O Livre-Arbítrio | Santo Agostinho

| sexta-feira, 30 de outubro de 2009
Se aqueles seres espirituais que ocupam o cume da
ordem universal tivessem falhado e aceitado pecar, o
universo ter-se-ia enfraquecido e deteriorado e algo de
grande teria faltado à criação. Pois faltaria aquilo cuja
ruína perturbaria o equilíbrio e a harmonia dos sere~.
Tais são aquelas criaturas tão excelentes, santas e sublImes,
potestades celestes ou supracelestes, das quais só
Deus é o Senhor e ao qual o mundo inteiro está submetido.
Sem a função delas, cheia de justiça e de perfeição, nosso
universo não subsistiria.








Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP)
(Câmara Brasileira do Livro, SP, Brasil)
Agostinho, Santo, Bispo de Hipona, 354-430.
o livre-arbítrio / Santo Agostinho ; [tradução, organização, introdução e
notas Nair de Assis Oliveira; revisão Honório Dalbosco]. - São Paulo: Paulus,
1995. - (Patrística)
ISBN 85-349-0256-9
1. Livre-arbítrio e determinismo 2. Livre-arbítrio e determinismo - Ensinamentos
bíblicos I. Oliveira, Nair de Assis. 11. Título. 111. Série.
94-2314
índices para catálogo sistemático:
1- Liberdade: Ensino bíblico: Doutrina cristã 233.7
2- Livre-arbítrio: Ensino bíblico: Doutrina cristã 233.7
Coleção PATRíSTICA
1. Padres Apostólicos
2. Padres Apologistas
3. Justino de Roma
4. Irineu de Lião
5. Santo Agostinho, A Trindade
6. Santo Agostinho, O livre-arbítrio
7. A Trindade, S. Agostinho
8. O livre-arbítrio, S. Agostinho
9/1. Comentário aos Salmos (Salmos 1-50), S. Agostinho
9/2. Comentário aos Salmos (Salmos 51-100), S. Agostinho
9/3. Comentário aos Salmos (Salmos 101-150), S. Agostinho
10. Confissões, S. Agostinho
11. Solilóquios - A vida feliz, S. Agostinho
12. A Graça (/), Santo Agostinho
13. A Graça (11), S. Agostinho (no prelo)
CDD-233.7
SANTO AGOSTINHO
o LIVRE-ARBÍTRIO
2â edição
~ PAULUS
Título original
De libero arbitrio
Tradução do original latino, cotejada com versões em francês e em espanhol.
Tradução, organização, introdução e notas
Ir. Nair de Assis Oliveira
Revisão
Honório Dalbosco
Direção Editorial
Pe. Manoel Quinta
© PAULUS -1995
Rua Francisco Cruz, 229
04117-091 São Paulo (Brasil)
Fax (011) 570-3627
Tel. (011) 5084-3066
http://www.paulus.org.br
dir.editorial@paulus.org.br
PAULUS
Estrada de São Paulo
2685 Apelação (Portugal)
Fax (01) 948-8878
Tel. (01) 947-2414
ISBN 85-349-0256-9
I
I
i
t
I
I 'I I
f
I
APRESENTAÇÃO
Surgiu, pelos anos 40, na Europa, especialmente na
França, um movimento de interesse voltado para os antigos
escritores cristãos e suas obras, conhecidos, tradicionalmente,
como "Padres da Igreja" ou "Santos Padres".
Esse movimento, liderado por Henri de Lubac e Jean
Daniélou, deu origem à coleção "Sources Chrétiennes",
hoje com mais de 300 títulos, alguns dos quais com várias
edições. Com o Concílio Vaticano 11, ativou-se em toda a
Igreja o desejo e a necessidade de renovação da liturgia, da
exegese, da espiritual idade e da teologia a partir das
fontes primitivas. Surgiu a necessidade de "voltar às
fontes" do cristianismo.
No Brasil, em termos de publicação das obras destes
autores antigos, pouco se fez. Paulus Editora procura,
agora, preencher este vazio existente em língua portuguesa.
Nunca é tarde ou fora de época para rever as fontes da
fé cristã, os fundamentos da doutrina da Igreja, especialmente
no sentido de buscar nelas a inspiração atuante,
transformadora do presente. Não se propõe uma volta ao
passado através da leitura e estudo dos textos primitivos
como remédio ao saudosismo. Ao contrário~ procura-se
oferecer aquilo que constitui as "fontes" do cristianismo
para que o leitor as examine, as avalie e colha o essencial,
o espírito que as produziu. Cabe ao leitor, portanto, a
APRESENTAÇÃO 6
tarefa do discernimento. Paulus Editora quer, assim,
oferecer ao público de língua portuguesa, leigos, clérigos,
religiosos, aos estudiosos do cristianismo primevo, um~
série de títulos, não exaustiva, cuidadosamente traduzl,dos
e preparados; dessa vasta literatura cristã do período
patrístico.
Para não sobrecarregar o texto e retardar a leitura,
procurou-se evitar anotações excessivas, as longas introduções
estabelecendo paralelismos de versões diferentes,
com referências aos empréstimos da literatura pagã, filosófica,
religiosa, jurídica, às infindas controvérsias sobre
determinados textos e sua autenticidade. Procurou-se fazer
com que o resultado desta pesquisa original se traduzisse
numa edição despojada, porém séria.
Cada autor e cada obra terão uma introdução br:eve
com os dados biográficos essenciais do autor e um comentário
sucinto dos aspectos literários e do conteúdo da obra
suficientes para uma boa compreensão do texto. O que
interessa é colocar o leitor diretamente em contato com o
texto. O leitor deverá ter em mente as enormes diferenças
de gêneros literários, de estilos em que estas obras foram
redigidas: cartas, sermões, comentários bíblicos, paráfrases,
exortações, disputas com os heréticos, tratados teológicos
vazados em esquemas e categorias filosóficas de
tendências diversas, hinos litúrgicos. Tudo isso inclui,
necessariamente, uma disparidade de tratamento e de
esforço de compreensão a um mesmo tema. As constantes,
e por vezes longas, citações bíblicas ou simples transcrições
de textos escriturísticos devem-se ao fato de que os
padres escreviam suas reflexões sempre com a Bíblia
numa das mãos.
Julgamos necessário um esclarecimento a respeito
dos termos patrologia, patrística e padres ou pais da
Igreja. O termo patrologia designa, propriamente, o estudo
sobre a vida, as obras e a doutrina dos pais da Igreja.
j
I
I
(
I
I
7 APRESENTAÇÃO
Ela se interessa mais pela história antiga incluindo também
obras de escritores leigos. Por patrística se entende o
estudo da doutrina, as origens dessa doutrina, suas dependências
e empréstimos do meio cultural, filosófico e
pela evolução do pensamento teológico dos pais da Igreja.
Foi no século XVII que se criou a expressão "teologia
patrística" para indicar a doutrina dos padres da Igreja,
distinguindo-a da "teologia bíblica ", da "teologia
escolástica", da "teologia simbólica" e da "teologia
especulativa". Finalmente, "Padre ou Pai da Igreja" se
refere· a um leigo, sacerdote ou bispo, da antiguidade
cristã, considerado pela tradição posterior como testemunho
particularmente autorizado da fé. Na tentativa de
eliminar as ambigüidades em torno desta expressão, os
estudiosos convencionaram em receber como "Pai da Igreja"
quem tivesse estas qualificações: ortodoxia de doutrina,
santidade de vida, aprovação eclesiástica e antiguidade.
Mas os próprios conceitos de ortodoxia, santidade e
antiguidade são ambíguos. Não se espere encontrar neles
doutrinas acabadas, buriladas, irrefutáveis. Tudo estava
ainda em ebulição, fermentando. O conceito de ortodoxia
é, portanto, bastante largo. O mesmo vale para o conceito
de santidade. Para o conceito de antiguidade, podemos
admitir, sem prejuízo para a compreensão, a opinião de
muitos especialistas que estabelece, para o Ocidente, Igreja
latina, o período que, a partir da geração apostólica, se
estende até Isidoro de Sevilha (560-636). Para o Oriente,
Igreja grega, a antiguidade se estende um pouco mais até
a morte de s. João Damasceno (675-749).
Os "Pais da Igreja" são, portanto, aqueles que, ao
longo dos sete primeiros séculos, foram forjando, construindo
e defendendo a fé, a liturgia, a disciplina, os costumes
e os dogmas cristãos, decidindo, assim, os rumos da
Igreja. Seus textos se tornaram fontes de discussões, de
inspirações, de referências obrigatórias ao longo de toda a
APRESENTAÇÃO 8
tradição posterior. O valor dessas obras que agora Paulus
Editora oferece ao público pode ser avaliado neste texto:
"Além de sua importância no ambiente eclesiástico, os
Padres da Igreja ocupam lugar preeminente na literatura
e, particularmente, na literatura greco-romana. São eles
os últimos representantes da Antiguidade, cuja arte literária,
não raras vezes, brilha nitidamente em suas obras,
tendo influenciado todas as literaturas posteriores. Formados
pelos melhores mestres da Antiguidade clássica,
põem suas palavras e seus escritos a serviço do pensamento
cristão. Se excetuarmos algumas obras retóricas de
caráter apologético, oratório ou apuradamente epistolar,
os Padres, por certo, não queriam ser, em primeira linha,
literatos e, sim, arautos da doutrina e moral cristãs. A arte
adquirida, não obstante, vem a ser para eles meio para
alcançar este fim. ( ... ) Há de se lhes aproximar o leitor com
o coração aberto, cheio de boa vontade e bem disposto à
verdade cristã. As obras dos Padres se lhe reverterão,
assim, em fonte de luz, alegria e edificação espiritual" (B.
Altaner; A. Stuiber, Patrologia, S. Paulo, Paulus, 1988,
pp.21-22).
A Editora
I
I
I
!
t
"Prometi mostrar-te que há um Ser
muito mais sublime do que o nosso espírit~
e a nossa razão.
Ei-lo: é a própria Verdade!"
(11,13,35)
"Será a sabedoria outra coisa a não ser
a Verdade,
na qual se contempla e se possui
o sumo Bem?"
(11,9,26)
"á Sabedoria! Luz suavíssima da
mente purificada. "
(11,13,35)
INTRODUÇÃO
1. Dados e ocasião da obra
Após sua conversão, em Milão, no ano 386, Agostinho
viveu alguns meses na feliz tranqüilidade da chácara de
Cassicíaco, com sua mãe, familiares e diminuto número de
discípulos. Dedicavam-se aí aos trabalhos campestres, à
contemplação e à reflexão filosófica. Colhemos os frutos de
seus colóquios, nos famosos diálogos: "Contra os Acadêmicos",
"A vida feliz", "A Ordem" e nos "Solilóquios".
Na Páscoa de 387, ele recebeu a graça do batismo das
mãos do bispo de Milão, santo Ambrósio. Propunha-se
retornar à sua terra natal, em Tagaste, na África do Norte,
para aí consagrar-se com seus amigos a uma vida de
oração e estudo, como monges.
Enquanto aguardavam a partida da embarcação, em
Óstia, porto de Roma, no mês de outubro, sua santa mãe
Mônica falece, após breve enfermidade. Passada a comoção
do desenlace, Agostinho decide permanecer em Roma
o inverno de 387 e todo o ano de 388.
Preocupado como estava de defender-se do maniqueísmo
e alertar a seus amigos, compôs diversos tratados,
entre outros: "De moribus Ecclesiae Catholicae" e "De
moribus maniquaeorum", e a presente obra: "De libero
arbitrio". A redação desta última, porém, iniciada em 388,
não pôde ser terminada. Após o regresso a Tagaste,
continuou-a, mas não havia ainda sido concluída, quando,
em 391, foi constrangido a ser ordenado padre, por insistência
do povo de Hipona. Somente aí, como presbítero,
Agostinho conseguiu pôr termo ao trabalho, entre 394 e
395.
INTRODUÇÃO 12
Como prova dessa data, temos uma carta sua ao
amigo Paulino, bispo de Nola (carta 31,7), do início do ano
396. Junto à missiva, enviava um exemplar dos três liyros
de "O livre-arbítrio", recém-terminado.
2. Evódio
A obra, em forma dialogada, é em grande parte o
relato das conversas de Agostinho com Evódio, seu amigo
e conterrâneo. Era estejá homem formado, quando conheceu
Agostinho. Fora a princípio militar, tendo depois se
dedicado às Letras. Convertido em Milão, recebeu o batismo
pouco antes de Agostinho. Ficou a seu lado, após a
morte de Mônica, em Roma, e em seguida foi para Tagaste,
participar da primeira comunidade de monges. Mais
tarde, em 396, tornou-se bispo de Upsala, perto de Útica,
na África proconsular.
Neste diálogo como em outro, igualmente mantido
com Agostinho, o "De quantitate animae" ("Sobre a grandeza
da alma"), vemo-lo sempre ser tratado com muita
deferência e respeito. Suas insistências contribuem a
trazer aos diálogos mais vida, mais rigor nas provas e, por
vezes, mais complexidade e desenvolvimento. Acontece
que no livro li da presente obra, Evódio, a partir do capo
5,12, aparece apenas brevemente uma única vez, no capo
12,46. Deve-se essa ausência pelo fato de ele não ter
acompanhado seu amigo até Hipona.
Entre as epístolas agostinianas, conservam-se 4 cartas
por ele dirigidas a Agostinho. A essas, deve-se acrescentar
uma, descoberta há apenas alguns anos por Dom
Bruyne. São as de números: 158, 160, 161 e 163. E do bispo
de Hipona a ele, conservaram-se apenas três cartas:
números 159, 162 e 164.
Morreu Evódio seis anos antes de seu mestre e amigo,
em 424.
13 INTRODUÇÃO
3. Formação ideológica do livro
Esta importante obra tem como tema o problema da
liberdade humana e o da origem do mal moral. Desde a
sua adolescência, Agostinho preocupava-se com tais questões,
e uma das causas de sua adesão ao maniqueísmo foi
a esperança de aí encontrar uma solução para as suas
dúvidas. Contudo, as fábulas heréticas não o satisfizeram
por muito tempo. Teve que prosseguir a angustiante
busca da verdade. Essa fase é bem descrita em suas
"Confissões". Leia-se o l. 1I1, caps. 3 e 7.
Não podia Agostinho suportar a idéia de que Deus fosse
a causa do mal. Enfim, em Milão, enquanto a eloqüência
de Ambrósio trazia-o de volta ao catolicismo, a leitura do
neoplatênico Plotino trouxe-lhe a luz tão desejada. Todavia,
ainda não uma resposta definitiva e plena.
É em direção a Deus que Plotino conduziu Agostinho,
para levá-lo à certeza de um Criador bom e poderoso,
fonte de toda realidade. Desse modo, o mal não podia
ter lugar entre os seres, nem prejudicar a excelência
da obra divina. Tampouco poderia o mal impedir ao homem
que o quisesse, encontrar em Deus a paz e a felicidade.
O problema já fora por Agostinho tratado em seu
diálogo "A Ordem". Mas a temível dificuldade que em Cassicíaco
ele não ousara enfrentar, consistia na existência
do "pecado". Com efeito, é bastante fácil demonstrar que
o mal fisico resolve-se com a Providência divina. Isso porque
o mal visto no conjunto não é mais um maleficio, mas
sim uma contribuição ao bem comum e à beleza da ordem.
Até esse ponto, a tese neoplatônica o satisfazia. Mas poderia
ser dito o mesmo do mal moral, que se opõe diretamente
à vontade de Deus? Plotino dava resposta inadmissível a
essa questão perturbadora. Alegava ser a matéria essencialmente
má, e a responsável pelo mal. Agostinho não levou em
consideração tal resposta. Mas, guiado por seu gênio e graças
INTRODUÇÃO 14
às preciosas retificações que a fé católica lhe proporcionava,
ele propõe, com coragem, uma solução racional.
O intento geral de "O livre-arbítrio" aparece assim com
clareza, desse ponto de vista. Segundo os dados da fé, Deus
todo-poderoso e Bem supremo criou todas as coisas por meio
de seu Verbo, e nada pode escapar à ordem de sua Providência.
Todas as suas obras são boas. O pecado não pode lhe ser
imputado, nem ficar fora da ordem providencial. Diz Agostinho:
"É preciso compreender aquilo em que cremos"
(I,2,4; 11,2,6). Ele procura explicar pela razão a origem do
pecado e seu papel na obra de Deus. Em conclusão, chega a
afirmar em síntese: a fonte do mal moral, o pecado, está no
abuso da liberdade, mas esta é um bem. Insiste nisso com
tamanha força que os pelagianos, mais tarde, invocarão, sem
razão, suas afIrmações para sustentar as próprias teses.
4. Breve síntese das idéias fundamentais
Antes de tudo, para descobrir a origem do pecado, é
preciso saber qual a sua essência. Ora, cometer o mal não
é nada mais do que submeter sua vontade às paixões, ou
preferir aos bens propostos pela fé eterna uma satisfação
pessoal. E isso só é possível pela livre opção de nossa
vontade (livro 1).
O livro 11 é o coração da obra. Num método ascensional,
Agostinho prova a existência de Deus, autor de todo bem.
E à vontade livre, mesmo fraca, não se pode recusar um
lugar honroso entre os bens criados.
O livro 111 é complemento e esclarecimento dos livros
anteriores. Trata da Providência de Deus em face ao seres
livres. Portanto, sempre louvar a Deus por ter criado a
vontade livre, mesmo pecadora, como um elemento da
ordem universal. Por certo, o pecado não depende da
presciência divina, e não é necessário à ordem. Sua presença,
porém, não consegue tornar a ordem atual indigna
15 INTRODUÇÃO
de Deus. A última palavra a respeito do pecado, como do
mal fisico, será sempre: "Louvores a Deus!"
Tal é a trama essencial, simples e poderosa de "O
livre-arbítrio" .
5. Andlise do andamento dos três livros
Note-se que a divisão em capítulos e números está
conforme o original latino. Todavia, as divisões em partes
e secções, assim como os títulos dados, para melhor compreensão
da leitura, é de autoria da tradutora.
Nas Notas complementares encontrar-se-ão sínteses
dos assuntos tratados, à medida do decorrer dos temas.
6. O livre-arbítrio e o maniqueísmo
Sem dúvida. alguma, este diálogo foi especialrnente
escrito contra os erros dos maniqueus, sem todavia constituir
uma obra polêmica. Tendo-se convertido e sentindose
no caminho da verdade, Agostinho sentia necessidade
de recuperar-se, a si e aos amigos.
Eis uma breve síntese da teoria maniquéia: Para os
maniqueus, havia duas divindades supremas a presidir o
universo: o princípio do Bem e o do Mal-a luz e as trevas.
Como conseqüência moral, afirmavam ter o homem duas
almas. Cada uma presidida por um desses dois princípios.
Logo, o mal é metafisico e ontológico. A pessoa não é livre
nem responsável pelo mal que faz. Este lhe é imposto.
7. A solução do problema do mal
na interpretação de Agostinho
Ao grande problema do mal, conseguiu Agostinho
apresentar uma explicação que se tornou ponto de referência
durante séculos e ainda hoje conserva a sua validade.
INTRODUÇÃO 16
- Se tudo provém de Deus, que é o Bem, de onde
provém o mal? Depois de ter sido vítima da explicação
dualista maniquéia, como vimos, ele encontra em Plotino
a chave para resolver a questão: o mal não é um ser, mas
deficiência e privação de ser.
E ele aprofunda ainda mais a questão. Examina o
problema do mal em três níveis: a) metafisico-ontológico;
b) moral; c) fisico.
- a) Do ponto de vista metafisico-ontológico, não
existe mal no cosmos, mas apenas graus inferiores de ser,
em relação a Deus, graus esses que dependem da finitude
do ser criado e dos diferentes níveis dessa finitude. Mas
mesmo aquilo que, numa consideração superficial, parece
"defeito" (e portanto poderia parecer mal), na realidade,
na ótica do universo, visto em seu conjunto, desaparece.
As coisas, as mais ínfimas, revelam-se momentos articulados
de um grande conjunto harmônico.
- b) O mal moral é o pecado. Esse depende de nossa
má vontade. E a má vontade não tem "causa eficiente", e
sim muito mais, "causa deficiente". Por sua natureza, a
vontade deveria tender para o Bem supremo. Mas, como
existem muitos bens criados e finitos, a vontade pode vir
a tender a eles e, subvertendo a ordem hierárquica,
preferir a criatura a Deus, optando por bens inferiores, em
vez dos bens superiores. Sendo assim, o mal deriva do fato
de que não há um único bem, e sim muitos bens, consistindo
precisamente o pecado na escolha incorreta entre esses
bens. O mal moral, portando, é "aversio a Deo" e
"conversio ad creaturam". O fato de se ter recebido de
Deus uma vontade livre é para nós grande bem. O mal é
o mau uso desse grande bem.
- c) O mal fisico, como as doenças, os sofrimentos
e a morte, tem significado bem preciso para quem reflete
na fé: é a conseqüência do pecado original, ou seja, é
conseqüência do mal moral. A corrupção do corpo que pesa
I
\[
I i \
\
17 INTRODUÇÃO
sobre a alma não é a causa, mas a pena do primeiro pecado
(cf. G. Reale, D. Antiseri, "Hist. da Filosofia" I, Paulus, pp.
455.456).
8. As "Retractationes" e a resposta aos pelagianos
No precioso livro de revisão de suas obras, tão conscienciosamente
elaborado pelo bispo de Hipona, no final
de sua vida, a notícia a respeito de "O livre-arbítrio"
é das mais longas e importantes. Encontramo-la no
1. I, 9,1-6.
A posição de Agostinho é muito clara. Explica ele que
se tratava então, naquela ocasião, de refutar os maniqueus,
os quais negam o livre-arbítrio da vontade e pretendem
fazer rec~ir em Deus a responsabilidade pelo mal e pelo
pecado. E contra eles que o tratado insiste, valorizando
grandemente o papel da liberdade humana. A tal ponto
que, na controvérsia pelagiana, advinda anos após, Pelágio
não hesitou em se servir do "De libero arbitrio" para
atacar a doutrina católica do pecado originaL Pretendeu
até tirar da obra argumentos de certas fórmulas antimaniquéias
de Agostinho. O doutor de Hipona assinala 13
passagens das quais os pelagianos poderiam abusar contra
ele. Mas em vez de responder sucessivamente às
dificuldades apresentadas por essas passagens, ele prefere
lembrá-las em bloco. No final, toma resolutamente a
ofensiva para explicar em que sentido falou sobre a liberdade.
E lembra, vitoriosamente, que, pelo menos em
quatro lugares, fez menção da ação indispensável da graça
de Deus. Na verdade, não se pode argumentar do mesmo
modo contra a doutrina dos maniqueus e a dos pelagianos ...
Leiam-se as notas complementares desta edição:
- no L I: n. 28(12, 26); 30(13,28); 33(14,30);
- no L H: n. 2( 1,2); 60( 18,47);
- no L IH: n. 32(18,50); 34(18,52); 40(20,58).
INTRODUÇÃO 18
Em conclusão, constatamos que se é certo que Agostinho,
no presente diálogo, não fala com insistência sobre
a graça como medicina e socorro do livre-arbítrio, porém
insinua-a várias vezes. Numa delas, expressamente
(11,20,54). O que ele repete, uma e mil vezes, é que o homem
é livre para fazer o bem e que não é forçado a cometer
o mal por nenhuma necessidade. Se o homem peca, a
culpa é sua. Agostinho insiste fortemente na bondade
essencial e infinita de Deus. Sem o livre-arbítrio não 'haveria
mérito nem desmérito, glória nem vitupério, responsabilidade
nem irresponsabilidade, virtude nem vício
(cf. BAC 111, Introdução, p. 246).
Santo Agostinho, na verdade, constituiu-se o defensor
de nossa liberdade e da graça divina, ao mesmo
tempo. .
9. A vontade, a liberdade e a graça
Etienne Gilson resumiu de modo muito eficaz o
pensamento agostiniano sobre as relações entre a liberdade,
a vontade e a graça, da seguinte forma: "Duas condições
são exigidas para fazer o bem: um dom de Deus que
é a graça e o livre-arbítrio. Sem o livre-arbítrio não
haveria problemas; sem a graça, o livre-arbítrio (após o
pecado original) não quereria o bem ou, se o quisesse, não
conseguiria realizá-lo. A graça, portanto, não tem o efeito
de suprimir a vontade, mas sim de torná-la boa, pois ela
. se transformara em má. Esse poder de usar bem o livre-
~ arbítrio é precisamente a liberdade. A possibilidade de
fazer o mal é inseparável do livre-arbítrio, mas o poder de
não fazê-lo é a marca da liberdade, E o fato de alguém se
encontrar confirmado na graça, a ponto de não poder mais
fazer o mal, é o grau supremo da liberdade. Assim, o
homem que estiver mais completamente dominado pela
graça de Cristo será também o mais livre: 'libertas vera
19 INTRODUÇÃO
est Christo servire'" (cf. Gilson, "Introduction à l'étude de
Saint Augustin", pp. 202ss).
10. Agostinho, filósofo ou teólogo?
A presente obra é considerada como uma das que
melhor apresenta o pensamento filosófico de Agostinho.
Mas sabemos que, para ele, o estudo da filosofia sempre
foi caminhada para Deus e não pura ocupação intelectual.
E a sabedoria, certa posse beatificante de Deus. Dessa
maneira, Agostinho foi sobretudo teólogo, e até os seus
trabalhos filosóficos são dirigidos para a teologia. "O livrearbítrio"
é exemplo típico disso.
Não obstante, em suas pesquisas racionais, a Revelação
não intervém diretamente. Mostra-se apenas como
um ponto de apoio indireto. O teocentrismo agostiniano é
fundante. Será pela idéia de Deus que se estabelece a
comunicação entre filosofia e teologia. Inclusive a idéia de
Deus, em plano natural, encontra-se necessariamente
enriquecida por toda 'uma contribuição sobrenatural.
Repousa sobre ela, como em sua base normal.
As principais passagens em que Agostinho refere-se
expressamente ao plano teológico, nesta obra, são as
seguintes:
l. I: 2,5; 6,14;
l. 11: 2,6; 8,24; 11,30; 14,37; 15,39; 20,54;
1. 111: 9,28; 10,31 e quase toda a 3ª Parte: 17,47 a
25,76.
11. Apreciação geral da obra
Este livro é realmente um grande tratado de porte e
duração. Obra extensa, profunda e decisiva, de importância
excepcional, pelos múltiplos e graves problemas estudados,
sobretudo aquele fundamental, a respeito da natuINTRODUÇÃO
20
reza, origem e causa do pecado, assim como a responsabilidade
humana por seus atos livres (cf. Pe. E. Seijas, BAC
IH, p. 240).
Apresenta Agostinho uma demonstração racional da
moral, fundamentando-a. Não seria suficiente, para "ele,
uma explicação psicológica do livre-arbítrio. Tampouco,
contenta-se com a contribuição da fé, pois recorre expressamente
à razão (H,2,5.6).
O que há de mais valioso na obra é a prova da
existência de Deus.
É ela original de Agostinho. Já fora exposta de modo
abreviado em "A verdadeira religião" (30,54-56; 31,57),
todavia encontra-se aqui exposta de maneira mais extensa.
É denominada a prova pela verdade, pelas idéias eternas, ou
melhor, prova pela via do espírito. Só a razão argumenta.
Outro ponto de particular valor é a doutrina exposta
sobre a Providência, no 1. IH. Já foi dito ser esse um dos
mais possantes faróis a iluminarem constantemente o
pensamento do genial Agostinho. Essa tese que dominou
toda sua vida, dominou também toda a Idade Média.
12. Influência exercida por Agostinho,
em particular através desta obra
Agostinho é considerado, sem contestação, um dos
maiores gênios de todos os tempos.
Diz B. Altaner na suaPatrologia: "Agostinho é o mais
exímio filósofo dentre os Padres da Igreja e, sem dúvida,
o mais insigne teólogo de toda a Igreja. Já em vida, suas
obras lhe granjearam numerosos admiradores. Exerceu
profunda influência na vida da Igreja ocidental, e que
perdura até à época moderna. Isso não só na filosofia,
dogmática, na teologia moral e mística, mas ainda na vida
social e caritativa, e também na formação da cultura
medieval" (cf. op. cit., p. 415).
21 INTRODUÇÃO
Em particular, foi imensa a influência operada por
meio deste diálogo filosófico, no transcurso dos séculos.
Não há escritor, em toda a Idade Média, que fale ou trate
da questão do livre-arbítrio e do pecado que não tenha ido
beber nesta fonte agostiniana.
E até os nossos dias, os temas debatidos na presente
obra permanecem de real atualidade. A leitura refletida
e degustada será muito enriquecedora a todos os que
buscam conhecimento mais aprofundado sobre as temáticas
expostas.
LIVRO I
O PECADO PROVÉM
DO LIVRE-ARBÍTRIO
INTRODUÇÃO (1,1-2,5)
o PROBLEMA DO MAL
Capítulo 1
É Deus o autor do mal?
1. Euódio Peço-te que me digas, será Deus o autor do
mal?1
Agostinho Dir-te-ei, se antes me explicares a que
mal te referes. Pois, habitualmente, tomamos o termo
"mal" em dois sentidos: um, ao dizer que alguém praticou
o mal; outro, ao dizer que sofreu algum maL
Eu. Quero saber a respeito de um e de outro.
Ag. Pois bem, se sabes ou acreditas que Deus é bom
- e não nos é permitido pensar de outro modo -, Deus
não pode praticar o mal. Por outro lado, se proclamamos
ser ele justo - e negá-lo seria blasfêmia -, Deus deve
distribuir recompensas aos bons, assim como castigos aos
maus. E por certo, tais castigos parecem males àqueles
que os padecem. É porque, visto ninguém ser punido
injustamente - como devemos acreditar, já que, de acordo
com a nossa fé, é a divina Providência que dirige o universo-,
Deus de modo algum será o autor daquele primeiro
gênero de males a que nos referimos, só do segundo.
Eu. Haverá então algum outro autor do primeiro gênero
de mal, uma vez estar claro não ser Deus?
Ag. Certamente, pois o mal não poderia ser cometido
sem ter algum autor. Mas caso me perguntes quem seja
o PECADO PROVÉM DO LIVRE-ARBÍTRIO 26
o autor, não o poderia dizer_ Com efeito, não existe um só
e único autor. Pois cada pessoa ao cometê-lo é o autor de
sua má ação. Se duvidas, reflete no que já dissemos acima:
as más ações são punidas pela justiça de Deus. Ora, elas
não seriam punidas com justiça, se' não tivessem sido
praticadas de modo voluntário.2
o mal uem por ter sido ensinado?
2. Eu. Ignoro se existe alguém que chegue a pecar, sem
antes o ter aprendido. Mas caso isso seja verdade, pergunto:
De quem aprendemos a pecar? •
Ag. Julgas a instrução (disciplinam) ser algo de bom?
Eu. Quem se atreveria a dizer que a instrução é um
mal?
Ag. E caso não for nem um bem nem um mal?
Eu. A mim, parece-me que é um bem.
Ag. Por certo! Com efeito, a instrução comunica-nos
ou desperta em nós a ciência, e ninguém aprende algo se
não for por meio da instrução. Acaso tens outra opinião?
Eu. Penso que por meio da instrução não se pode
aprender a não ser coisas boas.
Ag. Vês, então, que as coisas más não se aprendem,
posto que o termo "instrução" deriva precisamente do fato
de alguém se instruir.
Eu. De onde hão de vir, então, as más ações praticadas
pelos homens, se elas não são aprendidas?
Ag. Talvez, porque as pessoas se desinteressam e se
afastam do verdadeiro ensino, isto é, dos meios de instrução.
Mas isso vem a ser outra questão. O que, porém,
mostra-se evidente é que a instrução sempre é um bem,
visto que tal termo deriva do verbo "instruir". Assim, será
impossível o mal ser objeto de instrução. Caso fosse
ensinado, estaria contido no ensino e, desse modo, a
instrução não seria um bem. Ora, a instrução é um bem,
27 O PROBLEMA DO MAL
como tu mesmo já o reconheceste. Logo, o mal não se
aprende. É em vão que procuras quem nos teria ensinado
a praticá-lo. Logo, se a instrução falar sobre o mal, será
para nos ensinar a evitá-lo e não para nos levar a cometêlo.
De onde se segue que, fazer o mal, não seria outra coisa
do que renunciar à instrução. (Pois a verdadeira instrução
só pode ser para o bem.)
3. Eu. Não obstante, julgo que há duas espeCles de
instrução: uma que nos ensina a praticar o bem, e outra a
praticar o mal. Mas ao me perguntares se a instrução era
um bem, o amor mesmo do bem absorveu-me a atenção de
tal modo a me fazer considerar, unicamente, o ensino relativo
às boas ações, motivo pelo qual respondi que ele era
sempre um bem. Mas dou-me conta, agora, que existe um
outro ensino, que reconheço seguramente ser mau, e de
cujo autor indago.
Ag. Vejamos. Admites pelo menos o seguinte: será a
inteligência integralmente um bem?
Eu. A ela, com efeito, considero de tal modo ser um
bem, que nada vejo poder existir de melhor no homem. De
maneira alguma posso considerar a inteligência como um
mal.
Ag. Mas quando alguém for ensinado e não se servir
da inteligência para entender, poderá ser ele considerado
como alguém que fica instruído? O que te parece?
Eu. Parece-me que ele não o pode de modo algum.
Ag. Logo, se toda a inteligência é boa, e quem não
usa da inteligência não aprende, segue-se que todo
aquele que aprende procede bem. Com efeito, todo
aquele que aprende usa da inteligência e todo aquele
que usa da inteligência procede bem. Assim, procurar o
autor de nossa instrução, sem dúvida, é procurar o autor
de nossas boas ações. Deixa, pois, de pretender descobrir
o PECADO PROVÉM DO LIVRE-ARBÍTRIO 28
não sei que mau ensinante. Pois se, na verdade, for mau,
ele não será mestre. E caso seja mestre, não poderá ser
mau.3
Capítulo 2
Por qual motivo agimos mal?
4. Eu. Seja como dizes,já que tão fortemente me obrigas
a reconhecer que não aprendemos a fazer o mal. Dize-me,
entretanto, qual a causa de praticarmos o mal? •
Ag. Ah! Suscitas precisamente uma questão que me
atormentou por demais, desde quando era ainda muito
jovem. Após ter-me cansado inutilmente de resolvê-la,
levou a precipitar-me na heresia (dos maniqueus), com
tal violência que fiquei prostrado. Tão ferido, sob o peso
de tamanhas e tão inconsistentes fábulas, que se não
fosse meu ardente desejo de encontrar a verdade, e se
não tivesse conseguido o auxílio divino, não teria podido
emergir de lá nem aspirar à primeira das liberdades
- a de poder buscar a verdade.4 Visto que a ordem
seguida, então, atuou em mim com tanta eficácia para
resolver satisfatoriamente essa questão, seguirei igualmente
contigo aquela mesma ordem pela qual fui libertado.
Seja-nos, pois, Deus propício e faça-nos chegar a
entender aquilo em que acreditamos. Estamos, assim,
bem certos de estar seguindo o caminho traçado pelo
profeta que diz: "Se não acreditardes não entendereis". 5
Ora, nós cremos em um só Deus, de quem procede tudo
aquilo que existe. Não obstante, Deus não é o autor do
pecado. Todavia, perturba-nos o espírito uma consideração:
se o pecado procede dos seres criados por Deus, como
não atribuir a Deus os pecados, sendo tão imediata a
relação entre ambos?
29 O PROBLEMA DO MAL
Pontos fundamentais da fé
5. Eu. Acabas de formular, com toda clareza e precisão,
a dúvida que cruelmente me atormentou o pensamento: e
que just~mente me levou a me empenhar nesta reflexao
contigo.
Ag. Tem coragem e conserva a fé naqu~lo que crês.
Nada é mais recomendável do que crer, ate no caso de
estar oculta a razão de por que isso ser assim e não de
outro modo. Com efeito, conceber de Deus a opinião mais
excelente possível é o começo mais autêntico da piedade.6
E ninguém terá de Deus um alto conceito, se não crer que
ele é todo-poderoso e que não possui parte alguma de. sua
natureza submissa a qualquer mudança. Crer amda
que ele é o Criador de todos os bens, aos quais é infinitamente
superior; assim como ser el~ aquele que .governa
com perfeita justiça tudo quanto Crl?U, sem senti: necessidade
de criar qualquer ser que seja, como se nao fosse
auto-suficiente. Isso porque tirou tudo do nada.
Entretanto, ele gerou, não o criou, de sua própria
essência, aquele que lhe é i~al, o qual é cori1~ profess~mos
o Filho único de Deus. E aquele a quem nos denomlnan:
os, procurando as expressões mais acessíveis: "Fo~ça
de Deus e Sabedoria de Deus" (1Cor 1,24). Por melO
dele, Deus fez tudo o que tirou do nada.
Tudo isso tendo sido estabelecido, contando com a
ajuda de Deus, procuremos agora, com empenho, compreender
a questão por ti proposta, seguindo a ordem que se
segue.
PRIMEIRA PARTE (3,6-6,15)
ESSÊNCIA DO PECADO -
SUBMIS.sÃO DA RAZÃo ÀS P AIXÓES
Capítulo 3
Busca da origem do pecado
6. Ag. Tu me perguntas: Qual a causa de procedermos
mal? E preciso examinarmos, primeiramente, o que seja
proceder mal. Dize-me o que pensas a esse respeito. Ou,
se não podes resumir todo o teu pensamento em poucas
palavras, pelo menos, dá-me a conhecer tua opinião,
mencionando algumas más ações, em especial.
Eu. Os adultérios, os homicídios e os sacrilégios,7 sem
falar de outros maus procedimentos, os quais não posso
enumerar, por me faltar tempo e memória. Quem não
considera aquelas ações como más?
Ag. Dize-me, primeiro, por que consideras o adultério
como má ação? Não será porque a lei o proíbe de ser
cometido?
Eu. Por certo que não. Ele não é um mal precisamente
por ser proibido pela lei, mas, ao contrário, é proibido pela
lei por ser mal.
Ag. Pois bem! Mas se alguém insistir junto a nós,
exagerando os prazeres do adultério e perguntando-nos
por que o julgamos mau e condenável? Seria preciso, na
tua opinião, recorrer à autoridade da lei, junto àqueles
que desejam não somente crer, mas também entender?
Pois eu também, como tu, creio inabalavelmente e até
31 ESSÊNCIA DO PECADO
proclamo que todas as nações e povos devem admitir ser
o adultério um mal. Agora, porém, a respeito dessas
verdades confiadas à nossa fé, esforçamo-nos de ter igualmente
um conhecimento pela razão, mantendo-as com
certeza plena.8 Reflete, pois, o quanto puderes, e dize-me
por quais motivos crês que o adultério é um mal.
Eu. Sei que é um mal porque não quisera ser eu
mesmo vítima dele, na pessoa de minha esposa. Ora,
quem quer que faça um maio qual não quer que lhe façam,
procede mal.
Ag. Então! E se a paixão inspirasse a alguém de
entregar sua própria esposa a outro, e de aceitar voluntariamente
que ela fosse violentada, desejando ele, por sua
vez, obter a mesma permissão em relação à esposa do
outro? Conforme tua opinião, não faria ele mal nenhum?
Eu. Ao contrário, ele agiria muito mal.
Ag. Mas conforme a regra proposta há pouco por ti,
esse homem não peca, porque não faz o que não gostaria
de suportar. Procura, por conseguinte, outra razão para
me convenceres de que o adultério é mal.
Razões insuficientes da origem do mal
7. Eu. Parece-me ser o adultério ato mau, porque muitas
vezes tenho visto homens serem condenados por esse
crIme.
Ag. Ora! Não se tem condenado também, com freqüência,
a muitos homens, por suas boas ações? Recorda
aquela história, ejá não te envio a outros livros profanos,
mas à história que é mais excelente que todas as outras,
por gozar da autoridade divina (os Atos dos Apóstolos).
Encontrarás aí o quanto deveríamos ter em má opinião os
apóstolos e todos os mártires, se aceitássemos ser a
condenação de um homem por outros o sinal certo de má
ação. Pois todos aqueles cristãos foram julgados dignos de
o PECADO PROVÉM DO LIVRE-ARBÍTRIO 32
condenação por terem confessado a sua fé. De modo que,
se for mal tudo o que os homens condenam, segue-se que,
naquele tempo, era crime crer em Cristo e confessar a
própria fé. Mas se nem tudo o que é condenado pelos
homens é ~al, será preciso que procures outra razão que
te permita me garantir que o adultério é mal.
Eu. Nada encontro para te responder.
o mal prouém da paixão interior
8. Ag. Talvez seja na paixão que esteja a malícia do
adultério. Pois ao procurares o mal num ato exterior
visível, caíste em impasse. Para te fazer compreender que
a paixão é bem aquilo que é mal no adultério, considera
um homem que está impossibilitado de abusar da mulher
de seu próximo. Todavia, se for demonstrado, de um modo
ou de outro, qual o seu intento e que o teria realizado se o
pudesse, segue-se que ele não é menos culpado por aí do
que se tivesse sido apanhado em flagrante delito (Mt 5,28).
Eu. Nada é tão evidente. Vejo já não ser mais preciso
longos discursos para me convenceres do mesmo a respeito
do homicídio, do sacrilégio e, enfim, de todos os outros
pecados. Com efeito, é claro que em todas as espécies de
ações más é a paixão que domina.9
Capítulo 4
Objeção: e os homicídios cometidos sem paixão?
9. Ag. Sabes que essa paixão é também denominada
concupiscência?lO
Eu. Sei.
Ag. E o que pensas? Entre essa concupiscência e o
medo, há alguma diferença ou nenhuma?
33 ESSÊNCIA DO PECADO
Eu. Parece-me haver grande diferença entre eles.
Ag. Acho que és dessa opinião porque a concupiscência
tende para o objeto e que o medo o foge?
Eu. É bem como dizes.
Ag. Pois bem! Se um homem matar a outro, não
pelo desejo de conseguir alguma coisa, mas pelo temor
de que lhe suceda algum mal? Não seria esse homem
homicida?
Eu. Certamente, o seria. Mas nem por isso sua ação
deixaria de ser dominada pela concupiscência. Pois aquele
que mata um homem levado pelo medo, deseja, sem
dúvida, viver sem medo.
Ag. E parece-te que viver sem medo é algum bem de
somenos?
Eu. Ao contrário, parece-me ser um bem muito grande.
Mas de modo algum esse bem deve chegar ao homicida
por meio de crime.
Ag. Não pergunto o que pode chegar a esse homem,
mas o que deseja. Pois, por certo, visa a um bem quem
deseja uma vida isenta de medo. Por isso, não podemos
condenar tal desejo. Caso contrário, deveríamos declarar
culposos todos aqueles que desejam algum bem. Logo,
somos forçados a reconhecer que há uma espécie de
homicídio no qual não se pode encontrar a primazia de
mau desejo. Portanto, não será exato dizer que todo
pecado, para que sej a mal, nele a paixão deve dominar. Ou
em outras palavras, haveria uma espécie de homicídio
que poderia não ser pecado.
Eu. De fato. Se o homicídio consiste no ato de matar
um homem, pode acontecer que isso seja, por vezes, sem
pecado. Pois o soldado mata o inimigo; o juiz ou seu
mandante executa o criminoso; e também, talvez, o lançador
de flechas, quando uma delas escapa de suas mãos,
sem o querer ou por inadvertência. Todas essas pessoas
não me parecem pecar ao matar um homem.
2. o Livre-arbitrio
o PEG'M>O PROVÉM DO LIVRE-ARBÍTRIO 34
Ag. Concordo. Mas comumente essas pessoas sequer
são chamadas homicidas. Assim, responde agora: se algum
escravo, temendo graves tormentos, mata o seu senhor,
pensas que ele deve ser incluído ou não entre aqueles
que matam nessas circunstâncias que não merecem o
nome de homicídio?
Eu. Vejo umá grande diferença entre esse último
homem, o escravo, e os outros. Pois estes, ou bem atuam
conforme a lei , ou então nada fazem contra ela. -Ao passo.
que o crime desse último não tem a aprovaçao de leI
alguma.
10. Ag. Outra vez, tu me conduzes à autoridade, como
razão última. Não deves esquecer, porém, o que nós nos
propusemos neste momento: compreender aquilo a que
damos crédito. Ora, quanto à lei, nós cremos nela, mas é
preciso tentar, na medida do possível, compreender este
ponto: a lei ao punir tal ato, se assim o faz ou não, com
razão.
Eu. De modo algum a lei pune sem razão neste caso.
Pois ela pune o escravo que, sabendo e querendo, matou
o seu senhor. O que não acontece nos outros casos
supracitados.
Ag. Como? Não te lembras teres dito, há um instante,
que a paixão domina em toda má ação e que essa se torna
má, por isso mesmo?
Eu. Recordo-me perfeitamente.
Ag. E ainda: não concedeste, igualmente, que se
alguém deseja viver sem medo não possui mau desejo?
Eu. Também me recordo disso.
Ag. Logo, quando aquele senhor é morto pelo escravo,
levado este pelo desejo de viver sem temor, não o mata por
desejo culpáveL Por conseqüência, ainda não compreendemos
qual o motivo de essa ação ser criminosa. Posto que
estamos concordes em que todas as ações más unicamente
35 ESSÊNCIA DO PECADO
são más por causa da paixão pela qual são praticadas, isto
é, por desejo culpável.
Eu. Agora, aquele escravo parece-me ser condenado
injustamente. Mas, na verdade, não ousaria afirmar isso,
se pudesse encontrar alguma outra razão a apresentar.
Ag. Será possível que te tenhas convencido de se
dever declarar impune crime tão grande, antes de examinares
com cuidado se acaso esse escravo não desejava, no
fundo, libertar-se do temor de seu senhor, unicamente
para satisfazer as suas paixões? Com efeito, desejar vida
sem temor, não só é próprio de homens bons, como também
dos maus. Com esta diferença, porém: os bons o
desejam renunciando ao amor daquelas coisas que não se
podem possuir sem perigo de perdê-las. Os maus, ao
contrário, desejam uma vida sem temor, para gozar plena
e seguramente de tais coisas, e para isso esforçam-se de
qualquer modo para afastar todos os obstáculos que o
impeçam. Levam então vida criminosa e perversa - vida
que deveria antes ser chamada de morte.
Eu. Confesso meu erro, e alegro-me muito de haver
compreendido claramente a natureza desse desejo
culpável que se chama paixão. Agora, vejo com evidência
em que consiste esse amor desordenado por aquelas
coisas terrenas que se podem perder contra a própria
vontade.
Capítulo 5
Outra objeção: e os homicídios cometidos em
autodefesa, admitidos pela lei civil?
11. Eu. Procuremos pois agora, caso te agrade, se é a
paixão que também domina nos sacrilégios, os quais
vemos, muitas vezes, serem cometidos por superstição.
o PECADO PROVÉM DO LIVRE-ARBÍTRIO 36
Ag. Considera se não é prematura tal questão. A mim
parece .. me ser preciso examinar, primeiramente, se acaso
pode-se matar;, sem nenhuma espécie de paixão, a um
inimigo que violentamente nos ataca ou a um assaltante
que se lança contra nós de modo traiçoeiro. Isso em defesa,
seja da própria vida, seja da liberdade ou do pudor.
Eu. Com poderia pensar que estejam sem paixão
aqueles que lutam para salvaguardar essas coisas, as
quais só poderiam vir a perder contra a própria vontade?
Ou então, caso não as percam desse modo, qual seria a
necessidade de as defender a ponto de causar a morte de
um homem?
Ag. Não serão então justas as leis que permitem a,um
viajante matar a seu assaltante, para que ele mesmo não
seja morto? Ou ainda, o fato de ser permitido a um homem
ou a uma mulher, cuja virtude querem violentar, de
exterminarem o seu agressor, antes de serem estu prados?
Ora, a própria lei ordena ao soldado de matar o inimigo.
E no caso de ele se recusar a isso, teria punição por parte
de seus chefes. Porventura, ousaríamos afirmar que tais
leis são injustas e mesmo não serem leis? Porque a mim
me parece que uma lei que não seja justa não é lei.ll
Poder matar um agressor não significa deuer matá-lo
12. Eu. Quanto à lei, eu a vejo suficientemente defendida
dessa acusação, pelo fato de ela permitir ao povo, ao qual
rege, delitos menores para impedir que se cometam outros
piores. Com efeito, a morte de agressor injusto é mal
menor do que a de um homem que mata em legítima
defesa. E que um homem seja violentado em seu corpo
contra sua vontade é coisa bem mais horrível do que o fato
de o autor de tamanha violência ser morto por aquele a
quem intentava agredir. Quanto ao soldado ao matar o
inimigo, é ele mesmo o ministro da lei. Razão pela qual lhe
37 ESSÊNCIA DO PECADO
é fácil cumprir seu dever, sem qualquer paixão. Além do
mais, a própria lei que foi promulgada para a defesa
do povo não merece acusação alguma de ser portadora
de qualquer paixão. Porque se aquele que fez a lei a
decretou para proteger o povo, conforme a ordem de Deus,
isto é, de acordo com as prescrições da justiça eterna, ele
a decretou sem se sentir movido pela paixão. Mas mesmo
se tivesse sido movido por alguma paixão ao legislar, não
se segue daí que se deva ceder à paixão, ao observá-la. Pois
uma boa lei pode ser dada por mau legislador. Por exemplo,
se um tirano, tendo chegado ao poder, recebe uma
soma de dinheiro de certo cidadão, a quem isso interessa,
para ser decretado que a ninguém seja lícito raptar uma
mulher-nem mesmo para se casar com ela -, acaso será
má essa lei, pelo fato de ter sido dada por injusto e
corrompido tirano? Pode-se portanto, sem paixão, conformar-
se à lei, a qual, para proteger os cidadãos, manda
repelir com força o assalto violento do inimigo. E pode-se
dizer a mesma coisa acerca de todos aqueles que estão
jurídica e hierarquicament~ sob as ordens de qualquer
autoridade.
Entretanto, em relação àquelas outras pessoas de
que falávamos, não vejo como, após termos justificado a
lei, possam elas mesmas serem desculpadas. Visto que a
lei não as obriga a matar. Deixa-lhes somente a possibilidade
de o fazer. Ficam elas assim livres de não matar
a ninguém, em defesa daqueles bens que poderiam perder
contra a própria vontade e que devido a isso não
deveriam amar com tanto apego. Assim, quanto à vida,
alguém se poderá perguntar, talvez, se ela é ou não tirada,
com a morte do corpo. Caso ela possa ser tirada, então
é um bem menos apreciável. Caso não possa, nada há para
se temer.
Quanto ao pudor, quem duvida que ele reside na
própria alma, visto ser uma virtude? De onde se seo
PECADO PROVÉM DO LIVRE-ARBÍTRIO 38
gue que não poderá ser arrebatado pela profanação
involuntária do corpo_ Por conseguinte, não está em
nosso poder conservar tudo o que aquele injusto agressor
poderia nos arrebatar, ele a quem se pode infligir a
morte.
Assim, não compreendo em que sentido podemos
dizer que esse bem, a vida do corpo, é chamado "nosso".
Malgrado isso, não condeno a lei que autoriza matar os
agressores. Mas não encontro como justificar aos que de
fato os matam.
As paixões - desculpadas pela lei civil,
condenadas pela lei divina
13. Ag. E eu encontro menos motivo ainda, por qual
razão procuras defender esses homens aos quais nenhuma
lei considera como culpados.
Ev. Talvez, não os condene nenhuma dessas leis
exteriores que os homens podem ler. Mas não sei se eles
mesmos não estão sujeitos a outra lei, muito mais rigorosa,
e bem secreta, já que a divina Providênca nada deixa
de governar neste mundo. Diante dessa lei divina, com
efeito, como poderiam estar isentos de pecado aqueles que
se mancham com sangue humano, para defender coisas
dignas de menos apreço? Parece-me, pois, que a lei escrita
para governar os povos autoriza, com razão, atos que a
Providência divina pune. Isso porque a lei humana está
encarregada de reprimir crimes, em vista de manter a paz
entre homens carentes de experiência, e o quanto estiver
ao alcance do governo, constituído de homens mortais.
Quanto às outras faltas, é certo que existem para elas
penalidades adequadas, as quais, a meu parecer, só mesmo
a sabedoria pode libertar. 12
Ag. Louvo e aprovo esta distinção que propões, ainda
que apenas esboçada e imperfeita. E ela, entretanto,
39 ESSÊNCIA DO PECADO
promissora em vista de reger a sociedade civil. Parece
tol:rar e d.eixar impunes muitas ações que, não obstante,
serao pumdas pela Providência divina, com razão. Isso é
~erdade,. mas se a lei humana não faz tudo, não será por
ISSO motIvo de reprovação pelo que faz. 13
Capítulo 6
Solução: saber distinguir
a lei eterna das leis temporais
14. Ag. Se te agrada, procuremos agora, com cuidado, até
que ponto as más ações devem ser castigadas pela lei
h~mana que modera os povos nesta vida. Em seguida,
vejamos o que cabe à ação punitiva da Providência divina
de certo modo oculto, mas inevitável. '
. . Ev. O meu desejo, caso seja possível, é atingir os
lImItes dessa questão. Pois a mim parece-me que estamos
roçando algo sem fim.
Ag. Pois bem, coragem! Envereda nos caminhos da
razão, .c onfiando-te na piedade. Na verdade, nada existe
q~~ seja tão ~rduo e dificil que não se torne, com a ajuda
d~vma, bem sImples e fácil. E assim, orientados para Deus
e Implorando-lhe o auxílio, havemos de investigar o tema
que nos propusemos. 14
Respon~e~me, ,primeiramente: essa lei que se pro~
ulga nos COdlgOS e ela, na verdade, útil aos homens que
VIvem aqui na terra?
Ev. Evidentemente que sim, pois os povos e as cidades
são constituídos por homens.
Ag. E esses mesmos homens e povos pertencem eles
à categoria das coisas que não podem perecer nem mudar
por serem eternos, ou, ao contrário são eles mutáveis ~
sujeitos ao fluxo do tempo? '
o PECADO PROVÉM DO LIVRE-ARBÍTRIO 40
Eu. Quem duvida que a espécie humana seja mu tável
e sujeita às vicissitudes do tempo?
Ag. ~ogo, quando um povo for de costumes moderados
e dignos, guardião diligente da utilidade pública, a
ponto de cada um preferir o bem comum ao seu interesse
particular, não seria justo ao dito povo poder promulgar
uma lei que lhe permitisse nomear para si magistrados
encarregados de administrar os seus negócios, isto é, os
negócios públicos?
Eu. Seria muito justo, sem dúvida.
Ag. Contudo, no caso de esse mesmo povo ir caindo
aos poucos, depravando-se, e caso ponha o seu interesse
particular acima do interesse público, e vier a vender o seu
sufrágio livre, por dinheiro? Além do mais, corrompido
por aqueles que ambicionam as honras, confiar o governo
a homens malvados e criminosos, não seria justo - caso
ainda se encontrasse um só homem de bem, revestido de
influência excepcional- que esse homem tirasse do povo
a faculdade de poder distribuir as honras, para depositar
a decisão15 nas mãos de alguns poucos cidadãos honestos
ou mesmo de um só que fosse?16
Eu. Isso também seria muito justo.
Ag. Eis, pois, duas leis que parecem estar em contradição
entre si. Uma delas confere ao povo o poder de
eleger os seus magistrados; a outra recusa-lhe essa prerrogativa.
E a segunda lei mostra-se expressa em tais
moldes que as duas não podem de modo algum coexistir
juntas, na mesma cidade. Assim sendo, haveríamos de
dizer que uma delas é injusta e não deveria ter sido
promulgada?
Eu. De modo algum.
Ag. Denominemos, pois, se o quiseres, de temporal a
essa lei que a princípio é justa, entretanto, conforme as
circunstâncias dos tempos, pode ser mudada, sem injustiça.
Eu. Assim seja.
41 ESSÊNCIA DO PECADO
Noção da lei eterna
15. Ag. Mas quanto àquela lei que é chamada a Razão
suprema de tudo,17 à qual é preciso obedecer sempre
e em virtude da qual os bons merecem vida feliz18 e os
maus vida infeliz, é ela o fundamento da retidão e das
modificações daquela outra lei que justamente denominamos
temporal, como já explicamos? Poderá a lei eterna
parecer, a quem quer que reflita a esse respeito, não ser
imutável e eterna ou, em outros termos, poderá ela ser
alguma vez considerada injusta, quando os maus tornam-
se desaventurados e os bons, bem-aventurados? Ou
então, que a um povo de costumes pacíficos seja dado o
direito de eleger os seus próprios magistrados, ao passo
que a um povo dissoluto e pervertido sej a -lhe retirado esse
direito?
Eu. Reconheço que tal lei é eterna e imutável.
Ag. Reconhecerás também, espero, que na lei temporal
dos homens nada existe de justo e legítimo que não
tenha sido tirado da lei eterna. Assim, no mencionado
exemplo do povo que, às vezes, tem justamente o direito
de eleger seus magistrados e, às vezes, não menos justamente,
não goza mais desse direito, a justiça dessas diversidades
temporais procede da lei eterna, conforme a
qual é sempre justo que um povo sensato eleja seus
governantes e que um povo irresponsável não o possa.
Acaso és de opinião diferente?
Eu. Sou dessa mesma opinião.
Ag. Então, para exprimir em poucas palavras, o quanto
possível, a noção impressa em nosso espírito dessa lei
eterna, direi que ela é aquela lei em virtude da qual é justo
que todas as coisas estejam perfeitamente ordenadas. 19
Se tens, porém, outra opinião, apresenta-a.
Eu. Nada tenho a te contradizer, pois dizes a verdade.
o PECADO PROVÉM DO LIVRE-ARBÍTRIO 42
Ag. E como tal lei superior é a única sobre a qual
todas as leis temporais regulam as mudanças a serem
introduzidas no governo dos homens, poderá ela, por
causa disso, variar em si mesma de algum modo?
Eu. Compreendo que não o possa de modo algum.
Com efeito, nenhuma força, nenhum acontecimento, nenhuma
catástrofe nunca conseguirá fazer com que não
seja justo que todas as coisas estejam conformes a uma
ordem perfeita.
SEGUNDA PARTE (7,16-11,22)
A CAUSA DO PECADO -
O ABUSO DA VONTADE LIVRE
Capítulo 7
O homem - superior aos animais pela razão
16. Ag.Prossigamos e vejamos agora como o homem está
perfeitamente ordenado em si mesmo. Pois já vimos que
uma nação constitui-se de homens unidos entre si, sob
uma única lei, que é, como foi dito, a lei temporaL Mas
dize-me, primeiramente, se para ti é certeza absoluta o
fato de viveres?
Eu. E o que haveria de mais evidente do que isso?
Ag. Pois bem! E poderias distinguir o seguinte: uma
coisa é viver, e outra coisa saber que se vive?
Eu. Por certo, sei que ninguém pode saber que vive, sem
estar vivo. Mas se todo ser vivo sabe que vive, eu o ignoro.
Ag. Como quisera que entendesses isso, tal como
acreditas que os animais carecem de razão. 20 Nossa reflexão,
então, haveria de passar rapidamente acima dessa
dificuldade. Entretanto, como afirmas ignorá-lo devemos
nos estender em longo desenvolvimento. Isso porque não
se trata de assunto cuja omissão pudesse nos permitir
adiantar na obtenção do objeto proposto, com a conexão de
raciocínio que sinto ser necessária.
Responde-me, pois, o seguinte: muitas vezes temos
visto animais domados pelos homens, isto é, dominados,
o PECADO PROVÉM DO LIVRE-ARBÍTRIO 44
não somente em relação ao corpo, mas também quanto
a seu princípio vital, de tal forma que obedecem à
vontade dos homens por uma espécie de instinto ou
hábito. Ora, o que te parece? Poderia acontecer jamais
o caso de um animal feroz, tivesse ele grande corpulência
e uma prodigiosa força, ou os sentidos mais
penetrantes, a ponto de tentar, por sua vez, dominar o
homem, esforçando-se por subjugá-lo? Digo isso porque
muitos animais seriam capazes, por sua ferocidade
ou por sua astúcia, de esquartejar o corpo de qualquer
homem.
Eu. Estou seguro de que tal possibilidade é inteiramente
impossível de acontecer.
Ag. Muito bem! Mas dize-me ainda: Não é evidente
que quanto à força e outras habilidades corporais,
o homem é facilmente ultrapassdo por certo número
de animais? Assim sendo, qual é pois o princípio que
constitui a excelência do homem, de modo que animal
algum consiga exercer sobre ele sua força, ao passo que
o homem exerce seu poder sobre muitos deles? Não será
por aquilo que se costuma denominar razão ou inteligência?
21
Eu. Não encontro outra coisa. Pois é no espírito que
reside a faculdade pela qual nós somos superiores aos
animais. E se eles fossem seres inanimados, eu diria que
nossa superioridade vem do fato de que possuímos uma
alma, e eles não. Mas acontece que também eles são
animados. Contudo, existe alguma coisa que, não existindo
na alma deles, existe na nossa, e por isso achamse
submetidos a nós. Ora, é claro para todos que essa
faculdade não é um puro nada, nem pouca coisa. E
que outro nome lhe daríamos mais correto do que o de
razão?
Ag. Eis, pois, com que facilidade obtivemos, com a
ajuda de Deus, o que podíamos considerar como muito
45 A CAUSA DO PECADO
dificil. Pois, quanto a mim, eu te confesso que essa questão
agora está resolvida. E pensara eu haver de nos reter por
muito tempo nela, talvez mais do que tudo o que já
dissemos desde o início de nossa reflexão. Assim, pois,
retém esta verdade com cuidado, para continuarmos o
encadeamento das idéias. Com efeito, creio que já não
ignoras: o que denominamos saber não vem a ser nada
mais do que se perceber pela razão.
Ev. Assim é com efeito.
Ag. Por conseguinte, aquele que sabe que vive, não
está privado da razão?
Eu. Isso se segue.
Ag. Ora, os animais vivem, como já nos apareceu com
clareza, mas não são dotados de razão.
Ev. Evidente.
Ag. Eis, então, que agora entendes o que me respondeste
ignorar: nem todo ser vivo sabe que vive, ainda que
todo aquele que sabe que vive seja necessariamente ser
vivo.
É melhor saber que se uive do que apenas viver
17. Eu. Não tenho mais dúvidas. Prossegue no que tens
em vista. Com efeito, uma coisa é viver, e outra coisa saber
que se vive. Já o aprendi suficientemente.
Ag. E qual dessas duas coisas te parece ser a melhor?
Ev. A qual, pensas, senão a consciência (scientia) da
vida?
Ag. A consciência da vida parece-te melhor do que a
própria vida? Ou talvez queiras dizer que o conhecimento
é uma vida mais alta e mais pura, a qual ninguém pode
alcançar a não ser que seja dotado de inteligência?
Ora, o que é ter inteligência a não ser viver com mais
perfeição e esplendor, graças à luz mesma da mente? É
porque, se não me engano, tu não preferiste algo distinto
o PECADO PROVÉM DO LIVRE-ARBÍTRIO 46
da própria vida, mas sim uma vida melhor do que uma
vida qualquer.
Eu. Compreendeste e expuseste meu pensamento de
maneira correta. Visto que o conhecimento nunca pode
ser mal.
Ag. Na minha opinião, não o pode ser de modo algum,
a não ser quando, por metáfora, falamos de conhecimento
para significar experiência. Porque experimentar nem
sempre é bem, como, por exemplo, experimentar suplícios.
Mas aquela ciência que se denomina pura e propriamente
conhecimento, tendo sido adquirida pela razão e
pela inteligência, como poderia ser ela mal?
Eu. Percebo também essa distinção. Passa a outro
ponto.
Capítulo 8
O lugar do homem na escala
da perfeição dos seres
18. Ag. Eis o que eu quero te explicar agora: o que põe o
homem acima dos animais, seja qual for o nome com que
designemos tal faculdade, seja mente ou espírito, ou com
mais propriedade um e outro indistintamente, porque
encontramos esses dois vocábulos também nos Livros
Sagrados - quando pois esse elemento superior domina
no homem e comanda a todos os outros elementos que o
constituem, ele encontra-se perfeitamente ordenado. Com
efeito, vemos que temos muitos elementos comuns, não
somente com os animais, mas também com as árvores e
plantas, tais como: ingerir alimento, crescer, gerar, fortificar-
se. Vemos que todas essas propriedades são concedidas
igualmente às árvores, as quais pertencem a um grau
bem ínfimo, entre os seres vivos. Constatamos ainda, e
47 A CAUSA DO PECADO
devemos reconhecer, que os animais podem ver, entender
e sentir os objetos corporais, por meio do olfato, do
gosto, do tato e, freqüentemente, com mais penetração
do que nós. Além do que há neles força, vigor, solidez
dos membros, rapidez e grande agilidade de movimentos
corporais. Em tudo isso, nós somos superiores a alguns
deles, iguais a outros e, a vários dentre eles, inferiores.
Sem dúvida, possuímos natureza genérica comum
com os animais. Entretanto, a busca dos prazeres do corpo
e a fuga dos dissabores constituem atividade da vida
animal.
Há ainda outras propriedades que não parecem convir
aos animais, sem que todavia sejam no homem as mais
perfeitas, como, por exemplo, divertir-se e rir. Por certo,
são expressões características do homem, mas as menos
importantes, no julgamento de quem julga a natureza
humana. Vêm a seguir, o amor aos elogios e à glória e o
desejo de dominar, tendências essas que também não
pertencem aos animais. Contudo, não devemos nos julgar
melhores do que eles, por possuirmos essas paixões. Pois
tais inclinações, ao se revoltarem contra a razão, nos
tornam infortunados. Ora, ninguém jamais se pretendeu
superior a outros, por sua miséria.
Por conseguinte, só quando a razão domina a todos os
movimentos da alma, o homem deve se dizer perfeitamente
ordenado. Porque não se pode falar de ordem justa, sequer
simplesmente de ordem, onde as coisas melhores estão
subordinadas às menos boas. Acaso não te parece ser assim?
Eu. É evidente que é dessa maneira.
Ag. Então, quando a razão, a mente ou o espírito governa
os movimentos irracionais da alma, é que está a
dominar na verdade no homem aquilo que precisamente
deve dominar, em virtude daquela lei que reconhecemos
como sendo a lei eterna.
Eu. Compreendo e sigo teu raciocínio.
o PECADO PROVÉM DO LIVRE-ARBÍTRIO 48
Capítulo 9
O homem sábio -
aquele que vive submisso à razão
19. Ag. Quando um homem está assim constituído e
ordenado, não te parece ser ele sábio?
Eu. Não concebo outro tipo de homem que poderia
parecer-me sábio, se esse não o for.
Ag. Sabes, também, eu o penso, que a maioria do~ homens
é formada de insensatos (stultos)?
Eu. Isso é fato bastante comprovado.
Ag. Pois bem, o insensato é o oposto do homem sábio,
conforme a idéia que adquirimos a respeito de um sábio.
Compreendes, agora, o que seja o insensato?
Eu. A quem não será evidente que o insensato é aquele
em quem a mente não reina como autoridade suprema?
Ag. O que dizer então quando um homem se encontra
nessa situação? É a mente que lhe falta ou, então, apesar
de ela estar presente, falta-lhe o domínio que lhe corresponde?
Eu. É antes o que acabas de dizer por último.
Ag. Gostaria de ouvir de ti por quais indícios constatas
num homem a presença da mente, mesmo quando não
exerce o seu domínio?
Ex. Oxalá, queiras tu mesmo assumir esse encargo,
porque não me é fácil apresentar o que propões.
Ag. Podes, pelo menos, te lembrar facilmente do que
dissemos há pouco (cf. 7,16.17), a saber: que os animais,
domados e domesticados pelos homens, os dominariam
por sua vez - como nos demonstrou a razão -, se os
homens não possuíssem sobre eles alguma superioridade.
Ora, essa superioridade não a descobrimos nos corpos.
49 A CAUSA DO PECADO
Assim, como nos pareceu, reside na alma. E não encontramos
para ela outro nome mais adequado do que o de razão.
Ainda que a seguir nós nos lembramos de que ela também
pode ser denominada mente ou espírito. Mas se é verdade
que a mente é uma coisa e a razão outra, em todo caso é
certo que somente a mente pode se servir da razão. Donde
a conseqüência: aquele que é dotado de razão não pode
estar privado da mente.
Eu. Lembro-me perfeitamente dessas conclusões e as
admito.
Ag. Pois bem! É tua opinião que os domadores de
animais ferozes não podem ser encontrados a não ser
entre homens sábios? E denomino sábio a quem a verdade
manda assim ser chamado. Isto é, aquele cuja vida está
pacificada pela total submissão das paixões ao domínio da
mente.
Eu. Seria ridículo considerar como sábio a todos
os que comumente são chamados domadores. Ou ainda,
os pastores, vaqueiros ou cocheiros e todos os que vemos
dominar os animais domesticados ou os que logram
submeter a si, por sua habilidade, os animais
indômitos.
Ag. Agora, tens por aí um sinal certíssimo para
reconhecer claramente a existência no homem de
uma mente, ainda que essa mente não exerça o seu
domínio. Os homens, a que te referiste, possuem de
fato a mente, pois não realizariam ações que executam
se não a tivessem. Mas essa mente não exerce o domínio
sobre eles mesmos, e assim são uns insensatos. E é
sabido que o reino da mente não pertence a não ser aos
sábios.
