nem tempo para repuxar o cinto nas calças e me pôr debaixo de chapéu, sem vez de findar de beber um café nos sossegos da cozinha. Aí - .....
ai-te.. ." - a voz da mulher do caseiro declarou, quando o caso começou. Vi o que era. E, pois. Lá se ia, se fugia, o meu esmarte patrão, solerte se levantando da
cama, fazendo das dele, velozmente, o artimanhoso. Nem parecesse senhor de tanta idade, já sem o escasso juízo na cabeça, e aprazado de moribundo para daí a dias
desses, ou horas ou semanas. Ôi, tenho de sair também por ele, já se vê, lhe corro todo atrás. Ao que, trancei tudo, assungo as tripas do ventre, viro que me viro,
que a mesmo esmo, se me esmolambo, se me despenco, se me esbandalho: obrigações de meu ofício. - "Ligeiro, Vagalume, não larga o velho!" - acha ainda de me informar
o caseiro Sô Víncêncio, presumo que se rmdo, e: - "Valha-me eu!"
- rogo, ih, danando-o, êpa! e desço em pulos passos esta velha escada de pau, duma droga, desta antíqüíssima fazenda, ah...
E o homem - no curral, trangalhadançando, zureta, de afobafo - se propondo de arrear cavalo! Me encostei nele, eu às ordens. Me olhou mal, conforme pior que sempre.
- "Tou meio precisado de nada.. ." - me repeliu, e formou para si uma cara, das de desmamar crianças. Concordei. Desabanou com a cabeça. Concordei com o não. Aí
ele sorriu, consigo meio mesmo. Mas mais me olhou, me desprezando, refrando: - "Que, o que é, menino, é que é sério demais, para você, hoje!" Me estorvo e estranhei,
pelo peso das palavras. Vi que a gente estávamos era em tempo-de-guerra, mas com espadas entortadas; e que ele não ia apelar para manias antigas. E a gente, mesmo,
vesprando de se mandar buscar, por conta dele, o doutor médico, da cidade, com sábias urgências! Jeito que, agora, o velho me mandava pôr as selas. Bom desatino!
Nem queria os nossos, mansos, mas o baioqueimado, cavalão alto, e em perigos apresentado, que se notava. E o pedresão, nem mor nem menor. Os amaldiçoados, estes
não eram de lá, da fazenda, senão que animais esconhecidos, pegados só para se saber depois de quem fosse que sejam. Obedeci, sem outro nenhum remédio de recurso;
para maluco, maluco-e-meio, sei. O velho me pespunha o azul daqueles seus grandes olhos, ainda de muito mando delirados. Já estava com a barba no ar - aquela barba
de se recruzar e baralhar, de nenhum branco fio certo. Fez fabulosos gestos. Ele estava melhor do que na amostra.
Mal pus pé em estrivos, já ele se saía pela porteira, no que esporeava. E eu - arre a Virgem - em seguimentos. Alto, o velho, inteiro na sela, inabalável, proposto
de fazer e acontecer. O que era se ser um descendente de sumas grandezas e riquezas - um Iô João-de-Barros-Díniz-Robertes! - encostado, em maluca velhice, para ali,
pelos muitos parentes, que não queriam seus incômodos e desmandos na cidade. E eu, por precisado e pobre, tendo de agüentar o restante, já se vê, nesta desentendida
caceteação, que me coisa e assusta, passo vergonhas. O cavalo baio-queimado se avantajava, andadeiro de só espaços. Cavalo rínchão, capaz de algum derribamento.
Será que o velho seria de se lhe impor? Suave, a gente se indo, pelo cerrado, a bom ligeiro, de lados e lados. O chapéu dele, abado pomposo, por debaixo porém surgindo
os compridos alvos cabelos, que ainda tinha, não poucos. -"Ei, vamos, direto, pegar o Magrinho, com ele hoje eu acabo!" - bramou, que queria se vingar. O Magrlnho
sendo o doutor, o sobrinho-neto dele, que lhe dera injeções e a lavagem intestinal. - "Mato! Mato, tudo!" -esporeou, e mais bravo. Se virou para mim, ai deu o grito,
revelando a causa e verdade: - "Eu 'tou solto, então sou o demônio!" A cara se balançava, vermelha, ele era claro demais, e os olhos, de que falei. Estava crente,
pensava que tinha feito o trato com o diabo!
P'r'onde vou? - a trote, a gente, pelas esquerdas e pelas direitas, pisando o cascalharal, os cavalos no bracear. O velho tendo boa mão na rédea. De mim, não há
de ouvir, censuras minhas. Eu, meus mal-estares. O encargo que tenho, e mister, é só o de me poitar perto, e não consentir maiores desordens. Pajeando um traste
ancião - o caduco que não caia! De qualquer repente, se ele, tão doente, por si se falecesse, que trabalhos medonhos que então não ia haver de me dar? Minha mexida,
no comum, era pouca e vasta, o velho homem meu patrão me danava-se. Me motej ou: - "Vagalume, você então pensa que vamos sair por aí é pr'a fazer crianças?" A voz
toda, sem sobrossos nem encalques. E ia ter a coragem de viagem, assim, a logradouro - tão sambanga se trajando? Sem paletó, só o todo abotoado colete, sujas calças
de brim sem cor, calçando um pé de botina amarela, no outro pé a preta bota; e mais um colete, enfiado no braço, falando que aquele era a sua toalha de se énxugar.
Um de espantos! E, ao menos, desarmado, senão que só com uma faca de mesa, gastada a fino e enferrujada - pensava que era capaz, contra o sobrinho, o doutor médico:
ia pôr-lhe nos peitos o punhal! - feio, fulo. Mas, me disse, com o pausar: - "Vagalume, menino, volta, daqui, não quero lhe fazer enfrentar, comigo, riscos terríveis".
Esta, então! Achava que tinha feito o trato com o diabo, se dando agora de o mor valentão, com todas as sertanejices e braburas. Ah, mas, ainda era um homem - da
raça que tivera - e o meu patrão! Nisto, apontava dedo, para lá ou cá, e dava tiros mudos. Se avançou, àfrente, só avançávamos, afora, por aí, campampantes.