Eu. É espantoso que, esse assunto já tendo sido
refletido acima, não me tenha ocorrido nenhuma
resposta conveniente ao me perguntares a esse respeito.
22
o PECADO PROVÉM DO LIVRE-ARBÍTRIO 50
Capítulo 10
Nada força a razão a submeter-se às paixões.
20. Eu. Mas passemos agora a outros aspectos. Já· demonstramos
que no homem o senhorio da mente constitui
a sabedoria, entretanto a mente pode não exercer de fato
esse seu senhorio.
Ag. Julgas que a paixão seja mais poderosa do que a
mente, à qual sabemos que por lei eterna foi-lhe dado o
domínio sobre todas as paixões? Quan to a mim, não o creio
de modo algum, pois, caso o fosse, seria a negação daquela
ordem muito perfeita de que o mais forte mande no menos
forte. Por isso, é necessário, a meu entender, que a
mente seja mais poderosa do que a paixão e pelo fato mesmo
será totalmente justo e correto que a mente a domine.
Eu. Também sou do mesmo parecer.
Ag. Então! Haverás de hesitar em pôr toda e cada
virtude acima de qualquer espécie de vício, de tal forma
que quanto mais uma virtude for nobre e sublime, mais
ela será forte e invencível?
Eu. Quem o poderia duvidar?
Ag. Logo, nenhuma alma viciada pode dominar outra
munida de virtudes.
Eu. É bem verdade.
Ag. E ainda: qualquer espírito há de ser mais nobre
e poderoso do que qualquer ser corporal. Isso tampouco o
negarás,espero?
Eu. Ninguém o negará. O que é fácil verificar, ao ver que
se deve preferir um ser vivo a um ser não vivo; e que a
substância que dá vida vale mais do que aquela que a recebe.
Ag. Com mais forte razão, por conseguinte, um corpo,
seja ele qual for, não poderia vencer um espírito dotado de
virtude?
51 A CAUSA DO PECADO
Eu. Evidentíssimo que não.
Ag. Então! O espírito justo, e a mente firme em seu
direito e conservando seu domínio, poderá afastar-se de
sua força e submeter à paixão outra mente que reina com
igual eqüidade e virtude?
Eu. De modo algum. Não somente porque a excelência
é igual em uma e outra, mas, também, a primeira
mente não poderia obrigar a outra a se tornar viciada, sem
ela mesma decair de sua justiça e tornar-se viciada,
ficando por isso mesmo mais fraca.
21a. Ag. Compreendeste-me bem. É porque não te resta
agora senão responder a esta questão, se puderes: Existe,
na tua opinião, algo mais nobre do que a mente dotada
de razão e sabedoria?
Eu. A meu ver, nada existe, exceto Deus.
Ag. Essa é igualmente a minha opinião. Mas por ser
o assunto dificil, e o momento ainda não haver chegado
para plena compreensão, ainda que aí esteja uma das
verdades que precisamos crer com fé firmíssima, reservemos
para esse tema uma exposição completa, diligente e
cautelosa, em outro tempo.
Capítulo lla
O Ser supremo não constrange a mente humana
a ser escrava das paixões
21b. Ag. Com efeito, por enquanto, baste-nos saber que
esse Ser, seja ele qual for, capaz de ultrapassar em
excelência a mente dotada de virtude, não poderia de
modo algum ser um Ser injusto. Tampouco, ainda que
tivesse esse poder, ele não forçaria a mente a submeter-se
às paixões.
o PECADO PROVÉM DO LIVRE-ARBÍTRIO 52
Ev. Não há ninguém que deixe de admitir essa é:!-firmação,
sem hesitação alguma.
o responsável pela submissão às paixões
só pode ser o livre-arbítrio
21c. Ag. Logo, só me resta concluir: se, de um lado, tudo o
que é igualou superior à mente que exerce seu natural
senhorio e acha-se dotada de virtude não pode fazer dela
escrava da paixão, por causa da justiça, por outro lado,
tudo o que lhe é inferior tampouco o pode, por causa dessa
mesma inferioridade, como demonstram as constatações
precedentes. Portanto, não há nenhuma outra realidade
que torne a mente cúmplice da paixão a não ser a própria
vontade e o livre-arbítrio.23
Ev. Não vejo conclusão nenhuma tão necessária quanto
essa.
o pecado porta em si muitos males
22. Ag. Logo, deve te parecer também lógico que a mente
seja punida por tão grande pecado.
Ev. Não o posso negar.
Ag. Julgaremos que para a mente poderá ser um
pequeno castigo ser dominada pela paixão e despojada
das riquezas da virtude, tornar-se pobre e desgraçada, ser
puxada por ela em todos os sentidos? Às vezes, aprovar a
falsidade em vez da verdade; outras vezes, parecer mesmo
defender o erro; outras condenar o que até então aprovava;
e não obstante, precipitar-se em novos erros? Numa
hora, suspender o seujulgamento até temer as razões que
a esclareceriam; noutra, desesperar de jamais encontrar
a verdade e mergulhar totalmente nas trevas da loucura.
Amanhã, esforçar-se por abrir-se na direção da luz da
inteligência, para de novo recair extenuada. Ao mesmo
53 A CAUSA DO PECADO
tempo, o império das paixões ao lhe impor sua tirania,
perturba todo o espírito e a vida desse homem, pela
variedade e oposição de mil tempestades, que tem de
enfrentar. Ir do temor ao desejo; da ansiedade mortal à vã
e falsa alegria; dos tormentos por ter perdido um objeto
que amava ao ardor de adquirir outro que ainda não
possui; das irritações de uma injúria recebida ao insaciável
desejo de vingança. E de todo lado a que se volta, a
avareza cerca esse homem, a luxúria o consome, a ambição
o escraviza, o orgulho o incha, a inveja o tortura, a
ociosidade o aniquila, a obstinação o excita, a humilhação
o abate. E finalmente, quantas outras inumeráveis perturbações
são o cortejo habitual das paixões, quando elas
exercem o seu reinado. Enfim, poderemos considerar
como pouca coisa essas penas que necessariamente suportam
todos aqueles que não aderem à verdadeira sabedoria,
assim como bem o percebes.24
TERCEIRA PARTE (11,23-16,35)
A ATUAÇÃO DA BOA VONTADE PROVA
QUE O PECADO VEM DO LIVRE-ARBÍTRIO
Capítulo Ub
Dúvidas de Evódio
23. Eu. Por certo, considero que é de fato grande essa
punição, e muito justa, no caso de ser aplicada a alguém que,
já se achando estabelecido nas alturas da sabedoria, resolvesse
descer de lá, para se pôr ao serviço das paixões. Mas
será possível encontrar alguém que tenha querido ou "que
queira realizar tal coisa? É bem incerto. Na verdade, cremos
pela fé que o homem foi criado por Deus e formado de modo
perfeito, e que foi por si mesmo e por sua própria vontade que se
precipitou de lá, nas misérias desta vida mortal. Entretanto,
mesmo guardando essas verdades com uma fé muito finne, eu
ainda não consigo entender tudo isso muito bem. Assim, se
julgas, por enquanto, ser preciso retardar um exame sério acerca
dessa questão, tu o farás, mas muito contra a minha vontade.25
Capítulo 12
Uma hipótese do platonismo
24. Eu. Mas eis o que me preocupa ainda mais. Por qual
motivo padecemos nós todos essas espécies de penas tão
cruéis, nós que certamente estamos entre os insensatos,
55 A ATUAÇÃO DA BOA VONTADE
sem que nunca tenhamos sido sábios. Ora, isso seria preciso
para que se diga que tais males nos afligem com justiça, pelo
fato de havermos desertados da fortaleza da virtude e termonos
entregues à escravidão da paixão. Se podes me esclarecer
esse ponto por algum argumento, não deixarei de modo
algum que isso seja remetido para mais tarde.
Ag. Falas como se tivesses a clara convicção de nunca
termos sido sábios. Isso, por não levares em conta a não
ser o tempo a partir do qual nascemos para esta vida. Entretanto,
como a sabedoria reside na alma, pergunto-me
se acaso não terá esta vivido outra vida, antes de se unir
a este corpo. E assim, terá desfrutado antes algum tempo
de posse da sabedoria. Eis uma grande questão, um profundo
mistério, o qual será preciso considerarmos a seu
tempo.26 Apesar disso, aliás, nada impede de esclarecermos,
o quanto possível, a questão que no momento nos ocupa.
o papel da boa uontade
25. Ag. E assim, pergunto-te: Existe em nós alguma
vontade?
Eu. Não o sei dizer.
Ag. E queres sabê-lo?
Eu. Também o ignoro.
Ag. Então, nada mais me perguntes de agora em diante.
Eu. Por quê?
Ag. Porque não devo responder às tuas perguntas, a
não ser que queiras conhecer as respostas. Além do mais,
se não queres chegar à sabedoria, é inútil conversar
contido sobre tais questões. Enfim, não mais poderá ser
meu amigo, se não me quiseres bem. Pelo menos, considera
o seguinte, em relação a ti mesmo: não tens vontade
alguma de levar vida feliz?
Eu. Vejo que não se pode negar que todos tenhamos
desejo disso. Continua, vejamos o que queres concluir por aí.
o PECADO PROVÉM DO LIVRE-ARBÍTRIO 56
Ag. Eu o farei. Mas, antes, dize-me ainda: tens consciência
de possuir boa vontade?
Eu. O que vem a ser a boa vontade?27
Ag. É a vontade pela qual desejamos viver com retidão
e honestidade, para atingirmos o cume da sabedoria.
Considera agora, se não desejas levar uma vida reta e
honesta, ou se não queres ardentemente te tornar sábio.
Ou pelo menos, se ousarias negar que temos a boa vontade,
ao querermos essas coisas.
Eu. Nada disso eu nego, porque admito que não somente
tenho uma vontade, mas, ainda, uma boa vontade.
Ag. E que apreço dás a essa boa vontade? Achas que
se possa compará-la de algum modo com as riquezas, com
as honras ou com os prazeres do corpo, ou ainda, com todas
essas coisas reunidas?
Eu. Deus me livre de loucura tão perniciosa.
Ag. Ser-nos-á preciso, então, alegrar-nos só um pouco,
por possuirmos em nosso espírito esse tesouro, quero
dizer, essa boa vontade? Em comparação a ela, seria preciso
julgar dignos de desprezo todos aqueles outros bens
sobre os quais nos referimos. No entanto, para a sua
posse, vemos multidão de homens não recuar diante de
nenhum ~ansaço, de perigo algum.
Eu. E preciso alegrar-nos e muito, por possuirmos a
boa vontade.
Ag. Pois bem! E aqueles que não desfrutam dessa
alegria, sofrerão apenas pouco dano, pela privação de tão
grande bem?
Eu. Ao contrário, seria para eles o maior de todos os danos.
A boa uontade está em nossas mãos
26. Ag. Portanto, penso que agora já vês: depende de
nossa vontade gozarmos ou sermos privados de tão grande
e verdadeiro bem. Com efeito, haveria alguma cóisa
57 A ATUAÇÃO DA BOA VONTADE
que dependa mais de nossa vontade do que a própria
vontade?28 Ora, quem quer que seja que tenha esta boa
vontade, possui certamente um tesouro bem mais preferível
do que os reinos da terra e todos os prazeres do corpo.
E ao contrário, a quem não a possui, falta-lhe, sem dúvida,
algo que ultrapassa em excelência todos os bens que
escapam a nosso poder. Bens esses que, se escapam a
nosso poder, ela, a vontade sozinha, traria por si mesma.
Por certo, um homem não se considerará muito infeliz se
vier a perder sua boa reputação, riquezas consideráveis
ou bens corporais de toda espécie? Mas não o julgarás,
antes, muito mais infeliz, caso tendo em abundância todos
esses bens, venha ele a se apegar demasiadamente a tudo
isso, coisas essas que podem ser perdidas bem facilmente
e que não são conquistadas quando se quer? Ao passo que,
sendo privado da boa vontade - bem incomparavelmente
superior -, para reaver tão grande bem, a única exigência
é que o queira!
Eu. Nada há de mais verdadeiro.
Ag. É pois com todajustiça que os homens insensatos
padeçam aquela miséria de que falamos. E isso mesmo
sem nunca terem sido sábios é questão problemática e
bem obscura.
Eu. Concordo.
Capítulo 13
Nossa boa vontade implica
o exercício das quatro virtudes cardeais
27. Ag. Considera, agora, se a prudência não te parece o
conhecimento daquelas coisas que precisam ser desejadas
e das que devem ser evitadas.29
Eu. Parece-me que assim é.
o PECADO PROVÉM DO LIVRE-ARBÍTRIO 58
Ag. Pois bem! E a força, não é ela aquela disposição da
alma pela qual nós desprezamos todos os dissabores e a
perda das coisas que não estão sob nosso poder?
Eu. Assim o penso.
Ag. E quanto à temperança, é ela a disposição que
reprime e retém o nosso apetite longe daquelas coisas que
constituem uma vergonha o ser desejadas? Ou acaso és de
outra opinião?
Eu. Pelo contrário, penso como dizes.
Ag. E finalmente sobre ajustiça, o que diremos ser'ela,
senão a virtude pela qual damos a cada um o que é seu?
Eu. Conforme minha opinião é essa a definição da
justiça e nenhuma outra.
Ag. Consideremos, pois, uma pessoa que possua essa
boa vontade de que nossas palavras vêm proclamando a
excelência,já há algum tempo. Ela abraça-a a ela somente, com
verdadeiro amor, nada possuindo de melhor. Goza de seus encantos.
Põe, enfim, seu prazer e sua alegria em meditar sobre ela,
considerando-a quanto é excelente e o quanto é impossível ela
lhe ser arrebatada. Isto é, ser-lhe subtraída, sem seu consentimento.
Poderemos duvidar de que tal pessoa se oporá a todas
as coisas que sejam contrárias a esse único bem?
Eu. É absolutamente necessário que assim seja.
Ag. Podemos deixar de crer que essa pessoa não esteja
também dotada de prudência, ela que vê a obrigação de
desejar esse bem acima de tudo e de evitar o que lhe é oposto?
Eu. De modo algum, parece-me alguém ser capaz
disso, sem a prudência.
Ag. Bem. Mas por que não atribuiríamos também a
força a essa pessoa? Com efeito, ela não poderia amar nem
estimar em alto preço todas aquelas coisas que não estão
sob o nosso poder. Porque tais coisas só são amadas pela
má vontade, à qual ela deve resistir, por serem inimigas
de seu maior bem. Ora, já que tal pessoa não ama essas
coisas perecíveis, não se entristecerá de as perder, posto
59 A ATUAÇÃO DA BOA VONTADE
que as despreza totalmente. E é essa a obra de força, como
foi dito e aceito por nós.
Eu. Demos, pois, a virtude da força a essa pessoa, porque
não compreendo que se possa denominar a alguém de
forte com mais acerto do que aquele que suporta, com
igualdade e tranqüilidade de ânimo, a privação desses bens
cuja aquisição ou conservação não estão em nosso poder.
Ora, que aquela pessoa age assim é um fato evidente.
Ag. Considera ainda se acaso poderás recusar-lhe a
temperança, sendo essa a virtude que reprime as paixões?
Ora, o que há de mais oposto à boa vontade do que a concupiscência?
Compreenderás que por ela, certamente,
quem ama a boa vontade resiste por todos os modos a
essas paixões e opõe-se a elas. Por isso, tal pessoa é
designada com razão de temperante.
Eu. Prossegue. Sou de tua opinião.
Ag. Resta ajustiça. Mas como poderá ela faltar a essa
pessoa, por certo não o vejo. Porque quem possui e ama a
boa vontade e resiste, como dissemos, ao que lhe é contrário,
não pode querer mal a ninguém. Donde se segue que
ela não causa dano a ninguém. Mas, na verdade, pessoa
alguma pode praticar a justiça sem dar a cada um o que
é seu. Ora, ao dizer o que constitui a justiça, tu já o
provaste. Lembras-te disso, acho eu?
Eu. Sim, eu o lembro, e confesso que encontramos
facilmente naquela pessoa que tanto estima e ama a sua
boa vontade todas essas quatro virtudes, as quais, há
pouco, descreveste de acordo comigo.
Leuar uida feliz ou infeliz depende de nossa boa uontade
28. Ag. O que pode nos impedir, então, de reconhecermos
como louvável a vida dessa pessoa?
Eu. Nada absolutamente. Ao contrário, tudo nos convida
e até nos obriga a isso.
o PECADO PROVÉM DO LIVRE-ARBÍTRIO 60
Ag. Pois bem! E podes de algum modo deixar de
julgar que é preciso evitar a vida infeliz?
Eu. Julgo com convicção que assim seja. E penso que
nada senão isso deve ser feito, e com grande empenho:
Ag. Mas não achas, com certeza, que a vida louvável
deva ser evitada?
Eu. Considero, antes, que é preciso procurá-la com
afinco.
Ag. ~ortanto, não é a vida infeliz que deve ser louvada?
Eu. E bem isso que se segue.
Ag. Agora, penso que não te será nada dificil admitires
que a vidé} feliz é precisamente aquela que não é infeliz.
Eu. E mais do que evidente.
Ag. Aceitemos, portanto, isto: é feliz o homem realmente
amante de sua boa vontade e que despreza, por causa dela,
tudo o que se estima como bem, cuja perda pode acontecer,
ainda que permaneça a vontade de ser conservado.
Eu. Como não aceitarmos as conclusões a que nos
levam as premissas admitidas anteriormente?
Ag. Compreendeste muito bem. Mas dize-me, eu te
pe-ço: amar a. sua boa vontade e tê-la em tão grande preço,
como antes dIssemos, não é isso justamente a própria boa
vontade?
Eu. Dizes a verdade.
Ag. Mas sejulgamos com razão ser feliz o homem de boa
vontade, não se deveria também, com boa razão declarar ser
infeliz aquele que possui vontade contrária ~ essa?
Eu. Com muito boa razão.
Ag. Logo, que motivo existe para crer que devemos
duvidar-mesmo se até o presente nunca tenhamos possuído
aquela sabedoria - que é pela vontade que merecemos
e levamos uma vida louvável e feliz; e pela mesma vontade,
que levamos uma vida vergonhosa e infeliz?30
Eu. Constato que chegamos a essa conclusão fundamentando-
nos em razões certas e inegáveis.
61 A ATUAÇÃO DA BOA VONTADE
29. Ag. Ainda outra coisa. Retiveste, penso eu, a defmição
dada por nós a respeito da boa vontade. Dissemos ser ela a
vontade pela qual desejamos viver justa e honestamente.
Eu. Sim, eu me recordo.
Ag. Portanto, se por nossa boa vontade amamos e
abraçamos essa mesma boa vontade, preferindo-a a todas as
outras coisas, cuja conservação não depende de nosso querer,
a conseqüência será, como nos indica a razão, que nossa
alma esteja dotada de todas aquelas virtudes cuja posse
constitui precisamente a vida conforme a retidão e a honestidade.
De onde se segue esta conclusão: todo aquele que
quer viver conforme a retidão e honestidade, se quiser pôr
esse bem acima de todos os bens passageiros da vida, realiza
conquista tão grande, com tanta facilidade que, para ele, o
querer e o possuir serão um só e mesmo ato.
Eu. Digo-te, com toda verdade: posso dificilmente
conter uma exclamação de alegria, vendo de repente
surgir diante de mim tão grande bem e de maneira tão
fácil de ser adquirido.3l
Ag. Pois bem, essa mesma alegria gerada pela aquisição
de tão grande bem, ao elevar a alma na tranqüilidade,
na calma e constância, constitui a vida que é dita feliz.
A não ser que não consideres a vida feliz como gozo de bens
verdadeiros e seguros?
Eu. Considero-a tal como tu mesmo.
Capítulo 14
Motivo de nem todos conseguirem
a desejada felicidade
30. Ag. Perfeitamente! Mas na tua opinião haverá um só
homem sequer que não queira e deseje, de todos os modos,
viver vida feliz?32
o PECADO PROVÉM DO LIVRE-ARBÍTRIO 62
Eu. Todo homem a deseja. Quem pode duvidar disso?
Ag. Por qual motivo, então, nem todos eles a obtêm?
Porque, como nós o dissemos e concordamos, é voluntariamente
que os homens a merecem. E acontece que voluntariamente
também chegam a uma vida de infortúnios. E assim,
recebe~ ~ que merecem. Mas eis que surge não sei qual
contradIçao a tentar derrubar - se não fizermos um exame
atento e minucioso - as nossas conclusões de há pouco, tão
bem elaboradas e tão fortemente apoiadas. Com efeito, como
se explica que os homens sofram voluntariamente uma vida
infeliz, se de modo algum ninguém quer viver no infortúnio?
E como se explica que, sendo por sua própria vontade que o
homem obtém vida feliz, quando acontece que tantos são
infelizes, apesar de todos quererem ser felizes? Será que isso
não vem do fato de que uma coisa é querer viver bem ou mal
e outra coisa muito distinta é merecer o resultado por uma
boa ou má vontade? Com efeito, aqueles que são felizes _
para isso é preciso que sejam também bons - não se
tomaram tais só por terem querido viver vida feliz - visto
qu~ os maus também o querem. Mas sim, porque os justos o
qUIseram com retitude, o que os maus não o quiseram. Nada
de estranhar, então, que os homens desventurados não
obte~am o que querem, isto é, vida feliz. Com efeito, o
:ss.encIal, o qu~ acompanha a felicidade e sem o que ninguém
e dIgnO de obtê-la - o fato de viver retamente -, eles não o
querem. Ora, a lei eterna, em consideração da qualjáé tempo
de voltar a nossa atenção, decretou com firmeza irremovívelo
seguinte: o merecimento está na vontade.33 Assim, a
rec0Il}pensa ou o castigo serão: a beatitude ou a desventura.
E porque, ao afirmarmos que os homens são voluntariamente
infelizes, não dizemos por aí que eles queiram ser
infelizes, mas que possuem tal vontade, que a desgraça se
segue necessariamente, mesmo contra o desejo de felicidade.
Não há, pois, nada de contraditório ao raciocínio precedente:
todos querem ser felizes, mas sem poder sê-lo. Pois nem todos
63 A ATUAÇÃO DA BOA VONTADE
querem viver com retidão, e é só com essa boa vontade que
têm o direito à vida feliz. Amenos que tenhas alguma objeção
a fazer?
Eu. Não, nada tenho a opor.
Capítulo 15
Relação da boa vontade
com a lei eterna e a temporal
31. Eu. Vejamos agora, sem mais demora, que relação
existe em tudo isso com a questão das duas leisjá colocadas
anteriormente: a lei eterna e a temporal.
Ag. Seja. Antes, porém, responde-me: aquele que
ama viver retamente tem certamente prazer nisso, de tal
modo que encontra não apenas o bem verdadeiro, mas
ainda real doçura e alegria. Essa pessoa não há de apreciar
também sobre todas as coisas, com dileção especial,
essa lei em virtude da qual a vida feliz é atribuída à boa
vontade e a vida infeliz, à má vontade?34
Eu. Sem dúvida, ama-a, e com veemência, porque é
observando-a que ele vive como o faz.
Ag. Pois bem! Ao amá-la, será que ama a algo varíavel
e temporal ou a algo estável e eterno?
Eu. Certamente, a algo que é eterno e imutável.
Ag. E o que dizes daqueles que perseveram em sua
má vontade e desej am a pesar disso ser felizes? Podem eles
amar essa lei que lhes deter mina o infortúnio, como justo
salário?
Eu. De modo algum, penso eu.
Ag. E a nada mais amam?
Eu. Pelo contrário, amam muitas outras coisas, precisamente
aquelas a cuja aquisição e conservação sua má
vontade persiste em procurar. .
o PECADO PROVÉM DO LIVRE-ARBÍTRIO 64
Ag. Queres te referir, penso eu, às riquezas, às honras,
aos prazeres, à beleza do corpo e a todas as demais
coisas que podem não ser obtidas mesmo quando desejadas,
ou então perdidas contra a própria vontade?
Eu. Refiro-me precisamente a tais coisas.
Ag. Ejulgas que esses bens sejam eternos, quando tu
os vês sujeitos à mobilidade do tempo?
Eu. Quem poderia pensar assim, a não ser um louco?
Ag. Logo, é evidente que há duas espécies de homens:
uns, amigos das coisas eternas; e outros, amigos das
coisas temporais. E já concordamos que há também duas
leis: uma eterna, outra temporal. Dize-me, caso tenhas
o senso da justiça: quais desses homens devem estar
colocados entre os submissos à lei eterna e quais à lei
temporal?
Eu. A resposta, penso eu, é bem fácil. Aqueles a quem
o amor dos bens eternos torna felizes, devem, a meu ver,
viver sob os ditames da lei eterna. Ao passo que .aos
insensatos está imposto o jugo de lei temporal.
Ag. Julgaste bem, contanto que tenhas como certo, o
que aliás a razão já demonstrou claramente, isto é: os que
se submetem à lei temporal não podem entretanto se
isentar da lei eterna, da qual deriva, como dissemos, tudo
o que é justo e tudo o que pode ser mudado com justiça.
. Quanto àqueles cuja boa vontade se submete à lei eterna,
eles não têm necessidade da lei temporal. Compreendestes
isso suficientemente, ao que me parece.
Eu. Compreendi tudo o que disseste.
Maneira como governa a lei temporal
32. Ag. Logo, a lei eterna ordena desapegar-nos do amor
das coisas temporais e voltar-nos purificados para as
coisas eternas?
Eu. Realmente, ela ordena.
65 A ATUAÇÃO DA BOA VONTADE
Ag. E por seu lado, a lei temporal, o que ordena ela a
teu parecer senão que esses bens que os homens desejam
e podem ter por algum tempo e considerá-los como seus,
de tal forma que os possuam, a fim de que a paz e a ordem
na sociedade sejam salvaguardadas? Isso o quanto for
possível, tratando-se dessa classe de bens. Ora, eis quais
são eles: em primeiro lugar, o corpo e os bens denominados
corporais, tais como uma boa saúde, a integridade dos
sentidos, a força, a beleza e outras qualidades das quais
umas são inerentes às artes liberais, e por aí, mais desejáveis
que outras de menor apreço. Em seguida, está o
bem da liberdade. Sem dúvida, não existe verdadeira
liberdade a não ser entre pessoas felizes, as quais seguem
a lei eterna. Neste momento, eu refiro-me àquela liberdade
dos que se julgam livres por não ter ninguém corno
senhores seus; ou aquela que é desejada por todos os que
aspiram a ser libertados de seus senhores. Consideramos
ainda como bens: os pais, os irmãos, o cônjuge, os filhos, os
parentes, os próximos, os aliados, os servos e todos os que
nos estão unidos por algum laço de convivência. E também
a pátria, a qual habitualmente apreciamos corno
mãe. E ainda, as honras, os louvores e o que chamamos de
glória popular. Em último lugar, vem o dinheiro: compreendendo
sob essa designação todos os bens dos quais
somos os donos legítimos ou de que julgamos ter o poder
de vender ou doar. O modo corno a lei temporal distribui
esses bens a cada um o que é seu seria difícil e muito longo
de explicar. Aliás, é claro ser inútil para a finalidade a que
nos propusemos. Baste-nos constatar que o poder dessa
lei temporal em aplicar seus castigos limita-se a interditar
e a privar desses mesmos bens, ou de urna parte deles,
aqueles a quem.pune. É pois pelo temor que ela reprime,
e assim dobra e faz inclinar o ânimo dos desafortunados,
ao que ela manda ou proíbe. Foi justamente para o
governo dessas pessoas que ela foi feita. Com efeito, pelo
3. o Livre-arbilrio
o PECADO PROVÉM DO LIVRE-ARBÍTRIO 66
fato de temerem de perder os seus bens, elas observam as
normas necessárias para a sociedade ser constituída e
mantida. Isso o quanto é possível ser feito entre homens
desse tipo. Entretanto, essa lei não pune o pecado cometido
por serem amados com apego demasiado esses bens,
mas unicamente aquela falta que consiste em subtraí-los
injustamente de outro.
Dito isso, vê agora se não cumprimos o programa que
tu julgavas ser uma questão sem fim (cf. 1,6,14). Pois, na
verdade, nós nos havíamos proposto procurar até onde se
estende o direito da lei temporal de punir, ela que rege os
povos e as nações da terra.
Eu. Sim, vejo que chegamos a nosso objetivo.
Conseqüência do apego
ou desapego dos bens deste mundo
33. Ag. Portanto, vês igualmente que não existiria a
penalidade - seja a que é infligida aos homens de modo
injusto, seja a que é de modo justificável pela aplicação da
lei -, caso eles não amassem aquelas coisas que podem
lhes ser tiradas contra a própria vontade.
Eu. Vejo-o, muito bem.
Ag. Assim, pois, as mesmas coisas podem ser usadas
diferentemente: de modo bom ou mal. E quem se serve
mal é aquele que se apega a tais bens de maneira a se
embaraçar com eles, amando-os demasiadamente. Com
efeito, submete-se àqueles mesmos bens que lhe deveriam
estar submissos. Faz dessas coisas bens aos quais ele
mesmo deveria ser um bem, ordenando-as e fazendo delas
bom uso.
Assim, quem se serve dessas coisas de modo ordenado
mostra que elas são boas, não para si, pois elas não o
tornam nem bom nem melhor, mas antes é ele mesmo que
as torna melhores. Por isso, ele não as ama até se deixar
67 A ATUAÇÃO DA BOA VONTADE
prender e não faz delas como se fossem membros de sua
própria alma - o que seria feito, caso as amasse a ponto
de recear que elas, vindo a lhe faltar, lhe fossem como
cruéis e dolorosos ferimentos. Mas se ele se mantiver
acima dessas coisas, pronto a possuí-las e governá-las,
caso seja preciso, e mais ainda, pronto a perdê-las ou a se
passar delas. Visto que assim é, crês que seria preciso
condenar o ouro e a prata por causa dos avarentos· ou o
vinho por causa dos que se embriagam; ou o encanto das
mulheres por causa dos libertinos e dos adúlteros, e assim
em relação a tudo mais? Especialmente quando podes ver
um médico fazer bom uso do fogo e um envenenador, uso
criminoso até do pão?
Eu. Isso é bem verdade, não se pode considerar as
coisas por elas mesmas, mas sim os homens que podem
fazer mau uso delas.
Capítulo 16
Conclusão: a definição da essência do pecado
mostra que ele procede do livre-arbítrio
34. Ag. Muito bemP5 Nósjá começamos a compreender,
penso eu, qual seja o valor de lei eterna. E reconhecemos
também até onde pode ir a lei temporal, em sua repressão
com castigos. Distinguimos também, com clareza suficiente,
as duas espécies de realidades, umas eternas e
outras temporais. E as duas classes de homens uns
seguindo e amando as coisas eternas e outros as doisas
temporais. Estabelecemos ainda que é próprio da vontade
escolher o que cada um pode optar e abraçar. E nada, a não
ser a vontade, poderá destronar a alma das alturas de
onde domina, e afastá-la do caminho reto. Do mesmo modo,
é evidente ser preciso não censurar o objeto do qual se
o PECADO PROVÉM DO LIVRE-ARBÍTRIO 68
usa mal, mas sim a pessoa que dele mal se serviu.
Voltemos, agora, se concordares, àquela questão proposta
no começo deste diálogo, e vejamos se elaJá está resolvida.
Tínhamo-nos proposto de procurar a definição do que seja
cometer o mal (malefacere) (cf. 1,3,6). Foi nesse intento
que dissemos tudo o que precede até aqui. Em conseqüência,
agora é o momento de examinarmos com cuidado se
cometer o mal é outra coisa do que menosprezar e considerarmos
os bens eternos - bens dos quais a alma goza
por si mesma e atinge também por si mesma, e aos quais
não pode perder, caso os ame de verdade, e ir em busca dos
bens temporais, como se fossem grandes e admiráveis.
Bens esses, experimentados com o corpo, a parte menos
nobre do homem, e que nada têm de seguro. Para mim,
todas as más ações, isto é, nossos pecados podem estar
incluídos nessa única categoria. Espero que me dês a
conhecer o teu parecer a esse respeito.
35a. Eu. É bem como dizes e eu concordo em que todos os
pecados encontrem-se nessa única categoria, a saber:
cada um, ao pecar, afasta-se das coisas divinas e realmente
duráveis para se apegar às coisas mutáveis e incertas,
ainda que estas se encontrem perfeitamente dispostas,
cada uma em sua ordem, e realizem a beleza que lhes
corresponde.
Contudo, é próprio de uma alma pervertida e
desordenada escravizar-se a elas. A razão é que, por
ordem e direito divinos, foi a alma posta à frente das coisas
inferiores, para as conduzir conforme o seu beneplácito.
Ao mesmo tempo, o outro problema que nós 'nos
tínhamos proposto, após a primeira questão: "O que é
proceder mal?", parece-me já termos resolvido com clareza,
a saber: "De onde vem praticarmos o mal?" (cf. 1,2,4).
Se não me engano tal como a nossa argumentação mos-
69 A ATUAÇÃO DA BOA VONTADE
trou, o mal moral tem sua origem no livre-arbítrio de
nossa vontade (cf. l,lla,21c).
Transição ao liuro II
35b. Eu. Mas quanto a esse mesmo livre-arbítrio o qual
estamos convencidos de ter o poder de nos levar ao ~ecado,
pergunto-me se Aquele que nos criou fez bem de no-lo ter
da~o., Na verd~de, parece-me que não pecaríamos se
estIvessemos prIvados dele, e é para se temer que, nesse
caso, Deus mesmo venha a ser considerado o autor de
nossas más ações.36
Ag. Não tenhas receio algum a esse respeito. Mas
para fazermos um exame mais atento, reservaremos
outro ~omento. Pois este nosso diálogo já pede limite e
fim. QUIsera te ver persuadido de que nós, por assim dizer,
e~tamos batendo à porta de grandes e profundas questoes.
Mas quando, sob a guia de Deus, tivermos começado
a ~enetrar nes~es Ase~edos, tu julgarás, certamente, que
eXIste grande dIstancIa entre o atual discurso e os seguintes.
E o quanto esses últimos vão se revelar mais excelentes,
não somente pela penetração da investigação mas
também pela sublimidade do assunto e pela esplê~dida
luz da verdade. Peçamos que a piedade seja a nossa única
co~panheira, a fim de que a Providência divina nos permIta
perseverar até o fim na caminhada encetada.
Eu. Aceito tua vontade com gosto e bons votos. Com
prazer, associo a minha vontade à tua.
LIVRO II
A PROVA DA EXISTÊNCIA DE DEUS
REVELA-O COMO FONTE
DE TODO BEM.
DEUS NÃO É O AUTOR DO MAL,
MAS DO LIVRE-ARBÍTRIO,
QUE É UM BEM
INTRODUÇÃO (1,1-2,6)
POR QUE NOS DEU
DEUS A LIBERDADE DE PECAR?
Capítulo 1
O livre-arbítrio vem de Deus
1. Eu. Se possível, explica-me agora a razão pela qual
Deus concedeu ao homem o livre-arbítrio da vontade, já
que, caso não o houvesse recebido, o homem certamente
não teria podido pecar.
Ag. Logo,já é para ti uma certeza bem definida haver
Deus concedido ao homem esse dom, o qual supões não
dever ter sido dado.
Eu. O quanto me parece ter compreendido no livro
anterior, é que nós não só possuímos o livre-arbítrio da
vontade, mas acontece ainda que é unicamente porele que
pecamos.
Ag. Também me recordo de termos chegado à evidência
a respeito desse ponto. Mas, no momento, eu te pergunto
o seguinte: esse dom que certamente possuímos e pelo qual
pecamos, sabesl que foi Deus quem no-lo concedeu?
Eu. Na minha opinião, ninguém senão ele, pois é por
ele que existimos. E é dele que merecemos receber o
castigo ou a recompensa, ao pecar ou ao proceder bem.
Ag. Mas o que eu desejo saber é se compreendes com
evidência esse último ponto. Ou se, levado pelo argumento
da autoridade, crês de bom grado, ainda que sem claro
entendimento.
A PROVA DA EXISTÊNCIA DE DEUS 74
Eu. Na verdade, devo afirmar que, sobre esse ponto,
eu aceitei-o primeiramente dócil à autoridade. Mas o que
poderia haver de mais verdadeiro do que as seguintes
asserções: tudo o que é bom procede de Deus. E tudo o que
é justo é bom. Ora, existe algo mais justo do que o castigo
advir aos pecadores, e a recompensa aos que procedem
bem? Donde a conclusão: é Deus que atribui o infortúnio
aos pecadores e a felicidade aos que praticam o bem.
2. Ag. Nada tenho a opor. Mas apresento-te esta outra
questão: Como sabes que existimos por virmos de Deus?
Isso de fato não é o que acabas de explicar, mas sim que
dele nos vem o merecer, seja o castigo, seja a recompensa.
Eu. Parece-me ser isso igualmente evidente, visto que
não por outra razão, a não ser porque temos já por certo que
Deus castiga os pecados, visto que toda justiça dele procede.
Ora, se é próprio da bondade fazer o bem a pessoas estranhas,
não é próprio da mesmajustiça infligir castigos a q~em
não são devidos. Por onde, ser evidente que nós lhe pertencemos,
posto que ele é para conosco não somente cheio de
bondade, concedendo-nos seus dons, mas ainda justíssimo,
ao castigar-nos. Além de que, já o afirmei antes, e tu o
aprovaste, todo bem procede de Deus. Isso nos faz compreender
que o homem também procede de Deus. Porque o próprio
homem, enquanto homem, é certo bem, pois tem a possibilidade,
quando o quer, de viver retamente.2
3. Ag. Realmente, e se é essa a questão por ti proposta, já
está claramente resolvida. Pois, se é verdade que o homem
em si seja certo bem, e que não poderia agir bem, a não ser
querendo, seria preciso que gozasse de vontade livre, sem a
qual não poderia proceder dessa maneira. Com efeito, não é
pelo fato de uma pessoa poder se servir da vontade também
para pecar, que é preciso supor que Deus no-la tenha
concedido nessa intenção. Há, pois, uma razão suficiente
75 POR QUE NOS DEU DEUS A LIBERDADE DE PECAR?
para ter sido dada,já que sem ela o homem não poderia viver
retamente. Ora, que ela tenha sido concedida para esse fim
pode-se compreender logo, pela única consideração que se
alguém se servir dela para pecar, recairão sobre ele os
castigos da parte de Deus. Ora, seria isso um injustiça, se a
vontade livre fosse dada não somente para se viver retamente,
mas igualmente para se pecar. Na verdade, como poderia ser
castigado, comjustiça, aquele que se servisse de sua vontade
para o fim mesmo para o qual ela lhe fora dada?
Assim, quando Deus castiga o pecador, o que te parece
que ele diz senão estas palavras: "Eu te castigo porque não
usaste de tua vontade livre para aquilo a que eu a concedi a
ti',? Isto é, para agires com retidão. Por outro lado, se o
homem carecesse do livre-arbítrio da vontade, como poderia
existir esse bem, que consiste em manifestar a justiça, condenando
os pecados e premiando as boas açiJes? VIsto que a conduta
desse homem não seria pecado nem boa ação, caso não
fosse voluntária. Igualmente o castigo, como a recompensa,
seria injusto, se o homem não fosse dotado de vontade livre. Ora,
era preciso que a justiça estivesse presente no castigo e na
recompensa, porque aí está um dos bens cuja fonte é Deus.
Conclusão, era necessário que Deus desse ao homem
vontade livre.
Capítulo 2
Objeção: já que o livre-arbítrio foi-nos dado para
fazer o bem, como se volta ele para o mal?
4. Eu. Eujá admito que Deus nos concedeu a vontade livre.
Mas não te parece, pergunto-te, que se ela nos foi dada
para fazermos o bem, não deveria poder levar-nos a pecar.
É o que acontece com a própria justiça dada ao homem
para viver bem. Acaso alguém poderia viver mal, em
A PROVA DA EXISTÊNCIA DE DEUS 76
virtude da sua retitude? Do mesmo modo, ninguém deveria
poder pecar por meio de sua vontade, caso esta lhe
tivesse sido dada para viver de modo honesto.
Primeira condição para a solução do problema:
colocar-se no ponto de vista de Deus
Ag. Deus há de me conceder, como o espero, que consiga
te responder. Ou melhor, de conceder que tu mesmo te
respondas, instruindo-te interiormente, por aquela Verdade
- Mestra soberana e universaP Mas antes, dize-me um
pouco, eu te peço - uma vez que tens como evidente e certo
o que já te perguntei, a saber: que foi Deus que nos concedeu
a vontade livre, nesse caso, poderíamos afIrmar que peus
não nos deveria ter dado tal dom? Isso,já que reconhecemos
ser ele mesmo que o deu a nós. Com efeito, se fosse incerto que
Deus nos tenha concedido a vontade livre, nós teríamos o
direito de indagar se foi bom ela nos ter sido dada. Desse
modo, se descobríssemos que foi bom, igualmente, reconheceríamos
o doador naquele que deu ao homem todos os bens.
Ao contrário, se descobríssemos que foi mal, teríamos de
compreender que o doador não é Aquele a quem não é
permitido incriminar algo que seja. Mas sendo certo que o
próprio Deus nos deu essa vontade livre, qualquer seja a
forma como recebemos esse dom, devemos confessar que
Deus não estava obrigado de no-lo dar como foi dado nem de
modo diferente. Na verdade, quem no-lo deu foi Aquele a
quem de modo algum podemos criticar com justiça as ações.
Segunda condição: não se limitar à fé,
mas procurar o seu entendimento
5. Eu. Apesar de crer em tudo isso com fé inabalável,
todavia, como não possuo ainda pleno entendimento,
continuemos procurando como se tudo fosse incerto. Com
77 POR QUE NOS DEU DEUS A LIBERDADE DE PECAR?
efeito, pelo fato de ser incerto a vontade livre nos ter sido
dada, para com ela agirmos bem - já que podemos
também pecar -, decorre esta outra incerteza: se foi um
bem ou não, ela nos ter sido dada. Porque, se é incerto ela
nos ter sido dada, para agirmos corretamente, tampouco
é certo que seja um bem ela nos ter sido dada. Por aí, não
é igualmente certo que seja Deus o doador. Com efeito, a
incerteza sobre a conveniência do dom torna incerta a
origem, isto é, o fato de ser Aquele a quem não nos é
permitido crer que conceda algo que não deveria ter
concedido.
Ag. Pelo menos, uma coisa é certa para ti: Deus
existe?
Eu. Isso também considero como verdade incontestável'
mas pela fé e não pelo entendimento.
Ag. Pois bem, supõe que um desses homens néscios,
sobre os quais está escrito: "Diz o insensato em seu
coração: Deus não existe!" (SI 52,1), viesse te dizer isso.
Supõe, por hipótese, que ele se recuse a crer no que tu crês
pela fé, contudo desejasse conhecer se o objeto de tua
crença é verdadeiro. Abandonarias esse homem à sua
incredulidade ou acharias ser teu dever lhe demonstrar,
de alguma forma, aquilo em que crês fIrmemente? Sobretudo,
no caso de ele pretender não discutir com obstinação,
mas sim procurar com sinceridade conhecer a
verdade.
Ev. O que acabas de dizer me sugere sufIcientemente
o que lhe deveria responder. Pois, ainda que fosse ele uma
pessoa muito insensata, seguramente concordaria comigo
que nada se deve discutir, principalmente a respeito de
assunto tão sério, como alguém de má fé e obstinação.
Uma vez admitido isso, ele seria o primeiro a me levar a
crer que se dispunha em busca com boa intenção: a de
querer ser alguém que nada esconde em seu interior, e
assim nada haver nele de falso ou de obstinado. Então, eu
A PROVA DA EXISTÊNCIA DE DEUS 78
lhe demonstraria o seguinte, coisa muito fácil para
qualquer, na minha opinião: se acaso ele não fazia questão
de ser acreditado por outro, por testemunho, quando
revelasse algo sobre os sentimentos ocultos de seu
espírito, a respeito dos quais ele unicamente conhecia. Se
assim fosse, quanto mais justificado seria que ele também
acreditasse por testemunho alheio, que Deus existe
- em razão dos escritos de homens tão notáveis que
deixaram testemunhado em livros haverem convivido
com o Filho de Deus. Com efeito, essas testemunhas
atestam, por escrito, ter presenciado coisas que nunca
poderiam ter acontecido se Deus não existisse. E esse
homem - o meu interlocutor - seria por demais estulto
se me recriminasse por crer em tais testemunhas, quando
pretendia que eu acreditasse em seu testemunho pessoal.
Ora, assim como não poderia me condenar, com razão, de
modo nenhum encontraria desculpa para não querer me
imitar.
Ag. Mas então, se a respeito do problema da existência
de Deus, a teu parecer julgas bastar crer, sem temeridade
alguma, em homens dignos de fé - porque, pergunto-
te, sobre os presentes pontos que estão sendo investigados
por nós, como incertos e manifestamente desconhecidos
pela intelecção, não pensas do mesmo modo, isto é: que
devíamos crer firmemente na autoridade desses mesmos
homens tão ilustres, e assim não mais nos cansarmos a
investigar esses problemas?
Eu. Sim, mas é que pretendemos saber e entender
aquilo em que cremos.4
6. Ag. Vejo que tens boa memória. Foi, na verdade, isso
que decidimos no início de nosso diálogo precedente, e não
o podemos negar. Com efeito, se crer não fosse uma coisa
e compreender outra,5 e se não devêssemos, primeiramente,
crer nas sublimes e divinas verdades que desejamos
79 POR QUE NOS DEU DEUS A LIBERDADE DE PECAR?
compreender, seria em vão que o profeta teria dito: "Se
não o crerdes não entendereis" (Is 7,9, na LXX.).6
O próprio nosso Senhor, tanto por suas palavras
quanto por seus atos, primeiramente exortou a crer àqueles
a quem chamou à salvação. Mas em seguida, no
momento de falar sobre esse dom precioso que havia de
oferecer aos fiéis, ele não disse: "A vida eterna consiste em
crer," mas sim: "A vida eterna é esta: que eles te conheçam
a ti, único Deus verdadeiro e aquele que tu enviaste, Jesus
Cristo" (Jo 17,3). Depois disse àqueles que já eram crentes:
"Procurai e encontrareis" (Mt 7,7). Pois não se pode
considerar como encontrado aquilo em que se acredita
sem entender.7 E ninguém se torna capaz de encontrar a
Deus se antes não crer no que há de compreender.8
É porque, dóceis aos preceitos do Senhor, sejamos
constantes na busca. Porque aquilo que procuramos, sob
a divina exortação, nós o enc'ontraremos, graças a ele. Isso
o quanto podem ser encontradas essas maravilhas nesta
vida e por homens como somos nós. Com efeito, é preciso
que creiamos - nós mesmos, e as melhores pessoas,
enquanto vivem neste mundo. E certamente, depois desta
vida, todos os homens bons e piedosos possuirão e contemplarão
essas coisas, com mais evidência e perfeição. Quanto
a nós, podemos esperar que assim também será conosco.
Nessa esperança, desprezando os bens terrestres humanos,
desejemos e amemos com todas as forças as verdades
divinas.
PRIMEIRA PARTE (3,7-7,19)
INÍCIO DA ASCENSÃO A DEUS PARA
CHEGARMOS À PROVA DE SUA EXISTÊNCIA
A: BUSCA DO QUE HÁ DE MAIS NOBRE
NO HOMEM (3,7-6,14)
Capítulo 3
As primeiras intuições do espírito:
o existir, o viver, o entender
7. Ag. Se o quiseres, investiguemos na seguinte ordem:
9
1 º - procuremos como provar com evidência a existência
de Deus;
2º - se na verdade tudo o que é bem, enquanto bem,
vem de Deus;
3º - enfim, se será preciso contar, entre os bens, a
vontade livre do homem.
Uma vez essas questões esclarecidas, aparecerá suficientemente,
eu o penso, se essa vontade foi dada aos
homens com justeza.
Assim pois, para partirmos de uma verdade evidente,
eu te perguntaria, primeiramente, se existes. 10 Ou, talvez,
temas ser vítima de engano ao responder a essa
questão? Todavia, não te poderias enganar de modo algum,
se não existisses.
Eu. É melhor passares logo adiante, às demais
questões.
Ag. Então, visto ser claro que exist~s - e disso
não poderias ter certeza tão manifesta, caso não vives-
81 INÍCIO DA ASCENSÃO A DEUS
ses -, é também coisa clara que vives. Compreendes
bem, que há aí duas realidades muito verdadeiras?
Eu. Compreendo-o perfeitamente.
Ag. Logo, é também manifesta terceira verdade, a
saber, que tu entendes?
Eu. É claro.
Ag. Qual dessas três realidades (existir, viver e entender)
parece a ti a mais excelente?
Eu. O entender. 11
Ag. Por que te parece assim?
Eu. Por serem três as realidades: o ser, o viver e o
entender. É verdade que a pedra existe e o animal vive.
Contudo, ao que me parece, a pedra não vive. Nem o
animal entende. Entretanto, estou certíssimo de que o ser
que entende possui também a existência e a vida. É
porque não hesito em dizer: o ser que possui essas três
realidades é melhor do que aquele que não possui senão
uma ou duas delas. Porque, com efeito, o ser vivo por certo
também existe, mas não se segue daí que entenda. Tal é,
como penso, a vida dos animais. Por outro lado, o que
existe não possui necessariamente a vida e a inteligência.
Posso afirmar, por exemplo, que um cadáver existe. Ninguém,
porém, dirá que vive. Ora, o que não vive, muito
menos entende.
Ag. Então, admitimos que dessas três perfeições faltam
duas ao cadáver; uma ao animal; e nenhuma ao
homem.
Eu. É verdade.
Ag. E admitimos, igualmente, que a melhor das três
é a que só o homem possui, juntamente com as duas
outras, isto é, a inteligência, que supõe nele o existir e o
viver.
Eu. Com efeito, nós admitimos isso sem dúvida
alguma. 12
A PROVA DA EXISTÊNCIA DE DEUS 82
o conhecimento - aduindo pelos sentidos externos,
pe lo sentz' d o comum e pel a raza-o 13
a) Os sentidos exteriores
8. Ag. Dize-me, agora, se sabes com certeza que possuis
os tão bem conhecidos sentidos corporais: a vista, o ouvido,
o olfato, o gosto e o tato?
Eu. Sim, eu os conheço, com certeza.
Ag. Conforme o teu parecer, o que pertence ao sentido
da vista? Em outros termos, temos a sensação do quê, ao
enxergar?
Eu. De todos os objetos corporais.
Ag. Temos também, pela vista, a sensação de dureza
e de moleza dos corpos?
Eu. Não.
Ag. Qual é, pois, o objeto próprio da vista pela sensação
de enxergar?
Eu. A cor.
Ag. E o que pertence aos ouvidos?
Eu. O som.
Ag. E ao olfato?
Eu. Os odores.
Ag. E ao paladar?
Eu. Os sabores.
Ag. E ao tato?
Eu. A moleza e a dureza, o liso e o áspero, e muitas
outras qualidades similares.
Ag. Pois bem! E a respeito das formas corporais,
enquanto grandes ou pequenas, quadradas ou redondas,
e de outras propriedades semelhantes, não temos também
a sensação delas pelo tato, como pela vista, de modo
a não podermos atribuir como próprio a um único desses
sentidos, mas a ambos?
Eu. Entendo que seja assim.
83 INÍCIO DA ASCENSÃO A DEUS
Ag. Compreendes pois, igualmente, que cada sentido
tem certos objetos próprios sobre os quais nos informam,
e que alguns dentre eles percebem objetos de modo comum?
Eu. Compreendo também isso.
b) O nosso sentido interior
Ag. E podemos, por acaso, discernir por alguns desses
cinco sentidos, o que pertence a cada um em particular,
e o que lhes seja comum a todos ou a alguns dentre
eles?
Eu. De modo algum, pois é por meio de certo sentido
interior que nós o distinguimos.
Ag. Não seria talvez pela razão, da qual os animais
estão privados? Pois, na minha opinião, se nós percebemos
essas distinções, e se sabemos que tudo se passa
assim, é por meio da razão.
Eu. Eu penso, antes, que seria pela razão que nós
compreendemos a existência desse certo sentido interior,
ao qual os cinco sentidos externos transmitem todos os
seus conhecimentos a respeito dos objetos. Pois por um
sentido é que o animal vê e por outro, que ele evita ou
busca aquilo que viu. Com efeito, o primeiro sentido tem
sua sede nos olhos. Ao contrário, o segundo, no íntimo
mesmo da alma. Graças a esse sentido interior, todos os
objetos, não somente os apreendidos pela vista, mas
também pelo ouvido e pelos outros sentidos corporais, são:
procurados e apossados pelos animais, no caso de isso lhes
causar agrado; ou bem, evitados e rejeitados, no caso de
lhes serem nocivos. Mas esse sentido interior não se pode
dizer que seja, nem a vista, nem o ouvido, nem o olfato,
nem o gosto, nem o tato. Ele é, não sei que outra faculdade
diferente, que governa universalmente a todos os sentidos
exteriores, por igual. A razão é que nos faz compreender
isso, como já disse. Não posso, porém, identificar eSM
A PROVA DA EXISTÊNCIA DE DEUS 84
faculdade com a razão, porque está também manifestamente
nos animais, e estes não possuem a razão.
c)A nossa razão
9. Ag. Admito a existência dessa faculdade, seja ela
qual for, e sem hesitação denomino-a sentido interior.
Pois, a não ser ultrapassando esse mesmo sentido interior,
o objeto transmitido pelos sentidos corporais poderá
chegar a ser objeto de ciência. Porque tudo o que nós
sabemos, só entendemos pela razão - aquilo que será
considerado ciência. Ora, sabemos, entre outras coisas,
que não se pode ter a sensação das cores pela audição; nem
a sensação do som pela vista. E esse conhecimento racional
nós não o temos pelos olhos, nem pelos ouvidos, e
tampouco por esse sentido interior, do qual os animais não
estão desprovidos. Por outro lado, não podemos crer que
os animais conheçam a impossibilidade de sentir, seja a
luz pelos ouvidos, seja os sons pelos olhos; visto que nós
mesmos só o discernimos pela observação racional e pelo
pensamento.
Eu. Não posso dizer que tenha compreendido o que
acabas de dizer. O que se seguiria, com efeito, se mediante
o sentido interior do qual os animais não estão desprovidos,
conforme o admites, chegassem a perceber também,
como nós, a impossibilidade de sentir as cores pelo ouvido,
ou os sons pela vista?
Ag. Mas acaso crês que eles possam mesmo distinguir
entre si um sentido do outro: a cor da qual têm a
sensação; o sentido que tem sua sede nos olhos; aquele
outro, o interior, que está na alma; e até a razão que define
e classifica tão bem cada uma dessas coisas?
Eu. De modo algum.
Ag. O que te parece? Poderia a própria razão distinguir
esses quatro fatores entre si e determiná-los, definindo-
os, se ela não percebesse, por comunicação, a cor pelo
85 INÍCIO DA ASCENSÃO A DEUS
sentido da vista; esse mesmo sentido pelo sentido interior,
que o comanda; e esse último, enfim, por si mesmo, se é
que não haja outros intermediários?
Eu. Não vejo como poderia ser de outra forma.
Ag. E o que pensar? Percebes que o sentido da vista
percebe a cor, sem se perceber a si mesmo? Porque pelo
sentido que vê a cor, com efeito, não vês o ato mesmo da
visão.
Eu. Não, não o vejo de modo algum.
Ag. Empenha-te ainda em distinguir bem o seguinte:
pois não o negarás, penso eu: uma coisa é a cor e, outra, o
ato de ver a cor. Outra coisa, enfim, muito distinta, na
ausência da cor, a posse de um sentido capaz de a ver, caso
ela lá estivesse.
Eu. Distingo também essas três coisas e concordo que
diferem entre si.
Ag. Agora, dessas três coisas, a qual vês pelos olhos,
senão a cor?
Eu. Nada mais.
Ag. Dize-me, então, por qual faculdade vês as duas
outras? Pois não poderias distingui-las sem as ver.
Eu. Ignoro. Sei apenas que elas existem, nada mais.
Ag. Ignoras, pois, se é a própria razão que exerce essa
função vital que chamamos de sentido interior, bem
superior aos sentidos corporais, ou então algum outro
princípio?
Eu. Ignoro.
Ag. Sabes, pelo menos, que somente a razão pode
definir essas coisas e que ela, unicamente, pode agir sobre
objetos submetidos a seu exame?
Eu. É certo.
Ag. Logo, qualquer seja essa outra faculdade capaz
de ter o sentimento de tudo o que sabemos, ela está ao
serviço da razão à qual apresenta e traz tudo o que apreende.
De maneira que os objetos percebidos possam ser
A PROVA DA EXISTÊNCIA DE DEUS 86
diferenciados entre si e conhecidos não somente pelo
sentidos, mas ainda por conhecimento racional.
Eu. É bem verdade.
Ag. Pois bem! Mas essa mesma razão que distingue
entre um e outro, isto é, os sentidos, seus servidores, e os
objetos que eles lhe apresentam; e que reconhece ainda a
diferença existente entre eles e ela, afirmando sua preeminência
sobre eles, acaso essa razão compreende-se a si
mesma por meio de outra faculdade que não seja ela
mesma? Saberias que possuis a razão, caso não percebesses
a mesma razão?
Eu. Isso é bem verdadeiro.
Os sentidos exteriores não se percebem a si mesmos .
Ag. Por conseguinte, já que, percebendo a cor pelo
sentido da vista, nós não percebemos a nossa própria
sensação - se, ouvindo um som, não ouvimos nossa
própria audição; se, cheirando uma rosa, nosso olfato não
inala em si nenhum perfume; se, degustando algo, nosso
paladar não sente na boca o próprio paladar; se,apalpando
um objeto, não podemos tocar o sentido mesmo do tato,
é evidente que esses cinco sentidos não podem ser sentidos
por si mesmos, ainda que por eles todos os objetos
corporais sejam sentidos por nós.
Eu. É evidente.
Capítulo 4
Percebe-se o sentido interior a si mesmo?
10. Ag. Creio ser também evidente que esse sentido interior
não somente sente as impressões que recebe dos cinco
sentidos externos, mas percebe igualmente os mesmos
87 INÍCIO DA ASCENSÃO A DEUS
sentidos. Se assim não fosse, o animal não se moveria de
seu lugar para apoderar-se de algo ou para fugir de
alguma coisa. Mas não o sente, de modo a ter conhecimento
ordenado à ciência, porque isso é próprio da razão.
Contudo, percebe-o suficientemente para se mover. Ora,
até isso ultrapassa a simples percepção dos cinco sentidos
externos.
Todavia, se a coisa ainda te resta obscura, ela haverá
de se esclarecer ao considerares o que se passa, por
exemplo, em um desses cinco sentidos, em particular. Por
exemplo, o da vista. Com efeito, um animal não poderia de
modo algum abrir os olhos, nem os mover, em direção ao
que deseja ver, se não sentisse que não vê o tal objeto, ao
ter os olhos fechados, ou sem dirigir seu olhar naquela
direção. Ora, se ele percebe em si a ausência da visão
quando não está olhando para aquele determinado objeto,
é necessário também que ele perceba sua visão, quando
está a enxergar de fato. Já que não é da mesma maneira
que ele move os olhos ao ver o objeto cobiçado e os mantém
fixos quando não o enxerga. Isso mostra bem que o animal
sente diferentemente uma coisa e outra. Mas por outro
lado, essa vida interior que percebe assim as próprias
sensações de objetos corporais terá ela também consciência
de si mesma? A questão é menos clara, a não ser que
se diga que cada um, ao se observar a fundo interiormente,
constate que todo ser vivo foge da morte. Ora, sendo
essa o oposto da vida, é preciso, ao que parece, que
também a vida tome consciência de si mesma, para fugir
desse modo a seu oposto.
Todavia, se a questão ainda não está bastante evidente,
passemos adiante, a fim de avançarmos, unicamente
apoiados em provas certas e evidentes. Ora, o
evidente até o presente é o seguinte:
que os sentidos corporais percebem os objetos
corporais;
A PROVA DA EXISTÊNCIA DE DEUS 88
que esses mesmos sentidos não podem ter a
sensação de si mesmos;
que o sentido interior percebe não só os objetos
corporais por intermédio dos exteriores, mas percebe
até mesmo esses sentidos;
enfim, que a razão conhece tudo isso e conhece-se
a si mesma;
visto que todos esses conhecimentos tornam-se
objeto de ciência.
Aí estão evidências, não te parece assim?
Eu. Com efeito, assim me parece.
Ag. Pois bem, vejamos, agora: Qual a questão cuja
ambicionada solução nos fez percorrer tão longa caminhada?
Capítulo 5
O sentido interior, juiz e guia
dos sentidos exteriores
11. Eu. Pelo que me recordo, das três questões que nos
propusemos no início do atual diálogo (1I,3,7), ao traçarmos
o plano desta nossa discussão, a primeira éjustamente
esta da qual tratamos agora, a saber: como poderíamos
chegar, sem deixarmos de aderir com fé muito firme e
inquebrável, à prova racional da existência de Deus?
Ag. Tu o relembras com exatidão. Mas desejo que te
recordes também, com diligência, que ao te perguntar eu
se conhecias, com certeza, a tua própria existência, pareceu-
te que conhecias não apenas isso, mas ainda mais
duas outras realidades (o viver e o pensar).
Eu. Recordo-me igualmente disso.
Ag. Pois bem, considera, no momento, a qual dessas
três realidades podem pertencer os objetos dos sentidos
89 INÍCIO DA ASCENSÃO A DEUS
corporais, isto é, em que categoria de realidades, na tua
opinião, é preciso classificar toda ordem de conhecimentos
adquiridos pelos sentidos, seja o da vista, seja o de
qualquer outro órgão corporal. Porventura, na categoria
das coisas que unicamente existem, ou mesmo nas que
existem, vivem e, além disso, são inteligentes?
Eu. Na categoria das coisas que somente existem.
Ag. E o próprio sentido, em qual das três categorias
está ele, no teu parecer?
Eu. Na dos seres vivos.
Ag. Assim sendo, qual dos dois, por conseguinte,
julgas ser melhor: o sentido oU o objeto que o sentido
percebe?
Eu. Evidentemente, o sentido.
Ag. E por qual motivo?
Eu. Porque o ser que também goza da vida é melhor
do que aquele que só existe.
o princípio de subordinação
12. Ag. Pois bem! E aquele sentido interior que, conforme
nossas buscas anteriores, está abaixo da razão e nos é
também comum com os animais, será que hesitarias a
antepô-lo ao sentido pelo qual percebemos os corpos e que
já reconheceste ser preferível ao corpo, ele mesmo?
Eu. Não hesitaria de forma alguma.
Ag. Mas quisera também ouvir de ti por qual motivo
não o hesitarias. Posto que não poderás pretender classificar
esse sentido interior no gênero dos que possuem a
inteligência, mas unicamente classificá-lo entre as coisas
que existem e vivem, embora privadas de inteligência.
Isso porque ele também encontra-se entre os animais que
são carentes de inteligência.
Assim sendo, desejo saber por que antepões o sentido
interior aos sentidos exteriores, visto que ambos pertenA
PROVA DA EXISTÊNCIA DE DEUS 90
cem ao simples gênero de seres que vivem. Por outro
lado, antepuseste os sentidos exteriores que atingem
os corpos a esses mesmos corpos, porque estes classificam-
se entre as coisas que somente existem e os sentidos
entre as que vivem. Mas como o sentido interior pertence
também a esse último gênero, isto é, dos que vivem, dizeme
por que os consideras melhor do que os sentÍdos
exteriores?
Caso respondas: é porque um sente os outros - creio
que não terias encontrado uma norma que nos permita
proclamar: "Todo ser dotado de sensação é melhor do que
o objeto de sua sensação", posto que seríamos talvez
forçados a conceder também que: "Todo ser dotado de
inteligência é melhor do que o objeto de sua intelecção", o
que é falso. Com efeito, o homem compreende o que seja a
sabedoria e,.contudo, não é superior à sabedoria. Considera,
pois, por qual motivo, na tua opinião, é preciso antepor
o sentido interior aos exteriores, pelos quais sentimos os
corpos?
Eu. É porque eu reconheço no sentido interior um
guia e um juiz dos sentidos exteriores. De fato, quando
estes faltam em algo de suas funções, o sentido interior
reclama os seus serviços, como junto a um servidor, conforme
dissemos em nossa conversa anterior. Na verdade,
o sentido da vista, por exemplo, não vê a presença ou a
ausência de sua visão. E porque não vê, não pode julgar
sobre o qu.e lhe falta ou lhe basta. Esse é o papel do sentido
interior. E esse que no próprio animal adverte-o a abrir o
olho fechado, e a suprir a falta que percebe haver. Ora,
ninguém duvida desta regra: "Quem julga é superior
àquele sobre o que julga". 14
Ag. Parece-te, pois, que os sentidos exteriores fazem,
igualmente, certo julgamento sobre os corpos? Porque
lhes pertence, com efeito, o prazer ou a dor conforme eles
impressionam o corpo, com doçura ou aspereza. E do
91 INÍCIO DA ASCENSÃO A DEUS
mesmo modo, como o sentido interior, julga que falta ou
basta algo do sentido da vista, para ter, por exemplo, uma
visão clara e perfeita. Igualmente, o sentido próprio da
vista julga ao que falta ou basta quanto às cores. De modo
semelhante, assim como o sentido interior julga a nossa
audição, considerando-a deficiente ou suficientemente
atenta, também o próprio ouvido, por sua vez, julga os
sons, distinguindo os que o impressionam com doçura
daqueles que ressoam com estrépito.
Inútil prosseguirmos examinando em relação aos
outros sentidos exteriores, poisjá percebeste, eu penso, o
que quero dizer, a saber: que o sentido interior julga os
sentidos corporais, aprovando um bom funcionamento ou
exigindo um mau serviço. Do mesmo modo, os próprios
sentidos externos, eles mesmos julgam os objetos corporais,
aceitando seu contato, caso seja agradável, ou rejeitando-
o, caso contrário. 15
Eu. Eu percebo, por certo, e concordo ser tudo isso
bem verdadeiro.
Capítulo 6
A razão transcende a tudo mais no homem
13. Ag. Considera, agora, se a mesma razão também
julga o sentido interior. Poisjá não te pergunto se ojulgas
melhor do que os sentidos exteriores, pois não duvido que
penses assim. Tampouco te pergunto se é para investigarmos
se a razão julga o sentido interior. Comefeito, para
todas as realidades inferiores a ela: os corpos, os sentidos
exteriores e o próprio sentido interior, quem, pois, a não
ser a mesma razão nos declara como um é melhor do que
outro, e o quanto ela mesma ultrapassa-os a todos? E
quem nos informará sobre isso a não ser a mesma razão?
A PROVA DA EXISTÊNCIA DE DEUS 92
De nenhum modo poderia fazê-lo, se tudo não estivesse
submetido a seu juízo.
Eu. É evidente.
Ag. Portanto, acima da natureza - que apenas existe,
sem viver nem compreender, como acontece com os
corpos inanimados - vem a natureza que não somente
existe, mas que também vive, sem contudo ter a inteligência,
como acontece com a alma dos animais; e por sua vez,
acima dessa última vem aquela natureza que ao mesmo
tempo existe, vive e entende, aquela que é a alma racional
do homem.
Sendo assim, crês que em nós, isto é, entre esses
elementos constitutivos de nossa natureza humana, pode-
se encontrar algum elemento mais nobre do que aquele
que enumeramos em terceiro lugar? Porque, manifestamente,
nós possuímos um corpo e também uma alma
que anima o corpo e é causa de seu desenvolvimento.
Dois elementos que também vimos nos animais. Enfim, a
mais, temos um terceiro elemento, que por assim dizer é
como a cabeça ou o olho de nossa alma. A menos que se
encontre um nome mais adequado para designar a nossa
razão ou inteligência, faculdade que a natureza dos animais
não possui. Vê, pois, eu te peço, se podes encontrar
na natureza do homem algo mais excelente do que a
razão. 16
Eu. Não encontro absolutamente nada que possa ser
melhor.
Última etapa - acima da razão, só Deus
14. Ag. Pois bem! O que dirias se pudéssemos encontrar
alguma realidade, cuja existência não só se conhecesse,
mas também fosse superior à nossa razão? Hesitarias,
qualquer que fosse essa realidade, afirmar ser. ela
Deus?
93 INÍCIO DA ASCENSÃO A DEUS
Eu. Não, de imediato. Se eu pudesse descobrir algo
superior à parte mais excelente de minha natureza, eu
não a chamaria logo Deus. Porque a mim não agrada
chamar de Deus aquele a quem minha razão é inferior,
mas sim aquele a quem ser algum é superior.
Ag. É justamente assim. E é Deus mesmo que deu à
tua razão tão piedoso e verdadeiro sentimento, a respeito
dele. Pergunto-te porém: se não encontrasses nada acima
de nossa razão a não ser o que é eterno e imutável,
hesitarias chamá-lo de Deus? Pois os corpos são mutáveis,
tu o sabes, e a vida pela qual os corpos são animados, em
meio à variedade de seus estados, mostra com evidência
que essa vida está sujeita a mutações. E até a própria
razão, por seu lado, que por vezes se esforça por chegar à
verdade, por vezes, não - por vezes a atinge e por vezes,
não - mostra-se seguramente estar sujeita a mutações.