Por entre arvoredos grandes, ora demos, porém, com um incerto homem, desconfioso e quase fugidiço, em incerta montada. Podia-se-o ver ou não ver, com um tal sujeito
não se tinha nada. Mas o velho adivinhou nele algum desar, se empertigando na sela, logo às barbas pragas: - "Mal lhe irá!" - gritou altamente. Aproximou seu cavalão,
volumou suas presenças. Parecia que lhe ia vir às mãos. Não é que o outro, no tir-te, se encolheu, borrafofo, todo num empate? Nem pude regularizar o de meu olhar,
tudo expresso e distenso demais se passava. O velho achando que esse era um criminoso! -e, depois, no Breberê, se sabendo: que ele o era, de fato, em meios termos.
Isto que é, que somente um sem-medo, ajudante de criminoso, mero. Nem pelejou para se fugir, dali donde moroso se achava; estava como o gato com chocalho. - "Ai-te!"
- o velho, sacudindo sua cabeça grande, sem com que desenfezar-se: - "Pague o barulho que você comprou!" - o intimava. O ajudante-de-criminoso ouviu, fazendo uns
respeitos, não sabendo o que não adiar. Aí, o velho deu ordem: - "Venha comigo, vosmicê! Lhe proponho justo e bom foro, se com o sinal de meu servidor.. ." E...
É de se crer? Deveras. Juntou o homem seu cavalinho, bem por bem vindo em conosco. Meio coagido, já se vê; mas, mais meio esperançado.
Sem nem mais eu me sonhar, nem a quantas, frigido de calor e fartado. Aquilo tudo, já se vê, expunha a desarrazoada loucura. O velho, pronto em arrepragas e fioscas,
no esbrabejo, estrepa-e-pega. No gritar: - "Mato pobres e coitados!" Se figurava, nos trajos, de já. ser ele mesmo o demo, no triste vir, na capetagem?
Só de déu e em léu tocávamos, num avante f antasmado. O ajudante-de-criminoso não se rindo, e eu ainda mais esquivançando. Nisto, o visto: a que ia com feixinho
de lenha, e com a escarrapachada criança, de lado, a mulher, pobrepérrima. O velho, para vir a ela, apressou macio o cavalo. Receei, pasmado para tudo. O velho se
safou abaixo o chapéu, fazia dessas piruetas, e outras gesticulações. Me achei: - "Meu, meu, mau! Esta é aquela flor, de com que não se bater nem em mulher!" Se
bem que as coisas todas foram outras. O velho, pasmosamente, do doidar se arrefecia. Não é que, àquela mulher, ofereceu tamanhas cortesias? Tanto mais quanto ele
só insistindo, acabou ela afinal aceitando: que o meu patrão se apeou, e a fez montar em seu cavalo. Cuja rédea ele veio, galante, a pé, puxando. Assim, o nosso
ajudante-de-criminoso teve de pegar com o feixe de lenha, e eu mesmo encarregado, com a criança a tiracolo. Se bem que nós dois montados, já se vê? - nessas peripécias
de pato.
Só, feliz, que curta foi a farsalhança, até ali a pouco, num povoado. Onde o destino dessa pobre e festejada mulher, que se apeou, menos agradecida que envergonhada.
Mas, veja um, e reveja, em o que às vezes dá uma boa patacoada. Por fato que, lá, havia, rústico, um Felpudo, rapaz filho dessa mulher. O qual, num reviramento,
se ateou de gratidões, por ver a mãe tão rainha tratada. Mas o velho determinou sem lhe dar atualmentes nem ensejos:
- "Arranja cavalo e vem, sob minhas ordens, para grande vingança, e com o demônio!" Advirto, desse Felpudo: tão bom como tão não, da mioleira. No que - não foi,
quê?
- saiu, para se prover do dito cavalo; e vir, a muito adiante. Para vexar o pejo da gente, nessa toda trapalhada. Das pessoas moradoras, e de nós, os terceiros personagens.
Mas, que ser, que haver? Os olhos do velho se sucediam. Que estragos?
• Se o que seja. Se boto o reto no correto: comecei a me duvidar. Tirar tempo ao tempo. Mas, já a gente já passávamos pelo povoadinho do M'engano, onde meu primo
Curucutu reside. Cujo o nome vero não é, mas sendo João Tomé Pestana; assim como o meu, no certo, não seria Vagalume, só, só, conforme com agrado me tratam, mas
João Dosmeuspés Felizardo. Meu primo vi, e a ele fiz sinal. Lhe pude dar, dito: - "Arreia alguma égua, e alcança a gente, sem falta, que nem sei adonde ora andamos,
a não ser que é do Dom Demo esta empreitada!" Meu primo prestes me entendeu, acenou. E já a gente - haja o galopar - no encalço do velho, estramontado. Que, nisto
de ainda mais se sair de si, desadoroso, num outro assomo ao avante se lançava: - "Eu acabo com este mundo!"
Aí, o mais: poeiras! Ao pino. E, depois de uma virada, o arraial do Breberê, a gente ia dar de lá chegar, de entrada. O vento tangendo, para nós, pedaços de toque
de sinos. Do dia me lembrei: que sendo uma Festa de Santo. E uns foguetes pipoquearam, nesse interintintim, com no ar azuis e fumaças. O patrão parou a nós todos,
a gesto, levantado envaidecido: -" 'Tão me saudando!" - ele se comprouve, do a-tchim-pum-pum dos foguetes, que até tiros. Não se podia dele discordar. Nós: o ajudante-de-criminoso,
o Felpudo filho da pobre mulher, meu primo Curucutu; e eu, por oficio. Que, de galope, no arraial então entrou-se, nós dele assim, atrasmente, acertados. No Breberê.
Foi danado. Lá o povo, se apinhando, no largo enorme da igreja, procissão que se aguardava. O velho! - ele veio, rente, perante, ponto em tudo, pá! p'r'achato, seu
cavalão a se espinotear, z't-zás...; e nós. Aí, o povaréu fez vêvêvê: pé, p'ra lá, se esparziam. O velho desapeou, pernas compridas, engraçadas; e nós. Meio o que
pensei pus a rédea no braço: que íamos ter de pegar nos bentos tirantes do andor. Mas, o velho, mais, me pondo em espantos. Vem chegando, discordando, bradou vindas
ao pessoal: - "Vosmicês! .. ." - e sacou o que teria em algibeiras. E tinha. Vazou pelo fundo. Era dinheiro, muitíssimas moedas, o que no chão ele jogava. Suspa
e ai-te!
- à choldraboldra, desataram que se embolaram, e a se curvar, o povo, em gatinhas, para poderem catar prodiglosamente aquela porqueira imortal. Tribuzamos. Safanamos.
Empurrou-se para longe a confusão. No clareado, se tomou fôlego. Porém, durante esse que-o-quê, o padre, à porta da igreja, sobrevestido se surgia. O velho caminhou
para o padre. Caminhou, chegou, dobrou joelho, para ser bem abençoado; mas, mesmo antes, enquanto que em caminhando, fez ainda várias outras ajoelhadas: - "Ele está
com um vapor na cabeça.. ." - ouvi mote que glosavam. O velho, circunspecto, alto, se prazia, se abanava, em sua barba branca, sujada. - "Só saiu de riba da cama,
para vir morrer no sagrado?" - outro senhor perguntava. O que qual era um Cheira-Céu, vizinho e compadre do padre. Mais dizia: - "A ele não abandono, que deve passados
favores à sua estimável família". Ouviu-o o velho: - "Vosmicê, venha!" E o outro, baixo me dizendo: - "Vou, para o fim, a segurar na vela..
• - assentindo. Também quis vir um rapaz Jiló; por ganâncias de dinheiro? O velho, em fogo: - "Cavalos e armas!" - queria. O padre o tranqüilizou, com outra bênção
e mão beijável. Já menos me achei: - "Lá se avenha Deus com o seu mundo.. ." Montou-se, expediu-se, esporeou-se, deixando-se o Breberê para trás. Os sinos em toada
tocavam.
Seja - galopes. Depois de nenhum almoço, meio caminho desandado; isto é, caminho-e-meio. Ao que, o velho: pá! impava. Aí, em beira da estrada-real, parava o acampo
dos ciganos. - "Tira lá!" - se teve: aos com cachorros e meninos, e os tachos, que consertavam. No burloló, esses ciganos, em tretas, tramóias, zarandalhas; cigano
é sempre descarado. No entendimento do vulgo:
pois, esses, propunham cangancha, de barganhar todos os cavalos. - "A p'r'-a-parte! Cruz, diabo!" Mas o velho convocou; e um se quis, bandeou com a gente. O cigano
Pé-deMoleqUe para possíveis •patifarias? Me tive em admirações. Tantos vindo, se em seguida. Assim, mais um Qouveia Barriga-Cheia, que já em outros tempos, piores,
tinha sido ruim soldado. Já me vejo em adoidadas vantagens?
Assim a gente, o velho à frente - tipláco... t'plóco... t'plo... - já era cavalaria. Mais um, ainda, sem cujo nem quem: o vagabundo Corta-Pau; o sem-quefazer, por
influências. A gente, com Deus: 11! Ao adíante - tira-que-tira - num sossego revoltoso. Eu via o velho, meu patrão: de louvada memória maluca, torre alta. Num córrego,
ele estipulou: - "Os cavalos bebem. A gente, não. A gente não tenha sede!" Por áspera moderação, penitência de ferozes. O patrão, pescoço comprido, o grande gogô,
respeitável. O rei! guerreiro. Posso fartar de suar; mas aquilo tinha para grandezas.
- "Mato sujos e safados!" - o velho. Os cavalos, cavaleiros. Galopada. A gente: 13 ... e 14. A mais um outro moço, o Bobo, e a menos um João-Paulino. Aí,
o chamado Rapa-pé, e um amigo nosso por nome anônimo; e, por gostar muito de folguedos, o' preto de Gorro-Pintado. Todos vindos, entes, contentes, por algum calor
de amor a esse velho. A gente retumbava, avantes, a gente queria façanhas, na espraiança, nós as-soprados. A gente queria seguir o velho, por cima de quaisquer idéias.
Era um desembaraçamento - o de se prezar, haja sol ou chuva. E gritos de chegar ao ponto:
-'Mato mortos e enterrados!" - o velho se pronunciava.
Ao que o velho sendo o que era por-todos, o que era no fechar o teatro. - "Vou ao demo!" - bramava. -"Mato o Magrinho, é hoje, mato e mato, mato, mato!"
- de seu sobrinho doutor, iroso não se olvidava. Suspete! que eu não era um porqueira; e quem não entende dessas seriedades? Aí o trupitar - cavalos bons! - que
quem visse se perturbasse: não era para entender nem fazer parar. Fechamos nos ferros. - "Vigie-se, quem vive!" - espandongue-se. Não era. Num galopar, ventos, flores.
Me passei para o lado do velho, junto - ... tapatrão, tapatrão... tarantão... tarano... - e ele me disse: nada. Seus olhos, o outro grosso azul, certeiros, esses
muito se mexiam. Me viu mil. - "Vagalume!" -só, só, cá me entendo, só de se relancear o olhar. -"João é João, meu patrão.. ." Ai: e - patrapão, tampantrão, tarantão...
- cá me entendo. Tarantão, então...
- em nome em honra, que se assumiu, já se vê. Bravos!
Que na cidade já se ia chegar, maiormente, à estrupida dos nossos cavalos, 1esbestada.
Agora, o que é que ia haver? - nem pensei; e o velho:
- "Eu mato! Eu mato!" Ia já alta a altura. - "As portas e janelas, todos!" - trintintim, no desbaralhado. E eu ali no meio. O um Vagalume, Dosmeuspés, o Sem-Medo,
Curucutu, Felpudo, Cheira-Céu, Jiló, Pé-de-Moleque, Barriga-Cheia, Corta-Pau, Rapa-pé, o Bobo, o Gorro-Pintado; e o sem-nome nosso amigo. O velho, servo do demo
- só bandeiras despregadas. O espírito de pernas-para-o-ar, pelos cornos da diabrura. E estávamos afinal-de-contas, para cima de outros degraus, os palhaços destemidos.