Se pois, sem a ajuda de órgão algum corporal, nem do tato,
nem do paladar, nem do olfato, do ouvido ou dos olhos,
nem por sentido algum que seja inferior a essa dita razão;
mas por si mesma, ela percebe algo de eterno e imutável,
é necessário que a dita razão se reconheça, ao mesmo
tempo, inferior a essa realidade e que esse Ser seja o seu
Deus.17
Eu. Quanto a mim, certamente, reconheceria como
Deus esse ser do qual se teria provado que nada existe de
superior.
Ag. Está entendido. Pois bastar-me-á, então, mostrar
a existência de tal realidade que, ou bem aceitarás
como Deus; ou bem, caso haja outro ser acima dela,
concordarás que esse mesmo ser é verdadeiramente
Deus. Assim, haja ou não algum ser superior a essa realidade,
será evidente que Deus existe, desde que, com a ajuda
desse mesmo Deus, eu tiver conseguido demonstrar, como o
prometi, a existência de uma realidade superior à razão.18
Eu. Demonstra, pois, o que me prometeste.
A PROVA DA EXISTÊNCIA DE DEUS
B: O QUE É INDIVIDUAL
E O QUE É COMUM A TODOS (7,15-19)
Capítulo 7
Características de cada sentido exterior
a) Quanto ao sentido da uista
94
15. Ag. Assim o farei. Mas, primeiramente, eu te pergunto:
Meus sentidos corporais são os mesmos que os teus ou,
pelo contrário, os meus só pertencem a mim e os teus
somente a ti? Porque se assim não fosse, não poderia ver
com meus olhos um objeto que tu não visses igualmente.
Eu. Concordo plenamente - ainda que todos nós
tenhamos sentidos da mesma natureza, entretanto cada
um possui os seus próprios sentidos: o da vista, o da
audição e todos os outros. Pois qualquer homem pode não
somente ver, mas também ouvir o que outro não vê nem
escuta. E o mesmo acontece com todos os outros sentidos
-;-qualquer pode perceber o que outra pessoa não percebe.
E manifesto, por aí, que teus sentidos são só teus e os
meus, só meus.
Ag. E quanto ao sentido interior, será que essa mesma
resposta seria dada, ou outra diferente?
Eu. Sem dúvida, nenhuma outra. Porque os meus
sentidos interiores percebem as minhas próprias sensações
e os teus, as tuas. É por isso que, freqüentemente,
alguém ao ver determinado objeto pergunta-me se também
eu o vejo, porque sou só eu mesmo que percebo, se
enxerguei ou não, e não o meu interlocutor.
Ag. E quanto à razão? Não pensas que cada um de nós
possui também a sua própria? Pois, com efeito, pode
acontecer que eu compreenda alguma realidade que tu
95 INÍCIO DA ASCENSÃO A DEUS
não tenhas compreendido. E nem possas saber se eu a
compreendi, ao passo que eu mesmo o sei muito bem.
Eu. Evidentemente, quanto à mente racional, cada
um de nós também possui a sua própria. 19
b) Quanto ao sentido da audição
16. Ag. Acaso poderias também dizer que cada um de nós
possui seu próprio sol, ou sua própria lua, estrelas, ou
outras coisas semelhantes, posto que os contemplamos
cada um com os próprios sentidos?
Eu. De modo algum, eu diria isso.
Ag. Podemos, por conseguinte, muitos de nós juntos
e ao mesmo tempo ver um único objeto, embora possuindo
cada um os seus próprios sentidos. Permitem-nos eles ver
juntamente e ao mesmo tempo um objeto único. Assim,
ainda que meus sentidos sejam uns, e outros os teus, pode
acontecer que o objeto de nossa visão não seja distinto para
ti da que é para mim mesmo. Que um único objeto,
porém, esteja presente a nós dois, e que o vejamos igualmente
e ao mesmo tempo.
Eu. Isso é bem evidente.
Ag. Podemos de igual modo ouvir, ao mesmo tempo,
uma mesma voz, e assim, ainda que meu ouvido seja um,
e outro o teu, contudo a voz que ouvimos não será uma
para ti e outra para mim. Tampouco, uma parte dessa voz
vai a teu ouvido e outra, ao meu. Mas, pelo contrário, o som
tal como foi emitido, em sua identidade e totalidade, fazse
ouvir igualmente e ao mesmo tempo a cada um de nós.
Eu. Isso também é evidente.
c) Quanto aos sentidos do olfato e do paladar
17. Ag. Agora, convém também notar, em relação aos
demais sentidos corporais, que o que se refere à questão
presente não dizemos que eles se comportam de maneira
totalmente semelhante à dos dois sentidos referidos: o da
A PROVA DA EXISTÊNCIA DE DEUS 96
vista e o do ouvido; nem de maneira totalmente diferente.
Com efeito, podemos, eu e tu, encher nossas narinas
com o mesmo ar, ou perceber pelo odor a qualidade
deste ar. E do mesmo modo, um e outro podemos degustar
um mesmo melou qualquer outro alimento ou bebida, e
perceber seu gosto pelo paladar, ainda que esse mel seja
único e que nossos sentidos nos pertençam a cada um em
particular - o teu a ti e o meu, a mim. Destarte, enquanto
ambos sintamos um e mesmo odor ou um só e mesmo
sabor, não é, contudo, nem por meu sentido que tu o
percebes, nem eu pelo teu, nem por um órgão único que
nos poderia pertencer em comum a cada um de nós. Mas
o meu sentido pertence totalmente a mim e o teu, a ti;
ainda que nós dois sintamos um único odor ou sabor.
Donde se segue que esses dois sentidos, o do olfato e o do
paladar, possuem algumas propriedades semelhantes às
que possuem os dois outros sentidos: o da vista e o da
audição.
Quanto ao que se refere a nosso presente assunto,
porém, eles diferem nisto: se bem que inspiremos um e
outro, pelo nariz, um único ar, ou que degustemos um
mesmo alimento, contudo, eu não inspiro a mesma porção
de ar que tu, e tampouco ingiro a mesma porção de
alimento que tu. Mas eu tomo uma e tu, outra. E assim, ao
respirar, eu inspiro uma parte de toda a massa de ar, o
quanto me é suficiente. Igualmente tu, da massa total de
ar, inspiras outra parte, o quanto te convém. E quanto ao
alimento, ainda que um único em sua totalidade seja
absorvido por um e outro de nós, ele não pode, entretanto,
ser absorvido totalmente por mim, nem totalmente por ti;
da mesma maneira, uma única palavra é ouvida inteiramente
por mim e por ti ao mesmo tempo. É tal como
acontece quanto a qualquer imagem visual. Ela é visível
tanto por mim quanto por ti, e ao mesmo tempo. Quanto
ao alimento e à bebida, porém, necessariamente será uma
97 INÍCIO DA ASCENSÃO A DEUS
a parte que eu recebo e outra, a que tu recebes. Talvez não
compreendas bastante tudo isso?
Eu. Muito bem, pelo contrário. Convenho que tudo
está inteiramente claro e certo.
d) Quanto ao sentido do tato
18. Ag. Acaso não te parece que se pode comparar o
sentido do tato ao dos olhos e dos ouvidos, do ponto de vista
que ora tratamos? Pois não somente podemos nós dois
perceber pelo tato um mesmo corpo, mas que poderás
também tocar a mesma parte que eu tiver tocado. De sorte
que não seria somente o mesmo corpo, mas também a
mesma parte desse corpo que nós percebemos ambos pelo
tato? Porque não sucede com o sentido do tato o mesmo
que acontece com o alimento que nos é apresentado. Pois
este não pode ser tomado todo inteiro por mim e por ti,
quando o ingerimos. Pelo contrário, para o tato, o objeto
que eu tocar tu podes também o tocar - o mesmo e todo
inteiro; de modo que nós o tocamos ambos, e não cada
um, apenas uma parte, mas cada um toca-o em sua totalidade.
Eu. Confesso que sob esse aspecto o sentido do tato
tem muita semelhança com os dois outros sentidos precedentes:
o da vista e o da audição. Vejo, porém, uma diferença
nisto: simultaneamente, isto é, num só e mesmo
tempo é que podemos um e outro ver e ouvir totalmente
uma só e mesma coisa. Ao passo que, quanto ao tato, não
podemos certamente um e outro tocar no mesmo objeto por
inteiro, ao mesmo tempo, apenas em partes distintas. Quanto
à mesma parte, seria somente cada um em tempos
diversos. Isso porque em parte alguma onde tu tocas, eu
posso aplicar o meu tato, a não ser que tenhas retirado o teu.20
19. Ag. Respondeste com bastante tino. Mas deves ainda
considerar o seguinte: como explicar que entre todos os
4. o Livre-arbitrio
A PROVA DA EXISTÊNCIA DE DEUS 98
objetos que nós sentimos, há alguns que sentimos ao
mesmo tempo que outros, e há outros que sentimos cada
um separadamente? E por outro lado, quanto a nossos
sentidos, eles mesmos, como cada um de nós percebe
sozinho os seus, de maneira que de minha parte não
percebo os teus, nem tu os meus. Uma vez isso estabelecido,
convém que advirtas ainda outro fato: entre as coisas
que percebemos pelos sentidos externos, isto é, entre os
objetos corpóreos, aquilo que não podemos perceber juntos,
mas cada um à parte, é unicamente o que se torna
nosso, a tal ponto que podemos convertê-lo e transformálo
em nossa própria substância. Está nesse caso, por
exemplo, o alimento e a bebida. Nenhuma das partes por
mim absorvidas poderá sê-lo também por ti. Com efeito,
ainda que seja verdade que as amas tenham mastigado os
alimentos antes de os servirem às crianças, entretanto, o
que o paladar assimilou e transformou em sua própria
carne não poderá de forma alguma ser devolvido para
servir de alimento à criança alguma. Porque quando a
boca degusta com prazer algum alimento, ela reserva
para si uma parte, por mínima que seja, e de modo
irreversível. Isso acontece conforme as exigências' da
natureza do corpo. Se assim não fosse, não teria sabor
algum na boca, depois de os alimentos terem sido mastigados
e dados a outros.
E pode-se dizer, com igual razão, quanto às partes
do ar que inspiramos pelas narinas. Porque ainda
que possas também inspirar alguma porção do ar que
eu expirei, não poderás, entretanto, inspirar também
aquilo que foi convertido em algo que me é próprio, e
que não pode ser devolvido. Com efeito, os médicos
ensinam que nós também nos alimentamos, ao respirar.
E não posso devolver o mesmo ar expirando, para
que possas, por tua vez, recebê-lo, aspirando por tuas
narinas.
99 INÍCIO DA ASCENSÃO A DEUS
Quanto, porém, aos outros objetos sensíveis que
percebemos, mas sem entrentato os mudar em nossa
subs.tância corporal, alterando-os, nós podemos, eu e tu,
senti-los, ou ao mesmo tempo, ou então alternadamente,
um depois do outro, de modo que podes também sentir seja
a totalidade do objeto, seja a mesma parte do que eu sinto.
Tais são, por exemplo: a luz, o som ou os corpos que tocamos,
sem entretanto alterá-los.
Eu. Compreendo.
Ag. Está, pois, claro que os objetos percebidos por
nossos sentidos corporais, sem entretanto os transformarmos,
ficam, entretanto, estranhos à natureza de nossos
sentidos. E assim são eles um bem comum, porque não
são convertidos nem transformados em algo próprio nosso,
e por assim dizer, naquilo que é de nosso uso privativo.
Eu. Concordo perfeitamente.
Ag. Portanto, é preciso entender como sendo coisa
própria e de ordem privada o que pertence a cada um de
nós em particular, e assim somente cada um percebe em
si mesmo, como pertencente propriamente à sua natureza.
E, por sua vez, é preciso entender como coisa comum
e de ordem pública o que, sem nenhuma alteração nem
mudança, é percebido por todos.21
Eu. Assim acontece.
A PROVA DA EXISTÊNCIA DE DEUS 98
objetos que nós sentimos, há alguns que sentimos ao
mesmo tempo que outros, e há outros que sentimos cada
um separadamente? E por outro lado, quanto a nossos
sentidos, eles mesmos, como cada um de nós percebe
sozinho os seus, de maneira que de minha parte não
percebo os teus, nem tu os meus. Uma vez isso estabelecido,
convém que advirtas ainda outro fato: entre as coisas
que percebemos pelos sentidos externos, isto é, entre os
objetos corpóreos, aquilo que não podemos perceber juntos,
mas cada um à parte, é unicamente o que se torna
nosso, a tal ponto que podemos convertê-lo e transformálo
em nossa própria substância. Está nesse caso, por
exemplo, o alimento e a bebida. Nenhuma das partes por
mim absorvidas poderá sê-lo também por ti. Com efeito,
ainda que seja verdade que as amas tenham mastigado os
alimentos antes de os servirem às crianças, entretanto, o
que o paladar assimilou e transformou em sua própria
carne não poderá de forma alguma ser devolvido para
servir de alimento à criança alguma. Porque quando a
boca degusta com prazer algum alimento, ela reserVa
para si uma parte, por mínima que seja, e de modo
irreversível. Isso acontece conforme as exigências· da
natureza do corpo. Se assim não fosse, não teria sabor
algum na boca, depois de os alimentos terem sido mastigados
e dados a outros.
E pode-se dizer, com igual razão, quanto às partes
do ar que inspiramos pelas narinas. Porque ainda
que possas também inspirar alguma porção do ar que
eu expirei, não poderás, entretanto, inspirar também
aquilo que foi convertido em algo que me é próprio, e
que não pode ser devolvido. Com efeito, os médicos
ensinam que nós também nos alimentamos, ao respirar.
E não posso devolver o mesmo ar expirando, para
que possas, por tua vez, recebê-lo, aspirando por tuas
narinas.
99 INÍCIO DA ASCENSÃO A DEUS
Quanto, porém, aos outros objetos sensíveis que
percebemos, mas sem entrentato os mudar em nossa
substância corporal, alterando-os, nós podemos, eu e tu,
senti-los, ou ao mesmo tempo, ou então alternadamente,
um depois do outro, de modo que podes também sentir seja
a totalidade do objeto, seja a mesma parte do que eu sinto.
Tais são, por exemplo: a luz, o som ou os corpos que tocamos,
sem entretanto alterá-los.
Eu. Compreendo.
Ag. Está, pois, claro que os objetos percebidos por
nossos sentidos corporais, sem entretanto os transformarmos,
ficam, entretanto, estranhos à natureza de nossos
sentidos. E assim são eles um bem comum, porque não
são convertidos nem transformados em algo próprio nosso,
e por assim dizer, naquilo que é de nosso uso privativo.
Eu. Concordo perfeitamente.
Ag. Portanto, é preciso entender como sendo coisa
própria e de ordem privada o que pertence a cada um de
nós em particular, e assim somente cada um percebe em
si mesmo, como pertencente propriamente à sua natureza.
E, por sua vez, é preciso entender como coisa comum
e de ordem pública o que, sem nenhuma alteração nem
mudança, é percebido por todos.21
Eu. Assim acontece.
SEGUNDA PARTE (8,20-14,38)
A INTUIÇÃO DE DEUS - ACIMA DA RAZÃo
Capítulo 8
Os números e suas leis - superiores à razão
20. Ag. Coragem! Atende agora, e dize-me, se há alguma
coisa que possa ser objeto comum de visão a todos os seres
capazes de raciocinar. Todavia que a veja, cada um,
com sua própria razão e espírito. Alguma coisa visível a
todos e que estando, à disposição geral, entretanto não
sofre alteração pelo uso dos que dela se servem à vontade,
o que não acontece com o alimento e a bebida. Mas que
permanecem inalteráveis em sua integridade, seja ela
vista ou não. Em tua opinião, talvez nada exista com tais
propriedades?
Eu. Ao contrário. Eu vejo muitas coisas dessa natureza.
Basta lembrar a razão e a verdade dos números.
Apresentam-se elas a todos os que raciocinam, de tal
forma que aqueles que fazem cálculos, cada um baseado
em sua própria razão e inteligência, esforçam-se para
adquiri-la. Uns conseguem-no mais facilmente, outros
mais dificilmente; outros ainda não o conseguem de modo
algum. Todavia, ela mostra-se igualmente a todos os que
são capazes de captá-la. E quando alguém a percebe,
ninguém a transforma nem a converte em si mesmo, como
se fosse algum alimento. E caso alguém se engane a seu
respeito, ela não fica desvirtuada. Permanece em toda sua
verdade e integridade. Apenas a pessoa que se engana,
101 A INTUIÇÃO DE DEUS - AciMA DA RAZÃO
afunda tanto mais no erro quanto menos consegue vê-la
perfeitamente.22
21. Ag. Sem dúvida, isso é bem exato. Vejo que, como
homem bem informado nessa matéria, soubeste encontrar
pronta resposta. Entretanto, se te fosse dito que esses
números estão impressos em nosso espírito, não em virtude
de alguma propriedade de sua natureza, mas por efeito
das coisas sensíveis percebidas, sendo portanto como
imagens dos objetos visíveis, o que responderias? Ou
acaso és também desse parecer?
Eu. De modo algum penso dessa maneira. Pois se é
pelos sentidos que percebo os números, não se segue ,que
também possa perceber por esses mesmos sentidos a lei
da divisão e da adição dos ditos números. É pela luz de
meu espírito que corrigirei o indivíduo, seja ele quem for,
que numa adição ou subtração me apresentar um resultado
errôneo. Do mesmo modo, de tudo o que percebo pelos
sentidos corporais, como o céu, esta terra e os diversos
corpos que aqui se encontram, eu ignoro a sua duração
futura. Mas, ao contrário, sei com certeza que sete mais
três são dez. E isso não somente agora, mas para sempre.
E que nunca, de modo algum, sete mais três cessaram no
passado e não cessarão no futuro de ser dez. Tal é pois uma
verdade inalterável dos números, que é, como disse,
possuída em comum por mim e por qualquer ser dotado de
razão.23
22. Ag. Nada tenho a objetar às tuas respostas tão cheias
de verdade e de certeza. Mas verás igualmente que os
próprios números não são percebidos por meio dos sentidos
corporais. E isso, com facilidade, quando consideramos
que qualquer número recebe sua designação de número
em virtude das vezes que contém a unidade. Por
exemplo, se contém duas vezes a unidade é chamado dois.
A PROVA DA EXISTÊNCIA DE DEUS 102
Se três vezes, chama-se três. E caso possua dez vezes a
unidade, então denomina-se dez. E assim todo número,
sem exceção, é denominado pelo número de vezes que
contém a unidade.
Ora, todo aquele que reflete sobre a verdadeira noção
da unidade constata que ela não pode ser captada pelos
sentidos corporais. Porque todo objeto atingido por um de
nossos sentidos, seja ele qual for, não é constituído pela
unidade, mas sim pela pluralidade que o forma. Com
efeito, por ser um corpo, por aí mesmo, possui inúmeras
partes. Assim, sem falar de todos os corpos, do menor e dos
menos distintos, um corpúsculo, por exemplo, por menor
que seja possui, sem dúvida, ao menos.uma parte ~ dir~ita
e outra à esquerda, uma parte superIOr e outra mferIOr,
uma anterior e outra posterior, extremidades e uma parte
do meio. Devemos admitir que todas essas partes encontram-
se na exigüidade da menor massa corpórea que seja.
É porque não podemos admitir que corpo algum seja pura
e realmente uma unidade. Se bem que não se possa contar
nele tal infinidade de partes, senão quando as distinguimos
pelo conceito da mesma unidade.
Com efeito, quando procuro a unidade num corpo e
que estou certo de não a encontrar, por certo eu sei o que
aí procurava e que não encontraria, nem poderia encontrar.
Ou melhor dito, o que não existe de forma alguma.
Sabendo, pois, que não existe um corpo uno, eu sei entretanto
o que seja a unidade. Porque se ignorasse não
poderia contar no corpo essa pluralidade e diversid~de de
partes. Em todo lugar, porém, onde ~onheço a u~Idad~,
por certo nunca será por meio dos sentidos corporaIs, pOIS
que eles me informam unicamente sobre os corpos, nos
quais a unidade pura e verdadeira está ausente, como já
o provamos.
Por outro lado, se nós não percebemos a unidade
pelos sentidos corporais, tampouco percebemos por meio
103 A INTUIÇÃO DE DEUS - ACIMA DA RAZÃO
deles o número, pelo menos nenhum daqueles números
que nós intuímos pela inteligência. Porque não há
nenhum que exista a não ser por quantas vezes contém
a unidade. Ora, essa percepção escapa aos sentidos corporais.
Tomemos, por exemplo, a metade da menor partícula
corpórea; seja qual for a massa dessas duas metades, cada
uma delas possui ainda a sua metade. Essas duas partes
estão no corpo, sem serem elas mesmas simplesmente
duas partes indivisíveis. Ao contrário, o número denominado
dois, porque possui duas vezes o que é simplesmente
um, vê sua metade, que é precisamente o um puro
e simples, incapaz de ter ele mesmo uma metade, ou um
terço, ou uma outra fração por ser simples e realmente um
(uno e único).24
A constante ordem dos números
23. Ag. Além do mais, seguindo a série dos números,
vemos que depois de um vem o dois, e esse número
comparado ao precedente é o seu dobro. Contudo, o dobro
de dois não vem logo depois dele, mas sim o três, por meio
do qual se chega ao quatro, que é o dobro de dois. E essa
relação estende-se a toda série dos outros números conforme
uma lei absolutamente certa e imutável. De maneira
que, depois de um, isto é, depois do primeiro de todos os
números e prescindindo deste, o primeiro a seguir é o que
realizará o seu duplo, o dois. Por sua vez, depois do dois,
imediatamente após esse segundo número e este descontado,
só será o segundo número que realizará o seu dobro.
Porque depois de dois vem primeiramente o número três
e só em segundo lugar o quatro, que é o dobro de dois.
Depois do terceiro número, isto é, do três e, sendo este
descontado, será o terceiro número que realizará o dobro.
Porque depois de três vem primeiramente o quatro, e em
A PROVA DA EXISTÊNCIA DE DEUS 104
seguida o cinco, e só em terceiro lugar o seis, que é o dobro
de três. E do mesmo modo, depois do quatro e prescindindo
deste, o quarto número, que é o dobro dele. Porque vem
primeiramente o cinco, em segundo lugar o seis e em terceiro
o sete e só em quarto, o oito, que é o dobro do quatro.
Assim, pois, vai acontecer com todos os outros o que foi
verificado com o primeiro par de números, isto é, com o um
e o dois, a saber: acrescentando a um número qualquer a
série de unidades que ele conta, a totalidade obtida é o seu
dobro. Pois bem, essa lei da qual constatamos a imutabilidade,
a estabilidade e a inalterabilidade, que vemos cumprida
em toda série de números - por meio de qual faculdade e de
onde temos seu conhecimento?25
Com efeito, pessoa alguma, por nenhum de seus
sentidos corporais, pode abraçar o conhecimento de todos
os números, por serem eles inumeráveis. E como sabemos
ser essa relação a mesma para todos eles? Por meio de que
imaginação ou em que imagem essa verdade tão certa ~
a da série indefinida dos números - mostra-se a nós com
tanta constância em casos inumeráveis, a não ser por uma
luz interior, ignorada pelos sentidos corporais?26
A lei dos números é universal e acessível
a todos os que raciocinam
24. Ag. Por essas provas e muitas outras semelhantes,
todos aqueles que raciocinam e a quem Deus concedeu o
espírito, mas igualmente a quem a teimosia não envolveu
nas trevas, são forçados a reconhecer que a lei e a verdade
dos números escapam ao domínio dos sentidos corporais,
e que essas leis são invariáveis e puras, oferecendo-se
universalmente aos olhos de todos aqueles que são capazes
de raciocínio.27
É certo que muitas outras verdades podem ser encontradas,
que se apresentam, por assim dizer, pública e
105 A INTUIÇÃO DE DEUS - ACIMA DA RAZÃo
universalmente a todos os que refletem. E cada um em seu
espírito e sua razão, e não com os sentidos corporais,
deixam-nas invioláveis e imutáveis.
Foi, pois, por algum motivo que eu te permiti com boa
vontade, quando ao responderes àquela minha questão
(11,8,21), de abordares principalmente estas leis e esta
verdade dos números.
Pois, de fato, não é em vão que os nossos Livros
Santos uniram intimamente o número à sabedoria, ao
escreverem: "Explorei, igualmente, o meu próprio coração
para conhecer, examinar e escrutar a sabedoria e o número"
(Eclo 7,26).28
Capítulo 9
Manifestações de sabedoria natural
25. Ag. Todavia, peço que me digas o que te parece
precisarmos pensar a respeito da sabedoria. Julgas
que cada um dos homens sábios possui uma sabedoria
particular? Ou, então, crês que haja uma única sabedoria
à disposição de todos, como um bem comum, ao
qual, quanto mais uma pessoa participa, mais torna-se
sábia?
Ev. Mas ainda não sei de que sabedoria queres
falar?29 Pois vejo os homens opinarem de modo diferente
sobre o que seja agir ou falar com sabedoria. Por
exemplo:
Aqueles que abraçam o serviço militar crêem
estar agindo de maneira sábia.
Ao contrário, os que menosprezam esse estado e
empenham-se a trabalhar na agricultura, louvam
de preferência essa ocupação, atribuindo-a à
sabedoria.
A PROVA DA EXISTÊNCIA DE DEUS 106
Por outro lado, aqueles que são hábeis em cogitar
meios de se enriquecer, crêem por aí serem sábios.
Em contradição, os que, desprezando ou repelindo
todas essas coisas e qualquer espécie de bens
temporais, aplicam todos os seus esforços na
busca da verdade a fim de adquirir o conhecimento
de Deus e de si mesmos e julgam que tal seja a
grande função da sabedoria.
E por sua vez, existem aqueles que se recusam a
entregar-se ao lazer da busca da contemplação
da verdade, para dedicarem-se antes a cuidados
e ocupações bem penosas, tornando-se úteis aos
homens e consagrando-se à ocupação de governar
e organizar com justiça as tarefas humanas.
Esses também consideram-se como sábios.
Finalmente, há aqueles que fazem uma coisa e
outra, vivendo em parte na busca da contemplação
da verdade e em parte nas tarefas do serviço
que julgam dever à sociedade humana. Pensam
eles levar a palma da sabedoria.
Isso, omitindo aquelas inumeráveis agremiações das
quais não existe nenhuma que, pondo seus seguidores
acima de todos, não pretenda que só elas possuem o título
de sábios.
Desse modo, como se trata agora entre nós de responder
não conforme ao que cremos, mas conforme ao que admitimos
com compreensão clara, ser-me-á impossível responder
à tua questão, antes de saber não só pela fé, mas também
pela luz da razão: em que consiste a sabedoria, ela mesma?30
Sabedoria - Bem supremo e Verdade beatificante
26. Ag. Acaso, em tua opinião, será a sabedoria outra
coisa a não ser a verdade, na qual se contempla e se possui
o sumo Bem,31 ao qual todos desejamos chegar, sem
107 A INTUIÇÃO DE DEUS - ACIMA DA RAZÃO
dúvida alguma. Com efeito, todos aqueles de quem acabas
de citar as opiniões divergentes, na busca da sabedoria,
desejam o bem e fogem do mal. Mas a razão da divergência
de seus sentimentos encontra-se nas diversas acepções
que têm do bem. Ora, quem quer que, conseqüentemente,
deseja aquilo que não deveria desejar, não deixa de estar
no erro - ainda que não desejasse a não ser o que lhe
parecia como bem. Pelo contrário, é impossível o erro, no
caso de alguém não ter desejo algum, ou desejar apenas o
que devia desejar.
Na medida, pois, em que todos os homens desejam a
vida feliz, não erram. Mas na medida em que alguém abandona
o caminho da vida que leva à beatitude, mesmo
quando declara e proclama não querer senão chegar até à
beatitude, nessa mesma medida erra. Com efeito, há erro
quando seguimos um caminho que não pode nos conduzir
aonde pretendemos chegar. E quanto mais uma pessoa
erra no caminho da vida, menos ela é sábia, porque tanto
mais afasta-se da verdade, na qual se contempla e se
possui o Bem supremo. Ora, uma vez alcançado o sumo
Bem, cada um torna-se feliz, o que sem contestação todos
nós queremos.32
Portanto, como é certo que todos queremos ser felizes,
é também certo que queremos possuir a sabedoria.
Pois ninguém é feliz sem a posse do sumo Bem, cuja
contemplação e posse encontram-se nessa verdade que
denominamos sabedoria.
Desse modo, assim como antes de sermos felizes
possuímos impressa em nossa mente a noção da felicidade,
visto ser por ela, com efeito, que sabemos com firmeza,
sem nenhuma hesitação afirmamos que. queremos ser
felizes. Assim também, antes de sermos sábios, nós temos
impressa em nossa mente a noção da sabedoria.33 Em
virtude da qual cada um de nós, ao ser questionado se quer
ser sábio, responde sem sombra de hesitação que o quer.
A PROVA DA EXISTÊNCIA DE DEUS 108
Sabedoria - bem comum e supremo de todos
27. Ag. Logo, estamos agora de acordo sobre a natureza
da sabedoria. Talvez as tuas palavras não puderam exprimir
essa definição, mas se teu espírito não o tivesse
percebido de algum modo, ignorarias totalmente que
queres ser sábio, e que tens a obrigação de o querer - o
que não negarás, eu o penso. Nessas condições, quisera
que me dissesses agora se és da opinião que a sabedoria
oferece-se, ela também, tal as leis e a verdade dos números,
como um bem comum para todos os que gozam do uso
da razão. Ou então, que existem tantas sabedorias quanto
se possa contar de sábios, porque há tantas inteligências
humanas quantos homens - o que faz com que nada
possa eu ver da tua mente, nem tu da minha.
Eu. Se o Bem supremo é único e o mesmo para todos,
é preciso também que a verdade o seja. Pois é nela que é
visto e adquirido esse bem, isto é, a sabedoria.
Ag. Mas tens, acaso, alguma dúvida de que o Bem
supremo, seja ele qual for, venha a ser o mesmo para todos
os homens?
Eu. Sim, tenho certas dúvidas, porque vejo umas
pessoas pondo o seu deleite em coisas muito diversas,
como se essas fossem o seu Bem supremo.
Ag. Na verdade, quisera que ninguém tivesse dúvida
sobre o Bem supremo, assim como ninguém tem sobre a
necessidade de se possuir esse Bem supremo, seja ele qual
for, para ser feliz. Mas essa é uma grande questão que
talvez exija outra longa exposição. Portanto, suponhamos
que haja,com efeito, tantos bens supremos quantos os
objetos distintos procurados por pessoas diversas, como
sendo o seu bem supremo. Talvez, deverá seguir-se daí
que a própria sabedoria não seja única e comum a todos,
pelo fato de os bens que os homens vêm e escolhem nela
serem múltiplos e diversos? Se crês isso, podes também
109 A INTUIÇÃO DE DEUS - ACIMA DA RAZÃO
duvidar de que a luz do sol seja única, pelo fato de os
objetos vistos por ela serem múltiplos e diversos. E entre
essa multiplicidade de seres, cada um escolhe a seu gosto.
Por exemplo, aquilo que alguém desejar pelo sentido da
vista. Um olha com agrado a altura de um monte, e goza
desse espetáculo. Outro prefere a regularidade da planície.
Este, a profundidade dos vales. Aquele outro, o verde
das florestas. Outro, a mobilidade da superncie do mar.
E outro, finalmente, reúne todas essas belezas ou algumas
delas simultaneamente, para a alegria de sua vista.
Dessa maneira, assim como - apesar da diversidade
e multiplicidade dos objetos que os homens vêem à luz do
sol, entre os quais escolhem para deleite de sua contemplação
- não há entretanto senão uma só e mesma luz, na
qual o olhar atento de cada um descobre e abraça como
objeto de seu especial deleite. Do mesmo modo, apesar da
multiplicidade e diversidade dos bens entre os quais cada
um escolhe o que prefere para dele gozar, contemplandoo
e possuindo-o, e para fazer dele o seu real e verdadeiro
Bem supremo, não obstante, é bem possível que a luz
mesma da sabedoria, mediante a qual se pode contemplar
e possuir esses bens, seja ela mesma única e comum para
todos os sábios.34
Eu. Concordo que seja possível, e nada impede que
haja sabedoria única e comum a todos, apesar da diversidade
e multiplicidade dos bens. Mas quisera saber se
assim é de fato. Pois admitir a possibilidade de alguma
coisa ser, de certa maneira, não constitui que ela o seja na
realidade.
Ag. Sabemos pois, por agora, que existe a sabedoria,
mas não sabemos ainda se ela é única e comum a todos, ou
se cada um dos sábios possui a sua sabedoria própria,
como cada um possui a sua alma e a sua inteligência
própria.
Eu. É bem assim.
A PROVA DA EXISTÊNCIA DE DEUS 110
Capítulo 10
Certezas imutáveis das leis da sabedoria
28. Ag. Pois bem! O que te parece? Quando afirmamos
com segurança que existe a sabedoria e que existem
homens sábios, e que todos nós queremos ser felizes., de
onde vêm essas verdades? Pois não ousarias duvidar de
que sabes isso e que é essa de fato a verdade.35
Ora, tais verdades tu as vês como vês o pensamento que
tens, o qual eu ignoro totalmente, a não ser que tu mo
comuniques? Ou então, tu as vês compreendendo que eu
também possa vê-las, embora tu não o comuniques a mim?
Eu. Não duvido de que tu também possas ver tais
verdades, mesmo que eu não as queira comunicar a ti.
Ag. Então, uma verdade única que ambos vemos,
cada um por sua própria inteligência, não será ela algo de
comum a nós dois?
Eu. Evidentemente.
Ag. Do mesmo modo não negarás, suponho eu, que
devemos aplicar-nos ao estudo da sabedoria, e concordarás
que aí está também uma verdade?
Eu. Disso não duvido de forma alguma.
Ag. Poderíamos, além disso, negar que essa verdade
seja uma e ao mesmo tempo comum, aos olhos de todos
aqueles que a percebem, não obstante, cada um a perceber
pela própria inteligência e não pela minha ou a tua, ou de
quem quer que seja? Pois, finalmente, o objeto dessa
percepção apresenta-se universalmente à disposião de
quantos a contemplam.
Eu. De modo algum podemos negar isso.
Ag. E se for dito, igualmente: é preciso viver conforme
a justiça, subordinar as coisas menos boas às melhores;
comparar entre si as semelhantes; e dar a cada um o
111 A INTUIÇÃO DE DEUS - ACIMA DA RAZÃO
que lhe é devido. Não concordarás que tudo isso é muito
verdadeiro e apresenta-se universalmente à minha disposição
como à tua, e a todos aqueles que o considerarem?
Eu. Estou de acordo.
Ag. Bem! E se for dito: o que não é corrompido, isto é,
o íntegro é melhor do que o corrompido; o eterno vale mais
do que o temporal; o ser inviolado mais do que aquele
sujeito à violação. Poderás negar isso?
Eu. Quem o poderia?
Ag. Logo, cada um pode apropriar-se, dizendo serem
só suas, essas verdades, quando elas se apresentam de
maneira imutável à contemplação de todos aqueles que as
podem considerar?
Eu. Ninguém poderia, sem erro, declarar essas verdades
serem de sua propriedade particular, visto serem, igualmente,
únicas e comuns a todos, enquanto verdadeiras.
Ag. Do mesmo modo, é preciso afastar sua alma da
corrupção e a dirigir para a pureza, isto é, urge amar, não
a corrupção, mas a integridade. Quem o negará? E uma
vez admitida a existência dessa verdade, como não compreender
que ela seja imutável, e possa ser entendida por
todas as inteligências capazes de a perceber?
Eu. Isso é muito exato.
Ag. E se for dito: uma vida que adversidade alguma
desvia do caminho certo e honesto é melhor do que outra
vida facilmente dividida e sacudida pelas provações temporais.
Poderá alguém duvidar disso.36
Eu. Quem o duvidaria?
29. Ag. Já não procurarei exemplos desse gênero. Basta
que reconheças comigo e que me concedas como algo muito
certo que essas verdades são como regras e espécie de
luminares das virtudes;37 e ainda, que essas máximas são
verdadeiras e imutáveis, prestando-se, seja isolada, seja
conjuntamente, como um objeto comum de compreensão a
A PROVA DA EXISTÊNCIA DE DEUS 112
todos aqueles que as podem perceber, cada um por meio de
sua própria inteligência e razão. Mas eu te pediria, ainda, se
essa regra e luzeiro das virtudes, conforme teu julgamento,
pertencem à sabedoria. Pois julgarás, penso eu, que todo
homem tendo alcançado a sabedoria é sábio?
Eu. Assim me parece de fato.
Ag. E que dizes? Aquele que vive conforme à justiça,
poderia fazê-lo se não visse quais são as coisas inferiores
a serem subordinadas às superiores; e quais as iguais a
serem postas no mesmo plano; e quais as coisas particulares
que devem ser devolvidas a cada um?
Eu. Uma pessoa sem a sabedoria não saberia agir
assim.
Ag. Negarás, pois, que uma pessoa que vê essas
coisas, contempla-as como sábio?
Eu. Não o nego.
Ag. E o que dizer daquele que vive com prudência?
Não escolhe ele a incorruptibilidade, julgando ser preciso
preferi-la à corrupção?
Eu. É claro.
Ag. Assim, pois, quando uma pessoa escolhe para
dirigir o seu espírito aquelas coisas que na opinião de
todos devem ser escolhidas, pode-se negar que sua escolha
seja feita com sabedoria?
Eu. Não o negarei de modo algum.
Ag. Por conseguinte, uma pessoa ao digirir seu espírito
na direção de quem escolhe sabiamente, é indubitável
que está agindo com sabedoria?
Eu. Sim, é indubitável.
Ag. Dessa maneira, aquele que nem por medo, nem por
ameaças afasta-se do fIm escolhido, e para o qual dirige-se
sabiamente, age ele, sem dúvida, com sabedoria?
Eu. Com efeito, sem dúvida alguma.
Ag. Por conseguinte, é manifesto que tudo o que
chamamos de regras e luminares das virtudes pertencem
113 A INTUIÇÃO DE DEUS - ACIMA DA RAZÃO
à sabedoria. Com efeito, quanto mais alguém acomoda
sua vida a elas e vive e age desse modo, tanto mais vive
com sabedoria. Ora, nenhuma ação feita com sabedoria
pode-se dizer que esteja desligada da sabedoria.
Eu. É bem assim.
Ag. Portanto, quanto verdadeiras e imutáveis são aquelas
leis dos números, das quais, como dizias anteriormente,
apresentam-se de modo imutável e universal a todos os que
as consideram; e tanto são igualmente verdadeiras e imutáveis
as regras de sabedoria. Algumas delas, eu as submeti
especialmente à tua apreciação, e te pareceram verdadeiras
e evidentes. Concordaste serem elas comuns a todas as
inteligências capazes de as perceber.
Capítulo 11
A sabedoria e os números encontram
sua fonte na Verdade imutável
30. Eu. Não posso ter dúvidas acerca disso. Mas bem
quisera saber se essas duas realidades, a saber, a sabedoria
e o número pertencem a um só e mesmo gênero, já que
as próprias santas Escrituras, como lembraste, reúnemas
num mesmo plano ao mencioná-Ias.3s Ou acaso, procederia
uma da outra ou, ainda, uma subsistiria na outra?
Será que o número procede da sabedoria ou subsiste
nela?39 Com efeito, se a sabedoria procede do número ou
subsiste nela, eu não ousaria afIrmá-lo. Na verdade, não
sei como explicar o fato de, conhecendo um grande número
de estudiosos de aritmética e calculadores, ou sejam eles
designados de modo diferente, esses que sabem perfeita e
admiravelmente calcular e, por outro lado, conhecendo eu
bem pouco sábios ou mesmo nenhum, a sabedoria pareceme
um bem mais venerável do que o número.
A PROVA DA EXISTÊNCIA DE DEUS 114
Ag. Dizes algo que eu costumo estranhar. Pois quando
considero em mim mesmo a verdade imutável dos números
e, por assim dizer, as moradas ou o santuário ou região
sublime onde habitam, ou se conseguirmos encontrar qualquer
outro nome mais conveniente para designar essa espécie
de habitação e sede dos números, nesse caso, eu me sinto
bem longe do mundo corpóreo.40 E se nessa região sublime
descubro alguma realidade, na qual talvez me seja possível
pensar, nada encontro que possa ser traduzido em palavras.
Caio então no cansaço e volto aos objetos que nos cercam, a
fim de conseguir me exprimir. E falo de coisas que estão
diante de nossos olhos como de costume.
Acontece-me isso, igualmente, quando me aplico a
pensar na sabedoria, com toda atenção que posso e muito
esforço.
Fico assim muito perplexo, visto que essas duas
realidades - a sabedoria e o número - pertencem à
verdade indubitável, a mais secreta e certa. E acrescento
ainda o testemunho das Escrituras, onde essas duas
coisas, como lembrei acima, estão mencionadas conjuI.1tamente.
Portanto, muito me admiro de que o número seja
tido como sem valor para a imensa multidão dos homens,
ao passo que a sabedoria lhes seja de muito apreço. Pois,
incontestavelmente, são uma só e mesma realidade. Não
obstante, nos Livros Sagrados é dito também, sobre a
sabedoria, que "ela atinge com força desde uma extremidade
à outra, e dispõe todas as coisas com suavidade" (Sb
8,1). Esse poder pelo qual "ela atinge com força de uma
extremidade à outra" designa talvez o número. E aquele,
em virtude do qual "ela dispõe tudo com suavidade",
denominaria já em sentido próprio a sabedoria. Já que
uma e outra coisa pertencem a uma só e mesma sabedoria.
31. Ag. Mas por que Deus deu o número a todos os seres,
até mesmo aos menores e àqueles que se encontram no
115 A INTUIÇÃO DE DEUS - ACIMA DA RAZÃO
limite das coisas? Pois os corpos também possuem seus
números, ainda que estejam no último lugar na escada
dos seres. Ao contrário, Deus não deu a sabedoria aos
corpos, nem a todos os seres vivos, mas somente às almas
racionais. É como se estabelecesse nelas, como em seu
trono, para de lá dispor sobre todas as coisas, até as mais
ínfimas, as quais são certamente dotadas de números.
Assim como nós julgamos facilmente os corpos como
objetos ordenados, inferiores a nós, e que neles vemos
impressos números, supomos que estes também estejam
abaixo de nós, e por isso serem de menor valia do que a
sabedoria. Contudo, se nos dispusermos a voltar, por assim
dizer, em direção ao alto, descobriremos que os mesmos
números ultrapassam as nossas mentes e permanecem
imutáveis na verdade, ela mesma.
É por isso que bem poucas pessoas podem ser sábias,
ao passo que a possibilidade de fazer contas é
concedida até aos néscios. É também porque os homens
admiram a sabedoria e apreciam menos os números.
Mas aqueles que são instruídos e os verdadeiros estudiosos
quanto mais se afastam das impurezas terrestres,
tanto melhor contemplam na própria verdade o número
como a sabedoria, e a ambos atribuem grande estima. Em
comparação a essa verdade, não somente o ouro e a prata,
mas todos os outros bens, para a obtenção dos quais os
homens se disputam, e até a si mesmos, são julgados como
visY
32. Ag. Não te admires, pois, se os homens fazem pouco
caso dos números e apreciam a sabedoria como muito
preciosa. É precisamente porque é mais fácil para eles
fazer contas do que ser sábio. Não vês que eles também
estimam mais o ouro do que a luz de uma lâmpada, em
comparação da qual o ouro possui apenas um valorirrisível?
Dá-se assim mais apreço a uma coisa bem inferior, porque
A PROVA DA EXISTÊNCIA DE DEUS 116
até um mendigo pode acender para si uma lâmpada, ao
passo que, ao ouro, bem poucos o possuem.
Quanto à sabedoria, longe de mim considerá-la inferior,
em comparação ao número, visto que ela lhe é idêntica.
Requer, porém, olhos capazes de a contemplar. Do mesmo
modo como no fogo percebe-se a luz e o calor, que são por
assim dizer consubstanciais, sem poderem ser separados um
do outro, contudo, o calor atinge somente os objetos que se
colocam perto dele. A luz, entretanto, difunde-se também
nos lugares mais distantes e espaçados. De igual maneira, o
poder da inteligência, inerente à sabedoria, inflama com seu
calor os seres mais próximos a ela, como são as almas
racionais. Quanto aos seres mais afastados, como os corpos,
esses não são tão atingidos pelo calor da sabedoria, também
se inundados pela luz dos números.
Tudo isso pode talvez ser obscuro para ti, pois não se
pode, de modo adequado, adaptar alguma comparação de
coisas visíveis a algo invisível. Observa somente um ponto
que aliás bastaria como conclusão para a questão em pauta.
Será ele evidente até para espíritos humildes como os nossos.
Se não podemos saber claramente se o número está contido
na sabedoria ou se procede dela; ou ainda, se a própria sabedoria
vem do número ou existe nele; finalmente, se é possível
ver uma mesma realidade sob nome duplo, o que é evidente,
em qualquer caso é que a sabedoria, como o número,
é verdadeira e imutavelmente verdadeira.42
Capítulo 12
A Verdade imutável- o próprio Deus
33. Ag. Conseqüentemente, de modo algum poderias
negar a existência de uma verdade imutável que contém
em si todas as coisas mutáveis e verdadeiras.43 E não as
117 A INTUIÇÃO DE DEUS - ACIMA DA RAZÃo
poderás considerar como sendo tua ou como exclusivamente
minha, nem de ninguém. Pelo contrário, apresenta-
se ela e oferece-se universalmente a todos os que são
capazes de contemplar realidades invariavelmente verdadeiras.
É ela semelhante a uma luz admiravelmente
secreta e pública ao mesmo tempo. Ora, a respeito de algo
que pertence assim universalmente a todos os que raciocinam
e compreendem, poder-se-ia dizer que pertence
como própria à natureza particular de alguém?
Tu te lembras, penso eu, de nossas considerações
precedentes (I1,7,15-19) sobre os sentidos corporais?44 A
respeito daqueles objetos que percebemos em comum pelos
sentidos da vista ou do ouvido, tal como as cores e os
sons, nós os vemos ou entendemos conjuntamente, tanto
eu como tu. E contudo, esses objetos não pertencem à natureza
de nossos olhos ou ouvidos, mas nos são comuns,
enquanto objetos de percepção. Assim, não dirias sobre esses
objetos que nós percebemos um e outro em comum, cada
um com SUa própria mente, que eles constituam a natureza
individual da mente de qualquer de nós. Porque se
os olhos de duas pessoas vêem juntos, ao mesmo tempo,
um objeto, será impossível esse objeto ser identificado com
os olhos desta ou daquela. Será esse objeto terceira coisa
pa-ra a qual se dirigem os olhares de uma pessoa e outra.
Ev. Nada de mais claro e verdadeiro.
Inferioridade da mente diante da verdade: incapaz de
julgá-la e susceptível de constante mutabilidade
34. Ag. Portanto, esta verdade sobre a qual estamos falando
há tanto tempo e a qual mesmo sendo uma só nos faz
perceber tantas coisas, será ela, no teu parecer, mais excelente
do que nossa mente? Igual a ela? Ou até inferior?
Se fosse inferior nossos julgamentos, longe de se
regulamentarem sobre ela, julgariam a ela mesma, tal
A PROVA DA EXISTÊNCIA DE DEUS 118
como nós julgamos os corpos. E acontece isso porque estes
são inferiores à mente humana. Dizemos dos corpos
muitas vezes não somente que são ou não assim, que
deviam ser ou não de tal modo. E igualmente sobre nossa
alma sabemos não apenas que ela possui tal ou tal maneira
de ser, mas que talvez deveria possuir tal ou tal
outro modo de ser. De fato, a respeito dos corpos é desse
modo que julgamos, ao dizer: "este é menos branco do que
deveria ser" ou: "é menos quadrado", e ainda a respeito de
muitas outras propriedades. Sobre nossa alma, dizemos:
"ela é menos capaz do que deveria ser", ou: "menos
condescendente", ou: "menos corajosa", conforme a mQdalidade
com que se apresenta nosso estado moral. E nós
formamos esses julgamentos de acordo com aquelas regras
interiores da verdade que todos possuímos em comum.
E de modo algum ninguém vem a julgar essas
mesmas regras. Com efeito, quando alguém afirma: "as
coisas eternas são superiores às temporais", ou então:
"sete e três são dez", ninguém diz: "isso deveria ser assim".
Pelo contrário, cada um apenas constata ser assim. Ninguém
corrige como se fosse algum censor, mas registra
com alegria como uma descoberta.
Por outro lado, se a verdade fosse igual às nossas
mentes, ela se tornaria mutável como elas são, já que
nosso entendimento, às vezes, vê de modo mais claro;
outras vezes, menos. E por aí revela ser mutável. Ao passo
que a verdade, permanecendo a mesma em si mesma, não
ganha nada quando a vemos mais claramente nem nada
perde quando a vemos menos bem. Ela guarda sempre sua
integridade e sua inalterabilidade. 45 Aqueles que mantêm
seu olhar voltado para ela, alegram-se, pois são iluminados.
E ficam cegos os que se recusam olhar em sua direção.
E que dizer ainda? Não é também em conformidade
com a verdade que emitimos juízos sobre a nossa própria
mente, sem que ninguém possa proferir, de modo algum,
119 A INTUIÇÃO DE DEUS - ACIMA DA RAZÃO
juízos a respeito da verdade ela mesma? Com efeito,
afirmamos: "fulano compreende menos do que devia", ou:
"compreende tanto quanto devia". Ora, a medida conforme
a qual a mente humana deve compreender é a medida
mesma com que consegue aplicar-se e unir-se à verdade
imutável.
. Assim, pois, se a verdade não é nem inferior' nem Igual a nossa mente, segue-se que ela só pode ser superior
e mais excelente do que ela.46
Capítulo 13
Exortação a abraçar a Verdade -
fonte única da felicidade
35. Ag. Eu te havia prometido, se te lembras, de haver de
provar que existe uma realidade muito mais sublime do
que a nossa mente e nossa razão (cf. 11,6,14). Ei-la diante
de ti: é a própria Verdade! Abraça-a, se o podes. Que ela
seja o teu gozo! "Põe tuas delícias no Senhor e ele concederá
o que teu coração deseja!" (SI 36,4). Pois o que desejas
senão ser feliz? E haverá alguém mais feliz do que aquele
que goza da inabalável, imutável e muito excelente Verdade?
47
Por certo, os homens dizem-se felizes quando abraçam
belos corpos, objetos de seus ardentes desejos, sejam
os de suas esposas, sejam os de suas amantes. E duvidaríamos
nós de nossa felicidade, quando abraçamos a
Verdade?
Proclamam-se felizes os homens quando, para refrescar
a garganta ressequida pelo calor, chegam até uma
fonte abundante e pura. Ou quando famintos, encontram
para saciar a fome a refeição do meio-dia ou a da noite
abundante e esmerada. E negaríamos nós que somo~
A PROVA DA EXISTÊNCIA DE DEUS 120
felizes, quando a mesma Verdade sacia nossa sede e nossa
fome?
Muitas vezes, ouvimos a voz daqueles que se dizem
felizes, porque descansam em leito de rosas e flores
variadas. Ou ainda, deleitam-se com os mais delicados
perfumes. Mas existe algo mais perfumado, algo mais
agradável do que o sopro da Verdade? E duvidaríamos nós
de nos dizer felizes quando a aspiramos?
Muitos põem a felicidade de sua vida em ouvir cantos
de vozes humanas e o som de instrumentos musicais. Se
lhes faltam tais prazeres, consideram-se infelizes. Mas
caso lhes sejam devolvidos, transbordam de alegria. E
nós? Quando certo silêncio eloqüente e harmonioso da
Verdade penetra, por assim dizer, sem qualquer ruído em
nossa mente, haveríamos de procurar outra vida feliz, em
vez de gozarmos desta tão presente e segura em nós?
Os homens crêem-se felizes quando - deleitados
com o brilho do ouro ou da prata, com o brilho das pedras
preciosas ou de outros objetos coloridos ou com o
esplendor e encanto da própria lua destinada a iluminar
nossos olhos corporais, venha ela do fogo da terra, das
estrelas, da luz ou do sol - não são afastados desse
deleite, por desgosto nem necessidade alguma; sentem-se
deveras felizes e desejariam viver para sempre desse
modo, a fim de gozar de tais prazeres. E nós, temeríamos
pôr a felicidade de nossa vida na contemplação da luz da
Verdade?
A Verdade vive na mente humana
36. Ag. Muito pelo contrário, já que é na verdade que
conhecemos e possuímos o Bem supremo, e já que essa
Verdade é a Sabedoria, fixemos nela nossa mente para
captarmos esse Bem e gozarmos dele. Pois é feliz aquele
que desfruta do sumo Bem!
121 A INTUIÇÃO DE DEUS - ACIMA DA RAZÃO
Com efeito, essa verdade contém em si todos os bens
verdadeiros, entre os quais os homens, conforme o grau de
sua inteligência escolhem para si um só ou diversos deles,
para seu gozo. Ora, há homens que à luz do sol fixam com
agrado seus olhos sobre certo objeto para o contemplar
com deleite. Talvez haja entre esses homens alguns cujos
olhos sejam mais vigorosos, mais sadios e potentes. Esses
nada olham com maior prazer do que o próprio sol pelo
qual são iluminados todos os outros objetos. E éjustamente
nesses objetos que os olhos dos mais fracos encontram
o seu deleite.
A mesma coisa acontece quanto a uma inteligência
mais vigorosa e forte, depois de ter considerado, com
certeza racional, um bom número de verdades imutáveis,
seu olhar dirige-se para a Verdade mesma, da qual toda
verdade recebe sua luz. Aderindo a ela, eles como que
esquecem tudo mais, gozando nela só, e ao mesmo tempo
de todas as outras coisas. Pois tudo o que agrada nas
verdades particulares tira evidentemente o seu encanto
da própria Verdade.48
Capítulo 14
A Verdade - fonte de liberdade e segurança
37. Ag. Eis no que consiste a nossa liberdade: estarmos
submetidos a essa Verdade. É ela o nosso Deus mesmo, o
qual nos liberta da morte, isto é, da condição de pecado.
Pois a própria Verdade que se fez homem, conversando
com os homens, disse àqueles que nela acreditavam: "Se
permanecerdes na minha palavra sereis, em verdade,
meus discípulos e conhecereis a verdade e a verdade vos
libertará" (Jo 8,31.32).49 Com efeito, nossa alma de nada
goza com liberdade se não o gozar com segurança.
A PROVA DA EXISTÊNCIA DE DEUS 122
Ora, ninguém pode viver com segurança no meio de
bens que pode vir a perder contra a sua vontade .. A
verdade e a sabedoria ninguém as pode perder contra a
própria vontade. Pois ninguém pode ficar separado delas
por distâncias de lugar. O que se pode entender por ficar
separado da verdade e da sabedoria será o amor dos bens
inferiores. Aliás, ninguém quer alguma coisa sem de fato
o querer.
Logo, nós possuímos na verdade um bem do qual
todos podemos gozar igualmente e em comum. Nesse gozo
não existe estreiteza alguma, nem defeito nenhum. A
Verdade acolhe todos aqueles que a amam, sem suscitar
qualquer inveja. Ela dá-se a todos do mesmo modo e permanece
pura em relação a cada um. Nunca alguém virá a
dizer a um outro que está junto da verdade: "Retira-te
para que eu possa também me aproximar dela. Masta
teus braços, para que eu também a abrace!" Não! Todos
lhe estão estreitamente unidos, todos a retêm ao mesmo
tempo. Oferece-se em alimento a todos sem ter de se
repartir em diversas partes. Tu nada bebes dela sem que
eu não possa também beber. Pois nada que dela recebes
torna-se tua propriedade exclusiva. Pelo contrário, o que
dela recebes permanece também para mim em toda sua
integridade. O que dela inspiras não espero que o tenhas
exalado para que venha a inspirar por minha vez. Pois
nada da verdade torna-se propriedade de um só ou apenas
de alguns, mas simultaneamente ela é toda inteira e
comum a todos.50
A transcendência da Verdade
38. Ag, Conseqüentemente, esta verdade possui menos
analogia com os objetos dos sentidos do tato, do gosto e do
olfato do que com os objetos atingidos pelos sentidos do
ouvido e da vista. Pois toda palavra escutada é ouvida ao
123 A INTUIÇÃO DE DEUS - ACIMA DA RAZÃO
mesmo tempo totalmente por todos e cada um. E assim
também, quanto aos objetos postos diante dos olhos.
Tanto vê uma pessoa quanto outra, ao mesmo tempo.
Mas essas semelhanças são ainda, sem dúvida, muito
imperfeitas. De fato, cada palavra, seja qual for, não soa
inteiramente ao mesmo tempo. Ela estende-se no espaço
por intervalos e prolonga-se no tempo. Uma de suas
partes soa primeiro, outra só depois. Do mesmo modo,
toda imagem visual ocupa certo campo no espaço e não é
vista totalmente em toda parte. Além do mais, todas essas
coisas podem nos ser arrebatadas sem que o queiramos, e
muitas são as dificuldades que podem nos impedir a
possibilidade de gozar delas.
Realmente, se um cantor pudesse ter uma voz muitíssimo
melodiosa, e prolongar indefinidamente, os amantes
do canto apressar-se-iam à porfia para escutá-lo. Empurrar-
se-iam mutuamente e disputariam os lugares. Isso
tanto mais quanto mais numerosos fossem, a fim de cada
um poder ficar mais perto do dito cantor. Mesmo assim, da
melodia ouvida não poderiam reter nada que pudessem
conservar consigo. Pelo contrário, não haveriam de perceber
senão sons esparsos.
Do mesmo modo, se quiséssemos contemplar o sol, e
se o pudéssemos fazer sem interrupção, ele não só nos
deixaria no momento do poente, mas também poderia
ficar oculto à nossa vista, devido às nuvens. Além do mais,
muitos outros obstáculos nos fariam perder o prazer de o
contemplar, contra nossa vontade.
Enfim, ainda que eu tivesse sempre presente o encanto
da luz para minha vista, e o do canto para os meus
ouvidos, o que retiraria eu de glorioso de tudo isso, sendo
essas coisas comuns a mim e aos animais?
Pelo contrário, aquela beleza da Verdade e da Sabedoria,
enquanto persistir a vontade de gozar dela de modo
perseverante, nem a multidão de ouvintes amontoados
A PROVA DA EXISTÊNCIA DE DEUS 124
em sua volta exclui os recém-chegados. Tampouco o tempo
lhe põe um fim, nem ela muda de lugar para lugar. A
noite não a interrompe. Nem as trevas a podem esconder.
E ela não está subordinada aos sentidos corporais. Está
perto de todos aqueles que a amam e voltam-se para ela,
em qualquer parte do mundo. Para todos, ela está sempre
próxima e para todos dura eternamente. Não está em
lugar nenhum e apesar disso nunca está ausente de parte
alguma. Adverte-nos do exterior e ensina-nos interiormente.
51 Torna melhores todos os que a contemplam e
ninguém a pode tornar pior ou a deteriorar. Pessoa alguma
é seu juiz, mas sem ela ninguém pode ser julgado
com retidão.
A verdade é, pois, sem contestação superior e mais
excelente do que nós, porque ela é una e ao mesmo tempo
torna sábia, separadamente, cada uma de nossas mentes
e as faz juízes das outras coisas todas. Jamais, porém, a
mente é juiz em relação à Verdade transcendente.
TERCEIRA PARTE (15,39-20,54)
TUDO O QUE É BOM E PERFEITO
VEM DE DEUS
Capítulo 15
Conclusão de toda a argumentação anterior:
Deus existe!
39. Ag. Ora, (Evódio), tu admitiste que se te eu demonstrasse
a existência de uma realidade superior à nossa
mente, reconhecerias ser Deus essa realidade. Mas só no
caso de nada existir acima dessa realidade. E ao aceitar
essa concessão, disse eu, que me bastaria, com efeito,
fazer tal demonstração. Pois se houvesse alguma realidade
mais excelente, essa precisamente seria Deus. E se não
houvesse nada mais excelente do que ela, então, imediatamente,
essa mesma verdade seria Deus. Em ambos os
casos, todavia, não poderias negar que Deus existe. E
precisamente era esta a questão que nós nos tínhamos
proposto debater e discutir. 52
Agora, se em vista disso estás perplexo, recorda
aquilo em que cremos conforme o ensino sagrado de
Cristo, ou seja, que existe o Pai da Sabedoria. Lembra-te
desta outra doutrina pertencente também à nossa fé: que
a Sabedoria gerada pelo Pai eterno lhe é perfeitamente
igual. É porque nada há mais a discutir, no momento, a
respeito desse ponto, mas somente guardarmos esse ensino
com fé inabalável. Deus, pois, existe! Ele é a realidade
A PROVA DA EXISTÊNCIA DE DEUS 126
verdadeira e suma, acima de tudo. E eu julgo que essa
verdade não somente é objeto inabalável de nossa fé, mas
que nós chegamos a ela, pela razão, como sendo uma verdade
certíssima, ainda que sua visão não nos seja muito profunda,
pelo conhecimento. 53 Mas basta-nos isso para podermos
explicar os outros aspectos de nosso assunto. A não ser que
tenhas alguma objeção a opor a essas conclusões?
Eu. Quanto a mim, sinto-me inundado por uma alegria
realmente incrível. Minhas palavras não conseguem
exprimi-la. Aceito estas tuas conclusões, proclamando-as
certíssimas. Exclamo, pois, com minha voz interior, a qual
exprime o desejo de ser atendido pela Verdade mesma, e
de unir-me a ela. E essa união, eu o confesso, não somente
é um bem, mas o sumo Bem, fonte de beatitude.54
o desejo de sabedoria é inerente a nosso espfrito
40. Ag. Muito bem! Igualmente alegro-me profundamente.
Mas dize-me: Somos nós, porventura, desde agora,
sábios e felizes ou estamos ainda a caminho desse estado
a ser atingido?
Eu. Penso que ainda tendemos a isso.
Ag. De onde, pois, tiras a compreensão dessas verdades
e certezas das quais dizes te alegrar? Pois concedes
que elas pertencem à sabedoria? Poderá um ignorante
(insipiens) conhecer a sabedoria?
Eu. Enquanto for ignorante não o poderá.
Ag. Portanto, ou já te tornaste sábio ou então ainda
és ignorante.
Eu. Na verdade, ainda não sou sábio. Mas tampouco
me considero como ignorante, posto que conheço a sabedoria.
Com efeito, as conclusões a que cheguei são certas. E
não posso negar que elas pertençam à sabedoria.
Ag. Peço-te de me dizer: não concordas que aquele
que não é justo é injusto? E quem não é prudente é
127 TUDO o QUE É BOM E PERFEITO VEM DE DEUS
imprudente? E quem não é tem perante é intemperante?
Pode-se duvidar de alguma dessas afirmações?
Eu. Concordo que um homem, quando não é justo, é
injusto. E responderia o mesmo a respeito do prudente e
do temperante.
Ag. Agora, por que então quando alguém não é sábio
deixará de ser ignorante?
Eu. Aceito também que aquele que não é sábio é
ignorante.
Ag. Pois bem! E tu qual dessas coisas és?
Eu. Qualquer que seja a maneira como me denominar
não me atrevo ainda a me considerar sábio. Por outro
lado, pelo que concordei segue-se, eu o constato, que não
devo hesitar em me ter como ignorante.
Ag. Logo, o ignorante conhece a sabedoria! Com efeito,
como dissemos, ele não estaria certo de desejar ser
sábio, nem que isso seja de fato algo irrecusável- caso a
idéia de sabedoria não estivesse inerente a seu espírito.
Assim, está em ti a idéia dessas realidades obtidas e sobre
as quais respondeste muito bem, quando te propus questões.
Essas coisas pertencem de fato à sabedoria cujo
conhecimento te causou tanta alegria.
Eu. É bem como dizes.
Capítulo 16
A sabedoria manifesta-se aos que a procuram,
graças aos números impressos em cada ser
41. Ag. Quando nós nos esforçamos para nos tornar sábios,
o que fazemos a não ser concentrar toda nossa alma, com o
maior zelo possível, ao que contemplamos com a mente,
colocando-a aí de modo estável? Ela assim não se compraz
mais com seu "eu" particular ligado às coisas transitórias,
A PROVA DA EXISTÊNCIA DE DEUS 128
mas, despojada de toda afeição às coisas sujeitas ao tempo e
ao espaço, procura abraçar o Ser, que é uno e sempre idêntico
a si mesmo. Pois, na verdade, assim como a alma é toda a vida
do corpo, do mesmo modo toda vida bem-aventurada da alma
é Deus. Enquanto vamos executando esse trabalho até o
levarmos à sua hora de perfeita realização, estamos ainda a
caminho. E já que nos é concedido gozar desses bens verdadeiros
e seguros, embora sejam como espécie de lampejos em
nossa viagem ainda tenebrosa, observa se não seria o que a
Escritura diz sobre a Sabedoria, referindo-se à sua conduta
em relação àqueles que a amam, que vêm a seu encontro e a
procuram. Com efeito, está dito: "Ela se mostrará a eles,jubilosamente,
nos caminhos e irá a seu encontro, com toda a
solicitude" (Sb 6,16).
Efetivamente, em qualquer lugar onde olhares, a
sabedoria te fala pelos vestígios que imprimiu em todas as
suas obras. E quando recais de novo no amor às coisas
exteriores, é valendo-se da própria beleza dos seres exteriores
que ela te chama a teu interior. E isso a fim de que,
vendo tudo quanto te encanta nos corpos e te seduz,
através dos sentidos corporais, reconheças que está repleto
de números. Ao indagares de onde vem isso, entra em
ti mesmo e compreende tua impotência de julgar para o
bem ou para o maios objetos percebidos por teus sentidos.
Pois não poderias aprovar ou desaprová-los, se não tivesses
dentro de ti certas leis estéticas, às quais confrontas
todas as belezas sensíveis do mundo exterior.
A sabedoria regula pelos números a harmoniosa
evolução do universo
42. Contempla o céu, a terra, o mar e todos os seres neles
contidos, brilhando nas alturas ou rastejando a teus pés,
voando ou nadando. Todos possuem beleza, porque têm
seus números. Suprima-os e eles nada mais serão.55 Logo,
129 TUDO O QUE É BOM E PERFEITO VEM DE DEUS
de onde vêm eles, a não ser daquele de onde procede todo
número? Visto que o ser que neles está não existe a não ser
na medida que realiza os números que possui.
Até os artistas humanos possuem, em sua própria
mente, números de todas as belezas corporais para conformar
a eles as suas obras. Com as mãos e os instrumentos,
eles trabalham até que o objeto que modelam exteriormente
seja relacionado com a luz interior que possuem dos seus
números. Isso para que sua obra possa adquirir toda a
perfeição possível. Será ela expressa pelos sentidos, de modo
a agradar o juiz interior, o qual intui os números transcendentes.
Indaga depois quem move os membros do próprio
artista: Não será também pelo número que eles são movidos,
com regularidade, conforme as leis dos números? E se tiras
das mãos a obra que o artista modela, e de sua alma a
intenção de a elaborar, e se não houver outra finalidade a não
ser dar prazer ao movimento de seus membros, não será isso
o que se denomina dança? Verifica o que agrada na dança, e
o número responder-te-á ainda: Sou eu!
Contempla, agora, a beleza de um corpo bem formado:
são os números a ocupar o seu lugar. Observa a beleza
dos movimentos corporais: são os números atuando no
tempo. Penetra na região de onde procedem os números.
Examina aí o tem po e o espaço: a arte não está em nenhum
lugar e em tempo algum. Contudo, aí reina o número. Sua
mansão não está no espaço nem sua duração, nos dias.
Contudo, os aprendizes, dobrando-se às regras da arte, a
que estão a aprender, com o desejo de se tornarem artistas,
movem seu corpo no tempo e no espaço. Ao passo que
a alma só se move no tempo, pois é com o andar do tempo
que a arte é aperfeiçoada.
Ultrapassa, agora, a mesma alma do artista e fixa-te
até vislumbrar o número sempiterno. A sabedoria então
resplandecerá diante de ti, vinda de seu trono mais
secreto, e do próprio santuário da Verdade. E se teu olhar ,
5. o Livre-arbítrio
A PROVA DA EXISTÊNCIA DE DEUS 130
ainda muito fraco, ficar ofuscado à sua vista, reconduz o
olhar de teu espírito na direção daquele caminho onde ela
se revelava tão amigavelmente. .
Lembra-te, porém, apenas que deixaste para maIS
tarde essa contemplação, para a retomares quando ficares
mais robusto e mais vigoroso.
Infelizes os que não reconhecem nos seres criados
o reflexo da sabedoria de Deus
43. Ó Sabedoria, luz suavíssima da mente purifi~ada!