Estávamos, sem até que a final. Ah, já era a rua.
A cidade-catastrapes! Que acolhenças? A cidade, estupefata, com automóveis e soldados. Aquelas ruas, aldemenos, consideraram nosso maltrupício. A gente nem um tico
tendo medo, com o existido não se importava. Ah, e o velho, estardalhão? - que jurava que matava. Pois,
o demo! vamos... O velho sabia bem, aonde era o lugar daquela casa.
Lá fomos, chegamos. A grande, bela casa. O meu em glórias patrão, que saudoso. Ao chegar a este momento, tenho os olhos embaciados. Como foi, crente, como foi, que
ele tinha adivinhado? Pois, no dia, na hora justa, ali uma festa sedava. A casa, cheia de gente, chiquetlchique, para um batizado: o de filha do Magrmnho, doutor!
Sem temer leis, nem flauteio, por ali entramos, de rajada. Nem ninguém para impedimento - criados, pessoas, mordomado. Com honra. Se festava!
Com surpresas! A família, à reunida, se assombrava gravemente, de ver o velho rompendo - em formas de mal-ressuscitado; e nós, atrás, nesse estado. Aquela gente,
da assemblança, no estatelo, no estremunho. Demais.
- O que haviam: de agora, certos sustos em remorsos. E nós, empregando os olhos, por eles. O Instante, em tento. A outra Instantaneação. Mas, então, foi que
de repente, no fechar do aberto, descomunal. O velho nosso, sozinho, alto, nos silêncios, bramou - dlâo! - ergueu os grandes braços:
- "Eu pido a palavra..
E vai. Que o de bem se crer? Deveras, que era um pasmar. Todos, em roda de em grande roda, aparvoados mais, consentiram, já se vê, e o velho, meu patrão para sempre,
primeiro tossiu: bruba! - e se saiu, foi por aí embora afora, sincero de nada se entender, mas a voz portentosamente, sem paradas nem definhezas, no ror e rolar
das pedras. Era de se suspender a cabeça. Me dava os fortes vigores, de chorar. Tive mais lágrimas. Todos, também; eu acho. Mais sentidos, mais calados. O velho,
fogoso, falava e falava. Diz-se que, o que falou, eram baboseiras, nada, idéias já dissolvidas. O velho só se crescia. Supremo sendo, as barbas secas, os históricos
dessa voz:
e a cara daquele homem, que eu conhecia, que desconhecia.
Até que parou, porque quis. Os parentes se abraçavam. Festejavam o recorte do velho, às quantas, já se vê. E nós, que atrás, que servidos, de abre-tragos, desempoeirados.
Porque o velho fez questão: só comia com todos os dele em volta, numa mesa, que esses seus cavaleiros éramos, de doida escolta, já se vê, de garfo e faca. Mampamos.
E se bebeu, já se vê. Também o velho de tudo provou, tomou, manjou, manducou - de seus próprios queixos. Sorria definido para a gente, aprontando longes. Com alegrias.
Não houve demo. Não houve mortes.
Depois, ele parou em suspensão, sozinho em si, apartado mesmo de nós, parece'que. Assaz assim encolhido, em pequenino e tão em claro: quieto como um copo vazio.
O caseiro Só Vincêncio não o ia ver, nunca mais, àdoídiva, nos escuros da fazenda. Aquele meu esmarte patrão, com seu trato excelentriste - ló João-deBarros-Diniz-Robertes.
Agora, podendo daqui para sempre se ir, com direito a seu inteiro sossego. Dei um soluço, cortado. Tarantão - então... Tarantão... Aquilo é que era!
21
Os cimos
O inverso afastamento
O
utra era a vez. De sorte que de novo o menino viajava para o lugar onde as muitas mil pessoas faziam a grande cidade. Vinha, porém, só com o tio, e era uma íngreme
partida. Entrara aturdido no avião, a esmo tropeçante, enrolava-o de por dentro um estufo como cansaço; fingia apenas que sorria, quando lhe falavam. Sabia que a
mãe estava doente. Por isso o mandavam para fora, decerto por demorados dias, decerto porque era preciso. Por isso tinham querido que trouxesse os brinquedos, a
tia entregando-lhe ainda em mão o preferido, que era o de dar sorte: um bonequínho macaquinho, de calças pardas e chapéu vermelho, alta pluma. O qual, o prévio lugar
dele sendo na mesinha, em seu quarto. Pudesse se mexer e viver de gente, e havia de ser o mais impagável e arteíro deste mundo. O menino cobrava maior medo, à medida
que os outros mais bondosos para com ele se mostravam. Se o tio, gracej ando, animava-o a espiar na janelinha ou escolher as revistas, sabia que o tio não estava
de todo sincero. Outros sustos levava. Se encarasse pensamento na lembrança da mãe, iria chorar. A mãe e o sofrimento não cabiam de uma vez no espaço de instante,
formavam avesso - do horrível do impossível. Nem ele isso entendia, tudo se transtornando então em sua cabecinha. Era assim: alguma coisa, maior que todas, podia,
ia acontecer?
Nem valia espiar, correndo em direções contrárias, as nuvens superpostas, de longe ir. Também, todos, até o piloto, não eram tristes, em seus modos, só de mentira
no normal alegrados? O tio, com uma gravata verde, nela estava limpando os óculos, decerto não havia de ter posto a gravata tão bonita, se à mãe o perigo ameaçasse.
Mas o menino concebia um remorso, de ter no bolso o bonequinho macaquinho, engraçado e sem mudar, só de brinquedo, e com a alta pluma no chapeuzinho encarnado. Devia
jogar fora? Não, o macaquinho de calças pardas se dava de também miúdo companheiro, de não merecer maltratos. Desprendeu somente o chapeuzinho com a pluma, este,
sim, jogou, agora não havia mais. E o menino estava muito dentro dele mesmo, em algum cantinho de si. Estava muito para trás. Ele, o pobrezinho sentado.