Infelizes os que te abandonam. A ti, q~e.éslo s:u gUla, e,
assim extraviam-se entre teus vestIglOs. Ai dos que
ama~ teus sinais, em vez de amar a ti, esquecendo-se do
que ensinas! Pois tu não cessas de nos dar a entender
quem és e quão grande és! São acen~s te~s .todas as
belezas das criaturas. Já que até o artIsta InSInua, por
assim dizer, a quem contempla a sua obra, para que,
contemplando a beleza que elaborou, não se retenha
totalmente nela, mas ao percorrer com os olhos a beleza da
obra criada não seja de tal maneira que suscite apenas seu
afeto e admiração para com aquele que a executou.
A quem se parecem os que amam as tuas obra~, em vez ~e
te amar a ti? Assemelham-se a homens que, ao OUVIrem ~ sabio
falar com eloqüência, escutam-no avidamente - a suaVidade
de sua voz é a cadência de seus períodos. Isso a tal ponto
que perdem de vista o principal, isto é, o conteúdo do .pensamento
do orador. Ora, as palavras são apenas um sInal.
Infelizes daqueles que se afastam de tua luz e mergulham
com delícia na própria obscuridade! Será como se
voltassem as costas para ti, ó Sabedoria! e precipitassem
em suas obras carnais, como na própria sombra. Entr~tanto,
isso mesmo que lhes causa prazer é apenas irradIação
de tua luz. Mas essas sombras que amam torn~m o
olhar da alma mais débil e incapaz de gozar de tua VIsta.
131 TUDO O QUE É BOM E PERFEITO VEM DE DEUS
É porque o homem afunda mais e mais nas trevas, à
medida que abraça com mais gosto aquilo a que a sua
fraqueza adapta-se com maior facilidade. Começa assim
a menosprezar o Ser supremo, e a não mais julgar como
mal tudo o que engana sua imprevidência, seduz sua
indigência ou atormenta a sua escravidão.
Ora, esses sofrimentos são a justa punição por tua perversão,
pois nada do que é conforme a justiça pode ser mal.
A sabedoria comunicada a todos os seres
44. Portanto, sejam quais forem os seres mutáveis que vês,
não os podes perceber, nem pelos sentidos corporais, nem pela
aplicação do espírito a não ser que eles recebam certa perfeição
própria dos números, sem a qual recairiam no nada.
Logo, não duvides que existe uma forma eterna e
imutável, em virtude da qual esses seres mutáveis não se
desfazem,mas antes'o,comseus mowmentos compassados e
grande variedade de formas, compõem uma espécie de poemas
temporais. Esse Ser eterno e imutável não está contido
nem se difunde por lugares, nem se prolonga e varia no
correr dos tempos. Mas é por sua Perfeição (Forma) que
puderam se formar todas as coisas que nos rodeiam, ajustarem-
se e serem produzidas conforme os números próprios,
de acordo com o seu gênero no tempo e no espaço. 56
Capítulo 17
Q princípio de participação.
Todo bem e toda perfeição é recebida de Deus
45. Todo ser mutável é necessariamente também susceptível
de perfeição (formabilis est). Pois assim como denominamos
mutável o que pode ser mudado, do mesmo modo
A PROVA DA EXISTÊNCIA DE DEUS 132
chamamos perfectível o que pode receber uma perfeição.
Ora, coisa alguma pode se aperfeiçoar a si mesma, porque
coisa alguma pode se dar a si aquilo que não possui. E por
certo é para receber uma perfeição que o ser é aperfeiçoá.veL
Se, pois, todo ser que já possui uma perfeição não precisa
receber o que já possui; e pelo contrário, se todo ser que
não possui a perfeição não pode se dar o que não tem, em
conseqüência nenhuma realidade pode se aperfeiçoar a si
mesma, como dissemos.57
E o que direi a mais sobre a mutabilidade da alma e
do corpo? Por certo, o que afirmamos anteriormente é
suficiente. O que já ficou estabelecido, pois, se impõe: a
alma e o corpo devem receber sua perfeição de outro ser,
a Perfeição imutável e eterna. Aquela da qual foi dito: "Tu
os mudarás e eles ficarão mudados; mas tu permaneces
sempre o mesmo e os teus anos jamais findarão" (SI
101,27.28). Esses "anos quejamais findarão" estão postos
por "eternidade", nessa expressão do profeta. Igualmente,
dessa Perfeição ainda está dito que "permanece em si
mesma, sem nada mudar, ela tudo renova" (Sb 7,27).
Isso é para que se compreenda também que todas as
coisas são governadas por uma Providência. Visto que
todas as realidades que existem recairiam completamente
no nada, caso fossem privadas de sua perfeição própria.
É porque aquela imutável Perfeição pela qual todos os
seres mutantes subsistem é ela mesma uma Providência.
Esses seres realizam-se, movem-se, conforme os números
de suas próprias perfeições. Realmente, essas realidades
não teriam existência se aquela Suma Perfeição
não existisse.
Assim, todo aquele que se dirige para a sabedoria
constata, olhando e considerando as criaturas do universo,
que essa sabedoria revela-se a ele, no caminho. Ela
vem a seu encontro, com um semblante alegre, plena de
toda solicitude e providência. É porque o seu ardor em
133 TUDO O QUE É BOM E PERFEITO VEM DE DEUS
per~orrer ,es~e caminho inflama-se tanto melhor quanto
ma~s ~ propno caminho recebe sua beleza daquela sabedorIa
Junto a qual deseja ardentemente chegar.
Conclusão
46. Mas (ó Evódio) se acaso encontras:
além dos seres que têm a existência, mas não a
vida;
dos que têm a existência e a vida, mas esta sem
a inteligência;
e dos que têm a existência, a vida e a mais a
inteligência; digo, se encontras além desses ~lgum
outro gênero de seres, então não receies
afirmar que existe algum bem que não procede de
Deus.58
Es~s três gêneros de seres, com efeito, podem ainda
s~r desI~ados simplesmente por dois nomes: corpo e
vIda. P~IS esse termo "vida" convém muito bem, seja aos
se~es ~ao t~ndo senão a vida sem inteligência, tais os
ammaIs; seja aos que possuem a inteligência, como os
homens.
_ O~a, esses dois princípios, a saber: o corpo e a vida,
sao eVIdentemente tomados aqui enquanto pertencentes
às criaturas (porque o Criador também possui a vida, e
essa ao supremo grau). Ora, aquelas duas criaturas, o
corpo e a vida, sendo perfectíveis, como dissemos acima,
e podendo recair no nada pela perda total de suas perfeiçoes,
mostram-nos bastante que elas tiram sua existência
daquela Perfeição que é sempre idêntica a si mesma. É
porque todos os bens, sejam eles quais forem, do maior ao
menor, não podem proceder senão de Deus.
Com efeito, o que há de mais excelente entre as
~riat~ras do que a vida da inteligência? E o que há de mais
mferIOr do que o corpo? Ora, sejam quais forem as defiA
PROVA DA EXISTÊNCIA DE DEUS 134
ciências a qual estão sujeitos, e mesmo se tenderem muito
de perto para o não-ser, todavia, resta-lhes certa perfeição
que lhes dá de algum modo a existência. Pois bem, esse
pouco de perfeição que sobra ao ser, seja qual f~r? procede
daquela Perfeição, a qual desconhece a mutabIlIdade e a
deficiência, e que não permite aos próprios movimentos
dos seres que estão em decadência ou em progresso saírem
das leis de seus respectivos números.
Por essa razão, tudo o que se observa de admirável na
natureza das coisas no universo, e que julgamos dignos de
admiração, intensa ou fraca, deve ser referido com incomparável
e inefável louvor ao Criador.
A menos que tenhas alguma objeção a fazer?
Capítulo 18
O livre-arbítrio é um bem em si mesmo
47. Ev. Declaro estar suficientemente convicto de que
existe um modo - o quanto é possível nesta vida para
homens como nós - de tornar evidente estes dois princípios
primários:
- que Deus existe;
_ e que todos os bens procedem de Deus.
Isso porque todos os seres existentes:
_ os que têm a inteligência, a vida e a existência;
os que somente possuem a vida e a existência;
como os que possuem somente a existência, todos
vêm de Deus.
Vejamos, agora, se é possível esclarecer a terceira
questão proposta, a saber: convém considerar a vontade
livre do homem entre os bens? Uma vez esse ponto
demonstrado, concederei, sem hesitação, que Deus no-la
deu e que convinha no-la ter dado.59
135 TUDO O QUE É BOM E PERFEITO VEM DE DEUS
Ag. Tu te lembraste com exatidão dos assuntos propostos.
Notaste perfeitamente que a segunda questão: Que todo
bem procede de Deus, está explicada. Mas deverias ter
notado que também esta, a terceira, está resolvida. Pois
parecia a ti, como dizias, que o livre-arbítrio da vontade não
devia nos ter sido dado, visto que as pessoas servem-se dele
para pe~ar. Eu opunha à tua opinião que não podemos agir
com retIdão a não ser pelo livre-arbítiro da vontade.60 E
afirmava que Deus no-lo deu, sobretudo em vista desse bem.
Tu me respondeste que a vontade livre devia nos ter sido
d~da do mesmo modo como nos foi dada a justiça, da qual
mnguém pode se servir a não ser com retidão.
Essa resposta lançou-nos a entrar em múltiplos rodeios
neste diálogo, com a finalidade de te provar que
to~os os bens, os menores como os maiores, chegam-nos
UnIcamente por meio de Deus. Mas tal conclusão não teria
sido posta com clareza, se não tivéssemos antes refutado
o sentimento ímpio do insensato que diz em seu
coração: "Deus não existe" (SI 13,1). Empenhamo-nos,
en~ã?, ~m uma discussão capaz de nos trazer alguma
eVId. enCIa, certos da proteção do mesmo Deus ' em tão
arrIscada viagem.
Ora, essas duas verdades: que Deus existe e que
todos os bens vêm dele, nós já admitimos com fé inabalável.
~ntretanto, nós as expusemos de tal forma que a
terceIra verdade também se torna plenamente evidente,
a saber: que a vontade livre deve ser contada entre os bens
recebidos de Deus.
Ainda que o homem possa usar mal da liberdade, a sua
vontade livre deve ser considerada como um bem
48. Ag. Com efeito, a discussão precedentejá demons~
ra, ~ nó~ o admitimos, a natureza corpórea ser de grau
mferIOr a natureza espiritual. E daí se seguir que o
A PROVA DA EXISTÊNCIA DE DEUS 136
espírito é um bem maior do que o corpo. Ora, entre os bens
corpóreos, encontra-se no homem alguns de que ele pode
abusar, sem que por isso digamos que esses bens não lhes
deveriam ter sido dados, pois reconhecemos serem eles
um bem. Sendo assim, o que há de espantoso que exista no
espírito também abusos de alguns bens, mas que, por
serem bens, não puderam ter sido dados a não ser por
Aquele de quem procedem todos os bens?
Com efeito, vês que grande privação é para o corpo não
ter as mãos, e contudo acontece que há quem use mal das próprias
mãos. Realizam com elas ações cruéis ou vergonhosas.
Se visses uma pessoa sem pés, afirmarias que lhe
falta à integridade do corpo, um bem muito valioso. Entretanto,
aquele que se serve de seus pés para prejudicar
ao próximo ou se avilta a si mesmo, estaria usando mal de
seus pés. Negarias isso?
Com os olhos vemos esta luz do dia e distinguimos as
diversas formas corporais. São eles elementos de máxima
beleza em nosso corpo. Assim, estão eles colocados como
no ápice, em tributo à sua dignidade. Seu uso contribui
para salvaguardar o homem e trazem eles à nossa vida
muitas vantagens. Entretanto, muitos se servem deles
para praticarem grande número de ações vergonhosas e
obrigam-nos a servir às suas paixões. Ora, compreendes
quão precioso bem falta ao rosto quando lhe faltam os
olhos. Todavia, se eles existem, quem no-los deu a não ser
Deus, o dispensador de todos os bens?
Por conseguinte, do mesmo modo como aprovas a
presença desses bens no corpo e que, sem considerar os
que deles abusam, louvas o doador, de igual modo deve ser
quanto à vontade livre, sem a qual ninguém pode viver
com retidão. Deves reconhecer: que ela é um bem e um
dom de Deus, e que é preciso condenar aqueles que
abusam desse bem, em vez de dizer que o doador não
deveria tê-lo dado a nós.
137 TUDO O QUE É BOM E PERFEITO VEM DE DEUS
Entre os três graus de bens,
a liberdade ocupa um grau médio
49. Eu. Primeiramente, desejo que me proves que a vontade
livre é um bem. Concederei, logo em seguida que ela
é um dom de Deus, porque reconheço que todos' os bens
procedem de Deus.
Ag. Mas, enfim, já te provei, não sem grande esforço,
em nossa discussão precedente, e tu reconheceste
que toda beleza e toda perfeição corporal decorrem da
Perfeição (Forma) suprema de todas as coisas isto é
da Verdade. E tu concedeste todas elas serem um bem. D~
fato, até os nossos cabelos são contados (Mt 10,30), como
nos diz no Evangelho a própria Verdade. Ou será
que esqueceste o que dissemos sobre a sublimidade do
número, de seu poder que se estende de uma extremidade
a outra? Logo, podes julgar extravagância considerar
nossos cabelos entre os bens, sem dúvida diminutos
dos mais desprezíveis, mas enfim bens, sem encontrar~
mos outro doador senão Deus, criador de todos os bens?
Porque todos os bens, tanto os maiores como os menores,
são dados por Aquele de quem procede todo bem. E
assim, por outro lado, como duvidar, ainda, a respeito da
vontade livre do homem, sem a qual, conforme o parecer
daqueles mesmos que levam vida perversa, ninguém
poderia viver? Agora, responde-me, eu te peço: o que te
parece melhor em nós: aquilo sem o que se pode viver com
retidão ou alguma coisa sem a qual não se pode viver
retamente?
Eu. Perdoa-me, eu te rogo. Sinto vergonha de minha
cegueira. Quem hesitaria de achar muito melhor um bem
sem o qual não há vida honesta?
Ag. Assim sendo, negarás, agora, que um cego possa
viver honestamente?
Eu. Longe de mim uma demência tão grande.
A PROVA DA EXISTÊNCIA DE DEUS 138
Ag. Se, pois, concedes que os olhos são no corpo um
bem cuja carência, contudo, não impede de se viver honestamente,
a vontade livre poderá te parecer não ser um
bem, quando, sem ela, ninguém pode viver honestamente?
Capítulo 19
Entre os grandes bens, as virtudes cardeais
50. Ag. Considera agora a justiça, da qual ninguém pode
abusar. Ela é contada entre os maiores bens que existem
no homem. Como também o são todas as virtudes da alina,
com as quais se pode levar vida boa e honesta. Tampouco,
ninguém poderá abusar da prudência, nem da força, nem
da temperança. Com efeito, nelas, como na justiça, a qual
te referiste, reina a reta razão, sem a qual virtude alguma
pode existir. Por certo pessoa alguma pode abusar dessa
reta razão.
o livre-arbítrio não é o bem mais perfeito
Ag. Aí estão, pois, bens muito excelentes. Convém,
porém, te lembrares de que não somente os grandes bens,
mas também os pequenos, só podem provir daquele por
quem existem todos os bens, isto é, de Deus. Tal foi a
conclusão da qual ficamos convencidos na discussão precedente
(cf. II,17,45), à qual destes com freqüência e com
alegria o teu consentimento.
Portanto, as virtudes pelas quais as pessoas vivem
honestamente pertencem à categoria de grandes bens. As
diversas espécies de corpos sem os quais pode-se viver
com honestidade, contam-se entre os bens mínimos. E por
sua vez, as forças do espírito, sem as quais não se p·ode
viver de modo honesto, são bens médios.
139 TUDO O QUE É BOM E PERFEITO VEM DE DEUS
Das virtudes, ninguém usa mal; todavia dos outros
bens, isto é, dos médios e dos inferiores, pode-se fazer seja
bom, seja mau uso. O motivo pelo qual ninguém usa mal
das virtudes é que a obra virtuosa consiste precisamente
no bom uso daquelas coisas das quais podemos também
abusar. Ora, o bom uso nunca pode ser um abuso.
Assim Deus, na superabundância e na grandeza de
sua bondade, pôs à nossa disposição não somente grandes
bens, mas também bens médios e outros inferiores. Essa
bondade divina deve ser glorificada de preferência pelos
grandes bens doados, mais do que pelos médios. Da
mesma forma, mais pelos bens médios do que pelos
pequenos. Todavia, por todos eles, Deus deve ser glorificado.
Pois isso é melhor do que se eles não nos tivessem
sido concedidos.
Digressão: a vontade livre que se serve de tudo mais,
serve-se também de si mesma
51. Ev. De acordo. Um ponto, porém, me preocupa ainda.
Com efeito, estamos tratando agora a respeito da vontade
livre. Verificamos que ela mesma pode servir-se ora bem,
ora mal das coisas. Assim, como poderemos nós contá-la
entre as coisas das quais nos servimos?
Ag. Da mesma maneira como os conhecimentos requeridos
pela ciência nos são conhecidos pela razão, e
entretanto a própria razão está posta no número dos
objetos conhecidos por ela mesma. Porventura, esqueceste
isso? Quando procurávamos quais os objetos que se
conhecem pela razão, tu afirmaste que se conhece a razão
por meio da mesma razão (cf. II,6,13). Não te admires,
pois, se usando das outras coisas, por meio da vontade
livre, nós possamos também usar da mesma vontade
livre, servindo-nos dela por meio dela mesma. De modo
que, de certa forma, a vontade que se serve de tudo mais
A PROVA DA EXISTÊNCIA DE DEUS 140
serve-se de si mesma, tal como a razão que conhecendo o
restante conhece-se a si mesma. Sucede igualmente o
mesmo com a memória, que não só percebe todos os outros
objetos dos quais nós nos lembramos. Pois, assim como
não nos esquecemos que temos uma memória, esta retém,
em nosso modo de viver, a si mesma em nós. Pois ela não se
lembra unicamente das outras coisas, mas também de si
mesma. Ou melhor, somos nós mesmos, por seu intermédio,
que nos lembramos das outras coisas e dela mesma.
A vontade livre - entre o Bem supremo
e os bens mutáveis
52. Conseqüentemente, quando a vontade - esse bem
médio - adere ao Bem imutável, o qual pertence a todos
em comum, e não é privativo de ninguém, do mesmo modo
aquela Verdade da qual temos dito tantas coisas, sem
nada termos podido falar dignamente - quando a vontade
adere ao Sumo Bem, então o homem possui a vida feliz.
Ora, essa vida feliz mesma é o que o espírito sente
quando adere ao Bem imutável. Este torna-se para o
homem como um bem privativo, o principal de todos. Ele
possui então, além do mais, todas as virtudes, das quais
não é possível usar mal.
Por outro lado, acontece que, se todos esses bens
estão entre os maiores e principais no homem, entretanto
eles são - o que se compreende facilmente - privativos
a cada um e não comuns a todos. Com efeito, é graças à
mesma Verdade e Sabedoria, que são comuns a todo~ os
homens, que todos aqueles que aderem a ela tornam-se
sábios e felizes.
Mas não é graças à felicidade de outrem que alguém
adquire a felicidade, pois mesmo quando este, para vir a
ser feliz, imita o primeiro, aspira a tornar-se feliz pelos
meios os quais vê que ele assim se tornou, a saber, pela
141 TUDO O QUE É BOM E PERFEITO VEM DE DEUS
verdade comum e imutável. Do mesmo modo, ninguém
torna-se prudente pela prudência de determinada pessoa.
Nem forte, nem temperante, nem justo, pela força, pela
temperança ou pela justiça de outro homem. Mas sim,
conformando seu espírtio àquelas regras imutáveis, aqueles
luzeiros de virtudes que subsistem inalterados numa
vida incorruptível, no seio mesmo da Verdade e da Sabedoria,
comum a todos. Regras às quais ele mesmo se
conformou e uniu seu espírito, isto é, aquelas virtudes às
quais se propôs imitar.61
Conseqüências da aversão ou da conversão ao sumo Bem
53. Assim, pois, a vontade obtém, no aderir ao Bem
imutável e universal, os primeiros e maiores bens do
homem, embora ela mesma não seja senão um bem médio.
Em contraposição, ela peca, ao se afastar do Bem imutável
e comum, para se voltar para o seu próprio bem
particular, seja exterior, seja inferior. Ela volta-se para
seu bem particular, quando quer ser senhora de si mesma;
para um bem exterior, quando se aplica a apropriar-se de
coisas alheias, ou de tudo o que não lhe diz respeito; e
volta-se para um bem inferior, quando ama os prazeres do
corpo.
Desse modo, o homem torna-se orgulhoso, curioso e
dissoluto; e fica sujeito a um tipo de vida a qual, em
comparação à vida superior anteriormente descrita, é
antes morte. Apesar de tudo, é claro que sua vida continua
submissa ao governo da Providência divina, que põe todas
as coisas em seu lugar e retribui a cada um conforme os
seus méritos.
Acontece que aqueles bens desejados pelos pecadores
não são maus de modo algum. Tampouco é má a vontade
livre do homem, a qual, como averiguamos, é preciso ser
contada entre os bens médios. Mas o mal consiste na
A PROVA DA EXISTÊNCIA DE DEUS 142
aversão da vontade ao Bem imutável para se converter
aos bens transitórios. Por sua vez, essa aversão e essa
conversão não sendo forçadas, mas voluntárias, o infortúnio
que se segue será um castigo justo e merecido.62
Capítulo 20
Conclusão:
o mal origina-se da deficiência do livre-arbítrio
54. Ag. Talvez, tu me perguntas: Já que a vontade movese
afastando-se do Bem imutável para procurar um bem
m~tável, de onde lhe vem esse impulso? Por certo, tal
movimento é mal, ainda que a vontade livre, sem a qual
não se pode viver bem, deva ser contada entre os bens. E
esse movimento, isto é, o ato de vontade de afastar-se de
Deus seu Senhor, constitui, sem dúvida, pecado. Poderemos,
p, orém, designar a Deus como autor d o peca d o?. Na-o.I
E assim, esse movimento não vem de Deus. Mas de onde
vem ele? A tal questão eu te contristaria, talvez, se te
respondesse que não o sei. Contudo, não diria senão a
verdade. Pois não se pode conhecer o que é simplesmente
nada.63 Quanto a ti, contenta-te, por enquanto, de conservar
inabalável esse sentimento irremovível de piedad~, de
modo a professar não ser possível apresentar-se a teus
sentidos, nem à tua inteligência, nem em geral a teu pensamento,
bem algum que não venha de Deus.
Com efeito, não pode existir realidade alguma que
não venha de Deus. De fato, em todas as coisas nas
quais notares que há medida, número e ord:,m, não
hesites em atribuí-las a Deus, como seu autor. AlIas, a um
ser ao qual tiveres retirado completamente esses três
elementos, nele nada restará, absolutamente. Porque,
mesmo se nele permanecesse um começo qualquer de
143 TUDO O QUE É BOM E PERFEITO VEM DE DEUS
perfeição, desde que aí não encontres mais a medida, nem
o número, nem a ordem: visto que em toda parte onde se
encontrarem esses três elementos existe a perfeição plenamente
realizada - tu deverias retirar mesmo um início
de perfeição que parecesse até ser apenas certa matéria
oferecida ao artífice para que trabalhe com ela e a
aperfeiçoe. Porque - se a perfeição em sua realização
completa é um bem - o começo dessa perfeição já é certo
bem. Assim, se acontecesse a supressão total do bem, o
que restaria não é um quase nada, mas sim um absoluto
nada.
Ora, todo bem procede de Deus. Não há, de fato,
realidade alguma que não proceda de Deus. Considera,
agora, de onde pode proceder aquele movimento de aversão
que nós reconhecemos constituir o pecado - sendo ele
movimento defeituoso, e todo defeito vindo do não-ser,
não duvides de afirmar, sem hesitação, que ele não procede
de Deus.
Tal defeito, porém, sendo voluntário, está posto sob
nosso poder. Porque, se de fato o temeres, é preciso não o
querer; e se não o quiseres, ele não existirá. Haverá, pois,
segurança maior do que te encontrares em uma vida onde
nada pode te acontecer quando não o queiras? Mas é
verdade que o homem que cai por si mesmo não pode
igualmente se reerguer por si mesmo, tão espontaneamente.
64
É porque, do céu, Deus nos estende sua mão direita,
isto é, nosso Senhor Jesus Cristo. Peguemos essa mão,
com fé firme, esperemos sua ajuda com esperança confiante
e desejemo-la com ardente caridade.
Mas se na tua opinião falta ainda alguma coisa a
pesquisar com mais diligência, sobre a origem do pecado
- quanto a mim, penso não ser de modo algum
necessário -, entretanto, se julgas o contrário, nós o
deixaremos para outro diálogo.
A PROVA DA EXISTÊNCIA DE DEUS 144
Eu. Seja, concordo com teu desejo de diferir para
outro momento o que me preocupa ainda. Mas não concordo
com que a questão esteja, como pensas, suficientemente
elucidada.
LIVRO In
LOUVOR A DEUS PELA ORDEM
UNIVERSAL, DA QUAL
o LIVRE-ARBÍTRIO É UM
ELEMENTO POSITIVO,
AINDA QUE SUJEITO AO PECADO
INTRODUÇÃO (1,1-3)
Capítulo 1
O movimento culpável da vontade
que se afasta de Deus vem do livre-arbítrio
1. Eu. Vejojá, claramente, que é preciso contar a vontade
livre entre os bens, e não dos menores. Portanto,
precisamos reconhecer a vontade como dom de Deus e
quanto foi conveniente ela nos ter sido dada.
Nessas condições, desejo agora saber de ti, caso o
julgues oportuno, de onde procede a inclinação pela qual
a mesma vontade afasta-se daquele Bem universal e
imutável, para se voltar em direção a bens particulares,
alheios e inferiores, todos, aliás, sujeitos a mutações.
Ag. E o que te parece necessário saber?
Eu. O seguinte: uma vez que a vontade nos foi dada
de tal for.ma que essa inclinação aos bens inferiores lhe
seja natural, então ela tem necessariamente de se voltar
para tais bens. Ora, não se pode descobrir culpa alguma
onde a necessidade e a natureza dominam.
Ag. Julgas que esse movimento é bom ou não?
Eu. Acho mal.
Ag. Então tu o condenas?
Eu. Por certo, eu o condeno.
Ag. Logo, condenas um movimento que não é culpável
para a alma?
Eu. Não condeno um movimento não culpável para a
alma, mas ignoro se não existe alguma culpa no fato de
alguém abandonar o Bem imutável para se voltar para as
coisas mutáveis.
Ag. Condenas, então, o que ignoras?
LOUVOR A DEUS 148
Eu. Não me impugnes com palavras. Eu disse: "Ignoro
se não existe alguma culpa", para dar a entender que,
sem dúvida, há uma culpa. Com efeito, pela palavra dita:
"Ignoro", por certo declarei suficientemente ridícula uma
dúvida a respeito de coisa tão evidente.
Ag. Considera, pois, que verdade tão certa será essa
que te levou a esquecer assim rapidamente o que afirmaste
há pouco. Com efeito, se esse movimento de se voltar
para os bens mutáveis existe, vindo da natureza ou devido
à necessidade, ele não pode de modo algum ser culpável.
Ora, tu o consideras agora como culpável com firmeza tão
absoluta, que crês até ser digno de zombaria qualquer
dúvida a respeito de coisa tão certa. Por que, então,
pareceu a ti que era preciso afirmar ou pelo menos exprimir
sob forma duvidosa o que tu mesmo estás convencido
de ser manifestamente falso? Na realidade, disseste:
se a vontade livre nos foi dada de tal forma que esse
movimento lhe é natural, então volta-se ele, necessariamente,
para tais bens mutáveis, e não se podereconhecer
falta alguma onde a natureza e a necessidade dominam.
Entretanto, a vontade não nos foi dada dessa forma
e disso não deverias duvidar de modo algum, já que não
duvidas que tal movimento é culpável.
Eu. Eu disse considerar esse mesmo movimento culpável
e ser por isso que ele me desagradava. Não posso
duvidar que não seja repreensível. Mas nego que a alma,
levada por qualquer movimento que a distancie do Bem
imutável, em direção às coisas mutáveis, possa ser culpada,
caso seja ela impulsionada, necessariamente, por sua
própria natureza. 1
2. Ag. Pertence a quem esse movimento que, concordas
certamente, deve ser culpável?
Eu. Vejo que o sinto na alma, mas não sei a quem" hei
de o atribuir.
149 INTRODUÇÃO
Ag. Negas, porventura, ser a alma movida por esse
movimento?
Eu. Não o nego.
Ag. Negas, portanto, que o movimento pelo qual uma
pedra é movida pertence à mesma pedra? Pois não falo, é
claro, daquele movimento pelo qual movemos uma pedra,
ou daquele que ela recebe de alguma força estranha,
como, por exemplo, quando é lançada ao ar. Mas sim
daquele outro movimento pelo qual ela volta para a terra
em virtude de seu próprio peso e aí cai.
Eu. Não nego, é verdade, que o movimento pelo qual
a pedra é impelida, como o dizes, e cai para baixo, não lhe
pertença; mas isso lhe é natural. Se a alma possuir dessa
mesma forma seu movimento para as coisas inferiores,
evidentemente, este também lhe será natural, e não se
poderá censurar, com razão, o fato de ela seguir um movimento
próprio à sua natureza. Porque, mesmo se ela o
seguisse para sua própria perda, seria constrangida pela
necessidade da natureza. Assim, pois, se não hesitamos
de declarar culpável esse movimento na alma, para isso é
preciso que neguemos absolutamente que ele lhe seja
natural. Por conseguinte, tal movimento não se assemelha
àquele que move a pedra que cai naturalmente.
Ag. Pergunto: acaso teremos chegado a algo conclusivo
nos dois diálogos precedentes?
Eu. Evidentemente.
Ag. Penso, portanto, que tu te lembras como em
nosso primeiro diálogo (1,11,21) ficou suficientemente
estabelecido que nada pode sujeitar o espírito à paixão, a
não ser a própria vontade. Porque nem um agente superior
nem um igual podem constrangê-la a esse vexame,
visto que seria injustiça. Tampouco, um agente inferior,
porque esse não possui poder para tal. Resta, portanto,
que seja próprio da vontade aquele movimento pelo qual
ela se afasta do Criador e dirige-se às criaturas, para
LOUVOR A DEUS 150
usufruir delas. Se, pois, ao declarar esse movimento
culpável (e para ti apenas duvidar disso parecia irrisório),
certamente, ele não é natural, mas voluntário.
Aliás, assemelha-se, de fato, ao movimento que arrasta
a pedra para baixo, sob este aspecto que, assim como
tal movimento é próprio da pedra, assim também é próprio
da alma. Mas diferencia-se nisto, que a pedra não
possui o poder de reter o movimento que a arrasta, e ela
pode não o querer. Ela não é arrastada ao abandono ·dos
bens superiores para escolher os inferiores. Assim, o
movimento da pedra é natural e o da alma, voluntário.2
Tanto assim que, se fosse dito a pedra cometer pecado
porque por seu próprio peso ela tende para baixo, seríamos
julgados, não digo, mais estúpidos do que uma pedra, mas
indiscutivelmente uns loucos. Ao contrário, podemos acusar
a alma de pecado, quando verificamos que claramente ela
prefere os bens inferiores, em abandono dos superiores.
Ainda nos será necessário investigar de onde procede
esse movimento que desvia a vontade do Bem imutável
para os bens mutáveis, já que reconhecemos que ele
procede da própria alma e é ademais voluntário e, por aí,
culpável. Assim, todo ensinamento a esse respeito deve
ter como meta: condenar e reprimir tal movimento da
queda para os bens mutáveis, e orientar nossa vontade a
escolher os bens eternos, conduzindo-a ao gozo do Bem
imutável.
3. Eu. Vejo, e por assim dizer, toco e percebo a verdade
do que dizes. Pois não sinto nada de mais firme e mais
íntimo do que o sentimento de possuir uma vontade
própria e de ser por ela levado a gozar de alguma coisa.
Ora, não encontro, realmente, o que chamaríamos de
meu, a não ser a vontade, pela qual quero e não quero. E
já que por seu intermédio eu cometo o mal, a quem
atribuir a não ser a mim mesmo?
151 INTRODUÇÃO
Certamente, quem me fez é um Deus bom e, como não
posso praticar nenhuma boa ação a não ser por minha
vontade, fica, pois, bastante claro que é acima de tudo
para fazer o bem que a vontade me foi dada por esse Deus
tão bom.
Quanto ao movimento pelo qual a vontade se inclina
de um lado e de outro, se não fosse voluntário e posto em
nosso poder, o homem não seria digno de ser louvado
quando sua vontade se orienta para os bens superiores,
tampouco ser inculpado quando, girando, por assim dizer,
sobre si mesmo, inclina-se para os bens inferiores. Nesse
sentido, não se deveria exortar a desprezar os bens transitórios
para adquirir os bens eternos? E a renunciar à má
vida para viver honestamente? Ora, quem quer que estime
não haver motivo para serem dadas aos homens essas
espécies de advertência merece ser excluído do número
dos viventes.
PRIMEIRA PARTE (2,4-4.11)
CONCILIAÇÃO ENTRE O PECADO
E A PRESCIÊNCIA DE DEUS
Capítulo 2
Objeção: não acontece necessariamente
o que Deus prevê? .
4. Ev. Assim sendo, sinto-me sumamente preocupado
com uma questão: como pode ser que, pelo fato de
Deus conhecer antecipadamente todas as coisas futuras,
não venhamos nós a pecar, sem que isso seja necessariamente?
De fato, afirmar que qualquer acontecimento
possa se realizar sem que Deus o tenha previsto seria
tentar destruir a presciência divina com desvairada impiedade.
É porque, se Deus sabia que o primeiro homem havia
de pecar - o que deve concordar comigo todo aquele que
admite a presciência divina em relação aos acontecimentos
futuros-, se assim se deu, eu não digo que por isso ele
não devesse ter criado o homem, pois o criou bom,' e o
pecado em nada pode prejudicar a Deus. Além do que,
depois de Deus ter manifestado toda a sua bondade
criando-o, manifestou sua justiça, punindo o pecado, e
ainda sua grande misericórdia, salvando-o. Desse modo,
não digo que ele não devia ter criado o homem, mas,já que
previra seu pecado como futuro, afirmo que isso devia
inevitavelmente realizar-se. Como, pois, pode existir uma
vontade livre onde é evidente uma necessidade tão inevitável?
153 CONCILIAÇÃO ENTRE O PECADO ...
Condições para o entendimento do problema - crer na
Providência e cultivar sentimentos de piedade
5. Ag. Insististe com veemência! Que a misericórdia de
Deus nos venha em ajuda e abra a porta, a nós que nela
batemos. Contudo, eu acreditaria facilmente que, se os
homens em sua maioria são atormentados por essa questão,
o único motivo é que eles não procuram a solução com
piedade. E estão mais prontos a se desculparem do que a
se acusarem de seus pecados. Com efeito, alguns admitem,
de bom grado, que nenhuma Providência divina
preside as coisas humanas. E assim, abandonando ao
destino sua alma e corpo, entregam-se a toda espécie de
vícios que os golpeiam e despedaçam. Negando os julgamentos
de Deus, e menosprezando os dos homens, crêem
livrar-se dos que os acusam, apelando para a proteção da
sorte. Acostumaram-se a representar essa sorte pintando-
a como pessoa cega. Assim, pensam ter eles mesmos
mais valor do que ela, pela qual se crêem governados. Ou,
então, confessam partilhar sua cegueira, ao sentir e falar
dessa maneira. Poder-se-ia, sem absurdo, conceder a tais
pessoas que todas as suas atividades são uma seqüência
de acasos, visto que caem em cada uma de suas ações.3
Contra essa opinião, porém, cheia de erros loucos e
insensatos, creio que já tratamos suficientemente em
nosso segundo diálogo (cf. 11,17,45).
Há outras pessoas que, sem ousar negar que a Providência
de Deus governa a vida humana, preferem crer,
entretanto, por erro ímpio, que essa Providência é impotente,
injusta, até mesmo má. Isso ao invés de confessarem
os seus próprios pecados com piedade suplicante. Não
obstante, se todas essas pessoas se deixassem persuadir,
pensando no melhor dos Seres, o mais justo e poderoso,
creriam que a bondade, ajustiça e o poder de Deus são bem
maiores e mais elevados do que todas as concepções do
LOUVOR A DEUS 154
próprio espírito. Caso se vissem obrigadas a consideral'-se
a si mesmas, entenderiam que deveriam render graças a
Deus, mesmo se ele tivesse querido lhes dar uma natureza
inferior àquela que possuem.
Exclamariam elas, no mais íntimo de sua consciência:
"Eu dizia: Senhor, tende piedade de mim; curai
minha alma, porque pequei contra vós" (SI 40,5). Essas
pessoas seriam então conduzidas ao templo da sabedoria
pelos caminhos seguros da misericórdia divina. E sem
conceber orgulho algum por suas descobertas, nem perturbação
alguma diante do que lhes falta entender, tornar-
se-iam, pela ciência, mais aptas à contemplação. E
reconhecendo sua ignorância, mais pacientes para tentar
novas investigações.
Quanto a ti, porém, Evódio, não duvido de estares
persuadido de tudo isso. Considera com quanta facilidade
poderei agora te responder sobre problema tão grande,
depois de me teres respondido a algumas poucas questões.
Capítulo 3
A presciência divina, longe de destruir
o ato livre, exige a sua existência
6. Ag. Com efeito, eis o gue é causa de preocupação e
admiração: como não admitir contradição e repugnância
no fato de Deus, por um lado, prever todos os acontecimentos
futuros e, por outro, nós pecarmos por livre vontade e
não por necessidade? Tu dizes: realmente, se Deus prevê
o pecado do homem, este há de pecar necessariamente.
Ora, se isso é necessário, não há portanto decisão voluntária
no pecado, mas sim irrecusável e imutável necessidade.
E desse raciocínio, receias precisamente chegarmos
a uma das duas seguintes conclusões: ou negar em Deus,
155 CONCILIAÇÃO ENTRE O PECADO ...
impiamente, a presciência de todos os acontecimentos
futuros; ou bem, caso não possamos negá-lo, de admitir
que pecamos, não voluntária, mas necessariamente. Mas
haverá outro motivo de tua perplexidade?
Eu. Não, nada mais, no momento.
Ag. Então, tudo o que Deus prevê acontece, ao teu
parecer, necessariamente, ~ não de modo voluntário ao
homem?
Eu. É bem essa a minha opinião.
Ag. Desperta, enfim, e após refletir um pouco dentro
de ti, dize-me, se puderes, que tipo de atos de vontade
terás amanhã: o de pecar ou de agir corretamente?
Eu. Não o sei.
Ag. O que dizes? E Deus mesmo, pensarás que também
o ignora?
Eu. Nunca pensaria isso.
Ag. Logo, se ele conhece qual deve ser a tua vontade
de amanhã, igualmente prevê qual a vontade de todos os
homens, quer os existentes, quer os que virão a existir.
Com maior razão, prevê sua própria conduta em relação
aos justos e aos ímpios.
Eu. Certamente, se digo que Deus tem a presciência
de minhas ações, direi com maior segurança que ele
também tem a presciência das suas próprias e assim
prevê, com absoluta certeza, o que fará.
Ag. Ora, acaso tu não temes dizer que Deus fará
também todas as suas obras por necessidade e não voluntariamente,
visto haver de acontecer tudo o que Deus
prevê, necessária e não livremente?
Eu. Ao dizer que todos os acontecimentos previstos
por Deus acontecem necessariamente, eu tinha só em
mente aqueles que acontecem com os seres criados e não
os que acontecem com ele mesmo. Com efeito, esses, na
realidade, não acontecem, pois são eternos.
Ag. Então, Deus não atua sobre as suas criaturas?
LOUVOR A DEUS 156
Eu. Ele estabeleceu, uma vez por todas, como deve
decorrer a ordem do universo que criou, e nada dispõe com
novo querer.
Ag. Acaso não cria o Criador ninguém feliz?
Eu. Certamente o cria.
Ag. E ele o faz, por certo, no momento em que essa
pessoa se torna feliz?
Eu. Assim é.
Ag. Se pois, por exemplo, tu deves te tornar feliz
daqui a um ano, só será daqui a um ano que serás feliz?
Eu. Sim.
Ag. Nesse caso, Deus prevê hoje o que farás daqui a
um ano?
Eu. Sempre o previu e ainda agora o prevê. E admito
que assim deve suceder no futuro.
7. Ag. Peço-te que me digas: não és tu uma criatura de
Deus, e a tua felicidade não há de se realizar em ti? .
Eu. Por certo, eu sou não só sua criatura, como é em
mim mesmo que se realizará a minha felicidade.
Ag. Mas, então, não será voluntária, mas necessariamente
que a tua felicidade realizar-se-á em ti, por
disposição de Deus?
Eu. A vontade de Deus constitui para mim uma
necessidade.
Ag. Então, serás feliz contra tua vontade?
Eu. Ah! Se estivesse em meu poder o ser feliz, sem
dúvida alguma, eu o seria desde agora. E se não o sou, é
porque não sou eu, mas ele que me torna feliz.
Ag. De modo maravilhoso a verdade se manifestou
por tua voz! Pois não poderias, de fato, encontrar nada que
esteja em nosso poder senão aquilo que fazemos quando o
queremos. Eis por que nada se encontra tão plenamente
em nosso poder do que a própria vontade. Pois esta, desde
que o queiramos, sem demora, estará disposta à execu-
157 CONCILIAÇÃO ENTRE O PECADO ...
ção.4 Assim, podemos muito bem dizer: não envelhecemos
voluntariamente, mas por necessidade. Ou: não morremos
voluntariamente, mas por necessidade. E outras
coisas semelhantes. Contudo, que não queiramos voluntariamente
aquilo que queremos, quem, mesmo em delírio,
ousaria afirmar tal coisa?
É porque, ainda que Deus preveja as nossas vontades
futuras, não se segue que não queiramos algo sem vontade
livre. Pois, ao dizer, a respeito da felicidade, que tu não
te tornas feliz por ti mesmo, disseste isso como se talvez
o tivesse negado. Ora, o que eu disse foi: quando chegares
a ser feliz, tu não o serás contra a tua vontade, mas sim
querendo-o livremente. Pois se Deus prevê tua felicidade
futura, e nada te pode acontecer senão o que ele previu,
visto que, caso contrário, não haveria presciência. Todavia,
não estamos obrigados a admitir a opinião, totalmente
absurda e muito afastada da verdade, que tu poderás
ser feliz sem o querer.
Ora, a vontade de ser feliz que terás, quando começares
a sê-lo, certamente não te é tirada pela presciência
de Deus, que já desde hoje volta-se com certeza
sobre tua felicidade futura. Assim também, a vontade
culpável, se acaso estiver em ti, não deixará de ser
vontade livre, pelo fato de ter Deus previsto a existência
futura dela.5
8. Ag. Considera, agora, eu te rogo, com quanta cegueira
dizem: "Se Deus previu minha vontade futura - visto
que nada pode acontecer senão o que ele previu - é
necessário que eu queira o que ele previu. Ora, se isso
fosse necessário, não seria mais voluntariamente que eu
quis - forçoso é reconhecê-lo -, mas por necessidade". Ó
insólita loucura! Pois como não pode acontecer nada senão
o que foi previsto por Deus - a vontade da qual ele
previu a existência futura é vontade livre!
LOUVOR A DEUS 158
Desprezo, igualmente, outra afirmação monstruosa
como !l que acabo de atribuir àquele mesmo opositor que
diz: "E necessário que eu queira de determinado modo".
Pois, por aí, pelo fato de essa pessoa supor a necessidade
de querer de certo modo, ela tenta eliminara mesma
vontade livre. Já que lhe é inevitável querer dessa maneira,
de onde tirará ela o seu querer, visto que não haverá
mais o ato livre da vontade?
E se esse homem afirmar que não quis dizer isso,
contudo ao dizer que, visto haver necessidade de querer,
a vontade não possui mais aquele seu poder de liberdade
então poderá ele ser refutado com o que tu mesmo respon~
des~e quando te perguntei se era contra tua vontade que
havIas de te tornar feliz. Com efeito, respondeste-me que
serias logo feliz, se tivesse tal poder, porque tinhas a
vontade, mas não a possibilidade, conforme disseste. Ao
que eu acrescentei que essa era a exclamação mesma da
verdade, provinda de tua voz (cf. 3,7).
Realmente, não podemos negar que algo não está em
nosso poder, quando aquilo que queremos não se encontra
à ,no~sa disposição. Entretanto, quando queremos, se
a proprIa vontade nos faltasse, evidentemente não o
quereríamos. Mas se, por impossível, acontecer que queiramos
sem o querer, está claro que a vontade não falta a
quem quer. E nada mais está tanto em nosso poder,
quanto termos à nossa disposição o que queremos. Conseqüentemente,
nossa vontade sequer seria mais vontade,
se não estivesse em nosso poder.6 Ora, por isso mesmo,
por ela estar em nosso poder, é que ela é livre para nós.
Pois é claro que aquilo que não é livre para nós é o que não
está em nosso poder, ou que não se encontra à nossa
disposição.
Eis por que, sem negar que Deus prevê todos os
acontecimentos futuros, entretanto nós queremos livremente
aquilo que queremos. Porque, se o objeto da pres-
159 CONCILIAÇÃO ENTRE O PECADO ...
ciência divina é a nossa vontade, é essa mesma vontade
assim prevista que se realizará. Haverá, pois, um ato de
vontade livre,já que Deus vê esse ato livre com antecedência.
E por outro lado, não seria ato de nossa vontade, se ele
não devesse estar em nosso poder. Portanto, Deus também
previu esse poder.
Logo, essa presciência não me tira o poder. Poder que
me pertencerá tanto mais seguramente, quanto mais a
presciência daquele que não pode se enganar previu que
me pertenceria.
Eu. Eis que agora não nego mais, antes admito que
tudo o que Deus previu acontece necessariamente. Mas se
ele previu os nossos pecados, foi de tal forma que haveríamos
de guardar nossa vontade. E esta não deixa de ser
livre, e estar sempre posta sob nosso poder.7
Capítulo 4
Obscuridade da relação entre presciência divina
e liberdade humana
9. Ag. O que então te embaraça ainda? Talvez esqueceste
as conclusões de nosso primeiro diálogo (cf. 111,1,2.3) e
por isso negas que sem sermos forçados por ninguém, nem
por agente superior, nem por inferior, nem por igual, não
pecamos senão por nossa própria vontade?
Eu. Não ouso negar nenhuma dessas verdades. Entretanto,
confesso que não vejo ainda como não se contradizem
estes dois fatos: a presciência divina de nossos
pecados e a nossa liberdade de pecar.
Porque, enfim, Deus é justo. É preciso reconhecê-lo. E
ele prevê tudo. Mas quisera saber em virtude de que justiça
ele castiga os pecados que não podem deixar de acontecer.
Ora, como o que ele previu não pode deixar de acontecer
LOUVOR A DEUS 160
necessariamente, como não se há de atribuir ao Criador o
que em suas criaturas inevitavelmente acontece?
Resposta: preuer não é forçar
10. Ag. Conforme teu aparecer, de onde vem a oposição a
nosso livre-arbítrio em face à presciência de Deus? Da
presciência ou do caráter divino dessa presciência?
Eu. Sobretudo por ser presciência de Deus.
Ag. Então, se fosses tu a prever, com alguma certeza,
que alguém haveria de pecar, não seria necessariamente
que ele haveria de pecar?
Eu. Ao contrário, seria necessário que ele viesse a
pecar. De outra maneira, minha previsão não seria uma
presciência, por não se referir a fatos verídicos.
Ag. Nesse caso, se as coisas previstas acontecem
necessariamente, não é porque a presciência é de Deus,
mas somente porque há uma presciência. Porque, se a
coisa prevista não fosse certa, não haveria presciência.
Eu. De acordo, mas aonde tudo isso nos levará?
Ag. Se não me engano, não se segue da tua previsão
que tu forçarias a pecar aquele de quem previste que
haveria de pecar; nem a tua presciência mesma o forçaria
a pecar. Ainda que, sem dúvida, ele houvesse de pecar,
pois de outra forma não terias tido a presciência desse
acontecimento futuro. Assim também, não há contradição
a que saibas, por tua presciência, o que outro realizará por
sua própria vontade. Assim Deus, sem forçar ninguém a
pecar, prevê, contudo, os que hão de pecar por própria
vontade.
11. Ag. Por que, pois, como justo juiz, não puniria ele os
atos que sua presciência não forçou a cometer? Porque,
assim como tu, ao lembrares os acontecimentos passados,
não os força a se realizarem, assim Deus, ao prever os
161 CONCILIAÇÃO ENTRE O PECADO ...
acontecimentos futuros, não os força. E assim, como tens
lembrança de certas coisas que fizeste, todavia não fizeste
todas as coisas de que te lembras, do mesmo modo Deus
prevê tudo de que ele mesmo é o autor, sem contudo ser o
autor de tudo o que prevê. Mas dos atos maus, de que não
é o autor, ele é o justo punidor.
Compreende, destarte, com que justiça Deus pune os
pecados: pois ainda que os sabendo futuros, ele não é
quem os faz. Porque se não tivesse de castigar os pecadores
porque prevê os seus pecados, ele não teria tampouco
de recompensar os que procedem bem. Visto que não deixa
de prever tampouco as suas boas ações.
Reconheçamos, pois, pertencer à sua presciência o
fato de nada ignorar dos acontecimentos futuros. E também,
visto o pecado ser cometido voluntariamente, ser
próprio de sua justiça julgá-lo, e não deixar que seja
cometido impunemente, já que a sua presciência não os
forçou a serem cometidos.
6. o Livre-arbítrio
SEGUNDA PARTE (5,12-16,46)
RELAÇÕES ENTRE O PECADO
E A PROVIDÊNCIA DIVINA
A: REGRA FUNDAMENTAL: ,
LOUVAR A DEUS POR TER DADO O SER AS
CRIATURAS RACIONAIS, AINDA QUE PECADORAS
Capítulo 5
Louvemos a Deus por todas as obras criadas -
as superiores como as inferiores
12. Ag. Quanto à tua terceira pergunta: Como é possível
não atribuir ao Criador tudo o que em suas criaturas
acontece necessariamente?8 Temos um esclarecimento
fácil, nesta regra de piedade, a qual convém lembrarmos:
"É para nós um dever de sempre darmos graças a nosso
Criador". Certamente, será muito justo louvá-lo por sua
bondade tão generosa, mesmo no caso de ele nos criar
entre seres de alguma forma inferiores. Pois nossa alma,
mesmo corrompida por pecados, será contudo sempre
mais nobre e melhor do que se fosse, por exemplo, esta: luz
material visível. Entretanto, tu mesmo vês quantos louvores
são atribuídos a Deus pela excelência da luz, até
pelos que vivem entregues aos sentidos do corpo.
Logo, pelo fato de serem as almas pecadoras censuradas,
não fiques perturbado, a ponto de dizeres em teu
coração: "Seria melhor para elas que não existissem". Pois
saibas que é comparando a elas mesmas que as condenas,
pensando no que seriam se não tivessem cometido pecado
algum. Todavia, Deus, seu Criador, não é menos digno dos
163 RELAÇÕES ENTRE o PECADO ...
mais magníficos louvores de que o homem é capaz de lhe
atribuir. E isso não somente por tê-las mantido na ordem
por ele estabelecida, em toda justiça, mesmo sendo pecadoras,
mas também por tê-las criado em tal dignidade,
que, ainda manchadas pelo pecado, elas não cedem em
nobreza de modo algum à luz material, pela qual justamente
o louvamos.9
13. Eis aqui ainda outro conselho: toma cuidado para não
dizeres: "Seria melhor se estas coisas não existissem",
mas de preferência: "Elas poderiam ter sido constituídas
de outro modo". Pois tudo o que a razão apresenta, com
verdade, como sendo melhor, saiba que Deus o fez, sendo
ele o autor de todos os bens. 10
Ora, não é mais uma razão verdadeira, mas uma
mesquinha inveja, o fato de não se querer admitir que,
tendo pensado que uma coisa melhor deveria ter sido
produzida, nada de menos bom seja feito. Como, por
exemplo, se tendo visto o céu não quisesses que a terra
fosse criada. Ora, isso seria uma total iniqüidade. Tua
censura, sem dúvida, seria justa, caso visses que o céu,
tendo sido omitido na série de seres, a terra tenha sido
produzida. Pois poderias dizer que ela deveria ter sido
feita conforme a idéia que pudeste conceber do céu. Então,
quando tivesses visto realizado o céu naquele grau
de perfeição ao qual querias levar a terra, ele te pareceria
claramente produzido sob o nome de "céu", e não sob
o de "terra". Julgo que tu, não estando privado de algo
melhor, de modo algum deverias achar mal a produção
de outra realidade inferior, neste caso a existência da
terra. Por sua vez, esta mesma terra apresenta em todas
as suas partes tal variedadf>, que nada pode se oferecer a
quem reflete sobre os elementos de sua beleza que não
seja, em toda a sua totalidade, produzida por Deus, autor
de todas as coisas. Com efeito, da parte mais fértil e
LOUVOR A DEUS 164
aprazível da terra, até à mais árida e estéril, passa-se·por
graus tão bem dispostos que não ousarias dizer que
nenhuma dessas partes é má, a não ser comparada a outra
melhor. E assim sobes no louvor, por todos os degraus.
Entretanto isso, de maneira que ao se encontrar no ápice
na melhor espécie de terra, não possas querer que ela seja
a única.
Ora, entre toda a terra e o céu, qual não é a distância!
Entre eles, com efeito, interpõem-se os corpos úmidos e os
gasosos. E a partir desses quatro elementos (terra, céu,
água e ar) resulta outra infinita variedade de formas e
espécies, que só Deus pode enumerar.
Pode pois, conforme isso, existir na natureza certas
coisas que tua razão não consegue conceber. Mas que algo
concebido por tua razão, dotado de verdadeira idéia,
não exista, isso não é possível. Pois tu não podes conceber
uma coisa melhor entre os seres criados que tenha escapado
ao autor da criação. Com efeito, a alma humana está
em união natural com os exemplares divinos,I1 dos quais
ela depende. Assim, quando afirma: "Seria melhor ter
sido feito isto em vez daquilo", diz uma verdade, e a alma
vê o que diz. Ela a vê nesses exemplares aos quais está ligada.
Logo, que creia que Deus fez tudo o que ela, por sua
razão dotada de verdade, mostrar que ele deveria ter feito,
mesmo se ela não o vê, como uma realidade entre as coisas
realizadas. Porque, mesmo se ela não pudesse ver o céu
com os seus olhos, e entretanto concluísse, por sua razão
dotada de verdade, que tal coisa deveria ter sido feita, ela
deveria crer em sua existência. Onde veria ela, com efeito,
por seu pensamento, que essa criatura deveria ter sido
feita, a não ser nesses exemplares conforme os quais tudo
foi feito? Quanto às coisas que não se encontram nesses
exemplares, ninguém pode concebê-lo como verídico, na
medida mesma em que estão desprovidas de verdadeira
realidade.
165 RELAÇÕES ENTRE O PECADO ...
A vontade, mesmo pecadora, é um bem
14. Constitui um erro comum à maioria dos homens
quando, ao conceber em seu espírito a existência de
realidades melhores, não as procura com os olhos corporais,
em seus lugares próprios. Seria, por exemplo, como
se alguém, percebendo pela razão a perfeita redondeza do
círculo, se irritasse por não o encontrar em uma noz, caso
ainda não tivesse visto nenhum outro corpo redondo além
dessa fruta. Semelhantes a esse homem são aqueles que
vêem em sua mente, por uma idéia verdadeira, que uma
criatura seria melhor, se, mesmo dotada de vontade livre
ficasse sempre fixa em Deus, sem nunca haver de pecar~
E de outro lado, ao constatar os pecados dos homens, se
contristassem, não de que eles continuem a pecar, mas de
que tenham sido criados em condição de poder pecar.
Dizem: Deus deveria nos ter criado de tal modo que
sempre quiséssemos gozar de sua imutábel verdade, sem
jamais aceitar o pecado.
Que cessem esses lamentos e não censurem ao Criador!
Pois, criando-os, Deus não os forçou a pecar, visto que
lhes deu o poder de os cometer ou não, caso o quisessem.
E por outro lado, não existem os anjos, que nunca pecaram,
nem pecarão jamais? Na verdade, se te comprazes
com uma criatura cuja vontade persevera até o fim sem
pecar, certamente tens razão de a preferir àquela que
peca. Mas assim como tu a preferes em teu pensamento,
assim também Deus, seu Criador, a prefere na ordem das
coisas. Crês na existência de tal criatura, a qual se
encontra no grau supremo dos seres e no mais alto dos
céus. Porque, se o Criador manifestou sua bondade produzindo
uma criatura de quem previa os pecados futuros,
como não teria podido manifestar também sua bondade ,
produzindo aquela de quem previa igualmente não dever
j amais pecar! 12
LOUVOR A DEUS 166
15. Essa tão sublime criatura, a mais elevada de todas,
está na posse definitiva de sua felicidade. Pois goza para
sempre de seu Criador, como o merece por sua vontade
indefectível de se manter sempre unida à justiça.
Mas, abaixo dela, a criatura pecadora possui o lugar
que lhe compete pelo princípio da ordem. Ela perdeu a
bem-aventurança pecando, mas não pôde perder a possibilidade
de a recuperar. Essa criatura está acima, certamente,
daquela outra que permanece para sempre obstinada
em sua vontade de pecar. Entre esta última e aquela
primeira, que permanece fixa em sua vontade de não se
separar da justiça, a segunda representa uma espécie de
meio termo, pois pode recobrar sua grandeza pela humildade
da penitência.
Ora, mesmo quanto àquela criatura sobre a qual
Deus previu não somente que ela pecaria, mas ainda que
perseveraria em sua vontade de pecar, nem dela Deus
afastou a efusão de sua bondade, deixando-a de criar. Pois
do mesmo modo que um cavalo que se extravia é melhor
do que uma pedra que não pode se extraviar, ficando
sempre em seu lugar próprio, por faltar-lhe movimento e
sensibilidade, assim uma criatura que peca por sua vontade
livre é melhor do que aquela outra que é incapaz de
pecar por carecer dessa mesma vontade livre.
De igual maneira, eu louvarei o vinho - coisa boa em
seu gênero - e censuraria o homem que tivesse se embriagado
com esse mesmo vinho. E contudo, esse homem
que eu censurei e que se encontra embriagado, eu o
preferiria ao vinho que enalteci e com o qual ele se
embriagara. Acontece o mesmo com as criaturas materiais.
Cada ser com todo direito é digno de louvor, conforme
seu grau de perfeição; enquanto se deve censurar os que
abusam, e assim afastam seu olhar da percepção da
verdade. E contudo, esse seres, mesmo corrompidos e
como que em estado de embriaguez - não por motivo de
167 RELAÇÕES ENTRE O PECADO ...
seus vícios, mas devido ao que conservam da dignidade de
sua natureza -, permanecem preferíveis àqueles outros
simplesmente materiais. '
A excelência das almas espirituais
16. Assim, pois, qualquer alma vale mais do que todo ser
corporal: e nenhuma alma pecadora, seja qual for a
pro.f undI. dade de sua queda, por mudança alguma, tornase
JamaIS um corpo. Nem se pode retirar-lhe nada da
perfeição que faz dela uma alma. Portanto, ela conservará
sempre sua Superioridade sobre o corpo.
. Ora, entre os corpos materiais, a luz ocupa o lugar
maIS excelente. Segue-se que a última das almas deve ser
colocada acima desse principal ser, entre os corpos materiais.
Pode acontecer que certo corpo prevaleça sobre
outro, naturalmente unido a uma alma, mas ele de modo
algum pode estar acima de alma alguma.
Por que motivo, então, não se há de bendizer a Deus
e glorificá-lo com inefáveis louvores quando tendo criado
almas destinadas a perseverar na observân~ia das leis da
justiça, nosso Criador deu a vida também a outras almas
que ele previu haver de pecar e mesmo perseverar em seu
pecado? Visto que estas últimas almas são ainda superiores
em b?ndade aos seres animados que são incapazes de
pecar, seja por falta de razão, seja por carecer do livrearbítrio
da vontade. E além disso, as almas mesmo impenitente~
são ain~a ~ais nobres e excelentes do que qualque:
brIlho esplendldo dos corpos luminosos. Esses que
mUItos homens cometem o erro grosseiro de venerar como
sendo a substância própria de Deus altíssimo. 13
Ora, no mundo dos seres corpóreos, desde a harmonia
das constelações siderais até ao número de nossos cabelos,
encontra-se a bondade e a perfeição de todas as coisas
ordenadas de modo tão gradual e maravilhoso que seria
LOUVOR A DEUS 168
grande ignorância perguntar: O que é isto? Para que serve
aquilo? Porque cada ser foi criado dentro de sua ordem
correspondente. Sendo assim, quanto mais dará prova de
ignorância quem perguntar o mesmo em relação a qualquer
alma. Pois esta, por mais que se tenha degenerado da
beleza a que chegara e tenha caído em algum defeito,
estará sempre, sem dúvida alguma, em dignidade muito
acima do que todos os corpos materiais.
Julgamentos incorretos e o certo, conforme a razão
17. Com efeito, um é o julgamento da razão e outro, bem
diferente, o do próprio interesse pessoal. A razão aprecia
segundo a luz da verdade e assim subordina as coisas
inferiores às superiores, conforme um julgamento correto.
Mas o interesse pessoal inclina-se mais freqüentemente a
julgar conforme a vantagem que lhe proporcionam as coisas,
a ponto de fazer maior caso de coisas que a razão demonstra
serem de menor valor. Por exemplo, enquanto a razão coloca
os corpos celestes bem acima dos corpos terrestres, não obstante
acontece que o homem carnal prefIra ver até mesmo o
céu privado de diversos astros a ter o seu campo privado de
um só arbusto, ou o seu rebanho de uma única vaca.
Vemos as pessoas adultas desprezarem por completo
ou, pelo menos, esperarem pacientemente que o tempo
corrija os julgamentos das crianças. Pois estas, exetuando
algumas pessoas em cujo amor se comprazem, preferem
que morra qualquer homem, mais do que um passarinho
seu. E muito mais, se esse tal homem lhes causa
medo, e o seu passarinho for belo e canoro.
Semelhantemente, as pessoas em cuja almajá surgiu
a sabedoria encontram-se, habitualmente, com homens
que, não sabendo julgar as coisas conforme a razão,
louvam a Deus pelas criaturas ínfimas por serem estas
mais adaptadas a seus sentidos carnais, enquanto abs-
169 RELAÇÕES ENTRE O PECADO ...
têm-se de louvá-lo ou louvam pouco, pelas criaturas superiores,
e portanto mais excelentes. Encontram-se também
com outras certas pessoas que ousam até censurar a Deus e
corrigi-lo, e até mesmo recusam-se de crer que ele seja o
autor dos seres inferiores. Devem os sábios habituaremse
a desprezar totalmente os julgamento de tais indivíduos.
Mas caso não consigam corrigi-los, enquanto esperam
sua correção, tolerem-nos e suportem-nos pacientemente.
Capítulo 6
Não atribuir a Deus a causa do pecado
18a.Nessas condições, as pessoas afastam-se muito da verdade,
ao supor que têm direito de atribuir ao Criador os pecados
das criaturas, dizendo que aquilo que Deus previu como
futuro deva acontecer necessariamente. Longe da verdade
também estavas tu, (ó Evódio),14 ao dizeres que não compreendias
como não atribuir. ao Criador o que em sua criatura
acontece necessariamente. Eu, pelo contrário, não encontro,
e mesmo certillco de que não existe, nem pode existir,
meio de atribuir a Deus o que em suas criaturas acontece
necessariamente. Ao contrário, que tudo se realiza de tal
forma que sempre fIca intacta a vontade livre do pecador.
B: OBJEÇÃO - E O DESEJO DA PRÓPRIA MORTE?
Ninguém quer deixar de existir
18b. Realmente, se alguém me dissesse: "Gostaria mais de
não existir do que de ser infeliz na vida", responder-lheia:
Mentes! Pois neste mesmo momento és infeliz e entretanto
não queres morrer, senão em vista de existires. Assim,
LOUVOR A DEUS 170
sem quereres ser infeliz, queres apesar disso viver. Dá,
portanto, graças a Deus de que existes, conforme o teu
querer, a fim de seres libertado daquilo que és contra a tua
vontade. Pois existes voluntariamente, e és infeliz contra tua
própria vontade. Ora, se és ingrato pelo que és voluntariamente,
com razão, serás forçado a ser o que não queres, isto
é, infeliz. Pois bem, eu louvo a bondade do Criador de que,
mesmo ingrato, tu possuis o que queres; e louvo a justiça do
divino Ordenador, pelo fato de que possuis os dissabores,
mesmo sem o quereres, devido à tua ingratidão.15 .
Louvar a Deus por sua bondade e justiça
19. E se essa mesma pessoa me replicasse, dizendo: "Se eu
não quero morrer, não é precisamente por amar mais ser
infeliz do que não existir em absoluto. Mas é por rerear ser
mais infeliz ainda, depois da morte". Então, eu haveria de responder:
Se tal estado fosse injusto, esse não seria o teu. Se, p0-
rém, fosse justo, louvemos Aquele cujas leis te são impostas.
E caso ela insistisse ainda: "E como poderei pensar que
se tal estado fosse injusto não seria o meu?" Eu explicar-lheia:
Pelo seguinte: caso dependa de teu próprio poder, ou não
serás infeliz, ou então, por te comportares sem justiça, serás
justamente infeliz. Se ao contrário, querendo te comportar
com justiça e não o conseguindo, então não dependerias de
ti mesmo. Estarias, assim, ou sob o poder de outra pessoa ou
mesmo não dependendo de ninguém. Ora, isso seria voluntariamente,
ou contra tua vontade, porque não podes estar
assim contra teu querer, a não ser que estejas vencido por
alguma força exterior e superior. Ora, aquele que não está
sob o poder de ninguém não pode ser vencido por força
estranha alguma. Mas se é voluntariamente que não estás
sob o poder de ninguém, isso quer dizer que estás sob o teu
próprio poder. Então, se te comportas sem probidade, serás
com razão infeliz. E então o que for que te aconteça será por
171 RELAÇÕES ENTRE O PECADO ...
tua vontade. Encontrarás nisso, ainda, motivos para dar
graças à bondade de teu Criador.
E no caso de não te sentires sob teu próprio poder será
um ser mais fraco que tu ou um mais forte, que te manterá
sob sua dependência. Se for um ser mais fraco, isso será
por tua culpa, e assim tua infelicidade será justa, porque
poderias vencer algo mais fraco, caso o quisesses. Mas se
for alguém mais forte, que retém tua fraqueza sob seu
poder, essa situação é tão razoável que não terias motivo
algum para considerá-la injusta. Portanto, é plena verdade
o que te dizia: Se esse teu estado fosse injusto não seria
o teu. Se, porém, fosse justo, louvemos Aquele por cujas
leis tu te encontras nesse estado.
Capítulo 7
A existência é amada porque vem do sumo Ser
20. Se todavia alguém me disser: "Se, embora sendo infeliz,
prefiro existir a não existir de modo algum, é porque acontece
que atualmente eu existo. Entretanto, se tivesse podido ter
sido consultado antes de existir, teria escolhido não existir a
viver de um modo infeliz. Com efeito, agora, este meu receio
de perder a existência, apesar de ser infeliz, é efeito da minha
miséria, que me impede de querer o que na verdade
deveria pretender. Pois, na presente condição, deveria preferir
o não-ser a uma existência infeliz. Agora, confesso que
prefiro a existência mesmo infeliz ao não-ser. Mas essa
vontade é tanto mais insensata quanto mais miserável; e é
tanto mais miserável quanto vejo com maior verdade que
não a deveria querer".
Responderia a essa pessoa: Toma cuidado em não te
enganares, lá mesmo onde julgas estar com a verdade.
Pois, se fosses feliz, gostarias certamente antes existir do
LOUVOR A DEUS 172
que não existir. E agora que existes, mesmo infeliz,
preferes ainda existir, infeliz que sejas, a não existir em
absoluto, embora recusando-te a ser infeliz. Considera,
pois, o quanto podes, quão excelente bem é a existência em
si mesma, objeto do querer dos felizes e dos infelizes. ~ois,
se prestares bastante atenção, verás primeiramente que
és infeliz na medida mesma em que não te aproxima do
Ser supremo. Por outro lado, crês preferível o não-ser a
uma existência miserável, na mesma medida em que perdes
de vista esse sumo Ser. Entretanto, tu te apegas à existência,
porque recebeste o ser d'Aquele que é o Ser supremo.
Resolução - Amar mais e mais a vida
e aspirar ao amor das coisas eternas
21. Logo, se queres fugir da infelicidade, ama em ti esse
mesmo "querer-ser". Com efeito, quanto mais quiseres ser,
mais aproxima-te d'Aquele que existe acima de tudo. E dá
graças a Deus, desde já, por existires. Pois, mesmo sendo
inferior aos bem-aventurados, contudo és superior aos seres
que não possuem sequer o desejo da felicidade. Entretanto,
apesar disso, muitos desses seres inferiores são exaltados
pelos próprios desafortunados. Todavia, todos os seres, pelo
fato de existirem, são, com todo direito, dignos de serem
apreciados. Porque, pelo simples fato de existirem, são bons.
Assim, pois, quanto mais amares a existência tanto mais
desejarás a vida eterna e aspirarás a te transformar, de tal
maneira que tuas disposições não sejam transitoriamente
impressas em ti, como que gravadas pelo amor das realidades
efêmeras. Pois as coisas temporais nada são antes de
existirem; ao existirem, passam; e tendo passado, voltam ao
nada. Logo, quando são futuras ainda não existem; ao terem
passado não existirão mais. Como pois retê-las a fim de que
permaneçam, essas realidades para as quais iniciar a existir
é idêntico a caminhar para o nada? Mas quem ama a exis-
173 RELAÇÕES ENTRE O PECADO ...
tência aprova e utiliza essas coisas caducas, enquanto existem,
mas dá o seu grande amor ao Ser que permanece
sempre. E se o amor daquelas realidades o tornava inconstante,
fortificar-se-á por esse amor ao Ser que sempre é. E
caso se desesperar amando coisas passageiras, firmar-se-á
amando o Ser que é permanente. Fixar-se-á e obterá aquele
mesmo Ser que desejava quando temia deixar de existir e
não podia se fixar, arrastado pelo amor das coisas fugazes. 16
Logo, não te entristeças, mas ao contrário te alegres
e muito, pelo fato de que prefiras existir, mesmo infeliz,
deixar de ser infeliz, por não mais existires. Com efeito, se
a partir desse "querer-ser" inicial cresces, mais e mais, no
amor ao ser, elevarás o templo de tua alma em direção ao
Ser supremo. Assim, tu te preservarás de toda queda, pela
qual passam à não existência os seres inferiores, os quais
existem apenas para voltar ao nada, levando em sua ruína
as forças e o ser de quem ama tais coisas.
Quanto àquele que prefere não ser para escapar da
miséria, como isso não pode se dar, ele não tem outra
alternativa do que suportar de ser infeliz. Pelo contrário,
aquele que possui maior amor à existência do que aversão
a viver infeliz, que aumente esse amor à existência e
assim se afastará daquilo a que tem tanta aversão. Pois
logo que conseguir possuir perfeitamente aquela existência
que convém à sua condição, não será mais infeliz.
Capítulo 8
Nem mesmo aqueles que se suicidam
preferem o não-ser
22. Efetivamente, considera o absurdo e a contradição
desta declaração: "Gostaria mais de não existir do que de
ser infeliz". Pois ao se dizer: gosto mais disto do que
LOUVOR A DEUS 174
daquilo, escolhe-se alguma coisa. Ora, o não-ser nij.o é
coisa alguma, mas um simples nada e, por conseguinte, é
absolutamente impossível que se faça uma escolha conveniente,
quando nada há a ser escolhido.
Sem dúvida, dizes ainda: "Eu queria existir, mesmo
sendo infeliz, mas não deveria ter querido isso". O que
deverias, então, ter querido? "De preferência não existir",
respondeste. Se tivesses tido de querer isso, então tal havia
de ser o melhor. Ora, o nada não pode ser o melhor. Logo, não
é isso que deverias ter querido. E o sentimento que te leva a
não querer o nada é mais conforme à verdade do que o
parecer pelo qual crês que deverias ter querido tal coisa.
Além disso, quando alguém faz uma boa escolha é
preciso que o objeto desejado, uma vez obtido, torne
melhor aquele que optou por ele. Ora, é impossível tornarse
melhor alguém que já não existe. Logo, ninguém pode
escolher de modo conveniente não mais existir.
Nem nós devemos nos deixar impressionar pelo julgamento
daqueles que, sob o peso da miséria, se deram à
morte. Com efeito, ou bem eles procuraram rerugio lá onde
julgavam estar melhor - e isso não parece contrário a nosso
raciocínio-, seja da maneira que for como o supuseram, ou bem
menos ainda, caso tenham acreditado em seu total desaparecimento,
essa escolha absurda das pessoas em escolher o nada
deve nos inquietar. Realmente, como posso seguir um homem
a quem, se eu lhe perguntasse o que escolhe ele me respondesse:
''Nada!'' Pois aquele que escolhe não-ser, certamente fixa sua
opção sobre o nada, ainda que se negue a admitir essa resposta.
No fundo, o suicida procura encontrar
a própria tranqüilidade
23. Não obstante, para exprimir o meu pensamento sobre
toda essa questão, se isso for possível, direi: parece-me
que ninguém que se suicida ou que deseja a morte de
175 RELAÇÕES ENTRE O PECADO ...
qualquer maneira possui o sentimento de que não será
nada depois da morte. Ainda que isso entre um pouco em
sua idéia. Com efeito, o parecer racional reside no erro ou
na verdade, obtidos por via do raciocínio ou da fé, em
testemunhos dados. Pelo contrário, o sentimento tira seu
valor da própria natureza ou do hábito. Ora, pode acontecer
que o parecer lógico diga uma coisa e o sentimento
íntimo, outra. Constata-se isso facilmente pelo fato de que
em muitos casos cremos que deveríamos fazer uma coisa,
mas agrada-nos, na realidade, fazer outra.
Por vezes, o sentimento íntimo é mais verdadeiro do
que o parecer formalizado. Isso quando esse vem do erro
e o sentimento, da natureza. Por exemplo, freqüentemente
um doente encontra prazer em tomar água gelada e isso
com proveito, ainda que acreditando que lhe será nocivo.
Ou tras vezes, o parecer formalizado é mais verdadeiro
do que o sentimento íntimo. Por exemplo, no caso de o
doente crer, conforme a recomendação competente do
médico, que a água fria lhe será nociva, posto que, com
efeito, ela realmente o seja, ainda que o dito doente tenha
prazer de bebê-la.
Por vezes, o parecer lógico e o sentimento são igualmente
verdadeiros, como acontece quando uma coisa útil
não somente é tida como tal, mas ainda ocasiona prazer.
Enfim, há vezes em que existe erro de um lado e
doutro, quando uma coisa nociva é julgada benéfica e
causa prazer.
Habitualmente, porém, um parecer certo corrige um
mau hábito e um mau parecer costuma corromper uma
natureza correta. Isso por ser muito forte o domínio e a
supremacia da razão.
Assim acontece quando uma pessoa crê que após a
morte nâo mais existirá, e que entretanto - levada por
tristezas intoleráveis, inclina-se com todo seu desejo em
direção à morte - resolva abraçá-la e com efeito se
LOUVOR A DEUS 176
suicida. Há em seu parecer a crença errônea de completo
aniquilamento. Não obstante, existe, pelo contrário, em
seu sentimento, o desejo natural do repouso.17
Ora, o que permanece na tranqüilidade não pode ser
um puro nada. Bem ao contrário, possui mais realidade do
que aquilo que é instável. Posto que a instabilidade é causa
de afetos tão opostos que mutuamente um destrói o outro.
Pelo contrário, o repouso implica a permanência, a qual se
tem em vista quando se diz de algo: Isto existe, é!
Desse modo, todo desejo daquele que quer morrer é
dirigido, não para cessar de existir pela morte, mas para
encontrar a tranqüilidade. E assim, enquanto crê, por
engano, obter o não-ser, sua natureza está a aspirar pela
tranqüilidade, isto é, deseja possuir uma realidade mais
perfeita.
Logo, assim como não pode absolutamente ser crível
que alguém goste de não existir, não se pode de modo
algum admitir que alguém seja ingrato para com a bondade
de seu Criador, pelo ser do qual frui.
C: O PECADO E A ORDEM DO UNIVERSO
Capítulo 9
É indevido censurar a Deus
pela criação de seres menos perfeitos
24. Se fosse dito: "Entretanto, não seria dificil nem laborioso
para a onipotência de Deus proporcionar a cada uma
de suas obras o que lhe convém dentro de sua ordem, de
maneira que nenhuma viesse a ser infeliz. Pois sua
onipotência não poderia ser incapaz disso nem sua bondade
haveria de ser avara desse dom".
177 RELAÇÕES ENTRE O PECADO ...
Responderia a essa objeção: a ordem hierárquica das
criaturas desde a mais elevada até a mais ínfima decorre
em graus tão bem proporionados que só a inveja poderia
levar a dizer: "Esta realidade não deveria existir assim".
Ou ainda: "Aquela deveria ser de outro modo". Com efeito,
caso se pretendesse que uma criatura se assemelhasse a
tal outra que lhe fosse superior, essa já deveria' existir e
com excelência suficiente para que nada pudesse lhe ser
acrescentado por ser perfeita. Então, alguém ao afirmar:
"Gostaria que esta realidade fosse como aquela outra",
caso pretendesse acrescentar perfeição à criatura superior
já perfeita, por aí, seria exagerado e injusto. Ou ainda,
se alguém pretender suprimir a realidade mais imperfeita
seria mau e iníquo.
E aquele que dissesse: "Esta aqui não deveria existir"
seria igualmente mau e invejoso, visto que, ao recusar-lhe
a existência, ver-se-ia forçado a considerar tal outra
menos perfeita. Seria, por exemplo, como se dissesse: "A
lua não deveria existir". Ora, a claridade de urna candeia
que seja, ainda que bem inferior, continua bela em seu
gênero e agradável, quando as trevas cobrem a terra, e
assim mostra-se ela bem apropriada aos afazeres noturnos.
Devido a tudo isso, meu interlocutor deve bem confessar
que a referida candeia é digna de ser louvada em sua
humilde limitação. Negá-lo, seria próprio de um doido ou
de um obstinado.
Como, pois, ousar dizer convenientemente: "A lua
não deveria existir entre os seres", quando ao dizer: "A
candeia não deveria existir", essa pessoa já é digna de
zombaria? E caso não afirmasse: "A lua não deveria
existir", mas sim: "Deveria ser semelhante ao sol", ela não
se daria conta de que esse desejo reduz-se a : "A lua não
deveria existir, mas deveria haver dois sóis". Nisso engana-
se duplamente, porque acrescentar ao mesmo tempo
nova perfeição às coisas que já são perfeitas em sua
LOUVOR A DEUS 178
natureza é desejar como que outro sol. E diminuir a sua
perfeição é como desejar eliminar a lua.
Deus é digno de louvores pela criação
da variedade dos seres
25. Talvez meu interlocutor dirá, a propósito desse exemplo,
que ele não se lamenta de modo algum a respeito da
lua, porque o esplendor menor que ela possui não é de
natureza a torná-la infeliz. Mas que é a respeito das almas
que ele se contrista. Não devido à obscuridade delas, mas,
precisamente, por causa do seu estado de desgraça.
Seja, mas que ele considere então, atentamente, que
se a lua não é infeliz por sua opacidade, do mesmo modo
o sol não é feliz por seu brilho. Pois, ainda que sendo corpos
celestes, são contudo corpos e, pelo que diz respeito à luz,
são capazes de serem percebidos por nossos olhos corporais:
nunca, porém, os corpos como corpos podem sentir
felicidade ou desdita, ainda que possam ser corpos de
seres felizes ou infelizes.
Mas a comparação tirada desses corpos luminosos
ensina-nos o seguinte: contemplando a diversidade dos
corpos, vês uns mais brilhantes do que outros, mas estarias
no erro ao pedir a supressão dos mais obscuros ou o
nivelamento com os mais brilhantes. Pois, se os consideras
a todos em sua relação com a perfeição do universo,
quanto mais eles diferem de brilho entre si, mais te é fácil
constatar que todos eles existem.
Aliás, o conjunto não te parece perfeito, senão porque
coexistem corpos mais nobres com outros mais humildes.
Considera, por aí, igualmente, a diversidade existente
nas almas e encontrarás como compreender que essa
miséria da qual te lamentas também possui seu papel na
perfeição do universo. Essa perfeição faz com que nada
falte, sequer essas almas que tiveram de se tornar infeli·
179 RELAÇÕES ENTRE O PECADO ...
zes por terem querido livremente ser pecadoras. E não se
pode dizer que Deus não devia ter dado a existência a
essas almas. Igualmente, é erro afirmar que ele não seja
digno de louvor por ter dado o ser a outras criaturas ainda
bem inferiores do que essas almas infortunadas.
o pecado nada tira da ordem do universo
26. Entretanto, parecendo não compreender bem o que
foi dito, meu interlocutor apresenta ainda outra objeção:
"Com efeito, argumenta ele, se nossa miséria completa a
perfeição do universo, viria então a faltar algo a essa
perfeição, caso todos nós sempre fôssemos felizes? Por
conseguinte, se a alma não se torna infeliz a não ser pecando,
segue-se que até os nossos próprios pecados são
necessários à perfeição do universo criado por Deus.18
Como, então, pune Deus com justiça os pecados, sem os
quais a sua criação não teria nem a sua plenitude nem a
sua perfeição?"
A isso se responde: não são os pecados mesmos, nem
as desgraças mesmas, que são necessários à perfeição do
universo, mas as almas enquanto almas, as quais se não
quiserem pecar não pecam, mas tendo pecado tornam-se
infelizes. Se, absolvidos os seus pecados, a sua miséria
continuasse, ou mesmo se esta precedesse qualquer pecado,
com razão seria dito que uma brecha foi introduzida na
ordem e no governo do universo. Por outro lado, caso se
cometam pecados, mas não exista a pena, a ordem ficaria
igualmente abalada pela injustiça.
Inversamente, quando os justos encontram a felicidade,
então aparece perfeita a ordem do universo. E
porque não faltam almas pecadoras que encontram o
castigo, nem almas a cujas boas obras segue-se a felicidade,
o universo não deixa de conservar a sua perfeição.
Porque, na verdade, nem o pecado nem o castigo do pecado
LOUVOR A DEUS 180
são seres à parte, mas estados acidentais dos seres. O
pecado voluntário leva a um estado acidental de desordem
vergonhosa, ao qual se segue o estado penal, precisamente
para o colocar no lugar que lhe corresponde, para
não haver uma desordem dentro da ordem universal.
Força o castigo a harmonizar-se o pecado com a ordem do
universo. Assim, a pena do pecado vem a reparar a ignomínia
do mesmo.19
A penalidade sofrida pelas almas pecadoras
contribui para a perfeição do universo
27. Daí provém que, se uma criatura superior pecar, será
punida por criaturas inferiores. Porque ainda que estas
estejam em condição bem mais baixa, podem ser de certo
modo elevadas pelas almas pecadoras. Ajustam':'se assim
à ordem e harmonia do universo. Com efeito, o que há
numa casa de mais nobre do que a pessoa humana, e o que
há de mais baixo e abjeto do que o esgoto da casa?
Contudo, um escravo, preso por uma falta que o faz ser
encarregado de limpar o esgoto, dignifica aquele lugar por
meio de sua mesma ignomínia. E essas duas coisas, a
indignidade do escravo e o ato de limpar o esgoto, reunidas
e formando agora uma só espécie de unidade, contribuem
para a boa disposição da casa. Inserem-se tão bem uma na
outra que concorrem ao arranjo daquela residência numa
ordem cheia de harmonia. Contudo, se esse escravo não
tivesse querido pecar, nem por isso à administração
doméstica teria faltado outro meio para fazer executar as
limpezas necessárias.
De modo semelhante, haverá algo de mais ínfimo
entre os seres do que um corpo formado da terra? E
entretanto, a alma, mesmo pecadora, dignifica tão bem
essa carne corruptível que lhe dá uma forma admiravelmente
constituída, assim como o movimento vital. Por
181 RELAÇÕES ENTRE O PECADO ...
isso, se não é conveniente que uma alma pecadora habite
o céu devido a seu pecado, não obstante convém-lhe
habitar a terra, como castigo.
Assim, seja qual for a opção da alma, permanecerá
sempre a beleza deste universo, do qual Deus é o criador
e administrador e cuja ordem consiste na harmoniosa
conveniência de suas partes. Quanto às almas nobres, ao
habitarem em seres de baixa condição, elas os dignificam,
não por suas misérias, pois não as possuem, mas pelo bom
uso que fazem dessas criaturas.
Todavia, se fosse permitido às almas pecadoras habitarem
em lugares mais elevados, haveria por certo desordem,
porque elas não se adaptariam a tais lugares, não
podendo usar deles de modo conveniente nem lhes trazer
esplendor algum.
28. É porque nosso mundo terrestre, ainda que destinado
às coisas corruptíveis, conserva entretanto, o quanto
lhe é possível, a imagem de seres superiores e não cessa de
oferecer exemplos e sinais disso.
Com efeito, se virmos um homem bom e de caráter
nobre, levado pelo dever e a honra, a deixar que seu corpo
se consuma pelas chamas, não classificamos esse fato
como castigo infligido ao pecado, mas como prova de força
e paciência. E nós muito o admiramos, caso uma terrível
destruição dizimar seus membros corporais - mais do
que se não tivesse tido de sofrer nada semelhante. Pois
reconhecemos com admiração que a natureza da alma é
tal que não sofre alteração pela modificação do corpo.
Por outro lado, se acontecer serem consumidos os
membros do corpo de um bandido que observamos pelo
mesmo suplício, caso seja dentro da ordem e da lei, nós
admitimos o fato. Logo, esses dois tipos de homens dignificam
seus tormentos, mas um demonstrando o que vale
a sua virtude e outro, o que merece o seu pecado.
LOUVOR A DEUS 182
Ora, se após essa prova do fogo, ou mesmo antes dela,
víssemos aquele homem santo de que falamos em primeiro
lugar tornar-se digno das moradas celestes, ser transportado
para os céus, por certo alegrar-nos-íamos.
Pelo contrário, se fosse o bandido que víssemos, seja
antes de seu suplício, seja depois, conservando ele a inalícia
de sua vontade, elevar-se aos céus para ser colocado
num trono de eterna glória, quem não ficaria chocado?
Conclui-se, pois, que um e outro puderam dignificar
os seres inferiores, mas só um deles, os seres superiores.
Aplicação do que foi dito à punição
do pecado original e à redenção
Isso leva-nos a observar que a mortalidade de nosso
corpo foi dignificada pelo primeiro homem, de modo que o
pecado encontrou aí seu castigo proporcionado. E também,
foi o corpo humano dignificado por nosso Senhor, de
modo que a sua misericórdia fez dele o meio de nos libertar
do pecado.20
Por outro lado, o justo podia, permanecendo justo,
possuir um corpo mortal; mas inversamente o pecador,
enquanto se mantiver pecador, não pode atingir a imortalidade
dos anjos. Não me refiro à imortalidade sublime
dos anjos, daqueles dos quais o Apóstolo diz: "Não sabeis
que julgaremos os mesmos anjos?" (lCor 6,3). Mas ~im
daqueles de quem o Senhor diz: "Eles serão semelhantes
aos anjos de Deus" (Lc 20,36). Com efeito, aqueles que
desejam a igualdade com os anjos, movidos por própria
vanglória, não querem por aí elevar-se a uma medida
igual à dos anjos" mas sim rebaixarem os anjos à sua
própria condição. E porque, perseverando em tal pretensão,
serão igualados ao castigo dos anjos prevaricadores,
que amam o seu próprio poder mais do que o de Deus todopoderoso.
Realmente, tais homens encontrar-se-ão do
183 RELAÇÕES ENTRE O PECADO ...
lado esquerdo, no juízo final, porque não terão procurado
a Deus pela porta da humildade, a qual o Senhor Jesus
Cristo mostrou-nos em si mesmo. Viveram eles cheios de
orgulho, sem nenhuma misericórdia. Então, ser-lhes-á
dito: "Ide para o fogo eterno preparado para o diabo e para
os seus anjos" (Mt 25,41).
Capítulo 10
Conseqüências do pecado original
29. São duas as fontes do pecado: uma, o pensamento
espontâneo; outra, a persuasão de outrem. Penso que é a
isso que se refere a palavra do profeta: "De meus pecados
ocultos, purificai-me, Senhor, e das faltas alheias preservai
vosso servo" (SI 18, 13 .14). Todavia, num e noutro caso,
o pecado é sem dúvida voluntário. Isso porque, assim
como ninguém ao pensar espontaneamente vem a pecar
contra a própria vontade, do mesmo modo, ao consentir a
uma má sugestão, certamente não consente sem ser por
vontade própria.
Entretanto, pecar por si mesmo sem ser induzido a
isso por ninguém, e persuadir a outrem a cometer pecado,
por inveja e dolo, é certamente mais grave do que ser
levado ao pecado por persuasão alheia.
Deus observou plenamente a justiça, punindo um e
outro pecado (o do demônio e o dos homens). Pois foi tudo
pesado na balança da eqüidade. Assim, o fato de não ser
recusado ao demônio o possuir de certa forma o homem sob
seu poder - posto que lhe fora submetido por haver aceito
as suas más sugestões. Com efeito, não seria justo impedi-
lo de dominar sobre aquele a quem havia capturado.
Por outro lado, absolutamente não podia acontecer
que a justiça perfeita de Deus soberano e verdadeiro, que
LOUVOR A DEUS 184
se estende por toda parte, se omitisse, sem remeter em
ordem os estragos dos pecadores. É porque ao homem,
sendo menos culpado do que o demônio, foi encontrado um
meio de restauração e salvação, pelo fato mesmo de estar
sujeito ao demônio, até na própria mortalidade de sua
carne. Pois o demônio é o príncipe deste mundo, quero
dizer, da parte mortal e ínfima da criação, isto é, ele é o
chefe de todos os pecados e senhor da morte.
O homem, tornando-se menos seguro pela consciência
de ser mortal, temendo a ferocidade da parte dos
animais, os mais vis e abjetos e até mesmo dos menores,
em meio a mil incômodos, acha-se, por outro lado, incerto
do futuro. Habituou-se, então, a reprimir as alegrias culpáveis
e sobretudo a dominar o seu orgulho, cujas más
sugestões levaram-no a perder-se. Tal orgulho afasta por
ele só o remédio preparado pela misericórdia divina.
Quem há, com efeito, que tenha mais necessidade de
misericórdia do que o mísero? E também, o que há de mais
indigno de misericórdia do que o orgulhoso infortunado?
A obra da redenção
30. Aconteceu, então, que o Verbo de Deus, "por q~em
tudo foi feito" e cujo gozo constitui toda a bem-aventurança
dos anjos, estendeu sua clemência até a nossa miséria "e
o Verbo fez-se carne e habitou entre nós" (Jo 1,3.14).
Poderia assim o homem chegar a comer o pão dos
anjos, sem ainda ser igualado aos anjos,já que Ele mesmo,
o Pão dos anjos, se dignava igualar-se aos homens. E
desceu Ele até nós, sem contudo abandonar os anjos. Ele
está, ao mesmo tempo, inteiramente junto a eles e inteiramentejunto
a nós. Nutre a eles, aos anjos, interiormente
por seu ser de Deus. E ensina-nos a nós, por fora, por
tudo o que somos.21 Torna-nos capazes pela fé de participarmos
com os anjos do alimento da visão beatífica.
185 RELAÇÕES ENTRE O PECADO ...
Na verdade, a criatura racional nutre-se desse Verbo
como de seu melhor alimento. Ora, a alma humana é
racional. Está, porém, retida por castigo de seu pecado em
liames mortais. Ela é reduzida, assim, a um estado de
grande debilidade. Deve esforçar-se para perceber as
realidades invisíveis, por conjecturas, através das realidades
visíveis. É porque o alimento da criatura racional
tornou-se visível. Sem nada mudar em sua natureza,
revestiu-se da nossa, a fim de levar a Ele, que é invisível,
aqueles que só procuram as coisas visíveis. Desse modo,
Aquele que a alma por seu orgulho abandonara, em seu
interior, ela reencontra-o fora dela, na humildade. E só
será imitando essa humildade visível que voltará à sua
elevação invisível.
A submissão ao Senhor livra-nos do poder do demônio
31. É porque o Verbo de Deus, o Filho único de Deus, que
sempre teve e sempre terá o demônio submetido às suas
leis, tendo se revestido de nossa humanidade, submeteu
igualmente o demônio ao homem. Para isso, nada lh~
exigiu com violência. Mas venceu-o pela lei da justiça.
Posto que o demônio, tendo enganado a mulher e feito cair
o homem por meio dela - certamente animado pelo desejo
perverso de causar dano, entretanto com todo direito
-, pretendia submeter à lei da morte todos os descendentes
do primeiro homem, a título de pecadores.
Em conseqüência, esse poder não deveria perdurar
senão até o dia em que o demônio poria o Justo à morte,
Àquele em quem nada podia encontrar digno de morte. E
Ele, não somente foi condenado à morte, sem crime algum,
como também nasceu sem concupiscência alguma, pela qual
o demônio subjugava a todos os seus cativos, como frutos de
sua árvore. Isso sem dúvida levado por um desejo muito
perverso. Não obstante, sem lhe ter faltado certo direito de
LOUVOR A DEUS 186
propriedade.22 Por conseguinte, é com toda justiça que o
demônio está constrangido a libertar aqueles que crêem
naquele a quem submeteu à morte injustamente.
Desse modo, se os homens morrem de morte temporal,
que essa morte seja para liquidar sua dívida; e se
vivem da vida eterna, que seja para viver naquele que
pagou por eles uma dívida que ele próprio não tinha.
Para aqueles, porém, a quem o demônio tiver persuadido
de .perseverar na infidelidade, com direito ele os
terá corno companheiros na danação eterna.
Assim, pois, aconteceu que o homem não foi arrancado
por violência ao demônio, tal como este não havia se
apropriado por violência do homem, mas por persuasão.
Dessa maneira, foi submetido o homem que com direito
havia sido humilhado, a ponto de se tornar escravo daquele
a quem dera o consentimento para o mal. Com direito,
também, foi libertado por Aquele a quem dera o consentimento
para o bem. Isso porque o homem fora menos
culpado consentindo ao mal do que o demônio a persuadir
a fazê-lo.
Capítulo 11
Toda criatura justa ou pecadora
contribui para a ordem universal
32. Deus é, pois, o Criador de todas as naturezas: não
somente daquelas que haviam de perseverar na virtude e
na justiça, como daquelas que haveriam de pecar. Estas
Deus as criou não para que pecassem, mas para que
acrescentassem algo à beleza do universo, quer consentindo,
quer não ao pecado.
Se aqueles seres espirituais que ocupam o cume da
ordem universal tivessem falhado e aceitado pecar, o
187 RELAÇÕES ENTRE O PECADO ...
universo ter-se-ia enfraquecido e deteriorado e algo de
grande teria faltado à criação. Pois faltaria aquilo cuja
ruína perturbaria o equilíbrio e a harmonia dos sere~.
Tais são aquelas criaturas tão excelentes, santas e sublImes,
potestades celestes ou supracelestes, das quais só
Deus é o Senhor e ao qual o mundo inteiro está submetido.
Sem a função delas, cheia de justiça e de perfeição, nosso
universo não subsistiria.
Do mesmo modo, aquelas outras criaturas que podem
pecar ou não, no caso de não existirem, a ordem d~ universo
não se alteraria. Nesse caso, entretanto, mUlto de
considerável teria faltado. Posto que, com efeito, são
almas racionais, por certo dessemelhantes por suas funções
daqueles espíritos superiores, mas igualando-os em
sua natureza.
E abaixo delas, há ainda muitos outros graus de ser
que, sendo obras do Deus supremo, permanecem dignas
de louvor.23
Função dos seres angélicos e dos homens
33. Logo, possui uma função sublime essa natureza a
qual, não somente se não existisse, mas ainda se pecasse,
diminuiria a ordem do universo.
Função menos sublime exerce aquela outra natureza
cuja inexistência somente, e não seu pecado, diminuiria
essa perfeição universal.
Aos primeiros seres (os angélicos) foi dado o poder de
suster todas as coisas como função própria. Deles, a ordem
universal não se poderia passar. Aliás, a razão de sua
perseverança na vontade do bem não vem da nobre função
que receberam, mas eles a receberam porque sua
perseverança foi prevista por Aquele que confiou neles.
Ademais não é por sua própria autoridade que eles
mantêm 'todas as coisas na ordem, mas por aderirem à
I '
LOUVOR A DEUS 188
autoridade e obedecerem com total dedicação às ordens
d'Aquele de quem, por quem e em quem24 todas as coisas
foram feitas.
Por sua parte, aquela segunda natureza (a humana),
quando não peca, recebe também a função e o grandíssimo
poder de sustentar todas as coisas na ordem. Não, porém,
como próprias, mas em união com os primeiros seres, por
ter sido previsto que ele seria capaz de pecar.
Os seres espirituais podem unir-se entre si, sem nada
ganhar com isso; e separarem-se também sem se diminuírem
em nada. Assim, os seres superiores nada ganham
em facilidade nas suas ações, se os inferiores unirem-se a
eles. Tampouco sua ação torna-se mais dificil, se os inferiores
abandonarem sua função, pecando.
Pois mesmo que os seres espirituais tivessem um
corpo, não é pelos lugares ou volumes corporais que essas
criaturas espirituais podem unir-se ou separar-se, mas
pela semelhança ou dessemelhança de suas disposições.
Ação dos anjos e das almas sobre os seres inferiores
34. Ora, a alma humana que desde o pecado encontra-se
em seu lugar em corpos frágeis e mortais, governa cada
uma o seu corpo, não totalmente conforme sua própria
vontade, mas como o permitem as leis universais.
Contudo, não se segue que essa alma seja inferior aos
corpos celestes,25 aos quais estão submissos os corpos
terrestres. Pois até as roupas esfarrapadas de um escravo
condenado estão longe de valer o mesmo que as vestes de
um servo fiel, estabelecido com honra junto a seu senhor.
Mas o próprio escravo vale muito mais do que não importa
que veste preciosa, pelo fato de ser homem.
Portanto, aquele espírito (angélico) superior, unido a
Deus, e num corpo celeste, pode, por seu poder angélico,
embelezar e governar os mesmos corpos terrestres, con-
189 RELAÇÕES ENTRE O PECADO ...
forme lhes ordena Aquele de quem compreende inefavelmente
a vontade.
Quanto à alma (humana), inferior por sua vez, morando
em corpo mortal, governa com dificuldade, interiormente,
esse mesmo corpo que a oprime. Contudo, ela o
embeleza o quanto pode. Quanto aos corpos exteriores que
a circundam, ela influencia-os conforme sua possibilidade,
com uma ação ainda que muito mais fraca.
Capítulo 12a
Nada pode perturbar o governo de Deus
sobre o universo
35. Donde se segue esta conclusão: a criatura corpóreaaté
a de condição mais ínfima - não estaria privada de
beleza singularíssima, mesmo no caso de o homem não ter
querido pecar.
Com efeito, quem pode governar o todo pode também
governar uma parte. Não se segue, porém, que aquele que
pode menos possa algo mais. Assim, por exemplo, um
médico pode ser competente para curar eficazmente qualquer
doença da pele. Entretanto, não se segue que aquele
médico que trata com sucesso tais males, necessariamente
cure toda espécie de doenças no homem.
Na verdade, a razão pode perceber uma idéia certa
que faça ver com evidência que deve existir uma criatura
que nunca tenha pecado e nunca houvesse de pecar
jamais; e essa mesma razão pode mostrar também outra
verdade: que essa criatura abstém-se de pecar por sua
livre vontade, e isso sem ser forçada por necessidade
alguma, mas por si mesma. E mesmo se ela pecasse, ainda
que de fato não o tenha feito, como Deus o previu, apesar
de tudo, bastaria a autoridade divina cujo poder é inefável
LOUVOR A DEUS 190
para governar todo este universo, de modo que, dando
a cada um o qu~ lhe convém e é devido, Ele não haveria de
tolerar em todo seu domínio nada de disforme ou indecoroso.
Porque, supondo que se Deus se passasse de todo
poder, criado para esse mesmo fim, como seria o caso de os
seres angélicos todos eles virem a falhar, pecando contra
os seus mandamentos, Deus governaria todas as coisas
por sua ação cheia de bondade e de ordem, em sua
suprema majestade.
Entretanto, nem sequer por inveja deixaria de querer
a existência' de seres espirituais. Ele, que também criou
com muita bondade os seres corporais, ainda que bem
abaixo dos espirituais.
É assim que ninguém pode contemplar com inteligência
o céu, a terra e todos os seres visíveis com suas proporções
e sua ordem conforme seu gênero próprio sem reconhecer
que Deus somente é o autor de todas as coisas e sem
admitir que é preciso lhe tributar inefáveis louv~res.
Todavia, até na hipótese de melhor disposição das
coisa~ n~o poder ser obtida sem que o poder angélico, pela
excelenCla de sua natureza e bondade de sua vontade
esteja no plano supremo da organização universal ~
ainda assim, a defecção de todos os anjos não teria desprovido
o Criador do governo de seu império. Com efeito, nem
essa bondade, como decorrente de qualquer desgosto;
nem seu poder, devido a qualquer dificuldade faltar-Ihe-
I" am para crIar outros seres angélicos e col'o cá-los nos
tronos abandonados pelos prevaricadores. Enfim, se as
criaturas espirituais fossem condenadas por seus pecados,
tal como mereciam, no maior número que se suponha
isso não poderia prejudicar a ordem. Porque se prestari~
am com toda eqüidade e conveniência à ordem, a qual leva
ao castigo todos aqueles que fossem dignos de serem
condenados.
191 RELAÇÕES ENTRE O PECADO ...
Assim, pois, de qualquer lado que se dirija a nossa
reflexão, ela encontra a Deus, digno de louvores inefáveis.
Ele, o Criador excelente e o governador muito justo de
todos os seres.
D: O PECADO E A BONDADE DAS CRIATURAS
Capítulo 12b
Contemplação da beleza da criação
36a. Enfim, deixemos a visão da beleza das coisas para
serem contempladas por aqueles que a podem ver, graças
ao auxílio de Deus. Quanto àqueles que são incapazes de
a ver, não tentemos levá-los a contemplar o inefável
mistério, por palavras. Não obstante, por causa de certos
homens palradores, ignorantes ou sofistas, examinemos
tão grande questão com a maior brevidade que nos seja
possível. 26
Capítulo 13
Princípio fundamental: todo ser é bom.
O mal é uma privação
36b. Toda natureza (natura) que pode tornar-se menos
boa, todavia, é boa. De fato, ou bem a corrupção não lhe é
nociva, e nesse caso ela é incorruptível; ou bem, a corrupção
atinge-a e então ela é corruptíveL Vem a perder a sua
perfeição e torna-se menos boa. Caso a corrupção a privar
totalmente de todo bem, o que dela restará não poderá
mais se corromper, não tendo mais bem algum cuja
LOUVOR A DEUS 192
corrupção a possa atingir e, assim, prejudicá-la. Por outro
lado, aquilo que a corrupção não pode prejudicar também
não pode se corromper, e assim esse ser será incorruptíveL
Pois eis algo totalmente absurdo: uma natureza tornar-se
incorruptível por sua própria corrupção.
Por isso se diz, com absoluta verdade, que toda
natureza enquanto tal é boa. Mas se ela for incorruptível
será melhor do que a corruptível. E se ela for corruptível
- já que a corrupção não pode atingi-la senão tornandoa
menos boa, ela é indubitavelmente boa. Ora, toda
natureza ou é corruptível ou incorruptível. Portanto, toda
natureza é boa.
Denomino "natureza" o que habitualmente se designa
pela palavra "substância". Conseqüentemente, posso
dizer que toda substância é Deus ou procede de Deus, e
assim tudo o que é bom é Deus ou procede de Deus.
A reprovação devida aos defeitos
vem a ser louvor ao Deus supremo
37. Uma vez essas verdades tendo sido firmemente
estabelecidas, como ponto de partida de nosso raciocínio,
atende, (ó Evódio), ao que vou dizer: toda natureza racional,
tendo sido criada com o livre-arbítrio da vontade, é,
sem dúvida alguma, digna de louvor, caso se mantenha
fixa no gozo do Bem supremo e imutáveL A mesma coisa
quanto à natureza racional que se esforça por se fixar nele
permanentemente deve ela igualmente ser louvada. Pelo
contrário, toda natureza que não esteja fixa naquele Bem
supremo e recusar-se a trabalhar para aí se manter, é
digna de ser censurada (vituperanda est), na medida em
que aí não estiver e não fizer o necessário para isso.
Logo, se é digna de louvor uma natureza racional, que
não é senão criatura, não há dúvida que também deve ser
louvado Aquele que a criou. E caso ela seja censurada,
193 RELAÇÕES ENTRE O PECADO ...
ninguém duvida que seu Criador vem a ser igualmente
louvado por essa censura. Com efeito, se ° que reprovamos
nessa criatura é precisamente o fato de não querer
gozar do Bem supremo e imutável, isto é, de seu Criador
- é ~em este a quem louvamos, sem dúvida alguma.
O quão grande é pois a bondade divina, e de quantos
inefáveis louvores todas as línguas e todos os pensamentos
devem celebrar e honrar o Deus, criador de todas as
coisas. Visto que não podemos, sem o louvar a ele mesmo,
ver dirigidos a nós louvores ou censuras! Com efeito, não
podemos ser reprovados por não permanecermos unidos a
ele, a não ser porque essa união constitui o nosso grande,
supremo e primeiro bem. E donde procede tudo isso, senão
porque Deus é o Bem inefável?
Como, pois, poder-se-ia encontrar em nossos pecados
algo de censura, em referência a Ele, quando não podemos
condenar tais pecados, sem proclamarmos os seus louvores?
Não se pode reprovar o vício sem louvar a natureza
38. Pois bem! Nas mesmas coisas que reprovamos, não é
unicamente o defeito ou vício (vitium) que reprovamos?27
Ora, não se pode reprovar o vício de natureza alguma sem
louvar implicitamente a essa natureza. Com efeito, ou
bem aquele que censuras é conforme à natureza do seu
ser, e então não é um defeito, e é a ti que convém corrigir
o julgamento errôneo, para que saibas censurar a propósito,
e assim o teor de tua reprovação não seja indevido.
Ou então, caso se trate de um vício, para ser justamente
reprovado, tem forçosamente de ser contrário à mesma
natureza. Porque todo vício, pelo fato mesmo de ser vício,
é contrário à natureza. Efetivamente, se não prejudicar a
natureza não será tampouco vício. Inversamente, se for
vício por afetar a natureza de modo nocivo, é claro ser
também vício pelo fato de ser contrário à natureza.
7. o Livre-arbítrio
LOUVOR A DEUS
194
Agora, se uma natureza for corrompida não po~ seus
próprios vícios, mas pelos de outra natureza, entao ela
será censurada injustamente. Devemos antes proc,:rar s:
a outra natureza da qual o vício a pôde corromper nao esta
ela mesma corrompida por seus próprios vícios.
Mas o que é ser viciado a não ser estar corrompido pel~
vício? Ora, uma natureza que não está viciada não pOSSUI
vício algum. Ao passo que a natureza cujo vício pôde cor:o~per
outra natureza certamen~ e~tá ;i~iada. Lo~o, ~ ~n~eIra
está corrompida por seu proprIO VICIO. Ela, cUJO VICIO pode
corromper as outras naturezas. Donde se segue esta conclusão:
todo vício é contrário à natureza, exatamente daquela
mesma natureza da qual vem tal vício.
É porque se conclui que em todas as coisas .nã?
se reprova a não ser o vício e este não vem a ser constItUIdo
vício senão por sua oposição à natureza do'ser onde se
encontr~. E não se pode reprovar com justeza o vício de coisa
alguma, a não ser que se louve a natureza dessa mesma
coisa. .
Com efeito, nada pode com razão te desagradar no
vício, a não ser o fato de que ele vicia o que te agrada na
natureza.
Capítulo 14
Dois complementos:
lº) Natureza alguma corrompe-se semjá estar viciada
39. É preciso considerar igualmente este outro aspecto:
será verdade dizer que uma natureza se corrompe pela
influência do vício de outra natureza, sem que ela mesmo não
tenha vício algum? Realmente, se uma natureza ao aproximar-
se de outra com intenção de corrompê-la, com seus
próprios vícios, caso não encontre nela algo de corruptível,
195 RELAÇÕES ENTRE O PECADO ...
não pode corrompê-la. E caso o encontre, ela não realiza a
corrupção de sua natureza, a não ser pela influência dos
vícios que ali encontra. Porque, em primeiro lugar, se for
uma natureza maiSfurte em face de outra mais fraca que a
influencia, evidentemente ela não será corrompida, a não
ser que o queira. E caso queira, ela começa a ser corrompida
por seu próprio vício, antes de o ser por um vício alheio.
Em segundo lugar, caso se trate de uma natureza
diante de outra de igual força, tampouco poderá ser
corrompida, no caso de se recusar a isso. Porque desde que
qualquer natureza atingida por um vício aproximar-se de
outra isenta de vício, para a corromper, pelo fato mesmo,
não se apresenta mais com igualdade de força, mas como
menos forte, devido a já estar viciada.
Finalmente, se uma natureza mais forte corrompe
outra mais fraca, essa corrupção dá-se, ou bem pelo vício
das duas, se for o fruto das paixões depravadas de ambas,
ou bem pela influência do vício da mais forte, caso esta
goze de tal superioridade que, mesmo viciada, guarde a
prioridade sobre a natureza inferior à qual corrompe.
Assim quem, com razão, poderia reprovar os frutos da
terra, pelo fato de não se servirem bem deles os homens que
já estão corrompidos por seus próprios vícios, e que corromperam
aqueles bons frutos, abusando deles para satisfazerem
sua própria luxúria? Entretanto, seria de louco duvidar
de que a natureza humana, mesmo viciada, não possua
excelência e força maior do que não importa qual fruto da
terra, mesmo isento de qualquer defeito.
2º) Nem toda corrupção é digna de ser censurada
40. Pode ainda acontecer que uma natureza mais forte
corrompa outra mais fraca, e isso sem que haja vício
algum, nem de um lado nem de outro. Porque só chamamos
vício ao que é digno de reprovação (vituperatio).
LOUVOR A DEUS 196
Quem, por exemplo, ousaria censurar algum homem
frugal que nos frutos da terra não procure nada mais do que
o sustento para a sua natureza? Ou ainda, censurar esses
mesmos frutos, pelo fato de se corromperem ao serem
consumidos como alimento pelo homem? Nesse caso, nem é
mesmo costume de se falar em corrupção, porque habitualmente
esse termo "corrupção" designa sobretudo vício.
Por outro lado, facilmente pode-se observar, em referência
às coisas comuns, que freqüentemente não é senão
para se servir em vista de satisfazer a sua própria indigência
que uma natureza mais forte corrompe outra mais fraca. Ou
ainda, por vezes, para manter em ordem quanto àjustiça, ao
punir alguma falta. Temos conforme esse princípio as palavras
do Apóstolo: "Se alguém destrói o templo de Deus, Deus
o destruirá" (lCor 3,12). .
Por vezes, a vituperação é em vista de guardar a ordem
própria das coisas mutáveis, que estão sujeitas umas às outras
conforme a leis cheias de sabedoria muito adequadas, as
quais regem o universo, segundo o grau de força dado a cada WTI.
Por exemplo, se os olhos de alguém, por causa de sua
pouca força natural, são incapazes de suportar a luz, e por
isso padecem corrupção pelo brilho direto do sol, não seria
para supor que o sol produza essa transformação para suprir
o que falta à sua própria luz. Ou que o faz por algum vício que
tenha. Tampouco seria preciso recriminar os próprios olhos
por terem obedecido, seja a seu dono, abrindo-se àquela luz
tão forte, seja à mesma luz, e serem por isso queimados.
Conseqüentemente, de todas as corrupções, só a
viciosa é reprovável com justeza. Quanto às outras, ou
bem não devem sequer ser designadas como currupção.
Ou então, não sendo viciadas, não podem por certo serem
dignas de reprovação.
Desse modo, presume-se que a mesma palavra "reprovação"
(vituperatio) tirou esse nome por ser uma preparação
para a reprovação, ou seja, por estar apta e ser devida
197 RELAÇÕES ENTRE O PECADO ...
co~justiça somente ao vício. Por isso, foi chamada em latim:
"virtuperatio", isto é, vitio paratio.
Louvar os seres é louvar a Deus, criador das naturezas
41. Co~o ~u ~zia no começo, o vício não é um mal senão por
su.a oposlça~ a natureza daquela mesma coisa à qual ele
at~nge. Por ISSO, será evidente que a natureza de alguma
COIsa da qual se reprova o vício é uma natureza digna de
lou~o~. D~vemos, pois, declarar absolutamente que reprovar
os VICIOS e sempre louvar a natureza, a saber, a natureza da
qual reprovamos os vícios. Com efeito, estes se opondo à
natureza, o mal deles cresce tanto mais quanto mais diminui
a bondade i~tegral dessa natureza. Portanto, quando repro~
as ~ víCIO, certamente louvas a coisa da qual desejas a
mtegndade. E que integridade, senão a da natureza? Uma
nat~eza perfeita não somente não merece nenhuma reprovaçao,
~as dentr~ de su~ condição é digna de louvor. Logo,
o que ves faltar a perfeIção de uma natureza eis o que
chamas de "vício", testemunhando bastante por:U, que essa
nat~eza te agrada, ~sto que não acusas a sua imperfeição
senao porque gostarias de a ver perfeita.28
E: O PECADO E A JUSTIÇA
Capítulo 15
Motivos de louvar a Deus
42. Se, pois, reprovar os vícios é proclamar a beleza
e a dignidade das naturezas, mesmo atingidas de vícios
quanto mais deve Deus ser louvado como Criador de toda~
as naturezas, até por motivo dos vícios dessas naturezas.
LOUVOR A DEUS 198
A razão é que dele elas recebem essa natu.reza que
possuem e não se tornam viciadas senão na medlda que se
afastam daquela "arte divina", conforme a qual foram
produzidas. E não são elas comjusteza dignas de reprovação,
senão na medida em que a pessoa que as reprova tem
a visão dessa arte, conforme a qual foram formadas.
Poderia ele reprovar nas criaturas algo que não fosse o
fato de não estarem seguindo o seu modelo?
E se essa mesma arte pela qual todas as coisas foram
feitas, isto é, a suprema e imutável sabedoria de Deus,
possui uma existência verdadeira e suma, como de fato a
possui considera para onde se dirigem as naturezas que
dela s~ desviam, isto é, dessa arte divina.29
Esse defeito (do desvio da idéia de Deus), entretanto,
não seria censurável se não fosse voluntário. Peço-te de
considerar se, com razão, censurarias uma coisa que fos.se
tal como deve ser? Penso que não, mas, pelo contrárIO,
censurarias aquilo que não fosse como devia ser. Ora,
ninguém deve o que não, recebeu e aquele que é devedor a
quem deve ele a não ser Aquele de quem recebeu algo, com
obrigação de devolver? Pois aquilo mesmo que se devolve,
entrega-se Àquele de quem se havia recebido.
E o que se devolve aos legítimos herdeiros dos credores
é certamente devolvido aos mesmos credores, aos
quais os herdeiros sucederam legitimamente. De ou:ra
forma dever-se-ia falar, não de restituição, mas de SlmpIes
entrega de dons, ou como se queira denominar.
As criaturas inferiores, ao perecerem,
não faltam ao que devem
Seria, portanto, absurdo dizer que nenhum ser temporal
deveria desaparecer. A razão é porque essa ordem
de seres está disposta de tal forma que, se não desaparecessem,
as coisas futuras não poderiam suceder às passa-
199 RELAÇÕES ENTRE O PECADO ...
das, nem portanto permitir que a beleza dos tempos
pudesse se desenvolver em sua espécie.
Com efeito, o quanto tais seres inferiores recebem,
assim executam e devolvem Àquele a quem são devedores,
por tudo o que são e enquanto são. Portanto, se alguém
se lamenta pelo desaparecimento de tais seres, que
faça atenção à forma de se exprimir em seu próprio
discurso, no qual expressa o seu pensamento, e examine
se o considera justo e inspirado pela prudência. Porque,
nessa sua alocução, caso ele se limitasse ao som das
palavras, se viesse a preferir o som de uma única palavra
ou sílaba, não querendo que cessasse mais, e cedesse o
lugar às sílabas seguintes, que por sua vez, ao terminar,
houvessem de suceder a outras, formando a trama de todo
o discurso - no caso de alguém assim fazer, não seria ele
taxado como um grande demente? Visto que a linguagem
compõe-se de sílabas e palavras, que se sucedem ininterruptamente.
43. É porque, em referência aos seres que perecem por
não lhes ter sido dado existir mais longamente, a fim de
permitir a todas as coisas de se realizarem a seu tempo,
ninguém tem motivo de censurar o seu desaparecimento.
Pois ninguém pode afirmar: esse ser deveria permanecer
na existência, já que ele não poderia ultrapassar os
limites que lhe foram assinalados.30
A razão leva-nos a reprovar o mal e praticar o bem,
como uma dívida para com Deus
Entretanto, quando se trata de criaturas racionais
pecadoras ou não, as quais concorrem de certo mod~
maravilhoso à beleza do universo, o fato de alguém desejar:
"Sejam essas criaturas isentas de pecado!" é absurdo,
porque peca até mesmo aquele que condena como pecado
LOUVOR A DEUS 200
o que não é. Ou ainda, supor que os pecados não devam ser
reprovados, não seria menos absurdo, porque assim se
chegaria até a não se louvar mais as boas ações, e sim as
más. Nesse caso, é a direção total do espírito humano que
estaria perturbada e a vida transformada.
Ou supor, ainda, que uma boa ação praticada como
devia ser, deva ser reprovada, resultaria disso uma ~bominávelloucura,
ou para dizê-lo em termos mais suaves:
um erro muito deplorável.
Por outro lado, resta, enfim, a verdadeira razão da
censura: condenar tudo o que é pecado, e tudo o que com
justiça é censurável, por não existir como deveria sê-lo.
Procura, pois, de que uma natureza pecadora está em
dívida e reconhecerás: das boas ações. Procura, também,
em relação a quem ela está em dívida e reconhecerás: em
relação a Deus. Porque d'Aquele de quem ela recebeu o
poder de agir bem, querendo-o livremente, recebeu também
o poder de ser infeliz, caso não o fizer. Entretanto,
será feliz se praticar o bem.
Caso a vontade livre não devolver a Deus
o que lhe deve pela prática da virtude,
dará glória a Deus por um justo castigo
44. Como ninguém passa por cima das leis do Criador
todo-poderoso, a alma não tem outra saída senão pagar a
sua dívida. Ora, paga-a, seja usando bem o dom que
recebeu, seja perdendo aquilo que não quis empregar
corretamente. É porque, se ela não devolver cumprindo a
justiça, ela o devolverá padecendo o castigo.
Num e noutro caso, emprega-se a seguinte idéia:
devolver o que é devido. O que se acaba de dizer poderia
também se exprimir desta maneira: se a criatura racional
não devolver o que deve, cumprindo o que deve, ela o
devolverá padecendo o devido castigo.
201 RELAÇÕES ENTRE O PECADO ...
E não há nenhum intervalo de tempo entre os termos
dessa alternativa, como se um fosse o tempo onde o
culpado não faz o que devia fazer e outro no qual padece
o que merece. Isso está assim disposto, a fim de que a
beleza do universo não seja alterada um só instante, caso
a desordem do pecado se manifestasse sem ter uma
~eparação por umjusto castigo. Fica, porém, reservado ao
Julgamento futuro a manifestação clara de tudo o que
agora está sendo executado em grande segredo. E será
então, levado à maior intensidade o sentimento de infor~
túnio do pecador.
, Co~ efei~o, assim, como o fato de não estar desperto
e dormIr, aSSIm tambem quem quer que não faça o que
~eve ~a~ece sem tardança o que merece. Pois tão grande
e a fehcldade que se encontra na justiça que ninguém pode
se afastar dela, sem se voltar logo em direção à infelicidade.
.Portanto, em resumo, em todos os casos em que haja
defeItos na natureza, ou aconteça de muitas coisas se extinguirem
por não ter recebido o poder de existir por mais
tempo, aí não há culpa. Como também não há culpa no ser
que durante sua existência não recebeu a capacidade de
ser mais perfeito do que foi.
Enflm, só há culpa no caso de um ser recusar-se a ser o
que tinha o poder de ser, se o quisesse. E porque aí se trata
de recusar um bem que lhe foi dado, a alma se torna culpada.
Capítulo 16
Deus nada nos deve, nós tudo lhe devemos
45. Ora, Deus nada deve a ninguém, porque tudo dá
gra~uitamente. E se alguém afirmasse que algo lhe é
deVldo por seus méritos, ao menos é certo que a própria
LOUVOR A DEUS 202
existência não lhe é devida, visto que a quem ainda não
existia, nada lhe é devido.
Mas embora supondo um pretendid..o mérito, o qual
haveria de ser, pelo fato de te voltares Aquele de quem
recebeste a existência, a fim de que ele mesmo te torne
melhor, após te haver dado o ser? Que vantages tens para
que possas reclamar dele, com justiça, sendo que, no caso
de te recusares a voltar para Deus, ele nada perde com
isso? Ao passo que tu perderás Aquele mesmo, sem quem
nada serias, e só por quem és alguma coisa. A tal ponto que
se não te voltares para Ele e não lhe devolveres o que dele
recebeste, virás a cair, não no nada, certamente, mas na
infelicidade.
Logo, todos os seres lhe devem primeiramente tudo o
que são, enquanto natureza existente. Em seguida, aqueles
seres que receberam a capacidade de querer, devemlhe
tudo o que lhes é possível para progredir, se o quiserem.
Devem assim tudo o que têm a obrigação de ser.
Em conseqüência, ninguém é responsável pelo que
não recebeu. Contudo, é culpado, com justiça, se não fizer
o que devia. Ora, é dever fazê-lo quem recebeu uma
vontade livre e uma capacidade suficientemente grande
para isso.
Conclusão: o pecado é causado pela vontade livre.
Deus não é a causa do pecado.
Louvor ao Criador em todas as circunstâncias
46. Dessa forma, quando alguém não faz o que deve, o
Criador fica a tal ponto isento de culpa que é preciso, na
verdade, louvá-lo. Isso porque o culpado padece o que
d~ve, e ainda porque, nessa mesma reprovação que merece
por não ter feito o que deve, existe um louvor prestado
Àquele a quem o pecador é devedor. Posto que, se te
louvam quando vês o que deves fazer, ainda que não o
203 RELAÇÕES ENTRE O PECADO ...
vejas senão naquele que é a Verdade imutável, quanto
mais é preciso louvar Aquele que de antemão também
determinou quereres isso, e deu-te o poder para tanto. E
Ele não deixará impune a tua desobediência.
Cada um é responsável pelo que recebeu. Portanto, se
o homem tivesse sido criado de tal modo que pecasse
inevitavelmente, seu dever seria pecar. E ao pecar, portanto,
faria o que devia, e não faria senão seguir a lei da
natureza. Mas já que seria crime falar dessa maneira,
segue-se que ninguém é obrigado por sua natureza a
pecar. Tampouco é obrigado a ser levado por uma natureza
alheia, porque ninguém peca sujeitando-se ao que não
quer, por própria vontade. Com efeito, caso se sujeitar
justamente a isso, seu pecado não está em que se sujeitou
contra sua vontade. Mas só peca quando age voluntariamente,
de maneira a dever padecer com toda justiça o que
não teria querido sofrer. Pois por outro lado, se o aceitasse
injustamente, como pecaria? Efetivamente, o pecado não
consiste em suportar alguma coisa injustamente, mas sim
em praticar algo injustamente. Posto que ninguém está
forçado a pecar, nem por sua própria natureza, nem pela
natureza de outro, logo só vem a pecar por sua própria
vontade.
Enfim, se quisesses atribuir o pecado ao Criador,
desculparias o pecador, que nada teria cumprido fora dos
desígnios de seu Criador. E então, poderias desculpá-lo
com justiça, pois não haveria pecado algum. Logo, se não
houver pecado, nada mais existe que possas atribuir à
responsabilidade do Criador.
Louvemos pois o Criador, se o pecador puder ser
desculpado. E caso não o possa, louvemos ainda o Criador.
Pois se o pecador é defendido conforme a justiça, ele não
será mais pecador.
E caso ele não possa ser defendido, será pecador
na medida em que se afasta voluntariamente de seu CriaLOUVOR
A DEUS 204
dor. Nesse caso, tampouco há razão para não louvar o
Criador.
Conseqüentemente, na verdade, eu não encontro o
meio e certifico absolutamente não haver nenhum, que
possa levar a atribuir nossos' pecados a Deus, nosso
Criador. Pelo contrário, encontro ocasião para louvá-lo
nesses mesmos pecados, não somente porque Ele os pune,
mas, mais ainda, porque não são cometidos senão quando
alguém se afasta de sua verdade.
Eu. Aceito tudo isso e o aprovo com boa vontade.
Creio ser tudo absolutamente verdadeiro e concordo contigo
que não,se pode de modo algum atribuir com razão
nossos pecados ao Criador.
TERCEIRA PARTE (17,47-25,77)
PROBLEMAS DIVERSOS
A: A VONTADE LIVRE -
CAUSA PRIMEIRA DO PECADO
Capítulo 17
Posição do problema:
sem liberdade não há pecado
47. Eu. Não obstante, quisera saber, se possível, por que
aquelas criaturas que Deus previu não haverem de pecar
não pecam; e por que pecam aquelas outras que Ele previu
haverem de pecar?
Na verdade, não creio mais que a presciência divina
força estas últimas a pecar, e aquelas outras a não pecar.
Sem dúvida, se não houvesse alguma causa, não haveria
entre as criaturas racionais tal divisão, de modo que umas
nunca venham a pecar e outras persistam pecando. E
ainda, outros seres de natureza racional fiquem de certa
forma como no meio, entre os dois grupos. Por vezes,
cometem pecados e, por vezes, convertem-se para o bem.
Por qual razão estão eles assim divididos em três grupos?
Não quero, porém, que me respondas simplesmente: É
devido à própria vontade, porque eu procuro a causa
determinante dessa vontade. Com efeito, não é sem alguma
causa que uma criatura nunca queira pecar, e que outra não
queira jamais abandonar o pecado. E enfim, que uma terceira
por vezes o queira e por vezes não, uma vez que todas elas
são dotadas de uma mesma natureza racional.
LOUVOR A DEUS 206
Eis a única coisa, penso eu, estar a ver claramente:
que tal tríplice divisão da vontade entre as criaturas
racionais não pode existir sem alguma causa. Ignoro, porém,
qual seja ela.31
A raiz de todos os males é a vontade desregrada
48. Ag. Entretanto, sendo a vontade a causa do pecado,
como indagas a causa do mesmo ato da vontade? Caso eu
pudesse encontrá-la, não irias perguntar, ainda, qual a causa
dessa causa? E assim, onde haveríamos de terminar a
busca? Onde estari~ o final da investigação e da discussão?
Não obstante, nada podes investigar além da mesma raiz da
questão. Com efeito, não penses que se possa dizer nada de
mais verdadeiro do que esta máxima: "A raiz de todos os
males é a cobiça" (lTrn 6,10), isto é, a disposição de querer
além daquilo que é suficiente e que cada natureza exige
conforme sua própria condição a fim de se conservar.
De fato a cobiça (ou amor ao dinheiro) é denominada
em grego "filarguria", isto é, amor da prata, termo esse
que não é dito somente a respeito desse metal, mas da
moeda da qual foi tirado o seu nome, porque aS moedas,
entre os antigos, eram feitas, o mais freqüentemente, de
prata pura ou de alguma mistura, à base da prata. O
termo deve ser entendido de todas as coisas desejadas
com imoderação. Enfim, encontra-se a cobiça em tudo o
que alguém quer além do que lhe é suficiente. Tal cobiça
é cupidez, e a cupidez é uma vontade desregrada (improba).
Logo, é a vontade desregrada a causa de todos os males.
Se essa vontade estivesse em harmonia com a natureza,
certamente esta a salvaguardaria e não lhe seria nociva. Por
conseguinte, não seria desregrada. De onde se segue que a
raiz de todos os males não está na natureza. E isso basta, por
enquanto, para refutarmos todos aqueles que pretendem
responsabilizar a natureza dos seres pelos pecados. Quanto
207 PROBLEMAS DIVERSOS
a ti, se pretendes ainda investigar qual seja a causa dessa
raiz, como poderia ser a vontade a raiz de todos os males?
Com efeito, essa raiz seria a causa da cobiça, mas essa, uma
vez tendo sido encontrada, como eu dizia acima, seria preciso
procurar ainda a causa dessa primeira causa e não haveria
limite algum para as tuas buscas.
o que motiva a vontade
49. Ag. Mas enfim, anteriormente à vontade, qual poderia
ser a causa determinante da vontade? Realmente, ou
bem é a vontade ela mesma, e não se sai dessa raiz da vontade;
ou bem não é a vontade, e então não há pecado algum.
Logo, ou a vontade é a causa primeira do pecado, e
nenhum pecado será causa primeira do pecado, e a nada se
pode imputar o pecado senão ao próprio pecador. Logo, não
se pode imputar justamente o pecado a não ser a quem seja
dono da vontade. Ou, afinal, a vontade não será mais a causa
do pecado e, assim, não haverá mais pecado algum.
Desse modo, não sei por que tu te empenhas tanto em
procurar outra causa fora da vontade. Além do mais, qualquer
seja a causa da vontade, ou ela será justa ou injusta. Se
for justa, quem quer que lhe obedeça o impulso não pode
pecar. Se forinjusta, que cada urn resista a ela, e não mais pecará.
Capítulo 18
Pode alguém pecar em coisas que não pôde evitar?
50. Será talvez que essa causa leva ao pecado a agir com
tanta violência a ponto de forçar a quem não quer? Ora, será
preciso que tenhamos de repetir tantas vezes as mesmas
idéias? Recorda os nossos longos desenvolvimentos anteriores
sobre a questão do pecado e da vontade livre (cf. m, caps. 3 e 4).
LOUVOR A DEUS 208
Mas se é dificil para ti tudo conservar na memória, retém
ao menos esta breve sentença: qualquer seja a causa que
move a vontade, se acontecer lhe ser impossível resistir, e
vier a cair sob a violência, não haverá pecado. Mas caso possa
resistir que não ceda, e então certamente não haverá pecado.
Todavia, talvez essa tentação venha a induzir ao erro,
no caso de estar alguém desprevenido? Então, que tome suas
precauções para não se deixar enganar! Entretanto, será que
esse engano é tão astucioso que contra ele nada valem as cautelas
tomadas? Se assim for, admito não poder haver pecado
algum. Quem poderia ser culpado num ato inevitável?
Em todo caso, ninguém pode negar que o pecado
existe. Logo, será possível ao homem evitá-lo.32
B: A NOSSA SITUAÇÃO ATUAL,
DEVIDA AO PECADO ORIGINAL
51. Apesar de tudo, acontecem certas ações que mesmo
cometidas por ignorância foram condenadas, com obrigação
de serem reparadas. Lemos nas Sagradas Escrituras
o Apóstolo dizer: "Obtive misericórdia porque agi por
ignorâcia" (lTm 1,13). E o rei-profeta: "Não recordes, ó
Senhor, meus desvios dajuventude e os meus pecados por
ignorância" (SI 24,7).
Existem também ações condenáveis, ainda que praticadas
por necessidade. Isso quando o homem pretende
agir bem e não o consegue. Pois de onde viriam estas
palavras: "Não faço o bem que eu quero, mas pratico o mal .
que não quero"? E estas outras: "Pois o querer o bem está
ao meu alcance, não, porém, o praticá-lo" (Rm 7,19.18WE
ainda: "A carne tem aspirações contrárias ao espírito e o
espírito contrárias às da carne. Opõem-se reciprocamente,
de sorte que não fazeis o que quereis" (GI5,17)?
Mas tudo isso pertence aos homens, enquanto suas
ações são derivadas da primitiva condenação à morte.
209 PROBLEMAS DIVERSOS
Pois se não existisse aí uma punião dada ao homem, mas
apenas uma conseqüência de sua natureza, não haveria
nesses atos pecado algum.
Na verdade, se o homem não se afasta nisso da
condição conforme à qual foi criado naturalmente, de
modo que não pode se encontrar num estado melhor, ele
está executando o que deve, ao fazer essas coisas.
Todavia, se o homem fosse bom, agiria de outra forma.
Agora, porém, porque está nesse estado, ele não é bom
nem possui o poder de se tornar bom. Seja porque não vê
em que estado deve se colocar, seja porque, embora o
vendo, não tem a força de se alçar a esse estado melhor, no
qual sabe que teria o dever de se pôr. Assim sendo, quem
duvidaria que haja aí uma penalidade?33
Ora, toda penalidade se for justa é a punição do
pecado e denomina-se castigo. Se nossa condição fosse
injusta, visto que ninguém hesita a ver aí uma penalidade,
é bem evidente que teria sido imposta ao homem por
algum dominador injusto. Ora, só um louco duvidaria da
onipotência e da justiça de Deus. Logo, a penalidade é
justa, e está destinada a punir algum pecado. Posto que
nenhum dominador injusto poderia subtrair o homem ao
poder de Deus, sem que ele o percebesse. Tampouco, arrebatá-
lo desse mesmo Deus, contra a sua verdade, como
se fosse algum adversário menos forte, empregando ameaças
ou violência, para depois vir a atormentar os homens
com punições injustas. Resta, portanto, que essa justa
penalidade é o fruto da condenação do homem.
52. Nada de espantoso, aliás, se o homem, em conseqüência
da ignorância, não goze do livre-arbítrio de sua vontade na
escolha do bem que deve praticar. Ou ainda, se diante da
violência de seus maus hábitos carnais tornados, de certo
modo, disposições naturais por efeito do que há de brutal na
geração da vida mortal, o homem veja perfeitamente o bem
LOUVOR A DEUS 210
a ser feito e o queira, sem contudo poder realizá-lo. De fato,
essa é a punição muito justa do pecado: fazer perder aquilo
que não foi bem usado, quando seria possível tê-lo feito, sem
dificuldade alguma, caso o quisesse. Em outras palavras, é
muitojusto que quem, sabendo, mas não querendo agirbem, seja
privado de perceber o que é bom. E quem não querendo agirbem,
quando o podia, perca o poder de praticá-lo quando o querdenovo.
Na verdade, tais são as duas reais penalidades para
toda alma pecadora: a ignorância e a dificuldade. Da
ignorância, provém o vexame do erro; e da dificuldade, o
tormento que aflige.34
Ora, aprovar o falso como se fosse a verdade, e assim
enganar-se sem o querer, tornando-se incapaz de se abster
de atos libidinosos, em conseqüência das resistências
e dos dolorosos tormentos dos vínculos carnais - essa não
é a natureza primitiva do homem, mas, sim, o seu castigo
depois de ter sido condenado.35
Mas quando falamos da vontade livre para agir bem,
evidentemente falamos daquela vontade com a qual o
homem foi criado.
Capítulo 19
Se foram Adão e Eva que pecaram,
que culpa temos nós?
53. Apresenta-se aqui aquela questão que algmpas
pessoas costumam comentar entre si. Ao pecar, estão prontas
a acusar seja o que for, exceto a si mesmas. Declaram
elas: Se foram Adão e Eva que pecaram, que fizemos nós,
pobres infelizes, para nascermos na cegueira da ignorância
e nos tormentos da dificuldade?
Vagamos primeiramente no erro, ignorando o que devemos
fazer. Em seguida, quando os preceitos da justiça
211 PROBLEMAS DIVERSOS
começam a nos ser manifestos e quereríamos cumpri-los,
não sei por qual resistência da concupiscência carnal, e por
qual necessidade, tornamo-nos incapazes de fazê-lo.
A negligência é culpável
Dirijo uma breve resposta a essas pessoas para que se
tranqüilizem e deixem de murmurar contra Deus. Pois
poderiam, talvez, se lamentar com razão se homem algum
houvesse existido que não tenha podido triunfar do erro e da
concupiscência. Uma vez, porém, que Deus se acha em tudo
presente e que de tantas maneiras se serve das criaturas
para chamar a si -a ele, que é o Senhor-esse seu servo que
dele se desviou, a fun de instruí-lo, caso creia; consolá-lo, caso
espere; encorajá-lo, caso ame; ajudá-lo, caso faça esforço; e
escutá-lo, caso implore. Não te recriminam pelo fato de
ignorares, contra tua própria vontade, mas de negligenciares
procurar saber o que ignoras.
Tampouco te é imputado como culpa não poderes curar
teus membros feridos, mas de menosprezares Aquele que te
quer curar. Enfim, são esses os teus verdadeiros pecados.36
Visto que não existe homem tão desprovido de inteligência
que não conheça a utilidade de procurar aquilo
que não traz vantagem alguma de ser ignorado, e o dever
de confessar humildemente suas fraquezas, a fim de obter
para quem procura com humildade a ajuda d'Aquele que
não está sujeito ao erro nem à fraqueza alguma, quando
vem trazer socorro.
As fraquezas humanas não são verdadeiros pecados,
mas penalidades pelo primeiro pecado
54. As más ações que cometemos por ignorância e as boas
que não conseguimos praticar, apesar da boa vontade,
denominam-se "pecados", "isto tirarem sua origem daLOUVOR
A DEUS 212
quele primeiro pecado cometido por livre vontade. Esse,
com efeito, como antecedente, mereceu os outros pecados,
como conseqüentes.
Assim, de modo semelhante, costumamos denomínar
"língua" não apenas o órgão que pomos em movimento na
boca ao falarmos, mas também aquilo que resulta desses movimentos,
isto é, a forma e a seqüência sonora das palavras.
Nesse sentido, dizemos: uma é a língua grega; outra, a latina.