O quanto queria dormir. A gente devia poder parar de estar tão acordado, quando precisasse, e adormecer seguro, salvo. Mas não dava conta. Tinha de tornar a abrir
demais os olhos, às nuvens que ensaiam esculturas efêmeras. O tio olhava no relógio. Então, quando chegavam? Tudo era, todo-otempo, mais ou menos igual, as coisas
ou outras. A gente, não. A vida não parava nunca, para a gente poder viver direito, concertado? Até o macaquinho sem chapéu iria conhecer do mesmo jeito o tamanho
daquelas árvores, da mata, pegadas ao terreiro da casa. O pobre do macaquinho, tão pequeno, sozinho, tão sem mãe; pegava nele, no bolso, parecia que o macaquinho
agradecia, e, lá dentro, no escuro, chorava.
Mas, a mãe, sendo só a alegria de momentos. Soubesse que um dia a mãe tinha de adoecer, então teria ficado sempre junto dela, espiando para ela, com força, sabendo
muito que estava e que espiava com tanta força, ah. Nem teria brincado, nunca, nem outra coisa nenhuma, senão ficar perto, de não se separar nem para um fôlego,
sem carecer de que acontecesse o nada. Do jeito feito agora, no coração do pensamento. Como sentia: com ela, mais do que se estivessem juntos, mesmo, de verdade.
O avião não cessava de atravessar a claridade enorme, ele voava o vôo - que parecia estar parado. Mas no ar passavam peixes negros, decerto para lá daquelas nuvens:
lombos e garras. O menino sofria sofreado. O avião então estivesse parado voando - e voltando para trás, mais, e ele junto com a mãe, do modo que nem soubera, antes,
que o assim era possível.
Aparecimento do pássaro
Na casa, que não mudara, entre e adiante das árvores, todos começaram a tratá-lo com qualidade de cuidado. Diziam que era pena não haver ali outros meninos. Sim,
daria a eles os brinquedos; não queria brincar, mais nunca. Enquanto a gente brincava, descuidoso, as coisas ruins já estavam armando a assanhação de acontecer:
elas esperavam a gente atrás das portas.
Também não dava vontade sair de jipe, com o tio, se para a poeira, gente e terra. Segurava-se forte, fechados os olhos; o tio disse que ele não devia se agarrar
com tão tesa força, mas deixar o corpo no ir e vir dos solavancos do carro. Se adoecesse, grave, também, que fosse - como ia ficar, mais longe da mãe, ou mais perto?
Ele mordeu seu coração. Nem quis falar com o macaquinho bonequinho. O dia, inteiro, servia era para se fazer o espalhamento no cansaço.
Mesmo assim, à noite, não começava a dormir. O ar daquele lugar era friinho, mais fino. Deitado, o menino se sentia sustoso, o coração dando muita pancada. A mãe,
isto é... E não podia logo dormir, e pela dita causa. O calado, o escuro, a casa, a noite - tudo caminhava devagar, para o outro dia. Ainda que a gente quisesse,
nada podia parar, nem voltar para trás, para o que a gente já sabia, e de que gostava. Ele estava sozinho no quarto. Mas o bonequinho macaquinho não era mais o para
a mesa de cabeceira: era o camarada, no travesseiro, de barriguinha para cima, pernas estendidas. O quarto do tio ficava ao lado, a parede estreita, de madeira.
O tio ressonava. O macaquinho, quase também, feito um muito velho menino. Alguma coisa da noite a gente estivesse furtando?
E , vindo o outro dia, no não-estar-mais-dormindo e não-estar-ainda-acordadO, o menino recebia uma claridade de juízo - feito um assopro - doce, solta.
Quase como assistir às certezas lembradas por um Qutro; era que nem uma espécie de cinema de desconhecidos pensamentos; feito ele estivesse podendo copiar no espiito
idéias de gente muito grande. Tanto, que, por aí, desapareciam, esfiapadas.
Mas, naquele raiar, ele sabia e achava: que a gente nunca podia apreciar, direito, mesmo, as coisas bonitas ou boas, que aconteciam. As vezes, porque sobrevinhafli
depressa e inesperadamente, a gente nem estando arrumado. Ou esperadas, e então não tinham gosto de tão boas, eram só um arremedado grosseiro. Ou porque as outras
coisas, as ruins, prosseguiam também, de lado e do outro, não deixando limpo lugar. Ou porque faltavam ainda outras cóisas, acontecidas em diferentes ocasiões, mas
que careciam de formar junto com aquelas, para o completo. Ou porque, mesmo enquanto estavam acontecendo, a gente sabia que elas já estavam caminhando, para se acabar,
roídas pelas horas, desmanchadas... O menino não podia ficar mais na cama. Estava já levantado e vestido, pegava o macaquinho e o enfiava no bolso, estava com fome.
O alpendre era um passadiço, entre o terreirinho mais a mata e o extenso outrolado - aquele escuro campo, sob rasgos, neblinas, feito um gelo, e os perolíns do orvalho:
a ir até a fim de vista, à linha do céu de este, na extrema do horizonte. O sol ainda não viera. Mas a claridade. Os cimos das árvores se douravam. As altas árvores
depois do terreiro, ainda mais verdes, do que o orvalho lavara. Entremanhã - e de tudo um perfume, e passarinhos piando. Da cozinha, traziam café.
E: - "Pst!" - apontou-se. A uma das árvores, chegara um tucano, em brando batido horizontal. Tão perto! O alto azul, as frondes, o alumiado amarelo em volta
e os tantos meigos vermelhos do pássaro - depois de seu vôo. Seria de ver-se: grande, de enfeites, o bico semelhando flor de parasita. Saltava de ramo em ramo, comia
da árvore carregada. Toda a luz era dele, que borrifava-a de seus coloridos, em momentos pulando no meio do ar, estapafrouxo, suspenso esplendentemente. No topo
da árvore, nas frutinhas, tuco, tuco... daí limpava o bico no galho. E, de olhos arregaçados, o menino, sem nem poder segurar para si o embrevecido instante, só
nos silêncios de um-dois-três. No ninguém falar. Até o tio. O tio, também, estava de fazer gosto por aquilo: limpava os óculos. O tucano parava, ouvindo outros pássaros
- quem sabe, seus filhotes - da banda da mata. O grande bico para cima, desferia, por sua vez, às uma ou duas, aquele grito meio ferrugento dos tucanos: - "Crrée!"...