Da mesma maneira, denominamos "pecado" não apenas
o que em sentido próprio é pecado, por ter sido
com.etido conscientemente e por livre vontade, mas também
o que é a conseqüência necessária do mesmo pecado,
como castigo do mesmo.
Igualmente, quanto ao termo "natureza". Entendemos
de um jeito, quando falamos em sentido próprio, isto é, a
respeito da natureza específica, na qual o homem foi primeiramente
criado no estado de inocência. De modo diferente,
entendemos o termo "natureza" quando tratamos dessa
natureza na qual, como conseqüência do castigo imposto ao
primeiro homem, após sua condenação, nascemos mortais,
ignorantes e escravos da carne, tal como disse o Apóstolo:
"Como eles (os pagãos), nós (os judeus) também andávamos
outrora nos desejos de nossa carne, satisfazendo as vontades
da carne e os seus impulsos, e éramos por natureza como os
demais, filhos da ira" (Ef 2,3).
Capítulo 20
Justiça e bondade de Deus na
condição atual de fraqueza dos homens
55. Dessa maneira, aprouve, muito justamente a Deus,
que governa soberanamente todas as coisas, que nascêssemos
daquele primeiro casal, com ignorância e dificulda-
213 PROBLEMAS DIVERSOS
de no esforço e na mortalidade. Isso porque, ao pecarem,
eles foram precipitados no erro, na dor e na morte. Assim,
na origem do homem devia se manifestar ajustiça daquele
que pune; e no decorrer de sua vida, a misericórdia
daquele que liberta.
Posto que, se os primeiros homens, desde a sua
condenação, perderam a sua felicidade, não perderam
por aí a sua fecundidade. Logo, a sua descendência,
mesmo carnal e mortal, poderia tornar-se em seu gênero
certo elemento de honra e ornamento para o universo.
Na verdade, -não era justo que o primeiro homem
gerasse filhos melhores do que ele mesmo era. Por outro
lado, convinha, ao se converter para Deus, que qualquer
pudesse triunfar do castigo que havia merecido ao nascer,
no afastamento de Deus. Outrossim, não convinha que
essa boa vontade de regresso a Deus fosse impedida. Pelo
contrário, que fosse ajudada.
O Criador de todas as coisas mostrava além do mais,
por esse meio, com quanta facilidade o primeiro homem
teria podido, se o quisesse, manter-se no estado no qual
havia sido criado, visto que sua descendência pôde vir a
triunfar do estado em que nascera.
Em qualquer hipótese a respeito da origem das almas -
Deus é sempre justo
56. Em seguida, se supusermos que Deus criou uma só
alma, da qual tiraram sua origem as almas de todos os
homens que nascem, quem poderia negar não ter cada
homem pecado, ao pecar o primeiro homem?37
No caso, porém, de as almas serem criadas separadamente,
uma a uma, na ocasião do nascimento de cada
homem,38 não se pode achar ser contra a razão, mas, ao
LOUVOR A DEUS 214
contrário, perfeitamente conveniente e bem conforme a
ordem que os desméritos da primeira alma sejam
conaturais à alma seguinte, e que o mérito da segunda
seja conatural à antecedente.
Com efeito, o que há de indigno para o Criador se,
ainda assim, ter ele querido demonstrar a dignidade da
alma - natureza espiritual- ultrapassar de muito os
seres corporais, e que o grau de profundidade ao qual uma
alma chegou, em sua degradação, possa ser o ponto de
origem de outra alma?
Eis por que, quando a alma, ao pecar, cai na ignorância
e nas dificuldades, fala-se então, com razão, de castigo,
visto que, certamente, ela foi melhor antes de tal castigo.
Logo, em conseqüência, não apenas antes de pecar, mas
desde o começo de sua vida, se uma alma começa por
encontrar-se em estado semelhante àquele em que outra
tornou-se, após toda uma vida de pecado, ela possui,
entretanto, um bem considerável, do qual deve dar graças
a seu Criador. Visto que, desde o seu nascimento e seu
próprio começo, ela é superior a não importa qual. ser
apenas corporal, em sua total perfeição.
Com efeito, não é um bem de pouco valor, não apenas
o fato de ser uma alma, cuja natureza já ultrapassa
qualquer corpo, mas também de ser capaz, com a ajuda do
Criador, de aperfeiçoar-se a si mesma e, por um piedoso
empenho, poder adquirir e possuir as virtudes por meio
das quais poderá vir a libertar-se dos tormentos da dificuldade
e da cegueira do erro.
Se assim é, a ignorância e a dificuldade dessas almas,
no momento de nascer, não serão para elas o castigo
do pecado - mas sim um estímulo ao progresso e
um início de perfeição. Pois não é pouca coisa, antes
mesmo de qualquer boa obra meritória, ter a alma recebido
a capacidade de um julgamento natural, por meio
do qual prefere a sabedoria ao erro e o repouso à dificul-
215 PROBLEMAS DIVERSOS
dade. Assim, pode ela chegar àquela Sabedoria e repouso,
não por seu nascimento, mas pela constância nos
esforços.
E caso a alma recusar-se de agir, com razão será considerada
culpada de pecado, por não ter usado bem da
possibilidade que recebeu. Pois, se bem que tenha nascido
na ignorância e nas dificuldades, contudo necessidade
alguma a obrigava a permanecer nesse estado em que
nascera.
Afinal, ninguém de modo algum, a não ser Deus
onipotente; pode ser o Criador de tais almas, de darlhes
a existência, antes mesmo de ter sido amado
por elas. E reformá-las, a~ando-as; e aperfeiçoálas,
quando por elas amado. E Ele que dá o ser às almas
que não existem ainda. E àquelas que o amam como
autor de sua existência, concede-lhes o poder de serem
felizes.39
57. Por outro lado, ao admitirmos que talvez as almasjá
tenham preexistido em algum lugar secreto disposto por
Deus, e serem elas enviadas para animar e governar os
corpos de cada uma das pessoas que for nascendo - nesse
caso, estão elas destinadas a esse ofício para dar uma boa
direção ao corpo em que nascem, sujeito à penalidade do
pecado, isto é, padecendo a mortalidade devida ao pecado
do primeiro homem.
Fazem isso dominando o corpo por meio das virtudes,
para submetê-lo a uma servidão perfeitamente legítima e
conveniente, para lhe fazer adquirir assim progressivamente,
conforme a ordem, em tempo oportuno, um lugar
na morada incorruptível do céu.
Essas almas, ao entrarem na vida presente, sujeitando-
se ao encargo de reger membros mortais, devem
também submeter-se ao esquecimento da vida precedente,
assim como aceitar os trabalhos desta vida. Aí
LOUVOR A DEUS 216
está a explicação daquela ignorância e dificuldades que
foram para o primeiro homem o castigo de sua queda
mortal: é para assim ser expiada a miséria da própria
alma. Mas para as outras almas, elas encontram, desse
modo, acesso à sua função de recuperar para o corpo a
incorruptibilidade.
Assim, tampouco, são denominados pecados a
ignorância e a fraqueza, a não ser no sentido de que
o corpo, provindo da geração de pecador, comunica às
almas que vêm a unir-se a elas aquela mesma ignorância
e dificuldade. Mas nem essas almas, nem o
Criador devem ser julgados responsáveis, como de uma
falta.
Pois Deus deu-lhes a capacidade de agir bem, nos
deveres penosos, e também ensinou-lhes o caminho da fé,
em meio à cegueira da ignorância. E acima de tudo, deulhes
esse reto julgamento pelo qual toda alma reconhece
que é preciso procurar tudo o que não lhe traz utilidade
alguma em ignorar. Deu-lhes ainda o poder de fazer
esforços perseverantes no cumprimento de seus deveres,
para vencerem a dificuldade de agir bem. Implorarem
assim a ajuda do Criador para a obtenção de auxílio divino
nos seus esforços.
Deus mesmo ordena que se façam esforços, seja
de modo exterior por intermédio da lei, seja por convites
pessoais, no íntimo do coração. E ao mesmo tempo,
prepara a glória daquela cidade bem-aventurada para
os vencedores (do demônio), que arrastou o primeiro
homem a tal miséria, tendo-o vencido por uma pérfida
persuasão. E é precisamente aceitando essas misérias
que os homens triunfam do demônio pela excelência de
sua fé. Não é um fato de pouca glória o de vencerem o
demônio, tomando sobre si aquele mesmo suplício pelo
qual o espírito das trevas glorificava-se de ter vencido os
homens.
217 PROBLEMAS DIVERSOS
Ora, quem quer que negligencie esse combate, seduzido
pelo amor desta vida, r~ão terá o direito de atribuir o
castigo de sua deserção a uma ordem do grande Rei.
Pelo contrário, ver-se-á submetido ao Senhor de todas
as coisas, relegado por ele ao lugar que lhe corresponde
nos domínios do mesmo demônio, sob cujas ordens
aprouve militar, tendo traído a sua bandeira.
58. Finalmente, se admitirmos a suposição de que as
almas, antes de sua união com o corpo, encontravam-se
em algum outro lugar e não foram enviadas pelo Senhor
nosso Deus, mas, ao contrário, vieram espontaneamente
unir-se aos corpos, a conseqüência é então fácil de ser
compreendida. Tudo o que elas experimentam de ignorância
e dificuldades, sendo conseqüência de sua própria
vontade, não há aí, de modo algum, nada que se possa
incriminar ao Criador.
Aliás, mesmo se o próprio Senhor Deus tivesse enviado
essas almas, uma vez que não as privou, até em meio
da ignorância e das dificuldades, da vontade livre, nem da
faculdade de pedir, de procurar e de esforçar-se, propondo-
se Ele a dar às que lhe pedissem, de mostrar-se às que
procurassem e de abrir-se às que batessem, Ele seria
totalmente isento de qualquer culpa.
Ele consentiria, assim, a essas almas zelosas e de boa
vontade, poderem obter triunfo sobre a ignorância, as dificuldades,
e dar-lhes-ia um meio de adquirir a coroa de glória.
Quanto às almas negligentes, que pretendem desculpar
seus pecados por meio de suas fraquezas, o Senhor
Deus não consideraria como crime essa mesma ignorância
ou dificuldade. Entretanto, por terem preferido permanecer
envoltas nelas, em vez de chegar à verdade e à
facilidade, procurando e esforçando-se com zelo, confessando
com humildade suas faltas e orando, Ele as haveria
de punir com justo castigo.40
LOUVOR A DEUS
Capítulo 21
O que é preciso crer e que tipos de erros
prejudicam a nossa felicidade
218
59. Há, pois, quatro opiniões sobre a origem da
alma:
ou todas elas provêm d~ uma só, transmitidas por
geração (20,55);
ou bem, a cada nascimento humano, uma nova
alma é criada (56);
ou então, as almas já existentes em qualquer
outro lugar são enviadas, por Deus, aos corpos
daqueles que nascem (57);
ou, enfim, elas descem por sua própria vontade
para os corpos dos que nascem (58).
Dessas quatro opiniões, nenhuma deveria ser adotada
afirmativamente, de modo temerário. Pois essa
questão ainda não foi desenvolvida e esclarecida pelos
intérpretes católicos dos Livros Sagrados, o quanto
exigiriam sua obscuridade e complexidade. Ou caso já o
tenham feito, tais obras ainda não nos chegaram às
mãos.
Contentemo-nos, por enquanto, de estarmos firmes
na fé, para não aceitar opinião falsa alguma, ou que seja
indigna da natureza do Criador. Pois em direção a Ele é
que tendemos pelo caminho da piedade. Pois se nossa
opinião a respeito de Deus não for conforme ao que Ele é,
nosso esforço nos levará, forçosamente, não para a bemaventurança,
mas em direção à vacuidade.
Quanto aos seres criados, caso adotemos uma opinião
que não corresponda à realidade, não há perigo algum,
contanto que não consideremos essas idéias como algo
certo e evidente.
219 PROBLEMAS DIVERSOS
Pois não é em direção aos seres criados que somos
ensinados a nos dirigir para nos tornar felizes, mas sim
em direção ao próprio Criador.
Logo, se em relação a Ele persuadem-nos de crer o que
não é certo e conforme à realidade, abusam de nossa confiança
com erro muito pernicioso. Porque, caminhando na direção
de meta que não existe ou que, se existe, não nos torna
felizes, ninguém pode chegar à vida bem-aventurada.
60. Mas para podermos chegar à contemplação da eterna
Verdade, e sermos capazes de gozar dela e a ela
aderirmos, foi-nos proporcionado um meio vindo das coisas
temporais e preparado de modo adaptado à nossa
fraqueza. Consiste, quanto às coisas futuras e passadas,
em crer apenas o suficiente para aqueles que, como nós,
caminham em direção às realidades da eternidade. Ora,
tal ensino de fé possui a mais alta autoridade, sendo
dirigido pela misericórdia de Deus.
Quanto às coisas presentes, relacionadas às criaturas,
nossos sentidos percebem-nas através da mobilidade
e mutabilidade do corpo e da alma, como objetos transitórios.
Nesse domínio, a respeito de tudo o que escapa à
nossa experiência, não podemos ter nenhuma espécie de
conhecimento direto.
Por conseguinte, é preciso crer, sem hesitação alguma,
em tudo o que nos afirmam sobre os seres criados, em
relação ao passado ou ao futuro, uma vez sendo garantido
pela autoridade do testemunho divino. Uma parte desses
relatos, na verdade, já se passou sem que tenhamos podido
nos dar conta. Outra parte ainda não foi posta ao alcance
de nossos sentidos. Contudo, possuem todos eles
uma grande eficácia para fortalecer nossa esperança e
excitar nosso amor, exortando-nos a atenção sobre o
quanto Deus cuida de nossa libertação, através da sucessão
perfeitamente ordenada dos tempos.
LOUVOR A DEUS 220
Mas seja qual for o erro, mesmo servindo-se este da
máscara da autoridade divina, será refutado sobretudo se
constatarmos:
seja a existência de qualquer natureza mutável,
além dos seres criados por Deus;
seja afirmar a existência de uma beleza mutável,
na própria natureza de Deus;
ou ainda, caso se pretenda que essa divina natureza
é algo a mais ou algo a menos do que a
Trindade.
Pois é em vista de compreender com piedade e discrição
a Trindade que se aplica toda a vigilância cristã, e a
esse fim é que tendem todos os seus progressos.
Entretanto, quanto a tratarmos da unidade e da
igualdade das Pessoas dessa Trindade, e do que nela é
próprio a cada uma das pessoas divinas, não é este o lugar
de fazê-lo. Com facilidade, poderíamos apresentar
outras considerações sobre o Senhor nosso Deus, autor,
formador e ordenador de todas as coisas e sobre certas
verdades que pertencem a nossa fé muito salutar. É com
elas que se nutre como de leite aquele que começa a se
elevar das coisas da terra para as do céu, encontrando um
útil-apoio para esse intento. Seria, na verdade, muito fácil
fazer essas considerações e muitos já o realizaram. Não
obstante, aprofundar tudo o que é relativo à Trindade,
por completo, e desenvolver de tal modo que toda inteligência
humana, o quanto é possível nesta vida, fique
conquistada pela evidência da argumentação, quer se
trate de realizá-lo com palavras ou simplesmente pelo
pensamento, sem dúvida é um empreendimento muito
difícil e pouco acessível, seja para qualquer homem, seja
certamente para mim.
Logo, conforme nosso propósito, ch~guemos a termo,
na medida em que para isso temos força e o quanto formos
ajudados por Deus.
221 PROBLEMAS DIVERSOS
Primeiramente, sem sombra de dúvida, creiamos
tudo o que nos é proposto em relação aos seres criados,
seja a respeito das coisas do passado, seja como predição
do futuro, para nos servir a melhor estimar a nossa
religião, em sua pureza, excitando-nos a um amor muito
sincero para com Deus e o próximo.
Por outro lado, é preciso nos precaver contra os
incrédulos, o suficiente para esmagarmos sua infidelidade
ao peso da autoridade divina. Ou então, para lhes
demonstrar o quanto possível, em primeiro lugar, que não
há insensatez alguma em crer tais afirmações. Em seguida,
que, pelo contrário, existe grande loucura em não crer
nelas.
Todavia, são as falsas doutrinas concernentes não
tanto ao passado e ao futuro, quanto às relativas ao
presente e sobretudo às realidades imutáveis que é preciso
refutar, e sobre as quais urge triunfar o quanto possível,
por demonstrações evidentes.
o problema de nossa origem é menos importante
do que o de nosso destino
61. Na verdade, na série das realidades temporais é
preciso preferir a expectativa das coisas futuras à verificação
das passadas. Pois mesmo nos Livros Sagrados o
relato das coisas passadas encerra em si uma
prefiguração, uma promessa, ou ainda, um testemunho
das que devem acontecer. Além do mais, até a respeito
dos acontecimentos desta vida, na prosperidade ou
adversidade, poucos se preocupam tanto com o estado em
que se encontravam anteriormente, fosse ele próspero
ou adverso, mas todo o ardor de suas preocupações concentra-
se de preferência sobre o que esperam do futuro.
Porque, devido a não sei que sentimento íntimo e
natural, as coisas que nos aconteceram, por serem passaLOUVOR
A DEUS 222
das, são consideradas apenas como um instante de felicidade
ou infortúnio, ou como se nunca tivessem acontecido.
Que inconveniente haveria, pois, para mim, o fato
de ignorar quando comecei a existir, se constato
que agora existo e não desespero de continuar a existir
no futuro? Porque não é em direção ao passado
que me dirijo, e não será para temer como um erro
pernicioso o fato de possuir uma opinião contrária ao
que as coisas foram na realidade. Mas é em direção ao
meu estado futuro que dirijo o meu caminhar, sob a
conduta da misericórdia de meu Criador. Portanto, se em
relação à minha situação futura e sobre Aquele junto a
quem hei de estar, o fato de ter crenças ou idéias não
conformes à verdade, isso sim, seria um erro a respeito do
qual devo acautelar-me, a todo custo. Pois é para temer
que não me prepare o suficiente, ou que não possa atingir
o fim mesmo de minhas aspirações, caso tome uma coisa
por outra.
Assim, por exemplo, como nenhum inconveniente
seguir-se-ia na compra de uma veste, caso não me lembrasse
mais do inverno passado, mas haveria um real
inconveniente, se não cresse na iminência do frio a vir. Do
m~smo modo, não haveria inconveniente algum para
mmha alma o fato de ter esquecido o que talvez tenha
suportado outrora. Isso se ela considera agora~ com cuidado
e mantém bem presente, o fim para o qual doravante
deve se preparar.
E ainda, por exemplo, não haveria prejuízo algum
para um navegante que se dirigisse a Roma, se viesse a
esquecer de que porto seu navio desatracou. Contanto
que não ignorasse para onde deva dirigir a proa de sua
embarcação, a partir de onde se encontra presentemente.
Por outro lado, não haveria vantagem alguma em se
lembrar de onde teve lugar sua partida, se tendo uma
223 PROBLEMAS DIVERSOS
falsa indicação sobre o porto de Roma viesse a se chocar
contra os recifes.
De igual maneira, se não me recordo mais do início de
minha vida, não se seguirá daí, para mim, inconveniente
algum. Contanto que saiba onde encontrar o repouso final.
De modo semelhante, não haveria utilidade nenhuma para
mim em me lembrar ou conjecturar de que maneira minha
vida se iniciou, se tendo a respeito de Deus - única meta dos
trabalhos da alma - convicções indignas dele, eu me arremetesse
contra os arrecifes do erro.
62. Ao falar assim, essas palavras não devem fazer crer
a ninguém que queiramos impedir aos pesquisadores
competentes de examinar, conforme as Escrituras divinamente
inspiradas, se a alma provém uma de outra, por
geração; ou se são elas criadas uma a uma, em cada corpo
que vivifica; ou ainda se elas são enviadas de algum lugar,
por'ordem divina, para animar e governar os corpos; ou,
enfim; se elas introduzem-se nele por própria vontade (cf.
III,21,59).
Isso caso a razão exija serem considerados e discuti,
dos tais problemas, em vista de resolver alguma questão
muito necessária.
Ou então, caso alguém encontre tempo, deixando
outras questões mais necessárias, e prefira abordar essas
pesquisas e exposições.
Na verdade, eu disse tudo o que precede sobretudo a
fim de que ninguém, nessa questão a respeito da origem
da alma, se irrite temerariamente contra outro, que
talvez por hesitação muito humana não opine exatamente
como ele próprio. E também para que, se alguém tiver
podido perceber nessa questão alguma evidência e certeza,
não creia que os demais tenham perdido a esperança
dos bens futuros, por não se recordar dos inícios de sua
existência.
LOUVOR A DEUS 224
Capítulo 22
Os pecados são atribuíveis
à própria vontade, não a Deus
63. Seja como for a respeito desse problema - quer o
deixemos definitivamente, quer o suspendamos por certo
tempo, para examinarmos melhor mais tarde -, nada
impede constatarmos claramente esta conclusão: as almas
estão sujeitas a um castigo merecido por seus próprios
pecados, sem que seja atingida em nada a integridade,
a justiça e a irredutível firmeza e imutabilidade do Criador,
em sua natureza e majestade. Porque os pecados,
comojá expusemos longamente, não devem ser atribuídos
senão à própria vontade. E não é para se buscar outra
causa além dessa.
Hipótese: e se o estado atual do homem fosse
conforme à sua natureza, sem que tenha
havido o pecado original?
64. Suponhamos que a ignorância e as dificuldades na
luta sejam naturais à alma, sendo a partir daí que ela
progrida e eleve-se ao conhecimento e ao repouso, até
conseguir a plena realização da vida bem-aventurada.41
Ora, para esse progresso, empregando os mais nobres
esforços e piedade, os meios não lhe são recusados.
Mas caso ela for negligente por sua própria vontade,
serájusto que seja relegada a uma ignorância mais ampla
e a dificuldades mais graves, onde encontrará então sua
punição. E conforme a ordem e a harmonia reinantes no
governo das coisas, ficará ela colocada num plano inferior.
Não é sua ignorância natural, nem sua incapacidade
natural que lhe seriam imputadas como pecado, mas o
225 PROBLEMAS DIVERSOS
fato de sua falta de aplicação em relação ao saber e seu
pouco esforço para adquirir a facilidade de proceder bem.
De modo análogo, por exemplo, não saber nem poder
falar, vemos ser algo natural às crianças pequeninas. E
essa ignorância e dificuldade de expressão não apenas
estão isentas de censura dos professores, mas até parecem
ser agradáveis e encantadoras para o coração humano.
Com efeito, não se pode dizer que a criança tenha
negligenciado de adquirir sua capacidade de falar, por
qualquer maldade, nem mesmo ter perdido o hábito, por
sua falta.
É porque, se nossa felicidade consistisse na eloqüência
e se fossem consideradas como crime as faltas cometidas
nas ações da vida, por certo não se poderia censurar
a ninguém de ter cometido pecado com seu defeito natural
de pronúncia. É fato próprio da vida infantil, pois partimos
dela para a aquisição da eloqüência. Contudo, seria
censurado com razão se alguém, por sua má vontade,
tivesse recaído no defeito da infância e tivesse querido
nele permanecer.
Agora, da mesma maneira: se a ignorância da verdade
e a dificuldade de tender para o bem fossem naturais
ao homem, como sendo o ponto de onde parte para alcançar
a felicidade e, portanto, elevar-se até à posse da
sabedoria e da paz, ninguém poderia, sem injustiça,
censurar à alma como sendo pecado esse começo natural.
Mas caso ela não queira progredir ou se o quiser , após
certo progresso, retroceder ao começo, padeceria o castigo,
com toda razão.
Conclusão: é preciso louvar a Deus em qualquer hipótese
65. O Criador da alma merece, pois, em tudo, louvores:
- seja por ter posto na alma desde a sua origem um
começo de aptidão para ascender até o sumo Bem;
8. o Livre-artJilrio
LOUVOR A DEUS 226
seja porque Ele a ajuda a progredir;
seja porque dá a esses progressos contínuos um
complemento e coroamento;
ou seja, enfim, porque, por uma muito justa e
merecida condenação, ele a faz entrar na ordem
conforme os seus deméritos, quando ela peca, isto
é, quando recusa desde os seus primeiros passos
se elevar para a perfeição, ou que retroceda após
alguns progressos. _
Pois é certo que a alma não foi criada má, pelo fato de
não ser ainda tão perfeita quanto a capacidade que recebeu
de vir a sê-lo, ao progredir. Visto que bem abaixo de
sua perfeição inicial encontram-se todas as perfeições dos
corpos. Entretanto, apesar da inferioridade, esses corpos
são em seu gênero dignos de louvor, conforme o bomjulgamento
de todo aquele que julga as coisas com sanidade.
Logo, se a alma ignora o que há de fazer, é porque isso
provém de uma perfeição ainda não obtida. Ela a obterá,
porém, se usar bem o que lhe foijá dado. Ora, o que lhe foi
dado é a capacidade de procurar com cuidado e piedade,
caso o queira.
Assim também, quando a alma, conhecendo o que
deve fazer, fica ainda incapaz de o realizar, isso provém de
uma perfeição ainda não adquirida.
Pois existe nela uma parte mais sublime, essa que
toma a dianteira para perceber o bem que lhe convém
fazer. Outra parte, porém, é mais preguiçosa e carnal e
não se deixa dirigir logo como deveria, por tal caminho.' E
essa resistência é para advertir a alma de implorar, a fim
de conseguir seu acabamento, o auxílio d'Aquele que- ela
sabe ser o autor de seus inícios. Assim, deve Ele se tornar
para ela mais amado, visto não ser por suas próprias
forças, mas graças à bondade divina que ela tem a sua
existência. Assim, também, deverá ela à sua misericórdia
o fato de ser elevada à beatitude.
227 PROBLEMAS DIVERSOS
Ora, quanto mais for amado Aquele que a fez, mais
lhe está assegurado o repouso, que ela possuirá nele, e
mais abundante será a alegria que ela há de gozar em sua
eternidade.
Pois, de modo semelhante, se só um primeiro rebento
brota de um pequeno arbusto, uma árvore não merece de
modo algum ser denominada estéril, ainda que tenha de
atravessar muitos verões sem fruto, à espera do tempo
oportuno para manifestar a sua fecundidade.
Desse modo, por que não havemos nós de dirigir
nossos louvores como um dever de piedade ao Criador da
alma, se Ele lhe deu não só um início, mas o tempo de se
preparar, pela aplicação e progresso moral, para chegar
ao fruto da sabedoria e da justiça? E ainda mais, por lhe
ter consentido essa grande dignidade de ter em seu poder
o tender, caso o queira, até à beatitude?
C: PROBLEMAS ACERCA DAS CRIANÇAS
Capítulo 23
A morte prematura das crianças
e o sofrimento que padecem
não são contrários à ordem universal
66. Alguns ignorantes costumam objetar a tais argumentos
uma objeção caluniosa, concernente à morte das
crianças e acerca dos sofrimentos corporais pelos quais
nós as vemos freqüentemente serem afligidas. Dizem
eles: Que necessidade tinha essa criança de nascer, pois,
se antes mesmo de ter realizado qualquer obra meritória,
deixa a vida? E em que categoria será preciso colocar, no
momento do julgamento final, aquele pequeno ser cujo
LOUVOR A DEUS 228
lugar não está nem entre os justos, pois não praticou
nenhuma boa ação, nem entre os maus, posto que não
cometeu pecado algum?
Respondemos a isso: considerando o conjunto do
universo e a ordem perfeita que une todas as criat~ras
através do espaço e tempo, chega-se à conclusão da impossibilidade
de homem algum ser criado inutilmente, visto
que nenhuma folha de árvore tenha sido criada sem
motivo.
Entretanto, é por certo supérfluo interrogar sobre os
méritos de alguém que nada mereceu. Porquanto não é
para temer que não possa haver uma espécie de vida
média entre a virtuosa e a pecaminosa.
E em referência a umjuiz, pode ser que ele tome uma
decisão média entre a recompensa e o castigo.
E as crianças que morrem sem batismo?
67. Nesse sentido, há ainda o costume, entre aquelas
mesmas pessoas, de indagarem para que pode servir às
criancinhas o sacramento do batismo de Cristo, quando
muitas delas, após tê-lo recebido, morrem antes de ser
capazes de nada entender.
Quanto a esse problema, conforme uma crença sólida,
piedosa e razoável, o que é de fato útil à mesma criança
batizada é a fé daqueles que a oferecem para ser consagrada
a Deus. Essa opinião é recomendada pela autoridade
muito salutar da Igreja.
Por aí, cada um pode aquilatar quanta utilidade
constitui para si a própria fé pessoal, já que a de uma
pessoa estranha pode ser comunicada com beneficio a
outros, que não a possuem ainda. Nesse sentido, qual o
proveito que o filho daquela viúva encontrou com sua
própria fé, visto que, uma vez estando morto, já não a
possuía mais? Entretanto, a fé de sua mãe lhe foi de tanta
229 PROBLEMAS DIVERSOS
utilidade que lhe obteve a ressurreição (Lc 7,11ss). Logo,
com quanta mais forte razão a fé de uma outra pessoa
pode aproveitar a uma criança à qual, certamente, não se
pode inculpar de falta de fé.42
As dores das criancinhas são compatíveis
com a bondade divina
68. Reflitamos, agora, sobre o caso dos sofrimentos corporais
com os quais as crianças pequenas são atormentadas,
as quais, devido à sua idade, estão isentas de qualquer
pecado.
N a suposição de as almas que vivificam as crianças
não terem já começado a existir antes, costumam alguns
erguer lamentações maiores, como se tivessem pena, e
dizem: "Que mal fizeram para sofrer assim?". Falam como
se pudesse haver algum mérito devido à inocência, antes
de alguém poder cometer algum maL
E no caso de Deus pretender obter alguma coisa de
bom para a correção dos adultos, quando os prova pelas
dores e morte das crianças, que lhe são queridas, por qual
razão não haveria de fazê-lo? Posto que, uma vez tendo
passado esses sofrimentos, tudo será como se não tivessem
existido, para aqueles a quem aconteceram?
E quanto àqueles em cuja intenção tais coisas terão
acontecido, ou eles se tornarão melhores, no caso de se
corrigirem por meio dessas aflições temporais, e assim
terem optado por viver com mais retidão, ou, no caso
contrário, não terão desculpa alguma diante da punição
no julgamento futuro, pois recusaram, apesar das angústias
da vida presente, a voltarem os seus desejos em
direção da vida eterna.
Aliás, quem é que pode saber o quanto a essas crianças
cujos tormentos visaram abalar a dureza do coração dos
mais velhos ou pôr em prova sua fé, ou ainda manifestar a
LOUVOR A DEUS 230
sua piedade, quem, pois, poderá saber qual será a feliz
compensação que Deus reserva a essas crianças, no segredo
de seus julgamentos? Porquanto, se elas não praticaram
ainda bem algum, foi também sem haver pecado em nada
que suportaram tais sofrimentos. Assim, lembremos aquelas
crianças postas à morte, quando Herodes procurava o
Senhor Jesus Cristo para o matar (Mt 2,6). Não é em vão que
a Igreja as apresenta à nossa veneração, reconhecendo-as no
número glorioso dos mártires.
Razões providenciais das dores dos animais
69. Além disso, aqueles homens caluniadores desprovidos
do zelo necessário para examinar tais problemas e na
verdade, perturbadores muito loquazes, tentam ainda
abalar a fé dos fléis menos instruídos, a propósito das
dores e cansaço dos animais. Dizem: "Que mal cometeram
os animais, para sofrerem tão grandes penas, ou que bem
esperam em troca, para serem provados, com padecimentos
tão excessivos?"
Mas se falam e sentem assim, é porque julgam as
coisas de modo muito iníquo. São eles incapazes de contemplar
a natureza e a grandeza do sumo Bem. Pretendem
que tudo seja semelhante ao que pensam. Eles não
podem conceber o sumo Bem acima daqueles corpos
colocados no plano supremo, que são os corpos celestes, e
por essa razão menos sujeitos à corrupção. Reclamam
assim de maneira totalmente contrária à lei da ordem
universal, de que os corpos dos animais sofram a morte e
qualquer corrupção, como se eles não fossem mortais.
Ora, na verdade, eles encontram-se na ínfima categoria
dos seres. Ou consideram-nos como se fossem maus, pelo
fato de valerem menos do que os corpos celestes?
Todavia, a dor sentida pelos animais põe em relevo
na alma desses mesmos animais um poder admirável e
231 PROBLEMAS DIVERSOS
digno de estima em seu gênero. Por aí, aparece suficientemente
o quanto a alma aspira à unidade, ao vivificar e
governar os respectivos corpos. Pois o que é a dor, a não ser
uma sensação de resistência à divisão e à corrupção?
Graças a isso, aparece mais claramente do que a luz,
o quanto a alma desses animais está ávida de unidade , no
conjunto do corpo, e o quanto deseja isso. Pois não é com
prazer, nem indiferença, mas antes com esforço e resistência
que ela reage contra o sofrimento de seu corpo, não
aceitando, a não ser com penas, de ver assim a sua
unidade e integridade serem abaladas.
Se não fosse a dor dos animais não se poderia ver
suficientemente, quão grande é a aspiração à unidade, até
na ordem inferior das criaturas denominadas animais.
E sem isso, nós não estaríamos bastante advertidos
o quanto todas as coisas são feitas pela soberana sublime
e inefável unidade do Criador.
Conclusão: toda criatura canta a
unidade suprema de Deus
70. Na verdade, tu o verás, se atenderes piedosa e diligentemente,
como toda a beleza e o movimento das
critauras, submetidos às reflexões do espírito humano,
estabelecem uma linguagem apta a nos instruir. E esses
diversos movimentos e disposições são como línguas variadas,
que clamam em todos os lugares e nos conjuram ao
conhecimento do Criador.
Não há coisa alguma entre as criaturas que não
possua o sentimento da dor ou do prazer, que não chegue
à perfeição própria de seu gênero ou não consiga, em
absoluto, a estabilidade devida à sua natureza, a não ser
em virtude de certa unidade.
De modo semelhante, nenhuma criatura existe, entre
as que sentem, quer os incômodos da dor, quer a
LOUVOR A DEUS 232
satisfação do prazer, que ao fugir da dor ou buscando o
prazer, não ateste por aí, suficientemente, que está a fugir
da desagregação e à procura da unidade.
Também entre as almas dotadas de razão há todo um
desejo de conhecimento, no qual a sua natureza se deleita e
que conduz à unidade tudo aquilo que percebem. Igualmente,
quanto ao desejo de evitar o erro, não fazem outra coisa
senão evitar a confusão inexplicável, gerada por equívocos.
Ora, de onde nos vem o mal-estar provocado por tudo
o que é equívoco, a não se porque lhe falta a exata
unidade? Uma coisa, pois, se segue daí: todos os seres,
quer eles causem dano ou sofram dano; quer causem
agrado ou recebam agrado, insinuam e proclamam a
unidade do Criador.
Mas caso a ignorância e as dificuldades pelas quais
esta vida deve necessariamente ter o seu começo não são
próprias da natureza das almas, resta que ou bem foram
impostas como uma obrigação ou bem infligidas como
uma punição.
Sobre esses assuntos, julgo que a presente argumentação
tenha sido suficiente.
D: QUESTÕES SOBRE O PRIMEIl3.o PECADO
DO HOMEM E O DO DEMONIO
Capítulo 24
Foi o homem criado em estado de sabedoria
ou de insensatez?
71. Mas vamos agora, de preferência, procurar saber em
que estado foi criado o primeiro homem, mais do que
indagar como se propagou a sua descendência.
233 PROBLEMAS DIVERSOS
Ora, alguns imaginam propor a dificuldade com habilidade
ao indagar: Se o primeiro homem foi criado sábio,
como se explica ter sido ele seduzido? E caso tenha sido
criado insensato, como não há de ser Deus o autor dos
defeitos dele, visto que a insensatez (stultitia) é o maior de
todos?43
Como se a criatura humana não fosse suscetível
entre os dois extremos: insensatez e sabedoria, de conhecer
um estado intermédio, o qual não possa ser denominado
nem uma coisa nem outra.
Pois o homem não começa a ser insensato ou sábio, de
maneira a ser chamado necessariamente por uma das
duas denominações, a não ser no momento em que esteja
em condições de possuir a sabedoria, caso não seja negligente,
e sua vontade não se torne responsável pela insensatez.
Assim, ele poderá possuir a .sabedoria, sendo sua
vontade a culpada pelo defeito da insensatez.
De fato, ninguém perde o juízo a ponto de chamar
insensato uma criança, ainda que haja absurdo maior
chamá-la de sábia. Por conseguinte, uma criança não
pode ser denominada nem insensata, nem sábia, embora
já possua a natureza humana. Por aí se vê que a natureza
do homem nasce em um estado intermédio, que não é nem
a estultice, nem a sabedoria. Assim também, se alguém
estivesse alienado por um estado de espírito em sua
constituição natural, semelhante ao das pessoas que
carecem de sabedoria, e não por negligência em adquirila,
ninguém teria razão de o chamar de insensato, visto
estar nesse estado por natureza, e não em conseqüência
de sua culpa.
A insensatez é, efetivamente, a ignorância - não
qualquer uma, mas a acarretada por vício - das coisas
que devem ser desejadas ou evitadas. Daí, não chamarmos
tampouco insensato o animal desprovido de razão,
por não ter recebido a capacidade de se tornar sábio.
LOUVOR A DEUS 234
Entretanto, muitas vezes, nossa maneira de falar é
freqüentemente analógica, e não tomada em sentido próprio.
Assim, por exemplo, a cegueira, que é o mal supremo
dos olhos, não é contudo um defeito para os cachorrinhos
recém-nascidos. Nem nesse caso pode ser chamada propriamente
de "cegueira".
o primeiro pecado não pode ser imputado a Deus,
mas sim ao orgulho do homem
72. Em conseqüência, o homem foi criado em um estado
tal que, sem ainda ser sábio, era capaz entretanto de
receber um preceito com o evidente dever de obedecer a
ele. Não é, pois, para se estranhar que pudesse ter sido
seduzido. Nem é injusto que tenha sido castigado, por não
haver obedecido a tal preceito. Por outro lado, resulta que
o seu Criador não é o autor dos defeitos, porque a ausência
de sabedoria ainda não era um defeito para o homem, uma
vez que ele não tinha ainda recebido a capacidade de a
possuir.
Não obstante, o homem tinha o meio, se o quisesse,
de se servir dela, convenientemente. Elevar-se assim
até aquela sabedoria que ainda não desfrutava. Pois
uma coisa é gozar da razão, outra coisa ser sábio. A razão
torna todo homem capaz de receber um preceito, ao
qual deve fidelidade na execução do que é prescrito. Ora,
assim como a natureza racional é capaz de perceber um
preceito, assim também a observância deste conduz à
sabedoria.
Dessa maneira, o que a natureza faz para a compreensão
do preceito, a vontade o faz para a observância do
mesmo. E de modo semelhante, assim como para a natureza
racional é como um mérito receber um preceito,
assim a observação deste pela vontade é como o fu~damento
para a recepção da sabedoria.
235 PROBLEMAS DIVERSOS
Todavia, no momento em que o homem começa a ser
capaz de compreender um preceito, começa por aí mesmo,
a poder pecar.
Ora, antes de chegar a ser sábio, é de duas maneiras
que ele peca: ou não se sujeitando a aceitar o preceito, ou
então não o observando após o ter aceito. Quanto ao sábio,
ele peca ao afastar-se da sabedoria.
Com efeito, assim como o preceito não procede daquele
que o recebe, mas daquele que o impõe, do mesmo modo
a sabedoria não procede daquele que é iluminado por ela,
mas daquele que ilumina.
Conseqüentemente, de que não deve ser louvado o
Criador do homem? Pois o homem é um bem superior ao
animal, em virtude de ser capaz de receber um preceito.
E ele torna-se ainda melhor, depois de o ter aceito. E muito
mais ainda, após ter obedecido a ele. Enfim, é ainda
muitíssimo melhor do que tudo isso, quando a luz da
sabedoria eterna o torna bem-aventurado.
Por outro lado, o pecado é um mal que consiste em
negligenciar: seja o aceitar um preceito, seja de observálo;
seja de perseverar na contemplação da sabedoria. De
onde se pode compreender como o primeiro homem, mesmo
tendo sido criado sábio, podia no entanto ser seduzido.
E como a esse pecado cometido livremente, seguiu-se
justamente o castigo, por disposicão divina.
Assim fala o apóstolo Paulo: "Jactando-se de possuir
a sabedoria, tornaram-se néscios" (Rm 1,22). Pois o orgulho,
com efeito, afasta sabedoria e a insensatez é uma
conseqüência dessa aversão.44
A insensatez é uma espécie de cegueira, como diz o
mesmo Apóstolo: "Seu coração insensato obscureceu-se
(Rm 1,21). Ora, de onde vem esse obscurecimento, a não
ser porque o homem se afasta da luz da sabedoria? E de
onde vem esse afastamento, a não ser de que o homem, do
qual Deus é o único bem, quer se tornar ele mesmo, o seu
LOUVOR A DEUS 236
próprio bem, como Deus o é para si? É porque está dito:
"No dia em que comerdes o fruto, os vossos olhos vão se
abrir e sereis como deuses" (Gn 3,5).
Como se dá a passagem da insensatez à sabedoria
73. O que perturba os que refletem sobre essas questões
é o seguinte: "Será por insensatez que o primeiro
homem afastou-se de Deus, ou será que foi ao se afastar
que ele se tornou insensato?". Pois se responderes:
"Foi por insensatez que ele se afastou da sabedoria, pareceria
que o homem tinha sido insensato já antes de se
afastar da sabedoria, visto essa insensatez ter sido a
causa de seu afastamento. Do mesmo modo, se responderes:
"Foi ao se retirar que ele se tornou insensato",
perguntar-se ia: "Caso ao se retirar, comportou-se ele com
insensatez ou com sabedoria?". Pois se foi com sabedoria,
agiu bem, não tendo cometido pecado algum. Se foi com
insensatez, ele já devia ter dentro de si essa insensatez,
pela qual se produziu o seu afastamento. Pois nada
poderia ele ter feito com insensatez sem ser, antes, um
estulto.
De onde fica claro que existe um certo meio termo por
onde se passa da insensatez para a sabedoria. E essa
passagem não pode ser chamada nem um ato de insensatez,
nem um ato de sabedoria.
Acontece que os homens enquanto vivem nesta vida
presente não chegam a compreender, a não ser por termos
opostos. Com efeito, nenhum mortal torna-se sábio senão
passando da insensatez à sabedoria. Ora, essa passagem
faz-se néscia ou sabiamente. Caso se realize com insensatez,
por certo, não é uma boa ação o que não pode ser dito
sem grande absurdo. E caso se efetue com sabedoria, esta
já se encontra no homem antes de sua passagem para a
sabedoria - o que não é menos absurdo.
237 PROBLEMAS DIVERSOS
De onde se vê que existe realmente um termo intermédio,
do qual não se pode dizer que seja nem uma coisa
nem outra.
E quando o primeiro homem passou do santuário da
sabedoria para a insensatez, essa passagem não pertencia
nem à sabedoria nem à insensatez. Acontece o mesmo
no caso da passagem do sono para o estado de vigília.
Estar prestes a pegar no sono não é precisamente a
mesma coisa do que estar acordado, mas sim uma certa
transição de um estado para outro.
Há, porém, uma diferença: esses últimos atos (do
dormir e acordar) acontecem o mais freqüentemente, de
modo involuntário. Ao contrário, aqueles primeiros atos
(concernentes à sabedoria e à insensatez) não se realizam
nunca, a não ser voluntariamente. É porque sanções
muito justas são a conseqüência.
Capítulo 25
Confronto entre o orgulho e a sabedoria
74. O que pôde mover a vontade de nossos primeiros pais?
Mas a vontade não flca solicitada a um determinado
ato, a não ser por meio de algum objeto, o qual vem a
perceber. E se cada pessoa tem o poder de escolher o que
aceita ou rejeita, ninguém possui o poder de escolher o que
vai aceitar ou rejeitar. Ninguém pode determinar qual o
objeto cuja vista o impressionará.45
Ora, é preciso reconhecer: a alma fica impressionada
pela vista de objetos, sejam superiores, sejam inferiores,
de tal modo que a vontade racional pode escolher entre
os dois lados o que prefere. E será conforme o mérito
dessa escolha que se seguirá para ela o infortúnio ou a
felicidade.
LOUVOR A DEUS 238
Assim, no paraíso terrestre, havia como objeto percebido:
vindo do lado superior, o preceito divino, e vindo do
lado inferior, a sugestão da serpente. Pois nem o que o
Senhor ia prescrever, nem o que a serpente ia sugerir foi
deixado ao poder do homem.
Contudo, ele estava certamente livre de resistir à
vista das seduções inferiores, pois o homem tendo sido
criado na sanidade da sabedoria achava-se isento de todos
os liames que dificultavam a sua escolha. Podemos compreender
isso pelo fato de os próprios insensatos chegarem
a vencer-se e se elevarem até à sabedoria, ainda que
lhes seja penoso renunciar às doçuras envenenadas de
seus hábitos funestos.46
o que moveu a vontade do demônio
para se voltar para o mal?
75. Aqui pode ser colocada uma questão: uma vez que o
primeiro homem encontrou-se na presença de dois objetos
percebidos, de ordem oposta: de um lado, o preceito vindo de
Deus e, de outro, a sugestão da serpente - pergunta-se de
onde teria vindo ao próprio demônio o desígnio de preferir a
impiedade que o precipitou do alto de seu trono? Na verdade,
se não tivesse sido impressionado pela vista de objeto algum,
ele não teria escolhido de fazer o que fez. Pois, se nada lhe
tivesse ocorrido ao espírito, não teria voltado de modo algum
sua intenção para o mal. Logo, de onde lhe veio ao espírito o
pensamento, fosse qual fosse o conteúdo dessa sugestão, de
formar esse projeto que o levou a passar do estado de anjo
bom que era ao de demônio?47
Pois, realmente, aquele que quer, por certo quer
alguma coisa. E ele não poderia querer esse intento se não
lhe fosse assinalado exteriormente pelos sentidos, ou se
não tivesse sido apresentado a seu espírito de alguma
maneira secreta.
239 PROBLEMAS DIVERSOS
É preciso distinguirmos duas espécies de objeto de
conhecimento: uma provindo de uma sugestão exterior
premeditada, como foi o caso da tentação do demônio, a
quem o homem cedeu, tornando-se pecador; outra provindo
das realidades que estão submetidas à atenção
de nosso espírito,48 ou à percepção de nossos sentidos
corporais.
O que poderia vir a cair sob o pensamento direto do
espírito, por certo, não seria a imutável Trindade, que
não somente escapa ao domínio de nosso entendimento,
mas ainda ultrapassa de muito a alma. Cai sob a ação
do espírito, precisamente, o próprio espírito pelo qual
temos consciência de viver. Em seguida o corpo, ao qual
o espírito governa. É porque em cada ação ele move
os membros que devem ser postos em movimento, quando
preciso. Enfim, também, os sentidos corporais, que
têm por objeto direto o conhecimento dos seres corpóreos.
o orgulho - principal fonte de toda má opção
76. Que a alma mutável possa se contemplar, comprazerse
de certa maneira em si mesma, na contemplação da
suprema sabedoria, a qual sendo imensa não é a própria
alma, isso vem de que ela, por não ser igual a Deus,
possui entretanto belezas que, depois de Deus, podem
encantá-la.
Sua beleza torna-se perfeita quando, perdendo-se de
vista no amor de Deus imutável, esquece-se totalmente
em sua presença.49
Mas se, ao contrário, indo por assim dizer a seu
próprio encontro, ela se compraz em si mesma, como por
uma espécie de arremedo perverso de Deus, até pretender
encontrar o seu gozo na própria independência, então se
faz tanto menor quanto mais deseja se engrandecer.
LOUVOR A DEUS 240
Esse é o sentido das palavras: "O orgulho é o começo
de todo pecado" (Eclo 10,13). E destas outras: "O início do
orgulho humano é afastar-se de Deus" (Eclo 10,12).50
Foi esse o pecado do demônio que acrescentou a
inveja, a mais odiosa, até persuadir ao homem esse
mesmo orgulho, em razão do qual ele tinha consciência de
ter sido condenado. Mas aconteceu que a punição infligida
ao homem foi destinada a corrigi-lo, mais do que a dar ao
mesmo homem a morte.
Visto que o demônio apresentou-se ao homem como
exemplo de orgulho, o Senhor apresentou-se a nós como
exemplo de humildade e com a promessa de vida eterna.
Em seu amor infinito, Deus quis que resgatados pelo
sangue de Cristo, derramado após trabalhos e sofrimentos
inexprimíveis, nós nos uníssemos a nosso Libertador,
com uma caridade ardente, para deixar-nos arrebatar até
ele, por luzes tão brilhantes, que a vista de realidade
inferior alguma possa nos afastar da contemplação do
Bem supremo.
Outrossim, se alguma sugestão procedente do apetite
de bens inferiores vier a solicitar nossa atenção, deveríamos
ser reconduzidos ao bem, pelo exemplo da condenação
e dos tormentos eternos do demônio.
Conclusão: a excelência da sabedoria
77. Tão grande é a beleza dajustica, tão grande o encanto
da luz eterna, isto é, da Verdade e da Sabedoria imutável,
que mesmo se não nos fosse permitido gozar delas, a não
ser pelo espaço de um único dia, em troca ter-se-ia plenamente
razão em menosprezar por elas inumeráveis anos
desta vida, embora repletos de delícias e transbordantes
de bens temporais. Pois o salmista não se enganou ao
dizer com tanto fervor: "Um só dia em teu santuário vale
mais do que mil anos longe de ti" (SI 83,11).51
241 PROBLEMAS DIVERSOS
Ainda que se possam interpretar essas palavras em
outro sentido, compreendendo por mil dias a mutabilidade
dos tempos e designando por um só dia a imutabilidade da
eternidade.
Curta conclusão geral
Ignoro se, ao responder às tuas questões (ó Evódio),
o quanto o Senhor dignou-se me conceder não haver eu
omitido alguns pontos, dos quais constatarás a ausência.
Contudo, mesmo se os encontrares, a extensão deste livro
obriga-nos a finalizá-lo, suspendendo as presentes argumentações.
NOTAS COMPLEMENTARES
LIVRO I
1. (1,1) - Deus e o mal
Deus e o mal: tal é o grave problema proposto desde a pergunta
inicial de Evódio, o interlocutor de Agostinho. O exórdio aparece exabrupto:
"Dic mihi, quaeso te, utrum Deus non sit auctor mali?"
A resposta de Agostinho neste livro I será clara e incisiva: "Deus
não é o autor do mal, porque é o autor de todo bem. Sendo Deus bom,
é evid!=lnte que não pode fazer mal algum".
A segunda pergunta de Evódio sobre a origem do mal, após sérias
reflexões, a conclusão será igualmente firme: a concupiscência, levando
ao abuso do livre-arbítrio, é que dá origem ao mal.
2. (1,1) - A responsabilidade do ato livre
Afirma aqui Agostinho: "As más ações não seriam punidas em
plena justiça, se não tivessem sido praticadas de modo voluntário".
O autor visa aos maniqueus, quando declara assim a existência
do ato livre. Havia ele, há pouco tempo, se desligado da heresia
maniquéia, que ensinava não ser o homem livre em suas ações. Diziam
que a responsabilidade humana é ilusão, pois todo coração humano é
habitado por uma mistura de elementos luminosos e tenebrosos. Em
conseqüência, todo mal que fazemos, não somos nós que o praticamos,
mas o princípio do mal, cativo em nós. A consciência desse modo ficava
liberta de todo complexo de culpa. (Cf. "Confissões", livro V, 10,18.)
Desde as suas primeiras obras, Agostinho afirma que a vontade
do homem é a fonte do pecado, e não existe, assim, fonte alguma secreta
do mal que o exoneraria de qualquer r,esponsabilidade.
Nos Solilóquios (1,1,4), lemos: "O Deus, cujas leis garantem à
alma o seu livre-arbítrio, a recompensa aO'S bons e o castigo aos maus".
3. (1,3) - Pode o mal ter sido ensinado?
Observamos, nesta passagem, o otimismo agostiniano, tanto no
plano metafísico como no moral. Posiciona-se aqui Agostinho no plano
ideal: Deus, o sumo Ser, é bom, e só pode criar coisas boas. A
inteligência é um bem - o maior que o homem possui na ordem
. natural. E tudo o que visar ao desenvolvimento da inteligência: o
NOTAS COMPLEMENTARES 244
ensino, a instrução, a reflexão, só pode ser um bem. Observemos a
declaração de Agostinho: "Todo mestre, por levar o discípulo a entender,
só pode ser bom. Caso contrário, não poderá ser denominado
mestre". E no final do capo 7,17, ele insistirá ainda: "Como o conhecimento
adquirido pela inteligência e a razão poderão ser um mal?"
4. (2,4) - Comovente confissão pessoal
À pergunta de Evódio sobre a origem do mal, Agostinho responde,
com comoventes palavras de reflexão sobre o próprio passado.
Expõe o seu problema pessoal, com clareza e precisão. No fundo, essa
é a razão de ser da presente obra. Releiam-se em As Confissões as
passagens do l. III,6,10 a 10,18, a esse respeito.
A solução do problema do mal constituía para os maniqueus o
ponto central de seus ensinamentos. A proposta dualista dada por eles:
os dois Princípios eternos, em oposição: o do bem e o do mal, era cômoda,
mas metafisicamente insustentável.
5. (2,4) - "Se não crerdes, não entendereis"
Encontramos aqui a afirmação: "Nisi credideritis, non intelligetis",
invocada freqüentemente por Agostinho, por toda a sua vida. Já a
havíamos encontrado no diálogo De Magistro, 11,37.
Na presente obra, além do que vem posto de passagem neste
item, encontraremos um mais amplo desenvolvimento da temática no
próximo l. 11,2,6, cf. ainda a nota 5.
É preciso observar que o texto bíblico ao qual Agostinho sempre
relaciona a sua doutrina sobre o entendimento da verdade e da fé é o
célebre versículo de Isaías 7,9, acima expresso. Sabe-se que esse texto
assim formulado é incorreto e acha-se somente na versão grega
Setenta. A Vulgata, mais conforme, neste caso, ao original hebraico
traz: "Si non credideritis, non permanebis" (Se não crerdes não
subsistireis). Agostinho conhecia as duas versões e aceitava-as a
ambas. Ou antes, interpretava a segunda versão pela primeira, resumindo
uma e outra na unidade superior de sentido místico. Cf. em A
Doutrina Cristã, II,12,17, e a nota correspondente à p. 319.
O axioma citado é sem dúvida uma expressão fundamental na
doutrina agostiniana. E ainda que se fundamente, sem veracidade,
sobre Isaías, não deixa de ter, por outro lado, sólido apoio nas
Escrituras.
Lembremos a famosa frase agostiniana: "Intellige ut credas,
crede ut intelligas", aceita por toda a escolástica.
6. (2,5) - Profissão básica de fé
O ponto de partida de Agostinho é propositadamente a verdade
da fé, da qual faz aqui solene profissão. Vemo-lo admoestar Evódio a
crer no que crê: "Crede quod credis". A finalidade visada, porém, não
é defender a fé contra alguma heresia ou esclarecê-la pela Palavra
245 LIVRO I
revelada. É, sim, chegar a compreendê-la, propor uma explicação que
satisfaça a razão. AfIrma Agostinho aqui com muita convicção: "Ter
uma alta idéia de Deus é o mais verdadeiro início da piedade".
Em outras ocasiões nesta obra, nós o veremos recorrer à expressão
de sua fé, de maneira muito incisiva. Cf. em particular no l. lI: 2,5;
14,37; 15,39; e no l. 111: 9,28; 10,31 e quase toda a 111 parte, visto ser
essa de ordem teológica.
7. (3,6) -O mal moral - as más ações
Para serem mais bem compreendidas as reflexões de Agostinho
a respeito do problema do mal, é necessário lembrarmos a distinção
entre o "mal físico" e o "mal moral". O primeiro pertence à ordem
corporal e se traduz pelo sofrimento. O segundo é essencialmente a
violação voluntária e livre de ordem desejada por Deus - é o que
chamamos de falta ou pecado. Um e outro mal são, não apenas simples
ausência de um bem superior à natureza, mas privação de um bem que
é próprio dessa mesma natureza.
Neste l. 1,3,6, lemos no original: "Unde malafaciamus?" (De onde
vem que pratiquemos o mal?). As "malefacta" apresentadas, sem
hesitação por Evódio, são: os adultérios, os homicídios e os sacrilégios.
Naquela época, eram esses os três pecados considerados como especialmente
graves pela Igreja.
S. (3,6) - Não apenas crer, mas procurar entender as razões de fé
Agostinho sempre considerou fundamental distinguir: "fé e ciência",
e o correspondente: "autoridade e razão". A "fides" (fé) é a certeza
introduzida por via da autoridade, e a "scientia" (o entendimento)
provém do ato de intelecção. Julga ele ser progresso espiritual poder se
passar de um plano para outro.
. Mais adiante, no capo 4,9, ele repetirá a Evódio: "Não deves
esquecer o que nos propusemos: compreender aquilo em que cremos".
Tal necessidade deve se estender tanto no campo profano como no da
fé. E se, nesse último, a autoridade é a regra da fé, nunca será esta
empecilho para o fiel refletir sobre o conteúdo de suas crenças.
Releia-se no 1,2,4, nota 5, as observações aí colocadas a respeito
do aforismo: "Nisi credideritis, non intelligetis". E maiores desenvolvimentos
no l. 11,2,6.
9. (3,7) - Síntese das idéias desta I parte (3,6-6,15)
Vejamos, em síntese, as idéias a serem apresentadas nesta I
parte do diálogo. Tema geral: A natureza do pecado.
C.3,6-8 - O mal está no fato de a paixão dominar a razão.
4,9.10 - 12 problema: Há atos maus cometidos sem paixão condenável.
5,11-13 - 22 problema: Há paixões que não parecem ser pecado,
visto que toleradas pelas leis civis.
NOTAS COMPLEMENTARES 246
6,14.15 - Reflexões sobre as leis temporais e a lei eterna.
Notemos como, desde o Preâmbulo, grandes questões estão sendo
propostas: - É Deus o autor do mal? - Q)lal a origem do mal? - Em
que consiste o mal moral ou pecado? - E ou não o homem li~re? -
Conseqüentemente, é ele responsável, por seus desmandos? - E lícito
defender-se de agressor injusto? - E condenável a lei temporal? -
Que vem a ser a lei temporal? - Como pode a existência do mal
conciliar-se com a bondade de Deus?
10. (4,9) - Significado dos termos: libido, concupiscência, paixão
Lemos no original latino: "Scisne, etiam istam libidinem alii
nomine cupiditatem vocari?" Por nós aqui traduzido: "Sabes que essa
paixão é também denominada concupiscência?" Esse último vocábulo
possui o sentido de mau desejo.
Esclarecemos que o termo latino: "libido, inis", no sentido primitivo
e genérico significava: impulsividade sensitiva desregrada, ou
qualquer paixão. Mais tarde, passou a se referir mais explicitamente
ao desejo sexual, como acontece até hoje em nosso idioma.
O termo "cupiditas, atis", aqui é traduzido por concupiscência,
porque cupidez ou cobiça (palavras etimologicamente derivadas de
"cupiditas") também não correspondem propriamente ao sentido dado
nesta passagem por Agostinho. O vocábulo "concupiscência" corresponde
melhor ao significado de grande desejo de bens ou gozos materiais,
isto é, as paixões descomedidas a que Agostinho quer se referir.
A posição do bispo de Hipona de considerar a concupiscência ou
paixão como origem do mal moral exercerá profunda influência na
teologia moral medieval.
11. (5,11) - "Uma lei que não seja justa não é lei"
Para cumprir sua função social, a autoridade goza do poder de
emitir leis. Mas todo o valor obrigatório dessas leis positivas humanas
só pode decorrer de justiça inerente.
Num discurso no "Augustinianum", por ocasião do 162 Centenário
da Conversão de Agostinho, João Paulo 11 refere-se a esta passagem
do Livre-arbítrio, dizendo: "Ajustiça está na base de toda verdadeira
lei. São de Agostinho estas fortes palavras: 'Nam mihi lex esse non
videtur, quae iusta non fuerit' (A mim não parece ser lei, a que não for
lei justa)."
Com a justiça, vê-se surgir a paz: paz eterna que o Estado deve
promover e defender.
12. (5,13) - Só a sabedoria liberta
Aftrma aqui Evódio, de maneira muito oportuna, recebendo forte
elogio de Agostinho, que unicamente a sabedoria liberta o homem das
paixões, condenáveis pela lei divina. Paixões essas que freqüentemente
as leis civis ignoram.
247 LIVRO I
Sabedoria está aí tomada no sentido de domínio da ciência
humana, conhecimento e vivência das leis supremas da moralidade.
13. (5,13) -A política social-agostiniana
"Pelo fato de a lei civil não fazer tudo, nem por isso o que ela faz deve
ser condenado". Essa afirmação é de grande alcance. Agostinho não chegou
a compor um tratado completo acerca de suas concepções sociais e
políticas. Mas sendo ele ftel cultor da lógica, concluímos que sua doutrina,
exposta ainda que em fragmentos em ocasiões e tempos diversos,
possa ser condensada em um todo homogêneo, solidamente constituído.
Na verdade, na obra agostiniana, podemos encontrar doutrina
ftrme sobre: a autoridade; o fundamento da sociedade; a lei que a dirige
e a justiça que dela decorre; sobre a pátria, fundamento dos Estados;
a guerra, destinada a defendê-la, e até sobre o relacionamento entre
Igreja e Estado.
14. (6,14) -A permanente piedade de Agostinho
Este diálogo, de nítido cunho filosófico, revela, entretanto, o
profundo espírito contemplativo de Agostinho. Sua piedade assoma a
cada passo. Em especial, a humilde confiança na Providência divina
como constatamos na presente passagem.
É claro que ele não se dirige a Deus, em seus escritos filosóficos
e teológicos, utilizando aquele estilo tão direto, como o faz nas Confissões.
Mas as invocações amorosas testemunham a mesma profunda
piedade e sentimento de filial dependência para com o Senhor.
Citemos algumas passagens já encontradas neste l. I:
No capo 2,4:" ... Nisi opem divinam impetravisset" (Se não tivesse
conseguido o auxílio divino).
"Aderit enim Deus ... " (Sejano-nos, pois, Deus propício).
No capo 2,5: "opitulante Deo" (contando com a ajuda de Deus).
No capo 7,16: "De adiuvante" (Com a ajuda de Deus).
Cf. sobretudo o último capo deste l. I: "Cum Deo duce" (Sob a
conduta de Deus). " ... pietas tantum adsit" (que a piedade seja a nossa
única companheira) (16,35b).
15. (6,14) - O emprego do termo "arbitrium"
"Não seriajusto um homem de bem entregar a decisão (arbitrium)
a um pequeno número de pessoas?" Deparamos aí o emprego do termo
"arbitrium" pela primeira vez neste diálogo. O vocábulo foi por nós
traduzido por: decisão. Na verdade, essa palavra, desligada do adjetivo
"liberum" (livre), apresenta melhor o sentido originário de decisão
autoritária, consciente.
No correr da obra, encontraremos a locução "liberum arbitrium"
umas quinze vezes, além de figurar no título. O vocábulo vai adquirindo
o sentido de determinação da vontade, o ato de liberdade psicológica.
Sentido esse que não era usual na época.
NOTAS COMPLEMENTARES 248
16. (6,14) -A moral social-agostiniana
Na delicada questão da autoridade do chefe da nação e da
obediência devida às leis civis, Agostinho é admirado, com razão, por
sua sabedoria e moderação. Proclama ele para as sociedades a grande
lei da justiça. É famosa a sua sentença em A Cidade de Deus (IV,4):
"Desterrada ajustiça, o que é todo reino, senão uma grande pirataria?"
Aflrma ainda, entre outras verdades, que o príncipe deve g(!vernar
para o bem público. Nenhuma lei obriga, se não decorrer da lei
eterna. O bem social é a lei suprema. Tanto Agostinho insiste nesse
ponto, que o vemos, na presente passagem, declarar que, caso o bem
público o exigir, é permitido trocar o governo estabelecido e derrubar
uma democracia injusta e violenta, a flm de implantar um poder de
poucos ou até uma monarquia. (Cf. Portalié, Dict. de Théol. Cathol.,
col. 2440.)
17. (6,15) - Lei temporal e lei eterna
As noções de lei temporal e lei eterna são aprofundadas de modo
ocasional, neste livro I de O livre-arbítrio. Constituem um dos elementos
essenciais da doutrina moral e social de Agostinho.
É possível constatar que nosso autor inspira-se mais de uma vez
em Cícero, cujas fórmulas no De Legibus voltam espontaneamente em
sua pena. Vejamos no início deste capítulo: "Illa lex quae summa ratio
nominatur", comparando-a com a fórmula ciceroníana: "Lex est ratio
summa" (1,6).
Mas Agostinho não se contenta em recopiar Cícero. Ele o repensa.
Quanto ao relacionamento entre a lei eterna e a temporal, esta tira
toda sua força da participação daquela. Mas, por precisar se adaptar
às realidades mutáveis, ela pode mudar em termos. Pois a lei temporal
não procura senão um bem relativo e permite, por vezes, o que a lei
eterna condena.
Definitivamente, a ordem que Deus quer que reine na natureza
humana está fundamentada na lei eterna e exige a subordinação das
paixões à razão.
18. (6,15) - Sentido amplo de "beata vita"
"Devido à lei eterna, os bons merecem vida feliz, e os maus, vida
infeliz" (" ... per quam mali miseram, boni beatam vitam merentur).
Convém lembrar que o sentido de "beata vita" é muito mais
amplo do que o nosso habitual "vida feliz". Há uma densidade de
conteúdo maior do que o emprego vago e trivial dessa expressão. Na
fIlosofla antiga, a aspiração máxima e o objetivo último era o encontro
do segredo de uma vida que viesse realizar a plenitude estável e serena
da felicidade, com a superação de todo erro, vicissitude e sofrimento.
Leia-se a esse respeito todo o diálogo A vida feliz, em que
Agostinho afirma a verdadeira vida feliz consistir na posse da sabedoria
de Deus.
249 LIVRO I
A "beata vita" contrapunha-se à "mísera vita", em tudo inversa
à primeira. (Cf. A. S. Pinheiro, O livre-arbítrio, p. 39, n. 14.)
19. (6,15) -A suprema ordem do universo
O problema do mal atormentava em demasia Agostinho, porque
entrava em conflito com suas altas concepções da ordem suprema do
mundo e da divina Providência. A ordem a que ele se refere, por certo,
não é a simples disposição local, nem mesmo cósmica, mas o princípio
metafisico, extensivo a todos os seres.
Lemos aqui: " ... em virtude da lei eterna é justo que todas as
coisas estejam perfeitamente conformes a uma ordem perfeitíssima".
Emprega ele o termo: "ordinadissima". Vocáb~lo esse ret?mado por
Evódio no final do presente capítulo. Nos capItulos segumtes, esse
termo voltará ainda várias vezes. Traduzimo-lo aí por: ordem
perfeitíssima. Com efeito, a ordem admirável e ideal do universo só
pode realizar-se pela atuação da Providência. A~uação :ssa qu~ se
estende igualmente ao plano do progresso moral, VIsto que nada ha no
universo que a Providência não governe" (1,5,13). .
A temática da ordem do universo já fora tratada por Agostlnho
em seu diálogo fIlosófico De ordine, realizado em Cassicíaco, em 386.
Mas não pudera aí dar o desenvolvimento desejado, devido à imaturidade
de seus discípulos de então.
20. (7,16) -A linha do pensamento seguido
Para preparar Evódio a compreender o lugar primordial da razão
no homem, Agostinho vai demonstrar, em longo argumento, como esta
faculdade de raciocínio falta nos animais. Almeja ele atingir o tema
capital: só a má escolha do livre-arbítrio no homem pode ser a causa d~
pecado. Unicamente essa má decisão pode afastar o homem da leI
eterna, a qual o coloca numa ordem superior perfeitíssima capaz de
eliminar o pecado.
Notemos como Agostinho, nesta passagem, insiste na necessidade
de se entender aquilo em que se crê com facilidade.
21. (7,16) -Sentido dos termos: alma, espírito, mente, razão e inteligência
Santo Agostinho distingue, além do princípio vital que nos é
comum com as plantas, o qual chamamos simplesmente "vida", duas
espécies de alma: anima e animus. A primeira é a alma em geral, que
se encontra também nos animais. A segunda é a alma que pensa e
raciocina, própria ao homem. Enfim, nessa al~a huma~a (animus)
está a parte superior, que é a sede da sabedona, tambem chamada
espírito (spiritus) ou mente (mens). (Cf. A Trindade, XI,7,11.)
Ao se pôr no ponto de vista das funções ou faculdades da ~ma na
ordem do conhecimento,Agostinho refere-se à razão superior (ratw ) chamada
propriamente inteligência (intellectus ou intelligentia~. P?r ela, a
alma é capaz de intuir e contemplar as razões eternas e o propno Deus.
NOTAS COMPLEMENTARES 250
É preciso lembrar que, no vocabulário agostiniano, o termo
spiritus não possui sentido muito fIxo. Pode, porém, ser traduzido
comumente por mente. (Cf. Thonnard, B. A. 16, nota 12, pp. 493-495.)
22. (9,19) - Síntese das idéias expostas nesta II parte
Neste livro I, Agostinho vem demonstrando que para descobrir a
origem do pecado é necessário chegar a conhecer a sua natureza
interior. Assim, cometer o mal não é nada mais do que submeter a
própria vontade às paixões, ou seja, preferir aos bens propostos pela lei
eterna uma satisfação pessoal, inferior. Ora, isso só é possível por uma
livre e má escolha da vontade pessoElI, visto que a ordem querida por
Deus não poderia ser destruída pelo próprio Deus. Tampouco, poderia
ser destruída pela própria paixão, que nos é inferior, nem por outros
homens que não nos sejam superiores (10,20).
Eis as idéias propostas, em referência aos capítulos desta segunda
parte:
a) Do capo 7,16 a 8, 18 -Agostinho prova que o homem é superior
aos animais por possuir a razão.
b) No capo 9,19 - mostra que a razão deve governar também a
própria alma. E é isso que toma o homem sábio, não estulto.
c) No capo 10,20.21 a-b - demonstra que nada existe que possa
submeter a razão às paixões.
d) No curto capo 11, 21c - conclui que o pecado só pode vir do
livre-arbítrio de cada um.
e) No capo 11,22 - será exposto como o pecado traz consigo a
própria punição.
23. (11,21c) - O livre-arbítrio - o grande responsável pelo pecado
Eis uma afIrmação fundamental da presente obra: "Nenhuma
outra realidade torna a mente escrava das paixões, senão a própria
vontade e o seu livre-arbítrio".
Logo, a concupiscência, isto é, o mau desejo, é ocasião de pecado,
mas não a causa do pecado, que se enraíza no livre-arbítrio.
Agostinho demonstrou, no capo 10, que nada existe que possa
forçar fatalmente o homem e seu livre-arbítrio a obedecer às paixões:
estas podem tentá-lo, seduzi-lo, fazer-lhe violência, mas não o violentar,
irresistivelmente, para que sejam seguidas.
Em outras palavrl!s, a liberdade é uma propriedade da vontade
esclarecida pela razão. E um arbítrio, isto é, uma decisão soberana, o
poder de agir como queremos, a capacidade de produzirmos, como
senhores, os nossos próprios atos.
24. (11,22) - Conseqüências da culpa
Em que consiste o pecado? Já foi dito: em submeter-se a razão
humana à paixão; em desobedecer às leis divinas; em afastar-se do
Bem supremo. Eis, agora, algumas das conseqüências dessa má
251 LIVRO I
escolha: o homem fIca cheio de temores, de desejos, de angústias.
Atormenta-se quando perde algo que para ele era fonte de alegria,
afadiga-se para conseguir o que não possui, encoleriza-se quando
ofendido e incita-se a buscar vingança. E fIca ainda atormentado pela
ambição, pela inveja, por sua infInidade de paixões. Tudo isso por ter
abandonado a sabedoria, e assim não ter respeitado a ordem da lei
eterna impressa por Deus em sua alma.
A causa do mal moral nesta mundo vem, pois, do pecado e de suas
conseqüências.
25. (11b,23) - Problemas conexos
Nesta passagem, Evódio propõe diversos problemas, deixandoos,
entretanto, Agostinho, sem solução.
1 º) A questão a respeito dajustiça do castigo aplicado. Em geral,
para que o castigo de alguém entregue às paixões sejajusto
é preciso admitir que esse alguém tenha sido criado na posse
da sabedoria. E essa é a base do ensino da fé católica. Conforme
esta, Adão foi criado na justiça original. Evódio, porém,
reclama aqui uma demonstração racional, se possível.
22) Sem esperar uma resposta, eis que Evódio vai passar a um
caso pessoal seu (12,24). Possui ela a consciência de nunca
ter alcançado a sabedoria e, contudo, sofre os mesmos tormentos
mencionados por Agostinho, como punição daqueles
que a abandonaram (10,22).
Surge, então, um novo problema: Como explicar as desordens da
concupiscência?
26. (12,24) -A hipótese da preexistência da alma
Em resposta à dúvida levantada por Evódio, Agostinho lembra a
hipótese platônica de preexistência da alma, a qual tenha vivido na
posse da sabedoria. Seria, pois, justo, que agora padecesse por sua
eventual derrocada.
É sabido que Plotino apelava a uma teoria semelhante para explicar
os infortúnios dos justos. Agostinho, porém, é muito mais reservado
sobre o valor dessa hipótese. Acaba por abandoná-la defInitivamente.
Mais adiante essa questão será retomada, no 1. III, 20,55 a 22,63.
No momento, Agostinho responde à difIculdade de Evódio, muito
habilmente. E é o problema maia geral da origem do pecado que é
esclarecido. Apresenta, resolutamente, a teoria da boa vontade. Essa
teoria será o ponto central de toda a terceira parte.
27. (12,25) - O papel da boa vontade
Para Agostinho, a boa vontade é a que nos faz viver com retidão
e honestidade, estimulando-nos a alcançar,o cume da sabedoria. Tal
sabedoria é o reino da lei eterna em nós. E por ela que nossa razão
domina, plenamente, todas as tendências inferiores.
NOTAS COMPLEMENTARES 252
Nossa inteligência, ao demonstrar a existência de Deus (o que
será feito no próximo 1. 11), é capaz de ultrapassar-se, graças à iluminação
divina. A vontade humana é boa, porque pode vir a participar
da sabedoria de Deus.
28. (12,26) - Os pelagianos e o livre-arbítrio
Na ocasião em que Agostinho escrevia a presente obra, a heresia
pelagiana ainda não havia nascido, pois Pelágio e seu discípulo
Celéstio só começaram a difundir os seus erros em 409, na Sicília, e em
410, na África.
A doutrina que defendiam tinha, certamente, bastante relação
com a que está sendo tratada por Agostinho neste diálogo. Assim, não
deixaram de buscar aí um apoio para as suas teses. Eis o princípio
fundamental da heresia pelagiana: afirmar a onipotência moral da
vontade livre. O homem sempre pode sozinho e por si mesmo querer e
realizar o bem. O querer e o fazer dependem unicamente da própria
vontade. Daí deduziam outros erros: negação do pecado original,
inutilidade da graça interior atuando sobre a vontade, falsa idéia da
redenção etc.
Ora, vemos nesta obra Agostinho defender mais de uma vez os
privilégios do livre-arbítrio da vontade, em termos bastante parecidos
com os dos pelagianos. A presente passagem é uma delas.
29. (13,27) -As virtudes cardeais
A boa vontade envolve a vivência das virtudes. É a virtude o
hábito do bem, isto é, a disposição estável para agir bem, o que toca a
vontade do agente moral.
As virtudes podem ser classificadas de diferentes pontos de vista.
Um dos princípios de classificação - já adotado por Platão - é o de
tirar o critério da importância das virtudes. Daí o nome de "cardeais"
dado a estas, consideradas como as principais de todas, e fonte das
outras. São elas: a prudência, a força, a temperança e a justiça.
Essas quatro virtudes formam a síntese de todas as virtudes
morais. Agostinho utiliza freqüentemente essa classificação tradicional.
Admitia ele a existência de virtudes puramente naturais entre os
pagãos. Mas afirmava que para a alma ser conduzida até o seu fim
último são necessárias as virtudes teologais.
Em "De musica"(VI, 15,49),Agostinho demonstra de modo muíto
belo como o papel da alma é o de estabelecer a ordem no corpo, por meio
das quatro virtudes cardeais.
30. (13,28) - Agostinho justifica-se perante os pelagianos
Esta passagem parecia particularmente capaz de favorecer o
pelagianismo. Agostinho cita-a em seu "Retractationes", no 1. 1,9,1-6,
em que faz a revisão de "O livre-arbítrio". Justifica-se aí, nestes
termos: "A fmalidade desse diálogo não obrigava a tratar da graça e de
253 LIVRO I
sua necessidade. Foi ele entabulado por causa dos (maniqueus), que
recusavam ver a origem do mal no livre-arbítrio da vontade, e que
pretendiam assim pôr a culpa em Deus, que é o criador de todas as
substâncias. Queriam eles, conforme o erro de sua impiedade, introduzir
uma natureza má, imutável e coeterna a Deus. Quanto à graça de
Deus, que predestina seus eleitos de forma a preparar a vontade
mesma daqueles quejá se servem do livre-arbítrio, não há nesses livros
discussões a esse respeito, devido à particularidade da questão que nós
não nos tínhamos proposto a tratar. Mas quando a ocasião se apresentou
de mencionarmos a graça, ela foi lembrada de passagem, se bem
que não defendida com argumentos laboriosos, como se tratássemos
dela, em especial. Com efeito, uma coisa é procurar a origem do mal e
outra coisa procurar o meio de volta a seu estado primitivo, ou mesmo
chegar a um estado melhor".
Nada de se admirar, pois, se Agostinho não fala senão de leve
sobre a graça e insiste tanto sobre o poder do livre-arbítrio. O papel
deste é incontestável e Agostinho se manterá fiel a seu ponto de vista,
por toda a vida.
31. (13,29) - Possui a vontade uma autodeterminação absoluta?
A solução dada ao problema do mal pelos maniqueus é certamente
determinista, com a negação do poder da vontade humana. A crítica
aqui feita por Agostinho é tipicamente fllosófica. Os argumentos por
ele aduzidos - pelo menos em teoria - apelam para uma autodeterminação
absoluta da vontade. Desse modo, a ação se seguiria sem
dificuldade alguma e com grande facilidade (tam in facili constituto
bono). Entretanto, os observadores da vida comum sentem que as
coisas não se passam assim tão facilmente. Sobretudo os maniqueus,
tão profundamente pessimistas a respeito da condição humana, não
aceitavam tais exposições. Na verdade, nessa época, Agostinho aparece-
nos - no papel pelo menos - tão pelagiano quanto Pelágio.
De fato, Agostinho não conseguia ainda explicar como, na prática,
a vontade humana não goza de uma liberdade tão completa. Via
como todo homem encontra-se prisioneiro de linhas de conduta que lhe
parecem irreversíveis. Está sujeito a impulsos a que não consegue
resistir, e que o levam a agir de modo contrário às suas boas intenções.
E é tristemente incapaz de romper os hábitos tornados nele uma
segunda natureza. E são Paulo lá estava para confirmar tudo isso. (Cf.
Gl5,17 e Rm 7,23.)
Todas essas considerações constituíam para Agostinho um real
desafio. E ele, o incans4vel pesquisador da verdade, lança-se continuamente
a novas aproximações do problema do mal. Em seus primeiros
sermões como padre, vemo-lo esforçar-se por explicar a permanência
do mal na vontade humana, em termos puramente psicológicos. Apela
para a força irresistível do hábito (consuetudo). Tirando este o seu
poder do funcionamento da memória humana. (Cf. "O sermão da
NOTAS COMPLEMENTARES 254
montanha", 1,12,34.35.) (Cf. Peter Brown, La vie de saint Augustin, p.
174.)
32. (14,30) - O desejo universal da felicidade
A busca da felicidade é para o homem uma necessidade natural.
Ele não pode subtrair-se a isso. É o que move toda sua atividade.
A felicidade é de fato o transcendental mais arraigado na natureza
humana. Tais idéias são bem atuantes na fIlosofia agostiniana,
e fundamentam toda a sua moral. Encontramos reflexões análogas
em inúmeras de suas obras. Apontemos algumas, além do presente
diálogo: todo o A vida feliz, Os costumes da Igreja católica (1,3,4);
O Mestre (14,46); Confissões (I1I,4,7; X,20,29; 21,31); A Trindade
(XlII,4.7;8,11;20,25); Carta 130 a Proba (5,10); Cartas: 104,4,12;
118 a Dióscoro; Sermões 150,4; 231,4,5, etc.; e A Cidade de Deus,
l.XIX,l1.
33. (14,30) - Afirmações agostinianas exploradas pelos pelagianos
"O merecimento está na vontade ... " Tal sentença está entre as
que os pelagianos consideravam como favoráveis a seu sistema. O
próprio Agostinho anotou todas as afirmações que em "O livre-arbítrio"
poderiam servir a tal interpretação.
Eis as passagens, neste livro I:
1,1-"As más ações não seriam punidas com plenajustiça, se não
tivessem sido cometidas voluntariamente".
12,26 - "Depende de nossa vontade gozar ou ser privado de tão
grande e verdadeiro bem. O que há que dependa tanto da vontade
quanto a própria vontade?"
13,29 - "Com muita facilidade, pelo simples fato de o quereraquele
que quer viver de modo reto e honesto - já possui o que quer".
16,34 - " Cada um opta pelo que pode fazer e abraçar, e é certo
que essa escolha pertence à vontade".
As referências nos livros 11 e 111 serão assinaladas em seus
respectivos lugares.
34. (15,31) -A origem do verdadeiro mal não é a matéria
Agostinho atribui de maneira firme a origem do mal moral ou
pecado à vontade livre. E aponta, com insistência, essa possibilidade
perigosa do livre-arbítrio. Separa-se assim claramente de Plotino.
Para os neoplatônicos, é a matéria somente a responsável. De fato, nós
vemos a alma, nas presentes exposições, bem subtraída à matéria,
ficando submissa só à lei eterna, que marca os liames estreitos com
Deus. Tal dependência essencial do livre-arbítrio, em referência a
Deus, vem largamente desenvolvida neste livro I.
No próximo item (32), Agostinho desenvolverá a idéia de que a lei
temporal governa os homens de má vontade, sem todavia reprimir os
seus pecados.
255 LIVRO I
35. (15,34) - Síntese do que foi visto nesta terceira parte
Passou Agostinho para esta terceira parte, partindo de uma
dúvida de Evódio (11b,23). Em resposta a ele, levantou a hipótese da
possibilidade da preexistência da alma. Deixou, porém, o problema
para ser resolvido mais tarde (11b,23-12,24).
Apresentou, com convicção, a teoria da boa vontade no homem.
Está esta totalmente em seu poder (12,25.26).
A boa vontade envolve a vivência das quatro virtudes cardeais
(prudência, força, temperança e justiça) (13,27).
Fica, assim, a nossa felicidade assegurada, sob a condição de
praticarmos livremente o bem (13,28-14,30).
A boa e a má vontade relacionam-se com a lei eterna e a temporal.
Foi visto o valor e a jurisdição dessas duas leis (15,31-33).
Em capítulo final, Agostinho enfatiza a conclusão a que chegara:
O pecado tem sua origem no livre-arbítrio. E prevê o estudo de
problemas mais profundos e sublimes no próximo livro.
36. (16,35b) - Será um mal para o homem o livre-arbítrio?
Pergunta-se Evódio se não seria melhor para o homem carecer do
livre-arbítrio - essa tão triste prerrogativa!
Ao que Agostinho replica em síntese: Será preciso refletir com
mais esforço e tempo, para ver se chegamos a resolver a questão com
claridade e acerto.
Afirmará no l. 11, 18,47: "O livre-arbítrio é um bem em si mesmo,
não mal. O abuso do bem não implica que esse bem se converta em
mal".
No l. IH, vê-Io-emos ainda empregar bons capítulos na intenção
do esclarecimento da questão. Em todas as circunstâncias Agostinho
encontrará motivos para colocar a ação da Providência divina digna de
inefáveis louvores.
LIVRO 11
1. (1,2) -O sentido do "saber" para Agostinho
Nesta passagem, Agostinho pergunta a Evódio se ele sabe (scias)
que o livre-arbítrio nos foi dado por Deus. Importa avaliar o sentido
desse verbo scire, nos escritos fIlosóficos agostinianos. Significa: conhecer
com certeza racional. Tal como é o conhecimento das ciências
matemáticas. Opõe-se ao conhecimento da fé, adquirido por via da
aceitação da autoridade. Na obra "A verdadeira religião", Agostinho
insiste bastante nessa dupla via: A fé e a razão (cf. capo 8,14).
Em "Solilóquios", o scire é evocado diversas vezes. Cf. 1,4,9: "Scire
autem aliud est" (Saber, porém, é outra coisa). Leia-se a nota 23".
2. (1,2) - Reivindicação pelagiana
Já observamos como os pelagianos esforçavam-se para encontrar,
nas afirmações de Agostinho, textos favoráveis a seu ponto de
vista, isto é, do poder da vontade natural que prescinde da graça. Esta
passagem é uma delas. O próprio Agostinho fez o levantamento dessas
proposições, em suas "Retractationes". (Cf. a nota 33, relativa a
1,14,30.)
3. (2,4) - Alusão à teoria da iluminação
Diz Agostinho a Evódio: "Deus há de te conceder que sejas
instruído interiormente por aquela Verdade - Mestra soberana e
universal".
Encontramos aí uma clara alusão à sua teoria da iluminação, tal
como foi explanada no diálogo "O Mestre". A finalidade de Agostinho
é de explicar o fato fundamental de possuirmos no interior da mente
a mesma verdade eterna pela qual a inteligência tem o poder de tomar
consciência pessoal dessa verdade. Explica-se isso por uma especial
intervenção de Deus, ao dotar o espírito humano da possibilidade de
julgar com certeza que ultrapassa as nossas capacidades naturais. Tal
como acontece com a graça, agindo sobre a nossa vontade.
Agostinho põe assim o acento sobre a luz divina que se manifesta
em nós. Donde o nome de iluminação, corretamente dado a esta
doutrina. (Cf. a mais 1I,8,23; nota 26.)
4. (2,5) -O método filosófico agostiniano
Neste início do l. lI, Agostinho torna a insistir, como já o fizera no
começo de l. I (3,6), sobre o seu método de discussão. Isso nos leva a
compreender melhor o teor de sua fIlosofia. - Seria ela uma sabedoria
puramente racional? - Não, porque Agostinho concebe apenas uma
única verdadeira sabedoria - a que seja ao mesmo tempo racional e
sobrenatural. O seu real objetivo é chegar à verdade plena, isto é, Deus.
Só assim poderemos adquirir por participação a beatitude, já neste
257 LIVRO II
mundo. Lembremos o seu "gaudium de ritate". Ora, a aquisição dessa
sabedoria, para Agostinho, deve sempre começar pela fé sobrenatural.
Assim, o seu método consiste em recebermos primeiramente a verdade
pela fé, antes de a penetrarmos pela inteligência. Já no l. 1,2,5, ele se
fundamentara numa magnífica profissão de fé nas verdades mais
fundamentais da teodicéia cristã. Só então, em resposta à questão de
Evódio, de onde vem o mal, é que inicia a argumentação fIlosófica para
provar a existência de Deus.
No 1,2,4, como neste 1I,2,6, ele apela para o "Nisicredideritis, non
intelligetis". E afirma, a seguir, que não quer se limitar à fé, mas
aplicar-se ao esforço intelectual para entender.
Agostinho não criou de modo formal um sistema fIlosófico, ainda
assim constituiu uma "fIlosofia agostiniana" separável de sua teologia.
Isso, mesmo se tal separação não tenha sido elaborada expressamente
por ele. (Cf. F. J. Thonnard, n. 15, B. A. 6, pp. 497-500.)
5. (2,6) - O "crede ut intelligas" nas obras agostinianas
Se é para se desejar entender o que cremos, é básico crer no que
queremos entender. Há um entender que é necessário antecipar ao
crer, o qual não só está ordenado à fé, mas já em si anuncia a fé.
A melhor intelecção acontece pelo método do desenvolvimento da
fé. O famoso Sermão nº 43 é todo inteiro consagrado ao estudo do
relacionamento da fé com a inteligência. Agostinho explica aí muito
bem, como a fórmula: "Intellige ut credas" corresponde anteticamente
ao "Crede ut intelligas". A fé precede, mas a inteligência a segue.
Leia-se ainda no Tratado sobre o Ev. de são João 29,6, assim'como
no "C~stumes da Igreja católica" 1,2,3.
E bom sublinharmos como Agostinho insiste que o progresso na
fé e na inteligência dos mistérios divinos corresponde à vontade
mesma de Deus, que chama os homens à sua visão.
6. (2,6) - Agostinho, criador da teologia no Ocidente
P. Batiffol, em sua obraLe catholicisme de saint Augustin, declara
com muita verdade: "O amor de Agostinho pela inteligência - inteligência
essa entendida como esforço do crente para pensar a sua fé, transporta-
nos a uma atmosfera nova. Ele crê na legitimidade e na eficácia do
esforço intelectual. E associa toda a Igreja nesse trabalho, tendo confiança
no progresso da inteligência da fé. Graças a esse intento e pelo
magnífico uso por ele mesmo feito, tornou-se o verdadeiro criador da
teologia no Ocidente, principalmente em relação a tal método e espírito,
assim como Orígenes o fora no Oriente". (Cf. op. cito p. 73 do t. 1.)
7. (2,6) -A constante busca de esclarecimento da fé
Aqui, como nas Confissões (X,6,8), Agostinho não tem em mira
conduzir propriamente à fé em Deus - estajá é pressuposta. Ele quer,
sim, aperfeiçoar a fé. Declara-o no presente capítulo: "A fé deve levar
9. o Livre-arbitrio
NOTAS COMPLEMENTARES 258
à perfeita compreensão: aquele que crê deve procurar compreender".
Todavia, por certo, o primeiro ato que se supõe naquele que quer, sem
muita dificuldade e com fruto, seguir a Agostinho em suas elevações,
é de renovar explicitamente sua fé, em Deus criador, princípio de toda
verdade e Bem soberano. Em seguida, com o coração purificado,
chegará a conhecer melhor a Deus e a amá-lo plenamente.
8. (2,6) - Sem a fé, seria possfvel provar a existência de Deus?
Diz aqui o texto: "Não se pode considerar como tendo sido
encontrado aquilo em que se acredita, sem ser entendido, e ninguém
se torna capaz (idoneus) de encontrar a Deus, se antes não crer o que
deverá compreender depois".
Seria exagerado retirar daí a conclusão de que a razão é impotente
para provar sozinha a existência de Deus. Nesse caso, o próprio
Agostinho estaria desdizendo-se a si mesmo. Pois ele dava muita
importância, por exemplo, ao consenso universal e à doutrina dos
filósofos antigos os quais, evidentemente, não possuíam a fé. No texto
acima, ele visa particularmente as disposições morais requeridas para
tornar fecunda a busca da prova da existência de Deus.
No último item deste capítulo, acabamos de vê-lo assinalar
expressamente o valor da fé. Ora, a fé em Deus, mesmo natural, incluise
nessa espécie de disposição moral e facilita o esforço do espírito. Por
certo, a fé sobrenatural contribuirá, com mais forte razão, nesse
sentido.
O termo "idoneus" (capaz) inserido no texto citado acima não
indica, pois, um condição metafísica, mas sim uma aptidão moral que
trará mais facilidade para encontrar a Deus. Tal disposição é possível
a todos.
Agostinho distingue-a das luzes superiores reservadas, não somente
aos santos no céu, masjá aos melhores (melioribus) nesta terra
(2,6). (Cf. F. Cayré, Dieu présent dans la vie de l'Esprit, pp. 40.41.)
9. (3,7) -O plano do livro 11
A divisão do L 11 apresentada logo no início do presente capo 3
revela uma clareza didática que surpreende aqueles que afIrmam ser
as exposições de Agostinho desordenadas e à mercê do capricho.
Propõe-se ele aqui, de modo decidido, atingir três metas:
a) primeiramente, como a existência de Deus é evidente;
b) em seguida, que todo bem provém dele;
c) fmalmente, que a vontade livre está nesse caso, logo é um bem.
Agostinho desenvolve a sua demonstração da existência de Deus,
com um rigor impecável, nestes capítulos de diálogo com Evódio, sem
nenhum desvio em seu plano. Distingamos três partes:
A 1ª (de 3,7 a 7,19) é toda ordenada à apresentação da tese
que só será formulada no capo 6: "Deus existe, já que há algo
superior à razão! E esta é a realidade mais nobre no homem".
259 LIVRO 11
A 2ª parte (de 8,20 a 14,38) é o coração mesmo da prova
agostiniana. Deus é intuído, como a perfeição acima da
razão.
A 3ª parte (de 15,39 a 20,54) - das mais belas - demonstra
como tudo o que é bom vem de Deus. O livre-arbítrio, sendo
um bem para o homem, vem de Deus. O mal origina-se de
uma defIciência do livre-arbítrio.
10. (3,7) -O ponto de partida da reflexão
Agostinho lança-se ao desenvolvimento da prova da existência de
Deus. Nesta primeira parte, coloca como fundamento a observação da
reali~ade na constituição dos seres criados. Essas realidades, percebidas
dIretamente por todo homem, são três: o fato da existência dos seres,
a vida sensível e a capacidade de entendimento no homem. Em síntese:
o ser, a vida e a razão. São três graus de perfeição nos seres, bem distintos
e hierarquizados. A razão é o que há de mais elevado na natureza humana.
Os dois primeiros graus: ser e vida encontram-se também fora do
eu. Acima da razão só pode estar o próprio Deus, fonte de todo ser criado.
11. (3,7) - Passagens paralelas em outras obras de Agostinho
V~mos aqui nosso autor tomar como ponto de partida, absolutamente
mdubitável, a intuição da existência do eu pensante. Tal
criteriologia agostiníanajá se encontra bem formulada nos Diálogos
filosófIcos, os seus primeiros escritos.
Os três livros de Contra os Acadêmicos esboçam, de passagem, a
fórmula do cógito agostiniano. Em "A vida feliz" (2,7), supõe com força
que a ordem do penfB'llento parte da certeza de nossa própria existência.
E conforme os Solilóquios (11,1,1), essa certeza está bem fundada
em nosso próprio pensamento. Recordemos a famosa questão: "-Scis
esse te? - Scio!" (Sabes que existes? - Sei!).
. N~ presente diálogo, O livre-arbítrio, esta passagem do 3,7 é
elucltativa de seu pensamento. Em A verdadeira religião (39,73),
encontramos a explicitação de que a verdade de existir encontra-se na
certeza mesma que a dúvida pode existir.
Leia-se ainda em As Conflssões (VII, 10,16) o belo texto sobre a
busca da verdade no próprio íntimo. Mais tarde, em A Trindade
CXV,12,21), as fórmulas sobre a questão do "Cogito" adquirem novo
vigor . No 1. X, 10,14 dessa obra, afIrma Agostinho: "Se eu não existisse,
seria impossível a dúvida". Citemos ainda uma outra passagem, em A
Cidade de Deus" (XI,26): "Se me engano, existo".
12. (3,7) - Influência da doutrina agostiniana sobre a certeza do "eu"
pensante
A doutrina agostiniana dá absoluta primazia à certeza e à
preeminência metafísica do "eu" pensante. Tal tese tornou-se profundamente
revolucionária para toda filosofIa posterior e deu a nota aos
NOTAS COMPLEMENTARES 260
grandes movimentos da Idade Média: "Eu penso, eu vivo, eu quero".
Vemos sempre invocada a realidade da alma absolutamente certa e
imediatamente garantida pela evidência interior, com toda a sua força
probatória.
13. (3,8) - Os três graus de conhecimento no homem
Está emjogo, agora, o dinamismo da alma. Agostinho mostra-se
assim mais preocupado com a vida (vivere) do que com o existir (esse).
Especialmente, com aquela vida superior que pertence ao espírito
(intelligere), nesse ser complexo que é o homem! Analisa, no momento,
algumas de suas atividades para tirar daí uma lei de preeminência
vital. Começa por observar o fato de haver três graus de conhecimento,
e estabelece uma hierarquia:
12) Os cinco sentidos corporais. Entretanto não possuem o conhecimento
direto da própria operação (3,8.9).
22) O sentido comum, interior. Este percebe os sentidos externos
com os seus objetos. Mas Agostinho não chega à certeza de
que o sentido interior tenha consciência de si mesmo (4,10-
5,12).
3º) A razão. Esta, ao contrário, conhece a operação dos cinco
sentidos corporais e seus objetos, e também o sentido interior.
Além do mais, reconhece-se e pode chegar à ciência
(6,13.14).
14. (5,12) - O princípio de subordinação ou regulação
O princípio de subordinação ou de regulação, como também
é chamado, constitui parte significativa da metafísica agostiniana.
Consiste em evocar a subordinação prática de cada atividade
da alma, dentro de sua hierarquia, a um elemento que lhe seja
superior.
Eis como Agostinho considera este princípio psicológico - mas
que possui um fundo metafísico - a respeito das relações existentes
entre os sentidos exteriores e o sentido interior: "Aquele que julga se
antepõe ao que é julgado".
Note-se que o termo "julgar" aí não possui o sentido comum de
veredicto racional. Marca simplesmente a influência ativa de um ser
sobre outro, que lhe esteja ordenado. Implica isso a dependência de um
em relação a outro, em seu agir.
O princípio de subordinação, sendo também de ordem ontológica,
Agostinho vai utilizá-lo a seguir, sempre no plano metafísico, a propósito
da vida do espírito. Daí a sua importância. Será essa uma das peças
mestras da dialética agostiniana.
Leia-se mais adiante, neste mesmo 11,16,41, como será evocada
esta doutrina: "O princípio vital do corpo é a alma e o da alma
é Deus". Cf. também o capo 17,46, com a nota 58: "Ascensões
agostinianas".
261 LIVRO II
15. (5,12) - O valor dos canais do conhecimento
São canais de conhecimento: os sentidos exteriores, o sentido
interior e a razão. Agostinho examina aqui o valor de cada um:
Os sentidos exteriores antepõem-se aos objetos observados,
por serem seres vivos.
O senti.do interior sobrepõe-se aos sentidos exteriores, porque
os Julga.
No homem, a razão tem a primazia sobre os sentidos e mesmo
sobre o sentido interior, porque julga a eles todos.
Fica assim estabelecida a hierarquia dos valores: o corpo, a alma
animal e, enfim, a razão, "que é como a cabeça ou o olho de nossa alma".
Manifestamente, nada existe de mais excelente na natureza da alma
do que a razão.
16. (6,13) -A grande Superioridade do homem: poder julgar
O julgamento é obra exclusiva da inteligência.
Reproduzimos aqui uma nota complementar esclarecedora que
se encontra no volume A verdadeira religião, relativa ao capo 29,53,
sobre: "A superioridade do espírito é a capacidade de julgar". A fim de
conduzir o leitor à descoberta do espírito, Agostinho leva-o a constatar
a Superioridade da vida reflexiva sobre a vida sensitiva e a fortiori
sobre os corpO!} inorgânicos, pelo fato de que a mente julg~ o sensíveÍ
e a sensação. E a razão a faculdade de julgar, por excelência.
17. (6,14) - O início da grande prova
Eis o momento da tomada de impulso para a ascensão desejada.
As demonstrações fornecidas até aqui foram apenas um preâmbulo.
Agora, os elementos de base já mencionados vão ser cuidadosamente
recolocados, em vista da ascensão. O caminho a ser percorrido pela
prova encontra-se fixado com clareza. A grande argumentação será
desenvolvida a seguir, dos caps. 12,33 a 15,39.
Apoiar-se-á na constatação de haver uma verdade eterna e
imutável, superior ao homem, à qual ser algum é superior.
18. (6,14) -A existência de Deus para Agostinho
Em toda a sua vida, santo Agostinho nunca duvidou da existência
de Deus e da Providência. Julgava mesmo não poder ser contestado
haver um Criador. Não podia acreditar poder existir ateus convictos.
Para ele, a existência de Deus é dessas verdades às quais a Providência
de Deus deu tal clareza, que é difícil furtar-se a .ela. Ninguém será
capaz de ignorar totalmente a Deus.
Contudo, ele reconhece não ser Deus objeto de intuição direta e
de vista imediata. Não se contentava, porém, com fé ingênua. Procurava
estabelecer demonstração mais científica. Recorre na ocasião a
argumentos clássicos tais: o consenso universal, a finalidade e a ordem
do mundo, a contingência dos seres.
NOTAS COMPLEMENTARES 262
A prova desenvolvida "ex professo" nesta obra é bem criação sua.
Acha-se em conexão estreita com a demonstração da existência da
verdade. Pode-se, todavia, reconhecer nela uma adaptação da dialética
de Plotino, no esforço de subir em direção à Fonte criadora.
O tom místico e, por vezes, o teor apaixonado de seus argumentos
nada tiram do valor fIlosófico de sua argumentação.
19. (7,15) - Análise deste capítulo 7
Serão estudadas, no presente capítulo, as atividades do espírito
em si mesmo e as dos sentidos externos em relação a seu objeto e ao
objeto dos mesmos. Não se trata, porém, unicamente de dados psicológicos.
Agostinho eleva-se além, até o plano metafísico. A princípio,
porém, limita-se a observações sobre o conhecimento sensível. Por isso,
alguns críticos quiseram ver nestas páginas apenas digressões. Na
verdade, por enquanto, Agostinho não se ergue até à verdade intelectual
propriamente dita. Da observação dos sentidos, entretanto, tirará
uma conclusão que há de ter boa aplicação em relação ao conhecimento
da verdade.
Começa por comparar as faculdades e seu objeto, para chegar a
demonstrar quanto este é independente da mente que o percebe.
Eis a seqüência das idéias expostas:
7,15- característica de nossas faculdades cognitivas - os sentidos
externos. São eles individuais, próprios a cada pessoa.
16 - os objetos atingidos são bem distintos uns dos outros.
17 - comparação dos cinco sentidos entre si, sob diversos po"ntos
de vista.
18 - Conclusão: se o sentido corporal é individual, o objeto é bem
distinto dele e muitas vezes comum a todos. Isso prova a sua
realidade.
Em próximos capítulos, encontraremos uma analogia do mesmo
realismo objetivo, num plano superior, isto é, no da vida intelectual
propriamente dita. (Cf. Cayré, op. cit., pp. 124-125.)
20. (7,18) - Capítulo desnecessário?
Na presente argumentação, cada parte possui o seu valor e não
se tem o direito - se quisermos reproduzir exatamente o pensamento
de Agostinho - de suprimir tal ou tal elemento supostamente sem
importância. Isso seria enfraquecer o conjunto.
Tudo na verdade tem seu papel - sem dúvida acessório, mas
real. Esta primeira parte, portanto, não pode ser ignOl:ada, como o
fazem, por vezes, sem se correr o risco de deformação. E ela que vai
situar o argumento agostiniano em seu verdadeiro quadro, o de uma
realidade viva: o espírito humano considerado em suas atividades.
Sem isso, o silogismo ficaria apoiado num plano unicamente ideal e não
no real. Ao contrário, com tudo o que foi apresentado, temos como base
um realismo muito característico, em perfeita relação com a primeira
263 LIVRO II
afirmação da tese: "Se há um ser superior ao espírito, esse ser é Deus".
(Cf. Cayré, op. cit., p. 149.)
21. (7,19) - Motivos das longas considerações
A finalidade de Agostinho ao entregar-se a estas copiosas considerações
é o desejo de preparar a "visão" de que a intuição de Deus está
acima dos sentidos e da razão. Termina as observações deste capo 7,
insistindo no que seja "próprio ou individual" e no que seja "comum,
público ou universal".
Passo a passo, foi ele expondo sua teoria sobre o conhecimento.
Iniciou pelas sensações dos sentidos corporais, até chegar ao
conhecimento puramente intelectual e abstrato. Os presentes capítulos
revestem, assim, um especial interesse na revelação da noética
agostiniana. Encontramos aqui um bom exemplo do que seja o
método ascensional de Agostinho: dos objetos externos aos sentidos;
dos sentidos exteriores ao sentido interno; deste à razão; e da razão às
verdades eternas e imutáveis ou mundo inteligível; e, enfim, deste a
Deus.
22. (8,20) - Sumário das idéias expostas do capo 8
Vemos, agora, ser introduzida por Evódio a famosa "razão e
verdade dos números" (ratio et ventas numeri).
Neste capítulo vem desenvolvida a teoria dos números sob um
ângulo muito elevado: o da verdade. Tal verdade dos números é
manifesta e inalterável (8,20). Não vem pelos sentidos, mas, de certa
forma, "está impressa no espírito" (21). De fato, os números não nos
vêm pelos sentidos: a unidade, que é a base deles, não nos é sensível
(22). As propriedades da unidade confirmam-nos essa conclusão.
Consideremos as três propriedades mais características: a imutabilidade,
a certeza e a inalterabilidade - as quais não podem ser
percebidas a não ser por uma luz interior. Ora, de tal luz, os sentidos
corporais são incapazes (23).
Em conclusão, Agostinho mostra que esse conhecimento -
puramente intelectual, certo, objetivo, indiscutível - é possuído por
todo espírito realmente sadio. (Cf. Cayré, op. cit., pp. 125.126.)
23. (8,21) -As verdades comuns e universais
As verdades eternas brilham por sua universalidade. Os céticos
insistem na falsidade do ponto de vista individual, o que dá lugar a
opiniões infindas e contraditórias. Para eles, não existe a verdade,
porque esta é carente da garantia da comunidade pensante.
Entretanto, por certo, há uma categoria de verdades comuns que
resplandecem aos olhos de todos, num plano superior ao individual.
Todos dizem o mesmo com pleno consenso. Agostinho não se cansa de
ponderar a respeito dessas "veritates communes", desse acordo do
pensamento, nas verdades comuns a todos.
NOTAS COMPLEMENTARES 264
Para ele, cada indivíduo tem sua razão e seu olho próprio.
Ora, os objetos de ordem inteligível e comum acham-se à vista de
todos os espíritos. Não se consomem, nunca se destroem por assimilação,
como os manjares e as bebidas. Não são produtos das
impressões sensoriais. Por exemplo, os teoremas de matemática só
são percebidos pela inteligência. E por essa razão, gozam de uma
essência incorruptível. Ao passo que tudo o que é percebido pelos
sentidos corporais está sujeito à corrupção e não sabemos por quanto
tempo durará. As verdades matemáticas são um patrimônio comum
de todos os que pensam e são incorruptíveis.
24. (8,22) - Os números - acesso ao mundo do espírito
Nesta passagem, como em diversos tratados compostos logo
após a sua conversão, a geometria e os números estão apresentados
como fornecendo a prova decisiva de que há uma verdade imutável
e, como tal, capaz de abrir acesso ao mundo inteligível e espiritual.
Leia-se em Solilóquios (1,4,9.10): A espécie de conhecimento
que Agostinho deseja ter de Deus - semelhante ao da ·geometria.
E no diálogo A Ordem (11,18,47.48, e 19,49.50): "A razão, ao
observar atentamente, verá o valor e o poder dos números".
Em A Música (VI,12,35.36), Agostinho apóia-se igualmente sobre
as leis dos números para se elevar até Deus.
Em Confissões (VI,4,6), diz: "Desejava eu ter, em relação a
fatos não demonstráveis, a mesma certeza com que digo: 7 mais 3 dão
10".
Lembremos que Agostinho recebeu sua primeira iluminação
racional graças à matemática. Esta foi a primeira ciência
elaborada no Ocidente, e vulgarizada sobretudo pela escola pitagórica.
De fato, a matemática serve não somente para construir
uma ordem de conhecimentos seguros, mas também para educar
o espírito na dialética da ascensão e no manejo das idéias
puras.
Cf. maior desenvolvimento da questão, mais adiante no capo
11,30.
25. (8,23) -As propriedades da verdade
Neste item, Agostinho convida-nos a meditar melhor sobre as
eminentes propriedades da verdade que se manifestam na lei dos
números. Sua transcendência revela-se à razão, a qual chega a conhecer
suas propriedades. A verdade é, porém, em nós algo muito mais alto
do que a própria razão.
Desse modo, pouco a pouco, Agostinho nos levará a concluir a
respeito da existência de uma realidade tão grande que não pode ser
265 LIVRO II
outra coisa senão o mesmo Deus. (Cf. H. I. Marrou, S. Augustin et la
fin de la culture antique, p. 288.)
26. (8,23) - Nova alusão à teoria da iluminação
Vemos, aqui, Agostinho referir-se novamente à sua teoria da
iluminação. A luz interior mencionada não é a da simples inteligência
contraposta à dos sentidos. Fala ele sobre um influxo especial de Deus
sobre a inteligência para iluminá-la.
Para maiores esclarecimentos, releia-se a nota n. 3, referente ao
l. 11,2,4. E Agostinho irá ainda se referir ao tema, com maior precisão,
no l. 1II,5,13 (cf. nota 11).
27. (8,24) -A intuição -luz acima da razão
Uma simples reflexão sobre o conteúdo de nossos pensamentos
nos leva a constatar a existência imutável de grande número
de verdades em nossa mente. Agostinho apela para o testemunho
da consciência, a qual atesta em nós a intuição do inteligível.
As noções e leis dos números revelam-se com real independência
do sensível, pois possuem propriedades muito diferentes dos objetos
sensíveis. Não possuem, por exemplo, nem cor, nem odor. Em particular,
a unidade - princípio dos números, possui em si, simplicidade. E
esta nunca está realizada em um corpo (8,22). Necessariamente,
convém aos corpos a distinção e, portanto, a pluralidade de partes.
Conclui-se, pois, que a inteligência percebe leis independentemente
dos sentidos. (Cf. Thonnard, Précis d'Histoire de la philosophie, p.
206.)
28. (8,24) - Citação do Eclesiástico 7,26
Agostinho, no próximo capítulo 11,30-32, associará as regras da
sabedoria percebidas por intuição, independentemente de realidades
concretas, com as noções e leis dos nÚmeros. Estes, como já foi visto,
estão acima do sensível e impõem-se a todos.
Em apoio a seu ponto de vista, cita aqui uma passagem do
Eclesiástico, na versão grega Setenta. Esta, assim vem no original:
"Circuivi ego et cor meum, ut scirem, et considerarem, et quaererem
sapientiam et numerum" (7,26).
29. (9,25) - Diversos sentidos do termo "sabedoria"
O termo "sabedoria" - sapientia - oferece na linguagem
agostiniana múltiplos sentidos. Neste item, a sabedoria é evocada
conforme o seu uso corrente: no sentido de prudência, arte de bem
viver, opção de vida.
No próximo item (26), veremos Agostinho empenhar-se
em definir a sabedoria como a Verdade na qual se vê e se possui o
sumo Bem. No item 27, ele considera a sabedoria de outro ponto
NOTAS COMPLEMENTARES 266
de vista: a universalidade. É ela a mesma para todos, tal como a luz do
sol.
30. (9,25) - Saber pela razão
Sobre o método aqui lembrado por Evódio, cf. a nota 8, no l. 1,3,6:
"Não apenas crer, mas entender as razões de sua crença". Amiúde,
Agostinho relembra o que se propusera com Evódio: "Compreender
aquilo em que cremos".
31. (9,26) - Implicação dos conceitos: verdade, sabedoria, sumo Bem e
felicidade
"A sabedoria não é senão a verdade em que se contempla e se
possui o sumo Bem". A "sofia", sabedoria para os gregos como para os
cristãos entranha sempre uma conexão necessária com a verdade.
Pois um~ sabedoria esvaziada do conhecimento da verdade seria uma
contradição nos termos.
E a sabedoria não só implica uma conexão com a verdade, mas
também com o Bem supremo - o "summum bonum".
Note-se que não é apenas a percepção, mas ainda a posse da
verdade - que é o sumo Bem -, o que nos traz a felicidade. Felicidade
à qual todos nós tendemos, sem contestação alguma. Feliz é aquele que
goza do sumo Bem até o seu pleno desfrute. A verdade é, pois, um deleite.
O "bonum" é "beatificum", pois a verdade beatificante é o próprio Deus.
32. (9,26) -A felicidade está em Deus
Viver feliz significa viver na posse da verdade. Viver na luz e
conforme a arte da sabedoria. Possuir a verdade como sumo Bem é o
elemento formal da felicidade.
Lemos na obra Costumes da Igreja católica (1,3,4): "A felicidade
consiste em amar e possuir o que há de mais excelente para o homem.
Com efeito, desfrutar é ter à disposição aq~ilo que se ama".
O bem é alguma coisa de que se gosta. E o que cumula o nosso mais
profundo desejo. O que pode o homem amar em vista de seu único fim vital,
a não ser um bem que ultrapassa todos os outros bens e que se apresenta
como o Bem supremo? A vida feliz é, pois, a posse amorosa do sumo Bem.
Leia-se mais adiante, neste l. 11, sobre a mesma temática, o capo
13,35.36 e a nota 47: "A verdade beatificante".
33. (9,26) - Outras alusões à teoria da iluminação
"Antes de sermos felizes, levamos gravada em nossa mente a
noção da felicidade". .
Já indicamos outras referências à doutrina da iluminação. Releia-
se no 1. 11,2,4, a nota 3. E o texto do 1. 111,5,13 e 24,72, onde
Agostinho tornará a se referir a essa sua tão querida doutrina. Dirá ele:
"A sabedoria não procede daquele que é iluminado por ela, mas sim
daquele que ilumina".
267 LIVRO II
34. (9,27) - Patrimônio das verdades comuns
A comunhão universal das inteligências na mesma verdade tem
sido um fenômeno atraente para os grandes pensadores. Há uma
maravilhosa concórdia mental nos seres racionais. Esse fato das
veritates communes - patrimônio do pensamento - também atraiu
poderosamente a atenção e a admiração de Agostinho. Os espíritos
formam sociedade entre si para a compreensão das mesmas verdades
axiológicas, isto é, em relação aos valores.
Para explicá-lo, Agostinho não apela para a teoria do entendimento
único, antes a exclui. Porque cada homem tem sua própria
mente, seu próprio olho espiritual para intuir os axiomas, a saber, as
verdades evidentes. Mas a mente criada acha-se em conexão com uma
fonte de luz superior que ilumina a todo homem, assim como os olhos
corporais são tocados pela luz do mesmo sol.
A presente passagem é uma das premissas do processo dialético
de demonstração da existência de Deus, como fundamento último do
mundo das verdades.
É tendência profunda do pensamento moderno relativista
reduzir a validade das verdades a um círculo temporal e cultural.
Para ele só há verdade em relação a uma humanidade determinada.
(Cf. V. Capánaga, "San Agustin", p. 148, nota 2.)
35. (10,28) - Noção fundamental de verdade
A noção da verdade é central - constitui o fundamento da
doutrina da sabedoria - uma das bases essenciais da filosofia agostiniana.
Em seu diálogo Contra os Acadêmicos, Agostinho refutara o ceticismo,
mostrando como essa posição é contraditória. Agora, ele quer estabelecer
de modo positivo que existem muitas verdades absolutamente
certas, as quais o homem é capaz de atingire das quais não pode duvidar.
Tais verdades nos são fornecidas, por exemplo, pelo estudo da matemática,
da geometria, da lógica, da música, da estética e da moral natural.
Neste capítulo, Agostinho convida-nos a meditar sobre as propriedades
eminentes da verdade. Leia-se ainda, mais adiante, a nota 45,
relativa ao capo 12,34.
36. (10,28) -A sabedoria no plano da Moral
A sabedoria coloca no plano moral alguns princípios gerais que
todos devem aceitar. Por exemplo: é preciso viver conforme a justiça;
o eterno está acima do temporário; a verdade é imutável; a vida ,reta e
honesta é mais digna do que a vida perturbada moralmente. I
37. (10,29) - "Lumina virtutum»
"Essas verdades são como regras e espécie de luminares das
virtudes". Agostinho compara aqui a sabedoria a luminares ou focos
das virtudes. Significam eles as regras morais que são rão inflexíveis
e certos quanto às leis dos números.
NOTAS COMPLEMENTARES 268
38. (11,30) - Insistência sobre a citação bíblica a respeito da sabedoria
edo número
Agostinho lembra aqui de novo a passagem já citada no l. 11, 8,24,
em que se referiu a Eclo 7,26: "Explorei igualmente o meu próprio
coração para conhecer, examinar e escrutar a sabedoria e o número".
Cf. a nota 28 correspondente.
39. (11,30) -A temática do capítulo 11
Podemos sintetizar toda a problemática deste capo 11, nas seguintes
questões: São a sabedoria e os números uma só coisa? Ou
existem independentemente um do outr(\? Ou então, dependem um do
outro?
Agostinho mostra, com interesse, a excelência relativa da sabedoria
e dos números, sempre confrontando-os com a verdade.
Convém insistir em que para Agostinho os números estavam
bem longe de ser meros algarismos. Constituíam princípios reais e
dinâmicos, inseparáveis de qualquer ser, já que nenhum pode ser
concebido senão como ativo. A atividade é um atributo transcendental
que, tendo origem no número, compenetra tudo o que existe.
Essa noção da natureza dos números, originária de Pitágoras,
recebeu-a Agostinho de Platão, que por sua vez a tinha adotado e
ampliado. (Cf. A. S. Pinheiro, op. cit., p. 141, n. 31.)
40. (11,30) -A matemática eleva os espíritos
Afirma Agostinho, nesta passagem, que a matemática serve não
apenas para construir uma ordem de conhecimentos seguros, mas
também para formar os espíritos na dialética da ascensão e no manejo
das idéias puras. Todo o orbe ontológico ilumina-se com a luz dos
números. Lemos no item 32: "Os corpos são inundados pela luz dos
números". Procura Agostinho nos números um reflexo de Deus. Considera,
porém, que esse reflexo é mais distante do que o da sabedoria.
41. (11,31) - Diferença fundamental entre sabedoria e números
Não pode ser minimizada a diferença entre sabedoria e números.
Estes são realizados nos corpos, ao passo que a sabedoria, apenas nos
espíritos. Enquanto estão nos corpos, eles nos são inferiores. Mas
enquanto são imutáveis, na verdade, eles nos ultrapassam.
Quanto mais alguém se torna apto a contemplá-los na pura
verdade, mais serão eles estimáveis e julgados superiores aos corpos e
a si mesmo.
42. (11,32) - Relações entre sabedoria e números
A estima que se tem pelos números ou pela sabedoria não é a
mesma, porque nem sempre julgamos conforme o valor verdadeiro. Por
exemplo, o ouro, por ser raro, é preferido pelos homens à luz, que em
si é muito mais preciosa.
269 LIVRO II
O número e a sabedoria são iguais de um ponto de vista, mas
desiguais de outro. Assim como a luz e o calir do fogo projetam-se
distintamente em distânciais desiguais, do mesmo modo acontece com
o número, que é possuído por todos os corpos. Ora, a sabedoria é
percebida apenas pelo espírito. Tal comparação é grosseira, para se
dizer que o número possui mais extensão, mas que a sabedoria possui
v mais compreensão, sendo, portanto, mais rica. Um e outro, porém,
estão em dependência expressa da verdade que é sempre imutável.
Mas seja como for as relações de dignidade que se estabeleçam
entre sabedoria e número, ambas não verdadeiras - implicam a
verdade, contêm-na de algum modo. (Cf. Cayré, op. cit., p. 128ss.)
43. (12,33) -As provas da existência de Deus em santo Agostinho
Em parte alguma, Agostinho tratou, em conjunto ou sistematicamente,
das provas da existência de Deus. Menciona, porém, a prova
deduzida da aspiração dos homens à felicidade (cf. A vida feliz), bem
como a prova histórica da existência de Deus (In lo, 106,4). Além da
prova teológica (Sermão 141,2), é-lhe familiar a idéia de que a consideração
da mutabilidade das coisas deste mundo há de levar o homem ao
conhecimento de sua natureza de criatura (Conf. 11,4,6).
Com particular predileção e de modo mais pormenorizado, usa no
"Livre-arbítrio" o argumento derivado da existência das mais sublimes
verdades objetivas, imutáveis e universalmente válidas de ordem
lógica, matemática, ética e estética, que repousam no espírito humano.
A existência dessas verdades seria inexplicável, se não se admitisse
uma verdade essencial, idêntica com o próprio Deus, que contém todas
as verdades particulares. (Cf. Altaner, Stuiber, Patrologia, p. 434.)
44. (12,33) -Os objetos exteriores -possuídos em comum pelos sentidos
humanos
Nesta passagem, Agostinho faz referência ao que já foi dito
acima, no l. 11,7,15-19. A mesma coisa é percebida por muitas pessoas
e ao mesmo tempo por cada uma em particular, seja em sua totalidade,
seja somente em algumas de suas partes.
Quer ele mostrar a dependência da mente diante da verdade
perfeita. De fato, será pela inferioridade de. nosso espírito, diante da
verdade em geral, que ele demonstrará a existência de uma verdade
perfeita. E Agostinho mostra essa inferioridade pela incapacidade de
cada um em fazer "sua" uma verdade que pertence a todos. Ela é uma
verdade comum e universal a todos.
45. (12,34) - As verdades reinantes no espírito do homem
Na mente humana estão presentes verdades eternas, absolutas,
necessárias, que nossa mente contingente e mutável não seria capaz
de produzir. Logo, concluirá Agostinho, existe Deus, razão suficiente
dessas verdades.
NOTAS COMPLEMENTARES 270
Eis alguns de seus argumentos:
Alguém, ao constatar uma verdade, não a corrige, como se
fosse um censor, mas alegra-se como diante de uma descoberta
feita.
As verdades eternas não estão sujeitas aos vaivéns do temperamento
ou do humor, resplandecem íntegras e invioladas, e
isso numa mente mutável como é a nossa.
São verdades que permanecem em si. (Cf. A verdadeira
religião, 39,73 e a nota correspondente - "Onde habita a
verdade?")
Elas são constantes do espírito e evidenciam o realismo do
conhecimento.
Contra elas, nada vale a sofistica dos céticos. São verdades em
si mesmas (in se ipsa vera), não um produto da consciência
pensante.
46. (12,34) -Em busca da Verdade absoluta
Após os longos encaminhamentos que marcaram as pesquisas
sobre a vida do espírito humano, poderíamos pensar em deparar
agora uma passagem direta da verdade interior à Verdade
transcendente. Mas neste capo 12, Agostinho parece ter sustado essa
tendência intuitiva. Ora, teria ido, por uma via direta, do pensamento
humano à Verdade divina. Vemos, porém, aqui, uma insistência
sua em frisar a inferioridade de nossa mente, perante a Verdade
absoluta.
É claro que a natureza da mente não pode ser a razão de ser
da verdade. A Verdade perfeita ultrapassa a capacidade dos espíritos
particulares. E Agostinho constata a evidência de existir uma
realidade "superior e mais excelente" do que a nossa mente humana.
Cf. A verdadeira religião (30,56): "Acima de nossos juízos a
Lei imutável", com a nota correspondente: "O salto para a transcendência".
47. (13,35) -A Verdade beatificante
Agostinho não se contenta de provar a existência de uma realidade
suprema - o sumo Ser. Ele leva seus discípulos a estabelecer com
ele uma verdadeira união que é a posse fruitiva da verdade pela
sabedoria sobrenatural.
Compara o conhecimento da verdade a um abraço à verdade
(amplexus veritatis). O conhecimento se matiza nesse abraço com uma
intensa e rica afetividade - poderosa irradiação que banha e transforma
as potências da alma. A verdade e o amor formam como uma só
chama. Mas o conhecimento saboroso e experimental de Deus não
supõe uma visão imediata da divindade, esta é apenas vislumbrada no
espelho das criaturas.
271 LIVRO II
48. (13,36) - Sumário das idéias expostas nos caps. 13 e 14
Os caps. 13,35 a 14, 38 apresentam a conclusão da prova da existência
de Deus. Agostinho visa aí levar a mente a se unir à Verdade descoberta.
- No capo 13,35.36, ele mostra a excelência da Verdade sob dois
aspectos diferentes:
- 12, do ponto de vista sobretudo subjetivo (atento à comparação
com a própria mente).
- 22, capo 14,37.38, do ponto de vista objetivo, donde sobressai a
perfeita transcendência da Verdade.
Analisando melhor:
- No n. 35: Agostinho compara a v.erdade aos objetos percebidos
pelos cinco sentidos exteriores. E como um aspecto negativo da
Verdade.
- No n. 36: Eleva-se ao aspecto positivo: a Verdade vive na
mente humana. A Verdade é identificada com a Sabedoria, a
Beatitude e a Luz. Ela é como o "sol dos espíritos", conforme a
fórmula dos Solilóquios (1,8,15).
- No n. 37a: É na posse da Verdade que o homem encontra a
verdadeira liberdade.
- No n. 37b: Agostinho assinala o caráter universal da Verdade:
ela pertence a todos e a cada um.
- No n. 38: A transcendência da Verdade é apontada.
49. (13,37) -A nossa liberdade consiste na posse da Verdade
Nesta passagem, vemos Agostinho declarar bem expressamente
que é mediante o dom da fé que a alma fica submetida à verdade.
E é pela percepção e a posse da verdade que nossa liberdade se
constitui. Pois o homem não pode gozar de nada com a liberdade, se não
a gozar com toda segurança.
Para Agostinho, a liberdade não se define como a faculdade de
escolha arbitrária entre o bem e o mal, mas como o poder de se
determinar pelo bem e por Deus. Assim, não seremos realmente livres
senão no momento em que Deus nos tomar em suas mãos e nos
justificar, isto é, nos santificar.
50. (14,37) -A verdade - bem comum e universal
A verdade é para todos nós um tesouro comum. Todos podemos
dela desfrutar, sem que sua torrente diminua.
O tema voltará no final do item 38. E sobre a mesma temática,
leia-se: Confissões XlI,25,34; A Trindade VIII,1,2; 2,3. In I Jo m,6 e a
Carta 14,4, a Nebrídio.
51. (14,38) - O apelo de Deus
Diz belamente Agostinho nesta passagem que a Verdade, o mesmo
Deus, o Verbo feito carne, nos atinge, porque nos fala no exterior e também
se faz ouvir no interior. Lemos no original: Foris admonet, intus docet.
NOTAS COMPLEMENTARES 272
Agostinho é um especialista nessa escuta do apelo de Deus. Diz
ele nas Confissões )lU, 10, 16: "Tu me gritaste de longe ... e ouvi como se
ouve no coração". E a escuta dessa voz que nos introduz na verdadeira
felicidade.
52. (15,39) - Sentido da objeção de Evódio
Este texto está em relação com o 11,6,14, em que Agostinho
apresentava as grandes linhas da questão em debate. Naquela passagem,
Evódio apresentou uma reserva ao argumento de Agostinho:
"Seria preciso provar, não somente que existe alguma coisa acima da
razão, mas que não existe nada que esteja acima dessa realidade".
Agostinho respondeu-lhe, então, que se houvesse um ser acima esse é
que seria Deus. Mas o que poderia haver acima?
O presente n. 39 retoma a questão e mostra que, na realidade, a
hesitação de Evódio, então, era inspirada pela fé cristã, a qual denomina
o Verbo de Sabedoria de Deus e reconhece-lhe um Pai. Assim,
Agostinho vai mostrar, agora, que a Sabedoria é em todos os pontos
igual ao Pai e que de qualquer modo Deus existe. Ele responde,
apoiando-se na fé, porque a objeção fora feita apoiada na fé. Mas está
bem entendido aí que é uma objeção e não a tese, que possui unicamente
uma base racional. (Cf. Cayré, op. cit., p. 140.)
53. (15,39) - Apreciação da prova agostiniana da existência de Deus
O que dá originalidade e unidade à solução agostiniana ao
problema da existência de Deus é a perspectiva em que é considerada.
Esta é essencialmente interior. Com efeito, seu princípio inspirador é:
NoZi foras ire, in teipsum redi, in interiore homine habitat veritas (Não
saias de ti, volta para ti mesmo, a verdade habita no homem interior).
(Cf. A verdadeira religião, 39,72.)
Em conformidade com este princípio, Agostinho não procura a
solução dos problemas fIlosóficos no estudo da realidade externa, como
fizera Aristóteles, mas no estudo do mundo interior da mente.
Sem dúvida, o bispo de Hipona, como os fIlósofos gregos, concorda
que se possa chegar a Deus mediante os indícios cosmológicos. Mas ele
encontra indícios muito sugestivos da realidade divina no homem,
mais do que no mundo. Na mente humana estão presentes verdades
eternas absolutas, verdadeiras, que nossa mente contingente e mutável
não poderia produzir. Logo, existe Deus, razão suficiente dessas
verdades. (Cf. B. Mondin, Curso de fIlosofia I, p. 140.141.)
54. (15,39) -Na espiritualidade agostiniana, bases de um misticismo
natural
Agostinho, nesta sua obra, lança base de autêntico misticismo
natural- o mais puro e único válido que existe. O essencial encontrase
nesta afirmação: "Deus está presente na vida da mente". Tal conclusão
foi estabelecida através da observação da atividade da mente.
273 LIVRO II
Nas Confissões, Agostinho fala da imanência de Deus em nós,
associada à sua transcendência. Leia -se como ele afirma com vigor, em
formas ricas e enriquecedoras: "Entrei na sede da própria alma"
(Intravi ad ipsius animis mei sedem) (X,25,36). E ainda: "Onde te
encontrei para conhecer-te senão em ti mesmo, acima de mim?" (In te,
supra me) (X,26,37).
No final da presente obra, vemos Evódio rezar com fervor à
Verdade. Quer ele unir-se a Deus, em sua beatitude. Reconhece que
a sua própria mente que descobriu a Verdade, é impotente para manter
essa descoberta de modo estável. E necessário o recurso à religião.
A fé virá ajudar a razão para se ultrapassar. (Cf. Cayré, op. cit.,
p.141.)
55. (16,42) -Um pouco de estética agostiniana
Já observamos que em Agostinho encontramos a influência da
especulação pitagórica sobre os números, a sua essência e conexão com
o mundo. Todos os seres possuem uma estrutura matemática e racional.
São obra de uma maravilhosa engenharia, onde reinam as proporções
e a harmonia. As coisas todas foram criadas em ordem, número e
harmonia. Por isso, o universo é contemplado por Agostinho em suas
conexões metafisicas, sendo os números um dos mais importantes
laços das coisas com a Mente Criadora, na qual está o fundamento
lógico e primordial do Cosmos. Os números, isto é, as formas proporcionadas
das coisas, tão ajustadas a seus fins, revelam uma estrutura
racional e guiam até ao Número eterno, à Forma das Formas, ou
Sabed9ria incriada do Criador. (Cf. V. Capánaga, op. cit., p. 153.)
E de interesse ler, em A verdadeira religião, o texto do capo 40,74,
com a nota correspondente: "Todo ser tem seus números secretos".
56. (16,44) -A doutrina da participação e do exemplarismo
A participação tem papel muito universal no agostianismo.
Mostra estar em Deus o princípio de todas as coisas. Tudo vive em sua
dependência. Assim, tudo o que não é Deus, ele mesmo, participa de
Deus, seja no plano da existência, seja no do conhecimento ou do bem.
Duas outras doutrinas possuem ainda para Agostinho o valor de
princípio, pois unem o pensamento humano a Deus, de modo muito
próximo. Uma dessas doutrinas é o exemplarismo. No fundo, sustenta
ela a mesma teoria que a participação, mas considerada nas relações
de semelhança existente entre as criaturas e o Criador. Este é o
Exemplar; as criaturas, as cópias. (Cf. a nota 11 do 111,5,13.)
A outra doutrina, célebre na escola agostiniana, é a da iluminação.
Constitui uma particular aplicação da prova de Deus. Trata-se
agora da exemplaridade realizada no espírito que pensa e que conhece
a verdade. Implica uma intervenção divina especial, dotando o espírito
da capacidade de conhecer e julgar com certeza que ultrapassa as
nossas possibilidades naturais, como seres inferiores que somos. É
la. o Livre-arbílrio
NOTAS COMPLEMENTARES 274
uma participação criada à Verdade Perfeita que é Deus. Releia-se a
nota 3 (11,2,4).
57. (17,45) - Capítulo particularmente rico
Vemos aparecer aqui um aspecto novo da grande tese. Depois de
ter provado a existência de Deus, Agostinho nos assinala a presença
divina em todas as coisas. Deduz uma série de corolários do princípio:
"Deus existe e é o autor de todo o bem". Temos, neste item, páginas de
densidade e luminosidade extremas. Tais colocações fIzeram as delícias
dos grandes fIlósofos escolásticos.
Eis alguns princípios deduzidos:
- Todo ser mutável é também, necessariamente, perfectível
lformabilis), isto é, capaz de receber o ser, uma essência
existente.
- Nada pode se aperfeiçoar a si mesmo.
- Ninguém pode se dar a si mesmo o que não possui.
- Todo ser mutável deve receber sua perfeição de uma Perfeição
imutável. Esta fórmula é uma explícita demonstração do
princípio de participação.
- Os seres existentes, privados de toda perfeição, cairão no
nada.
Agostinho conclui desses princípios, expressamente, a ação do
Deus Criador e da Providência que conserva sua obra. Tanto mais que
"os seres criados não existiriam se a Providência não existisse". (Cf.
Cayré, op. cit., pp. 143-145.)
58. (17,46) -As ascensões agostinianas
Agostinho poderia ter-se contentado de comprovar sua demonstração
da existência de Deus pelo princípio posto acima: Tudo o que
existe vem de Deus, e também pela aplicação dos princípios complementares
deduzidos.
Vemo-lo, porém, aqui ir mais longe. Distingue três tipos de seres
existentes: os corpos sem vida - os vivos sem razão - e os espíritos
dotados de vida racional. Mostra assim que quer apoiar a sua demonstração,
não em qualquer ser, mas no tipo de ser mais perfeito: o espírito.
Por essa razão, a prova agostiniana da existência de Deus é denominada:
"prova da presença de Deus na vida do espírito".
Na realidade, a sua prova é uma ascensão fundamentada no
esquema: esse - vivere- intelligere. Nós o vimos passar da observação
dos sentidos exteriores para o sentido interior, deste para a razão, para
chegar enfIm à sabedoria. Dito de outro modo: pelo que é inferior à
razão (infra rationem) (cf. 11,5,12 - 6,13), até atingir a verdade que lhe
é superior.
Note-se que Agostinho não procede por abstração, mas por graus,
subindo na observação da hierarquia dos seres. De modo tal que o grau
superior não suprime os outros. Ao contrário, supõe-os, pois se apóia
275 LIVRO II
neles. O que é menos sustenta o que é mais. De outro lado, porém, o
mais contém o que é menos. O homem todo encontra-se unido na busca
do Ser supremo_ E é essa a sua teoria da subordinação.
59. (18,47) - Colocada a 3º questão: É o livre-arbítrio um bem?
No início deste L II (3,7), Agostinho indicava, com clareza, as três
metas a que se propunha:
1º - demonstrar a evidência da existência de Deus;
2º - mostrar que todo bem provém dele;
3º - que a vontade livre é um bem, porque procede de Deus.
Observa, agora, que a terceira questão já se encontra resolvida
nas conclusões das duas precedentes.
No fundo, tratava-se de afastar o escândalo de a vontade livre
poder vir a escolher o mal. Pois teria sido possível a Deus ter suprimido
essa possibilidade e fIxado a alma no bem, dizia Evódio.
Responde nosso doutor que tal possibilidade do abuso da liberdade
não implica que a vontade livre deixe de ser um bem em si (1848)
assim como o mau uso que se possa fazer dos seres corporais' nã~
impede que os corpos sejam um bem em si mesmos.
60. (18,47) - Passagem reivindicada pelos pelagianos
"Não se pode agir corretamente a não ser pelo livre-arbítrio da
vontade". Essa passagem é uma daquelas reivindicadas pelos pelagianos
em apoio de suas teses.
Cf. na Introdução deste livro, o item 8: "As Retractationes e o De
libero arbitrio", onde vêm selecionadas as passagens levantadas por
Agostinho como algo das reivindicações pelagianas. E como ele as refuta.
61. (19,52) - Benefícios da vontade livre
É bem manifesto a vontade livre ser um bem (19,50). Para nós,
é o meio de vivermos honestamente, praticando as virtudes das quais
é ela o sustento imediato.
"O livre-arbítrio foi concedido ao homem para que conquistasse
IJléritos", aflrma Agostinho no Contra Fortunatum maniquaeum, 15.
E ele o suporte de toda ordem moral, o princípio essencial de um mundo
de valores superiores.
A vontade livre leva a unir-nos ao Bem imutável. Encontramos
neste a felicidade, conformando-nos à "luz das virtudes".
No próximo item, Agostinho explicará como a vontade livre obtém
os melhores bens ao se voltar para o Bem imutável e, pelo contrário, como
se prejudica quando seu amor é privativo e parcial, uma real privação.
4 comunhão com Deus e os outros homens é a nossa autêntica riqueza.
E só a comunhão na unidade que nos traz a felicidade.
Nessas explanações, podemos constatar mais uma vez o otimismo
agostiniano. Que se releia o capo 16,41, deste l. 11: "A Sabedoria
revela-se em toda parte aos que a procuram".
NOTAS COMPLEMENTARES 276
62. (19,53) - O pecado: aversão do sumo Bem, conversão aos bens
inferiores
O livre-arbítrio é um bem médio, pois o seu bom ou mau uso está
na dependência da vontade. Se a vontade livre adere ao ~em
imutável e universal, isto é, à Verdade, para dela gozar" entao a
vontade chega a possuir a vida bem-aventurada, o que e o Bem
supremo do homem.
Mas a vontade livre pode se afastar desse Bem supremo, para
gozar de si mesma e das coisas inferiores. É isso o qu~ constitui o mal
moral e o pecado: Aversão do sumo Bem, ~onversao par~ .os bens
inferiores. Tais são os dois atos livres que decldem nossa felicldade ou
infelicidade eternas. (Cf. E. Gilson, op. cit., p. 19.0.).. .