O menino estando nos começos de chorar. Enquanto isso, cantavam os galos. O menino se lembrava sem lembrança nenhuma. Molhou todas as pestanas.
E o tucano, o vôo, reto, lento - como se voou embora, xô, xô! - mirável, cores pairantes, no garridir; fez sonho. Mas a gente nem podendo esfriar de ver. Já para
o outro imenso lado apontavam. De lá, o sol queria sair, na região da estrela-d'alva. A beira do campo, escura, como um muro baixo, quebrava-se, num ponto, dourado
rombo, de bordas estilhaçadas. Por ali, se balançou para cima, suave, aos ligeiros vagarinhos, o meio-sol, o disco, o liso, o sol, a luz por tudo. Agora, era a bola
de ouro a se equilibrar no azul de um fio. O tio olhava no relógio. Tanto tempo que isso, o menino nem exclamava. Apanhava com o olhar cada sílaba do horizonte.
Mas não pudera combinar com o vertiginoso instante a presença de lembrança da mãe - sã, ah, sem nenhuma doença, conforme só em alegria ela ali teria de estar. E
nem a ligeireza de idéia de tirar do bolso o companheiro bonequmho macaquinho, para que ele visse também: o tucano - o senhorzinho vermelho, batendo mãos, à frente
o bico empinado. Mas feito se, a cada parte e pedacinho de seu vôo, ele ficasse parado, no trecho e impossivelzinho do ponto, nem no ar - por agora, sem fim e sempre.
O trabalho do pássaro
Assim, o menino, entre dia, no acabrunho, pelejava com o que não queria querer em si. Não suportava atentar, a cru, nas coisas, como são, e como sempre vão ficando:
mais pesadas, mais-coisas - quando olhadas sem precauções. Temia pedir notícias; temia a mãe na má miragem da doença? Ainda que relutasse, não podia pensar para
trás. Se queria atinar com a mãe doente, mal, não conseguia ligar o pensamento, tudo na cabeça da gente daya num borrão. A mãe da gente era a mãe da gente, só; mais
nada.
Mas, esperava; pelo belo. Havia o tucano - sem jaça
- em vôo e pouso e vôo. De novo, de manhã, se endereçando só àquela árvore de copa alta, de espécie chamada mesmo tucaneira. E dando-se o raiar do dia, seu
fôlego dourado. Cada madrugada, à horínha, o tucano, gentil, rumoroso: ... chégochéghégo... - em vôo direto, jazido, rente, traçado macio no ar, que nem um naviozinho
vermelho sacudindo devagar as velas, puxado; tão certo na plana como se fosse um marrequinho deslizando para a frente, por sobre a luz de dourada água.
Depois do encanto, a gente entrava no vulgar inteiro do dia. O dos outros, não da gente. As sacudidelas do jipe formavam o acontecer mais seguido. A mãe sempre recomendara
zelo com as roupinhas; mas a terra aqui era à. desafiada. Ah, o bonequinho macaquinho, mesmo sempre no bolso, se sujava mais de suor e poeira. Os mil e mil homens
muitamente trabalhavam fazendo a grande cidade.
Mas o tucano, sem falta, tinha sua soêncía de sobrevir, todos ali o conheciam, no pintar da aurora. Fazia mais de mês que isso principiara. Primeiro, aparecera por
lá uma bandada de uns 30 deles, vozeantes, mas sendo de-dia, entre dez e 11 horas. Só aquele ficara, porém, para cada amanhecer. Com os olhos tardos tontos de sono,
o bonequinho macaquinho em bolso, o menino apressuradamente se levantava e descia ao alpendre, animoso de amar.
O tio lhe falava, com excessivos de agrado, sem o jeito nenhum. Saiam - sobre o se-fazer das coisas. Tudo a poeira tapava. O bonequinho macaquinho, um dia, devia
de poder ganhar algum outro chapeuzinho, de alta pluma; mas verde, da cor da gravata, tão sobressaída, com que o tio, de camisa, agora não estava. O menino, em cada
instante, era como se fosse só uma certa parte dele mesmo, empurrado para diante, sem querer. O jipe corria por estradas de não parar, sempre novas. Mas o menino,
em seu mais forte coração, declarava, só: que a mãe tinha de ficar boa, tinha de ficar salva!
Esperava o tucano, que chegava, a-justo, a-tempo, a-ponto, às seis-e-vinte da manhã; ficava, de arvoragem, na copa da tucaneira, futricando as frutas, só os dez
minutos, comidos e estrepulados. Dai, partia, sempre naquele outro-rumo, no antes do pingado meio-instante em que o sol arrebolava redondo do chão; porque o sol
era às seis-e-meia. O tio media tudo no relógio.
De dia, não voltava lá. Se donde vinha e morava -das sombras do mato, os impenetráveis? Ninguém soubesse seus usos verdadeiros, nem os certos horários: os demais
lugares, aonde iria achar comer e beber, sobre os pontos isolados. Mas o menino pensava que devia acontecer mesmo assim - que ninguém soubesse. Ele vinha do diferente,
só donde. O dia: o pássaro.
Entremeio, o tio, recebido um telegrama, não podia deixar de mostrar a cara apreensiva - o envelhecimento da esperança. Mas, então, fosse o que fosse, o menino,
calado consigo, teimoso de só amor, precisava de se repetir: que a mãe estava sã e boa, a mãe estava salva!
De repente, ouviu que, para consolá-lo, combinavam maneira de pegar o tucano: com alçapão, pedrada no bico, tiro de espingardinha na asa. Não e não - zangou-se,
aflito. O que cuidava, que queria, não podendo ser aquele tucano, preso. Mas a fina primeira luz da manhã, com, dentro dela, o vôo exato.