Ao descrever psicologicamente o mal, Agostmho mclUl esses dolS
elementos: a aversão da vontade livre do Bem imutável e a conversão
aos bens mutáveis (Aversio a Deo et conversio ad creaturam). .
No próximo 1. 1I1, capo 24,72, ele se referirá às conseqüêncla~ ~a
aversão a Deus. O Criador deixa à criatura a liberdade de se decldlr
contra ele. Quão grande é a sua onipotência! .
Observemos como neste item Agostinho aborda o tema do partlcular
e do universal. A alma que ama só o que lhe é particular cai do
universal que é comum a todos, ao particular, que lhe é próprio. Apegase
a esse; bens como se fossem o todo. Ora, o universal vem de Deus.
Identifica-se com ele. Quando o homem não está mais aberto para
Deus, enfrenta sua própria limitação. Depois de se te.r afastado de
Deus, a vontade separatista termina seu percurso, camdo no nada.
(Sermo 142,3.) O pecado tem ligação com o nada! (Cf. Marcel Neusch,
Augustin, un chemin de conversion, p. 69ss.)
63. (20,54) -A solução platônica do problema do mal e Agostinho
Agostinho expõe, ~as Confissões (VII, cap~. _10-12), em .que
consistia a solução platômca do problema do mal. Vlsao essa que vlera
a se impor a seu espírito. Ensinavam os platônicos que o mal !lão é um
ser, mas uma privação, um limite ou deficiência: E p~r aí, vlnha a se
tornar até mesmo uma condição para a harmoma umversal. Mas no
ponto de vista moral, o mal t~nha sua origem na li~rdade humana.
Plotino também explicava asslm o mal, na sua 311 Eneades 11 e 11I, e na
4ª Enéades, lI, 26. .
Agostinho, que foi um adepto da teoria platônica do bem! 19ualmente
faz consistir todo o mal na carência do bem. Dessa manelra, um
ser existe tanto menos quanto mais carece de bem. Logo, o pecado que
é uma carência da bondade do liVt:e-arbítrio, não pode vir de Deus, mas
de um defeito de ser e do operar. E ele verdadeiro não-ser. A liberdade
de que goza o homem vem a ser a única fonte do mal. O mal moral tem,
pois, sua origem numa deficiência da vontade livre, porque todo bem,
por mínimo que seja, vem de Deus.
\
I
f
277 LIVRO II
No início do próximo 1. lU, nos caps. 1 e 9, Agostinho voltará a
desenvolver essas idéias. Cf. ainda no De Ordine, 11,4 e nas De diversis
quaestionibus, q. 24 e 27. E ainda, numa carta a S. Jerônimo (carta
166,5,13). Aí, a ordem estética do universo é posta em plena luz.
64. (20,54) - Sem a graça divina ninguém fica livre do mal
Agostinho indica este texto, em suas Retractationes (9,6), como
sendo uma resposta antecipada aos pelagianos sobre a necessidade da
graça. Acrescenta ter insistido sobre essa questão nas seguintes
passagens, além da presente: 11,19,50 e no livro 11,50-52.
Ensina ele que o próprio livre-arbítrio e suas boas ações são o
fruto da graça divina. Essas afirmações possuem especial interesse
também no ponto de vista fUosófico. Fazem-nos penetrar até o cerne na
doutrina agostiniana, na qual tudo no universo está explicado por sua
dependência de Deus. Desse modo, quanto mais nós dependermos de
Deus pela graça, tanto mais seremos livres. Em outras palavras, tanto
mais livre é o homem, quanto mais opta pelo bem e aproxima-se dele.
A verdadeira liberdade não consiste na faculdade de escolher entre o
bem e o mal, e sim no poder voltar-se para o bem e renunciar ao mal.
No De correptione et gratia 3,2, diz Agostinho: "Pois não é o livrearbítrio
ainda mais livre, quando não pode servir ao pecado?"
LIVRO 111
1. (1,1) - Vista geral do livro III
O livro UI estuda o livre-arbítrio relacionando-o com a ordem
reinante no universo. Agostinho sempre se esmerou em exaltar a
ordem universal da criação, da qual o livre-arbítrio, ainda que sujeito
ao pecado, é um dos elementos constituintes., _
Na Introdução deste livro lU (1,1-3) e tratada a questac da
origem da inclinação da alma para os bens transitórios, em detrimento
da busca dos bens imutáveis. Esse movimento que afasta a vontade de
Deus é certamente culpável, e provém da debilidade humana para agir
bem.
No correr do livro serão tratadas questões relativas às dificuldades
e fraquezas do livre-arbítrio da vontade. Mas em ~~as.as ~i~uações,
Agostinho encontrará motivos para louvar a.ProVIdencla dlvma.
Podemos distinguir, neste livro IlI, as segumtes partes:
l Q -de 2,4 a 4,11: o problema de se conciliar a liberdade humana
com a prescência divina;
2º -de 5,12 a 16,46: a parte mais extensa. Desenvolvimento de
uma série de considerações a respeito das relações entre o
pecado e a Providência;
3Q -de 17,47 a 25,77: problemas diversos. Sobretudo: o da origem
de nossas almas individuais e a busca de uma explicação
psicológica do primeiro pecado de Adão e o do demônio.
A obra termina com um magnífico elogio da sabedoria - o oposto
do orgulho.
2. (1,2) - Qual a causa do mal no homem?
Etienne Gilson explica muito bem estas proposições:
"Afirma Agostinho: todo bem vem de Deus. Na natureza, tudo é
um bem, pois tudo vem de Deus. Se um esboço de ser já é certo bem, a
supressão total de bem equivale, por definição, a uma supr~~são total
de ser. Torna-se contraditório imaginar-se uma causa pOSItiva, como
é Deus, estar na origem do movimento de aversão, pela qual a vontad~
livre afasta-se dele. Sem dúvida, Deus criou a vontade senhora de SI
mesma e capaz de se apegar ao sumo Bem, e também capaz de se
afastar dele. Contudo, a vontade assim criada poderia desprender-se
de Deus, mas não deveria fazê-lo necessariamente. Sua queda, visto
que foi de fato uma queda, não é natural e fatal, como a de uma pedra
que cai, mas a queda livre de uma vontade que consente". .
Podemos ler tais questões desenvolvidas de modo maIS pleno
em outra obra de Agostinho: De diversis quaestionibus, 83, nn.
1 a 4. (Cf. E. Gilson, Introduction à l'étude de saint Augustin, pp.
190.191.)
.~
\
)
(
,
\ I
I
279 LIVRO UI
3. (2,5) - Será o destino o responsável por nossas ações?
Observa Agostinho serem muitos aqueles que não crêem a divina
Providência dirigir com bondade os acontecimentos humanos. Também
não crêem serem as próprias ações o resultado de uma livre opção.
Daíjulgarem-se isentos de responsabilidade por seus atos. Dizem eles:
Se pecam, é porque foram forçados a isso. Abandonam-se assim, ao
destino, de corpo e alma, entregando-se a toda sorte de vícios. Negam
ajustiça divina e fazem pouco caso da humana, procurando desculparse,
responsabilizando por suas más ações a sorte, a fortuna ou o destino
cego.
Ora, Agostinho demonstra, nos capítulos que se seguem, que a
presciência divina não retira a liberdade de nossos atos e sua conseqüente
responsabilidade. Nessas famosas passagens, coloca ele todos
os recursos de sua poderosa e sutil dialética, para anular qualquer
oposição entre presciência e liberdade.
4. (3,7) - O poder da vontade
"Nada está tanto em nosso poder quanto a vontade, pois está ela
disposta à execução, sem demora alguma, no instante mesmo em que
o queremos".
Tal colocação parece-se muito com as do sistema pelagiano que
apregoava a independência absoluta da liberdade e seu poder ilimitado
para o bem, como para o mal. Assim, a virtude só viria a depender
de nós!
Já comentamos longamente sobre essa questão problemática da
autodeterminação absoluta da verdade, na nota 31, correspondente ao
texto do 1. 1,13,29.
Todavia, é preciso relevarmos as afirmações de Agostinho no
final do 1. lI, 20,54, em que ensina o livre-arbítrio e suas boas ações
serem o fruto da ajuda divina: "O homem não pode se reerguer por si
mesmo".
5. (3,7) - Plano da exposição sobre a presciência de Deus e nossos
pecados
Deus conhece de antemão nossos atos, mas nossa vontade é livre.
Essas duas verdades são incontestáveis, tanto uma como outra. E
Agostinho empenha-se em conciliá-las, nestes capítulos.
No capo 2,4, Evódio propusera a questão preocupante: "Como
pode existir uma vontade livre, onde é evidente e inevitável
certa ação?"
No capo 3,6, Agostinho apresenta a mesma questão com maior
precisão: "Como não há contradição e incompatibilidade entre
o fato de Deus saber com antecedência todos os acontecimentos
futuros e o fato de nós pecarmos livre, e não necessariamente?"
No capo 3,8, encontramos a resposta explicativa.
NOTAS COMPLEMENTARES 280
No capo 4,9, Evódio insiste novamente, porque confessa ainda
não ter conseguido entender como os dois termos não se
contradizem.
No item 4,10, Agostinho explica~lhe que é preciso não confundir
presciência e causalidade. E dá como exemplo a experiência
da própria presciência humana.
No item 4,11, Agostinho apresenta a conclusão final: "Deus
por sua presciência não força os acontecimentos futuros a se
realizarem".
6. (3,8) - Deus prevê os nossos atos livres
"Nossa vontade sequer seria vontade, se não estivesse em nosso
poder. Ora, por isso mesmo que está em nosso poder, é livre para nós".
A presciência de Deus tem por objeto precisamente os nossos atos
livres. O fato de Deus os conhecer não é, necessariamente, a condição
de forçá-los a que se realizem. Deus sabe que eu farei livremente tal
ação. Assim, a presciência não age mais sobre o futuro do que a
memória sobre o passado.
7. (3,8) - Agostinho, pertinaz defensor da liberdade
"Santo Agostinho sempre sustentou que a liberdade é um fundamento
de antropologia cristã. Defendeu-a contra os maniqueus, seus
antigos correligionários; contra o determinismo dos astrólogos, de que
ele mesmo tinha sido vítima; e contra toda forma de fatalismo" (João
Paulo 11, Augsutinum Hipponensem, nota 160).
Leia-se ainda o que o bispo de Hipona afirma a respeito dessa
temática, em A Cidade de Deus, nos caps. 8.9.10, do livro V.
Na polêmica contra o pelagianismo, demonstrará, com insistência,
como a liberdade e o auxílio da graça divina não se opõem.
É verdade que nos últimos anos de sua vida, justamente em
reação à superemancipação da independência absoluta de vontade em
relação a Deus, defendida pelos pelagianos, dará ele mais e mais
espaço à ação da graça divina. Chegará mesmo a afirmar a predestinação
e a perseverança dos santos ser devida totalmente à ação gratuita de
Deus.
Contudo, é considerada como a opinião mais correta de Agostinho
a que se encontra na resposta dada a Simpliciano (no De diversis
quaestionibus ad Simplicianum, I, q. 2) no ano 397. (Cf. Dict. Théol.
Catholique, colo 2378ss.)
8. (5,12) -As questões de Evódio
Evódio revela-se, neste diálogo, como discípulo muito respeitoso,
fornecendo a Agostinho, em freqüentes interrupções, a ocasião de
aprofundar os seus pensamentos.
Nesta passagem, Agostinho alude às questões feitas por ele neste
I. 111, a saber:
f
281 LIVRO IH
A primeira relaciona-se com a presciência de Deus (2,4).
A segunda, com a justiça de Deus (4,9).
E agora, a terceira, que introduz o problema mais longo da
Providência no mundo (5,12).
9. (5,12) -O otimismo agostiniano
No presente capítulo, Agostinho dá-nos a marca de verdadeiro
otimismo,. Faz-nos lembrar Leibniz e Plotino. É preciso notar, porém,
que o otimismo agostiniano não é absoluto. Por aí, distingue-se
essencialmente do otimismo daqueles dois outros fIlósofos. Para esses,
o mundo atual é o melhor possível, absolutamente falando. Ao contrário,
Agostinho reconhece, francamente, os limites de nossa razão em
face de Deus. Confessa humildemente o mistério da liberdade divina.
Leia-se no De genesi contra manichaeos, o esclarecedor capo 2,4,
do I. I; e em De diversis quaestionibus 83, q. 28: "Por que quis Deus criar
o mundo?"
Para Agostinho, Deus, sendo infinitamente bom e sábio, produz
sempre o que é melhor, mas isso no plano atual de sua Providência, por
ele livremente fixado. O que não exclui a possibilidade de um outro
plano, onde poderia ter sido criado um mundo melhor do que o nosso.
(Cf. Thonnard, B. A. VI, nota 27, p. 514.)
10. (5,13) - Uma fórmula ousada?
Se nós concebermos algo melhor conforme a razão dotada de
verdade, graças à iluminação divina, mesmo se não a verificarmos pela
experiência, devemos afirmar que isso existe. Haverá certa ousadia
nessa afirmação? Todavia, tal fórmula pode ser legitimada pela teoria
do exemplarismo e da iluminação. A teoria do exemplarismo, concebida
como exercício da ca1,lsalidade perfeita, pertence à essência mais
íntima do agostinismo. E por influência d'as Idéias divinas que todas
as coisas são o que são. (Cf. Thonnard, op. cit., nota 28, p. 515.)
11. (5,13) -A doutrina do exemplarismo
Encontramos aqui nova e clara referência à teoria do exemplarismo.
Pode esta doutrina ser expressa nestes termos: Todo ser é uma
realização de uma idéia de Deus e todo conhecimento uma participação
e seu pensamento, que é o perfeito exemplar das coisas.
Interessa reler a nota 56 do 1. 11,16,44, sobre a relação entre a
teoria da participação, do exemplarismo e do iluminismo.
12. (5,14) -A Providência conforme Plotino e Agostinho
Comparando a teoria de Plotino com a teoria agostiniana sobre
a Providência, desenvolvida neste I. IH, e igualmente no De Ordine e
no De Musica, VI, constata-se a inegável influência do pensador pagão
na fIlosofia cristã, assim como as preciosas retificações que a fé católica
ofereceu ao bispo de Hipona.
NOTAS COMPLEMENTARES 282
Plotino consagra especialmente à Providência os tratados 11 e 111
da 31! Enéades. Diz ele entre outras coisas: "As partes devem ser
examinadas em sua relação com o conjunto". Ora, tal princípio é
constantemente lembrado por Agostinho. Essa é mesmo uma das
idéias centrais da presente obra. Idéia que inspira, em particular, o
famoso otimismo agostiniano. Aflrma Plotino ainda: "Os seres que
chamamos maus têm também seu papel e sua beleza... São mais
fracos, mas a beleza do universo não flca diminuída por isso". Esse
tema é retomado com gosto neste capítulo e no 12,35, para mostrar que
as almas, mesmo as pecadoras, embelezam em seu plano e a seu modo
a obra de Deus. (Cf. Thonnard, op. cit., nota 26, pp. 511.512.)
13. (6,16) - Clara referência aos maniqueus
Agostinho refere-se aqui explicitamente ao erro maniqueu de
conceber a essência de Deus como algo corpóreo, como já observamos
na Introdução deste livro.
Em seu conjunto, o De libero arbitrio é uma refutação da solução
dada pelos maniqueus ao problema que atormentava tanto ao jovem
Agostinho. Havia.ele encontrado no dualismo maniqueu uma solução
fácil e aparentemente satisfatória, naquela época. Não lhe desgostava
considerar sua alma como uma parcela de Deus e lançar sobre o
princípio do mal, localizado no corpo, a responsabilidade preocupante
de suas fraquezas morais.
Procure-se em Conflssões, V,10,18 e VII,l,l, o que ele diz a esse
respeito.
14. (6,18a) -A ausência da participação de Evódio
Encontramos aqui uma interpelação a Evódio-o interlocutor de
Agostinho neste diálogo. Entretanto, desde a segunda parte deste L 111
(5,12), havíamos deixado de encontrar qualquer interferência sua. E
daqui por diante, ele não mais será lembrado. A não ser muito
rapidamente, no flnal do capo 16,46 e no 17,47. A razão é que Evódio não
mais se encontrava ao lado de Agostinho em Tagaste, tampouco em
Hipona, no ano 395, quando esta obra foi terminada.
15. (6, 18b) -É compreensível o desejo da morte?
Numa série de considerações, Agostinho demonstra que não se
pode, de modo algum, censurar a Deus por haver criado a vontade livre,
mesmo sendo ela falível e pecadora. Nesse intuito, desenvolve algumas
observações inspiradas em profunda psicologia da qual é mestre.
Encontram-se pecadores que se tornaram infelizes por um justo
castigo, e que declaram preferir ser nada a sofrer. Mentem a si próprios,
aflrma Agostinho. O que eles procuram, ao desejar o nada, é o
reflexo de profunda aspiração pelo descanso, isto é, por um estado
melhor para seu ser. J.>orque nenhum desejo sincero pode tender ao
nada, sem se destruir. E porque, no fundo, todo desejo ao procurar o ser,
I
283 LIVRO III
testemunha seu gosto pelo Ser supremo, Deus, e manifesta que a
natureza humana é boa. (Cf. Thonnard, op. cit., introd., pp. 132.133.)
16. (7,21) -A aspiração ao verdadeiro ser
Esta é uma das mais belas passagens desta obra. Agostinho
sempre gostou de refletir sobre a fugacidade das coisas temporais.
Encontramos magnillcas passagens sobre essa temática em diversas
obras suas. Por exemplo, nos Comentários aos Salmos 109,20; 38,7;
76,8. E nas Conflssões (IV,10,15), podemos ler com proveito o que ele
comenta sobre "O destino efêmero das criaturas".
Diz Erich przywara: "Toda experiência das criaturas manifesta
que elas não 'são', mas somente que 'foram' e 'serão'. E por certo, toda
nossa busca dirige-se a um genuíno 'é', no qual e em virtude do qual
todas as coisas 'são'. Esse 'ser' é Deus". (Cf. SanAgustin, PerfIl humano
y religioso, p. 175.)
17. (8,23) -O significado do "quies" agostiniano
"Quies, etis", que neste lugar traduzimos por respouso ou tranqüilidade,
e em outros por: calma, quíetude, serenidade, possui signiflcado
muito denso, que é preciso não perder de vista. No seguimento
do estoicismo, Agostinho deixa-nos aquí vislumbrar o que entende por
esse vocábulo. A "tranqüilidade" não se confunde com o nada. Constituí,
pelo contrário, um modo superior de existência. O espírito tranqüilo
tem a permanência do que em toda verdade pode ser dito: a
existência em plenitude. (Cf. Braga, op. cit., p. 196, n. 15.)
Assim, para Agostinho o "quietus esse" equivale a "magis esse".
Possui mais riqueza de ser aquele que está tranqüilo do que aquele que
está irrequieto.
18. (9,26) - "Etiam peccata"; até mesmo os pecados!
Paul Claudel, na sua obra "Soulier de Satan", colocou como
epígrafe esta expressão de Agostinho: "Etiam peccata", no sentido de
que até mesmo os pecados gloriflcam a Deus.
Ora, nesta passagem de livre-arbítrio, o sentido da expressão é
outro. Pelo contexto, constatamos que Agostinho a emprega como uma
objeção à qual se opõe. Diz ele: "Objetam-me: se a nossa própria miséria
completa a perfeição do universo, teria faltado alguma coisa a essa
perfeição, no caso de sermos sempre felizes. Logo, a alma ao cair na
desgraça ao pecar, até nossos pecados seriam necessários à perfeição
do universo ... " eis a minha resposta a tal objeção: "Não são os pecados,
nem a própria miséria que são necessários à perfeição do universo, mas
as almas como almas ... "
No Enchiridion (24,96), Agostinho apresenta com clareza o seu
pensamento: "A existência dos pecadores contribui à perfeição do
universo. Contudo, eles não contribuem enquanto pecadores, mas
como vontades livres, tendo a capacidade de pecar ou não".
NOTAS COMPLEMENTARES 284
Mais adiante, no capo 11,32, leremos uma interessante referência
à capacidade de pecar dos anjos e das criaturas humanas, com a
respectiva repercussão na ordem universal.
19. (9,26) -A ordem do universo transcende os pecados individuais
Tudo vem de Deus, tudo conduz a Deus. O mundo está sabiamente
dirigido conforme regras e medidas harmoniosas. Pode acontecer que
certos detalhes pareçam apontar alguma desproporção, e assim parecer
perturbado o equilíbrio do conjunto. Mas tudo é belo e bom, tudo está em
seu lugar no vasto universo. O importante não são casos particulares e
fatos individuais, mas a harmonia do todo-tanto no mundo moral como
no mundo fisico. (Cf. Bardy, Saint Augustin, p. 503.)
20. (9,28) -A admirável conveniência da redenção
No pensamento de Agostinho, a Providência divina aparece em
poderosa originalidade e incontestável superioridade sobre o pensamento
neoplatônico de Plotino (cf. nota 12, do 1. 11I,5,14).
Longe de comprometer a liberdade humana, é nela que o santo
doutor encontra a explicação do pecado. Mas isso nada diminui a
bondade, sabedoria e poder do Criador, que, após ter tirado o mundo
do nada, govema-o a cada instante. Merece Deus nossos louvores em
tudo, mesmo permitindo o pecado!
Agostinho, ainda que raciocinando o mais freqüentemente como
puro fIlósofo, mostra-se penetrado pela conveniência da redenção (cf.
9,28-10,31). E esta terceira parte do livro III é, na verdade, mais de
ordem teológica do que filosófica.
No capo 25,76, concluirá: "Resgatados pelo sangue de Cristo,
devemos aderir a nosso Salvador por uma tão grande caridade, que
objeto exterior algum possa nos separar dele".
Realça Agostinho a perfeita harmonia entre a bondade imutável
de Deus, que não pode senão irradiar o bem, e o drama do pecado e o
da redenção, obra-prima da Providência. (Cf. Thonnard, op. cit., nota
26, pp. 513.514.)
21. (10,30) - De1J,s exorta-nos no íntimo pelo exterior
Esta é uma das belas passagens teológicas da obra. "Deus nos
forlnsecus admonens". Agostinho, com freqüência, emprega os verbos
"monet" e "admonet" no sentido de Deus nos admoestar, exortar,
advertir, chamar a atenção.
Existe uma advertência para a interioridade, no próprio regime
da exterioridade. Note-se a presente passagem: "Cristo, pão dos anjos,
faz-se homem para nos levar ao regime da interioridade, isto é, para
dispor-nos e participar dele com os anjos, pela fé ... "
No l. lI, 14,38, já encontramos a bela expressão: "Deus foris
admonet, intus docet" (Deus adverte-nos por fora, ensina-nos no
interior). Cf. a nota 51: "O apelo de Deus".
285 LIVRO III
22. (10,31) - Os direitos do demônio e a redenção
É da tradição patrística a exposição do dogma que apresnta Jesus
Cristo, mediador entre Deus e os homens, vindo nos resgatar do pecado
pelo sacrificio expiatório da cruz. Agostinho, em particular no correr de
suas controvérsias pelagianas, ensina claramente essa doutrina como
oriunda das próprias Sagradas Escrituras.
Quanto à teoria dos "direitos do demônio", que é apenas um
tema secundário, não significa ela, de modo algum, que Jesus Cristo
veio pagar um penhor ao demônio, para obter a libertação do
homem.
Neste capítulo, Agostinho mostra que o pecado sem ser necessário,
nada tira da perfeição da ordem do universo. Mas, por certo, o papel
do demônio na redenção, ainda que muito secundário, interessava
bastante a nosso santo doutor. Via ele aí um exemplo expressivo dos
métodos da divina Providência, pondo um remédio ao lado do mal, para
obter um bem maior do conjunto.
Podemos encontrar outra boa exposição da doutrina da redenção,
em A Trindade, XIII,12,16-15,19. Consultem-se, na edição em português,
as notas complementares correspondentes.
23. (11,32) - Contribuição de toda criatura à beleza do universo
Agostinho continua a insistir: todo ser criado, angelical ou
humano, material que seja, justo ou pecedor, contribui para a beleza
universal. A criatura racional contribui à ordem do universo, quer
persevere ou não na justiça. Leia-se o quejá foi dito atrás, no capo 9,26,
com a nota 19 correspondente.
24. (11,33) - Fórmula trinitária
Na fórmula latina: "ex quo, per quem, in quo", há clara alusão às
Pessoas da SSma. Trindade. Agostinho serve-se dessas expressões
para caracterizar a ação de Deus na criação.
- Ex quo - "a partir de quem" - indica a causa eficiente, e
designa o Pai eterno, primeiro Princípio, ao qual é atribuída a
criação, por apropriação.
- Per quem - "por quem" - indica o meio da ação, o Verbo de
Deus, cujas idéias exemplares são a luz que dirige o Criador.
Cf. "Omnia per ipsum facta sunt" (Jo 1,3 e Cl1,16).
- Inquo - "em quem" - indica a união, isto é, o próprio Espírito
Santo vivificador.
25. (12,34) -A doutrina da matéria espiritual
Agostinho aceita como verossímil, sem o afirmar de modo absoluto,
a famosa doutrina da Idade Média, de uma matéria espiritual ou
de um corpo celeste.
A influência do Criador esclarece e enriquece, primeiramente, o
mundo dos espíritos mais próximos de Deus.
NOTAS COMPLEMENTARES 286
Vemos, nesta passagem, Agostinho refletir sobre os anjos, aplicando-
lhes, por analogia, a nossa psicologia. Mais adiante, nos caps.
23,69 e 25,75, ele tomará a fazer alusões aos corpos celestes.
26. (12,36a) -Nova aplicação a erros dos maniqueus
Em refutação à doutrina dualista dos maniqueus, Agostinho
afIrma aqui ser totalmente inútil imaginar uma substância má, a fun
de salvaguardar a bondade de Deus. Toda substância é boa. Ao
desaprovar o vício ou corrupção que se encontra no mundo, por esse
mesmo fato estamos louvando a natureza assim atacada e, mais ainda,
ao Criador.
27. (13,38) - Sentido dos termos: "vício" e "corrupção"
Para melhor compreensão do texto, lembremos que o termo
latino "vitium, ii" não possui unicamente o sentido moral de algo oposto
à virtude. Signiflca igualmente: defeito, deformidade, desaprovação ou
alguma imperfeição do ser.
Ora, qualquer seja o termo empregado, é preciso ter bem clara a
idéia de Agostinho: todo vício ou defeito supõe o bem.
O mesmo se diga do termo "corrupção" (corruptio, onis). Cf. lU,
13,36b.
28. (14,41) -A matéria é boa - refutação a maniqueus e neoplatônicos
Toda esta argumentação, em função de declarar a bondade de todos
os seres, é uma contestação aos maniqueus, que consideravam a
matéria como sendo má em si.
Ao mesmo tempo, Agostinho refuta, eficazmente, a doutrina
neoplatônica de Plotino sobre a matéria, ainda que não se refIra
a isso.
A matéria, longe de ser fonte do l!lal, é para o bispo de Hipona
uma realidade boa, visto vir de Deus. E o último e menor reflexo de
Deus, sendo pura capacidade. Ora, "poder ser" já é participar do ser e
portanto capaz da bondade do ser.
Essa tese fundamental distingue radicalmente o agostianismo
do neoplatonismo, apesar de haver, alhures, um evidente parentesco
de espírito entre as duas fIlosofIas.
29. (15,42) -A arte divina
A palavra "arte" (ars, artis) aparece três vezes neste parágrafo.
Refere-se à Sabedoria de Deus, isto é, às idéias existentes na mente
divina e que constituem o exemplar dos seres criados. E é essa a teoria
do exemplarismo, como já vimos na nota 11 deste l. IH.
Porintluência destas idéias divinas, todas as coisas são o que são,
possuindo a existência e a sua forma ou perfeição específlca.
Só pela iluminação divina, poderemos compreender algo das
idéias de Deus.
\
r
( ,
287 LIVRO IH
30. (15,43) - Um capítulo de transição
Todo este capítulo 15 gira em tomo do que "é devido" (debuit) a
Deus. Serve assim de transição para uma nova razão de se louvar a
Deus: a justiça. Três idéias se encadeiam:
11l -A criatura inferior, por não possuir um ser que permaneça,
nada "deve" à Providência, ao se extinguir (42).
211 -A vontade livre, por ter recebido um ser mais perfeito, ao fazer
o que deve, isto é, ao realizar o bem, gloriflca a Deus (43).
31! -Se não o fIzer, a justiça será restabelecida pela punição. A
glória de Deus será assim salvaguardada (44).
Agostinho distancia-se agora das objeções aos maniqueus, para
se voltar a um tema mais fundamental: o das relações entre pecado e
Providência. Chega assim, por uma transição bastante natural, à
conclusão geral desta parte: a divina Providência é digna de louvores
em todas as suas obras, mesmo ao criar vontades livres que podem vir
a pecar, por culpa própria. (Cf. Thonnard, op. cit., n. 34, p. 532.)
31. (17,47) - Esquema da terceira parte do livro 111 - Problemas
diversos
Esta última parte do livro lU é dedicada a responder às dillculdades
que naquela ocasião apresentavam-se muito atuais. Quase
todas elas referentes a questões propostas pelos maniqueus.
Para maior clareza, distingamos quatro séries de problemas:
A - de 17,47-50: A vontade livre - causa primeira do pecado.
B - de 18,51-22,65: A situação atual da humanidade devida ao
pecado original.
C - de 23,66-70: A morte e sofrimento das crianças.
D - de 24,71-25,77: O primeiro pecado de Adão, e o do demônio. O
orgulho, causa do pecado, impedimento à passagem para a
sabedoria. Elogio da sabedoria.
32. (18,50) - Defesa de Agostinho perante os pelagianos
Pelágio, ao abusar desta passagem foi, assim, literalmente refutado
por Agostinho, nas Retractationes (9,3): "Reconheço que essas
palavras são minhas, mas Pelágio precisa reconhecer tudo mais que
vai escrito acima desse texto. Os pelagianos afIrmam de tal modo o
livre-arbítrio da vontade, a não deixar mais lugar para a graça de Deus.
Asseguram que a graça nos é dada conforme nossos méritos. Mas que
eles não se gloriflquem de me terem como advogado, sob o pretexto de
que nos meus livros sobre O livre-arbítrio eu tenha dito muita coisa em
favor da liberdade, como exigia a nossa discussão de então".
O bispo de Hipona voltará ainda a fazer expressa menção das
suas posições no De libero arbitrio, defendendo-as dos pelagianos, em
seu De dono perseverantiae, 11,26 a 12,30.
Leia-se nova nota sobre esta temática, mais adiante, a n. 40,
referente ao capo 20,58.
NOTAS COMPLEMENTARES 288
33. (18,51) -A natureza humana foi criada boa
A presente resposta de Agostinho aos maniqueus é considerada
excelente. Lutando contra a heresia maniquéia, ele não precisava
demonstrar, na ocasião, o papel de graça na vida humana.
Nem mesmo pôr em relevo a importância do pecado original ou de
suas conseqüências. Devia, sim, como o fez, insistir sobre a excelência
da natureza humana, a qual, vinda de Deus, foi criada boa e
que não se teria afastado do Criador, sem as debilidades voluntárias
de seu livre-arbítrio. (Cf. G. Bardy, Les Révisions, B. A. VIII, p.
187.)
34. (18,52) - O estado primitivo de nossos primeiros pais
Esta passagem vem citada por Agostinho nas Retractationes
(9,5), para demonstrar aos pelagianos como ele já ensinava o pecado
original, antes da controvérsia pelagiana. Deus não criou o homem
num estado de ignorância e dificuldades. Essa situação atual é o
castigo pelo pecado. A nossos primeiros pais Deus concedeu a sabedoria,
a retidão no exercício do livre-arbítrio, a imortalidade, e dom,
ainda mais precioso, a graça santificantes. Todos esses dons, conforme
Agostinho, formam parte da natureza humana. Mas pelo pecado
original, a natureza ficou profundamente transformada. De boa,
tornou-se inclinada para o mal.
Santo Tomás distingue a natureza humana pura, sem os dons
preternaturais que foram perdidos e os dons sobrenaturais, como
o da graça divina, não devidos à natureza do homem. Agostinho não
faz essa distinção, mas insiste que a nossa natureza ficou deteriorada.
Nos próximos capítulos, em especial de 19,53 a 22,65, Agostinho
voltará muitas vezes à idéia dos males atuais de nossa natureza,
sintetizados por ele, na ignorância e nas dificuldades (ignorantia et
difficultas). Devem essas deficiências ser superadas na busca da
virtude. Os dois males apontados são relativos às duas faculdades
humanas: a inteligência e a vontade. A plena superação deles só será
quando atingirmos a meta final, na beatitude da sabedoria e no pleno
gozo do repouso de Deus. (Cf. 22,64.)
35. (18,52) -A pena do pecado original
Agostinho foi o primeiro a elucidar, com clareza e precisão,
o caráter da culpa inerente ao pecado de Adão, transmitido a todos
os homens. É o pecado original um "peccatum" e ao mesmo tempo
a "poena peccati". Está comprovado, principalmente por Rm 5,
12.
Pertence à essência do pecado original o ser réu da concupiscência
(reatus concupiscentiae), que consiste na carência hereditária da
união espiritual vital com Deus. Essa pena é apagada no batismo. (Cf.
B. Altaner, A. Stuiber, "Patrologia", p. 436.)
f
i
, , ,
289 LIVRO III
36. (19,53) -A consoladora mensagem desta obra: Deus está conosco
O pecador não pode queixar-se, a não ser de si mesmo, se vier a
ser infeliz. No fundo, o único pecado é o desprezo da graça. De modo
algum, o pecado se dá necessariamente no homem. Caso ele queira
voltar-se para Deus, e pôr em ação a própria vontade, a ajuda do
Criador, infinitamente bom, não lhe há de faltar. Realiza assim Deus
a ordem da divina Sabedoria, levando o homem, sua criatura, à
felicidade.
Sem dúvida, essa insistência de Agostinho a nos fazer retornar
para Deus a fim de solucionar o problema do mal, sob todos os aspectos,
faz a unidade da presente obra. ,
E que grande lição para nós! E esse o único método eficaz para
obtermos o apaziguamento interior.
Com efeito, como não nos abandonarmos com plena confiança à
bondade onipotente de Deus, quando compreendemos, com Agostinho,
que Ele é a bondade, incapaz de querer para nós outra coisa senão o
bem?
Não se trata, porém, de abandono preguiçoso, como o dos quietistas
ou fatalistas. O presente diálogo põe especialmente em destaque o
papel do livre-arbítrio. Sem ainda falar muito da graça, Agostinho a
supõe constantemente.
Vemos assim quanto o agostinismo, bem compreendido, é essencialmente
otimista. (Cf. Thonnard, Introdução ao B. A. VI, p. 134.)
37. (20,56) - Um grande problema para Agostinho: a origem da alma
A origem da alma foi problema que sempre preocupou e atormentou
Agostinho, durante toda a sua vida. Conhecia ele, perfeitamente,
graças às luzes da fé e da fIlosofia neoplatônica, que a alma é superior
ao corpo. Conhecia também os seus atributos: simplicidade, imortalidade
e sua capacidade de ser elevada à ordem sobrenatural da graça.
Mas sempre, de algum modo, direta ou indiretamente, ao referir-se à
sua origem, o seu espírito flutuava entre soluções opostas, permanecendo
em dúvidas e vacilações. Parecia-lhe estar diante de um mistério
profundo.
Para nosso melhor esclarecimento da questão, é preciso distinguir
entre a origem das almas de Adão e Eva e a origem das almas de
seus descendentes. As de Adão e Eva foram, sem dúvida, criadas
diretamente por Deus, como as Sagradas Escrituras dizem expressamente
(Gn 2,7). Agostinho defende isso com rigor e repele qualquer
outro modo de aparição da primeira alma. Suas inquietações
correspondem acerca da origem das almas dos descendentes de Adão
e Eva. Parte ele do princípio que nega e refuta expressamente o fato e
a possibilidade de que as almas provenham por emanação da substância
divina. Isso contra os gnósticos e os maniqueus. Igualmente, repele
o traducianismo materialista de Tertuliano. Exclui também e combate
a metempsicose, e não admite a preexistência das almas, doutrina de
NOTAS COMPLEMENTARES 290
Platão e Orígenes. Nessa hipótese, as almas capazes de pecar tornavam-
se culpadas, recebendo como castigo serem encerradas em corpos
mortais. (Cf. M. Lanseros OSA, Introdução ao "De anima et eius
originae", BAC m, p. 763.)
38. (20,56) - Diversas hipóteses a respeito da origem da alma
Para Agostinho, como surge a alma em um novo ser racional?
Quatro hipóteses apresentavam-se a ele como possíveis. Leia-se
a boa síntese que ele faz, no início do capo 21,59.
12 - As alm~s transmitem-se por geração, da alma dos pais à dos
fIlhos. E o tradiciunismo espiritualista (20,55).
2º - Deus cria uma alma para cada indivíduo no momento de
começar a viver. É a tese do creacionismo. Agostinho gostaria
de que assim fosse. Mas sentia dificuldade de explicar a
transmissão do pecado original (20,56).
32 - As almas criadas por Deus existem em algum lugar, sem
possuir falta alguma precedente. São enviadas por Ele, em
tempo oportuno, para reger os corpos (20,57).
4º - Elas baixam por própria vontade, para virem habitar os
corpos (20,58).
Sem fIxar sua escolha, Agostinho, neste capo 20, justifica, sob
qualquer hipótese, a divina Providência. Pretende explicar o estado de
nossa miséria, diante de todas essas situações. E como a bondade do
Criador pode ser justificada, e continuar a ser digna de inefáveis
louvores.
Encontramos explicitações, sobre essa temática, em várias outras
obras de Agostinho. Cf. em "De Genesi ad litteram", no capo X. E
a carta a S. Jerônimo, n. 166, que leva como título geral: "De origine
animae hominis". Essa carta é um verdadeiro tratado sobre a questão.
Cf. ainda: "De anima et ejus origine" e as Cartas: 164 a Evódio e 190,
a Optato.
39. (20,56) -A misericórdia de Deus sempre presente
Neste capo 20, vemos como Agostinho demonstra que, seja qual
for a verdadeira doutrina acerca da origem das almas, não será uma
injustiça que as conseqüências penais do pecado de nossos primeiros
pais tenham passado a seus descendentes.
O doutor de Hipona sempre insiste na superabundância da
graça, e em tudo encontra motivo para louvar a misericórdia de Deus.
40. (20,58) Novas refutações de Agostinho a Pelágio: o homem sem a
graça não consegue se reerguer
Já temos observado como Pelágio queria provar Agostinho haver
reconhecido a soberania do livre-arbítrio e, portanto, o reconhecimento
da inutilidade da graça. Nas suas Retratações (1,9,6), Agostinho
aflI'IIla expressamente: "Eis como bem antes da aparição da heresia
291 LIVRO III
pelagiana nós Ja nos exprl1ll1amos como se discutíssemos contra
ela. Dissemos claramente de que condição miserável a graça de
Deus liberta-nos. Situação essa mui justamente infligida aos pecadores.
Com efeito, por si mesmo, isto é, livremente, o homem
pode cair, mas não consegue levantar-se por si mesmo. No 1. 11,20,
54, já foi dito: "Sem a ajuda de Deus ninguém é libertado de seus
males". Essa situação, os pelagianos não querem que provenha de
uma justa condenação, porque negam o pecado original. Não obstante,
a ignorância e a incapacidade, mesmo se pertencessem à
natureza primitiva do homem, não se deveria por isso acusar a Deus,
mas louvá-lo, como já explicamos sufIcientemente nesse mesmo livro
111.
41. (22,64) -Uma hipótese: o homem ter sido criado no estado atual, sem
ter havido o pecado
Até aqui, temos visto Agostinho sustentar que a ignorância e o
erro, assim como as dificuldades na conquista do autodomínio, então
ligados em nossos primeiros pais, não a um estado natural, mas serem
o castigo do pecado.
Neste capítulo, ele apresenta a suposição de um mundo sem
pecado - o homem criado sem os privilégios acima expostos, submetido,
entretanto, às mesmas dificuldades que enfrenta hoje, para
chegar à sabedoria. Toda a sua obrigação estaria, então, em se esfoçar
para se vencer, e tender à bem-aventuraça, contando com a graça de
Deus. E Agostinho apressa-se a mostrar que, ainda assim, Deus seria
digno de louvores.
E. Gilson comenta esta passagem do seguinte modo: "Sendo
absolutamente livre em seu ato criador, Deus poderia, se o quisesse, ter
criado o homem nesse estado em que o vemos presentemente. Não
haveria nada de indigno, ao fazer almas tais como são as nossas,
atualmente, ignorantes por certo, mas dotadas de uma luz natural que
lhes permite libertar-se progressivamente das trevas da ignorância e
agraciadas com uma vontade capaz de adquirir todas as virtudes. Mas
Deus não o quis ... " (Gilson, op. cit., p. 192.)
42. (23,66) -O problema do sofrimento e morte das crianças
Nesta seção C, da terceira parte do livro III, do capo 23,66 a 70,
Agostinho, ao tratar das crianças, preocupa-se também com a utilidade
do batismo que lhes é conferido (67). Igualmente, com a morte
prematura delas e seus sofrimentos (68). Isso o leva a refletir, ademais,
sobre o sofrimento dos animais (69). Significativa, a defInição de dor
por ele proposta: "O que é a dor, a não ser uma sensação de resistência
à divisão e à corrupção?" (69).
Conclui que todo ser criado canta a unjdade inefável de Deus,
e por aí demonstra a utilidade de sua existência (70). Particularmente
bela é a sua reflexão de como os seres aspiram pela unidade em Deus.
NOTAS COMPLEMENTARES 292
43. (24,71) -O sentido do termo "stultitia"
Traduzimos o termo "stultitia", empregado freqüentemente por
Agostinho nesta obra, por insensatez. Poderíamos ainda ter traduzido
por: estultícia, loucura, ignorância, insciência, incapacidade. "Stultitia",
porém, não é qualquer ignorância, mas aquela referente às coisas que
devem ser estimadas ou evitadas (13,42).
O "stultus" é, pois, um insensato, louco, ignorante, tolo, imprudente,
néscio ou insciente.
"Stultitia", para Agostinho, é o oposto de sabedoria ou sapiência.
E "stultus", o oposto de "sapiens", sábio.
Neste item, lemos que o primeiro homem não foi criado insensato,
mas com capacidade a se tornar sábio.
44. (24,72) Males derivados do orgulho
O orgulho pelo qual o homem atribui-se a sabedoria, afasta-o da
verdadeira sabedoria, leva à corrupção de sua inteligência. Assim não
saberia conduzi-lo a não ser ao erro, em matéria de religião. Está clara
aí a alusão aos neoplatônicos. Cf. o que está dito nesse sentido nas
Confissões, VII,9,13.14, e In 10,2,4.
45. (25,74) -A psicologia da atuação da vontade
A liberdade humana sempre foi bem salvaguardada por Agostinho.
Já temos insistido o quanto ele a defendeu contra os maniqueus.
E igualmente, na luta pelagiana, sob o risco de comprometer a mesma
liberdade, ao exaltar sobremaneira a ação da graça, ele nunca se
retratou de suas primeiras teorias acerca da capacidade do livrearbítrio.
Neste capítulo, vemos Agostinho desenvolver sua teoria sobre a
psicologia da vontade. Esta não se decide nunca sem ter um motivo,
sem haver percebido algum bem, de qualquer modo que seja. Ainda
que a vontade seja livre, diante dos motivos, no fundo ela toma
resoluções diferentes, conforme as diversas motivações apresentadas.
46. (25,74) - Distinção entre liberdade e livre-arbítrio
Enquanto, para nós, esses dois termos são quase sinônimos,
existe, para Agostinho, clara distinção entre o sentido de "liberum
arbitrium" e o de "libertas".
O livre-arbítrio existia no primeiro homem. É por ele que Adão
escolheu a via do mal. Mas ao agir assim, ele perdeu a liberdade de agir
bem. Segue-se que os seus descendentes, deixados a si mesmos,
conservaram intacto seu livre-arbítrio, para querer livremente o mal.
Mas não mais estavam livres no sentido completo da palavra, porque
não possuíam, desde então, a verdadeira e plena liberdade, aquela que
Adão possuía - a de usar bem de seu livre-arbítrio.
Portanto, só há liberdade ("libertas") para Agostinho quando a
graça vem se enxertar no livre-arbítrio e este se torna liberdade. Esta,
293 LIVRO III
pois, vem a ser o bom uso do livre-arbítrio, o qual subsiste no homem
atual, mas com um poder mais restrito. Donde segue que a diferença
entre o homem decaído e aquele que se restaura pela graça não está de
modo algum na posse ou não do livre-arbítrio, mas sim em sua eficácia.
A incapacidade de cumprir o bem conhecido, querido e escolhido é uma
penalidade do pecado original. Deus, por meio de sua graça, suscita em
nós a boa vontade. Nesta vida mortal, resta ao livre-arbítrio não o poder
de cumprir por si mesmo ajustiça, caso o queira, mas o de se voltar com
confiança suplicante para Aquele que lhe pode obter a graça de
praticar a virtude. (Cf. J. Riviere, "Enchiridion", B. A. 9, nota 18, p.
351ss e E. Gilson, op. cit., p. 202ss.)
47. (25,75) -A psicologia do pecado dos anjos
Agostinho estuda aqui a situação dos anjos maus ao pecar, aplicando-
lhes, por analogia, a nossa própria psicologia.
A presente reflexão baseada sobretudo na fé é, antes de tudo, um
tratado de teologia.
Notemos como o autor aceita como verossimilhança, sem o
afirmar categoricamente, a possibilidade de uma matéria espiritual.
Releia-se o quejá foi dito no capo 12,34 e as observações da n. 25.
48. (25,75) -A atenção do espírito
A expressão acima, no original, é a seguinte: "intentio animi", a
qual poderia também ser traduzida por: "pensamento do espírito".
O termo "intentio" é muito empregado por Agostinho. Neste
capítulo final do 1. IH, vemo-lo mencionado cinco vezes.
Significa propriamente os objetos conhecidos pela aplicação do
espírito ou pela atividade do pensam~nto, em contraposição aos objetos
conhecidos pelos sentidos corporais. E, pois, o conhecimento próprio da
inteligência; logo, o próprio pensamento. (Cf. A. S. Pinheiro, op. cit., n.
59, p. 264.)
49. (25,76) - Pontos fundamentais da espiritual idade agostiniana
Nesta importante passagem, Agostinho diz, em síntese: a alma
que em Deus renuncia a tudo e a seu próprio ser recobra a si mesma
e a tudo mais. Encontramos aí a clara fundamentação da espiritualidade
agostiniana, fonte das ascensões no processo de interiorização:
"ad extra - ad intra - ad supra".
Diz ele nas Confissões (VII, 10, 16): Após "redire ad memet, ipsum
intravi in intima mea". Abre-se ele em seu interior, no zênite da alma,
buscando o transcendente.
Lembremos o famoso aforismo de A verdadeira religião "Noli
foras ire, in teipsumredi, transcende te ipsum" (39,72). "Não saias fora
de ti, mas volta para dentro de ti mesmo, a Verdade habita no coração
do homem".
NOTAS COMPLEMENTARES 294
Encontramos as mesmas advertências em outros escritos seus:
- No Sermão 153,7,9: "Não fiques em ti, transcende-te n'Aquele
que te fez" (Noli remanere in te, transcende et te).
- No S. 169,9,11: "Sai, sai de ti mesmo, eu digo!" (Tolle te, tolle,
inquan, te a te").
- E no S. 330,3: "Não fiques em ti mesmo" ("Noli remanere" in
te").
50. (65,76) -O sentido das citações do Eclesiástico (10,14.15)
Estas duas passagens do Eclesiástico estão citadas conforme a
Setenta, em latim, assim transcritas: "Initium peccati superbia" (10,15);
e: "Initium superbiae hominis apostatare a Deo" (10,14). Observe-se
que é raro encontrarmos em Agostinho esses dois versículos apresentados
como máximas de ordem geral. Para ele, é clara a referência à
falta de Adão, isto é, a seu pecado de orgulho. Sendo esse também o
ponto de partida para toda falta humana - o afastamento de Deus e
a conseqüente imersão nas trevas.
51. (25,77) -O elogio final da Sabedoria
Este belo elogio final da Sabedoria apresenta-se como um fecho
brilhante à presente obra sobre o livre-arbítrio.
Terminemos nossas notas, evocando a significativa oração oficial
da festa litúrgica de santo Agostinho, a 28 de agosto:
"Senhor, despertai na vossa Igreja
o espírito que animou santo Agostinho,
para que todos nós,
sedentos da verdadeira Sabedoria,
não cansemos de vos procurar a vós,
fonte viva do amor eterno.
Amém".
BffiLIOGRAFIA
N.B. o texto original completo encontra·se em Patrologia de Migne (patres Latinil, edição
Maurina, tomo 32, col. 1221 . 1310.
TEXTOS BILÍNGÜES
Agustín San, De libero arbitrio, in Biblioteca de Autores Cristianos
(BAC), tomo lU, versão em espanhol, introdução e notas por P.
Evaristo Seijas, OSA, Madri, 1951, pp. 237-521.
Augustin Saint, De Libero arbitrio, in Bibliotheque Augustinienne
(B.A), voI. VI, Dialogues philosophiques, versão em francês,
introdução e notas por F.J.Thonnard, AA, DescIée de Brouwer,
Paris,1941.
Augustin Saint, De libero arbitrio, in Oeuvres Completes de Saint
Augustin, tomo 3, yersão em francês, introdução e notas por
Péronne, Vincent, Ecalle, Ed. Vives, Paris, 1873, pp. 292-421.
TEXTO COMPLETO EM PORTUGUÊS
Agostinho Santo, O livre arbítrio, trad. com introdução e notas por
António Soares Pinheiro, Faculdade de Filosofia, Braga, 1986.
OUTRAS OBRAS DE SANTO AGOSTINHO
Augustin Saint, Retractationes, texto, introdução, trad. e notas por
Gustave Bardy, DescIée de Brouwer, Paris, 1951.
--, Confissões, trad. de M. Luiza Jardim Amarante, Paulus, S.
Paulo, 5ª edição, 1993.
--, A Cidade de Deus contra os pagãos, 2 tomos, 2ª ed., trad. por
Oscar Paes Lems, Vozes, Petrópolis, 1990.
--, Enchiridion, trad. e notas porJ. Riviere, inB. A, tomo 9, Desclée
de Brouwer, Paris, 1947.
--, A verdadeira religião, trad. introd. e notas por N. A Oliveira,
Paulus, S. Paulo, 1987.
--, Solilóquios, idem, ibidem, 1993.
--, A Vida feliz, idem, ibidem, 1993.
--, A doutrina cristã, idem, ibidem, 1991.
--, A Trindade, idem, ibidem, no prelo.
--, De Ordine, trad. introd. e notas por P. V. Capánaga, ORSA, in
BAC I, Madri, 1957.
BIBLIOGRAFIA 296
--, Le maitre, trad. e notas por F. J. Thonnard, in Bibl. Augustinienne,
Dialogues philosophiques, Desclée de Brouwer, 1955.
--, De natura boni, trad. intr. e notas por M. Lanseros, in BAC 111,
MAdri, 1951.
--, De gratia et libero arbitrio, trad. por P.G.E.Vega, in BAC VI,
Madri, 1956.
OBRAS DE ESTUDO SOBRE SANTO AGOSTINHO
Bardy Gustave, SaintAugustin, l'homme etl'oeuvre, Desclé de Brouwer,
611 edição, 1946.
Brown Peter, La vie de Saint Augustin, traduzido do inglês, Ed. du
Seuil, Paris, 1985.
Capánaga, Victor, ORSA, Introducción general, in Obras de san
Agustín in Biblioteca de Autores Cristianos, BAC, I, Madri, 1957.
--, Pensamientos de San Agustín, in BAC I Minor, Madri, 1979.
--, San Agustín, Clássicos Labor XI, Barcelona, 1954.
Cayré Fulbert, AA, La contemplation augustienne, Desclée de Bouwer,
Paris, 1954.
--, Dieu présent dans la vie de l'esprit, Desclée de Brouwer, Paris,
1951.
--, Patrologie et Histoire de la Théologie, tomo I, Desclée et Cias,
Paris, Tournai, Roma, 1947.
Folch Gomes Cirilo, OSB, Antologia dos Santos Padre, Paulus, S.
Paulo, 1985.
Gilson Etienne, Introduction à l'étude de saintAugustin, Libr. Philos.,
2ª ed., Vrin, Paris, 1929.
João Paulo 11, Carta Apostólica Augustinum Hipponensem, pelo 162
centenário da conversão de santo Agostinho, Ed. Loyola, 1987.
Marrou Henri-Iréné, SaintAugustin et la fin de la culture antique, Ed.
de Boccard, Paris, 1ª edição, 1938.
--, Saint Augustim et l'augustinisme, Ed. du Seuil, Paris, 1951.
Portalié-E., Augustin (Saint), artigo in Dictionnaire de Théologie
Catholique, tomo I, 2, col. 2268 - 2472, Paris, 1931.
przywara E., San Agustín, perfil humano y religioso, ed. Cristiandad,
2ª ed., Madri, 1984.
Rocha Frei Hylton Miranda, OAR, Pelos caminhos de santo Agostinho,
Ed. Loyola, S. Paulo, 1989.
Thonnard, F.-J.,AA, Précis de l'histoire de la philosophie, Desclée de
Brouwer, Paris, Tournai, Roma, 1937.
Trapé Agostinho, Saint Augustin, l'homme, le pasteur, le mystique,
trad. do italiano, Fayard, Paris, 19088.
N.B. Outras indicações bibliográficas estão dadas nas notas complementares.
ÍNDICE
LIVRO I
O pecado provém do livre-arbítrio
25 INTRODUÇÃO (1,1-2,5) -O problema do mal
25 Capo 1,1-3 -É Deus o autor do mal?
28 Capo 2,4.5 - Por qual motivo agimos mal?
29 Pontos fundamentais da fé
30 PRIMEIRA PARTE (3,6-6,15)
30 Essência do pecado - submissão da razão às paixões
30 Capo 3,6-8 - Busca da origem d~ ~e~ado. . _
32 Capo 4,9.10 - Objeção: e os homlcldlOs cometldos s~m pmxao?
35 Capo 5,11-13 - Outra objeção: e os homicídios cometIdos em autodefesa
admitidos pela lei civil? .
39 Capo 6,14.15 - Solução: saber distinguir a lei eterna das leIs
temporais
43 SEGUNDA PARTE (7,16-11,22)
43 A causa do pecado - o abuso da vontade li~re . _
43 Capo 7.16.17 -O homem - superior aos arumals pela razao
46 Capo 8,18 -O lugar do homem na escala da pe~eição dos ~eres,
48 Capo 9,19 - O homem sábio - aquele que VIve submISSO a
razão . _
50 Capo 1O,20.21a - Nada força a razão a submeter-se às palXoes
51 Capo 11a,21b.22 - O Ser supremo não constrange a mente
humana a ser escrava das paixões
54 TERCEIRA PARTE (11,23-16,35) .
54 A atuação da boa vontade prova que o pecado vem do lwrearbítrio
54 Capo 11b,23 - Dúvidas de Evódio
54 Capo 12,24-26 - Uma hipótese do platonismo , .
57 Capo 13,27-29 - Nossa boa vontade implica o exerClClO das quatro
virtudes cardeais .
61 Capo 14,30 - Motivo de nem todos conseguirem a deseJada
felicidade
63 Capo 15,32-33 - Relação da boa vontade com a lei eterna e a
temporal
67 Capo 16,34.35 - Conclusão: a deflnição da essência do pecado
mostra que ele procede do livre-arbítrio
LIVRO 11
A prova da existência de Deus revela-o como
fonte de todo bem. Deus não é o autor do mal,
mas do livre-arbítrio, que é um bem
73 INTRODUÇÃO (1,1-2,6)
73 Por que nos deu Deus a liberdade de pecar?
73 Capo 1,2.3 -O livre-arbítrio vem de Deus
75 Capo 2,4-6 -Objeção:já que o livre-arbítrio foi-nos dado para fazer
o bem, como se volta ele para o mal?
80 PRIMEIRA PARTE (3,7-7,19)
80 Início da ascensão a Deus para chegarmos à prova de sua
existência
80 A. (3,7-6,14) - Busca do que há de mais nobre no homem
80 Capo 3,7-9 -As primeiras intuições do espírito: o existir, o viver,
o entender
86 Capo 4,10 - Percebe-se o sentido interior a si mesmo?
88 Capo 5,11.12 - O sentido interior, juiz e guia dos sentidos
exteriores
91 Capo 6,13.14 - A razão transcende a tudo mais no homem
94 B. (7,15-19) -O que é individual e o que é comum a todos
94 Capo 7,15-19 - Características de cada sentido exterior
100 SEGUNDA PARTE (8,20-14,38)
100 A intuição de Deus - acima da razão
100 Capo 8,20-24 - Os números e suas leis - superiores à razão
105 Capo 9,25-27 - Manifestações de sabedoria natural
110 Capo 10,28.29 - Certezas imutáveis das leis da sabedoria
113 Capo 11,30-32 -A sabedoria e os números encontram sua fonte na
Verdade imutável
116 Capo 12,33.34 - A Verdade imutável- o próprio Deus
119 Capo 13,35.36 - Exortação a abraçar a Verdade - fonte única da
felicidade
121 Capo 14,37.38 - A Verdade - fonte de liberdade e segurança
125 TERCEIRA PARTE (15,39-20,54)
125 Tudo o que é bom e perfeito vem de Deus
125 Capo 15,39.40 - Conclusão de toda a argumentação anterior:
Deus existe!
127 Capo 16,41-44 - A sabedoria manifesta-se aos que a procuram,
graças aos números impressos em cada ser
131 Capo 17,45.46 - O princípio de participação. Todo bem e toda
perfeição é recebida de Deus
134 Capo 18,47-49 -O livre-arbítrio é um bem em si mesmo
138 Capo 19,50-53 - Entre os grandes bens, as virtudes cardeais
142 Capo 20,54 - Conclusão: o mal origina-se da deflciência do livrearbítrio
LIVRO 111
Louvor a Deus pela ordem universal, da qual o livre-arbítrio
é um elemento positivo, ainda que sujeito ao pecado
147 INTRODUÇÃO (1,1-3)
147 Capo 1,1-3 - O movimento culpável da vontade que se afasta de
Deus vem do livre-arbítrio
152 PRIMEIRA PARTE (2,4-4.11)
152 Conciliação entre o pecado e a presciência de Deus
152 Capo 2,4.5 - Objeção: não acontece necessariamente o que Deus
prevê?
154 Capo 3,6-8 - A presciência divina, longe de destruir o ato livre,
exige a sua existência
159 Capo 4,9-11 - Obscuridade da relação entre presciência divina e
liberdade humana
162 SEGUNDA PARTE (5,12-16,46)
162 Relações entre o pecado e a Providência divina
162 A. Regra fundamental: louvar a Deus por ter dado o ser às
criaturas racionais, ainda que pecadoras
162 Capo 5,12-17 - Louvemos a Deus por todas as obras criadas - as
superiores como as inferiores
169 Capo 6,18a - Não atribuir a Deus a causa do pecado
169 B. Objeção: e o desejo da própria morte?
169 Capo 6b,18b.19 - Ninguém quer deixar de existir
171 Capo 7,20.21 - A existência é amada porque vem do sumo Ser
173 Capo 8,22.23 - Nem mesmo aqueles que se suicidam preferem o
não-ser
176 C. O pecado e ~ ordem do universo
176 Capo 9,24-28 - E indevido censurara Deus pela criação de seres
menos perfeitos
183 Capo 10,29-31- Conseqüências do pecado original
186 Capo 11,32-34 -Toda criatura justa ou pecadora contribui para a
ordem universal
189 Capo 12a,35 - Nada pode perturbar o governo de Deus sobre o
universo
191 D. O pecado e a bondade das criaturas
191 Capo 12b,36a - Contemplação da beleza da criação
191 Capo 13,36b - Princípio fundamental: todo ser é bom. O mal é uma
privação
194 Capo 14,39-41- Dois complementos
197 E. O pecado e a justiça
197 Capo 15,42-44 - Motivos de louvar a Deus
201 Capo 16,45.46 - Deus nada nos deve, nós tudo lhe devemos
205 TERCEIRA PARTE (17,47-25,77)
205 Problemas diversos
205 A. A vontade livre - causa primeira do pecado
205 Capo 17,47-49 - Posição do problema: sem liberdade não há
pecado
207 Capo 18,50 - Pode alguém pecar em coisas que não pôde evitar?
208 B. A nossa situação atual, devida ao pecado original
210 Capo 19,53.54 - Se foram Adão e Eva que pecaram, que culpa
temos nós?
212 Capo 20,55-58 - Justiça e bondade de Deus na condição atual de
fraqueza dos homens
218 Capo 21,59-62 -O que é preciso crer e que tipos de erros prejudicam
a nossa felicidade
224 Capo 22,63 - Os pecados são atribuíveis à própria vontade, não a
Deus
227 C. Problemas acerca das crianças
227 Capo 23,66 -A morte prematura das crianças e o sofrimento que
padecem não são contrários à ordem universal
232 D. Questões sobre o primeiro pecado do homem e o do demônio
232 Capo 24,71-73 - Foi o homem criado em estado de sabedoria ou de
insensatez? .
237 Capo 25,74-77 - Confronto entre o orgulho e a sabedoria
243 Notas complementares
295 BibliografIa








Pesquisar este blog

Carregando...
arte (407) pintura (248) filosofia (102) fotografia (89) literatura (84) psicanálise (57) morte (37) HQ (28) freud (28) peanuts (27) skull (27) antropologia (26) comic (24) poesia (23) lacan (22) PSYCHOANALYSIS (20) Desenho (17) Picasso (15) o seminário (15) Bresson (13) cat (12) oriente (12) borges (11) kant (11) psicologia (11) foucault (10) levi-strauss (10) platão (10) SONHOS (9) religião (9) Kirchner (8) biografia (8) kafka (8) love (8) Ernest Max (7) Guimaraes Rosa (7) Ken Rosenthal (7) Mark Eshbaugh (7) NIETZSCHE (6) Salvador Dali (6) aristóteles (6) manet (6) snoopy (6) sociologia (6) Animais (5) Aristotle (5) Escher (5) Geertz (5) Hundertwasser (5) Lauren Simonutti (5) Sommer (5) medicina (5) munch (5) Arthur DOVE (4) CINEMA (4) Carl LARSSON (4) Cézanne (4) DICIONARIO (4) Descartes (4) Doré (4) Ernest Jones (4) Ernst HAAS (4) Guido Crepax (4) H. Bergson (4) Julio Cortázar (4) Kacere (4) Locke (4) Mucha (4) Richter (4) Van Gogh (4) Will Barnet (4) alexandre koyrè (4) caveira (4) drummond (4) gravura (4) hegel (4) história (4) linguística (4) monet (4) música (4) sartre (4) teatro (4) televisão (4) universo (4) verdade (4) Abbas (3) Arthur Rackham (3) Avigdor (3) Blake (3) CORINTH (3) Cambon (3) Connie Imboden (3) David Hockney (3) F. Hodler (3) Frida KAHLO (3) GEORGES BATAILLE (3) James Joyce (3) Kojeve (3) Konrad LORENZ (3) Lori Nix (3) M. J. A. Eguiño (3) Marcel MAUSS (3) Marqués de Sade (3) Marx (3) Memling (3) Pierre Bourdieu (3) Psychiatry (3) SENECA (3) Schopenhauer (3) Tom Chambers (3) Winnicott (3) arroyo (3) autobiografia (3) baby (3) caravaggio (3) cristianismo (3) dickens (3) einstein (3) erwitt (3) etologia (3) fisica (3) magia (3) planetas (3) B. F. Skinner (2) BACHELARD (2) Birman J. (2) CERVANTES (2) Castillo (2) Dix (2) Dulac (2) E. HOPPER (2) E. Nodel (2) ETNOLOGÍA (2) Ernest HAAS (2) Ferenczi (2) G. JOHN (2) GEORGE CANGUILHEM (2) Gustav Caillebotte (2) Hipocrates (2) J. Ensor (2) J. J. Tissot (2) JUNG (2) John Donne (2) KARL JASPERS (2) KIERKEGAARD (2) Kandinsky (2) Klimt (2) L. da VINCI (2) LOUIS ALTHUSSER (2) Lewis Carroll (2) M. Dzama (2) MAUGHAM (2) MERLEAU - PONTY (2) Mann (2) Melanie Klein (2) Neil Welliver (2) Norman Rockwell (2) Pascal (2) Piaget (2) Pollock (2) Quino (2) Roland Barthes (2) Sahlins (2) Serge Leclaire (2) St. Agostinho (2) Stratton (2) Vinicus de Moraes (2) Vuillard (2) WITTGENSTEIN (2) amor (2) beauvoir (2) biology (2) cogito (2) critica (2) cultura (2) diabo (2) erotic (2) estruturalismo (2) gide (2) guerra (2) loucura (2) lua (2) mind (2) mitologia (2) mitos (2) rilke (2) salomão (2) saturno (2) sono (2) sócrates (2) vida (2) ética (2) A. Comte (1) A. Warhol (1) Alix Malka (1) Andreas Gursky (1) Anticristo (1) Arcimboldo (1) Aristófanes (1) Augusto dos Anjos (1) B. Barbey (1) B. Jacklin (1) Bagheria (1) Barbara Morgan (1) Basquiat (1) Berkeley (1) Bhagavad-Gita (1) Bhopal (1) Bocklin (1) Bouguereau (1) Brauner (1) Bruegel (1) Brueghel (1) Brueguel (1) Burt GLINN (1) CALOUSTE GULBENKIAN (1) CAZOTTE (1) CRVANTES (1) Charles S. Peirce (1) Chavannes (1) China (1) Claesz (1) Confucius (1) Confúncio (1) D. (1) DAVIS Stuart (1) DEGAS (1) DELACROIX (1) Dalton Trevisan (1) Deleuze (1) Denis (1) Design (1) Diebenkorn (1) Diógenes (1) E. (1) ERNST CASSIRER (1) Emile Durkheim (1) Empédocles (1) Epimenides (1) F. Vallotton (1) FERDINAND DE SAUSSURE (1) Feuerbach (1) Feyerabend (1) Florbela Espanca (1) Franceco Clemente (1) Franz Marc (1) GROOT (1) GUSTON (1) Galileu (1) Gestalt (1) Graham (1) Grécia (1) Guercino (1) H. Arendt (1) H. MARCUSE (1) Hals (1) Helmut Newton (1) Holbien (1) Hume (1) J. Derrida (1) J.-F. Millet (1) Jan Van KESSEL (1) Jean Laplanche (1) KROYER (1) Kandel E. (1) Keane (1) Kim (1) Kitaoka (1) Klee (1) Knight (1) Korand Von SOEST (1) Kôhler (1) Liev Tolstói (1) M. Mead (1) Malinowski (1) Mantegna (1) Mark Petrick (1) Max Weber (1) Mário Quintana (1) Münter (1) N. Chomsky (1) NEIL GAIMAN (1) Nasio (1) Otto Rank (1) Ovídio (1) Palencia (1) Parmênides (1) Paul DELVAUX (1) Peter HILLE (1) Raduan Nassar (1) Ron Van Dongen (1) S. Franklin (1) Sandman (1) Satrapi (1) Schiele (1) Shakespeare (1) Silvers (1) Siqueiros (1) Spinoza (1) St. T. de Aquino (1) TELEPATIA (1) TODOROV (1) Tarsila do Amaral (1) Taschen (1) Thomas HOPKER (1) Truffaut (1) Tycho (1) Uccello (1) Velvet underground Nico (1) Verne (1) Victor Brochard (1) W. Metcalf (1) Web (1) Weinberg (1) William Bailey (1) Woody Allen (1) Xenofonte (1) Y. Utagawa (1) Yoshitoshi (1) alessandro gottardo (1) arcoiris (1) armour (1) arquitetura (1) asselyn (1) ate (1) bassano (1) biblia (1) breton (1) cartoon (1) ceticismo (1) cocaina (1) conto (1) criança (1) dança (1) direito (1) dor (1) eclesiastes (1) economia (1) edgar allan poe (1) edgar morin (1) ego (1) ensaio (1) epicurus (1) espelho (1) estações (1) eu (1) fala (1) feed (1) foto (1) frr (1) física (1) game (1) gato (1) giger (1) girafa (1) goya (1) hamlet (1) hoffmann (1) humor (1) identificação (1) impressionismo (1) intuição (1) jakobson (1) japan (1) krsna (1) kundera (1) lacn (1) leminski (1) lévi-strauss (1) mafalda (1) magritte (1) miró (1) moda (1) moral (1) mundo (1) mãe (1) narrativa (1) nausea (1) neruda (1) nokides (1) ocultismo (1) perguntas (1) poeso (1) poker (1) política (1) praia (1) sabedoria (1) sapatos (1) saramago (1) semina (1) semiótica (1) shopenhauer (1) soutine (1) suicidio (1) swan (1) sêneca (1) tatoo (1) tatuagem (1) tese (1) titã (1) touro (1) umberto eco (1) valentina (1) venus (1) virtude (1) war (1) weeks (1)
 

sobrefulanos by nokides