O hiato - o que ele já era capaz de entender com o coração. Ao outro dia seguinte. Aí, quando o pássaro, seu raiar, cada vez, era um brinquedo de graça. Assim
como o sol: daquela partezinha escura no horizonte, logo fraturada em fulgor e feito a casca de um ovo - ao termo da achãada e obscura imensidão do campo, por onde
o olhar da gente avançava como no estender um braço.
O tio, entanto, diante dele, parou sem a qualquer palavra. O menino não quis entender nenhum perigo. Dentro do que era, disse, redisse: que a mãe nem nunca tinha
estado doente, nascera sempre sã e salva! O vôo do pássaro habitava-o mais. O bonequinho macaquinho quase caíra e se perdera: já estando com a carinha bicuda e meio
corpo saídos do bolso, bisbíllotados! O menino não lhe passara pito. A tornada do pássaro era emoção enviada, impressão sensível, um transbordamento do coração.
O menino o guardava, no fugidir, de memória, em feliz vôo, no ar sonoro, até a tarde. O de que podia se servir para consolar-se com, e desdolorir-se, por escapar
do aperto de rigor - daqueles dias quadriculados.
Ao quarto dia, chegou um telegrama. O tio sorriu, fortíssimo. A mãe estava bem, sarada! No seguinte -depois do derradeiro sol do tucano - voltariam para casa.
O desmedido momento
E, com pouco, o menino espiava, da janelinha, as nuvens de branco esgarçamento, o veloz nada. Entretempo, se atrasava numa saudade, fiel às coisas de lá. Do tucano
e do amanhecer, mas também de tudo, naqueles dias tão piores: a casa, a gente, a mata, o jipe, a poeira, as ofegantes noites - o que se afinava, agora, no quase-azul
de seu imaginar. A vida, mesmo, nunca parava. O tio, com outra gravata, que não era a tão bonita, com pressa de chegar olhava no relógio. Entrepensava o menino,
já quase na fronteira soporosa. Súbita seriedade fazia-lhe a carínha mais comprida.
E, quase num pulo, agoniou-se: o bonequinho macaquinho nío estava mais em seu bolso! Não é que perdera o macaquinho companheiro! ... Como fora aquilo possível? Logo
as lágrimas lhe saltavam.
Mas, então, o moço ajudante do piloto veio trazer-lhe, de consolo, uma coisa: - "Espia, o que foi que eu achei, para Você". - e era, desamarrotado, o chapeuzinho
vermelho, de alta pluma, que ele, outro dia, tanto tinha jogado fora!
O menino não pôde mais atormentar-se de chorar. Só o rumor e o estar no avião o atontavam. Segurou o chapeuzinho sozinho, alisou-o, o pôs no bolso. Não, o companheirinho
macaquinho não estava perdido, no sem-fundo escuro no mundo, nem nunca. Decerto, ele só passeava lá, porventuro e porvindouro, na outra-parte, aonde as pessoas e
as coisas sempre iam e voltavam. O menino sorriu do que sorriu, conforme de repente se sentia: para fora do caos pré-inicial, feito o desenglobar-se de uma nebulosa.
E era o inesquecível de-repente, de que podia traspassar-se, e a calma, inclusa. Durou um nem-nada, como a palha se desfaz, e, no comum, na gente não cabe: paisagem,
e tudo, fora das molduras. Como se ele estivesse com a mãe, sã, salva, sorridente, e todos, e o macaquinho com uma bonita gravata verde - no alpendre do terreirinho
das altas árvores.., e no jipe aos bons solavancos... e em toda-a-parte.., no mesmo instante só... o primeiro ponto do dia.., donde assistiam, em tempo-sobre-tempo,
ao sol no renascer e ao vôo, ainda muito mais vivo, entoante e existente - parado que não se acabava - do tucano, que vem comer frutinhas na dourada copa, nos altos
vales da aurora, ali junto de casa. Só aquilo. Só tudo.
- "Chegamos, afinal!" - o tio falou.
- "Ah, não. Ainda não..." - respondeu o menino.
Sorria fechado: sorrisos e enigmas, seus. E vinha a vida.









Pesquisar este blog

Carregando...
arte (407) pintura (248) filosofia (102) fotografia (89) literatura (84) psicanálise (57) morte (37) HQ (28) freud (28) peanuts (27) skull (27) antropologia (26) comic (24) poesia (23) lacan (22) PSYCHOANALYSIS (20) Desenho (17) Picasso (15) o seminário (15) Bresson (13) cat (12) oriente (12) borges (11) kant (11) psicologia (11) foucault (10) levi-strauss (10) platão (10) SONHOS (9) religião (9) Kirchner (8) biografia (8) kafka (8) love (8) Ernest Max (7) Guimaraes Rosa (7) Ken Rosenthal (7) Mark Eshbaugh (7) NIETZSCHE (6) Salvador Dali (6) aristóteles (6) manet (6) snoopy (6) sociologia (6) Animais (5) Aristotle (5) Escher (5) Geertz (5) Hundertwasser (5) Lauren Simonutti (5) Sommer (5) medicina (5) munch (5) Arthur DOVE (4) CINEMA (4) Carl LARSSON (4) Cézanne (4) DICIONARIO (4) Descartes (4) Doré (4) Ernest Jones (4) Ernst HAAS (4) Guido Crepax (4) H. Bergson (4) Julio Cortázar (4) Kacere (4) Locke (4) Mucha (4) Richter (4) Van Gogh (4) Will Barnet (4) alexandre koyrè (4) caveira (4) drummond (4) gravura (4) hegel (4) história (4) linguística (4) monet (4) música (4) sartre (4) teatro (4) televisão (4) universo (4) verdade (4) Abbas (3) Arthur Rackham (3) Avigdor (3) Blake (3) CORINTH (3) Cambon (3) Connie Imboden (3) David Hockney (3) F. Hodler (3) Frida KAHLO (3) GEORGES BATAILLE (3) James Joyce (3) Kojeve (3) Konrad LORENZ (3) Lori Nix (3) M. J. A. Eguiño (3) Marcel MAUSS (3) Marqués de Sade (3) Marx (3) Memling (3) Pierre Bourdieu (3) Psychiatry (3) SENECA (3) Schopenhauer (3) Tom Chambers (3) Winnicott (3) arroyo (3) autobiografia (3) baby (3) caravaggio (3) cristianismo (3) dickens (3) einstein (3) erwitt (3) etologia (3) fisica (3) magia (3) planetas (3) B. F. Skinner (2) BACHELARD (2) Birman J. (2) CERVANTES (2) Castillo (2) Dix (2) Dulac (2) E. HOPPER (2) E. Nodel (2) ETNOLOGÍA (2) Ernest HAAS (2) Ferenczi (2) G. JOHN (2) GEORGE CANGUILHEM (2) Gustav Caillebotte (2) Hipocrates (2) J. Ensor (2) J. J. Tissot (2) JUNG (2) John Donne (2) KARL JASPERS (2) KIERKEGAARD (2) Kandinsky (2) Klimt (2) L. da VINCI (2) LOUIS ALTHUSSER (2) Lewis Carroll (2) M. Dzama (2) MAUGHAM (2) MERLEAU - PONTY (2) Mann (2) Melanie Klein (2) Neil Welliver (2) Norman Rockwell (2) Pascal (2) Piaget (2) Pollock (2) Quino (2) Roland Barthes (2) Sahlins (2) Serge Leclaire (2) St. Agostinho (2) Stratton (2) Vinicus de Moraes (2) Vuillard (2) WITTGENSTEIN (2) amor (2) beauvoir (2) biology (2) cogito (2) critica (2) cultura (2) diabo (2) erotic (2) estruturalismo (2) gide (2) guerra (2) loucura (2) lua (2) mind (2) mitologia (2) mitos (2) rilke (2) salomão (2) saturno (2) sono (2) sócrates (2) vida (2) ética (2) A. Comte (1) A. Warhol (1) Alix Malka (1) Andreas Gursky (1) Anticristo (1) Arcimboldo (1) Aristófanes (1) Augusto dos Anjos (1) B. Barbey (1) B. Jacklin (1) Bagheria (1) Barbara Morgan (1) Basquiat (1) Berkeley (1) Bhagavad-Gita (1) Bhopal (1) Bocklin (1) Bouguereau (1) Brauner (1) Bruegel (1) Brueghel (1) Brueguel (1) Burt GLINN (1) CALOUSTE GULBENKIAN (1) CAZOTTE (1) CRVANTES (1) Charles S. Peirce (1) Chavannes (1) China (1) Claesz (1) Confucius (1) Confúncio (1) D. (1) DAVIS Stuart (1) DEGAS (1) DELACROIX (1) Dalton Trevisan (1) Deleuze (1) Denis (1) Design (1) Diebenkorn (1) Diógenes (1) E. (1) ERNST CASSIRER (1) Emile Durkheim (1) Empédocles (1) Epimenides (1) F. Vallotton (1) FERDINAND DE SAUSSURE (1) Feuerbach (1) Feyerabend (1) Florbela Espanca (1) Franceco Clemente (1) Franz Marc (1) GROOT (1) GUSTON (1) Galileu (1) Gestalt (1) Graham (1) Grécia (1) Guercino (1) H. Arendt (1) H. MARCUSE (1) Hals (1) Helmut Newton (1) Holbien (1) Hume (1) J. Derrida (1) J.-F. Millet (1) Jan Van KESSEL (1) Jean Laplanche (1) KROYER (1) Kandel E. (1) Keane (1) Kim (1) Kitaoka (1) Klee (1) Knight (1) Korand Von SOEST (1) Kôhler (1) Liev Tolstói (1) M. Mead (1) Malinowski (1) Mantegna (1) Mark Petrick (1) Max Weber (1) Mário Quintana (1) Münter (1) N. Chomsky (1) NEIL GAIMAN (1) Nasio (1) Otto Rank (1) Ovídio (1) Palencia (1) Parmênides (1) Paul DELVAUX (1) Peter HILLE (1) Raduan Nassar (1) Ron Van Dongen (1) S. Franklin (1) Sandman (1) Satrapi (1) Schiele (1) Shakespeare (1) Silvers (1) Siqueiros (1) Spinoza (1) St. T. de Aquino (1) TELEPATIA (1) TODOROV (1) Tarsila do Amaral (1) Taschen (1) Thomas HOPKER (1) Truffaut (1) Tycho (1) Uccello (1) Velvet underground Nico (1) Verne (1) Victor Brochard (1) W. Metcalf (1) Web (1) Weinberg (1) William Bailey (1) Woody Allen (1) Xenofonte (1) Y. Utagawa (1) Yoshitoshi (1) alessandro gottardo (1) arcoiris (1) armour (1) arquitetura (1) asselyn (1) ate (1) bassano (1) biblia (1) breton (1) cartoon (1) ceticismo (1) cocaina (1) conto (1) criança (1) dança (1) direito (1) dor (1) eclesiastes (1) economia (1) edgar allan poe (1) edgar morin (1) ego (1) ensaio (1) epicurus (1) espelho (1) estações (1) eu (1) fala (1) feed (1) foto (1) frr (1) física (1) game (1) gato (1) giger (1) girafa (1) goya (1) hamlet (1) hoffmann (1) humor (1) identificação (1) impressionismo (1) intuição (1) jakobson (1) japan (1) krsna (1) kundera (1) lacn (1) leminski (1) lévi-strauss (1) mafalda (1) magritte (1) miró (1) moda (1) moral (1) mundo (1) mãe (1) narrativa (1) nausea (1) neruda (1) nokides (1) ocultismo (1) perguntas (1) poeso (1) poker (1) política (1) praia (1) sabedoria (1) sapatos (1) saramago (1) semina (1) semiótica (1) shopenhauer (1) soutine (1) suicidio (1) swan (1) sêneca (1) tatoo (1) tatuagem (1) tese (1) titã (1) touro (1) umberto eco (1) valentina (1) venus (1) virtude (1) war (1) weeks (1)
 

sobrefulanos by nokides